Page 8

anos, “sugerindo que a estagnação da agricultura na África Subsariana pode ter chegado ao fim”, nas palavras do Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial 2008, publicado pelo Banco Mundial. Em larga medida, este crescimento tem resultado da expansão da área cultivada. No entanto, melhores variedades de culturas e outras tecnologias têm-se vindo a espalhar mais amplamente através de África, como indicam muitas das histórias neste volume. A investigação realizada em centros apoiados pelo CGIAR e pelos seus parceiros nacionais está a contribuir de modo significativo para esse progresso. Nenhuma outra organização está tão bem equipada e dotada de recursos para ajudar a resolver as muitas dificuldades da região, como as doenças e pragas tropicais, solos inférteis, barreiras comerciais e alterações climáticas. Em resultado de investigações feitas em colaboração, numerosas variedades melhoradas de culturas de alimentos básicos estão agora a ser semeadas em milhões de hectares na África Subsariana. A grande diversidade de culturas da região — por vezes encarada como obstáculo a um progresso rápido — pode agora ser vista como uma oportunidade para alargar o âmbito da inovação tecnológica e multiplicar as opções de progresso. A pesquisa complementar sobre a saúde das culturas — centrada em medidas como o controlo biológico e a resistência genética a moléstias e pragas — tem, repetidas vezes, protegido a agricultura africana de grandes devastações. Torna-se claro que estes trabalhos têm capacidade para oferecer potentes remédios para as crescentes pressões de doenças e pragas que se prevê resultarem das alterações climáticas. { vi }

Uma Paix ão para Lá do Normal . Prefácio

Pesquisas recentes, direccionadas para uma melhor gestão de recursos naturais, têm apresentado opções prometedoras para a inversão da degradação dos solos em África e para uma utilização mais eficiente da água. Ao proporcionar maneiras mais sustentáveis de fazer uso dos vastos recursos de terra e água da região, estas opções podem dar a África melhores condições para exercer uma gestão ambiental eficaz para benefício de toda a humanidade, potenciando simultaneamente a sua clara vantagem comparativa na agricultura. Com base no que foi recentemente alcançado, pode-se considerar que estão lançadas as bases tecnológicas para aquilo que o Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial 2008 refere como “uma revolução da produtividade, baseada nos pequenos proprietários”, a verificar-se na agricultura de África. A questão óbvia agora é qual a melhor forma de potenciar esta base, alargando-a aos tão diversos sistemas agrícolas da região. O relatório fornece uma espécie de plano de arquitectura do que refere como “países apoiados na agricultura”, que se encontram principalmente na África Subsariana e que formam um dos “três mundos da agricultura”. No contexto desse mundo, os alimentos básicos representam uma larga quota do total da produção agrícola. O desenvolvimento económico de África depende assim, em grande medida, da sua capacidade para produzir mais alimentos do que os que consome. Até 2015, a procura de alimentos na região deverá cifrar-se em cerca de USD 100 mil milhões, o dobro do montante de 2000. Para garantir que a sua produção alimentar mantenha o ritmo da procura interna, África tem de avançar em muitas frentes simultaneamente, e isto é talvez o que

sobretudo distingue o seu percurso de crescimento de produtividade em relação ao da Ásia. Bem conscientes da diferença, muitos peritos agrícolas de África acreditam que a região precisa de uma abordagem mais integrada à inovação tecnológica. Numa hora em que o CGIAR embarca em ambiciosas reformas, confiamos em que contribuirá com um sucesso ainda maior para a inovação na agricultura de África.

Katherine Sierra

Ren Wang

Monty Jones

Presidente CGIAR

Director CGIAR

Director Executivo Fórum para a Pesquisa Agrícola em África (FARA)

Uma Paixao para la do Normal  

How farmers and researchers are finding solutions to Africa's hunger.

Uma Paixao para la do Normal  

How farmers and researchers are finding solutions to Africa's hunger.

Advertisement