Page 76

Primeiro, cientistas do CIP e do Instituto Internacional de Agricultura Tropical (IITA) entraram no domínio do marketing social, numa tentativa de descobrir maneiras de promover a batata-doce junto da generalidade da população. Maria Isabel Andrade, de 50 anos, uma produtora de batata-doce e especialista em sementes do CIP, baseada no Maputo, assumiu para a campanha um título não oficial: cheerleader da batata-doce. Laranja tornou-se a cor da sua vida. Encomendou milhares de t-shirts e saias traçadas cor de laranja para brindes. Coordenou campanhas de publicidade em jornais e na rádio sobre a batata-doce de polpa laranja. Contratou um artista para pintar murais mostrando seres humanos com forma de batatadoce a trabalhar sorridentes nos campos. Pintou seu armário de arquivo cor de laranja. E até arranjou um Toyota Land Cruiser em brilhante cor de laranja. “Sabe, tem que se acreditar naquilo que se faz”, disse ela, à guisa de explicação. “É assim que as pessoas alinham connosco.” Os cientistas do CIP dedicaram-se também a documentar os benefícios da batata-doce para as crianças das famílias que estavam a fazer a cultura. Segundo um estudo conduzido por Jan Low, líder regional do CIP para a África Subsariana, baseado em Nairobi, os investigadores concluíram que, num período de dois anos, na província da Zambézia, na zona central de Moçambique, o esforço para educar os pais sobre os benefícios nutricionais desta cultura tinham dado bons resultados. A batata-doce tem não só betacaroteno, o precursor da vitamina A, mas é também uma boa fonte de vitamina C, manganês, cobre, fibra dietética, vitamina B6, potássio e ferro. As crianças que viviam em famílias a quem foram explicados os benefícios da batata-doce consumiam oito vezes mais vitamina A que as de

{ 62 }

Uma Paix ão para Lá do Normal . Moçambique

lares que não receberam esses ensinamentos. No final do estudo, a prevalência de crianças emaciadas e com peso inferior ao próprio da idade era substancialmente mais elevada no grupo que não tinha sido encorajado a consumir batata-doce — 6 por cento foram diagnosticadas como emaciadas, em comparação com 3 por cento no grupo educado, e 34 por cento estavam abaixo do peso para a idade, em comparação com 24 por cento no grupo que recebeu formação. Seguidamente, com uma doação da Agência dos Estados Unidos para o Desenvolvimento Internacional, e do governo de Moçambique, o CIP e o IITA distribuíram 813 568 estacas de batata-doce para plantio, entre 2000 e 2007, a famílias por todo o país. Quase 500 hectares foram plantados para semente, resultando em 2,9 milhões de quilos de estacas. Utilizaram também as verbas para dar formação aos agricultores sobre os usos múltiplos da batata-doce, incluindo pão, farinha, biscoitos, batatas fritas, sobremesas e bolos. E há também quem coma as folhas. Na Padaria Aliança, do Maputo, os donos resolveram começar a cozer pão de batata-doce após uma especialista de extensão, Cheila Martins, os ter persuadido de que os clientes gostariam. Após vários projectos de pão de batata-doce nos distritos do planalto de Moçambique, Martins conseguiu convencer 10 padarias de vários pontos do país a alinharem também. Os padeiros da Aliança, tal como os outros, usaram polpa da batata-doce e não farinha pois, conforme Andrade lhes tinha explicado, a polpa contém mais vitamina A que a farinha processada da polpa alaranjada. “Este pão é mais uma opção para as pessoas daqui — e talvez uma opção mais barata dada a subida do preço da farinha de trigo”, disse Victor Miguel, um dos donos da padaria.

No primeiro dia, venderam-se 90 pãezinhos de batata-doce em poucos minutos. “O sabor é muito bom”, comentou o padeiro Elias Manhique, de 35 anos. “E é um pão muito prático. Nem precisa de juntar manteiga ou compota. Come-se assim mesmo, por ser tão bom.” Na aldeia de Boane, estes comentários são uma boa notícia. As padarias representam um outro mercado para as suas batatas-doces. A cooperativa local vai plantar 5 hectares de batata-doce em 2008, o dobro do ano anterior. A batata-doce, a par dos tomates de alta produção, das couves, pimentos e pepinos, ajudou a elevar o nível de vida dos membros da cooperativa. Continuam longe de ser ricos — nenhum deles possui automóvel — mas os seus horizontes alargaram. Em anos anteriores, só duas pessoas, de entre as famílias da cooperativa, faziam estudos universitários, mas agora há seis jovens adultos a prepararem-se para o ensino superior. Há um benefício directamente atribuível à batatadoce: ela tornou-se um elemento importante da dieta alimentar das crianças. “Estou a começar a dar batata-doce ao meu bebé”, contou Deolinda Charles, de 32 anos, que transportava, enrolado às costas, o seu bebé de quatro meses, Carlos. “Os investigadores disseram-me que o ajudará a crescer forte, que teria ali uma fonte de vitamina A. E isso dá-me uma grande satisfação.”

Uma Paixao para la do Normal  

How farmers and researchers are finding solutions to Africa's hunger.

Uma Paixao para la do Normal  

How farmers and researchers are finding solutions to Africa's hunger.

Advertisement