Page 62

Said Silim SAKILA, Tanzânia — Em 1990, com 40 anos de idade, Said N. Silim pode olhar para trás, para a sua vida, e ver muita coisa realizada, especialmente atendendo às dificuldades da sua infância. Cresceu no norte rural do Uganda, um de nove filhos. Quando era ainda muito jovem, seu pai, que era comerciante, morreu.

“Como é que se pode retribuir à sociedade?”

Silim acreditava que a única forma de escapar à pobreza era através dos livros e por isso trabalhou para cumprir todo o sistema educativo, concentrando-se na agricultura e licenciando-se na Universidade Makerera, em Kampala, e na Universidade de Cartum, no Sudão, e, finalmente, obtendo o doutoramento em fisiologia das culturas na Universidade de Nottingham, no Reino Unido. Foi essa educação que lhe permitiu obter bons empregos: primeiro como fisiologista e agrónomo do Centro Internacional de Pesquisa Agrícola em Áreas Secas (ICARDA), baseado na Síria; e mais tarde, nos finais de 1989, foi enviado para a Índia pelo Instituto Internacional de Pesquisa Agrícola para os Trópicos Semi-Áridos (ICRISAT).

{ 48 } Uma Paix ão para Lá do Normal . Tanzânia

processo que trouxe Silim e a sua família de volta a África, onde ele sentia que podia dar algo de volta. E fê-lo, realmente. Quase duas décadas depois, Silim é o director regional para a África Oriental e Meridional do ICRISAT, com base em Nairobi, superintendendo o trabalho de 37 cientistas no Quénia, Malawi, Moçambique e Zimbabué. Como gestor, tem ajudado a formar um quadro de cientistas africanos e a impulsionar programas para dar maior poder económico às mulheres agricultoras.

Mas um dia, no ano a seguir, Amna, a sua filha de cinco anos perguntou-lhe: “Pai, como é que se pode retribuir à sociedade?”

Mas o seu trabalho de pesquisa tem atraído maior atenção. Silim foi um dos primeiros cientistas em campo a reconhecer, na África, que as temperaturas estavam a tornar-se mais elevadas em muitas áreas do continente. Já desde 1994, três anos apenas após o seu regresso a África, que ele estuda os impactos das mudanças climáticas nas culturas.

Aparentemente, ela tinha-o ouvido falar sobre o seu desejo de fazer qualquer coisa mais. A questão deu-lhe pausa — e ajudou a iniciar um

Examinou as complexas interligações entre temperatura, floração das culturas, elevação e duração da luz solar, utilizando a cultura do

Uma Paixao para la do Normal  

How farmers and researchers are finding solutions to Africa's hunger.