Page 48

Captacao da Agua da Chuva Queremos ajudar os agricultores a sair da pobreza

NTARAMA, Ruanda — Os agricultores mostravam-se cépticos. Quem é que fazia cultivo durante a estação seca? Ninguém, na vizinhança, nem nenhum dos seus antepassados. Mas os cientistas vinham agora dizer que sim, que podiam — desde que fizessem uma pequena albufeira para guardar as águas da estação das chuvas. Sessenta e dois agricultores deste pequeno país da África Central concordaram em tentar — vieram trabalhadores cavar buracos e instalaram bombas e os agricultores semearam hortaliças. E ficaram surpreendidos. As hortaliças, bem irrigadas, produziam colheitas elevadas — e os agricultores ainda tinham restos de água para oferecer aos seus vizinhos, um gesto de boa vontade e um investimento para bons negócios. “Não se vêem muitos legumes ou frutos nesta área, porque é tão seca”, explicou Aimé Marie Kayigwisagye, 27 anos, mãe de uma criança, junto ao seu novo pequeno lago, forrado a plástico preto para reter a água. “Mas nesta estação seca, eu tive couves. O que nunca acontecera antes. Plantei tomates depois das couves neste mesmo lote de terra e veja o que está a acontecer.” Em volta dos seus pés jaziam gordos tomates — vermelhos, alaranjados e ainda verdes. Noutro

{ 34 }

Uma Paix ão para Lá do Normal . Ruanda

campo, papaieiras tinham suculentos frutos em crescimento e floresciam mangueiras anãs ainda a uma estação de distância da época de produção. Kayigwisagye comentou que nos próximos tempos iria ter na horta um excedente de tomate, que tencionava vender no mercado, numa altura em que quase ninguém na zona tinha colheitas de legumes frescos. As couves, que normalmente eram a USD 0,10 por cabeça, venderam-se pelo dobro no mercado. Os tomates, que na estação se vendem por 0,75 o quilo, valiam agora USD 1.10. Kasigwisagye referiu que o que ganhou com os legumes lhe permitiu comprar coisas que nunca antes tivera em casa. Coisas tão simples como o açúcar. “Ponho açúcar no chá”, disse ela, quase a desculpar-se. “E na verdade gosto muito.”

Uma Paixao para la do Normal  

How farmers and researchers are finding solutions to Africa's hunger.