Page 34

Solos

A magia da soja: Dar nova vida a solos esgotados

ESHIVANZE, Quénia – A crosta da terra é aqui tão fina que escorre por entre dedos. Não há aqui ricos torrões negros. E a chuva não é a culpada; esta parte do Quénia tem abundância de chuva. Em vez disso, a sobrepopulação e o implacável retalhar da terra agrícola em pedaços cada vez mais pequenos, com o passar de cada geração, significa que em cada lote o cultivo nunca abranda e, pelo contrário, se intensifica. O solo, outrora fértil, está a tornar-se estéril pela sobreexploração Ali Watiti Rapando bem o sabe. A sua quinta, outrora do seu pai, há décadas que é lavrada para cultivar milho painço, mandioca e milho. Mas as receitas têm estado a tornar-se mais magras em cada época, fazendo-o recear que não poderá continuar a manter as suas duas mulheres e 10 filhos. Watiti imaginou assim um plano de sobrevivência baseado em dois princípios: diversificaria as suas actividades de modo a procurar novas maneiras de ganhar dinheiro, e iria ter com os investigadores agrícolas para aprender modos de melhorar a sua exploração. Lançou-se na apicultura. Plantou cana-de-açúcar. Arranjou 50 galinhas e largou-as à solta na quinta. E foi então que descobriu uma verdadeira pérola: o feijão de soja.

{ 20 }

Uma Paix ão para Lá do Normal . Quénia

O feijão de soja não era muito popular na zona ocidental do Quénia. Era uma novidade, um desconhecido. No entanto, em anos recentes e por toda a África, esta cultura começou a ganhar terreno entre os agricultores, particularmente na Nigéria e no Zimbabué. Nos últimos anos, em Eshivanze, investigadores do Instituto de Fertilidade e Biologia do Solo Tropical do Centro Internacional para a Agricultura Tropical (TSBFCIAT) começaram a mostrar a Watiti e aos agricultores seus vizinhos as vantagens que poderiam ter com esta cultura. Apresentaram três razões principais: é nutritivo e uma boa fonte de proteína; podem realizar dinheiro vendendo produtos de soja no mercado; e, talvez a melhor de todas, as plantas da soja captam nitrogénio no ar e transferem-no para o solo. Quando a planta da soja morre, deixa mais nitrogénio no solo do que havia antes.

Uma Paixao para la do Normal  
Uma Paixao para la do Normal  

How farmers and researchers are finding solutions to Africa's hunger.

Advertisement