Page 1

ISSN 1517-6959

R e v i s t a

Ano 16/2010 – N°50 – R$ 7,00

CFMV

Maio/Junho/Julho/Agosto

Conselho Federal de Medicina Veterinária

Cirurgia Cardíaca:

ênfase ao ensino e ao treinamento profissional Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

1


CFMV A Revista CFMV é editada quadrimestralmente pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária e destina-se à divulgação de trabalhos técnicocientíficos (revisões, artigos de educação continuada, artigos originais) e matérias de interesse da Medicina Veterinária e da Zootecnia. A distribuição é gratuita aos inscritos no Sistema CFMV/CRMVs e órgãos públicos. Correspondência e solicitações de números avulsos devem ser enviadas ao Conselho Federal de Medicina Veterinária no seguinte endereço:

SIA – Trecho 6 – Lote 130 e 140 Brasília – DF – Cep: 71205-060 Fone: (61) 2106-0400 – Fax: (61) 2106-0444 Site: www.cfmv.org.br - E-mail: cfmv@cfmv.org.br

A Revista Cfmv é indexada na base de dados AGROBASE

Revista CFMV. – v.1, n.50 (2010) Brasília: Conselho Federal de Medicina Veterinária, 2010 Quadrimestral ISSN 1517 – 6959 1. Medicina Veterinária – Brasil – Periódicos. I. Conselho Federal de Medicina Veterinária. AGRIS L70 CDU619(81)(05)


Sumário 4

Editorial

5

Entrevista

12

Cirurgia cardíaca

19

Agrosuinocultura. Solução sustentavel brasileira

|

Prof. Dr. Adroaldo José Zanella;

23 Suplemento Científico 51 Contenção bovina 59 Carrapaticidas 62 Cetas 65 Ensino de Medicina Veterinária 74 Publicações 76 Agenda 78 Opinião | Dr. Flavio Massone - Reminiscências: Passado, presente e futuro


editorial

Comprometimento com a qualidade Expressando nosso comprometimento com a melhoria constante da Revista CFMV, reafirmando a seriedade da publicação e o seu propósito de informar e participar da formação de profissionais e estudantes da Medicina Veterinária e Zootecnia, é com satisfação que apresentamos o numero 50. É possível constatar que o conteúdo continua de grande importância, mas estamos destacando o novo layout e o novo projeto gráfico, que se encontra dentro dos padrões gráficos atuais e das mais modernas revistas cientificas do mundo. A proposta atualizada permitirá maior liberdade para a criação gráfica, maior espaço para fotos e sintetização do texto para que a informação relevante seja divulgada de forma atrativa aos leitores. Como resultado esperamos que a publicação se torne mais

agradável para leitura e com menos blocos de texto, o que implicará em maior satisfação de nossos leitores. Outro destaque desta edição é a entrevista com o Dr. Zanella, especialista em bem-estar animal, que estará participando do II Congresso Brasileiro de Bioética e Bem-Estar Animal, promovido pela respectiva Comissão do CFMV, em agosto, em Belo Horizonte, MG. Dentro da formação continuada destacamos nosso assunto de capa no qual o Dr. André Lacerda tenta desmistificar a cirurgia cardíaca. Também passamos pela agrosuinocultura sustentável, os resíduos de medicamentos e a contenção animal. Uma boa leitura!

E X P E D IE N TE CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA SIA – Trecho 6 – Lote 130 e 140 Brasília-DF – CEP: 71205-060 Fone: (61) 2106-0400 Fax: (61) 2106-0444 www.cfmv.org.br cfmv@cfmv.org.br

CONSELHEIROS EFETIVOS Adeilton Ricardo da Silva

Tiragem: 85.000 exemplares

José Saraiva Neves

DIRETORIA EXECUTIVA Presidente

Benedito Fortes de Arruda

Eduardo Luiz Silva Costa CRMV-SE Nº 0037

Oriana Bezerra Lima CRMV-PI Nº 0431

CRMV-RR Nº 0004

CRMV-PB Nº 0237

CRMV-AL Nº 0250

Antônio Felipe Paulino Figueiredo Wouk CRMV-PR Nº 0850

Luiz Carlos Januário da Silva

CRMV-ES Nº 0093

Joaquim Lair

Amilson Pereira Said CRMV-ES Nº 0093

Geovane Pacífico Vieira

Tesoureiro

Amilson Pereira Said

Presidente

Eduardo Luiz Silva Costa

CRMV-GO Nº 0242

CRMV-GO Nº 0242

Joaquim Lair

CONSELHO EDITORIAL CRMV-SE Nº 0037

Célio Macedo da Fonseca

CONSELHEIROS SUPLENTES Josiane Veloso da Silva CRMV-MA Nº 0030/Z

Secretário - Geral

CRMV-DF Nº 0166/Z

CRMV-RO Nº 0002/Z

CRMV-GO Nº 0272 Vice-Presidente

Ricardo de Magalhães Luz

CRMV-AC Nº 0001/Z

Nivaldo de Azevêdo Costa

Editor Ricardo Junqueira Del Carlo

CRMV-MG Nº 1759

Jornalista Responsável Flávia Tonin MTB Nº 039263/SP Projeto e Diagramação Duo Design Comunicação Impressão Gráfica Editora Pallotti

CRMV-PE Nº 1051

Raimundo Nonato C. Camargo Júnior CRMV-PA Nº 1504

OS ARTIGOS ASSINADOS SÃO DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DOS AUTORES, NÃO REPRESENTANDO, NECESSARIAMENTE, A OPINIÃO DO CFMV.


En t r e v i s ta

Professor Adroaldo Zanella Natural de Paim Filho, na região norte do Estado do Rio Grande do Sul, o Médico Veterinário Zanella, formado pela PUCRS de Uruguaiana, fez doutorado na Grã-Bretanha, pós-doutorado na Alemanha e, depois, atuou como professor nos Estados Unidos. Atualmente, trabalha na Escola Norueguesa de Ciências Veterinárias, motivado pela tradição do país na área em que atua: o bem-estar dos animais e, orienta pesquisas com bovinos, ovinos, caprinos e suínos. O Dr Zanella será um dos palestrantes do II Congresso Brasileiro de Bioética e Bem-Estar Animal.

1. Com base na sua longa experiência técnicocientífica adquirida tanto na Europa quanto nos Estados Unidos, que estratégias podem ser adotadas para se avaliar o bem-estar animal? As estratégias para avaliação do bem-estar animal podem ser resumidas sucintamente em três escolas de pensamento: a) escola que propõe o estudo da função biológica para determinação do bemestar animal. A mais tradicional escola de pensamento propõe a utilização de indicadores de biologia animal para a avaliação do bem-estar. Indicadores biológicos podem ser representados pela ocorrência de doenças, níveis de hormônios de estresse, ganho de peso, produção de leite, conversão alimentar, produção de fibra, presença de formas anormais de comportamento entre outros; b) escola que propõe a medida de estado mental (emoções) em animais. Esta escola defende a hipótese de que o fator mais importante para a avaliação do bem-estar animal é identificar como eles se sentem: evitar sofrimento e propiciar formas positivas de vida. Indicadores para Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

monitorar preferência ou aversão a certos ambientes tem recebido muita atenção dos pesquisadores. Técnicas utilizadas na área de economia para mensurar o “preço” que os animais estão preparados para “pagar” para obter certos recursos (ex. Fêmeas suínas trabalham para obter material para construir o ninho antes do parto) ou para evitar certas situações (isolamento social, por exemplo) tem sido utilizadas. Medidas de ativação de áreas do cérebro associadas com emoções negativas como o medo e emoções positivas, como alimentação, também tem sido investigadas. O meu grupo de trabalho tem gerado informações importantes relacionadas com consequências de interações positivas e negativas na organização das emoções e nos processos cognitivos de suínos, ovinos e aves e; c ) a terceira escola de pensamento advoga que o critério de monitoramento de bem-estar animal deve ser obtido em relação a proximidade e ou distanciamento das condições de vida do animal e sua biologia de evolução. Por exemplo, suínos devem ter acesso a ma-

5


En t r e v i s ta “Na União Européia os parlamentares recebem mais cartas sobre questões relacionadas ao bem-estar animal do que qualquer outro assunto” terial para fuçar e aves de postura devem ter acesso a ninhos para depositar os ovos. 2. Considerando que existe uma demanda crescente dos mercados consumidores, em nível mundial, como se pode compatibilizar questões de bem-estar animal e econômicas, de forma a atender as exigências éticas da sociedade? Qual o papel a ser exercido pelo consumidor neste contexto? As pesquisas de atitude tem oferecido informações precisas e categóricas sobre o comprometimento dos consumidores em relação ao bem-estar animal. Na União Européia os parlamentares recebem mais cartas sobre questões relacionadas ao bemestar animal do que qualquer outro assunto. Uma pesquisa recente (Eurobarometer) indicou um nível muito elevado de preocupação dos consumidores europeus com questões sobre o bem-estar animal. Os consumidores indicaram que os critérios utilizados para importar produtos de origem animal não podem ser diferenciados dos critérios que fazem parte da legislação nacional de cada país. O Brasil tem respondido de forma efetiva as criticas em relação as condições de bem-estar animal. O comitê permanente estabelecido no dia 17 de março de 2008 tem oferecido um palco para os debates necessários. A pesquisa na área de bem-estar animal também está muito avançada no Brasil. Eu acredito que o futuro do Brasil para responder questões sobre bem-estar animal é promissor. O consumidor Brasileiro, hoje, tem acesso a produtos diferenciados. 3. Os sistemas intensivos de produção têm sofrido pressões no sentido de adotar boas práticas de bem-estar animal. Do ponto de vista dos custos de produção, como compará-los com os sistemas ditos convencionais? Um dos mitos que precisam ser atacados e resolvidos de forma definitiva é o de que a melhoria do bem-estar animal está associada com aumento nos custos de produção. A questão não é simples assim. A grande proporção das melhorias no Brasil, poderão ser conduzidas com custo insignificante ou mesmo com ganhos de produção. A melhoria do transporte

6

de animais para o abate é um dos exemplos. Boas práticas de manejo não são onerosas. Regras de abate humanitário também não apresentam custos exagerados. A mão-de-obra no Brasil é um dos tesouros que temos. A nossa tradição cultural ligada a produção animal ainda é viva, pulsante e entusiasmada. Precisamos reciclar esta ligação com a produção animal para apresentá-la em um contexto que vai valorizar o bem-estar dos animais. Eu aprendi uma lição belíssima em 1996 quando treinamos funcionários de um abatedouro em Campo Grande. Um funcionário extremamente habilidoso, surdo e mudo, se recusou a nos devolver a pistola de atordoamento que aprendeu a usar. Naquele período o abatedouro utilizava marreta e o funcionário imediatamente se deu conta do benefício em utilizar um método que hoje faz parte da rotina. O fantasma dos custos tem muito mais significado nos países de clima frio que precisam adequar as instalações à biologia animal para garantir a manutenção de bons índices de bemestar animal. O controle e manejo da dor é um dos aspectos que precisa ser abordado em animais de produção que poderá onerar os custos. 4. Levando em conta os inúmeros estudos conduzidos em parceria com grupos de pesquisa de vários países, quais as práticas de manejo aplicadas aos animais de produção que considera problemáticas sob a ótica do bem-estar? Eu acredito que alguns problemas são globais e exigem atenção imediata. Alojamento de porcas no período de gestação é um problema sério, cuja solução existe. É inaceitável manter um animal com a complexidade comportamental como do suíno sem possibilidades de exercitar-se. O mesmo é verdadeiro para questões relacionadas com o alojamento de aves de postura, com a diferença de que soluções ainda não são ótimas. Problemas de manqueira (claudicação) em várias espécies são muito sérios e comprometem o bem-estar. Gado leiteiro em especial apresenta um índice crescente de lesões podais em todo mundo. Problemas do aparelho locomotor também afetam ovinos, frangos de corte, equinos. Intervenções cirúrgicas sem controle da dor são inaceitáveis. Poderemos citar castração e caudectomia Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


”...o Brasil vai receber muita atenção dos países que competem no mercado de produtos de origem animal.” como exemplos em animais de produção. A legislação da Noruega proíbe a prática da caudectomia. Castração e descorna só podem ser conduzidos com controle da dor. As práticas de transporte de animais para o abate e o manejo pré-abate também oferecem muitas oportunidades para melhoria em todo o mundo. O Brasil tem mostrado liderança na área do bem-estar no abate de aves, por exemplo. Períodos de estresse como desmame, transporte, vacinação e outras formas de manejo precisam de estudos que indiquem formas de minimizar as consequências negativas para os animais. Seleção genética dirigida a otimizar os processos de adaptação também deve ser levadas em consideração. 5. Os países-membros da União Européia têm elaborado legislações específicas acerca do bemestar animal. Neste sentido, qual a relevância da certificação como garantia do bem-estar animal? Quais os reflexos destas normativas nos países exportadores, dentre os quais se destaca o Brasil? Esta é uma pergunta difícil de responder. Esta questão fez parte das reuniões da WTO (World Trade Organization) que não conseguiu deliberar em favor da restrição de comercialização entre países com normas nas questões de bem-estar animal. Eu acredito que o processo natural, com o papel de liderança da OIE (Organização Internacional de Saúde Animal), vai fazer com que o assunto provavelmente volte a mesa de discussões. A determinação dos consumidores europeus é refletida nas pesquisas de opinião pública e eventualmente soluções precisam ser encontradas. Existem problemas sérios de bem-estar animal em todos os países que eu conheço. Não é um problema só do Brasil. O Brasil tem recebido muita atenção porque é um país de possibilidades inimagináveis. O Brasil é o maior competidor mundial na área de bovinos e um dos maiores nas áreas de suínos e aves. Sem dúvida nenhuma o Brasil vai receber muita atenção dos países que competem no mercado de produtos de origem animal. As consequências de atos isolados não podem ser ignoradas. Toda a industria pode ser “punida” por situações não diretamente relacionadas, eu cito como exemplo Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

a questão de transporte marítimo de animais vivos por períodos prolongados. 6. Alguns segmentos da sociedade evidenciam a importância da regulamentação pública como um instrumento valioso em prol do bem-estar animal. Qual a sua opinião acerca deste assunto? Eu advogo que a legislação é um instrumento importante para garantir os níveis aceitáveis de bemestar animal (nada menos do que o estabelecido). Legislação nunca vai substituir a qualidade de mãode-obra e atenção aos animais. No entanto o meu entendimento é que a legislação deve ser desenvolvida com base em critérios científicos que contribuam para a melhoria do bem-estar animal e também, para a sustentação dos sistemas de produção. 7. Qual a tendência mundial acerca das discussões sobre o bem-estar animal? Eu tenho observado muito investimento em pesquisa em várias partes do mundo. A minha cátedra de bem-estar animal na escola de veterinária em Oslo é uma nova posição, criada pelo ministério da educação da Noruega. O Brasil tem programas emergentes na área de bem-estar animal e com certeza vai tomar um papel de liderança brevemente. Precisamos agir com rapidez, investindo principalmente na formação profissional. 8. Finalizando, gostaríamos de saber como o bem-estar animal deve ser inserido na formação acadêmica do Médico Veterinário e do Zootecnista? O entendimento do comportamento animal e da avaliação do bem-estar animal deve ser parte fundamental da formação de profissionais ligados a Zootecnia e Veterinária. Nas disciplinas tradicionais existentes a ênfase deverá ser implementada em questões de bem-estar animal, não só em animais de produção, mas em animais de laboratório, animais selvagens e animais de companhia. É fundamental que profissionais ligados a medicina veterinária e zootecnia tomem liderança na área de pesquisa e ensino em bem-estar animal. Obrigado pela oportunidade em dividir as minhas ideias com profissionais ligados a Medicina Veterinária e Zootecnia.

7


D e s ta q u e s Comissão Nacional de Saúde Ambiental é designada pelo CFMV Para assessoria sobre temas relacionados ao meio ambiente, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) designou os membros para a Comissão Nacional de Saúde Ambiental (CNSA), por meio da Portaria nº. 35, de 31 de maio de 2010. A Comissão é composta pela Presidente Claudia Scholten e pelos membros Maria Izabel Merino de Medeiros, Luciano Menezes Ferreira, Maria do Rosário Lira Castro e por Maria Auxiliadora Gorga Luna. De acordo com a Presidente, Cláudia Maria Auxiliadora, Maria Izabel (em cima); Cláudia, Ferreira e Maria do Rosário Scholten, “é notório o impacto das ati- integram a Comissão. Entre as atividades previstas para discussão vidades humanas sobre o ambiente, a degradação nesta Comissão está o incentivo à formação progressiva dos ecossistemas e da fauna, a contaacadêmica aprofundada sobre temas relacionaminação crescente da atmosfera, solo e água, bem dos à saúde ambiental; busca de amparo legal como o aquecimento global. Nesse contexto, os para que os Médicos Veterinários e Zootecnistas Médicos Veterinários e Zootecnistas podem e depossam atuar nesta área; ampliação do mercado vem possuir consciência sobre esta nova dinâmica de trabalho; conscientização de atividades de que integra a saúde animal, vegetal e humana e pesquisa, entre outros. ampliar sua atuação”.

Oficina de Saúde Pública apresenta propostas ao Sistema CFMV/CRMV Com a representação de quinze Conselhos Regionais de Medicina Veterinária da Federação, a II Oficina de Trabalho “Integrando as Comissões de Saúde Pública do Sistema CFMV/CRMVs elaborou uma proposta para ações unificadas de saúde pública veterinária dentro do Sistema CFMV/CRMV. O evento foi realizado nos dias 25 e 26 de março, na sede do CFMV, em Brasília, DF. A Oficina definiu três eixos importantes de atuação. Primeiramente, os participantes apoiaram a sugestão da Comissão Nacional de Saúde Pública Veterinária (CNSPV) para que existam comissões

Evento recebeu representantes de cinco regiões brasileiras

8

permanentes de saúde pública veterinária nos Conselhos Regionais de Medicina Veterinária. O segundo eixo sugeriu ações para incentivar a formação acadêmica na área de saúde pública. Por fim, os participantes entenderam que devem ser incentivadas ações estratégicas junto aos gestores públicos para inserção do Médico Veterinário em cargos relacionados à saúde pública. Durante a Oficina os participantes apresentaram as realidades regionais e experiências para os temas: controle de zoonoses; ações para esclarecimentos de gestores públicos sobre a atuação do Médico Veterinário na saúde pública; mobilização para inclusão em concursos públicos; conscientização da classe; inspeção sanitária e o combate ao abate clandestino. O presidente da CNSPV do Conselho Federal, Paulo César Augusto de Souza, avalia que, a partir da primeira Oficina realizada em 2008, é notável a evolução das discussões sobre o tema nos Conselhos Regionais.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


Secretários Municipais de Saúde são esclarecidos sobre atividades da Medicina Veterinária Esclarecer o papel do Médico Veterinário em benefício da saúde da população e enfatizar a importância da participação deste profissional nos Núcleos de Apoio a Saúde da Família (NASF) foram os principais temas defendidos pelos membros da Comissão Nacional de Saúde Pública Veterinária (CNSPV), do CFMV, durante o XXVI Congresso Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (CONASEMS). O evento foi realizado em Gramado, RS, de 25 a 28 de maio. O CFMV esteve presente com um estande instuticional que recebeu, entre outras autoridades, o Ministro da Saúde, José Gomes Temporão e sua comitiva. No total, o evento reuniu cerca de 2.800 participantes entre secretários municipais de saúde, gestores de saúde e demais interessados nas políticas de saúde dos municípios. Reunião com Secretário – Em data anterior, dia 24 de março, a CNSPV foi recebida Secretário Nacional de Atenção a Saúde, Alberto Beltrame, do Ministério da Saúde. Na reunião, os representantes da Comissão explicaram diretamente ao Secretá-

Ministro da saúde visita estande do CFMV

rio a importância de que o Médico Veterinário participe das discussões sobre as políticas relacionadas à saúde da família, especificamente o Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF). Os integrantes aproveitaram para reencaminhar documentos sobre o tema.

Participação da Medicina Veterinária em Residência Multiprofissional na Saúde é discutida com governo Com objetivo de procurar esclarecimentos sobre a Residência Multiprofissional na Saúde, especificamente sobre a participação da Medicina Veterinária, representantes da Comissão Nacional de Residência em Medicina Veterinária (CNRMV), do CFMV, se reuniram com o Coordenador Geral do Departamento de Gestão da Educação na Saúde, Sigisfredo Luis Brenelli, do Ministério da Saúde. A reunião ocorreu no dia 4 de maio, em Brasília, DF. O Presidente da CNRMV, Eduardo Harry Birgel, explicou que atualmente, a Medicina Veterinária não está inserida nos Programas de Residência Multiprofissional, pois nenhum dos Programas de Residência em Medicina Veterinária existentes, avaliados e reconhecidos pela CNRMV apresenta vinculação ao Sistema Único de Saúde (SUS) do Ministério da Saúde. As discussões sobre a Residência Multiprofissional e outros temas relativos aos Programas de Residência em Medicina Veterinária serão apresen-

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

tados no II Seminário Brasileiro de Residência em Medicina Veterinária (foto) que será realizado dias 16 e 17 de agosto, em São Paulo, SP. Mais informações no site do CFMV (www.cfmv.org.br).

9


D e s ta q u e s Evento discutiu ensino da Zootecnia e o futuro da profissão

CNEZ dirigiu os trabalhos da Reunião

De 24 a 26 de maio, os coordenadores de cursos de Zootecnia, representantes de Comissões de Ensino da Zootecnia de Conselhos Regionais de Medicina Veterinária e outros interessados estiveram presentes no XVI Reunião Nacional de Ensino da Zootecnia. O evento foi realizado pela Comissão Nacional de Ensino da Zootecnia (CNEZ) do CFMV na Universidade Federal de Tocantins, em Palmas, TO, durante o Zootec 2010. Destacaram-se as palestras e discussões que trataram da bioética e bem-estar animal no ensino da Zootecnia, a apresentação sobre patentes e inovação tecnológica, com novidades para incentivo ao empreendedorismo e as abordagens de incentivo aos programas de iniciação científica. A reunião contou com cerca de 100 zootecnistas, que representaram mais de 20 estados da federação.

Zootecnista José Paulo de Oliveira recebe Prêmio concedido pelo CFMV O Zootecnista e professor, José Paulo de Oliveira foi homenageado com o “Prêmio Professor Octávio Domingues”, principal honraria concedida pelo CFMV a um Zootecnista. A premiação foi realizada durante a abertura do Zootec 2010, que neste ano aconteceu em Palmas, TO, de 24 a 28 de maio. Oliveira se graduou na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) em 1973, na primeira turma de Zootecnia desta Universidade. Especializou-se em Metodologia de Ensino Superior pela UFRRJ (1980) e fez mestrado em Zootecnia na área de Nutrição Animal (1983), pela Escola Superior de Agricultura de Lavras. Tornou-se Doutor em Zootecnia na Área de Nutrição Animal em 2001, pela Universidade Federal de Lavras. Iniciou suas atividades profissionais no ano de 1974 como professor em Zootecnia, como também atuou como extensionista rural. Foi diretor do Instituto de Zootecnia; membro de Colegiados de Cursos de Graduação e pós Graduação e membro pioneiro da Zootecnia Brasileira na Comissão de Especialistas de Ensino em Ciências Agrárias.

10

Premiação reconhece trabalho de José Paulo de Oliveira

Publicou trabalhos técnico-científicos na área da Zootecnia em diversas revistas, anais de Congressos, Simpósios e periódicos do País. Atualmente, entre outras atividades, faz parte da Comissão Nacional de Ensino de Zootecnia do CFMV.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


Na abertura, Mike Chaddock (AAVMC), Rafael Mondadori (CNEMV), Benedito Arruda (CFMV) e Paulo Wollinger (MEC)

O Ensino da Medicina Veterinária e a importância da modernização para a evolução do Estudo

Em sua XVIII edição, o Seminário Nacional de Ensino da Medicina Veterinária discutiu a importância de se investir em novas ferramentas para a modernização das metodologias de ensino como também as diferentes formas de avaliação de curso. O evento foi realizado nos dias 31 de maio e 1 de junho, em Brasília, DF. A organização foi da Comissão Nacional de Ensino da Medicina Veterinária (CNEMV) do CFMV, com transmissão, em tempo real, pela Internet. Em seu discurso de abertura, o Presidente do CFMV, Benedito Fortes de Arruda enfatizou que “precisamos estar atentos às modernizações para nos adaptarmos às novas demandas da sociedade para a Medicina Veterinária”, lembrando que o mundo passa por uma era de informação e de transformações.

Em seguida, os palestrantes discutiram a importância de uma visão humanística e a necessidade da um conhecimento generalista. Ao apresentar a metodologia de ensino em discussão nos Estados Unidos para a Medicina Veterinária, o diretor da Associação Americana de Universidades de Veterinária (AAVMC), Mike Chaddock, comentou a necessidade do incentivo de ensino para temas relacionados a liderança e empreendedorismo com a mesma preocupação que se tem para a educação de assuntos técnicos. As discussões também convergiram para as diferentes ferramentas de avaliação do ensino. Dentre elas, foram abordados o Enade 2010, avaliações in loco dos cursos de Medicina Veterinária e histórico sobre o Exame Nacional de Certificação Profissional.

Informações detalhadas sobre estas e outras notícias no Portal CFMV (www.cfmv.org.br).

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

11


Cirurgia cardíaca

CIRURGIA CARDÍACA EM PEQUENOS ANIMAIS Apesar de ser realizada há aproximadamente quatro décadas, a cirurgia cardíaca veterinária encontra-se em fase inicial, com a aplicação, a consolidação e o desenvolvimento de novas técnicas, realizados em alguns centros de cirurgias cardíacas, mas de forma incipiente. O interesse e o desenvolvimento desta área da cirurgia têm sido expressivos nos últimos anos. No Brasil, alguns serviços despontam, iniciando um ciclo que promete ser próspero. Atualmente os procedimentos podem ser separados em dois grupos, o da cirurgia intra-cardíaca e o da extra-cardíaca, sendo que no primeiro necessitase do suporte da circulação extracorpórea, tornando-o ainda mais restrito. A cirurgia intra-cardíaca tem representado um desafio, seja por falta de conhecimento técnico específico, pelos equipamentos dispendiosos ou mesmo pela ausência de equipe apropriadamente treinada. Diante de sua longa duração e do alto risco, falhas não são admitidas, havendo a necessidade de concentração e planejamento por parte do cirurgião e de sua equipe (Oliveira et al., 2006a; Oliveira et al., 2006b). São diversas as indicações para as cirurgias cardiovasculares, entre elas Tetralogia de Falot, anomalias de anéis vasculares, comunicação interatrial, comunicação inter-ventricular, dirofilariose, persistência do ducto arterioso, doenças valvulares, neoplasias, traumas, cardiomiopatia dilatada, estenose aórtica e estenose pulmonar (De Boer et al., 1992; Orton e McCracken, 1995). O animal deve ser avaliado minuciosamente através de exames clínicos, laboratoriais (hemograma, uréia, creatinina, AST, ALT, fosfatase alcalina, glicose, cálcio, sódio, potássio e cloretos), radiológicos, eletrocardiograma, holter e ecocardiografia. Quanto aos materiais cirúrgicos utilizados em

12

Arquivo Pessoal

INTRODUÇÃO

Figura 1 - Esternotomia mediana realizada em um cão.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


prodecimentos desta natureza, além daqueles considerados gerais, são necessárias ferramentas especiais, como pinças vasculares, serras para esternotomia, afastador de Finochietto, entre outras. A máquina de circulação extracorpórea também pode ser indicada, assim como equipamentos de monitorização especiais (Paschoal, 1996). Não menos importante é o apoio da terapia intensiva, essencial para promover a recuperação adequada aos animais submetidos a estas operações.

ACESSOS CIRÚRGICOS

Existem dois principais acessos: Esternotomia: é o procedimento de escolha para

a maioria das cirurgias intra-cardíacas e afecções do mediastino. São feitas incisões de pele e de tecido subcutâneo na linha média. Em seguida realiza-se uma incisão na origem dos músculos peitorais em toda a extensão do externo e a esternotomia é realizada com o auxilio de uma serra oscilatória ou de um costótomo (Figura 1) (Paschoal, 1996). Temos utilizado atualmente um costótomo adaptado no intuito de minimizar os custos referentes à serra. Toracotomia unilateral: a escolha do espaço intercostal é dependente da região que se deseja o acesso. A técnica operatória deve ser iniciada com incisões de pele e de tecido subcutâneo. No primeiro plano muscular procede-se a incisão dos músculos grande dorsal e peitoral. Em seguida, no segundo plano muscular, os músculos serrátil ventral e escaleno são seccionados. Identificase os músculos intercostais externos e internos com sua incisão na sequência. Pode ser realizada também a toracotomia unilateral conservadora, onde o acesso é realizado pelo deslocamento caudal da costela, após sua desarticulação costocondral. A costela deslocada é fixada caudalmente à próxima costela, permitindo o acesso ao tórax através da incisão da pleura parietal. A vantagem desta técnica sobre a anterior refere-se ao amplo acesso proporcionado e à menor dor no pós-operatório. Apresenta como desvantagem a maior dificuldade técnica e o tempo cirúrgico prolongado.

CIRURGIA CARDÍACA

Serão descritas algumas técnicas de cirurgia cardíaca, relatando a nossa experiência em sua execução. PERICARDIECTOMIA O pericárdio é um saco fibrótico, avascular, que reveste o coração. É composto de duas lâminas: a visceral, aderida ao epicárdio e a parietal, composta de colágeno e elastina. Uma desliza sobre a outra, pois entre elas existe uma pequena quantidade de líquido seroso. Por ser inelástico, o pericárdio limita dilatações cardíacas agudas, porém pode se adaptar em longo prazo (Godoy et al., 2007). A pericardiectomia pode ser citada como um dos procedimentos mais simples da cirurgia cardíaca, mas mesmo assim necessita cuidados referentes a execução da técnica e acompanhamento pósoperatório adequado. Ela está indicada em efusão pericárdica e constrição pericárdica. A efusão pericárdica pode

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

13


ser ocasionada por falência cardíaca direita, neoplasias, infecção, encarceramento de lobo hepático em hérnia peritoneo-pericárdica, peritonite infecciosa felina e toxoplasmose em gatos. Efusões idiopáticas também têm sido relatadas, bem como em casos agudos de ruptura atrial esquerda secundária à insuficiência mitral crônica e devido a coagulopatias. A pericardiectomia subfrênica tem sido utlizada com frequência para a correção de diversas afecções. Após acesso unilateral, o pericárdio é removido com uma incisão ventral ao nervo frênico em direção ao ápice do coração. Esta incisão é prolongada no sentido transversal do coração, abaixo do frênico até a face contralateral.

Arquivo Pessoal

Cirurgia cardíaca

Figura 2 - Técnica de Blalock-Taussig para correção de Estenose pulmonar em cão.

CORREÇÃO DE PERSISTÊNCIA DE DUCTO ARTERIOSO A persistência do ducto arterioso (PDA) é a doença cardíaca congênita encontrada com maior frequência em cães. A forma mais comum é caracterizada pelo desvio sanguíneo da esquerda para a direita, embora, mais raramente, presencie-se a PDA reversa, ou seja, com inversão do fluxo através do ducto (Stopiglia et al.,2004). Esta condição leva à dilatação e hipertrofia do ventrículo esquerdo, ocasionando uma distensão do ânulo da válvula mitral e, consequentemente, regurgitação. Um PDA não tratado pode levar a um fluxo de sangue da direita para a esquerda – PDA reverso – podendo desenvolver sintomatologia mais severa e progressiva falência do coração esquerdo. Esta condição habitualmente não é tratada cirurgicamente. O acesso cirúrgico que utilizamos é o unilateral esquerdo no quarto espaço intercostal. Devemos identificar e dissecar o nervo vago que se localiza acima do ducto arterioso, sendo este delicadamente afastado com duas fitas cardíacas. O ducto também é dissecado, sendo isolado nas suas extremidades proximais e distais com pinças vasculares em ângulos ou com fitas cardíacas, sendo realizada ligadura dupla do ducto. O procedimento cirúrgico para correção do PDA é simples, mas deve ser realizado de forma cuidadosa. Não se deve, por exemplo, tracionar o

14

ducto com muito vigor, já que isto poderia ocasionar a ruptura de uma das artérias. CORREÇÃO DE ANOMALIAS DE ANÉIS VASCULARES As anomalias dos anéis vasculares são alterações congênitas provocadas por defeitos na embriogênese dos arcos aórticos (Sturion et al.,2008). A persistência do quarto arco aórtico direito, a persistência do arco aortico direito com artéria subclávia esquerda exuberante, o duplo arco aórtico, a persistência do ligamento arterioso direito com arco aórtico esquerdo normal e a subclávia direita exuberante com arco aórtico normal são as anomalias dos anéis vasculares mais observadas em cães. Dentre as anomalias de anéis vasculares, a mais comum em nossa rotina é a persistência do quarto arco aórtico direito (PAD). Diante do diagnóstico da PAD, a sua correção não deve ser protelada sob pena de resultados desfavoráveis. No exame radiográfico contrastado observa-se a dilatação do esôfago cranial à base do coração. Regurgitação, desnutrição e pneumonia por aspiração são achados comuns. A anomalia de anel vascular deve ser corrigida através de um acesso torácico unilateral esquerdo no quarto espaço intercostal. A ligadura e a secção do anel vascular devem ser realizadas cuidadosamente. Não raro, a identificação da anomalia só é possível durante a operação, com isto exige-se do cirurgião um bom conhecimento anatômico.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


Uma dilatação severa do esôfago cranial à base do coração pode ser um indicativo de prognóstico reservado. Observamos ainda que a presença de dilatação de todo o esôfago torácico não deve descartar o diagnóstico de anomalias de anéis vasculares, sendo na verdade um indicativo de lesão no nervo vago e de hipomotilidade quando confirmada a anomalia de anel vascular, com prognóstico reservado. Podemos desta maneira afirmar que um diagnóstico precoce e sua correção são fatores importantes para um melhor prognóstico.

PLICATURA VENTRICULAR A cardiomiopatia dilatada é um desafio para os

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

Arquivo Pessoal

TÉCNICA DE BLALOCK-TAUSSIG Em 29 de novembro de 1944, Alfred Blalock e Helen Taussig desenvolveram uma técnica cirúrgica que iniciou uma nova era, a do tratamento cirúrgico para as doenças cianóticas. Os resultados iniciais foram recebidos com grande simpatia pela comunidade cientifica da época. As complicações não tardaram a acontecer, como a trombose, levando ao desenvolvimento de instrumentos e da técnica que atualmente apresenta algumas variações. Na medicina veterinária, esta técnica tem sido indicada na estenose pulmonar e na tetralogia de Fallot e tem por objetivo a construção de um shunt aórtico-pulmonar, melhorando a oxigenação sanguínea. Algumas vantagens são descritas com relação a esta cirurgia: proporciona uma incidência baixa de insuficiência cardíaca congestiva e de doença vascular pulmonar; o seu fechamento é simples e não há anormalidades tardias após a cirurgia reparadora. O acesso cirúrgico se faz pela toracotomia unilateral esquerda no quinto espaço intercostal. Após a dissecção da subclávia esquerda e ligadura dos seus ramos, realiza-se a ligadura e a secção da subclávia esquerda antes da sua ramificação. Uma pequena incisão longitudinal é realizada no segmento que será anastomosado para alargar a subclávia. Em seguida, uma anastomose término-lateral da subclávia esquerda com a artéria pulmonar é feita com padrão de sutura continuo e fio de polipropileno ou polidioxonone 5-0 ou 6-0 (Figura 2). A sutura deve ser meticulosa obedecendo as normas básicas de uma anastomose vascular, e a anastomose feita do lado oposto do arco aórtico para evitar o acotovelamento na origem da artéria subclávia.

médicos veterinários e humanos. Na medicina humana culmina com o transplante cardíaco, que ainda não é realizado na rotina da medicina veterinária. O remodelamento cardíaco foi descrito na medicina humana, mas a técnica de ventriculectomia vem caindo em desuso devido aos resultados insatisfatórios. Na medicina veterinária o Prof. James Andrade descreveu uma nova técnica bastante promissora em 2001, a plicatura da parede livre do ventrículo esquerdo (Andrade et al. 2004). Esta técnica ainda carece de maiores estudos clínicos, mas poderá ser no futuro uma alternativa interessante para animais com insuficiência cardíaca ocasionada pela cardiomiopatia dilatada. O acesso cirúrgico é realizado por uma toracotomia unilateral esquerda no sexto espaço intercostal. Realiza-se a pericardiectomia em T. O coração é mobilizado colocando-se uma compressa umedecida no seu lado direito, luxando o coração lateralmente com intuito de facilitar a confecção da plicatura. A plicatura é realizada com três pontos em U com fios de polipropileno 2-0 transfixantes, apoiados em próteses de pericárdio bovino em tiras na parede livre do ventrículo esquerdo, do ápice ao seu terço dorsal, por baixo do ramo marginal ventricular esquerdo. Antes do aperto final dos nós, utilizamos o torniquete de Rummel para um aperto provisório, com intuito de verificar as alterações causadas pela plicatura ventricular (figuras 3). Para minimizar a morbidade pós-operatória, o pós-operatório deve ser realizado em uma unidade de terapia intensiva.

Figura 3 -Plicatura ventricular esquerda para cães com cardiomiopatia dilatada.

15


Arquivo Pessoal

Cirurgia cardíaca lar. Uma reposição valvar, caso seja necessária, é feita a partir de um flap do enxerto, que é suturado perpendicularmente ao primeiro enxerto, na região correspondente da valva pulmonar e com tamanho adequado ao óstio pulmonar operado. Neste caso a válvula pulmonar fica reconstruída de maneira univalvar (Figura 4).

TÉCNICA DE DE VEGA PAR A CORREÇ ÃO DE DIS PLASIA DE TRICÚSPIDE A displasia de tricúspide é uma má formação congênita. A regurgitação da tricúspide é a manifestação mais comum, entretanto pode ocorrer tamFigura 4 - Técnica do Flap para correção de Estenose Pulmonar em cão. bém a estenose. Com isto ocorre a falência do coração VALVULOPLASTIA PULMONAR COM ENXERTO direito. A técnica cirúrgica adotada por alguns auCom o intuito de ampliar o óstio valvar, a cortores é a da anuloplastia por anel ou a substituição reção definitiva da estenose pulmonar pode ser valvar por uma prótese. Neste último caso, no enrealizada através da valvuloplastia com uso do tanto, além do alto custo, há a necessidade do uso enxerto de pericárdio bovino ou com politetraflude anticoagulantes no pós operatório. Preconizaoroetileno (PTFE). É um procedimento laborioso e mos a técnica de De Vega pela sua simplicidade e que exige a utilização da circulação extracorpórea menor custo em relação às demais. (CEC) para que possa ser realizado de maneira É necessário que o animal esteja em circulaadequada. Além da ampliação do óstio valvar ção extracorpórea. Um fio de polipropileno 2-0 é podemos realizar a reconstrução da válvula com o passado por um pedaço de pericárdio bovino ou pericárdio. Algumas próteses de pericárdio já vem teflon, e a linha de sutura é iniciada perto da cocom a válvula disponível. Entretanto, a reconsmissura entre os folhetos anterior e septal. A sututrução valvar não é indispensável, pois o coração ra progride lateralmente, paralela ao folheto antefunciona de forma adequada de maneira trivalvar, rior. Perto da comissura, entre os folhetos septal e ou seja, sem a válvula pulmonar. posterior, ela é passada em outra área do enxerto e Animais com hipertrofia infundibular, estenolevada de volta à sua origem. A sutura é finalizada se severa, displasia valvar ou quando não responpor cima do pedaço medial do enxerto e, à medida de à dilatação valvar transventricular (acreditamos que é apertada, o ânulo da válvula é diminuído (Fique esta técnica não oferece resultados satisfatógura 5). A competência da válvula é verificada com rios) são bons candidatos à realização da técnica uma injeção de solução salina fisiológica gelada do enxerto. dentro do ventrículo direito. Após a colocação do animal em CEC faz-se uma incisão longitudinal com inicio no átrio direito em COMISSUROTOMIA PARA CORREÇÃO direção à artéria pulmonar, passando pela válvula DE DISPLASIA DE TRICÚSPIDE pulmonar. A região valvar é inspecionada e a válA estenose da válvula tricúspide é menos comum, vula pulmonar doente é removida. Modela-se o entretanto ela pode acontecer em pequenos animais, enxerto em formato elipsóide, de forma que este e a sua correção se faz pela comissurotomia da válvula se adapte à região operada. Faz-se uma sutura tricúspide. A técnica é realizada através de incisões contínua, transfixante e com fio de polipropileno nas comissuras, com bisturi, até 3 mm do ânulo. Nor2-0. Deve-se seguir os princípios da sutura vascumalmente não é necessário qualquer tipo de reparo

16

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


nas cordoalhas. O uso de um anel protético pode ser necessário para evitar o estreitamento do orifício.

CIRURGIA DE MEDIASTINO E HÉRNIAS CIRURGIA DO MEDIASTINO O timoma é o tumor de mediastino mais comum em pequenos animais, é encapsulado e, em geral, não invasivo. A metástase é rara. Para sua remoção indicamos o acesso por esternotomia. Apesar de ser mais laborioso, a remoção do tumor se torna fácil e com bons resultados. Uma complicação importante é a mediastinite. O tratamento precoce pode minimizar os casos de morbidade e mortalidade. A sepse é uma evolução comum destes casos. O tratamento cirúrgico inclui a drenagem e a irrigação do mediastino, assim como o debridamento do esterno. Nestes casos pode acontecer a lise do esterno dificultando o fechamento do tórax. Quando isto acontece podemos utilizar a técnica de Robicsek para a síntese da parede. Nesta técnica é preconizado o uso de um trançado com fio de aço paraesternal, envolvendo bilateralmente as costelas e que são aproximados através de pontos simples posicionados transversalmente ao esterno. A estabilização do tórax é importante para a recuperação do animal. Tumores esofagianos decorrentes de Spirocerca sp são frequentes em algumas regiões do Brasil. A remoção cirúrgica destes tumores deve ser realizada, sendo necessária uma anastomose do esôfago. Operações no esôfago podem resultar, com frequência, em deiscência da sutura. Arquivo Pessoal

CORREÇÃO DE COMUNICAÇÃO INTERATRIAL (CIA) E INTERVENTRICULAR (CIV) A CIA não é um defeito comum em pequenos animais. A CIV é um defeito importante por suas repercussões clínicas de grande gravidade. Na correção destes defeitos é importante que a CEC seja realizada com a canulação bicaval, pois o acesso é feito pelo átrio direito. O reparo do defeito pode ser realizado com a sutura de um enxerto autógeno de pericárdio ou com a utilização de pericárdio bovino. A CIA foi a primeira cirurgia intracardíaca realizada com sucesso em seres humanos. Atualmente o índice de sucesso em humanos é próximo a 100%. Existem três tipos de defeitos possíveis, o seio venoso (forame oval patente), o ostium primum e o ostium secundum. A maioria dos defeitos são assintomáticos, mas podem causar problema respiratórios crônicos, intolerância ao exercício e falência cardíaca direita, sendo indicada a cirurgia. O CIV pode ocasionar insuficiência cardíaca congestiva, infecções pulmonares recorrentes e hipertensão pulmonar. O defeito perimembranoso é o mais comum em pequenos animais, mas também pode ocorrer o supracristal e o defeito do septo muscular. No defeito perimembranoso utilizamos a técnica cirúrgica com acesso pelo átrio, que é aberto por baixo da auriculeta direita até

perto da junção da cava caudal. Uma sutura pode ser colocada no folheto anterior da válvula tricúspide para melhor exposição da lesão. A sutura com fio de polipropileno é iniciada do lado direito da borda inferior e é continuada no sentido antihorário. A outro lado é levado no sentido horário. A porção superior do retalho é então suturada à base do folheto septal.

Figura 5 - Visão da válvula tricuspide através de acesso no atrio direito para correção de displasia de tricuspide pela técnica de De Vega em cão.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

HÉRNIA DIAFRAGMÁTICA TRAUMÁTICA A hérnia diafragmática traumática é uma afecção comum em pequenos animais, sendo mais frequente em felinos. O fígado é o órgão mais comumente envolvido e pode acontecer tanto do lado direito quanto do esquerdo. Sua correção é feita por acesso torácico ou abdominal. Usualmente utilizamos o acesso abdominal e comumente a recons-

17


Cirurgia cardíaca trução se faz por fechamento direto. O diagnostico precoce e a cirurgia realizada nas primeiras 72 horas após o trauma facilita o procedimento operatório. Acima deste período podemos nos deparar com a ocorrência de aderências que poderiam aumentar os casos de morbidade e mortalidade. HÉRNIA PERITONEOPERICÁRDICA É uma malformação congênita do pericárdio. Afeta cães e gatos e é comum na raça Weimeraner e em gatos persas. A laparotomia mediana pré-umbilical é o acesso indicado para a correção cirúrgica. O fígado é o órgão mais comumente envolvido, e a sua correção é similar ao da hérnia traumática. Em alguns casos, faz-se necessária uma esternotomia da porção caudal do esterno devido a aderências e dificuldades de redução do conteúdo herniário. PÓS-OPERATÓRIO Para a estabilização e a recuperação do paciente no período pós-operatório, é imprescindível que seja estabelecido um suporte de terapia intensiva, com cuidados relativos à reposição de volume, ao equilíbrio eletrolítico e ácido-básico, drenagens torácicas, identificação de sangramentos, mecânica respiratória e controle da dor e dos parâmetros hemodinâmicos. Podemos afirmar que procedimentos de cirurgia intracardíaca somente são possíveis se estes cuidados foram tomados nas etapas seguintes.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Com o surgimento da especialidade da terapia intensiva em nosso meio, um suporte adequado para a recuperação dos pacientes em cirurgia torácicas, em especial a cardíaca, tornou-se possível. Como consequência, melhores resultados serão alcançados. Para o desenvolvimento desta especialidade cirúrgica, é necessário dar ênfase ao ensino e ao treinamento de profissionais. Duas âncoras são fundamentais neste processo: as escolas veterinárias, no papel de criar condições específicas para este crescimento, e os eventos científicos, ao popularizarem o acesso às novas informações, fomentando o seu crescimento e a difusão do conhecimento. Na Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro (UENF) fomentamos este desenvolvimento através do treinamento dos alunos da graduação das técnicas cirúrgicas básicas concernentes à cirurgia torácica e, na pós-graduação, efetuando um treinamento de procedimentos avançados. Os resultados têm sidos encorajadores.

18

Dados do Autor

André Lacerda de Abreu Oliveira

Médico Veterinário, CRMV-RJ nº 3840, MSC, DSC. Professor Associado de Técnicas Cirúrgicas e Cirurgia Torácica- UENF-RJ

Endereço para correspondência: R. Francisca Carvalho de Azevedo 14/202. Parque São Caetano- Campos dos Goytacazes-RJ cep 28030-355 E-mail: andrevet@uenf.br

Referências Bibliográficas ANDRADE, J.N.B.; CAMACHO, A.A.; SANTOS, P.S.P. et al. Estudo da função ventricular na técnica de plicatura da parede livre do ventrículo esquerdo em cães. Revista Brasileira Cirurgia Cardiovascular, vol.19, n.2, p. 136-143, 2004. DE BOER, L.W.; RABJHONS, R.R.; NUTT, ,.P. Effects of oxygenated cardioplegic solutions on myocardial aerobic metabolism. Scandinavian Journal of Thoracic and Cardiovascular Surgery. n.104, p. 632-636, 1992. GODOY, M. F.; FRANCISCHI, F. B.; PAVERINO, P. R.; et al. Forma inusitada de Pericardite Crônica Constritiva Idiopática. Revista Brasileira Cirurgia Cardiovascular, v. 22,  n\1,  p. 30-37, 2007. ORTON, E.C., McCRACKEN, T.O. Small Animal Thoracic Surgery. Fort Collins: Willians & Wilkins, 1995. 256p. OLIVEIRA, A.L.A.; PASCHOAL, A.T., SANTOS, C.L.; et al. Coleta do bloco cárdio-pulmonar pela técnica de auto-perfusão em cães. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, n.58 (Suppl 1). p.17-19, 2006. OLIVEIRA, A.L.A.; PASCHOAL, A.T., SANTOS, C.L.; et al. Transplante cardíaco em cães. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia. n.58 (Suppl 1). p.81-82, 2006 PASCHOAL, A.T. Proteção miocárdica no transplante cardíaco: revisão de literatura. Rio de Janeiro. 1996. 160f. Tese de mestrado. Faculdade de Medicina-UFRJ. STOPIGLIA, A.J.; FREITAS, R.R.; IRINO, E.T.; et al. Persistência de ducto arterioso em cães: revisão. Revista de Educação Continuada do CRMV-SP. v. 7, n.1-3, p. 23-33, 2004 STURION, D. J.; STURION, M. A. T.; STURION T. T.; STURION, A. L. T.; SALIBA, R.; DIAMANTE, G.; BORDOLINI, S. L. S. - Correção cirúrgica de persistência de arco aórtico direito em felino de dois anos: relato de caso. Jornal Brasileiro de Ciência Animal. v.1, n.2, p. 86-93, 2008.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


A g r o s u i n o c u lt u r a

Shutterstock

Agrosuinocultura: solução sustentável brasileira A criação intensiva de porcos para a produção de carne suína é uma das principais atividades agrícolas na região Sul. No Centro Oeste, em particular no Estado do Mato Grosso do Sul, a recente atividade de suinocultura vem se desenvolvendo pelo trabalho de imigrantes do Sul do país. A chegada dessas populações vem transformando parcela significativa do bioma Cerrado em áreas de agricultura com elevado uso de insumos e de energia não renováveis. No município de São Gabriel do Oeste, a 130 km ao norte de Campo Grande, a modificação da paisagem em áreas agrícolas pode ser constatada ao se trafegar pela BR163. A população vivente em São Gabriel do Oeste é hoje estimada em cerca de 20 mil habitantes e pouco mais de 40 % da economia local é impulsionada por uma cooperativa voltada a produção de ração animal a base de milho e de carne suína. O aumento da demanda nacional e internacional por carne suína estimula o incremento da produção. Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

Em um futuro não distante, atendendo a essa demanda, municípios com vocação similar ao de São Gabriel do Oeste devem amplificar a produção de carne suína. O aumento da produção certamente gera receita e ganhos do ponto de vista social, especialmente quando os produtores cooperados fazem parte de assentamentos rurais de reforma agrária. Contudo, uma maior produção traz consigo a responsabilidade de gestão apropriada dos resíduos gerados na cadeia produtiva (ver revisão apurada sobre o tema em Oliveira e Nunes, 2002). Na prática, o cooperado produtor de porcos deve evitar que os dejetos sejam despejados de forma inadequada na natureza. Isso pode ser visto como um desafio árduo e oneroso pela perspectiva da mitigação das externalidades ambientais, tais quais a contaminação do solo, dos recursos hídricos e as emissões de gases de efeito estufa na atmosfera, especialmente CH4 (metano) e N2O (óxido nitroso), cujos potenciais de aquecimento global de uma tonelada

19


são respectivamente 25 e 298 toneladas de CO2 equivalentes para um horizonte de 100 anos (Forster et al., 2007). No entanto, há espaço para desenvolver soluções interessantes para lidar com os resíduos dos sistemas intensivos de criação de porcos, transformando as externalidades ambientais em elemento chave para uma agricultura brasileira eficiente, diversificada e efetivamente sustentável, aqui convencionada de agrosuinocultura, que pode alcançar balanços sociais, econômicos e ambientais favoráveis, muito além da produção de carne suína. Os incrementos de produtividade das últimas décadas, alicerçadas em pesquisas realizadas por universidades, institutos de pesquisa e pela Embrapa, vem permitindo avanços importantes para a consolidação gradual de uma agricultura de base sustentável no país. Existe, entretanto, um limite planetário para a operação segura da agricultura, de modo que serviços dos ecossistemas sejam adequadamente mantidos no longo prazo e não criem mudanças ambientais irreversíveis e altamente danosas à humanidade (Rockström et al., 2009). Quando se fala em agricultura sustentável subentende-se i) a inclusão social, ii) o uso de energias renováveis na cadeia produtiva e iii) a manutenção da integridade dos ecossistemas, os quais fornecem fluxos e estoques de bio-

diversidade, água doce e de carbono e nitrogênio em níveis seguros (serviços ambientais). Em suma, a sustentabilidade envolve a dimensão humana naturalmente integrada à estrutura e ao funcionamento do ecossistema predominante na escala de bacia de drenagem. Por este prisma, o surgimento de uma “nova fase da agricultura brasileira”, deve estar necessariamente ligado ao uso eficiente de recursos humanos e de recursos da natureza (agroecossistema), com menor dependência de insumos e combustíveis (fósseis) não renováveis como fertilizantes químicos, gás natural, carvão e diesel. A Figura 1 descreve esquematicamente um agroecossistema para uma cadeia produtiva tradicional de carne suína, sem estratégias ou ações de gestão de resíduos e fortemente dependente de insumos e energia não renováveis. A produção de carne suína é pequena considerando-se o aporte de materiais e energia não renováveis. Uma fração significativa dos materiais e de energia é perdida na forma de gases de efeito estufa ou na forma de efluentes líquidos que podem eventualmente contaminar os solos e os recursos hídricos superficiais e subterrâneos. Além disso, utiliza-se basicamente água valiosa do aquífero na cadeia produtiva, inclusive para a limpeza das granjas. Por outro lado, a gestão dos resíduos a partir da inovação e do uso de novas tecnologias pode tornar a cadeia produtiva mais eficiente, ou seja, menos poluidora e muito mais lucrativa. A busca pela otimização do uso dos recursos naturais é essencial nesse contexto. A Figura 2 apresenta a mesma cooperativa operando de forma mais equilibrada em relação ao meio ambiente. E a biodigestão anaeróbica desempenha um papel fundamental nesse processo.

Figura 1. Modelo de uma cadeia não sustentável de produção de carne suína, com baixa eficiência no uso dos recursos naturais e de baixa diversidade de produtos. Nesse sistema as entradas e as perdas de energia e de materiais são muito elevadas em comparação ao único produto gerado (carne suína).

20

É por meio da biodigestão em fluxo contínuo dos dejetos das granjas que se inicia a sustentabilidade integrada e diversificada da agrosuinocultura. A biodigestão controlada soluciona, em grande medida, a questão do carbono. Na ausência de oxigênio, quase todo carbono orgânico lábil é convertido a biogás por bactérias

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

Shutterstock

A g r o s u i n o c u lt u r a


metanogênicas. Os biodigestores permitem que o biogás rico em metano seja recuperado para a geração de energia mecânica (motobombas) ou elétrica (motogeradores). Para uma granja de mil suínos pode-se produzir em média 25 m 3 de biogás por hora, o equivalente em energia de 70 a 150 kWh por hora, dependendo da eficiência do motor. Parte dessa energia pode ser usada na propriedade e o excedente pode ser eventualmente comercializado com concessionárias distribuidoras de eletricidade, interessaFigura 2. Modelo de uma cadeia sustentável, integrada e diversificada de agrosuinocultura, das em Geração Distribuída. baseada em energia renovável (biogás e eletricidade), aproveitando ao máximo os recursos As motobombas movidas a naturais (água e petróleo) para a produção de diversas commodities agrícolas e de eletricibiogás podem ser usadas na dade, minimizando as perdas para a natureza na forma de externalidades ambientais. Note, fertirrigação de pastagens ainda, o maior uso de água de chuva que água do aquífero para a limpeza das granjas e para a irrigação de culturas. com o uso de carretéis de irrigação controlada e automatizada. Com esse sistema é possível ajustar com precisão Integrada de Sistemas Agropecuários), promovido a quantidade aspergida de dejetos biodigeridos, isto pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abasé, de biofertilizante rico em nutrientes (especialmente tecimento (MAPA) e do ILPF (Integração Lavouranitrogênio nas formas reduzidas de NH3 (amônia) e NH4+ Pecuária-Florestas) promovido pela Embrapa. O (amônio)) numa dada área agrícola da propriedade. gado é rotacionado entre as parcelas em sincronia

Thiago Coppola (Embrapa Pantanal)

A Embrapa Pantanal e a Universidade Federal com a fertirrigação mas fora de fase, com diferença do Mato Grosso do Sul (UFMS), em parceria com a de dias ou semanas, para que a qualidade da pastaEmbrapa Suínos e Aves, a Prefeitura Municipal de gem consumida pelo gado seja a melhor possível. São Gabriel do Oeste, a Cooperativa Agropecuária de Esse sistema de produção integrada ainda requer São Gabriel do Oeste, agricultores do Assentamento estudos e pesquisas para se determinar melhor a Campanário e parceiros privados, vem realizando diferença de fase e a sincronicidade de rotação de estudos para se determinar a dosagem ideal para o gado e de fertirrigação. Definidos esses parâmetros, Tifton, de modo que ocorra o máximo de incremena prática integrada e sincronizada em parcelas ferto de produção de fitomassa na pastagem e o mínimo de perdas de nitrogênio oxidado na forma de N2O para a atmosfera e na forma de nitrato para o solo e corpos d´água superficiais e subterrâneos (Bergier et al., 2008). No campo, a fer tirrigação pode ser feita adotando-se o princípio de rotação de parcelas ou piquetes, de modo a manter níveis elevados de fitomassa para a criação contínua de gado Figura 3. Agrosuinocultura no município de São Gabriel do Oeste. A) motobomba que extrai semi-confinado. Esta é uma das biofertilizante (efluente biodigerido) das lagoas e distribui em culturas de forma controlapropostas do PISA (Produção da através de um carretel automatizado de irrigação (B) e de um canhão (C) . Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

21


A g r o s u i n o c u lt u r a tirrigadas com o gado pode viabilizar a produção contínua de carne e leite em áreas agrícolas relativamente pequenas, como em assentamentos rurais variando de 10 a 20 hectares. A otimização do uso dos recursos da natureza, por meio da suinocultura, da biodigestão e da inovação em máquinas e processos (ou seja, pela agrosuinocultura), pode também propiciar uma restauração indireta de biomas, tendo em vista a substituição de sistemas de produção extensiva por sistemas de produção intensiva em pequenas áreas. Portanto, biomas podem ser restaurados, visando fontes de renda adicionais com créditos de carbono oriundos do REDD (sigla em Inglês para Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação Florestal) que deverá em breve fazer parte de acordos internacionais de mitigação de emissões de gases de efeito estufa. O mesmo pode ser vislumbrado para a produção de madeira e outros produtos florestais (papel, carvão vegetal, briquetes, etc), bem como para a produção de biofertilizante processado, em estado sólido, oriundo do lodo retido no biodigestor (carbono mais refratário rico em nitrogênio) e biomassa vegetal pirolisada (combustão na ausência de oxigênio para produzir biochar). Esses estudos, com a biomassa de aguapé cultivado nas lagoas de efluentes biodigeridos iniciam em 2010, em colaboração com o recém aprovado Macroprograma 2 da Embrapa “Aproveitamento da biomassa pirolisada na melhoria da qualidade do solo e da produtividade agrícola e na redução da emissão de gases de efeito estufa”. Este fertilizante sólido, ao ser adequadamente processado pode ser (re)utilizado na produção de cereais e grãos e até mesmo na produção de frutas e hortaliças. A Figura 3 ilustra a agrosuinocultura que vem ganhando força no município de São Gabriel do Oeste. O interessante é que lá a teoria já está se tornando realidade e uma referência para o país.

Agradecimentos

Aos parceiros de trabalho de São Gabriel do Oeste, especialmente Carlos Shimata e Luiz Rieger. Ao Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), ao Macroprograma 3 da Embrapa e à Prefeitura Municipal de São Gabriel do Oeste pelo incentivo e apoio nas pesquisas de agrosuinocultura. Os mais sinceros agradecimentos aos colegas de projeto e às chefias Geral e de P&DI da Embrapa Pantanal (CPAP), bem como Paulo Armando Victoria de Oliveira da Embrapa Suínos e Aves (CNPSA), Giancarlo Lastoria e Sandra Gabas da UFMS, e aos palestrantes, colabora-

22

dores e participantes do Workshop “Aproveitamento múltiplo da biodigestão na agroindústria e nas cidades”, realizado em São Gabriel do Oeste no dia 16 de novembro de 2009. Um agradecimento especial ao Prof. Enrique Ortega da Unicamp pelos ensinamentos de conceitos de Energia.

Dados dos Autores

Ivan Bergier

Biólogo CRBio nº 20379/01-D, Pesquisador Mudanças Climáticas Globais – Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, Embrapa Pantanal. Endereço para correspondência: Cx. Postal 109, Corumbá-MS, Brasil, CEP 79.320-900, Telefone:(67) 3234-5800, 32345900 Fax: (67) 3234-5815 E-mail: ivan@cpap.embrapa.br

João Antonio Rodrigues de Almeida

Médico Veterinário CRMV-MS nº 1274, Cooperativa Agropecuária de São Gabriel do Oeste, MS E-mail: tecnico.cooasgo@terra.com.br

Referências Bibliográficas Bergier, I. et al. Avaliação agrícola e ambiental da suinocultura-biofertilização em São Gabriel do Oeste (MS). Projeto da Embrapa Pantanal. Macroprograma 3 / Infoseg número 03.08.06.053.00.00. Embrapa. 17p. 2008. Forster, P. et al. Changes in Atmospheric Constituents and in Radiative Forcing. In: IPCC WG1 AR4 Report, Cambridge University Press, Cambridge, New York, USA. 2007. Online: último acesso em 8 de dezembro de 2009 <http://ipcc-wg1.ucar.edu/wg1/Report/ AR4WG1_Print_Ch02.pdf>. Oliveira, P.A.V. e Nunes, M.L.A. Sustentabilidade ambiental da suinocultura. Embrapa Suinos e Aves (CNPSA). 16p. 2002. Online: último acesso em 8 de dezembro de 2009 <http://www.cnpsa.embrapa.br/ down.php?tipo=publicacoes&cod_publicacao=352> Rockström, J. et al. A safe operating space for humanity. Nature, v.461, p.472-475, 2009.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


SuplementoCientífico Pitiose cutânea eqüina no Piaui. Primeiro relato de caso José de Ribamar de Souza Rocha / Severino Vicente da Silva Lucilene da Silva Santos / Lucas Pinheiro Dias Edílson Páscoa Rodrigues / Dário Magalhães Batista Filho Francisco Solano Feitosa Júnior / Rosvaldo Duarte Barbosa

O papel do ambiente uterino e do reconhecimento materno da gestação na perda embrionária na égua Fernando Andrade Souza e outros / Igor Frederico Canisso Álan Maia Borges / Vicente Ribeiro do Vale Filho Anali Linhares Lima / Erotides Capistrano da Silva

A leishmaniose tegumentar americana no estado do Amazonas, Brasil: Aspectos epidemiológicos da leishmaniose canina Sonia Rolim Reis / Antonia Maria Ramos Franco

Dor neuropática após amputação de membros: fisiopatologia e manifestações clinicas em cães. Roberta Cristina Campos Figueiredo / Karina Velloso Braga Yazbek

REVISTA DO CFMV - Brasília - DF - Ano XVI – N° 50 - 2010 CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA SIA – Trecho 6 – Lote 130 e 140 Brasília-DF – CEP: 71205-060 Fone: (61) 2106-0400 Fax: (61) 2106-0444 www.cfmv.org.br cfmv@cfmv.org.br DIRETORIA EXECUTIVA Presidente

Benedito Fortes de Arruda Vice-Presidente

Eduardo Luiz Silva Costa Secretário - Geral

Tesoureiro

Amilson Pereira Said Editor da Revista CFMV

Ricardo Junqueira Del Carlo

CRMV-MG nº 1759

Conselho Editorial da Revista CFMV

Presidente

Eduardo Luiz Silva Costa CRMV-SE nº 0037

Joaquim Lair

CRMV-GO nº 0242

Amilson Pereira Said CRMV-ES nº 0093

Joaquim Lair

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

Comitê Científico da Revista CFMV

Presidente

Cláudio Lisias Mafra de Siqueira CRMV-MG nº 5170

Luis Augusto Nero CRMV-PR nº 4261

Flávio Marcos Junqueira Costa CRMV-MG nº 5779

Antônio Messias Costa CRMV-PA nº 0722

Celso da Costa Carrer CRMV-SP nº 0494/Z

Luiz Fernando Teixeira Albino CRMV-MG nº 0018/Z

23


suplemento científico

PITIOSE CUTÂNEA EQÜINA. PRIMEIRO RELATO DE CASO NO PIAUÍ Equine cutaneous pythiosis in the Piauí state, Brazil – a case report Resumo A pitiose é uma enfermidade piogranulomatosa crônica, principalmente do tecido subcutâneo, causada pelo fungo zoospórico Pythium insidiosum. Atinge várias espécies de animais domésticos e humanos e é muito semelhante a outras afecções cutâneas fúngicas e neoplasias. Em eqüinos, se caracteriza, principalmente, pelo desenvolvimento de lesões subcutâneas ulcerativas e granulomatosas de aspecto tumoral, massas em forma de coral amareladas formadas no centro das lesões. Um eqüino SRD, macho, 18 meses de idade, apresentou uma lesão no membro dianteiro esquerdo com aspecto ulcerativo, granulomatoso e de aparência tumoral. O diagnóstico de pitiose foi realizado através dos sinais clínicos e do isolamento e identificação do agente etiológico. A pitiose está relacionada com o contato direto de animais e humanos com águas contaminadas pelo agente etiológico. Os cavalos são os animais mais atingidos. Palavras-chave: pitiose, Pythium insidiosum, eqüinos

Abstract Pythiosis is a chronic granulomatous disease, mainly of the subcutaneuos tissue caused by zoosporic fungi Pythium insidiosum. The disease affects several domestic animal species and humans. The pytiosis is very like another fungic cutaneous infections. The disease in equines characterizes itself mainly for the development of ulcerative and granulomatous subcutaneous injuries of tumoral appearance. A male horse indefinite race, 18 months old, had just one lesion on the left anterior member, with ulcerative, granulomatous and of tumoral aspect. The diagnosis of pythiosis was carried through by the clinical signs and the isolation and identification of the etiologic agent. Epidemiologically pythiosis is related with the direct contact of the animals and human with contaminated waters for the etiologic agent. Horses are the most affected animals. Keywords: pythiosis, Pythium insidiosum, equines

Introdução A pitiose é uma doença piogranulomatosa crônica, principalmente do tecido subcutâneo, que atinge eqüinos, bovinos, caninos, felinos e humanos, ocorrendo em áreas tropicais, subtropicais e temperadas (Meireles et al., 1993, Mendoza et al., 1996). A pitiose, nos últimos

24

anos, vem paulatinamente a merecer destaque na micologia clínica tanto veterinária como humana (Bosco et al., 2005, Santurio et al., 2006). Atenção especial deve ser dada àquelas pessoas que residem ou trabalham em áreas de exposição permanente ao agente etiológico e convivem com animais suscetíveis ou doentes. A pitiose é causada por um fungo zoospórico do filo Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


Arquivo Pessoal

Oomycota, pertencente ao Reino Straminipila, Pythium insidiosum (Alexopoulos et al., 1996). A doença também é conhecida por hifomicose, zigomicose, dermatite granular, granuloma ficomitótico, “burstte”, “Florida leeches” e “swamp cancer” (Meireles et al., 1993, Chaffin et al., 1995). O gênero Pythium possui mais de 120 espécies distribuídas em todo o planeta, sendo a maioria habitantes do solo, mas freqüentemente encontradas em corpos d`água e regiões alagadiças, vivendo saprotroficamente ou como parasitas de plantas (Hawksworth et al., 1996). Pythium insidiosum é a única espécie do gênero patogênica a mamíferos. O ciclo de vida desse fungo está relacionado com as mudanças ambientais nos ecossistemas. Para haver a produção de zoósporos, são necessárias temperaturas entre 30 e 40 °C e o acúmulo de águas em banhados e lagoas (Miller e Campbell, 1982). Epidemiologicamente, a pitiose está relacionada com o contato direto de animais e humanos com água contaminada pelo agente etiológico. A forma infecctante de Pythium insidiosum são os zoósporos liberados na água para completar seu ciclo de vida (Mendoza et al., 1993). A maioria dos casos de pitiose foi observada durante ou logo após a estação chuvosa. Este agente atinge principalmente, as extremidades distais dos membros e porção ventral da parede tóraco-abdominal, provavelmente devido ao maior tempo de contato com água contaminada com zooósporos (Miller e Campbell, 1982, Chaffin et al., 1995). Os eqüinos são os animais mais atingidos pela pitiose caracterizada pelo desenvolvimento de lesões subcutâneas ulcerativas e granulomatosas de aspecto

FIGURA 1 - Lesão característica de pitiose eqüina apresentando secreção serosanguinolenta de aspecto granulomatoso no membro anterior esquerdo.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

tumoral, com formação de“kunkers”, massas em forma de coral amareladas produzidas no centro das lesões. O primeiro relato de pitiose eqüina ocorreu no Rio Grande do Sul (Santos e Londero, 1974). Desde então, os relatos de pitiose eqüina no país somam mais de 90 casos (Santurio et al., 2006), sendo descritos em vários estados, incluindo o próprio Rio Grande do Sul (Santos et al., 1987, Meireles et al., 1993, Sallis et al., 2003), Paraná (Luvizari et al., 2002, Headley e Arruda, 2004), Pará (Túry e Corôa, 1997), Rio de Janeiro (Sanavria et al., 2000) e São Paulo (Rodrigues e Luvizotto; 2000). Como em Mato Grosso do Sul (Monteiro, 1999, Leal et al., 2001), no pantanal também foram registrados casos (Carvalho et al., 1984, Santurio et al. 1998, Leal et al. 2001). Também existe registro de ocorrência da doença no semi-árido, como na Paraíba foram registrados 38 casos (Tabosa et al. 1999) e no Piauí, diversas espécies de Pythium também já haviam sido registradas no semi-árido, mas todas com potencial patogênico para plantas (Rocha et al., 2001, Rocha, 2002, 2006). Este é o primeiro relato de Pythium insidiosum causando pitiose cutânea em eqüinos no Piauí, embora já houvesse suspeita da doença em eqüinos atendidos na Clínica de Grandes Animais do Hospital Veterinário da Universidade Federal do Piauí, dos quais não se conseguiu um diagnóstico definitivo. A enfermidade tem características muito semelhantes a diversas outras afecções cutâneas fúngicas, havendo a possibilidade de em exames superficiais ser confundida.

Relato do Caso

Um eqüino macho, sem raça definida (SRD), com pelagem alazã, 18 meses de idade, pesando 140 kg, proveniente de Alto Longá, Piauí, foi atendido na Clínica de Grandes Animais do Hospital Veterinário do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal do Piauí. A queixa do proprietário era referente ao surgimento de uma lesão no membro anterior esquerdo, a cerca de 60 dias. O animal era criado em regime extensivo, não era vacinado e nem vermifugado. Durante o exame clínico, observou-se: FR=16, FC=38 e TR=37,8°C. A auscultação do abdômen não revelou nenhuma alteração. O eqüino encontrava-se com os pêlos opacos e quebradiços, magro e a lesão cinza-avermelhada com secreção serosanguinolenta, de consistência viscosa, aspecto granulomatoso e diâmetro aproximado de 20 cm, atingindo a região posterior e lateral da articulação do carpo do membro anterior esquerdo (Figura 1). Os estudos biológicos de Pythium insidiosum foram realizados no Laboratório de Fungos Zoospóricos da Universidade Federal do Piauí, com o isolamento e cultura do patógeno. O diagnóstico diferencial de

25


Arquivo Pessoal

suplemento científico

Dados dos Autores

foi realizado por meio da biopsia, isolamento, cultura e identificação do patógeno. O material coletado da lesão, “kunkers”, foi dividio em três partes. Uma delas para o preparo em lâmina pra microscopia. Pois histologicamente, os “kunkers”, apresentam-se como coágulos eosinófílicos de tamanho variado e forma circular com contornos irregulares. Estes coágulos são compostos de hifas, colágeno, arteríolas e células inflamatórias, especialmente eosinófilos. Observam-se hifas com paredes espessas, esparsamente septadas, irregularmente ramificadas (normalmente em ângulo reto) ou unidas formando feixes. Uma segunda parte dos fragmentos foi previamente lavada em solução contendo antibiótico (penicilina 200µg/mL), e distribuída diretamente na superfície de meio de farelo de milho e ágar (CMA) e, após incubação por 96 horas, a 32 °C, houve o desenvolvimento de colônia com micélio submerso de coloração hialina. Para a produção de zoosporângios e zoósporos, blocos de CMA foram retirados da margem da colônia e transferidos para placas-de-petri com água destilada estéril. A terceira porção também foi colocada em placasde-petri com água destilada para a produção de

José de Ribamar de Sousa Rocha

Lucas Pinheiro Dias

Endereço para correspondência: UFPI, CCN, Dep. Biologia, Laboratório de Fungos Zoospóricos, Campus Ministro Petrônio Portela, Bairro Ininga, Teresina, Piauí CEP: 64049-550. E-mail: rrocha@ufpi.br

Edílson Páscoa Rodrigues

Severino Vicente da Silva

Dário Magalhães Batista Filho

FIGURA 2 - Zoósporos dentro de vesícula de liberação na extremidade de um zoosporângio filamentoso de Pythium insidiosum, produzido por hifas formadas diretamente de “kunkers” em água destilada estéril, após incubação por 96 horas, em temperatura de 32 °C.

afecções cutâneas fúngicas, como a conidiobolomicose, basidiobolomicose, o granuloma bacteriano, a habronemose cutânea, sarcóides e outras neoplasias,

Biólogo, CRB-5 nº. 2.900/5-D. Doutor, professor adjunto no Departamento de Biologia, Laboratório de Fungos Zoospóricos, Centro de Ciências da Natureza, UFPI.

Graduando em Ciências Biológicas, Estagiário no Laboratório de Fungos Zoospóricos, Centro de Ciências da Natureza, UFPI. E-mail: edílson.pascoa@ig.com.br

Médico Veterinário, CRMV-PI nº. 0125. Doutor, professor associado do Departamento de Clínica e Cirurgia Veterinária, Centro de Ciências Agrárias, UFPI. E-mail:severinovs@yahoo.com.br

Médico Veterinário CRMV-PI nº. 0766 Residente Centro de Ciências Agrárias, UFPI. E-mail: veterinario80@yahoo.com.br

Lucilene da Silva Santos

Médico Veterinário CRMV-PI nº. 0124. Doutor, Professor associado Centro de Ciências Agrárias, UFPI. E-mail: solanofeitosa@bol.com.br

Médica Veterinária CRMV-PI nº. 0785 Graduanda em Ciências Biológicas, Estagiária no Laboratório de Fungos Zoospóricos, Centro de Ciências da Natureza, UFPI. E-mail: lssvetbio@gmail.com

26

Graduando em Ciências Biológicas, Estagiário no Laboratório de Fungos Zoospóricos, Centro de Ciências da Natureza, UFPI. E-mail: lpinheirodias@gmail.com

Francisco Solano Feitosa Júnior

Rosvaldo Duarte Barbosa

Médico Veterinário CRMV-PI nº. 0211. Centro de Ciências Agrárias, UFPI . E-mail: rosvaldovet@yahoo.com.br

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


zoosporângios e zoósporos. Após incubação por 96 horas, a 32°C, foi observada em microscópio óptico a formação de estruturas vegetativas e reprodutivas do fungo. Hifas vegetativas hialinas foram produzidas pelo fungo nos blocos de CMA e diretamente dos “kunkers”. Os zoosporângios filamentosos de P. insidiosum, com a liberação de zoósporos dentro de uma vesícula que se desintegra rapidamente para dispersar-los no ambiente aquático, foram produzidos nos “kunkers” em água destilada (Figura 2) e, escassamente, na cultura em CMA. A produção de zoosporângios com liberação de zoósporos diretamente dos “kunkers” em água destilada, sugere que estas estruturas formadas nas lesões dos animais acometidos, quando liberadas no ambiente,

constituem uma fonte de propagação do patógeno na natureza. Não há relato de contaminação direta entre animais, mas, fica evidente que animais contaminados que apresentem lesões com produção de “kunkers” podem intensificar a dispersão da enfermidade no campo. A doença destaca-se pela dificuldade no tratamento, considerando que as drogas antifúngicas disponíveis não mostram eficiência, mas diversos tratamentos para a pitiose eqüina são relatados (Monteiro, 1999, Rodrigues e Luvizotto, 2000, Santurio et al, 2006). Entretanto, dado ao avançado estado da enfermidade e a extensão da lesão no momento em que o eqüino foi trazido ao hospital, impossibilitavam a extirpação cirúrgica da mesma ou aplicação de algum outro tratamento, sendo o animal eutanasiado.

Referências Bibliográficas ALEXOPOULOS, C.I., Mims, C.W., BLACKWELL, M. (ed). Introductory Mycology. New York: John Wiley e Sons, 1996, p.683-737. BOSCO, S.M.G., BAGAGLI, E., ARAÚJO JR,J.P., CANDEIAS, J.M.G., FRANCO, M.F., MARQUES, M.E.A, MENDOZA, L., CAMARGO, R.P., MARQUES, S.A. Human pythiosis, Brazil. Emerging Infections Diseases, v.11, n.5, 2005. CARVALHO, E.C.Q., ROSA, C.A.E.R., CRUZ, L.C.H., SCAFF, R.M. “Hyphomyces destruens” agente da “ferida brava” (hifomicose) em eqüinos do pantanal de MT. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA, 19, Cuiabá, 1984. Anais… Cuiabá: Sociedade de Veterinária do Mato Grosso, 1984.p.311. CHAFFIN, M.K., SCHUMACHER, J., McMULLAN, W.C. Cutaneous pythiosis in the horse. Veterinary Clinics of North America: Equine Practice, v.11, p.91-103, 1995. HAWKSWORTH, D.L., KIRK, P.M., SUTTON, B.C., PEGLER, D.M. Ainsworth and Bisby’s Dictionary of the Fungi. 9th ed., Egham: International Mycological Institute. 1996. 632p. HEADLEY, S.A., ARRUDA, H.N. Equine cutaneous pythiosis: a report of four cases. Ciência Rural, v.34, p.289-292, 2004. LEAL, A.B.M., LEAL, A.T., SANTURIO, J.M., KOMMERS, G.D., CATTO, J.B. Pitiose eqüina no pantanal brasileiro: aspectos clínicospatológicos de casos típicos e atípicos. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.21, p.151-156, 2001. LUVIAZARI, F.H., LEHMKUHL, R.C., SANTOS, I.W. pitiose equina no estado do Paraná – Primeiro relato de caso. Archives of Veterinary Science, v.7, n.2, p.99-102, 2002. MEIRELES, M.C.A., RIET-CORREA, F., FISCHMAN, O., ZAMBRAMO, A.F.F., ZAMBRAMO,

M.S. Cutaneous pythiosis in horses from Brazil. Mycoses, v.36, p.139-142, 1993. MENDOZA, L., HERNANDEZ, F., AJELLO, L. Life cicle the human and animal oomycete pathogen Pythium insidiosum. Journal of Clinical Microbiology, v.31, p.2967-2973, 1993. MENDOZA, L., AJELLO, L., McGINNIS, M.R. Infections caused by the oomycetous pathogen Pythium insidiosum. Journal de Mycologie Médicale, v.6, n.4, p.151-164, 1996. MILLER, R.I., CAMPBELL, R.S.F. Clinical observations on equine phycomycosis. Australian Veterinary Journal, v.58, p.221-226, 1982. MONTEIRO, A.B. Imunoterapia da pitiose eqüina: teste de eficácia de um imunobiológico e avaliação leucocitária em animais infectados naturalmente pelo Pythium insidiosum. Santa Maria, 1999. 52p. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de Santa Maria. PLAATS-NITERINK, A.J. Monograph of the Genus Pythium. Studies in Mycology, Baarn, v.21, 242p, 1981. ROCHA, J.R.S. Fungos zoospóricos em área de cerrado no Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí, Brasil. São Paulo, 2002. 266p. Tese (Doutorado) - Instituto de Biociências. Universidade de São Paulo. ROCHA, J.R.S. Filos Chytridiomycota e Oomycota. In. Gusmão, F.P.; Maia, L.C. (ed). Diversidade e caracterização dos fungos do semi-árido brasileiro. Recife: Associação Plantas do Nordeste, 2006. p.75-95. ROCHA, J.R.S., Milanez, A.I., Pires-Zottarelli, C.L.A. O gênero Pythium (Oomycota) em área de cerrado no Parque Nacional de Sete Cidades, Piauí, Brasil. Hoehnea, v.28, n.3, p.209-230, 2001.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

RODRIGUES, C.A., LUVIZOTTO, M.C.R. Zigomicose e pitiose cutânea em eqüinos: diagnóstico e tratamento. Revista de Educação Continuada CRMV-SP, v.3, p.3-11, 2000. SALLIS, E.S.V., PEREIRA, D.I.B., RAFFI, M.B. Pitiose cutânea em eqüinos: 14 casos. Ciência Rural, v.33, p.899-903, 2003. SANAVRIA, A., FABRIS, V.E., CAMPOS, S.G., PEIXOTO, P.E.V., MORAIS, M.C., FERNANDES, C.G.M. Pitiose em eqüinos: Relato de cinco casos no Estado do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Medicina Veterinária, v.22, p.170-172, 2000. SANTOS, M.N., LONDERO, A.T. Zigomicose subcutânea em cavalos. Pesquisa Agropecuária Brasileira – série veterinária, v.9, p. 7-8, 1974. SANTOS, M.N, METZDORF, L.L., BRAGA, M.M., WOLLE, C.A. Pitiose cutânea em eqüinos no Rio Grande do Sul. Pesquisa Veterinária Brasileira, v.7, p.57-61, 1987. SANTURIO, J.M., ALVES, S.H., PEREIRA, D.B., ARGENTA, J.S. Pitiose: uma micose emergente. Acta Scientiae Veterinariae, v.34, n.1, p.1-14, 2006. SANTURIO, J.M., MONTEIRO, A.B., LEAL, A.T., KOMMERS, G.D., SOUSA, R.S., CATTO, J.B. Cutaneous Pythiosis insidosi in calves from Pantanal region of Brazil. Mycopathologia, v.141, p.123-125, 1998. TABOSA, I.M., MEDEIROS, V.T., DANTAS, A.F.M., AZEVEDO, E.O., MAIA, J.C. Pitiose cutânea em eqüídeos no semi-árido da Paraíba. Arquivo Brasileiro de MedicinaVeterinária e Zootecnia, v.51, p.27-30, 1999. TÚRY, E., CORÔA, A.C. Pitiose cutânea em eqüinos no estado do Pará. In. CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÁRIA, 25, Gramado, 1997. Anais...Gramado, 1997. p.150.

27


suplemento científico

A relevância do ambiente uterino no reconhecimento materno da gestação na égua The relevance of uterine environment in maternal recognition of pregnancy in the mare Resumo O eqüino é a espécie dentre os animais domésticos que apresenta pior eficiência reprodutiva. A perda embrionária é um dos principais fatores de subfertilidade na espécie. A fase gestacional e a incidência que ocorrem as perdas relacionam-se diretamente com a saúde do trato reprodutivo, destacando-se a má condição do ambiente uterino devido à demora da limpeza física, principalmente devido à disfunção da contratilidade do miométrio. A razão da baixa atividade miometrial ainda permanece desconhecida. Contudo, os possíveis mecanismos incluem: 1) mudanças na liberação, sistêmica ou local, de uterotoninas; 2) produção alterada de substâncias neuromusculares ou vasoativas; e 3) mudanças intrínsecas à musculatura uterina. Outro importante fator de perda gestacional na égua é a falta de sinalização embrionária às células endometriais quanto a existência e condição de normalidade, para evitar a luteólise que ocorre por falta do momento ou da forma adequada de reconhecimento materno, necessária para a manutenção da gestação, podendo ocorrer pela assincronia entre o embrião e o ambiente uterino. Palavras-chave: eqüino, gestação, disfunção uterina, perda embrionária.

Abstract The equine reproductive efficiency is worst between other domestics animals. The embryonic loss is one of the main factors of subfertility. The pregnancy period and incidence when the losses are directed linked to the reproductive tract health. The gestational period and incidence of embryonic loss are directly related with the reproductive tract heath, the bad conditions in the uterine environment are related to delays of physical cleaning mainly due to myometrium contractility dysfunctions. The reason of low miometrial activity is still obscure. However, the possible mechanisms include: 1) changes in the liberation, systemic or local, of uterinetonines; 2) altered production of neuromuscular or vasoactive substances, that affect the myometrial activity; or 3) Intrinsic changes in the uterine musculature that as a result becomes unable to promote normal contractile force. Another important reason for embryonic losses in mares, is the lack of embryo signalization to the endometrial cells which points out their existence and normal condition, avoiding by this way the luteolysis that happens for the lack of the maternal recognition in the appropriate moment, what is necessary for the gestation maintenance. It could happen by the asynchrony between the embryo and the uterine environment. Keywords: equine, pregnancy, uterine dysfunction, loss embryonic

28

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


INTRODUÇÃO O eqüino é a espécie, dentre os animais domésticos, que apresenta pior eficiência reprodutiva, causada por diversos fatores, sendo o principal a perda gestacional, tanto embrionária quanto fetal (Ginther, 1992). Tanto a fase da gestação em que ocorrem as perdas quanto sua incidência, relacionam-se diretamente com a saúde do trato reprodutivo (Ginther et al., 1985). Do momento da fecundação do ovócito, logo após a ovulação, até o estabelecimento da placenta matura e totalmente funcional, uma série de mudanças morfológicas, imunológicas e endócrinas acontecem na tuba uterina e no útero, que podem ser importantes para o estabelecimento e a manutenção da gestação (Duc-Goiran et al., 1999). O ambiente uterino desfavorável e a pobre qualidade do embrião destacam-se como as principais fontes de perda embrionária (Ginther, 1992; LeBlanc, 2003).

REVISÃO DE LITERATURA AMBIENTE UTERINO E A PERDA EMBRIONÁRIA PRECOCE NA ÉGUA

Shutterstock

Na espécie eqüina, o oócito após a ovulação, caso não seja fecundado, se desloca no interior da tuba uterina até a junção ístmo-ampola onde permanece alojado nas dobras, altamente convolutas, da mucosa tubárica degenerando-se lentamente por vários meses (Ball, 2000). Por outro lado, a partir do ovócito fecundado, um embrião se desenvolve-

rá e será transportado, pela tuba uterina, até o útero dentro de 144 a 168 horas, pós-ovulação (Allen, 2000). Para que isto ocorra, o embrião ao atingir o estádio de mórula compacta, necessita secretar apreciável quantidade de prostaglandina E2 (PGE2) (Skidmore, 2004). A PGE2 secretada pelo embrião atua localmente sobre as fibras musculares da tuba uterina, fazendo com que haja relaxamento da junção útero-tubárica. Assim, o embrião auxiliado pelo batimento rítmico ciliar, adentra ao lúmen uterino (Allen, 2000 e 2005). O embrião necessita encontrar um ambiente uterino adequado para que a gestação possa se estabelecer. Contudo, após a cobertura ou inseminação, a deposição do sêmen, contaminantes e diluidor no ambiente uterino, desencadeiam um processo inflamatório, fisiologicamente comum a todos os ciclos com serviços, que pode persistir por um período mais longo que o normal em fêmeas eqüinas ditas susceptíveis à endometrite (Troedsson, 1999). Caso a inflamação persista, até o momento da chegada do embrião no útero, o ambiente uterino estará desfavorável ou mesmo incompatível a sobrevivência do embrião levando a perda embrionária (Silva et al., 1999). Normalmente, o processo inflamatório é acompanhado por acúmulo de fluido intrauterino que está associado à redução significativa na taxa de gestação. Parte do líquido encontrado no lúmen uterino pode ser oriunda da maior secreção das glândulas endometriais, estimuladas pelo estrógeno na fase

Gestação bem sucedida é sinônimo de eficiência reprodutiva

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

29


Shutterstock

suplemento científico pré-ovulatória, associada ou não a baixa capacidade de drenagem pelo cérvix e vasos linfáticos, e pela baixa contratilidade miometrial (Watson, 2000). A endometrite persistente póscobertura é mais freqüente em éguas acima de 14 anos de idade, estando associada ao retardo da limpeza física do ambiente uterino devido a disfunções, principalmente da contratilidade uterina (VonReitzenstein et al., 2002; LeBlanc, 2003), embora outras patologias, tais como lacunas linfáticas, angiopatias e fibrose periglandulares (endometrose) também contribuam para a enfermidade (LeBlanc, 2003). A razão da baixa atividade miometrial ainda permanece desconhecida. Contudo, os possíveis mecanismos incluem: 1) mudanças na liberação, sistêmica ou local, de uterotoninas tais como prostaglandinas ou ocitocinas; 2) produção alterada de substâncias neuromusculares ou vasoativas, que afetam a atividade miometrial, e 3) mudanças intrínsecas à musculatura uterina que, em resposta, torna-se incapaz de promover força contrátil normal (Rigby et al., 2001). Menor contratilidade e limpeza uterina, em éguas susceptíveis à enHá necessidade de manutenção dos cuidados pós-parto. dometrite, têm sido correlacionadas com baixas concentrações de ocitocina, durante a a supressão do número ou função das junções rufiação e a cobertura em relação a éguas normais, comunicantes miometriais, altera o estado de fosque apresentam elevada concentração deste horforilação de proteínas contrácteis ou a expressão mônio nos dois momentos (Nikolakopoulos et al., de enzimas integrais nas células musculares de 2000). Entretanto, os estudos são limitados a éguas função contráctil, o que pode contribuir para a renormais e mostram que a baixa resposta do mioméduzida resposta de contração do miométrio, sem trio à estimulação por um campo elétrico não tem interferir no número de receptores para ocitocina correlação com a baixa expressão de receptores res(LeBlanc et al., 1998; LeBlanc, 2003). ponsáveis pela contratilidade miometrial, nem com A atividade contráctil do útero é uma consea regulação da concentração de cálcio intracelular qüência da despolarização e repolarização da (Watson, 2000). membrana plasmática das células musculares lisas, De acordo com LeBlanc (2003), a explicação sendo sugerido que um feixe dessas células atue para a baixa correlação entre receptores para concomo células especializadas, tipo marca-passo, que tratilidade miometrial com a atividade mioelétrica desencadeia a atividade contráctil da musculatura uterina, em éguas susceptíveis, pode ser advinda uterina. Todavia, diferente do miocárdio, no miodo acúmulo de óxido nítrico (NO) dentro do lúmen métrio essas células não são representadas por uma uterino, após a inseminação. A liberação endomeestrutura única. Qualquer célula miometrial pode trial de substâncias tais como prostaglandinas, ser capaz de assumir a função de marca-passo, pocitocinas inflamatórias e o próprio óxido nítrico, dendo com isto, ocorrerem mudanças nas regiões causa uma série de alterações nas células musculaque comandam o desencadeamento da atividade res. Estas substâncias promovem mudanças como mioelétrica. Alguns dados sugerem existir regiões

30

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


de marca-passo no miométrio do corno uterino, em éguas normais, que causam a contração inicial, originada neste ponto e, então, propagando-se em direção ao cérvix. Em contraste, as regiões de marca-passo em éguas susceptíveis à endometrite aparecem mais freqüentemente no corpo uterino, podendo essa localização ser intrínsecas a éguas problema (VonReitzenstein et al., 2002). Outro fator com papel significativo na limpeza do fluido intrauterino é o posicionamento uterino na cavidade pélvico-abdominal. Com o avançar da idade e o aumento do número de partos, o útero adquire uma posição mais cranioventral no abdômen que é devido à perda do suporte estrutural caudal do trato reprodutivo e com o estiramento do ligamento largo, ocorrem falhas na eliminação do conteúdo intrauterino, advinda do menor padrão de propagação e da intensidade da contração miometrial que são insuficientes para o esvaziamento completo nesses animais (LeBlanc et al., 1998; LeBlanc, 2003). Juntamente ao supracitado, a degeneração vascular endometrial também contribui para o atraso na limpeza uterina. Esclerose das veias, arteríolas e artérias como elastose, fibrose, fibroelastose, fibrose perivascular e processos de calcificação têm sido notadas em biópsias endometriais obtidas de éguas com acúmulo anormal de fluído intrauterino. A angiose parece reduzir, indiretamente, a fertilidade por meio da menor perfusão endometrial e por distúrbio na drenagem uterina, causadas pela reduzida função das veias e dos vasos linfáticos (linfangiectasia endometrial) que, consequentemente, levam à persistência do edema endometrial, formando as lacunas linfáticas. A severidade das lesões aumenta com a idade e com o número de partos (LeBlanc, 2003).

RECONHECIMENTO MATERNO DA GESTAÇÃO NA ÈGUA E A PERDa EMBRIONÁRIA Em éguas normais, com útero hígido, o embrião encontra um ambiente apropriado ao seu desenvolvimento, condição essencial para o sucesso no estabelecimento da gestação, uma vez que após sua chegada no útero, passará pelo desafio de sinalizar ao tecido uterino a sua existência e viabilidade, evitando a luteólise e com isto, assegurando a manutenção de um ambiente compatível a implantação e desenvolvimento (Bowen e Burghardt, 2000). A natureza bioquímica do sinal que o embrião eqüino “informa” à égua a sua presença ainda permaRevista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

nece desconhecida (Sissener et al., 1996). Diferente dos ruminantes, o concepto eqüino não produz nenhuma proteína similar ao interferon (molécula com propriedades luteostáticas), mas, semelhante ao embrião suíno, inicia secreção de grandes quantidades de estrógeno, tão cedo quanto 10 dias após a ovulação (Allen, 2000). Assim, hipotetizou-se que o estrógeno embrionário promove a luteostase por redirecionar o fluxo endometrial de PGF2α para longe dos vasos venosos de drenagem uterina e, por isso, poderia constituir o sinal do reconhecimento materno da gestação em eqüinos (Allen, 2005). Apesar da contínua incerteza acerca da natureza desses sinais, recentes experimentos têm estabelecido que, como em ruminantes, há supressão da auto-regulação cíclica dos receptores de ocitocina no endométrio, entre os dias 10 e 16 após a ovulação (Allen, 2005). Assim, este mecanismo poderia ser parte integral do mecanismo da luteostase na gestação eqüina, juntamente a liberação de estrógeno pelo concepto (Allen, 2000). No entanto, há trabalhos (Boerboom et al., 2004) que contestam a participação do concepto na supressão da expressão dos receptores de ocitocina no final do diestro, já que, aparentemente, não ocorre inibição do aumento do número de receptores de ocitocina em éguas gestantes, e sim, inibição da luteólise por alteração da expressão das enzimas envolvidas na síntese das prostaglandinas (Aurich e Budik, 2004). Boerboom et al. (2004) consideraram que a prevenção da luteólise, em éguas gestantes, parece depender mais da capacidade do concepto em inibir a regulação da cicloxigenase 2 (COX-2), do que a própria regulação dos receptores de ocitocina. Isto se deve à demonstração da expressão dos genes da prostaglandina sintase no endométrio eqüino durante o final do diestro e início da gestação. Todavia, como não há indução do gene da COX-2 no dia 15 do ciclo estral, em éguas gestantes, acredita-se não haver a síntese de prostaglandina por estes animais. O efeito inibitório do concepto sobre a produção de prostaglandinas endometriais é transitório, o que exige sua interação repetida ou contínua com todo o endométrio para suprimir a sua produção (Sharp et al., 1984). Devido ao fato da PGF uterina alcançar o corpo lúteo da égua por rota sistêmica, o concepto precisa interagir com a superfície de ambos os cornos e o corpo uterino para garantir a manutenção do corpo lúteo (Ginther, 1992). Desta forma, a mobilidade do concepto eqüino é funcionalmente análoga à elongação do blastocisto suíno no momento do reconhecimento materno da ges-

31


suplemento científico tação (McDowell et al., 1988). Apesar de o concepto eqüino impedir a luteólise por evitar que a prostaglandina endometrial alcance o corpo lúteo por via sistêmica, ele possui a capacidade de secretar quantidades apreciáveis tanto de PGE2 quanto da PGF2α. Assim, a capacidade sintética de prostanóides, pela membrana coriovitelínica, é necessária para estimular, localmente, a contração peristáltica e o relaxamento do miométrio, requerida para impulsionar o concepto através do lúmen uterino, durante o período de reconhecimento materno da gestação (Allen, 2000). O padrão de mobilidade da vesícula embrionária varia de acordo com os diferentes dias da gestação, sendo limitada entre os dias nove e 10 pósovulação (Ginther, 1992). Durante esse período, a vesícula embrionária passa a maior parte do tempo alojada no corpo uterino, atingindo mobilidade máxima a partir do 11º e 12º dia pós-ovulação e continuando até o 16º, quando cessa o movimento (Ginther, 1984; Leith e Ginther, 1984). Esta parada na movimentação embrionária advém da combinação do seu crescimento contínuo, bem como pelo aumento do tônus uterino, que causa a fixação da vesícula na base de um dos cornos (Ginther, 1984). A mobilidade até o 16º dia pós-ovulação permite a interação necessária entre concepto e o endométrio, para a manutenção da função luteal (McDowell et al., 1988). Contudo, pode ocorrer assincronia natural entre o embrião e o ambiente uterino, oriundos de diversas causas, tais como a retomada tardia da primeira divisão meiótica ou o atraso da fecundação. Como conseqüência, pode ocorrer desenvolvimento embrionário retardado, que leva à falha na sinalização à mãe, por falta do momento ou da forma adequada que inicie a resposta do reconhecimento materno, necessária para a manutenção da gestação (Roberts et al., 1996). O menor tamanho das vesículas embrionárias oriundas, principalmente, de coberturas pós-ovulação, tem sido relacionado com a perda embrionária precoce em éguas. Esse menor diâmetro das vesículas pode ser devido ao tempo necessário para o espermatozóide ser capacitado, com isto, aumentando o intervalo de tempo entre a inseminação e a fecundação. Essas pequenas vesículas, provavelmente, possuem menor capacidade de mobilidade e propiciam menor bloqueio ao mecanismo luteolítico uterino. Embora morfologicamente normais, os embriões de menor tamanho, podem ser perdidos devido à reduzida capacidade de bloquearem a luteólise (Huhtinen et al., 1996).

32

Estes dados são suportados pelos achados de Choi et al. (1997) que demonstraram que a produção de estrógeno livre pelo embrião eqüino plotado contra o número de células ou contra o diâmetro do embrião mostrou que tanto o número de células quanto o diâmetro do embrião aumentam, elevando a produção de estrógeno. Contudo, a produção de estrógeno conjugado aumentou significativamente com o diâmetro do embrião, mas não de forma significativa com o número de células. Sendo que o número de células e o diâmetro do embrião foram altamente correlacionados, positivamente, entre si. Estes autores observaram forte associação entre a produção de estrógeno e o número de células do embrião ou do diâmetro do que entre a produção de estrogênio e a idade, uma vez que os embriões na mesma idade tinham uma grande variedade tanto no número de células quanto no diâmetro. Os resultados deste estudo sugerem que a taxa de produção de estrógeno aumenta com o desenvolvimento dos embriões em eqüinos durante o período de reconhecimento materno da gestação. Este aumento na produção de estrógeno parece ser mais associada com o aumento do número de células embrionárias do que com o aumento da atividade intracelular esteroidogênica (Choi et al., 1997). Seguindo-se os estádios do desenvolvimento do embrião, após a fixação da vesícula embrionária, o concepto passa pelo processo de implantação, por volta do 40º dia pós-ovulação (Bowen e Burghardt, 2000), que no eqüino é, parcialmente, regulado pelo fator de crescimento epidermal (EGF) e fatores de crescimento semelhantes à insulina do tipo I e II (IGF-I e II), produzidos localmente (Lennard et al., 1998). A presença de RNAm para o fator de crescimento epidermal (EGF), na porção apical das glândulas endometriais em éguas gestantes, tem sido implicado participar no desenvolvimento placentário e trofoblástico durante o período de fixação e implantação embrionária, tanto por estímulo mitogênico quanto como promotor de secreção das glândulas endometriais, conhecida como“leite uterino”(Schäfer-somi, 2003). Outros fatores de crescimento mitogênicos, tais como IGF-I e -II, são secretados pelo trofoblasto, dentre muitos outros tecidos embrionários e fetais, tão cedo quanto 20 dias após a ovulação em éguas gestantes (Allen, 2000). O IGF-I mostrase acumular nas células epiteliais e glandulares do endométrio eqüino regulando o crescimento endometrial e/ou trofoblástico, por estimular a captação de glicose, a síntese de proteína e a proRevista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


liferação celular (Lennard et al., 1998). Além disso, o IGF-I parece atuar como um fator de sobrevivência por diminuir a apoptose celular (Herrler et al., 2000). Atualmente, pouco se conhece sobre a síntese de IGF-I ou a expressão de seus receptores pelo embrião eqüino. No entanto, acredita-se que o embrião possa elevar a secreção endometrial de IGF-I, sendo que este processo pode representar um importante sinal, parácrino ou autócrino, que auxilia o início da gestação. Assim, qualquer fator que interfira na sua secreção pode provocar a perda da gestação (Walters et al., 2001). A síntese de IGF-I pelo concepto, antes da implantação, tem levado a resultados conflitantes devido a alguns pesquisadores terem descrito a presença de RNAm para este hormônio, apenas durante o estádio de blastocisto (Xia et al., 1994). Por outro lado, o IGF-I materno encontra-se presente na tuba e nas secreções uterinas que envolvem o concepto. A constatação do RNAm, para proteínas ligadoras de IGF (IGFBPs) na cobertura externa do concepto de alguns mamíferos na préimplantação, leva a especulação de que o concepto possa regular a biodisponibilidade do IGF por meio dessas proteínas, elevando o seu desenvolvimento (Herrler et al., 2000). É provável que esses fatores de crescimento, o EGF das glândulas endometriais maternas e o IGF-II

dos tecidos fetais, atuem inicialmente na manutenção da hiperplasia e remodelagem da arquitetura do endométrio e do alantocórion, que ocorrem durante o desenvolvimento da placenta eqüina. Assim, alguns fatores externos, tais como a privação alimentar, podem interferir no estádio de desenvolvimento, acarretando perdas embrionárias, por impedir a diferenciação e fixação do concepto e, com isto, diminuir a capacidade da placenta epiteliocorial de continuar seu crescimento ao longo da gestação (Allen, 2000).

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Os índices de mortalidade embrionária no início da gestação são mais elevados quando comparados com estádios mais avançados. Isto se deve, provavelmente, à inadequação do meio ambiente uterino quando da chegada do embrião ao útero, por volta do 6º dia, bem como pela falta de mobilidade do mesmo entre o 11º e 15º dia, que levam à ausência do reconhecimento materno da gestação. As perdas embrionárias precoces aumentam com a idade da égua, provavelmente, por defeitos no oócito, embora alterações no ambiente da tuba uterina e do útero colaborem para isto em animais mais velhos. Por fim, éguas mais velhas e com histórico de susceptibilidade a endometrite devem receber maior atenção.

Dados dos Autores

Fernando Andrade Souza

Médico Veterinário, CRMV – MG 7533, MSc, Doutorando em Ciência Animal – Escola de Veterinária, UFMG, Belo Horizonte – MG.

Endereço para correspondência: Rua Des. Paula Mota, nº30, apt. 201, Bairro: Ouro Preto, 31310-340, Belo Horizonte - Minas Gerais. Fone: (31) 9126-4603 E-mail: femedvet@yahoo.com.br

Igor Frederico Canisso

Médico Veterinário, CRMV – MT nº 2401, Mestrando em Zootecnia – UFV, Viçosa – MG.

Álan Maia Borges

DSc, Professor Adjunto I – Escola de Veterinária, UFMG, Belo Horizonte – MG.

Vicente Ribeiro do Vale Filho

Médico Veterinário, CRMV – MG nº 1788, MSc, PhD, Professor Titular – Escola de Veterinária, UFMG, Belo Horizonte – MG.

Anali Linhares Lima

Médica Veterinária, CRMV – MG nº 7534, Mestranda em Ciência Animal e Pastagens – ESALQ – USP, Piracicaba – SP.

Erotides Capistrano da Silva

Médica Veterinária, CRMV – MG nº 8380, Especialista, Mestranda em Medicina Veterinária UFV, Viçosa – MG.

Médico Veterinário, CRMV – MG nº 4849, MSc,

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

33


suplemento científico Referências Bibliográficas LLEN, W. R. The physiology of early pregnancy in the mare. Annual Convention of the American Association of Equine Practitioners, v. 46, p. 338-354, San Antonio, Texas, USA, 2000. Disponível em: http:// www.ivis.org/proceedings/AAEP/2000/ contents.pdf. Acesso em: 26/10/ 2006. ALLEN, W. R. Maternal recognition and maintenance of pregnancy in the mare. Animal of Reproduction, v.2, n.4, p.209223, 2005. AURICH, C.; BUDIK, S. Expression of enzymes involved in the synthesis of prostaglandins in early equine embryos. In: Maternal Recognition of Pregnancy in the Mare III. Ed. Stout T. A. E. and Wade, J. F. 13th – 16th, Barbados, West Indies, 2004, p.31-32. BALL, B. A. Reduced reproductive efficiency in the aged mare: role of early embryonic loss. In: Recent Advances in Equine Theriogenology. International Veterinary Information Service (www.ivis. org), 2000. Disponível em: <http://www. ivis.org/ proceedings/AAEP/2000/contents.pdf.> Acesso em: 02/09/2006. BOERBOOM, D.; BROWN, K. A.; VAILLANCOURT, D. et al. Expression of key prostaglandin synthases in equine endometrium during late diestrus and early pregnancy. Biology of Reproduction, v.70, n.2, p.391–399, 2004. BOWEN, J. A.; BURGHARDT, R. C. Cellular mechanisms of implantation in domestic farm Animals. Seminars in Cell & Developmental Biology, v.11, 2000: p. 93–104

ROBERTS, R. M.; XIE, S.; MATHIALAGAN, N. Maternal Recognition of Pregnancy. Biology of Reproduction, v. 54, p.294302, 1996.

GINTHER, O. J.; GARCIA, M. C.; BERGFELT, D. R. Embryonic loss in mares: Pregnancy rate, length of interovulatory intervals and progesterone concentrations associated with loss during days 11 to 15. Theriogenology, v.24, n.4, p.409-417, 1985.

SCHÄFER-SOMI, S. Cytokines during early pregnancy of mammals: a review. Animal Reproduction Science, v.75, n.1-2, p.73–94, 2003.

HERRLER, A.; PELL, J. M.; ALLEN, W. R. et al. Horse conceptuses secrete insulin-like growth factor-binding protein 3. Biology of Reproduction, v.62, n.6, p.1804–1811, 2000.

SHARP, D. C.; ZAVY, M. T.; VERNON, M. W.; BAZER, F. W. ; THATCHER, W. W.; BERGLUND, L. A. The role of prostaglandins in the maternal recognition of pregnancy in mares, Animal Reproduction Science, v.7, n.13, p.269-282, 1984.

HUHTINEN, M.; KOSKINEN, E.; SKIDMORE, J. A. et al. Recovery rate and quality of embryos from mares inseminated after ovulation. Theriogenology, v.45, n.4, p.719-726, 1996.

SILVA, N.; BRAGA, C. E; COSTA, G. M.; et al. Isolation and antimicrobial susceptibility of bacteria in uterine infections in mares. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v.51, n.3, 1999.

LeBLANC, M. M.; NEUWIRTH, L.;. JONES, L. et al. Differences in uterine position of reproductively normal mares and those with delayed uterine clearance detected by scintigraphy. Theriogenology, v.50, n.1, p.49-54, 1998.

SISSENER, T. R.; SQUIRES, E. L.; CLAY, C. M. Differential suppression of endometrial prostaglandin F2alpha by the equine conceptus, Theriogenology, v.45, n.3, p.541546, 1996.

LeBLANC, M. M. Persistent mating induced endometritis in the mare: pathogenesis, diagnosis and treatment. In: Recent Advances in Equine Reproduction, B.A. Ball (Ed.) Publisher: International Veterinary Information Service (www.ivis.org), Ithaca, New York, USA, 2003. LEITH, G. S.; GINTHER, O. J. Characterization of intrauterine mobility of the early equine conceptus. Theriogenology, v.22, n.4, p.401-408, 1984.

SKIDMORE, L. Maternal Recognition of Pregnancy. In: Lecture Notes for the Short Course in Reproduction in the Dromedary Camel, L. Skidmore (Ed.) Publisher: International Veterinary Information Service (www.ivis.org), Ithaca, New York, USA. 2004. Troedsson, M.H.T. Uterine clearance and resistance to persistent endometritis in the mare Theriogenology, v.52, n.3, p.461-471,1999.

CHOI, S.-J.; ANDERSON, G.B.; ROSER, J. F. Production of free estrogens and estrogen conjugates by the preimplantation equine embryo. Theriogenology, v.47, n.2, p.457-466. 1997.

LENNARD, S. N.; GERSTENBERG, C.; ALLEN, W. R. et al. Expression of epidermal growth factor and its receptor in equine placental tissues. Journal of Reproduction and Fertility, v.112, n.1, p.49–57, 1998.

VonREITZENSTEIN, M.; CALLAHAN, M. A.; HANSEN, P. J. et al. Aberrations in uterine contractile patterns in mares with delayed uterine clearance after administration of detomidine and oxytocin. Theriogenology, v. 58, n.5, p. 887-898, 2002.

CNA: Estudo do Complexo do Agronegócio Cavalo no Brasil. Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada ESALQUSP/Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil. Brasília: CNA; MAPA, 2006. (coletânea estudos gleba; 40).

McDOWELL, K. J.; SHARP, D. C.; GRUBAUGH, W. et al. Restricted conceptus mobility results in failure of pregnancy maintenance in mares. Biology of Reproduction, v.39, n.2, p.340-348, 1988.

WALTERS, K. W.; ROSER, J. F.; ANDERSON, G. B. Maternal–conceptus signalling during early pregnancy in mares: oestrogen and insulin-like growth factor I. Reproduction, v.121, p.331–338, 2001.

NIKOLAKOPOULOS, E.; KINDAHL, H.; GILBERT, C.L. et al. Release of oxytocin and prostaglandin F2α around teasing, natural service and associated events in the mare. Animal Reproduction Science, v.63, n. 1-2, p. 89–99, 2000.

WATSON, E. D. Post-breeding endometritis in the mare. Animal Reproduction Science, v.60–61, p.221–232, 2000.

DUC-GOIRAN, P.; MIGNOT, T. M.; BOURGEOIS, C. et al. Embryo–maternal interactions at the implantation site: a delicate equilibrium. European Journal of Obstetrics & Gynecology and Reproductive Biology, v. 83, n. 1, p. 85–100, 1999. GINTHER, O. J. Reproductive Biology of the Mare: Basic and Applied Aspects. Equiservices Publishing, Cross Plains, WI, USA,1992, 642p.

34

GINTHER, O. J. Intrauterine movement of the early conceptus in barren and postpartum mares. Theriogenology, v.21, n.4, p.633-644, 1984.

RIGBY, S. L.; BARHOUMI, R.; BURGHARDT, R. C. et al. Mares with delayed uterine clearance have an intrinsic defect in myometrial function. Biology of Reproduction, v.65, n.3, p.740–747, 2001.

XIA, P.; TEKPETEY, F. R.; ARMSTRONG, D. T. Effect of IGF-I on pig oocyte maturation, fertilization, and early embryonic development in vitro, and on granulosa and cumulus cell biosynthetic activity. Molecular Reproduction and Development, v.38, p.373-379, 1994.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


A Leishmaniose Tegumentar Americana no Estado do Amazonas, Brasil. Aspectos epidemiológicos da leishmaniose canina American Tegumentary Leishmaniasis in Amazonas State, Brazil. Epidemiological aspects of canine leishmaniasis Resumo A Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA) é uma doença de evolução crônica que acomete pele e mucosas. No Estado do Amazonas circulam parasitando o homem pelo menos quatro espécies do gênero Leishmania (Leishmania amazonensis, L. braziliensis, L. guyanensis e L. naiffi). O maior número de casos notificados desta doença ocorre nos municípios de Manaus seguido por Rio Preto da Eva. Os cães são os principais reservatórios da Leishmaniose Visceral (LV) nas Américas e seu papel como reservatório de LTA vem sendo discutido e investigado nos últimos anos. A LTA no norte do Brasil ainda é considerada uma doença prioritariamente de ambiente rural, com características silvestres, no entanto, com as mudanças ambientais e o crescimento urbano, animais domésticos podem vir a participar do ciclo com maior impacto. Palavras-chave: cães, Leishmaniose, Amazonas, cutânea

Abstract The American Tegumentary Leishmaniasis (ATL) is a chronic disease infecting the skin and mucosal. In the Amazonas State at least four species of the genus Leishmania produce human infections (Leishmania amazonensis, L. braziliensis, L. guyanensis and L. naiffi). The most notified cases of this disease are in the cities of Manaus followed by Rio Preto da Eva. The dogs are considered the main reservoir host of VL in the Americas and the role of these animals in the ATL have been investigated and discussed. In the North region the ATL is still considered a rural environment disease with sylvatic characteristics, however, with the ambient changes and the urban development the domestic animals could participate in the cycle with a great impact. Keywords: dogs, leishmaniasis, Amazonas, cutaneous

A Leishmaniose Tegumentar

A Leishmaniose Tegumentar Americana (LTA), é uma doença de evolução crônica que acomete isoladamente ou em associação, a pele e as mucosas do nariz, boca, faringe e laringe. É uma antropozoonose, Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

causada por protozoários do gênero Leishmania Ross, 1903 (Protozoa: Kinetoplastida: Trypanosomatidae) e transmitida por insetos conhecidos como flebotomíneos aos reservatórios naturais da doença que são principalmente marsupiais edentados e roe-

35


suplemento científico

Arquivo Pessoal

dores. Várias espécies de flebotomíneos transmitem os parasitos, que se multiplicam nas células do sistema fagocitário mononuclear (SFM) dos mamíferos. Quando os insetos realizam o repasto sanguíneo, as amastigotas se transformam em paramastigotas e em seguida em promastigotas, que se proliferam no tubo digestivo do inseto. Cerca de quatro dias depois, os flagelados migram para a região anterior do tubo digestivo, podendo o inseto transmitir o parasito a um novo hospedeiro. Na pele do mamífero, as formas infectantes transformam-se em amastigotas, completando o ciclo biológico (Vasquez et al., 2002).

forma anérgica difusa. Nas últimas décadas, as análises epidemiológicas da LTA têm sugerido mudanças nos padrões de transmissão da doença, inicialmente consideradas como zoonose de animais silvestres, que acometia ocasionalmente pessoas em contato com a floresta. Posteriormente, a doença começou a ocorrer em zonas rurais, já praticamente desmatadas, e em regiões periurbanas. No Brasil, são descritos três perfis epidemiológicos, o silvestre (zoonose de animais silvestres em áreas de vegetação primária) o ocupacional ou lazer (exploração desordenada da floresta, derrubada da mata para construção de estradas, extração de madeira, ecoturismo, etc) e rural ou periurbana em áreas de colonização de matas residuais (MS, 2006). Segundo dados de 2003 do Ministério da Saúde cerca de 33 mil casos anuais de LTA foram notificados no Brasil, apresentando em torno de 44 % dos casos na região Norte (MS, 2006). Na região amazônica a doença é causada por sete espécies de Leishmania, seis do subgênero Viannia: Leishmania (V.) braziliensis, L. (V.) guyanensis, L. (V.) lainsoni, L. (V.) naiffi, L. (V.) shawi, L. (V.) lindenbergi e uma do subgênero Leishmania: Leishmania (Leishmania) amazonensis.

Leishmaniose no Amazonas

Figura 1: Lesões caractericticas de LTA em paciente humano

Epidemiologia da LTA

No Brasil, a LTA tem sido assinalada em todos os estados, constituindo, portanto, uma das afecções dermatológicas que merece maior atenção, devido à magnitude da doença, assim como pelo risco de ocorrência de deformidades que pode produzir no homem, (fig.1), como também pelo envolvimento psicológico do doente, com reflexos no campo social e econômico, uma vez que, na maioria dos casos, pode ser considerada uma doença ocupacional (MS, 2006). Segundo Silveira et al (2009) somente a resposta imune do hospedeiro não influencia a manifestação clínica da LTA em humanos, atualmente existem claras evidencias que o número de espécies de Leishmania são responsáveis pelas diferentes formas clínicas da doença como por exemplo a infecção transmitida por L(V) brasiliensis manifesta-se na forma mucocutânea já a L(L) amazonensis produz a

36

Na Amazônia, e em particular, no Estado do Amazonas, a incidência de leishmaniose cutânea vem aumentando significativamente, acompanhando a abertura de novas estradas e a instalação de novos núcleos residenciais, em áreas onde, previamente, existia densa floresta tropical. Os treinamentos militares, na selva, também devem ser considerados na epidemiologia da leishmaniose (Talhari et al,1988). No período de 1999 a 2001 a FUNASA registrou no Amazonas 22.066 casos de LTA sendo a maior parte proveniente do município de Manaus e Rio Preto da Eva. Há registro de aproximadamente 1000 casos novos por ano, maioria oriunda do município de Manaus (Guerra et al, 2007). O diagnóstico clínico da doença baseia-se em lesões cutâneas (fig.2), as quais são similares nas várias formas de leishmanioses tegumentares. O período de incubação da doença varia de 1 a 4 semanas, surgindo então uma lesão inicial, constituída por pápula eritematosa, única ou múltipla, localizada geralmente em região descoberta do tegumento, que corresponde ao ponto de inoculação pelo flebotomíneo. Nesta etapa pode-se ainda encontrar linfangite e adenopatia regional. As lesões evoluem formando úlceras, as quais apresentam bordos altos, irregulares e infiltrados (aspecto em moldura de quadro), com fundo granuloso, de co-

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


piais principalmente, o roedor “rato-soiá” (Proechymis), além do Oryzomys, que, às vezes, apresenta o parasita na pele sem lesões cutâneas. Seus principais vetores os Lutzomyia flaviscutellata, Lutzomyia reducta e Lutzomyia olmeca nociva (Amazonas e Rondônia), têm hábitos noturnos, vôo baixo e são pouco antropofílicos. Alguns indivíduos infectados por essa espécie de Leishmania podem desenvolver o quadro clássico da leishmaniose cutânea difusa (LCD), caracterizado por: infiltrações, pápulas e tubérculos, envolvendo extensas áreas cutâneas (MS,2006). A Leishmania (Viannia) braziliensis na Amazônia, é encontrada em áreas de terra firme. O único vetor conhecido é a L. wellcomei (fig.3), encontrado na Serra dos Carajás. Este é altamente antropofílico. Em outras regiões do país, L. intermedia e L. whitmani são consideradas espécies transmissoras do parasito. Até o momento não se conseguiu identificar animais silvestres como reservatórios de L.(V.) braziliensis. No entanto, é freqüente o encontro de várias espécies domésticas, como o cão (Ceará, Bahia, Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo), eqüinos e mulas (Ceará, Bahia e Rio de Janeiro) e roedores domésticos ou sinantrópicos (Ceará e Minas Gerais), albergando em proporção expressiva o parasita. Crianças e mulheres são atingidas com freqüência por esta espécie de parasito. As populações atingidas são, em geral, de baixo padrão sócio-econômico (MS, 2006).

Arquivo Pessoal

loração vermelho-vivo, podendo estar coberta por exsudato seroso ou sero-purulento As lesões mucosas são na maioria das vezes secundárias as lesões cutâneas, podendo surgir depois de meses ou anos. Elas devemse a disseminação hematogênica da doença e acometem principalmente cavidades nasais, seguidas de faringe, laringe e cavidade oral (Sampaio & Rivitti,2001). No Estado do Amazonas circulam parasitando o homem pelo menos quatro espécies do gênero Leishmania; Leishmania amazonensis, L. braziliensis, L. guyanensis e L. naiffi (Comunicação pessoal, Antonia Franco). A espécie que ocasiona a maior incidência da doença humana, a Leishmania (V.) guyanensis limitada ao norte da Bacia Amazônica (Amapá, Roraima, Amazonas e Pará) e estendendo-se pelas Guianas, é encontrada principalmente em florestas de terra fírme.Vários mamíferos silvestres foram identificados como hospedeiros naturais, tais como: a preguiça (Choloepus didactilus), o tamanduá (Tamandua tetradactyla), marsupial e roedor.Os vetores são Lutzomya anduzei, Lutzomyia whitmani e Lutzomyia umbratilis, que é o principal vetor. A doença em humanos é caracterizada por lesões cutâneas únicas ou múltiplas (MS,2006). A Leishmania (L.) amazonensis está distribuída pelas florestas primárias e secundárias da Amazônia (Amazonas, Pará, Rondônia Tocantins e sudoeste do Maranhão). Tem como hospedeiros naturais vários marsu-

Figura 2: Lesao de LTA em extremidade distal de membro torácico.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

37


A L. (V.) naiffi segundo Naiff et al. (1991) foi descrita no Amazonas, Pará e Rondônia, é transmitida pelas espécies, L. squamiventris, L. paraensis, L. ayrozai e já foi isolada de tatu (Dasypus novemcinctus). O parasito causa lesões simples ou ulceradas que geralmente evoluem para cura (Lainson e Shaw,2005).

Arquivo CFMV

suplemento científico

Leishmaniose Tegumentar Canina

Os cães são os principais reservatórios da Leishmaniose Visceral (LV) nas Américas e seu papel como reservatório de LTA vem sendo discutido e investigado nos últimos anos (Madeira et al, 2003). Em levantamentos entomológicos realizados em várias regiões no Estado do Amazonas, até o momento, não foi identificada a presença de vetores de Leishmaniose Visceral, apesar de existir uma fauna rica e diversificada de espécies envolvidas na transmissão da Figura 3: Aspectos do vetor da LTA Leishmaniose Tegumentar (Barret et al. 1996; Barbosa et al., 2008). de LTA em área urbana da cidade de Manaus, tendo A LTA é considerada essencialmente zoonose do encontrado 9,8% dos casos em menores de cinco ambiente florestal primitivo, processando-se o ciclo anos de idade sugerindo que a transmissão ocorre vital do parasito sem a participação humana. Este no intra e peridomicílio. Segundo Guerra et al (2007) aspecto ecológico explica porque há relação fundaa presença de animais domésticos pode servir como mental entre o homem, seu contato com as florestas fonte de atração aos vetores mantendo o ciclo de e a manifestação da doença. O modo mais prevalentransmissão da LTA no peridomicílio. te de transmissão da LTA é o silvestre com exceção da Tolezano et al(2007) identificaram L(L.) amazoL. (V.) braziliensis uma vez que este agente tem sobrenensis em dois cães em Araçatuba, SP, área endêmica vivido em condições alteradas do ambiente florestal de LV e conclui que a infecção por esta espécie de e extraflorestal (Gomes et al.1990). Leishmania pode ocorrer em ambiente peridomiciSão numerosos os registros da infecção em liar. Souza et al (2005) relatam a identificação de L. animais domésticos. Entretanto não há evidencias amazonensis em um gato no município de Campo científicas que comprovem o papel destes animais Grande, MS que apresentava lesões nodulares no focomo reservatório das espécies de Leishmania encinho, orelha e pata; os parasitas foram visualizados volvidas na transmissão da LTA sendo considerados em exame citológico de linfonodo. hospedeiros acidentais da doença, porém a exisA freqüente observação de cães com elevados tência de animais silvestres como fonte natural de índices de infecções, associadas a L. (V.) braziliensis e infecções, ainda insuficientemente estudada, parece L (L.) chagasi, que circulam nas populações humanas incapaz de explicar a totalidade dos casos humanos e caninas em áreas endêmicas de LTA e LV, sugere o encontrados principalmente na região Amazônica envolvimento do cão no ciclo de transmissão das o que leva a supor que outros ciclos, onde o homem formas tegumentares e viscerais das leishmanioses e animais domésticos participam, estariam sendo (Lopes et al 1984). Segundo Falqueto et al (1986) as instalados com risco de acometer populações bem formas clínicas mais freqüentemente encontradas mais numerosas do que aquelas que eventualmente em casos de LTA em cães naturalmente infectados penetram nas matas (MS,2006). são os nódulos ou úlceras. Paes et al (1998) descreve um surto de 22 casos Madeira et al (2006) estudou 66 cães de várias

38

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


raças e idades no estado do Rio de Janeiro e isolou L. (V.) braziliensis de lesões de pele localizadas na orelha, focinho, face, bolsa escrotal, linfonodos e lábios em 12 (18%) cães sororeativos pela técnica de imunofluorescência indireta. Foi identificada infecção mista por L. (V) braziliensis e L (L.) chagasi em dois destes cães, ambos apresentavam lesão cutânea e não foram observados outros sintomas de LV. Os autores alertam para a importância de se discutir o papel do cão no ciclo de transmissão de LTA. Foi realizado um estudo simultâneo no Estado de Solano na Venezuela e na cidade de Mesquita, Rio de Janeiro após um surto de LTA em região periurbana e foram identificados 3% dos cães infectados com L. (V.) braziliensis em Solano e 19,8% no Rio de Janeiro, Brasil (Aguilar et al,1989) . Pesquisas realizadas encontraram na província de Salta, Argentina uma prevalência alta (34,6%) de cães positivos para LTA domiciliados em área endêmica em relação ao resultado encontrado em área não endêmica (7,3%) sugerindo uma forte correlação entre casos caninos e humanos (Padilla et al. 2002). Em um levantamento em áreas endêmicas do Município de Paraty onde os casos registrados em humanos correspondem a 155 das notificações do Estado foram realizados exames em 251 cães e encontraram 3,2% de positividade para a técnica RIFI (Reação de imunofluorescência indireta) e 10,2% para a técnica de ELISA. A prova intradérmica canina foi feita na mesma ocasião e sua positividade foi de 8,8%. A soropositividade canina para leishmaniose tegumentar nas áreas estudadas indicou que a transmissão era ativa (Barbosa et al.,1999). No Município de Oriximiná, Pará, em estudos preliminares sobre a população canina em áreas de ocorrência de LTA humana utilizando técnicas soroló-

Dados dos Autores

Sônia Rolim Reis

gicas (RIFI, ELISA) Santos et al. (2000) observaram uma elevada taxa de positividade (27,3%). No Estado do Espírito Santo, Falqueto et al.(1986) atribuíram a manutenção das áreas endêmicas de LTA a cães domésticos. Há relatos que desde o início do século passado animais domésticos têm sido examinados na tentativa de diagnosticar LTA na região de Manaus (Guerra et al,2002). Mayrink et al. (1981), encontraram seis cães com lesões cutâneas nas orelhas em uma pequena propriedade na área urbana de Manaus. Foram feitas biópsias das lesões para corte histológico, os fragmentos dos animais deram negativo para leishmânia, entretanto, formas amastigotas foram detectadas em ambas as séries de material seccionado. Naiff et al (1996), identificou a presença de parasitas do gênero Leishmania em esfregaço por aposição em lâmina corada de biópsia da vulva de uma cadela no Município de Manaus. Reis et al (2008) encontrou uma soropositividade de 12,5% (75/600) pela técnica de ELISA e 3,5% (21/600) pela técnica de imunofluorescência indireta em amostra de sangue em cães domiciliados no município de Manaus. Apesar de atualmente o cão não apresentar um papel de importância no ciclo das leishmanioses no município de Manaus, este poderá ser considerado como uma fonte de infecção, no momento em que for comprovada a infecção para os insetos vetores – os flebotomíneos. Diante das modificações do ambiente natural da cidade, onde o homem e seus animais domésticos co-habitam com a fauna silvestre, é possível que eles possam vir a participar mais ativamente no ciclo epidemiológico de algumas das espécies de Leishmania que circulam no Estado, apresentando-se como um elo entre os ciclos silvestres e urbanos/periurbanos da infecção. Apoio financeiro Capes, FAPEAM, INPA

Antonia Maria Ramos Franco

Médica Veterinária, CRMV-AM nº 262, Doutora em Biotecnologia, Pesquisadora PCI/MCT/ INPA, Laboratório de Leishmaniose e Doença de Chagas/CPCS – Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia,

Bióloga, CFBio nº 05132/87, Doutora em Biologia Celular e Molecular, Pesquisadora Associada, Coordenadora do Laboratório de Leishmaniose e Doença de Chagas, Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia.

Endereço para correspondência: Av. André Araújo, no. 2936, Aleixo, Manaus, AM, CEP. 69083.000. E-mail: reis@inpa.gov.br

Endereço para correspondência: Av. André Araújo, no. 2936, Aleixo, Manaus, AM, CEP. 69083.000. E-mail: afranco@inpa.gov.br

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

39


suplemento científico Referências Bibliográficas AGUILAR, C. M., RANGEL, E. F., GARCIA, L., FERNANDEZ, H. M., GRIMALDI, G., VARGAS Z. Zoonotic Cutaneous Leishmaniasis due to Leishmania (Viannia) braziliensis associated with domestic animals in Venezuela and Brazil. Mem. Instituto Oswaldo Cruz, v.84 n.1, p.19-28, 1989. BARBOSA, G. M. S., MARZOCHI, M.C. A, MASSARD, C.L., LIMA, G.P.S, CONFORT, E.M. Aspectos epidemiológicos da leishmaniose tegumentar americana em cães, no Município de Manaus de Paraty, Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública. v.15,n.3, p.641-646, 1999. FALQUETO, A.; COURA, J.R.; BARROS,G.C.; GRIMALDI, G.; SESSA, P.A. ; CARIAS, V.R.D.; JESUS, A. C.; ALENCAR, J.T.A. Participação do cão no ciclo de transmissão de leishmaniose tegumentar no município de Viana, Estado do Espírito Santo, Brasil. Mem. do Instituto Oswaldo Cruz, v.81, p.155-163,1986. GOMES, A C., COUTINHO, S.G., PAIM, G.V., OLIVEIRA, S.M. Aspectos Ecológicos da leishmaniose Tegumentar Americana. Avaliação da atividade enzoótica de Leishmania (Viannia) braziliensis, em ambiente florestal e peridomiciliar, região do Vale do Ribeira, Estado de São Paulo, Brazil. Rev Inst. Med. Trop., v.32 n.2, p.105 -115, 1990. GUERRA, J. A O, COELHO, L. I. A R., CABRAL, E. G., TEIXEIRA, M. R. A, MOURA, M. A, PAES, M.G. Comparação entre métodos para coleta de amostra de sangue em inquérito sorológico para leishmaniose em cães procedentes de áreas de transmissão e não transmissão humana de Leishmaniose Tegumentar Americana no Município de Manaus. Newslab, v.55, p.72- 80, 2002. GUERRA, J.A. O; BARBOSA, M.G.V; LOUREIRO, A.C.P; COELHO, C.P; ROSA, G.G; COELHO, L.I.A.C.R. Leishmaniose Tegumentar Americana em crianças: aspectos epidemiológicos de casos atendidos em Manaus, Amazonas, Brasil. Cad. Saúde Púb. v.23, n.9, p.2215-2223, 2007. Lainson,R.; Shaw J.J. New World leishmaniasis. Disponível em: http://www. topleyandwilson.com/pdf/Parasitology%20sample%20chapter.pdf Acesso: 19 de outubro de 2009. LOPES,U. G; MOMEN,H.; GRIMALDI, JR.G.; MARZOCHI, M.C. A.; PACHECO, R. S.& MOREL,C.M. Schizodeme and zymodeme characterization of Leishmania in the

40

investigation of foci visceral and cutaneous Leishmaniasis. J. Parasit., v. 70, n.1, p. 89-98.,1984. MADEIRA, M.F.; UCHOA, C.M. A.; LEAL, C. A.; SILVA, M. M. R.; DUARTE, R.; MAGALHÃES, C. M.; SERRA, C. M. B. Leishmania (Viannia) braziliensis em cães naturalmente infectados. Rev Soc. Bras. Med. Trop., v.38, n.05, p.551-555, 2003. MADEIRA MF, SCHUBACH A O, SCHUBACH T.M.P., PEREIRA S.A, FIGUEIREDO F.B., BAPTISTA C., LEAL, C. A, MELO C.X., CONFORT E.M., MARZOCHI M.C.A. Post mortem parasitological evalution of dogs seroreactive for Leishmania from Rio de Janeiro, Brazil. Vet. Parasit., v.138, p.366370, 2006. MAYRINK, W., MAGALHÃES, P.A, MELO, M.N., DIAS, M., COSTA, C. A, MICHALICK, M.S.M., WILLIANS, P., Canine cutaneous leishmaniasis in Manaus, Amazonas State, Brazil. Trans. Royal Soc.Trop. Med. Hyg., v.75, n.5, p.757, 1981. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Manual de Leishmaniose Tegumentar Americana. Brasília, 2006. 124 p. Naiff, R.D.; freitas, R.A.; Naiff, M.F.; Arias, J.R.; Barrett, T.V.; Momen, H., Grimaldi, G.Jr. Epidemiological and nosological aspects of Leishmania naiffi (Lainson & Shaw 1989). Mem.Inst. Oswaldo Cruz, v.83, p.529-530, 1991. NAIFF, R. D.; NAIFF, M. F.; BARRETT, T. V.; QUEIROZ, R.G. New record of cutaneous leishmaniasis in dogs in Manaus Amazonas State, Brazil. In: XXII Annual Meeting on basic research in Chagas Disease, Caxambu/MG. Mem. Instit. Oswaldo Cruz, supl.1, p.154, 1996. PADILLA, A M.; MARCO,J.D.; DIOSQUE, P.; SEGURA,M.C.; FERNANDEZ, E.L.,MALCHIODI E.L.; BASOMBRÍO, M.A Canine infection and possible role of dogs in the transmission of American tegumentary leishmaniosis in Salta, Argentina. Vet. Parasit., v.110, p.1-10, 2002. PAES MG, FÉ NE, COELHO LIARC, OLIVEIRA RS, SOUSA JU, TEIXEIRA MR. Sobre a ocorrência de leishmaniose tegumentar em rua de bairro de implantação antiga na cidade de Manaus (AM). Rev. Soc. Bras. Med .Trop., v.31, suppl 1:97, 1998.

REIS, S. R., PINHEIRO, F. G, MICHALICK, M. S., FRANCO, A. M. R. Diagnóstico biológico e sorológico de Leishmaniose Tegumentar Americana em cães (Canis familiaris) domiciliados no município de Manaus, AM, BR. Rev. Soc.Bras Med. Trop., v.42, Suppl.1, p.105, 2009. SAMPAIO, S.A. P., RIVITTI, E. A, Dermatologia, 2 ed. São Paulo: Artes Médicas. p.566- 570, 2001. SANTOS, G. P. L.; BATISTA, J. V.; BETA, C. A. F.; MARZOCHI, M. C. A.; SOUZA, M. B.; SANTOS, G. P. L.; PONTE, C. S. Estudo da prevalência de Leishmaniose Tegumentar Americana no município de Oriximiná, Estado do Pará. In: Cong. Soc. Bras. Med. Trop.,v.36 (supl I) p.27, 2000. SILVEIRA, F. T.; LAINSON R; GOMES CASTRO C. M.; LAURENTI M.D.;CORBET, C. E. P. Immunopathogenic competences of Leishmania (V.) brazileinsis and L.(L.) amazonensis in American cutaneous leishmaniasis. Parasite. Immunol., v.31, p.423-431, 2009. SILVEIRA, F.T., ISHIKAWA, E.A.Y., DE SOUZA, A.A.A., LAINSON, R. An outbreak of cutaneous leishmaniasis among soldiers in Belém, Pará State, Brazil, caused by Leishmania (Viannia) lindenbergi n. sp. A new leishmanial parsite of man in the Amazon region. Parasite, v.9, p.43- 50, 2002. SOUZA, A., I.; BARROS, E.,M., S.; ISHIKAWA, E.; ILHA, N., M., I.; MARIN, G., R., G.; NUNES, B., L.,V. Feline leishmaniasis due to Leishmania (Leishmania) amazonensis in Mato Grosso do Sul State, Brazil. Vet. Parasit., v.128, p.41-45, 2005. TOLEZANO, J., E., ULIANA, S., R., B.; TANIGUCHI, H., H.; ARAÚJO, M.,F.,L.; BARBOSA, J., A., L.; BARBOSA, J., E., R.; FLOETERWINTER, L., M.; SHAW, J. J. The first Record of Leishmania (Leishmania) amazonensis in dogs (Canis familiaris) diagnosed clinically as having canine visceral leishmaniasis from Araçatuba County, São Paulo State, Brazil. Vet. Parasit., v.149, p.280-284, 2007. VÁSQUEZ, L.; SIERRA, D.; ROJAS, E. Mecanismos de transmisión de la leishmaniasis. Rev. Soc. Venez. Microbiol., v.22 (2), 2002. VERONESI, R.; FOCACCIA, R. Tratado de Infectologia, 2ed., São Paulo: Atheneu. v.2, p.1243-46, 2002.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


Dor neuropática pós-amputação de membros: fisiopatologia e manifestações clínicas em cães Neuropathic pain post limb’s amputation: fisiopathology and symptoms in dogs Resumo A dor é um sintoma freqüente na prática clínica e afeta humanos e animais de forma aguda e crônica, comprometendo a qualidade de vida do paciente. Seres Humanos submetidos à amputação relatam experiências desagradáveis, podendo ter início logo após a cirurgia, ou anos após. O termo “dor pós-amputação” abrange basicamente dois aspectos diferentes, a dor do membro amputado (ou dor fantasma) e a dor no coto de amputação. Vítimas de amputação também vivem a experiência da sensação do membro amputado, ou sensação fantasma, tendo a impressão agradável ou não de ainda possuir o membro que já não existe mais, podendo em alguns casos, evoluir para a dor fantasma. Devido à semelhança neuroanatômica e neurofisiológica entre humanos e cães, pode-se concluir que esses últimos também sejam vítimas de injúrias pós-amputação, apesar da inexistência de relatos dessas afecções em animais da espécie canina. Palavras-chave: dor neuropática, amputação, membros, cães

Abstract The pain is a frequent symptom in the clinic, and to attack humans and animals, can be accute or chronic, and decrease the patient’s quality of life. Almost humans everyone who has a limb amputated will be the experience the day before operation or years after limb amputation. It must be differentiated from phantom pain and stump pain. Humans who has a limb amputated will another experience, pleasant or not, a phantom limb perception, vivid impression that the limb is no still present but in some cases, painfull. Humans and dogs have the similar neuroanathomy and neurophysiology, we conclude that dogs are attacked to this injury, but there aren’t works in this specie. This study aimed to review the phisiopatology of post-amputation injuries and make possible the diagnostic and to identifity the needs for further research. Keywords: chronic pain, amputation, limbs, dogs

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

41


suplemento científico Introdução

Apesar de ser crescente o número de profissionais comprometidos com estudos sobre a dor crônica em Medicina Veterinária, a falta de trabalhos clínicos em animais faz com que a abordagem dessa modalidade dolorosa seja baseada em extrapolações tomadas da Medicina Humana (Lascelles, 2005). A amputação de membros é um procedimento muito freqüente na Veterinária, realizada na maior parte das vezes em caso de danos teciduais irreparáveis ou câncer, onde frequentemente há um componente de dor aguda e ou crônica antes mesmo da apresentação do animal para a cirurgia (Tranquilli, 2005). Esse fato torna ainda mais importante uma abordagem correta de injúrias dolorosas pós-amputação, e pior o seu prognóstico, podendo culminar com um grau intratável de dor, classificada como crônica neuropática e comprometendo a qualidade de vida do paciente. A qualidade de vida pode ser definida como bem estar físico, mental e social e deve estar presente mesmo em portadores de dores crônicas (Yazbek et al, 2005). A dor crônica não tem papel biológico definido, permanecendo além do tempo razoável após a cura da lesão que a originou. A dor neuropática é classificada como crônica, porém é causada por lesão ou disfunção no Sistema Nervoso Central (SNC) ou Sistema Nervoso Periférico (SNP) (Sakata, 2004). O processamento de informação da dor neuropática sofre modificações importantes em comparação com o da dor inflamatória (Sakata et al, 2004). Enquanto a dor inflamatória origina-se na estimulação de nociceptores periféricos, a dor neurogênica ou neuropática é gerada por lesões de neurônios periféricos do SNP ou do SNC e possui características particulares (Pisera, 2005). A dor neuropática exibe uma série de alterações moleculares, bioquímicas ou estruturais no próprio axônio, neurônio primário e no SNC, podendo ocasionar alguns fenômenos como dor espontânea contínua ou intermitente, alodinia (dor frente a estímulo inócuo), hiperalgesia (aumento da resposta dolorosa a um estímulo nocivo) ou disestesia (sensação desagradável anormal, espontânea ou evocada) (Drummond, 2006; Pisera, 2005; Sakata, 2004). Drummond (2006) classifica os mecanismos responsáveis pela dor neuropática em periféricos e centrais. Segundo o mesmo autor, os mecanismos periféricos são os principais responsáveis pela sensibilização de nociceptores, atividade elétrica dos neuromas, modificações de canais iônicos e interações axonais, e os mecanismos centrais, cujos mais importantes são fenômeno Wind-up, que é resultado

42

da estimulação prolongada, repetida e de baixa freqüência de fibras aferentes, e ativação de receptores N-Metil-D-Aspartato (NMDA).

Mecanismos periféricos

Embora modificações no SNC contribuam para o desenvolvimento de sintomas da dor neuropática, há várias evidências de que alterações na excitabilidade dos nociceptores aferentes primários sejam um fator importante na geração e manutenção da dor neuropática periférica crônica. Essa modalidade de dor pode manifestar-se de modo estímulo-independente ou estímulo-induzida (Luzio, 1969). A lesão tissular provoca a formação e liberação de substâncias que sensibilizam e ativam os nociceptores. Dentre esses mediadores estão a bradicinina, serotonina, prostaglandinas, adenosina, substância P, interleucinas e óxido nítrico (Drummond, 2006; Pisera, 2005; Sakata et al, 2004). Outra modificação importante que contribui para a instalação da dor neurogênica é o “brotamento” de fibras A-β que são calibrosas, mielinizadas e de baixo limiar que em condições normais transmitem informação tátil ou sensações de vibração. Após estimulação constante, essas fibras passam a captar estímulos de receptores mecânicos de baixo limiar, interpretando-os como um sinal nociceptivo (Drummond, 2006; Pisera, 2005). Num primeiro momento, a lesão de nervos periféricos induz descargas rápidas e intensas de potenciais de ação na ausência de estímulos e mesmo após a indução de processos inflamatórios, alguns mecanismos desencadeantes da dor neurogênica ainda são comuns aos da dor nociceptiva (Luzio, 1969). Após o trauma, as extremidades do nervo lesado “aderem-se” como uma tentativa de regeneração, formando uma estrutura de crescimento irregular denominada neuroma. O neuroma é uma massa nodular de axônios em regeneração e células de Schwan que não conseguiram atingir seu órgão terminal (Sakata, 2004). Após lesão nervosa periférica observa-se, no local da injúria, aumento do nível de disparos fazendo com que haja hipersensibilidade a estímulos mecânicos devido a alterações na permeabilidade dos canais de cálcio e sódio. Algumas dessas descargas são atribuídas a hiperexcitabilidade de membranas, desregulação da síntese e da distribuição dos canais de sódio, interações axonais, alterações em células cujos axônios periféricos foram atingidos e principalmente à atividade elétrica espontânea dos neuromas (Drummond, 2006). Essas estruturas são sensíveis a mediadores inflamatórios, estímulos nóxicos e influRevista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


Adaptado Tranquilli et al, 2005

xo simpático (Drummond, 2006; Sakata, 2004). Em 1981, foi realizado um estudo com seres humanos amputados onde demonstrou-se a percussão de neuromas induzindo atividade elétrica em fibras aferentes através de registros com microeletrodos em um nervo seccionado. Foi encontrado no coto de amputação uma reinervação caótica com formação de sítios ectópicos de excitação e sinapses anormais, alterando sua sensibilidade e a formação sensitiva no coto (alodinia) (Sakamoto, 1995). Observações clínicas também correlacionam mecanismos periféricos e o fenômeno da dor do membro amputado, tais como modulação da sensação do membro pela manipulação do coto, interrupção na condução dos canais de sódio interrompendo temporariamente a sensação do membro amputado, remoção de neuromas reduzindo a dor “fantasma” e alterações no fluxo sanguíneo do coto levando a alterações na percepção do membro amputado (Sakamoto, 1995). Na dor neuropática, a disfunção do sistema simpático sempre faz-se presente e está relacionada a diminuição de mobilidade da área afetada e alterações da atividade simpática e microcirculação.

Figura 1. Vias anatômicas do trato doloroso aferente.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

Além disso, a lesão de um nervo periférico provoca atrofia do corpo celular e de fibras pós-ganglionares do SNS, com diminuição da síntese de catecolaminas e aumento da resposta vasoconstritora (Sakata, 2004). Após dano nervoso periférico, foram observadas alterações no Sistema Nervoso Simpático (SNS) como intensificação da inervação simpática no axônio lesado, grande sensibilidade à catecolaminas e aparecimento de bulbos nos axônios simpáticos noradrenérgicos perivasculares, demonstrando que o SNS desempenha uma função moduladora e não geradora de dor (Luzio, 1969).

Alterações centrais

Modelos experimentais demonstraram que o dano nervoso inicia uma cascata de eventos os quais resultam em modificações neuroquímicas e de biologia molecular nos axônios periféricos, no corno dorsal da medula espinhal e em níveis suprasegmentares no SNC, resultando de componentes interativos e sinérgicos. Podemos sistematizar os diversos mecanismos centrais de modo didático, analisando-o sob três aspectos diferentes que são a sensibilização central, neuroplasticidade e alterações na modulação (Drummond, 2006). O surgimento de alodinia mecânica, hiperalgesia secundária (hiperalgesia em áreas que circundam a lesão) e a dor referida (difusa, freqüentemente projetada para estruturas vizinhas a área lesada ou para a pele que recobre a lesão) deve-se a mudanças centrais deflagradas por eventos periféricos originados em fibras A-β, A-δ e C (Timo-Iaria, 1969). Essas modificações incluem fenômenos de sensibilização neuronal no corno dorsal (sensibilização central) com aumento de excitabilidade de neurônios de projeção em relação a estímulos provenientes de fibras A-β e C. A ativação de receptores N-Metil-D-Aspartato (NMDA) desempenha um papel fundamental na indução e manutenção da sensibilização central (Pisera, 2005). Neurônios sensibilizados possuem características particulares. Um estímulo transitório provoca uma resposta de maior duração e intensidade e, neurônios de áreas vizinhas à lesão que antes apenas enviavam mensagens subliminares, agora enviam descargas efetivas, favorecendo o processo álgico (Pisera, 2005). Após a sensibilização, a sensação não-nociceptiva será percebida como dolorosa (alodinia) e o estímulo nociceptivo como mais doloroso (hiperalgesia) (Sakata et al, 2004). Uma simples aproximação do

43


suplemento científico proprietário pode produzir ainda mais estresse (Hellebreakers, 2002). Um mecanismo relevante na sensibilização central que aumenta a transmissão de impulsos sem necessitar de alteração na barragem da aferência é o fenômeno wind-up, que consiste no aumento da resposta de certos neurônios nociceptivos de maneira súbita e marcante, tanto em intensidade quanto em duração da atividade, mesmo quando o estímulo periférico permanece o mesmo, contribuindo para uma condição plena de sensibilização central. Designa portanto, o aumento progressivo no potencial de descarga em neurônios, como conseqüência da estimulação repetitiva de fibras C aferentes. A ativação de receptores NMDA também é necessária para que ocorra o fenômeno. O início do processo depende de despolarização prolongada e lenta, estando presente portanto nos casos de dor crônica (Mathews, 2005). A respeito dos receptores NMDA, NK1 e CGRP, o glutamato está amplamente distribuído no SNC, sendo seu mais importante neurotransmissor excitatório (Corrêa, 1997) e, suas ações são mediadas por três tipos de receptores, o AMPA, NMDA e não-NMDA. A ativação de receptores NMDA é um componente essencial da sensibilização central. O glutamato, ao ativar receptores NMDA, provoca uma série de reações nas respectivas células, exacerbando respostas do sistema nociceptivo (Bonica, 1969). A estimulação prolongada de fibras C induz aumento da concentração citosólica de cálcio nos neurônios pós-sinápticos, pela entrada desse através de receptores NMDA ou de canais ativados por voltagem. Além disso, a ativação de receptores acoplados a proteína G (entre eles a neurocinina NK1) pode contribuir para esse aumento. O aumento dos níveis de cálcio ativam diferentes proteínas que as fosforilam, incluindo os receptores NMDA, aumentando a probabilidade de abertura e ou condutância a esses canais (Pisera, 2005). Alguns genes como os proto-oncogenes C-fos e C-jun sintetizam proteínas que irão potencializar a atividade excitatória dos neurotransmissores, facilitando a instalação da dor neuropática (Sakata et al, 2004). A neuroplasticidade é a capacidade de mudança do SNC, ou seja, especificamente em situações álgicas onde as alterações prolongadas na periferia dos neurônios, em resposta a estímulos nociceptivos intensos e demorados, nem sempre sendo favorável à regeneração nervosa, uma vez que as alterações neuronais raramente restauram as funções perdidas, desempenhando papel patológico. Assim, tais alte-

44

rações resultantes da interação entre terminações nervosas e neurotransmissores vão gerar ou manter sensações nociceptivas mesmo na ausência do estímulo inicial, gerando alterações na modulação da dor (Drummond, 2006). Os mecanismos modulatórios ocorrem em vários estágios do processo nociceptivo envolvendo circuitos nervosos e substâncias bioquímicas com seus receptores. As vias neurais, por onde ocorre a modulação da nocicepção, pode ser classificada em dois grupos; os interneurônios medulares (excitatórios e inibitórios) e o controle supramedular descendente, sendo os interneurônios inibitórios os de maior importância, apesar de que processos inibitórios e excitatórios são ativos e interdependentes (Bonica, 1969). A inibição é um processo que resulta da atividade nervosa e suprime ou interrompe a ação de informações nociceptivas (Bonica, 1969), tendo como neurotransmissores a serotonina e a noradrenalina e supostamente a adenosina e análogos, o ácido gama-aminobutírico, a neurotensina, a somatostatina, a vasopressina, a glicina e possivelmente a dopamina. Os neurotransmissores que podem ter atividade excitatória sobre neurônios do corno dorsal da medula espinhal são a calcitonina, substância P (atividade excitatória e inibitória), colecistoquinina e noradrenalina (atividade excitatória e inibitória) (Corrêa, 1997). Em condições de lesão axonal, o papel inibitório diminui e as conseqüências sobre a transmissão mediada por fibras A-δ e C causam hiperalgesia e alodinia. Esses neurônios que sofrem alterações neuroquímicas podem vir a óbito, contribuindo com a dor neuropática por processo de desinibição (Pisera, 2005). As vias inibitórias descendentes incluem neurônios serotoninérgicos originados do bulbo e rafe pontina e neurotransmissores noradrenérgicos provindos do tronco cerebral, incluindo lócus ceruleus e subceruleus. Aparentemente em estados de dor crônica são estabelecidos e mantidos por vias nervosas originárias de lâmina I que se progetam no tronco cerebral e prosencéfalo. Essas áreas citadas são as que modulam a atividade de vias descendentes excitatórias e inibitórias (Drummond, 2006). Em seres humanos e animais, o sistema modulador parece atuar apenas na supressão da dor de longa duração. A supressão do mecanismo de modulação resulta em aumento aparente da intensidade do estímulo (Corrêa, 1997). Apesar de a dor poder ser gerada por excesso

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


de estímulos nociceptivos ou por hipoatividade do sistema supressor, Corrêa (1997) cita o estresse, o medo e a ansiedade como relevantes na modulação do processo álgico, talvez por esses fatores interagirem diretamente com mecanismos inibitórios e facilitatórios, ativando vias noradrenérgicas e serotoninérgicas. Após a lesão de aferentes periféricos e possivelmente degeneração de interneurônios inibitórios, a diminuição da atividade GABAérgica (GABA é um importante transmissor inibitório, com atividade eferente e pós-sináptica) é observada e parece ser reversível, contradizendo a possibilidade da perda permanente de sinapses inibitórias. Em suma, poderia haver uma redução transitória da atividade inibitória mediada por GABA em neurônios de projeção e fibras C, acompanhada de morte de certos interneurônios inibitórios, porém a médio prazo seria produzido um aumento da atividade inibitória no corno dorsal da medula espinhal (Pisera, 2005). As síndromes dolorosas causadas por amputação de membros podem ser classificadas em dor do membro amputado, sensação do membro amputado e dor no coto de amputação (Drummond, 2006).

Dor do membro amputado

Trata-se de um fenômeno muito estudado mas, ainda pouco elucidado, onde o paciente tem a experiência de uma sensação desagradável no membro ou parte deste cirúrgica ou traumaticamente removido, podendo surgir na primeira semana após o procedimento e persistir por anos, ou surgir meses ou anos após a amputação (Jensen et al, 1983). Normalmente localiza-se distalmente no membro fantasma, acometendo cerca de 2 a 97% dos amputados. Dentre os acometidos, 5 a 10 % apresentam dor intensa (Sakamoto, 1995). Rodríguez (2001) e Schmidt et al (2005) referem incidência de dor fantasma em 6 a 85% dos pacientes amputados, responsabilizando três teorias pelo aparecimento da afecção; a teoria periférica, a central e a psicológica. A teoria periférica cita descargas espontâneas produzidas pelos neuromas contribuindo para o aumento da dor (Schmidt et al, 2005). A teoria central envolve a percepção das descargas espontâneas pelo SNC (Rodríguez, 2001). A teoria psicológica responsabiliza o envolvendo distorção da imagem corporal e presença de depressão e dificuldade de auto-aceitação, diminuindo mais ainda o limiar de dor (Schmidt et al, 2005), fato que não ocorre em animais. Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

De Benedetto et al (2002) cita o fato de a dor fantasma estar fortemente ligada a fatores físicos, sociais e/ou psíquicos, relatando a dor do membro amputado como uma alternativa inconsciente para a vivência de integridade corporal, podendo-se concluir que os pacientes que tem dificuldade de aceitar a nova condição de deficientes são mais acometidos pela patologia, como uma tentativa inconsciente de reintegração corporal. Fisher (1998) refere menor incidência de dor fantasma em indivíduos com facilidade de expressar o sofrimento da perda do membro, porém, assim como De Benedetto et al (2002) cita a fundamental importância do processo fisiopatológico na instalação da dor. Estudos realizados por Pusher et al (1998) referem que 89 % dos pacientes humanos, com queixa de dor do membro fantasma, retrataram-se em desenho de sua auto-imagem corporal de forma íntegra, negando a amputação. Dentre os pacientes que aceitam a nova condição, 50% se retrataram com o membro amputado presente. Em cães, esses fatores são limitados, talvez constituindo uma vantagem dessa espécie sobre os humanos. Em seres humanos, a dor do membro amputado é muito mais freqüente em indivíduos que já sofriam de dor antes da cirurgia, podendo-se concluir que a memória da dor é um dos fatores predisponentes para a afecção. Muitos indivíduos referem dor em partes precisas do membro que antes da amputação estavam ulceradas ou infectas (Jensen et al, 1983; Ramachandran et al, 1998). Segundo a experiência de Sakata (2004), a intensidade dolorosa tende a diminuir com o passar do tempo, sendo mais freqüente nas amputações proximais. Se a dor persistir por longos períodos, outras regiões do corpo tornam-se sensíveis, caracterizando a hiperalgesia secundária (Melzack, 1987). A dor do membro fantasma não pode ser explicada satisfatoriamente por qualquer mecanismo único tal como lesão nervosa periférica, ativação simpática exacerbada ou afecções psicopatológicas, já que de alguma forma todos os fatores citados contribuem para o aparecimento e perpetuação da patologia (Ticianeli et al, 2002). Em Medicina Humana, a teoria mais aceita na tentativa de elucidação da dor fantasma é a que propõe que o cérebro é formado por uma” rede” de neurônios que atinge o tálamo, o córtex e o sistema límbico, promovendo comunicação entre essas estruturas. Esta “rede” é determinada geneticamente e mais tarde alterada. A perda de estímulo para o

45


suplemento científico membro que não mais faz-se presente, ativa a “rede”, denominada de neuromatrix, a produzir uma assinatura padrão anormal, como calor, queimação, cãibra e formigamento (sintomas geralmente referidos por pacientes amputados). É observado que a intensidade da dor experimentada pelos amputados correlaciona-se com a extensão da reorganização funcional do córtex somatossensorial (Ticianeli et al, 2002). Devido à semelhanças neurológicas anatômicas e funcionais entre homens e animais, há grandes possibilidades da existência de dor fantasma em cães, porém, essa injúria provavelmente nunca será relatada devido à impossibilidade de comunicação verbal na espécie. Como em toda dor crônica, as manifestações clínicas dessa afecção tendem a ser brandas, com sinais apresentados de forma discreta, como hiporexia, intolerância ao exercício e apatia (Bonafine, 2005). Desidratação e perda de peso comumente estão presentes (Fantoni et al, 2002). O consumo de oxigênio pelo miocárdio pode estar elevado, possibilitando a ocorrência de arritmias. A glicemia de um paciente portador de dor crônica possivelmente estará elevada, devido à liberação exacerbada de cortisol. Os altos níveis de aldosterona, causado por interferências no eixo neuroendócrino, podem causar retenção de sódio e desequilíbrio hidroeletrolítico (Fantoni et al, 2002).

Sensação do membro amputado

A maioria dos indivíduos amputados menciona a percepção do membro quase imediatamente após a cirurgia. O membro fantasma é descrito como uma sensação de calor agradável (Rodríguez, 2001), formigamento, sensação de ainda possuir o membro como antes do procedimento ou de forma distorcida, fato que tende a desaparecer com o passar do tempo (Melzack, 1987). A incidência da sensação do membro amputado é menor em crianças. Apenas 25% das crianças que sofreram amputação entre dois e quatro anos de idade sentem a presença do membro fantasma. Esse número aumenta proporcionalmente ao aumento da idade em que as crianças sofrem amputação, chegando a valores como o de 100%, para pessoas amputadas a partir do oitavo ano de vida que apresentam ou apresentarão sensação do membro fantasma em algum momento de suas vidas (Ramachandran et al, 1998). Rodríguez (2001) baseia-se em duas teorias para tentar elucidar a sensação do membro amputado, a

46

teoria da lesão periférica e a teoria central. A teoria periférica cita que após a amputação há crescimento de tecido cicatricial ao redor dos nervos periféricos seccionados, estimulando-os constantemente e originando impulsos que atingem o tálamo. A teoria central é baseada na idéia de que a auto-imagem corporal tem base neurofisiolófica que se estabelece na infância e permanece durante toda a vida do indivíduo, sendo as sensações fantasma uma tentativa de resgatar essa imagem corporal. Luzio (1969) refere que após secção de um nervo periférico as fibras nervosas do coto tendem a crescer, sendo envolvidas por tecido cicatricial e formando o neuroma que, quando estimulado poderia causar em alguns casos uma sensação anômala ao invéz de dor. Melzack (1987) sugere que a sensação do membro amputado seja produzida por atividades cerebrais que normalmente estão na base da imagem corporal, o substrato neural da nossa percepção da posição do corpo durante o movimento ou repouso. Normalmente, são os influxos sensitivos da pele, dos músculos e das articulações que orientam a imagem do corpo. Quando esses influxos são reduzidos, abaixo do nível crítico, a imagem do corpo torna-se espontaneamente ativa, de forma que na ausência de indícios visuais, percebem-se os membros em posições totalmente estranhas em relação aos membros verdadeiros. Em único relato encontrado na literatura sobre sensação do membro amputado, evoluindo para dor no coto de amputação e possível dor fantasma em um animal doméstico, um felino, após 38 dias da amputação do membro posterior, movia o coto como se estivesse caminhando sobre a pata que já não existira. Sessenta dias após a cirurgia, o animal apresentou-se letárgico e com dor no coto. Após intensa terapia analgésica, ocorreu remissão total de quaisquer sintomas, permanecendo assim durante todo o tempo em que foi rastreado, 10 meses após a cirurgia (O’Hagan, 2006). Proprietários de cães que sofreram amputação de membros frequentemente relatam que seus animais tentam apoiar-se sobre o membro extirpado para urinar, desequilibrando-se, movem o coto de amputação na tentativa de alcançar objetos com a extremidade do membro que não faz-se presente e até tentam coçar-se com ele, demonstrando claramente a sensação de ainda possuí-lo. Não é sabido até que ponto a sensação do membro fantasma pode ser desagradável ao indivíduo, ou evoluir para a dor do membro amputado.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


Dor no coto de amputação

Classificada como dor neurogênica, é gerada na extremidade do sítio de amputação em caráter de punhalada ou choque, sendo gerada ou agravada por pressão sobre o coto (hiperalgesia mecânica) ou por infecção (hiperalgesia inflamatória) (Rodríguez , 2001). A dor que ocorre no coto surge geralmente em decorrência da formação do neuroma no local da secção nervosa e também pode ser provocada e agravada por isquemia ou infecção local (Jensen et al, 1985; Rodríguez, 2001; Sakata, 2004), podendo ser um fator desencadeante da dor do membro fantasma (Jensen et al, 1985; Sakata, 2004). Segundo estudo realizado por Jensen et al (1985), a dor no coto de amputação ocorre logo após a cirurgia, sendo reportada por 57% dos pacientes. Sua evolução é variável e pode persistir em 22% das pessoas após seis meses da amputação. O portador de dor neuropática pode também vocalizar ao ser tocado no coto de amputação e até mesmo sem estímulo externo, pois os neuromas realizam despolarizações espontâneas (Drummond, 2006). Alterações de postura podem decorrer de tentativas de proteger o coto dolorido, acompanhadas de relutância ao movimento e até alterações de marcha (Hellebreakers, 2002).

Diagnóstico

Como em todo tratamento de dor crônica, o comportamento do animal deve ser avaliado, primeiramente realizando-se uma anamnese e, posteriormente, essas informações devem ser associadas a possíveis alterações fisiológicas. O questionário deve investigar a ocorrência de vocalizações, alterações de expressão facial, salivação, enrijecimento ou fraqueza muscular, alterações nos padrões de sono, alterações temperamentais, nível de ativida-

de, carência, apetite e, principalmente automutilação. Em modelos de dor experimental, a automutilação é considerada como o estágio mais intenso e cruel da dor entre amputados, sendo uma etapa de avaliação geralmente proibida por comitês de ética (Hardie, 2002). Yazbek (2005) cita como principal alteração comportamental em cães com dor crônica oncológica a redução da mobilidade, seguida de redução da alegria, de disposição para brincadeiras, do apetite, de interesse e curiosidade, como também a carência afetiva aumentada, fazendo com que o animal solicite mais atenção do proprietário. Uma alternativa para o clínico estimar a presença e intensidade da dor sentida por seu paciente é basear-se nos Princípios da Analogia, que preconiza a idéia de qualquer procedimento ou lesão que seja considerado doloroso por humanos adultos também o seja para animais (Hardie, 2002).

Considerações Finais

A dor do membro amputado, que resulta de alterações na reorganização cortical, é de difícil diagnóstico em cães, e na falta da comunicação verbal deve-se atentar às alterações comportamentais. A dor no coto de amputação resulta da formação de neuromas, estruturas que realizam despolarizações espontâneas, agravando o quadro álgico do paciente. A sensação do membro amputado é produzida por estímulos na área da base da imagem corporal, no córtex cerebral. Em relatos extra-oficiais, proprietários relatam que seus animais amputados frequentemente tentam apoiar-se sobre o membro extirpado, ou mover o coto de amputação na tentativa de alcançar objetos com o membro que não faz-se presente.

Dados dos Autores

Roberta Cristina Campos Figueiredo

Médica Veterinária, CRMV-SP nº 19.605. Endereço para correspondência: Rua Basílio da Cunha, 78 Casa 07, São Paulo – SP. E-mail: rcristina_80@yahoo.com.br.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

Karina Velloso Braga Yazbek

Médica Veterinária, CRMV-SP nº 12.418, Coordenadora Técnica de Pesquisa Clínica – Agener União Saúde Animal; Responsável pelo ambulatório de dor do Provet, São Paulo, Brasil. E-mail: kayazbek@yahoo.com.br.

47


suplemento científico Referências Bibliográficas BONICA, J.J. Base neurofisiológica del dolor. Ins: Bonica, J. J. Tratamento Del Dolor. 1ª ed. Barcelona: Salvat Editores, S. A, 1969. p.39-62.

pain and stump pain in amputees during the first 6 months following limb amputation. Pain, v.17, p.243256, 1983 .

BONAFINE, K. Manifestações clínicas da dor em pequenos animais. Ins: Otero, P.E. Dor- Avaliação e Tratamento em Pequenos Animais. Buenos Aires: Interbook, 2005. p.88-95.

JENSEN,T.; KREBS, B.; NIELSEN, J.; RASMUSSEN, P.; Immediate and long-term phantom limb pain in amputees: Incidence, Clinical Characteristics and Relashionship to Pré-Amputation Limb Pain. Pain, v.21, p. 267-278, 1985.

CORRÊA, C.F. Modulação da nocicepção. Ins: Corrêa, C. F. Estimulação Elétrica da Medula Espinal para Tratamento da Dor por Desaferentação. São Paulo:Lemos, 1997. p.45-54. DE BENEDETTO, K. M., FORGIONE, M. C. R., ALVES, V. L. R.; Reintegração corporal em pacientes amputados e a dor fantasia. Acta Fisiátrica,v.9, n.2, p.85-89, 2002. DRUMMOND, J. P. Dor crônica ou patológica. Ins: Drummond, J. P. Dor: O Que Todo Médico Deve Saber. São Paulo: Atheneu, 2006. p.23-39. FANTONI, D. T.; MASTROCINQUE, S. Fisiopatologia e controle da dor. Ins: Fantoni, D. T.; Cortopassi, S. R. G. Anestesia em Cães e Gatos. São Paulo: Roca, 2002. p.324-336. FANTONI, D. T.; MASTROCINQUE, S. Fisiopatologia e controle da dor. Ins: Fantoni, D. T.; Cortopassi, S. R. G. Anestesia em Cães e Gatos. São Paulo: Roca, 2002. p.324-336. FISHER, K.; Phantom pain, anxiety, depression and their relation in consecultive patients with amputated limbs: case reports. Br Med J., v.316, p.903-904, 1998. GUERRERO, J. A. O manejo da dor na relação médico-paciente. Ins: Otero, P. E.; Dor Avaliação e Tratamento em Pequenos Animais. Buenos Aires. Interbook, 2005.p.256-259. HARDIE, E. M. Reconhecimento do comportamento doloroso em animais. Ins: Hellebreakers, L. J. Dor em Animais. Manole, 2002. p.49-74

48

LASCELLES, B. D. X. Manejo da dor crônica em pequenos animais: terapia multimodal. Ins: Otero, P. Dor – Avaliação e Tratamento em Pequenos Animais. Buenos Aires: Interbook, 2005. p.142-155. LUZIO, J. Neuralgias do tronco e membros. Ins: Canelas, H.; Pereira, W. C. Dor- Fisiopatologia e Clínica. São Paulo: Sarvier, 1969. p.137-158. MATHEWS, K. A. Dor: origem e efeito. Ins: Rabelo, R. C.; Crowe Jr. D. T. Fundamentos de Terapia Intensiva em Pequenos Animais. Rio de Janeiro: LF Livros, 2005. p.519-527. MELZACK, R.; WALL, P. Aspectos clínicos da dor. Ins: Melzack, R.; Wall, P. O Desafio da Dor. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1987. p.69-80. O’HAGAN, B.J. Neuropathic pain in a cat. Aust Vet J., v.84, n.3, p.83-86,2006. PISERA, D. Fisiolosia da dor. Ins: Otero, P. E. DOR – Avaliação e Tratamento em Pequenos Animais. Buenos Aires: Interbook, 2005. p.30-75. PUCHER, W. K.; FRISCHENSCHLAGER, O.; Coping with amputation and phantom limb pain. J Psychosom Rev., v.46, n.4, p.379-383, 1998. RAMACHANDRAN, V. S.; HIRSTEIN, W.; The perception of phantom limb. Brain, v.1121, p.1603-1630, 1998.

HELLEBREAKERS, L. J. Dor em animais. Ins: Hellebreakers, L. J. Dor em Animais. Manole, 2002. p.3-21.

REIS, F. J.; ROCHA, N. P.; Efeito analgésico de longa duração da dipirona sobre a hiperalgesia persistente induzida pela constrição do nervo ciático em ratos: participação do óxido nítrico. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, v.42, n.4, p.513-522, 2006.

JENSEN,T.; KREBS, B.; NIELSEN, J.; RASMUSSEN, P..; Phantom limb, phantom

ROCHA, A. P.C. LEMONICA, L., BARROS, G. A. M.; Uso de medicações por

via subaracnóidea no tratamento de dor crônica. Rev Bras Anestesiol., v. 52, n.5, p.628-643, 2002. RODRÍGUEZ Z., Y. Y.; El dolor postamputación y el dolor del miembro fantasma. Grac Méd Caracas, v.109, n.4, p.556-587, 2001. SAKAMOTO, H.; Dor pós amputação - abordagem terapêutica. Acta Fisiátrica, v.2, n.1, p.7-10, 1995. SAKATA, R. K. Principais síndromes dolorosas neuropáticas. Ins: Sakata, R. K.; Issy, A. M. Dor - Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar UNIFESP/ Escola Paulista de Medicina. São Paulo: Manole, 2004. p. 97-105. SAKATA, R. K.; ISSI, A. M. Fisiopatologia da nocicepção e da dor neuropática. Ins: Sakata, R. K.; Issy, A, M. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar UNIFESP/ Escola Paulista de Medicina. São Paulo: Manole, 2004. p.1-16. SCHMIDT, A. P., TAKAHASHI, M. E., POSSO, I. P.; Phantom limb pain induced by spinal anesthesia. Clinics., v.60, n.3, p.263-264, 2005. TICIANELI, J. G.; BARAÚNA, M. A ; Teoria da neuromatrix: uma nova abordagem para o entendimento da dor fantasia. Rev Fisioter Univ São Paulo, v.9, n.1, p. 17-22, 2002. TIMO-IARIA, C. Neurofisiologia da dor. Ins: Canelas,H.; Pereira, W. C. Dor- Fisiopatologia e Clínica. São Paulo: Sarvier, 1969. p.23-55. TRANQUILLI, W. J. et al. Técnicas analgésicas In: Tranquilli, W. J. Tratamento da Dor para o Clínico de Pequenos Animais. Wyoming: Roca, 2005. p.32-95. YAZBEK, K. V. B.; Manutenção da Qualidade de Vida em Cães com Câncer: Tratamento da Dor e Cuidados Paliativos. São Paulo, 2005. Doutorado em Medicina Veterinária, FMVZ-USP. YAZBEK, K. V. B.; FANTONI, D. T.; Validity of a health-related, quality-of-lyfe scale for dogs with signs of pain secondary to cancer. Journal of American Veterinary Medical Association, v.226, n.8, p.1354-1358, 2005.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


suplemento científico

Normas para apresentação de Artigos Informações Gerais O Suplemento Científico da Revista do Conselho Federal de Medicina Veterinária tem como objetivo principal a publicação de artigos de revisão e de educação continuada, básica, geral profissionalizante, que contribuam para o desenvolvimento da ciência nas áreas de Medicina Veterinária e Zootecnia, podendo ser apresentados também manuscritos de investigação científica. Os artigos, cujos conteúdos serão de inteira responsabilidade dos autores, devem ser originais e previamente submetidos à apreciação do Conselho Editorial do CFMV, bem como, de assessores ad hoc de reconhecido saber na especialidade. A publicação do artigo dependerá da sua apresentação dentro das Normas Editoriais e de pareceres favoráveis do Comitê Cientifico da Revista. Os pareceres terão caráter sigiloso e imparcial. A periodicidade da publicação será quadrimestral. Os artigos e toda a correspondência pertinente deverão ser encaminhados para: Revista CFMV Conselho Editorial SIA – Trecho 6 – Lote 130 e 140 Brasília-DF – CEP: 71205-060 Fone: (61) 2106-0400 Fax: (61) 2106-0444

E-mail: artigos@cfmv.org.br

Normas Editoriais Os textos de revisão, de educação continuada e científico devem ser inéditos, de primeira submissão, escritos segundo as normas ortográficas oficiais da língua portuguesa e com abreviaturas consagradas, exceto o Abstract e Keywords que serão apresentados em inglês.

Artigos de Revisão e de Educação Continuada Os artigos de revisão e de educação continuada serão publicados por especialistas, nacionais ou internacionais, a convite do Comitê Editorial, atendendo à solicitação dos profissionais Médicos Veterinários e Zootecnistas. Devem ser estruturados para conter Resumo, Abstract, Palavras-chave, Keywords, Referências Bibliográficas e Agradecimentos (quando houver). A Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

divisão e subtítulos do texto principal ficarão a cargo do(s) autor(es).

Artigos Científicos Os artigos científicos deverão conter dados conclusivos de uma pesquisa e conter Resumo, Abstract, Palavraschave, Keywords, Introdução, Material e Métodos, Resultados, Discussão, Conclusão(ões), Referências Bibliográficas e quando houver, Agradecimentos, Tabela(s), Quadro(s) e Figura(s). A critérios do(s) autores e/ou do Conselheiro Editorial, os itens Resultados e Discussão poderão ser apresentados como uma única seção. Quando a pesquisa envolver a utilização de animais, os princípios éticos de experimentação animal preconizados pelo Conselho Brasileiro de Experimentação Animal (COBEA) e aqueles contidos no Decreto nº 24.645 de 10 de julho de 1934 e na Lei nº 6.638 de 8 de maio de 1979 devem ser observados. Também deve ser observado o disposto na Resolução nº 879, de fevereiro de 2008 do CFMV.

Apresentação Os manuscritos deverão ser encaminhados na primeira submissão em três vias (uma original e duas cópias). A primeira página da via original conterá o título do trabalho, o nome completo do(s) autor(es), suas respectivas afiliação(ões) e o nome, endereço, telefone, fax e endereço eletrônico do autor para correspondência. As diferentes instituições serão indicadas por número sobrescrito. Nas duas cópias, a página de rosto deve omitir o(s) nome(s) do(s) autor(es). Uma vez aceita a publicação, além de uma cópia impressa, deve ser enviada uma gravação do artigo em mídia magnética de alta densidade (CD), identificado com o título do trabalho e nome(s) do(s) autor(es).

Digitação O texto será digitado com o uso do editor de textos Microsoft Word for Windows, versão 6.0 ou superior, formato A4 (21,0 x 29,7), com espaço simples em uma só face do papel, com margens laterais de 3,0 cm e margens superior e inferior de 2,5 cm, fonte Times New Roman de 16 cpi para o título, 12 cpi para o texto e 9 cpi para rodapé e informações de tabelas, quadros e figuras. As páginas e as linhas de cada página devem ser numeradas.

Título O título do artigo, com 25 palavras no máximo, deverá ser escrito em negrito e centralizado na página, sem utilizar abreviaturas.

49


suplemento científico Resumo e Abstract O Resumo e sua tradução para o inglês, o Abstract, não podem ultrapassar 250 palavras, com informações que permitam uma adequada caracterização do artigo como um todo. No caso de artigos científicos, o Resumo deve informar o objetivo, a metodologia aplicada, os resultados principais e conclusões.

Palavras-chaves e Keywords No máximo 5 palavras serão representadas em seguida ao resumo e Abstract. As palavras serão escolhidas do texto e não necessariamente do título.

Texto Principal Não há número limite de páginas para a apresentação do artigo. No entanto, recomenda-se que sejam concisos. Poderão ser utilizadas abreviaturas consagradas pelo Sistema Métrico Internacional; exemplo kg, g, cm, ml, EM etc. Quando for o caso, abreviaturas não usuais serão apresentadas como nota de rodapé. Exemplo GH=hormônio do crescimento. As citações Bibliográficas do texto devem ser pelo sobrenome do(s) autor(es) seguido do ano. Quando houver mais de dois autores, somente o sobrenome do primeiro será citado, seguido da expressão et al. Exemplos: Rodrigues (1999), (Rodrigues, 1999), Silva e Santos (2000), (Silva e Santos, 2000), Gonçalves et al. (1998), (Gonçalves et al., 1998).

Referências Bibliográficas A lista de referências bibliográficas será apresentada em ordem alfabética por sobrenome de autores, de acordo com a norma ABNT/NBR-6023 da Associação Brasileira de Normas Técnicas. Inicia-se a referência com último sobrenome do(s) autor(es) seguido da(s) letra(s) inicial(is) do(s) pronome(s), exceto aqueles de origem espanhola ou de dupla entrada, registrando-se os dois últimos sobrenomes. Todos os autores devem ser citados. Obras anônimas têm sua entrada pelo título do artigo ou pela entidade responsável por sua publicação. A referência deve ser alinhada pela esquerda e a segunda linha iniciada abaixo do primeiro caractere da primeira linha. Os títulos de periódicos da referência podem ser abreviados, segundo a notação do BIOSES *BIOSIS. Serial sources for the BIOSIS previews database. Philadelphia, 1996, 486p. Abaixo são apresentados alguns exemplos de referências bibliográficas.

Artigo de periódico EUCLIDES FILHO, K.; V.P.B.; FIGUEIREDO, M.P. Avaliação de animais nelore e seus mestiços com charolês, fleckvieh e chianina, em três dietas 1. Ganho de peso e

50

conversão alimentar. Revista Brasileira de Zootecnia, v.26, n.1, p.66-72, 1997.

Livros MACARI, M.; FURLAN, R.L.; GONZALES, E. Fisiologia aviária aplicada a frangos de corte. Jaboticabal: FUNEP, 1994. 296p.

Capítulos de livro WEEKES, T.E.C Insulin and growyh. In: Buttery, P.J.; LINDSAY, D.B.; HAYNES, N.B. (ed). Control end manipulation of animal growth. Londres: Butterworths, 1986. p.187-206.

Teses (doutorado) ou dissertações (mestrado) MARTINEZ, F. Ação de desinfetantes sobre salmonella na presença de matéria orgânica. Jaboticabal, 1998. 53p. Dissertação (mestrado) – Faculdade de Ciências Agrárias e veterinárias. Universidade Estadual Paulista.

Artigos apresentados em congressos, reuniões e seminários RAHAL, S.S.; W.H.; TEIXEIRA, E.M.S. Uso de fluoresceina na identificação dos vasos linfáticos superficiais das glândulas mamárias em cadelas. In. CONGRESSO BRASILEIRO DE MEDICINA VETERINÀRIA, 23 Recife, 1994. Anais... Recife, SPEMVE, 1994. p.19.

Tabelas, Quadros e Ilustrações As tabelas, quadros e ilustrações (gráficos, fotografias, desenhos, etc,) devem ser apresentados nas últimas páginas do artigo, uma em cada página. Serão numeradas consecutivamente com números arábicos. A tabela deve ter sua estrutura construída segundo as normas de Apresentação Tabular do Conselho Nacional de Estatística (Ver. Bras. Est. V. 24, p.42-60, 1963)

Fotografias As fotografias deverão estar em boa resolução (nítida, colorido sem saturação, sem estouro de luz ou sombras excessivas no caso de papel para escanear). Para digital seguem as mesmas recomendações, com resolução mínima de 300 dpi, com a foto em tamanho grande (centímetros), formato TIF e as cores em CMYK.

Avaliações/Revisões Os artigos sofrerão as seguintes avaliações/ revisões antes da publicação: 1) avaliação inicial pelo editor, 2) revisão técnica por consultor ad hoc, 3) avaliação do editor e/ou Comitê Editorial, 4) revisão final pelo(s) autor(es) do texto antes da publicação. Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


Contenção bovina

Técnicas para conter e derrubar bovinos Introdução

Os métodos empregados para conter e derrubar bovinos diferem segundo o sexo, idade, raça, temperamento e o local no corpo do animal onde se pretende trabalhar. Além dessas particularidades, para facilitar a realização de algumas intervenções cirúrgicas e exames clínicos com o animal em posição quadrupedal, pode ser necessário associar a administração de um tranqüilizante, em dose suficiente para deixá-lo quieto, com anestesia local ou loco-regional. Quando for imprescindível derrubá-lo, realizar o procedimento em local limpo, macio e com mínimo de força física para que o animal não caia bruscamente. Deste modo podem ser evitadas pequenas escoriações ou até mesmo entorses, luxações e fraturas. Visando a realização de intervenções cirúrgicas deve-se atentar ao desnível entre os currais ou estábulos e o local

sh

t ut

er

st

onde o animal será contido, dando a preferência pelos lugares mais altos e com o mínimo de dejetos. Deve ser considerado o temperamento hostil, a sensibilidade a tranqüilizantes demonstrada por algumas raças zebuínas e o tipo de procedimento a ser abordado, visando evitar complicações tanto para o animal como para as pessoas envolvidas. Também o diâmetro e posicionamento das cordas e proteção dos membros locomotores com almofadas. Independente do atendimento a ser realizado, o Médico Veterinário deve conhecer os métodos de contenção para bovinos que possam proporcionar condições mínimas necessárias para o desempenho das suas atividades. Tanto nas contenções químicas como na física, é

ock

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

51


Contenção bovina recomendada atenção especial quando da abordagem do animal. Sugere-se aproximar de um bovino pelo seu antímero direito, uma vez que por convenção é região que os ordenhadores aproximam das vacas para ordenha e dos bezerros para aplicar o cabresto. A aproximação deve ser decidida, sem medo, falando baixo e evitando exageros. Portanto, ao respeitar o comportamento do animal e considerar a possibilidade do bovino resistir à aproximação, o profissional pode criar um elo de confiança e, por conseguinte, facilitar a contenção seja ela química ou física (Eurides & Silva, 2002).

ta a técnica de administração, o fármaco e a dosagem. Porém, as tranquilizações são na maioria das vezes indispensáveis já que muitos não aceitam ser presos em brete. A xilazina a 2% é um dos fármacos mais utilizados em bovinos, por conferir tranqüilizarão e miorrelaxamento e, dependendo da dose, analgesia. É um agonista α2 que possuiu além de atividades sedantes e analgésicas, uma ação miorrelaxante central. Pode ser aplicada por via intravenosa ou intramuscular, dependendo do animal e do procedimento a ser realizado. Pela via intramuscular, o período de latência vai de sete a 12 minutos e o animal apresenta relaxamento do tônus muscular esquelético e redução do tônus Contenções empregadas na romuscular liso. Causa também protusão da língua e dos tina de um veterinário de campo lábios, diminuição da freqüência respiratória, salivaApesar dos inúmeros métodos de contenção ção abundante, emissão de mugidos, decúbito esterpara bovinos, na prática, a escolha da técnica, além nal seguido de decúbito lateral. Recomenda-se iniciar de depender das circunstâncias é sensato considerar com dose menor, lembrando que zebuínos e taurinos a preferência de cada profissional. Assim, um método apresentam respostas diferentes a esse fármaco. Os pode ter indicação em determinadas situações, ser fazebuínos são mais sensíveis, sendo recomendada a cilmente realizado por técnicos e auxiliares, mas pode dose inicial de 0,1mg/kg. não ser preterido por outros, mesmo sendo de fácil O anestésico midazolam é pouco utilizado, enexecução. Nesse contexto, não se deve ignorar que a tretanto, é de grande valia quando associado até preferência por alguns métodos esteja relacionada 1,0mg/kg à xilazina, para evitar regurgitação. Alguns aos costumes de cada região e ao tipo de exploração, protocolos anestésicos podem ser utilizados para ceseja ela de aptidão para leite ou corte. Diante dessa sarianas com o animal contido em posição quadrupossibilidade, serão apresentados alguns procedipedal, como a peridural com 5,0 a 7,0mL de lidocaína. mentos de fácil aplicação que podem ser empregados Também pode ser associado um bloqueio em forma na rotina de campo pelo Médico Veterinário. de “T” (Massone, 2008). O cloridrato de lidocaína é um anestésico local Contenção química freqüentemente utilizado em bovinos. Possui potênÉ uma prática aliada ao método de contenção cia e duração moderadas, alto poder de penetração física, já que facilita manejar o animal e diminui sie pouca vasodilatação. Quando associado à adrenatuações de desconforto, agitação e dor quando das lina aumenta o período anestésico devido à vasomanipulações clínicas e cirúrgicas (Tabela 1). constrição local e absorção mais lenta. Dessa forma, sua dose máxima pode chegar Fármacos Doses Vias a 9,0mg/kg. Quando associado a vasoconstritores deve ser eviXilazina 0,1 - 0,2mg/kg IV, IM tado em extremidades como na Sem adrenalina: até 7,0mg/kg cauda, prepúcio, para redução Lidocaína Local Com adrenalina: até 9,0mg/kg de hérnias, preparo de rufiões e membros locomotores, já que Acepromazina 0,1mg/kg IM, IV favorece a redução da irrigação Midazolan 0,2mg/kg IV sanguínea, podendo ocasionar necroses. Tabela 1. Fármacos e doses utilizados em bovinos. É importante salientar que As anestesias em bovinos são preferencialmente durante uma contenção em decúbito, posicionar a locais, devido às favoráveis condições anatômicas e às cabeça do bovino em declive de 10 a 20% em relação características de comportamento. Quando contidos ao corpo, que pode evitar regurgitação e aspiração no tronco, permitem a aplicação de anestesias locais do conteúdo rumenal e pneumonia por corpo estraou regionais, inclusive para realizações de laparotonho. Para exames clínicos e cirúrgicos do prepúcio mias. Além disso, esse tipo de anestesia é cômodo ao e pênis que necessitam exposição de pênis, admiprofissional e seguro para o animal, quando se respei-

52

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


nistrar acepromazina na dose de 0,003mg/kg, IM (Eurides et al., 1981). Entretanto, nos procedimentos cirúrgicos envolvendo pênis e prepúcio, lembrar da possibilidade de traumatismos pós-operatórios, devido à exposição por longos períodos de tempo do pênis e da lâmina externa do prepúcio (Eurides & Silva, 2002.) Neste trabalho foram utilizados termos zootécnicos e anatômicos durante as descrições dos métodos, para melhor especificar as diferentes regiões do corpo do bovino.

para bezerros, mas com cautela pode ser aplicada também em animais adultos. O método exige experiência do profissional ou do auxiliar para evitar maus tratos ao animal. O processo consiste em segurar uma das orelhas ou um dos chifres e com a outra mão introduzir o dedo polegar e o indicador nas narinas do animal, comprimindo fortemente o septo nasal. Caso o bovino manifeste inquietude, torna-se necessário a participação de um auxiliar na contenção, sobretudo segurando a cauda do animal (Figura 2 - C).

Contenção da cabeça A contenção de bovinos, principalmente os mais arredios, pode iniciar-se pela amarração da cabeça por meio de laços, focinheiras e cabrestos ou prendendo-a em guilhotinas de bretes de contenção. Em seguida, sugere-se aplicar um guia nasal (formiga nasal) associando a elevação da cauda (Figura 1).

Figura 2. Bovino adulto contido com cabresto temporário (A) e bezerro com cabresto para ordenha manual (B) e contenção da cabeça e cauda (C). Figura 1. Contenção em tronco simples com cabresto, formiga e corda guia fixada em um ponto mais elevado do tronco. Observar a cauda flexionada para ajudar na imobilização.

Apesar da existência de inúmeros modelos de cabrestos, nos atendimentos rotineiros fazer uso do cabresto temporário, considerado padrão nas contenções da cabeça. Para tanto, amarrar uma corda argolada (de metal ou com a própria corda) no pescoço do animal e promover uma laçada contornando o chanfro. Outro cabresto usado para bezerros e bovinos adultos é realizado após uma laçada no pescoço do animal e em seguida, uma das pontas deve passar por trás da outra, contornar o chanfro e retornar por dentro do laço formado (Figura 2 – A e B). É preferível fazer uso de cabrestos temporários, ao invés de somente laçar o pescoço do animal, para evitar acidentes, como o enforcamento. A contenção manual da cabeça é freqüentemente usada

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

Métodos para derrubar Independente da idade, porte físico, raça e sexo do animal evitar que ocorram lesões de pele e até ortopédicas. Precauções também devem ser adotadas como a equipe envolvida, sobretudo quando se tratar de profissionais iniciantes. Como derrubar bovinos jovens Os métodos podem ser usados para exames clínicos, cura do umbigo, vacinações, administração de medicamentos, descorna com ferro candente e colocação de cabrestos. Posicionar no costado direito ou esquerdo do animal e debruçar sobre o seu corpo, e com uma das mãos segurar a região axial e com a outra a prega inguinal. Ao erguer o bezerro é retirado o apoio dos membros o que ocasiona perda do equilíbrio e queda em decúbito (Figura 3).

53


Contenção bovina


 seguida mais duas iguais passando uma pelo tórax e outra pelo flanco. As laçadas precisam ficar posicionadas no antímero esquerdo ou direito. Duas ou três pessoas devem tracionar a extremidade da corda para trás, provocando a queda do animal (Figura 4).

Figura 3. Retirada do apoio dos membros por contenção pela prega inguinal e região axilar.

Métodos para derrubar bovinos adultos Existem diferentes métodos para derrubar bovinos adultos e, na escolha deve-se considerar a segurança do profissional e sua equipe e o desconforto ao animal. Escolher um local com terreno plano e macio, coberto por colchões de espuma ou cama de capim 
 ou piquete gramado. Terrenos duros, acidentados, presença de pedras, madeiras e objetos perfurantes, podem originar graves traumatismos ou até mesmo a paralisia do nervo radial. Para evitar acidentes, animais de comportamento irascível precisam receber, antecipadamente, uma dose de tranqüilizante. Antes das contenções, colocar um cabresto para facilitar a seqüência correta e segura do método de contenção (Figura 1). A. Método de Rueff É recomendado para fêmeas e deve ser evitado nos machos devido à possibilidade de lesões de pênis e escroto e compressão de vasos abdominais. Em vacas leiteiras pode ocasionar traumatismos no úbere. Com uma corda de 12 metros aplicar uma laçada na base do chifre (em animais mochos deve ser aplicado no pescoço) e no pescoço realizar uma laçada. Em

B. Método de Burley É simples e eficiente, porém o animal deve permitir a aproximação do pessoal, o que impede a sua utilização em animais hostis. É freqüentemente utilizado em animais dóceis, em vacas leiteiras e machos reprodutores, por evitar traumatismos ao úbere e a genitália do macho. Utilizar uma corda de aproximadamente 12 metros de comprimento, sendo sua metade colocada sobre o pescoço do bovino e as pontas passadas entre os membros torácicos. As pontas da corda são cruzadas no final do lombo, e posteriormente direcionadas para as regiões inguinais passando paralelas as faces internas da cocha. As extremidades das cordas são tracionadas para trás até queda do animal (Figura 5).

Figura 5. Método de Burley.

Figura 4. Método de Rueff.

54

Figura 6. Método italiano.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


C. Método Italiano É semelhante ao de Burley, a diferença é que a corda após ser aplicada sobre o pescoço deve ser cruzada sobre o peito. Devido ao posicionamento da corda pode ocorrer enforcamento. A seqüência é a mesma descrita no método de Burley (Figura 6) D. Método de Jong Empregado para derrubar novilhas mansas. Com uma corda realizar duas laçadas, uma passando a frente do úbere e sobre os flancos e a outra contornando o tórax. Posicionar no costado direito ou esquerdo do animal e tracionar fortemente as extremidades da corda, pressionando os antebraços sobre a região do dorso, até que se seja conseguido o decúbito lateral (Figura 7).

É uma técnica de fácil execução, porém não é indicada para vacas leiteira e reprodutores, devido à possibilidade de causar lesão no úbere, prepúcio e pênis. Com uma única corda argolada (de metal ou com a própria corda) aplicar uma laçada contornando os flancos. Circular os membros pélvicos com outra laçada passando através da argola e tracionar lateralmente (Figura 8). F. Método de Almeida Barros Modificado - 1 É freqüentemente utilizado por ser de fácil execução. Pode ser empregado em bovinos hostis e não causa lesões no úbere nem na genitália do macho. Manter a cabeça do animal fixada com cabresto, e com uma corda argolada de seis metros realizar uma laçada envolvendo o tórax. Movimentar a corda para que a argola fique do lado oposto a pessoa que está realizando a contenção (Figura 9. A). Promover uma tração lateral para que a corda se fixe no tórax (alguns animais já entram em decúbito neste momento). Contornar os membros pélvicos com o restante da corda e tracionar para trás. Deverá ocorrer uma queda lenta (Figura 9. B).


 Figura 7. Método de Jong.

E. Método de Almeida Barros

Figura 8. Método de Almeida Barros.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

Figura 9. Método de Almeida Barros modificado. Laçada aplicada sobre o tórax do costado oposto a pessoa que realiza a contenção (A) e nos jarretes (B).

55


Contenção bovina G. Método de Almeida Barros Modificado - 2 Técnica recomendada para vaca leiteira. Aplicar uma peia acima do jarrete (como na ordenha manual) e com a corda do cabresto contornar a peia. Ao tracionar a corda para frente o animal flexiona o pescoço sobre o costado, ocasionando o decúbito (Figura 10).

Métodos de imobilização após o derrubamento Após o derrubamento é recomendado, como medida de segurança, tracionar a cauda do bovino através da região inguinal e apoiar o joelho sobre o flanco e conter a cabeça para impedir que o animal se levante (Figura 12).

Figura 10. Método de Almeida Barros modificado -2.

Métodos de imobilização em posição quadrupedal É recomendado trabalhar em bretes para contenção de bovinos ou pelo menos em troncos convencionais. Para maior segurança, é preciso que o animal seja colocado no tronco com cabresto para evitar que se desequilibre. A. Elevação do membro torácico ou pélvico Com uma corda realizar uma laçada na região do metacarpo. A extremidade da corda é posicionada sobre a cernelha e tracionada do lado oposto, obtendo assim a elevação do membro. Pode ser utilizada em rebanhos leiteiros para intervenções no casco, castrações e rumenotomias (Figura 11). Para erguer um membro pélvico, aplicar uma laçada na região do metatarso e passar a corda contornando a extremidade superior de um esteio de cerca. Em seguida colocar uma laçada em torno do jarrete do mesmo membro.


 Figura 12. Imobilização da cabeça e a cauda tracionada entre os membros pélvicos.

O local para a imobilização definitiva necessita possuir pontos de fixação para as cordas que ofereçam resistência a grandes trações. Podem ser utilizados os cantos de cercas, cercas paralelas ou “pregos especiais” (estacas de ferro) fincados no solo. Para evitar que as cordas entrem em contato com a pele dos membros, é necessário protegê-los com pulseiras de couro ou peias de saco de algodão ou de plástico (peia de frango) para prevenir lesões de pele. É importante salientar que quando o animal for contido em decúbito lateral, a região escapular correspondente deve ser protegida com travesseiros de espuma ou saco contendo capim ou silagem ou casca arroz ou serragem. Desse modo pode-se evitar lesões do nervo radial.


 


Figura 11. Elevação do membro torácico.

56

Figura 13. Imobilização em decúbito lateral com cordas fixadas em estacas e os membros protegidos com sacos de plásticos.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


A. Contenção lateral - 1 Aplicar uma peia de saco (de algodão ou de plástico) nas regiões metacárpicas e outra nas metatársicas. Fixar uma corda na peia do membro torácico e outra no membro pélvico, levando cada uma ao seu ponto de fixação e com outra imobilizar a cabeça com um cabresto temporário (Figura 13). Esse método pode ser utilizado para procedimentos como de preparo de rufiões, acropostites, desvio de pênis, fimoses, parafimoses, enucleações, cirurgias de teto, cesarianas, rumenotomias e papilotomias. B. Contenção lateral - 2 Está técnica assemelha-se à anterior, porém são utilizadas apenas duas cordas. Com a primeira fazer uma laçada envolvendo o pescoço do animal e a peia dos membros torácicos. Em seguida concluir a laçada e tracionar a corda até o ponto de fixação (Figura 14). Esse método também pode ser aproveitado para os mesmos procedimentos citados anteriormente.

Figura 14. Animal em decúbito lateral, com uma corda no pescoço e na peia do membro torácico. Notar que a cabeça e os membros torácicos permanecem juntos e estendidos.

C. Contenção lateral - 3 Os membros pélvicos são amarrados separadamente. O membro em contato com o solo é fixado rente ao solo, sendo o outro membro elevado. Pode ser utilizado nos procedimentos de cesarianas, castrações e desmotomias (Figura 15).

D. Variações da contenção lateral As contenções descritas abaixo são semelhantes às ilustradas nas figuras de número 13 e 14, com pequenas variações. Para procedimentos como de cesarianas e desmotomias, os membros pélvicos são amarrados separadamente. O membro em contato com o solo é fixado rente ao solo, sendo o outro membro erguido, proporcionando acesso à região paramamária. Nos procedimentos realizados na região perineal é recomendado que os membros pélvicos sejam amarrados separadamente, sendo um dos membros fixado rente ao solo e o oposto flexionado, fixando a corda num ponto próximo a cernelha. Quando da atuação na região abdominal ou glândula mamária, amarrar os membros pélvicos separadamente. Os membros torácicos devem ser fixados juntos, realizando assim, uma contenção dorsolateral. E. Contenção dorsal Após aplicar uma peia de saco para atar os membros torácicos e depois os pélvicos, fixar uma corda na peia do membro torácico e outra na peia do pélvico. Prender uma terceira corda na peia torácica ligando à pélvica. O animal é posicionado de forma que os pontos de fixação estejam no mesmo alinhamento da linha imaginária dorso-lombar do animal. As cordas da extremidade são tracionadas e fixadas em pontos elevados. Posteriormente, tracionar a corda entre as peias realizando o travamento (Figura 16). Esse método de contenção pode ser utilizado para procedimentos de casqueamento, amputação de dígito e hérnias.

Figura 15. Imobilização em decúbito lateral com os membros atados juntos em forma de “X”.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

Figura 16. Contenção em decúbito dorsal com as cordas dos membros e entre eles tracionada e cabeça contida com cabresto temporário.

57


erstoc Shutt

F. Contenção esternal Para manutenção do decúbito esternal é aconselhável manter o animal sob efeito de tranqüilizante. Aplicar um cabresto temporário (Figura 2. B), flexionar o pescoço em direção ao costado e amarrar a corda do cabresto acima do jarrete (Figura 17). Esse método pode ser utilizado nas descornas, enucleações e exéreses de terceira pálpebra.

k

Contenção bovina

Dados dos Autores

Duvaldo Eurides

Médico Veterinário. CRMV-MG no 701. Professor Doutor. Faculdade de Medicina Veterinária. Universidade Federal de Uberlândia/UFU. Uberlândia, MG.

Figura 17. Posição em decúbito esternal com a guia do cabresto atada ao jarrete e com a cabeça voltada para o costado.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

As contenções apresentadas são adequadas para imobilização física de bovinos nas realizações de diferentes procedimentos clínicos e cirúrgicos. Entretanto, deve-se escolher o método de acordo com a idade, sexo, raça e comportamento do bovino. O bem-estar do animal deve ser priorizado através da realização uma contenção correta e segura, assim como, considerar a proteção da equipe envolvida nos procedimentos.

Referências Bibliográficas EURIDES, D.; SILVA, L.A.F. Método de preparo de rufiões bovinos e eqüinos. Goiânia: Talento, 2002. 112p. EURIDES, D. Métodos de contenção de bovinos. Guaíba: Agropecuária, 1998. 78p. EURIDES, D.; Raiser, A.G.; Pippi, N.L. et al. Eficácia do maleato de acepromazina na exposição de pênis em touros da raça Chaloreza. Revista do Centro de Ciências Rurais, v.11, p. 237-241, 1981. MASSONE, F. Anestesiologia Veterinária: farmacologia e técnicas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008. 571p.

58

Endereço para correspondência: Av. Pará 1720. Campus Umuarama. CEP: 38400-092. Uberlândia, MG. E-mail:duvaldo@ufu.br

Luiz Antônio Franco da Silva

Médico Veterinário. CRMV-GO no 780. Professor Adjunto. Escola de Veterinária. Universidade Federal de Goiás/UFG. Goiânia, GO. E-mail: lafranco@vet.ufg.br

Jordanna de Almeida e Silva

Acadêmica. Bolsista de Iniciação Científica. Escola de Veterinária/UFG. Goiânia, GO.

José Cesar Menk Pinto Lima

Acadêmico. Bolsista de Iniciação Científica. Faculdade de Medicina Veterinária/UFU. Uberlândia, MG.

Leandro Batista Caetano

Acadêmica. Bolsista de Iniciação Científica. Escola de Veterinária/UFG. Goiânia, GO.

Leonardo Lamaro Cardoso Mé-

dico Veterinário. CRMV-GO no 4269. Hospital Veterinário/UNIP. Goiânia, GO.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


SAÚ D E D O CO N SU M I D O R

Carrapaticidas, seus resíduos e a saúde do consumidor

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

Shutterstock

Shutterstock

Os carrapatos causam desconforto, espoliação de sangue, lesões na pele e veiculam agentes patogênicos aos animais infestados. Nas vacas leiteiras esses efeitos são acompanhados de diminuição da qualidade e do volume de leite produzido representando prejuízo ao produtor. Combater a infestação (Figuras 1 e 2) mantendo-a em nível tolerável ou eliminá-la é uma decisão freqüente na prática veterinária. A primeira idéia e atitude costumam ser o emprego de “venenos” que matam o carrapato (carrapaticidas). Via de regra, combate-se o carrapato que é visto, ou seja, está fixado no corpo do animal parasitado e já ingurgitado de sangue. Quiçá fosse o caso de pensar combater o carrapato no campo, ANTES de parasitar o animal. A consulta aos textos de Farmacologia revela uma longa evolução dos fármacos empregados para combater os ectoparasitas em geral: desde substâncias extremamente tóxicas (arsenicais) e prejudiciais ao ambiente (organoclorados), ambos abandonados, até os produtos contemporâneos mais seguros, mas não inócuos (!) como piretróides, lactonas macrocíclicas, neonicotinóides (cloronicotinilas) e os denominados reguladores de crescimento. A existência de tantos grupos e representantes revela a interminável procura por fármacos eficazes e mais seguros. A eficácia dos carrapaticidas é constantemente comprometida pelo surgimento de cepas de carrapatos resistentes. Muito tem sido escrito e discutido sobre os mecanismos de resistência. O fato é que a resistência confronta o criador com a ineficácia do tratamento,

obriga o Médico Veterinário a realizar testes de sensibilidade (“biocarrapaticidograma”, Boletim do Conselho Federal de Medicina Veterinária no 96 de 22.12.09) e a fazer rodízio entre fármacos carrapaticidas, além de outras medidas. No combate aos carrapatos (Figura 3), em vacas produtoras de leite para consumo humano, o Médico Veterinário precisa encontrar o ponto de equilíbrio entre: assegurar a maior produtividade e qualidade do leite evitando ou eliminando os parasitas e, garantir a ausência de resíduos de fármacos no leite. Tratam-se de interesses conflitantes, mas todos de sua responsabilidade profissional: maximização de produtividade e lucratividade, saúde e bem estar animal e saúde do consumidor de produtos de origem animal. Por um lado deve manter a infestação ausente ou em níveis toleráveis com o uso de carrapaticidas e por outro, oferecer ao consumo humano um produto que não tenha níveis proibidos (potencialmente tóxicos) de fármacos e/ou seus metabólitos. Os fármacos ou substâncias ativas para combater ectoparasitas, incluindo os carrapatos, podem ser formulados para aplicação na forma de brincos, microencapsulados, soluções para uso transcutâneo,

59


Marcos Vinícius Castro Moreira. Convênio Nestlé/UFV

SAÚDE DO CONSUMIDOR no caso da produção leiteira. Quanto mais longo o efeito residual, maior o período de carência. Portanto o leite de maior número de ordenhas deve ser descartado, tal como ocorre com o emprego de antimicrobianos (AM) no tratamento das mamites: os AM de meia-vida longa, úteis no tratamento de mastites bacterianas em vacas “secas” requerem longos períodos de retirada e são impróprios para vacas em lactação. Há carrapaticidas que tem período de carência de 1 mês (p.ex., avermectinas) perfeitamente úteis e apropriados para animais de abate mas inadequados para vacas em lactação. A principal característica farmacocinética dos carrapaticidas que requerem longos períodos de retirada é a lipossolubilidade, que assegura ao fármaco permanecer no organismo do animal tratado por longo período. Principalmente os carrapaticidas que atuam por contato (p. ex., piretróides), ou seja, atravessam o exoesqueleto do carrapato devem ser lipossolúveis. Sua absorção pelo hospedeiro até é indesejada mas é inevitável. Outros carrapaticidas alcançam o carrapato pelo sangue do hospedeiro (p. ex., lactonas macrocíclicas), seja porque foram absorvidos por via transcutânea (aplicados no dorso do animal), seja porque foram injetados, de forma que por esta via também alcançam a glândula mamária e podem ser excretados com o leite ordenhado. O leite, como uma emulsão de gordura em água, retém mais as substâncias com maior lipossolubilidade. Ao prescrever ou recomendar um produto veterinário para uso em animais de produção o Médico Veterinário tem a obrigação de ressaltar, por escrito na receita e oralmente, a duração do pe-

aspersão, banho de imersão, injetáveis ou para uso oral. A escolha da forma farmacêutica se relaciona com a eficácia, a praticidade de administração e a permanência do carrapaticida no animal tratado. Qualquer que seja a substância ativa escolhida para o combate ao carrapato ou outro ectoparasita, com base ou não no carrapaticidograma, implica na estrita obediência ao período de carência, abstinência ou retirada, que o fabricante deve obrigatoriamente informar na bula, segundo Normas da Coordenação de Fiscalização de Produtos Veterinários do MAPA. O desrespeito a esta conduta é grave erro técnico e infração ética, pois resulta na presença de “restos” (resíduos) do “veneno” no leite. A pasteurização, a fervura ou a filtração do leite ou seu processamento industrial a sub-produtos não eliminam os resíduos, que acabam sendo ingeridos por lactantes e demais consumidores de leite e derivados com conseqüências diversas. Para evitar prejuízos com o descarte do leite contaminado, a orientação é que o uso de fármacos para combater os carrapatos (e outros procedimentos terapêuticos ou profiláticos) seja feito no período de não lactação. O intervalo entre duas ordenhas sucessivas não é suficiente para eliminar todo o carrapaticida que foi administrado ou aplicado e absorvido pela vaca tratada: inevitavelmente o leite das ordenhas posteriores a aplicação do carrapaticida estará contaminado. O longo efeito residual é útil quando se deseja aumentar o espaçamento entre dois tratamentos carrapaticidas sucessivos, mas é indesejado quando se trata da presença de resíduos, particularmente

60

Marcos Vinícius Castro Moreira. Convênio Nestlé/UFV

Figura 1. Infestação por carrapatos na cabeça de bovino.

Figura 2. Infestação por carrapatos na base da calda e períneo de vaca.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


José Dantas Filho. UFV.

Figura 3. Combate ao carrapato por meio de aspersão de carrapaticida.

ríodo de carência que não pode ser menor do que o especificado pelo fabricante na bula. Os períodos de carência publicados em livros texto são somente uma referência básica para a substância ativa em questão. O tempo exato deve ser estabelecido para cada produto porque o período de carência depende da vários fatores como: sal empregado, concentração da substância ativa, forma farmacêutica, via de administração e excipientes (solubilizantes, estabilizantes, conservantes, etc.). O fabricante ao elaborar o Relatório Técnico para fins de registro e licenciamento na Coordenadoria de Produtos Veterinários do MAPA deve comprovar que o tempo de carência do seu produto é suficiente para que os resíduos eventualmente presentes sejam inócuos, daí porque esta é a informação que tem credibilidade. Problemas de grande significado em saúde pública incluem: a grande variedade de produtos de uso veterinário e, conseqüentemente, de substâncias ativas disponíveis e, a livre aquisição destes produtos, incluindo os carrapaticidas: não é necessária receita veterinária para adquirir estes “venenos”. A grande variedade torna dispendioso e demorado o controle da presença de resíduos. Assim, rotineiramente, só é pesquisada a presença de um número muito limitado de fármacos. A legislação requer que o estabelecimento que comercializa produtos veterinários tenha um Médico Veterinário Responsável Técnico (Decreto 5053 de 22.04.04; Capítulo V; Art. 18 §1o item II). É responsabilidade do RT informar adequadamente o comprador do carrapaticida (e de qualquer outro produto veterinário a ser usado em animais de produção) sobre a estrita obediência ao período de retirada informado na bula. Para evitar mal-entendido, esta informação deve ser passada por escrito. Este período deve garantir que a concentração de resíduo(s) no leite, na Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

carne dos animais destinados ao consumo humano ou nos ovos tenha caído abaixo do valor que os torna substância tóxica se ingeridos diariamente. Na Comunidade Econômica da Europa vigora uma norma que estabelece limites máximos de resíduos de fármacos em produtos de origem animal incluindo ectoparasiticidas (EEC No 2377/90). Se o Brasil vier a se tornar exportador de leite e derivados para esses países as normas de comercialização e uso dos produtos de uso veterinário deverão se tornar mais rigorosas, seu emprego mais responsável e os produtos de origem animal incluindo os lácteos mais controlados.

Dados do Autor

Augusto Langeloh

Médico Veterinário CRMV-RS nº 0721, Mestre e Doutor em Farmacologia, Professor aposentado de Farmacologia Veterinária, UFRGS. Bolsista da Fundação Alexander Von Humboldt, Presidente da Academia Rio Grandense de Medicina Veterinária. Endereço para correspondência: Rua Monte Pascoal, 84, CEP: 91320-260 Porto Alegre, RS. E-mail: aulangeloh@ig.com.br ou langeloh@ ufrgs.br

Referências Bibliográficas Boothe, D.M. & SCOTT, M.M.: Ectoparasiticides. Chemotherapeutic Agents. In.: The Merck Veterinary Manual. Ed.: KAHN, C.M.; SCOTT, L. & AIELLO, S.E. The Merck Veterinary Manual, 9th ed., 2008. LARREA, M.D.S.A. & BURNEO, J.J.L.: Paso de los antimicrobianos através de las barreras biológicas. IN: LARREA, M.S.A. & BOGGIO, J.C.: Antimicrobianos y antiparasitários em medicina veterinária. Intermédica Ed., Buenos Aires, 2007. p. 33-44. MAPA: Regulamento de fiscalização de produtos de uso veterinário e dos estabelecimentos que os fabriquem ou comerciem. Anexo do DECRETO no 5.053 de 22 de abril de 2004. http://extranet.agricultura.gov.br/sislegis-consulta/servlet/ VisualizarAnexo?id=14085 Consulta em 18.03.2010. SPINOSA, H.S., GÓRNIAK, S.L. & BERNARDI, M.M. Farmacologia aplicada a Medicina Veterinária. 4a ed. Guanabara Koogan, 2006.

61


Cetas

Centro de Triagem de Animais Silvestres

Centros de Triagem de Animais Silvestres (CETAS) são locais destinados a recepção, recuperação, e re-introdução de animais silvestres de várias origens, principalmente o tráfico, que representa até 89% dos animais encaminhados aos Cetas. Segundo o Ministério do Meio Ambiente apenas 27 Centros de Triagem estão registrados no território brasileiro, o que para um país das dimensões do nosso é um número baixíssimo. Cetas associados a Universidades são ainda mais raros, sendo que um dos poucos exemplos é o vinculado à Universidade Federal de Viçosa, desde 2000, apresentando-se como o segundo mais movimentado de Minas Gerais. Ao longo do seu funcionamento, o CETAS-UFV tornou-se um centro de referência na recepção de animais silvestres na Zona da Mata Mineira, atuando em parceria com o IBAMA-MG, Policia Militar Ambiental e mais recentemente com o Instituto Estadual de Florestas-IEF. Aproximadamente 5000 animais foram triados ou atendidos neste período, permitindo o treinamento de estagiários e a realização de cursos relacionados à manutenção de animais silvestres em cativeiro, reabilitação e re-introdução em que estiveram envolvidos estudantes de várias regiões do País. Na UFV, cerca de 500 estagiários atuaram no CETAS, ficando evidente o interesse pela área ambiental quando são relacionados os cursos dos estudantes envolvidos,

62

Arquivo Pessoal

Ferramenta para o ensino, pesquisa, extensão e educação ambiental

Animais mantidos no Cetas.

Shut ters

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

tock


Arquivo Pessoal

rs to ck

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

te

Arquivo Pessoal

Filhotes de lobos guarás nascidos no Cetas se alimentando.

ut

como Medicina Veterinária, Ciências Biológicas, Zootecnia, Engenharia Florestal, Nutrição, Agronomia, Engenharia elétrica, Computação, Pedagogia, Economia Doméstica, Arquitetura e Direito. As dependências do CETAS e os animais internados são disponibilizadas para pesquisadores, sendo que até o momento foram conduzidas 12

Sh

Técnicos coletando urina de uma jaguatirica.

dissertações de mestrado e duas teses de doutorado. Atualmente, outros 12 projetos entre dissertações, teses, iniciação científica e projetos individuais encontram-se em execução, com financiamento da FAPEMIG, CNPq, CAPES, Fundação Boticário, dentre outras. O CETAS também tem se tornado parceiro na condução de projetos com unidades de conservação como o Parque Estadual da Serra do Brigadeiro e o monitoramento por radiocolar de onça parda (Puma concolor) reintroduzida. No Parque Estadual do Rio Doce é realizado o levantamento faunístico, monitoramento e sanidade de grandes carnívoros. Em Viçosa, na Mata do Paraíso e regiões circunvizinhas são monitorados jaguatirica (Liopardus pardalis) e lobo guará (Crysocyon brachyurus) re-introduzidos. Em criatórios localizados em Belo Horizonte, são desenvolvidos projetos sobre biologia reprodutiva de gato do mato pequeno (Leopardus tigrinus), em Ouro Preto E parceria ainda é registrada como os Projetos “CRIAS e CONCERVO” Fazenda Engenho D’agua e associados -MG, que sob o financiamento do IEF, o CETAS-UFV oferece assistência técnica a pequenos produtores de animais silvestres (Paca) e desenvolve projetos de reprodução assistida em criatório de cervídeos. Em relação à Educação Ambiental o Cetas da Universidade Federal de Viçosa, desenvolve o projeto Cetas na Escola, que atende regularmente escolas de primeiro e segundo graus na região, discorrendo sobre a biodiversidade e tráfico de animais, conservação dos ecossistemas e os impactos humanos na degradação ambiental, com resultados notáveis na conscientização dos jovens. É oportuno alertar para o grande nú-

63


Cetas

Arquivo Pessoal

recuperar, reabilitar e destinar animais silvestres provenientes da ação da fiscalização, resgates ou entrega voluntária de particulares”. Por meio do Manual de Procedimentos para Destinação de Animais Silvestres (MPD) do IBAMA, procura-se minimizar os riscos para as espécies e o ambiente, com protocolos previstos para avaliação de áreas de soltura; levantamento clínico e diagnóstico; levantamento genético; estudo do comportamento animal; monitoramento pós-soltura, dentre outros.

Arquivo Pessoal

mero de animais que adentram aos Cetas, para as dificuldades no tratamento e para a falta de destino promovendo um abarrotamento da população. A manutenção constante e onerosa, e com atividades que não podem ser interrompidas por falta de recursos, torna os Centros de Triagem muito suscetíveis a cortes ou contingenciamentos de verbas. Em fevereiro 2008 o IBAMA regulamentou a criação dos Cetas por meio da Instrução Normativa 169. São normatizados como “Centro de reabilitação de animais silvestres (CRAS) todo empreendimento autorizado pelo Ibama, somente de pessoa jurídica, com finalidade de: receber, identificar, marcar, triar, avaliar, recuperar, criar, recriar, reproduzir, manter e reabilitar espécimes da fauna silvestre nativa para fins de programas de reintrodução no ambiente natural; e como Centro de triagem de animais silvestres (CETAS) todo empreendimento autorizado pelo Ibama, somente de pessoa jurídica, com finalidade de: receber, identificar, marcar, triar, avaliar,

Onça parda com rádio colar no momento da soltura.

A realidade dos Centros de Triagem de Animais Silvestres é muito diversa, porém, é evidente o potencial para atuação na conservação da fauna. Além das ações na recuperação de indivíduos, é uma fonte de conhecimento e de material para treinamento de mão de obra especializada e, se bem administrado é decisivo em ações de educação ambiental.

Dados do Autor

Tarcizio Antônio Rego de Paula

Médico Veterinário, CRMV-MG no 03799. Professor Associado, Centro de Triagem de Animais Silvestres, Departamento de Veterinária, Universidade Federal de Viçosa, MG. E-mail: tarcizio@ufv.br Rastreamento do puma no Parque Estadual da Serra do Brigadeiro.

64

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


Medicina Veterinária no Brasil

Panorama sobre a situação atual e o futuro do ensino da Medicina Veterinária no Brasil INTRODUÇÃO A Lei n° 10.172, de 9 de janeiro de 2001, que aprovou o Plano Nacional de Educação (PNE), estabeleceu que o país deve alcançar o patamar educacional proposto nos dez anos de sua vigência. Entre suas metas e objetivos destacam-se a melhoria da qualidade do ensino em todos os níveis, a oferta de educação superior para, pelo menos, 30% dos integrantes da faixa etária de 18 a 24 anos e a ampliação de oferta de ensino público de modo a assegurar uma proporção nunca inferior a 40% do total de vagas. Como se trata de um plano de Estado, os objetivos e metas nele fixados são objetivos da nação brasileira. Mesmo com mudanças de governo o plano deve continuar, porque ele responde a um ditame superior, constitucional e legal, com duração de uma década. Embora aquela lei não estabeleça sanções, é uma lei de compromissos que representa a opção ética por um ideal de educação para o País, o pacto político e técnico por metas necessárias. E, sendo lei, está em consonância com a Constituição Federal, com a LDB e com os compromissos internacionais firmados pelo Brasil. De acordo com as

u Sh

tt

er

st

estatísticas do IBGE (2010), atualmente o número de jovens na faixa etária entre 18 e 24 anos gira em torno de 21 a 22 milhões, dos quais 5.808.017 se encontram matriculados nas diferentes modalidades do ensino superior (Censo, 2008 – INEP), o que corresponde a pouco mais de 25% desta população. Estes dados mostram que o número de matrículas deve ainda crescer por volta de 5% até 2011, para que se atinja o percentual previsto no PNE. Muito se falou nos últimos anos a respeito da proliferação de cursos no país, inclusive na Medicina Veterinária (MV). Embora o PNE dê guarida ao aumento de instituições, cursos e vagas, é importante atentar que atualmente mais de 1,4 milhão de vagas ofertadas estão ociosas, sendo que 97,5% destas se encontram nas instituições privadas (Censo, 2008 – INEP). Levantamento realizado por Oliveira Filho et al. (2006) mostrou que na MV, no ano de 2005, tão somente 70,44% das vagas oferecidas nos processos seletivos das diferentes instituições foram preenchidos, restando, naquele ano, 3.631 vagas ociosas. Nas

ock

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

65


Medicina Veterinária no Brasil Arquivo CFMV

Pós-operatorio realizado por alunos em equino internado no hospital veterinário

regiões centro-oeste e sul quase 40% das vagas não foram preenchidos. Esta realidade é conseqüência do aumento de vagas, no período de 1991 a 2004, da ordem de 339,34%, enquanto o número de inscritos nos processos seletivos, no mesmo período, aumentou em 126,38%. Esses dados permitem inferir que o número de vagas ofertado é superior à demanda real. Neste mesmo sentido, Oliveira Filho et al. (2009) usando parâmetros como o número de habitantes⁄curso, bovinos⁄curso e pequenos animais⁄curso, e comparando com outros países, como EUA, Austrália e Argentina, mostraram que o Brasil apresenta relação abaixo de 50% daquelas dos outros países. Vale salientar que o PNE, além da expansão quantitativa do ensino superior, destaca também entre os seus objetivos a melhoria de qualidade. Em nossa opinião aqui reside o principal problema, pois a realidade mostra claramente uma queda na qualidade, com a formação de profissionais sem o nível mínimo de conhecimento para o exercício das atividades inerentes à MV. Embora a avaliação do ensino superior seja objeto de lei (Lei n° 10.861, de 14 de abril de 2004, que instituiu o SINAES - Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior), parece que a maioria das instituições de ensino não deu a devida atenção para a qualidade, bem como os mecanismos de regulação disponíveis não têm sido suficientes para coibir a expansão quantitativa, a

66

qual, em muitas situações, não apresenta o nível de qualidade demandada pela população usuária dos serviços médico-veterinários. Como se trata de um plano de Estado, cujas metas são para toda a nação brasileira, é importante que o objetivo da melhoria de qualidade do ensino em todos os níveis seja merecedor da atenção que o assunto requer. Espera-se, no mínimo, que as instituições de ensino dediquem e invistam nesta meta o mesmo comportamento e esforço que dispensam à criação de novos cursos e busca de alunos. No limiar do século XXI é fundamental que a expansão de oferta do ensino superior aconteça sem prejuízo da qualidade. Esta deveria ser meta prioritária em todas as instituições de ensino, independente da vinculação administrativa. A preocupação com a formação de qualidade precisa ser o principal objetivo do projeto pedagógico de cada curso, pois, além do conhecimento técnico, as instituições de ensino devem também contribuir para formar o cidadão para o mundo, levando-se em conta a sua inserção em uma sociedade globalizada. A ênfase na formação ética e humanística deve estar presente durante todo o período de treinamento do futuro Médico Veterinário. É interessante lembrar que neste ano se comemoram 100 anos de criação da primeira Escola de Veterinária do Brasil. Em 1910 foram criadas a Escola de Veterinária do Exército, cujas atividades foram encerradas em 1937 e a Escola Superior de Agricultura e Medicina Veterinária que, em 1948, passou a fazer parte da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Em 2011 também serão comemorados os 250 anos de criação da primeira Escola de Veterinária no mundo, a Escola de Lyon – França, momento que representa também o nascimento da Veterinária como ciência e profissão. Vivemos assim momentos gloriosos que merecem ser festejados e exaltados pelo que representam histórica e profissionalmente. Além disso, estes marcos especiais devem servir também para impulsionar as instituições no sentido de repensar a qualidade do ensino que estão praticando. É necessário e, até mesmo, imprescindível que os dirigentes dos cursos promovam reflexões sobre o futuro do ensino da MV no país e, em conseqüência, da profissão. Neste sentido, o objetivo deste artigo é contribuir com alguns dados e análises sobre a qualidade do Médico Veterinário que o Brasil necessita e que deverá formar nos próximos anos.

O FUTURO Como será o futuro e como se pode prevê-lo? Não é fácil fazer previsões seguras sobre o futuro de Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


uma profissão. O futuro do ensino, também difícil de prever, pode representar a realidade futura da MV. Neste sentido pode se perguntar: Quais serão as habilidades e competências exigidas de um Médico Veterinário em 2015 ou em 2030? Que nível de conhecimento técnico este profissional necessita ter? Qual a importância da formação ética, humanista e sócioeconômica para se alcançar sucesso nos próximos anos? Que tecnologias esse profissional precisa dominar hoje e nos próximos anos? Deve se especializar em alguns dos fundamentos intrínsecos da profissão ou buscar uma formação eclética para atuar em um mundo globalizado? Todos esses questionamentos devem ser feitos tendo-se em mente que o futuro da profissão em curto prazo (cinco anos) já está ocorrendo hoje dentro dos cursos de MV, ou seja, qualquer modificação que hoje se realize na academia refletirse-á daqui a cinco anos nos egressos.

Fonte: Conselho Federal de Medicina Veterinária - Exame Nacional de Certificação Profissional

cipantes, apenas seis (4,3%) alcançaram conceito 5, todos de universidades públicas. Por outro lado, 47 (34,3%) obtiveram conceito 1 e 2, todos cursos de instituições privadas. Sem entrar no mérito da metodologia empregada para se chegar ao conceito final do ENADE, essa realidade mostra que a qualidade do ensino atualmente praticado na maioria dos cursos de Medicina Veterinária deixa a desejar. Mais de um terço dos cursos apresentou desempenho insuficiente, o que, inclusive, os obrigou a serem submetidos à nova avaliação para verificação das suas condições de funcionamento. Cursos com conceito 1 e 2 geralmente apresentam estrutura física (salas de aula, laboratórios, hospital veterinário, fazenda experimental) insatisfatória, corpo docente não capacitado, com pouca ou nenhuma experiência profissional e, quase sempre, contratado com carga horária baixíssima, prevalecendo os professores horistas que, em muitas situações, ministram várias disciplinas que FUTURO PROVÁVEL nem sempre guardam relação de conteúdos entre Para se proceder a uma análise objetiva e prossi. Ainda mais, alguns docentes em função da baixa pectiva, os dados que se encontram disponíveis são remuneração se vêem obrigados a atuar em duas ou aqueles provenientes das avaliações previstas no mais instituições, acentuando ainda mais a falta de SINAES, onde se encontram os resultados do ENADE identidade do professor com a instituição e o curso, e das avaliações in loco quando do reconhecimento faltando com isso tempo para assistência extraclasse ou revalidação do reconhecimento dos cursos de ao aluno e ao desenvolvimento das atividades de graduação. Os resultados do Exame Nacional de Cerpesquisa e extensão que são imprescindíveis para a tificação Profissional (ENCP), realizado pelo Conselho formação qualificada dos discentes. Federal de Medicina Veterinária no período de 2002 Aqueles resultados demonstram também que a 2007, também contém informações valiosas, prinem geral não há grandes diferenças de desempenho cipalmente considerando que nas suas 13 edições e comportamento entre ingressantes e concluintes, participaram mais de 20.000 graduados. independente da vinculação administrativa da insOs resultados do ENADE⁄2007 mostram uma situtituição, o que mostra uma realidade preocupante, ação, no mínimo, preocupante. De 137 cursos partipois os estudantes passam cinco ou mais anos na faculdade e não são sensibilizados quanto a necessidade de se Desempenho médio de acertos geral por áreas de conhecimento manterem atualizados e inforNacional - I ao XIII ENCP mados dos acontecimentos em nível regional, nacional, ou mesmo internacional. Este fato é extremamente grave, pois se vive hoje um mundo globalizado, onde a informação é ferramenta fundamental para o êxito de qualquer profissional, independente de sua área de atuação. Informações obtidas nas respostas do Questionário Socioeconômico preenchido pelos participantes do ENADE⁄2007 revelam que quase 70% deles dedicam no máximo cinco horas Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

67


Medicina Veterinária no Brasil por semana para estudos extraclasse. Apenas 13% declararam estudar oito horas ou mais. Percentual semelhante informou que lê jornais diariamente, enquanto 40% o fazem raramente. Mais de 60% leram no máximo dois livros durante o ano. O meio de comunicação utilizado pela maioria absoluta é a televisão. Os resultados gerais do ENCP mostraram os efeitos dessa realidade. Nas 13 edições realizadas, quando se contou com a participação efetiva de 21.233 candidatos, 7.456 (35,11%) não lograram êxito no exame. Em sua última edição realizada em 2007, com participação voluntária de 607 candidatos, apenas 32,8% deles foram aprovados. O desempenho médio em termos de acertos mostrava queda a cada edição, se encontrando abaixo de 50% nos últimos exames, praticamente não mostrando diferenças no percentual de acertos entre as grandes áreas da Medicina Veterinária. O quadro evidenciado a partir dos resultados do ENADE e do ENCP mostra a realidade atual do ensino praticado, situação que deveria representar grande preocupação por parte das instituições, bem como dos órgãos responsáveis pela fiscalização da qualidade do ensino praticado. Cursos com condições inadequadas de funcionamento, freqüentados por estudantes que apenas comparecem à sala de aula, não possibilitam a formação de profissionais aptos para enfrentarem a realidade do mercado de trabalho e capazes de atenderem as necessidades da sociedade. Seria desejável que todos os Médicos Veterinários formados no país apresentassem conhecimentos suficientes para o adequado exercício profissional, mas um dos maiores desafios a ser enfrentado pela MV é a enorme disparidade de qualidade do recém-formado, conseqüência de acentuadas diferenças institucionais e da qualidade dos projetos pedagógicos. As instituições cujos cursos vêm sucessivamente apresentando resultados insatisfatórios em todos os processos avaliativos precisam urgentemente repensar suas políticas acadêmico-pedagógicas, colocando a qualidade da formação como objetivo institucional, dedicando a este aspecto a mesma atenção e prioridade dispensadas à venda do ensino superior como mercadoria e não um bem público. Do mesmo modo, os órgãos reguladores devem ter uma ação mais enérgica perante estas situações. Outro fator a ser considerado é o perfil do professor. Em conseqüência da atual política do Ministério da Educação, onde a exigência fundamental para se ingressar no magistério superior é a titulação,

68

observa-se hoje um quadro de professores titulados, o que é positivo, porém, na maioria das vezes, sem vivência profissional. Atualmente se verifica uma grande preocupação do recém-formado em se titular o mais rapidamente possível, fazendo com que se emendem em seqüência à graduação os cursos de mestrado, doutorado e, em algumas situações, até mesmo o pós-doutorado. Ou seja, o indivíduo é um pós-doutor, entretanto não vivenciou o exercício da profissão, circunstância que lhe mostraria de fato o que representa a prática da Medicina Veterinária. Em todos os editais de concursos não há qualquer pontuação para a experiência profissional não acadêmica, ou essa é pouco considerada. Parece um pouco estranho que os responsáveis pela formação dos futuros Médicos Veterinários não tenham vivenciado a experiência prática da MV. Em qualquer situação só se ensina de modo adequado aquilo que se conhece, só se orienta corretamente aquelas atividades que

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


foram previamente praticadas e nas quais se adquiriu suficiente experiência. Um pouco de vivência na prática da MV, aliada à titulação, seria o desejável.

Atualmente a formação dos médicos veterinários tem sido, de certo modo, direcionada para a clínica de animais de companhia, ou seja, uma medicina veterinária“hospitalar e curativa”, cuja prática está se tornando altamente especializada, com foco na doença e não na saúde. Mesmo nessa área a formação ainda apresenta deficiências, contrastando com o fato de que os usuários do serviço estão cada dia melhor informados e esperam padrões de excelência no atendimento a seus animais, embora a custo reduzido. Aumenta também a procura por assistência a animais silvestres e exóticos. Embora os “pets” sejam uma área com alta demanda, é necessário atender outras áreas que também representam necessidades básicas da sociedade, além da obrigatoriedade de se atender as premissas da Lei n° 5.517, de 23 de outubro de 1968, que regulamenta a profissão e aquelas das Diretrizes Curriculares Nacionais que pregam a formação de um Médico Veterinário generalista, humanista, crítico e reflexivo, apto a desenvolver suas atividades em todos os campos de atuação profissional, o que, em nossa opinião, reflete com fidedignidade a necessidade da sociedade brasileira. Outro grande desafio a ser enfrentado é a qualidade da comunicação entre profissionais e com a sociedade. Os estudantes, bem como os recém-formados, apresentam grande dificuldade tanto na comunicação oral como na escrita, provavelmente em conseqüência da ausência do hábito da leitura, conforme mostrado nos resultados do ENADE⁄2007. Para minimizar este problema, os currículos precisam contemplar estratégias que garantam uma boa formação em comunicação oral e es-

Shutterstock

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

crita, de modo individual e em grupos. No mundo globalizado em que hoje se vive, a competência e o sucesso profissional dependem, além de liderança e da capacidade de trabalhar em equipe, também de uma adequada comunicação. Pelas informações previamente expostas, fica evidente que o futuro, e até mesmo o presente, do ensino da MV não é alvissareiro. Ao contrário, é preocupante. Assim sendo, é bastante presente que, caso não aconteçam rapidamente mudanças de princípios e objetivos, tanto pelas instituições que oferecem os cursos, bem como por aquelas que regulam esta oferta, corre-se o risco de macular o prestígio desta nobre profissão. Mesmo considerando que, hoje mais do que nunca, a aprendizagem não termina com a graduação, devendo ser constante durante toda a vida profissional, as instituições de ensino têm a obrigação de colocar à disposição da sociedade profissionais com formação de qualidade, possuidores da competência mínima necessária para o exercício de suas atividades profissionais e que sejam capazes de atender as necessidades globais da sociedade, atuando como técnicos qualificados e, especialmente, fazendo a diferença como cidadãos.

FUTURO DESEJÁVEL Indicações retiradas da Conferência Mundial sobre o Ensino Superior, promovida pela Unesco em 1998, mostram que a qualidade do ensino superior é função da qualidade do pessoal docente, dos planos de estudos, dos estudantes, da infra-estrutura e da gestão da instituição. O quadro docente deve ser administrado segundo o princípio do mérito e a ele deve ser assegurada a indispensável formação continuada, aliada à vivência em atividades profissionais e desenvolvimento de trabalhos em equipes multidisciplinares. A qualidade dos planos acadêmicos exige cuidado especial na definição dos objetivos da formação, em estreita ligação com as necessidades do mundo do trabalho e da sociedade; a adaptação de metodologias pedagógicas que propiciem aos estudantes uma participação ativa na construção do seu conhecimento, com desenvolvimento do espírito empreendedor, habilidades de comunicação e responsabilidade social. A qualidade dos estudantes deve estar relacionada com critérios de progressão ligados ao mérito, envolvendo capacidades e motivação para a busca de novos conhecimentos. A qualidade da infra-estrutura é essencial na boa formação profissional, devendo a instituição ser dotada de todas

69


Medicina Veterinária no Brasil as instalações necessárias ao desenvolvimento das atividades propostas no projeto pedagógico do curso. A gestão da instituição deve ser coerente com os objetivos e facilitar a interação com o ambiente, não permitindo que a instituição de ensino superior se transforme em uma ilha fechada em si própria. Esses são princípios gerais que devem nortear o funcionamento de todas as instituições de ensino superior e que se adequam perfeitamente ao ensino da MV. A profissão veterinária encontra-se no centro de uma nova ordem mundial. Hoje, o médico veterinário faz parte de um mundo que é totalmente interconectado cultural, econômica, social e profissionalmente. Em conseqüência as expectativas e ne-

base de conhecimento e largo espectro de competências genéricas, especialmente novas tecnologias, além de estar conectado com o mundo. Para atingir estes objetivos, as escolas de veterinária devem promover uma transformação educacional que permita o desenvolvimento daquelas habilidades, associadas à competência técnica. Devem também, e com urgência, promover uma revolução no ensino da MV, mudando do ensino tradicional onde impera o “aulismo”, atividade em que o professor é o agente principal e prioritário, para o uso de estratégias pedagógicas que estimulem o aluno a pensar, formando um profissional com habilidade de reflexão e análise crítica. Um Médico Veterinário que

Arquivo CFMV

Atividades de rotina em laboratório

cessidades da sociedade são mais críticas, exigentes e de longo prazo. De acordo com recomendações da UNESCO (1998), para se alcançar sucesso neste amplo e complexo leque de atividades as qualidades que se esperam dos diplomados são: flexibilidade; capacidade de contribuir para a inovação e criatividade; capacidade de enfrentar a incerteza e desafios; desejo de aprender ao longo de toda a vida; sensibilidade social e aptidões para comunicação; capacidade de trabalhar em equipe; assumir responsabilidades; ter espírito empreendedor; preparar-se para a internacionalização do mercado de trabalho; possuir ampla

70

saiba relacionar fatos, investigar hipóteses, colher e interpretar informações, ou seja, que tenha capacidade de resolver problemas. Enfim, os projetos pedagógicos dos cursos devem contemplar elementos de fundamentação essencial no seu campo do saber ou profissão, além de serem dotados de ferramentas que possibilitem o desenvolvimento do aprender a ser, aprender a pensar, aprender a aprender e, por meio da educação ao longo da vida, o profissional possa se manter atualizado. Em princípio essas orientações podem se apresentar como de difícil alcance, ou até mesmo parecerem utópicas, entretanto, o trabalho que Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


Arquivo CFMV

Alunos em atividade de pesquisa

as coordenações dos cursos devem priorizar nada mais é que colocar na prática cotidiana as recomendações das Diretrizes Curriculares Nacionais (vide artigos 3°- 6°, 9°- 10° e 12° - 13° da Resolução n° 1, de 18 de fevereiro de 2003, CES⁄CNE). As mudanças curriculares, na maioria das situações, têm se limitado a alterações na carga horária e troca de períodos de disciplinas, valorizando interesses outros que não consideram o perfil e a qualidade do egresso a ser formado pela IES. Se os segmentos envolvidos na administração do curso não se dispuserem a executarem mudanças curriculares significativas, principalmente na filosofia do processo ensino-aprendizagem, praticando as recomendações das DCN, continuar-se-á na mesmice, ou seja, diplomando indivíduos incapazes de atender as demandas sociais. Na realidade, além das competências e habilidades já mencionadas, para formar o Médico Veterinário desejável para os próximos 10 -20 anos, os cursos devem garantir aos estudantes uma forte formação na área básica, proporcionando conhecimentos suficientes para o entendimento dos processos anátomo-fisiológicos, a interpretação de sinais clínicos e o estabelecimento de diagnósticos, bem como os fundamentos essenciais ao planejamento da produção animal e a prevenção das zoonoses. No que se refere à parte profissionalizante, os estudantes devem receber formação consistente no sentido de desenvolverem sólidos conhecimentos nas áreas de saúde pública, agronegócios, novas tecnologias de Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

produção, inspeção e conservação da qualidade dos alimentos, assim como o domínio das biotécnicas em geral e aquelas específicas da reprodução. Os cursos deverão proporcionar aos estudantes certo nível de conhecimentos sobre a prática da MV do presente e também lhes dotar de capacidade para prever e adaptarem-se às mudanças futuras. Segundo Halliwell (2009), alguns acontecimentos futuros podem ser facilmente previsíveis à luz dos conhecimentos atuais como, por exemplo: não é uma questão se o vírus H5N1 sofrerá mutações tornando-se infectante para o ser humano, mas quando isso acontecerá. Por outro lado, os conhecimentos existentes nas décadas de 80 - 90 sobre príons não foram suficientes para prever o advento da Encefalopatia Espongiforme Bovina (BSE). Os currículos das escolas americanas responderam lentamente aos anseios da sociedade pelos serviços veterinários, assim como falharam lamentavelmente em prever as necessidades futuras. Ainda de acordo com aquele autor, situação semelhante aconteceu na Inglaterra 15 anos atrás, quando as escolas de veterinária falharam em responder à necessidade de maior número de veterinários especialistas em inspeção de carnes. O resultado é que hoje a maioria dos postos de trabalho disponíveis neste setor é ocupada por veterinários graduados em escolas de outros países, onde receberam treinamento de melhor qualidade para preencher as exigências britânicas.

Um dos maiores desafios do século XXI será a

71


Medicina Veterinária no Brasil Arquivo CFMV

produção de alimentos para atender as necessidades de uma população, eminentemente urbana, estimada em nove bilhões de habitantes em 2050, sem destruir o meio ambiente (United Nations Information Service, 2004).

Seguindo esta linha de raciocínio, as escolas de Medicina Veterinária do país devem garantir em seus currículos uma prioridade maior ao agronegócio, incluindo-se ai a Medicina Veterinária Preventiva, bem como o uso e desenvolvimento de tecnologias nutricionais, genéticas e de manejo de criação de espécies de interesse econômico, pois nesta área o Brasil exerce papel fundamental no mundo, atuando como ator principal na produção de alimentos, sendo hoje um dos maiores produtores e exportadores de carnes. O Médico Veterinário para atuar na cadeia produtiva de alimentos deve ser capaz de dominar os cuidados necessários de atenção primária e individual e, principalmente, ter conhecimento de medicina preventiva e saúde de rebanhos, associado com sólida formação em gestão, relações humanas e comércio em nível nacional e internacional, especialmente considerando a tendência de se analisar o agronegócio com uma visão global de cadeia, diminuindo progressivamente a idéia de segmentação em produção, processamento, distribuição e comercialização. A qualidade dos alimentos e a segurança alimentar também representam desafios a serem enfrentados pela MV brasileira juntamente com a produção sustentável, principalmente considerando as características geográficas do país. As instituições de ensino têm Arquivo CFMV

Aula prática de clínica de ruminantes

72

Ambiente integrado para téoria e prática.

a obrigação de contribuir com a sociedade formando profissionais capacitados a orientar a produção com preservação do meio ambiente para as futuras gerações. Caso não se priorize a formação de Médicos Veterinários com conhecimentos, habilidades e competências para atuarem em toda a cadeia da produção animal, corre-se o risco de, em curto período de tempo, encontrar apenas profissionais de outras áreas em condições de desempenhar atividades na produção dos alimentos de origem animal. Evidentemente, as instituições que regulam a oferta de cursos também devem estar atentas a esses anseios da sociedade e, se necessário, intervir de maneira enérgica. Embora seja um grande desafio para os professores, estes devem também estimular os estudantes a se interessarem pela área da saúde pública, e os currículos devem ser atraentes no sentido de convencê-los sobre a importância da atuação do médico veterinário nessa área (Wall, 2009). Ainda mais considerando que a população humana e, até mesmo a animal, se encontra em estado de constante movimento e interação, conseqüência da globalização e comércio internacional, o que facilita a circulação de patógenos, tornando cada vez mais essencial as ações de vigilância e defesa sanitária, e a prevenção das doenças emergentes e reemergentes como meio de dar segurança à saúde humana. Em resumo, entendemos que os projetos pedagógicos devem mudar da situação atual onde se privilegia a medicina individual e se direcionarem no sentido de contemplar com maior ênfase uma Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


MV de rebanhos, formando profissionais aptos a contribuírem com a produção de alimentos para a população mundial. Nos próximos anos e até mesmo nos dias de hoje, o Médico Veterinário além do domínio da saúde animal, deve obrigatoriamente ter nível de conhecimento suficiente e competência necessária em medicina de rebanhos, epidemiologia, biossegurança e análise de riscos, nutrição e reprodução, bem estar animal, gestão econômica da produção animal, produção sustentável, noções de comércio internacional, controle de qualidade dos alimentos, além de conhecimentos em humanidades que lhe permita atuar com liderança, trabalhar em equipes, além de possuir habilidades de comunicação e relações humanas. Não se deve esquecer que a variável do mercado é a da competência e da competitividade, onde os mais aptos se estabelecerão. Portanto, o que vale é a qualidade, pois a sociedade exige o melhor.

Dados dos Autores

Benedito Dias de Oliveira Filho

Médico Veterinário; CRMV-GO n° 0438; Professor Associado II da Universidade Federal de Goiás e Membro da Comissão Nacional de Residência em Medicina Veterinária do Conselho Federal de Medicina Veterinária. Endereço para correspondência: Departamento de Produção Animal, Escola de Veterinária – Universidade Federal de Goiás. Goiânia-GO; CEP: 74001-970 e-mail: bene@vet.ufg.br

Fernando Leandro dos Santos

Médico Veterinário; CRMV-PE n° 1492; Professor Adjunto I do Departamento de Medicina Veterinária da Universidade Federal Rural de Pernambuco e Membro da Comissão Nacional de Residência em Medicina Veterinária do Conselho Federal de Medicina Veterinária. e-mail: fls@dmv.ufrpe.br

Rafael Gianella Mondadori

Médico Veterinário; CRMV-RS n° 5672; Professor Adjunto I do Departamento de Morfologia da Universidade Federal de Pelotas – RS e Membro da Comissão Nacional de Ensino da Medicina Veterinária do Conselho Federal de Medicina Veterinária. e-mail: rafael.mondadori@ufpel.edu.br

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

Referências Bibliográficas Diretrizes Curriculares Nacionais em Medicina Veterinária. Resolução CNE⁄CES n° 01, de 18 de fevereiro de 2003. Disponível em: portal.mec.gov.br/index.php?...diretrizes-curriculares (acessado em 03 de março de 2009). HALLIWELL, R.E.W. Whither Veterinary Education— Have We Lost Our Direction? Journal Veterinary Medicine Education. v.33, p. 309 - 316. Fall 2006. HALLIWELL, R.E.W. The responsibilities of veterinary educators in responding to emerging needs in veterinary medicine Revue Scientifique Technique. Office International des Épizooties, v. 28, n. 2, p. 487-492, 2009. IBGE (2010) – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. www.ibge.gov.br INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior. Disponível em: www.inep.gov.br⁄superior⁄censosuperior ⁄default.asp (acessado em 04 de maio de 2009). INEP – Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório Síntese - Medicina Veterinária. Disponível em: www.inep.gov.br⁄download⁄ enade⁄2007⁄relatório. (acessado em 04 de maio de 2009). Lei 5.517, de 23 de outubro de 1968. Disponível em: www.cfmv.org.br⁄portal⁄legislação⁄leis⁄lei_5517.pdf (acessado em 04 de maio de 2010). Lei 10.172 Plano Nacional de Educação. Disponível em: www.planalto.gov.br⁄ccivil_03⁄leis⁄l10172.htm (acessado em 03 de março de 2010). Lei n° 10.861, de 14 de abril de 2004. Disponível em: www.inep.gov.br/superior/sinaes (acessado em 03 de março de 2010). OLIVEIRA FILHO, B.D.; Pinheiro, E.J.D.; SILVA, J.C.; RIBEIRO, O.C. Medicina Veterinária. A Trajetória dos Cursos de Graduação na Saúde 1991 – 2004. INEP⁄MEC. Brasília-DF. 2006. OLIVEIRA FILHO, B.D.; SANTOS, F.L.; MONDADORI, R.G. O ensino da Medicina Veterinária: Realidade Atual e Perspectivas. Revista do CFMV, v.46, p. 69-72, 2009. Relatório Sintético VII ao XII Exame Nacional de Certificação Profissional da Medicina Veterinária – Conselho Federal de Medicina Veterinária. Brasília – DF, 2009. Tendência da Educação Superior para o Século XXI – Anais da Conferência Mundial sobre o Ensino Superior. Paris, 5 a 9 de outubro de 1998. United Nations Information Service (2004). – Available at: www.unis.unvienna.org/unis/pressrels/2004/ pop899.html (accessed on 3 March 2009). WALL, P.G. Essential veterinary education in food safety, food hygiene and biosecurity: a global perspective. Revue Scientifique Technique. Office International des Épizooties, v. 28, n. 2, p. 493-501, 2009.

73


publicações

Livraria do Campus Loja – Rodovia Domingos Sartori, 577 Rubião Júnior Botucatu – SP CEP: 18618-000 Fone/FAX: (14) 3815-1991 E-mail: atendimento@livrariadocampus.com.br

74

ReminiscÊncias de um professor

Editora MedVet Ltda Rua Barracão da Castanheira, 59 CEP: 03911-090 – Vila Rica – São Paulo, SP Tel./Fax (11) 2918-9154 E-mail: medvetlivros@uol.com.br Site: medvetlivros.com.br Neurologia em cães e gatos

Flávio Massone

Valentina Lorenzo Fernández e Marco Bernardini

Este livro aborda a vida do Professor Flávio Massone, um dos pioneiros da Anestesiologia Veterinária no Brasil, desde a sua infância, que ocorreu na cidade do Cairo (Egito), sua experiência vivida na Segunda Guerra Mundial e na guerra Israel-Egito até sua chegada ao Brasil aos 11 anos de idade. Também, o autor cita com clareza a saída do Egito e a entrada no Brasil, mesmo não conhecendo a língua e defrontando-se com usos e costumes diferentes. Com o decorrer do tempo, historia a vida docente com fatos hilariantes decorridos com os alunos e colegas contando fatos políticos sem nominações. Traça ainda, paralelo entre o ensino público e privado dentro do ensino universitário, com a experiência obtida durante a sua vida profissional docente. O autor cita como é encerrar uma carreira com dignidade, deixando a sua contribuição para a nobre missão de docente universitário. O Professor Massone é médico Veterinário formado na Faculdade de Medicina Veterinária, na antiga rua Pires da Mota, é mestre em Clinica e Cirurgia na Escola de Veterinária da UFMG e Doutor em Farmacologia na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto.

Trata-se de um livro que destina-se aos médicos veterinários que, no exercício da prática clínica, lidam com pacientes portadores de alterações neurológicas e àqueles com interesse particular pela neurologia. Aos estudantes de veterinária, pode ser um meio de se iniciar nesta matéria. Por seu enfoque prático, o livro segue os passos que habitualmente são tomados no curso diagnóstico de um caso neurológico. Compreende uma primeira parte de abordagem do paciente, que se conclui com a elaboração de diagnósticos diferenciais; uma segunda parte formada pela descrição das enfermidades neurológicas, agrupadas em função de sua natureza; e uma terceira parte que reúne algumas síndromes e doenças que, por suas características ou incidência clinica, merecem ser estudadas a parte. Valentina Lorenzo Fernández é diplomada pelo European College of Veterinary Neurology e Diretora do Centro de Ressonância Magnética Veterinária Madri, Espanha. Marco Bernardini é diplomado pelo European College of Veterinary Neurology e é Professor Titular de Neurologia Veterinária da Faculdade de Veterinária da Universidade de Pádua, Itália.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


Editora Roca Ltda Rua Dr. Cesário Mota Jr., 73 CEP: 01221-020 – São Paulo-SP Tel.: (11) 3331-4478 – Fax: (11) 3331-8653 E-mail: venda@editoraroca.com.br Site: www.editoraroca.com.br Anestesia em cães e gatos Cortopassi, Silvia G., Fantoni, Denise Tabacchi

Nesta segunda edição de Anestesia em Cães e Gatos foi realizada uma ampla revisão e atualização dos capítulos da publicação anterior e a inclusão de importantes temas, indispensáveis para o anestesista veterinário conduzir cada anestesia de forma segura e consciente. Os princípios básicos que norteiam a Anestesiologia são abordados de forma clara e direta, com o intuito de colocar o leitor a par dos embasamentos desta especialidade, bem como de várias outras áreas que o anestesista deve conhecer. Parte-se da premissa de que a anestesia em si envolve não apenas o ato de administrar os fármacos mais próprios a cada indivíduo, mas também de assegurar a manutenção da volemia e da homeostasia do meio interno em todo o período perioperatório, além de prover conforto ao paciente. Também, os aspectos básicos da farmacologia relacionados ao mecanismo de ação, os efeitos nos diferentes sistemas orgânicos, ações adversas e as demais peculiaridades que os fármacos anestésicos e adjuvantes possuem são descritos e caracterizados. Em capítulo específico, são tratados os protocolos rotineiramente empregados no cotidiano da prática.

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

Editora FEPMVZ Fundação de Estudo e Pesquisa em Medicina Veterinária e Zootecnia Escola de Veterinária da UFMG Caixa Postal 567 30123-970 – Belo Horizonte, MG, Brasil Tel.: (31) 3499 2042 / Fax: (31) 3499 2041 História e memória da peste suína africana no Brasil: passos e descompassos Francisco Cecílio Viana

O episódio da Peste Suína Africana constitui-se em um dos acontecimentos de maior repercussão na história da Medicina Veterinária do Brasil por afetar praticamente todos os segmentos da sociedade brasileira que deixou saldo lamentável de esforços perdidos, de desemprego, de prejuízos para criadores e industriais, de perdas não compensadas e de desgaste público. Trazer a tona a memória deste acontecimento é, antes de tudo, um convite à reflexão sobre a forma de fazer política pública em saúde animal no Brasil. Este livro do Médico Veterinário Francisco Viana é o resultado de sua tese de doutorado em Ciência Animal, desenvolvida na Escola de Veterinária da UFMG. A experiência de vida acadêmica de Francisco Viana é fundamento essencial para a viabilidade da interpretação que este texto apresenta ao leitor. O tema peste suína africana já provocou polêmicas no âmbito da veterinária nacional e neste livro o autor enfrenta o assunto nos parâmetros científicos contemporâneos, denotando uma ética norteada pelo compromisso com a evidência dos fatos e as possibilidades de sua interpretação. A despeito do caráter científico, o texto se mostra em bela escrita, em uma narrativa que prende o leitor pelo caráter coloquial e agradável da linguagem. O autor apresenta suas idéias e as suas interpretações das fontes de dados pesquisadas, mas deixa ao leitor a possibilidade de fazer a sua própria interpretação estimulando-o a perceber os possíveis e diferentes caminhos interpretativos que estas fontes permitem. A obra tem um caráter interdisciplinar, permitindo a análise mais verticalizada e aderida aos novos preceitos da investigação científica, e em acordo com o objeto da Epidemiologia.

75


agenda

Agosto

XVII Congresso da Sociedade Paulista de Zoológicos

Local: São Paulo – SP Período: 20 a 24 de agosto de 2010 Mais informações: www.zoologico.sp.gov.br

VI Congresso do Centro-Oeste de Clínicos Veterinários de Pequenos Animais – CONCEVEPA

Local: Brasília-DF Período: 08 a 10 de setembro de 2010. Informações: www. concevepa2010.com.br

II Congresso Brasileiro de Bioética e Bem-Estar Animal Local: Belo Horizonte – MG Período: 04 a 06 de agosto de 2010. Mais informações: www.cfmv.org.br

setembro

V Congresso Norte Nordeste de Reprodução Animal Local: Patos, PB Período: 24 a 27 de agosto de 2010 Mais informações: www.cstr.ufcg.edu.br/ vconera/

Simpósio de Pesquisa em Medicina Veterinária 2010 Local: Viçosa, MG Período: 20 a 24 de setembro Mais informações: www.posvet.ufv.br/ simposio2010

XXXIV Semavet Local: Belém, PA

Período: 31 de agosto a 2 de setembro Mais informações: www.crmvpa.org.br/ simposio-crmvpa2010.php

II Seminário Brasileiro de Residência em Medicina Veterinária Local: São Paulo - SP Período: 16 e 17 de Agosto Mais informações: www.cfmv.org.br

76

XXXVII Semana Capixaba do Médico Veterinário Local: Guarapari, ES Período: 22 a 24 de setembro Mais informações: www.crmves.org.br

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


novembro XIII Congresso e XIX Encontro da ABRAVAS Seminário Nacional de Saúde Pública Veterinária Local: Teresina – PI Período: 23 a 24 de setembro de 2010. Mais Informações: www.cfmv.org.br

Local: Campos de Jordão – SP Período: 18 a 22 de outubro de 2010. Mais informações: www.abravas.com.br

Congresso Internacional de Endocrinologia Veterinária – ENDOVET 2010

Local: Hotel Atlântico Búzios, em Búzios - RJ Período: 18 a 20 de novembro de 2010. Mais Informações: www.endovet2010.com

outubro 100 95 75

25 5 0

Cir e Ane Vet - An

ncio 21 x 28 cm

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010 17:27:37

IX Congresso Brasileiro de Cirurgia e Anestesiologia Veterinária

Local: Búzios – RJ Período: 28 a 31 de outubro de 2010. Mais Informações: www.cbcav2010.com.br

III Congresso Paulista de Medicina Veterinária – CONPAVET Local: São Paulo Período: 06 a 08 de outubro de 2010 Mais informações: www.petsa.com.br

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

Simpósio Internacional em Anestesiologia Veterinária

Local: São Paulo – SP Período: 20 e 21 de novembro de 2010. Maiores Informações: www.apavet.com.br

36º Congresso Mundial da associação Mundial de Veterinárias de Pequenos Animais Local: Jeju – Koreia Período: 14 a 17 de outubro de 2011 Mais informações: www.wsava2011.org/

77


opinião

Reminiscências: Passado, presente e futuro Flavio Massone

Formado pela Faculdade de Medicina Veterinária da USP em 1967 Mestrado em Clinica e Cirurgia pela Escola de Veterinária da UFMG em 1974 Doutorado em Farmacologia pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP em 1981. Professor Livre Docente pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia UNESP Campus de Botucatu em 1983 Professor Titular pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia UNESP Campus de Botucatu em 1991 Titulo de Especialista em Anestesiologia Veterinária pelo Colégio Brasileiro de Cirurgia e Anestesiologia-CFMV em 2005

O grande pensador e filósofo Artur Schopenhauer (1788-1860) escreveu: “Na mocidade predomina a intuição. Na velhice o pensamento. Aquele é o tempo da poesia. Este é o da filosofia. ”Acho que ele estava parcialmente certo. Se analisarmos esta frase a fundo chegaremos ao consenso que o ponto de equilíbrio não estaria nem na mocidade e nem na velhice, mas sim na maturidade obedecendo então à frase maravilhosa do Chico Xavier que diz “Ninguém volta atrás para fazer um novo começo, mas podemos voltar atrás para fazer um novo fim” Realmente as reminiscências têm uma finalidade histórica qual seja de trazer à tona o passado para que sirva para melhorar o futuro. Um jovem profissional talvez desconheça como tudo ao seu redor tenha se formado e quanto sacrifício isto custou para se conseguir tudo aquilo que hoje ele tem, com facilidade, para desenvolver o seu futuro. Mas vamos por partes para que possamos acompanhar o raciocínio lógico desta evolução, pois felizmente participamos destas três etapas. Antigamente havia a figura do catedrático e existia o termo “magister dixit”, ou seja, o professor disse, e ninguém ousava contrariá-lo, pois era a suma palavra do professor. Havia uma redoma em volta dele e o aluno não conseguia o dialogo frontal, pois tinha

78

como intermediários os seus assistentes o que, sem dúvida, dificultava tanto o ensino como o diálogo, apesar de que as aulas se revestiam de extrema informação, brilho, cultura e conhecimento do assunto: eram as aulas magistrais. O tempo passou, e nas três últimas décadas do século passado começaram a surgir os primeiros cursos de pós-graduação (nível de mestrado) iniciando na década de 70 com pioneirismo dado à Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a partir daí surgiram novos cursos nas demais escolas tanto no nível de mestrado como de doutorado. A este período deve-se a formação de uma mentalidade nova de ensino e pesquisa gerando safra de docentes de origens diferentes e de maneiras novas de ensino, gerando assim novas atividades formadoras que foram auto-reverberantes. Esse crescimento inicialmente gerou cursos com áreas restritas o que vale dizer que abrangiam as grandes áreas da Medicina Veterinária: Clinica, Cirurgia, Reprodução Animal e Saúde Pública. Com o decorrer do tempo e com a avidez do mercado, estas áreas foram se subdividindo gerando sub-áreas reconhecidas e aprovadas pelos órgãos superiores de ensino. Certamente isto foi satisfazendo as necessidades e consequentemente preenchendo as lacunas necessárias, pois simultaneamente surgia um fato Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


novo no nosso país, qual seja, o início das faculdades, além do ensino público (em menor número) as de medicina veterinária de iniciativa privada, (estas sim em maior número). Pergunta-se: Será que os cursos de pós-graduação foram capazes de formar docentes suficientes para preencher todas as vagas de reposição ou não das escolas públicas, ou ainda as novas vagas das escolas privadas? Agora vem outra pergunta mais objetiva: Será que todo docente contratado estava na sua área de aderência? Vamos esclarecer. Com o surgimento rápido e precoce de muitas Faculdades de Medicina Veterinária, muitas vezes as contratações eram feitas até de maneira sumária ou contratando docentes com cursos de especialização (pós-graduação latu-sensu) ou com áreas de aderência não da sua especialidade ou ainda até por profissionais competentes com prática clínico-cirúrgica, ou de outras áreas, até que se estabelecessem normas para contratações nas universidades de âmbito particular. Nas escolas públicas durante todas estas décadas de ensino o que se tem observado é que elas contemplavam e contemplam os seus docentes com o tempo integral e com a especificidade dentro das suas áreas, (áreas de aderência) o que, sem dúvida, os beneficia nos campos da docência, pesquisa e extensão, além do que permite que sigam a carreira universitária na sua verticalização, gerando a hierarquia universitária. Por outro lado, o número de docentes por disciplina é maior e o número de alunos por turma é menor permitindo assim uma boa qualidade de ensino,

pois a relação docente/aluno é baixa. Esta situação torna-se mais salutar ainda facilitando a captação de recursos gerando situações auto-reverberantes servindo de estímulo na geração formadora de base de novos pesquisadores ainda na condição acadêmica. Há de se notar que, neste período, surgiram novos fatores como as saídas de docentes para o exterior buscando novos conhecimentos tanto de tecnologias como de metodologias de ensino. Acresça-se a isso os cursos ministrados de técnicas de ensino buscando a retro-alimentação, o que antigamente era considerado proibitivo. Isto, sem dúvida gerou uma aproximação maior do corpo docente/discente situação esta, que não existia no tempo do professor catedrático. O problema persistente, entretanto, reside no trinômio corpo docente/espaço físico/equipamento. Este equilíbrio deve ser respeitado de maneira harmônica de maneira programada, lenta e progressiva, pois a partir do momento que ele entrar em desequilíbrio, ocorre fatalmente a estagnação. Toda Instituição de Medicina Veterinária de crescimento rápido e com relação docente/aluno alta (voltada, por exemplo, apenas para o ensino) com busca célere do corpo docente se torna mais inviável e restrita. Nota-se que o mercado não está apto e preparado para um número suficiente de docentes com lastro acadêmico para ministrar disciplinas específicas o que gera descontentamentos do alunado e ao mesmo tempo uma alta rotatividade de docentes nas unidades universitárias na iniciativa privada. Muitas faculdades que se viam em dificuldades financeiras Arquivo CFMV

preciso de uma foto

Atividade de anestesia em cão

Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010

79


opinião começaram então a dispensar inicialmente os docentes mais titulados, ou seja, os que tinham o titulo de doutor, o que de certa forma interferia na captação de recursos restringindo o campo das pesquisas. Por outro lado, pouquíssimas escolas mantinham o seu corpo docente em tempo integral, pois isto onerava o orçamento. Estas situações conflitantes resultavam em reduções de cargas horárias docentes, empregando ainda como sistema tampão docentes com mestrado completo ou em andamento ou até docentes de áreas diferentes (áreas de aderência diferentes) ou até profissionais recém formados em cursos de especialização (pós-graduação latu-sensu) para poder suprir o ensino. Se isto fosse analisado em termos de qualidade de ensino, dir-se-ia que além de afetar a relação ensino/aprendizado haveria as seguintes considerações. · Um docente na sua plenitude leva anos para ter um lastro de ensino; · Hodiernamente não se adotam mais os docentes da antiga “Escola Socrática” com conhecimento pleno de todos os assuntos; · Hoje contratações devem ser feitas com docentes das especialidades disciplinares; · Docente deve ser contratado por concurso ou entrevista; · Toda nova contratação gera um novo emprego profissional, o que é salutar; De maneira geral, pode se dizer que isto faz parte de um contexto de maturação, pois são escolas novas que buscam o seu lugar ao sol, tentando concorrência,disputando,às vezes, na mídia, com propaganda em horários nobres. O porvir destas Unidades Universitárias deve estar voltado em gerar, no futuro, profissionais com especialidades de qualidade, para suprir o mercado interno extremamente competitivo, para tanto, devem gradativamente balancear a relação docente/aluno, contratar professores com capacitação e especificidade da área, evitar a contratação de profissionais recém formados e procurar na medida do possível efetuar contratações por concursos ou entrevistas, evitando assim a endogenia intelectual, fator este altamente degenerativo. Existem ainda pequenas distorções onde profissionais ministram aulas de vários assuntos, o que se torna prático para a Instituição, onde um docente cobre duas ou mais disciplinas, tornando prejudicial o ensino profissional, pois no mundo de hoje a tecnologia se tornou tão evoluída que já se fala em especialidade há mais de duas décadas, levando-se ainda em

80

consideração um mercado ávido por bons profissionais em áreas sociais que requerem especialidades. Ficamos felizes após tantos anos de luta, em ver dentro da nossa especialidade, a Anestesiologia Veterinária, cursos de especialização ou de Mestrado, Doutorado, Professor Titular e, recentemente, até título de especialista examinado pelo Colégio Brasileiro de Cirurgia e Anestesiologia e outorgado pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária e até profissionais que exercem a função de anestesistas em hospitais veterinários. Por outro lado o que nos entristece é que existem muitas escolas (públicas e privadas) que não contratam profissionais específicos nesta área para ministrarem aulas pertinentes ao assunto. O que nos resta a afirmar é que cada Instituição tem que investir na sua qualidade de ensino, pois apenas tradição e propaganda já é coisa superada. Diante desta retrospectiva resta unir o trabalho começado há muitos anos e desenvolvido agora por entidades que se esforçaram em ministrar os seus cursos de pós-graduação que começaram nas grandes áreas e terminaram nas subáreas de especialidade. Ressalte-se ainda, a criação dos Colégios, cada um com a sua especificidade e os conselhos regionais de Medicina Veterinária subordinados ao Conselho Federal de Medicina Veterinária. Em pleno século XXI, os Colégios já estão, por força de lei, formando os especialistas, e cada um com a sua missão, preparando profissionais para o mercado cada vez mais vez mais competitivo. É chegada a hora de cada um cumprir o seu papel. A partir do momento que as Instituições de Ensino contratarem docentes em número adequado e nas disciplinas afins (o que vale dizer as pessoas certas nos lugares certos), veremos que os resultados serão, a curto e médio prazo, positivos e eficientes e resultarão na formação de profissionais com garantia de emprego. A tendência do pluralismo em Medicina Veterinária com o decorrer do tempo está cada vez mais tênue surgindo atualmente a procura da especialização, titulo este já regulamentado e cada vez mais almejado pelos nossos profissionais. Ele é examinado através dos respectivos Colégios, e os resultados enviados aos Conselhos Regionais de Medicina Veterinária para serem outorgados e referendados pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária abrindo assim uma nova perspectiva no país de profissionais de gabarito que aos poucos e de maneira segura vão assegurando e um exercício profissional cada vez mais seleto honrando cada vez mais a nobre profissão do Médico Veterinário. Revista CFMV - Brasília/DF - Ano XVI - nº 50 - 2010


Símbolo com identificação visual da Zootecnia é publicado no Diário Oficial Em 31 de março de 2010, foi publicado no Diário Oficial da União, a Resolução CFMV no. 934, de 10 de dezembro de 2009 que, além de criar o Símbolo da Zootecnia com todas as sua referências, permite a padronização e unificação da imagem que representa a profissão no Brasil, fortalecendo e criando uma identificação visual e, passa a ser um patrimônio da classe. Dentre os ícones que formam o Símbolo, o aro externo e interno, círculos perfeitos, na cor preta indicam processo de continuidade da vida e a integração entre todos os seres vivos e o meio ambiente. As engrenagens, na cor preta, na parte inferior, contêm obrigatoriamente 13 dentes, número que faz alusão ao dia 13 de maio, dia do Zootecnista; além disso, remetem a interface desta área com as demais ciências

agrárias e em especial faz inferência aos aspectos da engenharia da produção animal inerentes à própria Zootecnia. Na parte superior, entre os aros, está a expressão “Zootecnia”, grafada em preto, a qual indica objetivamente a ciência e a profissão que este simboliza. No centro, em último plano, a letra “Z”, na cor vermelha, também representa sinteticamente a profissão. Ainda, ao centro, em segundo plano, o trevo de três folhas em verde mostra a relação da Zootecnia com a produção vegetal destinada à produção animal. O perfil bovino estilizado, em primeiro plano, também remete à produção animal. Juntos, os três símbolos centrais, conformam a idéia geral da cadeia agroindustrial.


Diretoria Executiva

Dr. Paulo Ricardo Magnata da Fonte Dr. Valderedes Martins da Silva CRMV-PE Nº 0032/Z CRMV-PE Nº 0392

Presidente: Dr. Gerson Harrop Filho CRMV-PE Nº 0678

Vice-Presidente: Dra. Maria José de Sena CONSELHEIROS SUPLENTES

CRMV-PE Nº 1771

Secretário-Geral: Dr. Robério Silveira de Siqueira CRMV-PE Nº 1341

Dr. Gilson Santos Buonora

Tesoureiro: Dr. Franscisco Fernando Ramos de Carvalho

CRMV-PE Nº 1837

CRMV-PE Nº 0297/Z

Dr. Geraldo Vieira de Andrade Filho

Dr. João Alves do Nascimento Júnior CRMV-PE Nº 1571 Dr. José Alberto Simplício de Alcântara CRMV-PE Nº 1032 Dr. Josimário Gomes Florêncio CRMV-PE Nº 1619 Dr. Nivaldo de Azevedo Costa

CRMV-PE Nº 2208

CRMV-PE Nº 1051

Dr. Ilvio Mendes Vidal

Dr. Otávio Pedro Neto

CRMV-PE Nº 2759

CRMV-PE Nº 1837

Dr. Marcelo Weinstein Teixeira CRMV-PE Nº 1874

MANDATO: 09-09-2008 a 08-09-2011

CONSELHEIROS EFETIVOS Dra. Erivânia Camelo de Almeida CRMV-PE Nº 1473

CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA VETERINÁRIA DO ESTADO DE PERNAMBUCO CRMV/PE Endereço: Rua Conselheiro Teodoro, 460 - Zumbi Recife/PE - CEP: 50711-030 Telefone: (81) 3797.2517 - Fax: (81) 3797.2514 - E-mail: crmvpe@elogica.com.br


Galeria de Imagens Médicos Veterinários, Zootecnistas e Alunos de graduação A revista do CFMV está criando um acervo fotográfico e para isso conta com a sua colaboração. As imagens serão utilizadas em reportagens e peças institucionais de divulgação do CFMV e terão que conter motivos relacionados à Medicina Veterinária e à Zootecnia, como rebanhos, casos clínicos, animais e até situações inusitadas. O crédito do autor da foto sempre virá na publicação. As fotos deverão estar com excelente nitidez, sem saturação, sem estouro de luz ou sombra; também não poderão conter qualquer tipo de montagem. A resolução deve ser de no mínimo 300dpi, medida de 15 cm de altura, em JPG (sem muita compactação) e as cores em cmyk. Não há limites de fotos por autor. As imagens deverão ser enviadas identificadas para: artigos@cfmv.org.br


Sede do CFMV: Sia - Trecho 6 - Lote 130 e 140 - Brasília - DF - CEP 71205-060 Fone: (61)2106-0400 - Fax: 2106-0444 E-mail: cfmv@cfmv.org.br - www.cfmv.org.br

CFMV 50  

Revista do Conselho Federal de Medicina Veterinária - CFMV 50

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you