Page 1

#em#fOrm@ç@O# Revista do Centro de Formação de Associação de Escolas de Amarante e Baião


N.º 6 –junho de 2018 Diretora: Ercília Costa

Adriano Basto Edgar Lamas Maria Margarida Assis Hermínia Santos Maria João Carvalho Maria Odete Souto Virgínia Oliveira

#em#fOrm@ç@O#

Comissão Científica

Os artigos/textos publicados na revista são da inteira responsabilidade dos seus autores 2


Neste número: Editorial

Projetos em escolas e outros espaços de aprendizagem – Arminda Lemos Inovar com PET: pedagogia-espaço-tecnologia - um projeto Erasmus + que é um caminho, não um estado a que se quer chegar – Ana Maria Baptista

Projeto eTwinning “ Words have impact” – Ana Maria Baptista

Estratégia também passa pela internacionalização – Nuno Rui Mota

Erasmus+: abertura à mudança – Laura Mª Pinheiro

3


Projetos: Uma janela de oportunidades

O professor tem que estar aberto a novos desafios e mudar sem medo de estar errado.

Ercília Costa Os projetos são uma grande oportunidade

Terminamos o ano letivo com uma reforma

para o desenvolvimento de demónios da educação e formação. Estimulam formas de

em curso, de grande importância para a

aprendizagem, de conhecimento, de trabalho

Educação.

colaborativo

Neste ano, as escolas tiveram oportunidade

estudantes/professores.

de, em regime de experiência pedagógica,

Muitos são os programas nacionais e

implementar o projeto de autonomia e

internacionais que nos permitem desenvolver

flexibilidade curricular dos ensinos básico e

projetos,

secundário. Ó projeto é generalizado no

novas culturas e promovendo o trabalho em

próximo ano letivo, esperando-se, ainda,

parceria.

mudanças no que concerne a escola inclusiva.

Neste número, partilhamos alguns dos

Se é verdade que a mudança não se decreta,

projetos

esta é uma oportunidade para darmos resposta

desenvolveram ou estão a desenvolver.

aos nossos problemas, criando uma dinâmica

Aproveito este espaço para uma palavra de

de escola que melhor o desempenho dos

reconhecimento

nossos alunos. Os alunos assumem-se como

Antero

motores do trabalho em sala de aula.

recentemente.

e

o

envolvimento

conhecendo

que

Pereira,

novas

as

ao

realidades,

nossas

nosso que

nos

dos

escolas

colaborador, deixou

4


Projetos em escolas e outros espaços de aprendizagem

1.

Introdução

“ Um projeto é um plano de trabalho com carácter de proposta que consubstancia os elementos necessários para conseguir alcançar os objetivos desejáveis. Tem como missão prever, orientar e preparar bem o caminho que se

vai

fazer,

para

o

seu

posterior

desenvolvimento”. (Serrano, 2008:16) Arminda Lemos (Agrupamento de Escolas de Eiriz- Ancede

Este projeto foi escolhido com o objetivo de motivar os alunos para a leitura, tendo em vista

o

desenvolvimento

das

literacias

digitais. Temos vindo a constatar que no âmbito da educação tem sido concedida uma importância

excessiva

aos

conteúdos

académicos e à leitura obrigatória de certas obras literárias. Devemos considerar a leitura na sua vertente lúdica, privilegiando a leitura expressiva e não a leitura de cariz obrigatório. Já Baudelot

e

a sua

equipa também

constataram, em França, que a escola contribui para desmotivar a leitura expressiva associada ao prazer. A leitura obrigatória imposta no quadro escolar é um freio, um obstáculo. “ A escola mata a leitura” (Baudelot, 1999:84-85). 5


Teixeira Lopes na obra “Escola Territórios e

A biblioteca é vista como um autêntico

políticas culturais” considera que os alunos

paraíso para os leitores.

sentem-se reprimidos nas aulas, não gostam das aulas e isso por vezes leva à indisciplina. Os

“A biblioteca Escolar existe numa tentativa

alunos sentem desencanto, a escola coloca-se

de aproximar o aluno do livro e o livro do

como obstáculo à criatividade e à inovação. É

aluno,

necessário inverter esta situação. Salienta a

dialética e complementaridade do livro

importância do desenvolvimento de projetos

como fonte do conhecimento e do prazer.”

culturais em que os jovens deixem de ser meros

(Gama, 2001:118).

numa

relação

de

permanente

espectadores e sejam colocados na esfera de criação cultural. O sociólogo francês Pierre

2. Ideia Central

Bourdieu referiu a propósito da leitura, que não

Sensibilização dos alunos no sentido da

bastava questionar os indivíduos sobre o que

aquisição de hábitos de leitura. Cabe ao

leem, mas antes sobre as maneiras de ler. E ao

professor o papel fundamental de facilitar o

falar das maneiras de ler, associa-lhes a ideia de

acesso ao livro e incutir a ideia de que a

dever e de prazer, lê-se por divertimento e

leitura diverte, informa, dá largas à

fruição, e também pela obrigação de acumular

imaginação e ajuda a aprimorar a escrita e

um certo capital cultural. (Bourdieu, 2003) Ou

a

seja Bourdieu já advogava a distinção entre

complementam-se.

leitura expressiva e leitura instrumentalizada,

“ Ajudar uma criança a converter-se em

assim como também Eduardo Freitas (1997).

leitor é ajudá-lo a encontrar um caminho na

Indo de encontro a estas ideias verifica-se que é

selva dos livros” (Kerguenoi,1995)

oralidade,

pois

estas

competências

imprescindível desenvolver projetos que levem a uma participação ativa das crianças e dos

3. Caracterização

jovens na vida escolar. Parafraseando Henri

Hoje em dia constata-se que no âmbito

Miller (1987) ” Sentar-se e desfrutar a leitura de

da educação temos que dar especial ênfase

uma obra é como ocupar um lugar no paraíso”.

ao carácter lúdico da aprendizagem.

6


Daí a importância de projetos para que os

somente para dar resposta às necessidades

conteúdos assumam uma dimensão lúdica e

curriculares e não desenvolve competências

se ajustem às necessidades das nossas

no âmbito da leitura na sua dimensão

crianças e jovens. Por vezes os alunos

lúdica e recreativa.

sentem-se desmotivados e abandonam a escola. A falta de hábitos de leitura e a

• Necessidade de utilização dos recursos

consequente iliteracia conduzem ao insucesso

digitais, situação transversal ao currículo

escolar. Pretende-se desta forma motivar os

por parte dos discentes/docentes.

alunos para a leitura e a escrita respondendo assim a uma necessidade evidenciada pela

Ponto de partida

escola, onde os alunos revelam inúmeras

Partindo do princípio que o sucesso

dificuldades na compreensão do que leem,

educativo e os resultados escolares dos

não sabendo interpretar textos, apresentando

alunos dependem, em grande parte, da

um vocabulário reduzido e muito pobre.

competência leitora, pretende-se, com este

Sendo

projeto, desenvolver as literacias da leitura,

assim

é

necessário

implementar

projetos que estimulem as práticas de leitura.

da informação e dos média através da utilização de equipamentos e recursos digitais. Para atingir este propósito partir-

Projeto Livros e Leitur@s- biblioteca digital

se-á de Oficinas de Leitura e de Escrita, mas unicamente digitais. Será criada uma

Diagnóstico

plataforma digital para as bibliotecas do agrupamento que será enriquecida com

Os problemas identificados que levaram à

recursos didáticos e trabalhos dos alunos

apresentação deste projeto são os seguintes:

produzidos na Oficina da Escrita Digital.

• Diminuição dos hábitos de leitura por parte

A

dos alunos, à medida que vão prosseguindo

rentabilizada pela utilização de tablets para

utilização

destes

recursos

será

os seus estudos. A maioria dos alunos lê

7


leitura de obras ligadas ao currículo e

docente de TIC e dois docentes de Apoio ao

outras de apoio, em contexto de sala de

Estudo. Uma Turma do 3º ciclo, 2 professoras

aula, na Biblioteca Escolar. Será ainda

de Português, uma professora de TIC, uma

ministrada formação a alunos, formação

docente de EMRC, um docente de História e

do utilizador, com o objetivo de criar

outro de Geografia.

cidadãos autónomos, com espírito crítico e

O projeto promove o desenvolvimento das

com competências digitais e também

literacias digitais, formando pequenos grupos

formação para alunos e professores em

de trabalho para acesso ao catálogo online,

algumas ferramentas digitais, disponíveis

pesquisa de informação e desenvolvimento de

e grátis na Internet.

atividades didáticas, tendo sempre em conta a articulação da Biblioteca com o currículo.

Apresentação

Continuando a desenvolver atividade" vamos

Este projeto pretende dotar a biblioteca de equipamento

informático

e

fundo

documental em suporte digital de acordo com as metas da educação literária de forma

a

criar

espaços

de

trabalho

diferenciados, tendo em vista a pesquisa de informação e o desenvolvimento das literacias

digitais,

possibilitando

a

formação de leitores críticos e autónomos.

Os dinamizadores serão os membros da Equipa da BE e os docentes de português e/ou professores titulares das diferentes áreas curriculares das turmas de alunos envolvidos. Duas turmas do 2º ciclo, 2 docentes de

aprender a pesquisar" e a partilha de leituras online no blogue e na página da escola. Darse-á

continuidade

à

implementação

do

referencial "Aprender com a Biblioteca". Serão

ainda

agendados

momentos

de

monitorização do projeto a fim de se dar feedback aos alunos do seu processo de aprendizagem.

Pretende-se

com

isto

enriquecer o fundo criar uma plataforma digital para as Bibliotecas Escolares do Agrupamento, usar e rentabilizar os meios digitais por parte de alunos para que estes desenvolvam

as

suas

competências

de

literacia e que as mesmas se reflitam nos seus resultados académicos.

Português, um docente de EMRC e um

8


2. Outros projetos

liberdade e privacidade? Isto são questões

2.1 Projeto Filosofia para Crianças - Livres Pensadores

que se podem colocar. Por isso considero pertinente ensinar a crianças desde a mais

Os alunos hoje em dia precisam de algo novo que os motive para aprendizagem. Vivemos numa era global onde o conhecimento está em permanente

mudança.

Ora

é

necessário

caminhar no sentido de encontrar respostas aos

As novas tecnologias vieram revolucionar os paradigmas da informação, assim como a forma de aceder ao conhecimento. Todos sabemos que ciência

avança

com

novas

teorias

e

paradigmas que são instituídos com as novas

Segundo Silva (2002:39) e Calixto (1996:83) a

sociedade atual é marcada pela mudança em todos os domínios e o acesso à informação é relevante. Considera Campos (1991:81), um fator importante a ser levado em conta, o reconhecimento de que “Nos últimos anos temassistido

ao

aparecimento

de

novas

tecnologias para armazenagem de informação,

nomeadamente através de diferentes suportes “. A

sociedade

atual

é

assinalada

pela

efemeridade do saber e da informação. Até que ponto

estas

salienta-se a importância do projeto Livres Pensadores no âmbito da Filosofia para crianças.

tecnologias

podem

alunos a um questionar do mundo que os rodeia, estimulando o seu raciocínio e a sua capacidade

de

abstração,

tornando-os

futuros cidadãos ativos e com espírito crítico. Fazer perguntas nem sempre é tarefa fácil.

tecnologias, estamos perante uma nova era.

se

questionar a realidade. Nesse sentido,

O projeto Filosofia para crianças leva os

novos desafios da educação.

a

tenra idade a refletirem e a poderem

ser

Desde crianças começamos a observar a

realidade e a colocar questões. Esta curiosidade

intelectual

desenvolvimento projeto

as

cognitivo.

crianças

ao

Com

este

debater

os

da

realidade

e

atuais.

Partindo

de

problemas

partindo

analisando

temas

vão

conduz

histórias simples podemos colocar questões

pertinentes. O projeto Livres Pensadores é interessante pois as crianças ouvem ler uma história e a partir dai, podem colocar questões

contraproducentes? Até onde irá a nossa

9


expressando o seus ponto de vista. Podem concordar ou discordar dar exemplos e contra exemplos.

Temos contatado que é preocupante o cenário relativo aos resultados ao nível da

O adulto é um facilitador desta comunidade

Matemática.

filosófica, pois dinamiza a conversa e o diálogo

eventualmente aprender ao seu próprio

tendo

ritmo. O professor vai orientar estas

como

preocupação

primordial

a

Cada

aluno

poderá

abordagem das questões filosóficas.

aprendizagens,

Tomando como exemplo o tema da felicidade.

dificuldades e vendo qual a melhor forma

Poder-se-á colocar a questão, como sabemos se

de intervir. O professor pode sugerir tarefas

sermos felizes? E ainda se será fácil ou difícil

a cada aluno de acordo com as suas

viver e se precisamos dos nossos amigos para

dificuldades.

viver. Podemos ainda abordar o conceito de

Este

beleza partindo da ideia o que consideras como

autonomia dos alunos, aposta na inovação

belo. E ainda falar da visão dicotómica ente

tecnológica permitindo o desenvolvimento

bem e mal, tentando questionar se maldade é

do processo de ensino aprendizagem. Desta

inata ou é algo que se aprende.

forma a as tecnologias são inseridas no

Este projeto visa o desenvolvimento integral

quotidiano

da criança tendo em vista o desenvolvimento

construção de redes de aprendizagem,

da cidadania e do espírito crítico.

sendo

projeto

o

identificando

permite

escolar,

professor

as

desenvolver

a

possibilitando

o

gestor

a

dos

conhecimentos. Sendo, sobretudo, uma ferramenta pensada

2.2 Projeto Khan academy Este projeto aposta no uso da tecnologia para

para ser utilizada por crianças, a Khan

transformar o sistema educativo atual. A rede

Academy é uma forma didática e diferente

de

de aprender os conteúdos escolares e de

Bibliotecas

Escolares

é

também

impulsionadora destas atividades.

preparar os testes: uma plataforma online

A plataforma é composta por filmes, vídeos e

de cursos, aulas e exercícios grátis, para

relatórios de professores. Este projeto tem

todas as faixas etárias.

como objetivo melhorar a aprendizagem dos alunos no âmbito da Matemática.

10


A missão da Khan Academy é a de oferecer

através dos sites da Fundação PT e Khan

uma educação de qualidade a qualquer

Academy, bem como através do SAPO

pessoa, em qualquer lugar e de forma

Vídeos, MEO Kids, Rede de Bibliotecas

gratuita, através de uma plataforma acessível

Escolares e Youtube. A plataforma já está

24 horas por dia e 365 dias por ano –

disponível em 24 línguas para mais de 190

disponibiliza vídeos, exercícios interativos.

de países da Europa, Ásia, África e América.

Basta ter acesso à internet e entrar na

Este projeto assume importante relevância

biblioteca online de vídeos com exemplos e

pois como já vimos é internacional.

soluções sobre as mais diversas temáticas de Matemática, Física, Química e Biologia, que

Conclusão

podem ser vistos e revistos as vezes

Cada vez mais há necessidade de trabalhar

necessárias à apreensão dos conhecimentos.

em parceria e implementar projetos tendo

A plataforma inclui ainda uma área para

em

professores e para pais, envolvendo assim a

cognitivo dos alunos e uma aprendizagem

família na promoção das aprendizagens e no

inovadora. O trabalho colaborativo tornou-se

desenvolvimento de competências digitais,

imprescindível

através de metodologias que estimulem uma

A educação tem de dar especial atenção ao

melhor aprendizagem dos alunos. E foi nesse

carácter lúdico da aprendizagem. Daí a

âmbito que, a Fundação PT estendeu a

importância dos projetos para que os

utilização da Khan Academy à sala de aulas.

conteúdos

Sabendo à partida que, aspetos relacionados

carácter lúdico e se ajustem às necessidades

com maior motivação e melhores resultados

das nossas crianças e jovens. Cada vez mais

na Matemática são os principais objetivos

os alunos têm que participar de forma ativa

deste projeto.

nos projetos da escola e deixarem de ser

Os conteúdos estão acessíveis numa lógica

meros espectadores. Sendo assim, aprendem

de multiplataforma através do computador,

descobrindo, pesquisando.

vista um

melhor

programáticos

desenvolvimento

assumam

um

telemóvel e tablet e visíveis gratuitamente

11


Desta forma desenvolvem hábitos de leitura. Os projetos tem como finalidade estimular criatividade e a participação dos alunos nos processos de Ensino/ aprendizagem, tendo em vista

o

despertar

para

a

descoberta,

desenvolvendo as potencialidades de cada um. Neste sentido, crianças e jovens adquirem competências, passam a ser agentes ou atores sociais e não meros espectadores.

Referências Bibliográficas BAUDELOT, Christian (1999). Pourtant ils lisent pp 84-85 Paris Editions du Seuil BOURDIEU, Pierre (2003). Noções de Sociologia. Fim de Século Edições Lisboa CALIXTO, José António (1996). A Biblioteca Escolar e a Sociedade da Informação. Lisboa: Caminho. p. 147-150. Silva, Lino Moreira (2002) Bibliotecas Escolares e Construção do Sucesso Educativo. Braga: Universidade do Minho. FREITAS, Eduardo et al. (1997). Hábitos de Leitura – Um Inquérito à População Portuguesa, Lisboa, D. Quixote. GAMA, Manuela (2001).“A Biblioteca Escolar – Casa da Magia” Brotéria Lisboa, volume 153, pp715-721 MILLER, Henri (1997). Os livros na minha vida, Buenos Aires, Editora Século XX Quivy, Raymond & Campenhoudt, Luc (2008). Manual de investigação em Ciências Sociais, Gradiva KERGUENO, Jacqueline (1995). Ajudar as crianças a converter-se em leitores. SERRANO, Glória Perez (2008).Elaboração de Projectos Sociais Casos Práticos, Porto Editora SILVA Lino Moreira (2002) Bibliotecas Escolares e Construção do Sucesso Educativo. Braga: Universidade do Minho. Recursos eletrónicos http://www.educacaoviva.pt/projetos-em-escolas.html https://pumpkin.pt/escolas/noticias-escolas/passatempos-escolas/um-ano-khan-academy-nas-escolas/ 12


Inovar com PET: pedagogiaespaço-tecnologia - um projeto Erasmus + que é um caminho, não um estado a que se quer chegar

A necessidade de um caminho… Em janeiro de 2017, quando me lancei na escrita das linhas gerais de uma candidatura a apresentar ao KA1, não foi difícil encontrar a razão de ser do projeto: o avanço tecnológico

não é uma escolha, é um facto e isso obriga a Ana Maria Baptista (Coordenadora do Projeto Agrupamento de Escolas de Amarante)

que seja também repensada a forma como hoje se ensina e se aprende na escola. Os professores sentem que entrar em sintonia com a era digital se tornou uma questão de sobrevivência o que trouxe novas exigências à profissão docente. O modelo educacional com

salas de aulas padronizadas em que o professor é reconhecido como o detentor da informação e responsável pela transmissão dos conteúdos já não tem relevância para o mundo real. 13


Torna-se, pois, necessário repensar os

Competências fundamentais para o século

espaços

acomodar

XXI, tais como a criatividade, a inovação,

atividades diferentes e cumprir finalidades

o pensamento crítico, a resolução de

de

adotar

problemas, a tomada de decisão, a

abordagens pedagógicas inovadoras, para

comunicação, o trabalho colaborativo, a

além de ter de se garantir salas equipadas

iniciativa e autonomia.

educativos

aprendizagem

para

distintas,

com tecnologia, criando oportunidades para uma aprendizagem mais eficaz, motivadora e personalizada.

Mobilidades…eixos de um caminho O projeto apresenta três eixos para os

Objetivos… para fazer o caminho

quais foram selecionados nove professores do Agrupamento que frequentaram cursos

Ao candidatar-se ao Erasmus+ e, em

estruturados em Itália e na Grécia:

p a r t i c u l a r, a e s t a A ç ã o - c h a v e , o Agrupamento de Amarante pretendia proporcionar oportunidades para que os profissionais que nele trabalham melhorassem as suas competências digitais;

integrassem as TIC no processo de ensino e aprendizagem; criassem ambientes de ensino e aprendizagem inovadores onde fosse considerada a articulação entre pedagogia, espaço e tecnologia;

-a Diretora do Centro de Formação de Associação de Escolas de Amarante e Baião (CFAEAB) e três professores do 1.º, 2.º e 3.º ciclos frequentaram o curso

“ICT for Educators – empower your skills” em Atenas, tendo em vista o desenvolvimento

das

competências

digitais e pedagógicas dos professores com o recurso às TIC;

implementassem projetos pedagógicos com base na metodologia Project Based

Learning e desenvolvessem nos alunos

14


-

três

professores

representantes

do

Departamento de Línguas, de Matemática e Ciências e de Ciências Sociais e Humanas frequentaram o Curso “There’s an App for That! Exploring the Best Apps for Teaching and Student Learning”, em Florença tendo em

vista

a

integração

de

aplicativos

educacionais nas práticas de ensino;

verificou-se nas dinâmicas de intervenção ao nível das práticas pedagógicas e

- a Diretora do Agrupamento e duas

organizacionais da escola, com particular

professoras do 2.º ciclo a lecionar disciplinas

incidência nos modos de fazer aprender os

de áreas curriculares distintas frequentaram o

alunos e de comprometer todos os atores

“Project

in the

educativos. A criação de um ambiente

Classroom: Setup, Integration and Reflection”

educativo inovador já criado, mas a

em Florença, tendo em vista a implementação

aguardar

de novas metodologias.

tecnologia, vai permitir maximizar uma

curso

Based

Learning

a

colocação

de

alguma

cultura de aprendizagem, colocando todo

A mudança tem de ocorrer…mesmo quando se está no início do caminho

o modelo organizacional e os recursos disponíveis

ao

serviço

de

melhores

aprendizagens por parte de cada um e de O projeto que iniciou a 1 de julho de 2017

todos os alunos.​

termina no final deste mês de junho. Ao longo do ano, os professores integraram as experiências e competências adquiridas durante as mobilidades e continuaram a investir na sua formação. A mudança

15


Com estes testemunhos o caminho faz-se muito melhor

“A deslocação a Atenas, no âmbito da

“Esta foi uma experiência única

candidatura Erasmus+, foi muito

que recomendo a todos quantos

enriquecedora, quer do ponto de vista

acreditam que ensinar é de facto

cultural

um ato de entrega e por isso de

quer

da

aprendizagem

realizada na formação.” (Ercília

amor.

Os

nossos

alunos

Costa, Diretora CFAEAB)

merecem....” (Elisabete Silva, prof. 2.º ciclo)

“Estive

tão

(fisicamente)

longe mas

de

casa

sentindo-me

“O programa Erasmus é uma

sempre próximo - é bom fazer parte

experiência única, enriquecedora e

duma Comunidade Europeia com

inexplicável, a qual precisamos

tanta

viver para compreender.” (Ana

diversidade

e

com

tantas

Identidades” (João Paulo Baptista,

Osório, prof. 3.º ciclo)

prof. 3.º ciclo) “Foi francamente uma experiência muito rica. A empatia entre todos os colegas e o formador. O grau de empenho de todos.“ ( Rui Fernandes, prof. 1.º ciclo)

“…a experiência foi igualmente importante para o estreitamento de laços de amizade entre colegas e muito gratificante do ponto de vista cultural. Eu já partia para uma nova formação... ”( Anabela Magalhães, prof. 3.º ciclo)

16


“A deslocação a Florença no

cenários

âmbito do Programa Erasmus +

aprendizagem e tornaram-se capazes de

foi uma experiência riquíssima a

realistas

para

o

ensino

e

escolher ferramentas para tornar nas suas práticas de sala de aula mais inovadoras. Os

nível profissional e pessoal.” (Marta Costa, prof. 2.º ciclo)

alunos envolveram-se em atividades e projetos que lhes permitiu desenvolverem competências fundamentais para o século XXI.

tive

também

a

oportunidade de viajar, conhecer

Poder-se-ia ter ido mais além na inovação se o mobiliário e a tecnologia tivessem chegado ao Ambiente Educativo Inovador,

novos lugares, culturas, pessoas,

pois há ainda um caminho a fazer para se

mentalidades,

hábitos,

alterar o espaço escolar e adotar modelos de

comportamentos, estilos, sabores,

organização pedagógica que promovam

aromas... é, sem dúvida, uma

uma alteração progressiva das regras do

experiência

com

valor

acrescentado!” (Ana Baptista, prof. 2.º ciclo)

modelo escolar tradicional (todos os alunos a aprender no mesmo espaço, no mesmo tempo, com o mesmo professor e da mesma forma),

que

incentive,

que

abra

possibilidades e desvende horizontes, que

O imparável caminho da inovação…

fomente a autonomia dos alunos, mas que aponte caminhos.

No caminho deste projeto Erasmus houve

Toda a informação sobre este projeto pode

avanços, paragens, mas nunca recuos. Os

ser encontrada em

professores percecionaram a inovação

https://webaea.wixsite.com/inovarcompet

como algo de importante, tornando-se capazes de criar a sua própria visão e 17


18


Projeto eTwinning “ Words have impact” Ana Maria Baptista (Coordenadora do Projeto - Agrupamento de Escolas de Amarante )

há muito que tinha ouvido falar do

eTwinning, já há muito que tinha feito formação, mas, este ano, foi a primeira vez que me aventurei na criação de um projeto eTwinning, levando –me a concretizar o desejo

de

me

envolver

na

maior

comunidade de professores da Europa e a aprender com colegas de outros países europeus.

O projeto acabou por envolver sete países parceiros - Portugal, Grécia, Itália, Polónia,

Espanha, Eslovénia, Turquia - nove escolas, mais de 100 alunos, entre os 10 e os 14 anos, dispostos a trabalhar a questão do Bullying com o objetivo de: - aumentar a consciencialização dos jovens sobre o problema do bullying nas nossas escolas;

Foi no eTwinning Live que

encontrei parceiros para o meu projeto “ Words have IMPACT!”, tendo sido uma

- aprender a expressar afeto por meio de uma comunicação positiva, eficaz e assertiva;

agradável surpresa ver os cerca de quinze

- estabelecer relações saudáveis baseadas no

pedidos de adesão ao projeto, pois nunca

respeito, cooperação e tolerância;

pensei que a temática do bullying tivesse

- desenvolver o sentido de pertencer a um

interesse para tantos professores. Depois de

grupo, reconhecer o valor de diferença,

aprovado o projeto pelo NSS Português, é

partilha e cooperação;

no Twinspace da plataforma digital do

- capacitar os alunos para pedir ajuda em

etwinning

situações de discriminação, preconceito ou

conjunto.

que

temos

trabalhado

em

violação dos seus direitos; 19


-

identificar

comportamentos

que

- refletiram sobre o uso e significado das

prejudicam o outro e formas de os evitar;

palavras na atividade “Palavras cinzentas e

- fortalecer as boas práticas de conduta

palavras cor-de-rosa”;

social;

-fizeram posters com slogans contra todas

- melhorar as competências digitais e

as formas de bullying e votaram nos

linguísticas;

posters dos seus colegas europeus;

- desenvolver a criatividade.

- participaram num encontro com a

Este projeto, embora centrado na Educação

escritora Luísa Teixeira a propósito do seu

para a Cidadania, recorreu às disciplinas de

livro “ A escola da árvore sagrada e os

Português, Inglês e a uma vasta gama de

pequenos heróis” que aborda a temática do

ferramentas

bullying

TIC

para

desenvolver

(https://www.youtube.com/watch?time_con

diferentes atividades: - “ Be a buddy, not a bully” ( os alunos

tinue=1&v=PJYK8z7Jnp8);

apresentaram-se a si e à sua escola através

- participaram numa sessão de prevenção

de

do bullying com os agentes da GNR (

um

vídeo

https://www.youtube.com/watch?v=Q3iP2

https://www.youtube.com/watch?v=7USaE

_Fur7g);

Dn6zgA);

- criaram avatars para o jogo “ WHO IS

- participaram na criação de uma história e

WHO'” ;

fizeram

-

escreveram

postais

de

Natal

que

mandaram para os colegas da Europa; -

celebraram os direitos universais das

crianças

um

livro

digital

(

https://www.storyjumper.com/book/index/5 4738565/5afa17c8b9779)

-

Celebraram o Dia da Criança com a

realização de várias atividades. O maior desafio foi coordenar as nove

https://www.youtube.com/watch?time_cont

escolas parceiras da melhor forma possível.

inue=2&v=vsp7B5PnMVI;

20


Havia a preocupação de não criar pressão

Ajudou os alunos a sentirem-se parte

adicional sobre os professores, mas ao

integrante da sua turma e a exibirem os

mesmo tempo havia que desenvolver as

seus talentos. Mas também para os próprios

atividades a que nos tínhamos proposto de

professores é uma mais-valia, pois para

acordo com o calendário estabelecido. Se

oferecer

bem que tenha sido um desafio, o empenho

professores precisam de novas ideias para

e a perseverança de todos resultou num

implementar atividades e o eTwinning

projeto bem-sucedido e integrado.

oferece-lhes a possibilidade de o fazer.

Desde o início que os alunos trabalharam

Também para a própria escola estes

no projeto com grande entusiasmo e

projetos são importantes, porque lhe

interesse.

permitiu

adiciona uma dimensão internacional e os

materializar nos alunos as competências do

alunos veem sempre com muito entusiasmo

séc.

a possibilidade de trabalharem com jovens

Este

XXI,

como

projeto

a

criatividade;

a

mais

aos

seus

alunos,

os

comunicação na língua materna e nas

de outros países.

línguas

e

O projeto que agora termina está cheio de

trabalho de equipa,

competências de

gente, de ideias e memórias em que o

informação,

e

eTwinning fez da Europa a sua escola.

estrangeiras;

media

colaboração

tecnologia

e

competências de cidadania, local e global e de responsabilidade pessoal e social.

21


22


Estratégia também passa pela internacionalização Nuno Rui Mota

Temos assistido a manifestações em vários

(Agrupamento de Escolas de Vale de Ovil) países europeus que parecem colocar em causa o projeto europeu, ou pelo menos que o questionam tal como tem sido conduzido pelas autoridades e instituições europeias. A situação política em vários países como a que se verifica em Itália com a formação de um governo que se assume antieuropeu ou o processo de saída da União Europeia da Grã-Bretanha em curso conhecido como Brexit são disso exemplos bem vincados de tais manifestações. Mas não tenhamos dúvidas, ainda que possamos questionar a Europa, discordar de algumas das opções assumidas ao longo dos tempos, o projeto europeu traduziu-se num manancial

de

oportunidades

para

os

cidadãos de todo o velho continente e como tal, também para os portugueses. 23


A educação é disso um exemplo. Os índices de

Assim, graças ao financiamento europeu

literacia da população portuguesa são hoje

através do atual programa ERASMUS+,

incomparáveis com aqueles que existiam há 30

temos hoje uma rede de cerca de três

anos atrás, a escola hoje tem capacidade de

dezenas

resposta para todos os alunos e para todo o tipo

espalhadas por 15 países europeus. Cinco

de alunos, há educação de adultos e resposta

parcerias estratégicas foram reconhecidas

para todos aqueles que apostam num percurso

pela sua pertinência e relevância e viram

de aprendizagem ao longo da vida.

atribuídas subvenções que permitiram

No meio de tantas oportunidades há um

que fossem implementados projetos de

programa europeu ao serviço da educação que

âmbito internacional que envolveram a

tem vido a deixar a sua marca em várias

comunidade

escolas dos diferentes níveis de ensino por toda

entusiasta e reconhecida. Estes projetos

a Europa. Falo do programa ERASMUS+,

permitiram a partilha de conhecimento e

programa que atualmente engloba também os

boas

desaparecidos

diferentes quadrantes, contribuindo para

LEONARDO

DA

VINCI,

de

instituições

educativa

práticas

de

forma

instituições

o

no Agrupamento de Escolas de Vale de Ovil se

envolvidos.

faz notar hoje de forma muito significativa.

Além disso, o regime de mobilidades de

Desde que em 2010 resolvemos tentar aquilo a

curta

que chamamos na altura a “aventura europeia”

dezenas de alunos, quinze encarregados

que começou a ser desenhada uma estratégia

de educação e professores das diferentes

de internacionalização que passa por constituir

áreas

uma rede de parcerias com instituições de

experiência

ensino e outras organizações por toda a Europa

linguística

assim

europeias.

o

implementação

de

desenvolvimento projetos

de

e

educativo

duração

de

de

permitiu

ensino

que

dessas

os

quatro

vivessem

formativa,

numa

todos

de

GRUNDTVIG e COMENIUS e cujo impacto

como

sucesso

entre

parceiras

cultural

uma e

instituições

ensino,

Atualmente, está a ser implementado o

formação e aprendizagem através de parcerias

projeto YEA – Young Entrepreneurs in

estratégicas entretanto constituídas.

Action – dedicado à literacia financeira e ao empreendedorismo. 24


Este projeto assenta numa parceira estratégia

Em setembro de 2018 será a vez de Baião

com mais cinco instituições de ensino na

acolher

Croácia, em Itália, na República Checa e na

instituições parceiras num total de 27 alunos

Turquia e tem como grandes objetivos a

e 11 professores oriundos dos países onde

educação

perspetiva

estão sediadas. Para além de um programa

responsável, atendendo à situação energética,

cultural e linguístico acerca da nossa região

ambiental e económica que vivemos ao nível

e do nosso país, novos cenários de

global e qual o papel do empreendedorismo na

aprendizagem relacionados com o tema de

necessária

aprendizagem serão testados.

financeira

regulação

numa

dos

diferentes

as

comitivas

provenientes

das

ecossistemas. Para além destes, pretende-se

No entanto, o plano de internacionalização

alicerçar a participação e cidadania europeias

do Agrupamento não se esgota com parcerias

dos nossos alunos, o respeito pela diversidade

e mobilidades de curta duração. O passo

cultural e o aprofundar de competências

seguinte já foi dado e no próximo ano letivo

linguísticas como o Inglês, a língua oficial do

iniciar-se-á a mobilidade de estudantes

projeto.

apoiada em cursos estruturados de longa

O projeto YEA é implementado em todas ao

duração

instituições parceiras de forma contínua ao

profissionais. Ambicionamos, num futuro

longo de dois anos e conta com várias reuniões

próximo ser também uma instituição de

internacionais e atividades de ensino, educação

acolhimento capaz de disponibilizar estes

e aprendizagem com professores e alunos em

cursos estruturados de longa duração a

mobilidade. Cakovec, na Croácia recebeu a

estudantes provenientes do estrangeiro.

primeira

a

O programa ERASMUS+ é isto. Uma porta

participação de dois professores e Cerignola,

aberta cheia de oportunidades para as

em Itália organizou a primeira atividade de

comunidades educativas das nossas escolas,

ensino, formação e aprendizagem que contou

uma

com a presença de seis alunos e dois

significativa, da construção europeia.

reunião

internacional

com

para

estudantes

conquista,

dos

porventura

cursos

muito

professores do nosso agrupamento.

25


Foto 1 - Entrega de diplomas de participação no projeto IOT - Internet of Things, Mersin, Turquia, Maio 2017

Foto 2 - Equipa do projeto YEA Young Entrepreneurs in Action - We are Erasmus + Baião, Fevereiro de 2018

26


Laura Mª Pinheiro (Coordenador do Projeto Erasmus+ Escola Secundária de Amarante)

A

Escola Secundária de Amarante

(Foto de Elsa Cerqueira)

(ESA), após um longo interregno, no ano letivo

2016/2017

reiniciou

a

sua

participação no programa Erasmus+, um dos programas europeus de mais sucesso, que ao longo da sua história de trinta anos tem “mudado vidas e aberto o espírito” i

i

Em 2012 quando celebrava um quarto de século, o lema do programa Erasmus+ era: «Erasmus: 25 anos a mudar vidas e a abrir o espírito»

27


Neste momento, a ESA está a implementar

caso do project based learning, quer através

três projetos no âmbito deste programa,

da partilha de boas práticas com colegas

dois Ação Chave 1- mobilidades para fins

europeus.

de aprendizagem e um Ação Chave 2 para

A nossa escola,

partilha de boas práticas entre escolas

requalificação, está muito bem apetrechada

europeias, estando ainda a aguardar os

com todas as tecnologias da comunicação e

resultados de três candidaturas nas quais

da informação. No entanto, as ferramentas só

somos escola parceira.

poderão

Como Isabel Carvalho Guerra defende:

exploradas com metodologias adequadas.

“Um projeto é a expressão de um desejo, de

No que diz respeito às mobilidades para fins

uma vontade, de uma intenção, mas é

de aprendizagem, através dos cursos

também a expressão de uma necessidade,

estruturados frequentados foram reforçadas

de uma situação a que se pretende

as competências dos professores

responder” (Guerra, 2002)ii. Estes projetos

relacionadas com o domínio das aplicações/

surgiram para colmatar essencialmente

ferramentas digitais e uso das novas

duas necessidades : por um lado, a

tecnologias aplicadas à educação; os

necessidade de promover o processo de

docentes contactaram com práticas

internacionalização da ESA, isto é conceder

inovadoras que promovem a criatividade, a

uma dimensão europeia ao nosso projeto

autonomia, o trabalho colaborativo e o

educativo; e por outro a necessidade de

empreendedorismo; e desenvolveram ainda a

melhorar as práticas pedagógicas dos

sua proficiência linguística na língua

nossos docentes, quer através da frequência

estrangeira. Além disso, a frequência destes

de cursos no exterior relacionados com a

cursos contribuíram para a análise reflexiva

utilização das novas ferramentas digitais ou

sobre o nosso desempenho, pois o confronto

com estratégias/ metodologias centradas no

com o outro obriga-nos a uma análise crítica

aluno consideradas inovadoras, como é o

que nos

ser

graças

eficazes

permite

se

verificar

às

obras

devidamente

os

aspetos

ii Guerra, Isabel Carvalho (2002). Fundamentos e Processos de uma Sociologia de Ação: o Planeamento em Ciências Sociais. 2ªedição. Cascais: Principia. p126.

de

28


negativos, mas também os inúmeros aspetos

job shadowing e que tiveram oportunidade

positivos do nosso sistema de ensino.

de conhecer o nosso projeto educativo e

Estas mobilidades são importantes pela

algumas das nossas práticas educativas,

experiência formativa, mas também pelo

tendo

facto de promoverem o intercâmbio cultural,

impressionados

sendo um instrumento de reforço da

desenvolvido na ESA.

identidade e coesão europeias. Todos os

Para

cursos incluem objetivos relativos a aspetos

enfrentamos

culturais associados às comunidades onde o

nomeadamente o escasso número de

curso decorreu. É um excelente mecanismo

colegas que manifestaram interesse em

para

participar, alegando possuir um baixo

diluir

fronteiras,

criar

laços

e

estabelecer parcerias

ficado

positivamente

com

implementar

o

trabalho

estes

projetos

alguns

problemas,

nível de proficiência em língua inglesa.

Por conseguinte, estas experiências

Estamos a colmatar esta lacuna com a

contribuem para o desenvolvimento de

oferta de um curso básico de conversação

competências pessoais, profissionais e

em

transversais relacionadas com o

interessados que teve inicio no final do

multilinguismo, o diálogo intercultural, o

mês de maio, com a duração de 25 horas,

respeito e a valorização da diferença.

e que corresponderá a uma unidade de

Permitem-nos ainda verificar que, não

crédito. Outra justificação apresentada era

obstante o bom trabalho desenvolvido em

a idade e o cansaço. A idade não podemos

muitos estabelecimentos de ensino europeus,

alterar, pois em nenhuma das mobilidades

a nossa escola também tem muitas boas

encontrámos o elixir da juventude. No

práticas a partilhar. Aliás, este ano

entanto, podemos garantir que estas

recebemos em finais de Maio dois colegas

experiências no exterior nos lavam a alma

espanhóis de Soller, Mallorca, que estiveram

e rejuvenescem o espírito.

inglês

para

todos

os

colegas

na nossa escola durante uma semana a fazer

29


A escola começa a mudar, pois todos os docentes que participaram nas mobilidades têm desenvolvido atividades com as suas turmas para aplicar as aprendizagens adquiridas. Quatro turmas de sétimo e de décimo ano tiveram associado o seu DAC a atividades relativas ao programa Erasmus +, mais especificamente ao projeto KA2 Measuring With Maths desenvolvido em parceria com escolas espanholas, irlandesas e dinamarquesas. Nos dias nove e dez de maio ocorreu a ação de curta duração: “Erasmus+: abertura e mudança”, durante a qual os docentes tiveram a oportunidade de contactar e aprender um pouco com os professores que frequentaram os cursos estruturados no estrangeiro, sendo esse um dos grandes objetivos deste programa: a partilha entre pares para um melhor ensino e consequentemente uma aprendizagem mais eficaz para os alunos. Em jeito de conclusão, só me resta dizer que enquanto estabelecimento de ensino que pretende ser de referência a nível regional, e mesmo nacional, a nossa escola deseja aprender com as experiências e procedimentos estrangeiros, mas também partilhar as nossas boas práticas com docentes de outras instituições. Uma escola fechada em si própria e limitada ao seu contexto nunca poderá ser uma escola de sucesso. iii

iii Este

artigo tem como suporte uma comunicação feita por mim no dia nove de maio de 2018, “Nice Teaching to Nice Learning”, no seminário “Erasmus+: abertura e mudança” na Escola Secundária de Amarante.

30


Centro de Formação de Associação de Escolas de Amarante e Baião – Sede Esc. Sec. de Amarante Av. General Vitorino Laranjeira, nº 592 – 4600-018 AMARANTE Telef. 255410190 – Fax 255432149. e-mail: cfamarantebaiao@gmail.com Skype: cfaeab Web: http://www.cf-ab.com/

Próximo n.º em dezembro 2018 Tema Flexibilidade Curricular

Enviem os vossos contributos

31

Revista n.º 6  
Revista n.º 6  
Advertisement