Page 1

ANO IV • N.º 24 • Edição trimestral JAN •FEV •MAR 2006

Mensageiro Celeste Informativo do Centro Cultural Akenathon da ORDEM FRATERNAL CRUZEIRO DO SUL - “CEU”

A vez da terceira idade.


DICA DE SITE

Cartório 24 Horas (On-Line) Quem quiser tirar uma cópia da certidão de nascimento, ou de casamento, não precisa mais ir até um cartório, pegar senha e esperar um tempão na fila. O cartório eletrônico, já está no ar! Nele você resolve essas (e outras) burocracias, 24 horas por dia, on-line. Cópias de certidões de óbito, de imóveis, e protestos também podem ser solicitados pela internet. Para pagar, é preciso imprimir um boleto bancário. Depois, o documento chega por Sedex. O endereço é: http://www.cartorio24horas.com.br e www.protesto.com.br para certidões dos principais cartórios. ESPECIAL

Efeitos da prece na saúde Estudo da Faculdade de Medicina da Universidade de Brasília demonstra a ação das orações sobre as células humanas Médico e professor titular de Imunologia da Faculdade de Medicina (FMD) da Universidade de Brasília (UnB), Carlos Eduardo Tosta não se considera um religioso no sentido convencional do termo. Mesmo assim, uniu ciência e religiosidade em uma pesquisa que desenvolveu durante três anos (de 2000 a 2003) no Laboratório de Imunologia Celular da FMD. A finalidade: estudar o efeito da prece sobre a saúde das pessoas. Ele usou como referência um estudo pioneiro de 1988, desenvolvido na Califórnia, no Hospital Geral de São Francisco. O médico Randolph Byrd pesquisou um grupo de 393 pacientes da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) coronariana que recebiam o mesmo tratamento médico. Eles foram divididos em dois grupos e um deles recebia prece intercessória a distância. Os resultados da pesquisa mostraram que, após receberem preces, os doentes melhoravam em alguns aspectos. Eles necessitavam de menos medicamentos como antibiótico e diurético, sofriam menos edema de pulmão e insuficiência cardíaca e quase não precisavam ser entubados para manutenção da respiração. Na pesquisa realizada na FMD, o diferencial foi o envolvimento de pessoas sadias, no lugar de enfermos. Participaram 52 estudantes de medicina, divididos em pares do mesmo sexo e da mesma idade. A idéia era verificar se a prece intercessória a distância poderia alterar a função de células de defesa, como os monócitos e os neutrófilos. Para a satisfação da equipe, os resultados revelaram que as células de defesa sofreram influência da prece. Quando os indivíduos que receberam a prece foram comparados com os que não receberam, ou o mesmo indivíduo foi comparado antes e depois de ser alvo da prece, comprovouse que a prece aumentou a estabilidade da função celular, o que quer dizer que as células funcionaram melhor. “Quando interpretamos os dados, observamos que a prece teve o papel de induzir equilíbrio e isso faz sentido, já que em medicina equilíbrio é sinônimo de saúde”, explica o pesquisador responsável pelo estudo. Outra descoberta importante foi a demonstração de que, embora o estresse deprima a função das células estudadas, a prece não reduziu o nível de estresse. “Antes da pesquisa imaginávamos que o nível de estresse daqueles que recebiam as preces diminuiria, mas isso não aconteceu”, comenta o pesquisador. METODOLOGIA–Ametodologia adotada foi segura e rigorosa: estudo duplo cego (nem os participantes do projeto nem os pesquisadores sabiam quem recebia a prece) e com duplo controle (ora um grupo funcionava como controle, ora outro). “Falei para os membros da equipe que devíamos ser muito mais rigorosos que nos projetos de pesquisa convencionais”, comenta o professor Tosta. O estudo foi dividido em duas fases. No primeiro dia, um par de estudantes preenchia um questionário sobre estresse e o quadro clínico, e tinham suas amostras de sangue colhidas. O material servia para verificar a capacidade de defesa das células (monócitos e neutrófilos) contra agentes estranhos. Durante sete dias, um dos estudantes recebia prece diária e o outro não. No sétimo dia, eles deveriam preencher novo questionário médico e de estresse e tornavam a retirar o sangue para testar a função celular. Após 30 dias de intervalo, todos os procedimentos eram repetidos, com a diferença de que quem havia recebido a prece deixava de recebê-la e vice-versa. O grupo dos intercessores, formado por 10 pessoas de diferentes religiões, recebia a foto e o nome de uma das pessoas do par que seria alvo da prece. Eles se comprometiam a rezar durante sete dias pelo indivíduo, da maneira como sempre costumavam fazer, e anotar em um formulário se a qualidade da prece foi boa, média ou ruim. Os resultados do estudo já foram apresentados na 55ª Reunião da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, em Recife e no Encontro Gaúcho de Espiritualidade e Qualidade de Vida, organizado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, ambos em 2003. Para desenvolver a pesquisa, aprovada pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Medicina da UnB, o professor contou com uma equipe constituída por cinco estudantes de medicina da UnB: Luciana Arnaut, Patrícia Taíra, Paula Nascimento, Flávia Medeiros e Luciana Muniz. Entrevista na íntegra: http://www.unb.br/acs/bcopauta/ciencia-religiosid1.htm


A melhor idade “Quando quis tirar a máscara, estava pregada à cara. Quando a tirei e me vi ao espelho, já tinha envelhecido.” Fernando Pessoa Chega uma época da vida em que os cabelos são brancos e muitas das vezes falhos, a pele traz a marca da idade e a memória, a sabedoria dos anos. Envelhecer, esse é o destino de todo ser humano. O caminho de uma vida deve ter como ponto de partida uma infância alegre e de chegada, a velhice tranqüila. Contudo, como fazer desse processo algo tranqüilo para todos? Como envelhecer com harmonia? E a sociedade, será que ela respeita o seu idoso? Embora muitos ainda associem o passar dos anos ao acúmulo de doenças, entendendo que invariavelmente é preciso conviver com inúmeros problemas de saúde e limitações com o avançar da idade, os atuais conceitos científicos demonstram que o processo natural de envelhecimento não é um fator impeditivo para a maioria das atividades cotidianas de um adulto em qualquer idade, e que as verdadeiras responsáveis pelas deficiências e disfunções atribuídas à velhice são as doenças, que podem ser prevenidas e/ou tratadas eficientemente na maior parte das vezes. É esse conhecimento que pode mudar a atitude de cada um. Ao invés de se lamentar por estar envelhecendo, de buscar obstinadamente as “modernas fontes da juventude” ou de tentar disfarçar os efeitos aparentes do passar dos anos, é preciso estar atento aos verdadeiros inimigos da saúde em qualquer idade: os fatores determinantes e/ou predisponentes das doenças. Dados de pesquisadores mostram que o processo de envelhecimento no Brasil e na América Latina vem ocorrendo em um contexto marcado por uma alta incidência de pobreza, desigualdade social e um desenvolvimento institucional, caracterizado pela falta de sintonia com o contingente da população idosa. E as políticas desenvolvidas para o idoso, através da Política Nacional do Idoso, ainda que apenas em nível legislativo, prevêem a garantia de direitos sociais de forma ampla, defendendo a causa do idoso nos mais diversos parâmetros. Mesmo que isso ainda esteja apenas nas leis. A Lei nº 8.842/94 criou o Conselho Nacional do Idoso, responsável pela viabilização do convívio, integração e ocupação do idoso na sociedade, através, inclusive, da sua participação na formulação das políticas públicas, projetos e planos destinados à sua faixa etária. Suas diretrizes priorizam o atendimento domiciliar; o estímulo à capacitação dos médicos na área da gerontologia; a descentralização político-administrativa e a divulgação de estudos e pesquisas sobre aspectos relacionados à terceira idade e ao envelhecimento. E muitos já apostam na melhor idade. Hoje existe um comércio especial para os idosos, como hotéis, agências de viagens, cursos e universidade, como a UNATI/UERJ – a Universidade Aberta da Terceira Idade. (www.unati.uerj.br) Na “CEU”, os idosos também ganham destaques e recebem tratamento diferenciado. EXPLICA MAIS BOX: ENVELHESCÊNCIA Mário Prata Se você tem entre 45 e 65 anos, preste bastante atenção no que se segue. Se você for mais novo, preste também, porque um dia vai chegar lá. E, se já passou, confira. Sempre me disseram que a vida do homem se dividia em quatro partes:infância, adolescência, maturidade e velhice. Quase correto. Esqueceram de nos dizer que, entre a maturidade e a velhice (entre os 45 e os 65) existe a envelhescência. A envelhescência nada mais é que uma preparação para entrar na velhice, assim como a adolescência é uma preparação para a maturidade. Engana-se quem acha que o homem maduro fica velho de repente, assim da noite para o dia. Não! Antes, a envelhescência! E, se você está em plena envelhescência, já notou como ela é parecida com a adolescência? Coloque os óculos e veja como este novo estágio é maravilhoso: - Assim como os adolescentes, os envelhescentes também gostam de meninas de 20 anos. - Os adolescentes mudam a voz. Os envelhescentes também. - Os adolescentes não têm idéia do que vai acontecer com eles daqui a 20 anos. Os envelhescentes evitam pensar nisso. Ninguém entende os adolescentes... Ninguém entende os envelhescentes. Ambos são irritadiços, enervam-se com pouco. Acham que já sabem de tudo e não querem palpites nas suas vidas. Os adolescentes não entendem os adultos e acham que ninguém os entende. Os envelhescentes também não entendem eles. ‘Ninguém me entende’ é uma frase típica de envelhescente. Quase todos os adolescentes acabam sentados na poltrona do dentista e no divã do analista. Os envelhescentes, também.Acontragosto, idem. O adolescente adora usar uns tênis e uns cabelos “da hora”. O envelhescente também. Sem falar nos brincos.Ambos adoram deitar e acordar tarde. O adolescente ama assistir a um show de artista envelhescente... O envelhescente ama assistir a um show de um artista adolescente... O adolescente faz de tudo para aprender a fumar. O envelhescente pagaria qualquer preço para deixar o vício. Os adolescentes fumam escondido dos pais. Os envelhescentes fumam escondidos dos filhos. A adolescência vai dos 10 aos 20 anos... A envelhescência vai dos 45 aos 65. Depois, sim, virá a velhice, que nada mais é que a maturidade do envelhescente. Daqui a alguns anos, quando insistirmos em não sair da envelhescência para entrar na velhice, vão dizer: - É um eterno envelhescente. Que bom!

Grandes Místicos Irmã Dulce (1914-1992) Adaptado do site www.irmadulce.org.br

O anjo bom do Brasil Irmã Dulce morreu em 13 de março de 1992, pouco tempo antes de completar 78 anos. A fragilidade com que viveu os últimos 30 anos da sua vida, com a saúde abalada seriamente, não impediu que ela construísse e mantivesse uma das maiores e mais respeitadas instituições filantrópicas do país, batendo de porta em porta pelas ruas de Salvador, nos mercados, feiras livres ou nos gabinetes de governadores, prefeitos, secretários, presidentes da República, sempre com a determinação de quem fez da própria vida um instrumento vivo da fé. Aos 13 anos, ela já havia transformado a casa da família, na Rua da Independência 61, num centro de atendimento a pessoas carentes. É nessa época que ela manifesta pela primeira vez o desejo de se dedicar à vida religiosa, após visitar com uma tia áreas onde habitavam pessoas pobres.


[Manifestações de Fé]

Festa de Yemanjá A deusa das águas A festa de Yemanjá é uma homenagem prestada a mãe dos orixás no culto da Umbanda. Uma comemoração que atrai pessoas de toda a parte e já faz parte do símbolo da cultura do povo baiano. Yemanjá, na Umbanda, é reconhecida como a mãe dos orixás, ao lado de Oxalá, o pai. Reconhecida como a Rainha das águas é muito vaidosa e gosta de receber presentes (espelho, pente, bracelete, coroa, perfume e flores). Mulher do rabo de peixe, metade mulher metade peixe é muito respeitada pelos pescadores que a têm como sua protetora, ao lado de Nossa Senhora de Santana, a santa católica padroeira dos pescadores. Em Salvador, a festa foi criada por volta de 1920 por uma iniciativa da colônia de pescadores do Rio Vermelho. Diz a lenda que devido a um ano de fraca pescaria, os pescadores resolveram recorrer à tradição da Umbanda pedindo ajuda aos santos africanos trazidos à Bahia pelos escravos negros. Na época, com o auxílio da mãe de santo Júlia do Bogun, organizaram a lista do material necessário para a sua execução e aprenderam como realizar o preceito. No primeiro momento, a festa foi batizada como “Presentes da Mãe d’água” e a partir do ano de 1960 passou a ser conhecida como “Festa de Yemanjá”. As homenagens à mãe das águas ocorrem em duas datas: 31 de dezembro e 2 de fevereiro. Porém, na festa oficial em fevereiro, os presentes colocados em cestos de palha junto com pedidos escritos são direcionados somente a ela. As homenagens não se resumem a entrega de presentes no mar. Diversos grupos culturais comparecem e se misturam à festa tornando-a um grande espetáculo cultural ao ar livre. A cada ano novos grupos artísticos e culturais comparecem formando um verdadeiro cordão artístico no meio do povo que os acompanham dançando e mostrando que a festa de Yemanjá, além de ser tradicional no respeito aos seus preceitos, é também democrática encontrando-se aberta às diversas manifestações deste criativo povo baiano. ————————————— [Ping-Pong]

Alimentação Biogênica O que é alimentação biogênica? Quais os seus benefícios? Ana Valéria dos Santos, Coordenadora do Projeto Atelier Orgânico, realizado nos SESC Tijuca e Madureira, ministrou em 2005 duas palestras sobre o tema, enfatizando a importância da alimentação no trabalho espiritual. Mensageiro Celeste: Qual o objetivo do ProjetoAtelier Orgânico? Ana Valéria: É trazer ferramentas para a reeducação alimentar através da prática vegetariana, visando a evolução espiritual consciente, a autonomia, o autoconhecimento. A vida espiritual é uma totalidade, desde a hora que se dorme até a hora que se acorda. MC: Existe diferença entre alimentação e nutrição? AV: Sim. Alimentar-se é satisfazer a fome, mesmo com a possibilidade de envenenar-se. Nutrição implica conhecer a qualidade e a origem do alimento, principalmente em seu aspecto espiritual. Quando um alimento é preparado, ele fica impregnado da energia da pessoa que o preparou. Não se pode garantir a potência vital dos produtos industrializados, refinados, vendidos nos supermercados. O verdadeiro alimento deve atender a necessidade da pessoa e não deixa-la debilitada, doente. O que ocorre atualmente é o consumo mecânico, inconsciente, que culmina com a doença. É fundamental cultivar a atenção e informação relativas aos alimentos industrializados que consumimos.Ainda que sejam condicionados em embalagens adequadas, não podemos garantir a inexistência de coliformes ou sua potência vital. O consumo de alimentos industrializados é uma prática mecânica e inconsciente, diferente do vegetarianismo. MC: Qual a importância da prática vegetariana? AV: Com a mudança planetária, somos impelidos à mudança de hábitos, inclusive alimentares. Hábito se constrói e se modifica A prática vegetariana é uma extensão da máxima “Amai-vos uns aos outros”. A questão do amor tem de ser verticalizada e sair da horizontalidade do afeto pessoal. O amor é a grande chave, a grande lei. O respeito ao reino animal é uma colaboração que o homem dá para o processo evolutivo, quando ele passa a compreender que os animais não estão aqui para lhe servir de repastos, mas sim para cumprir, também, um caminho de evolução. Eles têm o direito de existência. MC: Seria o vegetarianismo uma solução para o desequilíbrio físico e espiritual? A: Somos reféns de um sistema muito perverso, mas existe sempre uma porta de saída. O problema é enxergar essa porta e ter coragem de passar por ela. O vegetarianismo se apresenta como algo benéfico, mas onde está a coragem de trabalhar para alcançá-lo? Logo pensamos “Isso vai dar um trabalho, vai demorar.”. Não é novidade a transformação imensa pela qual o ser humano está passando e que se reflete no planeta.Acompanhar essa transição exige uma mudança a nível pessoal. A mudança planetária reverbera em todos os seres.As coisas estão em um estado caótico e essa degeneração está acontecendo dentro do homem também. O homem tem ferramentas para impedir esse caos, ativando seu poder de cura.A cura nada mais é do que uma expectativa mais ampla do reencontro com as suas origens. É o caminho de volta. A alimentação é uma porta de acesso iniciático para esse caminho de volta. Estamos imersos numa teia esquematizada, que não nos diz respeito e somos incapazes de perceber que estamos inertes e que somos reféns disso tudo. Estamos em conivência com o desequilíbrio ambiental. MC: Como será a alimentação humana no futuro? AV: O futuro é agora, é o presente. O vegetarianismo é um processo de purificação. Podemos iniciá-lo já. Uma simples atitude de escolher entre um alimento e outro interfere nessa sutilização. A alimentação biogênica, o alimento vivo, está para essa sutilização. MC: O que é alimento biogênico? R: É o alimento vivo, uma bomba de energia vital, produzido através de uma germinação que potencializa em até vinte mil vezes seu valor energético. Você pega um grão, sem agrotóxico, coloca na água por oito horas, deixa germinar e come. Existe coisa mais simples? Com esse tipo de alimento, o homem passa diretamente a consumidor de primeira ordem na cadeia alimentar, sem a intermediação do animal. O alimento biogênico pode curar patologias seríssimas e é consumido cru, jamais cozido. O suco de clorofila é um exemplo de alimento biogênico.

Mensageiro Celeste • Jan/Fev/Mar 2006  
Advertisement