Page 1

ANO II • N.º 10 • MAR 2004

Boletim Informativo do Centro Cultural Akenathon da ORDEM FRATERNAL CRUZEIRO DO SUL - “CEU”

Dia Internacional da Mulher 8 de Março. Este é o momento propício para a ligação com as energias do aspecto feminino de Deus. Embora a cultura humana, especialmente no Ocidente, refira-se ao Criador como entidade masculina, os Mestres Ascensionados e a antiga Tradição costumam chamar o Criador de “Deus-Pai-Mãe” em alusão à perfeita harmonia das polaridades masculina e feminina que é característica da divindade. Pág.2

Escola Iniciática

A educação é a verdadeira beleza do homem, é seu abundante tesouro escondido, é o meio pelo qual o homem pode satisfazer todas as suas necessidades. Descubra mais sobre as escolas iniciáticas e o papel da “CEU”. Pág.3

Um mandato de amor

Assim foi a vida de Chico Xavier, médium e líder espírita. Sua marca foi deixada no coração de todos os brasileiros, que ao longo de décadas aprenderam a respeitar seu permanente compromisso com o bem-estar do próximo. Pág.3

Gênio literário

Conheça mais sobre Rosseau, um dos pensadores europeus do século 18, cuja obra inspirou reformas políticas e educacionais e tornou-se mais tarde a base do romantismo. Pág.4


EDITORIAL

“O

nde duas mulheres se encontram nasce um bazar; onde três se reúnem nasce um mercado e onde sete conversam nasce uma feira”. Esta máxima da literatura oriental traduz o poder feminino do Criador, nossa essência intuitiva, aquela que nos permite antever obstáculos, buscar soluções, descobrir... Espiritualidade não é o que entendemos por virtude ou bondade, mas sim o poder de percebermos a essência espiritual, sem forma, em tudo e em todos, e com isso nos abrirmos para o mundo, sem medo ou reserva. Nessa edição reflitamos sobre nossa capacidade de enriquecer nosso espírito através da cortesia e consideração com o semelhante, da auto-análise sobre nossas potencialidades e limitações enquanto vivemos esse plano da matéria. Boa leitura e até o próximo mês. Kabir da Pérsia Sumo Sacerdote da “CEU”

Uma publicação do Centro Cultural Akenathon da Ordem Fraternal Cruzeiro do Sul – “CEU”. Jornalista responsável: Rafaela Gomes – JP 23991 RJ Projeto Gráfico: Francisco Carlos de Paula Tiragem: 2000 exemplares Impresso na Gráfica Irmãos Passos. Distribuição gratuita Se quiser receber o Mensageiro Celeste regularmente em casa, avise-nos. A sua assinatura vai nos ajudar na impressão e distribuição do jornal. Ordem Fraternal Cruzeiro do Sul – “CEU” Rua Washington Luiz, 128 – Centro – Rio de Janeiro - RJ - CEP: 20230-021. Tel.: (21) 2505-9127 Fax: (21) 2505-9130 E-mail: ceu_namaste@yahoo.com.br

A “CEU” é uma instituição místico-espiritualista, sem fins lucrativos, voltada para a ajuda ao próximo e fundamentada em religiões orientais. Suas atividades são realizadas por voluntários e mantidas por doações espontâneas.

CONTINUAÇÃO DE CAPA

A mãe universal A

ntigamente, na era do matriarcado, os homens vene-ravam a Deusa Mãe por toda parte no mundo, invocando seu poder espiritual, utilizando para isso vários símbolos. Porém, com o patriarcado, o poder da Mãe, da mulher e das deusas foi deixado de lado. O prin-cípio feminino, para o cristia-nismo, juntou-se ao Espírito Santo. Madame Blavatsky escreveu em muitas de suas obras que o princí-pio Pai é o que inicia a criação; o Mãe, o material; e o Espírito Santo, aquele que nasce dos dois. Hoje, é preciso que o equilíbrio entre esses princípios seja encon-trado. Em muitos países, como na China, por exemplo, a Deusa Kwan-Yin é representada derramando grande quantidade de ambrosia so-bre o dragão. A arte também deixou sua marca. Grandes artistas vi-sionários retrataram estes símbolos em suas obras., dentre eles o pintor e poeta inglês William Blake em seu Julgamento de Adão e o escultor romeno Brancusi em sua Coluna do Infinito. Na Índia, nos meses de abril,

A chave da evolução espiritual

O

homem é como a semente que se transforma em fruto que re-torna à semente, e está sub-metido à samsara. Essa é a lei da reencarnação, um dos princípios fundamentais do espiritismo. Ela constitui-se no renascimento da alma em um novo corpo para continuidade de sua existência no mundo físico. Segundo a linguagem da Doutrina Espírita é o retorno da alma à vida corporal. Somente a reencarnação explica as diferenças individuais, como as aptidões tão diversas e independentes das idéias adquiridas pela educação, a aptidão extranormal de crianças de pouca idade, as idéias inatas, os impulsos precoces de vícios ou virtudes que contrastam com o meio em que nasceram. Ensina que Deus, na sua justiça, não podia ter criado almas mais perfeitas e outras menos perfeitas. Diz o Bhagavad Gita, parte do sexto

Espaço dos leitores “Ganhei algumas edições do Mensageiro Celeste de novembro e dezembro em uma loja de produtos naturais. Simplesmente adorei! Muito bom!” Claudia, por e-mail.

2

maio, setembro e outubro, comemora-se o Festival de Durga Puja, uma das manifestações da Mãe Divina. A festa comemora o poder divino na luta entre o bem e o mal. De acordo com a mitologia hindu, Durga Puja foi criada pelos três grandes deuses Shiva, Brahma e Vishnu como a última alternativa para combater Mahishasura, um demônio invencível que aterrorizava os céus e a terra.

Carta: Rua Washington Luiz, 128, Centro, Rio de Janeiro. Cep: 20230-021 (escreva no envelope: PARA A REDAÇÃO DO MENSAGEIRO CELESTE). E-mail : mensageiroceleste@yahoo.com.br

livro do Mahabharata que “assim como uma criatura se desnuda de velhas roupas para vestir novas, assim também a alma rejeita esse corpo para tomar outro”. Allan Kardec, O Codificador da Doutrina Espírita, definiu o espiritismo como uma ciência que trata da natureza, da origem e do destino dos Espíritos, e de suas relações com o mundo corporal, acrescentando que ele é, ao mesmo tempo, uma ciência de observação e uma doutrina filosófica. De acordo com Maria Joana Lima Barros, voluntária da equipe de psicólogos da “CEU”, a reencarnação é uma oportunidade para o ser humano melhorar aquilo que já fez errado ou incompleto. “Assim, é hora de sermos mais brandos, mais doces. Não há mais necessidade de devolver uma agressão com agressão. Hoje com tudo que já se sabe, mais importante do que ter razão, é evoluir e ser feliz”, ensina. Joana Barros, terapeuta de vida passada Av. N.S. de Copacabana 637/402 Tel.: 2235-2888

O poeta Khalil Gibran revelou em seus livros acreditar que Deus é tanto Mãe quanto Pai. Segundo ele, “para ir ao encontro do Deus maternal, é preciso passar pelo coração e pelo amor”. No Evan-gelho de Felipe está escrito: “A Mãe é a verdade eterna e o conhecimento, a união”. O ser humano que busca sua realização em Deus deve também buscar essa harmonia. Se a cultura da sociedade valoriza os aspectos masculinos da iniciativa, independência,assertividade, competi-tividade e força, é preciso equilibrá-los com paciência, ternura, capa-cidade de nutrir, sabedoria e com-paixão, que são atributos do aspecto feminino. O homem é o corpo e a mulher, a alma. Nos próximos dias, em suas orações, invoque a energia da Grande Mãe Universal e procure exercitar as qualidades do feminino em você mesmo. Saber equilibrar os opostos – masculino e feminino, yin e yang – é a chave principal para o crescimento interno.

nota nota nota nota

Celebrando o equinócio

N

o dia 21 de março a “CEU” realiza o Rito Equinocial, uma sessão para celebrar a passagem das estações. O evento é aberto a todos, sendo necessário levar uma vela e uma rosa amarela ou lírio branco. Cura-te a ti mesmo

N

este mês a “CEU” organi-za a segunda edição do workshop ‘Autocura - você pode mudar a sua vida’. Devido ao sucesso do primeiro, que aconteceu em novembro, a psicóloga Vânia Conrado Ghelli promove esse segundo encontro e espera a mesma resposta positiva. “Minha expectativa é sempre poder gerar o autoconhecimento. No workshop anterior, fiquei emocio-nada com a receptividade e con-fiança que o grupo demonstrou ter em mim e principalmente com as mudanças realizadas por al-guns durante o trabalho”, revela a psicóloga. O workshop será dia 20, de 10 a 14h. Os interessados devem se inscrever na secretaria da Casa.


GRANDES MÍSTICOS Pitágoras de Samos

O iniciado

F Educação holística

S

egundo os escritos do poeta e místico Khalil Gibran “o discí-pulo evolui por seus próprios méritos, e a si mesmo transformando, transforma o mundo”. Essa é a base do verdadeiro ensinamento. A palavra educação é derivada da raiz educare, que significa trazer para fora ou extrair o que está dentro. É por isso que o homem deve trazer à tona as qualidades sagradas latentes no seu coração e colocá-las em prática. Esse é o objetivo das chamadas escolas iniciáticas, que investem em educação como um processo de valorizar o potencial do ser humano e buscar capacitá-lo a desenvolver esta potencialidade. Com esse mesmo enfoque, a “CEU” pretende ser mais um ponto de luz nesse universo. Segundo Chaîtra, o Hindu, coordenador de ensino da Casa, o objetivo do Curso de Sensíveis é fazer com que o ser humano utilize seu poder de investigação pessoal e fique livre de dogmas e preconceitos, para poder descobrir as leis naturais da vida e com elas se harmonizar, obtendo uma vida mais plena e em paz. Mensageiro Celeste: O que é uma escola iniciática? Chaîtra o Hindu: É uma escola onde não há espaço para discussões, apenas reflexões, e um de seus requi-sitos básicos é a virtude de ouvir. Sua metodologia difere dos moldes da escola convencional - seu foco é a alma - o que exige autodisciplina do instrutor e do aluno para a descoberta do conhecimento por si mesmo. MC: Inúmeras são as escolas que seguem essa linha. Qual o papel da “CEU” dentro dessa visão? Chaîtra: Ser mais um desses núcleos luminosos no plano físico, ensinar as pessoas a cooperar com o inevitável e atuar como força impessoal para o bem, transmitir idéias espirituais, compartilhar experiências com o saber divino - presente em todas as religiões e filosofias - tudo isso usando racionalmente a liberdade pessoal. MC: Quando o assunto é escola iniciática, é muito comum as mulheres ficarem de fora. Como é esse procedimento na “CEU”? Chaîtra: Ao longo da história verificamos a existência de regras adotadas por escolas iniciáticas, conferindo-lhes características

próprias tais como a aceitação de pessoas do mesmo sexo ou religião. Neste aspecto a “CEU” é uma escola iniciática que entende o ser humano em seu princípio bipolar (masculino/feminino) e divino (existência de uma presença interna), portanto não faz restrição à religião ou sexo a que pertençam seus membros. MC: Quando a Casa começou a oferecer as aulas e qual o motivo? Chaîtra: Desde sua fundação em 1985, mas somente em 1993 foi regulamentado o Curso de Sensíveis pela então diretora de ensino, Niferinne Filha de Icaro. A proposta foi seguir a orientação do Mentor Espiritual para que fosse organizado o ensino místico-espiritualista. Assim, através do estudo e da prática espiritual a pessoa carente de bens espirituais pode encontrar também na “CEU” uma fonte de respostas e crescimento interior. MC: Qual a missão da “CEU” em disseminar esse conhecimento? Chaîtra: Despertar a sabedoria divina latente nas pessoas utilizando a me-ditação, a prática ritualística e o estudo esotérico. O propósito é facilitar o desenvolvimento do aspecto intuitivo das pessoas para que elas próprias busquem resposta para suas aflições. MC: Na “CEU” qual o primeiro passo para essa compreensão? Chaîtra: A primeira etapa é o curso Missão Celeste cujo objetivo é levar o aluno a refletir sobre a vida e o mundo em que vive. Porém, vale ressaltar que sua conclusão não implica no acesso imediato ao corpo mediúnico. MC: Por tudo que foi dito, podemos afirmar que as aulas são essenciais tanto para o trabalho mediúnico quanto para o crescimento interno de cada um? Chaîtra: Exatamente. As aulas são sessões espirituais de instrução através das quais o médium, pelo estudo, adquire conhecimentos que lhe serão exigidos na prática espiritual. Na verdade este conhecimento está latente na pessoa, faltando-lhe apenas um pouco de coragem, determinação e fé para mergulhar em si mesma e aprimorar-se como espírito desejoso da luz.

ilósofo e matemático grego, natural de Samos, Pitágoras é inegavelmente o pensador que maior contribuição deu ao misticismo filosófico da Humanidade. Foi ele que aliou, ao conhecimento secreto, a capacidade de preparar a mente das criaturas para a concepção de equilíbrio interior. Severo com seus discípulos, ele deixou para o mundo a disciplina moral como meio de atingir a Verdade.Viajante permanente, percorreu praticamente todo o mundo então conhecido. Seu apetite pelo conhecimento levou-o a procurar novas fontes. Formou assim sua filosofia em contato com diversas escolas esotéricas com que manteve laços. Em suas viagens, esteve com brâ-manes da Índia, com sábios astrô-nomos e remanescentes da iniciação do Egito. Como autêntico mestre por sua filiação aos antigos Mistérios, Pitágoras, a par dos altos conceitos de grande transcendência, onde a música e a matemática eram a chave Chico Xavier

da iniciação para seus discípulos, só en-contrava verdadeira maneira de viver no interior da alma. Para ele, todo o exterior deve ser reflexo do oculto. Através do auto-domínio, o homem pode encontrar o verdadeiro ser. Sua doutrina primava pela união do som com o número, no sentido da vibração. Em Pitágoras, tudo era calcado numa divina lei de correspon-dência e relação. Assim, igualmente admitido que todas as coisas são expressões de um pensamento superior, descobria que a letra Y era a imagem de dois caminhos: o da virtude e o do erro. No conhecimento de si mesmo, o primeiro passo na senda, o homem conheceria os deuses e os universos. Tendo cogitado com grande interesse da eternidade da alma, via cada exis-tência como uma possibilidade de degrau a mais na escala da evolução até que o ser retornasse ao Todo ou Um de sua origem.

Um homem santo

S

empre disposto a oferecer consolo ao próxi-mo, Chico Xavier manteve uma vida marcada pela simplicidade e voltada para o trabalho espiritual até o fim dos seus dias. Seu exemplo e a rica obra psicografada foram a base para a solidificação do espiritismo no Brasil. Mineiro, Chico Xavier revelou aos amigos que desejava morrer num dia em que o “povo brasileiro estivesse muito feliz”. E não poderia ter escolhido data melhor. Pois foi em 30 de junho, dia da conquista do pentacampeonato mundial do futebol, que o maior médium que o espiritismo brasileiro já produziu deixou este plano. Chico partiu aos 92 anos, depois de uma vida exemplar sob os mais varia-dos aspectos. Ele passou incólume pelos grandes testes que a vida material impõe. E ao estudar o espiritismo, começou a compreender melhor o que acontecia consigo. Em 1931 surgiu Emmanuel, seu mentor até o término desta vida, e com ele o projeto que tornaria Chico o maior médium de psicografia do Brasil, o consolador de um incontável número de pessoas que acorriam às suas sessões, em Pedro Leopoldo e em Uberaba, e um exemplo de vida reconhecido até mesmo por adeptos de outras religiões.

Do ponto de vista doutrinário, a obra de Chico Xavier tem relevância indiscutível. A fórmula original de transmissão da informação exposta por Allan Kardec ganhou novo colorido com coletâneas de frases, romances, poesias e especialmente com o livro Nosso Lar, de André Luiz, no qual esse espírito – supostamente o médico Oswaldo Cruz – relata suas andanças pelo mundo sutil. Figura insubstituível, Chico Xavier é o solidificador definitivo da doutrina espírita no Brasil. A religião nascida na França, que encontrou aqui sua pátria de coração, teve no médium o seu ícone contemporâneo mais po-deroso. Mas sua partida, como ele próprio sublinhou ao antecipar o momento, não constitui propria-mente uma perda. Com o exemplo dado, tanto na vida como na morte, e sua obra riquíssima, Chico ajudou a estreitar as fronteiras entre o ser humano e o além e a compreender que as duas dimensões, no fundo, são uma só. “Se eu dispusesse de autoridade, rogaria aos homens que estão arquitetando a construção do Terceiro Milênio, que colocassem no portal da Nova Era as inolvidáveis palavras de Nosso Senhor Jesus Cristo: - Amai-vos uns aos outros como eu vos amei”.

3


boa dica boa dica boa dica

DIÁLOGOS ETERNOS Jean-Jacques Rousseau

O sábio do Iluminismo Adaptado da revista Planeta, edição 368.

O

escritor franco-suíço JeanJacques Rousseau, nascido em Genebra em 1712, foi uma das principais figuras do “século das luzes” na Europa. Ainda jovem, decidiu “dedicar sua vida à verdade”. E, de fato, o autor de O Contrato Social foi tão profundo e sincero que sofreu perseguições im-placáveis por parte dos poderosos do seu tempo. O senhor questiona o conhecimento huma-no quando não é usado para o bem? Não é a ciência que maltrato, é a virtude que defendo perante homens virtuosos. A integridade é ainda mais valiosa para as pessoas de bem que a erudição para os doutores. Depois de ter sustentado, segundo minha luz natural, o partido da verdade, seja qual for o meu sucesso, há um prêmio que não me há de faltar e que encontrarei no fundo de meu coração. As elites usam o conhecimento moderno de maneira errada? As ciências são a obra-prima do gênio e da razão. O espírito de imitação pro-duziu as belas-artes e a experiência as aperfeiçoou. Devemos às artes mecâ-nicas grande número de invenções úteis que contribuíram para os encantos e as comodidades da vida. Mas consideremos agora todos esses conhecimentos com relação aos costumes. Se inteligências celestiais cultivassem as ciências, disso só resultaria o bem; digo o mesmo dos grandes homens, que são feitos para guiar os demais. Sócrates, sábio e virtuoso, foi uma honra para a humanidade, mas os vícios dos homens comuns envene-nam os conhecimentos mais sublimes e os tornam perniciosos às nações; os maus tiram deles muitas coisas nocivas; os bons pouco proveito tiram. Então, em sua opinião, o conhe-

cimento desvinculado da ética e da virtude leva ao hábito da imitação e faz as pessoas agirem sem autenticidade? Reina em nossos costumes uma vil e enganosa uniformidade, e todos os espíritos parecem ter sido lançados numa mesma fôrma: incessantemente a polidez exige, o decoro ordena; incessantemente seguemse os hábitos tra-dicionais, jamais a própria índole. Já não se ousa parecer o que se é. O caminho da verdade, então, é estreito e perigoso? Quantos perigos, quantas estradas erradas na inves-tigação das ciências! Por quantos erros, mil vezes mais perigosos do que é útil a verdade, não é preciso passar para chegar a ela! A desvantagem é visível, pois o falso é suscetível de uma infinidade de combinações; mas a verdade tem apenas uma maneira de ser. Nessa profusão de sentimentos diferentes, qual será o nosso critério para bem julgá-los? E, o que é mais difícil, se por felicidade a encontramos, quem de nós saberá dar-lhe um uso adequado? O progresso tecnológico e a ex-pansão do conhecimento em geral têm servido para acomodar e do-mesticar as pessoas, e não para fazer com que elas vivam de modo mais correto? O luxo raramente vive sem as ciências e as artes, e elas jamais vivem sem ele. Sei que a nossa filosofia, sempre fecunda em idéias singulares, alega, contra a experiência de todos os séculos, que o luxo ocasiona o es-plendor dos Estados mas ousará ela negar que os bons costumes são es-senciais para a duração dos impérios, e que o luxo é diametralmente oposto aos bons costumes? Os antigos polí-ticos falavam incessantemente de costumes e de virtude; os nossos só falam de comércio e de dinheiro.

2004

Ciclo de Palestras Programação de março/2004

10/03 – 19h AUTO-ESTIMA E QUALIDADE DE VIDA Vania Conrado Ghelli, psicóloga

23/03 – 19h O DIÁLOGO INTER-RELIGIOSO Pastor Nehemias Marien, Igreja Bethesda

31/03 – 19h O DELTA MÍSTICO

Chaitra, O Hindu , Coordenador Geral de Ensino da “CEU”

LIVRO O caminho. Editora Imago. Michael Berg. 334 páginas. Este livro ensina como a Cabala deve ser empregada, conforme designou o Criador. Ele trata da natureza entrelaçada de sabedoria e ação, e o objetivo final que elas compartilham, que é a transformação de nossas almas.

FILME Fale com ela, (Hable com ella). De Pedro Almodóvar, 2002, Drama. Vencedor do Oscar de Melhor Roteiro Original, em 2002, o filme retrata uma tragédia em comum que une dois homens desconhecidos até então, quando eles precisam cuidar de duas mulheres que estão em coma no hospital. O filme pode ser encontrado nas locadoras.

MÚSICA Kundalini Tomaz Lima entoa 108 vezes o pranava Aum (Om), que simboliza o som primordial. A repetição desse mantra é um exercício espiritual de grande valor.

SITE www.arvoredobem.com.br O site aborda temas como astrologia, corpo e saúde, mente e crescimento pessoal, espiritualidade e religiões, oráculos e possui uma lojinha virtual. Sessões da “CEU”

Sessão Especial:

Sessão de Tratamentos e Consultas (SPV) (recomendamos chegar com 1h de antecedência) Manhã: domingo, às 9h. Rito Equinocial Tarde: sexta, às 14h. 21/03, às 19h Noite: terça, quarta, quinta e sábado, às 20h. Sessões Especiais - Corrente Cósmica: Última 4ª feira do mês, às 18h. - Mentalismo: 4ª feira, às 18h. - Culto à Família: 1º sábado do mês, às 15h. - Culto à Ancestralidade: 3º sábado do mês, às 15h. - Culto à Prosperidade: último sábado do mês, às 16h. - PHATAE(Mesa Branca): todo sábado, às 17h. - Culto ao Espírito: 1º domingo do mês, às 18h. - Culto Zodiacal: 3º domingo do mês, às 18h. Sessões de Meditação (Chamas) Diariamente, às 19h. Chegar 30 min antes. - Azul (poder e força): domingo. - Amarela (fé e espiritualidade): segunda. - Rosa (amor fraternal): terça. - Branca (harmonia e equilíbrio): quarta. - Verde (saúde): quinta. - Vermelho Rubi (paz e devoção): sexta. - Violeta (transmutação): sábado.

GRÁFICA IRMÃOS PASSOS LTDA. Rua da Lapa, 102 - Centro - Rio de Janeiro - RJ Tel.: (21)2224-7938 - Fax: (21)2242-9131 e-mail: impressoragraf@ig.com.br

BRECHÓ CELESTE Produtos de qualidade Preços populares e atraentes

Quer ajudar?

Nossa casa

agradece. Ordem Fraternal Cruzeiro do Sul-”CEU” Banco Itaú - Ag. 0357 c/c: 35407-5

4

Mensageiro Celeste • Março 2004  
Advertisement