Page 1

ANO III • N.º 21 • Edição trimestral FEV • MAR • ABR 2005

Informativo do Centro Cultural Akenathon da ORDEM FRATERNAL CRUZEIRO DO SUL - “CEU”

O avatar de Vichnu na atualidade Seu princípio representa a tolerância, a compreensão e o amor universal. Prepare-se para receber o Cristo Maitreya. Pág.3

Carnaval, o caos que refaz o equilíbrio. Pág.2 Conheça mais sobre a mulher que mudou a enfermagem no mundo. Pág.3 Descubra os benefícios da fitoterapia. Pág.4


EDITORIAL

A

partir desta edição o Mensageiro Celeste passa a ser trimestral e ratifica seu compromisso com a divulgação da mensagem do Cristo Cósmico para toda a humanidade. A preparação para receber a “boa nova” é interna, silenciosa e individual. Findo os festejos de Momo, cabe-nos uma reflexão sobre esta celebração e sua verdadeira razão de ser. Neste número brindamos você com o significado esotérico de egrégora, o poder curativo das plantas, a história de Florence Nightingale e o trabalho caritativo da fraternidade Ramatis. Compartilhe conosco esta nova fase e continue fazendo do Mensageiro Celeste um foco de luz em sua comunidade. Boa leitura e até a próxima edição. Kabir da Pérsia Sumo Sacerdote da “CEU”

Uma publicação do Centro Cultural Akenathon da Ordem Fraternal Cruzeiro do Sul – “CEU”. Jornalista responsável: Rafaela Pereira – JP 23991 RJ Projeto Gráfico: Francisco Carlos de Paula Tiragem: 2000 exemplares Impressão: Gráfica Irmãos Passos A distribuição do Mensageiro Celeste é gratuita, mas se quiser ser um Colaborador e receber o jornal em sua casa, avise-nos. Sua contribuição vai nos ajudar na impressão e distribuição do jornal. Ordem Fraternal Cruzeiro do Sul – “CEU” Rua Washington Luiz, 128 – Centro Rio de Janeiro-RJ-CEP: 20230-021. Tel/Fax: (21) 3852-6979 E-mail: ceu_namaste@yahoo.com.br

A “CEU” é uma instituição místico-espiritualista, sem fins lucrativos, voltada para a ajuda ao próximo e fundamentada em religiões orientais. Nossas atividades são realizadas por voluntários e mantidas por doações espontâneas.

2

ESPECIAL

Festa das máscaras Texto adaptado do site www.portodoceu.com.br e escrito por Cid de Oliveira.

C

arnaval, tempo de festas, folias, confete e serpentina. Mas será que é apenas isso? Qual é o real significado dessa festa? A marcação das festas do ano cristão, segundo as regras do cômputo eclesiástico, parece estar guiada por técnicas de cálculo de inspiração astrológica, impregnadas pelos sím-bolos da sã astrologia. Assim, o domingo de carna-val, conhecido como a qüinqua-gésima, é colocado 49 dias antes da Páscoa; e Pentecostes é cele-brado 49 dias depois dela. Tudo em completa sintonia com o simbolismo do signo de Áries, do sol, da lua e os cálculos da astrologia. O carnaval acontece mais ou menos quarenta dias antes do sol chegar ao grau zero do signo de Áries. Depois de percorrer quase todo o zodíaco e de “ter gestado doze luas”, começa-se a viver aqui os últimos dias do ciclo zodiacal; os tempos do fim do ano astro-lógico. E o tempo que antecede o final de qualquer ciclo caracteriza-se pela desordem e pela inversão dos valores admitidos no seu início. Ora, é precisamente nesse aspecto invertido que se encontra a verdadeira razão de ser das festas carnavalescas, pois a inversão de valores tem a capacidade de estimular a expressão das possi-bilidades mais inferiores contidas no ser humano, que devem natu-ralmente manifestar-se nos finais de ciclos. As informações forne-cidas pela mitologia e pela história confirmam

essa interpretação. Os pesquisadores do assunto acreditam que o carnaval tem suas origens nas saturnais dos antigos romanos. Segundo René Guénon, filósofo francês, as festas carnavalescas tinham como finalidade e serventia, na antigüidade, a expressão controlada das tendências inferiores do homem decaído com intenção de limitar seus efeitos funestos a um tempo e lugar determi-nados. O leitor atento deve ter percebido que durante todo o texto usei sempre os verbos no tem-po passado para me referir às funções, à eficácia e aos signi-ficados das celebrações em es-tudo. Procedi assim, porque es-sas festas parecem ter perdido atualmente a sua verdadeira e antiga razão de ser. Para cons-tatar isto, basta observar que, pelo menos no Brasil, as festas carnavalescas, por exemplo, ultrapassaram largamente os limites de tempo reservados tradicionalmente para sua rea-lização. Hoje, elas começam bem antes do domingo de car-naval e se estendem até muito depois da quarta-feira de cin-zas, situação que as incapacita completamente para cumprir sua antiga função, que era con-trolar e regularizar a desordem e a inversão, próprias do fim do ciclo, expressando-as dentro de um limite de tempo bem definido.

Plantas na odontologia

Um

Os desígnios de Deus

Uma onda de solidariedade varreu o planeta depois do cataclismo que afetou vários países asiáticos. Segundo a ONU, é a primeira vez que se consegue arrecadar tão grande quantia em dinheiro em tão pouco tempo. Embora já não seja mais notícia nas primeiras páginas dos jornais, esse desastre natural de proporções catastróficas ainda nos faz refletir. Reflexões que nos fazem querer desvendar os tortuosos desígnios divinos e sua justiça. Mas, como diz a Bíblia, “os desígnios de Deus são insondáveis” e a nós seres humanos cabe o papel de aceitá-los, nos solidarizarmos com os que sofrem e fortificarmos a nossa fé. Terremotos, maremotos, erupções vulcânicas, resfriamento ou aquecimento da atmosfera são episódios constantes na história geológica do planeta. Nós, seres humanos, desligados da mãe natureza e seus ciclos, construimos culturas e sociedades, e pretendemos que elas sejam perenes. Abandonando a visão cíclica e de constante mutação apreendida com a natureza nos primórdios da humanidade, nós, ao primeiro sinal de mudança nos rebelamos ou nos consideramos culpados e questionamos a justiça de Deus. Como ensina o bíblico Livro de Jó, sofrimento não é prova de pecado e não deve ser motivo para desacreditarmos de tudo. Jó era o mais fiel devoto de Deus e sendo desafiado por uma sucessão de perdas e sofrimentos, zanga-se com Ele, mas não perde sua fé. Mantém-se fiel a Deus e depois de um período de questionamentos cala-se e aceita os desígnios de seu Senhor, quando então é recompensado e volta a recuperar tudo o que perdeu. Diante do mistério insondável das forças da natureza só nos resta a atitude de reverência e respeito, nos mantendo sempre solidários para podermos ultrapassar o sofrimento que possa nos atingir. Anuk dos Alpes nota nota nota nota

Palavra de Especialista

a crença popular diz que o cravo-daíndia é excelente para halitose, o famoso mau-hálito. E realmente é. Porém, não é só essa a sua função. Uma substância com cravoda-índia na fórmula, uti-lizada para cura-tivos dentários, possui proprieades analgé-sica, antimicrobiana, capaz de matar a bactéria respon-sável pela cárie, além de garantir aquele cheiro típico do consultório dentário. Outras plantas, como barbatimão, calêndula, alecrim e rama-de-batata, também exercem função anticario-gênica e

Opinião

antimicrobiana. E não podemos deixar de citar a unha-de-gato. Uma equipe de pesquisadores da Universidade de São Marcos, no Peru, testou uma pasta de dente à base do extra-to da unha-de-gato e comprovou a eficácia de seus diversos princípios ativos no combate à cárie. O sucesso da experiência foi tamanho que o grupo rece-beu o Prêmio Nacional de Medicina Hipólito Unanue em 1998. Dra. Fabiana Rocha Cabral enfermeira e dentista Av. Passos 115/601 – Centro –RJ Telefone: (21) 2263-1666

Mensageiro trimestral A partir deste número o Mensageiro Celeste será publica-do trimestralmente. Com isso a equipe MC ganha fôlego novo para continuar produzindo um trabalho de altíssimo nível, tendo por objetivo a conscientização do homem sobre a divindade presente e vibrante em todos os seres. Mãos à obra Continua a todo vapor a restauração e conservação da área interna da “CEU”. Segundo Luiz Duarte, Diretor de Patrimônio da Casa, o cronograma está sendo cumprido à risca. Até agora foram gastos dez mil reais com mão-deobra e material, mas o projeto ainda carece de recursos financeiros. O Conselho Fiscal está acompanhando tudo de perto.


MATÉRIA DE CAPA

E

xpoente da Falange Branca Universal, Maitreya exerce influência nos dias atuais despertando graus diversos de veneração, ceticismo ou indiferença. Falar dos Mestres Espirituais exige boa dose de cuidado, racionalidade e sensibilidade, para que se possa perceber e cumprir fielmente as instruções da Hierarquia. De posse da Verdade sobre a existência humana, os Mestres resguardam essa sabedoria de mentes que ainda não estão prontas para usá-la de forma adequada. E de tempos em tempos, eles falam à humanidade através de mensageiros que aparentemente desafiam o senso comum, a razão, o establishment. Maitreya há muito é falado em todas as religiões e sua missão, como diz a Oração da “CEU”, é conscientizar os homens para melhor servirem uns aos outros, seguindo os passos do seu Mestre Interno. Freqüentemente mencionado em escrituras budistas e hinduístas, como o Uttara Tantra Shastra e o Maitreya Upanishad, o Mestre também está presente no postulado de várias instituições criadas em torno de seu nome e sua história como avatar. Exemplos dessas instituições são a Lucis Trust Foundation, de Nova Iorque, com filiais em Londres e Genebra, criada pela sensitiva Alice Bailey em 1922, e a Share International, rede ameri-cana com escritórios no Japão e em muitos países europeus, organizada em 1999. O papel de seres-estado de consciência como os avatares é o de renovar, restaurar antigos ensinamentos, já esquecidos pela humanidade, e revelar novos aspectos da realidade universal. Blavatsky, em seu livro

O Cristo Cósmico ESPECIAL

A Doutrina Secreta diz: “Maitreya é o nome secreto do quinto Buddha e o Kalkî Avatara dos Brâhmanes, o derradeiro Messias, que virá na culminação do Grande Ciclo”. Em geral ele é representado pela imagem de grande guerreiro, arauto do ingresso da energia da vontade-poder cósmica na aura da Terra. Seu cavalo branco é símbolo da purificação

MENSAGEIRO DO M S Florence Nightingale (1820-1910)

A mãe da enfermagem moderna

P

recursora da enfermagem moderna, Florence Nightin-gale tornou-se uma verda-deira heroína depois que che-fiou, nas mais precárias condi-ções, o atendimento aos solda-dos ingleses feridos durante a Guerra da Criméia. Nesse tempo ela levou a cabo uma verdadeira revolução no hospital militar do exército inglês na Turquia (1854), transformando por completo a tradicional prática da enfermagem. Florence Nightingale in-troduziu mudan-ças qualitativas ao nível da prestação de cuidados de saúde aos soldados, melhorando as condições sanitárias e de higiene e implementando medidas que foram ao encontro das neces-sidades dos pacientes e contri-buíram para lhes proporcionar mais qualidade de vida em períodos de convalescença.

Ela não conhecia o contágio por microorganismos, porém já acreditava em um meticuloso cuidado quanto à limpeza do ambiente e pessoal, ar fresco e boa iluminação. Preconizava, portanto, a idéia de que a saúde era não apenas estar bem, mas ser capaz de usar toda a capacidade do ser humano. Julgava que o pro-pósito da enfer-magem era colocar o homem na me-lhor condição pos-sível para que a natureza pudesse restaurar ou pre-servar a saúde, prevenir ou curar as doenças. O sucesso das medidas que adotou fez surgir em 1860 a primeira escola de enfermagem, modelo inspirador do ensino da profissão no Ocidente. Seu reconhecimento é tamanho que o dia internacional do enfer-meiro é comemorado em 12 de maio, em homenagem ao seu nascimento e obra.

do planeta anunciada pela Hierarquia. Em um artigo publicado na revista Path em dezembro de 1894, o teósofo americano William Q. Judge afirmou que para um Mestre saber o que está acontecendo no mundo de pensamentos que envolvem a humanidade, ele conecta sua mente, de forma voluntária e consciente, com a mente dos pensadores dominantes no momento e descobre de imediato o que está sendo feito em pensamento, podendo até certo ponto influir nesse processo. Maitreya é um adepto que age dessa forma e está associado à mudança de paradigmas e à universalidade de ação em todos os setores da sociedade atual. O jornalista inglês Benjamin Creme desde 1974 realiza conferências em várias partes do mundo testemunhando a presença física de Maitreya no mundo, o que é contestado por muitos segmentos cristãos e espiritua-listas. Creme comumente reporta a influência do Avatar nas decisões de entidades civis, religiosas, militares, científicas e acadêmicas. Porém, essa influência e poder transcende a discussão sobre sua forma física. Antes de representar um ser em carne e osso, Maitreya simboliza o estado de consciência mais elevado que os seres humanos podem alcançar e surge como força espiritual nesse período de aparente caos do Humanismo, para despertar no homem a necessidade de aproximar-se dos demais e buscar pontos de identidade através dos quais possa frater-nalmente realizar o objetivo de sua encar-nação: o aprimoramento do seu aspecto mental superior.

Para Refletir

O poder da egrégora

O

termo egrégora popularizou-se no meio espiritualista a partir do século XIX, gerando interpretações diversas. Ainda que não figure na totalidade dos dicionários de língua portuguesa ou inglesa, não é raro um sensitivo referir-se à importância da egrégora. Mas, afinal, qual o significado exato dessa palavra? Egrégora é a força espiritual existente por trás de toda organização iniciática ou filosófica, formada pela aura de cada participante, acumulando forças do passado e do presente. Cada grupo tem a sua e todas reunidas formam a egrégora da instituição. Preservar a unidade de pensamento com idéias, conceitos e métodos de trabalho que unam todos os participantes do grupo é a chave para manter esse campo de energia sutil. Kardec freqüentemente falava sobre a importância da “comu-nhão de pensamento” no meio es-pírita, talvez uma alusão à egrégo-ra. Para o místico Stanislav de Guaï-ta, egregóra seria uma entidade oculta, um ente coletivo, uma espé-cie de força proveniente da aura de um grupo cuja finalidade seria produzir fenômenos de ocultismo. O Livro de Enoch, apócrifo do século II a.C., relata uma lenda em que aparece o termo egrégora co-mo sendo um grupo de “anjos que juraram velar sobre o Monte de Hermon até que pudessem possuir as filhas dos homens”. Helena Bla-

vatsky menciona esse termo na Doutrina Secreta, atribuin-do sua criação a Eliphas Levi, e o mesmo aparece repetidas vezes em seus Escritos Reuni-dos (Blavatsky Collected Writings). Na “CEU”, egrégora é também o conjunto das afinidades espirituais de um médium que influenciam na cura, no aconselhamento e no aprendizado. Uma egrégora atua em função da vontade, do discernimento, do esforço pessoal e, também, da lei cármica. É um intenso movimento eletromagnético, de freqüências diversas, e cada médium atuante contribui para seu fortalecimento e sustentação durante os trabalhos. A tradição martinista afirma que o trabalho templário regular, constante e harmônico, so-mado aos interesses superiores de seus praticantes, é gerador de vibrações elevadas que for-talecem a egrégora, facilitando a evolução espiritual, irradian-do paz, revelando o Conheci-mento. Assim, a egrégora trans-forma o templo num reserva-tório permanente de força espi-ritual e psíquica. Talvez por isso, muitos afirmam que ao entrar na “CEU” experimentam uma sensação de alívio, proteção e familiari-dade inexplicável.

3


Casas de Luz - SOCIEDADE ESPÍRITA RAMATIS

A fraternidade da cruz e do triângulo

F

undada em 1964, a fraternidade Ramatis é amplamente conhecida por seus trabalhos de cura e de investiga-ção espiritual realizados sob o comando de Mestre Ramatis, à luz da doutrina de Kardec e dos ensinamentos de Mestre Jesus. Possui 13 filiais e extensa obra social. Em sua sede trabalham cerca de 1700 médiuns, atendendo semanalmente 10 mil pessoas. No mesmo prédio funcionam também o Departa-mento de Assistência Material, a Escola de Médiuns e o Departamento de Infância e Juventude.

O tratamento espiritual tem duração de nove meses e inclui várias modalidades como passe magnético, apometria e cromoterapia dentre outras. Os ensinamentos de Mestre Ramatis têm como objetivos: equilibrar o homem em seus as-pectos moral, mental e espiritual, difundir o conhecimento e promover a consciência universalista. SOCIEDADE ESPÍRITA RAMATIS Rua José Higino, nº 176 Tijuca, Rio de Janeiro, RJ Tels.: (021) 2572-7926 (021) 2572-1302

boa dica

FILME

Medéia, França/Itália, 1969. Direção: Pier Paolo Pasolini. Adaptação da tragédia grega homônima escrita por Eurípedes. O filme enfoca os conflitos entre sacralidade e racionalidade, homem e natureza. SITE

www.sete.org.br Site da Sociedade de Estudos Teosóficos com textos para estudos, palestras e meditações, além de calendário de eventos e informações sobre os cursos oferecidos pela Sete. MÚSICA

Flauta Zen, volume I. Shakuhachi tocado por Yôichi Okada. Peças autênticas de música zen, compostas e transmitidas por monges budistas, gravadas pelo músico japonês Okada, a pedido do monge Ryotan Tokuda. A venda no site www.bemzen.com.br Sessões da “CEU”

A cura através das plantas

A

boa dica

LIVRO Um Amor de Verdade. De Zibia Milani Gasparetto, Editora Vida e Consciência, 416 páginas. “Viver uma experiência amorosa é um dos maiores prazeres da vida. Gostar é sentir com a alma, mas expressar os sentimentos depende das idéias de cada um... Só quem se ama pode encontrar em sua vida ‘Um Amor de Verdade’!” - Luiz Gasparetto.

Viver Bem

fitoterapia tem se tornado cada vez mais popular en-tre os povos de todo o mundo. Hoje, há inúmeros me-dicamentos no mercado que uti-lizam em seus rótulos o termo “produto natural”, como carque-ja, guaraná e confrei. Eles pro-metem, além de maior eficácia terapêutica, ausência de efeitos colaterais. O uso das plantas como remédio é provavelmente tão an-tigo quanto a própria humanidade. Nas Ilhas Oceânicas, por exemplo, há séculos a planta kava kava (Piper methysticum) é usada como calmante. Durante muito tempo, foi utilizada em ce-rimônias religiosas, para um tipo de “efeito místico”. Depois, cien-tistas alemães comprovaram que seu extrato tem efeito no com-bate à ansiedade.

boa dica

O professor Fernando Fratane Maciel, da Universidade Federal Fluminense, disse em uma palestra proferida na “CEU” que a cura passa pela mudança de valores, pela reforma íntima. “A doença vem de outros cor-pos, de outras vidas, densifi-cando-se nesta. Deus dá o chá de cana-dobrejo para os rins, mas o homem tem de livrar-se de mágoas e ressentimentos. É o próprio indivíduo que promo-ve sua cura”, ensina o professor. Apesar dos inúmeros benefícios, é preciso cautela no uso de qualquer erva. As plantas medicinais podem e devem ser utilizadas como recurso alternativo, porém, é necessário conhecê-las detalhadamente, porque diferentes partes de uma mesma planta tratam diferentes males e algumas são tóxicas.

• Folha de bambu – fresca, serve para queda de cabelo e o chá de três folhas secas à sombra serve como antiácido. • Folhas de sete sangrias, laranja da terra, jamelão, colônia e de batata doce – são indicadas para a hipertensão, 3 a 5 folhas de cada. • Folha de dormideira – indicada para prisão de ventre, como calmante e também para pressão alta. • Folha de girassol do mato (mão-de-Deus) – é indicada contra vícios. Uma folha grande de mão-de-Deus serve para combater o vício do álcool e do fumo, acompanhado de muita salada de agrião, do suco de agrião na água, em jejum, e ainda o banho com mão-de-Deus. • Folha de boldo – é um antibiótico, usado em gargarejos, quente, misturado à folha de hortelã. Funciona, também, como cicatrizante. • Folha de arruda – usada como anti-inflamatório. • Folha de espinheira santa – usada como tratamento para gastrite. • Folha de hortelã – indicada para combater o stress.

Palestra Especial O Calendário Maia 12/03, às 16h.

Sessão de Tratamentos e Consultas (SPV) (recomendamos chegar com 1h de antecedência) Manhã: domingo, às 9h. Tarde: sexta, às 14h. Noite: terça, quarta, quinta e sábado, às 20h. Sessões Especiais - Corrente Cósmica: última 4ª feira do mês, às 18h. - Mentalismo: 4ª feira, às 18h. - Culto à Família: 1º sábado do mês, às 15h. - Culto à Ancestralidade: 3º sábado do mês, às 15h. - Culto à Prosperidade: último sábado do mês, às 16h. - PHATAE(Mesa Branca): todo sábado, às 17h. - Culto ao Espírito: 1º domingo do mês, às 18h. - Culto Zodiacal: 3º domingo do mês, às 18h. Sessões de Meditação (Chamas) Diariamente, às 19h. Chegar 30 min antes. - Azul (poder e força): domingo. - Amarela (fé e espiritualidade): segunda. - Rosa (amor fraternal): terça. - Branca (harmonia e equilíbrio): quarta. - Verde (saúde): quinta. - Vermelho Rubi (paz e devoção): sexta. - Violeta (transmutação): sábado.

Seja um Colaborador do Mensageiro Celeste. Escolha a melhor forma de ajudar e ligue para

3852-6979. Para colaborar com: 1 2 3 4

edição edições edições edições

(R$ 10,00) (R$ 15,00) (R$ 20,00) (R$ 25,00)

Depósito em favor da Ordem Fraternal Cruzeiro do Sul -”CEU” Banco Itaú - Ag. 0357 c/c: 35407-5 (Envie o comprovante de depósito via fax ou correio e o endereço onde deseja receber o Mensageiro)

GRÁFICA IRMÃOS PASSOS LTDA. Rua da Lapa, 102 - Centro - Rio de Janeiro - RJ Tel.: (21)2224-7938 - Fax: (21)2242-9131 e-mail: impressoragraf@ig.com.br

4

Mensgeiro Celeste - Agosto  
Advertisement