Issuu on Google+

visão de futuro

pr o g ra m a s e a çõ e s

perf il do jo vem

gestores municipais

Encontros regionais de políticas pública s de juventude

resultados e persp ectivas


Governo do Estado de São Paulo José Serra Secretaria de Relações Institucionais José Henrique Reis Lobo Secretaria de Economia e Planejamento Francisco Vidal Luna Fundação Prefeito Faria Lima - Cepam Felipe Soutello

Elaboração e coordenação editorial | Assessoria de Comunicação e Marketing do Cepam Coordenação | Adriana Caldas Editoração de Texto e Revisão | Eva Célia Barbosa e Marcia Labres (estagiária) Direção de Arte | Jorge Monge Assistente de Arte | Marina Brasiliano Estagiários | Bruno de Oliveira Romão e Lucas Silva Spaleta Fotos | W. J. Rios e Objetiva Eventos Tiragem | 1.000 exemplares


Coordenadoria Estadual de Programas para a Juventude

s i a n o i g e r s Encontriocas públicas de polít tude de juvens e perspectivas resultado

2008 São Paulo,


© Coordenadoria Estadual de Programas para a Juventude

Fundação Prefeito Faria Lima – Cepam Centro de Estudos e Pesquisas de Administração Municipal

Coordenadoria Estadual de Programas para a Juventude Coordenadora Mariana Montoro Jens Equipe Técnica Ana Carolina Moreno, Eneida Moratto Lopes, Gabriela Moccia de Oliveira Cruz e Sônia Maria Belardinucci

Coordenadoria de Gestão de Políticas Públicas (Cogepp) do Cepam Coordenadora Fátima Fernandes de Araújo Equipe Técnica Juçara Morelli Terra Rodrigues, Maria Niedja Leite de Oliveira e Silvia Regina da Costa Salgado

Ficha Catalográfica elaborada pela Biblioteca Ivan Fleury Meirelles SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Relações Institucionais. Coordenadoria Estadual de Programas para a Juventude; FUNDAÇÃO PREFEITO FARIA LIMA – CEPAM. Coordenadoria de Gestão de Políticas Públicas – Cogepp. Encontros regionais de políticas públicas de juventude: resultados e perspectivas. Elaborado por Mariana Montoro Jens, Juçara M. T. Rodrigues, Maria Niedja L. de Oliveira e Silvia R. da C. Salgado. São Paulo, 2008. 128p. 1. Políticas públicas. 2. Juventude. 3. Per fil do gestor de juventude I. JENS, Mariana Montoro, coord. II. RODRIGUES, Juçara M. T. III. OLIVEIRA, Maria Niedja L. de IV. SALGADO, Silvia R. da C. V. Fundação Prefeito Faria Lima – Cepam. VI. T. CDU: 35.073.1-053.6


palavr a do Secretário O governo do Estado de São Paulo revela, por meio da criação da Secretaria de Relações Institucionais, sua preocupação em garantir que a diversidade do povo paulista seja considerada na execução de suas inúmeras políticas, programas e ações. Essa é a razão da união dos diversos conselhos e da própria Coordenadoria de Programas para a Juventude, em uma só secretaria, capaz de lhes fornecer o apoio e espaço necessários para a realização de seus projetos. A faixa etária que hoje definimos como juventude, além de constituir parte dessa diversidade, também reúne em si todas as suas características: afinal, entre os quase 11 milhões de jovens paulistas encontram-se diferentes etnias, cores de pele, opções sexuais e religiosas. E, neste caso, a compreensão dessa diversidade é ainda mais importante, pois é geralmente entre os 15 e 29 anos de idade que uma pessoa define, por meio de erros e acertos, o caminho que seguirá durante a sua vida adulta. Os Encontros Regionais de Políticas Públicas de Juventude respondem a essa preocupação ao reunir, em cada uma das regiões do Estado, durante um dia inteiro de trabalho, diferentes grupos de jovens e representantes das prefeituras envolvidos e comprometidos com a juventude em toda a sua integralidade. A presença de quase 500 participantes, representando mais de 150 municípios, mostra que esse é o caminho. A riqueza das discussões contidas nesta publicação é motivo de satisfação, alegria e confirma o desafio que ainda temos pela frente. E este é apenas o começo. Esta secretaria sente-se satisfeita por participar do sucesso deste primeiro passo, e ansiosa por acompanhar os próximos frutos dessa empreitada. Que os dados e as reflexões inclusas nesta publicação sejam inspiradores e de grande valia para balizar as futuras políticas públicas para a juventude paulista. Com todo nosso apoio e entusiasmo, José Henrique Reis Lobo, Secretário de Relações Institucionais


apresentação O Cepam

acaba de completar 40 anos, mas foi com o espírito jovem

que aceitamos o desafio de realizar, em parceria com a Coordenadoria de Programas para a Juventude do Estado de São Paulo, órgão ligado à Secretaria de Relações Institucionais, os Encontros Regionais de Políticas Públicas de Juventude, que contaram com a participação dos 645 municípios paulistas. O resultado deste trabalho é gratificante para todos nós, por ter proporcionado um diálogo entre os gestores de juventude estaduais, municipais e das organizações não-governamentais, promovendo a troca de experiências, aprimorando e ampliando a Rede Estadual de Gestores de Juventude. Os 14 Encontros, realizados entre os meses de fevereiro e maio de 2008, permitiram que os municípios tomassem conhecimento dos programas estaduais e federais voltados para a juventude e, ao mesmo tempo, possibilitaram o mapeamento das ações já desenvolvidas nas diversas regiões do Estado. Este documento relata as principais demandas do cidadão paulista com idades entre 15 a 29 anos e será uma ferramenta valiosa para a elaboração e a gestão das Políticas Públicas de Juventude nos municípios. Nós, do Cepam, acreditamos que, investindo na juventude, estamos cumprindo com a nossa missão de fortalecer os municípios. É com a energia criativa da juventude que construiremos uma sociedade mais solidária e justa. Felipe Soutello, Presidente do Cepam


PREFÁCIO Como

transformar em nomes, rostos

Políticas Públicas de Juventude. E, enfim, come-

e, principalmente, demandas reais, os números

çamos, em novembro de 2007, a tirar o projeto

frios, que impõem, em planilhas de Excel, a imen-

do papel. Foram três meses de preparação para

sidão do Estado de São Paulo? Como conhecer a

criar e produzir todo o material e definir o melhor

juventude paulista e realizar um trabalho efetivo

formato para o dia de trabalho.

para contribuir com a plenitude da vida dessas

Antes de tudo, era preciso apresentar, a todos os ges-

pessoas tão especiais? Como sensibilizar os di-

tores, o histórico da Coordenadoria Estadual de Pro-

versos atores espalhados pelo Estado? Esses fo-

gramas para a Juventude, nossa missão, nossos obje-

ram os desafios que a Coordenadoria Estadual de

tivos e, conseqüentemente, o porquê do projeto.

Programas para a Juventude decidiu enfrentar

Os números, que de início pareciam frios, estra-

ao criar – com o aval e o apoio da Secretaria de

nhos e distantes, foram tomando forma e, em

Relações Institucionais – o projeto dos Encontros

verdade, pareceram pequenos, ao organizá-los e

Regionais de Políticas Públicas de Juventude.

dividi-los por região. Mas era preciso fazer esse

São 11 milhões de garotos e garotas, homens e

esforço. Assim, os dados que tínhamos em mãos

mulheres, com idades entre 15 e 29 anos, espalha-

sobre a realidade socioeconômica e sobre a

dos pelos 645 municípios do Estado. A tarefa pa-

juventude paulista foram distribuídos nas 15

recia insuperável. Mas era preciso agir e o primeiro

Regiões Administrativas de São Paulo.

passo só poderia ser a retomada do contato com

Entretanto, o maior desafio ainda estava por vir:

os grandes parceiros do Poder Público estadual:

não poderíamos concretizar os Encontros sem

os gestores das prefeituras, os profissionais mais

antes conhecer a fundo todos os programas e

próximos dos jovens munícipes, que conhecem a

projetos que o próprio governo do Estado de-

fundo a realidade local, porque vivem e convivem

senvolvia para a juventude.

com o sucesso e os desafios cotidianos, do dia-

Das mãos do governador José Serra saiu o pri-

a-dia da cidade, ouvindo o cidadão, interagindo

meiro indício da importância que essa faixa etária

diretamente com ele. Além, é claro, dos gestores

representa para a atual gestão: uma carta a todos

que atuam nas organizações e associações da so-

os secretários de Estado para que participassem

ciedade civil comprometidos com o tema.

da troca de informações sobre seus programas

Não havia dúvida: o caminho era reativar e con-

com a Coordenadoria. Foi assim que demos iní-

solidar uma ampla Rede de Gestores de Juventu-

cio a uma verdadeira caravana intergovernamen-

de em São Paulo.

tal. Visitamos secretarias, telefonamos, trocamos

Assim, decidimos solicitar a inestimável parceria

e-mails e, enfim, produzimos o capítulo destina-

da Fundação Prefeito Faria Lima – Cepam e toda

do a congregar, de forma resumida, os principais

a sua experiência de trabalho com a municipali-

programas e projetos desenvolvidos pelo gover-

dade, para construir os Encontros Regionais de

no do Estado.


Vale registrar que o trabalho de mapeamento, ar-

nal que trabalha há 22 anos com moderação de

doroso e um pouco cruel, em sua constante de-

processos participativos, passou a acompanhar

manda por atualização, ou seja, é uma tarefa que

todos os encontros, para garantir o dinamismo

nunca acaba, deu origem a outro projeto: um Por-

necessário, com democracia, participação, igual-

tal da Juventude Paulista, que é descrito com mais

dade de oportunidades, espaço de expressão,

detalhes, no item Potencializando a Internet.

produtividade e foco no resultado!

Para compor as páginas finais do material, mon-

Por intermédio do Cepam, a empresa Objetiva

tamos um mini-histórico dos Conselhos de Cida-

Eventos foi contratada para cuidar de toda a lo-

dania e já agregamos a Minuta de um Projeto de

gística, com atenção, apreço, profissionalismo e

Lei para os interessados em implantar um Conse-

dedicação insuperáveis.

lho Municipal de Juventude em sua cidade.

Todos os ingredientes estavam na mesa. Era só

O fechamento (tanto do material elaborado, como

colocar o pé na estrada para ver a massa se mis-

do dia de trabalho) retoma o início desta apresen-

turar e o bolo crescer. Os momentos que ante-

tação: a importância da troca de experiências e

cederam o primeiro encontro foram de muita

informações entre todos nós, gestores e gestoras

expectativa para todos. No fim, não apenas o

de juventude do Estado de São Paulo. Afinal, esse

primeiro, mas todos aconteceram a contento e

projeto seria apenas o primeiro passo. Na era da

superaram em muito nossas expectativas.

comunicação, não faltam meios e estímulos para

Cada região foi uma história. É difícil colocar essa

darmos seguimento e fortalecermos esta rede tão

diversidade no papel e compartilhar com vocês

importante. E isso é tarefa de todos e de cada um.

o resultado de tudo isso. Esta publicação é uma

Todo esse conteúdo caiu nas mãos de um jo-

tentativa de sistematizar, com textos e gráficos,

vem artista (Jorge Monge) e, como em um pas-

parte dessa experiência, focando seu conteúdo

se de mágica, foi transformado em uma linda

nos momentos da participação dos gestores, em

apostila, entregue a cada participante, em to-

suas informações e depoimentos.

dos os encontros.

As fotos selecionadas para ilustrar este trabalho

Ao planejar como seria o trabalho de um dia in-

também registram, por meio de imagens, a ri-

teiro dedicado à juventude de cada região, outra

queza do processo participativo, dos trabalhos

preocupação central desta Coordenadoria dizia

em grupo, das tomadas de decisão e da cumpli-

respeito à efetividade das discussões. Como ga-

cidade pelo resultado alcançado – que marcaram

rantir que elas fossem, ao mesmo tempo, demo-

toda essa jornada.

cráticas e produtivas, divertidas e consistentes?

Obrigada a todos pela confiança, e boa leitura!

Não havia melhor opção do que contratar um profissional para nos auxiliar nesse desafio. E

Mariana Montoro Jens,

assim foi feito. José Gabriel Pesce Jr., um profissio-

Coordenadora Estadual de Programas para a Juventude


SUMÁRIO


sumário PALAVRA DO SECRETÁRIO APRESENTAÇÃO PREFÁCIO INTRODUÇÃO OBJETIVOS

13

17

CONSIDERAÇÕES GERAIS E A REDE ESTADUAL DE GESTORES DE JUVENTUDE

21 22 24

Um Segmento Especial Um Parceiro para Conhecer o Jovem Uma Proposta de Rede

SOBRE A REALIZAÇÃO DOS ENCONTROS

29 30

O Programa A Metodologia

MÓDULO I – CONHECENDO AS AÇÕES E O JOVEM

39

Programas, Projetos e Ações Desenvolvidos nos

Municípios por Região Administrativa

97

Sistematização e Análise dos Programas e Ações

Desenvolvidos nos Municípios

99 107

Os Programas e as Ações Traçando o Perfil do Jovem Paulista

MÓDULO II – O GESTOR MUNICIPAL DE JUVENTUDE

1 15 Traçando o Perfil Ideal do Gestor Municipal de Juventude

MÓDULO III – VISÃO DE FUTURO

1 19 Novos Cenários 120 Potencializando a Internet 121 Participantes


In

o รฃ รง u d o tr


I n tro d uรง รฃ o


O tema

juventude vem adquirindo maior atenção dos governos e das orga-

nizações representativas da sociedade civil por envolver um segmento da população com importância estratégica, por compor expressiva parcela, em termos numéricos, levando-se em conta as dificuldades por eles enfrentadas, e a reconhecida importância dessa fase da vida na construção do futuro. Tanto no âmbito federal, como no estadual e nos municipais, vêm sendo criadas estruturas direcionadas aos interesses do público jovem, como secretarias, coordenadorias, conselhos, comissões, departamentos, entre outras. A despeito do nome e de algumas funções específicas, todas têm como eixo central a integração e a transversalidade entre as políticas praticadas nos diferentes órgãos públicos. Assim, como ponto de partida, é preciso conhecer a juventude, suas características, seus problemas, a diversidade de suas realidades, os desafios que passam a enfrentar, nessa fase da vida, ou seja, as dificuldades de inserção educacional, profissional e social. E é de igual importância conhecer as potencialidades e as possibilidades que os jovens têm, atualmente, no que diz respeito às suas chances de desenvolvimento e participação, e como ampliá-las. Para conhecer as demandas do jovem e as ações destinadas a esse público, nos municípios paulistas, a Coordenadoria de Programas para a Juventude do Estado de São Paulo, órgão ligado à Secretaria de Relações Institucionais do Estado de São Paulo e a Fundação Prefeito Faria Lima – Cepam promoveram, entre os meses de fevereiro e maio de 2008, 14 Encontros Regionais de Políticas Públicas de Juventude, que englobaram todo o Estado de São Paulo. Este documento traz a síntese do que foi o projeto; explica a metodologia aplicada; faz um resumo das ações já existentes nos municípios; apresenta o perfil do jovem médio paulista, com seus principais sonhos e ameaças; traça o perfil do gestor municipal de juventude; e sinaliza as perspectivas de futuro, segundo a visão dos gestores que estiveram presentes. Ao longo das plenárias, diferentes opiniões foram registradas, por vezes divergentes, mas o que está apresentado neste documento é produto de consenso, e extraído dos encontros, resultado de um trabalho coletivo.

13


Objetivo s


s o v i t e j Ob


Elaborar

políticas públicas efetivas para aproximadamente 11

milhões de jovens, espalhados em 645 municípios, é desafio que não se enfrenta sozinho. Além disso, inúmeras iniciativas e projetos acontecem, com maior ou menor abrangência, em diferentes regiões do Estado – desenvolvidos tanto pelos municípios como pelo próprio governo estadual. Era preciso contribuir para o levantamento e agrupamento de todas essas informações e, é claro, propiciar a troca de experiências entre os diversos gestores – governamentais e da sociedade civil organizada – que trabalham com políticas para a juventude. Assim, as ações prioritárias desses eventos foram compartilhar informações socioeconômicas gerais e específicas sobre os jovens no Estado de São Paulo e em suas diferentes regiões; apresentar os programas, disponíveis para a faixa etária em tela, desenvolvidos pelas diversas secretarias do governo do Estado; registrar as considerações dos gestores sobre a realidade (ameaças e oportunidades) e as principais características da juventude da região; mapear as principais ações municipais voltadas aos jovens; além de provocar uma reflexão sobre o próprio perfil do gestor de políticas de juventude. Em suma, os encontros visaram aproximar o governo estadual dos 645 municípios paulistas, e também fortalecer a Rede Estadual de Gestores de Juventude do Estado de São Paulo.

17


s e þ ç a r e d i s n o C e d e r a e s i a r e g estadual de e d s e r o t s e g juventude


Consideraçþes gerais e a rede estadual de gestores de juventude


Um Segmento Especial Nem adolescente, nem adulto. Tampouco apenas uma simples fase de transição entre a “imaturidade” e a “responsabilidade”. A juventude é um período muito importante na existência de uma pessoa, pois não só corresponde ao momento em que ela define seu futuro como também congrega as experiências que se tornarão, com o tempo, suas memórias mais marcantes. Entretanto, por mais óbvio que isto possa parecer, poucos se dão conta dos prejuízos de não permitir que a juventude dure o quanto for necessário. Gravidez indesejada, dificuldades financeiras na família, e o acesso desigual à educação são fatores responsáveis por arrancar da vida de uma pessoa seu direito a um período em que há liberdade e incentivo para experimentar, errar e acertar. Além das perdas individuais, quando o primeiro filho, o casamento e o ingresso no mercado de trabalho acontecem precocemente, toda a sociedade também é afetada, pois acaba absorvendo trabalhadores sem preparo, estudo e maturação suficientes para contribuir com seu potencial para a produtividade e o desenvolvimento do País. O Brasil é especialmente peculiar, nesse sentido. A desigualdade que permeia todas as facetas sociais não poupa a juventude. Sem dúvida, uma pequena parcela consegue seguir o padrão de países desenvolvidos. Seus pais têm renda suficiente para que eles não precisem se preocupar com o mercado de trabalho tão cedo e, assim, possam se dedicar ao Ensino Médio, ao Ensino Superior, a viagens e programas culturais e, enquanto se formam, ainda têm a chance de experimentar uma série de estágios ou empregos temporários, que lhes darão experiência e senso de responsabilidade. Esse exemplo, porém, não se aplica à maioria da população jovem. Esses, pressionados pela necessidade de conseguir renda própria, seja para ajudar em casa ou adquirir objetos pessoais – o que é legítimo e até importante, nessa fase da vida –, agarram qualquer emprego que os aceite sem experiência ou diploma. E os planos de continuar estudando, escolher uma carreira, e planejar um futuro profissional satisfatório acabam postergados. Para não dizer esquecidos, por pura falta de alternativa. O Poder Público, em todas as suas esferas, tem a obrigação e o compromisso de voltar sua atenção para a realidade vivida pelos nossos jovens com idades entre 15 e 29 anos (como definido pela Organização das Nações Unidas - ONU).

21


É nossa “missão” proporcionar oportunidades e ofertas para o jovem conhecer diferentes caminhos, experimentar sensações, ampliar seus horizontes, questionar, de forma qualificada, suas antigas crenças e comportamentos e, enfim, moldar a personalidade, os sonhos e objetivos de sua vida adulta. Ao conversar com os gestores municipais, durante os Encontros Regionais de Políticas Públicas de Juventude, percebemos que a preparação do jovem para o mercado de trabalho é uma das, senão a principal, demandas desse corte demográfico. E não há nada de errado em começar cedo a trabalhar para auxiliar os pais. Isso não quer dizer, porém, que a educação e a formação (no sentido amplo da palavra) devam ser deixadas de lado. Considerando a questão de gênero, estudos indicam que a progressão educacional da mulher está diretamente ligada à sua taxa de fecundidade. Assim, garantir que nossas jovens permaneçam na escola, tenham acesso às informações sobre planejamento familiar, e consigam manter seus planos para o futuro – também uma das demandas indicadas pelos participantes dos encontros – é mais uma forma de oferecer o pleno aproveitamento da sua juventude. Durante o percurso que a Coordenadoria Estadual de Programas para a Juventude realizou pelas regiões do Estado, dois importantes aspectos se tornaram claros: São Paulo conta com gestores e gestoras municipais profundamente comprometidos com a juventude paulista, mas as políticas públicas pensadas, elaboradas e executadas prioritariamente para essa faixa etária, ainda ocupam posições muito aquém do necessário nas pautas das prefeituras. Como veremos a seguir, é difícil, para as prefeituras, em parte por se tratar de uma novidade, entender e planejar políticas para a juventude que de fato respondam às suas demandas. Mas todos estão dispostos a tentar: a juventude é um período de experimentação e de tomada de decisão. O papel do Poder Público, nesse cenário, é contribuir para a existência da diversidade, em quantidade e qualidade, das opções que se apresentam para esse cidadão fazer suas escolhas.

Um Parceiro para Conhecer o Jovem Quando a Coordenadoria Estadual de Programas para a Juventude deu início aos Encontros Regionais de Políticas Públicas de Juventude, a expectativa era encontrar gestores e gestoras com as mais diversas formações e muita boa vontade para avançar no debate sobre políticas públicas voltadas especificamente para a juventude.

22


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

Depois de 14 dias, compartilhados com mais de 450 pessoas, de 151 municípios, é seguro dizer que existe muito mais do que isso. Não é difícil se convencer de que os municípios, e os gestores que os representam junto aos jovens, são os principais parceiros para ampliar e democratizar essas políticas. A redemocratização da sociedade brasileira apontou a descentralização e a municipalização como alternativas para garantir a consistência e a competência – eficácia técnica e eqüidade social – no atendimento das demandas. Apenas quando o governo estadual consegue alinhar os objetivos de seus programas às necessidades locais é possível oferecer as melhores práticas para o público-alvo. No caso de uma faixa da população tão intrinsecamente diversificada, mutável e complexa, como é a da juventude, a proximidade entre a Coordenadoria Estadual de Juventude e as prefeituras é essencial para garantir o constante aperfeiçoamento dos programas estaduais e municipais. Essa relação reconhece tanto o município como esfera autônoma de governo, quanto as Administrações Municipais como promotoras de iniciativas que se diferenciam por práticas cotidianas de defesa da cidadania, pelo fortalecimento dos atores sociais e por um modo positivo de assimilar a descentralização das políticas públicas. Os encontros incorporaram a concepção da esfera pública permeável às reivindicações, opiniões e propostas que podem influenciar o processo decisório do governo local. A proposta consistiu, enfim, na abertura de canais de comunicação para discutir as necessidades e demandas dos jovens e também para garantir a interlocução com a administração municipal e com seu projeto de uma política municipal dirigida à juventude. Surpreendeu, porém, não só conhecer de perto o trabalho dos representantes do Poder Público mais próximos da juventude, mas descobrir o alto grau dessa proximidade. Foi comum ouvir gestores e gestoras se referindo aos jovens de um município pelo nome, e perceber o quão sensíveis e comprometidos eles estão com o trabalho que fazem. O perfil desses profissionais apresenta duas características principais: são pessoas formadas em áreas específicas (esportes e assistência social, predominantemente) e incumbidas, em sua maioria, de programas para quase todas as idades, desde a infância e a juventude, até a terceira idade. Também ficou claro que as políticas, para quem tem idades entre 15 e 29 anos, ainda são vistas com menos atenção do que merecem, dentro das prioridades

23


dos governos municipais. Como será possível perceber, nesta publicação, um município com, pelo menos, um Conselho Municipal de Juventude é raridade, dentro do universo de prefeituras que participaram dos encontros. O efeito imediato dessa falta de estrutura é um fenômeno comum a todos os municípios: a flexibilização de programas para outras faixas etárias com o objetivo de “incluir” os jovens. Assim, projetos concebidos inicialmente para adolescentes, acabam estendendo sua idade máxima até 18 ou 19 anos, para encaixar parte da juventude. Do mesmo modo, políticas principalmente voltadas aos adultos com mais de 30 anos, como os programas de inserção profissional, passam a aceitar pessoas com menos idade. Porém, nenhuma dessas políticas foi pensada especificamente para a juventude. Todas apenas adequam e exploram os fracos traços dos jovens que se assemelham aos adolescentes ou aos adultos. Apesar de o quadro constatado no Estado de São Paulo demonstrar que ainda há muito a ser feito, foi alentador conferir que os gestores estão dispostos a desenvolver novas e melhores políticas públicas. Muitos deles, inclusive, merecem se tornar referência, por causa de suas ações inovadoras e originais para driblar as dificuldades estruturais e garantir o melhor atendimento aos jovens de suas regiões. Também fomos positivamente surpreendidos pela disposição e o desejo desses gestores em fortalecer a integração local, a regional e estadual para que as ações individuais de cada um possam servir de exemplos para os demais.

Uma Proposta de Rede De nada adianta apenas o governo estadual ter uma relação próxima com as prefeituras municipais. Um trabalho consistente de políticas públicas em um Estado tão grande, diverso e populoso como São Paulo necessita de uma rede integrada entre os gestores de todas as esferas governamentais e da sociedade civil organizada. Há uma redefinição do Estado no âmbito municipal. Hoje, a instituição municipal é um universo próprio, uma estrutura do Poder Local, na qual se processa a interação dinâmica entre a Administração e a sociedade civil. O município é uma organização política da sociedade local e o espaço público, tradicionalmente ocupado apenas por grupos hegemônicos, agora vive recheado de novos atores coletivos, vindos de fora dos mecanismos tradicionais de representação.

24


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

As novas práticas que surgem nesse cenário mais heterogêneo exigem das Administrações Municipais, de outras instâncias de governo, de especialistas e técnicos, e mesmo dos legisladores, a proposta de novos instrumentos e processos. Estes viabilizam as ações em curso e propiciam sucessivamente outras inovações e renovações. Daí a importância da troca constante de informações. Para contribuir com a formação de uma rede de intercâmbio de informações entre os gestores de juventude, cuja efetividade conta hoje com o apoio das novas tecnologias, o governo do Estado, por meio da Coordenadoria de Programas para a Juventude, quer ampliar a disseminação e a difusão de ações e outros subsídios aos gestores municipais e demais interessados. É muito comum municípios enfrentarem problemas semelhantes, em momentos diferentes, e soluções serem adaptadas de forma exitosa de um local para outro. Assim, é importante o compartilhamento de histórias (com seus obstáculos e aprendizados) para que um número cada vez maior de comunidades encontre soluções que possam ser adotadas ou adaptadas. É essa certeza que motivou a criação e a oficialização (por portaria) da Rede Estadual de Gestores de Juventude. O ciclo de Encontros Regionais de Políticas Públicas de Juventude fortaleceu a crença de que São Paulo tem condições de construir um quadro articulado de profissionais, e reafirma o compromisso do governo estadual de implantar a rede por todo o Estado, abrangendo cada vez mais municípios e gestores e investindo em tecnologia para manter um canal de comunicação permanentemente aberto e interativo com os parceiros municipais. Entre as diversas ferramentas disponíveis, merece destaque o Portal da Juventude Paulista, detalhado no capítulo Potencializando a Internet desta publicação.

25


a e r b s o o d S o รฃ รง a z i l a e r s o r t n o c n e


a e r b s o o d S o รฃ รง a z i l rea s o r t n o enc


A par tir

de novembro de 2007, reuniram-se a Coordenadoria de

Programas de Juventude e a Fundação Prefeito Faria Lima – Cepam, para operacionalizar esse projeto. O material didático preparado e distribuído nos encontros apresentou dados socioeconômicos do Estado e de cada Região Administrativa, tanto gerais como específicos, sobre jovens. Pesquisa realizada nas secretarias estaduais levantou os programas existentes que beneficiam a faixa etária em tela, para complementar as informações contidas no material. Um projeto de identidade visual foi desenvolvido para marcar os encontros e todo o material distribuído. A mobilização deu-se por meio de convites encaminhados por e-mail e telefonemas feitos aos gestores municipais de juventude, representantes de organizações da sociedade civil e demais gestores municipais que mantêm interface com o tema. A divulgação foi feita por mídia digital, imprensa local e escritórios regionais. Dos encontros, participaram a coordenadora de Programas para a Juventude do Estado de São Paulo, Mariana Montoro Jens, apresentando o histórico da Coordenadoria de Juventude dentro do governo do Estado, sua missão, a proposta dos encontros, e o moderador de processos participativos, José Gabriel Pesce Jr., mediando os trabalhos desenvolvidos pelos participantes. Na organização e na realização do projeto, contou-se com a parceria da Objetiva Eventos.

O Programa Na abertura, contextualizando o processo desenvolvido na área da juventude, no Estado, foi feita uma apresentação, pela coordenadora de Programas para a Juventude de São Paulo, contendo como principais pontos: • Proposta dos Encontros; • Histórico da Coordenadoria de Programas para a Juventude dentro do Governo do Estado e sua missão; • Dados socioeconômicos do Estado e das regiões administrativas convidadas para o Encontro; • Dados sobre a juventude do Estado e das regiões administrativas convidadas para o Encontro; • Principais ações e programas desenvolvidos pelo Governo do Estado para a juventude paulista.

29


Na seqüência, o moderador falou sobre a programação e a metodologia de trabalho e, em seguida, cada participante apresentou-se, com nome, município de origem, instituição e função. O programa contou com três módulos de trabalho participativo, ora em grupo, ora em plenária: 1. Mapeando as principais ações em prol da juventude, 2. Procurando conhecer o jovem da região, 3. Traçando o perfil de um gestor. Os resultados desses módulos serão apresentados mais adiante.

A Metodologia Os encontros foram orientados pelos princípios do enfoque participativo, que envolve um conjunto de instrumentos, com a finalidade de facilitar o processo de comunicação interpessoal dentro de equipes, grupos ou comunidades, trabalhando com alguns elementos básicos, em especial os descritos a seguir. O moderador é o elemento de equilíbrio, o catalisador para as diversas idéias que surgem em decorrência do processo grupal. Ele procura não interferir no conteúdo das discussões, e tem somente a responsabilidade de facilitar o processo metodológico e estruturar as idéias do grupo. A visualização consiste no registro visual contínuo de todo o processo, para manter as idéias sempre acessíveis para todos. Desse modo, as contribuições não se perdem, e se tornam mais objetivas e transparentes para todo o grupo. A problematização é o mecanismo que evita a dominação e ativa o intercâmbio de idéias, entre os participantes. Assim, mobiliza as informações e o conhecimento dos envolvidos no processo. Para isto, adota–se a técnica de perguntas orientadoras, colocadas pelo moderador do processo, para direcionar o desenvolvimento do trabalho. O trabalho em grupo é adotado para aumentar a eficácia da comunicação e garantir um momento ativo de criação, durante o qual são geradas idéias que podem ser o ponto de partida para a discussão em plenária. Nos pequenos grupos é que se estabelece o contato face a face e criam-se idéias de forma intensiva. As sessões plenárias são utilizadas para aperfeiçoar e lapidar as idéias geradas nos grupos. São os momentos de socializar os resultados e das tomadas de decisão. O debate ativo é provocado continuadamente, e é a base de um processo grupal participativo, durante o qual todos devem ter os mesmos direitos e tratamentos,

30


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

independentemente de posição ou cargo que exerçam. Na troca de idéias e experiências é que está a riqueza desse processo. A avaliação permanente procura dar uma melhor orientação ao processo, transferindo responsabilidades ao grupo. Cabe ao grupo realizar uma avaliação contínua e, com isso, obter maior satisfação, por poder influenciar diretamente os resultados e os procedimentos. A documentação, fiel à produção do grupo, é baseada na transcrição dos painéis visualizados e dos documentos utilizados e produzidos.

Quadro 1 - Síntese dos encontros regionais No. de Ordem

Data

Cidade-Sede

Região

1

22/2/2008

São José dos Campos

São José dos Campos

2

27/2/2008

Praia Grande

Metropolitana da Baixada Santista

3

7/3/2008

Presidente Prudente

4

11/3/2008

5

Quantidade Municípios

Participantes

17

47

8

30

Presidente Prudente

14

30

São Paulo I

Metropolitana de São Paulo

1

14

4/4/2008

Registro

Registro

7

29

6

7/4/2008

Ribeirão Preto

Ribeirão Preto, Franca e Barretos

17

57

7

14/4/2008

Araçatuba

Araçatuba

8

19

8

16/4/2008

São José do Rio Preto

São José do Rio Preto

29

93

9

17/4/2008

Bauru

Bauru e Marília

20

39

10

5/5/2008

São Carlos

Central

6

18

11

6/5/2008

Piracicaba

Campinas

13

28

12 e 13*

14/5/2008

São Paulo II

Metropolitana de São Paulo

10

29

14

16/5/2008

Sorocaba

Sorocaba

7

25

Totais

15

157**

458

*Os 12º e 13º encontros foram unificados, por decisão conjunta dos organizadores e gestores da Região Metropolitana de São Paulo. ** Seis municípios foram representados em encontros fora de suas regiões, e são contabilizados duas vezes nesta planilha. Fonte: Planilhas de inscrição

31


São José do Rio Preto 90

121

141

Araçatuba

Presidente Prudente

9

95 48

58

64 75

44 101

125

Bauru

110

109

76

112 78 42

89

144

96 104

119

Marília

150 115

145

135

Legenda 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

Sede do Encontro

Municípios Participantes

Limite de Município

Limite de Região Administrativa

Escala 1 : 3300000 33

Elaboração: Cepam/GTIC - (2/7/2008)

32

0

33

66

99 Km

2

73


Barretos

67

46

114

83

147

Franca

88

18

Ribeirão Preto

138 116

81

34

49

51

123

Centr 129 al 36

148

70

1

Campinas

24

80

122

137

74 103 120

102

86 149

106 56

66

100

131

25

146

68

69

111

133

140 92

134 77 99

Sorocaba

113

127 136

72

139

132

65

Registro

98

107

Santos

126 50

19

São José dos Campos

Região Metropolitana de São Paulo

94

54

Fonte: Fundação Prefeito Faria Lima - Cepam

Figura 1 – Mapa com os municípi os participantes e as cidades–sede dos encontros

33


Quadro 2 – Municípios participantes (Vide Mapa) N o MUNICÍPIO

1 Águas da Prata

33 Coroados

65 Itariri

2 Agudos

34 Cravinhos

66 Itu

3 Álvares F lorence

35 Cubatão

67 Ituverava

4 Álvares Machado

36 Descalvado

68 Jacareí

5 Álvaro de Carvalho

37 Diadema

69 Jambeiro

6 Alvinlândia

38 Duartina

70 Jaú

7 Américo de Campos

39 Embu

7 1 José Bonifácio

8 Anhumas

40 Embu-Guaçu

72 Juquiá

9 Araçatuba

4 1 Espírito Santo do Turvo

73 Lençóis Paulista

10 Araraquara

42 Euclides da Cunha Paulista 74 Limeira

1 1 Artur Nogueira

43 Fernandópolis

75 Lins

12 Arujá

44 F lora Rica

76 Marília

13 Avaí

45 Glicério

7 7 Mauá

14 Bady Bassitt

46 Guaíra

78 Mirante do Paranapanema

15 Barretos

47 Guapiaçu

79 Mirassolândia

16 Batatais

48 Guararapes

80 Mogi-Mirim

17 Bauru

49 Guariba

81 Monte Alto

1 8 Bebedouro

50 Guarujá

82 Monte Aprazível

1 9 Bertioga

51 Guatapará

83 Morro Agudo

20 Birigüi

52 Ibaté

84 Nova Aliança

2 1 Boituva

53 Icém

85 Nova Granada

22 Braúna

54 Ilha Comprida

86 Nova Odessa

23 Brodowski

55 Indiaporã

87 Onda Verde

24 Brotas

56 Iperó

88 Orlândia

25 Caçapava

57 Ipiguá

89 Oscar Bressane

26 Cafelândia

58 Irapuru

90 Ouroeste

27 Campinas

59 Itaí

9 1 Palmares Paulista

28 Canas

60 Itanhaém

92 Paraibuna

29 Caraguatatuba

61 Itaoca

93 Paraíso

30 Catanduva

62 Itapevi

94 Pariquera-Açu

3 1 Cedral

63 Itapira

95 Paulicéia

32 Clementina

64 Itápolis

96 Pederneiras (continua)

34


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

Quadro 2 – Municípios participantes (Vide Mapa)

(continuação)

N o MUNICÍPIO 97 Pedranópolis

1 16 Ribeirão Preto

135 São Pedro do Turvo

98 Peruíbe

1 17 Riolândia

136 São Vicente

99 Piedade

1 1 8 Sales

137 Serra Negra

100 Pindamonhangaba

1 1 9 Sandovalina

138 Sertãozinho

10 1 Piquerobi

120 Santa Barbara d’Oeste

139 Sete Barras

102 Piquete

12 1 Santa Fé do Sul

140 Sorocaba

103 Pira cicaba

122 Santa Gertrudes

14 1 Sud Mennucci

104 Piratininga

123 Santa Rosa do Viterbo

142 Sumaré

105 Planalto

124 Santo André

143 Tanabi

106 Porto Feliz

125 Santo Expedito

144 Tarabaí

107 Praia Grande

126 Santos

145 Tarumã

108 Presidente Alves

127 São Bernardo do Campo

146 Taubaté

109 Presidente Epitácio

128 São Caetano do Sul

147 Terra Roxa

1 10 Presidente Prudente

129 São Carlos

148 Trabijú

1 1 1 Redenção da Serra

130 São José do Rio Preto

149 Tremembé

1 12 Regente Feijó

13 1 São José dos Campos

150 Ubira jara

1 13 Registro

132 São Lourenço da Serra

151 Votuporanga

1 14 Ribeirão Corrente

133 São Luis do Paraitinga

1 15 Ribeirão do Sul

134 São Paulo

Fonte: Fundação Prefeito Faria Lima - Cepam

35


Módulo i

o d n e c e Conh e s e õ ç as a m e v o j o


Módulo i

Conhecendo as ações e o jovem


Programas, Projetos e Ações

Desenvolvidos nos Municípios por Região Administrativa

Perguntas orientadoras Que políticas públicas, ações e/ou projetos, voltadas para o público jovem, são realizadas em seu município? Agrupados por município, os participantes preencheram tarjetas seguindo três campos orientadores: nome do programa ou ação; o que é; e quem realiza. Há um órgão municipal voltado para as políticas públicas de juventude em seu município? Foi solicitada, também, a indicação da estrutura existente nos municípios, que atuam com os jovens (secretarias, assessorias, coordenadorias, conselhos, comissões, etc.)

As informações a seguir são fiéis ao relato do gestor presente no dia do encontro. Mesmo considerando possíveis imperfeições, foram listados aqui os nomes dos projetos ou programas apresentados, a fim de expor e compartilhar a riqueza e a diversidade das ações observadas ao longo de todos os encontros.

39


i v a de t a r t is mi n Re g i ã o Ad os C a m pos D S ã o J os é iro d e 2 0 0 8 22 d e fe ver e

Vo n ta d e e d ispo siçã o

40

pa ra tra ba lh a r e pa rtic ip ar


O evento foi realizado no auditório da Prefeitura de São José dos Campos, com 47 participantes, representando 17 municípios da região.

41


Programas, Projetos e Ações C AÇ A PAva

Ação Esporte, Agitando as Férias, Artes Corporais, Artes

Marciais, Campeonatos Escolares, Educando pelo Esporte, Future Kids, Game Show, Jogos de Inverno – Cidade Simpatia, Projeto Guri, Prova Pedestre do Aniversário de Caçapava e Duque de Caixas, Torneio Ação Esporte.

C A R AGUATAT U BA

Ação Jovem, Escolinhas de Esportes, Jovem Levado

a Sério, Oficinas Culturais, Programa Atendimento Integral ao Jovem – Jovem é Aqui, Sentinela, SOS Bombeiro – Resgate a Cidadania, Transformando o Viver.

JAC A R EÍ

Ação Jovem, Agente Jovem, Centro de Atendimento

Integral ao Adolescente (Caia), Centro da Juventude, Fundação Cultural de Jacarehy, Jacareí Ampara Menores (JAM).

JA M B EI R O

Ação Jovem, Agente Jovem, Cursos

Profissionalizantes, Educando e Cantando, Espaço Amigo, Fanfarra Municipal de Jambeiro (Famuja), Seu Futuro Vai Ser 10.

PA R A I B U N A

Cursos Profissionalizantes, Esporte a Todos, Oficina da

Pichação, Projeto Guri, Qualidade de Vida – Cultura Esportiva, Teatro Tábua.

PI N DA M O N H A N G A BA

Brincando e Educando nas Ruas, Esporte para

Todos, Jovem Empreendedor, Projeto Cerâmica, Quatro Cantos, Sábado na Praça.

PI Q U E T E

Ação Jovem, Agente Jovem, Esporte e

Ação, Jovem Aprendiz Rural, Projeto Guri.

R ED EN Ç ÃO DA SER R A

Ação Jovem, Acessa São Paulo,

Agente Jovem, Canoagem, Esporte Social, Projeto Guri.

42


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

SÃO LU IZ D O PA R A I T I N G A

Ação Jovem, Acessa São

Paulo, Agente Jovem, Projeto Guri, Restauro e Turismo.

SÃO J O SÉ D OS C A M P O S

Ação Juventude, Adole-ser, Agente Cidadania,

Agente Jovem (Programa Federal), Associação de Cultura e Arte Djemberê, Atleta Cidadão, Cephas – Centro de Educação Profissional Hélio Augusto de Souza, Colônia de Férias, EMAs, Lado a Lado com a Prevenção, Programa de Atendimento Integral à Saúde do Adolescente (Proaisa), Programa Aquarela Sentinela, Programa Coro Jovem, ProUni - Programa Universidade para Todos.

TAU BAT É

Amparo ao Menor Trabalhador (Ametra), Integrarte (música, teatro,

artes), Programa Ensino, Esporte, Juventude (Peej), Projeto Esperança, Quadra Viva, Sociedade Amparo e Promoção (Soapro), Taubaté – O Vale dá Música.

TREMEMBÉ

Escolinhas de Esportes, Ginástica para Mulheres, Iniciação

Musical no Palco Maestro Justino, Jogos Escolares de Tremembé (Jetre), Projeto Prevenção DST / Aids, Provas de Pedestres (Eugênio José da Costa, Aniversário da Cidade, São Judas Tadeu), Torneio de Crianças e Jovens, Torneio de Voleibol.

43


O P O L I TANA TR E M O R E GI Ã I S TA ANT S A D A D A BA I X 8 e iro d e 2 0 0 2 7 d e fe ver

C o nh e c im e n

44

to e dispo s içã o pa ra pa rtic ipa r


O evento foi realizado na Secretaria Municipal de Promoção Social da cidade de Praia Grande e contou com 30 participantes, representando oito municípios da região.

45


Programas, Projetos e Ações B ER T I O G A

Ginásio de Esporte, Casa da Cultura de Bertioga,

Promoção Social, Fundação 10 de Agosto, Vida Saudável.

C U BATÃO

Abrigos, Ação Jovem, Acessa São Paulo (livre), Banda Escola

de Cubatão (BEC), Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet), Centro de Aprendizagem Metódica e Prática (Camp), Centro de Integração junto à Criança, Adolescente e Família, Centro Paula Souza – Escola Técnica Estadual (ETE), Educafro, Escola de Esportes (natação, artes marciais, atletismo, voleibol, handebol, basquete, etc.), Estação das Artes, Fábrica da Comunidade, Formação de Multiplicadores, Instituto Libertas, Jovem Aprendiz, Jovens em Ação, Navega São Paulo, Prestação de Serviço à Comunidade (PSC), Pró Jovem Adolescente, Programa 1o Emprego/Consórcio Social, Programa Adote um Atleta, Programa Bolsa-Atleta, Programa Bolsa de Estudos e Transporte Universitário, Programa de Apoio a Entidades Esportivas – ligas/clubes, Projeto Remar – projetos sociais e esportivos.

GUA R UJÁ

Acessa São Paulo, Agente Jovem, Círculo de Amigos do Menor

Patrulheiro (Camp), Centro Paula Souza – Escola Técnica Estadual (ETE), Integrar Arte Vida, Interação Jovem, Oficinas Culturais, Projeto Lego.

I TA N H A É M

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Círculo de Amigos do Menor

Patrulheiro (Camp), Centro Paula Souza – Escola Técnica Estadual (ETE), Escola da Família, Onda Social, Projeto Frescobol, Pró-Jovem, Universidade na Prefeitura.

PER U Í B E

Escola Municipal de Música e Arte (Emma), Projeto Guri.

PR A I A G R A N D E

Abrigos, Ação Jovem, Agente Jovem, Bolsa

Universitária, Capacitação Profissional para Serviços Domésticos, Educafro, Escola da Família, Escola de Skateboard , Lei do Aprendiz (Lei 10.097), Medida Socioeducativa (MSE) e Liberdade Assistida (LA), Navega São Paulo, Oficina de Beleza, Culinária, Padaria, Programa de Apoio ao Desempregado (PAD),

46


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT), Programa de Educação do Trabalho (PET), Programa de Int. Cidadania (PIC), Projeto Campeonatos de Skateboard, Projeto Guri, Renda Cidadã, Sentinela, Super Escola.

SA N TO S

Agente Jovem, Guardião Cidadão, Programa de Valorização do Jovem

(PVJ), Núcleo de Atendimento Integral (NAI), Ação Jovem, Círculo de Amigos do Menor Patrulheiro (Camp), Escola Total, Centro da Juventude, Tô Ligado, Abrigos.

SÃO V I C EN T E

1o Emprego, Ação Jovem, Acessa São Paulo, Agente Jovem,

Casa do Adolescente, Casa do Teatro, Centro da Juventude, Centro Educacional Recreativo (CER), Educafro, Feira Solidária, Fortaleza do Saber, Jovens no Exercício do Programa de Orientação Municipal (Jepom), Navega São Paulo, Oficina das Artes, Paz no Trânsito, Semana da Juventude, Sentinela, Viva Leite.

47


TRAT I VA S I N I M D R E G I รƒ O A NT E P R U D E NT E DE D E P R E SI de 20 0 8 7 d e m a rรงo

Vo n ta d e e a le g ria pa ra t ra ba lh a r e p a rtic ipa r 48


O evento foi realizado nas dependências do Aruá Hotel, na cidade de Presidente Prudente, com a presença de 30 participantes, representando 14 municípios da região.

49


Programas, Projetos e Ações Á LVA R E S M AC H A D O

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Banda

Marcial Municipal, Escolinhas de Futebol, Projeto Guri.

ANHUMAS

Projeto Atividade Física (PAF), Acessa São Paulo, Ação Jovem,

Escola da Família, Programas Esportivos, Pastoral dos Adolescentes.

EU C L I D E S DA CU N H A PAU L IS TA

Ação Jovem, Acessa São

Paulo, Bolsa-Escola, Bolsa-Família, Centro de Convivência com o Idoso (CCI), Conselho Referência Especializado de Assistência Social (Creas) , Conselho Tutelar - atende crianças e adolescentes, Escola da Família, Escolinha Municipal de Futebol, Esporte Social – Pintando a Liberdade, Jogos Escolares, Programa de Saúde da Família (PSF), Renda Cidadã.

FLO R A R I C A

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Agente Jovem, Banda Marcial,

Bolsa Universitária - em implantação, Complementar à Escola, Escola da Família.

I R A PU R U

Ação Jovem, Acessa São Paulo e Aulas de Computação, Escolinha

de Futebol/Aulas de Caratê, Programa Saúde da Família (PSF), Projeto Guri.

M I R A N T E D O PA R A N A PA N E M A

Ação Jovem, Acessa

São Paulo, Esporte Social, Grupo de Jovens Renovação Carismática Católica (RCC) e Outros, Jovem Aprendiz, Projeto Guri.

PAU L I C ÉIA

Ação Jovem, Agente Jovem, Banco do Povo, Centro de

Convivência do Idoso (CCI), Praspoim, Programa Saúde da Família (PSF).

PI Q U ER O B I

50

Ação Jovem, Agente Jovem, Banda Marcial.


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

PR E SI D EN T E EPI TÁCI O

Ação Jovem, Ações na Área do Esporte,

Conservatório Musical, Escola da Família, Inclusão Digital, Pro Uni – Programa Universidade para Todos, Programa Sentinela, Redescobrindo a Vida.

PR E SI D EN T E PR U D EN T E

Ação Jovem, Aprev Jovem – recursos do

imposto de renda, Arco Íris – feminino, Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (Caps-AD) – criança/adolescente, Casa do Adolescente, Escola da Família, Grafite, Intervenção Hip-Hop, Jovem Aprendiz, Jovem Cidadão, Primeiro Emprego, Pró Jovem – processo de adesão, Pro Uni – Programa Universidade para Todos, Profissionalização Deficiência, Programas Esportivos, Projeto Alerta, Projeto Palco, Sentinela, Teatro Aberto, Vitória – masculino.

R E G EN T E FEI J Ó

Ação Jovem, Banda Marcial, Escolas de Futebol,

Vôlei e Basquete, Profissionalização de Jovens e Adultos.

SA N D O VA L I N A

Ação Jovem.

SA N TO E X PED I TO

Ação Jovem, Acessa São

Paulo, Banda Marcial, Projeto Guri.

TA R A BA I

Projeto Guri, Escola da Família, Esporte Social, Meio Ambiente

e Integração Social, Acessa São Paulo, Banco do Povo, Ação Jovem.

51


O E RE GI STR D VA I DMI NI STRAT A O Ã I G E R 20 0 8 4 d e a bril d e

D in a m ism o e visã o crític a p a ra tra ba lh a r e pa rtic ipa r 52


O evento foi realizado nas dependências do Estoril Palace Hotel & Convenções, na cidade de Registro, com 29 participantes, representando sete municípios da região.

53


54


Programas, Projetos e Ações I L H A CO M PR I DA

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Agente Jovem,

Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), Bolsa-Família, Casa da Criança e do Adolescente, Centro de Referência da Assistência Social (Cras), Caratê e Judô, Navega São Paulo, Projeto Guri.

I TA R I R I

Abrigo Nascer do Sol, Agente Jovem, Ação Jovem,

Banda Municipal, Fanfarra Municipal, Escola da Família, Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), Projeto Guri.

J U Q U IÁ

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Banda Municipal,

Coletivo Jovem, Escola da Família, Projeto Manos.

PA R I Q U ER A-AÇU

Abrigo, Ação Jovem, Aceseval, Associação dos

Deficientes Físicos de Pariquera-Açu (Adefipa), Agente Jovem, Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), Centro de Referência da Assistência Social (Cras), Escola da Família, Escolinha de Futebol, Fanfarra Municipal, Guaricana Tanz Gruppe, Jovem e Consciente, Judô Municipal.

R E G IS T R O

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Agente Jovem, Apoio Menor

Esperança (AME), Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), BolsaFamília, Casa de Permanência Breve, Centro de Estudo de Línguas (CEL), Centro de Referência da Assistência Social (Cras), Educação de Jovens e Adultos (EJA), Escola da Família, Legião Mirim, Oficina de Teatro, Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti), Projeto Apoio, Projeto Guri, Projeto Renascer, Programa de Saúde da Família (PSF), 2o Tempo, Sentinela, Telecentro Arapongal, Todas as Letras.

SE T E BA R R A S

Ação Jovem, Brasilocal, Coletivo Jovem Rural – início.

55


VA S DE I TRAT S I DMI N O P RE T O RE GI ÕE S A RÃ I E B I R , F RAN C A E S O T E BARR e 20 0 8 7 d e a bril d

I n te g ra çã o

56

e simpa tia p a ra tra ba lh a r e pa rtic ipa r


O evento foi realizado nas dependências do Oásis Plaza Hotel, na cidade de Ribeirão Preto, com a presença de 57 participantes, representando 17 municípios da região.

57


VA S DE I TRAT S I DMI N O P RE T O RE GI ÕE S A RÃ I E B I R , F RAN C A E S O T E BARR e 20 0 8 7 d e a bril d

I n te g ra çã o

58

e simpa tia p a ra tra ba lh a r e pa rtic ipa r


O evento foi realizado nas dependências do Oásis Plaza Hotel, na cidade de Ribeirão Preto, com a presença de 57 participantes, representando 17 municípios da região.

59


Programas, Projetos e Ações R E G I ÃO A D M I N I S T R AT I VA D E BA R R E TO S

BA R R E TO S

Ação Jovem, Agente Jovem, Centros de Juventude,

De Volta para Casa, Ecoterapia, Jornalista do Futuro, Menor Aprendiz, Portas para o Futuro, Programa de Estagiários, Projeto com Adolescentes em Situação de Risco, Semiliberdade / Liberdade Assistida (LA), Prestação de Serviço Comunitário (PSC), Trilha Jovem.

B EB ED O U R O

Ação Jovem, Ambulatório de Saúde Mental, Bate Lata, Curso

do Aprendiz – Lei 100/97, Cursos Técnicos Profissionalizantes, Escola da Família, Fala João, Fala Maria, Fazendo Arte, Juventude Cidadã, Patrulha Ecológica, Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti) (14/18), Preservando o Meio Ambiente, Projeto Equi-tação, Projeto Girassol – Ação para o Trabalho, Projeto Guri, Projeto Inclusão Digital, Projeto Pescar, Projeto Praticare, Projeto Roda Viva, Projeto Segundo Tempo, Projeto Sol e Lua, Projeto Tô na Área, Projetos Olhos d’Alma, Rede Criança e Adolescente, Semeando o Futuro, Sentinela.

GUA Í R A

Ação Jovem, Capacitação Profissional, Cineclube, Encontro

Cultural de Arte Livre (Ecal), Escolas esportivas – Comissão Municipal de Esportes (CME), Oficinas Culturais, Palco Livre (livre), Vá ao Cinema.

T ER R A R OX A

Programa Escola da Família, Bolsa-Escola e Bolsa-

Família, Coral Filhos da Terra, Bom de Escola, Bom de Bola, Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) na Escola, Parlamento Jovem, Grêmio Estudantil, Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), Projetos Saúde Escolar e Educação Ambiental, Projeto Leitura e Redação.

60


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

R E G I ÃO A D M I N I S T R AT I VA D E FR A N C A

BATATA IS

Ação Jovem, Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais

(Apae) Rurais, Artes, Banda Marcial, Casa Abrigo, Colo de Mãe, Comunidade do Pão, Educação Ambiental, Educação para o Trabalho, Escola da Família, Guia Turístico, Inclusão Digital, Jovem Aprendiz Rural, Juventude Presente, Laços Eternos, Oficina dos Sentimentos, Oficina Pinóquio, Programa Educativo de Resistência às Drogas (Proerd) (7/18), Projeto Centro de Integração Empresa-Escola (Ciee), Projeto de Inclusão Digital, Projeto Guri, Projeto Judô, Recomecemos (Liberdade Assistida), Segundo Tempo.

I T U V ER AVA

Guarda-Mirim, Escola da Família, Escola Profissionalizante,

Primeiro Emprego, Acessa São Paulo, Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT), Banco do Povo, Centro de Integração Empresa-Escola (Ciee), Casa dos Conselhos (CMDCA, Conselho Tutelar), Ressocialização, Projeto Social Nadando com Gustavo Borges, Recriança, Projeto Atleta Cidadão do Futuro, Projeto Social Arte de Educar, Projeto Guri.

M O R R O AGU D O

Ação Jovem, Guarda-Mirim, Primeiro

Emprego, Projeto Cedro, Projeto Guri, Projeto Recriança.

O R L Â N D IA

Ação Jovem, Associação de Jovens de Orlândia, Escola da

Família, Instituto Oswaldo Ribeiro de Mendonça, Núcleo Profissionalizante Antônio Scaff, Núcleo Profissionalizante Robson dos Santos, Projeto O Adolescente no Esporte, Projeto Raio de Sol, Projeto Guri, Projeto Ipê.

R I B EI R ÃO CO R R EN T E

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Cinema na

Casa da Cultura, Cursos Profissionalizantes, Fanfarra, Oficinas Culturais, Programa de Bolsa de Estudos, Programa de Estágio, Programa de Incentivo à Leitura, Programa de Incentivo ao Primeiro Emprego, Programas Segundo Tempo / Esporte e Lazer da Cidade, Viagens – cultural e lazer.

61


R E G I ÃO A D M I N I S T R AT I VA D E R I B E I R ÃO PR E TO

C R AV I N H O S

Acessa São Paulo, Associação dos Pais e Amigos dos

Excepcionais (Apae) de Cravinhos, Banco do Povo, Campeonatos para a Juventude, Casa da Criança de Cravinhos, Centro Municipal de Capacitação, Escola da Família, Escolinha de Futebol, Programa Informática nas Escolas, Programa Ônibus Digital, Projeto Conectando Jovens, Projeto Guri, Projeto Jequitibá, Projeto Jovem Arte e Cidadania, Projeto Sara, Sempre Alerta.

GUA R I BA

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Escola da Família, Escola da

Família, Fazendinha Senhor Bom Jesus, Oficinas Culturais, Programa Educacional de Resistência as Drogas (Proerd), Projeto Mexa-se Talento, Projeto Agenda 21, Projeto Centro de Integração Empresa-Escola (Ciee), Projeto Contra-Turno Escolar, Projeto Costurando Sonhos, Projeto Diamante, Projeto Domingo na Praça, Projeto Fanfarras e Bandas, Projeto Florescer, Projeto Gestantes e Nutrizes, Projeto Natação, Projeto Pão e Vida, Projeto Reciclar, Projetos Futsal e Futebol.

GUATA PA R Á

Ação Jovem, Escola da Família,

Gambarê, Literatura na Praça, Projeto Guri.

M O N T E A LTO

Ação Jovem, Agente Jovem, Centro de Artes Marciais,

Conservatório Musical, Fome de Bola, Projeto Adolescer, Projeto Cerem, Projeto Guri, Projeto Liberdade Assistida, Projeto Patrulheiro Mirim.

R I B EI R ÃO PR E TO

Arena Jovem, Casa da Juventude, Centros de

Inclusão Digital (CID), CID Solidário, Dança Comigo, Estágio Cidadão, Freqüência Jovem, Grêmio Consciente, Jovem Voluntariado, Luz, Câmera, Cidadania, Projeto Giga, Ribeirão Jovem em Ação, Ribeirão Jovem.

62


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

SA N TA R O SA D E V I T ER B O

Ação Jovem, Oficinas Criando Arte,

Mães Adolescentes, Projeto Guri, Escola de Música, Atletismo, Horta Orgânica, Associação do Jovem Aprendiz (AJA), Canguru, Bolsa-Família / Inclusão Digital, Fênix, Projeto Farol, Recriança, Escola da Família, Liberdade Assistida (LA).

SER TÃOZ I N H O

Associação de Assistência e Proteção ao Adolescente

Trabalhador (Adot), Banco do Povo, Banda Marcial da Juventude, Bolsa-Família, Casa Dia, Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet), Cine Clube, Curso Libras para Educadores, Cursos Semestrais de Teatro / Pintura – Ecoartístico, Festival de Teatro, Festival de Música e Festival de Dança, Fundação Cultural Associação Arte-Ofício, Jogos Regionais / Jogos Abertos / Olimpíada Estudantil, Oficinas Culturais (Cândido Portinari), Orquestra Jovem, Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (Peti), Projeto Guri, Projeto Jovem Cidadão, Projeto Magia do Circo, Projeto Sentinela (0/18), Pró-Natação/Atletismo/ Ginastrada/Futebol/ Futsal, Roda de Leitura, Sala Verde, Saúde do Adolescente, Se liga aos 16, União Municipal dos Estudantes Secundaristas (Umes).

63


BA E ARA Ç ATU D VA I DMI NI STRAT A O Ã I G E R e 20 0 8 14 d e a bril d

Re sp e ito à tra ba lh a r e diversida d e e o rg a n iza ç ã o p a ra pa rtic ipa r 64


O evento foi realizado nas dependências do Quality Resort Araçatuba, na cidade de Araçatuba, com a presença de 19 participantes, representando oito municípios da região.

65


Programas, Projetos e Ações AR AÇ AT UBA

Ação Jovem, Acessa SP, Associação Educacional -

Cultural - Assistencial, Centro de Estudos de Línguas (CEL), Escola da Família - população em geral, Faculdades de Tecnologia (Fatecs) e Escolas Técnicas Estaduais (ETEs), Projeto Guri, Vôlei Futuro.

B I R I GÜ I

Ação Jovem, Adolescente Aprendiz, Associação de Proteção e

Assistência Carcerária (Apac), Centro de Treinamento em Informática (CTI), Escola da Família, Escolinha de Futebol – Bandeirante Esporte Clube (BEC), Estagiário Empresa/Escola, Iniciação ao Esporte, Instituto Pró-Criança, Jogos Escolares, Jovem + Jovem, Centro Paula Souza – Escola Técnica Estadual (ETE), Programa Arte de Crescer, Programa de Assistência à Pessoa Portadora do Vírus HIV e Prevenção às DST, Programa de Atendimento ao Usuário de Drogas, Projeto Guri – criança, adolescente e jovem, Telecentro.

B R AÚ N A

Ação Jovem, Curso Profissionalizante, Esporte, Fanfarra,

Informática, Pequenos Infratores, Programa Escola da Família.

C L E M EN T I N A

CO R OA D O S

Ação Jovem – Esporte Social.

Escola da Família, Projeto Espaço Amigo

(PEA) - Dança, Fanfarra, Informática, Pintura, Bordado.

G L I C ÉR I O

Ação Jovem, Atividades Esportivas, Baila Glicério, Banco do

Povo, Cumprimento de Medidas Socioeducativas (PSC), Curso Básico de Informática, Escola da Família, Espaço Amigo, Jogos Escolares, Teatro É Cultura.

GUA R A R A PE S

Agente Jovem, Banco do Povo

Paulista, Centro de Estudos de Línguas (CEL).

66


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

SU D M EN U CC I

Ação Jovem, Bolsa de Estudo, Centro de

Referência de Assistência Social (Cras), Cursos Profissionalizantes, Escola da Família, Game Super Ação, Projeto Caminharte, Projeto Esporte e Educação – Uma Dimensão de Cidadania, Projeto Guri, Sonho Meu.

67


I VA DE TRAT S I N I M D RE GI ÃO A I O P RE T O R O D É S O SÃO J e 20 0 8 16 d e a bril d

I n ter e ssa do tra ba lh a r e s, pr eo c upa do s e p e pa rtic ipa r rsiste n te s p a ra 68


O evento foi realizado nas dependências do Michelangelo Hotel Conference, na cidade de São José do Rio Preto, com 93 participantes, representando 29 municípios da região.

69


Programas, Projetos e Ações Á LVA R E S FLO R ENSE

Acessa São Paulo, Agente

Jovem, Escola da Família, Segundo Tempo.

A M ÉR I CO D E C A M P O S

Ação Jovem, Agente

Jovem, Pintura em Madeira, Projeto Marcenaria.

BA DY BA SSI T T

Ação Jovem, Escolinha de Futebol,

Família Acolhedora, Programa Sentinela.

C ATA N D U VA

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Casa Mãe, Centro de

Estudos de Línguas (CEL), Educação de Jovens e Adultos (EJA), Escola da Família, Escoteiros, Grupo de Apoio e Solidariedade ao Paciente com Aids (Gasa), Legião Mirim, Programa Cidadão do Futuro, Programa Jovem 100%, Projeto Cáritas Espírita, Projeto Espaço Jovem, Projeto Galpão 6, Projeto Guri, Projeto Incorporando as Diferenças, Projeto Jovem Aprendiz, Projeto Musical, Projeto Pelicano, Projeto Viva Flor, Projetos da Secretaria da Cultura, RNP.

C ED R A L

Ação Jovem, Agente Jovem.

FER N A N D Ó P O L IS

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Associação dos

Deficientes Visuais de Fernandópolis (ADVF), Associação de Pais e Amigos dos Deficientes Auditivos de Fernandópolis (Apadaf), Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), Bom de Escola, Bom de Esporte – em implantação, Centro de Apoio à Educação e Formação do Adolescente (Caefa), Casa de Convivência Bem – Viver, Centro Educacional de Apoio e Desenvolvimento Social (Ceads) , Centro de Ensino de Línguas (CEL), Centro Municipal de Treinamento de Mão-de-Obra (CMTMO), Corporação Musical, Centro de Referência Especializado da Assistência Social (Creas) / Sentinela, Educação de Jovens e Adultos (EJA), Grupo de Adolescentes da Igreja Católica (Ejocri), Escola da Família, Centro Paula Souza – Escola Técnica Estadual (ETE), Frente de

70


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

Trabalho, Interact – Grupo de Jovens, LEO – Grupo de Jovens, Liberdade Assistida (LA) – Projeto Juventude e Vida, Mostra Estudantil de Teatro, Pró-Jovem - em implantação, Rotaract – Grupo de Jovens, USF – Grupos de Adolescentes.

GUA PIAÇU

INDIAPORÃ

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Projeto Guri.

Ação Jovem, Agente Jovem, Banda da Juventude,

Escolinha de Futebol, Grupo Ação Solidária, Oficina Musical, Pró-Jovem.

IPIGUÁ Ação Jovem, Agente Jovem, Comitê para Infância e Adolescência de Ipiguá (Ciai), Computação Solidária, Educação de Jovens e Adultos (EJA), Escola da Família, Inclusão Digital, Músicos do Futuro, Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd), Projeto Agricultura Orgânica, Projeto Cidadania, Projeto Guri – manhã/tarde, Projeto Olhar.

J O SÉ B O N I FÁC I O

Ação Jovem, Agente Jovem, Escolas de Esportes, Geração

de Renda, Inclusão Produtiva, Programa Sentinela, Projeto Guri, Segundo Tempo.

M I R A SS O L Â N D IA

Ação Jovem, Agente Jovem.

M O N T E A PR A ZÍ V EL

Ação Jovem, Agente Jovem, Associação dos Pais e

Amigos dos Excepcionais (Apae), Campeonato de Férias, Educação de Jovens e Adultos (EJA), Escola da Família, Estação Aprendiz, Festas para Jovens, Interact Club e Rotaract, ONG – Pró-Esporte, Projeto Recrearte, Projeto Xadrez.

N O VA A L IA N Ç A

Ação Jovem, Agente Jovem, Escolinha de

Futebol e Vôlei, Informática para Todos, Caratê e Capoeira.

N O VA G R A N A DA

Ação Jovem, Agente Jovem, Aprocap, Associação Social

em Prol a Inclusão de Nova Granada (Asping), Centro de Estudo de Línguas (CEL), Educação de Jovens e Adultos (EJA), Projeto Guri, Recomeçar Certo.

71


O N DA V ER D E

Ação Jovem, Agente Jovem, Bolsa Universitária,

Curso de Jardinagem, Olericultura Orgânica, Jovem Aprendiz, Oficina Cultura Dança nas Escolas, Oficina Cultural Teatro, Projeto Guri.

PA L M A R E S PAU L IS TA

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Agente

Jovem, Danças Circulares e Coral, Educação de Jovens e Adultos (EJA), Escola da Família, Projeto Guri, Restauração e Vida, Segundo Tempo.

PA R A IS O

Ação Bola de Ouro, Ação Jovem, Acessa São

Paulo, Agente Jovem, Bate Lata, Capacitação Sebrae, Educação de Jovens e Adultos (EJA), Escola da Família.

PA R A N A PUÃ

Ação Jovem, Semente do Futuro.

PED R A N Ó P O L IS

PL A N A LTO

Ação Jovem, Jovem Aprendiz Rural, Pró-Jovem.

Ação Jovem, Agente Jovem, Educação de Jovens e Adultos

(EJA), Bolsa Universitária, Escola da Família, Escolinha de Futebol.

R I O L Â N D IA

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Agente Jovem, Associação dos

Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), Educação de Jovens e Adultos (EJA), Escola da Família, Família Acolhedora, Jovem Aprendiz, Medida Socioeducativa, Programa Saúde do Adolescente, Projeto Descobrir Caminhos Casa de Nazaré, Projeto Guri, Projeto Município Verde, Pró-Jovem Adolescente – em implantação.

SA L E S

Ação Jovem, Comitê de Medidas Socioeducativas, Educação

de Jovens e Adultos (EJA), Escola da Família, Pró-Jovem.

72


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

SA N TA FÉ D O SU L

Ação Jovem, Acessa São Paulo – livre, Balcão

de Artes e Cultura, Capacitação Senai, Centro de Referência ao Adolescente (CRA), Escola da Família – Bolsa Universitária (universitários), Espaço Jovem, Programa Sentinela, Projeto Arranque, Projeto Renascer.

SÃO J O SÉ D O R I O PR E TO

Ação Jovem, Agente Jovem, Alarme,

Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae), Associação Rio–Pretense de Promoção do Menor (Arprom), Associação Renascer, Centro de Estudo de Línguas (CEL), Comitê de Exploração Sexual, Educação de Jovens e Adultos (EJA), Família Afetiva, Formação para Vida Cidadã, Fundação Líbero Badaró de Ensino, Assistência Social e Cultura (Fulbeas), Grupo de Gestão Integrada (GGI), Instituto dos Cegos, Medida Socioeducativa, Núcleo de Artes, Pacto pela Vida, Programa de Atenção Integral à Família (Paif), Projeto Guri, Projetos Esportivos, Qualificação Profissional, República Monitorada, Saúde do Adolescente, Segundo Tempo, Sentinela, Socioeducativo pós Tratamento de Dependência Química, Trabalho de Emancipação para a Infância e Adolescência (Teia), Tratamento para Dependência Química, Vínculos, Violência Doméstica.

TA N A B I

Adolescente Aprendiz, Agente Jovem, Associação dos Pais

e Amigos dos Excepcionais (Apae), Educação de Jovens e Adultos (EJA), Frente de Trabalho, Paif - a partir de 0 ano, Profissionalizante Alcooleiro, Projeto Guri, Projeto Sentinela, Pró-Jovem, Segundo Tempo, Tanabi.

VOT U P O R A N G A

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Adolescente em

Ação, Agente Jovem, Centro de Estudo de Línguas (CEL), Ciavo, CTMO, Dafic, Educação de Jovens e Adultos (EJA), Escola da Família, Interact, Rotaract, De Molay, Leo Club, Juventude Cidadã, Meninos Ecológicos, Pastoral da Juventude, PRD – Esporte e Vida, Programa de Merenda Escolar, Projeto Guri, Projeto Potencial Jovem, Prosad, Segundo Tempo, Sentinela.

73


VA NI STRAT I I M D A S E RE GI Õ Í LI A MAR E U R U BA

S DE

e 20 0 8 17 d e a bril d

C la r eza e e n vo lvim e n to

74

pa ra tra ba lh a r e pa rtic ip ar


O evento foi realizado nas dependências do Quality Garden Hotel, na cidade de Bauru, com a presença de 39 participantes, representando 20 municípios das regiões.

75


76


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

Programas, Projetos e Ações R E G I ÃO A D M I N I S T R AT I VA D E BAU R U

AGU D O S

AVA Í

Administrador Júnior, Legião Mirim, Mãos que Falam.

Ação Jovem – inclusive em aldeia indígena, Conquistando Sonhos,

Escola da Família, Espaço Amigo, Pró-Jovem – em implantação.

BAU R U

Ação Jovem, Agente Jovem, Banda Municipal,

Crami, Escolinha de Futebol, Nenhuma Criança na Rua, Primeiro Emprego, Projeto Guri, Resgate, Virada Cultural.

C A FEL Â N D IA

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Banco do Povo,

Centro Paula Souza, Escola da Família, Escola Municipal de Informática, Escola Municipal de Música, Jogos Regionais, Oficinas Culturais.

D UA R T I N A

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Cefim, Escola de Marcenaria Ciro

Simão, Espaço Crescer, Futebol, Futsal, Basquete, Escolinha de Futebol, Pró-Jovem.

JAÚ

Ação Jovem, Associação Jauense de Assistência e Educação,

Informatibola, Programa de Oficinas de Iniciação Escolar (Proip).

L EN ÇÓ IS PAU L IS TA

Ação Jovem, Centro Municipal de Formação

Profissional, Escola da Família, Legião Mirim, Projeto Guri, Projeto Virando o Jogo.

L I NS

Ação Jovem, Acompanhamento de Medida de Liberdade

Assistida (LA), CEL, Centro de Formação Mirim, Centro Paula Souza, Escola da Família, Jogos Regionais, Oficina de Grafitagem, Primeiro Emprego – Zona Azul, Projeto Guri, Projeto Renascer.

77


LU C I A N Ó P O L IS

PED ER N EI R A S

Ação Jovem, Agente Jovem.

Ação Jovem, Aprendendo a Crescer, Espaço Anne, Legião

Mirim, Projeto Chico Paini, Projeto 3 x 0, Projeto Guri, Projeto Luz, Senai.

PI R AT I N I N G A

Ação Jovem, Jovens com uma Missão (Jocum), Legião Mirim.

PR E SI D EN T E A LV E S

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Associação

Multidisciplinar de Educação, Associação Núcleo de Aprendizagem das Famílias, Casa de Cultura, Escola da Família, Projeto Criança.

U B I R A JA R A

Ação Jovem, Acessa São Paulo – comunidade,

inclusive o jovem, Projeto Condeca 1o Emprego, Projeto Marcenaria Mãos que Criam, Pró-Jovem adolescente.

R E G I ÃO A D M I N I S T R AT I VA D E M A R Í L I A

A LV I N L Â N D IA

Ação Jovem, Inclusão Digital, Oficina Cultural Tarsila do Amaral.

E SPÍ R I TO SA N TO D O T U R VO

Ação Jovem, Acessa São Paulo,

Caminhos da Cidadania – Condeca, Curso de Agricultura Familiar, Cursos Profissionalizantes, Escola da Família/Jovens Universitários, Esporte e Lazer da Cidade, Esporte Social, Oficinas Culturais, Ponto de Cultura.

O S C A R B R E SSA N E

Ação Jovem, Agente Jovem, Esporte Social.

R I B EI R ÃO D O SU L

Ação Jovem, Ação Semana Cultural, Escola da

Família, Esporte e Lazer na Cidade, Esporte Social, Projeto Florescer.

78


TA R U M Ã

Ação Jovem, Agente Jovem, Centro de Formação Profissional,

Crescer Sempre, Crianças e Adolescentes em Situação de Risco, Cultura para Todos, Educação para Todos, Escola da Família, Esporte para Todos, Incentivo à Continuidade dos Estudos, Programa Estagiário Bolsista.

R E G I ÃO A D M I N I S T R AT I VA D E S O R O C A BA

I TA Í

Ação Jovem, Agente Jovem (Pró-Jovem), Aprendiz do Lar, Centro de

Inclusão Digital (Cidi), Corte e Costura, Escola da Família, Projeto Guri, Senar.

79


DMI NI STRAT A O Ã I G E R

I VA C E NTRAL

e 20 0 8 5 d e m a io d

Afo rtun a do din â m ico s ps, privile g ia do s, d em o crá tico s e a ra tra ba lh a r e pa rtic ip ar 80


O evento foi realizado nas dependências do Quality Hotel Anacã, na cidade de São Carlos,

com a

presença de 18 participantes, representando seis municípios da região.

81


82


Programas, Projetos e Ações D E S C A LVA D O

Ação Jovem, Ações Culturais, Casa do Adolescente,

Centro de Integração Empresa-Escola (Ciee), Escola da Família, Naica, Núcleo de Atendimento à Saúde da Mulher (NASM), Programa de Atendimento à Criança e ao Adolescente, Projeto Criança, Pró-jovem.

I BAT É

Ação Jovem, Centro Cultural, Escola da Família,

Jovens em Ação, Liberdade Assistida (LA).

I TÁ P O L IS

Ação Jovem, Associação Itapolitana de Educação e

Assistência, Centro Cultural e Projeto Guri, Centro Paula Souza, Escola da Família/Bolsa Universidade, Escola Municipal de Ensino Artístico, Incentivo a Práticas Esportivas, Liberdade Assistida (LA) / PSC.

SÃO C A R LO S

Ação Jovem, Atendimento à Criança e ao Adolescente,

Campeões do Futuro, Caps / AD, Centros da Juventude, Escola da Família, Espaço Cultural para Juventude, Fundação Educacional de São Carlos (Fesc), Medidas Socioeducativas, Profissionalizantes para Jovens, Projeto Guri, Pró-jovem, Recriad, Sentinela.

TRABIJU

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Bom de Bola, Bom de

Escola, Escola da Família, Oficinas Culturais, Projeto Jovem.

83


S E C AM PI NA D VA I DMI NI STRAT A O Ăƒ I G E R e 20 0 8 6 d e m a io d

Pro du tivo s, pa ra tra ba lh fo rta le c ido s, e f ica ze a r e pa rtic ip s e in o va do r ar es 84


O evento foi realizado nas dependĂŞncias do Hotel Bristol Center Flat, na cidade de Piracicaba, com 28 participantes, representando 13 municĂ­pios da regiĂŁo.

85


Programas, Projetos e Ações ÁGUA S DA PR ATA

A R T U R N O GU EI R A

Ação Jovem, Agente Jovem.

Ação Jovem, AJA, Bom de Bola, Bom

na Escola, Escola de Fábrica, Oficina de Fotografia Artesanal, Oficina de Teatro, Programa Segundo Tempo.

B R OTA S

Associação Brotense Oficina do Aprendiz (Aboa), Ação

Jovem, Adolescente Aprendiz, Bolsa-Família, Escola de Música João Paulo e Daniel, Espaço Amigo, Peti, Projeto Brotando Vida.

C A M PI N A S

Ação Jovem, Bolsa Atleta, Casa Brasil, Centro de

Referência da Juventude, Ceprocamp, Craisa, Jazz no Rosário, Jovem Aprendiz, Jovem.com, Juventude Cidadã, Oficinas Culturais.

I TA PI R A

Cursinho Preparatório para Vestibular, Programa de Subsídio de

Transportes de Alunos, Projeto ONG Bola pra Frente – basquete/recreação.

L I M EI R A

Centro Municipal de Línguas, Curso Pré-Vestibular, Escola de Música,

Escola do Trabalho, Espaço Jovem, Eventos Diversos, Projeto sem Censura.

MOGI-MIRIM

Capoeirança, Comunidade Aimirim, Férias Quentes (Pró-jovem),

Jogos da Juventude, Lazer pra Valer, Mogi-Mirim Olímpico, Radicalizando.

N O VA O D E SSA

Ação Jovem, Oficinas (teclado, dança,

musicalização), Projeto Phásis, Projeto Férias com Arte.

86


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

PI R AC I C A BA

Ação – Apoio e Parcerias, Ação – Campanha Voto aos 16

Anos, Concurso Musical, Cursinho Pré-Vestibular, Curso Público Formação Gremista, Jogos Interescolares, Juventude em Ação, Projeto Associativismo Juvenil, Projeto Debate Hip-Hop, Rede de Debates Juventude em Pauta.

SA N TA BÁ R BA R A D ’ O E S T E

Bolsa Atleta, Grupo Instrutores de Referência

à Saúde Sexual do Adolescente (Irssa), Jovem Aprendiz, Oficinas Culturais.

SA N TA G ER T R U D E S

SER R A N E G R A

Parlamento Jovem.

Ação Jovem, Guarda Mirim.

87


RE GI テグ

テグ PAUL O S E D I TANA M E TROP OL

e 20 0 8 14 d e m a io d

Ab erto s, a r pa ra tra ba lhtic ula do s, a tua n te s e a r e pa rtic ip vo lun ta rio so ar s 88


O evento foi realizado nas dependências da Fundação Prefeito Faria Lima – Cepam, na cidade de São Paulo, com a presença de 29 participantes, representando dez municípios da região.

89


Programas, Projetos e Ações A R UJÁ

Ação Cidadania, Casa Aberta, Escola da Família, Escola

Livre de Música, Esporte para Todos, Inclusão Digital, Oficinas Culturais, Pró Menor, Projeto Guri, Subsídio Universitário.

DIADEMA

Ação Jovem, Adolescente Aprendiz, Jovens

Multiplicadores, Peti, Pró Jovem, Programa de Jovens (PJ).

E M B U DA S A R T E S

Ação Jovem, Agenda 21 Escolar, Agente

Jovem / Pró Jovem Adolescente, Atividades Culturais e Esportivas, Centro de Referência da Juventude, Espaço Jovem, Jovem Aprendiz, Jovem Cidadão, Pró Jovem Urbano, Programa de Incentivo ao Protagonismo Juvenil (Projovem), Telecentros, UAB – em implantação.

I TA PE V I

Ação Jovem, Agente Jovem, Banda Marcial e Sinfônica, Casa da

Cultura, Centro de Referência da Juventude (CRJ), Companhia Municipal de Dança, Conexão Cidadã, Escola da Família, Escola de Cursos Semiprofissionalizantes, Inclusão Jovem, Jovem Cidadão, Oficinas Esportivas – todas as idades, UAB.

M AUÁ

Ação Jovem, Agente Jovem, Bolsa Fama – Bolsa da Faculdade Mauá, Casa

da Juventude, Centro de Referência de Iniciação Artística (Criar), Escola da Família, Jovens em Ação, Programa de Amparo a Criança e Adolescente (Pacas), Padaria Artesanal, Programa de Iniciação Esportiva, Projeto Prevenir, Projeto Qualificar.

SA N TO A N D R É

Ação Jovem, Andrezinho Cidadão, Educação de

Jovens e Adultos (EJA), Jovem Aprendiz, Pró Jovem, Se Liga na Parada.

SÃO B ER N A R D O D O C A M P O

Acessa São Paulo, Bolsa-Família, Centro de

Estudo de Línguas (CEL), Centro Paula Souza, Escola da Família, Fundação Criança – autarquia municipal, Jovem Cidadão, Juventude Cidadã, Peati, Turma Cidadã.

90


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

SÃO C A E TA N O D O SU L

Ação Jovem, Centro de Referência

de Juventude – Estação Jovem, Cinema Itinerante, Comjuv na Escola, Dando a Letra, Escola da Vida, Escola de Ecologia, Escola de Informática, Escola Municipal de Idiomas, Estação Jovem, Graduar, Programa Agente Cidadão, Programa DST/Aids, Programa Esportivo Comunitário (PEC).

SÃO LO U R EN ÇO DA SER R A

Ação Jovem, Agente Jovem –

vigência de 12 meses, podendo ser prorrogado pelo mesmo período, Artes Cênicas/Dramaturgia, Canto, Coral, Dança, Desenho Artístico, Escola da Família, Fanfarra, Teclado, União Rabisco, Violão.

SÃO PAU LO

Capacitação Barman, Centro Cultural/Centro de Convivência

da Juventude, Cine Jovem, Fala Jovem, Guia da Juventude, Prevenção à Gravidez na Adolescência, Projeto de Orientação Vocacional, Skate no seu Bairro.

91


E S ORO C ABA D VA I DMI NI STRAT A O Ã I G E R e 20 0 8 16 d e m a io d

I n ter e ssa do in te g ra do s p s, d e sco n tra ído s, e n vo a ra tra ba lh a r e pa rtic iplavido s e r 92


O evento foi realizado nas dependências do Grand Hotel Royal, na wcidade de Sorocaba, com a presença de 25 participantes, representando sete municípios da região.

93


94


Programas, Projetos e Ações B O I T U VA

Associação Cidadão Amanhã, Benefício

Variável Jovem (BVJ), Fundação Crescer Criança.

I PER Ó

Ação Jovem, Acessa São Paulo, Agente Jovem, Centro Paula

Souza, Esporte Social, Oficina de Escultura e Desenho, Oficina de Restauro de Prédios Históricos, Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT).

I TAO C A

ITU

Agente Jovem, Projeto Futebol – escola nos bairros rurais e quilombola.

Abrigo, Ação Jovem, Acessa São Paulo, Agente Jovem, Creas –

Liberdade Assistida (LA)/Sentinela, Cursos Profissionalizantes, Pró Jovem.

PI EDA D E

Ação Jovem, Aejupi, Agente Jovem – Pró Jovem, Cras, Projeto Guri.

P O R TO FEL IZ

Abrigo de Meninas, Ação Jovem, Agente

Jovem, Casa da Criança, Escola Integrada de Computação (EIC), Grupo de Jovens Bandeirantes, Jovem Aprendiz – 15/17 anos, Medida Socioeducativa, Pró Jovem – em implantação.

S O R O C A BA

Ação Jovem, Aerosol – Projeto Grafite de Sorocaba, Agente

Jovem, Alfabetização Cultural, Caravana de Cultura, Cena de Cinema, Clube Pink, Conselho Municipal do Jovem (Comjov), Conferência Municipal da Juventude, Congresso Municipal sobre a Juventude, Emprego Jovem, Fazendo o Futuro, Feira do Jovem, Incubadora Jovem, Intervenção Voluntária, Jovem Cidadão, Núcleo de Acolhimento Integrado de Sorocaba (Nais), Pesquisa do Perfil do Jovem Sorocabano, Primeira Chance, Projeto Travessia, Sabe Tudo, Território Jovem, Unit Vai à Escola, Virada Cultural Paulista.

95


M ódulo i

C o n h e c e n do a s a çõ e s e o

ção das ações e prog Figura 2 - Sistematiza

ramas por áreas de int

jo vem

ervenção


Sistematização e Análise dos Programas e Ações

Desenvolvidos nos Municípios Procedimentos Informação é um dos aspectos que confirma a importância do papel do município no processo global de estabelecimento das políticas. Do planejamento à efetivação, até o controle e a avaliação das ações, a informação e a comunicação constituem conhecimento porque envolvem atores locais concretos em ação voltada à resolução de problemas. A informação deve fazer sentido nos contextos da vida e de ação dos envolvidos no processo. Os encontros regionais buscaram, portanto, extrapolar o sentido técnico e sensibilizar os municípios das regiões, envolvendo órgãos públicos, sociedade civil organizada e jovens. Assim, no levantamento de informações, os participantes externaram sua percepção sempre por meio da comunicação interpessoal em grupo. Para sistematizar os programas apresentados, houve um esforço para compreender a perspectiva de cada indivíduo e/ou grupo em relação à definição sobre “o que é cada projeto, ação e/ou política”. A equipe responsável pela tabulação das informações atentou para as percepções emitidas em detrimento do rigor conceitual que induzisse à inserção das iniciativas em categorias previamente determinadas. A tarefa se tornou viável pelo estabelecimento da relação entre o que foi apresentado sobre o programa e a ação em determinada realidade, como forma de representação do mundo vivido, das maneiras de “ver” o sistema social, político e econômico no qual gestores e jovens estão inseridos.

97


M ódulo i

C o n h e c e n do a s a çõ e s e o

jo vem


Os Programas e as Ações Os programas e ações apresentados pelos participantes foram organizados em dez grupos temáticos: Assistência Social, Capacitação para o Trabalho, Cultura, Educação, Esporte/Lazer/Turismo, Geração de Renda, Inclusão Digital, Participação/Cidadania, Saúde e Transferência de Renda. As iniciativas mais inovadoras, como as voltadas para a geração e transferência de renda, capacitação e inserção no mercado de trabalho, foram destacadas. Assim, programas como o Ação Jovem, que é voltado para a manutenção dos jovens na escola, foram agrupados em transferência de renda. As ações que promovem as iniciativas de trabalho e renda, como, por exemplo, o Banco do Povo Paulista, foram identificadas como geração de renda e trabalho. Já o foco das políticas públicas de Assistência Social, Saúde e Educação foi mantido, conforme consagrado pela Constituição Federal de 1988, devido à estreita relação entre os grupos temáticos estabelecidos. As categorias mais representativas, no universo analisado, entre todas as ações apresentadas, correspondem às áreas de educação, assistência social (17% cada) e esporte/lazer/turismo. (13%). Seguem–se as áreas de saúde, transferência de renda e cultura (11% cada), enquanto a capacitação voltada à inserção no mercado de trabalho correspondeu a 10% do total. No contexto de descentralização das políticas sociais, o município vem desempenhando novos papéis na execução dessas políticas. Educação e Assistência Social são políticas públicas que passam por mudanças institucionais mais significativas e representam a maior demanda, exigindo novas formas de gestão e atendimento. Assim, seguem algumas considerações. A Educação – Nessa área, foram registradas experiências, programas e atividades específicas de ensino como: educação formal e alfabetização de jovens; educação tecnológica; formação profissionalizante; educação especial e inclusiva; educação complementar; jornada ampliada; atividades complementares à escola, entre outras. Cooperação e parcerias aparecem principalmente no que se refere ao ensino de língua estrangeira, aos cursos pré-vestibulares e à capacitação para o trabalho. Estágios remunerados e atividades de integração famíla-escola-comunidade também são destaque.

99


Os programas de transferência de renda para garantir o acesso e a permanência na escola e o atendimento pelos serviços de saúde, (Agente Jovem, Ação Jovem, Programa de Erradicação do Trabalho Infantil, etc.) são práticas presentes em todo o Estado. A Assistência Social – Das ações relatadas, 390 foram classificadas como de assistência social. Buscou-se, nelas, não o antigo caráter assistencialista, mas a política pública na qual esta foi transformada pela Constituição Federal de 1988 e regulamentada pela Lei Orgânica da Assistência Social (Loas). Em geral, o acesso do jovem aos programas se dá a partir da assistência social, o que pode ser uma característica positiva, na medida em que essa área costuma trabalhar com outras estruturas institucionais, promovendo a intersetorialidade de programas e ações diversas. Porém, mesmo sendo considerada, muitas vezes, uma política assistencialista, é cada vez mais importante que o trabalho desenvolvido estimule a emancipação do jovem e sua integração na sociedade. São destaques, experiências com Adolescentes e Jovens em Situação de Vulnerabilidade; Medidas Socioeducativas; Atividades Artísticas; Inserção da Pessoa com Deficiência; Espaços de Convivência. Em alguns encontros, também foi discutido qual seria o principal problema para que os órgãos implementassem seus programas. Mais do que a falta de recursos (humanos e financeiros), foi relatada a falta de transversalidade e da articulação dos programas destinados à juventude com outros órgãos da prefeitura.

E struturas M unicipais Durante os encontros regionais, também foi possível registrar quais municípios já possuem um órgão local que trata especificamente das políticas para a juventude. Cada município estabelece sua própria organização institucional (coordenadoria, assessoria, dentre outras), mas sem perder de vista a especificidade do órgão, a necessidade de desenvolver ações intersetoriais, integradas e articuladas, sempre garantindo a participação do jovem e os subsídios para o desenvolvimento de uma política pública de juventude de qualidade, nas diferentes secretarias e órgãos da respectiva prefeitura.

100


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

Dos 151 municípios presentes nos encontros, 28 possuem pelo menos uma estrutura municipal voltada para o jovem, seja ela consultiva ou executora, existindo por lei ou de fato. Ao todo, são 37 estruturas municipais atuantes. Dos 28 governos municipais que já possuem algum órgão, três criaram secretarias, dentre elas, uma Secretaria de Juventude, Esporte e Lazer, na Praia Grande; outra Secretaria Especial de Infância e Juventude, em São Carlos; e uma única Secretaria de Juventude, a de Sorocaba. Outros sete governos municipais optaram por instituir coordenadorias; outros dois escolheram assessorias e dois possuem um departamento. Outras estruturas que, por vezes, coexistem com as executoras são os Conselhos Municipais de Juventude, que já atuam em 13 municípios. Dois outros municípios contam com fórum; outros dois com comissão e cinco têm Centro de Referência de Juventude. Dos 28 municípios que possuem um ou mais órgãos próprios de juventude, 18 estão localizados nas três Regiões Metropolitanas do Estado de São Paulo. Merece destaque a existência de estrutura municipal como coordenadoria, departamento e conselho, respectivamente, nos Municípios de Arthur Nogueira, Santa Fé do Sul e Terra Roxa, municípios com menos de 50 mil habitantes. Também registrou-se que, em alguns municípios, já está em processo de implementação o Conselho de Juventude, como é o caso de Mogi-Mirim, Itapira e Itapevi. E, em Santo André, os agentes reivindicam a reativação da extinta Assessoria de Juventude.

101


Preto Rio Preto do Rio José do São José São

121 121

15

Barretos Araçatuba

Presidente Prudente

Bauru

Marília Região Metropolitana de São Paulo e Baixada Santista

12

39

107

136

50

Limite de Município

Divisão de Região Administrativa Elaboração: Cepam/GTIC - (2/7/2008)

102


Barretos

Franca

Legenda

s

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12

147

Ribeirão Preto

116

129

Central Campinas

Assessoria Centro de Referência Comissão

Municípios Participantes

Conselho Coordenadoria Departamento Forum Secretaria

11 74 103 27 131 68 66

Sorocaba

São José dos Campos

140 99 99

Região Metropolitana de São Paulo

Registro

Região Metropolitana da Baixada Santista

Escala 1 : 3300000 0

33

66

99 Km

Fonte: Fundação Prefeito Faria Lima - Cepam

truturas es as m o c a p a M 3 F igura de municipais de juventu

103


Quadro 3 – Municípios participantes (Vide Mapa) N o MUNICÍPIO

1 Águas da Prata

33 Coroados

65 Itariri

2 Agudos

34 Cravinhos

66 Itu

3 Álvares F lorence

35 Cubatão

67 Ituverava

4 Álvares Machado

36 Descalvado

68 Jacareí

5 Álvaro de Carvalho

37 Diadema

69 Jambeiro

6 Alvinlândia

38 Duartina

70 Jaú

7 Américo de Campos

39 Embu

7 1 José Bonifácio

8 Anhumas

40 Embu-Guaçu

72 Juquiá

9 Araçatuba

4 1 Espírito Santo do Turvo

73 Lençóis Paulista

10 Araraquara

42 Euclides da Cunha Paulista 74 Limeira

1 1 Artur Nogueira

43 Fernandópolis

75 Lins

12 Arujá

44 F lora Rica

76 Marília

13 Avaí

45 Glicério

7 7 Mauá

14 Bady Bassitt

46 Guaíra

78 Mirante do Paranapanema

15 Barretos

47 Guapiaçu

79 Mirassolândia

16 Batatais

48 Guararapes

80 Mogi-Mirim

17 Bauru

49 Guariba

81 Monte Alto

1 8 Bebedouro

50 Guarujá

82 Monte Aprazível

1 9 Bertioga

51 Guatapará

83 Morro Agudo

20 Birigüi

52 Ibaté

84 Nova Aliança

2 1 Boituva

53 Icém

85 Nova Granada

22 Braúna

54 Ilha Comprida

86 Nova Odessa

23 Brodowski

55 Indiaporã

87 Onda Verde

24 Brotas

56 Iperó

88 Orlândia

25 Caçapava

57 Ipiguá

89 Oscar Bressane

26 Cafelândia

58 Irapuru

90 Ouroeste

27 Campinas

59 Itaí

9 1 Palmares Paulista

28 Canas

60 Itanhaém

92 Paraibuna

29 Caraguatatuba

61 Itaoca

93 Paraíso

30 Catanduva

62 Itapevi

94 Pariquera-Açu

3 1 Cedral

63 Itapira

95 Paulicéia

32 Clementina

64 Itápolis

96 Pederneiras (continua)

104


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

Quadro 3 – Municípios participantes (Vide Mapa)

(continuação)

N o MUNICÍPIO 97 Pedranópolis

1 16 Ribeirão Preto

135 São Pedro do Turvo

98 Peruíbe

1 17 Riolândia

136 São Vicente

99 Piedade

1 1 8 Sales

137 Serra Negra

100 Pindamonhangaba

1 1 9 Sandovalina

138 Sertãozinho

10 1 Piquerobi

120 Santa Barbara d’Oeste

139 Sete Barras

102 Piquete

12 1 Santa Fé do Sul

140 Sorocaba

103 Piracicaba

122 Santa Gertrudes

14 1 Sud Mennucci

104 Piratininga

123 Santa Rosa do Viterbo

142 Sumaré

105 Planalto

124 Santo André

143 Tanabi

106 Porto Feliz

125 Santo Expedito

144 Tarabaí

107 Praia Grande

126 Santos

145 Tarumã

108 Presidente Alves

127 São Bernardo do Campo

146 Taubaté

109 Presidente Epitácio

128 São Caetano do Sul

147 Terra Roxa

1 10 Presidente Prudente

129 São Carlos

148 Trabijú

1 1 1 Redenção da Serra

130 São José do Rio Preto

149 Tremembé

1 12 Regente Feijó

13 1 São José dos Campos

150 Ubira jara

1 13 Registro

132 São Lourenço da Serra

151 Votuporanga

1 14 Ribeirão Corrente

133 São Luis do Paraitinga

1 15 Ribeirão do Sul

134 São Paulo

Fonte: Fundação Prefeito Faria Lima - Cepam

105


M ódulo i

C o n h e c e n do a s a çõ e s e o

jo vem

região . . . jovem típico dessa um , opinião sua a N • Quantos anos tem? • Co mo se chama?

inh o? Co m os pais? • Co m qu em mo ra? Soz ad o? Tem filh os? • Fic a? Namo ra? É cas ad os? am? Namo ram? São cas • E os amigos de le? Fic amigos com filh os? • Tem amigos gay s? Tem anto ganha? • Trabalha? On de? Qu rticular ou públi ca? • Est uda? Em escola pa sin o mé dio? os est ud os depo is do en • Pensa em continuar r? Tirou aos 16 anos? • Possui título de eleito É pratic ante? • Tem religiã o? Qual? de? em cas a ou for a? • Acess a a intern et? On de físi ca? Qual? • Realiza alguma ativ ida sic al? • Qual o seu gosto mu de semana? • O qu e faz nos finais transp orte utiliza? r Públi co) • Possui veícul o? Qu e vis ta de oferta do Po de dia •a• dia? (do po nto de no o” eit tisf /sa nte nte r Públi co) • Qu e o deixa “co vis ta de oferta do Po de dia •a• dia? (do po nto de no ” ita “irr e o qu , sta • Qu e ele não go s grand es sonhos? • Quais são os seus trê ião? eaç as” a um jovem da reg • Quais as principais “am jovem da região? ort unida de s” para um • Quais as principais “op ? sta região para um jovem • Qual o diferencial de


Traçando o Perfil do Jovem Paulista

Pergunta orientadora Quem é e o que faz o jovem dessa região, em seus momentos de trabalho, ocupação e lazer? Agrupados por região, os participantes preencheram tarjetas, seguindo diversos campos orientadores previamente definidos, que identificam as principais características dos jovens da região.

Após a identificação, a apresentação e os comentários sobre políticas, ações e/ou projetos voltados ao público jovem nos municípios participantes, seguiu–se dinâmica de trabalho em grupo com o objetivo de caracterizar o perfil do jovem na Região. Como base técnica para as reflexões, a Coordenadoria de Programas para a Juventude elaborou uma série de perguntas orientadoras (ver página anterior), que funcionaram para embasar o levantamento das informações e dos conhecimentos dos gestores e gestoras sobre as questões propostas. Em sessão plenária, as conclusões dos grupos, identificando as principais características do jovem em foco, referenciaram a construção de um boneco regional (em papel kraft). Vale registrar que esse foi um exercício desafiador, pois em cada cidade e região não se pode falar de “uma juventude” apenas. Mas o exercício foi importante – tanto na perspectiva comparativa, como para preparar os presentes para as próximas etapas do dia. Durante o exercício, buscou-se explorar o que havia de consenso entre os gestores presentes, considerando o “jovem médio da região”. O resultado representa a socialização das idéias geradas nos grupos. Os bonecos da menina e do menino, construídos em cada encontro regional foram analisados, e as informações contidas na maioria deles resultaram na síntese a seguir descrita.

107


a n i n e M - Idade média de 16 anos.

- Mora com os pais e não é raro morar só com a mãe. - Não namora, apenas “fica”.

- Em seu círculo de amigos, conhece homossexua is e já tem amigos com filhos.

- Não trabalha. Em alguns casos, faz bicos e ganha até um salário mínimo.

- Está cursando ou terminou o Ensino Médio em escola pública, mas não tem perspectiva de continuar os estudos.

- T ira o título de eleitor somente aos 18 anos, quando é obrigatório.

- É católica, mas não pratica.

- Acessa a Internet fora de casa (na lan house ou na casa de amigos).

- Só pratica atividade física na escola.

- Gosta de estilos variados de música: pagode, axé,

rock, pop, eletrônica, sertaneja.

- Nos finais de semana, gosta de sair com amigas, para todo tipo de evento, show , festa, bar, etc.

- Geralmente, se desloca a pé, de ônibus e, às vezes, pega carona com amigas.

- F ica contente com o Poder Público quando esse pro-

move eventos de esporte, lazer e cultura gratuitos. - Irrita-se com o Poder Público por causa das

poucas opções e espaços de lazer e convivência, e também com a má qualidade do transporte público.

- Seu sonho é obter independência financeira, casar e continuar estudando.

- As maiores ameaças para essa jovem, segundo os gestores, são as drogas, a violência, o desemprego e a falta de estrutura e valores familiares.

108


M en in o - Idade média de 18,5 anos. - Mora com a família; em pouco s casos, quando os pais são separa dos, vive só com a mãe. - Não namora, apenas “fica”. - Em seu círculo de amigos, conhe ce homossexuais e já tem amigos com filhos.

- Trabalha com bicos, ou está desempregad o. - Está cursan do ou termin ou o Ensino Médio em escola públic a, mas não tem perspe ctiva de contin uar os estudo s. - Tirou o título de eleitor somente aos 18 anos. - É católic o, mas não pratica.

- Acessa a Intern et fora de casa (na lan house ou na casa de amigos). - Sua principal atividade física é jogar futebol. - Gosta de estilos variado s de músic a: pagode,

axé, rock, pop, eletrôn ica, sertan eja. - Nos finais de seman a, gosta de sair com amigos para todo tipo de evento , show , festa, bar, etc.

- Geralm ente, se desloc a a pé, de bicicle ta, ou com transp orte públic o. Às vezes, pega carona com amigos.

- F ica conten te com o Poder Públic o, quando esse promo ve evento s de esporte, lazer e cultura gratuitos.

- Irrita- se com o Poder Públic o por causa da falta de manutenção dos espaço s de lazer e conviv ência, com a violênc ia e o precon ceito da Polícia e também com a má qualida de do

ensino e do transp orte públic o. - Seu sonho é conseguir um trabalho bom, comprar seu próprio veículo e formar uma família. - As maiore s ameaç as para esse jovem, se-

gundo os gestor es, são as drogas, a violência, o desemprego e a falta de estrutura e valores familia res.

109


Uma rápida leitura do jovem e da jovem representados demonstra as semelhanças entre as apresentações dos Encontros. Neles, está a síntese dos levantamentos feitos nos eventos, porém, algumas diferenças regionais foram identificadas. Quanto à faixa etária: A dinâmica de grupo da Região Metropolitana de São Paulo apresentou o jovem do sexo masculino mais velho (27 anos), seguida de Campinas, cuja construção apontou idade média de 25 anos. Quanto ao círculo de amizade: A única Região na qual há registro de amizade do jovem (sexo masculino) com jovens casados foi Campinas. Em São José do Rio Preto e em Campinas, os participantes indicaram que os jovens têm dificuldade em reconhecer que possuem amigos gays. Apenas os jovens (sexo masculino) das Regiões Central e de Bauru são apontados como “ficantes”, porém já com filhos. Quanto ao trabalho/ocupação: Ainda que o trabalho informal seja apontado como fonte primária de renda para a maioria dos jovens do Estado, na Baixada Santista, em Campinas, na Capital e em São José dos Campos, as respostas indicam que o jovem (sexo masculino) tem outro tipo de ocupação, com renda média: Baixada Santista (de R$ 380,00 a R$ 600,00); Capital (R$ 450,00); São José dos Campos (R$ 380,00). Apenas a Região de Campinas registra trabalho formal na indústria e no comércio (de R$ 600,00 a R$ 900,00). Quanto aos estudos e às perspectivas de continuidade: A maioria dos gestores afirmou que, dos e das jovens de suas regiões que terminaram o Ensino Médio, grande parte deseja dar continuidade aos estudos, mas não vê perspectiva. Apenas os gestores da Baixada Santista registraram que seus jovens estão matriculados em algum curso profissionalizante. Quanto ao título de eleitor: A Região de Marília foi a única a indicar que o jovem tira o título de eleitor aos 16 anos (meninos e meninas). Quanto à religião: O número de evangélicos é crescente, informam os gestores. Surge a figura do evangélico não praticante: Baixada Santista (meninos e meninas); Campinas (meninas) e Região Central (meninas). Também aparecem as jovens praticantes: Marília (religião católica) e Ribeirão Preto (evangélica). Em Campinas, é apontado que há maior tendência da prática de religião entre as jovens. Para a Região de Bauru, há indicação de que o jovem (sexo masculino) não tem religião. O que mais chama a atenção é que, em todos os casos, há uma tendência na ampliação da prática de religião e na maior preocupação entre os jovens com a espiritualidade em geral.

110


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

Quanto ao uso da Internet: As diferenças foram registradas pelos participantes das Regiões de Campinas e Presidente Prudente. Segundo os gestores, em Campinas, a maioria dos jovens (sexo masculino) acessa a Internet em casa e considera um problema sua não-disponibilidade. Em Presidente Prudente, foi assinalado que jovens de ambos os sexos acessam a Rede fora de casa, mas têm preocupação em viabilizar o acesso em suas residências. Em São José do Rio Preto, não houve consenso sobre a resposta. Quanto às demais questões, destaca o descontentamento da juventude em relação à truculência policial no momento da abordagem durante blitz e ronda. Jovens também reclamaram do desrespeito ao direito à meia–entrada para shows e espetáculos, da falta de acesso aos serviços de saúde, da falta de conservação dos espaços públicos de lazer e esportivo, e da ausência de escolas técnicas para capacitação. Por outro lado, eles se dizem, de acordo com os gestores municipais, satisfeitos quando são oferecidos programas de estímulo ao primeiro emprego e eventos culturais. Uma angústia dos jovens apontada pelos participantes foi definida pela palavra “sobrar”, para explicar o receio de não conseguir progredir e acompanhar seu grupo de relacionamento, social e economicamente.

111


M贸dulo II

O gestor municipal e d u t n e v u j e d


MĂłdulo II

O gestor municipal de juventude

Pergunta orientadora Qual o perfil ideal de um gestor municipal de juventude? Quais as necessidades para se construir esse perfil? Nesta etapa, os participantes divididos em quatro grupos, traçaram o perfil ideal de um gestor municipal de juventude e foram orientados a indicar as necessidades para construí-lo.


Traçando o Perfil Ideal do

Gestor Municipal de Juventude Nesse segundo módulo, os participantes procuraram identificar o perfil ideal de um gestor municipal de juventude, independentemente da estrutura jurídica (existente, ou não) no município. Foram divididos em quatro grupos, com os representantes de um mesmo município distribuídos em agrupamentos diferentes. Os resultados obtidos se encaixaram em três áreas específicas: comportamento, conhecimento e informação. A ênfase foi dada aos aspectos comportamentais da pessoa, começando pela identificação com a causa, e a disponibilidade para ouvir o jovem. Ter habilidade de articular-se, mobilizar-se, pelos diferentes setores, e agir de forma apartidária foram alguns dos pontos apontados como importantes pela maioria das Regiões. Alguns grupos ressaltaram ainda que, para essa função, é preciso ser desprovido de preconceitos e conviver bem com as diversidades, além de não enxergar o jovem como um “problema”. Para que possa formular e articular propostas que favoreçam o público jovem e que sejam factíveis, foi registrada a importância de o gestor conhecer o perfil do jovem do seu município ou região e suas reais necessidades, angústias e sonhos. Da mesma forma, ele precisa conhecer as legislações pertinentes à área da juventude, nas três esferas de governo, os orçamentos e trâmites da máquina pública. Ainda sobre o perfil ideal do gestor, foi levantada a importância de estar sempre bem informado e, para isso, ir a campo, participar e fomentar experiências, como encontros e seminários sobre políticas públicas, conferências e fóruns. Possuir formação acadêmica foi também considerado necessário por alguns grupos. Para construir ou atingir esse perfil ideal, respondendo à segunda questão colocada ao público participante, foi apontada a necessidade de contar com o apoio do Poder Local em suas ações; exercer a função de um “ouvidor”; estar sempre envolvido nas ações e movimentos de juventude; atualizar–se sobre políticas públicas que beneficiam os jovens e, ao mesmo tempo, articular os canais de acesso a essas políticas.

115


o r u t u f e d o 茫 Vis

II I o l M贸du


Módul

o III

Visão de futuro

Pergunta orientadora Que não é feito para os jovens, mas que se fosse realizado mudaria radicalmente o cenário atual? Neste módulo, pretendeu–se, em plenário, refletir sobre e construir uma visão de futuro para a área de juventude.


Novos Cenários O objetivo deste terceiro módulo dos encontros foi abrir um espaço para ações inovadoras e efetivas, indicadas pelo público presente. Desde gestores municipais, até jovens multiplicadores ligados às organizações sociais, todos expressaram suas opiniões e propostas, que serão comentadas a seguir. Mais uma vez, aparece como essencial, para o sucesso de qualquer iniciativa, ouvir o jovem, tanto para construir um projeto em seu benefício, como no acompanhamento e avaliação dele próprio. A compreensão adequada da condição juvenil, conhecer o que ele pensa, o que ele quer, surgiu como ponto de partida fundamental. Em todas as regiões do Estado, o investimento na área da educação aparece como a maior demanda para se conseguir mudanças significativas a favor do jovem, seja melhorando a qualidade do ensino, seja ampliando as oportunidades de ingresso no ensino público (médio e universitário). Ainda dentro desse contexto, surgiu a demanda por uma educação que proporcione a cidadania e a participação política. Também foi bastante recorrente a demanda por adequação e ampliação dos cursos técnicos para viabilizar a inclusão do jovem no mercado de trabalho. As políticas de trabalho e geração de renda foram comentadas pela maioria das regiões, no sentido de ampliar e fortalecer as ações de inserção do jovem no mercado de trabalho. Alguns programas e iniciativas que já existem e visam ao acesso ao Primeiro Emprego, foram apontados como boas iniciativas, mas precisam ser mais abrangentes. A região de Registro fez referência à necessidade de ampliar os programas específicos para o jovem rural, incentivando a sua permanência no campo. Em relação às demais políticas, dada a carência existente nas áreas de lazer e cultura, identificou–se a necessidade de mais investimento em equipamentos públicos específicos para esse segmento, como o Parque da Juventude, Centro de Referência, Casa do Adolescente, entre outros, proporcionando atividades que estimulem o jovem, como esporte, música, dança, teatro, etc.

119


Ainda no sentido de promover mudanças efetivas no cenário juvenil, além das questões expostas, foi considerada também importante a existência ou a criação de organismos públicos oficiais, municipais ou regionais, que trabalhem em parceria com a sociedade civil no planejamento e execução das políticas públicas de juventude.

Potencializando a Internet Consciente de que manter uma Rede Estadual de Gestores de Juventude produtiva e integrada não é tarefa fácil, o Governo do Estado de São Paulo, por meio da Coordenadoria de Programas para a Juventude, colocou no ar, em meados deste ano, o Portal da Juventude Paulista (www.juventude.sp.gov.br). Como a Internet oferece a chance de aumentar a troca de conhecimento entre seus navegantes, a Coordenadoria decidiu usar essa oportunidade para fazer chegar as informações realmente relevantes a um maior número de gestores e de jovens do Estado de São Paulo. O sítio cumpre três funções principais: reunir as informações sobre os diversos programas do governo estadual voltados para a juventude; divulgar, com destaque, programas dos governos municipais paulistas; e oferecer um espaço para que os próprios jovens divulguem suas matérias, fotos e vídeos sobre atividades interessantes que estão acontecendo. Tanto os jovens como a Rede de Gestores encontram, no Portal da Juventude Paulista, um espaço privilegiado e inédito no que tange às páginas virtuais dos governos. Trata–se da seção Minha Cidade, que dispõe de mapas detalhados do Estado e uma subseção para cada Região Administrativa de São Paulo. As camadas de informações vão além: cada uma das 15 subseções regionais contém ainda páginas para todos os seus municípios, que são usadas de acordo com a participação das prefeituras e gestores no projeto da Rede. Nessas páginas, é possível encontrar os programas públicos disponíveis no município, o contato de gestores ou membros dos conselhos de juventude e notícias interessantes da cidade. O Portal da Juventude Paulista é complexo e dispõe de uma série de ferramentas capazes de promover a troca de informações e experiências, além da interatividade e da possibilidade de disseminar conteúdo multimídia de interesse dos jovens do Estado.

120


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

Mas, vale lembrar, o Portal pode se tornar o que o Poder Público e a sociedade civil se dispuserem a fazer dele. Ou seja, há potencial, espaço e disposição do governo estadual para o constante crescimento do sítio e seu posicionamento como espaço de referência para as juventudes paulista e brasileira. Mas tudo depende do esforço e da vontade dos diversos atores envolvidos com as políticas públicas destinadas à rica faixa etária entre 15 e 29 anos de idade. As portas estão abertas. Esperamos que todos entrem sem bater!

Participantes

1 Adilson Otávio Corsaletti

34 Ana Vitoria Moreirade

2 Adolfo Aparecido Teixeira

35 Anderson L. Lima Ferreira

3 Adonias Garcia

36 Anderson Mendes

4 Adriana A. da S. S. Coelho

37 Andréa Menezes Valenciano

5 Adriana Aparecida de Almeida

38 Andréia C. S. Almeida

6 Adriana Barcelos Kamla

39 Andréia Paulo de Souza

7 Adriana Brito Carvalho

40 Angela Cristina Bolpato

8 Adriana Maura Garnieri

4 1 Angela Martins Vieira

9 Adriana Sampaio

42 Anna Penido

10 Adriano da Silva Carolo

43 Antonio Carlos Bramante

1 1 Agenor F. B. da Cruz

44 Antonio Carlos de Freitas Jr.

12 Alan José Mateus

45 Antônio Francelino

13 Alba Regina Gandolfi Silva

46 Aparecida Ivone Albano

14 Aldo Roberto da Silva

47 Aparecida Sanches da Silva

15 Alessandra Cristina Fernandes Massuia

48 Ariane Leal Montoro

16 Alessandra Helena de Faria

49 Armando Candido Bueno Neto

17 Alessandra Maria Donega

50 Augusto Duarte Moreira

1 8 Alessandra Raseira de Almeida

51 Augustus Vinícius de Oliveira Silva

1 9 Alessandro Maracá

52 Barbara dos S. Rodrigues

20 Alex Aparecido Alves

53 Beatriz Goldfarb

2 1 Alexandre Blanco Nema

54 Beatriz Matta

22 Aline Auxiliadora Arantes

55 Benedito Carlos da Silva

23 Aline Janaina de Assis P. Silva

56 Bernadete de Araújo

24 Amanda G. F. Mendonça

57 Bruna Lopes Pinheiro

25 Amira Abboud Pompêo de Camargo

58 Bruno H. da Silva

26 Ana Claudia de Aguiar Lopes

59 Bruno Maluly Goglielmi

27 Ana Claudia Montagi

60 Caio Matheus Maciel Rodrigues

28 Ana Cristina Dearo

6 1 Caline Assunção B. Cebin

29 Ana Lucia Bueno Peruchi

62 Camila Araujo de Souza

30 Ana Luiza Yassuda

63 Camila Silva de Oliviera

3 1 Ana Paula de S. Santos

64 Camila Silva Nascimento Canuto

32 Ana Paula Ferreira de Oliveira

65 Carlito Sena Souza

33 Ana Paula Silva Moreira

66 Carlos Alberto Guarnieri

121


122

67 Carlos Alberto Pedro

1 16 Elaine Aparecida Gonçalves de Morais

68 Carlos Augusto França

1 17 Elaine Cristina Bertazi

69 Carlos Rodolfo de O. Rocha

1 1 8 Elaine G. Néspola Nogueira

70 Carlos Vinicius M. de Lorena

1 1 9 Eleine de Matos Coelho Baia Sales

7 1 Carmem Lucia Nishi

120 Eliana Aparecida Oliveira

72 Carolina Ferreira de Souza

12 1 Eliane Souza Silva

73 Caroline Chainho Tosta

122 Eliete Estevam Gomes

74 Cássia Regina Martinez

123 Elisabete Liso

75 Célia Vitorino Balla

124 Elisângela Aparecida Caldani

76 Cesar Orleans

125 Elisangela Aparecida dos Santos

7 7 Christian da Silva Ragazzi

126 Elisangela Riqueti Sousa

78 Cirlene Souza Destro

127 Emerson da Costa Santos

79 Claudia de Oliveira

128 Emidia Maria Gonçalves Maciel

80 Claudia R. M. Oliveira

129 Enrico Brégula

81 Claudia Retz Toledo Veiga

130 Érica F. Veiga Rodrigues

82 Claudia Venério Garcia Dias

13 1 Erika R. C. Colombo

83 Claudina Lima de Oliveira

132 Erika Ribeiro

84 Claudinéia Aparecida Solvadeo Julião

133 Estevão da Silva

85 Claudio Luis R. Ramos

134 Eveline Pereira de Andrade

86 Cleber Marcelo Ferreira

135 Fabiana de Oliveira Guimaro

87 Clodoaldo Alves Ferreira de Oliveira

136 Fabiane Nadia Barros Paranhos

88 Conceição Aparecida Almeida Costa

137 Fábio Alexandre Barboza Santos

89 Cristina Briguenti

138 Fábio Aparecido Gonçalves

90 Dalton Duarte

139 Fabio Ortolano

9 1 Daniel R. Barboza

140 Fabio Soldera Grecchi

92 Daniel Vicente da Silva

14 1 Fabiola dos Santos Guimarães

93 Daniela Rodriguez de Castro

142 Fabrício Lopes da Silva

94 Daniela Soares dos Santos

143 Fabrício Máximo

95 Daniella Lira

144 Fatima Aparecida da Silva de Melo

96 Danilo Otto

145 Fátima M. F. Morandini

97 Danilo Quintiliano Cerqueira

146 Fátima Rosa de Oliveira Teixeira

98 Davi Zeitumi Trevizan

147 Felipe A. Bertolini

99 Debora Aparecida Mendonça

148 Felipe Gomes dos Santos

100 Débora Cristina Silva de Carvalho

149 Fernanda Paula Toscano Ruiz

10 1 Denis Mizne

150 Fernando de Barros Franco

102 Denise Puccini

151 F ilippo Almeida S. Leite

103 Denise Silvério

152 F ilomena Aparecida Andreozzi Gragatti

104 Devanir Domingues

153 F lávio Araújo

105 Diego Rodrigo Sirqueira Vogado

154 F lávio Muniz Fernandes

106 Dirce Pedroso de Morais

155 Franciele Müller Aparecida

107 Doraci de Fatima da Silva

156 Francisco Martins da Silva Neto

108 Douglas Duarte de F. Lara

157 Gabriel Henrique A. Santa

109 Douglas Garrido de Lima

158 Gabriela Cruz

1 10 Dulce Mara R. Menezes Vergari

159 Gabriela F. Costa

1 1 1 Edilza Correia da Silva

160 Gabriela O. Silva

1 12 Edinéia Perpétua Lazarin

16 1 Gecimar Evangelista

1 13 Edvaldo Mariano Silva

162 Geisa V. Lemos Mattossinho

1 14 Edvanilza Ferreira de Sousa

163 Geisy Ferreira Verdi

1 15 Elaine Alvares Silveira Rocha

164 Gilson do Nascimento Fernandes


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

165 Gilson James Donizetti Muniz

2 14 Juliana Queiroz Carneiro

166 Giovani Aparecido Machado

2 15 Juliana Samanta Gonçalves

167 Giovanna de Paiva

2 16 Juliana Sanches Menino

168 Grasiele do Amaral Souza

2 17 Juliane Carvalho Pimenta

169 Guilherme Fernandes Costa

2 1 8 Juliane Siqueira Santiago

170 Helena Dutra Silva Andrade

2 1 9 Juliano Camilo Borges

17 1 Helena Wendel

2 20 Júlio Cesar Alves de Oliveira

172 Hellen Thatiane Romeiro Leite

22 1 Julio Cesar Goes Silva

173 Hevelin da Silva Batista

2 22 Karine Itman Monteiro

174 Iglete Farisco

2 23 Katia Francisca Paiva

175 Ines Correia

2 24 Kátia M. Rodrigues Nascimbeni

176 Irmã Antônia Pinheiro

2 25 Keisy Batista Santos

177 Isabel Aparecida dos Santos Mayer

2 26 Kelly Andreza Debiosi Arlanch

178 Isabel Mantovani Lisboa

2 27 Kelly Cristina Barril

179 Isabella Larrubia

2 28 Kenneth Toyohico Mizusaki

180 Isis Mendieta

2 29 Laercio de Castro

1 81 Ismael Nascimento

2 30 Larcio Benedetti

1 82 Ivo de Oliveira Silva

23 1 Laura Dutra Grandizoli

1 83 Jacqueline Bauman de Castro

2 32 Leandro Baldan

1 84 Jaime Hungler

2 33 Leandro da Costa Silva

185 Jaime Mesquita da Cruz

2 34 Leandro Domingos de Souza

186 Jane Roseli Janin J. Lucena

2 35 Leandro Ferreira dos Anjos

187 Jefferson Adriano

2 36 Leticia Teresa Albanezi Rocha

188 Jéssica Camargo

2 37 Lídia Josefa Calleja Donda

1 89 Jéssica F. Veri

2 38 Lígia Maria Bertinotti da C. do Carmo

190 João Bosco da Silva Maciel Rodrigues

2 39 Liliana Lombo Siqueira

1 9 1 João Pedro Pinto Nascimento

2 40 Livia Goes de Fonseca

1 92 João Ricardo Souza T. Silva

24 1 Lourdes C. Sandrigo Rabal

1 93 João Rocumbandi Rasquinho

2 42 Luana Cristiane Garcia

1 94 Jonas Francisco Galdeano

2 43 Luana Cristina Ferreira de Oliveira

1 95 Jorge Daher

2 44 Lucas Miranda

1 96 Jorge Doniseti Pereira

2 45 Lucas Silva Spaleta

197 Jose Carlos de Moura Jr.

2 46 Lucia Helena Campos Faquinha

1 98 José Carlos do Prado

2 47 Luciana Braga da Silva

1 99 José Carlos Ito Alexandre

2 48 Luciana Cesar Guimarães

2 00 José Claudio dos Santos

2 49 Luciana Puntoni Guimarães

2 0 1 José Manuel dos Santos Leça

2 50 Luciane Maria Dinardi

2 02 José Natal da Silva

251 Luciano Frontelle de Paula F ilho

2 03 José Renato Lisboa

2 52 Luis Carlos Sarasua

2 04 José Thiago de Souza

2 53 Lysandra Aline Fantin Ferrari

2 05 Josiani G. D. Masalsskiene

2 54 Madalena de Fátima da Silva

2 06 Josias Gonçalves de Lima

2 55 Mafoane Odara

2 07 Josimara Ap. Brombati

2 56 Maisa Ortolan Scandelai

2 08 Joyce Mara dos Santos Benites

2 57 Manoel A. Domingues de Castro Neto

2 09 Juliana Aparecida Duarte

2 58 Marcel Kraide

2 10 Juliana da Silva Amaral

2 59 Marcelo de Castro Cavalcanti

2 1 1 Juliana E. S. Patrocinio

2 60 Marcelo C. S. Azevedo

2 12 Juliana Oliveira dos Santos

26 1 Marcelo dos Santos

2 13 Juliana Prado Riedo

2 62 Marcelo Marigliani Arias

123


124

2 63 Marcelo Nonato

3 12 Mônica Maria Souza de Salles

2 64 Marcia Cristina Passos

3 13 Morgana Zagato Muller

2 65 Marcia Denise Gusmão Coelho

3 14 Nádia de Lima Souza

2 66 Marcia Maria Feitoza

3 15 Natália Tatiane de Lucena

2 67 Márcio Antonio Macedo de Melo

3 16 Natalino Batista de Oliveira

2 68 Marco Antônio Caliani Ganga

3 17 Natan Tadeu Bodoni Ferraro

2 69 Marco Tulio Vanalli

3 1 8 Nathalia Marques Viana

2 70 Marcos Emoyricciardi Favaretto

3 1 9 Nayara S. O. Pinho

2 7 1 Marcos Vinicios Barista Celani

3 20 Neide Céspedes Martins Ferreira

2 72 Maria Alaides Caldeira Sales

32 1 Neide Miney Gonçalves da Costa

2 73 Maria Alice Alves Coelho

3 22 Nérea Maria de Araujo Santos

2 74 Maria Amélia Peghim

3 23 Nilton Ap. Barbosa

2 75 Maria Angela T. Gulli

3 24 Nilze Rosa Lima Piola

2 76 Maria Aparecida Bortolucci Ferrari

3 25 Nivania de Araujo Bordin

2 77 Maria Aparecida de M. Hebling

3 26 Nyara Santos

2 78 Maria Cristina Romanelli

3 27 Odair Aparecido Barroso

2 79 Maria Cristina Uzeloto

3 28 Odjalma Beltra Mello

2 80 Maria de Fátima Cassimiro

3 29 Ornella Maria Moralez Rodrigues

281 Maria de Fatima Macedo e Medeiros

3 30 Oscar Soares Campos F ilho

2 82 Maria de Lourdes R.Venancio

33 1 Osmarina Ap. Zamparo

2 83 Maria de Lurdes Romeira da Silva

3 32 Otávio D. R. Shimoda

2 84 Maria Helena K. Monteiro

3 33 Paloma da Silva Almeida

2 85 Maria Helena Veiga Silvestre

3 34 Paloma Garcia de Garcia

2 86 Maria Inês Zanolo

3 35 Patrícia Barbeiro de Moraes

2 87 Maria Lúcia de Oliveira

3 36 Patrícia Nery de Miranda

2 88 Maria Lucia Nunes

3 37 Patrick R. Sades

2 89 Maria Moreno Perroni

3 38 Paula Barbosa de Lima

2 90 Maria Rocidélia Cruz dos Santos

3 39 Paula Camargo de A. Prado

29 1 Maria Silvia Lima Bastos Fernandes

3 40 Paulo Bueno

2 92 Maria Teresa O. Catanhofaba

34 1 Paulo César Ramos

2 93 Maria Tereza Dionisía Pereira Colombo

3 42 Paulo Henrrique Oliveira

2 94 Maria Thereza Fernandes

3 43 Paulo Roberto Silva

2 95 Mariana Cervi

3 44 Pedro Nali

2 96 Mariana Cunha Ferreira

3 45 Priscila F. Nunes

2 97 Mariana Estella Cestari

3 46 Priscila Schultz

2 98 Mariana R. Junqueira

3 47 Priscila Taís Cola

2 99 Mariane Delatin Rodrigues

3 48 Rafael de Souza Carvalho

3 00 Mariângela Scarton

3 49 Rafael Francisco de Assis

30 1 Maristela Bianco Colin

3 50 Rafael Moreira

3 02 Marleidy Aparecida de Mendonça Rocha

351 Rafael Vilas Boas Garcia

3 03 Marly Freitas dos Santos

3 52 Raíssa C. Lourenção M.

3 04 Martta M. Pimenta

3 53 Regina Helena Fermoseli Doni de Castro

3 05 Mateus Mendonça

3 54 Reinaldo Tadeu Ibelli

3 06 Maurício Queiroz Prado

3 55 Renan Renato Sousa dos Santos

3 07 Melissa Gomes Pires

3 56 Renata Aparecida Pezzete

3 08 Michel Rodrigues

3 57 Renata Corrêa Leite de Oliveria

3 09 Milene Garcia Vieira

3 58 Renato F lavio Racin

3 10 Milton de Freitas Nunes

3 59 Ricardo Trinca

3 1 1 Mirna Perpetua Brandão Farias

3 60 Rita Christina Chaves


Fu n daç ão Prefei to Faria L ima – Cepam

36 1 Rita de Cassia Gonçalves Silva 3 62 Rita de Cassia Martins de Deus Correia 3 63 Rita de Cassia Moraes Leme 3 64 Roberta B. de Souza Venceslau 3 65 Roberta S. de Andrade Ribeiro 3 66 Roberto Domingos 3 67 Roberto Rios 3 68 Rodolfo José Serpa 3 69 Rodrigo Amaral 3 70 Rodrigo Ap. Correia da Silva 3 7 1 Rodrigo Aparecido de M. Clemente 3 72 Rodrigo Arraval 3 73 Rodrigo Daniel Oliveira Mateus 3 74 Rodrigo de Oliveira Boto 3 75 Rodrigo Marques Notari 3 76 Rogéria Claudia G. B. Deak 3 77 Rogério Dias de Souza 3 78 Rogério Garófalo 3 79 Rogério Pascon 3 80 Rogério Ribeiro de Paula 381 Rogério Wong de Oliveira 3 82 Ronaldo Barbosa da Silva 3 83 Ronildo Aparecido Teixeira 3 84 Ronnia Vania Mateus Ferreira 3 85 Rosana Aguilera Garcia Barbosa 3 86 Rosana Ignacio Rodrigues 3 87 Rosângela Marcia da Silva 3 88 Rosângela Perpétua 3 89 Rosângela Rodrigues 3 90 Rosemary Montoni 39 1 Rosimar de Paiva 3 92 Ruth Helena F loret Turini Claro 3 93 Samuel Ap. Amaral Moraes 3 94 Sandra Aparecida Prado Domingues 3 95 Sandra de Maia de Moras 3 96 Sandra H. Orihashi Silvestre 3 97 Sandra Helena Caetano 3 98 Sandro Eleutério da Silva 3 99 Saula Cristina A. Eleotério 4 00 Selma Aprecida do S. Almeida 4 0 1 Selma Fatima de Paula Lessa 4 02 Silene Favali Ribeiro dos Santos 4 03 Silmara Adriana Leal 4 04 Silmara Venancio Pereira 4 05 Silvana dos Santos 4 06 Silvania Andrade de Oliveira Fontana 4 07 Silvânia Garcia Marvulle 4 08 Silvania Maria Nicolcai Piardi 4 09 Silvia Maria Zacarias Toloy

4 10 Silvia Mendes Soares 4 1 1 Silvia Valéria A. Penatti 4 12 Silvio Carlos M. Parra 4 13 Silvio Marcelo Fr. Brito 4 14 Simone Cuchiaro Padovan 4 15 Soeli Marque 4 16 Solange Andrés Marrone 4 17 Solange Ap. Gobeti 4 1 8 Sonia Maria Ragazzini Battin 4 1 9 Sorzia Terezinha Coelho 4 20 Sthephany Pámela Rodrigues 42 1 Sueli Mariano Almeida da Silva 4 22 Talita Aparecida Oliveira dos Santos 4 23 Tamiris Martune 4 24 Tania Ribeiro Fambone 4 25 Tatiani Rosendo 4 26 Taylon Henrique Bertuccio Sales 4 27 Teresinha de Carvalho Camargo 4 28 Thaisa Dias Nishimura 4 29 Thaisa H. Rosa F ioravante 4 30 Thaysemídio Ferreira da Silva 43 1 Thiago Mendes Andrade 4 32 T iago da Silva França 4 33 Valdeci Silveira Costa 4 34 Valéria de F. R. Baso 4 35 Valeriana Maria de Fátima Irineu 4 36 Vanderlei Amaral de Souza 4 37 Vanessa Glingani Pierini 4 38 Vanessa Luchini Morceli de Oliveira 4 39 Vanessa Ribeiro da Costa 4 40 Vânia Aparecida Rodelli Neves 44 1 Vania Corradi Carvalho 4 42 Vânia Cristina Perosso 4 43 Vania Maria Honorato 4 44 Vera Eliana A. Politi 4 45 Vera Lucia de Oliveira 4 46 Vilma Lucia de Souza Santos 4 47 Vivian Cristiane Teixeira 4 48 Vivian Migoranci 4 49 Wagner A. Santos 4 50 Wagner Humberto Martins 451 Waldir Bonetti 4 52 Widner Leonardo Candian de Souza 4 53 Wincer Oliveira Belmiro 4 54 Yara Ambrósio Politi 4 55 Zilda de Azevedo Barbirato da Mata 4 56 Zilda Ferreira 4 57 Zildinha Aparecida Camargo

125


s e õ ç a t o n a

126


127


128


www.cepam.sp.gov.br . www.juventude.sp.gov.br

, foram ta publicação es ar tr s ilu Para toria enhos de au s de s n gu al utilizados n contros antes dos E dos particip de cas Públicas ti lí o P de s ai Reg ion icas, os nte as dinâm ra u D . de tu n Juve menino a menina e o am ar h en s grupos de os , representam s le de ão s vi que, na da região. unicípio ou m eu s do s jo ven

realização


Encontros Regionais de Políticas Públicas de Juventude: resultados e perspectivas