Page 1


Expediente Centro Universitário Salesiano de São Paulo Chanceler | P. Marco Biaggi Reitor | P. Edson Donizetti Castilho Pró-Reitora Acadêmica e de Pesquisa e Pós-Graduação | Profa. Dra. Romane Fortes Santos Bernardo Pró-Reitor Administrativo | Ms. Nilson Leis Pró-Reitora de Extensão e Ação Comunitária | Regina Vazquez Del Rio Jantke Coordenadora de Comunicação e Marketing | Luciana de Almeida Palhete Xavier Unidades do UNISAL Americana • Dom Bosco | Rua Dom Bosco, 100, Santa Catarina. Fone (19) 3471-9700 • Maria Auxiliadora | Av. de Cillo, 3.500, Pq. Novo Mundo. Fone (19) 3471-9700 Campinas • Liceu Salesiano | Rua Baronesa Geraldo de Rezende, 330. Fone (19) 3744-6800 • São José | Av. Almeida Garret, 267. Fone (19) 3744-3000 Lorena • São Joaquim | Rua Dom Bosco, 284. Fone (12) 3159-2033 São Paulo • Pio XI | Rua Pio XI, 1.100, Alto da Lapa. Fone (11) 3649-0200 • Santa Teresinha | Rua AugustoTolle, 575, Santana. Fone (11) 2971-6900 A Revista UNISAL é produzida pela Assessoria de Comunicação do Centro Universitário Salesiano de São Paulo. Redatores Claudia Massarani, Caroline Petermann, Cássia Fossaluza, Elisangela Limoni e Bete Rabello. Jornalista responsável e editora Bete Rabello (MTB 15.735) E-mail: imprensa@lo.unisal.br Fone: (12) 3159-2033, ramal 327 Revisão Denílson Luís dos Santos Moreira Projeto Gráfico Renata Maria Monteiro Capa Natássia Kuraiem de Oliveira Produção Gráfica Sanna - Gráfica Digital E-mail: sanna_grafica_digital@hotmail.com Fone: (12) 3105-7482 Impressão Editora Salesiana E-mail: vendasgraficas@editorasalesiana.com.br Fone: (11) 3274-4900 Tiragem 6.500 www.unisal.br - 0800 77 12345 Siga o UNISAL: www.twitter.com/unisal

O UNISAL integra as IUS

Participe da Revista UNISAL enviando opiniões e sugestões de temas e de entrevistas para as próximas edições. Procure a equipe de Comunicação e Marketing de seu campus ou escreva para imprensa@lo.unisal.br.

2

revista unisal

Opinião

EDUCAR PARA A CONVIVIALIDADE

P

rezadas(os) leitoras(es)

Os avanços socioculturais das últimas décadas indicaram a necessidade de novas ênfases nos processos pedagógicos atuados pelas agências e instituições educacionais. Isso se faz ainda mais necessário quando, em nossos dias, muitos adolescentes e jovens revelam posturas de intolerância, violência, preconceito e total desrespeito aos ideais humano-cristãos de igualdade e fraternidade. A diversidade de pensamento, crença, raça, cultura não pode ser razão suficiente para que as pessoas decretem a impossibilidade da convivência e do diálogo. O espírito salesiano segue acreditando na real capacidade humana de construir a “unidade na diversidade”. O UNISAL, atento às demandas advindas dos contextos em que está inserido e consciente de sua missão acadêmico-universitária, acredita que há, entre tantos outros, um urgente itinerário educativo a ser percorrido em vista do fortalecimento: – de uma nova consciência ecoambiental que estabeleça robustas e saudáveis formas de relação com a criação, dom de Deus, e favoreça a construção de ambientes que estimulem válidos processos de valoração, reconhecendo os valores do diálogo, da fraternidade, do respeito, e consolidando atitudes de tolerância e abertura para a diversidade. O tema da Campanha da Fraternidade 2011 estabelece justamente este forte apelo: “A criação geme em dores de parto!” (Rm 8,22). O tema geral: “Fraternidade e a Vida no Planeta”. É preciso uma corajosa decisão pessoal e comunitária que nos distancie de atitudes e posturas que sejam de agressão à Terra. Mais urgente é o aprendizado que nos leve a escutar, compreender e responder ao grito da Terra! Escutar auricularmente, cordialmente e, sobretudo, corajosamente! – de uma nova consciência comunitária que, reconhecendo o contexto de pluralismo cultural, acredite na instigante e necessária postura pedagógica que orienta para o reconhecimento das identidades. Um autêntico pluralismo reclama, naturalmente, percursos que explicitem, livre e profundamente, os valores identitários das pessoas e/ou instituições envolvidas. Educar para a convivialidade, embora seja critério pedagógico consagrado em quase todas as escolas e experiências pedagógicas ao longo dos séculos, apresenta-se, em nossos tempos, como desafio dos mais urgentes. – de uma nova consciência espiritual que, acolhendo os autênticos valores humanos, nos recorde a potente dimensão de abertura à transcendência que nos envolve como seres espirituais, criados à imagem e semelhança do criador. É dado de fé, dom precioso de um Deus infinitamente amoroso que não violenta os corações humanos, que nos abre à possibilidade de acreditarmos no valor do perdão, da misericórdia, da restauração das relações..., leva-nos, inclusive, à libertadora experiência de nos reconciliar com o nosso passado! Que as comunidades educativas “unisalianas”, nas várias Unidades e campi, estimulem a criação de ricos ambientes pedagógicos, em que respeito e tolerância, responsabilidade e diálogo, reconhecimento das identidades diversas, sejam posturas cotidianas, reflexo da presença de pessoas maduras e dispostas a reconhecer no rosto do “outro” a mesma dignidade humana capaz de nos fazer acreditar no sonho-possibilidade de uma fraternidade universal. Bom fim de semestre! Que todos possam colher abundantes e duradouros frutos acadêmicos, frutos de esforços realizados e de empenhos responsavelmente atuados. Prof. Dr. P. Edson Donizetti Castilho Reitor


4 GRADUAÇÃO

Movimentos sociais e cidadania

8 a 10 FATOS DOS CAMPI

14 e 15 PESQUISA

sumário

5 SOU UNISAL

Aluna da Idade Ativa tem novos desafios

6 e 7 ENTREVISTA

Uniexpo recebe mais de 3 mil alunos

13 NOSSOS CURSOS

Psicologia: novas oportunidades

Tráfico de pessoas em debate

16 e 17 ESTUDEI NO UNISAL

18

“Teologia me deu as bases para exercer minha missão”

EXTENSÃO e ação comunitária Educação para os Direitos Humanos

Institucional

UNISAL obtém conceito 4 noPró-reitora recredenciamento do MEC Acadêmica destaca importância da avaliação É com alegria e, ao mesmo tempo, um espírito de dever cumprido que informo, em nome da Reitoria, que o UNISAL – Centro Universitário Salesiano de São Paulo recebeu a visita da Comissão Avaliativa do Ministério da Educação – MEC, no último mês de maio, e obteve Conceito 4 (muito bom), em uma escala de 1 a 5. Esse processo avaliativo significou uma ampla e consistente análise, por parte do MEC, de todos os procedimentos internos do UNISAL e incluiu não somente questões relacionadas à organização didático-pedagógica como também relativas à organização administrativa e financeira de nossa Instituição, englobando as dez dimensões que constituem o Instrumento de Avaliação das Instituições de Ensino Superior, dentre as quais se destacaram o PPI – Projeto Pedagógico Institucional; as Políticas Organizacionais; a Sustentabilidade Financeira da Instituição; a Responsabilidade

Social; dentre outras. (O Instrumento Avaliativo de Avaliação Externa encontra-se disponível para consulta pública no Portal da Educação do MEC: www.mec.gov.br). Para nós, membros da Reitoria, cumpre comunicar amplamente para a comunidade universitária do UNISAL o excelente resultado alcançado, sem deixar de ressaltar nossos mais sinceros agradecimentos a todos que, de forma direta ou indireta, cooperaram para que esse resultado tenha sido possível. Nossa gratidão se estende ao corpo gestor; técnico-administrativo; docentes; discentes, que, em conjunto, com comprometimento, dedicação e espíritos permanentemente voluntariosos tornaram possível este resultado positivo, o que, além de recredenciar nossa Instituição como Centro Universitário, nos incentiva e alegra para que continuemos a trilhar o caminho do “educar com responsabilidade”, além de ratificar a importância de um

trabalho com foco em resultados qualitativos, enfim, o educar como Missão. Gostaria de finalizar ressaltando o compromisso da Reitoria com a qualidade, a inclusão social, o “educar” com seriedade e o fiel cumprimento das metas institucionais qualitativas e quantitativas constantes no nosso PDI – Plano de Desenvolvimento Institucional, mas, sempre, com o espírito vivo de Dom Bosco a nos inspirar e de Nossa Senhora Auxiliadora a nos proteger e delinear caminhos sábios e promissores. Sabemos que o caminho muitas vezes é árduo, mas que trilhar este caminho nos desafia a fazermos sempre o melhor em prol do maior número possível de jovens e que assim seja! Esta é a grande dádiva de se trabalhar com educação... Avante! Com estima e gratidão Profa. Dra. Romane Fortes Bernardo Pró-Reitora Acadêmica revista unisal

3


Teologia lança Guia para Trabalhos Acadêmicos foto: Thiago Nunes

Graduação

A diretora de Operações Profa. Elza Helena de Abreu e os monitores

A Unidade Pio XI do UNISAL, SP, lançou o “Guia para a Elaboração de Trabalhos Acadêmicos do Curso de Teologia”, que substitui o antigo “Manual de Normas”. O guia atende às necessidades e às sugestões apresentadas pelos docentes e discentes do Pio XI, e apresenta múltiplos exemplos de como aplicar a normativa da ABNT na realidade específica do Curso de Teologia. Com a publicação do Guia, foi criada uma equipe de monitores voluntários das quatro séries do Curso para esclarecer dúvidas pontuais na

elaboração dos trabalhos. Os monitores são: – Gillianno José Mazzetto de Castro, Marcelo de Oliveira Pereira (1o ano); – Anderson Desangiacomo de Souza, Hélio Espinula Soares Pinto (2o ano); – Jonatas Rodrigues da Silva, Lucas Rodrigo da Silva, Roney Soares de Souza (3o ano); – Gustavo Barbiero Mello (monitor e responsável pela Equipe), Rafael Zanata Albertini (4o ano).

Engenharia e Psicologia recebem nota 4 do MEC O Curso de Engenharia Elétrica – Telecomunicação – da Unidade São José, Campinas, e o curso de Psicologia de Americana receberam conceito 4 (o maior conceito é 5) do Ministério da Educação no processo de reconhecimento. O resultado da avaliação foi co-

memorado nas duas Unidades. Os avaliadores do MEC observaram o conteúdo curricular, atuação da coordenação, experiências acadêmicas e atuação do corpo docente no mercado, acervo das bibliotecas, infraestrutura, entre outros aspectos. O corpo docente dos dois cursos

obteve a nota máxima, 5, o que reflete um rigoroso cumprimento das metas qualitativas do UNISAL. Os cursos do UNISAL têm-se destacado e sido considerados como referência para empresas e profissionais de sua região de inserção.

foto: Caroline Petermann

IV Fórum Interdisciplinar debate sobre movimentos sociais

Profa. Maria da Glória disse que os movimentos sociais podem modificar a sociedade

4

“Movimentos Sociais: influências sociais, políticas e econômicas” foi o tema do IV Fórum Interdisciplinar promovido pelo UNISAL Santa Teresinha, SP, dia 27/4. A palestrante revista unisal

convidada foi a Profa. Maria da Glória Gohn, da Unicamp, Uninove e autora de 16 livros sobre o tema. Maria da Glória destacou questões ligadas à área da Educação não for-

mal, movimentos sociais, redes solidárias do Terceiro Setor, cidadania e políticas sociais. Esses movimentos, afirmou, continuam ativos e têm-se apresentado sob novas formas, que consideram as profundas mudanças culturais e sociais das últimas décadas. Ela lembrou que, na concepção do sociólogo Alain Tourraine, “os movimentos sociais são o pulsar da sociedade”.  Portanto, se queremos conhecer profundamente nosso país, é necessário observar como as pessoas se organizam em movimentos que reivindicam cidadania plena e cuja força é capaz de modificar a sociedade. Estiveram presentes no evento a Pró-Reitora de Extensão e Ação Comunitária Regina Jantke e o Diretor de Operações Silvio Guarde. O tema, da forma como foi apresentado, possibilita ao aluno compreender a dinâmica da sociedade a partir de outros paradigmas, em especial daqueles que brotam das forças não institucionalizadas da sociedade, destacou o Diretor Silvio Guarde.


Sou UNISAL

“Como estudei em Colégio Salesiano, achei que estava no lugar certo e na hora certa para retomar meus estudos na área de educação em uma Instituição Salesiana. Conheço a seriedade e honestidade com que a Instituição encara o tema educação.”

Depois de anos fora da escola, a dona de casa Angela Maria Estodultto de Lucena decidiu retomar os estudos e encher sua vida de novos compromissos, amigos e desafios. Voltou para a sala de aula no Programa Idade Ativa do UNISAL Santa Teresinha, São Paulo, e hoje é aluna do curso de Pedagogia da mesma Unidade. Aos 59 anos, casada, mãe de dois filhos, essa sul-matogrossense de Corumbá, que adotou São Paulo há cerca de 37 anos, encara a decisão de fazer um curso superior como um grande desafio, “pois estava há muito tempo sem estudar e agora surgiu essa oportunidade. Estou me esforçando muito para adquirir o ritmo necessário que me permita acompanhar as aulas e obter um bom aproveitamento”, afirmou. Angela conta que o desejo de ser pedagoga surgiu durante o Programa Idade Ativa: “O Programa Idade Ativa foi muito importante porque foi o meu retorno a uma sala de aula, vivenciando aquele ambiente de estudo do qual eu estava afastada há muito tempo. Foi importante também pela convivência com as colegas e os professores, retomando o contato com a educação, que despertou em mim o desejo de fazer um curso regular. Já que estava aqui, me perguntei por que não aproveitar e fazer um curso superior, que vai me dar a oportunidade de aprender e trabalhar na área?” Já decidida e incentivada pelos professores e colegas, Angela mergulhou nos estudos e pretende trabalhar na área de Pedagogia, “o que também vai ser um grande desafio para mim”.

foto: Caroline Petermann

De volta aos estudos. Aberta aos desafios.

Angela Lucena decide encarar novos desafios no curso de Pedagogia

A futura pedagoga gosta de se manter atualizada por meio das leituras de jornais e revistas, e não descuida da saúde, dedicando-se a ativi-

dades físicas diárias. Como diz, as caminhadas e os exercícios na academia são para manter a forma e dar “pique para enfrentar o ritmo da faculdade”.

Coordenador é eleito Contabilista do Ano O coordenador do curso de Ciências Contábeis do UNISAL Americana, André Roberto Cillo, foi eleito Contabilista Emérito do Ano de 2011 em Piracicaba. A eleição é feita pelos associados do Sindicato dos Contabilistas de Piracicaba e Região.

Ex-alunos aprovados em concurso para Promotor Dois ex-alunos do curso de Direito de Lorena, um deles professor da Unidade, foram aprovados no concurso número 87 do Ministério Público do Estado de São Paulo. São eles o professor Gianfranco Silva Caruso, formado em 2004, e Vanessa Therezinha Sousa de Almei-

da, da turma de 2006. Gianfranco foi aprovado em 11o lugar e Vanessa em 36o. Eles foram empossados no cargo de Promotor de Justiça em solenidade realizada no dia 31/3, na Faculdade de Direito da USP, e já assumiram suas funções. revista unisal

5


Entrevista

De uns ano s para cá, o uve-se muit talvez um m o falar em odismo pela bullying, nova palav pular, mas ra no vocab um ato mu it u lário poo antigo e q algumas ve ue causa da zes irrecup n o e s morais, ráveis. Bull tar constan ying é a aç temente, p ã o d or atos, pa e molesou psicológ lavras, agr icas uma m e s s õ es físicas esma pesso de pessoas. a ou um m Este ato ac e s m o ntece semp o grupo hierarquia) re em pares . ( d a mesma Uma das g randes pre ocupações apresentam é que muit que o bully os relatos (quem com ximos, ou s e te eja, há pais ) c o p ia modelos pr ou pessoas ceituosos e ópróximas q /ou agressiv ue são prec os e acabam mundo par o n trazendo es a seu conte sa visão de xto na socie A aluna Na dade. ra Barcellos , do curso d de de Amer e Pedagogia icana, dese nvolve um da Unidauma das dis trabalho so ciplinas do bre o tema curso e rela que mais lh em ta que uma e chamou a d a a s coisas tenção foi q da sociedad ue as crenç e influencia a s m c ulturais no bullying “Um exemp . lo é nossa s ociedade pa os meninos triarcal, qu a serem du e incentiva r õ es. Já nossa incentiva a sociedade c s meninas onsumista a valorizar comentou. mais o ter do que o se r”, 6

revista unisal


O bullying se manifesta mais comumente por meio de ameaça ou violência física e/ ou verbal, apelidos pejorativos, extorsão, divulgar rumores maliciosos, exclusão social e, hoje, muito comum por meio das redes sociais. Para a estudante de Pedagogia e estagiária em uma creche municipal, Tatiana Brauna, a criança que pratica o bullying na escola vê sua agressividade como qualidade e geralmente é bem aceito pelos colegas. Para responder a essas questões e auxiliar os educadores diante desse problema, a Revista UNISAL conversou com a professora Maria Luisa Bissoto (Malu), do UNISAL Americana. Ela é doutora em filosofia da educação, coordenadora do Apprendere – Núcleo de Estudos e Pesquisa em Educação, Cognição e Aprendizagem. Revista UNISAL: Como se identifica que uma pessoa está sofrendo bullying? Professora Maria Luisa: Haverá alterações no comportamento. No caso do bullying escolar, a pessoa pode mostrar rejeição à escola, queixar-se de isolamento social, apresentar queda no rendimento escolar, mostrarse estressada, irritada, ansiosa, agressiva com crianças menores ou fisicamente mais fracas, autoestima baixa, pode desenvolver sintomas físicos, como dores de cabeça ou estômago, mudar hábitos alimentares ou de sono, apresentar sinais inexplicáveis de violência física, recusar con-

versas sobre o cotidiano escolar, dentre outros. RU: E como identificar uma pessoa que esteja praticando bullying? Profa. Malu: A separação entre quem comete e quem sofre nem sempre é fácil de ser feita, pois, em vários casos, a vitimização é uma forma de cometer bullying. O bully (quem comete o bullying) geralmente é uma pessoa fisicamente mais forte, que “arregimenta” colaboradores pelo medo, mostra dificuldade em seguir as regras do ambiente escolar e procura formas de aumentar o seu poder sobre os demais. Muitas vezes o bully não se mostra consciente de que suas ações estão sendo abusivas ou prejudiciais ao outro. RU: Você acredita que quem comete bullying traz essa atitude de dentro de casa, ou seja, copia modelo? Profa. Malu: É uma possibilidade, a pessoa pode ter aprendido, através de modelos familiares, a impor-se somente por meio da coerção. Pais ou responsáveis extremamente autoritários ou, inversamente, muito permissivos, se mostram muitas vezes associados àqueles que cometem o bullying. Contudo, igualmente determinantes para o bullying são os papéis que os gestores escolares e os professores assumem nesse contexto. O bullying emerge e se estabelece em contextos de discriminação social, muitas vezes mantidos ou, de alguma forma, permitidos pelos adultos responsáveis pela instituição escolar.

RU: Qual o estereótipo de quem sofre com isso? Profa. Malu: A pessoa que sofre bullying pode carregar as consequências da violência vivida pelo resto da vida, com sentimentos de inferioridade, medo, insegurança ou de “revide”. Pode também vir a tornar-se um bully. Muitas vítimas de bullying desenvolvem pensamentos suicidas. O bully, por sua vez, mostra possibilidades aumentadas de envolvimento com o uso de drogas, roubos e outras situações de conflito com a lei. As testemunhas do bullying podem mostrar-se igualmente afetadas. RU: Como o educador pode contribuir para inibir esses acontecimentos? Profa. Malu: 1. Reduzir as tensões no ambiente escolar ou profissional. Escolas com maiores níveis de bullying são também aquelas com mais rodízio de professores, maior volume de professores afastados por doença e que se mostram mais insatisfeitos com a profissão. 2. Adotar medidas efetivas, firmes e claras contra o bullying. É preciso deixar evidenciado que atitudes de coerção não serão toleradas nem ao menos no plano da “brincadeira”. 3. Criar canais de comunicação entre os alunos, professores e a direção, de forma que casos de bullying possam ser denunciados. 4. Criar um clima acolhedor, no qual todos se sintam pertencentes: alunos, professores e famílias. revista unisal

7


Fatos dos campi

Liceu promove Atendimento Jurídico

O projeto “Direito na Comunidade”, do curso de Direito da Unidade Liceu Salesiano, Campinas, atendeu várias famílias da comunidade no dia 30/4 e fará novos atendimentos em agosto. O projeto é destinado ao atendimento jurídico de famílias ligadas à Obra Social São João Bosco e outras da comunidade Vida Nova.

As especialidades procuradas para atendimento e esclarecimentos estão ligadas ao Direito da Família, tais como: pensão alimentícia; divórcio e separação; modificação da guarda; regulamentação de visitas e adoção, entre outras. No Liceu, o serviço atende ao público de 4a a 6a-feira, das 13h às 17h.

O SAJU (Serviço de Apoio Jurídico UNISAL) tem como objetivo a prestação de serviços jurídicos gratuitos à comunidade carente (com renda familiar inferior a três salários mínimos) de Campinas. Dois advogados e oito estagiários, alunos do curso de Direito da Unidade, fazem o atendimento da população.

foto: Bete Rabello

Direito estuda tragédia em Escola do rj

O curso de Direito de Lorena reuniu, no dia 19/4, alunos, ex-alunos e professores para uma “Análise In-

terdisciplinar do Caso da Escola de Realengo, no Rio de Janeiro”. A tragédia na escola, em que 12 estudantes foram assassinados, foi analisada em seus aspectos jurídico e filosófico pelos professores Paulo César da Silva, de Filosofia, e Luis Fernando Chacon, Eduardo Cabette, Luzia Ragazini e Thalita Dias, do curso de Direito. O prof. Paulo César questionou os valores que estão sendo transmitidos pela mídia, a banalização da violência, o desrespeito ao próximo, que acabam levando a reações extremas como a que ocorreu no Rio de Janeiro. Os professores alertaram para a gravidade do bullying e observaram

que diretores, professores, juízes e pais não estão preparados para enfrentar esse problema. Um dos alunos presentes, Luiz Celso Colombo, do 3o ano A de Direito, elogiou a “aula especial”, que permitiu uma revisão e fixação dos conceitos de direito civil e penal. Outro debate sobre o tema, intitulado “Deveres da Escola, Direitos da Juventude: o caso de Realengo”, foi realizado no dia 17/5, pelo Centro de Extensão e Observatório de Violências nas Escolas, com o objetivo de debater com os alunos os aspectos psicológicos, pedagógicos e jurídicos do caso.

Alunos de Publicidade e Propaganda apresentam trabalhos no Intercom Sudeste Três alunos do curso de Publicidade e Propaganda da Unidade de Americana apresentaram trabalhos no XVI Congresso de Ciências da Comunicação da Região Sudeste, realizado de 12 a 14/5 em São Paulo. O congresso foi promovido pela Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação e Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado.

Leonardo Ferrari apresentou a campanha de divulgação da Semana de Publicidade e Propaganda do UNISAL em 2010; Hugo Leonardo Bernardinelli Corrêa expôs o trabalho Close Up White Now e Henrique Marques Furlan apresentou o trabalho Sorvetes Skimoni. “Ficamos honrados pelos nossos alunos. Foram duas campanhas com-

pletas e uma fotografia, e essa classificação é muito importante, pois figuramos entre os melhores trabalhos acadêmicos da região sudeste”, enfatizou o coordenador do curso, professor Paulo Sérgio Tomaziello, que acompanhou os alunos nas apresentações junto com a professora Daniela Regina da Silva.

A Unidade de Lorena realizou em abril e junho mais dois encontros do Programa Debates sobre Temas Contemporâneos. No dia 27/4, o jornalista e escritor Laurentino Gomes, autor dos livros “1808” e “1822”, deu uma aula sobre a Independência do Brasil, seus personagens, motivações, expectativas e reflexos no Brasil de hoje. No dia 1/6, a jornalista Juliana De Mari, Diretora de Redação da Revista Você S/A, falou sobre o tema

8

revista unisal

“Você e o Mercado de Trabalho”. Ela estava acompanhada do estudante de jornalismo Lucas Rossi, estagiário da revista e responsável pelas mídias sociais e pelo blog Estagiário Y. Juliana apresentou uma visão otimista do mercado, que nunca esteve tão aquecido, com inúmeras oportunidades de trabalho, e Lucas deu várias dicas aos estudantes sobre a preparação para o mercado de trabalho.

foto: Bete Rabello

O Brasil da Independência e Mercado de Trabalho em debate

No teatro São Joaquim, Unidade de Lorena, o jornalista Laurentino Gomes apresenta detalhes da sua pesquisa sobre a Independência do Brasil


O Curso de História da Unidade de Lorena recebeu, no dia 16/5, professores de escolas públicas da região no Projeto “Histórias que dão certo”. Os professores de História e de Geografia Marco Antonio Duarte, Cláudio Costa e Rogério Ribeiro (ex-alunos do UNISAL) e ainda Antonio Felipe Silva e Clarinda apresentaram aos alunos os projetos que criaram para dar aulas criativas e de qualidade. A coordenadora dos cursos de História e de Geografia, Elisa Regina Tor-

quato Salles, explica que o objetivo do Projeto “Histórias que dão certo” foi demonstrar aos alunos práticas docentes inovadoras e compatíveis com as diretrizes curriculares atuais e, ao mesmo tempo, promover e valorizar a profissão de professor. Os alunos do 3o ano do curso de Pedagogia também participaram da apresentação do projeto, que poderá ser estendido aos demais cursos de licenciatura.

foto: Diego Amaro

Professores relatam experiências no projeto “Histórias que dão certo”

Profa. Elisa na apresentação do “Histórias que dão certo”

O senador Suplicy durante a palestra na Unidade de Americana

O senador Eduardo Matarazzo Suplicy, do PT, esteve no UNISAL Americana, no dia 18/4, para proferir palestra sobre Renda Mínima de Cidadania. O

Licenciaturas refletem sobre a valorização do professor

evento, promovido pelo curso de Serviço Social, contou com a participação de alunos de Pedagogia, Psicologia e Direito, e foi aberto à comunidade. Os integrantes da mesa oficial foram o diretor de operações Anderson Barbosa, o deputado estadual Antonio Mentor, o prefeito de Santa Bárbara d´Oeste Mario Heins, os vereadores de Americana Celzo Zoppi e Adelino Leal e a profa. do curso de Serviço Social Terezinha Rondelli. A Pró-Reitora de Extensão e Ação Comunitária do UNISAL Regina Vazquez Del Rio Jantke também esteve presente. O senador falou por mais de duas horas para um público interessado em sua trajetória de vida política e no seu principal projeto, o Programa Renda Básica de Cidadania, que foi sancionado como Lei.

foto: Natassia Kuraiem

foto: Clayton Moreira

Suplicy defende o programa Renda Mínima em Americana

Prof. Nilbo Nogueira: “Como quero ser lembrado pelos meus alunos?”

Pio XI realiza colóquio sobre a vida consagrada em levantamentos numéricos, mas na consideração ou relevância da validade permanente dessa forma de vida para a atualidade e para o futuro. A Vida Religiosa deve ser pensada a partir da reconstrução cotidiana da confiança na própria Vida Religiosa ou Consagrada”. foto: Elaine C. N. Spirandeli

Estudantes, professores, religiosos, entre outros interessados, participaram, nas manhãs dos dias 2 e 3/5, do Colloquium “A Vida Consagrada hoje: do desencantamento à verdade”, evento promovido pelo campus Pio XI do UNISAL São Paulo. A discussão foi coordenada pela Irmã Margaret Eletta Guider, doutora em Teologia pela Harvard University, professora de Teologia no Boston College e vice-geral da Congregação das Irmãs Franciscanas de Maria Imaculada. Segundo Renato Tarcísio Rocha, aluno do 2o ano de Teologia, “a pedra de toque na discussão foi o questionamento sobre o sentido da Vida Religiosa no hoje e no amanhã. Os trabalhos não se basearam em fatos específicos ou

P. Ronaldo, supervisor da Pós-Graduação do Pio XI, e Irmã Margaret

A Semana das Licenciaturas do UNISAL Lorena, realizada de 11 a 13/5, envolveu os alunos de Filosofia, História, Matemática, Pedagogia e Psicologia na reflexão e discussão sobre a valorização do professor. O tema da Semana foi “Vale muito ser professor” e a palestra de abertura foi proferida pelo professor Nilbo Nogueira, doutor em educação pela PUC-SP. Ele apresentou várias dicas para uma boa aula e contou que o segredo para o professor que quer ser bem lembrado por seus alunos é trabalhar com afetividade. Respeitar os sentimentos dos alunos e estimular que manifestem seus sentimentos fazem muita diferença no relacionamento e no aprendizado, para Nilbo Nogueira. Além de palestras, a Semana das Licenciaturas contou com diversas oficinas, minicursos e mesaredonda. revista unisal

9


NPP promove “Seminários Integradores” tes áreas de conhecimento, atuação e pesquisa. Já foram abordados os temas “Os desafios do profissional de educação infantil na atualidade”, com a Profa. Matilde Scandola, e “O despertar da escuta: uma reflexão sobre a música nas escolas”, apresentado pela Musicista Liliana Maria Bertolini.

Alunos do Curso de Pedagogia participaram do Projeto “Seminários Integradores”, realizado pelo NPP (Núcleo de Práticas Pedagógicas) da Unidade Santa Teresinha. O principal objetivo do projeto é ampliar a compreensão sobre a atuação profissional do pedagogo, sua identidade e o diálogo com diferen-

foto: Caroline Petermann

Fatos dos campi

Os seminários reuniram os alunos de Pedagogia

UNIEXPO reúne estudantes na Unidade São José foto: Elisangela Limoni

das instituições de Ensino Superior da região e a participação de mais de três mil alunos do Ensino Médio. No estande do UNISAL, os alunos esclareceram dúvidas com coordenadores e professores das Unidades de Americana e de Campinas, conversaram com estudantes de direito, engenharia e moda, e participaram das palestras sobre Gestão de Projetos, O papel do profissional de automação e controle nas indústrias, Overview do

Alunas do curso de moda promovem desfile no espaço de atividades práticas

A UNIEXPO, feira de profissões, foi realizada dia 14/5 na Unidade São José, em Campinas, com a presença

profissional de sistemas automotivos e Marketing, entre outros temas. Além dos estandes de várias universidades, houve atividades práticas no pátio do São José. O Curso de Sistemas Automotivos do UNISAL expôs um carro elétrico, em parceria com a CPFL, e o Curso de Moda realizou um desfile dos seus alunos.

Administração faz visita técnica à cervejaria

foto: Arquivo UNISAL

Alunos da Unidade São José e da ETEC visitaram, dia 3/5, a Internacional SABIC Innovative Plastics, companhia de manufatura variada, atuante na produção/transformação de químicos, polímeros industriais, fertilizantes e metais. A Profa. Dra. Marisa Franzoni considerou a visita um sucesso, do ponto de vista do aproveitamento e aprendizagem dos alunos. Além de palestras, o grupo realizou um tour pela empresa, acompanhado dos profissionais responsáveis de cada setor, conheceu o processo de produção do material plástico de forma detalhada e a operacionalidade das máquinas, campo de grande interesse dos alunos dos vários cursos oferecidos na Instituição. A SABIC (Saudi Basic Industries

10

revista unisal

foto: Arquivo UNISAL

Alunos conhecem petroquímica O grupo conheceu todo o processo de produção da cerveja

Estudantes visitaram todos os setores da empresa

Corp), maior companhia pública da Arábia Saudita, é fabricante de plásticos e termoplásticos utilizados pela indústria de automóvel, eletrônicos, saúde e construção civil. No Brasil desde 1987, e em Campinas desde agosto de 2007, é uma das dez maiores indústrias petroquímicas do mundo.

O curso de Administração da Unidade Santa Teresinha promoveu, dia 7/5, uma visita técnica dos alunos à fábrica da Cervejaria Baden Baden, em Campos do Jordão. O objetivo desse tipo de visita, de acordo com o coordenador Ernando Melo, é fazer com que o aluno observe de perto como funciona a empresa desde os processos internos de fabricação até as técnicas de oferta do produto no ponto de venda. Ao longo de toda a visita, uma monitora mostrou aos alunos as características básicas dos diversos tipos de cerveja produzidos e a finalidade da linha de produtos (a quem se destinam).


agenda

Agenda dos cursos

Julho

30 de junho a 2 de julho – XXV Simpósio de História do Vale do Paraíba – A importância dos arquivos para pesquisa e o ensino na perspectiva do Século XXI. Realização IEV (Instituto de Estudos Valeparaibanos) e UNISAL Lorena. Inscrições www.valedoparaiba.com/simposio. 1o – Início das férias dos alunos e professores. 9 – Feriado – Revolução Constitucionalista de 1932, no Estado de São Paulo. 30 – Término das férias.

Agosto

1o – Início das aulas do 2o semestre letivo. 1o – Aula Inaugural da Filosofia / Lorena. 6 – Congresso Novo Código Processual Civil realizado pelo curso de Direito do Liceu Salesiano, Campinas. 15 – Feriado em Lorena – Dia de Nossa Senhora da Piedade. 16 – Aniversário de Dom Bosco, fundador da Congregação Salesiana. 16 a 19 – Semana Jurídica do Curso de Direito de Lorena. Palestras às 8 horas e às 19 horas. 24 a 26 – I Jornada de Psicologia e Psicologia na Praça – 2011. Tema: Psicologia em ação – Novos Rumos, Novos Desafios. 25 – V Fórum Interdisciplinar na Unidade Santa Teresinha, São Paulo. 27 – Dia do Psicólogo – Americana. 30 – Debates sobre Temas Contemporâneos na Unidade de Lorena. 31 – “Decida-se”, Unidades Americana e Lorena.

Setembro

1o e 2 – I Maratona Integrada de Programação de Computadores das IES do Vale do Paraíba, na Unidade de Lorena. 7 – Feriado – Independência do Brasil. 9 – Dia do Administrador – Unidades de Americana e de Lorena. 13 – Workshop do curso de Pedagogia de Lorena. 15 – Projeto Itinerários da Filosofia, em Lorena. 19 a 23 – Semana da Administração realizada pelo curso de Administração da Unidade de Lorena. O Torneio Gerencial será uma das atividades da semana. 20 a 24 – XI Encontro de Educação na Unidade Santa Teresinha, São Paulo. 21 – Dia da Árvore – Engenharia Ambiental – Americana. 22 e 24 – Seminário da Prática – Serviço Social – Americana. 23 – Maratona de Programação do Curso de Ciência da Computação, Lorena. 28 a 30 – Semana da Computação, Lorena. 29 e 30 – I Olimpíada interna da Matemática na Unidade de Lorena.

Com público estimado em mais de 15 mil leitores, a Revista UNISAL oferece uma oportunidade imperdível de você divulgar sua empresa, seus produtos ou serviços. Entre em contato conosco e fale com: André: marketing@lo.unisal.br, fone (12) 3159 2033 ou Giuliano: giuliano.coan@am.unisal.br, fone (19) 3471-9719. revista unisal

11


Artigo foto: Arquivo pessoal

Formação dos estudantes: Fábio José Garcia dos Reis Diretor de Operações do UNISAL – Unidade de Lorena, doutor em história social pela USP, supervisor do curso de Gestão Universitária do UNISAL, Visiting Scholar no Centro Internacional de Educação Superior do Boston College e responsável pelo blog www.fabiogarciareis.com

12

revista unisal

“novos” desafios para aumentar a empregabilidade

Q

uando somos adolescentes, a escola e a família querem saber qual será a nossa opção profissional. Fazer a opção correta não significa sucesso profissional. Gostar do curso que frequentamos não garante empregabilidade. Estudar em uma faculdade reconhecida pela sociedade e pelos empregadores não significa emprego garantido. Nos últimos anos, tenho conversado com diversos executivos de sucesso com o objetivo de entender o perfil de profissional que desejam contratar. A surpresa: busca-se uma pessoa com valores éticos e com atitude cidadã, capaz de conviver com as diferenças culturais e com adversidades. Busca-se uma pessoa que tenha uma postura social e que tenha compromisso com a sustentabilidade do meio ambiente. Já faz um bom tempo que as competências pessoais são valorizadas em processos de seleção. O problema é que os estudantes e os recém-formados, de modo geral, não percebem que as exigências dos empregadores em relação ao perfil profissional modificaram-se nos últimos anos. Atitudes individualistas e que demonstram falta de respeito e de ética para com o colega de trabalho são consideradas inaceitáveis. Os empregadores também buscam pessoas capazes com capacidade de comunicação. Já ouvi de um diretor de empresa que ele devolveu um relatório porque o engenheiro não conseguia expressar, via escrita, o que pensava. Já ouvi juízes e promotores criticarem pareceres de advogados, já ouvi diretores de escolas preocupados com a falta de capacidade de comunicação dos professores. Sobre a comunicação, ela deve ser lembrada em língua estrangeira. As empresas globais querem profissionais que se expressem em português e que saibam, no mínimo, o inglês. Como seremos profissionais globais sem conseguir se comunicar? Em minhas conversas com empregadores das mais diversas áreas, é unânime a expectativa de contratarem pessoas empreendedoras. Eles querem pessoas que fazem a diferença, com propostas, atitudes, ideias e ações colaborativas. Recentemente conversei com um diretor de uma multinacional da área de química. Ele relatou duas situações interessantes. A primeira, é que estava observando os estagiários e percebeu que alguns possuem atitudes que se destacam. São estagiários que apresentam propostas, que fazem pergunta e que se colocam à disposição para compor equipes de trabalho. A segunda, é que a empresa fez uma seleção de engenheiros para compor uma equipe que vai liderar um investimento em torno de 500 milhões de euros. Como o investimento requer mobilidade internacional, o requisito básico é o conhecimento do inglês. Ele disse que engenheiros bem preparados tecnicamente, mas que não tinham a atitude empreendedora e que não sabiam o inglês perderam a oportunidade de serem promovidos e convidados para o novo projeto. É necessário que todo estudante do Ensino Superior tenha um plano de carreira e desenhe o perfil de profissional que busca ser, e mesmo, em que lugar quer trabalhar. Estudante, você quer ser empregado de uma organização local e com poucas perspectivas de crescimento profissional ou quer escolher as melhores opções de emprego? Pense: eu quero ser um empreendedor que fará a diferença na organização ou não? Eu quero ter meu próprio negócio? Cabe a cada estudante fazer a opção correta em sua vida para, ao terminar a faculdade, ter alta empregabilidade. Não basta passar alguns anos na sala de aula e conseguir o diploma. As empresas não querem contratar apenas uma pessoa com diploma. A formação técnica uma boa faculdade pode oferecer. Uma formação pessoal, ética, cidadã e empreendedora, aliada à sólida formação técnica, acontecerá em uma faculdade com identidade e valores humanos e cristãos. O UNISAL oferece isso. De toda forma, o resultado final depende de você, caro estudante. É você que pode fazer a diferença. Afinal, qual vai ser a sua obra, no final do curso de graduação?


Nossos cursos

A

foto: Arquivo UNISAL

Psicologia: profissional encontra diferentes áreas de atuação em um mercado crescente Psicologia é uma área que atrai muitos interessados em conhecer com profundidade o ser humano. O UNISAL oferece esse curso em suas Unidades de Americana e de Lorena. Nesta última, o curso já tem 40 anos, tendo sido o segundo do Estado de São Paulo e o primeiro do Vale do Paraíba. O curso de Americana é mais recente, foi instalado em 2006. Ao definir o que é Psicologia, o Professor João Carlos Caselli Messias, coordenador do curso de Americana, explica que “é uma ciência que busca compreender o fenômeno humano em sua amplitude, propondo intervenções Alunos fazem estágio na Brinquedoteca em diferenciadas áreas de atuação profissional com o propósito de promover o desenvolvimento e a saúde”. No UNISAL, o curso de Psicologia tem duração de 10 semestres e é oferecido no período noturno. Nos primeiros De uns anos para cá, ampliasemestres há disciplinas teóricas e práram-se muito as áreas de atuação ticas nos diferentes laboratórios, e os do psicólogo, que pode trabalhar estágios são realizados a partir do quinem consultórios, hospitais, cento semestre. tros de saúde, escolas, empresas, Como diferenciais do curso, a coorconsultorias, ONGs, entidades denadora em Lorena, Professora Rosasociais, poder público, esporte na Pena, destaca os convênios com mais e trânsito, entre vários outros de 160 instituições e empresas para setores que demandam relações estágios; o SPA (Serviço de Psicologia entre as pessoas. Assim, o merAplicada) espaço para atendimento da cado de trabalho vem crescendo. população; a Brinquedoteca PsicopedaEntretanto, lembra o prof. João gógica, que faz atendimento, pesquisa Carlos, cada oportunidade de e extensão; e as estrelas recebidas pelo carreira em  Psicologia tem um Guia Abril Melhores Universidades. ritmo diferente e diferentes méOs dois coordenadores observam dias de remuneração. ainda a alta qualidade do corpo docenAo comentar sobre as novas te, formado por mestres e doutores, e oportunidades para o profissiosempre muito bem avaliado pelo Minisnal, a profa. Rosana afirma que tério da Educação. “no nosso mundo globalizado, O Professor João Carlos revela que a onde cada dia há maior exigênmissão do curso de Psicologia é “formar cia para que se atue e produza, as profissionais diferenciados não apenas pessoas têm sentido mais necesnos aspectos técnicos, mas também na sidade de compreender as forsensibilidade e interesse genuíno pelas mas funcionais de relação consireais necessidades psicológicas da sogo mesmas e com os outros”. ciedade na qual vivemos”.

Mercado de trabalho

Por que estudar psicologia? Rosana Pena: “Para aproximar o indivíduo dele mesmo, compreendendo mais o comportamento humano, promovendo qualidade de vida e saúde mental”. João Carlos: “A opção por Psicologia abre um leque grande de oportunidades, além de ser uma ciência fascinante”.

PSICOLOGIA NO UNISAL O curso é oferecido nas Unidades de Americana e de Lorena. Os interessados podem entrar em contato com os coordenadores: - Em Americana, Prof. João Carlos Caselli Messias, joao.messias@ am.unisal.br - Em Lorena, Professora Rosana Pena, curso.psicologia@lo.unisal.br revista unisal

13


foto: Divulgação

Tráfico de pessoas em debate foto: Claudia Massarani

Pesquisa

14

Campanha Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas

A Unidade Liceu Salesiano, em Defesa da Cidadania, por meio do NúCampinas, promoveu no dia 28/4 a cleo de Prevenção e Enfrentamento discussão de um tema pouco comen- ao Tráfico de Pessoas (NETP), criou tado, mas que tem feito inúmeras ví- os Comitês Interinstitucionais de Pretimas em todo o mundo: o tráfico de venção e Enfrentamento ao Tráfico de pessoas. Pessoas Regionais (CIPETP), ligados Os convidados para falar do as- ao Ministério Público do Trabalho sunto foram o Dr. Jessé Coelho de (MPT). Almeida, Delegado da Polícia FedeO objetivo é mobilizar a sociedade ral em Campinas, responsável pela civil organizada e órgãos públicos, inInvestigação de Crimes relacionados aos Direitos Humanos, e Maria Ivone Pares Aranha Roque, Presidente do Comitê Interinstitucional de Prevenção e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas – CIPETP – Regional. Eles apresentaram informações valiosas sobre a prevenção e o enfrentamento ao tráfico de pessoas, um Campanha Nacional de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas crime organizado no mundo inteiro e que está ligado cluindo lideranças comunitárias, gesà exploração sexual, ao comércio de tores públicos municipais, universitáórgãos, à adoção ilegal, à pornogra- rios, para discutir e implantar ações fia infantil, além de tráfico de drogas, preventivas. contrabando e escravidão. O Dr. Jessé ressaltou aspectos soMulheres e crianças são as prin- cioculturais e legais curiosos sobre a cipais vítimas das redes criminosas, rede criminosa ramificada. Dos asseguidas pelos trabalhadores rurais. pectos sociais, o mais interessante é Em 2010, a Secretaria da Justiça e da que o criminoso de qualquer ponta da

rede (aliciador, coiote, transportador, estuprador, cafetão, explorador de trabalho infantil ou escravo) parece ser “uma pessoa normal”. Ninguém desconfia de nada, e ganhar a confiança das vítimas é o primeiro passo. O tráfico de pessoas, segundo os dois palestrantes, é facilitado pela globalização e atrai por ser visto como crime de baixo risco e alta lucratividade para o traficante.

revista unisal

foto: Divulgação

O Dr. Jessé Coelho de Almeida, Delegado da Polícia Federal, durante a palestra no Liceu de Campinas

Alertas

A população deve estar alerta para a questão do tráfico de pessoas no Brasil e no exterior. É com esse objetivo que o Ministério da Justiça está apoiando a campanha “A decisão de viajar é sua: as consequências também! Seus direitos viajam com você aonde quer que você vá!”, realizada pelo International Centre for Migration Policy Development (ICMPD). Em São Paulo, o Escritório de Tráfico de Seres Humanos (ETSH) está localizado na Secretaria da Justiça para orientar e atender as vítimas e seus familiares. O ETSH atende pelo telefone (11) 3291-2736.


O curso de Engenharia de Produção da Unidade de Lorena adotou a prática de projetos interdisciplinares semestrais. A cada período os alunos elaboram um projeto integrador das disciplinas do semestre. No primeiro, por exemplo, a disciplina integradora é Física I. Todas as demais disciplinas buscam integrarse ao projeto na forma de proverem os recursos teóricos: os cálculos necessários (Cálculo I e Matemática), materiais utilizados (Química) e custos, tempos e a gestão do projeto (Economia e Introdução à Engenharia de Produção), como explica o coordenador José Lourenço Júnior. O projeto eleito para o semestre foi o lançamento de “foguetes” construídos com garrafas PET e impulsionados a ar comprimido dentro do conteúdo de Física denominado “lançamentos oblíquos”. Os alunos construíram seus fogue-

foto: André Pirtouscheg

Alunos constroem foguetes em projeto interdisciplinar da Engenharia da Produção

Alunos preparam o lançamento dos foguetes no campo de futebol da Unidade de Lorena

tes, lançaram a um alvo situado a 60 metros e elaboraram um relatório técnico. As notas, atribuídas por todos os

professores do semestre, valem um percentual da avaliação de cada disciplina separadamente.

Parceria aproxima curso de Sistemas de Informação a multinacional

A área de TI (Tecnologia da Informação) é promissora, mas, segundo estudo da Brasscom (Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação), só em 2011, 92 mil vagas não serão preenchidas por falta de mão de obra qualificada. Atento à demanda do setor, o coordenador do curso de Sistemas de Informação do UNISAL Americana, Prof. Cristiano de Jesus, fez uma parceria com a empresa multinacional IBM. A importância da aproximação do curso com uma grande empresa está na possibilidade de planejar ações para aumentar o nível de empregabilidade dos alunos ou mesmo para viabilizar estudos de caso que permitam que os alunos aliem o conteúdo teórico às atividades práticas do dia a dia de uma organização.

No caso da IBM, há ainda um aspecto adicional, pois a empresa é desenvolvedora de vários softwares básicos da área de Sistemas de Informação. Como o curso deve sempre tratar da tecnologia de forma genérica, parcerias com grandes fornecedores de ferramentas tecnológicas, como é o caso da IBM, permitem que o curso proporcione a

oportunidade aos alunos de ter contato muito próximo com instrumentos que irão utilizar no exercício profissional. O UNISAL já possui uma parceria com a IBM que prevê o uso gratuito dos softwares da empresa em todos os laboratórios. Mas desde o ano passado tem expandido a parceria. A empresa forneceu um curso de inglês a distância para os alunos e ofereceu aos professores treinamentos e material de apoio para as disciplinas do curso. Outras ações foram a presença do profissional da IBM José Maria Cesário Júnior, dia 11/5, no UNISAL, para apresentar um sistema gerenciador de banco desenvolvido e distribuído pela IBM e o processo seletivo realizado pelo setor de Recursos Humanos com alunos do curso de Sistemas de Informação. revista unisal

15


fotos: Arquivo Pessoal

Estudei no UNISAL

“Estudar no UNISAL foi fundamental para a minha missão como sacerdote”

O P. Alexandre descobriu, durante o curso de Teologia, o amor pela pesquisa e pelo ensino

16

revista unisal

padre Alexandre Andrade Martins foi aluno do UNISAL no curso de Teologia, que concluiu em 2009. Tem ótimas lembranças do período de estudante e faz questão de ressaltar a importância que esse período teve e tem em sua vida como sacerdote Camiliano, Congregação que tem como carisma o serviço aos doentes. Lembra que na faculdade de teologia descobriu “uma ‘vocação dentro da vocação’, digamos assim, que foi o amor pela pesquisa teológica e pelo ensino”. Atualmente, trabalha na Pastoral da Saúde, é editor do Boletim São Camilo Pastoral da Saúde e também professor. Padre Alexandre é mineiro, morador de São Paulo, capital, e concedeu esta entrevista à Revista UNISAL por e-mail, de Roma, onde está estudando.

Revista UNISAL: Padre Alexandre, de que forma o UNISAL contribuiu para a sua formação? Padre Alexandre: Estudar no UNISAL foi fundamental para a minha missão como sacerdote da Igreja Católica, pois nele eu fiz o curso de Teologia que me deu todas as bases para exercer com competência, qualidade, humanidade e humildade a minha missão. Digo missão, porque ser padre e trabalhar nas comunidades da Igreja é muito mais do que uma profissão, e o UNISAL me ensinou isso com maestria. Com o ensino do UNISAL e todo o meu aproveitamento, pude dar continuidade aos estudos, sem problemas, e hoje agradeço imensamente o ensino que recebi. RU: Quais suas lembranças desse período como estudante? P. Alexandre: Trago muitas lem-


branças maravilhosas do tempo da faculdade. Primeiramente dos professores e dos colegas, com os quais estabeleci grandes laços de amizade, companheirismo e de comprometimento com a construção de um saber sério e de qualidade. RU: Algo foi marcante naqueles anos? P. Alexandre: Muitas coisas marcaram minha vida no tempo da faculdade, mas uma delas que guardo e que ainda é luz para minha vida até hoje foi a experiência de participar de um grupo de estudos. Eu e um colega e amigo da comunidade salesiana fizemos uma proposta para o coordenador do curso na época, P. Ronaldo, que gostaríamos de criar um grupo de estudos e se a Faculdade de Teologia nos apoiava. Padre Ronaldo não só apoiou como deu todos os recursos necessários para a criação e o funcionamento do grupo. Instituído o grupo, vários alunos ingressaram e um professor doutor foi indicado para orientar. Por mais de três anos realizamos estudos e pesquisas nesse grupo, que se chamava GESME (Grupo de Estudos em Mística e Espiritualidade).

RU: Como é o trabalho que você realiza hoje? P. Alexandre: Hoje eu trabalho na Pastoral da Saúde em duas funções, primeira como coordenador das atividades do ICAPS - Instituto Camiliano de Pastoral da Saúde e Bioética, pelo meio dele trabalho na formação de agentes de pastoral da saúde, pesquisas e publicações sobre pastoral da saúde e bioética, e sou o editor do Boletim São Camilo Pastoral da Saúde com ampla difusão pelo Brasil; a segunda é a capelania no Hospital das Clínicas. No Centro Universitário São Camilo, sou professor de Bioética no curso de filosofia e de antropologia na pós-graduação em Bioética e Pastoral da Saúde. RU: Como você chegou a essas funções? Conte um pouco sobre sua trajetória. P. Alexandre: Minha trajetória é simples, nada de extraordinário. Um belo dia da minha pacata vida, decidi entrar no seminário dos Camilianos porque queria ser padre. Depois de um acompanhamento, fui aceito e entrei em 1999. De lá para cá dediquei minha vida aos estudos e ao trabalho pastoral no serviço aos enfermos, que é o carisma

foto: Arquivo Pessoal

RU: Como foi a escolha da profissão para você? No seu caso, seria a descoberta da vocação, não é? P. Alexandre: Sem dúvida, no meu caso, foi a descoberta da vocação, que aconteceu ainda quando eu era muito jovem, pois comecei meus

estudos no seminário dos camilianos com 16 anos. Mas na faculdade de teologia descobri uma “vocação dentro da vocação”, digamos assim, que foi o amor pela pesquisa teológica e pelo ensino.

P. Alexandre trabalha na formação de agentes da Pastoral da Saúde, entre outras atividades

dos Camilianos. Estudei faculdade de filosofia, técnico de enfermagem, teologia, especialização em Bioética e Pastoral da Saúde e mestrado em Ciências da Religião. Em dezembro de 2009, concluí os estudos de teologia e fui ordenado padre no ano seguinte. Depois de padre fui nomeado Diretor do ICAPS e capelão do Hospital das Clínicas. RU: Você fez outros cursos depois da faculdade? Quais? P. Alexandre: Paralelamente à faculdade de Teologia eu fiz uma especialização em Bioética, porque já tinha a graduação em filosofia. Depois fiz mestrado em Ciências da Religião, que conclui agora no mês de junho. RU: Quais os maiores desafios que encontrou após o curso e depois de ser ordenado? P. Alexandre: O maior desafio que encontrei foi conseguir conciliar o trabalho pastoral e as responsabilidades como diretor do ICAPS com a minha vida de estudos e pesquisas. Quando estava na faculdade, tinha mais tempo para estudar, agora tenho que administrar estudos e trabalho, porque não podemos parar de estudar nunca, e o ambiente pelo qual transito, que é o mundo da saúde, é muito exigente, necessita de atualização constante. RU: Quais as lições que você vivenciou até agora e que considera as mais valiosas? P. Alexandre: É amar o que faz e fazer com simplicidade, competência e buscando sempre se atualizar. Na minha vida, descobri que nunca podemos desistir do que acreditamos e amamos, mesmo que pareça impossível realizar. A espiritualidade é o suporte, pois, nos momentos que penso em desistir, vem a experiência do amor de Deus que me acolhe e fortalece com sua ternura e vigor, motivando-me a continuar nessa missão. RU: Você se sente realizado em sua escolha? P. Alexandre: Sinto-me um homem realizado pela minha escolha e satisfeito por ter estudado no UNISAL, pois recebi todas as bases para ser o que sou hoje no que diz respeito à formação teológica. revista unisal

17


Simpósio defende educação para os Direitos Humanos

O Simpósio Sistema Preventivo/ Direitos Humanos, realizado nos dias 13 e 14/5, no Instituto Profissional Salesiano de Pindamonhangaba, reuniu cerca de 90 participantes, em sua maioria educadores sociais de várias instituições. O evento, promovido pelo UNISAL e Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba, foi aberto dia 13, à noite, pelo Reitor do UNISAL, P. Edson Donizetti Castilho. Em seguida, o P. Agnaldo Soares Lima, coordenador do PROSINASE da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, proferiu a palestra “Direitos Humanos e Educação Salesiana: passado, presente e futuro”. No dia 14, as atividades foram retomadas com a palestra “Educação em Direitos Humanos no Brasil: um processo em construção”, proferida pela Profa. Dra. Lúcia Camini, coordenadora geral de Educação em Direitos Humanos da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Logo após, houve mesa-redonda com o tema

Participantes do Simpósio realizado em Pindamonhangaba

“Juventude e Direitos Humanos”, com a participação das professoras Daisy Rafaela da Silva, do curso de Direito do UNISAL Lorena, e Lucineia Rosa dos Santos, do mesmo curso do campus Santa Teresinha/SP, e mediada pela Profa. Dra. Sonia Maria Ferreira Koehler, coordenadora do Observatório de Violências nas Escolas do UNISAL, que também apresentou os objetivos e as atividades do Observatório.

No período da tarde, os participantes reuniram-se em grupos para refletir e discutir sobre questões como direitos humanos, violência, cotidiano escolar, preconceito e racismo. Os resultados da discussão apontaram para a urgência da educação para os Direitos Humanos e a importância da escola e da mobilização dos envolvidos na implantação de políticas públicas.

foto: Claudia Massarani

Música Lírica marca reinauguração de Projeto Cultural

Projeto estimula gosto pelas obras clássicas

O Projeto Cultural, inicialmente proposto pela Extensão da Unidade São José, em 2008, foi retomado em con-

Comunitária, Regina Vazquez Del Rio Jantke. A apresentação foi organizada pela Maestrina Fátima Viegas e contou com renomados cantores líricos vinculados à ABAL – Associação Brasileira de Artistas Líricos de Campinas, como Alcides Acosta.

junto com a Unidade Liceu em Campinas e apresentado ao público na manhã de 21/5, em parceria com a companhia artístico-musical Via das Artes. O objetivo é criar, nos amantes de música e literatura, a familiaridade e o gosto pelas obras clássicas, em linha com a proposta de D. Bosco de utilizar a arte para educar e encantar os jovens. O evento foi apresentado em árias e trechos da obra Carmen, de Bizet, e teve a presença do idealizador, Prof. Francisco Evangelista, do Diretor de Operações da Unidade Liceu, Marcelo Scudeler, e da Pró-Reitora de Extensão e Ação

Congresso sobre violências reúne especialistas na Argentina

18

Cerca de 50 alunos do Programa de ra leve e divertida, as relações e confliExtensão Idade Ativa da Unidade Santa tos entre alunos e professores e o sisteTeresinha assistiram à peça teatral “A ma escolar repressor e antidemocrático. Aurora da Minha Vida”, no dia 3/5, a convite do CIEE (Centro de Integração Empresa Escola). O espetáculo faz parte do Projeto “Teatro nas Universidades”, idealizado pelos atores Nicette Bruno e Paulo Goulart, e tem como objetivo levar gratuitamente a arte do teatro aos alunos de instituições de ensino superior, além de incentivar o público a um exercício de reflexão sobre o tema abordado. O enredo gira em torno de uma sala de aula em uma escola dos anos 70 e mostra, de manei- Alunas com a atriz Nicette Bruno revista unisal

foto: Arquivo UNISAL

Idade Ativa vai ao teatro

Pesquisadores do Brasil e de mais 25 países participaram, de 7 a 9/4, da V Conferência Mundial sobre Violências e IV Congresso Iberoamericano – Violências na Escola, realizado em Mendoza, na Argentina. O tema geral foi “Investigações, intervenções e evoluções das políticas públicas”. O UNISAL esteve representado pela Profa. Dra. Sonia Koehler, coordenadora do Observatório de Violências das Escolas. Também participaram outros dois pesquisadores do Observatório: Claudia Eliane da Matta (UNIFEI) e Paulo Celso Magalhães (UNIFOA).

foto: Arquivo UNISAL

Extensão e Ação Comunitária


Agenda cultural

VALE A PENA assistir

Terra de Ninguém O UNISAL, Unidade de Lorena, realiza, já há cinco anos, o UNICINE, um cineclube que tem como lema: “cinema com inteligência”. Como todo cineclube, apresenta filmes de temas polêmicos e instigantes e, em seguida, realiza debates que exploram as ideias gerais e percorrem os detalhes que fazem dos filmes obras de valor. Nos meses de abril a junho, o UNICINE vem trabalhando com a temática geral “Teoria da Conspiração”, procurando provocar o senso crítico com relação aos possíveis interesses existentes nos conflitos sociais, velados ou explícitos – daí o motivo da teoria conspiratória. A quem as turbulências sociais interessam? Quem se aproveita desses conflitos, enquanto soluções são elaboradas? O último filme que trabalhamos foi Terra de Ninguém, de Danis Tanovic, 2001, Bósnia-Herzegovina / Eslovénia / Itália / França / Reino Unido / Bélgica. Algumas críticas o avaliam como um filme regular (embora tenha sido vencedor do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro de 2002, Globo de Ouro e Melhor Argumento no Festival de Cannes de 2001), que trata, com algum atraso, da Guerra nos Bálcãs. Dois soldados, um bósnio e um sérvio, acabam “ilhados” numa trincheira, entre as forças de seus países que se veem numa situação complicada – não sabem se podem bombardear o local ou não. Ao mesmo tempo, há um terceiro soldado, um bósnio, ferido, sob o qual foi colocada uma mina de fragmentação – caso seu corpo seja movimentado, a mina explode, matando num raio de até trinta metros. A partir dessa situação, vem à tona toda a crítica à insanidade das guerras e nela o autor desfila um elenco de sentimentos: paz e ódio, orgulho e teimosia, defesa de interesses pessoais em detrimento do sofrimento alheio. Nesse cenário, são movimentadas diversas peças que se envolvem nos conflitos internacionais e que demoram para apresentar uma solução eficaz, entre países e instituições, além de pequenos desejos pessoais: ONU, OTAN, Bósnia, Sérvia, Inglaterra, França. Enquanto a mídia internacional (representada por uma jornalista de uma rede de televisão de nome Global News) se apresenta ávida por algum fato bombástico que possa garantir uma boa audiência, os homens (soldados em uma guerra “provocada pelo outro”) vivem suas angústias. Entre humores velados (há certos lances que levam a um riso vago, paradoxal – rir da condição humana parece ser a única saída) e tensões explosivas, o filme deixa aberta uma ferida: a própria condição humana. Antonio Tadeu de Miranda Alves Prof. Ms. do Curso de História – Unidade de Lorena

Lançamentos

Direito Individual do Trabalho para concurso de Juiz do Trabalho O livro, de autoria da Profa. Dra. Grasiele Augusta Ferreira Nascimento, Coordenadora do Mestrado em Direito do UNISAL, faz parte da coleção Resumos para Concursos, da Editora Edipro, e apresenta o tema de forma didática e prática com o objetivo de reavivar os conhecimentos dos operadores do Direito que participam de concursos públicos para ingresso na carreira de Juiz do Trabalho.

Sagrada Escritura e Teologia A obra, que inaugura a coleção Teologia, Interdisciplinaridade e Sociedade, aborda a relação entre Teologia, Sagrada Escritura, Formação e Sociedade. Os organizadores são a Profa. Elza Helena de Abreu e o P. Ronaldo Zacharias, do UNISAL, Unidade Pio XI. O livro foi lançado pelas Paulinas com apoio do UNISAL, no valor de R$ 20,00, e pode ser solicitado pelo e-mail biblioteca@pio.unisal.br

Bandeiras, Comidas & Folias: A Festa do Divino Espírito Santo e a Festa do Pinhão em Cunha

O livro é resultado de quatro anos de pesquisa de doutorado do Professor Henrique Alckmin Prudente, da Unidade de Lorena, na Escola de Comunicações e Artes da USP. Destaca a secular devoção ao Divino Espírito Santo como tradicional festa religiosa e a Festa do Pinhão como celebração contemporânea relacionada à natureza. A editora é a Casa da Cultura. revista unisal

19


Revista UNISAL  

Ano10 • Nº53 • Edição Maio/Junho

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you