Page 1


EM FEVEREIRO, A DANÇA CONTEMPORÂNEA TEM JÁ UM LUGAR RESERVADO NO CALENDÁRIO VIMARANENSE. Este ano, o GUIdance volta a apresentar-se como o primeiro grande evento da programação cultural da responsabilidade d’ A Oficina. Um evento que abraça a cidade, fruto da existência de novos espaços de apresentação que resultaram do ano de Capital Europeia da Cultura. Os espetáculos dividem-se, assim, pelos auditórios do Centro Cultural Vila Flor, mas também pela Black Box da Fábrica Asa e do CAAA - Centro para os Assuntos da Arte e Arquitetura. Cabe à Australian Dance Theatre as honras de abertura do festival. A conceituada companhia australiana regressa, assim, ao GUIdance depois de ter sido também responsável pelo espetáculo de abertura da 1ª edição. O acompanhamento do percurso artístico das companhias e dos coreógrafos, bem como o apoio à criação artística e à coprodução, assumem-se, de forma reiterada, como pedras basilares da programação GUIdance. Por isso, para além do regresso da Australian Dance Theatre, também a coreógrafa japonesa Kaori Ito volta a marcar presença no GUIdance, assim como Olga Roriz e Victor Hugo Pontes que foi convidado a apresentar novamente “A Ballet Story”, um espetáculo que teve estreia mundial na edição do ano passado do festival e que foi amplamente aclamado pelo público e pela crítica. Porque há obras excecionais que merecem ser repetidas. Porque de obras excecionais se faz o GUIdance. Porque companhias e criadores nacionais e internacionais convivem num programa que celebra, acima de tudo, a dança contemporânea enquanto expressão artística capaz de despertar as mais inúmeras emoções. Também no teatro, em fevereiro, o palco do CCVF acolhe o regresso do encenador Nuno Cardoso com “Porto S. Bento”. A música ganha destaque, este mês, com o concerto do Quinteto Lisboa, um projeto que reúne músicos que dispensam apresentações como João Gil, José Peixoto, Fernando Júdice, María Berasarte e Hélder Moutinho. A programação que acontece no Café Concerto oferece-nos um (novo) olhar sobre o mundo e sobre as paisagens criativas que encontramos na música pop, folk contemporânea e até no jazz. Porque a diversidade possibilita-nos tentar entender o papel dos autores nesta era global e o seu importante contributo para a formação da identidade artística do nosso tempo. José Bastos


ATIVIDADES PARALELAS

QUARTA-FEIRA 13

QUARTA 20*, SEXTA 22 E SÁBADO 23**

TERÇA-FEIRA 12 | 17H00-20H30

PROXIMITY

REGINA - THE RITUAL WEDDING

ENSAIO ABERTO “PROXIMITY” E WORKSHOP COM A AUSTRALIAN DANCE THEATRE GRANDE AUDITÓRIO E SALA DE ENSAIOS DO CCVF DURANTE O FESTIVAL

EMBAIXADORES DA DANÇA ESCOLAS SECUNDÁRIAS DO CONCELHO DE GUIMARÃES

GUIDANCE • 22H00

AUSTRALIAN DANCE THEATRE GRANDE AUDITÓRIO DO CCVF

GUIDANCE • *22H00 E **24H00

ÚTERO ASSOCIAÇÃO CULTURAL

QUINTA-FEIRA 14

altered natives’ Say Yes To Another Excess - TWERK GUIDANCE • 22H00

FRANÇOIS CHAIGNAUD E CECILIA BENGOLEA

CAAA - CENTRO PARA OS ASSUNTOS DA ARTE E ARQUITETURA

QUINTA-FEIRA 21

A CIDADE GUIDANCE • 22H00

OLGA RORIZ GRANDE AUDITÓRIO DO CCVF

BLACK BOX DA FÁBRICA ASA

QUINTA 14* E SEXTA 15**

O PESO DE UMA SEMENTE

SEXTA-FEIRA 22

SOLOS GUIDANCE • 22H00

KAORI ITO PEQUENO AUDITÓRIO DO CCVF

GUIDANCE • *15H00 E **22H00

MARINA NABAIS PEQUENO AUDITÓRIO DO CCVF

SÁBADO 16

O REVERSO DAS PALAVRAS GUIDANCE • 22H00

TÂNIA CARVALHO GRANDE AUDITÓRIO DO CCVF

SÁBADO 23

A BALLET STORY GUIDANCE • 22H00

VICTOR HUGO PONTES GRANDE AUDITÓRIO DO CCVF


SERVIÇO EDUCATIVO

SÁBADO 02

SEGUNDA-FEIRA 18

SEXTA 01 | 10H00 E 15H00 SÁBADO 02 | 11H00 E 16H00

PORTO S. BENTO

39º ANIVERSÁRIO DA UNIVERSIDADE DO MINHO

A CARA ALDARA BIZARRO DANÇA DIAS 02, 04, 05 E 23

CORPO COMUM PROGRAMA DE CRUZAMENTO DE PRÁTICAS ARTÍSTICAS E PEDAGÓGICAS OFICINAS PARA ADULTOS SÁBADO 23 E DOMINGO 24

HUMAN FIELD RECORDINGS MANUELA BARILE LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO E FORMAÇÃO PARA JOVENS TERÇA A DOMINGO

VISITAS ORIENTADAS À EXPOSIÇÃO “PARA ALÉM DA HISTÓRIA”

TEATRO • 22H00

ENCENAÇÃO NUNO CARDOSO GRANDE AUDITÓRIO (PALCO)

SÁBADO 02

SAMARA LUBELSKI MÚSICA • 24H00

CAFÉ CONCERTO

SÁBADO 09

QUINTETO LISBOA MÚSICA • 22H00

GRANDE AUDITÓRIO

SÁBADO 23

SMaLL TRIO MÚSICA • 24H00

CAFÉ CONCERTO

GRANDE AUDITÓRIO

SÁBADO 09

SANDY KILPATRICK MÚSICA • 24H00

CAFÉ CONCERTO TERÇA A DOMINGO

VISITAS ORIENTADAS AO CCVF

MÚSICA • 22H00

ORQUESTRA DA UNIVERSIDADE DO MINHO E CORO DOS ALUNOS DA LICENCIATURA EM MÚSICA DA UM

SÁBADO 16

ERICA BUETTNER

SEGUNDA A DOMINGO

PARA ALÉM DA HISTÓRIA EXPOSIÇÃO • 10H00-19H00

CENTRO INTERNACIONAL DAS ARTES JOSÉ DE GUIMARÃES PLATAFORMA DAS ARTES E DA CRIATIVIDADE

MÚSICA • 24H00

CAFÉ CONCERTO

Presidente da Direção Francisca Abreu Direção José Bastos Assistente de Direção Anabela Portilha Assistente de Programação Rui Torrinha Serviço Educativo Elisabete Paiva (coordenadora), Lara Soares, Sandra Barros, Direção de Produção Tiago Andrade Produção Executiva Paulo Covas, Ricardo Freitas Assistência de Produção Andreia Abreu, Andreia Novais, Carlos Rego, Hugo Dias, João Covita, Pedro Silva, Sérgio Castro, Sofia Leite, Susana Pinheiro Teatro Oficina - Direção Artística Marcos Barbosa, Atores Diana Sá, Emílio Gomes Direção Técnica José Patacão Assistente de Direção Técnica Carlos Ribeiro Direção de Cena Helena Ribeiro, Luz/Maquinaria Eliseu Morais, Ricardo Santos Som/Audiovisuais - Coordenação Pedro Lima Audiovisuais Emanuel Valpaços, Sérgio Sá Direção de Instalações Luís Antero Silva Apoio e Manutenção, Alexandrina Novais, Amélia Pereira, Anabela Novais, Conceição Leite, Conceição Martins, Conceição Oliveira, Fátima Faria, Jacinto Cunha, Joaquim Mendes, José Gonçalves, Júlia Oliveira Comunicação e Marketing Marta Ferreira, Bruno Barreto Design interno Susana Sousa Direção Administrativa Sérgio Sousa Financeiro, Contabilidade e Aprovisionamento Helena Pereira de Castro (coordenadora), Ana Carneiro, Liliana Pina, Carla Inácio Serviço Administrativo Marta Miranda, Marisa Silva, Fernanda Pereira, Paula Machado, Patrícia Peixoto, Rui Salazar, Susana Costa, Atendimento ao Público Ana Pacheco, Cláudia Fontes, Isabel Freitas, Jacinta Correia, Sandra Moura Técnica de Património Catarina Pereira Oleira Felicidade Bela Loja Oficina Eduarda Ferreira, Josefa Araújo Informática Bruno Oliveira, Design Atelier Martino&Jaña | Fevereiro 2013


QUARTA-FEIRA 13

PROXIMITY GUIDANCE • 22H00

GRANDE AUDITÓRIO DO CCVF

A CONCEITUADA COMPANHIA AUSTRALIANA MARCA A ABERTURA DA 3ª EDIÇÃO DO GUIDANCE COM UM ESPETÁCULO ONDE DANÇA E VÍDEO DISPUTAM A ATENÇÃO DO ESPETADOR. “Proximity” coloca-nos perante a evidência do movimento (físico) teatralizado, estruturado com base numa semântica de natureza mais orgânica - e sincronizada - do que coreográfica; coloca-nos face a questões de natureza filosófica: a natureza da perceção, o self e a identidade; coloca-nos em confronto com a pluralidade e as implicações neurológicas que uma interação entre o eu e o outro despoletam. O espetáculo é dominado visualmente por três grandes ecrãs. Captada por câmaras que lançam um “olhar” por todo o palco, a ação ganha uma nova e poderosa dimensão, vendo-se amplificada por uma componente tecnológica que lhe confere multidimensionalidade e que acrescenta uma camada de perceção mais próxima e intimista.

THE AUSTRALIAN DANCE COMPANY OPENS THE 3RD EDITION OF GUIDANCE WITH THE PRESENTATION OF A SHOW WHERE DANCE AND VIDEO TRY TO WIN THE SPECTATOR’S ATTENTION. “Proximity” places us before questions of a philosophical nature: the nature of perception, the self and identity. The show is dominated visually by three large screens. The action, which is captured by cameras that are “glancing about” all over the stage, takes on a new and powerful dimension as it is magnified by this technological component, giving it multi-dimensionality and adding a layer of perception that is nearer and more intimate.

Criado e dirigido por Garry Stewart, Diretora artística associada Elizabeth Old, Bailarinos Zoë Dunwoodie, Scott Ewen, Amber Haines, Jessica Hesketh, Samantha Hines, Daniel Jaber, Kyle Page, Matte Roffe, Kimball Wong, (A ficha técnica e artística completa encontra-se disponível em www.ccvf.pt), Maiores de 12 • Cartão Quadrilátero Cultural

Fotografia de Chris Herzfeld

AUSTRALIAN DANCE THEATRE


Fotografia de Emile Zeizig

QUINTA-FEIRA 14

altered natives’ Say Yes To Another Excess - TWERK GUIDANCE • 22H00

FRANÇOIS CHAIGNAUD E CECILIA BENGOLEA BLACK BOX DA FÁBRICA ASA

INSPIRADOS EM DANÇAS POPULARES, RITMOS QUE SE MISTURAM EM CLUBES, CECILIA BENGOLEA E FRANÇOIS CHAIGNAUD TRATAM A DANÇA COMO REPRESENTAÇÃO “ABSTRATA”. Twerk, em gíria urbana, significa “trabalhar o corpo como na dança, em especial as nádegas”. É também uma nova dança, de origem africana, que é moda nos clubes de Nova Iorque. Este é o ponto de partida para “altered natives’ Say Yes To Another Excess – TWERK”. Cecilia Bengolea e François Chaignaud são os criadores de um trabalho que se inspira em danças populares, ritmos que se cruzam em clubes, de Londres a Nova Iorque. Em palco, cinco bailarinos interpretam uma coreografia estudada, contudo desenfreada. Uma dança de apelo direto que se introduz nos corpos, acrobática e coletiva, que enlouquece e surpreende.

INSPIRED BY FOLK DANCES AND BLENDED RHYTHMS, CECILIA BENGOLEA AND FRANÇOIS CHAIGNAUD SHOW US DANCING AS AN ABSTRACT REPRESENTATION. In urban slang, to twerk means “to work the body as in dance, with special focus on working the buttocks.” It is also a new dance with African origins that is all the rage in New York. This is the stepping off point for “altered natives’ Say Yes To Another Excess – TWERK”. Cecilia Bengolea and François Chaignaud have created the work, inspired by the popular dance and rhythms seen in the clubs of London and New York. On stage, five dancers will perform choreography that is well-studied yet unhindered. The dance calls out directly, it penetrates the body, acrobatic and collective, goes mad and surprises.

Criado por Cecilia Bengolea e François Chaignaud, Interpretação Élisa Yvelin, Alex Mugler, Ana Pi, Cecilia Bengolea e François Chaignaud, Música DJ Elijah, DJ Skilliam (Butterz, London - UK), (A ficha técnica e artística completa encontra-se disponível em www.ccvf.pt), Maiores de 16 • Cartão Quadrilátero Cultural


QUINTA 14* E SEXTA 15**

O PESO DE UMA SEMENTE MARINA NABAIS PEQUENO AUDITÓRIO DO CCVF

PARTINDO DO PARADOXO DO ESFORÇO E DA INÉRCIA, E FRUTO DE UMA RESIDÊNCIA ARTÍSTICA COM ADOLESCENTES, MARINA NABAIS REVELA “O PESO DE UMA SEMENTE”. “O Peso de uma Semente”, de Marina Nabais, é a dança como metáfora de vida onde o esforço não mais é desmedido. Vida que prescinde de uma herança “pesada” e “volumosa”. A leveza levada à sua mais alta potência, da natureza da contemplação e do equilíbrio. Desenvolve-se em dois momentos: um prólogo, um espetáculo criado numa colaboração estreita entre diferentes linguagens e artistas, que contou com o envolvimento, ao longo de todo o processo, de um conjunto de jovens da região norte - uns na interpretação, outros na conceção e confeção dos figurinos; e um solo de dança.

EXPLORING THE PARADOX BETWEEN EFFORT AND INERTIA, MARINA NABAIS REVEALS “THE WEIGHT OF A SEED”, THE OUTCOME OF AN ARTIST RESIDENCY WITH TEENAGERS. “The Weight of a Seed”, by Marina Nabais, is dance as a metaphor for life where effort is no longer doled out unmeasured. Life dispenses with its “weighty” and “voluminous” inheritance. Lightness is raised to its highest potential for the nature of contemplation and equilibrium. The performance unfolds in two parts: the prologue, a group piece resulting from artist-inresidence sessions; and a dance solo.

Direção Artística, Coreografia e Interpretação Marina Nabais, Acompanhamento Sílvia Magalhães, Espaço Sonoro Simão Costa, Interpretação do prólogo Anabela Veloso, Bruna Martins, Helena Freire, João Abreu, Laura Marques e Marta Ferreira, (A ficha técnica e artística completa encontra-se disponível em www.ccvf.pt), Maiores de 12 • Cartão Quadrilátero Cultural

Fotografia de Sílvia Magalhães

GUIDANCE • *15H00 E **22H00


SÁBADO 16

O REVERSO DAS PALAVRAS GUIDANCE • 22H00

Fotografia de Romain Etienne

TÂNIA CARVALHO GRANDE AUDITÓRIO DO CCVF

DEPOIS DA ESTREIA NO FESTIVAL AIRE DE JEU, EM LYON, FRANÇA, TÂNIA CARVALHO APRESENTA A SUA NOVA CRIAÇÃO, “O REVERSO DAS PALAVRAS”, NO GUIDANCE. É a partir do pós-minimalismo musical da norte-americana Julia Wolfe que Tânia Carvalho desenvolve o seu trabalho em “O Reverso das Palavras”. Uma ideia base que prescinde da gramática verbal, como gosta a coreógrafa: “… as palavras só me limitam e bloqueiam”. O pensamento é feito por movimentos, intensidades do corpo, ritmos, pausas, figuras e atmosferas. Atmosferas que buscam inspiração nos sons de LAD, a composição para um ensemble de gaitas de foles que Julia Wolfe depura com uma simplicidade inquietante. E dessa simplicidade nasce a expressão corporal como linguagem que prescinde do vocábulo.

AFTER THE DEBUT AT AIRE DE JEU FESTIVAL IN LYON, FRANCE, TANIA CARVALHO PRESENTS AT GUIDANCE HER NEW CREATION, “THE RECOIL OF WORDS”. The post-minimalist musical by the American, Julie Wolfe, is where Tânia Carvalho has taken her inspiration for her performance of “The Reverse of Words”, an idea which dispenses with verbal grammar, since “…words only limit me and block my way,” to quote the choreographer. Thought is made up of movements, the different intensities of the body, rhythm, pauses, shapes, and environments. And it is with this that the expression of the body is born as a language which does away with words.

Direção e Coreografia Tânia Carvalho, Música Julia Wolfe (LAD, solo bagpipe e audio playback), Interpretação Tânia Carvalho, Luís Guerra, Marlene Monteiro Freitas, (A ficha técnica e artística completa encontra-se disponível em www.ccvf.pt), Maiores de 12 • Cartão Quadrilátero Cultural


REGINA - THE RITUAL WEDDING GUIDANCE • *22H00 E **24H00

ÚTERO ASSOCIAÇÃO CULTURAL CAAA - CENTRO PARA OS ASSUNTOS DA ARTE E ARQUITETURA

“REGINA - THE RITUAL WEDDING” É UM ENCONTRO ENTRE OS ARTISTAS REGINA FIZ E MIGUEL MOREIRA. O corpo e os seus ícones. Esta é a questão central de “Regina - The Ritual Wedding”. Um trabalho que pisa territórios de um ritual enraizado e que convoca o público para uma experiência nova, apelando ao interdito e a uma proximidade entre íntimos. “Regina” é também um outro discurso: a transformação e o pensamento queer associados a uma ideia de uma sociedade livre. O espaço do corpo e da liberdade em uníssono. Uma peça que é resultado e processo. Resultado de uma experiência de vida - a de Regina Fiz - e de um processo de luta contra as normas sociais e políticas segregadoras.

”REGINA - THE WEDDING RITUAL” IS THE RESULT OF THE ARTISTIC REUNION OF REGINA FIZ AND MIGUEL MOREIRA. The body and its icons – this is the core question of “Regina – The Ritual Wedding”, a work which embarks upon the territory of a deeply-rooted ritual and which offers the audience a new experience, appealing to the forbidden and the closeness amongst intimates. “Regina” is also another type of discourse: queer transformation and thought associated to an idea of a free society. It is the space of the body and the free space in unison, a piece which is the result of a process, the result of someone’s life experience (that of Regina Fiz) and the struggle against social and political norms which cause segregation.

Direção Miguel Moreira, Cocriação Regina Fiz, Com Regina Fiz e Miguel Moreira, Pianista Joana Gama, (A ficha técnica e artística completa encontra-se disponível em www.ccvf.pt), Maiores de 16 • Cartão Quadrilátero Cultural

Fotografia de Inês d’Orey

QUARTA 20*, SEXTA 22 E SÁBADO 23**


QUINTA-FEIRA 21

A CIDADE Fotografia de Rodrigo de Souza

GUIDANCE • 22H00

OLGA RORIZ GRANDE AUDITÓRIO DO CCVF

MAIS DO QUE UM ESPETÁCULO, OLGA RORIZ APRESENTA-NOS UMA REFLEXÃO SOBRE A ATMOSFERA DE PRESSÃO E DESGASTE QUE AS CIDADES CAUSAM NO SER HUMANO. Uma cidade onde liberdade, perigo e solidão são palavras de um léxico repetitivo que a coreografia traz à rotina. Uma metáfora que convida a reflexão ou, no mínimo, evidencia uma sociedade que vive uma era do vazio, ilusória e efémera. Em palco, quatro bailarinos desmultiplicam-se em diversas personagens, ao som de músicas como as de Melody Gardot ou Nick Cave, num espetáculo fragmentado que é também capaz de produzir cenários inusitados, difíceis de reproduzir na vida das cidades. “A Cidade” é também um lugar de discussão que se abre ao improviso. Um paradoxo entre a consciência de estarmos prisioneiros e a possibilidade de nos libertarmos.

MORE THAN A SHOW, OLGA RORIZ PRESENTS US THE EFFECTS OF PRESSURE AND ALIENATION THAT CITIES CAUSE IN HUMANS. A city where freedom, danger and loneliness, are words from a repetitive lexicon which choreography makes routine. A metaphor which invite reflection or, at the very least, bear witness to a society which lives in the era of emptiness, illusion, and ephemera. On stage, four dancers will unveil a variety of characters (to the sounds of Melody Gardot or Nick Cave) in a fragmented performance which might possibly produce rare scenes quite difficult to see in cities. It is a paradox of the awareness that we are prisoners and the possibility to set ourselves free.

Direção Olga Roriz, Intérpretes Catarina Câmara, Maria Cerveira, Bruno Alexandre, Pedro Santiago Cal, Seleção musical e figurinos Olga Roriz, Músicas Korke, Henry Torgue, Max Richter, Romica Puceanu, John Zorm, Autechre, Ali Hassan Kuban, Zoe Keating, Kut Killer, (A ficha técnica e artística completa encontra-se disponível em www.ccvf.pt), Maiores de 12 • Cartão Quadrilátero Cultural


SEXTA-FEIRA 22

SOLOS GUIDANCE • 22H00

PEQUENO AUDITÓRIO DO CCVF

DEPOIS DE “ISLAND OF NO MEMORIES”, A COREÓGRAFA JAPONESA KAORI ITO VOLTA A MARCAR PRESENÇA NO GUIDANCE, DESTA VEZ NO DUPLO PAPEL DE COREÓGRAFA E INTÉRPRETE. Que corpo é o meu? Que identidades transporto em mim para além da minha própria de que não tenho memória? Quatro mulheres em palco partilham o mesmo corpo, sucedendo-se a partir de transições subtis que introduzem novas histórias, ou partes distintas da mesma história. Todas elas personificadas por Kaori Ito a partir de uma conceção assente em fantasia, espiritualidade e xintoísmo. Retomam-se os temas da memória, do esquecimento e da identidade explorados em “Island of no Memories” (GUIdance 2012). “Solos” é um exercício sublime de expressão corporal, de luz e formas, e uma metáfora dos tempos modernos: quem sou eu, se o meu corpo não me pertence?

AFTER “ISLAND OF NO MEMORIES”, JAPANESE CHOREOGRAPHER KAORI ITO RETURNS TO GUIDANCE, THIS TIME BOTH AS CHOREOGRAPHER AND PERFORMER. Which body is mine? What identities might I carry within me, besides my own, which I might not have memory of? Four women on stage share the same body. All of these are brought to life by Kaori Ito whose concept is founded in fantasy, spirituality, and Shintoism. Taken up again are the themes of memory, forgetting, and identity as explored in the piece “Island of No Memories” (2012). “Solos” is a sublime exercise of bodily expression, light and form. It is a metaphor for modern times: who am I if my body does not belong to me?

Coreografia Kaori Ito, Interpretação Kaori Ito, Música Guillaume Perret, (A ficha técnica e artística completa encontra-se disponível em www.ccvf.pt), Maiores de 12 • Cartão Quadrilátero Cultural

Fotografia de Tsukada Yoichi

KAORI ITO


SÁBADO 23

A BALLET STORY GUIDANCE • 22H00

Fotografia de Susana Neves

VICTOR HUGO PONTES GRANDE AUDITÓRIO DO CCVF

CONSIDERADO MELHOR ESPETÁCULO DE DANÇA DE 2012 (JORNAL EXPRESSO) E ESPETÁCULO DE DANÇA DO ANO (JORNAL PÚBLICO), “A BALLET STORY” REGRESSA AO GUIDANCE. Há obras excecionais, aclamadas pelo público e pela crítica, que temos oportunidade de ver uma vez na vida. Há quem, por variados motivos, não consiga essa oportunidade. Há obras que nascem num contexto especial que as torna especiais. Há obras que regressam, por tudo o atrás dito. É o caso do espetáculo “A Ballet Story”, do vimaranense Victor Hugo Pontes, que teve estreia mundial na edição de 2012 do GUIdance e que regressa novamente ao festival. “A Ballet Story” é uma peça complexa e original, um exercício que introduz novos elementos de interpretação a partir da recombinação entre história, música e dança. Um quadro artístico exigente feito de momentos de grande vigor, de apurado sentido estético e, sobretudo, de uma originalidade assinalável. A não perder, portanto.

CONSIDERED THE BEST DANCE SHOW OF 2012 (JORNAL EXPRESSO) AND DANCE PERFORMANCE OF THE YEAR (JORNAL PÚBLICO), “A BALLET STORY” RETURNS TO GUIDANCE. There are exceptional works, ones receiving broad acclaim from audiences and critics, which we might be lucky enough to see once in a lifetime. “A Ballet Story” is a complex and original piece, an exercise which introduces new interpretive elements from the recombination of story-telling, music and dance. It is a demanding artistic framework made of moments full of great energy, a keen aesthetic sensitivity and above all, undeniable originality.

Direção artística Victor Hugo Pontes, Música David Chesky, Intérpretes e cocriadores André Mendes, Elisabete Magalhães, João Dias, Joana Castro, Ricardo Pereira, Valter Fernandes e Vítor Kpez, (A ficha técnica e artística completa encontra-se disponível em www.ccvf.pt), Maiores de 12 • Cartão Quadrilátero Cultural


GUIDANCE

ATIVIDADES PARALELAS VÁRIOS LOCAIS

Terça-Feira 12 | 17h00-20h30

ENSAIO ABERTO “PROXIMITY” E WORKSHOP COM A AUSTRALIAN DANCE THEATRE No dia anterior à apresentação do espectáculo “Proximity”, a Aus-

tralian Dance Theatre irá realizar um ensaio aberto seguido de um

workshop destinado a profissionais e alunos de dança nível avançado. Uma oportunidade única de troca

de experiências e de contacto direto com uma das mais importantes e

relevantes companhias mundiais de dança contemporânea.

Before presenting “Proximity” at

GUIdance, the Australian Dance Theatre will hold an open rehearsal and will

conduct a workshop directed at upperlevel students of dance. The workshop will be led by Elisabeth Old, Assistant

Artistic Director of the Australian Dance

Theatre and the dancers of the company. Local Grande Auditório e Sala de Ensaios do CCVF, Público-alvo profissionais e alunos de dança nível avançado,

Formadores Elisabeth Old e Bailarinos da Australian Dance Theatre, Nº máximo de participantes 15, Data limite de inscrição

08 de fevereiro, Preço 5 euros, Inscrições em www.ccvf.pt

Durante o Festival

EMBAIXADORES DA DANÇA Escolas Secundárias do Concelho de Guimarães

Durante o GUIdance amamos ainda mais a dança!

Acompanhados por alguns dos coreógrafos que integram a

edição deste ano, visitaremos as

escolas secundárias do concelho. Os jovens poderão saber mais sobre o percurso dos nossos

convidados: descobrir o que os

levou a trabalhar na área da dança, como se tornaram coreógrafos

e como encaram hoje uma vida dedicada à criação artística. During the GUIdance we love to dance even more!

Accompanied by some of the

choreographers that comprise this year’s edition, we will visit the county’s secondary schools.

Young people will learn more about the course of our guests: find out

what made them work in the field of

dance, how they became choreographers and how they face a life dedicated to artistic creation in these days.


SÁBADO 02

PORTO S. BENTO Fotografia de João Tuna_TNSJ

TEATRO • 22H00

ENCENAÇÃO NUNO CARDOSO GRANDE AUDITÓRIO (PALCO)

“PORTO S. BENTO” MARCA O REGRESSO DO ENCENADOR NUNO CARDOSO AO PALCO DO CENTRO CULTURAL VILA FLOR. “Porto S. Bento” é uma estação de partidas e chegadas onde se cruzam viajantes, a caminho uns dos outros, no caminho uns dos outros. Três intérpretes profissionais contracenam com moradores do Centro Histórico do Porto, cidadãos anónimos que têm histórias e experiências para contar e trocar. Depois de um ciclo quase exclusivamente dedicado à leitura de clássicos da dramaturgia mundial, o encenador Nuno Cardoso arrisca agora uma incursão nos meandros do Teatro do Outro. Se “Medida por Medida” de Shakespeare, a anterior encenação de Nuno Cardoso (que também subiu ao palco do CCVF), projetava um olhar inclemente sobre os dias de hoje, “Porto S. Bento” prolonga essa conversa com a contemporaneidade, medindo o destino da luso-pátria à luz dos estados de alma da cidade do Porto.

“PORTO S. BENTO” MARKS THE RETURN OF THE STAGE DIRECTOR NUNO CARDOSO TO THE STAGE OF CCVF. Three professional actors perform with residents from Porto’s historical center, anonymous citizens with stories to tell and experiences to reveal. After an almost exclusive dedication to the classics of world drama, the stage director Nuno Cardoso risks now a foray into the intricacies of contemporary life. If Shakespeare’s “Measure for Measure” (the previous staging of Nuno Cardoso, also presented at CCVF), casts a glance on harsh days, “Porto S. Bento” extends this foray into the contemporary, measuring the fate of Portugal in the moods of people from the city of Porto.

Encenação Nuno Cardoso, Assistência de encenação e movimento Victor Hugo Pontes,

Coprodução Ao Cabo Teatro, Manobras no Porto, TNSJ, (a ficha artística e técnica completa encontra-se disponível em www.ccvf.pt), Maiores de 12 • Cartão Quadrilátero Cultural


SÁBADO 02

SAMARA LUBELSKI MÚSICA • 24H00

Fotografia de Steve Thornton

CAFÉ CONCERTO

INSTRUMENTISTA NOVA-IORQUINA, SAMARA LUBELSKI REGRESSA AO CCVF, DESTA VEZ EM NOME PRÓPRIO. Cantora etérea, compositora e praticante do pop psicadélico, Samara Lubelski não é estranha à cena avant-indie-folk, sendo um dos grandes nomes do universo independente de produção de som mais arrojado. Samara é uma das coconspiradoras dos últimos projetos de Thurston Moore (senhor Sonic Youth e um dos nomes incontornáveis do movimento alternativo), mas não se abstém de impressionar a solo, com o seu violino e a sua guitarra. A norte-americana regressa agora a Portugal, sem Moore, e traz para apresentação o novo álbum, “Wavelenght”, o seu sexto-longa duração Espetáculo apresentado no âmbito da rede

em nome próprio, editado pela De Stijl. Neste disco, que conta com uma dúzia de novas melodias, o toque suave e requintado de Samara na guitarra e no seu violino (e no microfone) surgem num equilíbrio perfeito em que todos os elementos da sua música se tornam inseparáveis.

THE NEW YORKER MUSICIAN SAMARA LUBELSKI RETURNS TO CCVF. Ethereal singer, songwriter and psychedelic pop musician, Samara Lubelski is one of the greatest performers of a bolder sound style in the independent music universe. Samara is a music partner of Thurston Moore (Sonic Youth), but is also a remarkable solo musician with her violin and guitar. The North American returns to Portugal without Moore to present her sixth album, “Wavelength”. Her smooth and exquisite guitar sounds together with her violin arise in a perfect balance where all the elements become inseparable.

Samara Lubelski guitarra e voz

Maiores de 12 • Cartão Quadrilátero Cultural


SÁBADO 09

SANDY KILPATRICK MÚSICA • 24H00

Fotografia Inês d’Orey

CAFÉ CONCERTO

SANDY KILPATRICK, CANTAUTOR QUE TROCOU A ESCÓCIA PELO MUNDO, PRIMEIRO, E POR PORTUGAL, DEPOIS, APRESENTA O SEU ÚLTIMO DISCO NO CAFÉ CONCERTO DO CCVF. “Redemption Road” é o último disco de Sandy Kilpatrick, músico escocês atualmente a viver em Portugal, cujas influências vão desde Leonard Cohen a Dead Can Dance. As canções, as histórias, a voz e as melodias de Sandy Kilpatrick têm uma capacidade única de se pegar às pessoas e de as apaixonar. Com a música deste álbum, um som muito harmonioso e cinematográfico (com o uso de cordas, trompete, harpa e coros), Kilpatrick propõe-se a um retorno à simplicidade acústica e a explorar liricamente as maravilhas do universo. “Redemption Road”, gravado num mosteiro do norte do país, tem sido muito aclamado pela crítica internacional, nomeadamente por Mark Radcliffe da BBC, um dos mais importantes interlocutores do Reino Unido. Também o crítico americano Forest Taylor descreveu o álbum como «absolutamente maravilhoso».

SANDY KILPATRICK, SINGER-SONGWRITER WHO LEFT SCOTLAND TO LIVE IN PORTUGAL, PRESENTS HIS LATEST ALBUM AT CAFÉ CONCERTO. ”Redemption Road” is Sandy Kilpatrick’s latest album. The Scottish musician currently living in Portugal has been influenced by various musicians from Leonard Cohen to Dead Can Dance. His songs, stories, his voice and melodies have a unique capacity to cling to people and bewitch them. With the sound of strings, trumpets, harps and choirs, Kilpatrick proposes a return to acoustic simplicity to explore the wonders of the universe.

Sandy Kilpatrick voz e guitarras, Pedro Neves piano e teclados, Nuno Campos

contrabaixo, Sérgio Silva bateria e percussão, Projeções vídeo audiovisionãrios, Maiores de 12 • Cartão Quadrilátero Cultural

Espetáculo apresentado no âmbito da rede


Fotografia Barbara Anastรกcio Direitos Reservados


SÁBADO 09

QUINTETO LISBOA MÚSICA • 22H00

GRANDE AUDITÓRIO

O QUINTETO LISBOA É UM PROJETO QUE REÚNE OS MÚSICOS JOÃO GIL, JOSÉ PEIXOTO E FERNANDO JÚDICE, E AS VOZES DE MARÍA BERASARTE E HÉLDER MOUTINHO. A história que o Quinteto de Lisboa vem contar, é simples. Tem por base o mesmo tipo de registo criativo que deu origem aos projetos musicais nascidos na década de 80. Tal como então, trata-se de dar uma alma nova ao Fado, levando compositores e intérpretes a encontrar o melhor da canção de Portugal. Deste modo, o Quinteto Lisboa é um projeto que surge a partir da cumplicidade de vários anos entre a dupla de compositores João Monge (letrista) e João Gil (músico e guitarrista) - ambos fundadores da Ala dos Namorados e de dois dos músicos que fizeram parte da segunda formação dos Madredeus, José Peixoto (guitarrista) e Fernando Júdice (baixista). As vozes são dos fadistas Hélder Moutinho e María Berasarte. O Quinteto Lisboa marca assim o “tempo certo” de um novo género musical que surge de uma grande vontade de ser português.

QUINTETO LISBOA IS A PROJECT THAT BRINGS TOGETHER MUSICIANS JOÃO GIL, JOSÉ PEIXOTO AND FERNANDO JÚDICE AND VOCALISTS MARÍA BERASARTE AND HÉLDER The story that Quinteto de Lisboa wants to share is a simple one. It is based on the same creative style that gave rise to the music projects that emerged in the 80s. Just as in those days, it’s all about lending fado a new soul, leading composers and performers to find the best of Portuguese music.

Guitarra João Gil, Guitarra José Peixoto, Baixo acústico Fernando Júdice, Voz Maria

Berasarte, Voz Hélder Moutinho, Textos João Monge, Músicas João Gil, Sonorização

Carlos Jorge (Cajó), Desenho de luz Pedro Leston, Fotografia Carlos Ramos, Vídeos Aurélio Vasques com iluminação de Pedro Leston, Maiores de 3 • Cartão Quadrilátero Cultural


SÁBADO 16

ERICA BUETTNER MÚSICA • 24H00

Direitos Reservados

Fotografia de Fábio Teixeira

CAFÉ CONCERTO

CANTAUTORA NORTE-AMERICANA A VIVER EM PORTUGAL, ERICA BUETTNER ESTREIA-SE NO CCVF PARA APRESENTAR O SEU “TRUE LOVE AND WATER”. Erica Buettner é uma escritora de canções dedicada que busca inspiração na música folk, na poesia, e no trabalho de compositores que são tão atentos às palavras como à música. Erica visitou pela primeira vez Portugal em 2009, criando uma afinidade quase que instantânea que a fixou no nosso país um ano mais tarde. O seu disco de estreia, “True Love and Water”, é o reflexo das vivências de Erica até à sua chegada ao nosso país, dos encantos e desencantos de viver a melhor juventude numa cultura estrangeira, com uma mão na caneta e outra na guitarra cantando as histórias dos folks que a rodeiam. Erica Buettner encontra-se em digressão a apresentar “True Love and Water” e as suas novas canções, não dispensando a passagem pelo palco do Café Concerto do CCVF.

THE NORTH AMERICAN SINGER-SONGWRITER LIVING IN PORTUGAL PRESENTS “TRUE LOVE AND WATER”. Erica Buettner is a songwriter of songs dedicated to seeking inspiration in folk music, poetry, and the work of composers who are attentive both to words and music. Erica visited Portugal for the first time in 2009. She immediately fell in love with Portugal and came to live here one year later. Her debut album, “True Love and Water”, is the reflection of her experiences until her arrival in Portugal, the charms and disenchantments of living youth in a foreign culture, with a pen in one hand and the guitar in the other, singing stories of the folks surrounding her. Erica Buettner is on tour to present “True Love and Water” on the stage of CCVF’s Café Concerto.

Erica Buettner voz, viola acústica, banjo

Maiores de 12 • Cartão Quadrilátero Cultural


SEGUNDA-FEIRA 18

39º ANIVERSÁRIO DA UNIVERSIDADE DO MINHO Direitos Reservados

MÚSICA • 22H00

ORQUESTRA DA UNIVERSIDADE DO MINHO E CORO DOS ALUNOS DA LICENCIATURA EM MÚSICA DA UM GRANDE AUDITÓRIO

BEETHOVEN É O COMPOSITOR ELEITO PARA UM CONCERTO QUE CELEBRA O 39º ANIVERSÁRIO DA UNIVERSIDADE DO MINHO. Assinalando o 39º aniversário da UM, a Orquestra da Universidade do Minho e o Coro da Licenciatura em Música apresentam-se com um ambicioso programa integralmente preenchido por Beethoven: o Concerto para Violino, Violoncelo e Piano (Triplo Concerto, Op. 56) e a 9ª Sinfonia (Op. 125). Com direção de Francesco Belli, figuram a solo, no Triplo Concerto, Eliot Lawson (no violino), Pavel Gomzyakov (no violoncelo) e Luís Pipa (no piano). Ana Maria Pinto (soprano), Sara Amorim (contralto), João Terleira (tenor) e Sérgio Ramos (barítono) protagonizam a interpretação da 9ª Sinfonia.

UNIVERSIDADE DO MINHO CELEBRATES ITS 39TH ANNIVERSARY WITH A CONCERT WITH WORKS BY BEETHOVEN. Conducted by Francesco Belli, Universidade do Minho Orchestra presents Beethoven’s Concert for Violin, Cello and Piano (Triple Concerto, Op 56) with Eliot Lawson (violin), Pavel Gomzyakov (cello) and Luís Pipa (piano). Ana Maria Pinto (soprano), Sarah Amorim (contralto), João Terleira (tenor) and Sérgio Ramos (baritone) star in the interpretation of the 9th Symphony.

Francesco Belli maestro, PROGRAMA L. V. Beethoven [1770-1827]: Concerto para Violino, Violoncelo e Piano, Op. 56, Eliot Lawson Violino, Pavel Gomzyakov Violoncelo, Luís Pipa Piano, Sinfonia nº 9, Op. 125, Ana Maria Pinto Soprano, Sara Amorim Contralto, João Terleira Tenor, Sérgio Ramos Barítono, Maiores de 6


SÁBADO 23

SMaLL TRIO MÚSICA • 24H00

Direitos Reservados Fotografi a Inês d’Orey

CAFÉ CONCERTO

NA ÚLTIMA ATUAÇÃO DO MÊS NO CAFÉ CONCERTO DO CCVF, (SURGE) UM TRIO DE JAZZ QUE SÓ É PEQUENO NO NOME. O que começou como sessões descomprometidas de músicos que se conheceram através da cena do jazz do Porto, acabou por resultar numa relação de amizade e cumplicidade musical que foi solidificada pela permanente invenção e reinvenção de peças originais. E do acrónimo se fez o nome, SMaLL: Salcedo, Minneman and Leandro Leonet. “Road Trip” é o disco de estreia do trio portuense, oito temas em que as suas hábeis mãos viajam fulgurantes de delicadeza no chamado jazz-está-de-chuva e que terão a sua inspiração de origem no cool jazz, movimento dos anos 50 e 60 que marcou a obra de artistas como Miles Davis, Chet Baker, Lennie Tristano ou Bill Evans. Um trabalho que deixa no ar a sensação de algo de novo a surgir na fascinante e fervilhante cena jazz do norte do país.

CAFÉ CONCERTO HOSTS A NOT THAT SMALL JAZZ TRIO. The acronym made up the name, SMaLL: Salcedo, Minneman and Leandro Leonet. These three jazz musicians began a series of uncommitted music sessions of jazz that grew to a friendship and musical complicity that became stronger by the continuous invention and reinvention of original songs. “Road Trip” is the debut album of this trio from Porto, with eight songs in which their skillful hands travel delicately in a sort of cool jazz that was so important to other artists such as Miles Davis, Chet Baker, Bill Evans and Lennie Tristano. SMaLL, a new and fascinating sound coming from the Jazz scene of the north of Portugal.

João Salcedo piano, Carl Minnemann contrabaixo, Leandro Leonet bateria Maiores de 12 • Cartão Quadrilátero Cultural


SEGUNDA A DOMINGO

PARA ALÉM DA HISTÓRIA Fotografia de Vasco Célio / Stills

EXPOSIÇÃO • 10H00-19H00

CENTRO INTERNACIONAL DAS ARTES JOSÉ DE GUIMARÃES PLATAFORMA DAS ARTES E DA CRIATIVIDADE

A EXPOSIÇÃO “PARA ALÉM DA HISTÓRIA” JUNTA PEÇAS DAS TRÊS COLEÇÕES QUE JOSÉ DE GUIMARÃES VEM REUNINDO HÁ CERCA DE CINCO DÉCADAS. Peças de arte tribal africana, arte pré-colombiana (México, Peru,

Horário segunda a domingo 10h00 às 19h00

Visitas Orientadas terça a domingo, das 10h00 às 19h00; Preço 2 eur/pessoa (grupos escolares); 5 eur/

Guatemala e Costa Rica) e arte arqueológica chinesa, obras da

pessoa (público geral); Entrada

autoria de José de Guimarães e de outros artistas contemporâne-

gratuita Crianças até 12 anos

os, e objetos do património popular, religioso e arqueológico de

quando acompanhadas de adulto pagante e Professores

Guimarães, convivem nesta exposição através de um roteiro es-

acompanhantes de grupos (na

piritual e simbólico que descreve um arco geográfico e temporal

proporção de 1 acompanhante

que tem origem na terra natal de José de Guimarães – a cidade de

por cada 10 estudantes); Lotação mín. 8 pessoas, máx. 20 pessoas

Guimarães – e que atravessa civilizações de três continentes com culturas ricas e complexas, para regressar ao lugar de origem, proporcionando uma reflexão sobre a diversidade enquanto forma de construção da identidade.

THE EXHIBITION “BEYOND HISTORY” BRINGS TOGETHER PIECES OF THREE COLLECTIONS WHICH JOSÉ DE GUIMARÃES HAS BEEN ASSEMBLING OVER THE PAST FIVE DECADES. The collections of African tribal art, pre-Columbian art (Mexico, Peru, Guatemala and Costa Rica) and Chinese archaeological artifacts, as well as works by José de Guimarães and other contemporary artists, and objects of popular, religious and archeological heritage of Guimarães, coexists in this exhibition through a spiritual and symbolic journey that describes a geographic and temporal arc that has its origin in the hometown of José de Guimarães – the city of Guimarães – and crosses civilizations from three continents with rich and complex cultures, to return to place of origin, providing a reflection on diversity as a form of identity construction.

Atividade sujeita a marcação prévia com pelo menos uma semana de antecedência através do e-mail servicoeducativo@aoficina.pt


FEVEREIRO

SERVIÇO EDUCATIVO VÁRIAS ATIVIDADES

Sexta 01 e Sábado 02

Dias 02, 04, 05 e 23

A CARA

CORPO COMUM

Aldara Bizarro

Programa de Cruzamento de Práticas Artísticas e Pedagógicas

Neste espetáculo-aula, concebido para crianças e jovens, mas da

No seguimento das inúmeras

maior relevância para todos os

oficinas para adultos que o Ser-

públicos, uma bailarina de skate

viço Educativo tem programado,

começa por confessar ao público

desenvolvemos para a temporada

“não saber nada” de história. Mas

2012/13 um programa continuado

logo depois, aos nossos olhos, um

que cruza as práticas pedagógi-

pequeno país se vai formando e

cas com as práticas artísticas. As

de seguida viajando por um mapa

áreas de trabalho serão diversi-

mundi cuidadosamente construído

ficadas, mas terão em comum o

ao longo de mais de 1200 anos.

aprofundamento de conceitos em volta da noção de Identidade.

In this performance-lesson, designed for children and youth, but also interesting to

Following the large number of workshops

all audiences, a skating ballerina confesses

for adults that the Educational Depart-

knowing nothing about history. But soon

ment has been implementing, we

after, a tiny country is born and it travels

have developed for the 2012/13 season a

through a world map carefully designed

program crossing pedagogical practices

for over 1200 years.

with artistic practices. The work areas are very different, but the common idea

DANÇA

is the deepening of concepts around the

Local Black Box da Plataforma das Artes

notion of identity.

e Criatividade, Horário dia 01, às 10h00 e às 15h00 | dia 02, às 11h00 e às 16h00,

OFICINAS PARA ADULTOS

Público-alvo dos 8 aos 14 anos, Duração c.

PROGRAMA: 02 fevereiro João Sousa

1 hora, Lotação limitada, Preço 2 eur

Cardoso | Artes Visuais; 04 e 05 fevereiro Aldara Bizarro | Dança; 23 fevereiro Regina Guimarães | Escrita Local Vários, Duração 6 horas, Público-alvo adultos com prática pedagógica, inclusive professores, artistas e animadores culturais, Lotação 15 participantes por oficina, Preço 5 eur por oficina, Informações e inscrições em www.ccvf.pt


Sábado 23 e Domingo 24

HUMAN FIELD RECORDINGS Laboratório de Criação e Formação para Jovens Manuela Barile

Este laboratório consiste no desenvolvimento de performances coletivas no espaço urbano rural, a partir da escuta e da interação vocal com os estímulos acústicos. Esta será uma oportunidade única de mergulhar na exploração sonora da nossa existência individual e coletiva com uma das artistas residentes da Associação Binaural/ Nodar.

The goal of this workshop is to develop collective performances in urban and/ or rural environment by listening and interacting with acoustic stimuli. This will be a unique opportunity to plunge into the sound dimension of our individual and collective existence with one of the resident artists of Associação Binaural/Nodar. LABORATÓRIO DE SOM / ESPAÇO / PERFORMANCE Local a definir Público-alvo Menores de 25 anos Lotação 12 participantes Preço 5 eur Informações e inscrições em www.ccvf.pt


GRANDE AUDITÓRIO

SÁB 02 | PORTO S. BENTO SÁB 09 | QUINTETO LISBOA QUA 13 | PROXIMITY SÁB 16 | O REVERSO DAS PALAVRAS SEG 18 | 39º ANIVERSÁRIO DA UNIVERSIDADE DO MINHO QUI 21 | A CIDADE SÁB 23 | A BALLET STORY

€ 10,00 / € 7,50 C/DESCONTO € 10,00 / € 7,50 C/DESCONTO € 12,50 / € 10,00 C/DESCONTO € 12,50 / € 10,00 C/DESCONTO ENTRADA LIVRE (ATÉ AO LIMITE DA LOTAÇÃO DA SALA)

€ 12,50 / € 10,00 C/DESCONTO € 12,50 / € 10,00 C/DESCONTO

PEQUENO AUDITÓRIO

QUI 14 E SEX 15 | O PESO DE UMA SEMENTE SÁB 22 | SOLOS

€ 2,00 (DIA 14) / € 5,00 (DIA 15) € 10,00 / € 7,50 C/DESCONTO

CAFÉ CONCERTO

SÁB 02 | SAMARA LUBELSKI SÁB 09 | SANDY KILPATRICK SÁB 16 | ERICA BUETTNER SÁB 23 | SMaLL TRIO

€ 4,00 € 4,00 € 3,00 € 3,00

OUTROS LOCAIS FÁBRICA ASA

QUI 14 | altered natives’ Say Yes To Another Excess - TWERK

€ 10,00 / € 7,50 C/DESCONTO

CAAA - CENTRO PARA OS ASSUNTOS DA ARTE E ARQUITETURA

QUA 20, SEX 22 E SÁB 23 | REGINA – THE RITUAL WEDDING

€ 5,00 / € 3,00 C/DESCONTO

PLATAFORMA DAS ARTES E DA CRIATIVIDADE

SEG A DOM | PARA ALÉM DA HISTÓRIA

PREÇOS COM DESCONTO (C/D) Cartão Municipal de Idoso, Reformados e Maiores de 65 anos, Cartão Jovem Municipal, Cartão Jovem, Menores de 30 anos e Estudantes, Deficientes e Acompanhante, Cartão Municipal de Pessoas com Deficiência, Cartão Quadrilátero Cultural_ desconto 50% *Plataforma das Artes e da Criatividade Menores de 25 anos, Estudantes, Maiores de 65 anos, Reformados, Pessoa com Deficiência e Acompanhante, Cartão Quadrilátero Cultural; Entrada Gratuita a Crianças até 12 anos; Entrada Gratuita aos domingos de manhã (10h00 às 14h00)

VENDA DE BILHETES Centro Cultural Vila Flor, Plataforma das Artes e da Criatividade, www.ccvf.pt, lojas Fnac, El Corte Inglés e Entidades Aderentes da Bilheteira Online

HORÁRIO DE BILHETEIRA segunda-feira e sábado 09h30-13h00 | 14h30-19h00 terça a sexta-feira 09h00-19h00 domingo encerrado local Palácio Vila Flor Em dias de espetáculos Domingos e Feriados 14h00-19h00 local Palácio Vila Flor 20h00 até 30 minutos após o início dos mesmos local Bilheteira Central

€ 4,00 / € 3,00 C/ DESCONTO*


VISITAS GUIADAS AO CCVF TERÇAS A SEXTAS-FEIRAS, DAS 10H00 ÀS 19H00 VISITAS SUJEITAS A MARCAÇÃO ATÉ UMA SEMANA DE ANTECEDÊNCIA, PARA GRUPOS DE PELO MENOS 10 PESSOAS. RESERVAS ANTECIPADAS ATRAVÉS DO Nº 253 424 700 OU PELO E-MAIL GERAL@CCVF.PT MAIS INFORMAÇÕES EM WWW.CCVF.PT

SERVIÇO DE BABY-SITTING_1 EUR IDADES DOS 3 AOS 9 ANOS CAPACIDADE MÁXIMA_20 CRIANÇAS FUNCIONAMENTO EM DIAS DE ESPETÁCULO E DURANTE O PERÍODO DE APRESENTAÇÃO ESTACIONAMENTO 150 LUGARES EM PARQUE DE ESTACIONAMENTO PÚBLICO. AVENÇAS MENSAIS.

distribuição gratuita | capa • A Ballet Story

Cofinanciamento

Profile for CCVF

Programa do CCVF de Fevereiro 2013  

Programação de fevereiro 2013 do Centro Cultural Vila Flor, Guimarães

Programa do CCVF de Fevereiro 2013  

Programação de fevereiro 2013 do Centro Cultural Vila Flor, Guimarães

Advertisement