Issuu on Google+

CENTRO DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS E SOCIAIS APLICADAS ADMINISTRAÇÃO MARCELY LOPES SILVA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

Londrina 2013


MARCELY LOPES SILVA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

Trabalho de Administração Financeira apresentado à Universidade Norte do Paraná - UNOPAR, como requisito parcial para a obtenção de média bimestral na disciplina de Administração financeira. Orientador: Prof. Paulo Ziober

Londrina 2013


SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ......................................................................................................... 3 2 Sistema Financeiro Nacional................................................................................. 4 3 Valor Mobiliário ...................................................................................................... 5 4 Fundos de Investimentos ...................................................................................... 6 5 Companhias ............................................................................................................ 7 6 Governança Corporativa........................................................................................ 8 7 Relações com Investidores ................................................................................... 9 8 Oferta Pública ....................................................................................................... 10 9 Bolsa de valores ................................................................................................... 11 10 Funcionamentos do Mercado............................................................................ 12 11 Mercados de Derivativos ................................................................................... 13 CONCLUSÃO .................................................................. Erro! Indicador não definido. REFERÊNCIAS ......................................................................................................... 16


3

1 INTRODUÇÃO Vamos aqui abordar sobre o Sistema Financeiro Nacional, sua importância na sociedade econômica. As necessidades e desejos ilimitados das pessoas, com relação a ciências econômicas. A escassez de recursos dos países devido ao grande número da população e suas limitações e consumismo diante a economia moderna. No mercado de capitais o ativo de uma empresa é chamado de valor mobiliário, ou ações, as características de uma ação são definidas pelo Estudo das Companhias por um conjunto de regras que devem ser cumpridas. Os fundos de investimentos é uma aplicação formada por varias pessoas onde são divididos por cotas. Existem algumas vantagens e algumas desvantagens nesse tipo de investimento. Podem ser classificados em fundos abertos e fundos de investimentos fechados. Já nas companhias o capital social é dividido por ações que são subscritas pelos sócios. São consideradas sociedades de capital. A Governança Corporativa tem como principal objetivo recuperar e garantir a confiabilidade em uma determinada empresa para os seus acionistas, criando um conjunto eficiente de mecanismos. Quando se trata de relações com investidores logo podemos notar que os investidores são responsáveis pela comunicação de Mao dupla. A Oferta Pública é a distribuição de ativos nos mercados Primário e secundário que serão negociados em Bolsa de Valores são caracterizados por serem, na maioria dos casos, extensivas a não acionistas da empresa. A bolsa de valores trazem alguns benefícios para nossa sociedade de grande importância na economia. Entende-se que mercado de derivativos é o mercado onde são negociados estes contratos ou títulos padronizados quantidade, qualidade, prazo de liquidação.


4

2 Sistema Financeiro Nacional Se cada poupador tivesse que encontrar um tomador de recursos com as mesmas necessidades de volume e prazo, para a realização de um empréstimo, seria muito difícil a efetivação dos negócios. Foi para suprir essa demanda do mercado que surgiram e desenvolveram-se instituições especializadas em intermediar essas operações. Inicialmente, sua função básica era pegar emprestado daqueles que poupam, pagando uma remuneração representada pelos juros, e emprestar para os demais, naturalmente a uma taxa mais alta, ganhando com a diferença. Essas instituições concentram a poupança e distribuem aos tomadores de recursos, atendendo, ao mesmo tempo, as necessidades de volume financeiro e prazo de cada um. Com o passar do tempo, essas instituições foram se especializando e oferecendo outros serviços. Da mesma forma desenvolveram-se novos instrumentos, sistemas e produtos para organizar, controlar e desenvolver esse mercado. Chamamos este sistema, como um todo, de sistema financeiro. Assim podemos conceituar o Sistema Financeiro como o conjunto de instituições e instrumentos que viabilizam o fluxo financeiro entre os poupadores e os tomadores de recursos na economia. Não é difícil perceber a importância desse sistema para o adequado funcionamento e crescimento econômico de uma nação. Se, por exemplo, determinada empresa, que necessita de recursos para a realização de investimentos para a produção, não conseguir captá-los de forma eficiente, provavelmente ela não realizará o investimento, deixando de empregar e gerar renda. Com o papel desempenhado pelas instituições financeiras, esse problema se reduz.


5

3 Valor Mobiliário

Primeiramente precisamos conhecer as características dos ativos financeiros de um mercado por que vai facilitar o investimento do investidor. No mercado de capitais os ativos são chamados de valores mobiliários. Valor mobiliário é um titulo de crédito ou propriedade, emitido por um ente privado ou publico, com direitos padronizados e características (cada titulo devera ter uma data de emissão tendo o mesmo valor nominal, mesma cotação em bolsa e direitos a seus dividendos). Uma ação é um valor mobiliário. Somente as ações registradas na CMV, chamadas companhias abertas podem ser negociadas publicamente no valor de mercado mobiliário. Conforme os direitos que concedem seus acionistas as ações podem ser de diferentes espécies. As características das ações são definidas pelo Estatuto das Companhias, que é o conjunto de regras que deve ser cumprida pelos administradores e acionistas da seguinte forma: Ação ordinária (ON): sendo sua principal característica conferir ao seu titular direito a voto nas assembleias de acionistas. Ação Preferencial (PN): Normalmente, o Estatuto retira dessa espécie de ação o direito de voto. Mas concede outras vantagens, como prioridade na distribuição de dividendo ou reembolso do capital, podendo ainda, possuir prioridades especifica caso admitido á negociação no mercado. Ações preferenciais podem ser divididas em classes A, B. A debênture consiste em um instrumento de captação de recursos no mercado de capitais que as empresas utilizam para financiar seus projetos. Também é uma forma de melhor gerenciar suas dividas.


6

4 Fundos de Investimentos

É uma combinação dos recursos capitados de pessoas físicas ou jurídicas, com o objetivo de obter ganhos a partir da aplicação desses em títulos e valores mobiliários. Os recursos de um fundo de investimento são usados para comprar bens que são de todos os investidores, na proporção de seus investimentos. Ou seja, o objetivo de um fundo de investimento é promover a aplicação grupal de recursos. Um fundo é organizado por cotas, seu patrimônio no fundo são cotas. Cujo valor é calculado diariamente, por meio da divisão do patrimônio líquido pelo numero de cotas do fundo. Algumas desvantagens em se aplicar a fundos de investimentos estão ligas ao de que o investidor delega a terceiros a administração de seus recursos. Por outro lado, algumas vantagens existem como, por exemplo, a somatória dos investimentos do grupo é muito maior do que apenas um investidor. Ou seja, existe a possibilidade que investidores com perfis similares, com objetivos e estratégias de investimentos em comum, concentrem seus recursos em um único objetivo para aumentar seu poder de negociação e diluir os custos de administração, além de contarem com profissionais especializados e dedicados à gestão dos recursos. A aplicação de recursos em conjunto permite que o investidor tenha acesso a mercados que não poderia alcançar sozinho. Pois, alguns investimentos exigem um valor mínimo que pode não ser acessível facilmente individualmente. Quando se coloca seu dinheiro em um fundo de investimento, está entregando suas economias para profissionais cuidarem, especialistas que são treinados para escolher as melhores aplicações diariamente. O fundo de investimentos ajuda na diminuição de custos administrativos, pois nas transações é preciso aplicar, resgatar recursos em vários momentos, comprar e vender ações e outros. Logo, é divido entre os investidores essas despesas. É considerado como risco a possibilidade de não se resgatar o esperado com o investimento. E existem diversas variáveis que podem auxiliar nesse processo como, mudanças políticas, econômicas, regras de tributações e etc. Mas os investidores estão sujeitos a três riscos: - o risco de mercado (oscilações nos preços dos títulos que compõem, a carteira do fundo; - risco de crédito (risco do tomador dos recursos do fundo não pague os títulos); - e risco de liquidez (dificuldade de vender os ativos do fundo e dificuldade do investidor encontrar um comprador para as suas cotas).


7

5 Companhias

O capital social é dividido por ações que são subscritas pelos sócios. São consideradas sociedades de capital. Pois diferente das sociedades por cotas limitadas não há nenhum contrato que ligue diretamente os sócios. Cada acionista responde apenas pelo preço de emissão de suas ações. As companhias podem ser classificadas em duas espécies: Companhia aberta é a que tem valores mobiliários registrados na CVM e admitidos à negociação no mercado de títulos e valores mobiliários em bolsas de valores ou no mercado de balcão. São considerados valores mobiliários: ações, bônus de subscrição, debêntures, partes beneficiarias e notas promissórias para distribuição pública. Companhia fechada é aquela cujos valores mobiliária de sua emissão não são negociados no mercado de capitais. Em relação à participação nos resultados dos acionistas e seus direitos, podemos dizer que quando duas ou mais pessoas se dispõem a aplicar seus esforços e capitais em um determinado empreendimento por meio de uma sociedade, o fazem com o objetivo de após, determinado tempo, se apropriar dos lucros do negocio, os quais serão repartidos entre os sócios empreendedores. O direito de preferência para a subscrição de ações, quando alguém adquire ações, passa a ser titular de uma fração do capital social de uma companhia. Quando do o capital é aumentado e novas ações são emitidas, a ação ate então detidas por tal acionista passam a representar uma fração menor do capital, ainda que o valor em moeda seja o mesmo. O prazo para exercício do direito de preferência deverá ser fixado pelo estatuto social da companhia ou na assembleia quem que for deliberado o aumento do capital social ou a emissão do titulo conversível em ações da companhia, e não poderá ser inferior a 30 dias. Bonificações, ao decorrer das atividades a companhia poderá destinar parte dos lucros sociais para a constituição de conta reservas, poderá fazê-lo na forma de bonificação, podendo efetuar o pagamento em espécie ou com a distribuição de novas ações. Todos os acionistas, independente da espécie ou classe de ações de que sejam titulares tem o direito de participar das Assembleias Gerias Expressar sua opinião sobre as matérias objeto de discussão e requerer esclarecimento á mesa ou aos administradores presentes. Os acionistas poderão também se candidatar.


8

6 Governança Corporativa

As origens da governança corporativa como teoria remetem a conflitos inerentes à propriedade dispersa e à divergência entre os interesses dos diversos sócios mui¬tas vezes, pouco organizados e os interesses dos gestores. A Governança Corporativa tem como principal objetivo recuperar e garantir a confiabilidade em uma determinada empresa para os seus acionistas, criando um conjunto eficiente de mecanismos, tanto de incentivos como de monitoramento, a fim de assegurar que o comportamento dos executivos esteja sempre alinhado com o interesse dos acionistas. A boa Governança Corporativa contribui para um desenvolvimento econômico sustentável, proporcionando melhorias no desempenho das empresas. Por estes motivos, torna-se tão importante ter conselheiros qualificados e sistemas de Governança Corporativa de qualidade, evitando-se assim diversos fracassos empresariais como abusos de poder, erros e fraudes. Um dos impactos de um sistema de governança corporativa é na eficiência econômica, com ênfase no bem-estar dos acionistas. Origens da Governança coorporativa ao longo do século XX, devido ao processo de globalização e pelo crescimento e operações. O modelo de propriedade dispersa expandiu-se inicialmente nos Estados Unidos, devido a aspectos econômicos, culturais e políticos. No Brasil, as discussões sobre governança corporativa começaram em 1995, a partir da criação de um instituto privado voltado especificamente para a temática. Inicial¬mente denominado Instituto Brasileiro de Conselheiros de Administração (IBCA). O Instituto Brasileiro de Governança Corporativa foi idealizado pelo administrador de empresas sueco Bengt Hallqvist e o consultor João Bosco Lodi, que vislumbravam a necessidade da criação de um organismo destinado a colaborar com a qualidade da alta gestão das organizações brasileiras. As ações podem ser livremente transacionadas o que gera uma constante mutação no quadro de acionistas. As sociedades por ações classificam-se em abertas ou fechadas, conforme tenham ou não admitidos à nego¬ciação os valores mobiliários emitidos.


9

7 Relações com Investidores

As relações com investidores fazer parte da administração estratégica de uma companhia. Os investidores são responsáveis pela comunicação de Mao dupla. Os objetivos do RI podem ser resumidos em: fornecer boa informação para analistas e investidores, ampliar e cativar a base acionaria, identificando os investidores mais adequados ao perfil da companhia. O alvo de mercado do RI são os analistas e investidores, assim devem trabalhar para conquistar sua confiança. Ë fundamental nesse mercado de RI identificar suas demandas a cada momento. Ela deve estar presente no dia a dia das companhias abertas e dos agentes do mercado. A importância hierárquica e a valorização da área de RI estão vinculadas aos objetivos de transparência de governança como elemento de geração de valor. Como num programa de marketing, a comunidade de investidores é o mercado dos RI e é fundamental que suas demandas sejam corretamente identificadas a cada momento. Algumas atribuições básicas da área de RI Atuação como porta-voz da companhia na comunicação com o mercado e com a imprensa econômica. Relacionamento com os órgãos reguladores, entidades e instituições do mercado, bolsas de valores e mercados de balcão. Ampliação da base acionária Avaliação continua das respostas do mercado a atuação da companhia e promoção de reflexão interna com outras áreas da companhia. Contribuição para definir a estratégia coorporativa e ideais que agreguem valor Desenvolvimento da cultura de companhia aberta junto ao publico interno Integração do programa de comunicações entre as diversas áreas da companhia. A tarefa prioritária da área de Relações com Investidores, à disseminação da cultura de companhia de capital aberto entre os diversos níveis de público interno é reconhecida internacionalmente como a base da pirâmide para o sucesso no mercado de capitais. Ela direciona o comportamento de todos no que diz respeito ao ambiente corporativo.


10

8 Oferta Pública

Em resumo pode se dizer que somente empresas que abriram seu capital podem ter seus valores mobiliários negociados publicamente, exemplo: bolsa de valores. Primeiramente a empresa deve entrar com pedido de registro de companhia aberta na CVM para a empresa abrir seu capital. Existem alguns benefícios que a abertura de capital pode trazer para o empreendedor e sua empresa. Também existem algumas desvantagens de ter uma oferta pública. São que os custos mais evidentes de ter uma oferta pública inicial é a despesa. Levantar dinheiro custa dinheiro. As taxas jurídicas, os custos de impressão e as taxas de contabilidade associadas ao registro de uma oferta pública inicial podem somar uma grande quantia monetária.

A Oferta Publica caracteriza-se por ser extensiva a não acionistas da companhia, a utilização de listas ou boletins, folhetos, prospectos ou anúncios destinados ao público; a negociação feita em loja, escritório ou estabelecimento aberto ao público, entre outros. A companhia aberta que já tenha efetuado distribuição pública de valores mobiliários poderá submeter para arquivamento na CVM Um Programa de Distribuição de Valores Mobiliários, com o objetivo de no futuro efetuar ofertas públicas de distribuição dos valores mobiliários nele mencionados. O Programa de Distribuição terá prazo máximo de dois anos, contado do seu arquivamento pela CVM, devendo ser indeferido qualquer pedido de registro de oferta vinculado a um Programa de Distribuição apresentado após o transcurso deste prazo. A Oferta Publica pode ser classificado em primária secundaria (IPO OFERTA INICIAL) ou (SUBSEQUENTE) Se a empresa vende títulos ela é considerada oferta primaria se ela não emite novos títulos, se vendem ações já existentes são consideradas ofertas secundárias.

A oferta inicial é quando a companhia está realizando a sua primeira oferta publica. A oferta subsequente é quando a companhia já realizou a sua primeira oferta.


11

9 Bolsa de valores

Os movimentos dos preços no mercado ou em uma seção do mercado são capturados através de índices chamados Índice de Bolsa de Valores. Os preços das ações servem também para indicar o valor de mercado das empresas cotadas em bolsa. Dessa forma, diversos negócios podem ser realizados entre elas e com outros investidores.

A principal função dos mercados de bolsas e balcão é: Organizar, manter controlar e garantir ambientes e sistemas propícios para o encontro de oferta e a realização de negócios.

Podemos citar também alguns benefícios que a bolsa de valores causa para a economia e sociedade: Financiamento através de vendas de ações Abertura de oportunidades de participação no mercado de ações para pequenos e médios investidores; Estímulo à redução da desigualdade na distribuição de rendas da sociedade. Os mercados de balcão não organizado. São aqueles em que as negociações são realizadas com participação de instituições.

Também temos o mercado de balcão organizado que é um ambiente administrado por instituições autorreguladoras aonde propiciam sistemas informatizados e regras para a negociação de títulos e valores mobiliários. O Mercado de balcão não organizado é o de compra e venda de ativos sem a coordenação de uma bolsa de valores, no qual as transações normalmente conduzidas pelo telefone, sendo negociadas ações de empresas não registradas em bolsas de valores e outras espécies de títulos.

Existem duas formas de negociação são: á vista e a prazo e dentro delas há características dentro do mercado a vista de mercado a termo mercado futuro e de mercado de opções, cada uma com suas principais características.


12

10 Funcionamentos do Mercado

No funcionamento de mercado as corretoras e distribuidoras são participantes. As corretoras são instituições financeiras que realizam operações de compra e venda de ativos da bolsa ou ações. As corretoras são responsáveis por intermediar a negociação do investidor na bolsa. As funções são divulgar para clientes as informações sobre preço e volumes das ações e outros títulos disponíveis. Orientar nas decisões de compra e venda distribuir produtos e serviços. As distribuidoras dispõem de uma força de vendas que ajuda os fabricantes a atingir pequenos clientes comerciais a um custo relativamente baixo.

Tipos de ordem Quando um investidor deseja realizar uma compra ou venda de um valor mobiliário ele faz através de um envio de uma ordem. As principais ordens são ordens á mercado, ordem limitada e ordem on stop.

O formador de mercado são aqueles que dispõem a garantir liquidez mínima e referência de preço para ativos previamente credenciados, que contribui grandemente para uma maior eficiência no mercado de capitais. O formador de mercado pode ser descrito como aquele que proporciona um preço de referência para a negociação do ativo.

O Formador de mercado também pode desempenhar suas funções de dois modos, independente ou contratado. Quando independente ele não possui vinculo com a empresa, quando contratado ele representara uma empresa tem deveres e obrigações.


13

11 Mercados de Derivativos

Os Derivativos são instrumentos financeiros cujo preço de mercado deriva do preço de mercado de um ativo. O instrumento ou produto derivativo é um contrato ou título conversível cujo valor depende integral ou parcialmente do valor de determinado ativo ou de outro instrumento financeiro.

Pode se dizer ou entende-se que mercado de derivativos é o mercado onde são negociados estes contratos ou títulos padronizados quantidade, qualidade, prazo de liquidação e forma de cotação do ativo-objeto sobre os quais se efetuam as negociações. O mercado de derivativos tem como principal função disponibilizar ferramentas para o gerenciamento de riscos, ou seja, transferência de riscos inerentes aos ativos nos quais são baseados entre as partes contratantes. Os derivativos surgiram da necessidade de gerenciar o risco de preço inerente ao ativo-objeto de referência.

Dentro do mercado de derivativos a algumas finalidades a ser discutidas e propósitos. Um desses propósitos é Hedge (Proteção) que pode ser definido como um seguro de preço e tem como objetivo proteger o valor de um ativo.

A arbitragem que é tirar proveito da diferença de preços de um mesmo produto negociado em mercados diferentes. O arbitrador tem como meta o lucro, mas não assume os riscos. O especulador tem como propósito básico obter lucro. Sua atuação e na compra e venda de contratos futuros para ganhar o diferencial entre o preço de compra e o de venda. O especulador é o único que toma riscos e por visar lucro sua presença é fundamental. Porém especulador não pode ser confundido com manipulador.

Existem quatro tipos de mercados de derivativos o mercado a termo se compromete a vender certa quantidade de um bem. Mercado futuro você se compromete a comprar ou vender quantidade de um bem independente do preço q o produto vai estar no futuro.


14

Mercado de opções pode negociar a venda ou compra de um bem em data futura. No mercado de swap, negociasse a troca de rentabilidade. Os mercados Derivativos podem ser classificados em: Derivativos agropecuários: o ativo pode ser o objeto exemplo: commodities agrícolas café, boi, milho, soja. Derivativos financeiros: o seu valor de mercado pode ser referenciado em alguma taxa ou índice financeiro, exemplo: Juro, taxa de inflação, taxa de câmbio, índice de ações. Derivativos de energia e climáticos: o objeto de negociação é a energia elétrica, gás natural, créditos de carbono.


15

CONCLUSÃO

Ao termino deste trabalho podemos concluir que o sistema financeiro nacional econômico é de grande importância, pois através dele podemos observar várias coisas como o consumismo da sociedade e escassez de recursos naturais.

Podemos denominar que os valores mobiliários são basicamente todos os ativos da empresa assim como ações podem ser descritas como um valor mobiliário. Porém somente as ações as ações registradas na CMV, chamadas companhias abertas podem ser negociadas publicamente no valor de mercado mobiliário. As companhias podem ser classificadas em duas espécies as abertas e as fechadas. Companhia aberta é a que tem valores mobiliários registrados na CVM. Companhia fechada é aquela cujos valores mobiliária de sua emissão não são negociados no mercado de capitais. A boa Governança coorporativa contribui para a economia. Um dos impactos de um sistema de governança corporativa é na eficiência econômica, com ênfase no bem-estar dos acionistas. Quando falamos em bolsa de valores podemos citar que a principal função dos mercados de bolsas e balcão pode ser resumida em organizar, manter controlar e garantir ambientes e sistemas propícios para o encontro de oferta e a realização de negócios.

O Formador de mercado também pode desempenhar suas funções de dois modos, independente ou contratado. Já no mercado de derivativos tem como principal função disponibilizar ferramentas para o gerenciamento de riscos, ou seja, transferência de riscos inerentes aos ativos nos quais são baseados entre as partes contratantes. Podemos considerar que no funcionamento de mercado as corretoras e distribuidoras são participantes, pois ambas tem suas funções dentro do mercado de grande importância.


16

REFERÊNCIAS

CAPÍTULO 1 ANDREZO, A. F.; LIMA, I. S. Mercado financeiro: aspectos históricos e conceituais. São Paulo: FIPECAFI/USP, 1999. ASSAF NETO, A. Mercado financeiro. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2008. BANCO CENTRAL DO BRASIL. Disponível em: http://www.bcb.gov.br. Acesso em: outubro de 2012. COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Caderno CVM nº 01. Rio de Janeiro, 2009. COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Portal do Investidor. http://www.portaldoinvestidor.gov.br. Acesso em: setembro de 2012. CONSELHO DE CONTROLE DE ATIVIDADES FINANCEIRAS. http://www.coaf.fazenda.gov.br. Acesso em: setembro de 2012.

Disponível

Disponível

em:

em:

FORTUNA, E. Mercado financeiro, produtos e serviços. 16. ed. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2005. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS. Disponível em: http://www.susep.gov.br. Acesso em: outubro de 2012. CAPÍTULO 2 BANCO CENTRAL DO BRASIL. Disponível em: http://www.bcb.gov.br. Acesso em: outubro de 2012. BM&FBOVESPA. Disponível em: http://www.bmfbovespa.com.br. Acesso em: outubro de 2012. BOVESPA. Folheto Clube de investimento [folheto]. BRASIL. Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: setembro de 2012. COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Portal do Investidor. http://www.portaldoinvestidor.gov.b. Acesso em: setembro de 2012.

Disponível

em:


17

CAPÍTULO 3 ANBIMA. Como investir?Disponível em: http://www.comoinvestir.com.br. Acesso em: outubro de 2012. BM&FBOVESPA.Fundos de índices. Disponível em: http://www.bmfbovespa.com.br/etf/fundode-indice.aspx?Idioma=pt-br. Acesso em: janeiro de 2013 COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Portal do Investidor. http://www.portaldoinvestidor.gov.br. Acesso em: setembro de 2012.

Disponível

em:

CAPÍTULO 4 BM&FBOVESPA. Como e por que tornar-se uma companhia aberta. São Paulo, 2009. BM&FBOVESPA. Introdução ao mercado de capitais. São Paulo, 2012. BM&FBOVESPA;PwC. Como abrir o capital da sua empresa no Brasil (IPO). São Paulo, 2011. COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Caderno CVM nº 8. Rio de Janeiro, 2009. COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Portal do Investidor. http://www.portaldoinvestidor.gov.br. Acesso em: setembro de 2012.

Disponível

em:

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS. A busca da convergência da contabilidade aos padrões internacionais. Brasília: CFC, 2009. CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE. Disponível em : http://www.cfc.org.br. Acesso em: fevereiro de 2013. CAPÍTULO 5 ALMEIDA, R. J. Supremacia na fruição de benefícios da empresa aos stakeholders e a teoria de finanças. Tese de Doutorado – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2003. BRANDÃO, C. E.Lessa. Sustentabilidade e governança corporativa. In: INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Uma década de governança corporativa: história do IBGC, marcos e lições da experiência.São Paulo: Saint Paul: Saraiva, 2006. p.87-94 FRENTROP, P. A history of corporate governance: 1602-2002. Amsterdam: Deminor, 2002. HOBSBAWM, E. Era dos extremos: o breve século XX 1914-1991. São Paulo: Companhia das Letras, 2007. INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Guia de orientação para o


18

gerenciamento de riscos corporativos. São Paulo: IBGC, 2007. (Série Cadernos de Governança Corporativa, v. 3). INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Histórico. Disponível em: http://www.ibgc.org.br/Historico.aspx. Acesso em: 27/10/2012. INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Linha do tempo. Disponível em : http://www.ibgc.org.br/LinhaTempo.aspx. Acesso em: 29/10/2012. INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA. Uma década de governança corporativa: história do IBGC, marcos e lições da experiência. São Paulo: Saint Paul:Saraiva, 2006. INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA.Código das melhores práticas de governança corporativa 4. ed. São Paulo: IBGC, 2009. INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA.Guia de orientação para planejamento de sucessão, avaliação e remuneração de conselho de administração e diretorpresidente.São Paulo: IBGC, 2011. MORCK, Randall K. (Org.) A history of corporate governance around the world: family business groups to professional managers. Chicago: University of Chicago Press; Londres: National Bureau of Economic Research, 2005. SILVA, A. L. C. Governança corporativa e sucesso empresarial: melhores práticas para aumentar o valor da firma. São Paulo: Saraiva, 2006. CAPÍTULO 6 COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Portal do Investidor. http://www.portaldoinvestidor.gov.br. Acesso em: setembro de 2012.

Disponível

em:

BOVESPA; IBRI. Guia de relações com investidores. São Paulo, 2007. CAPÍTULO 7 ANBIMA. Com investir? Disponível em: http://www.comoinvestir.com.br. Acesso em: outubro de 2012. BM&FBOVESPA .Como e por que tornar-se uma companhia aberta: utilizando o mercado de capitais para crescer. São Paulo, 2009. BM&FBOVESPA. Disponível em : http://www.bmfbovespa.com.br. Acesso em: setembro de 2012. BM&FBOVESPA; PwC. Como abrir o capital da sua empresa no Brasil (IPO) ;início de uma nova década de crescimento. 1. ed. São Paulo, 2011.


19

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Portal do Investidor. http://www.portaldoinvestidor.gov.br. Acesso em: setembro de 2012.

Disponível

em:

CAPÍTULO 8 BM&FBOVESPA. Disponível em: http://www.bmfbovespa.com.br. Acesso em:setembro de 2012. CÂMARA DE LIQUIDAÇÃO E CUSTÓDIA. Como http://www.cetip.com.br. Acesso em: outubro de 2012.

Investir.

COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Portal do Investidor. http://www.portaldoinvestidor.gov.br. Acesso em: outubro de 2012.

Disponível

em:

Disponível

em:

CAPÍTULO 9 BANCO BM&FBOVESPA. Disponível em: http://www.bmfbovespa.com.br/banco. Acesso em: fevereiro de 2013. BM&FBOVESPA. Disponível em: http://www.bmfbovespa.com.br. Acesso em: fevereiro de 2013. COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Portal do Investidor. http://www.portaldoinvestidor.gov.br. Acesso em: setembro de 2012.

Disponível

em:

CAPÍTULO 10 COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS. Caderno CVM nº 09. Rio de Janeiro, 2009. INSTITUTO EDUCACIONAL BM&FBOVESPA. Apostila sobre derivativos. Disponível em: http://educacional.bmf.com.br.

CAPÍTULO 11 GITMAN, LAURENCE J. Princípios de Administração Financeira. Porto Alegre: Bookman, 2001. ROSS, STEPHEN A. ET ALII. Princípios de Administração Financeira. São Paulo: Atlas, 2002. DAMODARAN, ASWATH. Avaliação de investimentos: ferramentas e técnicas para determinação de valor de qualquer ativo. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1999.


20

WILLIAMS, JOHN B. The Principles of Investment Value, Harvard University Press, 1938 FROST, ALFRED JOHN & PRETCHER, ROBERT R. Elliot Waves Principle. Hadden Craftsmen, 1990 NISON, STEVE. Japanese Candlestick Charting Techniques. New York Institute 1991


Trabalho de finanças marcely