Page 1

O LOJISTA Edição 565 | Maio 2017

NITEROI

CDL

Câmara de Dirigentes Lojistas de Niterói

Ano XXXVIII | www.cdlniteroi.com.br

Cartão CDL Multibenefícios para você

Dia das mães

Inspiração para oferecer o melhor serviço aos associados CDL

Conexão da Moda

Conheça a proposta para criação de um espaço produtivo na cidade


De Utilidade Pública: Estadual, Lei no 5579/65 / Municipal, deliberação no 2539/65

EDITORIAL

CONSELHO SUPERIOR Presidente: Joaquim Manuel de Sequeira Pinto Vice-presidente: Ademir Antunes Carvalho MEMBROS DO CONSELHO SUPERIOR Antonio Carlos Costa Pires, Domingos de Carvalho Rodrigue, Elida Gervásio Gouvêa, Ithamar Torres Mancen, José Dornas Maciel, Lúcio Ferreira de Azevedo, Manoel Alves Junior, Orlando Cerveira Francisco, Roberto Mauricio Rocha, Salomão Guerchon. Suplentes: Gentil Moreira de Sousa e Marina Espósito Haddad. DIRETORIA ADMINISTRATIVA Presidente: Fabiano Gonçalves Vice-presidente: Luiz Vieira Diretores: Fausto Regis de Oliveira Reis, Graciele Davince Pereira, Jorge Gentile, Mauricio Nassib Moita Zarife, Oswaldo Rodrigues Vieira, Rogerio Rosetti Mendes, Ruan Carlos Teixeira de Oliveira, Sidney Moyses Vianna Freire Suplentes: Alberto Guilherme Magalhães Ducan e Felipe Reis de Almeida Gerente: Ermano Santiago CONSELHO EDITORIAL Fabiano Gonçalves e Joaquim Pinto

O LOJISTA

NITEROI

SERVIÇOS DA CDL Serviço de Proteção ao Crédito, Serviço de Relações com Usuários, Central de Informações, Central de Cadastro, Central de Processamento de Dados, Assessoria Técnica, Consultoria Jurídica, Serviço de Documentação e Divulgação e Serviço de Administração

Edição e Coordenação: Kelly Goldoni - MTE: 34527/RJ Redação: Goldoni Comunicação Diagramação e Arte: Alyne Gama Jornalistas: Paula Valviesse Consultoria: Priscila Oliveira Fotos: Divulgação CDL Niterói

Publicação dirigida da CÂMARA DE DIRIGENTES LOJISTAS DE NITERÓI, contendo legislação, índices econômicos e condensado de notícias e informações de interesses do comércio lojista. Distribuição: Câmaras de Dirigentes Lojistas, Associações Comerciais, Federações do Comércio, Sindicatos e demais entidades de classe do País, identificadas com as atividades do comércio, bem como empresários e executivos especialmente cadastrados. O LOJISTA utiliza as seguintes fontes para editar o condensado de notícias: O Globo, Jornal do Commercio, A Tribuna, O Fluminense e Diários Oficiais. Os índices, estatísticas e projeções são cuidadosamente compilados, de acordo com os últimos dados disponíveis no fechamento da edição. O uso dessas informações para fins comerciais e de investimentos é de exclusiva responsabilidade e risco dos seus usuários. IMPORTANTE: As matérias assinadas são de respnsabilidade de seus autores. ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA Rua General Andrade Neves, 31, Centro, Niterói, RJ CEP: 24210-000 / Tel.Fax: (21) 2621-9919

Maio é mês de novidade

Seguindo a missão de inovar e apresentar as melhores soluções aos associados, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói chega ao mês de maio com a novidade do Cartão CDL Multibenefícios. Nesta edição da revista O Lojista, damos destaque a essa ação apresentando aos nossos clientes as vantagens que enxergamos na parceria firmada entre a entidade e a administradora de cartões Life Card. Nossa proposta é contribuir com o aumento da movimentação e do consumo no comércio local, ofertando crédito limpo, que contemple as necessidades dos funcionários, sem gerar endividamento. Maio também traz uma importante data para o comércio, o Dia das Mães. E como forma de homenagear essas mulheres batalhadoras, que contribuem ativamente para a economia do nosso país, e ainda administram a complexa tarefa de criar, cuidar e servir de exemplo para seus filhos, contamos um pouco da história das mães que fazem parte da CDL. Elas são exemplos de determinação e trabalham para oferecer o melhor serviço pela entidade. Sobre os serviços, nesta edição damos destaque a duas iniciativas da Câmara que contribuem efetivamente para o bom desempenho das empresas: o balcão de empregos e a emissão do certificado digital. Através da CDL é possível encontrar o candidato com o perfil ideal para aquela vaga em sua empresa. Assim como ampliar sua marca, garantindo segurança e credibilidade ao cadastrar o certificado digital, cuja emissão já ultrapassa três mil documentos digitais. Para concluir, colocamos em evidência o setor da Moda. A proposta da Prefeitura de criar o “Espaço de Conexão da Cadeia Colaborativa da Moda de Niterói” também é um dos destaques da nossa revista, que mostra um pouco sobre como está sendo trabalhada a ideia, cujos públicos-alvo são empresários, universidades e instituições para formação de um polo produtivo que estimule a produção criativa e desenvolva o circuito da moda na cidade. Vale a leitura! Vamos em frente!

Fabiano Gonçalves

Presidente

Impressão Gráfica Primil (21) 3078-4300 Circulação Mensal Nacional | Conteúdo on-line CDL NITERÓI 3


EDIÇÃO 565

ÍNDICE Dia das mães

Cartão CDL Multibenefícios: uma nova moeda para o comércio de Niterói

08

16

CAPA

CAFÉ

EMPRESARIAL

Edições do Café Empresarial abordam a importância do digital

CDL Jovem

07

Curtas

10

11

Sua empresa

12

Gestão empresarial

18

Negócios

20

Empregos Jurídica

21

Direito digital Direito

24

Comércio exterior 4 O LOJISTA n maio 2017

06

23 26


CAfÉ empresarial

No ano dedicado ao e-commerce, palestras da CDL trazem temas voltados para o comércio digital

Edições do Café Empresarial

abordam a importância do digital

R

ealizado na primeira semana de abril na Região Oceânica, e na semana seguinte no Centro, o Café Empresarial da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói se consolida como uma iniciativa de incentivo à inovação, apresentando sempre temas relevantes, com objetivo de movimentar e estimular o crescimento das empresas locais. Nestas edições os temas escolhidos trataram da construção de sites profissionais e da importância do mundo digital para a ampliação de negócios. Na palestra ministrada na Região Oceânica pela afroempreendedora criativa Julia Gravano, associados e convidados da entidade receberam informações e puderam conhecer alguns aspectos da construção de um site profissional, com o objetivo de alavancar os negócios. A palestrante convidada atua em várias vertentes do design, em áreas relacionadas à criatividade e desenvolve sites para empreendedores, autônomos, free-lancers e pessoas que querem garantir uma presença on-line de impacto. Também embaixadora da plataforma global de desenvolvimento de sites Wix no Rio de Janeiro, Julia fez uma apresentação dinâmica, em que levantou questões como a importância de deixar claro o posicionamento e o segmento da empresa, assim como sua missão e valores, já no início da criação do site. "A ideia é que, em meio a crise econômica pela qual estamos passando, a gente consiga otimizar as etapas de venda nos negócios e também enxugar alguns serviços e demandas existentes nas lojas físicas. A expectativa é usar o site para se posicionar melhor no mercado com relação 6 O LOJISTA n maio 2017

aos concorrentes, fazendo isso de forma profissional, mas com um produto que o empreendedor possa gerenciar facilmente, sem depender de um programador. Que ele possa alavancar as vendas administrando o próprio negócio da rua ou de casa, pelo celular, porque existem aplicativos para isso. Na internet as possibilidades são infinitas", destacou Julia Gravano. Já o evento realizado na sede da entidade, no Centro, contou com a palestra da consultora Raquel Abrantes, ganhadora do prêmio Mulher de Negócios e Comércio Brasil do Serviço Brasileiro de Apoio às Microe Pequenas Empresas (Sebrae), falando sobre a importância do mundo digital. Com o tema “Internet como ferramenta de negócios”, a especialista em Gerência de Solução e Inovação, com expertise em negócios digitais, falou sobre o mercado on-line que cresce exponencialmente a cada ano, trazendo dicas sobre posicionamento e planejamento das empresas no e-commerce. Segundo Raquel, mesmo com a crise, houve um crescimento de 7,4% no comércio on-line no ano de 2016, com registro de 47,9 bilhões de consumidores, e a tendência é que esse mercado continue crescendo e influenciando as vendas em todos os segmentos. “Os principais motivos para estar na internet são: se estabelecer em um mercado de crescimento infinito, que funciona 24 horas por dia e onde existe um nicho de consumidores para todos os tipos de empresas, de produtos a serviços”, ressaltou Raquel.


cdl jovem

Consumidor

multiplataforma Por Matheus Cerveira Diretor da CDL Jovem Niterói

É

uma boa ideia, pode ser uma das soluções, mas não tenho tempo, acho difícil, estou sem dinheiro. Ouço isso na convivência com alguns lojistas, empresários e aspirantes, quando entramos no assunto e-commerce. Há algumas semanas vi uma pesquisa de 2016 da Progress, uma companhia que desenvolve tecnologias para organizações. O resultado dessa pesquisa diz que a complexidade e o tempo necessário para fazer transformações digitais são alguns dos motivos que levam as empresas a deixarem de lado projetos de inovação, ainda diz que, em relação aos entrevistados, 86% acreditam que têm menos de dois anos para digitalizar seus negócios antes que tenham prejuízos financeiros e de competitividade. Acredito, sim, que essa realidade digital possa estar mais perto de todos os lojistas e empresários. Um dos meios é através do e-commerce. Atualmente, é possível montar uma loja virtual com relativo baixo investimento, antes somente as grandes empresas tinham condições de estar presentes neste meio. O consumidor moderno é um consumidor multiplataforma. A mesma pessoa que compra um produto em um Shopping pode comprá-lo pela internet. O que muda não é o cliente, mas a opção de compra. Além disto, os limites geográficos são derrubados, dando a chance de atingir um público muito maior. O relatório apresentado pela e-bit, empresa nacional que monitora os hábitos e tendências dos consumidores e das lojas virtuais brasileiras, aponta que o e-commerce brasileiro faturará R$ 49,7 bilhões em 2017 e que o número

de e-consumidores ativos em 2016 foi de 47,93 milhões. Podemos dizer que quase 25% da população brasileira fez algum tipo de compra em lojas virtuais no ano passado.Esse mercado andou na contramão da crise e não para de crescer desde 2001, quando houve o início dos registros desses índices. Não é mais promessa, é realidade, mas como qualquer outro, exige planejamento, investimento e muita dedicação. Compreender como funciona a legislação, o marketing digital, a logística, a concorrência e outras questões são essenciais. Assim C como no mundo físico, existem dificuldades também no meio digital, e ser realista é fundamental. De qualquer forma para muitos casos é adequado e/ou necessário, caso haja ambição de crescimento ou de pelo menos manter a empresa com certo grau de competitividade, mudar essa realidade digital. As demandas do mercado e inovações tecnológicas vão continuar gerando desafios. Cada tipo de negócio possui suas necessidades. Empresas que entendem a importância de se reinventar, seja com e-commerce ou com outras tendências digitais, deverão crescer, outras devem pensar em uma saída estratégica enquanto seu negócio ainda tem valor.

CDL NITERÓI 7


DIA DAS MÃES

Mães CDL são exemplos de força e determinação

U

niformizadas ou de salto alto, recebendo o público, gerenciando documentos ou cuidando para que o ambiente esteja sempre em ordem e confortável, mas sempre demonstrando a força de suas personalidades e a responsabilidade com o trabalho. A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói se inspira nos exemplos de carinho e cuidado das mães que trabalham na entidade para celebrar o Dia das Mães. Elas administram trabalho e maternidade para prestar o melhor serviço e servem de exemplo a ser seguido pelos seus filhos. As oito mamães que fazem parte da CDL resumem bem a narrativa que diz que maternidade é uma palavra cheia de significado e com múltiplos sinônimos, como amor, doação, responsabilidade e muito trabalho. Para Maria de Fátima Ribeiro dos Santos, mãe da Emanuele de 14 anos,e funcionária da CDL há 21, a maternidade foi uma experiência maravilhosa, que vem sendo conquistada com a ajuda do marido e da família. Segundo ela, no trabalho,a função proporcionou momentos de muita integração com as outras mamães da

entidade: “Ser mãe exige muito amor e dedicação, mas com a ajuda da família e a compreensão, por parte do local de trabalho, tem sido a melhor experiência da minha vida. Uma vez, quando minha filha era pequena, precisamos trabalhar no sábado, mas nós pudemos trazer nossos filhos, e eles passaram esse momento juntos, brincando de trabalhar como a gente”. Na CDL há 23 anos e mãe da Rafaela de 16, Nadia Garcia relembra um pouco da correria dos primeiros anos de vida da filha: “De manhã era sempre uma grande correria para deixar ela na creche, vir trabalhar, buscar, cuidar, mas é muito gratificante. Quando pequena a Rafaela pedia para trabalhar comigo e hoje se inspira na minha dedicação para conquistar seus objetivos”.

Mães resumem bem a narrativa que diz que maternidade é uma palavra cheia de significado

Vilcimar e sua filha Débora Vitória

Maria de Fátima e Emanuele

Jaqueline e seu filho Rodrigo

Georgeane e a pequena Thalita 8 O LOJISTA n maio 2017


DIA DAS MÃES

Mãe do Rodrigo de 13 anos e, há 21 na CDL, Jaqueline Carvalho conta como era explicar para o filho a respeito do seu trabalho e também sobre a convivência com as amigas e mães do trabalho: “Desde pequeno ele vem aqui e sempre mostrei para ele como é importante a mamãe trabalhar e como isso influencia na vida e no futuro dele. Na CDL, como muitas de nós tivemos filhos em períodos próximos, sempre conversávamos sobre as etapas da maternidade, compartilhando nossas experiências a fim de colaborar umas com as outras”. Com 29 anos de trabalho e mãe do Marcos de 18 anos, Anna Correa se orgulha dos objetivos do filho, que seguindo seu exemplo, quer cursar uma faculdade e conseguir um bom emprego. Preocupado com o futuro, Marcos busca na experiência da mãe resposta sobre o mercado de trabalho, as mudanças políticas e econômicas do país: “Ele está com foco nos cursos e na faculdade e sempre conversamos sobre as possibilidades e as mudanças que vêm ocorrendo no Brasil, como o plano de terceirização, aposentadoria. Ele me enxerga como um exemplo de trabalho e conhecimento”. Na CDL há quase dois anos, Georgeane concilia trabalho, faculdade e os cuidados com a filha Thalita, de 6 anos. “Ela é muito curiosa e sempre pergunta sobre o meu trabalho e os estudos. Uma vez ela questionou sobre o que faria quando acabasse a escola, então expliquei que ela ainda tinha um longo percurso e que depois faria faculdade como eu. Então ela respondeu que quando crescer seria

como a mamãe, estudaria bastante, trabalharia e que quer ser cientista. Nossa dinâmica reflete muito nos nossos filhos, por isso fazemos sempre o nosso melhor”. Para Leonilda Figueira, mãe de Aline de 35 anos, e da Larissa, de 25, superado o desafio de ser mãe, agora vem o desafio de ser avó: “Para mim, com toda luta, está dando certo ser mãe, dona de casa, empreendedora e avó. Tenho três netas e é extremamente gratificante reunir a família e sentir esse forte laço de amor que nos une”. Vilcimar, mãe da Débora Vitória de 9 anos e na CDL há 22, conta como foi o primeiro dia na volta ao trabalho, e como se planeja para passar mais tempo com a filha: “No primeiro dia em que deixei minha filha para vir trabalhar chorei, mesmo sabendo que ela ficaria com meu marido, foi difícil essa separação. Lá em casa nós invertemos os papeis, meu marido cuida da casa e da nossa filha e eu trabalho, então para passarmos mais tempo juntas, sempre planejamos passeios e eventos para os finais de semana”. Já Márcia França, recém-chegada na CDL e mãe do Pedro Henrique, de 16, e Carlos Eduardo, de 15, conta sobre os desafios de ser pai e mãe ao mesmo tempo: “Hoje em dia o Carlos está na Escola Preparatória de Cadetes do Ar [Epcar], em Barbacena, e o Pedro faz curso para entrar na escola naval. Eu gosto muito de ler e estudar, e meus filhos são bem determinados. Não sei se é porque eu sempre fui assim, mas eles batalham muito, se esforçam, estudam e já estão construindo uma carreira”.

Nádia e a filha Rafaela

Anna e o filho Marcos

Márcia com seu filho mais novo Carlos Eduardo

CDL NITERÓI 9


CURTAS

Brasileiros estão mais otimistas em relação à queda da inflação

O Declaração anual do Simples Nacional deve ser feita até o final de maio Para estar regularizado e ter seus direitos garantidos, o Microempreendedor Individual (MEI) precisa estar em dia com suas obrigações. Uma delas é a Declaração Anual do Simples Nacional (DASN-Simei), também conhecida como Declaração Anual de Faturamento. A declaração é feita pelo Portal do Simples Nacional e deve ser transmitida até o último dia do mês de maio. O programa, exclusivamente on-line, pode ser acessado através do site da Receita Federal (www.receita.fazenda. gov.br).

Mobilização e envolvimento das CDLs

Um grupo formado por presidentes e representantes de seis Câmaras de Dirigentes Lojistas (CDLs) esteve no final do mês de abril na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) para levar o parecer do comércio sobre uma emenda do Projeto de Lei 1364/2016, que altera a Lei 3244/1999 para regulamentar a inclusão e exclusão dos consumidores nos cadastros de proteção ao crédito. Buscando o apoio dos deputados para a derrubada da emenda, os representantes das entidades mostraram a importância da mobilização do setor quando o assunto é a defesa dos lojistas e do consumidor.

710 O LOJISTA n maio 2017

consumidor está mais otimista em relação à expectativa de diminuição da inflação nos próximos seis meses. É o que revela o Índice Nacional de Expectativa do Consumidor divulgado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Depois da queda de 2,3% em março, o índice aumentou 1,4% em abril e atingiu 103,4 pontos. Quanto maior o índice, maior é o número de pessoas que esperam a queda da inflação. O resultado ficou 6,1% acima do verificado em abril do ano passado, quando foi de 97,5 pontos. Mesmo com o aumento, o indicador continua abaixo da média histórica, iniciada em março de 2001, que é de 108,6 pontos.

Conheça os novos associados da CDL Niterói a a a a a a a a a

Condomínio Edifício Pride Style Residence Imobiliária Piratininga Ltda Me Guilherme Henrique Kuhnert Me Casual Produtora de Eventos Ltda Walber Correa Soares Unhas Express Franchising Manicure Artur Lacerda Rocha Ventura Cad Restaurante Ltda me Comtempo Consultoria Imobiliária Eireli


SUA EMPRESA

Certificado Digital:

menos papel, mais segurança

O

Certificado Digital está cada vez mais presente no cotidiano das empresas. O serviço, oferecido a pessoas físicas e jurídicas pela Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói já superou a marca de três mil documentos digitais emitidos,e a intenção da entidade é que cada vez mais pessoas conheçam e optem pelos benefícios e pela segurança do certificado. Pela CDL é possível emitir o e-CNPJ, versão digital do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica, o e-CPF, versão digital do Cadastro de Pessoa Física, e a NF-e, que é a certificação para emissão de notas fiscais eletrônicas. Com esses certificados, conforme explica o agente de Registros da CDL, Marcos Motta, o usuário ganha tempo com transações realizadas exclusivamente pela internet, e segurança, já que os dados são emitidos em um ambiente seguro.

“Todos os dados hoje em dia são trafegados via internet, a maioria das instituições modificaram seus sistemas para utilização desse serviço, o que torna necessário o uso de uma ferramenta que garanta a segurança dessas informações. Com o certificado digital, a empresa garante a integridade na transmissão de dados, oferecendo ao seu consumidor um ambiente seguro, e ainda tem a facilidade de concluir todo o serviço por meio digital, até mesmo a emissão de nota fiscal, através da NF-e. Já a pessoa física pode realizar operações com validade jurídica pela internet”, explica Marcos. Para emitir o certificado a empresa ou pessoa física precisa apenas fazer um agendamento. O setor de registros, responsável pela emissão, acompanha todo o procedimento, orienta sobre a documentação necessária e ainda oferece pacotes que incluem as mídias necessárias para utilização do certificado digital, como cartão com chip e o Token USB. O período de análise é curto, de acordo com o setor, a inclusão é feita na hora e o certificado fica liberado para uso em duas horas. Atualmente a CDL oferece como opção os certificados pessoa física ou jurídica modelo A1 e A3. O modelo A1 é gravado diretamente no computador e tem validade de um ano. Já o A3 faz uso de mídia inteligente e é emitido com duração de três anos. “A CDL está sempre buscando a inovação e segurança dos comerciantes e, como uma entidade de forte cunho social, também mantém o compromisso de colaborar com soluções para a população. Aqui, as pessoas interessadas em acessar a tecnologia e as facilidades do certificado digital encontrarão um bom atendimento e ainda poderão conhecer as vantagens de ser associado da instituição”, conclui Marcos.

CDL NITERÓI 11


gestÃo empresarial

O papa da gestão Entrevista com Prof. Vicente Falconi, sócio-fundador da Falconi

O

Ph.D. em Engenharia Vicente Falconi Campos foi professor na UFMG. É sócio e conselheiro da Falconi Consultores de Resultado, empresa da qual foi cofundador. Foi membro da Câmara de Gestão e do Comitê Gestor da Crise de Energia em 2001, participou do conselho de várias empresas e é membro do conselho da AmBev. Na entrevista a seguir, ele fala sobre meritocracia, estabelecimento de metas e conta como foi a sua atuação na área de educação no Estado do Rio de Janeiro. No ramo de consultoria, a credibilidade e a confiança são fundamentais. Como o senhor conquistou o apelido de “papa da gestão”, tornando a Falconi uma referência nacional? Nosso aprendizado tem como origem o Japão. Trabalhamos com os mesmos consultores que atuaram na recuperação do Japão no pós-guerra orientados pelos americanos. Foram uns dez anos de muitas viagens ao Japão e percorrendo todo o Brasil em visita a empresas brasileiras junto com aqueles consultores. Nesse período, que foi de 1985 a 1995, toda a tecnologia, mas principalmente a maneira de conduzir uma consultoria, foi absorvida e transformada em seis livros que venderam, juntos, mais de um milhão de exemplares. Em 1991, comecei a dar consultoria na antiga Cia. Cervejaria Brahma e lá estou até hoje como membro de seu conselho de administração, desde 1997. Ensinei e aprendi muito na Brahma. Aprendi muito de meritocracia e foco financeiro na gestão. A credibilidade decorre de anos de trabalho sério, focado nas necessidades que o cliente tem de obter resultados. Sempre falo para nossos consultores: “Não vamos a um cliente para ganhar dinheiro. Vamos lá para ajudá-lo a ganhar. O que nós ganhamos, a longo prazo, decorre daquilo que entregamos”. A confiança, acredito, resulta dos valores que temos praticado e difundido em nossa empresa com insistência, o que se traduz num comportamento ético acima de qualquer outro interesse. No ano passado, foi noticiado que a Petrobras gostaria de adotar o “modelo Ambev” de gestão, baseado

12 O LOJISTA n abril maio 2017 2017

na sua cartilha de meritocracia. O que é esse modelo? O modelo AmBev nada mais é do que uma disciplina ferrenha ao método de gestão PDCA (do inglês, plan-do-check-act, ou seja, planejar, fazer, checar e agir) aliada à meritocracia e foco financeiro. A antiga Brahma e depois a AmBev foram excelentes e constantes clientes nossos ao longo de muitos anos, a Falconi está trabalhando com a AmBev até hoje. A meritocracia é uma coisa que todo mundo apoia, mas pouca gente sabe praticar ou está disposta a enfrentar a sua realidade. Você está disposto a promover um bom empregado e deixar de lado um parente ou amigo que não é tão bom? Outra característica é que a escolha dos futuros líderes é feita por métodos bem claros, nos quais se destacam a capacidade de atingir metas e o alinhamento aos valores da empresa. O foco financeiro é outra coisa que todo mundo fala que tem. No entanto, o que chamo de foco financeiro é realmente colocar as prioridades onde o retorno do dinheiro é maior em qualquer nível da empresa. Isto nem sempre é óbvio. O que deve ser levado em consideração ao se estabelecerem metas? Existem três eixos da gestão: estabelecimento de metas; reestruturação organizacional e de processos e método (PDCA). Estabelecer metas não é para principiantes. Inicialmente, é necessário saber onde as metas serão estabelecidas. Elas são estabelecidas em indicadores previamente determinados pela formulação estratégica da empresa. Uma vez determinados esses indicadores, o próximo passo é avaliar as possibilidades de ganhos em cada um deles. Chamamos de “lacuna” essas possibilidades de ganhos. Tomando como base tais lacunas, é feita uma primeira proposição de metas. Cada meta é então discutida com seu dono, com o executivo responsável por atingi-la. Esta discussão deve ser exaustiva até que todos estejam seguros de que a meta é justa e de que será possível atingi-la, mesmo que não saibamos ainda como.


Em que aspecto de gestão as empresas brasileiras pecam mais? Em tudo. Cada empresa tem seus pontos fortes e fracos. É raro encontrar uma empresa que faça tudo de acordo com o figurino. Em algumas, as metas geralmente são mal estabelecidas e, em muitos casos, as pessoas não acreditam que poderão ser atingidas. Em outras, a organização e os processos nunca são revistos. Ora, tudo muda em nossa volta, novas tecnologias, novos regulamentos governamentais, novos materiais, novos concorrentes, entre outros, e, portanto, nossa organização e nossos processos devem mudar constantemente. Eu recomendo uma revisão a cada cinco anos pelo menos. Finalmente, a prática do método PDCA de gestão é uma coisa que engana. Todo mundo olha o modelo e pensa: “Isto eu conheço”. Eu geralmente falo que as pessoas sabem é desenhar o PDCA, mas praticá-lo no dia a dia e por toda a empresa não é coisa para principiantes. Tem que haver muito trabalho e dedicação. Não existem fórmulas mágicas e instantâneas. Na atual conjuntura econômica, qual deve ser o foco da gestão, no setor privado? É muito difícil fazer esta recomendação, pois cada caso é diferente. Cada empresa tem suas peculiaridades. O que eu posso afirmar é que a maioria das empresas hoje está muito preocupada com custos. Gosto muito de diferenciar custos de desperdícios. O custo pode ser bom e, em alguns casos, até devemos aumentá-lo. No entanto, os desperdícios, despesas que não agregam valor, devem ser constantemente eliminados da organização.

A Falconi foi contratada pelo governo estadual do Rio de Janeiro para uma consultoria na área de educação. Qual foi o diagnóstico da situação e o que foi feito a partir dele? Entre a primeira e segunda gestão do governo Cabral, ele foi muito criticado pelos resultados da educação. O estado do Rio de Janeiro, muito embora fosse o segundo estado mais rico da federação, estava em penúltimo lugar na educação! O governador nos procurou e nos perguntou o que podíamos fazer. Após avaliar a situação, nós lhe garantimos que se a Falconi atuasse em conjunto com o time do governo, que é nossa forma de trabalho, o estado do Rio de Janeiro estaria entre os cinco primeiros no final de seu mandato. Vale a pena registrar dois fatos. O primeiro fato foi uma reunião de nosso time com todo o secretariado do governador. O Secretário das Finanças nos questionou duramente sobre a meta que colocamos e isto provocou uma discussão que foi construtiva. Eu me levantei indignado para ele e disse: “Secretário, nós sabemos estabelecer metas e nos deu muito trabalho estabelecer esta. Caso o governador concorde, ele chegará entre os cinco primeiros após quatro anos. Eu não admito dúvidas quanto a isto”. Chegamos em terceiro! O segundo fato foi a apresentação de nossa proposta ao governador. Antes de apresentar a proposta, nós falamos para ele o seguinte: “Governador, nós vamos lhe apresentar um slide. Se o senhor concordar iremos adiante; se não, desistiremos antes mesmo de apresentar o resto”. O slide continha alguns pontos-chave. Ele topou tudo. Foi a melhor experiência que tivemos em gestão da educação no Brasil. Batemos a meta. O Wilson Risolia, que foi o secretário da Educação responsável pelo feito é, hoje, o responsável pelo grupo de educação da Falconi Consultores de Resultado.

CDL NITERÓI 13


14 O LOJISTA n maio 2017


CDL NITERÓI 15


CAPA

Cartão CDL Multibenefícios: uma nova moeda para o comércio de Niterói

16 O LOJISTA n maio 2017

A

Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) firmou parceria com a administradora de cartões Life Card, empresa do grupo PersonalCard, com objetivo de trazer para Niterói o Cartão CDL Multibenefícios. O cartão chega como uma nova moeda para a cidade. Sem custo para as empresas associadas à entidade, o benefício busca ampliar o poder de compra dos funcionários, sem causar endividamento, por ser um adiantamento com desconto em folha e não uma linha de crédito. Além disso, com um amplo credenciamento dos comerciantes e prestadores de serviços locais, o uso do produto ainda visa aumentar a movimentação e o consumo no comércio local. O cartão CDL Multibenefícios é aceito na rede credenciada de todo o país, abrangendo os mais de 20 mil estabelecimentos que integram a administradora Life Card. Para


CAPA

o associado, a contratação é feita sem custo mensal, não existe taxa de administração e tarifas, e ainda integra em um único cartão a possibilidade de compras em supermercado, restaurantes, postos de combustíveis, farmácias, livrarias, entre outras lojas habilitadas. Já para o funcionário, além dos inúmeros estabelecimentos que aceitam o pagamento com o cartão, existe a vantagem de uma antecipação salarial pré-determinada pela empresa, com prazo de 40 dias para pagamento, sem juros, por se tratar de desconto em folha. “Nossa visão é aumentar o potencial de compra dos colaboradores, ampliar o consumo no comércio local, já que as pessoas não ficam restritas a um único segmento, como é o caso do vale-refeição, e ainda garantir o crédito limpo. Por se tratar de um adiantamento salarial, o Cartão CDL Multibenefícios não causa endividamento, pois as famílias podem se programar para consumir o valor disponibilizado e as empresas vão ter uma ferramenta de gerenciamento que oferece segurança, garantia de controle e acesso em múltiplas plataformas, sem se preocupar com nada, já que os valores são repassados à administradora que cuida do pagamento dos estabelecimentos credenciados”, destaca o presidente da CDL, Fabiano Gonçalves. Como o cartão é aceito exclusivamente na rede credenciada, a habilitação dos estabelecimentos da cidade foi iniciada em janeiro e tem sido divulgado pelos representantes da Life Card e da CDL, que estão em contato

direto com os associados da entidade. O atendimento também é feito, ainda, na sede da CDL, na Rua Andrade Neves, 31, no centro de Niterói e pelo telefone (21) 2621-9919, ramal 1074. A expectativa, de acordo com Fabiano Gonçalves, é de que já no primeiro semestre deste ano o portfólio englobe a maioria dos lojistas que fazem parte da instituição. Junto com o credenciamento, os estabelecimentos também recebem um adesivo, que identifica o recebimento através do Cartão CDL Multibenefícios e serão incluídos na rede de credenciados Life Card, que pode ser consultada no site e também através de um aplicativo de celular. De acordo com a administradora do cartão, o sistema operacional também permite consulta de saldo e extrato, facilitando a vida do usuário, e o recebimento é feito através de sistemas operacionais já conhecidos pelosproprietários de estabelecimentos que trabalham com recebimento de crédito e débito. Como nova moeda, essa integração de multibenefícios tem destaque para um clube de descontos, que contempla diversos hotéis e pousadas, e para o Programa de Benefícios de Medicamentos (PBM), com descontos de até 60% em ampla rede de farmácias. Os beneficiários das empresas que já fazem parte da rede credenciada nacional da Life Cardpoderão ter acessoa planos odontológico e médico, extensivos aos familiares, estabelecendo uma rede complementar de saúde, com consultas médicas por valores especiais. No entanto, é necessário que o empresário faça a adesão ao plano, e o pagamento de uma taxa mensal.

Cartão chega como uma nova moeda para Niterói, sem taxa de adesão e sem custo mensal

CDL NITERÓI 17


NEGÓCIOS

Niterói amplia vocação como polo de moda

O

setor da moda está em evidência em Niterói. Com a intenção de resgatar a identidade como polo produtivo, reconhecer talentos, estimular a produção e desenvolver o circuito na cidade, a Prefeitura estabeleceu um plano de criação do “Espaço de Conexão Colaborativa da Cadeia da Moda de Niterói”. O projeto está no período de prospecção, no qual são buscados apoiadores e também um local para estabelecer essa indústria criativa, tendo como público-alvo microempreendedores, micro, pequenas e médias empresas e entidades ligadas ao comércio e ao setor. Segundo a subsecretária-executiva da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Lindalva Cid, a proposta para 18 O LOJISTA n maio 2017

o espaço reúne estações de trabalho colaborativas, uma “co-fábrica”, que seria uma produção colaborativa e com equipamentos compartilhados, com salas de costura, corte, modelagem econsultorias de desenvolvimento de produtos. Além de salas de reunião e coaching, espaço de convivência, área de alimentação e um espaço business para alavancar as vendas e a visibilidade das marcas e produtos vinculados e desenvolvidos nessa conexão. “Assumimos essa indústria criativa como meta dos 100 dias de governo. Essa é uma proposta que está virando realidade. Nossa primeira ação foi ouvir empresários e entidades ligadas ao setor. Agora estamos no período de pesquisa e análise do melhor local para receber esse espaço,

que pode ser público ou privado, e de busca de apoiadores. Temos o objetivo de desenvolver um polo produtivo, mas que também ofereça cursos e tenha uma forte vertente comercial, ou seja, com produção, aprendizado e venda, porque nenhum negócio sobrevive sem essa comercialização”, explica Lindalva. Ainda de acordo com a subsecretária, Niterói, com sua capacidade de atrair criatividade e inovação, assim como seus muitos talentos e o fato de ser um grande polo universitário, precisa fomentar sua vocação como cidade onde a economia do conhecimento e a indústria prosperam. “Niterói se identifica com o ‘Conceito dos Três T’s’, do teórico norte-americano Richard Florida: Tecnologia, Talento e Tolerância. Estamos


NEGÓCIOS

entre os melhores índices de qualidade de vida, possuímos uma ou mais universidades de classe mundial, temos inúmeros talentos que nasceram e desenvolveram excelentes projetos na cidade, então precisamos explorar essa vertente e formar um polo aglutinador, um espaço Lindalva Cid, de troca, reaproveitasubsecretária-executiva da mento e, principalmente, Secretaria de Desenvolvimento potencializador de novos Econômico empreendimentos”, diz Lindalva. O projeto prevê um modelo de governança que conte com um conselho de gestão, do qual deverão participar empresários, sindicados, representantes de universidades e de instituições da cidade. Para isso, estão sendo planejadas reuniões estratégicas junto aos apoiadores, para concluir algumas etapas, como a identificação de demandas, a análise de ferramentas digitais para promoção do espaço e a construção de um banco de dados com os perfis de consumidores, fornecedores e empreendedores. Luciana Carneiro/ PMN

"Teremos espaço para o desenvolvimento produtivo, artístico e empreendedor"

Alguns cursos e investidores já foram divulgados, como o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), com cursos de costura, modelagem e corte, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), com empreendedorismo e gestão, e o Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, com designe de moda. Todavia, novas parcerias estão sendo buscadas, assim como o apoio do Governo Federal, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e de agências de fomento para a captação de recursos. Outros, como o Sindicato das Indústrias de Confecções de Niterói e São Gonçalo e o Sistema Firjan, fazem parte do grupo executivo, onde ainda estão enquadrados os representantes do governo municipal e empresários do setor da moda que abraçaram a ideia. “A cadeia da moda faz parte da indústria criativa, então teremos espaço para o desenvolvimento produtivo, artístico e empreendedor.Podemos até ter uma incubadora em Niterói para fortalecer os formados nos cursos e os empresários, tudo isso de forma compartilhada e dinâmica”, ressalta a subsecretária.

CDL NITERÓI 19


empregos

Balcão de empregos da CDL inovou para uma plataforma digital

CDL amplia balcão de empregos

U

ma ferramenta para unir quem oferece vagas de emprego e quem procura por uma colocação no mercado de trabalho. O Balcão de Empregos da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói faz essa ponte, e esse ano inovou para uma plataforma digital com o objetivo de melhor atender empresários e trabalhadores. A facilidade de cadastro atende a necessidade do empreendedor no quesito tempo e, ainda, permite um acesso maior dos trabalhadores, que podem preencher a ficha em casa, com acesso a todos os documentos e informações necessárias para elaborar o currículo da forma mais adequada. Junto à entidade,as empresas podem cadastrar as vagas oferecidas com a certeza de que receberão indicações de candidatos que melhor se encaixarão no perfil do empreendimento. Já o trabalhador, que se coloca à disposição através do cadastro no site da CDL (http://cdlniteroi.com),conta com um serviço diferenciado por meio do acompanhamento especializado durante o processo de apresentação, composição das informações a serem enviadas à empresa e ainda orientações sobre como comparecer ao processo seletivo e se portar na entrevista. Há dois meses funcionando com uma plataforma digital, a CDL já possui cerca de 300 currículos cadastrados. E o objetivo, segundo a responsável pelo banco, a psicóloga Leila Bandeira, especializada em estresse do trabalho e pós-graduada em terapia de família, é alcançar um banco de dados com mais de quatro mil currículos. De acordo com Leila, a cada 10 empresas que buscam o serviço, cerca de sete contratam os candidatos indicados. “E essa facilidade para preencher a ficha on-line tem aumentado a procura”, diz Leila.

20 O LOJISTA n maio 2017

Ainda visando potencializar o trabalho do balcão, a CDL também promove o contato entre empresas e pretendentes. Após a análise dos currículos, quando um candidato demonstra potencial para determinada vaga, Leila conta que ela procura as instituições para indicar o trabalhador. “Às vezes temos empresas que já finalizaram o processo de contratação, mas recebemos o currículo de um candidato que possui todas as características ideais para aquela oportunidade, então fazemos a indicação. Nossa função é ajudar as empresas a encontrarem pessoas qualificadas, e os candidatos a encontrem a oportunidade que procuram. Costumo dizer que não tem pessoa certa ou errada, o que existe é o perfil ideal para cada vaga”, conta Leila. Mas o trabalho do balcão de empregos vai além de ofertar vagas, existe ainda a função social. Como entidade que apoia o empreendedorismo e a inovação, a CDL também auxilia os candidatos que possuem um perfil empreendedor e experiência com negócios próprios a buscar a sua autonomia. Nesses casos, os candidatos são orientados para a Sala do Empreendedor, onde recebem informações de cursos, palestras e acompanhamento para legalização e funcionamento do seu próprio empreendimento, seja como Microempreendedor Individual (MEI) ou como empresa de pequeno e médio porte. “Quando o candidato chega para a entrevista e eu percebo que ele não tem perfil de funcionário, mas sim de empreendedor, encaminhamos para a Casa do Empreendedor e orientamos sobre os cursos. Nosso propósito é maior do que somente encaminhar as pessoas para vagas, estamos aqui para abrir portas para o cidadão e orientá-lo sobre novas oportunidades”, ressalta Leila.


JURÍDICA

TJSP determina revisão de juros abusivos cobrados em empréstimo pessoal Por Alexandre Andrade Assessor Jurídico CDL Niterói www.pereiradeandrade.adv.br

J

á ouviu aquela máxima de que banco faz o que quer nesse país? Pois é quem nunca? Os tempos teriam mudado ou o título dessa matéria indica uma exceção? Muitas perguntas surgem e nesse tempo de crise econômica as respostas interessam a muita gente, principalmente quando se está em meio a uma montanha de dívidas, bancos batendo a sua porta e escritórios de cobrança ligando para todos os telefones possíveis. Saber da possibilidade de revisão dos juros contratados não me parece nada mal, principalmente quando sabemos que moramos num país onde pagamos as mais altas taxas de juros do mundo. E não é de hoje que o mercado financeiro brasileiro pratica juros exorbitantes e que pequenos empresários e pessoas físicas sofrem verdadeiro circo dos horrores na hora de pagar suas prestações bancárias. Pois bem, a 22ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que uma instituição financeira revise os juros remuneratórios de um empréstimo pessoal fornecido a um cliente, muito superiores à média praticada pelo mercado no mesmo período. A taxa anual de juros da operação foi da ordem de 706,42%. O relator do recurso, desembargador Matheus Fontes, escreveu em sua decisão que os juros cobrados “discrepa-

ram, e de modo substancial, da média de mercado contemporânea, tornando-se manifestamente abusivos, inclusive por não justificada a elevação pelo risco da operação”. Para corrigir o abuso, os juros deverão ser reduzidos até a taxa média praticada por instituições financeiras no período, mediante o recálculo da dívida. O melhor de tudo é que o mesmo Juiz determinou que cópia do processo fosse enviada ao Ministério Público do Estado de São Paulo – mais especificamente a uma das Promotorias de Justiça do Direito do Consumidor – e à Diretoria de Fiscalização do Banco Central do Brasil, para que as entidades analisem o caso e tomem eventuais providências, “uma vez constatada evidente e cabal ofensa ao direito do consumidor”, escreveu o relator. A grande questão a se comemorar é que essa pode ser uma tendência da justiça a partir de agora. Decisões como essa podem se tornar comum a ponto de instituições financeiras passarem a, espontaneamente, praticar juros médios mais apropriados e adequados ao perfil do consumidor brasileiro que não aguenta mais sofrer. Seria um sonho?

CDL NITERÓI 21


22 O LOJISTA n maio 2017


DIREITO DIGITAL

As relações de consumo no universo do e-commerce Por Antonio Carlos Barragan Advogado Consultor Empresarial; Contador; Perito; Professor universitário de Direito Digital, Direito Tributário e Direito Financeiro; Pós-graduado em Direito Público; MBA em Direito Securitário; e Mestre em Direito Econômico e Desenvolvimento

M

uito ainda se discute sobre a regulamentação do comércio eletrônico (e-commerce) no mundo. No Brasil, em especial, tivemos uma nova abordagem legislativa que almejou regulamentar aquela modalidade de comercialização de acordo com as regras dispostas no vigente Código de Defesa do Consumidor (CDC). Trata-se do Decreto nº7.962, de 15 de março de 2013, que dispôs sobre a contratação no comércio eletrônico. De forma cristalina, a dito normativo estabeleceu importantes regras consumeristas para o conteúdo mínimo que deve ser exposto nos sítios eletrônicos (sites) e nos demais meios eletrônicos de comercialização por parte dos comerciantes, de maneira a prestar a melhor e mais clara informação ao consumidor tanto sobre o produto, mercadoria e serviço adquiridos, quanto em relação àquele que os oferta. Naquele sentido, a empresa que opta por inaugurar um site para realizar o e-commerce deve, imprescindivelmente, fazer constar no aludido site o seu nome empresarial e o seu número de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoas Físicas (CPF) ou no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) do Ministério da Fazenda; informar o endereço físico e eletrônico, e demais informações necessárias para sua localização e contato; destacar as características essenciais do produto ou do serviço, incluídos os riscos à saúde e à segurança dos consumidores; discriminar, no preço, quaisquer despesas adicionais ou acessórias, tais como as de entrega ou seguros; apresentar as condições integrais da oferta, incluídas modalidades de pagamento, disponibilidade, forma e prazo da execução do serviço ou da entrega ou disponibilização do produto; e, por fim, informar de forma clara e ostensiva sobre quaisquer restrições à fruição das ofertas. Outro ponto que merece demasiado destaque se refere ao direito de arrependimento do consumidor. Em seu

site ou no contrato eletrônico a ser firmado, o fornecedor deve informar, de forma evidente e de fácil interpretação, os meios adequados e eficazes para o exercício do direito de arrependimento pelo consumidor, porquanto ele tem o direito de desfazer a aquisição do produto, mercadoria ou serviço sempre que se implementarem as condições legais para o exercício daquele direito.Ressalta-se que o descumprimento das regras estabelecidas para o comércio eletrônico, resultará na imputação de sanções de cunho administrativo, civil e penal– quando cabíveis – sobre o comerciante. Nesta linha, percebe-se que o legislador quis estabelecer uma relação de consumo bastante transparente, acompanhando o viés dos ditames do CDC, o que torna aquela relação bastante salutar e passível de desenvolver, com mais facilidade, a fidelização da clientela. A empresa que age em conformidade com as regras consumeristas ganha a confiança de seus consumidores que, na maior parte dos casos, volta a adquirir novos produtos, mercadorias ou serviços com aquele comerciante. Por outro lado, se o consumidor se sente lesado na relação de comércio eletrônico, além de não adquirir mais nada com aquele comerciante, ainda se utilizará das redes sociais para denegrir a imagem da empresa contando o episódio fatídico que se passou na relação de consumo com o referido comerciante. Por isso, é preciso estar em plena conformidade com a legislação consumerista vigente quando o lojista realizar o e-commerce, destacando-se que não há dificuldades na relação de consumo estabelecida por meio virtual se o comerciante possuir um acompanhamento adequado de seu site, o qual permita que ele sempre esteja de acordo com as regras consumeristas estabelecidas para aquele meio de comercialização. Portanto, estabeleça suas atividades de acordo com a legislação vigente e boas vendas! CDL NITERÓI 23


direito

Mediação oferece rapidez na resolução de conflitos

A

tuando há três meses junto à Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói, a Câmara de Mediação e Solução de Conflitos – Mediathus aposta na informação para atrair a atenção dos associados sobre a possibilidade de trabalhar processos e conflitos sem a necessidade de litígio. A parceria traz benefícios únicos para Niterói, que conta agora com sua primeira Câmara de Mediação, serviço antes somente encontrado na capital. Segundo a advogada e perita judicial, Alcilene Mesquita, uma das responsáveis pelo atendimento na Mediathus, a empresa funciona como um facilitador, que busca quebrar o paradigma da cultura do litígio através da abertura de um canal sólido de comunicação entre as partes de um processo. Com isso, a empresa se propõe a diminuir o tempo demandado em determinados procedimentos, permitindo economia e garantindo a confidencialidade dos envolvidos. “Um processo hoje em dia, por menos complexo que seja, não dura menos de um ano, isso em juizados que possuem um número menor de processos. Já na justiça comum, esse tempo mínimo pode chegar a cinco anos, mesmo com as mudanças feitas

24 O LOJISTA n maio 2017

É preciso quebrar o paradigma da cultura do litígio e a mediação chega como um facilitador dos processos judiciais recentemente no código civil para atenuar o número de recursos. Na mediação, apesar do custo inicial, existe uma celeridade na resolução do conflito, com economia de tempo e, consequentemente, dinheiro, além de evitar toda a questão de desgaste emocional e as idas constantes em representações na justiça”, explica Alcilene. Para a advogada e consultora jurídica Raimunda Prazeres Neta Sampaio, que sempre busca orientar os clientes sobre as vantagens da media-

ção, com as facilidades advindas das mudanças do código civil, o papel do advogado também foi alterado, passando a ser um solucionador e não apenas instrumento do processo. “O ideal é que sejamos solucionadores de conflitos, caminhando junto com o cliente. E as câmaras de medição possibilitam que o advogado resolva os casos de seus clientes em menor espaço de tempo, com maior êxito e menor custo emocional e financeiro. Como advogados, somos auxiliares da justiça e, para cumprir com as nossas responsabilidades, precisamos olhar além das disputas judiciais, além da cultura do litígio”, diz Raimunda. A confidencialidade do procedimento e a comodidade também são fatores providenciais para as empresas que decidem usar a medição para resolver impasses. De acordo com a advogada Verônica Estellita, também responsável pelo atendimento da Mediathus, o contexto colaborativo promovido pela medição, construído a partir de técnicas de resolução de conflitos, garante às partes segurança e resguardo das informações, o que não ocorre nos processos litigiosos,


direito

em que os envolvidos são abertamente citados e podem até ter seus nomes listados no ranking de empresas com demanda no judiciário, mesmo que na posição de autor da ação. “Essa parceria com a CDL visa ajudar os associados trazendo facilidades para que eles resolvam seus problemas jurídicos ou pendências através da mediação, em um ambiente salu-

tar, de forma mais humanizada, rápida e prática, sem a necessidade do problema chegar ao judiciário. A mediação é a abertura de um canal de comunicação, para que os envolvidos na situação entendam o que causou a falha e para que possam tentar solucioná-la. E isso pode ocorrer em qualquer momento do processo ou até mesmo antes que haja um processo”, diz Verônica.

Com descontos exclusivos para associados da CDL, a empresa oferece sessões de mediação sobre questões de direito, negociações referentes ao setor imobiliário, relações de consumo, bens e produtos, assim como questões de caráter pessoal, como divórcios, problemas condominiais, entre outros. Para agendar uma reunião o associado deve entrar em contato com a CDL Niterói de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h, através do telefone 2621-9919 ou pelo WhatsApp 96511- 5016. Os valores cobrados pelos serviços podem ser consultados no site da entidade (http://cdlniteroi.com). E essa modalidade se aplica ainda a disputas no mercado digital, como explica o advogado Rafael de Lima Nunes Thiago: “Eu trabalho com empresas de Tecnologia da Informação (TI) e digitais e, nessas áreas, a velocidade e a economia de tempo são questões fundamentais. As empresas não querem ficar brigando, principalmente na justiça, por assuntos de marca, patentes, questões concorrenciais. Dessa forma, mantemos uma parceria com as câmaras de medição para resolver esses problemas de forma amigável e rápida”.

CDL NITERÓI 25


COMÉRCIO EXTERIOR

Sua empresa está na vuca? Por Jorge Elias Milhen Consultor de Comércio Exterior da CDL Niterói www.icontrade.com.br | jorge@icontrade.com.br

R

ecessão econômica? Incerteza política? Concorrência inconsequente? O ruim que vira uma oportunidade? São dinâmicas de um mercado volátil, incerto, complexo e ambíguo, ou VUCA na tradução para o inglês. Termo nascido no âmbito militar – no final dos anos 90 – o ambiente VUCA não pode ser descartado por qualquer empresa, ao contrário: deve ser tratado como o “novo normal”. Tal qual a mensagem da esfinge de Tebas “Decifra-me ou te devoro” o ambiente VUCA vai eliminar aquelas empresas que se mostrarem incapazes de sobreviver e se desenvolver neste meio ambiente contemporâneo: o caos é a ordem da vez! A volatilidade está ligada à velocidade com que mudanças que são praticadas no mercado – novos produtos, serviços e mesmo a forma de produzi-los ou servi-los – estão revolucionando muitas áreas como a de transportes, informática ou o varejo, apenas para citar alguns exemplos. A incerteza provocada pela economia e política obriga o gestor a reprogramar seus estoques e buscar novas práticas de divulgação. A complexibilidade de estabelecer as reais causas da queda das vendas assusta até mesmo os negócios mais 26 O LOJISTA n maio 2017

A incerteza provocada pela economia e política obriga o gestor a reprogramar seus estoques e buscar novas práticas tradicionais e de produtos de primeira necessidade. A ambiguidade é responsável pela falta de clareza para entender determinado acontecimento: afinal, as consequências de uma crise econômica e política não geram qualquer oportunidade para sua empresa? Aposto que sim! Trocando em miúdos: de que forma sua empresa está expandindo seus negócios? A “forma” como as coisas têm sido feitas em sua empre-

sa são as melhores “formas”? Não poderiam ser mais rápidas ou mais baratas? Como anda sua relação com a clientela? Já se perguntou o porquê de ela comprar com você ou o porquê de ela não estar comprando? Só existe uma maneira de saber isso com certeza... penso que você conhece bem a resposta. Além disso, destaco que um acompanhamento de perto das ações de sua equipe pode significar o aumento de produtividade ou redução de custos com medidas muito simples como a implementação de uma reunião diária de 15 minutos, por exemplo. Quer saber mais sobre como sua empresa pode “surfar na onda” da VUCA sem se afogar? Entre em contato e vamos conversar! Um abraço, até a próxima e mantenha seu alvo na mira, sempre!


LOCAL

Em 2017 potencialize seus negócios fazendo os cursos 18h30 às CDL Niterói realizados pela CDL Niterói 21h30 e o Sebrae. TÉCNICAS DE VENDAS

03 agosto a 07 agosto

Conteúdo: A importância da venda consultiva; As diversas funções do vendedor; Desenvolvendo habilidades de prospecção de mercado e busca de clientes; Principais ferramentas de vendas para a entrevista de diagnóstico; Desenvolvendo a habilidade de levantar necessidades de clientes; Princípios fundamentais do processo de negociação; Organização das ações de pós-venda.

230,00

CONTROLES FINANCEIROS

17 agosto a 21 agosto

18h30 às 21h30

CDL Niterói

Conteúdo: Controle, previsão e análise do caixa; A origem dos recursos e seus registros; Análise do fluxo de caixa; Determinação do capital de giro; Apuração dos resultados da empresa.

E não esqueçam esse é o ano do e-commerce! Prepare-se 08h30 às CDL Niterói 18h00 para esta nova realidade do comércio.

230,00

ANÁLISE E PLANEJAMENTO FINANCEIRO

31 agosto a 04 setembro

Conteúdo: A administração financeira da empresa; Projetar fluxo de caixa; Fatores que influenciam o planejamento; Definição de metas com base nos resultados; Conclusão do plano: Afinal, este negócio é viável?

230,00

INICIANDO UM PEQUENO GRANDE NEGÓCIO

14 setembro a 25 setembro

08h30 às 18h00

CDL Niterói

Conteúdo: Perfil empreendedor; Identificação de oportunidades de negócios; Análise de mercado e financeira; Concepção dos produtos e serviços; Orientação para elaboração do Plano de Negócios.

340,00


28 O LOJISTA n maio 2017

O lojista Maio  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you