Page 1

O LOJISTA Edição 557 | Setembro 2016

Ano XXXVIII | www.cdlniteroi.com.br

municipais

A hora da escolha chegou Parque das Águas Após revitalização o Parque Municipal Eduardo Travassos será o novo espaço de lazer e cultura de Niterói

Parceria

CDL Niterói fecha parceria com a agência de viagens 4 Cantos

niteroi

CDL

Câmara de Dirigentes Lojistas de Niterói


De Utilidade Pública: Estadual, Lei no 5579/65 / Municipal, deliberação no 2539/65 CONSELHO SUPERIOR Presidente: Joaquim Manuel de Sequeira Pinto Vice-presidente: Ademir Antunes Carvalho MEMBROS DO CONSELHO SUPERIOR Antonio Carlos Costa Pires, Domingos de Carvalho Rodrigue, Elida Gervásio Gouvêa, Ithamar Torres Mancen, José Dornas Maciel, Lúcio Ferreira de Azevedo, Manoel Alves Junior, Orlando Cerveira Francisco, Roberto Mauricio Rocha, Salomão Guerchon. Suplentes: Gentil Moreira de Sousa e Marina Espósito Haddad. DIRETORIA ADMINISTRATIVA Presidente: Luiz Vieira Diretores: Fausto Regis de Oliveira Reis, Graciele Davince Pereira, Jorge Gentile, Mauricio Nassib Moita Zarife, Oswaldo Rodrigues Vieira, Rogerio Rosetti Mendes, Ruan Carlos Teixeira de Oliveira, Sidney Moyses Vianna Freire Suplentes: Alberto Guilherme Magalhães Ducan e Felipe Reis de Almeida Gerente geral: Walter Monnerat CONSELHO EDITORIAL Fabiano Gonçalves, Joaquim Pinto e Walter Monnerat

O LOJISTA

niteroi

SERVIÇOS DA CDL Serviço de Proteção ao Crédito, Serviço de Relações com Usuários, Central de Informações, Central de Cadastro, Central de Processamento de Dados, Assessoria Técnica, Consultoria Jurídica, Serviço de Documentação e Divulgação e Serviço de Administração

Editora e Coordenação: Kelly Goldoni - MTE: 34527/RJ e Lene Costa Redação: Goldoni Comunicação Diagramação: Alyne Gama Jornalistas: Milena Bouças e Lene Costa. Fotos: Divulgação CDL Niterói

Publicação dirigida da CÂMARA DE DIRIGENTES LOJISTAS DE NITERÓI, contendo legislação, índices econômicos e condensado de notícias e informações de interesses do comércio lojista. Distribuição: Câmaras de Dirigentes Lojistas, Associações Comerciais, Federações do Comércio, Sindicatos e demais entidades de classe do País, identificadas com as atividades do comércio, bem como empresários e executivos especialmente cadastrados. O LOJISTA utiliza as seguintes fontes para editar o condensado de notícias: O Globo, Jornal do Commercio, A Tribuna, O Fluminense e Diários Oficiais. Os índices, estatísticas e projeções são cuidadosamente compilados, de acordo com os últimos dados disponíveis no fechamento da edição. O uso dessas informações para fins comerciais e de investimentos é de exclusiva responsabilidade e risco dos seus usuários. IMPORTANTE: As matérias assinadas são de respnsabilidade de seus autores. Endereço para Correspondência Rua General Andrade Neves, 31, Centro, Niterói, RJ CEP: 24210-000 / Tel.Fax: (21) 2621-9919

EDITORIAL

Crise é incentivo para quem tem determinação

Atualmente é comum mantermos o hábito de utilizarmos recursos em nossas empresas nos preocupando em cortar custos, mas sem abrir mão de fatores, que, muitas vezes, são indispensáveis para alcançarmos o sucesso dos negócios. O engraçado, sobretudo, que são os momentos de crises que revelam para o empresário que cortar gastos e replanejar as direções é um caminho inevitável. Até porque, no mundo dos negócios, criar novas diretrizes, estudar melhor o mercado, ajeitar a loja, rever os conceitos, trocar os funcionários que estão com baixa produtividade, trocar os fornecedores que estão com pouca participação nos resultados; enfim, sair da zona de conforto, buscando novas alternativas para se adaptar à nova realidade do mercado, é mais do que necessário para nossa sobrevivência. O que sucede é que às vezes os momentos de dificuldades são os que nos ensinam como administrar melhor nossas empresas. E, diariamente, são as preocupações e as experiências que mostram as alternativas a serem tomadas e nos levam à análise dos nossos erros. Há, no entanto, a importância de ressaltarmos que em situações como a que citamos acima somente com planejamento, direção e controle podemos superar as etapas difíceis. Seja como for, crises são processos que se repetem, e delas são tiradas inúmeras experiências, haja vista as crises do petróleo, da carne, de energia elétrica, do abastecimento de água, de 1929, de 2008, etc. Todas nos ensinaram a criar alternativas e buscarmos soluções. E a atual certamente não será diferente. Sobreviverão aqueles que não se acomodarem, e se ajustarem. Na realidade, administrar uma empresa quando o mercado está aquecido é fácil. Difícil é fazer esses ajustes e passar por esse desafio. Nesse sentido, a CDL Niterói trabalha para orientar, capacitar, consultar, criar oportunidades e trocar experiências. Acreditamos que somente por meio da união conseguiremos superar este momento crítico, pois enquanto uns choram, outros vendem lenços. Então sonhe grande, porque sonhar pequeno gasta a mesma energia. Por fim, afirmo que os índices do bimestre passado, que mostram um pequeno recuo da crise, estabeleceram o ponto de partida para começarmos a nos levantar. Afinal, é hora de acreditar e não deixarmos a peteca cair. Porque desde que o mundo é mundo, nós, que somos e formamos a força empresarial que movimenta a economia deste país, não conhecemos outra solução que não seja agir, lutar, construir e trabalhar. Vamos em frente!

Luiz Vieira

Presidente

Impressão Gráfica Primil (21) 3078-4300 Circulação Mensal Nacional | Tiragem: 7.000 Exemplares

CDL NITERÓI 3


EDIÇÃO 557

ÍNDICE 06

capa

café

empresarial

Cidades Curtas

12

Jurídica

Turismo

10

13

Matéria

17 20

Leis tributárias

4 O LOJISTA n setembro 2016

18

Gestão empresarial

Fique atento

23

21

Educação em pauta Olimpíadas Rio 2016

Política

09 11

16

CDL realiza

Curtas

CDL Niterói encomenda pesquisa sobre as eleições para a Prefeitura de Niterói

08

Na contramão da crise

26

24 25


CAPA

Eleições

municipais

Entenda a importância do seu voto

6 O LOJISTA n setembro 2016

M

uitos são aqueles que não se interessam por política, outros que são descrentes com qualquer tipo de candidato - optando assim pelo voto nulo ou branco - e ainda há outra pequena parcela que cede o seu voto a qualquer pretendente ao cargo legislativo, sem saber as propostas do futuro representante da sua cidade. Diante desse cenário, cientistas sociais defendem que entender a dinâmica da sociedade é importante para compreender a política, habituando os cidadãos a identificar algumas falácias e discursos contrários à realidade, como explica o cientista social Felipe Maruf Quintas. “O comportamento eleitoral no Brasil delineia-se conforme as classes sociais, entendidas nos aspectos econômicos e simbólicos. É uma questão sociológica e não técnica ou moral”, diz. Logo, para a eleição desse ano - que elegerá em todo o país prefeitos e vereadores -, em 2 de outubro, o conselho de muitos cientistas para os eleitores é que escolham seus representantes de forma consciente, pois além de significar um ato de cidadania, é ela que interfere diretamente na vida da população. Dessa maneira, é preciso estar atento! Pois, para as eleições de 2016, algumas regras foram modificadas. A duração da campanha, antes em 90 dias, passou para 45 dias. Além disso, o período de propaganda eleitoral diminuiu de 45 para 35 dias. Além dessas mudanças, houve também alterações com relação à quantidade mínima de votos que um candidato deve receber para ser eleito. Agora, um vereador, por exemplo, para ser considerado eleito precisa receber votos que atinjam 10% ou mais do seu quociente eleitoral. E cada coligação ou partido terá direito a registrar no máximo 150% das cadeiras nas câmaras municipais, exceto em municípios que tenham um número de até 100 mil eleitores. Vale lembrar, também, que entre essas reformas encontra-se a proibição do financiamento eleitoral por pessoas jurídicas. Na prática, isso significa que as campanhas eleitorais deste ano serão financiadas exclusivamente por doações de pessoas físicas e pelos recursos do Fundo Partidário. Para Maruf, o fim do financiamento privado da campanha é importante para o incremento da democracia. “A democracia quando não é somente formal, mas constitui um modo de vida, leva não somente à conservação de antigos direitos, mas também à criação de novos, expandindo as possibilidades de ação de cada vez mais pessoas”, destaca. Sendo assim, conhecer as propostas do futuro representante da cidade vai muito além de gostar ou entender de política, e sim um compromisso responsável que acarreta em várias consequências, podendo ser elas boas ou ruins. Talvez o princípio maior da reforma política seja a ampliação da participação popular nas lutas de interesse.


Empresariado se une para eleger um representante Faltando praticamente um mês para as Eleições 2016, o empresariado de Niterói já se mobiliza para eleger um representante que esteja à frente da pasta na Câmara Municipal. O nome do pretendente ainda não foi divulgado, mas o que tudo indica é que ele será a voz do comerciante e lutará pelo setor. No momento, o que se sabe é que o candidato é jovem e tem grande experiência no ramo do comércio. Segundo Marinho Neiva, da Empresa Central Sat. Com. Produtos Eletrônicos, as expectativas dos comerciantes são as melhores possíveis. “É de imensa responsabilidade que o comércio tenha um representante, de forma que, conhecendo as dificuldades encontradas dentro do setor e sendo uma pessoa de relacionamento sempre ativo com os comerciantes, estaria apto a projetar - juntamente com os amigos comerciantes - meios de crescimento e de desenvolvimento no setor, para progresso de nossa cidade”, diz Marinho.

?

Você sabia

Em tempos de eleição, não faltam promessas. O apelo e a tentativa de persuasão são um dos mecanismos mais usados pelos candidatos. Desse modo, é necessário o eleitor se resguardar e entender as funções do prefeito e do vereador de uma cidade. Assim, ele não é “enganado” e consegue avaliar facilmente as verdadeiras propostas.

Prefeito: eleito a cada quatro anos, o prefeito é o Chefe do Poder Executivo do município, com funções atribuídas às áreas políticas, executivas e administrativas. Entre suas principais responsabilidades estão a defesa dos interesses públicos municipais e a viabilização do acesso aos bens essenciais, como segurança, saúde e educação. Além disso, é ele que aprova, veta e elabora projetos de lei que estejam de acordo com a Câmara Municipal e com os interesses da população. Vereador: a função legislativa consiste em elaborar, apreciar, alterar ou revogar as leis de interesse para a vida do município. Essas leis podem ter origem na própria Câmara ou resultar de projetos de iniciativa do prefeito ou da própria sociedade, por meio da iniciativa popular.

CDL NITERÓI 7


CAfé empresarial

Na contramão da crise

C

omo sair da crise?”. O tema que parece inicialmente audacioso é nada menos do que uma oportunidade de reflexão - dada pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Niterói em mais um encontro do Café Empresarial - para as empresas reverem as finanças e a forma como estão conduzindo os negócios. Durante o encontro, o palestrante e consultor de empresas do Sebrae, Luciano Brender, mostrou alguns mecanismos para o empresário ter resultados positivos, mesmo em meio a um cenário econômico nada animador. Esses mecanismos, segundo ele, estão aliados a três pilares: controle, análise e planejamento. Eles geram dados e informações para a elaboração de relatórios financeiros, como controle de vendas, apuração dos resultados, fluxo de caixa e balanço gerencial. “O momento que vivemos financeiramente é a chance que a gente tem de ‘parar’ e revermos a forma como conduzimos os nossos negócios e, especialmente, as nossas finanças. A oportunidade de sabermos como a gente dá o devido tratamento. Pois, às vezes, negligenciamos o processo de controle e é em função dessa ne-

8 O LOJISTA n setembro 2016

gligência que a gente tem resultados não esperados”, diz Brender. Logo, um dos passos para reavaliar um negócio é analisar os resultados financeiros, apurando lucro ou prejuízo, e identificando quais são os maiores custos e de onde vêm as principais receitas. Depois disso, planejar as ações necessárias para obter resultados cada vez melhores. Outro ponto levantado por Brender para uma empresa ter um resultado satisfatório, e não ser mais uma das empresas que fecham suas portas por má gestão, é acompanhar o desenvolvimento financeiro da empresa, como lucro sobre vendas, rentabilidade do negócio, poder de pagamento,

“Nessa Casa Tem História”

nível de endividamento, margem de contribuição e ponto de equilíbrio. “Tem saída. Primeiro: basta ter vontade de mudar o cenário. E segundo: com técnica, conhecimento e atitude fazer com que essa mudança aconteça. Se a gente ficar realmente esperando a crise nos engolir, seremos engolidos. Agora, se a gente reagir a tempo, conseguiremos reverter o cenário”, finaliza.

Em mais uma edição do “Nessa Casa Tem História”, a emoção marcou a ocasião quando a CDL Jovem, representada por um de seus diretores, Matheus Cerveira e Tiago Tauil, entregou uma placa em homenagem a um dos membros do Conselho Superior, Antonio Carlos Costa Pires. “Recebo essa homenagem com muita honra. A CDL é um trabalho voluntário. A gente trabalha para o bem de uma categoria. Eu sou muito grato em fazer parte dessa classe que conquista tantas coisas a cada dia”, afirma Antonio Carlos.


cidades

O encontro das águas no coração de Niterói

O

s niteroienses já podem comemorar, pois o Parque Estadual Eduardo Travassos, conhecido como Parque das Águas - fechado desde 2012 - já tem previsão de reabertura. Segundo a coordenadora técnica da Unidade de Gestão do Programa (UGP), Luisa Beatriz Santos, a população contará com um “novo” parque que será inaugurado em julho de 2017. A execução da obra está orçada, por meio do financiamento firmado entre a Prefeitura Municipal de Niterói e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em R$7,9 milhões. Esse mês, o parque passará por processo de revitalização com obras de infraestrutura e acessibilidade no local. Instalado em uma área verde de 32 mil metros quadrados, na Rua Coronel Gomes Machado, o espaço ganhará nova pavimentação e novo layout. Entre as novidades estão à construção de trilhas, restaurantes, iluminação especial e intervenções paisagísticas, com implantação de um jardim sensorial. Além disso, para as pessoas com necessidades especiais, haverá a instalação de um elevador de acesso, já que, atualmente, para ir

Divulgação/Prefeitura Niterói

ao local é necessário subir uma longa escadaria. Para Luisa, o espaço poderá incorporar atividades esportivas à vida social da região. “A proposta da prefeitura é desenvolver programas públicos nas áreas de Cultura, Educação e Meio Ambiente no parque, como cursos, shows, programas de atividades físicas, visitação com escolas públicas e privadas para educação ambiental, além de oferecer um espaço seguro para contemplar a natureza na área central de Niterói, e isso sem dúvida, será um ganho para a população”, diz. O projeto prevê, ainda, a instalação de uma academia ao ar livre e de uma área infantil, além da reforma de um auditório, que, entre outras fun-

ções, será um centro de treinamento dos Núcleos de Defesa Civil nas Comunidades (Nudecs). E as novidades não param por aí. Atualmente, o local onde funciona a corregedoria da Guarda Municipal, na entrada do parque, será transformado em um centro de visitantes.

O parque como lugar histórico A reabertura do parque não ficará restrita somente ao lazer que será proporcionado, o lugar será também um ponto histórico, uma vez que trará informações sobre a água. A intenção é contar a história de Niterói, que nasceu como um pequeno vilarejo de pescadores, a partir dessa fonte de vida. No local, há um reservatório centenário – que está diretamente a ver com o crescimento da cidade - com capacidade para nove milhões de litros de água, no qual abastece parte do Centro e da Zona Sul da cidade.

CDL NITERÓI 9


Reprodução/Internet

ELEIÇÕES 2016

Reprodução/Internet

Rodrigo Neves (PV)

Reprodução/Internet

Felipe Peixoto (PSB)

Reprodução/Internet

Flávio Serafini (PSOL)

Danielle Bórnia (PSTU)

10 O LOJISTA n setembro 2016

7

CDL Niterói encomenda pesquisa sobre as eleições para a Prefeitura de Niterói

S

empre preocupada com a população e com o comércio de Niterói e, sobretudo, por entender que o período de eleição é um momento decisivo para mudar um cenário, a CDL Niterói encomendou uma pesquisa para saber o que os niteroienses estão achando dos candidatos à prefeitura de Niterói.  O estudo realizado pelo Instituto Gerp ouviu 700 eleitores entre os dias 13 e 17 de agosto. A pesquisa apontou que se as zonas eleitorais estivessem abertas hoje,  o candidato Rodrigo Neves (PV) seria eleito no primeiro turno. Só para se ter uma ideia, o total de votos dos adversários não chega perto do número de votos do primeiro colocado que tem 30% das intenções de voto, seguido por Felipe Peixoto (PSB), com 19%; Flávio Serafini (PSOL), com 7%, e Danielle Bórnia (PSTU), 2%. No levantamento, 19% dos entrevistados não sabem ou não responderam, enquanto 23% disseram que não votam em nenhum dos candidatos apresentados. E na possibilidade de um segundo turno, contando apenas os votos válidos, o resultado mostrou o candidato do Partido Verde à frente, com 62% dos votos, e em seguida, o candidato do Partido Social Brasileiro, com 38%. De acordo com o presidente da CDL Niterói, Luiz Vieira, a entidade encomendou o estudo para medir os números da corrida eleitoral. Ele afirma que essa iniciativa é importante, pois o empresariado é formador

de opinião, mas anda dividido. No entanto, segundo Luiz, mesmo que as análises dos resultados tenham mostrado um posicionamento, esse cenário poderá ser alterado até o dia 2 de outubro. "O posicionamento das pesquisas eleitorais nos mostra quem é quem. Apesar de termos, hoje, o empresariado dividido em relação aos candidatos que fazem parte da disputa. Diante desse resultado, é importante deixar claro que esta pesquisa foi feita por um instituto totalmente idôneo e experiente, e a CDL Niterói não teve nenhuma participação no estudo. Todo trabalho foi contratado e realizado pelo instituto de pesquisa", ressaltou. A margem de erro da pesquisa, tipo quantitativa, é de 3,78 pontos percentuais. Sem levar em conta os votos brancos ou nulos e indecisos, que somam 42%, Rodrigo Neves chegaria a 52%, Felipe Peixoto teria 33%, Flávio Serafini, 12%, e Danielle Bórnia, 3%. Quando os nomes dos candidatos não são mencionados pelos entrevistadores, no primeiro turno, Rodrigo também ficou na frente, com 36% das intenções de voto, seguido por Felipe Peixoto, com 17%. Em relação à rejeição, Neves e Peixoto aparecem empatados, com 19%, enquanto Serafini tem 18% e Bórnia, 16%. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o protocolo RJ-07374/2016. O nível de confiança é de 95,55%.


curtas

Jogos Olímpicos Rio 2016 aquece a economia de Niterói Desde o dia 5 de agosto, a população respira os acontecimentos dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Afinal, desde 2009, quando o Rio de Janeiro foi anunciado como sede olímpica, para cá, muita coisa mudou, e o clima de comemoração acabou se desfazendo em meio ao panorama antagônico que o Brasil vive hoje nas esferas econômica e política. No entanto, mesmo tarde, o evento, que reúne a elite do esporte mundial e nações de todo o planeta, acabou tomando os cidadãos do Rio com o “espírito olímpico” e animou a economia do Estado. De acordo com o presidente da CDL Niterói, Luiz Vieira, o evento promoveu uma melhoria nas vendas dos empreendimentos da cidade. “O clima olímpico, que nasceu com o início dos jogos, se transformou em saldo positivo para as vendas. E certamente nossa proximidade à cidade do Rio ajudou no alcance desse resultado. Espero que o comércio em todos os segmentos possa colher bons frutos até o fim dos jogos”, conclui o presidente.

Brasil terra de guerreiros Comemorada no âmbito nacional em todo dia 07 de setembro, a Independência do Brasil, desde a época do Primeiro Império (1822), pontua o momento em que o nosso país tornou-se independente de Portugal. Mais do que um movimento da elite interessada na ruptura entre Brasil e Portugal, esse dia representa o início do processo de estabelecimento do nosso Estado no que condiz a sua organização econômica, jurídica e, porque não dizer, social. Aulas de história a parte, a verdade é que o nosso querido Brasil, desde sua independência com o grito do imperador D. Pedro I às margens do Ipiranga, tornou-se uma pátria verde e amarela que, apesar dos pesares, nos enche de orgulho.

Novos associados CDL Niterói • F B de Paiva Conserto Bombas Hidráulicas • Glória Márcia da Silva Braga Nogueira • Central Distribuidora de Rações Ltda Me • Serralheria Central de Itaipú Ltda  • Condomínio Cidade Jardim  • OSR Serviços de Internet Ltda Me  • Niterói Park Ltda  • Centro Formação Condutores Silva Jardim Ltda  • Rosamari de Souza Ribeiro • Yuri Marinho Costa Comércio Artigos Vestuário Me • Criar Oficina de Estudos Ltda Me  • WW Telecomunicações Ltda Me • 2M Bazar de Itaipú Ltda Me  • SGS CPQ Lanches Ltda Me  • LG Locação de Imóveis Região Oceânica Ltda  • AD Calçados e Roupas Ltda • Renata Lima Ribeiro da Silva  • Roberta da Silva Coelho • Rose Mary Faria Rocha Pedrosa • Ricardo Sérgio Queiroz da Paz • Mabis Moderna Adm Bens Inf. Serviços Ltda  • Neide Souza Dantas de Almeida  • Raquel Menezes Rodrigues  • Rede Cidade Rádio Ltda 

CDL NITERÓI 11


JURÍDICA

Relação de maternidade socioafetiva é reconhecida após a morte da mãe Por Alexandre Andrade Assessor Jurídico Cdl Niterói www.pereiradeandrade.adv.br

N

unca se falou tanto em adoção, apadrinhamento afetivo e acolhimento familiar. Se você não conhece essas expressões, a diferença entre elas, ou nunca se interessou pelo destino de crianças em estado de vulnerabilidade social, quero incentivá-lo a pesquisar bastante e se aprofundar nesse assunto absolutamente apaixonante. Nosso objetivo hoje, contudo, não é falar dessa parcela da população brasileira tão carente de nossas atenções e respeito. Deixemos isso para uma próxima oportunidade. Quero usar o tema adoção para traçar um paralelo com o assunto de nossa coluna jurídica deste mês que é a maternidade/paternidade sócioafetiva. É muito comum no Brasil a figura do filho de criação, do afilhado, do sobrinho criado pelos tios e de netos criados pelos avós. Essas relações muitas vezes não passam da informalidade e se desenvolvem da mesma forma que se estabelecem inicialmente. Existem casos, porém, em que a mãe/pai de criação, tio, avô ou padrinho sente o desejo de ver aquele seu pupilo reconhecido como se filho fosse, com todas as implicações jurídicas e sociais decorrentes dessa decisão. Mas e quando apesar do desejo dos envolvidos essa providência não é tomada em vida? Foi o que aconteceu em um caso julgado pela Segunda Câmara de Direito Civil, que confirmou sentença da co-

12 O LOJISTA n setembro 2016

marca de Alto Vale de Itajaí. A peculiaridade nesse caso é que o reconhecimento da maternidade socioafetiva se deu post mortem. A filha de criação postulou judicialmente seu direito de ser reconhecida como tal e consequente direito à herança. A ação foi contestada por uma sobrinha/”herdeira” da falecida, que afirmou judicialmente ser a autora da ação uma mera empregada de sua tia e, portanto, não faria jus à herança. Não foi o que disseram as testemunhas. Todas afirmaram que havia nítida intenção da tia em adotar a moça que já vivia sob seus cuidados desde os 12 anos de idade, como também sua intenção de oficializar o parentesco social. A autora e a falecida tinham conta corrente conjunta e viviam juntas há 30 anos, e por diversas vezes apresentavam-se como mãe e filha. A decisão da Segunda Câmara Cível foi unânime, o que mostra mais uma vez a justiça não só "antenada", mas também sensível a questões de fato, rotineiras, deixando para trás aquela velha máxima que diz que existe um grande conflito entre o que é justo e o que é legal. A nós, fica a velha lição de que onde sobra afeto, cuidado, zelo, carinho, deve haver também prudência. Se sua intenção é reconhecer alguém como filho, que o faça, coloque em papel o que no seu peito já é lei irrevogável.


turismo

Reprodução/Internet

CDL Niterói e 4 Cantos Turismo

com você em Gramado

I

r a Gramado é ter a certeza de uma viagem proveitosa e inesquecível. Quem é que não gosta? Afinal, quem já foi, quer voltar, e quem não foi ainda, não pode deixar esse passeio de fora. São muitas as opções de lazer: a visita ao Lago Negro, ao Mini Mundo, às vinícolas, à famosa Rua Coberta, sem falar de um dos espetáculos mais bonitos à parte, o Natal Luz. Mas você já pensou em ir a uma cidade dessas com um olhar empreendedor? Se não, você acaba de ter uma oportunidade. Isso mesmo! A Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói em parceria com a agência de viagens 4 Cantos Turismo, oferece ao empresariado uma chance de conhecer essa cidade encantadora. A viagem está marcada entre os dias 2 a 6 de novembro, no início do Natal Luz.

Segundo o presidente da CDL Niterói, Luiz Vieira, o principal objetivo é entender o que foi feito naquela região que resultou no roteiro turístico existente nos dias de hoje. “Gramado é uma cidade que é um exemplo de empreendedorismo. E o objetivo desse projeto em parceria com a 4 Cantos é exatamente possibilitar aos empresários a oportunidade de fazer uma visita coletiva, com outro olhar, à cidade. Tudo isso para entender o que os empreendedores e governantes fizeram em termos de comércio - que impactou toda região periférica, como Bento Gonçalves, Canela e Caxias do Sul”, explica Luiz. Para quem ficou interessado, fique atento, pois as inscrições são limitadas. Os interessados podem fazer as inscrições e pagamento através do site da 4 Cantos Turismo ou em uma de suas lojas.

Informações de custo e formas de pagamento

Para quem quer estar por dentro de valores e pagamentos, reservamos esse espaço a fim de sanar algumas possíveis dúvidas. O custo da viagem, por pessoa, é de R$2.250, com acomodação em apartamento duplo. Já as crianças de 4 a 11 anos pagam R$1.980 e para crianças de até três anos, o valor é de R$580. Esses valores podem ser parcelados em 10 vezes, sem juros, através de cartão de crédito ou cheque pré-datado. Logo na aquisição do pacote deverá ser pago o valor referente a 20% do total. O pacote inclui: passagem aérea – Rio de Janeiro / Porto Alegre / Rio de Janeiro; 4 noites de hospedagem no Hotel Zermatti com café da manhã. Além disso, o viajante ainda desfrutará de traslados de chegada e saída, passeio de Maria Fumaça, Seguro Viagem e um Tour de uva e vinho com almoço.

CDL NITERÓI 13


14 O LOJISTA n setembro 2016


CDL NITERÓI 15


cdl realiza

De olho no promissor universo do E-commerce Da esquerda para direita: o presidente da CDL Jovem, Felipe Carvalho, o consultor do Sebrae, Elias Júnior, Sr. Moacir Assenheimer e os diretores da CDL Jovem: Roberta Rocha, Juliano Gentile, e Matheus Cerveira

"Quem aqui já tem um e-commerce?", com esse questionamento o gerente de Marketing Digital da Guia-se Negócios pela Internet e consultor do Sebrae, Elias Júnior, iniciou a palestra "Como construir o e-commerce" na

edição de mais um Happy Hour da CDL Jovem de Niterói. Além de uma excelente explanação sobre as maravilhosas possibilidades do mercado online, o palestrante falou sobre a importância de se fazer parte desse canal que ganha destaque entre comerciantes por encontrarem no e-commerce um caminho para o sucesso no

O pensamento estratégico na gestão financeira é pauta no Café da Região Oceânica

V

ários empresários da Região Oceânica se reuniram na segunda edição do Café  Empresarial para aprenderem como fazer para desenvolver um pensamento estratégico na gestão financeira. Hoje, por falta de planejamento estratégico, 24% das empresas quebram! E foi com a explanação desse dado que o consultor do Sebrae-RJ e sócio da empresa Arqueiros, Alessandro Mendes, iniciou sua apresentação. Os participantes desta edição tiveram a oportunidade de aprender

16 O LOJISTA n setembro 2016

como utilizar a estratégia e o planejamento a favor de sua empresa. Segundo o presidente da CDL Niterói, Luiz Vieira, o encontro promoveu, além do network, a ampliação dos conhecimentos do empresário. "Este evento atende uma demanda dos comerciantes dessa região, a oportunidade de usufruir um padrão de atendimento que ajude na qualificação deles. Nosso objetivo, além da ampliação dos conhecimentos, é a aproximação com este público", ressaltou.

mercado nacional e, porque não dizer, no mundial. "Quando trabalhamos apenas com o meio offline, que é o meio tradicional, a gente atinge a nossa região, a nossa frente de loja, a rua, o bairro e, com muito investimento e dificuldade, uma cidade. Mas quando você está no meio online, não há limite demográfico. Dependendo do produto, posso trabalhar até fora do país", afirma Elias Júnior. O encontro, que tirou as principais dúvidas dos empresários sobre este poderoso e intrigante comércio, contou com a presença de vários membros da diretoria administrativa e do Conselho Superior da CDL Niterói.


matéria

O novo e melhor instrumento a favor das empresas

A

tualmente no Brasil e no mundo ele sem dúvida é um dos aplicativos mais populares. O WhatsApp chegou de mansinho e, pouco a pouco, se transformou em uma febre entre os usuários. O que antes parecia ser apenas mais um meio de enviar mensagens, ganhou status e passou a ser utilizado também por diversas empresas, sobretudo, para se comunicarem com seu cliente de maneira efetiva e ágil, sobre as promoções e as novidades ou mesmo abrir um canal para o envio de sugestões, reclamações ou simplesmente para dúvidas. Na verdade, a internet e as redes sociais hoje são as principais ferramentas dos empreendedores brasileiros, pois eles as utilizam tanto para se relacionarem com o seu público-alvo, como também para se informarem sobre as tendências do mercado. Uma pesquisa realizada este ano pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostrou que grande parte dos empreendedores (51,9%), em sua maioria jovens com idade entre 18 e 34 anos, consideram o WhatsApp como o principal canal de comunicação com os clientes. O mesmo estudo apontou que em seguida aparecem os perfis em redes sociais como Facebook e Instagram (41,2%). Depois as ferramentas tradicionais como campanhas publicitárias (4,6%) e e-mail marketing (8,5%). E por último os anúncios pagos no Facebook (26,9%).

Encontre a CDL Niterói também no WhatsApp Provando mais uma vez que a Câmara de Dirigente Lojistas (CDL) de Niterói não para de se renovar, a entidade, que tem 58 anos de fundação, comemora o seu novo meio de comunicação com os associados. Desde o mês passado, os afiliados e parceiros da CDL já podem contar com um canal de comunicação pelo WhatsApp. O gerente comercial da instituição, Ermano Santiago, comemora a abertura dessa nova forma de comunicação. Ele afirma que a chegada desse aplicativo de mensagens instantâneas é de suma importância, porque é uma forma de personalizar o atendimento aos clientes de forma pontual e rápida. "Com o avanço das tecnologias, o e-mail tornou-se um meio de comunicação obsoleto. Por isso a abertura de um canal de comunicação através do WhatsApp é importante, pois possibilita uma comercialização precisa, pontual e rápida", explica Ermano. Para aqueles que ainda não utilizam esse canal de comunicação com a CDL Niterói, o número é (21) 96511-5016.

CDL NITERÓI 17


gestÃo empresarial

O que importa mais: saber resolver problemas ou evitá-los?

1

Muitos falam que as pessoas devem ser exímias resolvedoras de problemas. Mas ninguém enfatiza algo mais importante: evitar que eles ocorram. Evitar problemas é tarefa quase invisível, enquanto solucioná-los dá muita visibilidade. O que o senhor acha disso? Anônimo Acho que condiz com a realidade. No entanto, sua pergunta deixa implícito que encontrar um problema é, por definição, algo ruim. Isso não é verdade. Existem dois tipos de problema: o ruim e o bom. O problema ruim de uma organização é aquele que decorre do desvio das operações de rotina. É um problema que cai em seu colo sem que você espere. Pode ser a matéria-prima fora de especificação, o defeito numa máquina, a queima de um transformador, o acidente com o caminhão da empresa, e por aí vai. Ele deve, sim, ser evitado. Esse tipo de problema sempre existirá, mas podemos minimizá-lo por meio de um gerenciamento de rotina exemplar com base em padronização e treinamento intensivo. O problema bom é aquele criado por você. Isso acontece quando você está insatisfeito com os resultados atuais e deseja melhorá-los. Aqui me refiro aos indicadores de vendas, de custos, de produtividade fabril, entre outros, que existem nas diversas áreas da companhia.

18 O LOJISTA n setembro 2016

Se você vende 1000 peças por mês e quer aumentar para 1200, acaba de criar um problema bom que deve ser resolvido utilizando o método gerencial. É por isso que todos nós deveríamos ser “exímios resolvedores de problemas”. Quanto mais competente você for na operação do método, mais útil você será para sua organização.

2

Como as empresas podem envolver seus colaboradores mais antigos, desmotivados e desmotivadores, na implantação da qualidade total? Quando a experiência de um colaborador antigo deixa de ser interessante na implantação da qualidade total? Juliano Cleber de Oliveira, de São Paulo Só para esclarecer nosso leitor: qualidade total é um sistema de gestão voltado para a satisfação de seus stakeholders — clientes, investidores, funcionários e sociedade. O fato de os colaboradores serem mais antigos nada tem a ver com o fato de eles serem desmotivados. Você deve ter muitos funcionários jovens também desmotivados. Quando você tem funcionários desmotivados na organização, o principal indício é uma alta taxa de rotatividade de pessoal e um índice de absenteísmo elevado. E a causa quase sempre está na má gestão da empresa. Ninguém é culpado de estar desmotivado.


Esse assunto de motivação foi tratado intensivamente pelo psicólogo americano Abraham H. Maslow em seu clássico livro Motivation and Personality (Motivação e Personalidade, na versão publicada em português). Maslow começa definindo a motivação como “um estado de saúde mental”. Ele defende que a falta de motivação decorre de anos de abandono de aspectos fundamentais para manter necessidades de vida dos seres humanos no local de trabalho. Recentemente, a fabricante de bebidas Ambev conduziu um projeto de melhoria da motivação, para criar condições para que as pessoas sejam felizes em seu local de trabalho, em todo seu setor fabril no Brasil. Foi um projeto realizado ao longo de cinco anos. Resultado: a rotatividade anual de pessoal caiu de 23% para 3%, e a eficiência fabril subiu de 58% para 80%. Atualmente os índices de engajamento, um indicador abrangente de satisfação humana no trabalho, das fábricas da empresa no Brasil estão entre os melhores da companhia em todo o mundo. O trabalho conduzido na empresa foi todo baseado nos princípios descritos por Maslow. Finalmente, para responder à sua pergunta, sugiro que você procure seguir a mesma linha de trabalho conduzida pelo pessoal da Ambev.

3

Para aumentar a motivação dos funcionários, e assim obter máximo desempenho, gostaria de saber quais são os indicadores de performance mais eficientes para o departamento de compras e se, nessa área, é possível implementar o conceito de remuneração variável. Anônimo Quando você quiser criar indicadores para qualquer departamento ou seção de uma organização, simplesmente junte sua equipe numa sala para fazer um brainstorming e

"A falta de motivação decorre de anos de abandono de aspectos fundamentais para manter necessidades de vida dos seres humanos no local de trabalho" pergunte: qual é nossa função aqui? O que a organização espera de nós? Colete todas as opiniões que puder, deixe que todos falem e expressem suas ideias sem ser criticados. Escreva tudo numa lousa ou num flip-chart. Depois, quando todos tiverem esgotado suas ideias, discuta todas elas estabelecendo uma ordem de prioridade. Escolha três ou cinco funções de seu departamento. Para cada uma dessas funções estabeleça um indicador. Por exemplo: vamos supor que sua empresa espere que vocês “comprem insumos por um preço cada vez mais baixo”, incentivando seu fornecedor a ser mais produtivo. Talvez um indicador bom para essa função seja “ganhos na obtenção de preços abaixo da inflação”. E assim por diante. Veja os capítulos 6 e 8 de meu livro Gerenciamento da Rotina do Trabalho do Dia a Dia. Quanto à remuneração variável, sempre que houver indicadores corretos e boas metas estabelecidas para eles, existirá condição de criar uma remuneração variável justa.

CDL NITERÓI 19


curtas

Entrada no pedido de concessão ao auxílio-doença só mediante a comprovação de contribuição à Previdência Social por no mínimo 12 meses

Mudanças na carência do auxílio-doença

O

s trabalhadores que precisarem fazer a concessão do auxílio-doença terão que estar dentro das novas normas de carência do benefício. Isso porque, desde o dia 12 de julho, ela foi determinada com a reedição da Medida Provisória nº 739 pelo governo interino de Michel Temer. A partir de agora, só poderá dar entrada em pedido de concessão ao benefício o trabalhador que comprovar que contribuiu por no mínimo 12 meses para a Previdência Social. A nova regra é válida também para aqueles que precisarem dar entrada no pedido de aposentadoria por invalidez. No caso de licença-maternidade, o prazo depois da mudança, passou a ser de 10 meses de contribuição. No entanto, o prazo de um ano não será exigido em caso de doença por ocupação profissional ou do expediente, ou por acidente de qualquer natureza. Lembrando que o auxílio-doença é um benefício concedido pelo INSS, ao qual o empregado ou segurado da Previdência Social só tem direito se estiver impedido de exercer o seu trabalho por doença ou acidente por mais de 15 dias consecutivos.

20 O LOJISTA n setembro 2016

Pesquisa inédita mostra que alguns produtos e serviços são adiados por limitação financeira A vontade de adquirir um produto ou serviço está longe de consumi-lo de fato. E com a maior rigidez para a concessão de crédito, a sensação é de que essa é uma realidade que não se tem de onde escapar. O último levantamento nacional feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que, por limitação financeira, alguns itens de beleza e estética são os mais adiados. O clareamento dentário ficou em primeiro lugar com 21%. Os demais, como compra de roupas, calçados e acessórios, ficaram na margem de 16,4%, especialmente entre as pessoas das classes C, D e E. Segundo a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, a análise permite construir um cenário mais preciso sobre os hábitos do consumidor. “O levantamento pode ser bastante útil para os empreendedores que desejam investir, diversificando ou ampliando sua atuação neste mercado”, diz.

Pesquisa aponta que os tratamentos de beleza e de estética são os mais adiados


leis tributárias

ADI nº 04/16 – Uma correção de rumos na apuração dos créditos de PIS/COFINS

E

Por José Carlos Carvalho Consultor Tributário josecarlos@oliveiraecarvalho.com | www.oliveiraecarvalho.com

m Junho de 2016, a Receita Federal do Brasil editou o Ato Declaratório Interpretativo RFB nº 04/2016, na esteira do artigo 106 do Código Tributário Nacional1, no intuito de aclarar a interpretação atinente à forma de rateio proporcional dos créditos permitidos de PIS/COFINS. Há contribuintes que auferem receitas de 3 (três) tipos: tributadas pelo regime cumulativo, tributadas pelo regime não-cumulativo, e sujeitas anteriormente à incidência concentrada ou monofásica do PIS/COFINS. Nessa última hipótese, temos a tributação de PIS/ COFINS totalmente concentrada no 1º elo da cadeia. Seu adquirente toma o crédito correspondente, e as revende com “alíquota zero”. Não há possibilidade de tomada de crédito específico de mercadorias adquiridas pelo contribuinte que ocupa o lugar de último elo da cadeia, em face de expressa vedação da legislação que cuida do tema. Totalmente irrazoável seria a hipótese de impossibilidade de aproveitamento – para fins de mencionado rateio – das receitas sujeitas ao regime monofásico de apuração das citadas contribuições. O princípio da Isonomia Tributária seria indiscutivelmente maculado. Nada mais justo, portanto, – e com fulcro em decisões judiciais reiteradamente prolatadas no mesmo sentido – que a própria Receita Federal do Brasil promovesse a edição de um Ato Declaratório Interpretativo, no qual expressamente se permita que se leve à conta dos rateios previstos nos artigos 3º, § 8º, II e III da Lei nº 10.833/03 e 3º, § 8º, II e III da Lei nº 10.637/02, o montante de receita advin-

da da venda de bens submetidos ao já mencionado regime monofásico das Contribuição sub examen. Antes do ADI nº 04/2016, aplicava-se um redutor nos créditos nominais de PIS/COFINS, correspondente à participação das receitas tributadas pelo regime não-cumulativo na receita total, excluindo as receitas oriundas de venda de produtos sujeitos à incidência monofásica do PIS/COFINS. Atualmente, permite-se que as receitas oriundas de venda de produtos sujeitos à incidência monofásica de PIS/COFINS sejam somadas às receitas tributadas pelo regime não-cumulativo, para fins de aplicação do redutor dos créditos nominais de PIS/COFINS. Pelo exposto, resta, cabalmente demonstrado, o efeito benéfico do advento da norma administrativo-tributária citada. Em face de seus efeitos retroativos, entendemos que haja a possibilidade de apurar, caso a caso, a existência de eventuais créditos pretéritos quinquenais de PIS/ COFINS, os quais estariam sujeitos à compensação com débitos presentes de tributos federais. Caso sua empresa esteja sujeito à apuração monofásica das citadas contribuições, agende uma visita de um de nossos consultores. A Oliveira & Carvalho detém a expertise necessária para promover a compensação administrativa do que fora pago indevidamente.

1 “Art. 106. A lei aplica-se ao fato pretérito: I – em qualquer caso, quando expressamente interpretativa, excluída a aplicação de penalidade à infração dos dispositivos interpretados.”

CDL NITERÓI 21


22 O LOJISTA n setembro 2016


fique atento

Reforma da Previdência pode ser dividida por grupos Rafael Neddermeyer / Fotos Públicas

P

ara quem ainda não soube da última novidade da Previdência Social, é hora de ficar atento. Isso porque, o Governo do Rio estuda uma proposta que estabelece reformas nas aposentadorias com divisão de três grupos diferentes, conforme a situação do segurado no mercado de trabalho. Com essas medidas, o governador espera separar os trabalhadores mais jovens - com mudanças mais duras - daqueles que estão com 10 ou 20 anos de contribuição – que terão que seguir regras de transição - e os que já atingiram as exigências da aposentadoria, que não serão prejudicados.

“O tempo da transição é a parte mais difícil da reforma”, Marcelo Caetano O secretário da Previdência Social, Marcelo Caetano, explicou que, num cenário em que as mudanças valham apenas para as novas gerações, o impacto sobre as contas públicas somente será sentido a partir de 2040. E

a redução dos gastos previdenciários seria pouco expressiva, da ordem de 0,1% a 0,2% do Produto Interno Bruto (PIB), apenas a partir daquela década. No entanto, se valer para todos, sem regras de transição, em menos de uma década haveria uma redução de gastos. Mas, para o executivo, essa mudança é improvável. “O critério de corte para as regras de transição e para as regras permanentes ainda não está definido. O tempo da transição é a parte mais difícil da reforma”, afirma. E caso nada seja feito, o sistema já deficitário - poderá ficar inviável na virada para 2030, diante do envelhecimento rápido da população, existindo assim apenas dois caminhos, segundo Caetano: aumentar impostos ou sacrificar mais investimentos em outras áreas. Mas, no momento, são apenas especulações. O próprio secretário adiantou que existem várias regras de transição sobre a mesa do governo, como seguir a sistemática do pedágio, já usada na reforma de 1999, em que se calculava quanto tempo o trabalhador ainda tinha para se aposentar e se colocava um período adicional de contribuição. Outra opção seria fixar a norma com base no tempo de contribuição, na idade ou data em que o trabalhador começou a contribuir para o regime ou combinar essas três variáveis. Logo, o tempo é de espera para o que ficará decidido nos próximos dias.

CDL NITERÓI 23


educação em pauta

Empreendedor desde a escola

D

iscutir a educação é sempre produtivo. Afinal, indiscutivelmente, ela possui um impacto em todas as áreas de nossa vida, porque é por meio dela que a nossa sociedade cresce e forma cidadãos de bem. Não é de hoje que a educação é amplamente debatida. Essas discussões têm como resultado novas diretrizes para a base curricular, e estabeleceu, ao longo dos anos, novos conteúdos para os alunos brasileiros. Foi assim, fruto de uma dessas deliberações, que surgiu a ideia da inclusão da disciplina empreendedorismo nos currículos dos ensinos fundamental e médio, e na educação superior (PLS 772/2015). O relatório do projeto que muda a Lei de Diretrizes e Bases da Educação e prevê o estudo do empreendedorismo é de autoria do senador José Agripino (DEM-RN). De acordo com o autor, a educação empreendedora se faz importante não só para quem vai se tornar um

24 O LOJISTA n setembro 2016

empresário, mas também para promover uma educação mais criativa em prol do desenvolvimento e da lapidação de todos os jovens no futuro. O presidente da CDL Niterói, Luiz Vieira, vê com bons olhos o estudo da disciplina, pois segundo ele, isso prepara o aluno para o mercado de trabalho. "Essa inserção é excelente! Porque, na realidade, ela que nos coloca em pé de igualdade com a educação mundial. O mundo pensa educação dessa maneira. Estudar o empreendedorismo desde o ensino fundamental até o superior é uma forma de fazer com que os jovens queiram empreender. Isso fará com que o nosso país cresça ainda mais", conclui.


OLIMPÍADAS RIO 2016

Dia histórico para Niterói

N

iterói foi marcada com grande alegria por conduzir a Tocha Olímpica até o Rio de Janeiro. Escoltada por sete medalhistas, e conduzida por dez remadores da Marinha do Brasil, o maior símbolo da Olimpíada atravessou a Baía de Guanabara, no dia 3 de agosto, e chegou à Escola Naval levada por Torben (bicampeão) e Lars Grael (dois bronzes) em um barco a remo. A tocha foi entregue ao prefeito do Rio, Eduardo Paes, e foi ele o primeiro condutor na capital. Em Niterói, o revezamento da Tocha foi marcado de forma tranquila, sem registro de brigas e confusões. Até o trânsito fluiu bem durante o percurso, afinal, para garantir um deslocamento tranquilo na cidade, a Niterói Transporte e Trânsito (NitTrans) disponibilizou 150 agentes e 11 viaturas, além de 200 guardas municipais. A autarquia elaborou, inclusive, roteiros alternativos para reduzir o impacto no trânsito durante o revezamento da tocha. Houve interdições temporárias em alTorben Grael, Eduardo Paes e Lars Grael gumas vias para preservar a segurança das pessoas que foram acompanhar o comboio, assim como de motoristas. Nesse dia, as secretarias municipais de Esporte e Lazer, e de Vela de ouro é de Niterói Cultura, em parceria com a Universidade Federal Fluminense (UFF), prepararam, ainda, atrações culturais gratuitas em nove pontos da A 5ª medalha de ouro para o Brasil nos Jocidade. As apresentações tiveram início na Praça Arariboia, com o gos Olímpicos do Rio de Janeiro foi conquistada Projeto Semente e Cydel Trindade/Orquestra Mãos Calejadas, e terna Baía de Guanabara, aos pés do Pão de Açúminaram no Teatro Popular, com a pira olímpica acesa, com o show car, pela dupla brasileira Martine Grael e Kaheda banda Devir. na Kunze. As campeãs, que começaram a veleAlém desses pontos, o Museu de Arte Contemporânea (MAC), jar juntas na baía, venceram a última regata da Praia de Icaraí, Skatepark, Praia de São Francisco, Campo de São categoria 49er FX da vela, deixando a prata e Bento, Abel (Avenida Roberto Silveira) e Praça da República tamo bronze para a Nova Zelândia e Dinamarca. A bém foram contemplados com a passagem da Tocha. Depois de conquista, comemorada e recebida com muito percorrer vários municípios, o símbolo olímpico encerrou seu trajeorgulho por Niterói, só mostra a importância to na abertura do grande evento internacional, às 20h, no estádio do país na prática do esporte. do Maracanã, no dia 5 de agosto.

CDL NITERÓI 25


Fernando Frazão/Agência Brasil

POLÍTICA

Oportunidade

de ouro

Por Claudia Cataldi Cientista Política, jornalista e membro titular da Academia Fluminense de Letras

Nosso estado é belo, e é o principal destino ainda, quando se fala em Brasil

26 O LOJISTA n setembro 2016

I

ndependentemente da quantidade de medalhas de ouro conquistadas nessas Olimpíadas, um primeiro lugar ficou em cada um de nós que somos fluminenses: o de bem recepcionar o mundo que esteve e ainda está com os olhos voltados para nós. A estimativa é de que 3 bilhões de pessoas estiveram atentas à transmissão dos Jogos Olímpicos que se deram no nosso estado. Essa foi uma imensa responsabilidade e excelente oportunidade para mostrarmos que, além de belos, somos também eficientes, bons profissionais, pontuais, educados e corteses. E isso aconteceu, desde a mais singela resposta ao cruzar com um turista que tinha alguma dúvida sobre onde seria este ou aquele local, até no atendimento mais personalizado como o que foi oferecido pelos hotéis, táxis, e serviços.

Afinal, era nossa imagem que estava em jogo. Nosso estado é belo, e é o principal destino ainda, quando se fala em Brasil, mas está quase perdendo este posto para o Nordeste. Cabe a cada um falar bem, tratar bem e desdizer o vídeo bobo que circulou na internet onde um turista chega ao Rio e é assaltado, “engarrafado”, mal tratado e desiste de nos visitar. Temos que, de uma vez por todas, acabar com este complexo de vira-lata que fala mal do que é nosso. Nenhum país ou cidade desenvolvida do mundo mantém essa prática. Vai ver que é por isso que são desenvolvidos. Copiemos! Até porque somos ouro no quesito receptividade. Agora vamos rumo ao pódium nas Paralimpíadas.


cursos Período

12/09 a 16/09 03 agosto a 07 agosto

Horário

Local

Curso

Valor

ATENDIMENTO AO CLIENTE Conteúdo: A importância da satisfação do cliente; Perfil do profissional de atendimento; Momentos da verdade das 18h30 LOCAL R$ 230,00 CDL Niterói empresas; Agregar valor gera encantamento às 21h30 do cliente; Os sete pecados no atendimento TÉCNICAS DE VENDAS ao cliente; Ações estratégicas para fortalecer a Conteúdo: A importância da venda consultiva; As diversas funções do vendedor; 18h30 relaçãohabilidades com odecliente; Medindo satisfação do Desenvolvendo prospecção de mercado ea busca de clientes; Principais ferramentas de vendas para a entrevista de diagnóstico; Desenvolvendo a habilidade de 230,00 às CDL Niterói levantar necessidades de clientes; Princípios fundamentais do processo de negociação; cliente. 21h30 Organização das ações de pós-venda.

CONTROLES FINANCEIROS

17 agosto a 21 agosto

19/09 a 23/09 31 agosto

a 04 setembro

14 setembro a 25 setembro

TÉCNICAS DEdoVENDAS Conteúdo: Controle, previsão e análise caixa; A origem dos recursos e 18h30 seus registros; Análise do fluxo de caixa;da Determinação do capital de giro; Conteúdo: A importância venda consultiva; 230,00 às CDL Niterói Apuração dos resultados da empresa. 21h30 As diversas funções do vendedor; Desenvolvendo habilidades de prospecção de mercado e busca 18h30 ANÁLISE E PLANEJAMENTO FINANCEIRO R$ 230,00 CDL Niterói de clientes; Principais ferramentas de vendas às08h30 21h30 Conteúdo: A administração financeira da empresa; Projetar fluxo de caixa; para entrevista de diagnóstico; Fatores que a influenciam o planejamento; DefiniçãoDesenvolvendo de metas com base nos 230,00 às CDL Niterói resultados; Conclusão do plano: Afinal, este negócio é viável? a habilidade de levantar necessidades de 18h00 clientes; Princípios fundamentais do processo de INICIANDO UM PEQUENO negociação; Organização dasGRANDE ações NEGÓCIO de pós-venda. 08h30 às 18h00

CDL Niterói

Conteúdo: Perfil empreendedor; Identificação de oportunidades de negócios; Análise de mercado e financeira; Concepção dos produtos e serviços; Orientação para elaboração do Plano de Negócios.

340,00


28 O LOJISTA n setembro 2016

O lojista Setembro  
O lojista Setembro  
Advertisement