Page 1

O LOJISTA Edição 564 | Abril 2017

NITEROI

CDL

Câmara de Dirigentes Lojistas de Niterói

Ano XXXVIII | www.cdlniteroi.com.br

PÁSCOA

Momento de investir para atrair o consumidor

Logística

Atenção extra à entrega para o êxito do negócio

Feriados prolongados Hotéis buscam atrair público nestes períodos


De Utilidade Pública: Estadual, Lei no 5579/65 / Municipal, deliberação no 2539/65

EDITORIAL

CONSELHO SUPERIOR Presidente: Joaquim Manuel de Sequeira Pinto Vice-presidente: Ademir Antunes Carvalho MEMBROS DO CONSELHO SUPERIOR Antonio Carlos Costa Pires, Domingos de Carvalho Rodrigue, Elida Gervásio Gouvêa, Ithamar Torres Mancen, José Dornas Maciel, Lúcio Ferreira de Azevedo, Manoel Alves Junior, Orlando Cerveira Francisco, Roberto Mauricio Rocha, Salomão Guerchon. Suplentes: Gentil Moreira de Sousa e Marina Espósito Haddad. DIRETORIA ADMINISTRATIVA Presidente: Fabiano Gonçalves Vice-presidente: Luiz Vieira Diretores: Fausto Regis de Oliveira Reis, Graciele Davince Pereira, Jorge Gentile, Mauricio Nassib Moita Zarife, Oswaldo Rodrigues Vieira, Rogerio Rosetti Mendes, Ruan Carlos Teixeira de Oliveira, Sidney Moyses Vianna Freire Suplentes: Alberto Guilherme Magalhães Ducan e Felipe Reis de Almeida Gerente: Ermano Santiago CONSELHO EDITORIAL Fabiano Gonçalves e Joaquim Pinto

O LOJISTA

NITEROI

SERVIÇOS DA CDL Serviço de Proteção ao Crédito, Serviço de Relações com Usuários, Central de Informações, Central de Cadastro, Central de Processamento de Dados, Assessoria Técnica, Consultoria Jurídica, Serviço de Documentação e Divulgação e Serviço de Administração

Edição e Coordenação: Kelly Goldoni - MTE: 34527/RJ Redação: Goldoni Comunicação Diagramação: Alyne Gama Jornalistas: Milena Bouças, Brennda Moura, Paula Valviesse e Íris Marini Consultoria: Priscila Oliveira Fotos: Divulgação CDL Niterói Foto capa: Evelen Gouvêa

Publicação dirigida da CÂMARA DE DIRIGENTES LOJISTAS DE NITERÓI, contendo legislação, índices econômicos e condensado de notícias e informações de interesses do comércio lojista. Distribuição: Câmaras de Dirigentes Lojistas, Associações Comerciais, Federações do Comércio, Sindicatos e demais entidades de classe do País, identificadas com as atividades do comércio, bem como empresários e executivos especialmente cadastrados. O LOJISTA utiliza as seguintes fontes para editar o condensado de notícias: O Globo, Jornal do Commercio, A Tribuna, O Fluminense e Diários Oficiais. Os índices, estatísticas e projeções são cuidadosamente compilados, de acordo com os últimos dados disponíveis no fechamento da edição. O uso dessas informações para fins comerciais e de investimentos é de exclusiva responsabilidade e risco dos seus usuários. IMPORTANTE: As matérias assinadas são de respnsabilidade de seus autores. ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA Rua General Andrade Neves, 31, Centro, Niterói, RJ CEP: 24210-000 / Tel.Fax: (21) 2621-9919

Páscoa: oportunidade de fidelização do cliente

O mês de abril está aí e, com ele, a Páscoa, uma das datas mais rentáveis e prósperas para o comércio. No entanto, é também um período de atenção e que exige ainda mais treinamentos e cuidados no atendimento ao cliente, ainda mais para os empresários que vão contratar funcionários temporários. Nesta edição da revista O Lojista, o destaque é para essa data tão especial, que é tema da nossa capa e da matéria que fala sobre como os lojistas estão se preparando, com dicas de um especialista na área de gestão e economia para potencializar as vendas. Já que o assunto é feriado, e 2017 estará repleto dos considerados “prolongados”, trazemos também matéria sobre os setores do comércio que se beneficiarão com essas datas, e como alguns empresários estão se planejando para reverter os impactos negativos desse período que afeta o desempenho de tantos lojistas. E, para aqueles que estão se aventurando no mundo do e-commerce, abordaremos a importância do trabalho de Logística, área essencial de qualquer negócio que, entre tantas funções, se dedica a entregar o seu produto da melhor forma ao cliente. Falaremos também sobre a Niterói Negócios, um convênio de cooperação entre a Prefeitura de Niterói e a Rio Negócios, com objetivo de alavancar a economia do município. Através dessa parceria, a cidade busca promover seu potencial, especialmente sua vocação em áreas como Turismo, Gastronomia, prestação de serviços, entre outros, para atrair investimentos de empresas nacionais e internacionais. Para concluir, dando segmento a nossa proposta de trazer conhecimento, boas ideias e práticas aos nossos associados, discutiremos também sobre a importância do trabalho integrado entre lojas físicas e on-line para a geração de vendas, e as áreas mais promissoras para este ano, de acordo com estudo do Sebrae. Vale a leitura! Vamos em frente!

Fabiano Gonçalves

Presidente

Impressão Gráfica Primil (21) 3078-4300 Circulação Mensal Nacional | Tiragem: 7.000 Exemplares CDL NITERÓI 3


EDIÇÃO 564

ÍNDICE CAFÉ

Vendas on-line requerem

logística de excelência

10

EMPRESARIAL

Foco na satisfação do consumidor

Curtas

07

Negócios

08

Gestão empresarial

Evelen Gouvêa

19

Jurídica

16

CAPA

Sua empresa Direito digital Fique por dentro Mercado

Política

24

06

12

20 21 23

26

Errata Na edição de março da revista O Lojista, na matéria ‘Mulheres no Comando’, o sobrenome da sócia e diretora de vendas da Malteria Araribóia foi publicado errado. O correto é Madelon Moreira, e não Valdeck. 4 O LOJISTA n abril 2017


CAfÉ empresarial

Mariana Portilla Báez foi a palestrante convidada da edição de março do Café Empresarial

Foco na satisfação do consumidor

O

tradicional Café Empresarial da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói teve, como tema da edição de março o relacionamento com o cliente com a palestra “Atendimento ao cliente ou satisfação do cliente: do físico ao virtual”, ministrada pela consultora empresarial Mariana Portilla Báez, proprietária e diretora da empresa Gerenciando Fora do Quadrado, cujo objetivo é alavancar modelos de gestão que possam trazer às organizações excelência e competitividade. Com grande experiência em gestão de pessoas, a palestrante convidada apresentou estudos de casos e ainda abriu espaço para que os empresários presentes compartilhassem suas experiências em situações não só de atendimento ao cliente, mas em ocasiões nas quais eles, como consumidores, tiveram problemas com o atendimento recebido. Segundo a consultora empresarial, conforme dados compilados do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), 70% das empresas no Brasil nunca monitoraram a satisfação do cliente, um dado alarmante, considerando a importância desse feedback como fonte de informação na gestão dos negócios e ainda na gestão de pessoas. Entre os inúmeros fatores que podem influenciar a satisfação do cliente quanto ao atendimento, Báez destacou a importância das qualidades humanas e técnicas. Segundo a consultora, vender um produto ou prestar um

6 O LOJISTA n abril 2017

serviço com excelência está diretamente ligado a satisfazer as expectativas e os desejos emocionais do consumidor. Com isso, no que se refere a qualidades humanas, atitudes como comprometimento, atenção e bom comportamento são fundamentais para conseguir a lealdade e estabelecer uma relação de confiança com o cliente. Já na parte técnica, a empresa deve passar credibilidade e consistência, assim como estar pronta para satisfazer as exigências e as expectativas do consumidor. “O sucesso ou o fracasso de um negócio está fundamentado, em 80% dos casos, no cliente. Tratar bem o consumidor, promovendo conforto, bem-estar físico e psicológico, estar atento a todas as etapas da venda e buscar soluções efetivas para as necessidades do cliente são fatores que estão diretamente ligados a um bom atendimento”, ressaltou Báez. Com base no tema escolhido para o evento, a empresária e associada da entidade, Graciele Davince Pereira, convidada pelo presidente da CDL, Fabiano Gonçalves, para apresentar o encontro em função da celebração do Dia Internacional da Mulher, também destacou a importância de um trabalho bem executado, com foco no cliente, para a construção de um empreendimento sólido. “O cliente tem todas as respostas que você precisa para poder prosperar, precisamos dar atenção a isso”, destacou Graciele.


curtas

Conheça os novos

associados da CDL Niterói

Sebrae oferece cursos gratuitos para microempreendedores Para o mês de abril, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) oferece quatro cursos gratuitos para Microempreendedores Individuais (MEI), através do sistema de soluções SEI. Os cursos serão ministrados nos dias 6, 13, 20 e 27, das 14h às 18h, no auditório da Câmara de Dirigentes Lojistas (CD) de Niterói, e para participar, os interessados devem se inscrever no site do Sebrae (www.sebrae.com.br).

Bancos não poderão cobrar juros de mercado por atrasos em pagamentos O Conselho Monetário Nacional (CMN) aprovou, no último mês, resolução que proíbe a cobrança de taxas de mercado. Isso significa que, agora, em caso de atraso no pagamento de empréstimos, os bancos só poderão cobrar os mesmos juros acertados com o cliente no momento da contratação da operação. A norma passará a valer em setembro e abrange operações de consumidores e empresas.

a a a a a a a a

Centro Auditivo Otosons Ltda Ideal Esquadria Alumínio Ltda Agrícola Itambi S/a Carla Maria Ferreira Fonseca - MEI Maia Creche Eireli Me Unhas Express Salão de Beleza Ltda Laboratório Alimentos Assess. M Mattos Ltda Sosthenys Camara Assessoria Contábil S/S Manzoni Móveis Decorações Ltda

Pesquisa revela que reforma tributária ainda é o desejo de muitos empresários

N

ão é de hoje que a reforma tributária no país é tão debatida entre os empresários. Isso porque muitos ainda acreditam e sonham em uma reforma, pois acreditam que ela ajudará a economia do país a avançar. E, pesquisa realizada, no último mês, pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) comprovou isso. Cerca de oito em cada dez empresários de varejo e serviços (83%) consideram importante ou muito importante a reforma no país. O estudo, ainda, revela que 77% dos entrevistados acreditam que, com a reforma, os principais resultados positivos seriam a geração de empregos (60%), o aumento na capacidade de investimento nos negócios (41%) e o incentivo na criação de novos negócios (38%).

CDL NITERÓI 7


Niterói Negócios: parceria para atrair investidores para a cidade

A

Prefeitura de Niterói lançou, no final de março, convênio de cooperação com a Rio Negócios, agência de promoção de investimentos do Rio de Janeiro, com objetivo de alavancar a economia do município, além de promover, divulgar e atrair investimentos internacionais e de empresas nacionais para a cidade, inclusive em parcerias público-privadas. O acordo permitirá que Niterói passe a ter uma agência de fomento: a “Niterói Negócios”.

8 O LOJISTA n abril 2017

Acordo com a Rio Negócios permite que o município tenha uma agência de fomento

Bruno Eduardo Alves/ PMN

NEGÓCIOS

O presidente da Rio Negócios, Marcelo Haddad, apresentou os resultados positivos conquistados pelo Rio de Janeiro através da agência. A iniciativa niteroiense terá participação das secretarias de Desenvolvimento Econômico e Indústria Naval e de Fazenda, com o aval da Secretaria de Planejamento, Modernização da Gestão e Controle. De acordo com Haddad, ter como gerente de investimentos a Niterói Negócios significa ter um cadastro de clientes com cerca de sete mil empresas de mais de 30 países, que poderão gerar negócios e atrair mais investidores, empregos e renda para a cidade. O objetivo é alcançar resultados tão positivos como os que foram registrados na capital. Pelo diagnóstico econômico apresentado sobre o Rio de Janeiro, os investimentos voltados a iniciativas de crescimento quintuplicaram. Num raio de 500 quilômetros, o Rio de Janeiro assumiu a liderança em termos de investimento, mais do que capitais como Belo Horizonte, Vitória e São Paulo. Após estudar o potencial de Niterói, a instituição apontou que a vocação da cidade está segmentada nas áreas de Turismo, Gastronomia, Petróleo e Gás, Tecnologia e Sustentabilidade, Indústria Imobiliária e de Construção Civil, Call Center, Polo Cervejeiro e de


NEGÓCIOS

Modas, Clubes Náuticos, prestação de serviços, entre outros. “Niterói fechou uma parceria com a Rio Negócios, agência responsável pela promoção de investimentos no Rio de Janeiro, e isso irá favorecer muito a cidade, porque através dela, conseguiremos fomentar os diversos projetos existentes no município, ofertando esses investimentos para as mais de sete mil empresas que a agência possui em seu portfólio. Niterói ganhará visibilidade no mercado nacional e internacional”, destaca o secretário de Administração e presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Niterói, Fabiano Gonçalves. Na apresentação para os empresários, a Rio Negócios fez um resumo dos investimentos e melhorias que Niterói teve nos últimos quatro anos e o que ainda está previsto dentro do Plano Niterói que Queremos. Dentre os destaques foram apresentados o pacto de gestão, obras de mobilidade como a TransOceânica (que ficará pronta em 2018), o Túnel Charitas-Cafubá, a Garagem Subterrânea de Charitas, os investimentos em sustentabilidade e reciclagem e a parceria público-privada na área de saneamento, que levará a cidade a ter 100% de abastecimento de água e de esgoto tratado.

Bruno Eduardo Alves/ PMN

Parceria entre Niterói e a Rio Negócios busca alcançar resultados tão positivos como os que foram registrados na capital Além disso, os empresários destacaram projetos que a Prefeitura de Niterói irá desenvolver, como o estudo ambiental para desassorear o Canal de São Lourenço e para estimular a Indústria Naval, a revitalização do Centro da cidade através da Operação Urbana Consorciada, o Incentivo à Indústria de Pesca, à cultura, e a gastronomia, assim como a Península de Inovação que representa o crescimento da Indústria de Tecnologia. “Niterói é uma cidade que está pronta para o crescimento. O que iremos fazer é promover esse encontro, mostrando aos investidores, indústria e empresários o potencial da cidade e apontar quais as suas vocações. Vamos divulgar o potencial econômico e comercial do município, incentivar a consolidação e ampliação de negócios e, de forma global, trabalhar para

ampliar negócios das empresas já instaladas, abrindo para investidores do Brasil e de outros países”, disse Marcelo Haddad. Segundo Marcelo, o fato de Niterói ter conquistado o primeiro lugar no Estado do Rio de Janeiro no ranking Desafios da Gestão Municipal 2017, entre 100 cidades acima de 250 mil habitantes, conta pontos na hora de investimentos. “Essa gestão se preparou para ser visionária, se estruturar e fazer uma boa administração. As nossas secretarias continuarão a ter o seu papel, enquanto poder público, mas com uma gerência empresarial intermediando seu crescimento. Já está comprovado que medidas desse tipo se transformam em casos de sucesso”, afirma Luiz Paulino Moreira Leite, secretário de Desenvolvimento Econômico.

CDL NITERÓI 9


NEGÓCIOS

Vendas on-line requerem logística de excelência

U

ma etapa tão importante quanto à venda de um produto na internet é a logística de entrega. Ela corresponde a 50% do sucesso de uma loja virtual, sendo os outros 50% divididos entre a venda e a fabricação do item escolhido. A avaliação é do coordenador do curso MBA em Logística Empresarial e Gestão da Cadeia de Suprimentos da Universidade Federal Fluminense (UFF), Aurélio Lamare Soares Murta, de 41 anos, que é pós-doutor em Engenharia de Transportes e Logística pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Garantir a excelência na logística de entrega é tão importante quanto a fabricação do produto, principalmente nos tempos de hoje em que a pessoa quer o produto na porta da sua casa. “Se compro on-line, é porque não quero sair de casa e quero ter a mesma segurança de quando vou a uma loja e trago o meu produto em perfeito estado. Ou seja, se for um celular, não vai chegar quebrado, não vai ter um tijolo na caixa, em vez do aparelho, como vemos nas notícias por aí. O modelo não vai ter sido trocado por outro que eu não escolhi, entre outros erros. O consumidor quer a garantia de qualida-

710 O LOJISTA n abril 2017

“Se compro on-line, é porque não quero sair de casa e quero ter a mesma segurança de quando vou a uma loja e trago o meu produto em perfeito estado”. Aurélio Lamare Soares Murta, pós-doutor em Engenharia de Transportes e Logística de idêntica a de quando se faz a compra pessoalmente”, afirma. De nada adianta a empresa investir na fabricação de um produto com a melhor qualidade, fazer todo um esforço de marketing e propaganda para que as pessoas comprem o produto, se a entrega não for no mesmo nível. “Tem que ser um casamento e um esforço gigantesco para desenvolver um produto de qualidade que não é desviado, não chega atrasado e nem se quebra no transporte até o destino final”, complementa.


NEGÓCIOS

Para se executar uma grande logística de entrega, existem minimamente três opções para o empresário: montar a própria equipe, contratar um serviço terceirizado ou fazer as entregas pelos Correios. Uma recomendação, para qualquer que seja a opção escolhida pela empresa que quer investir no e-commerce, é contratar um profissional de logística para projetar toda essa funcionalidade. “Ele vai fazer o dimensionamento da frota, para que haja um processo correto. O que vemos hoje é muita gente de baixa qualificação à frente da logística de entrega. E o Brasil já é um país com cidades que atrapalham totalmente o sucesso da mesma, por conta das questões de infraestrutura, muita rua esburacada, engarrafamento e legislação que proíbe determinados veículos de circular em horários específicos. E, se colocar alguém que não é qualificado para comandar a área, o insucesso é certo. É o mesmo que querer construir uma casa apenas com um pedreiro e não contratar um engenheiro e um arquiteto para conduzir o projeto”, argumenta. Em todos os casos, é imprescindível respeitar os prazos acordados, além de ter um cuidado enorme com o que está sendo transportado. Quando se trata de alimentos, a urgência, o esforço e o investimento são maiores ainda. Quem tem consciência desta realidade é Magali Simões, a sócia-proprietária da franquia Gendai Premium, instalada em Niterói. Junto ao marido, Luiz Fernando Pegolo dos Santos, ela está à frente de um restaurante da culinária japonesa que faz entregas com pedidos on-line. “Tudo é importante. A escolha das embalagens, o cuidado no preparo, a conferência permanente de tudo que está saindo para o cliente, respeitando os prazos e o padrão. O pós-venda é feito através de feedbacks diários. Temos uma estrutura montada e correta, assistida por nutricionista e o laboratório Bioqualitas. Priorizamos as boas práticas desde

“Tudo é importante. A escolha das embalagens, o cuidado no preparo, a conferência permanente de tudo que está saindo para o cliente”. Magali Simões, sócia-proprietária da franquia Gendai Premium

sua implantação, no ano de 2003, quando entrou em vigor”, diz ela. Para Aurélio, gêneros alimentícios requerem um cuidado redobrado. Primeiro porque precisa chegar quente ou gelado, dependendo do tipo de prato. O valor final desta logística também varia por conta de diversos fatores. “Os veículos têm de ser adequados para o transporte e o raio de atendimento tem de ser curto, pois morando na Barra da Tijuca, no Rio, por exemplo, não posso pedir uma comida de um restaurante em Niterói. O custo desta logística para produtos perecíveis ou não perecíveis varia muito. Se for não perecível, ou seja, sem urgência, e que não tem problemas de manuseio, o percentual da logística no valor do produto pode chegar a 10%, pois o veículo e a mão de obra não precisam ser tão especializados. Agora, se o produto é caro e de fácil roubo, gasta-se mais para protegê-lo. Caso necessite de um manuseio diferente e se a entrega é urgente, eventualmente, vai precisar de mais veículos na frota, o que eleva de 10% para 30% ou 35% do valor final cobrado ao consumidor”, esclarece o especialista.

CDL NITERÓI 11


gestÃo empresarial

Redução de custos Por Vicente Falconi Sócio-fundador da FALCONI

A

redução de custos está na ordem do dia! No entanto, ainda existe certa incompreensão acerca desse tema e, com muita razão, muita gente tem medo de tocar nos custos e perder em outras frentes. De fato, a maioria dos custos é necessária! O raciocínio certo em redução de custos tem sua origem na ciência de análise do valor. A pergunta a se fazer sobre cada custo é: este custo agrega valor para a empresa? Se não agrega, é desperdício e deve ser candidato forte à sua eliminação. Procuramos desperdícios, e não custos! Os desperdícios são, geralmente, “invisíveis”. Se nós os conhecêssemos, já os teríamos eliminado. Lembro-me que, certa vez, fizemos um projeto de redução de custos para uma empresa, e decidimos elencar as despesas, com processos judiciais, como custos que não agregam nenhum valor. Houve resistências, mas iniciamos os trabalhos e esses custos foram reduzidos substancialmente.

12 O LOJISTA n abril 2017

Elencamos também as provisões para devedores duvidosos, como custos que não agregam valor, e o diretor financeiro quase nos matou. No entanto, colocando uma lente de aumento no processo de concessão de crédito, verificamos falhas que foram prontamente corrigidas. Todas as despesas que não agregam valor deveriam merecer atenção maior de nossa parte, pois, certamente, ali existem oportunidades de ganhos. Existem custos que agregam valor, mas que também merecem nossa atenção. Por exemplo, vamos tomar uma despesa necessária qualquer: consumo de óleo lubrificante. Ninguém duvida de que as máquinas devam ser lubrificadas. No entanto, pode haver vazamentos e o consumo estar mais elevado do que o normal. A lição a ser aprendida é que todos os custos devem ser monitorados e sempre comparados a valores ideais, para que conheçamos nossas perdas. Outro ponto de aprendizado é que um esforço de redução de custos não

A pergunta a se fazer sobre cada custo é: este custo agrega valor para a empresa? Se não agrega, é desperdício


“Na redução de custos não há mágica, a menos que seus desperdícios estejam muito altos”

pode ser pontual, mas, sim, contínuo e para toda a vida. Devemos criar em todas as empresas uma cultura de solução de problemas de tal maneira a não só atacar os problemas, mas também desenvolver no pessoal a competência nesse método. Muitas vezes, isso pode ser impedido por uma resistência natural das pessoas em não querer expor seus problemas. Os problemas pessoais e culturais são muito fortes nas empresas. Devemos fazer força para criar uma “cultura de enfrentamento dos fatos”, ou seja, um orgulho em mostrar suas próprias lacunas (oportunidades de ganhos ou problemas) e levar seu time a resolver problemas. Elogie as pessoas que apresentarem seus problemas! Nesse ponto, para o caso especial de supermercados, dou como exemplo o indicador de “quebras”. Ora, qualquer coisa que se ganha em quebras vai direto para a última linha de seu balanço. Portanto, a empresa de supermercados deveria manter um esforço contínuo de baixar seu índice de quebras, praticando a solução de problemas em grupo para sempre e focados nesse item. Finalmente, para que você consiga melhorar sempre a sua empresa,

reduzindo todos os desperdícios ao mínimo, recomendo-lhe calcular anualmente todas as suas lacunas (oportunidades de ganhos) para que você tenha sempre um cardápio de problemas a serem resolvidos. Repare que sempre que quisermos reduzir custos, poderemos fazê-lo sem muita competência, se “o mato estiver muito alto”. No entanto, à medida que os desperdícios mais simples forem sendo resolvidos, você vai precisar de muita competência em solução de problemas. Recomendo-lhe dar essa competência a seu pessoal, por meio de treinamentos e de muita prática. À medida que os problemas são resolvidos e sua equipe vai ficando cada vez mais competente, seus resultados vão ficando cada vez melhores! Na redução de custos (desperdícios) não há mágica, a menos que seus desperdícios estejam muito altos e o primeiro ano irá apresentar excelentes resultados. Agora, se você quiser realmente ser competitivo, há muito trabalho e muita dedicação pela frente. Ano após ano.

CDL NITERÓI 13


14 O LOJISTA n abril 2017


CDL NITERÓI 15


Evelen Gouvêa

PÁSCOA

Empresários apostam em crescimento na Páscoa

do a perda de poder aquisitivo da população por conta da atual situação econômica do país, seria combinar preços baixos com a redução do tamanho dos itens. Diversificar oferecendo doces e brinquedos, especialmente por se tratar de uma data que envolve diretamente o público infantil, também é uma possibilidade. Outras opções são investir em produtos voltados para públicos específicos e buscar novos mercados. Apresentar chocolates light, zero lactose e até mesmo doces que não levam cacau em sua composição, mas que possam ser adaptados para o período é uma forma de atrair novos clientes. Assim como estar disposto a oferecer promoções para venda corporativa. Essa alternativa, trabalhada como um adicional, permite a venda em larga escala para empresas que queiram presentear seus funcionários, escolas e outras instituições. Mas o foco não deve estar apenas no percentual de venda final. Segundo o especialista, é importante também investir na capacitação dos funcionários, inclusive dos temporários, para atuarem especificamente neste período, pois um atendimento diferenciado favorece os interesses do empreendedor, que é a satisfação do cliente, proporcionando mais chances em fidelizar o consumidor e ainda atraí-lo em outros momentos. Evelen Gouvêa

C

om a proximidade da Páscoa, que este ano será no dia 16 de abril, os doces feitos de chocolate ficam em evidência. Para os comércios voltados especialmente para essas guloseimas, a Páscoa é considerada o maior evento do ano, com movimentação superior,inclusive, ao Natal. Mas, além de chocolates, a data também favorece a venda de brinquedos e oferece uma oportunidade de boa movimentação para bares e restaurantes que se comprometem em trazer um cardápio especial nesta época, especialmente com investimentos em vinhos e pescados. Com tanto potencial para empreender, um bom planejamento, investimentos em divulgação e decoração e, ainda, no treinamento da equipe de vendas, são ações fundamentais para garantir um retorno positivo neste período e obter o controle das finanças. Para o consultor de gestão, economista e especialista em Mercados Financeiros, Carlos José Guimarães Cova, uma das estratégias, consideran16 O LOJISTA n abril 2017

A Páscoa representa 35% do nosso faturamento anual e este ano estamos otimistas quanto às previsões" Cristiane Salkini – Proprietária das franquias Kopenhagen e Chocolates Brasil Cacau


PÁSCOA

“Diante de um ambiente de mercado completamente indefinido e das turbulências políticas que o país enfrenta, a busca por novas alternativas de vendas e pela diversificação do mix de produtos é uma estratégia interessante para a redução do risco da operação. Influenciar a procura por produtos através de estratégias que combinem preços, diversidade e promoções pode fazer com que o consumidor responda favoravelmente ao mercado. Mas vale lembrar que não basta ter só variedade e preço. É preciso encantar o cliente, entregar o ‘algo mais’, fazer o consumidor se sentir único, mesmo que o produto adquirido seja um produto de grande cobertura de mercado”, destaca Cova. O especialista explica que a calibração do estoque também permite reduzir as perdas. Programar as vendas, ou seja, começar a disponibilizar os produtos com antecedência e oferecer promoções na semana que antecede a Páscoa permite um maior controle do retorno sobre o que foi investido. Além disso, estabelecer um dia de queima de estoque também colabora para que as metas estabelecidas sejam alcançadas.

Di v u

lgaç

ão

Com expectativa de crescimento de 5% nas vendas pela Kopenhagen, e de 2% pela Chocolates Brasil Cacau, a empresária Cristiane Salkini começou a preparação para o período em agosto de 2016 e já adiantou as vendas, iniciadas em fevereiro, com o intuito de permitir um maior contato e organização dos consumidores para as compras. Com foco no cliente, todos os funcionários passaram por treinamento específico. E buscando atrair consumidores específicos, as franquias trouxeram em suas linhas, além dos clássicos e dos chocolates especialmente elaborados para esta Páscoa, os ovos funcionais, com versões light e zero lactose. “A Páscoa representa 35% do nosso faturamento anual e este ano estamos otimistas quanto às previsões de crescimento feitas pelos economistas. Estamos investindo nas nossas linhas clássicas, como os chocolates Língua de Gato da Kopenhagen, mas também tivemos um crescimento de 11% nos ovos funcionais e estamos com 12 lançamentos específicos de Páscoa. Além disso, nossas embalagens foram completamente inovadas, e estão mais sofisticadas e elegantes”, explica Cristiane.

CDL NITERÓI 17


PÁSCOA

Evelen Gouvêa

Outro fator decisivo na organização das marcas para o período é a perspectiva de movimentação no mercado por conta da liberação do saque de contas inativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Segundo Cristiane, a liberação de recursos, que favorece os beneficiados nascidos entre janeiro e maio, somada ao clima mais frio, que favorece o segmento de chocolates, ainda possibilitou a criação de vagas efetivas nas duas franquias. “Essa entrada de recursos do FGTS, que não estava sendo esperada quando iniciamos a programação de Páscoa no ano passado, e a previsão de crescimento nas vendas, permitiram que contratássemos novos funcionários, o que também contribui, favoravelmente, para o mercado de trabalho. Estamos preparados para atender bem e oferecer os melhores produtos aos nossos clientes e ansiosos quanto aos dez dias que antecedem a Páscoa, que é o período de maior movimentação de vendas”, complementa Cristiane.

18 O LOJISTA n abril 2017

Para o empresário Raymundo Soares de Oliveira, que também é proprietário de uma franquia de chocolates, a data é a mais movimentada para o setor, superando em 50% as vendas de Natal e com movimentação cinco vezes maior do que qualquer outra época do ano. Para suprir as demandas do período, ele também começou a preparação um ano antes, com vendas antecipadas e contratação de funcionários temporários. “Este ano estamos esperando um crescimento em torno de 10 a 15%. Esta é a data para vender chocolate, por isso investimos sempre em linhas novas e buscamos Di v u lgaç ão oferecer produtos e preços variados, para atender a todos os gostos. Apostamos nas nossas linhas clássicas e nos lançamentos, mas também estamos com uma grande variedade de presentes infantis, que são adquiridos juntos com os ovos de Páscoa. E para melhor atender os nossos clientes, contratamos dois funcionários temporários e oferecemos treinamento”, conta Raymundo. A Páscoa traz ainda grandes possibilidades para os setores de alimento e bebidas. Para isso, adequar o cardápio, oferecendo pratos tradicionais da época, como a Colomba Pascal, pescados, bacalhau, ensopados e outras especialidades, assim como manter uma carta de vinhos variada e promover degustações podem aumentar a demanda neste período. Outro setor também muito favorecido é o de brinquedos. Muitas pessoas investem em diversificar os presentes de Páscoa, associando chocolates e pelúcias, entre outros itens que remetem à celebração. Para esses setores, as dicas como manter um rigoroso controle de estoque, investir em treinamento, em decoração especial e oferecer promoções também são essenciais.


JURÍDICA

Menor de idade que trabalhava em horário noturno poderá ser indenizado em R$ 100 mil Por Alexandre Andrade Assessor Jurídico CDL Niterói www.pereiradeandrade.adv.br

Q

ue a justiça do trabalho vem concedendo indenizações por danos morais todo mundo já sabe. E não é novidade também que os empregados procuram a justiça para receberem por cumprimento de jornadas de trabalho extrapoladas e não pagas por seus patrões inadimplentes. Esses são temas clássicos nos corredores da justiça obreira em todo país. O que não é comum, no entanto, é ver uma indenização por danos morais numa monta tão significante R$ 100 mil. Isso mesmo caros leitores, os senhores não estão enganados. Não se trata de prêmio de loteria ou coisa que o valha, é uma indenização estabelecida pela justiça do trabalho. É que a situação foi considerada grave e a indenização estabelecida obedeceu ao caráter pedagógico. Um operador de caixa que habitualmente prestava serviço em horário noturno, mesmo sendo menor de idade, deverá receber da ex-empregadora R$ 100 mil de indenização por danos morais. A decisão foi proferida pela segunda Turma do TRT do Paraná que considerou evidente o dano extrapatrimonial ao adolescente, submetido a condições nocivas de trabalho. Admitido em abril de 2010 pela A. – Distribuição Comércio e Indústria, empresa do grupo C., o menor deveria encerrar o expediente às 21h50, mas era comum que a jornada se estendesse até depois das 22h, entrando

no chamado horário noturno, proibido a menores de 18 anos. Para os desembargadores, a conduta da empregadora violou os artigos 7º, XXXIII, da Constituição Federal e 404 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), além de diversos instrumentos internacionais, dentre os quais estão a Convenção da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre os direitos das crianças, o Pacto Internacional dos Direitos Civis e Políticos e as Convenções 138 e 182 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). “A vedação do labor noturno ao trabalhador adolescente é imperativo, decorrente da doutrina da proteção integral e da condição especial de pessoa em desenvolvimento”, enfatizou o desembargador Ricardo Tadeu Marques da Fonseca, relator do acórdão, observando ainda que os prejuízos à saúde do menor são presumidos juris et de jure e, portanto, independem de prova. Dessa decisão ainda cabe Recurso ao Tribunal Superior do Trabalho, que, a critério de uma de suas turmas, poderá diminuir o valor do quantum indenizatório ou até mesmo entender pela inexistência de danos de natureza extrapatrimonial. Nosso objetivo ao trazer essa notícia é que nossos leitores, independente do resultado final desse caso concreto, não cometam a mesma heresia, ou seja, aprenda com o erro do outro.

CDL NITERÓI 19


sua empresa

Experiência do consumidor no e-commerce impulsiona vendas na loja física e vice-versa

O

desafio das lojas físicas hoje, inseridas no e-commerce, é alinhar as experiências pessoais dos consumidores nos dois ambientes, o virtual e o presencial. Para que as vendas sejam cada vez maiores e o aproveitamento dessas duas possibilidades se deem ao máximo, é preciso que o varejo construa ações integradas, atendimento diferenciado e tenha funcionários preparados. De acordo com a especialista em Marketing Digital e Mídias Sociais, Patrícia Andrade Ladeira, de 45 anos, o que importa é trazer facilidades ao consumidor, independente de onde foi feita a compra. “Hoje ele é considerado o proconsumidor, porque não espera. Ele vai aos sites de busca, faz pesquisas e se informa sobre aquela loja/ produto que deseja adquirir. Existe uma máxima que diz: faça um cliente infeliz no mundo

20 O LOJISTA n abril 2017

físico, que ele contará para seis amigos. Faça um cliente insatisfeito na internet que ele vai contar para seis mil amigos”, ressalta ela, que é diretora executiva da empresa Contenuto. A arte de gerar experiências ao cliente, na realização da compra, é atrelada ao conceito de “showrooming”, quando compradores experimentam produtos na loja física, mas fazem a compra na loja virtual por um melhor preço. É possível trabalhar em conjunto para que esse fenômeno traga resultados benéficos para a marca. A sócia da Pixel Dinâmico, Fernanda Cesário, de 32 anos, mostra que o segredo é personalizar as necessidades do cliente que chega à loja, assim como ocorre no meio digital. “A partir do momento em que esses canais ‘conversam’, tem seus sistemas integrados e semelhantes. Ter uma equipe treinada e preparada em ambos os canais, munida de sistemas de hábitos de consumo de seus clientes e prospects cadastrados, possibilita que uma loja física ofereça produtos de acordo com cada perfil - como acontece na internet, com as páginas e produtos sugeridos. Seu atendimento torna-se personalizado e voltado para realizar os desejos dos consumidores. Isso faz com que a compra seja uma experiência incrível e prazerosa, transformando os desafios do novo consumidor em oportunidades reais de venda”, avalia.

"Existe uma máxima que diz: faça um cliente infeliz no mundo físico, que ele contará para seis amigos" Patrícia Andrade Ladeira - Especialista em Marketing Digital e Mídias Sociais


DIREITO DIGITAL

O comércio eletrônico chegou e seu negócio ainda não está preparado Por Antonio Carlos Barragan Advogado Consultor Empresarial; Contador; Perito; Professor universitário de Direito Digital, Direito Tributário e Direito Financeiro; Pós-graduado em Direito Público; MBA em Direito Securitário; e Mestre em Direito Econômico e Desenvolvimento

M

ais do que nunca é preciso compreender que o mundo não é igual ao que existia quando você iniciou o seu negócio. Cartas, ligações telefônicas e o longo bate-papo com o cliente, durante o horário comercial, já não são mais suficientes para fazer o seu negócio crescer e se desenvolver. É necessário que o seu negócio seja capaz de acompanhar as mudanças digitais deste novo mundo, pois, caso contrário, ele se tornará obsoleto e será ultrapassado por novos modelos de negócios no seu ramo que melhor atenderão às demandas atuais de seu público-alvo. A velocidade das informações, aliada à escassez de tempo na vida das pessoas, se tornaram relevantes ingredientes, que têm feito com que cada vez mais pessoas estejam aderindo ao comércio eletrônico como forma de aquisição de produtos que satisfaçam as suas necessidades. E neste novo cenário, onde tem se encaixado o seu negócio? Realizando consultoria empresarial para uma startup do ramo ótico, por exemplo, verificamos que o seu mercado de atuação ainda prestava o comércio ótico da mesma forma, de modo secular. O que havia de diferente naquele lojista em relação aos demais concorrentes? O interesse em inovar, em reinventar em um antigo ramo que aparentava não ter perspectivas de novidades para ele. Realizamos a consultoria empresarial, passando por uma releitura e um mapeamento do mercado ótico, para apresentarmos as possibilidades, daquela startup, de renovar e inovar, com foco na implementação digital, com total segurança e amparo jurídico. Se deu certo? Faz um ano que a empresa está em atividade, e apenas nos dois primeiros meses não apresentou lucro, em razão das despesas pré-operacionais que ainda precisavam ser pagas ou recuperadas. Do terceiro mês em diante, a empresa apresentou uma reta ascendente em sua lucratividade e não experimentou um mês, sequer, dos efeitos da crise financeira. Outro ótimo exemplo de inovação, com apoio jurídico e digital, é o Cirquedu Soleil, atualmente considerada a maior companhia circense do mundo. Como uma atividade antiquíssima, como a do circo, que ser encontrava em franco

declínio, conseguiu se tornar um sucesso de bilheteria em todo o planeta? Eles investiram seus recursos em busca de um novo modelo de circo que pudesse atrair jovens e adultos para os seus espetáculos, apoiados no plano jurídico e digital. Inicialmente, para o Cirquedu Soleil, as crianças deixaram de ser o foco, porque se chegou à conclusão de que deveriam investir seu marketing atraindo aqueles que de fato possuem o recurso financeiro. Portanto, era preciso fazer com que os adultos tivessem vontade de ir ao Cirquedu Soleil. No entanto, os adultos preferiam gastá-los em cinemas, teatros e espetáculos musicais, ao invés do circo. Foi então que houve o grande salto para o sucesso: desenvolveram uma peça teatral musical com números circenses. Agora, o adulto com o poder aquisitivo, como eles queriam, sairia de casa para um programa que incluía música, teatro e circo! Perfeito, e, para que funcionasse, faltava fazer com que aquele propenso espectador não perdesse tempo na aquisição dos ingressos e tivesse o conforto de escolher o assento que desejasse para assistir ao espetáculo, sempre dentro das normas jurídicas vigentes. Foi aí que entrou o comércio eletrônico (e-commerce) e móvel (m-commerce), permitindo que o espectador compre, por meio de poucos cliques em seu computador ou em seu telefone celular, o assento que deseja, com dia e hora selecionados para o espetáculo. O resultado mundial de sucesso do Cirquedu Soleil, todos já conhecem. Contudo, apesar de muitas histórias de sucesso ocorridas, com o auxílio do meio digital e assessoria jurídica, outras tantas foram de fracasso, justamente por lhes faltar uma adequada assessoria jurídica e digital. Por isso, para alavancar o negócio ou criar uma startup de sucesso, não se pode abrir mão de investir em uma consultoria com profissionais que poderão lhe dar informações preciosas para fazer o seu negócio se atualizar no mundo em que está inserido. Lembre-se, um dos grandes erros de muitos empresários sempre foi despender quantias nas velhas práticas em um mundo de novas tecnologias. Portanto, é hora de inovar para não correr o risco de ser ultrapassado! CDL NITERÓI 21


22 O LOJISTA n abril 2017


FIQUE POR DENTRO

Alimentação, vestuário e consertos estão entre os negócios mais promissores em 2017

S

e, para alguns lojistas, o primeiro trimestre de 2017 ainda vem apresentando reflexos por conta da crise econômica, para outros, o momento pode ser de oportunidades. Conforme estudo divulgado pelo Sebrae, estão entre as atividades que mais crescem no país: empreendimentos no ramo da alimentação, vestuário, consertos, além de serviços especializados, que promovem a redução de custos das empresas. De acordo com a Associação Brasileira de Autorizadas em Eletroeletrônicos (Abrasa), que representa quase 11 mil assistências técnicas em todo o país, o volume de reparos neste ano ficará pareado ao registrado em 2016, que teve um aumento de 28%. Para a realização do estudo e mapeamento dos negócios, o Sebrae analisou os segmentos com maior taxa de natalidade em 2016, que sinalizam a existência de uma maior demanda. Para o presidente da entidade, Guilherme Afif Domingos, as atividades ligadas a vestuário, alimentação e higiene apresentam alta em função do crescimento contínuo da população que, mesmo em tempos de crise, não deixa de consumir, embora busque alternativas mais baratas. Destaque também para empresas que oferecem produtos e serviços especializados, que possibilitam a redução de custos para outras empresas, como as áreas de advocacia, engenharia, comunicação, contabilidade, entre outras atividades.

Outro segmento que vem apresentando crescimento contínuo é o de reparação. Com o aumento do desemprego e a redução do crédito, muitas pessoas, impossibilitadas de adquirir novos produtos, acabam recorrendo aos serviços de consertos. De acordo com o presidente da Abrasa, Norberto Mensório, os produtos que os clientes mais têm reparado em 2017 são smartphones, televisores de plasma, LCD e LED, refrigeradores, máquinas de lavar e aparelhos de som, principalmente os high end. “Acreditamos que o consumidor entendeu que o reparo, principalmente de aparelhos seminovos, é uma boa solução para a economia doméstica. Além do apelo ambiental, notamos que mesmo quando o consumidor opta por adquirir um produto mais moderno, ele busca reparar o antigo para repassar para alguma pessoa da família, do que simplesmente se desfazer. Acreditamos que essa consciência veio para ficar”, reforça Norberto. De acordo com Alda Helena Walberto, proprietária da Só Peças - Consertos e Peças, localizada no Centro de Niterói, também houve um aumento na venda de acessórios e reparos em seu estabelecimento, registrado a partir de julho do ano passado. “Os principais aparelhos que tiveram aumento na procura pelos serviços de conserto foram liquidificadores, ventiladores, cafeteiras e aspiradores”, diz a empresária.

CDL NITERÓI 23


mercado

Feriados prolongados elevam em 30% o consumo de viagens em Niterói

V

iagens nos fins de semana prolongados por feriados devem injetar R$ 21 bilhões a mais na economia brasileira em 2017, segundo a projeção do Ministério do Turismo. O levantamento, feito em parceria com a Fundação Getulio Vargas (FGV), calcula cerca de 10,5 milhões de viagens ao longo do ano nesses períodos. A estimativa superpositiva vai na contramão da previsão da indústria e do comércio, que esperam amargar um prejuízo de alcance bilionário. Para Alex Dissat, que é diretor geral da 4 Cantos Turismo, agência de câmbio e turismo de Niterói, a boa previsão já é realidade. “Os feriados influenciam positivamente no nosso mercado, pois possibilitam que as pessoas tenham dias de

Feriados prolongados permitem ofertas de viagens para destinos nacionais e internacionais lazer além de suas férias anuais. Este ano será de muitos feriados prolongados, permitindo diversas ofertas, tanto pelo Brasil, quanto para destinos internacionais como Buenos Aires, Santiago, Nova Iorque, entre outros locais que podem ser visitados em curto prazo”, afirma ele. O Ministério do Turismo acredita que as viagens e o consumo nos dias de folga gerarão renda e emprego. A Associação Brasileira das Agências de Viagem (Abas) calcula que a demanda por viagens de lazer, em 2017, deva crescer entre 8% e 14%. Além disso, o feriado que deve gerar maior impacto

"Os feriados influenciam positivamente no nosso mercado, pois possibilitam que as pessoas tenham dias de lazer" Alex Dissat - diretor geral da 4 Cantos Turismo

24 O LOJISTA n abril 2017

na economia, segundo o estudo, é o Dia de Nossa Senhora Aparecida, em 12 de outubro, quando 1,94 milhão de viagens movimentarão R$ 3,9 bilhões. Haverá três fins de semana sequenciais com feriados prolongados: 14 de abril (Sexta-Feira Santa), 21 de abril (Tiradentes, sexta-feira) e 1º de maio (Dia do Trabalho, segunda-feira). Os demais feriados são: 15 de junho (Corpus Christi, quinta-feira), 7 de setembro (Independência do Brasil, quinta-feira), 12 de outubro (Dia de Nossa Senhora Aparecida, quinta-feira) e 2 de novembro (Finados, quinta-feira). Somam-se o Carnaval, o Natal e o Réveillon. O fluxo de clientes na 4 Cantos Turismo aumenta em 30% nos meses que antecedem os feriados prolongados, como conta o dirigente. “O consumidor já percebeu que quanto antes decidir sua viagem, mais se consegue boa qualidade em hotelaria, além de melhores preços. O mercado de turis-


mercado

mo tem ofertas para todos os feriados deste ano, e já preparamos informes nas vitrines das lojas e diversos folhetos de acordo com o destino de preferência, e preços que atendem a todas as classes sociais”, informa. O gerente geral do Best Western Plus Icaraí Design Hotel, Thiago Santos, não avalia os feriados prolongados como algo bom para a hotelaria de Niterói, já que a cidade tem um perfil muito corporativo, o que faz com que nos feriados o movimento no município caia. “Hoje passamos por uma crise muito forte no país e tivemos um aumento da oferta no mercado hoteleiro. Surgiram, nestes últimos meses, muitos hotéis no Rio, no Estado, e em Niterói também. Esta oferta aumentou, porém, a demanda não. Isto já prejudica muito o setor, porque espalha o lucro. O que em dois anos antes se lucrava no hotel, agora já passou para a metade. Se uma pessoa escolher viajar, vai querer apenas um dos três feriados de abril. Automaticamente, nos outros dois, ficaremos com baixa ocupação. Tenho notado que o mês de abril não vem apresentando bons resultados, como nos outros meses. Exatamente pelo fato de Niterói ser um destino mais corporativo. Quando se tem três feriados no mesmo mês, corta-se três vezes essa demanda. Então, em vez de um aumento no fluxo de clientes, sentimos uma redução que não é muito diferente do que ocorre no comércio”, lamenta.

"Queremos também atingir o público que vem a lazer. Niterói ainda tem essa pegada familiar" Thiago Santos - gerente geral do Best Western Plus Icaraí Design Hotel

Para driblar a queda de clientes nesta data, o hotel oferta diversos descontos para os hóspedes que já conhecem as acomodações e visa atingir ainda o público que vem à cidade para lazer. “Nós informamos à nossa base de clientes que nos feriados teremos tarifas promocionais. E, mesmo sabendo a característica de Niterói, queremos também atingir esse público que vem a lazer. Niterói ainda tem essa pegada familiar. Quando chega um feriado, recebemos famílias que aproveitam a oportunidade para visitar seus parentes, como filhos que vêm visitar os pais”, comenta. O Best Western Plus Icaraí Design Hotel é o melhor pontuado pelo Booking.com, o maior site de vendas on-line de viagem no mundo, e o segundo no Trip Advisor. Outra forma de reverter qualquer dificuldade e vislumbrar o crescimento do hotel é firmar parcerias. “Niterói é uma cidade que é considerada um pouco de interior e, por isso, estamos trabalhando muito no

Para atrair hóspedes, hotéis apostam em tarifas promocionais para os feriados prolongados sentido de conhecer as pessoas da região, trazê-las para o hotel. Fechamos parcerias com teatro, entre outros, para, aos poucos, fortalecer a marca, que é muito conhecida fora do Brasil, mas que está estreitando essa popularidade no Rio de Janeiro e no Estado, onde foram inauguradas 4 unidades da rede de hotéis no ano passado”, conclui.

CDL NITERÓI 25


POLÍTICA

Há luz Por Claudia Cataldi Mestre em Ciência Política e Relações Internacionais e Imortal da AFL

E

m meio a um turbilhão de fatos e notícias estarrecedoras que são destaques constantes em nossos noticiários televisivos, vários impressos ou digitais estão levando muita gente a desacreditar numa recuperação do nosso Brasil. Considerada unanimemente por todos, como a “Crise das Crises”, a recessão atingiu em massa todos os setores da nossa economia, todas as classes da nossa sociedade e todas as esferas da nossa república. Não escapou ninguém, público ou privado, não livrou executivo, legislativo nem mesmo o judiciário, levando a sociedade a uma grande reflexão: Como explicar esse descarrilamento moral, esse descalabro político, e esse retrocesso social, econômico e conjuntural que vivemos? Passado o jejum de otimismo, responsabilizar culpados ou suas motivações, nada irá contribuir para a reversão desse quadro depressivo da nossa economia. Então a resposta pode estar na ação, melhor dizendo, na superação.

26 O LOJISTA n abril 2017

Pegando carona no conceito de Schumpeter, “é na crise que surge o embrião da prosperidade”, acreditamos ser possível sobreviver à grande crise, e aprender com ela. Com o consumo altamente freado pela escassez de recursos na economia, decorrência de fatores como a elevada taxa de juros, a dificuldade de acesso ao crédito, e a inadimplência em efeito dominó, resta ao empreendedor se reinventar a cada dia. Não existe fórmula mágica, mas um primeiro grande passo pode ser a reestruturação dos custos. Reduzir quadros, otimizar a mão de obra remanescente e implementar alternativas digitais e tecnológicas para aumentar a competitividade podem ser detalhes importantes no novo contexto. Um bom site, um software de gestão eficiente, e a implementação do E-Commerce (comércio eletrônico) são pequenos exemplos de ações que podem elevar o patamar de vendas de qualquer negócio. Também pode ser alternativa realizar uma

reengenharia de custos para precificar corretamente os produtos, pois muitas vezes reduzindo minimamente o valor final do produto/serviço, pode-se elevar exponencialmente as vendas e lucrar muito mais em função da quantidade que da unidade. Não devemos eximir o poder público pelo caos instaurado, afinal o Custo Brasil é o algoz da indústria, inimigo do comércio e maior adversário em qualquer modelo de negócios no Brasil. Portanto, além do exercício do voto, cabe a população participar e cobrar políticas públicas de desenvolvimento, de investimento, tal qual a política de Conteúdo Local, a flexibilização da legislação trabalhista, a desoneração de impostos, enfim, a solução encontrada será resultado das ações tomadas e não de belas intenções. Certo estava Paulo Freire ao afirmar: “A teoria sem prática vira verbalismo, a prática sem teoria vira ativismo. No entanto, quando se une a prática com a teoria tem-se a práxis, a ação criadora da realidade.


LOCAL

Em 2017 potencialize seus negócios fazendo os cursos 18h30 às CDL Niterói realizados pela CDL Niterói 21h30 e o Sebrae. TÉCNICAS DE VENDAS

03 agosto a 07 agosto

Conteúdo: A importância da venda consultiva; As diversas funções do vendedor; Desenvolvendo habilidades de prospecção de mercado e busca de clientes; Principais ferramentas de vendas para a entrevista de diagnóstico; Desenvolvendo a habilidade de levantar necessidades de clientes; Princípios fundamentais do processo de negociação; Organização das ações de pós-venda.

230,00

CONTROLES FINANCEIROS

17 agosto a 21 agosto

18h30 às 21h30

CDL Niterói

Conteúdo: Controle, previsão e análise do caixa; A origem dos recursos e seus registros; Análise do fluxo de caixa; Determinação do capital de giro; Apuração dos resultados da empresa.

E não esqueçam esse é o ano do e-commerce! Prepare-se 08h30 às CDL Niterói 18h00 para esta nova realidade do comércio.

230,00

ANÁLISE E PLANEJAMENTO FINANCEIRO

31 agosto a 04 setembro

Conteúdo: A administração financeira da empresa; Projetar fluxo de caixa; Fatores que influenciam o planejamento; Definição de metas com base nos resultados; Conclusão do plano: Afinal, este negócio é viável?

230,00

INICIANDO UM PEQUENO GRANDE NEGÓCIO

14 setembro a 25 setembro

08h30 às 18h00

CDL Niterói

Conteúdo: Perfil empreendedor; Identificação de oportunidades de negócios; Análise de mercado e financeira; Concepção dos produtos e serviços; Orientação para elaboração do Plano de Negócios.

340,00


28 O LOJISTA n abril 2017

O lojista abril  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you