Page 1

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

1


2

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA


EDITORIAL

A COOPERATIVA DO EMPRESÁRIO

N

ossa entidade continua a trabalhar em busca de mais vantagens para o ramo empresarial anapolino. O mais novo benefício é o fato de a CDL de Anápolis sediar, desde o dia 10 de abril último, a nova unidade da Sicoob Lojicred na cidade. A cooperativa de crédito que atende empresários de todos os setores da sociedade e entidades sem fins lucrativos coincide com a mentalidade de gestão da CDL: oferecer produtos diferenciados sem perder a referência da qualidade.

“Estamos bastante otimistas em relação ao sucesso deste empreendimento porque conhecemos a seriedade e prosperidade que envolvem a Sicoob Lojicred”

Estamos bastante otimistas em relação ao sucesso deste empreendimento porque conhecemos a seriedade e prosperidade que envolvem a Sicoob Lojicred, pelo que já foi constatado em outros Postos de Atendimento Cooperativo de sua atuação, especialmente em Goiânia. Conforme dados divulgados pelo presidente da Lojicred, Geraldo Moreira, a Assembléia Geral Ordinária realizada em fevereiro deste ano apontou que o patrimônio líquido da cooperativa de crédito cresceu 61% em 2007 em relação ao mesmo período do ano passado. Já entre os ativos, houve um incremento de 176%. A assembléia mencionada serve para que a diretoria executiva faça a prestação de contas anual a todos os cooperados, o que comprova a transparência que pauta a atuação da Sicoob Lojicred. Pela credibilidade e pelos valores de cooperativismo demonstrados, apoiamos e recomendamos a todos os nossos associados que não deixem de desfrutar deste importante serviço.

Wilmar Jardim de Carvalho Presidente

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

3


Sumário

Edição com 52 páginas

Fundada em 20 de setembro de 1962

Presidente Wilmar Jardim de Carvalho 1º Vice-presidente Luiz Pereira da Costa

Editorial................................................................................................................ 3 CDL Celular avança em outras cidades..................................................................6 CDL apóia Cruzada pela Dignidade......................................................................10 Boom do crédito brasileiro...................................................................................12 Cresce oferta de cartões de marca própria......................................................... 16 Vestuário segmentado.........................................................................................18 Desafios e vantagens da franquia........................................................................22 Envio de remessas do exterior movimenta economia goiana . ..............................24 Sicoob Lojicred é instalada em Anápolis..............................................................26 ZPE é confirmada em Anápolis............................................................................28 Grupo anuncia produção do Tucson em Anápolis.................................................30 A importância da direção defensiva.....................................................................32 Entrevista: “Depressão tem cura”.......................................................................36 Fecomércio recebe homenagem pelos seus 60 anos.............................................38 CDL é homenageada pela Câmara Municipal........................................................39 Pesquisas de intenção de compras......................................................................40 ABO e CREA selam parceria com Escola de Informática da CDL...........................42 Mais de 12 mil guias de atendimento emitidas.....................................................44 7 mil acessos/dia................................................................................................45 Mérito Lojista 2008........................................................................................... 46 49ª Convenção Nacional do Comércio Lojista será em Uberlândia (MG)............................................................................................47 Outras Notícias...................................................................................................48

Dr. José Humberto Arcanjo: Empreender é ter idéias.............................................8 Ten Cel Alexandre Freitas Elias: Segurança pública – responsabilidade de todos...................................................................................34 Dra. Janaina Siqueira: “Piercing oral” - Extravagância visual que oferece risco à saúde..........................................................................................50 Importante Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores, não expressando necessariamente o pensamento da CDL de Anápolis

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

Diretores Walter Jensen Barbosa João Batista da Silva Wanderley Camargo Iraci Custódio Ribeiro Makário Luiz Orozimbo Alexandre Marques Antunes Maria Edna Sanches Denys Junqueira Maryam Mikhael Francisco Carlos da Silva Elsio Alves Pereira Gerson Sant’Ana Latife Cury de Pina Elmo dos Reis Goulart Marcos Aurélio Rodovalho Conselho Fiscal João Batista de Souza Janilson Dutra Fonseca Antônio Gonçalves O LOJISTA Jornalista responsável Priscylla Dietz GO 01868 JP Assessoria comercial Rui Marques de Lima

Articulistas desta edição

4

Vice-presidentes Olívio Porto Lima João Itagiba Nunes Júnior Orival Rodrigues Jardim Air Ganzarolli Reinaldo de Castro Del Fiaco

Contatos Rua Conde Afonso Celso, nº 25, Centro Anápolis – Goiás CEP: 75025-030 / Telefone: (62) 3328-0008 E-mail: jornalismo@cdlanapolis.com.br Site: www.cdlanapolis.com.br

Diagramação e arte Alexandre Campos Cardoso Jamile Ribeiro Queiroz Fotos CDL e Divulgação Capa AJA Designer Fotolito e impressão Gráfica e Editora Globo Tiragem 2.500 exemplares


JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

5


CRESCIMENTO

CDL Celular avança em outras cidades

O plano de telefonia móvel criado pela CDL de Anápolis em parceria com a Consult já é operado comercialmente em Trindade, Inhumas e Goianésia. CDLs de Rio Verde e Mineiros também vão aderir ao projeto em breve “As principais vantagens do plano são o (baixo) custo e o atendimento (aos usuários)”, afirma o presidente da CDL de Goianésia, João Neurivaldo Gomes

O

CDL Celular já está presente em quatro cidades goianas. Além de Anápolis, onde o plano de telefonia móvel teve início, a operação comercial também é feita em Trindade, Inhumas e Goianésia. Até o fechamento desta edição, as CDLs de Rio Verde e Mineiros já estavam decididas pelo plano e faltava apenas a definição sobre o dia e local de lançamento para as respectivas entidades. O projeto é fruto de uma parceria entre a CDL anapolina com a Consult Consultoria em Telecomunicações e foi estendida aos outros municípios por meio das respectivas CDLs. O primeiro contato com os presidentes das entidades que já são oficialmente parceiras foi feito em setembro de 2007, por ocasião da 48ª Convenção Nacional do Comércio Lojista, realizada em Natal (RN). As apresentações oficiais do produto para diretoria e associados, no entanto, só ocorreram neste ano, no dia 27 de fevereiro (para CDL de Trindade), no dia 12 de março (para CDL de Inhumas) e no dia 14 de março (para CDL de Goianésia). O presidente da CDL de Goianésia, João Neurivaldo Gomes, conta que, para assinatura do contrato de adesão, que foram decisivas a seriedade da CDL de Anápolis e também a experiência bem sucedida verificada entre os usuários da cidade. “Estamos no início (da operação comercial), mas nossa expectativa é de boa aceitação. As principais vantagens do plano são o (baixo) custo e o atendimento (aos usuários)”, acrescenta. Em Trindade e Inhumas, a receptividade ao CDL Celular também foi bastante satisfatória. Em Inhumas, por exemplo, onde o plano está em franca expansão, a reunião inicial foi tão produtiva que os cerca de 50 empresários presentes queriam ter acesso imediato aos aparelhos. A parceria para o plano empresarial é feita exclusivamente com CDLs. Uma equipe da Consult oferece o treinamento aos consultores das entidades sobre o novo serviço. No critério adesão como usuário, o mesmo só é fornecido para associados da entidade que desejam redução de custos em telefonia móvel. O diretor-executivo da Consult, Luis Miguel Mendes, afirma que a CDL de Anápolis viabiliza a operação às entidades parceiras, tendo em vista que para conseguir os valores propostos com a operadora a primeira teve que atender critérios que muitas CDLs do interior do Estado não conseguiriam. “Sendo assim, a CDL de Anápolis se mostra parceira das demais CDLs”, completa.

6

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA


Vantagens do CDL Celular:

Blog do CDL Celular

O CDL Celular ganhou, em abril deste ano, um blog. O espaço foi elaborado para que usuários e a equipe do plano de telefonia móvel pudessem interagir através deste meio de comunicação tão ágil e eficaz que é a internet. No blog, também é possível acompanhar informações e novidades na área de telefonia celular.

• • •

Chamadas grátis entre o grupo Controle total dos custos Isenção de adicional de chamada e deslocamento Menor tarifa do mercado

Contato com a equipe CDL Celular • •

Telefone: (62) 3328-0008 E-mail: cdl@cdlcelular.com. br

Confira o endereço eletrônico: http://blog.cdlcelular.com.br/cdlcelular

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

7


ARTIGO

Empreender é ter idéias

M

ais do que sentar e estudar horas a fio em escolas de administração, gestão e economia, o grande empreendedor tem que ser visionário, tem que ter algo a mais, tem que ter idéias que estão à frente do seu tempo e dos seus concorrentes. Empreender, portanto, é mais do que vontade, é um dom que aqueles que nascem com o mesmo podem ou não desenvolver com o tempo. E estudar é uma forma de lapidar esse dom. O maior exemplo disso são os grandes empreendedores no Brasil e no exterior, que nunca tiveram ensino superior e são grandes empresários, que quando começaram a crescer, buscaram qualificação e se cercaram de pessoas competentes para gerir o seu negócio dentro dos moldes acadêmicos. No entanto, as grandes decisões nunca passam por fórmulas e sim pelo feeling que o empreendedor tem. O grande empreendedor desenvolve esse dom quando deixa sua mente e visão de forma panorâmica, como se fosse um conjunto de câmeras que capta várias imagens sob vários ângulos, capazes de dar várias óticas a um mesmo fato. Pessoas sem essa capacidade acabam tendo uma visão míope do mercado. Por isso trabalham muito e têm pouca recompensa. E se no caminho que escolheram tiverem qualquer contratempo, não tem capacidade visual para mudar de direção. Empreender também é ter idéias que podem até ser simples, mas que têm que ser inesperadas, autênticas e, mais do que isso, têm que “pegar”, fixar na mente das pessoas. As maiores fortunas de hoje surgiram de idéias simples ligadas à internet. Porém, mesmo tendo idéias, percepção e dom, o grande empreendedor sozinho não consegue sustentar seu próprio negócio. Por isso é importante cercar-se dos melhores profissionais técnicos do mercado, porque esse é o segredo para gerir um grande empreendimento. Não adianta ter grandes idéias e ser arrojado se o seu grupo não tem capacidade para executá-las.

Dr. José Humberto Arcanjo Cirurgião Dentista formado na Universidade de Uberaba, especialista em Ortodontia,Vice-presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Posse-GO, é proprietário do CMO – Centro Médico Odontológico, Possui clínicas em Iaciara, Alvorada do Norte, Mambaí e está inaugurando sua mais nova clínica em Itumbiara, a Clinica OI, além de ser parceiro em outras clínicas em mais seis cidades 8

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

O empreendedor tem que saber que não dá para ser médio, que não pode ficar estagnado, porque senão ele, ou vai ser comprado pelo grande, ou vai se enfraquecer até se tornar pequeno. Portanto planejamento, dedicação, competência, rede de relacionamentos, tanto no setor privado quanto no público, confiança e determinação ajudam o empreendedor a planejar metas de crescimento. Empreender, portanto, é “simples”. Como foi para o Pelé ser o maior jogador de futebol de todos os tempos, é para o Tiger Woods ser o rei do golf, para o Jordan o do basquete e Schumacher e Senna na fórmula 01, e para Bill Gates, maior fortuna do mundo em 15 anos, existe uma receita básica que é ter dom, talento, trabalhar, se dedicar integralmente no que se propõe a fazer e ter os melhores parceiros para ajudar você a ter sucesso.


JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

9


EVENTOS

CDL apóia Cruzada pela Dignidade

U

Kleber Palhão

Funcionários da CDL participaram da caminhada que marcou o lançamento oficial do projeto Cruzada pela Dignidade

ma grande caminhada pelas ruas principais do Centro de Anápolis, realizada no último dia 04 de junho, marcou o lançamento oficial do projeto Cruzada pela Dignidade. O movimento foi idealizado pelo juiz da Infância e da Juventude e diretor de Foro de Anápolis, Carlos Limongi Sterse, e tem a adesão de várias instituições, incluindo a Câmara de Dirigentes Lojistas. A Cruzada tem o objetivo de combater práticas de violência doméstica, abuso sexual contra menores e uso e tráfico de drogas. A idéia é despertar a sociedade para os problemas e resgatar os valores da família. A concentração teve início na Praça Americano do Brasil, onde foi montado um palco, e contou com a participação de diversas autoridades locais. Na ocasião, Carlos Limongi lançou o Manifesto da Cruzada pela Dignidade.

Senai amplia sua estrutura em Anápolis

A

Faculdade de Tecnologia Senai Roberto Mange, em Anápolis, esteve em festa na noite do último dia 26 de maio. Com a presença de diversas autoridades, a unidade inaugurou um novo complexo pedagógico, dotado de 15 salas de aula, 5 laboratórios e uma sala de coordenação, totalizando 2.369.40 m² de área construída. A obra inclui ainda sala do Espaço Digital de Educação Continuada (Edec), projeto desenvolvido em parceria com o Departamento Nacional do Senai, que é destinado à realização de pesquisas e estudos on-line por docentes. A expectativa da instituição é que as novas instalações permitam um incremento de cerca de 40% em sua capacidade de atendimento, com a oferta de 600 novas vagas nas atividades de educação profissional.

A inauguração em Anápolis fez parte de uma série em conjunto com outras três unidades por parte do Senai em Goiás, em comemoração aos seus 56 anos. Além do novo complexo pedagógico da Faculdade de Tecnologia Senai Roberto Mange, foram inauguradas as seguintes obras: o novo pavilhão da Unidade Integrada Sesi Senai

Autoridades desenlaçam a fita de inauguração das novas instalações do Senai em Anápolis 10

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

Affonso Lima

Niquelândia (construído em parceria com as indústrias Votorantim Metais e Anglo American); das melhorias e ampliações realizadas nos ambientes de ensino das unidades do Sesi e Senai em Itumbiara; do Núcleo de Design de Móveis da Faculdade de Tecnologia Senai Ítalo Bologna, em Goiânia. (Com informações do Senai)


JUNHO E MARÇO/2008 JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

11


CAPA

Boom do crédito brasileiro Fatores como a estabilidade econômica promoveram o acesso a facilidades de crédito e incrementaram o consumo no País

O

Marizeth Gomes mostra os cartões de crediário que possui os quais, segundo ela, representam uma chance de comprar uma quantidade maior de mercadorias

12

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

brasileiro está consumindo mais e esta realidade tem boa parcela de influência do aumento da oferta de crédito observado nos últimos anos no País. De acordo com relatório do Banco Central, o volume de crédito representou 34,9% do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em março deste ano e a expectativa é de que, em 2008, esse índice cresça entre 20% a 25% em relação a 2007. O professor de Economia Edson Soares Carareto observa que o incremento no crédito brasileiro ficou ainda mais perceptível nos últimos quatro anos. As causas se devem a fatores como a estabilidade econômica nacional (obtida a partir do Plano Real), o ingresso de recursos externos que fez com que algumas empresas e bancos canalizassem suas fontes de financiamento, o próprio aumento do poder aquisitivo de parte da população e a flexibilidade quanto ao crédito consignado à folha de pagamento. “Esta


acessibilidade (ao crédito) beneficiou consideravelmente uma parte da população que teve acesso a alguns produtos e mercadorias que antes não tinha”, acrescenta. A bombeiro militar Marizeth Gomes de Jesus Peixoto, de 34 anos, concorda com a avaliação do economista. Ela, que começou a trabalhar aos 18 anos, sentiu no bolso a diferença entre o período pré e pós Plano Real, uma vez que avalia que atualmente até quem recebe salário mínimo pode ter acesso a crédito, o que não ocorria antes de 1994. “Hoje, com meu salário, é fácil de conseguir crédito, mas antigamente quando eu não trabalhava na área que eu trabalho agora (de funcionalismo público) era complicado”, diz.

O caso de Marizeth confirma as estatísticas citadas sobre utilização de crédito. A bombeiro militar possui três cartões de crédito, cheque prédatado e inúmeros cartões e carnês de crediário próprio (inclusive de Goiânia e alguns que nunca utilizou), além de ter empréstimo consignado em folha de pagamento. Apesar de tantas opções, ela explica que mantém controle e planejamento sobre tudo que gasta e por isso não passa por imprevistos orçamentários. Evita ao máximo também pagar juros em excesso e, no que diz respeito a cartões de crédito, sempre paga o valor total da parcela e não o mínimo que traz consigo taxas maiores na prestação seguinte. Apenas Marizeth e o esposo traba-

“A acessibilidade ao crédito beneficiou consideravelmente uma parte da população”, assinala o economista Edson Soares Carareto

lham na família, que é composta por mais quatro crianças. Diante disso, a principal vantagem apontada por ela para justificar o fato de lançar mão das prestações é a chance de comprar uma quantidade maior de mercadorias e, assim, ter condições de beneficiar todos os integrantes do lar. “Se você me perguntar hoje se eu tenho R$ 1.200 para comprar um computador, eu vou dizer que não tenho”, afirma. “Mas eu sei que se eu parcelá-lo em dez vezes de R$ 120, esta parcela não aperta no meu orçamento e, se eu for juntar o total durante 10 meses, eu não consigo”. SETORES BENEFICIADOS - As facilidades de pagamento como utilização de crédito não envolvem apenas produtos de valor elevado. Na comparação de janeiro deste ano com janeiro de 2007, todas as atividades do varejo registraram aumento nas vendas. Entre os melhores resultados está o de móveis e eletrodomésticos, que cresceu 16% neste período comparado. Outro segmento que comemora crescimento é o de financiamentos imobiliários (confira Box). O economista Edson Soares Carareto também acrescenta que os setores mais beneficiados na economia pelo aumento do acesso ao crédito são os que respondem por eletroeletrônicos, materiais de construção (impulsionados pela flexibilização das regras da Caixa Econômica Federal para aquisição de imóveis bem como a utilização do FGTS), além da participação de farmácias e supermercados e do setor automobilístico. “O carro é disparado o setor que tem mais conseguido financiar os seus estoques e a

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

13


sua produção”, ressalta. CUIDADOS – Apesar de todo clima de comemoração quanto ao acesso da população a produtos através do pagamento parcelado, Edson Carareto recomenda cautela para todas as transações a serem efetivadas sob este aspecto, especialmente porque pode haver oscilação da taxa de juros. “É lógico que o aumento descontrolado de crédito por parte do consu-

midor pode levá-lo à inadimplência, o que pode gerar conseqüências para as empresas que estão acreditando no recebimento”, argumenta. Para evitar tal situação, o especialista ressalta que o cliente deve estar continuamente atento ao equilíbrio entre o seu poder aquisitivo e a quantidade de parcelas que vai assumir durante um dado período. Quem compra a prazo também deve evitar fazer cré-

dito sobre crédito uma vez que pode sofrer algum imprevisto como a perda do emprego. Para as empresas, Edson Carareto aconselha que observem criteriosamente a quem conceder facilidades financeiras para obtenção de seus produtos. Outra dica é reduzir juros e diluí-los em prazos menores de pagamento para correr menos risco de sofrer com a inadimplência e ter liquidez mais rapidamente.

Panorama geral da expansão do crédito • Venda de veículos tem o melhor desempenho em 10 anos • As vendas do setor automotivo nos primeiros 11 meses de 2007 subiram 30,73% em relação ao mesmo período em relação ao mesmo período de 2006 • As vendas de veículos novos no Brasil cresceram 31,4% nos três primeiros meses de 2008 sobre igual período de 2007, para 648 mil unidades • Apenas no mês de março, as vendas de veículos novos tiveram alta de 15,6% sobre fevereiro e de 20,0% ante igual mês de 2007, para 232,1 mil unidades • A produção subiu 11,0% mês a mês e 13,4% na leitura anual, atingindo 280,6 mil unidades • As vendas do comércio varejista brasileiro aumentaram 10,5% em 2007, comparadas com o ano anterior, puxadas pelos setores de vestuário, móveis e eletrodomésticos • As vendas de tecidos, vestuário e calçados subiram 7,6% mês a mês, enquanto em móveis e eletrodomésticos a alta foi de 3,1%. As vendas de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas

14

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

e fumo tiveram variação positiva de 0,1% • Na comparação com maio de 2006, todos os setores tiveram aumento nas vendas. No confronto anual, o maior impacto positivo veio de hipermercados, com avanço de 8,2% • Na comparação com janeiro de 2007, todas as atividades do varejo obtiveram aumento no volume de vendas Os melhores resultados foram para: Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (8,4%)  Móveis e eletrodomésticos (16,0%)  Outros artigos de uso pessoal e doméstico (29,6%)  Tecidos, vestuário, calçados (15,4%)  Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (16,2%)  Combustíveis e lubrificantes (3,1%)  Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação (24,7%)  Livros, jornais, revistas e papelaria (8,1%)

• Os financiamentos imobiliários com recurso da poupança movimentaram R$ 1,963 bilhão em fevereiro, o que representa um crescimento de 121,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. Foram 18.935 unidades financiadas, um aumento de 90,4% em relação a fevereiro de 2007 • No primeiro bimestre de 2008, o volume de empréstimos pelo SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo) chegou a R$ 3,585 bilhões, 125,6% a mais que no primeiro bimestre de 2007. Foram 36.012 unidades financiadas, praticamente o mesmo número de todo o ano de 2003, quando foram feitos 36.446 empréstimos • O acumulado em 12 meses foi de R$ 20,278 bilhões, um aumento de 103,3% em relação aos 12 meses anteriores • A captação líquida (depósitos menos saques) de fevereiro foi de R$ 1,1 bilhão, um crescimento de 26,3% em relação ao ano anterior, quando depósitos menos saques resultaram em R$ 886 milhões Fonte: Diário da Manhã (edição de 18/04/2008)


Reduza a conta telefônica

de sua empresa e ainda leve um aparelho celular de GRAÇA. Diga não às indesejáveis surpresas no final do mês. Defina o quanto vai gastar antes mesmo da fatura chegar. Ligue hoje mesmo para a CDL Celular Agente Autorizado Claro Empresas.

(62) 3328 0008 e (62) 9135 9555

www.claro.com.br ou ligue 1052

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

15


CAPA

Cresce oferta de cartões de marca própria A modalidade de pagamento fideliza os clientes e reduz a inadimplência. Para o consumidor, representa mais uma fonte de crédito para aquisição de mercadorias

A funcionária pública Ivani Oliveira Araújo (de camisa preta e branca) utiliza seu cartão Floresta para fazer compras

O

s cartões de marca própria têm ganhado espaço no mercado de consumo de Anápolis. E a razão disso não é segredo: a chance de uma oportunidade extra de crédito atrai cada vez mais consumidores. Esta realidade acompanha a tendência nacional de ascensão do uso de cartões oferecidos diretamente pelas empresas (veja matéria correlata). Por meio dessa modalidade de pagamento, os empresários vêem sua clientela crescer e se tornar cativa e, “de quebra”, ficam com parte do ganho financeiro que, com o uso de cartões convencionais, iria integralmente para as instituições financeiras. Outra vantagem valorizada pelos lojistas é a redução do índice de inadimplência. As grandes redes de varejo utilizam os cartões de marca própria já há bastante tempo.Agora, as pequenas e médias empresas também investem na área (confira Box). O caso do proprietário da Drogaria Barão e Farmatec, Marco Antônio Franco, confirma essa informação. Suas empresas são detentoras de um cartão próprio, Rede Farma, há aproximadamente dois anos e meio. O direito sobre ele foi adquirido de um grupo de farmácias e drogarias anapolinas que encontrou dificuldades para administrá-lo.

16

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

A decisão de Marco Antônio de assumir a modalidade de pagamento, que possui cota de crédito para o usuário, foi acertada, pois, segundo sua avaliação a mesma representa hoje 15% das vendas na Drogaria Barão e 8% das negociações feitas na Farmatec. “Nós evitamos notinhas que muitas vezes dão prejuízo e ainda fidelizamos o cliente, inclusive dando-lhe uma certa dignidade porque ele não precisa ficar pedindo notinha”, aponta. Ele explica que qualquer consumidor pode se habilitar a ter o cartão, desde que não possua restrições junto ao SPC e Serasa. A pessoa física pode comprar e parcelar em até três vezes suas compras cujo valor mínimo deve ser de R$ 25. Existem ainda convênios com grandes grupos como o Armazém Goiás, Grupo Geolab, Porto Seco, Nova Farma e CCA Motos. Neste último caso, o cartão pode ser utilizado também aos principais supermercados de Anápolis. A baixa inadimplência, que fica em torno de 5%, é outro ponto que motiva a continuação do projeto, segundo Marco Antônio. “Pelo fato de o cartão ser genuinamente anapolino, qualquer probleminha que ocorra é possível resolver diretamente no escritório da empresa ou dentro do próprio estabelecimento comercial”, acrescenta.

TENDÊNCIA - O Floresta Supermercados é outra rede que adotou o cartão de marca própria com o objetivo de acompanhar uma tendência de mercado, conforme explica o gerente Danilo Pereira Rodrigues. A forma de pagamento existe há aproximadamente cinco anos e representa hoje cerca de 5% do total de vendas. O número é considerado bom, uma vez que essa porcentagem já ultrapassa a alcançada atualmente pela bandeira Mastercard e quase empata com a Visa. O gerente, no entanto, diz que estão sendo montadas estratégias para ampliar a atuação entre os consumidores. “São expedidos cerca de 120 cartões por mês. Nossa meta é dobrar esse número no período de um ano”, diz. O Floresta Supermercados disponibiliza uma funcionária exclusiva dentro de suas dependências para averiguar se há interessados em fazer os cartões da loja. Ela preenche a ficha do candidato após a apresentação de dados como o número do CPF e carteira de identidade, contracheque, comprovante de endereço e mais dois telefones fixos para referência. As informações colhidas são repassadas para a administradora do cartão, Fininvest, que faz a análise do cadastro para sua liberação. O cliente não paga pela emissão do cartão nem valor de anuidade, mas existe uma taxa no caso de utilização apenas. “É uma forma de pagamento segura tanto para o cliente (pela facilidade que tem) quanto para o comércio (não tem perdas, reduz inadimplência)”, declara Danilo Pereira. É possível fazer comprar em até 40 dias sem juros ou até fazer o pagamento em duas parcelas. O prazo é uma das vantagens apontadas pela funcionária pública Ivani Oliveira Araújo, de 42 anos, que possui o cartão Floresta há cerca de três anos e meio. “Acho ótimo (o cartão). Compro mais à vista ou com ele e posso aproveitas as promoções do supermercado”, afirma.


Brasil terá quase 500 milhões de cartões em circulação no final de 2008 A Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (ABECS) estima que o mercado de meios eletrônicos de pagamento acrescentará cerca de 55 milhões de cartões à sua base de plásticos em circulação até o final de 2008. Com isto, o país chegará a dezembro com 493 milhões de unidades. As previsões indicam que eles realizarão seis bilhões de transações e movimentarão R$ 375 bilhões. Pela expectativa da Associação, a base de plásticos em circulação terá um crescimento de 12% em relação a 2007, enquanto o número de transações crescerá 17% e o valor das compras cerca de 20%. Em termos absolutos, além dos 55 milhões de plásticos a mais, acontecerão 866 milhões de operações acima do registrado no

ano anterior e os brasileiros gastarão com cartões R$ 62 bilhões além do que gastaram em 2007. De acordo com o diretor de comunicação da ABECS, Marcelo Noronha, 2007 foi o primeiro ano da história em que a média das três modalidades (crédito, débito e loja/rede) indicou o uso de todos os cartões em circulação pelo menos uma vez por mês para pagamento de compras. Ainda considerando todas as modalidades, o gasto médio por plástico no ano foi de R$ 757, um aumento de 7% sobre 2006, e o valor médio de cada compra foi de R$ 61, contra os R$ 59 do ano anterior (+3%). Em termos de volumes por modalidade, os cartões de crédito chegarão em dezembro à casa de 110 milhões

em circulação e serão responsáveis por R$ 218 bilhões em compras. Estes números representam um crescimento de 18% na base e 19% no valor das compras. No ano passado o valor das compras com cartões de débito foi R$ 88 bilhões. A ABECS estima que este número salte para R$ 102 bilhões este ano, configurando um aumento de 20%. Já os cartões de loja e rede chegarão à casa das 170 milhões de unidades, realizarão 973 milhões de transações e movimentarão R$ 54 bilhões, com crescimentos proporcionais de 19%,17% e 23% respectivamente. Texto: Assessoria de Comunicação da ABECS. Divulgado no dia 09 de abril de 2008

Dois lados da balança Algumas das vantagens do cartão de marca própria para pequenas e médias empresas - e as tentações que elas devem evitar Vantagens • Mais fidelidade: quando conjugado com facilidades exclusivas, pode ajudar a empresa a fazer com que o cliente volte a seu estabelecimento outras vezes. • Mais receitas: ao oferecer um instrumento de crédito automático adicional, o potencial aquisitivo do cliente aumenta as chances de novas vendas na loja. Maior visibilidade: além da exposição da marca da empresa no próprio cartão, os clientes satisfeitos têm a tendência de fazer propaganda boca a boca positiva da companhia Tentações Guerra de preços: oferecer excessivas facilidades de pagamento, como promoções, bonificações e programas de fidelização, pode comprometer a lucratividade • Gente demais: destacar funcionários apenas para divulgar o cartão e captar usuários é um erro. A folha de pagamentos não deve inchar por causa do cartão. • Diversionismo: é preciso não esquecer que a essência do negócio do varejista não é dar crédito indiscriminadamente, mas encontrar formas rentáveis de vender seus produtos Fonte: Revista Exame

Lembrete! Entidades de defesa do consumidor aconselham que, antes da contratação e utilização dos cartões de marca própria, se deve dar atenção aos custos como tarifa de manutenção, taxas de juros para parcelamento e também pelo atraso da fatura.

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

17


TENDÊNCIA

Vestuário Segmentado Os empresários com os quais a reportagem de O Lojista teve contato para elaboração desta matéria possuem uma característica em comum: visão de mercado.Trata-se de lojistas atentos às necessidades de segmentos que estavam sendo “deixados de lado” pelas lojas de artigos do vestuário em geral. A estratégia de investir em setores específicos da sociedade que são englobados por este contexto tem sido certeira cujo resultado é a conquista de uma clientela fiel e satisfeita. Confirma a seguir as histórias de comerciantes que atuam na venda de modas maior, evangélica, branca e gestante.

MODA MAIOR O bom conselho das amigas gordinhas

U

m pedido serviu como um “clique” para que Diva Lopes definisse o novo ramo em que atuaria em sua vida profissional. Professora já com projeto de aposentaria à vista, ela havia decidido instalar uma loja e começou a fazer planos sobre qual área investir. Por meio de sua observação do mercado, percebeu que o segmento para moda maior era deficiente em Anápolis. Ao comentar com amigas gordinhas sobre a idéia de abrir um novo negócio, todas

pediram que Diva investisse em um estabelecimento que oferecesse roupas para elas. “Eu já vi muitas amigas que são gordinhas passarem por grande constrangimento de chegar numa loja de moda feminina pequena e serem humilhadas. Acho isso muito triste porque ser gordinha não é defeito”, diz. Nascia então, há seis anos, a Big Fashion Moda Maior Feminina. Diva Lopes se orgulha por vender

Diva Lopes decidiu abrir uma loja de moda maior por influência das amigas gordinhas 18

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

roupas exclusivas para o segmento das “fofinhas”, como gosta de chamar suas clientes. “Aqui, se você comprar roupa para fofinha ela vai ficar bonita na fofinha porque ela é feita para fofinha. Não é aquela coisa pequena que você veste para adaptar no seu corpo e ela abre em qualquer lugar”, aponta. A proprietária da loja afirma que ainda não alcançou grandes retornos financeiros com o estabelecimento, mas acredita que isso se deve ao seu pouco tempo no mercado. Esse fato, entretanto, não a encoraja a parar principalmente quando se lembra da compensação profissional que tem ao agradar suas consumidoras e das diversas que faz no seu dia-a-dia. “Vejo a satisfação das pessoas que compram aqui que te elogiam pelo bom gosto e saem felizes por terem encontrado uma loja que tem roupa maior do que o que elas vestem. A auto-estima delas melhora”. Diante disso, Diva Lopes já vislumbra estratégias diferentes para seu negócio. A empresária pretende continuar a atender suas “fofinhas”, mas futuramente quer se dedicar à venda exclusiva de roupas para festas.


MODA EVANGÉLICA Bons resultados entre os evangélicos

H

á aproximadamente cinco meses, Silvano Vilas Boas e Valéria de Sousa Villas Boas concretizaram o projeto de inaugurar uma loja que atendesse exclusivamente o segmento evangélico, do qual fazem parte. O casal conta que a decisão da abertura da Esplêndida Modas surgiu “de repente”, mas foi levada a cabo com um ponto de partida: a ampliação dessa fatia do mercado em Anápolis. Apesar do pouco tempo de existência, os donos dizem que o estabelecimento já colhe bons resultados, inclusive na área financeira. “Realmente existe um público carente de moda evangélica (na cidade). A loja nos surpreendeu, foi diferente e melhor do que esperávamos”, comemora Silvano.

da loja. Anunciaram em uma rádio local, instalaram pequenas faixas em alguns pontos da cidade e distribuíram 300 convites individuais a amigos e pessoas que eles perceberam como futuros clientes.

Outra surpresa foi a constatação de que não são apenas os evangélicos que se interessam pelas mercadorias oferecidas. Hoje eles respondem por cerca de 80% da clientela da Esplêndida; os 20% restantes são compostos por consumidores pertencentes a outras crenças, que simplesmente optam por um vestuário mais conservador. Silvano e Valéria relatam que fizeram uma divulgação simples

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

19


MODA BRANCA Loja em transição

U

ma opção em fase experimental. Poderíamos definir assim a New Life Modas, loja que foi fundada há dois anos e meio pelo casal Adalberto Carvalho Vieira e Cristiane Ferreira. Boa parte do estabelecimento é composta por artigos da moda branca, mas ainda é possível ver mercadorias de cores diferentes. “Como se diz, o nosso forte é o branco, mas nós mesclamos um pouco porque está sendo ainda uma experiência, uma coisa nova”, diz Adalberto. Os lojistas já atuaram em ramo diferente do que estão investindo no

O casal Adalberto Carvalho Vieira e Cristiane Ferreira estão apostando na moda branca para atender profissionais e estudantes da área da saúde

momento e justificam a mudança como uma tentativa em atuar em uma área que enfrenta menos concorrência. Não se arrependem e não descartam a idéia de tornar a loja 100% branco, pois afirmam que tem sido boa a aceitação da iniciativa entre os consumidores. Quanto à moda branca, o público-alvo da New Life Modas é composto por profissionais da saúde em geral, como médicos, enfermeiros,fisioterapeutas e odontólogos.Engloba-se também o universo estudantil desse setor. Neste aspecto, a localização da loja é privilegiada, pois está instalada nas proximidades da Faculdade Latino Americana, que possui em sua grade cursos como Enfermagem, Fisioterapia e Farmácia que exigem dos docentes o uso da roupa branca, especialmente os jalecos. Adalberto estima que os alunos representem 80% de sua clientela de moda branca. Esse número causa reflexos na loja, pois no início de cada semestre as vendas aumentam significativamente. “Na época que os alunos estão de férias, nós saímos muito para fazer visitas em lojas e empresas para divulgação (dos artigos da moda branca)”, acrescenta Adalberto. Para o segmento em pauta, a New Life Modas oferece roupas femininas e masculinas, calçados e bordados de todas as formas para as personalizações necessárias. Devido à existência de cursos de ensino superior nos três turnos, a loja também fica aberta durante o período noturno.

MODA GESTANTE Inspirada na própria experiência

O

ano: 1998. A empresária Adélia Lopes Batista via, mês a mês, sua barriga crescer por causa da gravidez e se afligia pelo fato de não achar vestes apropriadas para o corpo que se transformava. “Era a maior dificuldade para achar roupa para gestante. Eu comprava tecido, mandava fazer e não dava certo”, lamenta. Adélia questionava as amigas que também estavam esperando bebês sobre o assunto e a conclusão que todas chegavam é de que havia uma carência muito grande de roupas que atendesse exclusivamente esse segmento em Anápolis Foi então que Adélia teve a idéia de investir numa loja do ramo e, em 2000, abriu a Mamãe & Bebê – Moda Gestante. A lojista encontra muitas futuras mamães que, como aconteceu com ela, se preocupam com a maneira de vestir durante esse período tão especial. Segundo ela, as clientes elogiam a iniciativa de dedicar suas mercadorias às gestantes. “Tem umas que falam assim: graças a Deus porque agora eu sei onde tem roupa para mim”. Adélia afirma que as grávidas representam hoje cerca de 70% de sua clientela; os 30% restantes são completados desde mulheres jovens a idosas dos mais diferentes perfis. Para a comerciante, a principal compensação de seu trabalho é ver sua consumidora satisfeita por achar a roupa ideal para o momento da gestação. “Eu amo ver uma gestante bem vestida porque não existe gestante feia, existe gestante mal vestida porque (a gravidez) é o período que a mulher mais fica linda”.

20

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

“Não existe gestante feia, existe gestante mal vestida”, afirma Adélia Lopes Batista cuja loja é voltada para as grávidas


NEGÓCIO

Desafios e Vantagens da Franquia Nesta edição de O Lojista, dois empresários falam sobre suas experiências como franqueados em Anápolis. O primeiro entrevistado é Gilberto Dias da Cunha, que administra franquias da Arezzo e da Colcci há 11 e 6 anos, respectivamente. Já a segunda entrevistada é Ieda Maria de Alencar que tem a franquia da Cacau Show há 9 anos e já foi responsável pelas franquias de O Boticário durante 20 anos. Conforme definição do dicionário Michaelis, franquia é uma operação que consiste em ceder o direito de uso, numa determinada área geográfica, do nome de uma empres a já constituída e de reputação. A empresa que cede os direitos (chamada franqueador) transmite também o know-how necessário para a montagem da empresa, dá treinamento aos futuros funcionários etc., recebendo, em troca, além do pagamento de uma taxa de franquia, porcentagens dos lucros auferidos pela empresa. Confira a seguir as entrevistas:

Franquias Arezzo e Colcci

Como foi o processo da instalação de sua primeira franquia? Eu trabalhava no Banco do Brasil, na gerência em Pirenópolis, quando o administrador do Anashoppping que é ex-colega meu de banco me ligou e me ofereceu a franquia da Arezzo no shopping. O Banco do Brasil, em 1995, tinha feito um plano de demissão voluntária e começou a mexer com o funcionalismo e muita gente ficou apavorada com isso e a partir desse momento eu comecei a pensar em ter um negócio próprio. E aquilo foi amadurecendo, no dia seguinte voltei a conversar com ele, mas tinha 22

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

alguns outros candidatos, então entrei em contato direto com a Arezzo, que logicamente tem um processo para selecionar o franqueado. Quanto tempo durou esse processo? Do momento que ele me passou o negócio mais ou menos dois a três meses nós concluímos a negociação com a Arezzo. Inauguramos a loja em novembro inclusive nós não estávamos dentro do padrão da Arezzo, porque tínhamos que inaugurar antes do Natal. Aí a segunda loja já foi mais dentro do padrão da Colcci , porque tem todo um projeto que você tem que fazer de acordo com o padrão determinado pela franquia. O processo foi muito burocrático? O início foi um pouco burocrático, porque nós fazemos uma entrevista tem que saber se a pessoa tem perfil ou não porque uma marca do porte da Arezzo não vai colocando qualquer pessoa para ser franqueado. Como nós já tínhamos dentro do banco a função de administrador isso facilitou um pouco apesar de não termos experiência comercial, apesar de que a franquia também te passa um treinamento. O senhor sentiu diferença quando foi pleitear a franquia da Arezzo e quando tentou a franquia da Colcci? Na Colcci foi até mais fácil porque nós já tínhamos uma certa experiência por causa da Arezzo. Então tivemos essa facilidade de chegar na Colcci, de participar dessa entrevista. Eu credi-

to também a nossa consolidação da Arezzo à minha esposa, Marilce Silva Campos Dias Cunha (que atua na área comercial do estabelecimento). Quais os principais desafios de se trabalhar com uma franquia? A partir do momento que você tem a facilidade de aceitar as orientações e determinações do franqueador você não tem dificuldade. Eles são profissionais, eles têm experiência no mercado então qualquer orientação que eles passam é verdadeira e você tem que ter a humildade de acatar e colocar em prática. Uma dificuldade que temos como franqueado na verdade é que o risco é todo seu, por exemplo, se você faz a compra do produto e ele não tem aquela aceitação, aquela fluidez no negócio, o risco é seu, pois você não pode devolver, tem que se virar, se for o caso liquidar, porque você também tem meta a cumprir. E quais as principais vantagens? Pegar um negócio e uma marca já consolidados, ter toda orientação do franqueador, ter a propaganda institucional que já é veiculada no Brasil todo. É só ter administração e ter logicamente o capital para fazer aquilo. Ter uma loja franquia não é barato, porque você tem a taxa de franquia, tem que montar a loja no padrão do franqueador.A franquia tem o retorno de qualquer negócio, não é imediato, tem que ter a paciência de esperar aquele período de dois anos. Mas o risco é menor para uma franquia consolidada de que para uma multimarca que ainda não tem penetração no mercado.


Franquias O Boticário e Cacau Show

Ieda Maria de Alencar – administra a franquia da Cacau Show há 9 anos e já foi responsável pelas franquias de O Boticário durante 20 anos em Anápolis

Desde quando a senhora trabalha com franquia? Como foi seu primeiro contato com essa linha de investimento? Trabalho com franquia desde 1984. Meu primeiro contato foi através da distribuidora de O Boticário, em Goiânia. Queríamos montar um negócio diferente. Por isso fomos fazer pesquisa de empresas em São Paulo. Em uma determinada loja, nos apaixonamos por perfumes. Eram perfumes com rótulo de naturais, diferentes (isso em 1984). Compramos um frasco e ligamos para o telefone do rótulo. Fomos informados que em Goiânia, na Rua 09, havia um representante. Fomos lá. Em Anápolis, o Nosso Foto já vendia, em sua loja, na Av. Goiás. Fizemos o pedido a Selva Dist. de Prod. Naturais para colocar uma loja exclusiva, uma vez que o Nosso Foto, revendia outros produtos. Inauguramos nossa primeira loja, na Rua Amazonas, esquina com a Goiás. A nossa segunda loja foi na Rua Manoel D`Abadia. A terceira foi na Av. Goiás. O Nosso foto não podia mais revender os produtos e ficamos com

a exclusividade. Para conseguirmos, tanto sucesso, viajávamos para o interior e levávamos em nosso carro muita mercadoria, para vender, nas reuniões domiciliares que fazíamos ou no comércio local. Por que a senhora fez a opção de instalar uma franquia? Porque não estava preparada, na época, para plantar, operar e gerir um negócio sozinha. Como foi o processo para esta instalação? Foi muito burocrático? Na época, O Boticário ainda não era franquia, somente dois anos depois, e que fizemos nosso primeiro contrato, por isso não houve muita burocracia, como a que existe hoje, na seleção de novos franqueados. Que diferença a senhora aponta entre o momento em que instalou uma franquia de O Boticário e depois quando instalou a Cacau Show? Há muita diferença! A Cacau Show é uma empresa que em primeiro lugar aprova o perfil do candidato, baseando-se em critérios. Inova e é moderna. O Boticário sacrificou muito os franqueados, para poder crescer e fazer valer a sua marca. A Cacau Show hoje cresce assustadoramente, é organizada e com planejamento. Eles sabem o que querem e onde querem chegar. Na sua avaliação, quais os principais desafios em se trabalhar com uma franquia? O maior desafio é você ter que abdicar de uma parcela razoável de sua independência em nome da segurança e do padrão (da marca). E quais as vantagens? A vantagem é apenas para quem está começando, pois aprende a operacionalizar seu negócio. No passado, construir uma marca de sucesso dependia de vários fatores, com destaque para o tempo de consolidação do produto no mercado. Hoje, marcas de sucesso, que são amadas pelos consumidores,continuam dependendo de vários fatores, mas

o tempo é justamente o que menos importa. Surpreendentemente, hoje o que define se uma marca será lembrada e querida é a emoção, o relacionamento que se cria com esta desde seu nascimento. São os lovermarks (o futuro além das marcas).


DINHEIRO

Envio de remessas do exterior movimenta economia goiana Assessoria para Assuntos Internacionais do Governo do Estado de Goiás estima que goianos que moram em outros países enviem, anualmente, R$ 2 bilhões para seus familiares

Foto: Ângela Scalon

O chefe da Assessoria para Assuntos Internacionais do Governo, Elie Chidiac, diz que os destinos principais para os valores enviados do exterior são compra de imóveis e comércio em gera

24

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

O

número de goianos residentes no exterior gira entre 350 mil a 400 mil, somando os que se encontram em situação legal e ilegal, segundo estimativa da Assessoria para Assuntos Internacionais do Governo do Estado de Goiás. O chefe da pasta, Elie Chidiac, calcula que anualmente esses goianos enviem R$ 2 bilhões para suas famílias que continuam morando no Estado. A cifra representa em média 4% do Produto Interno Bruto (PIB) anual de Goiás, o que se presume que as remessas refletem de forma significativa na economia local. O destino principal para os valores enviados são compra de imóveis e comércio em geral. “Trata-se de um dinheiro líquido que gera impostos e emprego. Além disso, esses imigrantes não acarretam ônus para o Estado, pois (enquanto estão fora) não utilizam serviços como educação e saúde”, assinala Elie Chidiac. Ele cita que entre as atividades mais comumente exercidas pelos goianos no exterior estão os trabalhos de babás, garçonetes, construção civil, entregador de pizza e serviços de limpeza em geral. Destaca ainda que há boa parcela de anapolinos trabalhando em frigorí-

ficos da Irlanda. Os que se mudam para outro país possuem diferentes níveis da vida escolar, são desde pessoas de baixa escolaridade como aquelas que têm curso superior. O que interessa a todos os imigrantes goianos é a busca por melhoria de vida deles e de suas famílias, garante o chefe da Assessoria para Assuntos Internacionais do Governo do Estado de Goiás. O caso de Cilma Gonçalves de Melo e Márcio Silva Rocha, de 27 e 28 anos, respectivamente, confirma a afirmação do Chidiac. Eles moram em Tullamore, na Irlanda (ela, há dois anos e dois meses e ele, há três anos) e se mudaram para lá com o objetivo de conquistar benefícios para eles e a família.Através da internet, pelo programa MSN, Cilma conversou com a reportagem de O Lojista e relatou que exerce atualmente a função de chefe de cozinha e seu marido trabalha em uma fazenda, operando máquinas, dirigindo tratores entre outras atividades. Cilma conta que deixou em Anápolis dois filhos de 4 e 5 anos e os seus pais. Ela diz que aproximadamente 20% da renda do casal são enviados aos familiares que gastam o dinheiro


em tudo no geral, como compra de comida, roupas e remédios. Os 80% restantes são para investimentos em poupança e para as necessidades do casal na Irlanda. Ela diz que um dos objetivos já foi alcançado pelos dois: a aquisição de uma carreta, que está no Brasil. Comprar uma casa é o próximo passo a ser dado por eles. Cilma estima que mais cinco meses de trabalho sejam necessários para concretizar esse projeto. A brasileira afirma que enfrenta constantemente desafios como as dificuldades da rotina e distância, além, é claro, da saudade da família. Perguntada sobre o que a motiva continuar em outro país, apesar dessa situação, ela responde: “O custo de vida é alto, mas mesmo assim conseguimos obter uma melhoria de vida tanto para nós quanto para nossa família no Brasil”. Desde que foram para Irlanda, Cilma e Márcio não voltaram mais ao Brasil, mas, “se tudo der certo”, uma viagem está agendada para o final do ano. “Por enquanto nosso plano é voltar para o Brasil; talvez no futuro voltaremos todos juntos (com filhos)”. Outro projeto de Cilma é abrir uma loja ou montar uma confecção em Anápolis quando voltar em definitivo.

 NÚMERO DE GOIANOS QUE ESTÃO NO EXTERIOR (LEGAIS E ILEGAIS): Entre 350 mil a 400 mil Deste total, calcula-se que entre 200 mil a 250 mil estejam nos Estados Unidos e entre 150 mil a 200 mil morem em países da Europa  DESTINOS PRINCIPAIS DOS GOIANOS: Estados Unidos, Portugal, Espanha, Inglaterra, Itália, França, Bélgica, Irlanda (neste país, há uma comunidade significativa de anapolinos)  QUANTO É INJETADO NA ECONOMIA GOIANA PELOS QUE MORAM NO EXTERIOR: R$ 2 bilhões por ano Em média, as remessas representam 4% do PIB anual de Goiás Fonte: Elie Chidiac – chefe da Assessoria para assuntos internacionais do governo do Estado de Goiás

US$ 7,1 bilhão (R$ 12 bilhões) Foi este o valor total de remessas enviadas, em 2007, por brasileiros que residem no exterior, de acordo com o Fundo de Investimentos Multilaterais do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento)

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

25


INVESTIMENTO

Sicoob Lojicred é instalada em Anápolis A cooperativa de crédito funciona no prédio da CDL e atende empresários de todos os ramos e entidades sem fins lucrativos apontado que o patrimônio líquido da cooperativa cresceu 61% em 2007 em relação ao mesmo período de 2006. Já entre os ativos, houve um incremento de 176% Para mais informações sobre a Sicoob Lojicred, ligue: (62) 3328-0050

Serviços Sicoob Lojicred

Empresários e autoridades desenlaçam a fita de inauguração da Sicoob Lojicred em Anápolis

A

cesso a serviços bancários com atendimento de qualidade, juros menores que os de mercado, maior rentabilidade nas aplicações e isenção na tarifa de manutenção de conta corrente. Essas são apenas algumas das vantagens oferecidas pela Sicoob Lojicred, que instalou uma nova unidade em Anápolis, no último dia 10 de abril. A cooperativa de crédito, que é voltada para empresários do comércio, indústria, serviços e entidades sem fins lucrativas, já está em pleno funcionamento na sede da Câmara de Dirigentes Lojistas local. A inauguração foi marcada pela presença de diversas autoridades, como o então secretário estadual da Indústria e Comércio, Ridoval Chiareloto, o presidente da Iquego, Pedro Canedo, o vice-prefeito da cidade, Atair Pio, e os presidentes da Facieg, Deocleciano Moreira Alves e da Acia, Ubiratan da Silva Lopes. O presidente da Sicoob Lojicred, Geraldo Moreira, destacou, em seu discurso, que Anápolis ganha uma coope26

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

rativa “consolidada e madurada”. O motivo da declaração se deve ao fato de que quando a cooperativa teve início em Goiânia, em agosto de 2001, constava no patrimônio R$ 20 mil e havia apenas 20 sócio-fundadores. O presidente da CDL da capital goiana, Melchior Duarte Filho, que também participou deste começo, lembrou durante sua fala que houve uma batalha muito intensa para captação das primeiras cotas. A visão dos empreendedores que acreditaram no cooperativismo se mostrou correta com o passar do tempo. Hoje a Lojicred está sedimentada no mercado e, além do Posto de Atendimento Cooperativo (PAC) inaugurado em Anápolis, também já possui outro PAC em Goiânia, Inhumas e Trindade. Anualmente é feita uma prestação de contas da diretoria executiva a todos os cooperados, reunidos em Assembléia Geral Ordinária. Na última realizada pela Sicoob Lojicred, feita em fevereiro deste ano, foi

• Contas corrente – pessoas físicas e jurídicas sem tarifa de manutenção • Cheque especial - taxa 5,59%. • Empréstimo – todas as operações de crédito são tributadas do IOF na alíquota 0,38% • Desconto de cheques – prazo até 120 dias. Juros a partir de 1,79% AM. • Financiamento de bens – com taxas abaixo da rede bancária privada • Aplicação financeira - aplicações c/ carência um dia para saque e rentabilidade diária após esse período, a taxa de 95% do CDI. • Cobrança simples - pagamento na rede bancária até o vencimento, à taxa de R$ 1,80 • Recebimentos de títulos - recebimento de boletos de qualquer banco, até o vencimento • Arrecadação - recebimento de contas Celg, Saneago, telefones, GPS , Darfs e Dare, Simples, tributos municipais (após convênio) • Transferências bancárias - Doc – documento de ordem de crédito, taxa de R$ 5,00; Ted – transferência eletrônica, taxa de R$ 8,00; Dec – depósito entre cooperativas, isento • Seguros - convênio com a corretora LDR (seguros de vida, autos, empresariais, etc.) • Novos produtos: Cartão de débito; Cartão de crédito – bandeira Mastercard; Cartão múltiplo; Domicílio bancário; Módulo cedente; Custódia de cheques Fonte: Sicoob Lojicred


Imagens da inauguração da cooperativa do empresário de Anápolis

reparam

ntre-

nsa se p da impre ssionais auguração fi ro p e in ridades a fita de rios, auto o desenlace d Empresá para

ee , conced Moreira ia o ld ra e rc Ga d, G b Lojicre Canal 5, Gisele a Sicoo dente d à repórter do si re p O vista

l da lho Fisca te o Conse en embro d lho (este presid (m ta is at de Carva etário da CDL) a: João B it ar e ir d ilm a a esposo W etor Secr erda par Da esqu de Carvalho e o eis Goulart (dir sR sa CDL),Ye dade) e Elmo do da enti

ara da Câm residente dutos e (p a n A ro ant’ nte de P Convênios) erson S -preside ireita: G de para a d iba Júnior (vice valho (diretor a rd e u Da esq ipal), João Itag Aurélio Rodo os Munic L), Marc s da CD Serviço

Morei, Geraldo Lojicred b o o o lh ic S va da Car residente ilmar Jardim de direita: P a para a ente da CDL,W rd e u sq resid Da e ra, e o p

mas, de Inhu s CDLs Carvalho e a d s te n e : Preside ilmar Jardim d a direita W te rda para dson Marques, spectivamen e u sq e Da nia, E ilho, re s e Goiâ hior Duarte F Anápoli Melc

do tendente (superin e Carvalho ezende d R r a o m it il d e red) jicred), W da Lojic eita: Ben ara a dir residente da Lo perintendente p a rd e Da esqu ldo Moreira (p es Ferreira (su en ra BB), Ge DL), Od nte da C (preside

ensagem ira, lê m s o More C em Anápoli ld ra e G PA d, b Lojicre inauguração do o o ic S de nte da Preside esenlace da fita od antes d

Facieg), ente da s (presid e Carvalho e lv A o n d ecleocia cred), Wilmar nte da Acia) direita: D de Loji a para a residente da va Lopes (presi rd e u sq (p Sil Da e Moreira atan da Geraldo da CDL), Ubir te n e d si (pre

a , discurs arvalho ar de C ob Lojicred m il W nápolis, ração da Sico DL de A gu nte da C nidade de inau Preside le so a te n JUNHO E JULHO / 2008 dura CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

27


INVESTIMENTO

ZPE é confirmada em Anápolis O projeto que cria a Zona de Processamento de Exportação no município foi apresentado a empresários, políticos e sociedade em geral em maio deste ano lis tem todas as condições necessárias para abrigar uma ZPE como o pólo industrial diversificado em expansão e a privilegiada posição logística.

O presidente do BC, Henrique Meirelles (com o microfone), ladeado pelo governador Alcides Rodrigues, pelo prefeito Pedro Sahium e pelo então secretário estadual da Indústria e Comércio, Ridoval Chiareloto

nápolis foi oficialmente apresentada como área de implantação de uma A Zona de Processamento de Exportação

(ZPE) em concorrida solenidade realizada na manhã do último dia 14 de maio, no auditório do Senai da cidade. O objetivo do ato político foi a mobilização da sociedade, especialmente o setor empresarial, em prol da instalação da ZPE no município cujo principal legado esperado é a aceleração do processo de desenvolvimento econômico da região. As ZPEs funcionam como distritos industriais que abrigam empresas que operam com liberdade cambial e apoio de incentivos tributários federais e estaduais (veja Box). Em contrapartida, é exigido que cada estabelecimento destine pelo menos 80% de sua produção de bens e serviços para fins de exportação (no caso de utilizar-se 20% para vendas para consumo interno, as empresas devem arcar com o pagamento de todos

28

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

Lúcia Vânia, que tem sido uma importante voz no Congresso Nacional na defesa da inclusão do município como ZPE, usou o mesmo tom do presidente do BC em seu discurso. Citou que Anápolis é o marco zero da Ferrovia Norte Sul, está situada entre os aeroportos de Goiânia e Brasília, possui a estação aduaneira do Porto Seco e a Plataforma Logística. “Em todo o País temos as melhores condições de receber uma ZPE”, sublinhou. Alcides Rodrigues afirmou que a ZPE representará um impulso para a economia goiana. “O evento de hoje já diz a importância deste projeto por causa das presenças tão diversas e importantes”.

A ZPE é instalada em regiões menos desenvolvidas, pois um de seus objetivos é corrigir desequilíbrios regionais. Outros resultados verificados são a geração de empregos; a atração de investimentos estrangeiros; a criação de empresas capazes de enfrentar a concorrência internacional; a difusão de tecnologias mais avançadas e a importação de métodos mais modernos de gestão.

O presidente da Associação Brasileira de Zonas de Processamento de Exportação (Abrazpe), Helson Cavalcante Braga, sugeriu que os defensores da idéia de criação da ZPE em Anápolis tenham o “pé no chão” para que o empreendimento não fique apenas no papel. Em outras palavras, Braga defendeu que é vital o apoio da sociedade para o sucesso da ZPE. Sob este mesmo aspecto, Sahium disse que a definição dos governos estadual e municipal é pela implantação da ZPE, mas reforçou que, sem o investimento da classe empresarial para instalação de empresas na área, de nada adiantará qualquer esforço governamental neste sentido.

CONDIÇÕES - A solenidade reuniu autoridades como o presidente do Banco Central do Brasil, Henrique Meirelles, o governador Alcides Rodrigues Filho, a senadora Lúcia Vânia, o prefeito Pedro Sahium, além de lideranças empresariais, secretários de Estado, deputados federais e estaduais, vereadores e chefes de Executivos de diversos municípios goianos. Meirelles destacou que Anápo-

DESENVOLVIMENTO - Pelas últimas estatísticas divulgadas pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), 104 países usam hoje as ZPEs. Nelas estão empregadas mais de 60 milhões de pessoas, sendo aproximadamente 40 milhões apenas na China. O levantamento da OIT mostra que as ZPEs são utilizadas indistintamente por países

os impostos de que são isentas nos produtos exportados, a fim de evitar concorrência desleal no mercado).


desenvolvidos e em desenvolvimento (inclusive em todos os países considerados “emergentes”), capitalistas ou pós-comunistas. Até o fechamento desta edição, o projeto que regulamenta a isenção de impostos para empresas autorizadas a operar nas ZPEs carecia apenas de sanção do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A matéria já havia sido aprovada pelo Senado Federal no dia 04 de junho.

Conforme dados publicados no Jornal Contexto, o Projeto de Lei de Conversão de número 15/08 é originário da Medida Provisória (MP) 418/08, que teve como relator-revisor o senador José Sarney que, quando presidente da República (1985-1989), iniciou a defesa da implantação dessas áreas destinadas à produção para exportação. Na defesa da proposta, Sarney lembrou que o Decreto-Lei 2.452, por ele edita-

do em 1988, criou ZPEs em todo o país, mas a resistência de empresas do Centro e do Sul do país deteve sua instalação. A idéia de criação das ZPEs voltou na discussão do Projeto de Lei do Senado 146/96, do ex-senador Joel de Holanda, que se transformou na Lei 11.508. O governo então se comprometeu a editar uma medida provisória complementando algumas lacunas do projeto aprovado, MP esta que gerou o que foi votado no último dia 4 de junho.

SAIBA MAIS •

O que são ZPEs? ZPEs são distritos industriais incentivados, onde as empresas neles localizadas operam com suspensão ou redução da base de cálculo de tributos federais e estaduais, e também liberdade cambial (podem manter no exterior 100% das divisas obtidas nas exportações), com a condição de destinarem pelo menos 80% de sua produção de bens e serviços ao mercado externo. A parcela vendida no mercado interno paga integralmente os impostos e contribuições incidentes nessa operação, bem como os impostos suspensos por ocasião

da importação e da aquisição de insumos no mercado interno •

Quais são os objetivos da ZPEs? As ZPEs (ou mecanismos similares) são o instrumento mais utilizado no mundo para promover, simultaneamente, os seguintes objetivos: - atrair investimentos estrangeiros voltados para as exportações; - colocar as empresas nacionais em igualdade de condições com seus concorrentes localizados em outros países, que dispõem de mecanismos

semelhantes; - criar empregos; - aumentar o valor agregado das exportações e fortalecer o balanço de pagamentos; - difundir novas tecnologias e práticas mais modernas de gestão; - corrigir desequilíbrios regionais. A experiência internacional comprova que as ZPEs efetivamente promovem esses objetivos. Fonte: Estudo elaborado pelo Porto Seco Centro-Oeste

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

29


CAOA/HYUNDAI

Grupo anuncia produção do Tucson em Anápolis O investimento será de mais de R$ 300 milhões para fabricação anapolina do modelo tipo blazer de luxo

Modelo do esportivo Tucson, que será fabricado pela Caoa/Hyundai em Anápolis Caoa Montadora de Veículos S/A A e a Hyundai Motor Company da Coréia assinaram no último dia 9 de

maio protocolo que viabilizará a produção do esportivo Tucson na fábrica instalada em Anápolis. O veículo é considerado top de linha e é recordista de vendas em mercados concorridos, como o norte-americano. Sua produção anapolina resultará, por parte da Caoa/Hyundai, investimentos na ordem de mais de R$ 300 milhões. A previsão é de que o início da fabricação do Tucson ocorre entre dezem-

bro deste ano a janeiro de 2009, ocasião em que serão abertas 600 novos postos de trabalho na cidade.

A solenidade de assinatura do contrato foi realizada no auditório do Senai em Anápolis e contou com a presença de diversas autoridades políticas, empresariais e classistas como o presidente da Caoa, Carlos Alberto de Oliveira Andrade, o vice-presidente da Hyundai Motor Company Seok San Jang e o diretor executivo regional da empresa em Miami para a América do

O presidente da Caoa, Carlos Alberto de Oliveira Andrade (2º, da dir. para esq.), assina o protocolo que permitiu a fabricação do Tucson em Anápolis 30

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

Sul e Caribe, Chang Hwan Han. Também prestigiaram o evento o senador Marconi Perillo, o vice-governador Ademir Menezes e o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), Paulo Afonso Ferreira. A Caoa comemorou em abril de 2008 seu primeiro ano de atuação no Distrito Agroindustrial de Anápolis (Daia). A montadora iniciou suas operações com um caminhão leve, o HR, chegando a produzir em torno de mil unidades do utilitário para o mercado, com grande aceitação do produto. A montadora anunciou que está sendo estudada a produção de um terceiro modelo na fábrica instalada no Daia, mas por enquanto não divulga qual será por razões mercadológicas. A Caoa tem o direito de usar a marca Hyundai e paga royalties à montadora coreana, além de adquirir tecnologia e componentes para a fabricação de veículos. Sucesso de vendas em todo o país, os modelos Tucson importados da Coréia já atingem quase 7 mil unidades comercializadas nos quatro primeiros meses do ano, segundo revela a classificação da Federação Nacional de Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave). O Tucson é um modelo tipo blazer de luxo e chegou ao Brasil um ano após seu lançamento oficial, em 2004, no Salão de Chicago.


Dados da Caoa/Hyundai em Anápolis: • Para produzir o Tucson, a Caoa/Hyundai vai investir mais R$ 300 milhões em sua montadora que funciona no Daia; • Até 2010, o investimento total na instalação da fábrica chegará a R$ 1,2 bilhão para a produção de três modelos, incluindo o mini-caminhão HR, hoje com uma produção mensal de 800 unidades; • A Caoa deverá também criar mais um turno de trabalho em sua montadora, para ampliar a produção do HR, considerado um sucesso de vendas, para atender a grande demanda pelo mini-caminhão, que terá sua produção dobrada até o início do ano; • Até maio deste ano, a montadora já produziu pouco mais de 6 mil HR, que tem 40% de nacionalização, percentual que também será seguido na montagem do esportivo Tucson; • Atualmente a fábrica emprega 600 funcionários. Para produzir o Tucson, a montadora deverá contratar outros 600 funcionários, utilizando a mesma metodologia adotada no processo de produção do mini-caminhão HR, com a mãode-obra selecionada e preparada pela unidade do Senai de Anápolis; • Quando a montadora estiver produzindo os três modelos, de acordo com o presidente da CAOA, Carlos Alberto, sua capacidade anual será de 130 mil veículos, com geração de 6 mil empregos diretos. Fonte: Jornal Tribuna de Anápolis

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

31


MOTOS

A importância da direção defensiva Anápolis possui mais de 38 mil motocicletas e motonetas registradas junto ao Detran. O número significativo de acidentes envolvendo este tipo de veículo na cidade pode ser reduzido a partir da obediência às regras da pilotagem defensiva

O

s motociclistas estão cada vez mais presentes no cenário do trânsito anapolino. De acordo com dados do Departamento Estadual de Trânsito (Detran/GO), existem 29.459 motociclistas e 8.685 motonetas registradas na cidade. Além de ser um meio de transporte para passeio e O subcomandante do 4º BPM, Major Edival, avalia deslocamentos diversos, que a cobrança pela eficiência e rapidez imposta aos é significativo o número motociclistas pode implicar em prejuízos mais sérios de empresas que lançam para o trabalhador e também para o empregador mão do trabalho de funcionários que utilizam suas motos para serviços de entregas em geral, de comunicação entre outros. Membros de órgãos públicos que lidam com trânsito afirmaram ao O Lojista que a pressão exercida por certas empresas sobre esses condutores para o alcance de resultados influencia, em parte, o número significativo de ocorrências envolvendo motos. O fator, no entanto, que figura como grande vilão é o descumprimento das regras que norteiam a direção defensiva.

Fonte: CMTT

32

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

Conforme dados do Detran, no período acumulado de janeiro a fevereiro deste ano, foram contabilizados 581 acidentes, com 389 feridos em Anápolis. Apesar de a quantidade de acidentes ter sido maior para veículos automotores (394) em relação aos que envolveram motocicletas (147), as estatísticas mostram que a proporção com feridos expõe claramente a fragilidade das motos, pois do primeiro item resultaram 178 vítimas enquanto o segundo deixou 168 feridos. Para os veículos foram registradas cinco mortes enquanto para motos ninguém foi vitimado fatalmente. As


estatísticas, porém, podem ocultar o número real de óbitos uma vez que são contados apenas os que ocorrem na hora imediata ao acidente. Se, por exemplo, uma vítima é encaminhada a uma unidade de saúde ainda com vida e chega a falecer três dias depois, a sua morte não é incluída nesse levantamento das ocorrências. Para a diretora do Departamento de Educação para o Trânsito da CMTT, Glauce Kelly Ferreira, os números apontados pelo Detran comprovam a importância de se corrigir infrações comumente cometidas pelos motociclistas anapolinos. Entre os erros mais observados por ela estão: o desrespeito à sinalização; transporte de crianças sem idade mínima permitida, que é de 7 anos; transporte de passageiros maior do que diz a lei, que autoriza apenas o condutor e um passageiro; utilização de carga de forma irregular, maior do que a capacidade da moto; utilização de sapatos inadequados, como tamancos, calçados com salto, chinelos; resistência para uso da viseira, fundamental para proteção dos olhos; posicionamento incorreto na pista (o certo é a moto ocupar o mesmo espaço de um automóvel); velocidade acima do permitido na via. Glauce Kelly aponta ainda uma característica específica do comportamento do motociclista anapolino: a dificuldade em frenagem. “Em grande parte dos acidentes com moto em Anápolis, o motociclista cai sozinho. Ele bate contra um objeto fixo, derrapa”. Ela explica que essa queda está relacionada tanto com a utilização inadequada dos freios como também com o transporte irregular de passageiro (especialmente aquele que fica sentado de lado) e de carga. O subcomandante do 4º Batalhão da Polícia Militar, Major Edival Soares Batista, acrescenta que as condições gerais do veículo de duas rodas ajuda o trabalho dos órgãos que atuam na área. “Se fossemos fazer uma abordagem em veículos, de 10 teríamos seis com alguma irregularidade, incluindo todos os tipos de veículos, principalmente motos”. EMPRESAS - Glauce Kelly e Major Edival apontam como fator que gera acidentes a pressão de empresas sob pessoas que dependem da moto para realização de seu trabalho.“Geralmente a empresa já opta pela motocicleta por ser um veículo rápido, não fica presa em congestionamento, pode sair cortando, transitar nos corredores. Isso representa um dos fatores de acidente também”, diz a diretora do Departamento de Educação para o Trânsito da CMTT. Major Edival afirma que a cobrança pela eficiência e rapidez imposta aos motociclistas pode implicar em prejuízos mais sérios para o trabalhador e também para o empregador, uma vez que tendo o empregado sofrido o acidente, o seu afastamento pode durar um longo período. O subcomandante do 4º BPM observa que falta uma “massificação” quanto à oferta de cursos de direção defensiva para os condutores de veículos de duas rodas por parte das empresas anapolinas. “Seria um grande feito das empresas se fizessem isso”, diz. Recursos para tal ação não faltam. De acordo com Glauce Kelly, há concessionárias de Anápolis que realizam constantemente cursos abertos à comunidade sobre direção defensiva de motos. “As concessionárias possuem instrutores altamente qualificado e há o interesse de formar turmas para ministrar os cursos”, completa. A CMTT também está disponível para aplicação de seminários e cursos sobre o assunto a pedido das empresas, bastando entrar em contato com o órgão, através dos telefones: (62) 3313-1051 e (62) 3313-6686.

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

33


ARTIGO

Segurança pública responsabilidade de todos

TEN CEL Alexandre Freitas Elias Comandante do 4º BPM ra uma vez uma empresa que tiE nha quatro funcionários chamados: Todo Mundo, Alguém, Qualquer

Um e Ninguém. Havia um importante trabalho a ser feito e Todo Mundo estava certo de que Alguém o faria. Qualquer Um poderia tê-lo feito, mas Ninguém o fez... Alguém ficou zangado com isso, pois era um trabalho de Todo Mundo. Todo Mundo pensou que Qualquer Um poderia fazê-lo, mas Ninguém imaginou que Todo Mundo não o faria. A estória termina com Todo Mundo culpando Alguém, quando realmente Ninguém poderia responsabilizar Qualquer um. Essa estória nos faz refletir sobre o artigo 144 da Constituição Federal, onde estabelece que a Segurança Pública, dever do Estado, direito e res-

34

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

ponsabilidade de todos, é exercida para a preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, através da Polícia Federal, da Polícia Rodoviária Federal, da Polícia Ferroviária Federal, da Polícia Civil, da Polícia Militar e Bombeiros Militar. Responsabilidade de todos. Isso mesmo, a segurança pública é responsabilidade de todos, embora muitos ajam como se apenas o Estado fosse o responsável, ou se apenas o outro tivesse responsabilidade. Qualquer Um, independente do seu poder econômico, do seu grau de instrução, da sua origem familiar, etc., deve dar a sua contribuição para que a sociedade civil tenha mais segurança e mais qualidade de vida. Alguém pode perguntar como?

Pois bem, Ninguém está isento de responsabilidades mínimas como educar os próprios filhos, de levar os filhos à igreja, de matriculá-los na escola e acompanhar o seu desempenho escolar. Todo Mundo é capaz de amar, de educar, de orientar, de corrigir, de perdoar, de dar bons exemplos e de agir com ética. Qualquer Um pode varrer a calçada da sua casa. Todo Mundo pode acionar o poder público para trocar a lâmpada queimada ou ligar para o 190 e avisar que viu alguém em atitude suspeita. Lote baldio favorece a ação dos marginais - o proprietário de um lote tem a responsabilidade de mantê-lo limpo e cercado. Segurança Pública é ou não é responsabilidade de Todos? Enfim, existem ações elementares que uma vez observadas resultará em qualidade de vida para aquele que a pratica, para aqueles que convivem com ele e para toda a sociedade civil, como por exemplo, não deixar água acumulada, evitando assim a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue e da febre amarela urbana. Especificamente na área de segurança pública existem DICAS DE SEGURANÇA que Ninguém deve abrir mão de observá-las. Todo Mundo pode orientar Alguém¸ e Qualquer Um não poderá se eximir das conseqüências de não ter observado. A título de colaboração, considerando que fatos continuam ocorrendo por inobservância de regras mínimas de comportamento, publicaremos novamente as seguintes dicas de segurança, as quais poderão dar um norte para os lojistas se precaverem da ação dos marginais.


DICAS DE SEGURANÇA PARA COMERCIANTES • Ao abrir e fechar a loja, procure faze-lo na presença do maior número de funcionários possível. Essa medida poderá inibir um possível roubo; • Evite expor mercadorias próximas à calçada, a fim de dificultar pequenos furtos; • Fique atento e oriente os funcionários para observar os “clientes” que fazem perguntas sobre mercadorias de valor, sobre rotinas da loja, como movimentação financeira do caixa, existência de cofres, dias de pagamento, etc.; enfim, levantamentos que vão possibilitar uma ação criminosa; • Ao verificar pessoas estranhas observando a rotina do seu estabelecimento comercial, fique atento; alguém pode estar fazendo um levantamento para realizar um as-

salto. Ao suspeitar, acione a Polícia Militar para averiguar (Fone 190); • Não deixe grande quantidade de dinheiro nos caixas da loja e nem no cofre. Crie mecanismos para depositar esses valores, antes do término do expediente bancário, principalmente na sexta feira ou véspera de feriados. Evite rotina e seja cauteloso se tiver que deslocar com numerários para realizar os depósitos; • Grandes valores em dinheiro e/ ou cheques, guardados no estabelecimento comercial, é um convite ao roubo, principalmente se várias pessoas têm conhecimento dessa prática. Alguns roubos e furtos têm a participação de ex-funcionários e de funcionários; • Em nenhum momento devemos reagir ao assalto (roubo); a vida tem

mais valor que os bens materiais. Oriente os seus funcionários a não esboçarem movimentos bruscos diante de uma assaltante, pois ele pode interpretar como uma ameaça e atirar em alguém; • Oriente os funcionários para ficarem atentos a detalhes que possam servir de informações para a Polícia identificar e prender os criminosos, caso ocorra um assalto no seu comércio: características físicas, cicatrizes, tatuagem, altura, cor, idade aparente, sotaque, roupas, calçados, armas utilizadas, bem como o meio utilizado para a fuga - se em veículo: cor, marca, modelo e placa. ATENÇÃO: essas observações devem ser feitas com discrição para não alertar o (s) assaltante (s).

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

35


ENTREVISTA

“Depressão tem cura”

N

esta entrevista à reportagem de O Lojista, o psicoterapeuta e professor universitário Thiago de Oliveira Pitaluga explica quais são as causas e sintomas principais da depressão bem como as alternativas de tratamento existente para este mal que estima-se atingir atualmente 5% da população mundial. Pitaluga dá dicas de como diferenciar um estresse corriqueiro da depressão e, ainda, de como evitar que o primeiro se desenvolva de tal forma a se chegar à segunda. Ele fala sobre quando devem ser procurados o médico e o psicólogo e de como a pessoa que está ao lado do deprimido pode ajudar em seu tratamento. O psicoterapeuta afirma também que a depressão atinge todas as faixas etárias, inclusive crianças, e visa especialmente o público do sexo feminino por razões que são apontadas a seguir. Revista O Lojista - Fala-se muito que a depressão se tornou o mal do século. Os povos da atualidade de fato estão tendo mais depressão do que os do passado? Thiago de Oliveira Pitaluga – A questão da depressão é muito complexa porque hoje em dia o termo depressão está um pouco banalizado, pois as pessoas generalizam ao considerar a depressão como uma tristeza. Acredito que a depressão sempre existiu no diagnóstico médico, porém é maior atualmente pelo fato de que as pessoas que não têm mais tempo para si, uma vez que têm que trabalhar

e estudar mais, têm que ter mais produção, têm de lidar com a cobrança da sociedade, dos patrões, das igrejas, Hoje é bem falado que é uma doença do século porque o número de pessoas é maior. Estima-se que 5% da população mundial têm depressão. O Lojista - Quais são as características principais da depressão? Como diagnosticá-la? Pitaluga - A depressão, como o próprio nome diz, é um grande buraco, um grande fundo. Existe um transtorno chamado distimia, quando a pessoa fica apática a tudo, fica triste, perde a sensação do prazer, porém ela conti-

Thiago de Oliveira Pitaluga – psicoterapeuta, professor de Análise do Comportamento e supervisor do Laboratório de Psicologia Experimental da FLA 36

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA


nua fazendo algumas coisas do aspecto da vida. Agora a depressão não, a pessoa perde todo o sentido, perde o prazer, não faz nada, perde vontade das coisas que antes ela gostava de fazer. Ela não sai, geralmente se isola, fica em lugar muito fechado, há tristeza, chora bastante, só quer ficar às vezes só deitado, só ficar parado. A pessoa com depressão tem uma forte tendência ao suicídio, porque como ela não tem mais prazer em nada, perdeu todas as suas fontes de prazer e não vê sentido nas coisas. O Lojista - Quais são as causas mais comuns da depressão? Pitaluga – A depressão pode ter diversas causas, tanto pode ser um trauma causado por um acidente em que perdeu algum parente, como pode ser o sofrimento da pessoa diante de algumas decepções no decorrer da vida como o desemprego, as decepções amorosas, com família, amigos. São diversos fatores, mas os principais são mesmo quando as pessoas sofrem grandes perdas. Depressão é uma grande perda. O Lojista - A depressão tem um público-alvo específico? Pitaluga - Antes a depressão tinha uma faixa etária voltada muito para o finalzinho da adolescência, 17, 18 anos até os 25 anos, mas hoje pelos estudos constatou-se que também está existindo depressão em crianças, o que nos submete a pensar se isso é uma causa no sentido genético ou se é uma causa apenas psicológica. Ainda estão sendo feitos estudos para saber isso, mas é certo que a depressão hoje está atingindo desde criança passando por adultos até a velhice. Uma das causas da depressão na velhice seria o abandono da família, a morte do cônjuge. O Lojista – Existe uma faixa etária mais atingida? E quem sofre mais com

depressão: a mulher ou o homem? Pitaluga – Seria a idade da adolescência até o final da juventude, seria então dos 16 aos 30 anos. Com certeza, as mulheres são mais atingidas pela depressão principalmente porque está muito associada a essa questão de muita cobrança sobre a mulher do papel de ser mãe, de ser companheira. A mulher é mais cobrada do que o homem. O Lojista - Como a pessoa que está ao redor de quem tem a doença pode ajudar? Pitaluga - Um erro muito freqüente na questão de quando a pessoa está deprimida é a outra ficar tentando usar de alguns artifícios para fazê-la sair. Um dos artifícios seria a crítica, ao dizer que a pessoa não pode sentir isso, pois não é bom, não é normal, ou seja, ficar acusando a pessoa. O que seria mais recomendável nesse caso? Tentar levar a pessoa a fazer uma psicoterapia, a fazer algum exercício físico, levar a pessoa a sair um pouco daquele isolamento e fazer um trabalho mais de prevenção. Contra essas doenças psicológicas, seria muito bom se fosse preventivo, pelo fato de não deixar atingir a depressão profunda. O Lojista - E tem como prevenir a depressão? Pitaluga - A gente não pode dizer assim que é uma prevenção com regra geral, falar “Olha, faça isso que você não vai ter depressão”. Mas a melhor prevenção para essas psicopatologias seria mesmo envolver a pessoa naquilo que ela gosta de fazer e também ter sempre uma dose, não exagerar no trabalho, não exagerar em casa, ter muitos amigos. A melhor prevenção mesmo é a pessoa se manter em atividade, em lazer, com a família, principalmente com a família. O Lojista - Como diferenciar um estresse de uma depressão?

Pitaluga – A palavra estresse é utilizada para explicar o desgaste de máquinas, vem do inglês que significa o desgaste entre máquinas. Esse desgaste vai acontecendo aos poucos, ele não vem de uma vez. Um desgaste pode refletir de várias formas, pode refletir do corpo, com doenças psicossomáticas provocadas pelo excesso de cansaço mental e também pode desgastar fisicamente, psicologicamente. A pessoa pode trabalhar muito e não ver muito resultado e a falta de resultado é um dos fatores para perder o prazer de trabalhar e pode logicamente desenvolver um quadro depressivo, apesar de não ser uma regra. O estresse pode não ser apenas uma causa, mas uma conseqüência dos atos. Por isso que se recomenda tirar umas férias, tirar uma pausa do trabalho justamente para que não haja o desenvolvimento dessas patologias. O Lojista - A depressão tem cura? Quais alternativas que existem para tratamento? A depressão tem cura sim, ela não é uma doença para o resto da vida de jeito nenhum. Inclusive tem muitos estudos de depressão, de pacientes com sete, oito, dez anos que sofreram depressão e hoje com terapia, com remédio, não têm mais. A melhor forma de se tratar é a psicoterapia. Geralmente a pessoa procura o médico que passa a medicação; e os médicos estão hoje em dia estão fazendo um trabalho bom que é indicar o paciente para o psicólogo. A depressão é a perda de prazer em tudo que a pessoa tinha na vida e o psicoterapeuta vai trabalhar de uma forma a garantir ao paciente uma reeducação comportamental, ou seja, a pessoa vai aprender novamente a ter prazer naquilo que fazia e a fazer outras coisas novas também para obter prazer porque é essa ausência de prazer que justamente está ligada à depressão.

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

37


SOLENIDADE

Fecomércio recebe homenagem pelos seus 60 anos Câmara Municipal de Anápolis fez o reconhecimento público da Federação em sessão especial que contou com a presença de lideranças políticas e classistas

O

Sistema Federação do Comércio do Estado de Goiás (Fecomércio), integrado pelo Serviço Social do Comércio (SESC) e Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (SENAC), recebeu homenagem da Câmara Municipal de Anápolis pela passagem de seus 60 anos. A sessão solene foi realizada no plenário da Casa Legislativa no último dia 14 de maio e contou com a presença de diversas lideranças políticas e classistas. Além da Fecomércio, foram homenageadas as direções do SESC e SENAC, que comemoram 55 e 34 anos, respectivamente.

querimento fosse proposto. “Nós temos que valorizar (a entidade) por tudo que eles já fizeram por Anápolis”.

O presidente da Fecomércio, José Evaristo dos Santos, afirmou que a homenagem representou uma “honra muito grande” para entidade que preside. “Nós só temos que agradecer, e muito, ao Legislativo de Anápolis por essa honraria à nossa classe, a classe de empresários de comércio do Estado de Goiás”, disse.“Hoje estamos aqui com humildade para dizer muito obrigado a Anápolis por essa homenagem”. A iniciativa da sessão solene partiu do presidente da Casa, Gérson Sant’Ana, que destacou a atuação da entidade, juntamente com SESC E SENAC na cidade como motivação principal para que seu re-

A Fecomércio reúne 25 sindicatos de diferentes segmentos e, junto com estes, congrega cerca de 90 mil empresas as quais respondem por aproximadamente 60% do PIB goiano, segundo estimativa informada no site da Federação. A Fecomércio é responsável também pela administração, em âmbito estadual, do SESC e do SENAC, instituições privadas e sem fins lucrativos. Juntas, as três instituições formam o Sistema Federação do Comércio do Estado de Goiás/SESC/SENAC, mantido integralmente pela classe empresarial do comércio, sem ônus para os empregados ou para os cofres públicos.

Da esquerda para direita: Atair Pio (vice-prefeito), José Evaristo (presidente da Fecomércio), Wilmar de Carvalho (presidente da CDL) e Edson Tavares (superintendente do Porto Seco) 38

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

ATUAÇÃO - O SENAC Anápolis foi a primeira unidade criada fora da capital goiana. Posteriormente, foi inaugurado o SESC. Conforme dados divulgados pelo Jornal Contexto, somente em 2007, foram contabilizadas mais de 7,5 mil matrículas nos diversos cursos ministrados na sede local do SENAC. No mesmo período, o SESC promoveu em torno de 800 mil atendimentos no município.


CDL é homenageada pela Câmara Municipal O reconhecimento foi feito pelos vereadores, que utilizaram a sala de reuniões da entidade para realização de sessões durante a reforma do Plenário da Casa Legislativa

A

CDL de Anápolis tornou-se sede provisória do Poder Legislativo Municipal nos primeiros quatro meses de 2008. Na sala de reuniões da entidade, foram realizadas 15 sessões ordinárias e três especiais, além de uma convocação extraordinária no período de 17 de janeiro a 9 de abril. O espaço foi cedido em razão da reforma do plenário da Câmara Municipal, local onde são feitas as discussões parlamentares. No dia da reinauguração desta parte do prédio público, em 11 de abril, a CDL foi homenageada pelos vereadores pelo empréstimo de suas instalações durante a obra. A solenidade foi realizada na Praça 31 de Julho, que sedia a Câmara, e contou com a presença de diversas autoridades como o prefeito de Anápolis Pedro Sahium, secretários de Estado e municipais, membros do Judiciário, empresários e profissionais da imprensa. De acordo com o chefe do Legislativo municipal, Gérson Sant’Ana, a última vez que o plenário foi reformado data de 1993. A reforma deste ano acaba com problemas como a inundação ocorrida em 2005 em decorrência de uma forte chuva que causou danificação de documentos. Também apresenta uma melhor estrutura na parte elétrica do local. “A população terá um melhor atendimento na Câmara, com espaço mais agradável”, avalia Gérson Sant’Ana. Com as mudanças de agora, o espaço físico dos vereadores foi ampliado, uma vez que há a expectativa de ter acréscimo do número de parlamentares dos 15 atuais para 21. Houve nova pintura, troca do piso e mobiliário e as mesas reservadas a jornalistas foram adaptadas para transmissões ao vivo. Foram instaladas rampas internas e uma interna com cobertura, que facilitam a locomoção de portadores de necessidades especiais.Além de nova jardinagem, o plenário ganhou ainda um espaço cultural para exposições, especialmente de artistas anapolinos, e uma sala multifuncional, onde são recebidas autoridades e onde também profissionais da imprensa podem fazer entrevistas de forma mais reservada. Entre as mudanças de ordem administrativa está a centralização do protocolo geral, que aperfeiçoa o acompanhamento de processos.

O presidente da Câmara Municipal, Gérson Sant’Ana (E), entrega o troféu de homenagem ao presidente da CDL, Wilmar de Carvalho (D)

Plenário da Câmara Municipal antes (E) e depois da reforma (D)

JUNHO JUNHO EE JULHO JULHO // 2008 2008 CDL CDL ANÁPOLIS ANÁPOLIS O LOJISTA O LOJISTA

39 39


ESTUDOS

Pesquisas de Intenção de Compras No primeiro semestre de 2008, foi avaliada a tendência de comportamento do consumidor para o Dia das Mães e dos Namorados. A CDL iniciou o projeto em agosto de 2007

A

CDL divulgou duas Pesquisas de Intenção de Compras no primeiro semestre de 2008. As datas escolhidas para o estudo foram o Dia das Mães, comemorado este ano no dia 11 de maio, e o Dia dos Namorados, estabelecido em 12 de junho. Para o segundo semestre está prevista a realização de avaliações sobre tendências de compras para o Dia dos Pais, Dia das Crianças, Natal e ainda sobre o destino para as duas parcelas do 13º salário. É a primeira vez que a Câmara de Dirigentes Lojistas de Anápolis promove pesquisas para o Dia das Mães e Dia dos Namorados, uma vez que este projeto foi implantando em agosto de 2007, quando foi realizado o estudo para o Dia dos Pais. Outros três levantamentos foram feitos em 2007: Crianças, 13º e Natal. O projeto de Pesquisa de Intenção de Compras foi implantado no ano passado pela CDL de Anápolis e já provou que foi uma idéia bem sucedida. O objetivo dele é traduzir as tendências de compra e do comportamento do consumidor em datas sazonais através de questionários aplicados por uma equipe de universidade local. Apenas o primeiro levantamento encomendado pela CDL foi realizado pela Faculdade do Instituto Brasil (Fibra); os demais ficaram a cargo da Empresa Júnior da Universidade Estadual de Goiás (UEG). Os resultados são divulgados com cerca de 10 dias de antecedência aos dias comemorativos, ocasiões em que o comércio registra maior volume de vendas. A comunicação dos dados é repassada à imprensa que tem feito ampla repercussão dos levantamentos. No portal da

Cartaz da campanha do dia dos namorados 2008

CDL (www.cdlanapolis.com.br), é possível ter acesso às informações, que são também divulgadas nos informativos e revistas da entidade. O prazo de aplicação e divulgação do estudo é considerado ideal porque apenas na proximidade da data é que se conseguirá traduzir com maior fidelidade a real intenção de compra por parte das pessoas. As pesquisas em Anápolis têm em média o número de questionários (400) e a metodologia de forma geral contém 5 % de erro (para mais ou para menos).

Quais são as datas escolhidas para as Pesquisas de Intenção de Compras encomendadas pela CDL em 2008:  Dia das Mães

 Dia das Crianças

 Dia dos Namorados

 13º Salário

 Dia dos Pais

 Natal Cartaz da campanha do dia Mães 2008

40

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA


O que cada pesquisa revelou sobre as Pesquisas de Intenção de Compras tendências de compra dos anapolinos: Para o Dia das Mães •

Pesquisa apontou que aproximadamente 93% dos anapolinos pretendiam presentear uma mulher no Dia das Mães deste ano. Entre as presenteadas, lideraram as mães, com 81% da preferência, seguidas por avós (9%), sogras (6%), esposas/ companheiras (4%);

Foram entrevistadas 380 pessoas no período de 29 e 30 de abril, em locais de comércio de rua, como Avenida Goiás, Rua Barão do Rio Branco e shoppings. A margem de erro do estudo é de 5% para mais ou para menos;

Quem iria presentear tinha como preferência vestuário (23%) e perfumaria (13%), lembrando, no entanto, que houve uma diversidade de respostas sendo citados ainda calçados (11%), celulares (10%), flores (10%), entre outros;

A maioria dos entrevistados (40%) iria gastar até R$ 80, mas houve um grupo (19%) que respondeu que iria gastar até R$ 300 e ainda outro (12%) que pretendia arcar com despesas de até R$ 150;

As formas de pagamento preferidas seriam dinheiro (38%) e cartão de crédito (28%). Os locais de compras mais visados seriam shoppings e galerias (35%) e lojas de rua (24%);

As mães também foram ouvidas na pesquisa. Na seção dirigida a elas, foram feitos três questionamentos sobre: número de filhos; recebimento de presentes na mesma data do ano passado; e a linha de produtos desejada para o Dia das Mães deste ano. No último quesito, o estudo indica uma diversidade muito grande em presentes desejados e não houve nenhum que predominou entre os apontados.

Para o Dia dos Namorados •

A pesquisa foi aplicada entre os dias 26 e 28 de maio em pontos estratégicos da cidade de Anápolis, com destaque para os corredores de maior circulação (terminal urbano, quadrilátero central, Praça Bom Jesus, cruzamento da Av. Brasil com a Goiás, avenidas Fernando Costa, Brasil Sul, Santos Dumont e São Francisco e nas faculdades UEG, FLA e Unievangélica);

Para a pergunta “Quem presentear?”, as respostas se dividiram da seguinte forma: 60% - Namorado(a); 15% - Esposo (a); 11% - Noivo (a); 3% - Ex namorado (a) ou Ex Companheiro (a); 3% - Amante;

Para o quesito “O que presentear?”, os presentes visados se dividiram entre Vestuário - 32,92%; Perfumaria - 17,28%; Jóias e assemelhados – 9,88%; Celulares – 8,64%. Nesse item foi observado que mais de 13% dos entrevistados que iriam presentear não sabiam ainda o que iriam comprar;

Quando pergunta foi feita sobre o que gostariam de ganhar, as respostas foram bem diversificadas, sendo lideradas pelos seguintes itens: Perfume – 20%; Carro – 13%; Câmera digital – 12%; Acessórios – 10%; Celular – 7%; Livros – 6%. Sendo citados também flores, jantar, festa, DVD e outros;

As formas de pagamento mais citadas foram Dinheiro - 39%; Cartão de crédito - 31%; Crediário - 14%; Cheque à vista 8%; Cheque pré-datado - 8%;

Outro dado importante foi a inquirição dos fatores que mais influenciavam a compra do ponto de vista do consumidor. Essas informações puderam traçar um perfil onde se pode salientar que o consumidor está levando em conta não apenas fatores como preço. Está mais interessado em fatores como comodidade, facilidades de pagamento, variedade e atendimento.


CONVÊNIO

ABO e CREA selam parceria com Escola de Informática da CDL As regionais anapolinas das duas instituições são as mais novas parceiras da CDL para o acesso à inclusão digital. Outros seis sindicatos e uma associação já aderiram à iniciativa

A

s unidades regionais da Associação Brasileira de Odontologia (ABO) e do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Goiás (CREA) firmaram convênio com a Câmara de Dirigentes Lojistas de Anápolis para que seus associados, funcionários e respectivos familiares usufruam da Escola de Informática da CDL. Com isso, as instituições conveniadas para este propósito, incluindo sindicatos e associações, somam nove. As parcerias permitem que os beneficiados façam o curso básico de informática oferecido pela entidade, em sua sede. O curso é aberto a toda comunidade. O presidente da ABO (regional Anápolis), Sérgio Augusto Fernandes, avaliou como “boa” a parceria firmada, especialmente porque facilita o acesso dos funcionários dos consultórios odontológicos ao aprendizado da informática. “O custo do curso é atrativo e ainda há o respaldo da CDL, que é muito importante”, destaca o dentista. O valor total do curso é de apenas R$ 70 os quais podem ser divididos em uma entrada de R$ 30 e mais duas parcelas iguais de R$ 20 cada, vencidas em 30 e 60 dias, respectivamente, da data da inscrição.

“O custo do curso é atrativo e ainda há o respaldo da CDL”, diz o presidente da ABO (regional Anápolis), Sérgio Fernandes

No curso de informática da CDL, que dura em média três meses, os alunos aprendem a operacionalizar o Windows XP, Microsoft Word, Microsoft Excel, Power Point e internet. O material didático é incluso e há horários disponíveis nos três turnos.

CUSTO TOTAL DO CURSO DE INFORMÁTICA

Apenas R$ 70

CURSO DE INFORMÁTICA DA CDL Este valor pode ser dividido da seguinte forma: Entrada de R$ 30 • • Mais duas parcelas de R$ 20 cada

 Para mais informações: Telefone: (62) 3328-0008 Sede da CDL: Rua Conde Afonso Celso, nº 25, Centro, Anápolis-GO 42

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

- 10 alunos por turma - Professores altamente capacitados - 01 aluno por computador - Certificado de Conclusão - Material didático incluso (apostila completa e uma unidade de disquete) - Sala Climatizada - Horário nos três turnos (manhã, tarde e noite) - Custo acessível


O que é oferecido no curso de informática: Windows XP Microsoft Word Microsoft Excel Power Point Internet Duração do curso: 40 horas Tempo médio: três meses “(Saber informática) é o requisito mínimo para entrada no mercado de trabalho atualmente”, avalia o inspetor-chefe do CREA Anápolis, Eduardo Abreu

Quais são os parceiros da Escola de Informática da CDL: - Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimento de Ensino do Setor Privado e Setor Público Municipal de Anápolis e Região (SINTEEA) - Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas, e de Material elétrico de Anápolis (SindMetana) - Sindicato dos Professores da Rede Municipal de Ensino de Anápolis (Sinpma) - Associação dos Cabos e Soldados PM /BM do Estado de Goiás (unidade Anápolis) - Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Anápolis - Sindicato dos Professores em Estabelecimentos Privados de Ensino de Anápolis e Região (Sinpror) - Sindicato dos Contabilistas de Anápolis - Associação Brasileira de Odontologia (ABO) – regional Anápolis - Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Goiás (CREA) – regional Anápolis JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

43


BENEFÍCIO

Mais de 2 mil guias de atendimento emitidas O Departamento de Convênios da CDL chega ao número expressivo devido à qualidade e variedade de profissionais e estabelecimentos conveniados

M

ais de 12 mil guias de encaminhamento já foram emitidas pelo Departamento de Convênios da CDL desde sua reformulação, realizada em julho de 2005, até o fechamento desta edição. Com média de 40 emissões ao dia, o setor se destaca pela oferta de descontos diversos em consultas médicas, odontológicas e em outras áreas de saúde, além de procedimentos hospitalares, clínicos, cirúrgicos e exames laboratoriais e outros. São mais de 160 profissionais e 70 estabelecimentos conveniados à Câmara de Dirigentes Lojistas de Anápolis disponíveis para atender os associados da entidade, funcionários e respectivos familiares. Os interessados em usar este importante benefício devem seguir duas orientações básicas: agendar a consulta e outros procedimentos com profissionais conveniados e depois se dirigir ao Departamento de Convênios da entidade para solicitar a guia de encaminhamento, que é indispensável para obtenção dos descontos. Os documentos exigidos para primeira utilização do serviço, pelos funcionários, são RG e comprovante que atesta a ligação com a empresa associada (como carteira de trabalho, contracheque). Todos os detalhes dos procedimentos estão disponíveis no setor de Convênios. Os valores são pré-fixados. Para consultas, a tabela de referência é a da Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM). Já exames e outros serviços seguem catálogos diversos. O pagamento é feito diretamente ao profissional ou estabelecimento conveniado.

Ampla rede de descontos

C

onsultas médicas e exames complementares representam a maior demanda de atendimento do Departamento de Convênios. O setor, no entanto, oferece ainda mais benefícios para os associados da CDL, tais como descontos em academias de ginástica; restaurantes/churrascarias; locadoras de Vídeo/DVD; Ensino Profissionalizante; Cursos de Idiomas Estrangeiros. Na área de saúde, ainda é possível obter descontos em serviços odontológicos. Confira as áreas de atuação disponíveis:

Cirurgia Dentística Endodontia

CDL ODONTO

Implantodontia Odontopediatria Ortodontia Periodontia Prótese Radiologia Bucal

44

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA


ESTATÍSTICA

7 mil acessos/dia É este o número de visitas feitas diariamente ao Portal da CDL de Anápolis cuja função é divulgar os produtos e serviços da entidade através da internet

T

endo como público-alvo a classe empresarial, o portal da CDL de Anápolis registra atualmente média diária de 7 mil acessos, com picos de 8 mil. Há internautas inclusive do exterior, como por exemplo do Uruguai, Espanha, Portugal, Japão, Peru e Estados Unidos. Uma das áreas mais privilegiadas no espaço é o Guia Comercial, que é gratuito. Através do endereço eletrônico www.cdlanapolis.com.br, os associados têm acesso a todos os serviços oferecidos pela entidade, como é o caso do SPC Brasil. A CDL já possuía um site institucional antes de janeiro de 2007, mas foi neste mês que foi lançado o portal, que tem atuação mais ampla do que um site, Portal da CDL Anápolis, acessado através do endereço pois oferece mais informações sobre o cotidiano eletrônico: www.cdlanapolis.com.br do lojista e ainda inclui um canal com empresas que desejam anunciar no espaço. Os interessados em divulgar seus anúncios podem fazê-los tanto na página inicial quanto nas secundárias existentes. Trata-se de uma oportunidade única que o anunciante tem para se fortalecer no mercado, visto que sua marca ficará inevitavelmente associada à credibilidade que a CDL goza. Além disso, os empresários que muitas vezes não têm condições de colocar sua empresa em um domínio próprio na internet podem divulgar sua propaganda através deste meio de comunicação que atinge todo mundo. Quatro pessoas fazem parte da equipe do portal.Wilson Chaveiro é o programador web e cuida de todos os bancos de dados da página, como o sistema de busca do CDL Convênios, do Banco de Talentos e Guia Comercial. Kleber Palhão é o consultor de vendas que busca, junto aos empresários, os anúncios veiculados no espaço. A webdesigner Magalli Fernandes cuida do layout da página de forma geral e, juntamente com a jornalista Priscylla Dietz, faz manutenções quanto ao conteúdo divulgado.

O que você encontra no Portal CDL Anápolis •

Guia Comercial

Informações sobre a cidade de Anápolis

Notícias sobre o cotidiano do lojista

SPC Brasil (somente associado)

Convênios: especialidades e nomes da rede

Banco de Talentos

Links úteis como Dicionário, Tradutor e de Veículos Sinistrados

Informações institucionais sobre a CDL

Os melhores anúncios de serviços de Anápolis JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

45


TROFÉU

CDL de Anápolis já tem data definida para premiação local

O

dia 21 de novembro foi a data escolhida pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Anápolis para a realização do Prêmio Mérito Lojista 2008. A quarta edição do evento será promovida no Stillus Halls. Estima-se que cerca de 70 empresas deverão ser contempladas como as mais lembradas pelos anapolinos, de acordo com pesquisa de opinião pública que será feita por uma instituição de ensino superior, a pedido da CDL. O objetivo principal do Mérito Lojista é estimular o empreendedorismo e a qualidade de prestação de serviços no comércio local. Em 2007, a festa de premiação foi realizada no dia 23 de novembro, no Espaço Lune. Na ocasião, 67 empresas dos mais diversos segmentos lojistas foram homenageadas pela CDL de Anápolis. Os escolhidos foram apontados por um estudo coordenado pela Empresa Júnior da UEG. Cerca de 500 pessoas estiveram presentes na solenidade, que reuniu também diversas autoridades como o prefeito de Anápolis, Pedro Sahium, o secretário estadual da Indústria e Comércio, Ridoval Chiareloto, a superintendente regional da Caixa, Marise Fernandes Araújo, e o presidente da FCDL, Agenor Braga e Silva Filho.

A edição nacional do prêmio reconheceu quem viabilizou o êxito do varejo e parceiros especiais em 2007

M

ais de 1.200 pessoas prestigiaram, em Brasília, na noite do dia 01 de abril de 2008, a 29ª edição do Prêmio Mérito Lojista, promovido pela Confederação Nacional dos Dirigentes Lojistas (CNDL). “Foi um momento especial para reconhecermos o papel da indústria e dos prestadores de serviços para o varejo do país”, avaliou Roque Pellizzaro Júnior, presidente da CNDL. Foram agraciadas empresas de 23 segmentos: Mídia; Jornal por Estado; Autopeças/Acessórios; Material de Construção e Revestimento; Bazar/ Presentes/Utilidades Domésticas; Foto/Imagem; Ótica; Moda; Veículos de Transporte; Informática; Equipamentos; Papelaria; Iluminação; Eletrodomésticos; Calçados;Artefatos de Couro; Beleza e Higiene Pessoal; Cama Mesa e Banho; Eletroeletrônico; Serviços; Móveis, Artigos para Bebê e Limpeza. Os ‘Destaques’ foram o Sebrae nacional (Destaque Especial), O Boticário (Franquia), Lojas Renner (Rede de Lojas), Junior Achievement do Brasil (Responsabilidade Social), Aracruz Celulose (Responsabilidade Social), senador Marconi Ferreira Perillo Júnior (Destaque Político), Ricardo Nunes/ Ricardo Eletro (Lojista do Ano) e Sra.Yolanda Vidal Queiroz, do grupo Edson Queiroz (Destaque Empreendedor). A escolha é definida mediante pesquisa encomendada à Office Marketing, na qual milhares de lojistas selecionaram fornecedores que melhor trabalharam em parceria com o comércio em 2007. O processo teve a participação das CDLs e seus milhares de associados, que também podiam preencher um formulário disponível no site da CNDL. “O evento desta noite mostra muito mais do que vencedores, exibe a capacidade de relacionamento do varejo”, observou o senador Marconi Perillo (PSDB-GO). “O mundo tem um olhar muito atento ao potencial do mercado interno brasileiro. E esse mercado é viabilizado por duas forças - produção e consumo. O prêmio Mérito valoriza quem viabiliza: fornecedores, prestadores de serviços e parceiros – caso especial dos meios de comunicação e instituições como Sebrae e Sicredi”, acrescentou Pellizzaro Júnior. “Na próxima edição, quando a iniciativa completa 30 anos, a CNDL terá inovações especiais”, prometeu. (Texto e foto: Assessoria de imprensa da CNDL)

46

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA


ENCONTRO Vista aérea da cidade de Uberlândia (MG), que sediará a 49ª Convenção Nacional do Comércio Lojista

O maior evento do setor no país será realizado entre os dias 02 e 05 de julho de 2008. Confira programação Foto: Daniel Nunes

49ª Convenção Nacional do Comércio Lojista será em Uberlândia (MG)

U

berlândia, em Minas Gerais, sediará a 49ª Convenção Nacional do Comércio Lojista, nos dias 03, 04 e 05 de julho deste ano. A definição foi um entendimento entre a diretoria da CNDL, Federação das CDLs de Minas Gerais e CDL uberlandense. É aguardada a participação de 3,5 mil pessoas. A edição terá o slogan “Uma Nova Visão do Varejo” e sua organização ficará por conta das CDLs de Uberlândia, Uberaba, Araguari, Patrocínio, Patos de Minas e Ituiutaba. A FCDL/MG comemora 35 anos em 2008 e volta a sediar uma Convenção Nacional – a última foi em Belo Horizonte, em 1997.

Programação da 49ª Convenção Nacional do Comércio Lojista Grade Palestras Uma História de Sucesso Dr. Alberto Saraiva – Presidente da Rede Habib’s Uma Análise da Economia Brasileira Paulo Henrique Amorim – Jornalista (Âncora e Especializado em Economia) De um Posto de Gasolina a uma Rede de Distribuição Marcelo Alecrim – Rede Alesat, 6ª maior distribuidora do país Venda Mais Raul Candeloro, diretor e fundador da editora Quantum, que publica a revista ‘Venda Mais’ Gestão de Varejo em Tempos de Mudança Eduardo Tevah, um dos maiores consultores e conferencistas em varejo do Brasil Inteligência do Sucesso Jô Furlan, médico, professor e um dos precursores da ‘Inteligência Comportamental’

Erick Penna, economista e pós-graduado em marketing, articulista de revistas especializadas do setor E mais: SPC Brasil Cadastro Positivo Como Evitar Golpes e Fraudes no Comércio Relação varejo/Indústria Aspectos Políticos para o Varejo Eventos Paralelos - Feira Nacional do Lojista - I Encontro da Mulher Empreendedora - Encontro da CDL Jovem Show de encerramento com Leonardo Com 11 CDs e 4 DVDs lançados, Leonardo soma a marca de mais de 12 milhões de cópias vendidas, e concretiza o sonho de dar continuidade à carreira da dupla Leandro & Leonardo. É um dos maiores ídolos da música romântica e sertaneja do país. Fonte: CNDL

A Divertida Arte de Vender JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

47


OUTRAS NOTÍCIAS Faiana 2008 será realizada em setembro A XXII Faiana 2008 já tem data e local marcados. A tradicional Feira Agroindustrial de Anápolis será realizada entre os dias 10 e 14 de setembro no Centro de Convenções e Negócios de Anápolis, no Bairro JK. O evento terá a participação de empresas anapolinas e de cidades da região dos setores da indústria, comércio e prestação de serviços. Além da área de alimentação, estão programadas atrações artísticas para o público visitante. O coquetel de lançamento oficial da Faiana 2008 foi realizado no auditório da Acia, no último dia 07 de maio.

IX Encontro Latino Americano de Líderes O maior evento de formação de líderes do Brasil e da América Latina será realizado entre os dias 26 e 27 de julho deste ano, no Centro de Convenções do Hotel WTC , em São Paulo (SP). Com o tema “A chave do Conhecimento”, o IX Encontro Latino Americano de Líderes exigirá um investimento de R$ 900, valor que assegura ao participante traslado durante o evento, todas as refeições realizadas nos locais indicados, hospedagem, coffe break e acesso a todas as palestras com especialistas nacionais e internacionais. Para inscrições online, o site a ser acessado é: www.clamlideres.org.br. Haverá apresentações do Ballet Bolshoi – Brasil e da Orquestra Sinfônica - Maestro Júlio Medaglia. Palestrantes já confirmados para o evento: Miriam Leitão – jornalista, comentarista em Economia Augusto Cury – médico, psiquiatra, psicoterapeuta e escritor Reinaldo Polito – mestre em Ciências da Comunicação Samuel de Almeida Lima – diretor da Votorantim Alexandre Garcia – jornalista, comentarista em Política Lya Luft – escritora – articulista da Veja Fernando Mitre – jornalista Tarsis Wallace – teólogo – pensador cristão

Projetos Trilhos da Memória

O diretor do Museu Histórico, Jairo Alves Leite, e a primeira-dama Rosana Sahium, durante a exposição Até o fim do mês de maio, em comemoração à Semana da Ferrovia, uma exposição no Museu Histórico Alderico Borges de Carvalho versou sobre a Estação Ferroviária de Anápolis. Uma seqüência de fotos, imagens e textos que pretendem relembrar a época. A abertura da exposição aconteceu no dia 30 de abril, quando ex-funcionários da antiga Estrada de Ferro Goyaz, que ainda residem em Anápolis e região, foram homenageados. Durante a solenidade, foi lançado o Projeto “Trilhos da Memória - Estação Anápolis”. O objetivo do trabalho é manter viva a história da Estrada de Ferro e sua influência em termos econômicos e sociais no Município. Por outro lado a iniciativa se propõe a formar um acervo sobre a Estação Ferroviária de Anápolis. A chegada da via férrea a Anápolis é um dos principais acontecimentos do século XX para a cidade - lembra o diretor do Museu Histórico, Jairo Alves Leite. (Texto e foto: Prefeitura de Anápolis)

48

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA


Baile dos Namorados A Câmara de Dirigentes Lojistas de Anápolis e a Imagem Produções promoveram no dia 20 de junho deste ano o Baile dos Namorados – Prepare o seu coração. O local escolhido para a festa foi o Stillus Halls com programação prevista para iniciar às 22 horas. O baile teve ambiente de luxo, salão de beleza e manobristas. Para o Buffet: mesa de frios, petiscos, pratos quentes e sobremesas; e para o Open Bar: vinho, cerveja, bebidas exóticas e água. A animação do baile ficou por conta da Banda Gênese.

Aprenda a investir na Bolsa de Valores Foi ministrado entre dias 06 e 07 de junho o curso “Aprenda a investir na Bolsa de Valores”, na sede da Acia. Associados da CDL tiveram desconto de 20% sobre o valor do investimento, cujo total compreendia R$ 250. A carga horária foi de 12 horas, distribuídas da seguinte forma: das 18h30 às 22h30 (sexta-feira); das 8h às 12h e das 14h30 às 17h30 (sábado). Os participantes receberam ainda o livro Bolsa de Valores – Guia Prático, de autoria de Bruno Ribeiro, que será o palestrante do curso. Ribeiro é agente de Investimento certificado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e filiado à Associação Nacional das Corretoras de Valores, Câmbio e Mercadoria (Ancor).

Dia das Mães na CDL As mamães da Câmara de Dirigentes Lojistas de Anápolis foram homenageadas pela data com lindas carteiras de bolsa e cartões de felicitações pela passagem do dia das Mães deste ano. A reunião aconteceu na sextafeira que antecedeu o segundo domingo de maio (11) e contou com a participação do presidente da CDL, Wilmar Jardim de Carvalho, e de sua esposa, Yesa de Ascensão Carvalho, além do gerente de Negócios da entidade, Rui Marques de Lima.

Da esq. para dir.: Valéria Leite, Déa Lúcia, Flaviana de Jesus, Maria de Lourdes e Yesa Carvalho JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

49


ARTIGO

“Piercing oral” - Extravagância visual que oferece risco à saúde aumento do número de adeptos a cada nova geração de adolescentes tem me causado preocupação, pois na O maioria das vezes não são devidamente esclarecidos dos riscos que o adereço pode causar. Os piercing são geralmente colocados na língua, bochechas, lábios e úvula (popularmente conhecida como “campainha”). Usuários destes adereços podem apresentar: Leucoplasia => lesão de mancha branca na região de mucosa bucal, que é cancerizável (devido ao uso contínuo e agressão constante); Cardiopatias => a língua agredida pelo piercing é porta permanente aberta para as infecções; Fraturas dentais => podendo envolver coroa /dentina até polpa (caso mais grave), onde é necessário além do tratamento estético, tratamento endodôntico; Perca do elemento dentário; Edemas sérios => causando linfonodopatias, dificuldade de mastigar, falar e respirar; Alteração na dicção; Reações alérgicas; Perda de sensibilidade da língua; Mudança no alinhamento dentário; Traumas mecânicos na gengiva. Fica a pergunta: Vale à pena a vaidade transgressora? É sabido que a boca contém milhares de bactérias. Os jovens devem se preocupar com as condições de higiene do estabelecimento e esterilização do material utilizado, visto que indiscutivelmente, a perfuração com um elemento contaminado poderá levar o quadro de infecção, hepatite, tétano, sífilis, AIDS, entre outras. Tempo de cicatrização do piercng:

Lábios: entre 6 a 8 semanas;

Durante este período alguns cuidados devem ser tomados: Escovar os dentes sempre que fumar e alimentar; Chupar gelo para reduzir o inchaço; Limpar bem a língua;

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

Mastigar com cuidado a fim de não morder o adereço.

Remoção adequada do piercing (durante 3 escovações pósrefeição);

Bochechas: de 2 a 3 meses;

50

Evitar beijos na fase crítica;

Após estes períodos de cicatrização a higienzação adequada envolve:

Língua: varia de 4 a 6 semanas;

Usar soluções anti- sépticas 3 vezes período de cicatrização;

Evitar bebidas alcoólicas;

ao dia durante o

Escovação cuidadosa e lavagem em solução de clorexilina diluída a 0,12% do adereço; Bochechos com soluções anti-sépticas. * Este produto é bactericida e pode ser encontrado em farmácias comuns, de manipulação e supermercados. **O uso exagerado dos anti-sépticos bucais, acarretarão sérios problemas à saúde bucal. Quando utilizados com freqüência, eles inibem as papilas gustativas, diminuindo parcialmente o paladar, tingindo os tecidos da boca e amarelando os dentes.


JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

51


52

JUNHO E JULHO / 2008 CDL ANÁPOLIS O LOJISTA

Revista O LOJISTA  

Junho/2008

Revista O LOJISTA  

Junho/2008

Advertisement