Page 1

Maio 2010 路 O LOJISTA 路 1


Qualidade

Heliotek

Trata bem sua piscina

QUALIDADE MUNDIAL

r .b m .co a n au s o r hid . w 3321-4520 ww

Completando sua Piscina

Tratamento Químico

Quadriculado Francês 2 · O LOJISTA · Maio 2010

Banheiras

Aparelhos p/ Ginástica

Pastyl Blue

Aquecimento Solar

Pastyl Angra

Móveis

Quadriculado Naval

Av. Brasil Norte n° 1745 Cidade Jardim - Anápolis - GO.


Editorial

CDL Celular: de Anápolis para o Brasil surgiu com a perspectiva de oferecer um serviço diferenciado, com tarifas mais baratas e atendimento humanizado ao cliente”

É

com grande satisfação que fornecemos aos leitores da revista O Lojista novidades sobre o CDL Celular. A última edição que destacou este serviço criado pela CDL de Anápolis em parceria com a Consult Consultoria em Telecomunicações foi divulgada no primeiro trimestre de 2009. Naquela ocasião, o CDL Celular já estava presente, com resultados bastante satisfatórios, em diversas CDLs goianas e hoje comemoramos a expansão do plano de telefonia para outros Estados. Agora, com a adesão das CDLs de Campo Grande (MS) e de Cuiabá (MT), podemos anunciar, com orgulho, que este serviço genuinamente anapolino agora tem representantes em todo Centro Oeste.

FOTO: Edvaldo Almeida

“O CDL Celular

Lançado em setembro de 2007, o CDL Celular nasceu para atender as necessidades do usuário de telefonia móvel, com enfoque para o meio empresarial. O desafio mostrou-se grande, principalmente quando foi levada em conta a insatisfação do consumidor em relação às outras operadoras, como falta de esclarecimento de contratos e pouca eficiência dos call center. O CDL Celular surgiu então com a perspectiva de oferecer um serviço diferenciado, com tarifas mais baratas e atendimento humanizado ao cliente. Com a adesão dos cedelistas de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, esperamos ter apenas dado início a uma grande jornada de sucesso pelo Brasil. Continuaremos a contatar outras entidades para expandir ainda mais o CDL Celular, pois somos seguros em afirmar que este é um dos serviços mais inovadores já criados no país na área de telefonia móvel. O plano é bom para o usuário, que usufrui da menor tarifa do mercado e de chamadas grátis entre o grupo, além de ter controle total dos custos. E é também muito bom para as CDLs, que aumentam suas receitas, oferecem um serviço de qualidade e ainda ganham a fidelização de seu associado. Com o CDL Celular é assim: todos ganham.

Wilmar Jardim de Carvalho Presidente

Maio 2010 · O LOJISTA · 3


Sumário

Fundada em 20 de setembro de 1962

Presidente Wilmar Jardim de Carvalho

Edição com 40 páginas Editorial

3

CDL Celular amplia área de cobertura

6

Pós Venda eficiente

12

Como medir o retorno de um site

16

Máquinas de cartão de crédito serão unificadas

18

Um recurso a mais contra os débitos

22

Convenções Lojistas

26

Restrição a capacetes

29

“Metas são sonhos com data pré-datada para acontecer”

30

Novos Associados CDL Anápolis

34

Últimas Notícias

36

Articulistas desta edição: Dr. Lúcio Flávio: Contratos comerciais

14

Dalmir Sant‘Anna: Você é apaixonado pelo que faz?

25

Vander Lúcio: Ovos de ouro

(62) 3328-0008

38

Importante Os artigos assinados são de inteira responsabilidade de seus autores, não expressando necessariamente o pensamento da CDL de Anápolis

4 · O LOJISTA · Maio 2010

Contatos Rua Conde Afonso Celso, nº 25 Centro, Anápolis, Goiás CEP: 75025-030

1º Vice-presidente Luiz Pereira da Costa Vice-presidentes Olívio Porto Lima João Itagiba Nunes Júnior Orival Rodrigues Jardim Air Ganzarolli Reinaldo de Castro Del Fiaco Diretores Walter Jensen Barbosa João Batista da Silva Wanderley Camargo Iraci Custódio Ribeiro Makário Luiz Orozimbo Alexandre Marques Antunes Maria Edna Sanches Denys Junqueira Maryam Mikhael Francisco Carlos da Silva Elsio Alves Pereira Gerson Sant’Ana Latife Cury de Pina Elmo dos Reis Goulart Marcos Aurélio Rodovalho Conselho Fiscal João Batista de Souza Janilson Dutra Fonseca Antônio Gonçalves O LOJISTA Textos Gêza Maria Vilela MTb 01071 JP Luzilene Lopes GO 01839 JP Priscylla Dietz GO 01868 JP Assessoria comercial Flaviana de Jesus Contato publicitário Adaury Borges Kleber Palhão

jornalismo@cdlanapolis.com.br

Capa, diagramação e arte Robson Silva

www.cdlanapolis.com.br

Fotos Equipe CDL e Divulgação Fotolito/CTP e impressão Gráfica Conceito Tiragem 2.500 exemplares


Maio 2010 路 O LOJISTA 路 5


Serviços

CDL Celular

amplia área de cobertura Após o sucesso em Goiás, os Estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul foram contemplados com o CDL Celular

Campo Gra Grande, Ricardo Kuninari, ferenciado que produza efeitos de total demandas com telefonia têm satisfação aos usuários, além de ser sob as demand aumentado muito e o CDL Celu- medida para cada um de nossos associaaumentad lar reduz os o custos para o lojista. dos”, explica. Segundo Luis Miguel, a quali“Para o lojista lojis é a melhor opção do mercado de telefonia móvel”, clas- dade dos aparelhos ofertados no plano, com presidente da melhorou muito. “Hoje contamos com sifica. De acordo ac Confederação Nacional de Diri- aparelhos que possuem MP3, BLUETOOTH, Confede gentes Lojistas (CNDL), Roque CAMERA e outros aplicativos inexistentes Pellizzaro Junior, havia uma nos primeiros aparelhos. Enfim, amaduPellizz necessidade de expandir os recemos e oferecemos um serviço melhor neces serviços da entidade, e o a cada dia”, comemora. servi Em Goiás, o lojista tem CDL CeCDL Celular vem mostrando grande utilidade para os lular nas cidades de Anápolis, Trindade, gra associados. “A CDL preci- Inhumas, Goianésia, Bela Vista, Mineiros, as sava abrir o leque de ser- Rio Verde, Iporá, São Luis de Montes Besa viços prestados, trabalhar los, Catalão e Itumbiara. A aceitação do viç além do SPC. O CDL Celular serviço foi tão positiva que já são milhaalé Presidente da CDL de Anápolis, Wilmar Jardim de Carvalho, fará da entidade verdadei- res usuários no Estado. e o Presidente da CDL de Campo Grande, Ricardo Kuninari O principal benefício é dar ra rrepresentante de seus associados”, considera. “adeus” definitivamente à necessidade de ligar para o 0800 de uma operadora para tratar de qualquer demanda. Experiência - Para Luis s Estados de Mato Grosso e Miguel Mendes, diretor execuMato Grosso do Sul são os mais novos adeptos do CDL Celular. tivo da Consult Consultoria em Telecomunicações, empresa Em março deste ano, a CDL de Campo Grande recebeu o sinal da telefo- parceira da CDL de Anápolis criadoras do CDL Celular -, após nia móvel. No mês de maio, o serviço foi dois anos e oito meses de disponibilizado em Cuiabá. lançado, o serviço está Nas solenidades de lançamento do CDL Celular nesses Estados, os associa- bem melhor, pois nesse período, condos das entidades puderam conhecer o serviço e saber mais sobre esse plano di- seguiu reduzir todas as tarifas em ferenciado de telefonia móvel. De acordo média de 30%, e com o Presidente da CDL de Cuiabá, José também, criou Alberto Vieira de Aguiar, o CLD Celular várias formas é mais uma prestação de serviço que a de flexibilizar o entidade oferece aos associados. “É uma plano. “Nosso grande novidade que vem beneficiar o semlojista. O serviço tem muitas vantagens”, objetivo pre foi ter um pontua. Presidente da CDL de Cuiabá, José Alberto atendimento diPara o presidente da CDL de 6 · O LOJISTA · Maio 2010

Vieira de Aguiar, e o Diretor Executivo da Consult, Luis Miguel Mendes

FOTO: Honéia Vaz

O


``O CDL CELULAR FARÁ DA CDL A VERDADEIRA REPRESENTANTE DO ASSOCIADO“,

ROQUE

PELLIZZARO JUNIOR PRESIDENTE DA CONFEDERAÇÃO NACIONAL DE DIRIGENTES LOJISTAS (CNDL)

FOTO: Divulgação CNDL

Com o CDL Celular, o usuário tem atendimento personalizado por um profissional da CDL que está à disposição por 24 horas. De acordo com Luis Miguel, os lojistas que utilizam a rede CDL Celular estão falando mais, devido ao benefício de todos poderem falar de graça entre si. “Assim, naturalmente a geração de negócios entre os mesmos aumenta”, conclui o diretor executivo da Consult. A expansão do CDL Celular não para só na região Centro Oeste. Segundo Luis Miguel, já há negociação com outros Estados do país para adesão ao serviço de telefonia móvel exclusivo para os lojistas. “Em breve teremos novidades”, afirma o diretor executivo.

Diferencial Com o plano da CDL, o usuário escolhe o valor que cada linha poderá consumir e o que for contratado será o valor a ser pago. Isto permite que o cliente tenha total conhecimento e controle dos gastos. Entretanto, sempre que o cliente quiser, ele pode alterar o plano. No sistema cont@web, o usuário do CDL Celular verifica o saldo existente, o detalhamento online das chamadas, as faturas anteriores e as empresas participantes. Pode também registrar reclamações, solicitações e sugestões. As chamadas são gratuitas dentro da região de mesmo DDD entre usuários do CDL Celular. Outras vantagens

são a isenção de adicional de chamada e deslocamento grátis entre usuários do serviço dentro do país. As tarifas para ligações dentro do Estado são fixas, sendo um único valor por minuto para telefones fixos ou móveis de outras operadoras. Em ligações interurbanas, o preço do minuto também é único. Além disso, a partir da contratação do serviço não há reajuste por 24 meses, e as tarifas são as mais baratas do mercado. O celular com defeito é encaminhado para reparo, sendo disponibilizado outro aparelho para utilização durante o serviço.

Maio 2010 · O LOJISTA · 7


Enquete

O que o CDL Celular propo

“O CDL celular traz maior entrosamento entre os associados, dando grande evidência no mix de serviços oferecidos “É mais um serviço que a entidade trouxe pela nossa entidade. Especialmente para seus associados. Em um segmento através deste produto telefonia móvel, que possui inúmeras reclamações, a CDL conseguimos aumentar grau satisfação e conseguiu simplificar o atendimento e o também o número de associados”. custo para seus associados, com alta qualidade de serviço para que os usuários tenham 100% de satisfação. Após quase 2 anos de implantação, aumentamos o número de associados, que buscaram a entidade devido à procura pelo CDL Celular. Nossos associados começaram a conhecer mais da entidade e a falar mais entre si. Acreditamos que com esse serviço realmente a CDL cumpre o seu papel de sempre buscar benefícios para seus associados, e estamos muito satisfeitos em ter o CDL Celular em nosso portfólio”. “O serviço é bom. Todos que têm o plano estão satisfeitos. São raros os problemas, e quando ocorre, a solução é rápida. O plano é bem funcional, sem burocracia. Principal vantagem é que não há envolvimento com a operadora, é direto com a CDL”.

8 · O LOJISTA · Maio 2010

“Hoje estamos 99% satisfeitos, no geral é bom, sabemos que ainda existem alguns pontos que podem ser melhorados. O serviço ainda está crescendo e no futuro dará um bom retorno para a CDL. Sempre que posso falo do serviço para os associados, pois para na própria CDL houve uma economia muito grande com o uso do CDL CELULAR”.

“Os usuários do plano CDL Celular têm gostado da rapidez no atendimento, esse é o grande diferencial. Nenhum de nossos associados teve mais problemas com telefonia depois que começaram a utilizar o CDL Celular”.


rciona para sua entidade?

“O CDL Celular, graças às suas condições especiais como a tarifa zero, a tarifa fixa, a isenção de deslocamento nacional, o total controle de sua conta através da Web conta entre outras, proporcionou à CDL de “É um excelente plano, que veio para beneficiar os associados da CDL, com Itumbiara a oportunidade de oferecer um custo mais baixo devido ao poder de aos seus associados um serviço de alta barganha para aquisição de linhas junto qualidade e excelente custo benefício, à operadora. Está sendo excelente para além de contribuir para a adesão de a cidade, é uma pena que nem todos novos associados que, visualizaram em ainda adquiriam. Eu acredito muito no todos os benefícios agregados a esta plano, não é a toa que CDL Bela Vista rede integrada de comunicação um ótimo está no plano. E estaremos juntos com negócio”. a CDL Anápolis até atingir o maior número possível de usuários. Eu espero que este projeto possa se tornar em uma operadora de telefonia móvel CDL CELULAR, onde teremos nossas próprias torres. Finalizando, quero parabenizar o Sr Wilmar (de Carvalho – presidente da CDL Anápolis) que teve a ideia, coragem e atitude para colocar este projeto em execução, que hoje beneficia mais de 5.000 usuários. Espero que todos façam parte do plano. Abraço a todos. Obrigado”.

“O serviço melhorou consideravelmente em relação ao período de implantação do plano. Os clientes estão satisfeitos com os serviços prestados e hoje veem que o serviço intra-rede, que é o maior diferencial do plano, realmente faz a diferença. Hoje nós da CDL Trindade vemos que o CDL CELULAR é realmente um bom negócio”.

“Hoje, observamos a satisfação das empresas associadas ao Plano de Telefonia Empresarial Móvel do CDL Celular, que vem destacando de forma muito satisfatória aos nossos sócios e propiciando novos associados à Entidade. Temos orgulho de participar desta conquista, que vem trazendo benefícios e vantagens à classe Empresarial Lojista de Mineiros. Parabéns...”.

Maio 2010 · O LOJISTA · 9


10 路 O LOJISTA 路 Maio 2010


Maio 2010 路 O LOJISTA 路 11


Estratégia

Pós-Venda eficiente Como usar essa ferramenta tão importante no mundo dos negócios de hoje

A

preocupação com o desempenho das vendas é fundamental para o sucesso de uma empresa e essa é uma verdade da qual ninguém discorda. Mas é certo dizer ainda que se atentar exclusivamente com isso não basta. Hoje, a demanda do mercado também exige dos gestores o cuidado com o gerenciamento de um pós-venda que atenda as expectativas do consumidor. E em que consiste esse processo tão importante no universo comercial? O nome já dá boa indicação de seu significado. Basicamente pode-se afirmar que se trata da continuidade do relacionamento com o cliente após a compra do produto ou aquisição do serviço procurado, especialmente no quesito satisfação do comprador. O administrador de empresas e professor universitário Ieso Costa Marques amplia este conceito sob uma perspectiva interessante: “É uma pré-venda da venven da seguinte”, diz o também contador e consultor empreempre sarial. É possível perceber, portanto, portanto que hoje esta ferra ferramenta tornou-se

“(O pós-venda) é uma pré-venda da venda seguinte”, compara o administrador de empresas e professor universitário Ieso Costa Marques

12 · O LOJISTA · Maio 2010

elemento básico para conquista e fideli- treinar os colaboradores para que estezação de novos consumidores. Várias são jam realmente capacitados para atender as estratégias para conseguir montar um a clientela, seja pessoalmente, por e-mail plano eficaz de pós-venda. Um dos mais ou telefone. A pré-definição de um roteiro, recorridos é o telemarketing, que pode ser com informações e procedimentos básicos feito por empresa terceirizada que seja es- da empresa, ajudará o funcionário a se porpecializada no ramo. tar satisfatoriamente junto ao cliente. Se o Para quem não pode arcar com empresário tem interesse em fazer um póso custo de uma equipe formal externa, a -venda com qualidade e não sabe por onde opção é trabalhar com os próprios colabora- começar, a dica é procurar órgãos de apoio dores, em forma de revezamento. Segundo a empresas, como o SEBRAE, ou procurar o professor Ieso Costa, um simples cadastro ajuda de consultores, assessorias especiade clientes pode trazer bons frutos. Através lizadas ou empresas júnior das faculdades dele, será possível saber, por exemplo, o de Administração. dia do aniversário do consumidor. Nesta data, poderá ser enviado um cartão de fe- Dicas para a satisfação do licitações, virtual ou impresso, ou até mes- cliente, desde a venda até o mo poderão ser feitas ligações telefônicas pós-venda: com o objetivo de cumprimentar quem •Comercializar produtos e serviços de qualidade; consome seus produtos. •Falar a verdade sempre; •Tratar as pessoas com respeito; Imagem - Em linhas gerais, o •Escutar mais do que falar; feedback dará condições ao empresário de •Oferecer possibilidades de outros produtos da saber os erros e acertos de sua empresa, empresa; além de favorecer a conquista de credibi•Cumprir os prazos prometidos; lidade junto ao cliente, que por estar mais •Conhecer as especificações dos produtos da loja; exigente, se atenta às empresas que valori•Definir claramente a estratégia de persuasão; zam sua opinião. Além disso, o especialista •Sempre planejar as vendas; afirma que invariavelmente o estreitamen•Capacitar os colaboradores que farão o pósto no relacionamento com o consumidor venda porque eles representarão a imagem da gerará a famosa propaganda “boca a boca”, empresa durante a tarefa; que fortalecerá a imagem da empresa e •Cuidado com a Língua Portuguesa; renderá a ela mais e mais clientes. •Cuidado com a abordagem ao cliente, perguntar Mas assim como vendas mal conprimeiro se ele pode atender a ligação; duzidas podem trazer prejuízos à empresa, •Apresentar-se, dizer o objetivo do contato; o pós- vendas feito sem profissionalismo •Tabular as informações colhidas junto aos pode ser devastador. “Se esse feedbaclientes; ck não agrega valor, de nada adiantará o •Apresentar à equipe os resultados para corrigir pós-venda”, afirma Ieso Costa. Por isso, o os erros e aperfeiçoar o trabalho. professor destaca a importância de se Fonte: Administrador de empresas e professor universitário Ieso Costa Marque


A importância de se conhecer o público-alvo Para se estabelecer o pós-vendas como ferramenta eficiente, um dos princípios básicos é conhecer o público para o qual está vendendo. Uma das maneiras de se alcançar esse desafio é lançar mão do plano de negócios, que é o instrumento capaz de direcionar os rumos de uma empresa. Dentro desse contexto, o especialista em gestão estratégica de marketing Rodrigo Messias de Souza ensina que o primeiro passo para se atingir o mercado alvo é trabalhar a segmentação. Ela consiste em agrupar informações ligadas a situações demográficas (idade, sexo, renda, grau de instrução), geográficas (região, cidade, densidade populacional), comportamentais (atitude em relação ao produto, grau de fidelidade, índice de utilização), psicográficas (personalida-

de, estilo de vida). “A segmentação vai direcionar o empresário, pois serão agrupadas as características dos clientes, que exigem determinado serviço e produto”, explica Rodrigo Messias, que é professor do curso de Administração de Empresas da Universidade Estadual de Goiás e gerente de vendas de uma indústria têxtil. Com essa análise, será possível identificar a viabilidade do negócio. Além do plano de negócios e do planejamento de marketing, é preciso qualificar a equipe, pois serão os funcionários que terão um contato mais direto com o público-alvo. Outra dica importante do especialista é entender que o plano de negócios não é um instrumento estático,

uma vez que ele avalia o mercado consumidor, o qual é muito dinâmico e está sempre sujeito a mudanças. “O planejamento envolve o feedback, ou seja, a verificação de como está sendo aceito o produto, se está havendo crescimento de venda, como está o posicionamento da marca”, explica o professor universitário. Se o negócio já está em andamento e não há nada de concreto quanto ao conhecimento do público da empresa, é possível reverter essa situação com a ajuda de um profissional, especialmente um que seja ligado à área de administração. Rodrigo Messias afirma que conhecer o seu público-alvo garante muitos benefícios, dentre os quais estão a importância estratégica do negócio, a promoção de vantagens competitivas e econômicas, o adequado posicionamento de preço e ações promocionais. Haverá ainda um mix de comunicação eficiente e fortalecimento a ideia de ponto de venda.

Maio 2010 · O LOJISTA · 13


Artigo

Contrato válido e seguro Lúcio Flávio Mendes Cruccioli Advogado integrante do Escritório Antônio Heli de Oliveira & Cruccioli Pós-graduado em Direito Civil, Processo Civil, Direito do Trabalho e Processo do Trabalho

O

contrato faz lei entre as partes - é a chamada lei privada. Por isso, os contratantes estão obrigados as cumprir todas as suas cláusulas e condições, o que juridicamente é conhecido como “pacta sunt servanda”, que significa que os pactos devem ser respeitados. Em razão disto, é aconselhável consultar um advogado antes de se fechar um contrato, lembrando que um negócio que se começa errado dificilmente pode ser consertado. Prevenir é sempre melhor do que remediar, ainda mais quando o remédio custa caro e pode não funcionar. Para se conseguir modificar as cláusulas de um contrato, além de difícil, o empresário no mínimo terá gastos com advogado e com custas processuais, ressaltando, neste particular, que as custas judiciais no Estado de Goiás estão dentre as mais altas do País, sem contar, ainda, que pode demorar o provimento definitivo da demanda. É claro que alguns aspectos do contrato envolvem análises jurídicas, as quais podem não ser muito fáceis àqueles que não têm formação na área. Todavia, tanto o empresário como qualquer cidadão podem observar alguns fatores antes de fechar um novo contrato, como por exemplo: • Jamais assine um contrato sem ler minuciosamente todas suas cláusulas. Não se sinta constrangido em empregar alguns minutos para ler integralmente o contrato, lembre-se que o contratante responsável por sua elaboração já o leu e analisou cuidadosamente; • Marque, no contrato, palavras 14 · O LOJISTA · Maio 2010

quer pessoa ou empresa. A existência e termos que não entendeu e peça que a outra parte ou um advogado lhe ex- de contrato nem sempre é garantia de cumprimento da obrigação assumida. plique o que significa. Um contrato não Em nada adianta fechar um contrato miprecisa conter palavras ou expressões de difícil compreensão. A exata compreen- lionário com pessoa ou empresa que não tem idoneidade financeira para cumprir são de todas as cláusulas deve estar ao a obrigação assumida. Lembre-se que a alcance de ambos os contratantes. Se continuar não entendendo ou as expli- execução no Brasil, para estes casos, é patrimonial, portanto, caso não sejam cações não lhe convencerem, exija que o contrato seja modificado substituindo- localizados bens penhoráveis no patrimônio do contratante inadimplente, nem -se os termos de modo que a linguagem fique mais “popular” e consequente- mesmo uma demanda judicial talvez seja mente o entendimento fique mais fácil. suficiente para obrigá-lo ao cumprimento; Não é deselegante pedir para substituir Constatando a necessidade de palavras ou expressões que não sejam • um contrato que formalize os direitos e por você conhecidas. Não existe lei ou regulamento que obrigue o uso da lin- responsabilidades, faça um esboço, proguagem formal utilizada em contratos, duza um texto com os assuntos principais portanto você tem sim o direito de soli- que podem gerar dúvidas ou polêmicas, um texto que seja esclarecedor sobre a citar modificações nos termos utilizados abrangência da sua responsabilidade a fim de utilizar uma linguagem mais com a outra parte. Feito isso, procure a acessível; ajuda de um advogado para formatar e • Nunca assine um contrato sob revisar o documento final antes de adotápressão ou com campos em branco. A pressão é sempre utilizada com ele- -lo como modelo; No dia-a-dia do escritório posso mento para forçar o outro contratante a assinar um contrato sem analisar ampla- afirmar, com certeza, que várias situações de conflito, inclusive demandas, podemente suas cláusulas, efeitos etc. Não riam ter sido evitadas com a existência existe negócio honesto que não se pode aguardar a análise e, sobretudo, discus- de análise e discussão prévia dos termos são sobre as cláusulas de suas cláusulas. de um contrato, de modo que fossem eviAlém disso, assinar um contrato e dei- denciadas, com amplitude, todas as responsabilidades e obrigações das partes xar campos em branco é um perigo que envolvidas. Contratar com segurança e deve ser evitado; tranquilidade não tem preço. Um contra• Guarde sempre uma via do to mal feito certamente deve representar contrato. Todo contratante deve guardar prejuízo para um dos contratantes. Porconsigo uma via do contrato, portanto, o mesmo deve ser impresso em pelo me- tanto, não deixem de consultar um advogado antes de firmar um contrato que nos duas vias de igual forma e teor; • Não assine contrato com qual- não seja de sua exata compreensão.


Maio 2010 路 O LOJISTA 路 15


Entrevista

Como medir o retorno de Nunca foi tão importante para uma empresa possuir um web site. As oportunidades alcançadas através da internet são inúmeras e abrangem desde o fortalecimento da marca empresarial e até mesmo o incremento na comercialização de produtos e serviços. Mas hoje, não basta apenas ter um site. É preciso ter um site EFICIENTE. E por isso, quantificar o retorno de uma página na internet tornou-se fundamental para torná-la uma ferramenta lucrativa e que de fato faz a diferença no mercado atual. Para entender mais sobre esse assunto, O Lojista conversou com Leandro Costa, que é graduado em Ciência da Computação, especialista em tecnologia em gestão da informação e professor acadêmico. Este anapolino de 27 anos tem traçado uma carreira de sucesso e hoje trabalha como analista e desenvolvedor de aplicações para web na Globo.com, empresa de renome e referência em internet no cenário nacional e internacional, situada na cidade do Rio de Janeiro. Nesta entrevista, feita através de contatos telefônicos e e-mail, Leandro dá dicas práticas aos empresários que desejam alcançar resultados satisfatórios no mundo da internet.

“Existem ferramentas gratuitas e que fazem um bom trabalho, porém nada substitui o trabalho de um bom profissional”, avalia o especialista em tecnologia em gestão da informação Leandro Costa Revista O Lojista - O que o empresário tem de fazer para acertar ao máximo na hora de criar o próprio site e, assim, obter um bom retorno? Leandro Costa - Um web site nada mais é do que uma ferramenta de comunicação entre duas partes, a empresa e seus clientes. É necessário que seja definido claramente „o que“ se deseja comunicar, transmitir ou vender, „para quem“ se quer transmitir, para então escolher qual a melhor maneira de se realizar essa co16 · O LOJISTA · Maio 2010

municação, essa parte é „o como fazer“. Nesta fase de escolha de como fazer é que o web entra como um canal de comunicação, uma nova mídia e os web sites e demais ferramentas como as famosas redes sociais como os agentes viabilizadores dessa comunicação.

É possível comunicar com o público desejado, no ambiente natural desse público e ainda mensurar esse retorno.

O Lojista - Existem estatísticas ou mesmo dados concisos falando do retorno que os sites podem dar? E que tipo de retorno é esse? É, por exemplo, tornar os produtos mais conhecidos? Aumenta as vendas no balcão? Se tiver detalhes... descreva para mim!

Costa - As ferramentas de métricas citadas, dentre várias outras, possibilitam que possamos acompanhar com gráficos e com números todo esse processo de comunicação. O importante é vermos qual o tipo de retorno queremos talvez seja o fortalecimento da marca, tornar a marca mais próxima dos seus clientes, realizar mais vendas. Para qualquer que seja a escolha é necessário acompanhamento de perto, embora seja um ambiente legal e divertido as coisas não acontecem sozinhas na web.

Costa - A área de métricas é algo que tem crescido muito ultimamente, é possível mensurar vários aspectos de acesso a uma página na web. Com base nesses dados coletados é possível se realizar um trabalho de estatística e assim temos informações para tomadas de decisões, escolher o que priorizar e destacar dentro de um web site. Existem ferramentas para isso pagas ou gratuitas. Posso citar o analytics http:// www.google.com/analytics/, ferramenta essa que possibilita não somente a verificação de uma vasta quantidade de dados sobre os acessos as páginas de um web site como também a criação de verdadeiras campanhas online com produtos como o AdWors que permite criar anúncios nas páginas de resultados do próprio google.

O Lojista - Como o retorno de um site pode ser medido? Como os especialistas fazem isso?

O Lojista - O empresário interessado nesse retorno precisa contratar um especialista ou há algum recurso disponível que permite a ele mesmo fazer a medida? Costa - Existem ferramentas gratuitas e que fazem um bom trabalho, porém nada substitui o trabalho de um bom profissional. Uma empresa especializada vai estar mais ligada às tendências e as últimas mudanças da web e vai conseguir aconselhar e direcionar melhor o produto e as ações para que se alcance melhores resultados.


um site O Lojista - Depois de identificados os pontos nevrálgicos, se eles existirem, qual o próximo passo que o empresário tem de dar? Costa - Como em qualquer processo de comunicação estratégica o empresário deve escolher os seus pontos mais importantes, o que é relevante para seu público alvo. Essa é uma das respostas que vai dizer, por exemplo, como será a comunicação com esse público, se mais descontraída ou mais séria. Vai dizer também como será a linguagem visual dessa comunicação. Esses pontos vão direcionar todo o processo de comunicação, nesse momento a presença de especialistas se faz necessária e é um diferencial. O Lojista - Como desenvolvedor de sof-

twares e pela grande experiência na área, o que o senhor apontaria como PROIBIDO em um site? Ou melhor, para ter um bom retorno, o que esse site não pode conter jamais? Costa - Um web site é algo multidiciplinar, exige conhecimentos e talentos em várias áreas. Posso separar em duas camadas básicas para simplificar a idéia. O que o cliente vê e, portanto, o que ele possui contato é com a informação, o mais importante, ele visualiza a aparência, cores e imagens que comunicam com ele de alguma forma. Essa é a primeira camada, uma camada visual. A segunda camada seria a parte de software que é como a coisa realmente funciona, o software é a base porém o cliente não tem contato com essa camada. Não faz diferença para o cliente em qual linguagem de programação o gerenciador de dados dele foi escrito, qual o banco de dados está sendo usado, isso é irrelevante para o cliente. Tive a oportunidade de trabalhar muito próximo à publicidade e a comunicação visual faz realmente a diferença para o cliente final, preocupações com a disposi-

ção dos elementos na página, arquitetura de informação, usabilidade são capazes de realmente elevar um produto a um outro nível. Acho que o que um site realmente não deve ter é alguém que não possui essas preocupações ou qualidades sendo responsável por ele. Entenda essa pessoa como sendo os famosos sobrinhos ou o rapaz que fez um curso e faz sites por um ``preço camarada“. O Lojista - Quais são os erros mais comuns cometidos pelo empresário na hora de montar esse site cujo retorno é esperado com tanta expectativa? Costa - O erro mais comum é o de trivializar o processo, não dar a ele a importância devida. Normalmente vejo empresários confiando algo tão importante como o web site a pessoas ou empresas que não possuem qualificação ou responsabilidade para realizar a tarefa. Especialistas e empresas sérias fazem a diferença, se tratando de confiar a maneira como a sua marca vai ser apresentada ao seu público, não é interessante se arriscar.

Maio 2010 · O LOJISTA · 17


Serviço

Máquinas de cartão de crédito serão

unificadas A partir de 1º de julho, as máquinas leitoras de cartões serão unificadas. Os lojistas comemoram essa vitória e reivindicam regras claras para as mudanças

O

uso do dinheiro eletrônico tem sido uma boa opção para os consumidores. Entre os anos 2000 e 2009, o volume de pagamentos com cartão de crédito cresceu 576%. Isso comprova o bom negócio para as operadoras, que só no ano passado, receberam cerca de 240% de juros pelo uso do crédito rotativo. Para os lojistas o negócio não tem sido tão positivo. Eles pagam em torno de 5% de taxa de administração pela bandeira do cartão e esperam até 30 dias para receber o valor do produto. Esse prazo é bem superior ao vigente na Europa e nos Estados Unidos, que é de no máximo uma semana. Os gastos seriam menores se apenas uma máquina leitora de cartão disponibilizasse várias bandeiras. Essa tem sido a batalha dos lojistas e que agora está caminhando para um final feliz. A partir de 1º de julho deste ano, a unificação das máquinas leitoras de cartão nos estabelecimentos será obrigatória. Para o presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), Roque Pellizzaro Junior, essa é a primeira vitória do Movimento Lojista. “Com isso, o duopólio entre as duas opera18 · O LOJISTA · Maio 2010

doras, Redecard e Cielo, vai acabar. Abriremos espaço para mais concorrentes e as operadoras terão que brigar entre si para conquistar o lojista. Cabe a nós escolher a operadora que nos oferece a maior vantagem, com menores taxas e menor prazo para pagamento”, comemora. O presidente atenta os lojistas para a importância de, neste primeiro momento, não assinar contratos de fidelização. Pellizzaro explica que com a unificação, a curto prazo os lojistas terão redução de custo com

as máquinas; a longo prazo, as taxas de desconto serão menores


FOTO: Divulgação CNDL

e o período para recebimento dos valores vendidos irá diminuir. Segundo ele, a unificação representará uma economia de R$ 250 milhões por mês para o varejo. “Em vez de alugar três máquinas, o lojista precisará apenas de uma. Ganhará o comerciante e também o consumidor, que terá menos custos repassados nos preços das mercadorias”, explica. De acordo com Pellizzaro, após muita pressão do movimento lojista, o governo parece disposto a fixar regras para a indústria dos cartões de crédito. Ele diz que a CNDL apoia o governo em todas as medidas que venham a estimular a competição saudável neste segmento, assim como medidas que imponham limites ao que seja fora do razoável nas relações com os consumidores brasileiros. Entretanto, para o presidente, a medida de autorregulamentação anunciada pela Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços) não é suficiente. Ele espera que o Congresso Nacional elabore uma legislação justa que normatize as operações e as relações entre bancos emissores de cartões, credenciadores, lojistas e clientes. “O Banco Central tem que ser o agente re-

De acordo com o Presidente da CNDL, a unificação das máquinas leitoras de cartão de crédito representará uma economia de R$ 250 milhões por mês para o varejo

gulatório para poder coibir distorções no mercado. Nós, lojistas, queremos definição de regras claras sobre taxas e tarifas,

que são extremamente altas em comparação com a média mundial afetando consumidores e lojistas”, reivindica.

*Algumas informações desta reportagem foram baseadas na Carta aos Lojistas do Presidente da CNDL - Roque Pellizzaro Junior – publicada na Revista Dirigente Lojista, edição de abril de 2010.

Maio 2010 · O LOJISTA · 19


GOIÁS BATE RECORDE HISTÓRICO NAS EXPORTAÇÕES.

20 · O LOJISTA · Maio 2010


ESTAMOS CONQUISTANDO O MUNDO. Goiás acaba de bater um importante recorde em suas exportações. Foram 384,4 milhões de dólares em março, somando quase US$ 800 milhões só nos 3 primeiros meses de 2010. As previsões são de que Goiás feche o ano com mais de 4 bilhões de dólares exportados. Este crescimento impressionante é resultado de um trabalho sério do governo do Estado, que através da Secretaria da Indústria e Comércio, vem oferecendo internacionalmente acordos e parcerias que têm resultado em novos e importantes negócios para Goiás. Só nos últimos meses, missões da SIC estiveram na China, Rússia, Leste Europeu (Polônia, República Tcheca, Ucrânia e Bielorrússia), Peru e Colômbia, gerando inúmeros negócios, tanto no intercâmbio de alta tecnologia quanto nas áreas da indústria e comércio. Um estado assim, capaz de conquistar países por todo o mundo, e de consistentemente melhorar a vida de sua população, só podia mesmo alcançar mais vitórias a cada novo dia.

Maio 2010 · O LOJISTA · 21


Condomínios

Um recurso a mais contra os débitos Opção de inserir nome de condômino inadimplente no SPC Brasil torna-se forte aliada dos síndicos no combate à inadimplência

Q

uem atrasa o pagamento da taxa de condomínio pode ter o nome inserido no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). O recurso é utilizado no Rio de Janeiro há dois anos por força de lei e em São Paulo entrou em vigor no ano passado, quando reduziu em mais de 50% a inadimplência nos condomínios. Em Anápolis, a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) é a detentora do banco de dados do SPC Brasil e alguns síndicos já têm lançado mão da medida na tentativa de receber a dívida acumulada pelos condôminos. O registro do nome do inadimplente junto ao SPC Brasil pode ser feito

O administrador de condomínios em Anápolis Augusto Andrade de Oliveira já lançou mão do SPC Brasil para cobrar o condomínio de moradores inadimplentes

22 · O LOJISTA · Maio 2010

de forma direta. Ou seja, não é necessário, antes, protestar o título em cartório ou mesmo apelar para a cobrança judicial. No entanto, a prática precisa ser aprovada na assembleia geral do condomínio, tem de constar na ata e também na convenção, que é o conjunto de normas que regem a convivência entre os moradores. De acordo com a Gerente do SPC Brasil em Anápolis, Déa Lúcia Jorge, utilizar o Serviço de Proteção ao Crédito é uma opção a mais que o síndico tem para receber a dívida, um direito atualmente garantido pelo regulamento nacional do SPC Brasil. “Mas convém lembrar que, antes de fazer essa opção, o síndico precisa levá-la ao conhecimento de todos. Ninguém pode ficar desavisado de que existe essa possibilidade”, acrescenta Déa Jorge. Apesar de o recurso acelerar o pagamento do débito, a experiência de quem há muito trabalha na área aponta a cautela como item fundamental da pauta de cobrança. Essa é a orientação do administrador de condomínios em Anápolis, Augusto Andrade de Oliveira. Com nove anos de atuação no ramo, o síndico por profissão tem o SPC Brasil como ferramenta de trabalho para solucionar os casos mais críticos de inadimplência, apesar de preferir, primeiro, o caminho do diálogo. “A lei considera inadimplente aquele cujo atraso ultrapassa 15 dias, mas,

só começo uma cobrança mais incisiva, e isso inclui o registro do nome no SPC Brasil, após três meses. Procedo assim porque, no caso dos condôminos, temos de ser maleáveis e precisamos encontrar uma solução amigável para o problema. Outro motivo é porque ter restrições no nome traz uma série de constrangimentos para a pessoa”, completa o síndico Augusto Andrade de Oliveira. Também administradora de condomínios em Anápolis, Rose Mari da Silva diz que nunca fez registros no SPC Brasil, mas conta que os moradores do prédio que administra estão informados sobre o procedimento. “Acrescentamos na convenção do ano passado e a ata aprovada em assembleia traz o registro no SPC Brasil como opção para receber de quem está devendo”. Para Rose Mari é importante contar com o Serviço de Proteção ao Crédito. “Ora, um condomínio funciona como uma firma e o valor mensal cobrado dos moradores é o que vai pagar todas as despesas”, reforça.


Agilidade na solução do problema Fique por dentro Por várias vezes o síndico Augusto Andrade de Oliveira já lançou mão do SPC Brasil para cobrar o condomínio de moradores inadimplentes. Segundo ele, a primeira reação do morador é de raiva e bronca. “Depois de três meses de atraso e esgotadas todas as formas de negociação, registro o nome no SPC Brasil. O morador não gosta, mas precisa entender que é necessário, pois o condomínio não pode arcar com a falta do pagamento”, explica Andrade de Oliveira. O administrador de condomínios lembra que o inadimplente aparece

para negociar a dívida assim que fica sabendo que o nome está com restrições junto ao comércio. “No caso dos apartamentos alugados, registro o nome do inquilino mesmo, pois tenho o CPF desse morador no boleto. Quando fica sabendo, a pessoa aparece na hora para renegociar a dívida”, fala Augusto Andrade. Ele considera o registro junto ao SPC Brasil extremamente importante, pois “torna o pagamento mais ágil quando a pessoa realmente quer manter o nome livre de restrições”.

Se você é síndico e quer utilizar o recurso oferecido pelo SPC Brasil, saiba que: • A opção tem de ser aprovada na assembleia geral de moradores convocada pelo síndico; •

Depois da aprovação, o recurso tem de constar na ata e na convenção do condomínio;

O registro do nome do inadimplente pode ser feito de forma direta junto ao Serviço de Proteção ao Crédito;

• O registro deve ser feito após negociação por diálogo e notificação do inadimplente por escrito.

Serviço O QUÊ? Registro de condôminos inadimplentes no Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil)

ONDE Câmara de Dirigentes Lojistas de Anápolis (CDL)

ENDEREÇO Rua Conde Afonso Celso, nº 25, Centro

Maio 2010 · O LOJISTA · 23


24 路 O LOJISTA 路 Maio 2010


Artigo

Você é apaixonado pelo que faz? Dalmir Sant’Anna Palestrante comportamental, mestrando em Administração de Empresas, pós-graduado em Gestão de Pessoas, bacharel em Comunicação Social e mágico profissional. Autor do livro “Menos pode ser Mais” (3ª edição).

A

Revolução Industrial iniciada na Inglaterra no Século XVII intensificou a substituição do modo de produção doméstico pelo sistema fabril, utilizando das máquinas e abordagens mecânicas para a ascensão, diversificação e reestruturação de empresas dos mais diversos segmentos, constituindo um processo de transformação acompanhado por notável evolução tecnológica. Com este período, o profissionalismo começa a fazer parte do cotidiano e a paixão por determinadas atividades fortalece a necessidade de satisfação, motivação, vontade e desejo de trabalhar. Juntamente com esta estruturação surge a reflexão sobre a paixão em trabalhar, em estar invariavelmente apaixonado por suas atividades e escolha profissional. Paixão na estrutura organizacional é percebida pela criatividade, pró-atividade, cordialidade, determinação e otimismo demonstrados pelos profissionais das mais diversas áreas em seu cotidiano de trabalho. O Palestrante Mágico Dalmir Sant’Anna apresenta que ser apaixonado pelo que faz encontra-se relacionado com felicidade e equilíbrio, pois ultrapassa o limite da motivação por estar diretamente ligado com as emoções do coração e o constante desejo de aperfeiçoamento.

Felicidade - Há quem acredite que felicidade não existe. Há quem acredite que a felicidade é construída e conquistada a cada dia, compreendendo que não é um estado constante, mas uma busca constante. O que é felicidade? É um estado afetivo ou emocional de sentir-se bem ou sentir prazer pelo que se está desenvolvendo. Um acadêmico apaixonado pelo curso escolhido sente felicidade ao fazer novas descobertas. Por estarem apaixonados empresários, executivos, esportistas, profissionais liberais demonstram a felicidade através de pequenos gestos, como um sorriso, um saudoso bom dia, ou mesmo, reconhecendo o esforço de um colega. O que traz felicidade? Um dia de sol, um cafezinho ou um chá após uma extensa reunião, o sorriso do filho que estava ansioso a sua espera... A felicidade alcança sua extensão quando você dedica um pouco do seu precioso tempo às coisas que proporcionam a sensação de leveza, de reconhecimento, superação e bem estar. Equilíbrio - Tenha certeza de que todo o profissional de destaque planejou e continua realizando o planejamento de novas conquistas equi-

librando vida pessoal e profissional. A qualidade de vida tem relação com o equilíbrio de suas emoções e ações, sem esquecer da presença do cônjuge, noiva, namorada, pais, filhos e amigos. Observe que há pessoas que pagam um alto preço para alcançar os resultados esperados, mas esquecem de completar suas emoções com sentimentos de afeto, gratidão, valorização e convivência familiar. Aliar o equilíbrio entre sua paixão pelo trabalho e o bem estar pessoal permite conquistar resultados mais satisfatórios. É evidente que quando um profissional é apaixonado pelo que faz, cria gradativamente um processo introspectivo de novas descobertas e auto-realização, não sendo um acomodado que somente reclama do salário que recebe, mas com determinação pessoal conjugada com a vontade de vencer, dedica parte de seu tempo para aprimorar seu desempenho, estudar e fortalecer suas competências. Observe que a paixão pelo trabalho permite superar desafios, romper obstáculos e oferecer continuamente um trabalho diferencial, capaz de encantar as pessoas que estão a sua volta. Agora responda: Você é uma pessoa apaixonada pelo que faz?

Maio 2010 · O LOJISTA · 25


Eventos

51ª Convenção Nacional do Comércio Lojista será realizada em Florianópolis

E

mpresários de todo Brasil já aguardam com expectativa a realização da 51ª Convenção Nacional do Comércio Lojista. O maior evento do varejo brasileiro será realizado este ano na cidade de Florianópolis (SC), entre os dias 26 e 29 de setembro. Como de praxe, além da programação principal, que abrangerá palestrantes de renome nacional e internacional, haverá eventos paralelos como feira de negócios e outros voltados especialmente para as mulheres e os jo-

vens empreendedores. As inscrições já se encontram abertas pelo site oficial da convenção (veja Box) e possuem preços diferenciados conforme a data de pagamento do valor cobrado. Promovida anualmente pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), a convenção deste ano terá a solenidade de abertura marcada pela presença da Escola do Teatro Bolshoi no Brasil. Ao longo da edição de 2010, os participantes ouvirão os conselhos e dicas

de palestrantes como Jim Cunningham (ex-diretor da Disney University), James Hunter (autor do best seller O Monte e o Executivo), Ângela Hirata (consultora de comércio exterior da São Paulo Alpargatas - marca Havaianas) e Eduardo Giannetti (economista e cientista social).

Visite o site do evento e faça sua inscrição:

www.51convencaolojista.com.br

Caldas Novas sediará 6ª Convenção Estadual do Comércio Lojista de Goiás A inscrição dá direito à participação de toda programação do evento, hospedagem, alimentação e acesso gratuito à colônia de férias do SESC Caldas Novas. A Federação subsidiou o valor das inscrições a fim de dar condições para que todos os cedelistas participem dos eventos. Para hospedagem, além do Bloco Wilton Honorato (SESC), foram reFOTO: Divulgação SESC Caldas Novas

D

e 18 a 20 de junho de 2010, Caldas Novas será a capital do movimento lojista goiano. Nesse período, será realizada a 6ª Convenção Estadual do Comércio Lojista de Goiás, promovida pela Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Goiás (FCDL/GO). Paralelamente ao evento principal, será realizado também o 6º Seminário Estadual de SPC’s. Um ciclo de importantes palestras de interesse do empresário foi preparado para a oportunidade. As inscrições se encerram no site oficial no dia 10 de junho, mas elas poderão ser feitas no local do evento, desde que haja vaga disponível. Diante da limitação de vagas, a FCDL/GO orienta que todos os interessados agilizem sua participação.

O SESC de Caldas Novas foi o local escolhido para realização da 6ª Convenção Estadual do Comércio Lojista de Goiás

26 · O LOJISTA · Maio 2010

servados quartos no Condomínio Thermas Place (próximo ao SESC). Até o fechamento desta edição, a programação oficial ainda não havia sido divulgada. Para mais informações:

www. cdlgoiania.com.br (62) 3216-3860


Maio 2010 路 O LOJISTA 路 27


Legislação

Restrição a capacetes Lei municipal proíbe uso em locais abertos ao público em Anápolis

O

ingresso e a permanência de pessoas usando capacetes ou de qualquer tipo de cobertura que oculte a face em estabelecimentos comerciais agora são proibidos em Anápolis. A regra inclui também prédios que funcionam no sistema de condomínio, postos de combustível, estacionamentos e quaisquer outros locais abertos ao público. A medida visa inibir atos que atentem contra a segurança pública na cidade. A proibição é resultado da lei municipal nº 3.452, que foi sancionada pelo prefeito Antônio Roberto Gomide em março deste ano, após aprovação da Câmara Municipal do projeto de lei de autoria do vereador Pedro Antônio Mariano de Oliveira. A lei determina que os proprietários dos estabelecimentos enquadrados deverão afixar placas indicativas na entrada dos mesmos com os seguintes dizeres: “É proibida a entrada e a permanência neste local de pessoas utilizando capacete ou qualquer tipo de cobertura que oculte a face”. A frase deverá constar ainda o número da lei e sua respectiva data de publicação. Os bonés, capuzes e gorros não estão incluídos, a não ser que estejam sendo usados com a finalidade de esconder a face. A Câmara de Dirigentes Lojistas de Anápolis fez comunicado oficial aos seus associados informando a decisão através de mala direta.

28 · O LOJISTA · Maio 2010

Modelo de placa adequada à lei que proíbe o uso de capacetes em locais abertos ao público:

“É proibida a entrada e a permanência neste local de pessoas utilizando capacete ou qualquer tipo de cobertura que oculte a face” Artigo 2º da Lei Municipal nº 3.452, de 24 de março de 2010


Maio 2010 路 O LOJISTA 路 29


Entrevista

“Metas são sonhos com pré-datada O segredo dos vencedores, a liderança servidora, a diferença entre metas e desejos e até mesmo o papel do fracasso para se alcançar o sucesso. Estes foram alguns dos muitos temas abordados por Gilclér Regina (foto) em uma palestra motivacional inesquecível promovida pela Câmara de Dirigentes Lojistas de Anápolis, no último dia 25 de março. O evento foi realizado no auditório do Fórum da cidade e contou com mais de 400 participantes. O palestrante é um dos mais procurados para convenções de empresas e programas internos de motivação no Brasil. Suas palestras já foram assistidas por mais de um milhão de pessoas no Brasil e em outros países. Após o evento, Gilclér Regina falou com a reportagem de O Lojista. Confira a entrevista: Revista O Lojista – Em sua palestra, o senhor falou muito sobre como ser vencedor na vida. Em linhas gerais, qual a essência dos vencedores? Gilclér Regina - Dentro de um resumo, a essência dos vencedores é buscar conhecimento, é ter uma dose de criatividade muito grande e dentro desse contexto entra o lado de comportamento. Para ser vencedor, é preciso ter motivação, atitude, tem que ter comprometimento com aquilo que faz, seja com metas seja com qualidade. E se você fosse analisar isso dentro duma panela maior, você coloca tudo isso com uma grande pitada de simplicidade e você vai perceber que é ali que se concentram as pessoas que fazem sucesso.

FOTOS: Divulgação

O Lojista - Dentro do mundo empresarial, como o senhor poderia identificar os principais vilões em relação ao sucesso?

Palestrante de renome nacional, Gilclér Regina ministrou palestra em Anápolis à convite da CDL de Anápolis 30 · O LOJISTA · Maio 2010

Gilclér - Temos que analisar tanto o lado da empresa quanto o lado dos colaboradores. A empresa (que rivaliza com o sucesso) é aquela que não reconhece o funcionário, que suga, que vai essencialmente contra a lei, que muitas vezes subjuga, em que o colaborador trabalha mais horas que o permitido e às vezes nem paga hora extra. São empresas que não são muito éticas quando comercializam seus produtos, que não têm identificação expressiva com seus clientes, que não

prezam pelo atendimento. Agora quanto ao colaborador, tem todo um contexto de às vezes ele achar que o culpado pelo mundo são os outros e não ele e então ele não se compromete. Eu até costumo falar assim: não se culpe por ganhar bem e não culpe os outros por ganhar mal. Mesmo que você ganhe mal, você tem que buscar o seu espaço, sua excelência. No dia em que o colaborador começar a dar o seu melhor, independente de quanto ele ganha, de quem o paga, ele vai perceber que o mercado é grandioso e, em algum momento, a “operação satélite” o verá e vai levá-lo para o sucesso. O Lojista - Como o gestor da empresa pode identificar e fomentar vencedores dentro da sua empresa? Gilclér - Eu acho que o verdadeiro líder forma novos líderes e não seguidores. Então é preciso destruir um pouco o estigma do líder que se acha o maior de todos, o “bam-bam-bam”, insubstituível. O cemitério está cheio de insubstituíveis, essa é a grande verdade. Então o verdadeiro líder é o que trabalha com a equipe. E o próprio conceito da liderança servidora é: onde é que está o verdadeiro foco da liderança? Em servir, não em mandar. É claro que muitas vezes dentro do conceito de liderança, ela existe como situacional, tem momentos que você tem que compartilhar, outros que você tem que delegar, tem momentos que você tem que persu-


data para acontecer” adir e tem horas ainda que você tem que determinar. O Lojista – O senhor fala muito da importância de se ter metas. Mas o senhor menciona também que existem situações em que as pessoas estão com metas e sonhos errados, e por isso não chegam a resultados. Como se pode reverter essa situação? Gilclér – As metas que essas pessoas têm eu até classifico que seriam mais desejos e não metas porque desejo é uma coisa muito genérica, meta é quando você co-

meça a quantificar, meta é quando você coloca no papel, guarda no computador, você registra um específico e não um generalizado. Não adianta você dizer que quer ser feliz, pois todo mundo quer ser feliz, isso é desejo. Agora, se você diz que quer ser feliz fazendo isso e isso, aí é diferente porque você começou a quantificar a maneira de se atingir aquilo. E então é por isso que eu falo que as pessoas deviam trocar metas de 10 por 100 porque a energia gasta é a mesma. Uma pessoa que ganha R$ 30 mil por ano não é pior que uma que ganha R$ 90 mil por ano. A diferença é que quem está ganhando R$

90 mil talvez teve metas no sentido maior, mais alto, ele acreditou mais, passou a entender a energia das metas, a força motivadora delas, ele não ficou somente naqueles desejos. Metas são sonhos com data pré-datada para acontecer. O Lojista – Qual a importância dos fracassos e erros para se alcançar o sucesso? Gilclér – Certamente ninguém em sã consciência vai incentivar o fracasso, mas em todas as histórias de sucesso que eu conheço invariavelmente são sobre pessoas que passaram por um momento difícil e o fracasso passou a ser uma escola para que se alcançasse o sucesso. Agora é claro, o que quero dizer é que quem apanha não esquece, mas aprende. A dor ensina mais que o amor. O amor é o grande ideal, mas quando você levou uma espetada, você vai dizer opa aqui eu não vou caminhar de novo, mas quando você foi massageado, o sucesso vai ensinar menos porque o sucesso é mais a satisfação de ter conseguido e motivação não é o que você já conseguiu, é o que você não tem.

Maio 2010 · O LOJISTA · 31


32 路 O LOJISTA 路 Maio 2010


Maio 2010 路 O LOJISTA 路 33


Filiação

Novos associados da CDL Anápolis AGÊNCIA LOTÉRICA VILA GÓIS

DANIELLA CALÇADOS

HVM CONSTRUCOES

BABY MIMO & CIA

DROGAMASTER

INTEGRIDATA TECNOLOGIA

BAZAR LACERDA

EQUIPAR

JB DIGITAL INFORMÁTICA

BELO PASSO CALÇADOS

ESCOLA VOVÓ ARTIMAN

LEMA ANÁPOLIS

BRASIL MAT. CONSTR. E. ELET

ESTEVAM DO FERNANDES

CPJ

NASCIMENTO

ANTUNES

LISS MODA FASHION LOJA ATUAL

CASA DAS CALHAS

FLASH MIDIA DIGITAL

LOJAO BRASIL

CASA DO PANIFICADOR

FRIGOIAS

LS TURISMO

CASA DO PEÃO

GASPAR CRUZ FERTILIZANTES

M & S UTILIDADES E PRESENTES

CASA DOS REMÉDIOS DROGARIA FORMOSA

GERB VIDROS

MADENAPOLIS DISTRIBUIÇÃO

GRAFICA SOARES

MAIS VOCÊ PRESENTES E UTILIDADES

GRASI CONFECÇOES

MAMÃE & BEBÊ NOVIDADES

HOSPITAL NOSSA SENHORA APARECIDA

MÁXIMA RENOVADORA MECÂNICA E SOLDA MG MULTIMARCAS REPRESENTAÇÕES MUNDO DOS SONHOS EST. FOTOGRÁFICOS ODONTOLOGIA DA FAMÍLIA OFICINA IPIRANGA PAPELARIA DINÂMICA PEG PAG COSTA PIZZARIA PAULISTA PREPARA CURSOS PROFISSIONALIZANTES R COSTA IMÓVEIS REALIZAÇÕES ENCAMINHAMENTOS TREINAMENTO PROFISSIONAL RESIDENCIAL JUNDIAÍ SACARIAS EMB IRMÃOS CASTRO SAN JULLY SEJOS CONFECÇÃO E COMÉRCIO SEM SENSURA SIRLEIA GUIMARÃES CUNHA SOUZA SKY ANÁPOLIS SUCEDY MODA ÍNTIMA SUPERMERCADO MELO SUPERMERCADO POPULAR SUPERVI/LOJA 12 TEREZINHA IMÓVEIS

Sede da Câmara de Dirigentes Lojistas de Anápolis

TRANSAMÉRICA VIAG. E TURISMO TRANSTURISMO WEDER CARNEIRO LOPES

34 · O LOJISTA OJIJJISSTA O STTTA A · Maio Maaio aiioo 20 22010 010 10 34

E


Maio 2010 路 O LOJISTA 路 35


Nova regra para inclusão de correntistas no SPC Brasil

R

ecente decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou que o usuário de conta conjunta não pode ser inscrito como inadimplente em cadastro de proteção de crédito em decorrência da emissão de cheque sem fundo pelo parceiro da conta. O entendimento do STJ foi de que a Lei nº 7.357/85, que regula a emissão de cheques, não prevê a responsabilidade solidária entre os correntistas, ou seja, é responsável pelo cheque apenas quem apôs sua assinatura no documento. Diante da determinação, a Câmara de Dirigentes Lojistas de Anápolis orienta a todos os seus associados que, antes de efetuar registros no SPC Brasil, levem em conta essa decisão do STJ a fim de evitar transtornos e pagamento de indenizações pleiteadas na Justiça pelo consumidor.

Foto: Ascom/ Prefeitura de Anápolis

6º Feirão da Casa Própria é realizado em Anápolis

A

Caixa Econômica Federal promoveu, entre os dias 20 e 22 de maio, a 6ª edição do Feirão Caixa da Casa Própria. O evento foi realizado no estacionamento do Brasil Park Shopping, das 15 às 21 horas, juntamente com o lançamento da Feira de Móveis, Decoração e Construção Civil de Anápolis – Expo Casa e Móveis. A finalidade do Feirão Imobiliário de Anápolis 2010 foi apresentar diversos empreendimentos disponíveis no município à população e fechar negócios na área habitacional.

Mais de dois mil imóveis novos, usados e na planta foram disponibilizados Cerimônia de lançamento do Feirão para negociação, com valores que variaram de R$ 40 mil a R$ 500 mil, com Caixa da Casa Própria até 30 anos para pagar. O Feirão da Caixa é uma iniciativa do Sindicato das Indústrias da Construção Imobiliária de Anápolis, com o apoio da Associação Comercial e Industrial de Anápolis – ACIA, Caixa Econômica Federal e Prefeitura Municipal. O planejamento e execução do evento são da Imagem Produções. (Ascom Prefeitura de Anápolis, com informações da Imagem Produções).

Encontro “Viver Seguro” é realizado em Anápolis

O

Sindicato dos Corretores de Seguros de Goiás (Sincor-GO) e o Sindicato das Seguradoras de MG/GO/MT/DF promoveram, no último dia 27 de maio, em Anápolis, o encontro “Viver Seguro em Goiás – Desenvolvimento e Qualidade de Vida”. Os palestrantes do evento foram o antropólogo e consultor internacional de empresas, Luiz Marins, e o presidente da Federação Nacional dos Corretores de Seguros (Fenacor), Armando Vergílio dos Santos Júnior.

36 · O LOJISTA · Maio 2010


Diretora Jurídica da CDL recebe título de cidadania anapolina

Foto: Ana Paula Moraes

A

diretora jurídica da Câmara de Dirigentes Lojistas de Anápolis, Maria Edna Sanches, recebeu, da Câmara Municipal de Anápolis, o título de cidadania anapolina. A homenagem foi realizada no dia 07 de maio, no Plenário do Poder Legislativo Municipal e atendeu a propositura do ex-vereador Gerson Fallacci, a qual teve apoio unânime dos colegas de legislatura à época. “Sou muito grata a Deus porque ele me honrou. Eu me senti reconhecida pela minha ética e moral, valores estes que não negocio”, afirmou Maria Edna.

Vídeos e depoimentos de autoridades, amigos e familiares marcaram a noite, mas o ponto alto da solenidade foi a participação da filha da homenageada, a pequena Maria Clara, que emocionou os presentes ao dizer Maria Edna Sanches (no centro) que estava muito feliz e que sua mãe é sua melhor amiga. Natural de Silvânia tornou-se cidadã anapolina no último (GO), Maria Edna é gerente da Unitintas, advogada, especialista em Direito dia 07 de maio do Trabalho, Processo do Trabalho e Gestão em pessoas, relacionamento interpessoal. Além de diretora jurídica da CDL, é também diretora adjunta para Assuntos Jurídicos da Acia, diretora de Núcleos Setoriais para Materiais de Construção e Acabamento do Sincovan.

Curso de Organização e Cerimonial de Eventos

A

Escola de Eventos e a Holos Consultoria promovem em Anápolis o curso de Organização e Cerimonial de Eventos, voltado para profissionais do ramo. Dividido em dois módulos e um seminário de encerramento, o curso tem início previsto para a segunda quinzena de junho e término no mês de Julho, totalizando carga horária de 40 horas. Dentre os professores estão a diretora de Planejamento e Gestão de Eventos da Classe Eventos, Claudete Motter; a professora de graduação da PUC-GO, Márcia Guimarães; a gerente do FICA – Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental e também professora de graduação da PUC-GO, Yara Jane Veloso; e o professor de Pós-Graduação do SENAC-GO – Curso de Gestão de Empreendimentos Turísticos e Eventos, Frederico Gomides. O lançamento do curso de Organização e Cerimonial de Eventos é resultado do grande sucesso do painel “Eventos: o que mudou?”, realizado no dia 07 de abril deste ano, no Hotel Naoum Express. Na ocasião, quatro temas foram discutidos em torno do assunto: profissionalismo, planejamento, criatividade e hospitalidade. Para mais informações, (62) 3099-5566/2800.

Maio 2010 · O LOJISTA · 37


Artigo

Ovos de ouro Vander Lúcio Barbosa Publicitário, diretor geral do Jornal CONTEXTO, do Guia Anápolis Lista Telefônica e da Arte em Propaganda Mídia Exterior

A

nápolis tem sido a “galinha dos ovos de ouro”. Desde sempre. Basta dar uma olhadela no passado e ver que, realmente, esta cidade guarda em sua história, feitos, épocas, eventos e acontecimentos marcantes, que beneficiaram, e beneficiam, muito mais a outras comunidades do que a ela própria. Quando do início do Século XX, com a passagem de caravanas de tropeiros com destino a cidades como Pirenópolis, Porto Nacional, Corumbá, Silvânia, Goiás Velho, Pilar de Goiás e outras, Anápolis servia de base de apoio, de logística mesmo, para o sucesso das empreitadas empresariais da época. Passado isso, na década de 30, quando do evento da chegada da ferrovia (Estrada de Ferro Goyaz) Anápolis foi uma comunidade decisiva, não só para o embarque e o desembarque de manufaturados que chegavam e a produção primária que saía. Mas, benefícios diretos mesmo, quase nada. Veio, a seguir, o período do beneficiamento, armazenamento e distribuição de cereais, leguminosas, grãos e outros,

38 · O LOJISTA · Maio 2010

também com Anápolis servindo de suporte para as grandes empresas que, em sua maioria, apenas exploravam o que havia de bom na cidade, indo se estabelecer, depois, em outras regiões, Brasília, principalmente. Isso, no campo privado, na atividade empresarial propriamente dita. Na esfera pública, a situação é bem pior. Nem é preciso muito esforço e muito raciocínio para se constatar o quanto Anápolis tem oferecido, mais do que recebido. Principalmente em termos de tributos. A comunidade anapolina, com raríssimas e honrosas exceções, desconhece, às vezes completamente, o quanto é levado de Anápolis todos os dias em forma de impostos, taxas, contribuições e outros emolumentos descontados, principalmente, nas operações comerciais. O Governo da União leva de Anápolis uma extraordinária soma. O Governo do Estado, igualmente, arrecada em Anápolis uma fabulosa quantia em dinheiro, o mesmo valendo para a Prefeitura, em todas as épocas. Certamente que os tributos são legais, institucionais e constitucionais.

Todos devem pagar. O que se pergunta, todavia é: e a retribuição dos governos para com o povo de Anápolis, tem sido justa, correspondente? O dinheiro que se arrecada tem voltado em proporções aceitáveis em forma de obras físicas e sociais, ou Anápolis continua sendo a “mãe” das outras comunidades? Seria muito importante saber se o que a CELG, a Saneago, as secretarias de estado, os ministérios federais e a própria Prefeitura têm retornado, de forma justa e honesta, o que levam da população em arrecadações tributárias. É uma resposta a ser dada pelos que se encarregam de recolher os impostos diariamente. A saber: as secretarias fazendárias do Município, do Estado e o Ministério da Fazenda. Se tiverem, muito bem. Não é favor algum. Mas, se não tiverem, fica feio. Até porque, a cada investimento público que os governos fazem, o que se gasta com propaganda, divulgação e politicagem, é muito maior do que o real valor das obras. Isto, também, o povo tem o sagrado direito de saber. Ou não?


do que uma ferramenta de comunicação entre duas partes, a empresa e seus clientes. É necessário que seja definido claramente „o que“ se deseja comunicar, transmitir ou vender, „para quem“ se quer transmitir, para então escolher qual a melhor maneira de se realizar essa comunicação, essa parte é „o como fazer“. Nesta fase de escolha de como fazer é que o web entra como um canal comunicação, uma nova mídia e os web sites e demais ferramentas como as famosas redes sociais como os agentes viabilizadores dessa comunicação.

Maio 2010 · O LOJISTA · 39


40 路 O LOJISTA 路 Maio 2010

Revista O LOJISTA  
Revista O LOJISTA  
Advertisement