Issuu on Google+

 

EMENTA Análise da importância da organização de eventos no contexto do turismo, posicionando-os como opção viável para complementar a oferta turística, na diversificação de atrativos, na captação de divisas e na reorientação da sazonalidade. OBJETIVOS Analisar os fundamentos econômicos, históricos e sociais dos eventos. Identificar os aspectos fundamentais de avaliação para o entendimento do funcionamento do mercado de eventos. Desenvolver estudos e práticas com os mecanismos inerentes ao setor de eventos. Compreender e aplicar o processo adequado de planejamento e organização de eventos. Descrever os processos de recrutamento e planejamento da equipe de RH para eventos. Compreender o papel da avaliação no processo de gerenciamento de eventos.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO UNIDADE I: A evolução histórica dos eventos no Brasil e no mundo Evolução; Organização e profissionalização; UNIDADE II: Terminologia destaque do significado enfocando eventos. Terminologia mais usual aplicada à área de eventos; 

UNIDADE III: O turismo de eventos no contexto atual da atividade turística Caracterização do turismo de eventos; Segmento e dados do setor;


UNIDADE IV: Caracterização e tipologia de eventos Características; Tipologia; 

UNIDADE V: Impactos dos eventos Impactos sociais e culturais; Impactos físicos e ambientais; Impactos políticos; Impactos econômicos.  UNIDADE VI: Gerenciamento de Recursos humanos. Considerações;Processo de planejamento de RH para eventos;Motivando funcionários e voluntários;Formação da equipe efetiva. 

UNIDADE VII Introdução às atividades de planejamento, organização e execução de eventos. Identificação das fases com aspectos teóricos e práticos de todo processo; Elaboração de projetos p; Estudo e levantamento detalhado das etapas inerentes ao processo; 

METODOLOGIA DE ENSINO Aula expositiva e com utilização de diferentes recursos audiovisuais; Discussão de artigos e textos;Estudos de caso;Trabalhos em grupo ;Pesquisa de campo; Trabalhos e exercícios extra classe ;Palestras; Atividades de extensão; Participação em eventos. 


CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO A participação, a freqüência e a pontualidade são critérios gerais, que serão considerados na avaliação dos trabalhos. As notas serão compostas: 

  

De eventos proposto (pré, trans e pós evento) Dos exercícios e atividades Das avaliações

BIBLIOGRAFIA BÁSICA MATIAS, Marlene. Organização de Eventos: Procedimentos e Técnicas. São Paulo, Manole, 2001. ANDRADE, Renato Brenol. Manual de Eventos. Caxias do Sul, Educs, 2002. CESCA, Cleuza Gertrude Gimenes. Organização de Eventos: Manual para planejamento e execução. São Paulo, Summus, 1997. 


.

BIBLIOGRAFIA GERAL Bahl, Miguel. Eventos: a importância para o turismo do terceiro setor. São Paulo: Rocca, 2003. BETEGGA, Maria Lúcia. Eventos e Cerimonial: simplificando as ações. Caxias do Sul, Educs, 2001. MARTIN, Vanessa. Manual prático de eventos. São Paulo, Atlas, 2003. MATINEZ, Marina. Cerimonial para Executivos. Porto Alegre, Sagra Luzzatto, 2001. MEIRELLES, Gilda Fleury. Tudo sobre eventos. São Paulo, STS, 1999. MELO NETO, Francisco Paulo de. Marketing de Eventos. Rio de Janeiro, SPRINT, 1999. NICHOLS, Bárbara. Gerenciamento profissional de eventos. (Trad. Milena Carvalho –Org. Sabino Henrique E. de Carvalho). Fortaleza, Êxito Congressos, 1993. SILVA, Geraldo E. Nascimento. Diplomacia e protocolo. Rio de Janeiro, Record, 1969. TENAN, I,P, S. Eventos. São Paulo: Aleph, 2002. (Coleção ABC do turismo). VELOSO, Dirceu. Eventos e Solenidades. Goiânia, AB, 2001. ZIMMERMANN, Karin McQuade; SINICCO, Sandra. Guia ABEOC para os profissionais de eventos. São Paulo, Cipa, 1997.


ď Ž

TURISMO DE EVENTOS Desde os primĂłrdios, os seres humanos tem encontrado maneiras de marcar eventos importantes de suas vidas;


ď Ž

Mesmo na era higt-tech, no qual as pessoas perderam o contato com crenças religiosas coletivas ou normas sociais,


O QUE É UM EVENTO? 

Para os comunicadores, evento é qualquer fato que pode gerar sensação e por isso, ser motivo de notícia, capacidade de captação constante. MTUR


O EVENTO COMO UM FATO 

O fato é algo que acontece. (data, início, fim, público, local,, público, patrocinador); Necessidade de planejamento, deve ser marcante, novo, criatividade, clima, gerador de negócios.


O EVENTO COMO ACONTECIMENTO 

Associação do fracasso a marca do produto.


O EVENTO COMO NOTÍCIA 

Como fato e acontecimento, e se bem-sucedido, o evento vira notícia na mídia.


RECEITA PARA A CONSTRUÇÃO DE UM EVENTO 

Os eventos são tão variados quanto a criatividade de quem os provoca. Temos, assim, congressos, assembléias, cursos, seminários, mesa-redonda, simpósios, conferências, palestras, jornadas, ciclos de estudos, reuniões, painéis, foros, feiras, cerimoniais, exposições, encontros, convenções, colóquios, mostras, visitas, entre outros.


São muitos os segmentos do setor movimentados pelo turismo de eventos: hotelaria, alimentação, transporte,companhias aéreas, agências de viagens.


A organização de eventos é trabalhosa e de grande responsabilidade, acontece “ao vivo’, Para ter objetivos plenamente atingidos, são necessários planejamento, objetivos, público, estratégias, recursos, implantação, fatores condicionantes, acompanhamento e controle, avaliação e orçamento.


Origem dos primeiros eventos   

776 ª. C primeiros jogos olímpicos, 4 em 4 anos, Zeus disfarçado; 500 ª. C. - Festas Saturnárias, Grécia, carnaval; 377 ª. C. – 1º evento denominado Congresso-Corinto na luta contra Pérsia;


Aparecem os meios de hospedagem (albergues e estalagens) e melhoram as condições de viagens (conforto e segurança nas carruagens);


REVOLUÇÃO INDUSTRIAL 

1681 – 1º Congresso Científico – Roma (evento não-religioso); 1841 – Congresso Anti-alcoólicos na Inglaterra (Thomas Cook levou 570 os para o evento);


1851 – Construção do Palácio de Cristal na Inglaterra (1º pavilhão de feiras e exposição do mundo);

1895 – 1º Convention Bureau, Detroit;


Idade Moderna 

1904 – surgem as feiras de amostras;

Surge o automóvel; 1930 – 1ª copa do mundo no Uruguai;


1950 surgem os CECONs nas cadeias hoteleiras – Hilton/Sheraton/Holiday Inn e o conceito de diretor de serviços de convenções (profissionalização);


1950 – Inauguração do estádio Mário Filho (Maracanã) para sediar a copa do mundo;

1953 – Criação da 1ª Associação Brasileira de Agentes de Viagens,

1954 – Inauguração do Parque Ibirapuera,

1959 – 1º Congresso da ABAV


1966 – Criação de EMBRATUR;

1967 – 1º Enbetur – RJ, mudou para CBTUR


1977- ABEOC – Associação Brasileira de Eventos e Empresas Operadoras em Congressos e Convenções,

1983 – Criação do Convention Visitours Bureau - SP,

1985 – Criação da ABRACCEF – Associação Brasileira de Centros de Convenções, Exposições e Feiras,


Dias atuais  

Tecnologia de ponta; Consolidação da atividade como a que mais cresce no mundo; Reconhecimento como ferramenta que impulsiona o turismo;


ď Ž

No Brasil o turismo de eventos ĂŠ uma atividade relativamente nova, congressos e encontros nĂŁo ultrapassam 50 anos;


Se no passado o turismo de lazer era responsável pela motivação comercial de um hotel, hoje os eventos são sua grande alternativa econômica.


Aula 1 eventos