__MAIN_TEXT__

Page 1

Barbudinho ANDARILHO

ConexĂľes / Processos Criativos/ 2020

1


2


Favela do Guarabu, Morro do DendĂŞ.2015

3


ÍNDICE 06 16 40 78 92 110 144

4

Introdução Rua 1 Conexões Rua 2 Motion Graffiti Ladeira do Castro Rua 3


5


6


Quem é o Cazé? Fernando José (nome de batismo) ou Cazé, inicia sua trajetória como artista urbano no início dos anos 2000. Tudo começa na rotina escolar, no trajeto Copacabana x Méier, durante o qual começa a enxergar as pichações, manifestações artísticas urbanas, que dialogam com a arquitetura da cidade. Nesse trajeto Cazé percebe que para entrar no universo urbano, ele também precisa de uma identidade. No trajeto, ele passa a identificar uma pichação que chamava atenção dele com frequência que se chamava CASS, cuja estética bem diferente ganhou a atenção dele, que já estava buscando uma identidade artística, o famoso vulgo, como se chama na linguagem de rua. Em muitos lugares Fernando José era Zé, Zezinho ou mesmo Fernando José. 7


Foi dentro desta loucura nominal, que nasceu a fusão da necessidade de se expressar com a necessidade de já entrar com um nome artístico de peso, trazendo memórias ao nome, então a partir da pichação CASS + ZÉ, nascia Cazé! Cazé por um longo período assinou também seu sobrenome e colocava Cazé Sawaya. Porém, por entender que soava complexo, o simplificou e atualmente assina Cazé Arte, passando um entendimento melhor para quem lê, acompanha e coleciona o trabalho do artista. O início da jornada A trajetória começa como a maioria dos artistas urbanos, primeiros riscos pelo bairro, desafiando seguranças de rua, policiais à paisana e muita adrenalina. Essa é a parte imprescindível para se entender 8


como funciona a rua e suas regras. Passada essa fase inicial das tags pelo bairro ou as famosas pichações, Cazé começa a se juntar a artistas da escola na qual estudava no Méier e começa a sua primeira Crew (as famosas gangues de graffiti) a Vírus Crew. Era composta por 4 integrantes Grau, Pinda, Hugo e Cazé. Linha Amarela, altura do Cachambi era um dos pontos de encontro para se escrever as famosas 9


letras gordas, o período pelo qual todo artista urbano deveria passar, desenhando letras na parede. A partir daí começou a surgir o apetite de explorar novos horizontes através de personagens imaginários, no Méier, a Nação Crew era bem presente e Cazé, assim como toda parte da sua geração, foi fortemente influenciado por eles, sendo a Flesh Beck Crew, Acme e Gloye, dentre tantos outros que estavam em seu trajeto Copacabana x Méier. Os primeiros personagens foram os de cabeça quadrada e boca aberta, que durante uns 4 anos Cazé desenhou na rua. Naquele período, já identificou que o que mais lhe motiva a estar na rua era o de desenhar personagens. Passado este período, inicia-se a fase dos personagens com músculos, corpos bem marcados e vetorizados. Cazé começa a parceria com o artis10


11


ta Tijucano Fábio Efixis, que foi bem duradoura e teve várias fases. Esses personagens foram feitos pelo bairro da Tijuca, Vila Isabel, Maracanã e adjacências, por se tratar de uma área bem urbana e com boas paredes. É em 2008 após essa fase dos músculos, que vem a virada de chave para se começar uma trajetória marcante. A trajetória dos Barbudinhos! Nasceram da necessidade de expressar algo que fizesse mais sentido de forma pessoal para o Cazé e tivesse mais personalidade, dando mais destaque aos murais. Os primeiros personagens eram com cabeças arredondadas, cabelo grande, cavanhaque, bigode, barba, sobrancelha grossa e não tinham olhos e nem bocas, eram formas que chamavam a atenção pela fisionomia nada convencional do cotidiano carioca. A partir de 2013 esses personagens 12


começam a ganhar uma nova fisionomia, com mais movimento e uma cara nova. Uma fase que Cazé chama de monocromática, onde os murais sempre eram trabalhados em uma cor e sua variante. Essa fase durou uns 2, 3 anos e em 2015 Cazé teve um novo estalo! Percebeu que estava com o trabalho estagnado e parado no tempo, foi hora de parar e ir buscar conhecimento fora da rua, na academia. Foi estudar formação de personagem (Character Design) na escola ICS em São Paulo, se formou com o professor Paulo Ignez, quem foi o primeiro mentor do artista. Através desse curso, Cazé descobriu um novo sentido para os seus personagens. Eles se tornaram atrativos, persuasivos e comunicativos. Uma nova era nascia para o artista e sua criação. Começava aqui a história do Barbudinho Andarilho… 13


Barbudinho Andarilho O Barbudinho já era um personagem do cotidiano urbano da cidade do Rio de Janeiro, que o artista urbano Cazé criou em 2008. Alguns anos se passaram e em 2015, na necessidade de trazer um projeto e personagem que ocupasse e dialogasse com a cidade novamente, interagindo com o cotidiano urbano, surgia o Barbudinho Andarilho. Um personagem carismático, com o instinto explorador e que traz na mochila ideias e vivências de lugares por onde passou. Sempre protegido pelo seu chapéu e casaco, faça chuva ou faça sol, às vezes acompanhado de sua gatinha Alice, por onde passa, o Andarilho está sempre transmitindo uma mensagem. Cazé, artista Urbano do Rio de janeiro, utiliza a cidade como pla14


taforma de comunicação para expor seus pensamentos artísticos. Tem como pesquisa atualmente o estilo impressionista, trazendo uma técnica única para a Arte Urbana. Já teve murais expostos no Brasil, Peru, França, Portugal, Londres e Guiné-Bissau. Atua também como curador; Galeria Providência(2017 e 2018) e Babilônia(2017), pequenas galerias de arte urbana dentro de favelas no estado do Rio de Janeiro e criou a Ladeira do Castro, primeira Galeria de Arte Urbana na cidade do Rio de Janeiro que conecta os bairros da Lapa e Santa Teresa.

15


16


RUA1

17


18


19


20


21


22


23


24


25


26


27


28


29


30


31


32


33


34


35


36


37


38


39


CONEXĂ•ES Artistas conectados @disformers @fabiobiofa @tintafresca_one @onestodiesel @caio.alf @nadigraffiti @ castleonardo @gut.graff @efixis

40


O real graffiti é feito de conexões urbanas. De vivenciar a cidade e respirar o que ela tem para nos oferecer. Essa sessão é dedicada a alguns amigos com quem tive a oportunidade de compartilhar bons momentos na rua.

41


42


43


44


45


46


47


48


49


50


51


52


53


54


55


56


57


58


59


60


61


62


63


64


65


66


67


68


69


70


71


72


73


74


75


76


77


78


RUA2

79


80


81


82


83


84


85


86


87


88


89


90


91


MOTION

GRAFF 92


FITI 93


94


Barbudinho, nunca parado, sempre foi um personagem inquieto e em movimento. Pensando sobre a inquietude de seu personagem e entendendo o significado dele transitando pela cidade, CazĂŠ percebeu que poderia dar uma vida ainda maior ao personagem, correlacionando a ideia de ele estar sempre em movimento, perambulando pelo cotidiano urbano. Eis que nasce a ideia do Motion Graffiti.

95


96


97


A proposta era fazer o Andarilho em quadros sequenciais (usando o conceito de animação), criando uma ilusão do personagem em movimento. Ora com 10 quadros sequenciais ou apenas 3 quadros. A ideia inicial nasceu com foco nas pessoas que transitam pela rua, mas ganhou vida e foi para a internet em formato de gif. animado, alcançando novos públicos e plataformas.

98


99


100


101


102


103


104


105


106


107


108


109


LADEIRA DO

CASTRO

110


111


Guerra do

Para explicar como surgiu o mural Guerra do Ego, é necessário explicar a existência da primeira Galeria de Arte Urbana na cidade do Rio de Janeiro, a Ladeira do Castro. A Ladeira do Castro surge em 2016, com iniciativa e idealização do artista Cazé, no intuito de se fomentar a arte urbana na cidade do Rio 112


Ego

de Janeiro, entregando à cidade um ponto turístico de arte urbana, com alguns dos principais artistas da cidade, do Brasil e do mundo. Uma iniciativa de ocupação colaborativa e com autorização dos moradores da Ladeira, nasceu a primeira galeria urbana, localizada no bairro da Lapa e se conectando com o 113


114


Largo dos Guimarães em Santa Teresa, Rio de Janeiro. Para que o projeto se iniciasse com o pé direito, Cazé, que já estava há tempos refletindo sobre o cenário artístico urbano e seus desafios, conflitos e egos, queria retratar essa inquietude em um grande mural. Em uma de suas visitas ao museu de Belas Artes no Rio de Janeiro, buscando inspiração para o seu trabalho, se deparou com o quadro Batalha do Avaí do artista brasileiro Pedro Américo e toda a sua grandiosidade. Além da qualidade da pin115


tura, composição e narrativa de tirar o fôlego, uma das coisas que mais lhe chamou a atenção, foi perceber o artista se colocando na pintura como um dos soldados. Essa escolha fez o Cazé refletir se ele e os outros soldados, de forma repetitiva, não pudessem ser o Andarilho, lutando contra si e os desafios de uma vida artística urbana, abarrotada de conflitos e egos inflados. Assim, nascia a Guerra do Ego e sua grande batalha, abrindo caminho e colorindo a Ladeira do Castro, uma Galeria de Arte Urbana, no coração da cidade do Rio de Janeiro. 116


117


118


119


120


121


122


123


124


125


126


127


128


129


130


131


132


133


134


135


136


137


138


139


140


141


142


143


144


RUA3

145


146


147


148


149


150


151


152


153


154


155


156


157


158


159


160


161


162


163


164


165


166


167


168


169


170


171


172


173


174


175


176


177


178


179


180


181


182


183


184


185


186


187


188


189


190


191


192


193


194


195


196


197


Obrigado por ler, baixar, acompanhar e valorizar a Arte urbana.

198

Curta, compartilhe e siga! www.cazearte.com instagram.com/cazearte facebook.com/cazearte

Profile for Caze Arte

Barbudinho Andarilho  

Essa é a versão on-line do e-Book Barbudinho Andarilho. Tenha uma ótima leitura, curta e compartilhe! Obrigado por estar aqui :). Para sab...

Barbudinho Andarilho  

Essa é a versão on-line do e-Book Barbudinho Andarilho. Tenha uma ótima leitura, curta e compartilhe! Obrigado por estar aqui :). Para sab...

Profile for cazearte
Advertisement