Issuu on Google+

apresenta

HELIO BRANCO


CAPTURA DA LUZ | HELIO BRANCO Realizada entre 2008 e 2010, trata-se de uma obra concebida para lugares específicos de dimensões variáveis, gerada por desenhos, fotos, vídeos e objetos. Entretanto, sua especificidade reside precisamente em sua portabilidade intrínseca (experimenta-se aqui uma relação com a luz natural reeditável a qualquer tempo e lugar), que deve ser pensada como uma estratégia de sobrevivência convergente com a ideia de “mostrar o que é possível fazer com o que nos é dado”, malgrado questões econômicas, ideológicas ou políticas. O trabalho inicia-se pelo desenho com giz do deslocamento da luz do sol que entra pelas aberturas da arquitetura, percorrendo chão, paredes e objetos do recinto, repetindo-se o trajeto algumas vezes, preenchendo parte do ambiente. A ação é filmada e fotografada, e esses recursos realimentam a proposição. De todo modo, a dimensão pública da luz permite pensarmos que estamos operando no ambiente natural. Contudo, como parte integrante de uma pesquisa prático-teórica que envolve arte e universidade na contemporaneidade, podemos dizer também que estamos tratando de domínios públicos que perpassam ambos os campos, conectando-os tangencialmente. Os objetos de vidro que acolhem imagens da ação inicial foram impressos em jato de tinta ultravioleta. São transparentes, portanto, possuindo dois lados que franqueiam acesso visual não apenas ao que ocorre nas superfícies, mas também, parcialmente, através delas. Essa transparência, que se incorpora à fragilidade e polidez do vidro pela delicadeza da impressão (que seca exposta aos raios solares, dado técnico que assumiu inesperado sentido devido ao tema) seria, de certo modo, a contraparte evanescente da volumetria virtual dos desenhos indiciais e delimitadores da ação de captura feitos com giz sobre o chão: “Nesse trabalho a peculiaridade de uma recorrência ao contexto como cerne energético das obras investiga sua viabilidade. Refletindo Borges, “todas as coisas nos acontecem precisamente, precisamente agora, e tudo que realmente sucede, sucede-se a mim”, estabelece-se a direção de uma ação que se realizasse através de uma intervenção direta no lugar e no decurso de nossos encontros presumíveis. Percorrer com os olhos o ambiente foi importante por que me conscientizou do caminho que a luz do sol percorria no recinto, naquele fim de outono no Rio de Janeiro. De um extremo a outro da sala, as projeções do sol foram anotadas várias vezes, na sequência de intervalos determinados pela velocidade da trajetória da luz. Resultando nas marcas de cada janela superpostas em diagonal, sugerindo o percurso elíptico da órbita terrestre." Excerto da dissertação Lugares de Inscrição da Arte: artistas, coletivos de artistas e certa arte pública praticada na cidade. PPGAV|EBA|UFRJ. 2010.


Suíte Captura de Luz, 2011 30 x 40cm, papel fotográfico R$ 600,00


Suíte Captura de Luz, 2011 30 x 40cm, papel fotográfico R$ 600,00


Suíte Captura de Luz, 2011 30 x 40cm, papel fotográfico R$ 600,00


Suíte Captura de Luz, 2011 30 x 40cm, papel fotográfico R$ 600,00


Suíte Captura de Luz, 2011 75 x 100cm, impressão UV sobre acrílico R$ 5000,00


Suíte Captura de Luz, 2011 75 x 100cm, impressão UV sobre acrílico R$ 5000,00


Suíte Captura de Luz, 2011 65 x 100cm, impressão UV sobre vidro e|ou acrílico R$ 5000,00


Suíte Captura de Luz, 2011 65 x 100cm, iimpressão UV sobre vidro e|ou acrílico R$ 5000,00


Suíte Captura de Luz, 2011 65 x 100cm, impressão UV sobre vidro e|ou acrílico R$ 5000,00


Suíte Captura de Luz, 2011 65 x 100cm, impressão UV sobre vidro e|ou acrílico R$ 5000,00


Suíte Captura de Luz, 2011 100 x 65cm, impressão UV sobre vidro e|ou acrílico R$ 5000,00


cazaartecontemporanea.blogspot.com | facebook.com/cazartecontemporanea


Helio Branco