Page 1


Selo Contraculturas Além de ambos serem crucificados, qual a semelhança entre a figura de Jesus, que acrescentou o amor às leis bíblicas, e o mito grego de Prometeu, que roubou o fogo dos deuses para entregá-lo aos homens? Ou então, apesar da distância temporal, qual a ligação entre a insurgência rebelde dos beatniks, que abriu estradas libertárias na década de 1950, e o atual ativismo digital de hackers, que está derrubando ditaduras e autoritarismos por todo o planeta? É simples. Cada um a seu modo ousou abrir e trilhar novos caminhos, provocando e impulsionando transformações. São figuras e movimentos imbuídos de uma força estranha, arrebatadora que, consciente ou inconscientemente, querendo ou não, nos leva adiante. O Selo Contraculturas organizado pelo jornalista Carlos Minuano e publicado pela Anadarco Editora abre espaço para falar dessa legião de seres insólitos e de suas maravilhosas revoluções. Explosões criativas que acontecem em toda a sociedade, na política, nas artes, nas religiões, no comportamento. Personagens ou momentos históricos que operam, como instrumentos, uma complexa cirurgia: a difícil cisão que liberta o velho, abrindo passagem para o inevitável novo.

contraculturas.com.br


“Em São Paulo não é preciso morrer para ser enterrado”, afirma Ferréz HQ Desterro retrata a dura vida nas periferias paulistas, numa narrativa alucinante e envolvente Por Carlos Minuano Quem acha que contracultura é coisa dos hippies da década de 1960 que se dirija à quebrada mais próxima – são muitas as opções se estiver em São Paulo. Antes apenas destaques em índices de criminalidade, esses bairros distantes do centro atualmente chamam a atenção mais por sua intensa atividade cultural, na forma do hip-hop, do grafite, do samba, do teatro, do cinema, da literatura, entre outras expressões artísticas. Pelas periferias de todo o planeta brotam catalisadores de uma revolução cultural que está apenas começando. São lugares onde o conhecido bordão hippie, make love not war, certamente pode ser substituído por make culture not war, como um recado direto sobretudo às esferas mais elevadas do poder, que insistem em não olhar para além do umbigo, ignorando a própria história e cultura. A produção (contra) cultural dessas regiões – que vale dizer, não é de hoje – representa um contundente exemplo de que a transformação das realidades locais não precisa de armas. Ela depende muito menos de força policial e mais de questões básicas, como educação, saúde, transporte, lazer, diversão e, claro, muita arte. Entretanto, infelizmente elas (as armas) ainda estão lá, ceifando vidas e alimentando a pauta policial dos jornais. Evidente que o recente crescimento da violência nas periferias é uma equação de muitos fatores, mas é também resultado da ação truculenta de uma parte (não pequena) da polícia, racista e corrupta. Esse contexto infeliz, por outro lado, aproxima ainda mais os ativistas das quebradas aos revolucionários de décadas atrás. A ação cultural ganha dimensão de resistência. Nos vários saraus, na música, na atitude. É também o cenário onde se insere a HQ Desterro.


Com texto visceral de Reginaldo Ferreira da Silva, mais conhecido como Ferréz – o polêmico autor de Capão Pecado, e enriquecido pelo traço realista e intenso do quadrinista Alexandre De Maio, o livro retrata a dura vida nas periferias paulistas, numa narrativa alucinante e envolvente. “Em São Paulo não é preciso morrer para ser enterrado”, alfineta Ferréz. Não é por acaso que Desterro marca o lançamento do selo Contraculturas, publicado a partir de agora, corajosamente, pela Anadarco Editora. Com uma força narrativa impressionante e um visual cinematográfico, Ferréz e De Maio nos apresentam uma epopeia essencialmente contracultural. Segundo o psicólogo americano, Timothy Leary, que entendia do riscado, “contracultura é o equivalente cultural do ‘terceiro estado da termodinâmica’, a ‘região não linear’ em que equilíbrio e simetria deram lugar a uma complexidade tão intensa que a nossos olhos parece caos.” A saga em questão acontece no Capão Redondo, extremo sul da capital paulista, celeiro em que o escritor Ferréz se criou e vive até hoje. A região, já considerada umas das mais violentas da cidade, é de onde com certeza vem boa parte da inspiração para os personagens que desfilam em Desterro. Mas poderia se passar também no Rio, Bahia, Manaus, ou mesmo em Nova York e Paris. Não importa. As figuras que Ferréz e De Maio nos trazem são tão humanas, críveis e envolventes que extrapolam sua localidade geográfica. Desterro apresenta uma galeria de banidos que se equilibram na perigosa corda bamba das periferias, os autênticos desterros onde só se vive ‘surfando no caos’, como diria o velho Leary. Enfim, se ajeite na poltrona, respire bem fundo e se prepare porque a porrada é forte. Boa leitura!


© 2012 Ferréz e Alexandre De Maio Publicação: Anadarco Editora & Comunicação Projeto gráfico e diagramação: Alexandre de Maio Estúdio/produção: R. Oscar Freire, 329 - cj. 81 São Paulo, SP - 01426-001 T. 11 2737-5317 Estoque: Caixa Postal 183 Guararema, SP - 08900-000 www.anadarcoeditora.com.br / editora@anadarco.com.br

ISBN: 978-85-60137-40-4 É PROIBIDA A REPRODUÇÃO Nenhuma parte desta obra poderá ser reproduzida, copiada, transcrita ou mesmo transmitida por meios eletrônicos ou gravações, assim como traduzida, sem a permissão por escrito do autor ou da editora.

adquira livros em nossa loja virtual: www.anadarcoeditora.com.br


Essa versĂŁo online ĂŠ um trecho do livro original que tem 172 pĂĄginas e pode ser adquirido pelo site

anadarcoeditora.com.br


Continua... na versĂŁo impressa. O livro original tem 172 pĂĄginas e pode ser adquirido pelo site

anadarcoeditora.com.br


Como cavamos Faz muitos anos, muitos mesmo, eu ia de quebrada em quebrada levar meu rap, às vezes cantava em palcos gigantescos construídos pelos moradores, às vezes o show era em mesas de sinuca. O que tinham em comum era o carinho do público. O rap é o único movimento musical que você canta suas próprias músicas independentemente do tamanho do seu grupo. Numa dessas andanças, parei na redação duma revista de rap, a Rap Brasil (Ed. Escala/1999-2009). Foi na redação que vi uma mesa com desenhos chapados, olhei e fiquei pasmo, perguntei de quem era, e o Alexandre De Maio disse que era um hobby dele; Eu que sempre sonhei em ser desenhista, mas de tanto fazer fanzine virei escritor, por ter os desenhos horríveis. Fiquei fã na hora. Dias depois ele me mandou uma página de um quadrinho que estava fazendo sobre o uso da camisinha. Qual é a chance de ter dois caras que amam o rap, o desenho, os gibis e ainda têm postura ideológica ao ponto de querer mudar o mundo? Pois é, a gente tinha que se unir em torno de alguma coisa. Anos se passaram depois do meu primeiro romance Capão Pecado. Foi em 2003 que lancei o segundo, o Manual Prático do Ódio. Fui fazendo palestras e shows de rap e, de vez em quando, me encontrava com o Alexandre. Ele tirava fotos e fazia matérias sobre a cultura Hip-Hop. Em 2004 comecei a escrever um livro de contos, e também comecei a pensar em realizar meu antigo sonho de lançar uma HQ. Eu tinha um conto pronto, mandei para o Alexandre e começamos a nos encontrar. Entre cafés e longas conversas, fizemos nossa primeira HQ, trazendo a história de um menino que trabalhava numa lanchonete, mas acabava envolvido pelo crime, assim surgiu Os inimigos não mandam flores. Alexandre fez até a fotografia da capa; era muita sede para ver o quadrinho pronto. Ele saiu em 2005 no mesmo mês do meu livro Ninguém é inocente em São Paulo. Fomos matérias de vários jornais e parecia tudo bem, afinal o início da trilogia tinha sido um sucesso. Mas a editora começou a ter problemas internos e o gibi parou por aí. Recebemos muitas critícas, pois as pessoas achavam a história muito curta, não sabiam que tínhamos pensado numa trilogia.


A cada encontro mudávamos mais a história e os desenhos, e no final virou uma HQ completa. Nossa preocupação principal foi fazer um autêntico quadrinho marginal, sem meias verdades. Agora só precisavamos de um nome, e as 3 da manhã me veio Desterro. Bom agora a gente tinha uma revista inteira, pesada, com os personagens mais completos, seus sentimentos, sonhos. Foram várias as vezes em que pensamos em desistir, mas era só tomarmos mais um café aqui na quebra e passar horas falando de quadrinhos que agente se animava de novo e punha a revista na mochila para uma nova caminhada. Eu parecia ouvir Flávio Colin, dizendo que só tem espaço para quadrinho importado. E o pior, sempre comprando HQ eu lia cada coisa estrangeira que não acreditava. Faziamos parte de um país periferia que não queria se olhar no espelho. Tudo pra nós nunca foi fácil, mas a gente já tá acostumado a ver o sofrimento como uma etapa. Quadrinho de resistência não agrada o oponente. Para que ele vai multiplicar e distribuir algo que é danoso para manter sua autarquia? Sabe aqueles filmes de guerra, geralmente feitos por americanos onde o inimigo não tem rosto, não tem sentimento, não tem histórias pessoais? É assim que a gente se sente. As histórias são contadas por “vencedores” que são geralmente os donos, os patrões, os proprietários das casas grandes e das empresas. As pessoas da favela são responsáveis por construir o centro, mas deles nada aproveitam. Desterro traz o traço revoltado de quem andou por vielas, traz argumento amargo de quem morou em barraco de madeira, traz o olhar de quem vive dentro do tema e tudo isso com somente dois detalhes a mais na receita: a vontade de eternizar o povo da periferia, para que suas vidas tenham importância na história, e que essa história seja contada por esse mesmo povo.

Ferréz - Capão Redondo, dia 9 de setembro de 2012


Desterro, esse é o nosso mundo com um pé na ficção e dois na vida real. Inesperado e cruel, o universo paralelo que tem a sobrevivência como única regra. Poucas ideias, esse é o lema. Trocar cabeça e virar cagueta nunca passou pelos meus pensamentos, então quando o delegado da Z Sul me fez escolher entre assinar homicídios, tentativa de assalto e formação de quadrilha, ou delatar alguns parceiros, eu fiquei com a primeira opção. Cumpri a pena, mas guardei na memória uma ligação que ele recebeu sobre seu irmão, o mesmo irmão que eu envolvi num assalto sem futuro, armadilha psicótica que mostrou pro delegado que os inimigos não mandam flores. Não era questão de vingança somente, era uma fita de deixar justas. Afinal justiça tem dois lados: as coisa quites, justas. Nós também temos nossos júris e nosso tribunal. Na faculdade do crime, que alguns chamam de cadeia, aprendi que, acima de tudo, problemas são pra serem resolvidos. Agora é só melhora pra nós. Firma com nova estrutura, trabalho profissional, cheio de disposição, disbaratinando os mais fraco e somando com os fortes. De sofrimento basta meu passado: O que for meu, eu quero é agora. Por isso estruturei a parada e estou num nível melhor. Essa é uma nova passagem da minha vida. Se algo ai dentro servir pra alguém, então tudo que passei já valeu a pena. Meu nome é...bom, melhor num dizer. Sou conhecido pelos parceiros como Igordão.


Uma vez o roteiro escrito, DeMaio pegava e desenhava. Quando via a composição das páginas, eu tinha vontade de escrever em cima. Então o método acabou sendo esse: escrever, desenhar e depois escrever quando o desenho pedia. Ferréz


Quando vi os traços de DeMaio, na hora eu pensei: “Minha nossa, vou criar algo muito especial só para ele desenhar”. Ferréz


Ferréz cria os textos no caderno. Acima a primeira introdução, ainda quando o projeto chamava 1000 Fita.


Cada vez que eu recebia o texto do Ferréz, começava um processo de ver referências e pensar nas cenas. Um processo de story board muito parecido com a produção cinematográfica. A cena abaixo foi pensada dessa maneira e a disposição do quadros vai da ação à camera lenta na hora da batida. DeMaio


Final alternativo n達o usado.


Capa n達o aprovada.


Primeira HQ que FerrĂŠz viu feita por DeMaio originalmente para a revista Rap Brasil em 2001.


Alguns dados sobre o cen谩rio da nossa hist贸ria.


Capão Redondo, São Paulo, Brasil.

“Não sou conduzido, conduzo”.

São Paulo foi invadida por padres jesuítas em 1554. Hoje, com mais de 19 milhões de habitantes, é a quarta maior aglomeração urbana do mundo e possui o 10º maior PIB do planeta. O grande crescimento econômico, desprovido de ensino de qualidade e carente de políticas públicas, acentua as diferenças sociais, criando um caldeirão onde milhares de jovens aumentam os números da violência na cidade. Em 1980, a taxa de assassinatos de crianças e adolescentes era de 3,1 para cada 100 mil habitantes. Essa quantia cresceu constantemente ao longo do tempo e, em 2010, chegou a 13,8. O aumento de quase 350% em três décadas coloca o Brasil no quarto lugar entre os 99 países mais violentos do mundo. A nossa história se passa na zona sul da cidade, lugar onde nasceu e vive o escritor Ferréz. Sua região é o Capão Redondo que, ao lado de Parque Santo Antônio e do 37º DP, no Campo Limpo, forma o “triângulo da morte”, concentrando um em cada dez assassinatos na capital. Juntas, as três áreas registraram 73 mortes no primeiro semestre de 2012. Tudo isso porque neste ano uma guerra entre a polícia e o crime organizado, segundo dados oficiais divulgados pelo jornal Folha de S. Paulo, fez crescer os homicídios em 21,8% no 1º semestre. Capão Redondo está em segundo lugar no ranking dos bairros mais perigosos. Teve 32 vítimas de homicídios dolosos e latrocínio no primeiro semestre, só perdendo para seu vizinho Parque Santo Antônio que somou 33 mortes. Infelizmente, não precisamos inventar uma cidade violenta para fazer quadrinho. DeMaio Fonte: BBC e Folha de S. Paulo


Guerra entre polícia e o crime organizado, corrupção e o aumento de mortes marcam 2012 Homicídios aumentam 47% Somente no mês de junho de 2012, em comparação ao mesmo período do ano passado, a taxa de homicídios dolosos aumentou 47% de acordo com dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública. Esses números nem contabilizam os casos de resistência seguida de morte, que entram no levantamento de letalidade policial, ainda não divulgado. De acordo com análise feita com dados da Corregedoria da Polícia Militar pelo jornalista André

Em comparação a 2010, o aumento foi de 104,5%. No mês de junho, a média foi de 14 mortes por dia, período mais violento desde que dados sobre criminalidade passaram a ser divulgados mensalmente, há 18 meses. Trecho da matéria de Gabriela Moncau para a revista Caros Amigos

Caramante da Folha de S. Paulo, atualmente ameaçado de morte, a Rota (grupo especial da PM de São Paulo), matou entre janeiro e maio deste ano 45% a mais que no mesmo período em 2011.

Deus cria, a Rota mata Em janeiro de 2010, a Rota matou 22 pessoas. Ao

Uma em cada cinco mortes inten-

longo do mesmo período de 2011 foram 31 mor-

cionais é de responsabilidade da

tes. Em 2012 foram 45, um aumento de 104,5%,

polícia. A cada policial morto ou

segundo dados oficiais divulgados pela Folha de

ferido, 4,2 pessoas são mortas ou fe-

S. Paulo.

ridas na capital de São Paulo.

De janeiro a 13 de setembro de 2012, a Rota ma-

10 distritos concentram 25% das

tou 170 pessoas. Matérias em jornais fazem com-

mortes, com 99,6% de homens,

parações ao tempo da ditadura militar.

onde 60% têm entre 15 e 24 anos, segundo Instituto “Sou da Paz”.

Do outro lado, o crime organizado matou 68 policiais nesse mesmo período. Por parte da sociedade civil, são constantes as denúncias de abuso de poder e execuções levadas a cabo pela polícia.

De Maio


SP tem 1% dos homicídios do mundo, diz ONU Sozinha, a cidade de São Paulo responde por 1% de todos os homicídios do planeta – apesar de ter apenas 0,17% da população mundial, afirmava estudo de 2007 da Organização das Nações Unidas (ONU). São Paulo é citada como um exemplo em que a expansão caótica das cidades colabora para a elevação das taxas de criminalidade. Apenas entre 1940 e 1960, a migração do campo para a cidade fez a periferia metropolitana inchar 364%. Sem condições de proporcionar uma estrutura de vida digna e justa, as instituições civis são “esmagadas pelo ritmo e pelo tamanho do crescimento populacional”, diz o estudo. Em 1999, São Paulo registrou um número recorde de 11.455 assassinatos, uma estatística mais de 17 vezes superior à de Nova York, que no mesmo ano contabilizou 667 crimes deste tipo. Entre 1970 a 2007, a taxa de homicídios em São Paulo quadruplicou. Segundo a ONU, a violência no Brasil tem um perfil jovem. Dois terços dos crimes envolvem pessoas de até 25 anos. E foi nesse cenário que Igordão, Xela, Mentira e todos os personagens cresceram.

Fonte:

Atualmente, São Paulo tem conseguido diminuir os índices de criminalidade, mas a desigualdade social ainda é muito grande. Os últimos dados oficiais mostram que o estado fechou 2011 com taxa de homicídios de 10 para cada 100 mil habitantes. No mesmo ano foram feitos 35.584 flagrantes de tráfico e a população carcerária atingiu a marca de 179 mil detentos. O ano de 2011 terminou com 132.719 prisões, 4.189 homicídios dolosos (com intenção) e um crescimento de 20,9% em relação ao ano anterior, com 306 roubos seguidos de morte. Na semana do fechamento deste livro a guerra entre policiais e o crime organizado se intensificou. Até outubro de 2012 mais de 80 policiais militares, da ativa e da reserva, foram assassinados. Em entrevista ao Correio do Brasil, Camila Nunes Dias, diz que, ao não refrear a violência dos policiais, o Estado ajuda a legitimar o discurso do PCC (Primeiro Comando da capital)– que afirma existir para proteger seus membros dos abusos do governo. Se olharmos para o 1º Batalhão de Choque da Polícia Militar, a Rota (Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar), o índice de letalidade vem subindo todo ano. Entre 2007 e 2011, essa elevação foi de 78% – de 46 pessoas para 82. Neste ano, 229 suspeitos foram mortos pela PM como um todo.


alexandredemaio.com.br facebook.com/DeMaioHQ alexandredemaio@gmail.com www.1dasul.com.br ferrez.blogspot.com selopovo.blogspot.com.br www.facebook.com/umdasul ferrez1@ig.com.br Facebook do Igord達o facebook.com/igor.mendes.3344

Desterro (trailer)  
Desterro (trailer)  

Quadrinhos de Ferréz e DeMaio pela Editora Anadarco