Issuu on Google+



Ano 01 • Edição 10 • Julho/2010 • Informativo Paroquial • Cuparaque / MG

Imagem ilustrativa da Basilíca de São Pedro e São Paulo em Roma Julho/2010


Atualidade

 Editorial

O cuidado com o consumo do sal

A voz do

Padre

Caríssimos irmãos e irmãs, que Jesus e Maria estejam sempre com vocês!

P

rezados irmãos e irmãs chegamos ao mês de julho entusiasmados e fortificados pelo nosso II Jubileu; que focalizou ricamente o Coração Eucarístico de Jesus como fonte de todas as graças em nossas vidas. Contudo, a Eucaristia nos recorda a entrega total de Jesus, por amor. Ele convida os discípulos missionários a assimilarem na sua vida seu exemplo. Neste sentido o nosso informativo paroquial tem como objetivo primeiro zelar pela nossa doutrina, que é muito rica e conduzida pelo Espírito Santo. Devemos usufruir dos bons artigos que são lançados cuidadosamente em nosso jornal para dar formação e suporte espiritual para todos os paroquianos. Recordemos, pois, da nossa primeira assembléia paroquial, que aconteceu no dia 18 de Janeiro de 2009, que colocou como meta principal para a vida pastoral da paróquia a formação das lideranças; e isso é uma realidade. Pelo nosso Batismo somos convocados a termos atitudes coerentes, sendo assim, ter uma participação convicta em nossa comunidade, assim como: participar assiduamente da Santa Missa, ser dizimista, dedicarse a uma pastoral ou movimento, e enfim, assumir ao chamado feito a todos os batizados de ser Bons Cristão.  Não podemos compactuar com os frutos de destruição que o mundo nos apresenta e amedronta. Portanto, devemos ficar atentos e não permitir que as mesquinharias alheias influenciem nossas vidas, comunidades e famílias. Devemos permanecer firmes no amor misericordioso de Jesus, que nos elegeu para todo sempre, a vivermos na Glória. A cada dia percebemos o crescimento da paróquia, graças ao esforço de todos os paroquianos, que estão atendendo aos apelos missionários as Igreja. Sigamos os passos de São Pedro e São Paulo, que dedicaram suas vidas a construção do reino de Deus; entretanto, são os baluartes da Igreja Católica. São Paulo tornou-se um grande anunciador da Boa Noticia aos primeiros  Cristãos. Deus o abençoe ricamente! Padre Ricardo - Pároco

Julho/2010

 O maior problema do sal está no sódio, presente também em muitos produtos industrializados. Saiba as conseqüências do consumo exagerado de sal e alguns truques para evitá-lo. Há muito tempo ouvimos os médicos dizerem que reduzir a ingestão de sal previne doenças do coração, principalmente a pressão alta (hipertensão). Na maioria dos casos de hipertensão, somente a redução do sal na comida não é suficiente, mas que ajuda, ajuda.

Qual o problema do sal? O sal de mesa é também conhecido como cloreto de sódio e o problema está no sódio e não no cloreto. Sabe-se que o sal de mesa tem 40% de sódio, mas ele está presente também em vários produtos industrializados que consumimos diariamente, como pães, queijos, cereais, bolachas, enlatados, etc.

Por que o sal faz mal para quem tem pressão alta? A elevada ingestão de cloreto de sódio (sal de cozinha) faz o organismo reter mais líquidos e aumentar de volume, podendo levar ao aumento da pressão sangüínea e causar a hipertensão, responsável por infarto e acidente vascular cerebral. O consumo excessivo de sal pode também afetar os rins.

Alimentação Saudável É possível seguir algumas diretrizes e continuar a comprar alimentos saudáveis.

Frutas e Vegetais Comprar fruta e legumes da estação é bastante econômico. Aproveite para comprar alguns alimentos em maior quantidade, poderá também poupar sobre o “desconto de quantidade” Uma das melhores formas de conseguir vegetais e frutos frescos é cultivá-los você mesmo, caso possua um quintal ou um pequeno jardim com espaço suficiente para o fazer. Caso não tenha espaço, poderá sempre plantar ervas frescas num vaso dentro de casa.

Proteínas Conseguir proteínas pode ser algo complicado com um orçamento reduzido. Filet mignon, bife do lombo ou lagosta fresca é apenas uma miragem para carteiras apertadas, mas poderá ainda encontrar boas peças de carne a preços baixos.

Cereais Tal como no caso das fontes de proteínas, comprar produtos menos processados é preferível. Prefira arroz integral.

Bebidas Uma excelente solução para poupar mais é comprar um filtro de água em vez de comprar água engarrafada. Prefira sucos em vez de refrigerantes. Beba o café da manhã em casa. Acrescentar umas gotas de leite dará ao café da manhã um toque especial, e muito mais barato do que sair todas as manhãs para tomar café na rua.

A CaTEQUESE NO SaGRaDO Vamos colorirSão Pedro e São Paulo... grandes santos de nossa igreja


Histórias

A

DESEJO DE VIDA

juventude, quando unida para a prática do bem, tem condição de influenciar de modo saudável na sociedade. Ao contrário, não promove vida de qualidade para si e para todos. Muitos desacertos de jovens são originados da falta de condição, desde o berço, da formação do caráter e equilíbrio afetivo. O nascedouro do bem tem origem na família. Hoje ela é massacrada pela propaganda do consumismo e naturalismo que estimulam a busca do bem-estar fundamentado na sensação do prazer momentâneo e do fechamento da pessoa no subjetivismo absolutista. Nesse quadro, um ideal a se buscar na promoção do bem comum fica apagado e não estimula a esperança da conquista de autêntica realização. O ser humano não se contenta em encontrar apenas a satisfação dos instintos. O desejo de infinito inoculado no coração de todos pelo Criador só é saciado com a conquista do bem sedimentado no amor profundamente oblativo, coincidindo com a prática da convivência na fraternidade. A vida de sentido se dá na oferta da pessoa para colaborar com a promoção do semelhante. Jesus nos prova isso com sua vida e ensinamento. Ele só fez o bem às pessoas, curando seus males e até ressuscitando mortos. Foi o caso do jovem, cujo corpo estava sendo levado para o sepultamento. Ao ver a mãe do rapaz, viúva e tendo só esse filho, Ele o fez ressuscitar, mostrando sua compaixão para com a mulher: “’Não chore!’... Então, Jesus disse: ‘Jovem, eu te ordeno, levanta-te!’... E Jesus o entregou à sua mãe” (Lucas 7, 13.15). Quando temos compaixão, somos capazes de fazer o bem ao semelhante, até mesmo gastando nosso tempo e sacrificando-nos para ajudar o outro. Olhamos para o desejo de vida digna do semelhante e vamos ao seu encontro. Damos algo de nós, não só no aspecto material. Apresentamos palavra

amiga, de consolo, esperança, encorajamento, aconselhamento... Evangelizamos com o exemplo de bondade, perdão, diálogo, serviço prestado e anúncio da verdade e do bem. Nessa perspectiva, nós mesmos ganhamos pela prática do benefício causado a quem precisa. Nosso ânimo se torna elevado quando realizamos tudo o que podemos para colaborar com a comunidade e a sociedade. Unimo-nos, então, a causas de promoção da vida e do bem social, como a boa política, a votação em quem tem condições éticas, morais e de boa preparação para o serviço ao público. Somos pessoas que nos convertemos quando percebemos erros e temos coragem de superá-los. Isso aconteceu com tantas pessoas, a exemplo do apóstolo Paulo: “Certamente ouvistes falar como foi outrora a minha conduta no judaísmo, com que excessos perseguia e devastava a Igreja de Deus. Quando, porém, aquele que me separou desde o ventre materno e me chamou por sua graça se dignou revelar-me o seu Filho, para que eu o pregasse entre os pagãos...” (Gálatas 1, 13.15-16). Quando pensamos bem sobre nossa própria vida, verdadeiro dom de Deus, procuramos retribuir esse ato de amor do Criador, promovendo a vida de qualidade ao outro. Nisso vamos percebendo o sentido da vida. Ela se configura justamente na ação de amarmos e realizarmos o mais conveniente na doação de nós para um convívio salutar para todos. Dom José Alberto Moura Arcebispo de Montes Claros, MG



Profissão de Fé

D

uas personalidades bíblicas, Pedro e Paulo, unidos por um ideal comum, o seguimento dos princípios de Jesus Cristo, mas com estruturas pessoais totalmente diversas. Ambos conviveram com as realidades que anunciavam, a justiça e a verdade, e morreram por elas. Pedro e Paulo foram martirizados em Roma, um representando a Instituição, a Igreja, e o outro, testemunhando a missão. Os dois são definidos como colunas mestras da Igreja, porque lavaram suas vestes no sangue do Cordeiro, revelando uma profunda profissão de fé. Como seguidores de Jesus Cristo, esses dois apóstolos se destacaram como homens do serviço, trabalhando pela liberdade das pessoas, promovendo a vida e rejeitando todas as formas de opressão e morte. Este é o fundamento da ação de todo aquele que se coloca na posição de líder numa comunidade de pessoas. Toda liderança supõe despojamento e renúncias importantes. O alvo principal não deve ser a pessoa do líder, mas o objetivo definido como ação. Sempre está em jogo o bem comum e o bem das pessoas. Se o foco for o bem próprio, esse líder está traindo a sua missão, podendo estar também desviando o bem público. Olhando para o sofrimento de Pedro e Paulo, imaginamos o sofrimento do povo hoje, numa realidade tão próspera, mas mal conduzida pelo despreparo e pela baixa preocupação com o bem dos mais sofridos. Sentimos a síndrome da política suja, sem perspectiva e sem esperança. Até a ficha limpa está já sendo burlada. Pedro e Paulo cumpriram sua liderança com fidelidade até a morte. Tiveram coragem de enfrentar os sofrimentos e as perseguições, sempre marcados pela esperança de vida nova. Conseguiram motivar o povo desanimado e decepcionado com outras lideranças sem compromisso. Estamos no mundo das divergências, de pensamentos detonantes liderados até por pessoas mal intencionadas, motivadas por conquista de poder ou de dinheiro. Líderes que se deixam levar pela injustiça, pela droga, a violência, a permissividade, a cultura da morte, a ganância, a falta de ética na política. Não é este o ideal do verdadeiro líder que desejamos para o país. Dom Paulo Mendes Peixoto Bispo de São José do Rio Preto, SP.

Julho/2010


Dízimo



“Se sou fiel no pouco, ele me confiará mais, se sou fiel no pouco, meus passos guiará...”

Pastoral do Dízimo A todos aniversariantes

parabéns!

As bênçãos do Senhor esteja sobre vocês todos os dias!!! Paróquia Sagrado Coração de Jesus Matriz Angelina Ferreira Prata Camila Mateus dos Santos Charliane Maria dos Santos Euzeni Maria Quinup Eliza Pires de Oliveira Gleide Maria de Souza Lindomar Gonçalves Maria Balbino de Melo Maria Tereza de Oliveira Marlene Antonia da Silva Munique Miranda Macedo Maria Aparecida Marques Nelson Fernandes Rodrigues Rosana Pereira Servino Rita Nunes da Cruz Sebastião Dom de Oliveira

04/07 09/07 22/07 20/07 08/07 25/07 17/07 14/07 01/07 19/07 18/07 16/07 16/07 18/07 26/07 13/07

Kelyane Prado Joana Barros Ferreira  

06/07 18/07

Jamily Pereira Nilson de Oliveira Barros  

20/07 02/07

  Comunidade Divino Espirito SantoAldeia

Comunidade Santa Elisa

Comunidade São Sebastião Dodoce Simone Raposo Barbosa José Costa Filho

18/07 15/07

Querem se casar: Dia 17 de Julho às 19h na Comunidade Divino Espírito Santo • Flávio Júnior de Oliveira & Aline Pereira Sobrinho

Julho/2010

Dízimo é constituição perfeitamente cristã, provada dentro do Novo Testamento O Dízimo de Abraão Como ancestral do povo eleito, Abraão tem um lugar privilegiado na história da Salvação. Sua vida se insere na história do plano de Deus. Em vez de uma simples crônica, o livro de Gênesis apresenta o Pai Abrãao como modelo de fé provada por Deus. “E Abrãao lhe deu a décima parte de tudo”. Abrãao tem uma vida agitada e cheia de revezes e muita parecida com a vida de nosso povo. O que, porém, Abrãao tinha de sobra era a sua abertura para o Eterno, sua abertura para um novo projeto de vida. Ele é um exemplo de justiça. Depois do acordo com o rei de Sodoma ele dá o seu dízimo, como exemplo de justiça e de gratidão (cf. Gn 14)

O Sacerdócio de Melquisedec Melquisedec aparece na Bíblia como o protetor de Abrãao, predecessor de Davi e retrato antecipado de Jesus. Em Gênesis 14, sacerdote de Salém oferece a Abrãao uma refeição de pão e vinho, rito da aliança (Gn 31, 44-46; Jos 9, 12-15); pronuncia sobre Abrãao a sua benção e recebe dele um tributo, em paga de sua proteção. Podemos afirmar que o dízimo é uma forma de participar do sacerdócio universal dos fiéis, proposto pelo Concílio Vaticano II. É um modo de comungar das necessidades da

comunidade cristã e de participar de suas dificuldades. Uma outra característica de Melquisedec é que ele era estranho a Israel, poderoso amigo de Abrãao, anexado por Davi, prefigurado de Jesus, e viu-se extraordinariamente promovido. Temos observado, na prática do dízimo, que nem todos os mais católicos são os melhores contribuintes e, em especial, as pessoas mais idosas ou que pertencem a certos movimentos tradicionais da Igreja não são os melhores dizimistas. Qual seria a razão? Será que estas pessoas estão apegadas demais aos costumes do catolicismo tradicional e deixam de lado a seriedade cristã, sem coragem de fazer uma opção madura para comungar, na Igreja, da partilha? Acreditamos que sim. É grandioso separar uma parte daquilo que temos para dar na contribuição dizimal. Quando as pessoas não são esclarecidas na fé de um “novo ardor missionário” elas se apegam às velhas idéias de ser católico e se contentam com as esmolas, com as festas, como as quermesses, com as coletinhas da missa... Aqueles que conseguem rebentar essa tradição religiosa de cunho mais tradicionalista conseguem superar as esmolas e as coletas e se tornam mais generosos na contribuição dizimal. Acreditamos que é uma questão de tempo, de promoção do dízimo e

de sua consequente evangelização. Aqueles que são “filhos” dos movimentos mais livres de certas pastorais mais comprometidas conseguem apreender o sentido do dízimo. “O dízimo deve ser, portanto, criador de espírito comunitário, deve levar-me ao encontro do meu irmão necessitado, deve levar-me a acolher Jesus no pobre. E isto deve ser através da comunidade” (A. Tatto). Você ainda não é dizimista, procure a pastoral do dízimo e insira-se neste projeto de evangelização. “Dízimo é partilha”. Partilhar não é dar o que sobra. Partilhar é dar o que o outro precisa”. Deus nos oferece tudo gratuitamente, e devemos reconhecer.


Catequese 

CATEQUESE Baluartes da Igreja:

Meu amado Bambu

São Pedro e São Paulo

E

ra uma vez, um maravilhoso jardim, situado bem no centro de um grande campo. O dono costumava passear pelo seu jardim, ao clarão do luar, à noite... Um esbelto bambu era para ele a mais bela e estimada de todas as árvores do seu jardim. Ao seu olhar carinho, esse bambu crescia e se tornava cada vez mais bonito. Ele sabia que seu dono o amava e que era a sua alegria. Um dia, o dono, pensativo, aproximou-se de seu bambu. E num sentimento de profunda veneração, o bambu inclinou sua cabeça imponente... O Senhor disse a ele: “Querido bambu, eu preciso de você...” E ele respondeu baixinho: “Meu senhor, estou pronto, faze de mim o que quiseres!”. “Bambu!” a voz do senhor era grave. “ Só poderei usá-lo, se eu o podar”... “Podar?... a mim, Senhor? por favor, não faça isto! Deixe a minha bela figura. Tu vês como todos me admiram...”. “Meu bambu amado” - a voz do senhor tornou-se ainda mais grave ! Não importa que admirem ou não... Se eu não o podar. não poderei usá-lo...”. No jardim, tudo ficou silencioso. O vento segurou a respiração, finalmente o lindo bambu se inclinou e sussurrou: “Senhor, se não me podes usar sem podar-me... então, faça comigo o que quiser. Meu querido bambu - devo cortar ainda a suas folhas!... “. “Ó Senhor, se me ama, preserve-me de tal mal! Pode destruir minha beleza, mas por favor, deixe as minhas folhas...” Não o posso usar se não tirar também as folhas.” A lua e as estrelas, confusa, escondem-se atrás das nuvens... Algumas borboletas e pássaros, que por ali brincavam, afastaram-se assustados... O bambu, trêmulo, à meia voz disse: “Senhor, cortaas!...” Mas o Senhor disse: “ainda não basta, meu querido bambu. Devo cortálo pelo meio e tomar seu coração...Se não faço isto, não posso usá-lo...” “Por favor, Senhor, disse o bambu, eu não poderei mais viver...Como viver sem coração?...”

Dia 04 de Julho a Igreja celebra a solenidade de São Pedro e de São Paulo, é uma das mais antigas da Igreja, sendo anterior até mesmo à comemoração do Natal.

J “Devo tirar seu coração, caso contrário, não posso usálo.” Então o bambu inclinou-se até o chão e disse: “ Senhor corta-me e divida-me, se assim quer...” O Senhor desfolhou o bambu... Decepou seus galhos... Partiu-o em duas partes... Tirou¬ lhe o coração. Depois, levou-o para o meio do campo ressequido, a uma fonte de onde brotava água fresca. Lá o Senhor deitou cuidadosamente seu querido bambu no chão. Ligou uma das extremidades do tronco decepado à fonte, e a outra levou-a até o campo... E a fonte cantou boas vindas... As águas cristalinas precipitaram alegres pelo corpo despedaçado do bambu, correram sobre os campos ressequidos, que elas tanto haviam suplicado... Ali plantou-se o trigo, o arroz, o milho, rosas, margarida e outras flores das mais variadas espécies e cores... Os dias passaram, a sementeira brotou, cresceu e veio o tempo da colheita, farta, abundante... Assim o bambu, no seu aniquilamento e humildade, transformou-se numa grande benção. Quando ele era belo, crescia somente para si e se alegrava com sua própria beleza. Agora, no seu aniquilamento, ele se tornou o canal do qual o Senhor se serviu para tornar fecundas suas terras... E muitos viviam deste tronco de bambu!... Para refletir: Somos um bambu nas mãos de Jesus! Agimos como o bambu? Nos abandonando totalmente nas mãos de Deus? Ou ficamos envoltos em nosso ‘’EU’’ e temos medo da poda de Deus? Pe. Ricardo Mendes

á no século IV havia a tradição de, neste dia, celebrar três missas: a primeira na basílica de São Pedro, no Vaticano; a segunda na basílica de São Paulo Fora dos Muros e a terceira nas catacumbas de São Sebastião, onde as relíquias dos apóstolos ficaram escondidas para fugir da profanação nos tempos difíceis. E mais: depois da Virgem Santíssima e de São João Batista, Pedro e Paulo são os santos que têm mais datas comemorativas no ano litúrgico. Além do tradicional 29 de junho, há: 25 de janeiro, quando celebramos a conversão de São Paulo; 22 de fevereiro, quando temos a festa da cátedra de São Pedro; e 18 de novembro, reservado à dedicação das basílicas de São Pedro e São Paulo. Antigamente, julgava-se que o martírio dos dois apóstolos tinha ocorrido no mesmo dia e ano e que seria a data que hoje comemoramos. Porém o martírio de ambos deve ter ocorrido em ocasiões diferentes, com são Pedro, crucificado de cabeça para baixo, na colina Vaticana e são Paulo, decapitado, nas chamadas Três Fontes. Mas não há certeza quanto ao dia, nem quanto ao ano desses martírios. A morte de Pedro poderia ter ocorrido em 64, ano em que milhares de cristãos foram sacrificados após o incêndio de Roma, enquanto a de Paulo, no ano 67. Mas com certeza o martírio deles aconteceu em Roma, durante a perseguição de Nero. Há outras raízes ainda envolvendo a data. A festa seria a cristianização de um culto pagão a Remo e Rômulo, os mitológicos fundadores pagãos de Roma. São Pedro e são Paulo não fundaram a cidade, mas são considerados os “Pais de Roma”. Embora não tenham sido os primeiros a pregar na capital do

império, com seu sangue “fundaram” a Roma cristã. Os dois são considerados os pilares que sustentam a Igreja tanto por sua fé e pregação como pelo ardor e zelo missionários, sendo glorificados com a coroa do martírio, no final, como testemunhas do Mestre. São Pedro é o apóstolo que Jesus Cristo escolheu e investiu da dignidade de ser o primeiro papa da Igreja. A ele Jesus disse: “Tu és Pedro e sobre esta pedra fundarei a minha Igreja”. São Pedro é o pastor do rebanho santo, é na sua pessoa e nos seus sucessores que temos o sinal visível da unidade e da comunhão na fé e na caridade. São Paulo, que foi arrebatado para o colégio apostólico de Jesus Cristo na estrada de Damasco, como o instrumento eleito para levar o seu nome diante dos povos, é o maior missionário de todos os tempos, o advogado dos pagãos, o “Apóstolo dos Gentios”. São Pedro e são Paulo, juntos, fizeram ressoar a mensagem do Evangelho no mundo inteiro e o farão para todo o sempre, porque assim quer o Mestre.

Este espaço é para você Anuncie aqui! 33 3262-5150 Julho/2010


Aconteceu



Acontecimentos inesquecíveis em nossa Paróquia

Procissão com o Santíssimo Sacramento

Julho/2010

Primeira eucaristia na comunidade de Aldeia

Confecção dos tapetes de Corpus Christ

Confecção dos tapetes de Corpus Christi

Instituição dos novos ministros da comunhão

Gratidão a todas as equipes das barracas

Festa junina no nosso jubileu

Cavalgada do II Jubileu

Procissão com o Santíssimo Sacramento

Coral Santa Cecília

Chegada da cavalgada e sorteio de prêmios

Participação da comunidade na Carreata do Sagrado Coração de Jesus

Solidariedade da comunidade no calçamento


Espiritualidade



Um processo de cura interior “Ao rezar você é refeito por Deus Pai!”  Ninguém se coloca sob o sol sem se queimar, se tomar sol você vai sofrer as consequências dele. Com Deus acontece algo semelhante, ninguém se coloca na presença d’Ele sem ser beneficiado por Sua presença, as marcas da presença do Todo-poderoso também são irreversíveis. Irreversíveis para a nossa salvação. Quando nós nos deixamos conduzir pelo Espírito Santo, Ele nos dá liberdade. Nosso Senhor nunca pensou em trazê-lo para perto d’Ele a fim de lhe tirar a liberdade. Se Ele não quisesse que fôssemos livres, por que teria nos criado livres? A nossa liberdade ficou comprometida por conta de nossa culpa, porque quem peca se torna escravo do pecado. Pelo nosso pecado e pelos vícios que entraram em nossa vida, nós ficamos debilitados. Foi para que fôssemos livres que o Pai do céu nos enviou Jesus. O Ressuscitado nos libertou de todo o mal, de toda a armadilha do inimigo de Deus, para que permaneçamos livres. No entanto, ninguém é livre na maldade. Ninguém pode saber o que está em seu interior se você não abrir a boca e dizer. O Senhor sabe quando não estamos bem e o momento da oração é a hora

A

de colocarmos nossa perturbação na presença d’Ele. Quando você reza Deus Pai o refaz. E o Espírito Santo nos cura e nos liberta. Rezar é você ficar nu na presença de Deus ao se abrir a Ele. Quando está rezando você está se pondo na presença do Altíssimo; dessa forma, nós estamos expostos e, assim, somos curados. No momento em que você conhece a Deus, você conhece a si mesmo. Por isso rezar não é coisa para qualquer um. Na oração, Deus se revela a nós, mas Ele também nos revela a nós mesmos. Se Ele nos revela uma coisa que não está boa, é porque é preciso consertá-la. Nós precisamos de muito perdão e de muita cura e essas graças só Deus pode nos dar. Você e eu precisamos, na oração, pedir ao Espírito Santo que nos faça entrar em nosso coração e descobrir o que está ruim ali dentro. A nossa vida inteira é um processo de cura interior. Enquanto você estiver com os pés aqui nesta terra sua vida será um processo de cura interior. Nós temos de nos apresentar diante de Deus. Não existe ninguém que tendo rezado o Senhor não o tenha respondido. E se Ele não o faz diretamente Ele vai fazê-lo por meio de uma pessoa ou de um fato. Mas

que Ele responde Ele responde. Por esse motivo nós precisamos aprender a ouvi-Lo na oração, para conhecermos os planos que Ele tem para nossa vida, um plano de realização, um plano de felicidade. Muitas vezes, nós não somos felizes porque esse plano não se cumpre na nossa vida. Se você não abre o coração para a oração, você corre o sério risco de morrer sem conhecer o plano que Deus Pai tinha para você. O Paráclito não entra no coração de uma pessoa perversa, Ele não habita em um corpo que está sendo usado para o pecado. Quem quiser receber de Deus uma resposta, quem quiser conhecer a Deus e a si mesmo precisa lutar pela sua pureza e santidade. O que é errado é errado hoje, foi errado ontem e será errado sempre! Não é porque a modernidade está aí que o que era errado deixou de sê-lo. Talvez o que você necessite hoje seja abrir mão desta pendência que está dentro de você. O maligno tem pavor de gente que vive a pureza. Muitas graças lhe são dadas porque o Espírito Santo se achega ao homem que vive a pureza. O Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo tem poder de nos purificar. Pela força da santa cruz todo o mal é vencido! Queira viver a pureza. Por: Márcio Mendes

Eleições e mudanças

no eleitoral é momento importante para a vida da sociedade. As eleições se constituem numa oportunidade democrática de participação popular, com força inestimável, no estabelecimento de nova ordem e na aposta em caminhos novos. 2010 é ano eleitoral no Brasil, emoldurado pela conquista democrática popular do Projeto de Lei ‘Ficha Limpa’. Essa configuração legislativa se torna um instrumento de valor incalculável para garantir que as eleições sejam, de fato, essa oportunidade de mudanças e de novo tempo na vida da sociedade brasileira. Nada supera a importância da qualificação indispensável dos nomes que se propõem como candidatos na eleição presidencial, para o congresso e assembleias legislativas. A conduta ‘ficha limpa’ é indispensável para que uma eleição seja, de verdade, um grande ganho que assegure avanços na sociedade. É incontestável que, em qualquer instituição, os maiores entraves, dificuldades e atropelos nascem e estão na conduta dos seus membros. De modo especial, essa consideração serve para os representantes do povo, sufragados em eleições. Dentro dessa realidade, a corrupção é um mal corrosivo que tem atrasado e atravancado o caminho da sociedade que está sempre pedindo por mais moralidade no exercício dos cargos e responsabilidades. O tempo novo do terceiro milênio urge contar com homens de conduta ilibada. À competência e à experiência não se pode dispensar, em hipótese alguma, a autoridade moral e uma conduta exemplar em todos aqueles que se propõem

a assumir incumbências que advêm da autoridade política que pertence soberanamente ao povo. Ora, o povo transfere o exercício de sua soberania para aqueles a quem elegem livremente como seus representantes. Porém, conservam, é claro, a faculdade de fazer valer o controle da atuação dos governantes, e também de sua substituição, caso não cumpram satisfatoriamente as suas funções. A autoridade moral de qualquer candidato, portanto, é uma prerrogativa primeira com a qual o eleitor precisa contar para dar o seu voto. Esta autoridade moral deve contracenar com a cultura equivocada das promessas eleitorais. Todos sabem que é fácil falar e prometer. O desafio é ser capaz de cumprir. Não cumpre, ainda que tenha competência executiva ou de outra ordem, quem não tem autoridade moral. É fácil deixarse seduzir pelo dinheiro e pelo poder. Não são poucos, lamentavelmente, os exemplos de pessoas, grupos e até partidos. Nas eleições, no processo de discernimento e nas escolhas é preciso considerar a medida da credibilidade de cada candidato. A credibilidade moral precisa ser entendida como critério determinante de escolhas - é preciso estar acima até da filiação ou simpatia partidárias, da sedução das promessas e, particularmente, da troca de favores, pagamentos e outras barganhas. A oportunidade singular de exercício da cidadania, ao votar em representantes, precisa ser vivida de modo muito adequado. Nessa direção, entidades e instituições têm uma importante tarefa política de conscientização que precede  qualquer

manifestação partidária. A Igreja Católica está consciente desse seu papel, alicerçada na sua missão de anúncio do Evangelho de Jesus Cristo que se constitui fonte inesgotável e inigualável de moralidade, esta, assumida em gestos e atitudes que configura e sustenta condutas e cidadanias exemplares. A credibilidade moral é o apoio para o salto de qualidade que está sempre no horizonte da sociedade brasileira. Trata-se de uma competência entrelaçada com outras capacidades para que se possa colocar a sociedade brasileira num patamar novo do seu desenvolvimento integral. A credibilidade moral é um luzeiro importante para alavancar esse momento novo que a sociedade precisa. Quando se considera o indispensável saber humano nesse processo, bem como as conclusões das ciências, não se pode pensar que a conquista do desenvolvimento integral do homem se fará sem a caridade na verdade - a fonte inesgotável da credibilidade moral de que se precisa para um novo tempo. O Papa Bento XVI, na sua Carta Encíclica, Cáritas in Veritate, diz que “ a ação é cega sem o saber, e este é estéril sem o amor. De fato, aquele que está animado de verdadeira caridade é engenhoso em descobrir as causas da miséria, encontrar os meios de   combatê-la e vencê-la resolutamente”. É hora de redobrar a atenção, o interesse, e fazer pelo voto escolhas novas que possam garantir novos rumos nesse momento de eleições e mudanças. Dom Walmor Oliveira de Azevedo Julho/2010




Gratidão

A

gradecemos carinhosamente todos aqueles que estiveram colaborando com nosso II Jubileu. Destacamos os doadores de bezerros, dos prêmios para o sorteio, os diversos patrocinadores e todas as pessoas que não mediram esforços para nos ajudar em nossa festa do Sagrado Coração de Jesus. Deus os abençoe e ilumine. Que a Solidariedade seja uma prática constante na vida de vocês! Agradecimentos a: Valdeci Barros; Nelson Ferreira; José Vieira dos Santos; Antônio Lopes; Elenilton Ferreira da Silva; Onildes Boher; Virgilina Prata; João Raposa; Poliano Sudré; Jair Neves; Jair Buden; Luiz Carlos; Antônio Carlos; Sebastião Prata; Francisco Barbeiro; Alcino Rosa Almeida; Pedro Afetuosamente, Comissão organizadora do II Jubileu

Fique de

Olho

• Dias 09, 19 11 de julho acontecerá o primeiro FIJ  na E. E. Moacir Albuquerque. • Dia 1ª de agosto haverá Curso de Batismo - Início às 09:00h • Dia 12 - Reunião do Conselho Paroquial de Pastoral (C.P.P ) • Dia 19 - Reunião com as zeladoras e diretoria do Apostolado da Oração. • Dia 26, às 18:00h - Reunião com toda as diretorias das comunidades no salão paroquial. • Dia 31 - Encontro de formaçao para os catequistas no salão paroquial. • Dia 04 de agosto é o dia do Padre.

Caros leitores, Este jornal é nosso!

Ajude-nos!

Enriqueça-o com suas sugestões, ideias ou até mesmo reclamações. Envie para o nosso email: osagrado@gmail.com

Nossa paróquia já concluiu mais um sonho: o calçamento do pátio da Igreja. Esse projeto merece nosso carinho! Seja você também um tijolinho neste processo de conquista. Procure nossa equipe e faça sua doação. Cada metro de calçamento doado nos ajudará muito. Deus vai te abençoar ricamente!

E você que tem seu próprio negócio, e quer que seu produto apareça, e ainda não é nosso patrocinador, venha fazer parte dessa obra de evangelização. Temos um espaço reservado para você!

Pe. Ricardo Mendes – pároco

Expediente: Diretor Responsável: Pe. Ricardo Mendes Equipe de comunicação: Andréia Catalunha, Tânia Regina, Thamara Vilaça, Lúcia Mara, Luana Ramos e Charliane Maria | Diagramação: Andréia Marçal | Impressão Inforgraf (33) 3275- 5444 Paróquia Sagrado Coração de Jesus | (33) 3262-5150 | Praça Fancisco de Assis S/N - Centro - Cuparaque MG. Colaboradores: Ana Maria Barbosa, Andréia Catalunha, Charliane Maria, Izaque Martins, Tânia Regina, Thamara Vilaça

Julho/2010

AGENDA PASTORAL Do dias 05 ao dia 09 - Retiro do Clero na Diocese de Governador Valadares Dia 03 - Sábado Encontrão paroquial do Movimento Boa Nova na comunidade de Aldeia. Dia 09 – Sexta Feira 20:00h Inicio do FIJ Dia 10 – Sábado 08:00h 1˚  FIJ na E. E. Moacir Albuquerque. 19:00h Santa na Comunidade Div. Espírito Santo - Aldeia Dia 11– Domingo 09:00h Santa Missa na Matriz. 12:00h Reunião do Apostolado da Oração. 19:30h –  Santa Missa na Matriz, e encerramento do FIJ.. Dia 12 – Segunda Feira 19:00h Reunião do Conselho paroquial de pastoral. 19:00h Abastecimento de Oração da RCC. Dia 14 – Quarta Feira 19:00h Grupo de oração da RCC 17:00h Missa na comunidade  N. Senhora Aparecida. Dia 15 – Quinta Feira 14:00h – 18:00 Atendimento paroquial 15h – 19h Adoração ao Santíssimo e benção Solene na Matriz. 19:30h Santa Missa na Matriz. Dia 17 – Sábado 19:00h Reunião do Grupo de Jovens no Salão paroquial. 19:00h Casamento de Aline Pereira e de Flávio Junior - Aldeia Dia 18 – Domingo 09:00h Santa Missa na Matriz. 13:00h Santa Missa na comunidade São Sebastião – Dodoce. 18:00h Santa Missa na Comunidade de Aldeia. 19:30h Santa Missa na Matriz. Dia 19 – Segunda feira 17:00h Santa Missa na comunidade São João Batista. 19:00h Reunião com a diretoria e zeladoras do Apostolado da Oração. 19:00h Abastecimento de oração da RCC. Dia 21 – Quarta feira 19:00h Grupo de oração da Renovação Carismática Católica. Dia 22 – Quinta Feira 14:00h – 18:00 Atendimento paroquial 15h – 19h Adoração ao Santíssimo na Matriz. 19:30h Santa Missa na Matriz. Dia 23 – Sexta Feira 19:00h Reunião com a Pastoral do Dízimo. Dia 24 Sábado 19:00h - Reunião do Grupo de Jovens JUICAPE no salão paroquial. Dia 25 – Domingo 09:00h Santa Missa na Matriz. 13:00h – 17:00h Encontro de Formação para os Acólitos. 18:00h Santa missa na comunidade de Aldeia. 19:30h Santa Missa na Matriz. Dia 26 – Segunda 19:00h – abastecimento de oração da Renovação Carismática Católica 18:30h reunião com toda diretoria das comunidades. (Todas as comunidades deverão comparecer). Dia 28 –  Quarta feira 19:00h – Grupo de oração da RCC na matriz. 19:00h Santa Missa na paróquia de Santa Efigênia de Minas. Dia 29 – Quinta  Feira 14:00h – 18:00h Atendimento paroquial 15h – 19h Adoração ao Santíssimo na Matriz. 19:30h Santa Missa na Matriz. Dia 30 – Sexta feira 14:00h – 18:00h Atendimento paroquial 19:00h Reunião com os membros do Movimento Boa Nova da paróquia. Dia 31 – Sábado 09:30h Reunião com os Acólitos no salão paroquial. 14:00h – 17:00h Encontro de formação para  todos os catequistas. 19:30h Missa por cura e libertação – RCC. 01 de Agosto – Domingo 09:00h Missa para as crianças (responsabilidade dos catequistas) 09:00h – 16:00h Curso de Batismo no salão paroquial. 18:00h Santa missa na comunidade Divino Espírito Santo- Aldeia. 19:30h Santa missa na matriz. Espiritualidade


O Sagrado