Issuu on Google+

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

1


Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo - FCSES

XI SEPEX XI Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão

Revista Eletrônica CATEGORIA – TEMAS LIVRES

n. 02 – Janeiro/ 2013 Vitória-ES

X SEPEX - Revista Eletrônica

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

Vitória

n. 02 p.1-36

Janeiro /2013

2


© 2013 – FCSES Todos os direitos reservados. A reprodução de qualquer parte da obra, por qualquer meio, sem autorização da editora, constitui violação da LDA 9.610/98.

CATÓLICA (endereço para contato): Av. Vitória, 950 – Forte São João - Vitória-ES CEP 29.017-950 Tel.: (27) 3331 8500 - Fax: (27) 3222 3829 E-mail: marketing@salesiano.com.br

Capa: Setor de Comunicação Integrada | 27 3331 8562 marketing@catolia-es.edu.br Revisão Geral: Profa. Lílian Moreira | 27 8189-8272 lmoreira@catolica-es.edu.br Coordenação: Nicolau Campedelli | 27 3331 8562 ncampedelli@ católica-es.edu.br Diagramação: Setor de Comunicação Integrada | 27 3331 8562 marketing@catolia-es.edu.br

Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca da Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo

XI SEPEX [recurso eletrônico]: XI Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão / FCSES. - Ano 1, n.2 (Janeiro. 2013) – Dados eletrônicos. – Vitória: Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo, 2013. Sistema requerido: Modo de acesso: <http://www.catolica-es.edu.br> I. Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo. II. Título: XI Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão. CDU 001.891(05)

Periodicidade: Semestral

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

3


SUMÁRIO

1

RESUMOS - EDUCAÇÃO FÍSICA ......................................................................................7 1.1

Educação Física na Educação Infantil ............................................................................ 8

1.2

O skate como prática corporal na escola ...................................................................... 9

1.3 Sentidos e significados da capoeira com um grupo de jovens de um bairro da Grande Vitória ......................................................................................................... 10 1.4 Relato de experiência no ensino de futebol em um projeto da Prefeitura de Vitória ........................................................................................................... 11 1.5 Educação Física na Educação Infantil: um olhar sobre a construção das relações de gênero entre meninas e meninos durante a vivência de brincadeiras ................................... 12 1.6 Cotidiano de professores de Educação Física e a construção do planejamento: algumas questões.................................................................................................................... 13 1.7 Cotidiano de análise da Educação Física como componente curricular das instituições de Educação Infantil do Município de Vitória-ES .................................................................... 14 1.8 A relação entre a formação cultural e a atuação profissional de professores de Educação Física da rede municipal de ensino de Vitória-ES ................................................... 15 1.9 2

Projeto Esporte Cidadão PMV/Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo ......... 16

RESUMOS - FARMÁCIA ............................................................................................... 17 2.1

Vancomicina na antibioticoterapia em pacientes dialíticos ....................................... 18

2.2 Avaliação do perfil imunológico e viral dos pacientes infectados pelo vírus HIV em diferentes estágios da doença ................................................................................................ 19 3

4

RESUMOS - FILOSOFIA ................................................................................................ 20 3.1

Linguagem ................................................................................................................... 21

3.2

Apontamentos acerca do amor em Platão ................................................................. 22

RESUMOS - NUTRIÇÃO ............................................................................................... 23 4.1

Alimentação dos alunos da Escola Custodia Dias Campos.......................................... 24

4.2

Desenvolvimento de novos produtos: coxinha sem glúten ........................................ 25

4.3

Educação nutricional na formação dos hábitos alimentares na fase pré-escolar ...... 26

4.4

Mousse vegetariano de morango ............................................................................... 27

4.5

Composição e benefícios do morango ........................................................................ 28

4.6

Composição e benefícios da chia ................................................................................ 29

4.7

Migração de substâncias em alimentos a partir de embalagens ................................ 29

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

4


4.8 Avaliação do consumo de produtos diet e light dos clientes de supermercados em bairros de diferentes classes sociais do município de Vitória – ES ......................................... 30 4.9 5

Estudo de caso - Dieta em paciente com hipertensão e obesidade ........................... 31

RESUMOS - PSICOLOGIA ............................................................................................. 33 5.1

Violência na escola ou violência da escola .................................................................. 33

5.2 Reflexões sobre os fatores psicossociais que influenciam na trajetória de vida e morte de jovens em contexto violento no município de Serra-ES ......................................... 34 5.3

Um resgate histórico da adoção sobre um olhar do contexto familiar ...................... 35

5.4

Violência sexual sob o olhar dos adolescentes vitimados .......................................... 36

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

5


APRESENTAÇÃO A Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo dá mais um importante passo em direção ao status de Centro Universitário planejado para 2014. A legislação educacional brasileira não obriga as faculdades e centros universitários ao exercício da iniciação e pesquisa científicas. Entretanto, a comunidade acadêmica da Católica, por meio dos seus representantes nos Conselhos Superiores e Colegiados de Curso, acredita na importância dessa estratégia para um processo de ensino-aprendizagem de excelência, que não tenha por base somente a reprodução do conhecimento ou da realidade que a cerca. Os esforços voltados para a publicação docente são uma realidade na Instituição desde 2003, com a veiculação da Revista Capixaba de Filosofia e Teologia (REDES), que vem corroborar a qualidade acadêmica alcançada no curso e coroar as ações desenvolvidas por meio do convênio com o Instituto de Filosofia e Teologia de Vitória (IFTAV). Em 2008, a Faculdade concretiza mais um investimento no incentivo à produção docente, com o lançamento de editais internos anuais de financiamento com recursos próprios, de projetos voltados ao desenvolvimento de iniciação e pesquisas científicas. Dessa forma, a Instituição almeja permitir a qualificação docente e do ensino de graduação por meio da prática sistemática da investigação científica. Surgiu, então, um novo veículo de publicação, a Episteme (Revista Científica da Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo), um instrumento multidisciplinar de divulgação da iniciação e pesquisa científicas (nas versões impressa e on-line), aberto às contribuições advindas das comunidades científicas regional e nacional. Como resultado da “XI Semana de Ensino, Pesquisa e Extensão – A Produção do Conhecimento no Contexto Universitário”, temos a satisfação de lançar mais esta publicação, a Revista Eletrônica – XI SEPEX, que é fruto do empenho de nossos alunos e professores. Em sua décima primeira edição, o evento, que é semestral, teve 530 trabalhos inscritos, divididos entre TCC, Estágio, Projeto Integrador, Temas Livres e Iniciação Científica, afirmando cada vez mais seu caráter de integração acadêmica e interdisciplinaridade. Estamos dando um grande passo para potencializar os processos educacionais, o que certamente permitirá à Instituição não somente diferenciar ainda mais os serviços prestados à sociedade, mas também consolidar a excelência acadêmica requerida em seu planejamento estratégico e necessária ao alcance do status de Centro Universitário em 2014. Parabenizamos a comunidade acadêmica, que agora passa a contar com um periódico diferenciado para divulgação dos novos conhecimentos gerados a partir da indissociabilidade entre ensino, iniciação e pesquisa científicas e extensão.

Prof. Jolmar Luis Hawerroth, Dr. Diretor Executivo da Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

6


Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo – FCSES

1 RESUMOS - EDUCAÇÃO FÍSICA

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

7


1.1 Educação Física na Educação Infantil Alunos: Aline Alves Pereira; Rhafael Konieczny Ferreira Coautora: Maria Celeste Rocha

Resumo: O objetivo deste trabalho é construir uma reflexão acerca da prática pedagógica do professor nas aulas de Educação Física na Educação Infantil, mais especificamente do grupo II e V do CMEI “Professora Maria Hilda Aleixo”, da cidade da Serra-ES. É importante destacar que este estudo é fruto de um trabalho realizado na disciplina de Educação Física na Educação Infantil. Nesse sentido, realizamos observações das aulas de Educação Física ministradas na Educação Infantil, assim como entrevista com a professora, que relatou o objetivo e os conteúdos desenvolvidos em suas aulas e como ela prepara os materiais que serão usados. Observamos o procedimento didático-pedagógico da aula, os rituais inseridos pela professora, a relação de cuidado com as crianças, como elas se relacionam, a linguagem utilizada pelo professor, o espaço destinado às aulas de Educação Física, o movimento das crianças e se a professora adota alguma abordagem pedagógica. As crianças são muito receptivas e a maioria participa das atividades propostas pela professora sem objeção. É importante ressaltar que a mesma não obriga as crianças a participarem das atividades. Concluímos que a presença do professor de Educação Física na Educação Infantil propicia à criança conhecer seu corpo, apropriar-se do mundo ao seu redor e, através de brincadeiras e movimento, começar a entender seu papel na sociedade, além de possibilitar o seu desenvolvimento integral. Palavras-chave: Educação Física. Educação Infantil. Prática Pedagógica.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

8


1.2 O skate como prática corporal na escola Alunos: Clávio Nicchio; Rene Antonio; Bruno Maberart; Ralbertz Souza Coautor: Thiago da Silva Machado

Resumo: As aulas de Educação Física que se limitam à prática de algumas modalidades esportivas, como o voleibol, o futsal, o basquete e o handebol, abordados apenas nos aspectos procedimentais, no saber fazer, têm se demonstrado pouco atrativas para os alunos do Ensino Médio. Assim, novas atividades como o skate surgem como uma opção para estimular os alunos nas aulas de Educação Física. Além de terem um conteúdo novo nas aulas, os jovens se identificam muito com o skate, sendo, portanto, um conteúdo significativo para os mesmos. Fora essa atratividade, com o skate pode-se trabalhar, também, aspectos relacionados ao lazer, tais como os espaços públicos destinados à prática de esportes radicais, além de possibilitar aos alunos uma nova prática nos momentos de seu lazer. Nossa proposta de trabalho tem como objetivo apresentar a prática do skate, que é um esporte radical, proporcionando ao aluno conhecimentos históricos sobre as várias maneiras de praticá-lo, os campeonatos, montagem de obstáculos, além de discutir os ambientes para sua prática sejam eles naturais ou espaços públicos. O cronograma baseou-se em 12 aulas, que foram divididas abordando os aspectos conceituais, procedimentais e atitudinais. Palavras-chave: Lazer. Prática corporal. Esporte radical. Skate.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

9


1.3 Sentidos e significados da capoeira com um grupo de jovens de um bairro da Grande Vitória Aluno: Luiz Fernando da Veiga Rabello Junior Coautor: Samuel Thomazini de Oliveira

Resumo: O objetivo deste trabalho é fazer com que possamos tirar algumas dúvidas de como a capoeira é vista por seus praticantes e se essa visão pode ser uma das únicas maneiras de vêla. Para isso, foi proposta uma pesquisa mais detalhada entre nós (professor e aluno). Após a leitura de um artigo, nós nos vimos com o intuito de ir a campo e tirar algumas conclusões sobre como a capoeira se constitui para seus praticantes. Com alguns dados coletados no artigo, fomos a campo e fizemos essa comparação, que nos permitiu ter algumas ideias de como seus praticantes veem a capoeira. Os resultados foram bem parecidos com os do artigo. Claro que existiram alguns pontos que não foram iguais, mas de certo modo foram bem satisfatórios. No começo, ficamos surpresos pelas respostas dos praticantes, mas começamos a perceber que a capoeira pode ser vista, também, como um esporte. Com este trabalho, podemos tirar algumas conclusões (que não são definitivas) de como a capoeira pode ser vista por seus praticantes. Isso faz com que um leque de opções possa se abrir acerca da capoeira e que isso pode ser benéfico para seus praticantes. Palavras-chave: Capoeira. Visão. Esporte.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

10


1.4 Relato de experiência no ensino de futebol em um projeto da Prefeitura de Vitória Alunos: Josy Maciel Machado Silva; Samuel Thomazini de Oliveira Coautor: Thiago Machado

Resumo: Trata-se de um relato de experiência em um Projeto Social da Prefeitura de Vitória, em parceria com a Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo (Projeto Esporte Cidadão). Esse projeto atende a crianças de 7-14 anos, oferecendo várias modalidades esportivas. Com objetivo de oferecer aos alunos um aprendizado mais amplo sobre o jogo de futebol, estão sendo desenvolvidas, nesse semestre, intervenções com crianças de 7-9 anos. A partir das reflexões acerca das vivências, articuladas aos conteúdos das disciplinas cursadas, foi possível avançar e fundamentar as aulas. Autores como Kroger (2002), Greco e Benda (2007), Scaglia (2010) foram de grande relevância nesse processo. Assim, abordou-se o saber fazer da modalidade de maneira coletiva. Isso não é fácil, devido a questões que ultrapassam o âmbito do ensino da Educação Física. Entretanto, a aposta em estratégias metodológicas como jogos situacionais e atividades que favoreçam o pensar antes de agir, por exemplo, foram de grande valia. Em dois meses, observaram-se melhoras no comportamento cooperativo, mas isso não é um dado absoluto. Ao analisar esse processo, dentre outras dificuldades, está o desafio de adequar as vivências de forma que proporcionem o aprendizado prazeroso, não privando os alunos de conhecimentos técnicos, mas avançando para a inclusão de todos os participantes de maneira agradável. Vale ressaltar que, quando se estabelece um processo educativo formal, um dos objetivos do professor de Ed. Física é mediar o acesso ao conhecimento e, num processo de reflexão permanente, auxiliar o desenvolvimento integral das crianças em seus vários aspectos: cognitivo, motor, social e afetivo. Palavras-chave: Futebol. Jogo coletivo. Jogos situacionais.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

11


1.5 Educação Física na Educação Infantil: um olhar sobre a construção das relações de gênero entre meninas e meninos durante a vivência de brincadeiras Aluno: José Valber Vieira dos Santos Coautora: Maria Celeste Rocha

Resumo: A intenção deste estudo advém da preocupação com a forma como tem se dado a construção das relações de gênero entre as crianças que frequentam as instituições de Educação Infantil. Frequentemente, meninas e meninos aparecem juntos, mas é possível questionar essa suposta harmonia visualizada na convivência entre eles/elas. Assim, temos como objetivo investigar a perspectiva do gênero nas práticas pedagógicas da Educação Infantil, buscando compreender como são construídas as relações de gênero entre as crianças e o encaminhamento dado a esse assunto nas práticas pedagógicas das educadoras infantis. O projeto, com duração de um ano, é realizado na cidade de Vitória-ES, em uma instituição de Educação Infantil que está sob a supervisão da Prefeitura Municipal. Os sujeitos da pesquisa são as crianças de 4 a 6 anos e suas respectivas professoras. A pesquisa de campo já foi iniciada e nos valemos dos diários de campo e dos registros fotográficos como técnica de coleta de dados a partir da observação. Estamos, ainda, realizando entrevistas com os sujeitos pesquisados. Levando em consideração que os estudos já produzidos apontam que as brincadeiras trazem consigo certos significados e códigos que representam o que a sociedade espera da criança, assim como o fato de que, por meio da brincadeira, a criança constrói uma pré-concepção dos papéis de ser-menino ou ser-menina, espera-se apontar e problematizar como essa situação se manifesta em CMEIs do município de Vitória-ES. Palavras-chave: Educação Infantil. Relações de gênero.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

12


1.6 Cotidiano de professores de Educação Física e a construção do planejamento: algumas questões Aluno: Tiago Humberto Lira Madeira Coautor: Thiago da Silva Machado

Resumo: O Projeto de Pesquisa do Trabalho de Conclusão de Curso está sendo desenvolvido nas aulas de TCC 1 e tem como tema a questão da construção do planejamento do professor, sua importância como ferramenta para a aula e como um norte para alcançar seus objetivos a longo e médio prazo. É um trabalho que leva em consideração o cotidiano do professor, o meio em que está inserido, a equipe pedagógica e a realidade dos alunos. Busca-se identificar quais são as dificuldades de planejar as aulas e de introduzir um trabalho dentro da área de Educação Física que sirva para reflexão a respeito de planejamentos. Isso será feito indo a campo no primeiro semestre de 2013, para observar as aulas dos professores de Educação Física e entrevistar dois deles, refletindo sobre sua aula e planejamento. Esses aspectos serão trazidos para debate e discussão como forma de aprendizado para pensar sua prática, utilizando um grupo focal, tendo como componentes os professores entrevistados e o pesquisador. Palavras-chave: Planejamento. Cotidiano. Educação física.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

13


1.7 Cotidiano de análise da Educação Física como componente curricular das instituições de Educação Infantil do Município de Vitória-ES Aluno: Rhafael Konieczny Ferreira Coautora: Maria Celeste Rocha

Resumo: O presente estudo reflete sobre o processo de inserção da Educação Física no contexto da Educação Infantil, buscando: investigar como essa disciplina tem se inserido nas rotinas e nas propostas pedagógicas dos CMEIs (Centros Municipais de Educação Infantil) de Vitória-ES; identificar qual o papel da Educação Física nesses centros educacionais; identificar qual o papel do/a professor/a de Educação Física e qual perfil pedagógico é adotado em suas práticas; assim como verificar como os CMEIs organizam o trabalho pedagógico entre os/as diferentes profissionais. O projeto terá a duração de um ano e, quanto a sua abrangência, pretende analisar instituições de Educação Infantil que estão sob a supervisão da Prefeitura Municipal de Vitória-ES. Para tanto, os sujeitos da pesquisa são: as crianças de 0 a 5 anos; os/as professores/as de Educação Física, pedagogos/as e demais funcionários/as das instituições estudadas. A pesquisa será desenvolvida por meio de uma combinação entre pesquisa bibliográfica e de campo, com uma abordagem qualitativa, conforme preconizam Ludke e André (1986) e Triviños (1987). Os dados serão coletados a partir de entrevistas e observações realizadas nas próprias instituições, durante os momentos de rotina das crianças, mais especificamente nas aulas de Educação Física. Com o decorrer da pesquisa, espera-se apontar e problematizar como essa área do conhecimento e disciplina pedagógica têm se inserido nos espaços educativos da primeira infância e, assim, contribuir para o debate acadêmico da área. Palavras-chave: Educação Física. Educação Infantil. Prática Pedagógica.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

14


1.8 A relação entre a formação cultural e a atuação profissional de professores de Educação Física da rede municipal de ensino de Vitória-ES Alunas: Samantha Simoura Carvalho; Deiglysth Soares Perovano Coautora: Juliana Moreira da Costa

Resumo: O trabalho consiste em um projeto de Iniciação Científica que se volta para a análise da formação continuada de professores de Educação Física (EF) a ser realizado no ano de 2013. Seu foco principal recai sobre a educação estética, com especial destaque para o campo das manifestações artísticas. Dessa forma, pretende-se investigar quais são as experiências artístico-culturais de professores de Educação Física da rede municipal de ensino de Vitória e como eles relacionam essas experiências com sua prática pedagógica. Este estudo será realizado com base na análise quantitativa e qualitativa dos dados, valendo-se de revisão de bibliografia e questionários. Com base em estudos já realizados, acreditamos que os professores de EF possuem experiências artísticas que, em geral, reduzem-se àquelas manifestações estimuladas pela indústria cultural. Porém, eles percebem que há uma relação entre manifestações culturais amplas e a sua formação, mas sua argumentação assume um caráter genérico. Ainda, podemos pensar se o envolvimento dos professores com o patrimônio artístico é, de modo majoritário, circunscrito ao que é ofertado pela indústria cultural. Cabenos perguntar se essa indústria contribui para a formação de professores de Educação Física ou a empobrecem. Outro aspecto esperado é o da falta de acesso às manifestações artísticoculturais, que dificulta o acesso e a valorização das experiências nesses campos. Por fim, podemos perceber que tal pesquisa se faz importante, pois, assim, justificar-se-ia a necessidade da educação estética na ampliação de experiências e possibilidades como professor de Educação Física nas suas práticas Pedagógicas. Palavras-chaves: Educação Física. Educação Estética. Formação Continuada.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

15


1.9 Projeto Esporte Cidadão PMV/Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo Aluno: Luiz Fernando da Veiga Rabello Junior Coautor: Samuel Thomazini de Oliveira

Resumo: O presente texto consiste em uma breve apresentação do Projeto Esporte Cidadão – uma parceria entre a prefeitura e a Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo (FCSES). O projeto teve início em 2004 e atende a crianças e adolescente de 7 a 14 anos que residem nas comunidades da Grande Vitória e estão matriculadas em tempo integral nas escolas Grande Maruípe e Presideu Amorim. Em seus aspectos gerais, o Projeto tem por objetivo a contribuição para a formação da cidadania dos sujeitos participantes do programa, auxiliando no processo de desenvolvimento pessoal, social e educacional das crianças e adolescentes. No mesmo contexto, objetiva ampliar a formação profissional de futuros professores de Educação Física da FCSES, estimulando a reflexão permanente sobre práticas de ensino contextualizadas. No desenvolvimento do trabalho, é realizada a interação dos alunos matriculados em cada modalidade esportiva, intercâmbios entre as modalidades e festivais. São realizadas, semanalmente, reuniões em que os acadêmicos do curso de Educação Física, atuantes no projeto, juntamente com o coordenador pedagógico, refletem e discutem acerca das vivências e tudo o que estiver envolvido nesse contexto: desafios encontrados, soluções, sugestões, plano de ensino e outros itens, no intuito de buscarem uma melhor atuação em suas práticas. Esses encontros semanais resultam em produção de material teórico, relato de experiência, reflexões em grupos, produção de trabalhos, conclusões parciais etc., que cooperam positivamente no processo de desenvolvimento dos sujeitos inseridos nesse ambiente. Assim, o Projeto Esporte Cidadão contribui para a formação docente/discente, inseparável de uma formação humana contextualizada. Palavras-chave: Educação Física. Projeto Social. Formação docente/discente.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

16


Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo – FCSES

2 RESUMOS - FARMÁCIA

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

17


2.1 Vancomicina na antibioticoterapia em pacientes dialíticos

Alunas: Leandra Campos Bringhenti Nees; Lorena Quadra Leandro Coautor: Filipe Dalla Bernardina Folador

Resumo: A insuficiência renal crônica (IRC) consiste na incapacidade de os rins removerem os produtos de degradação metabólica do corpo ou de realizar as funções reguladoras. Para que essas funções sejam realizadas, pacientes com IRC necessitam de tratamentos específicos, como a diálise e a hemodiálise, que visam substituir a função de filtração e a eliminação de substâncias tóxicas dos rins. Porém, muitos pacientes dialíticos, quando necessitam de realizar antibioticoterapia, deparam-se com dificuldades de tratamento, visto que a maioria dos antibióticos são eliminados pela via renal, diminuindo, assim, a sua concentração no organismo. Isso pode desencadear resistência bacteriana e comprometimento da efetividade do tratamento. O trabalho em questão visa avaliar o efeito da vancomicina em pacientes dialíticos quando necessitam de antibioticoterapia. Palavras-chave: Vancomicina. Pacientes dialíticos. Antibioticoterapia.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

18


2.2 Avaliação do perfil imunológico e viral dos pacientes infectados pelo vírus HIV em diferentes estágios da doença Alunos: Euler Perini Batista; José Ribeiro Abreu Coautora: Priscila Pinto e Silva dos Santos

Resumo: Dois parâmetros são importantes para o acompanhamento da infecção pelo HIV: a contagem de linfócitos TCD4+/TCD8+ e a quantificação da carga viral do HIV. Portanto, este estudo tem como objetivo avaliar a resposta da terapia antirretroviral (TARV), através do perfil imunológico e carga viral, em pacientes com HIV/AIDS atendidos no SAE de Vila Velha-ES, no período de agosto de 2011 a junho de 2012. Para cumprir os objetivos, foram realizadas as quantificações de TCD4+/TCD8+ pelo kit BD MultiTest®, e a carga viral pelo kit Versant® HIV-1 RNA (SIEMENS), em três etapas: antes da TARV (T0), após 120 dias (T1) e após 240 dias (T2). Como resultados foi observado que: a média TCD4+ em (T0) foi 375,303; em (T1), 427,578 e em (T2), 338,333 células/mm3. Um fator que pode estar envolvido no aumento do número de linfócitos TCD4+ pode ser a utilização correta da TARV. Já os níveis de TCD8+ em (T0) foi 918,029; em (T1), 1242,421 e em (T2), 1246,555 células/mm3. O aumento dos linfócitos TCD8+ citotóxicos tem sido associado à baixa replicação viral e à maior sobrevida. Quanto à carga viral, foram encontradas 69655,89 cópias/ml em (T0), e uma redução significativa foi observada: em (T1), 25206,26 e em (T2), 12761,66. Isso leva a crer que houve uma adesão adequada à TARV. Diante dos resultados encontrados, pode-se concluir que adesão é um fator essencial ao tratamento e é muito importante para que a carga viral permaneça indetectável e obtenham-se aumentos na contagem de linfócitos T CD4+, proporcionando aos pacientes infectados pelo HIV uma maior sobrevida e uma melhor qualidade de vida. Palavras-chave: HIV. CD4. CD8. Carga viral. Antirretrovirais.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

19


Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo – FCSES

3 RESUMOS - FILOSOFIA

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

20


3.1 Linguagem Aluna: Cristiane de Moura Leite Takemoto Coautor: Paulo Cesar Delboni

Resumo: Este resumo é sobre linguagem e pretende apresentá-la a partir dos sujeitos, que se fazem na e pela linguagem. Não apenas nós, aqui, mas todos os humanos. E, antes que vocês me apontem nos corredores e digam: lá vai a sujeita, usarei a própria linguagem para que compreendam e possam se referir à minha pessoa de maneira mais simpática. Na linguagem das palavras, sou Cristiane Takemoto, mulher, pernambucana, casada, mãe, fonoaudióloga, psicopedagoga, Mestre em linguística, tutora e estudante do segundo período do curso de Filosofia da Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo. Na linguagem dos números, supostamente eu poderia ser RG 1234, matrícula 567 e telefone 89-10. Primeira e última via de mim. Na linguagem das percepções conta o que vocês pensam que sabem sobre mim: que sou baixinha, de pele clara e já passei dos 15 anos. Tudo isso que eu disse faz parte de mim, mas nada disso me define totalmente. O que acena para a definição de mim ou de qualquer um de nós é a construção bio-psico-socio-histórica que se constitui na e pela linguagem, em sua complexidade. Nenhuma dessas perspectivas é miragem, nem segmento desconectado, linear e fragmentado. São todas partes de uma inteireza que nunca se completa por estar sempre em processo. Tudo isso é apenas o todo que o tempo vai esculpindo. Somos assim. Todos e cada um. Objetivos, subjetivos e intersubjetivos. Constituindo-se, percebendo e se deixando perceber. Todos assim: diferentes dimensões e diversas partes. Tudo junto e misturado na e pela linguagem. Palavras-chave: Sujeito. Linguagem. Complexidade.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

21


3.2 Apontamentos acerca do amor em Platão Aluno: Pablo Castro Ribeiro Coautor: Helder Salvador

Resumo: A partir da leitura da obra “O Banquete”, de Platão, buscaremos apresentar dinamicamente seu enredo, com possíveis ponderações acerca do assunto amor. O amor platônico não é um assunto novo, no entanto, por mais que já se tenha discutido, somos convictos de que, em se tratando de Platão, não há assunto que esteja esgotado de reflexão. Dessa forma, a obra em questão, especificamente, dispõe a falar sobre o amor e a falar sobre o que é realmente o amor em Platão. Seria o amor um deus, uma falta, um sentimento, desejo ou carência? E a filosofia, qual sua relação com esse amor? Ainda, na contemporaneidade, tal concepção sobre o amor perpassa a vida do homem. Eis, aí, uma grande razão para refletir e analisar esta obra. Palavras-chave: Amor. Desejo. Falta. Carência. Platão. Nada.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

22


Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo – FCSES

4 RESUMOS - NUTRIÇÃO

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

23


4.1 Alimentação dos alunos da Escola Custodia Dias Campos Alunas: Mariama Carneiro Figueiredo; Lorrane Banhos Landes; Luiza Stein Pimentel; Renata Machado Gouveia Coautora: Paula Regina Lemos de Almeida Campos

Resumo: A pesquisa foi realizada na escola municipal de Ensino Fundamental Custodia Dias Campos, bairro de Lurdes, na cidade de Vitória-ES. Seus objetivos foram observar as refeições servidas no período vespertino, para um total de 150 alunos, entre 6 e 11 anos, de 1º a 4º anos, e as condições nutricionais, sociais e microbiológicas do local. O resultado da pesquisa foi satisfatório, tendo em vista que, mesmo com algumas dificuldades de liberação de verbas, a escola caminha bem e serve alimentos de boa qualidade, apresentando boas condições de higiene. Palavras-chave: Escola. Alimentação. Higiene. Alunos.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

24


4.2 Desenvolvimento de novos produtos: coxinha sem glúten Alunas: Abyla Romão Matias; Ingrid Pereira Carvalho; Josiane Luciana Sousa Coautora: Cláudia Câmara de Jesus Weindler

Resumo: A doença celíaca é causada pela intolerância permanente da ingestão do glúten e apresenta como único tratamento a remoção desse nutriente da dieta. Considerando a importância dessa patologia e o número ainda restrito de produtos específicos para celíacos, o presente trabalho tem como objetivo desenvolver uma coxinha sem glúten assada, voltada para esse público, bem como avaliar a sua aceitação. Foi realizada uma reformulação dos ingredientes de uma receita original, sendo que as principais modificações foram a substituição da farinha de trigo pela farinha de arroz e pela batata baroa e a retirada dos temperos industrializados. Os experimentos foram realizados em condições controladas e a formulação que apresentou melhores resultados tecnológicos e sensoriais foi padronizada. Na análise sensorial, 13 provadores não treinados analisaram duas amostras de coxinha sem glúten, sendo uma assada e outra frita, por meio de um teste de aceitação usando uma escala hedônica de 3 pontos (sendo 3 - gostei, 2 - não gostei/nem desgostei e 1 – desgostei). Os experimentos demonstraram que a batata baroa, apesar de contribuir para a textura do produto, promoveu maior absorção de gordura, o que influenciou negativamente no produto final. A farinha de arroz mostrou ser um bom substituto da farinha de trigo. A amostra da coxinha frita foi mais aceita quando comparada com a amostra da coxinha assada. Os testes sinalizaram que produtos dessa natureza são viáveis tanto do ponto de vista tecnológico quanto sensorial, podendo contribuir positivamente para a dieta dos celíacos. Palavras-chave: Doença celíaca. Coxinha. Glúten.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

25


4.3 Educação nutricional na formação dos hábitos alimentares na fase préescolar Alunos: Susanne Tramonte de Sousa; Jacira de Souza Santos; Josiane Lopes Pereira; Levimeire Desireé Thom; Winnie Anne Santos Pires da Cruz Coautora: Paula Regina Lemos de Almeida Campos

Resumo: A introdução precoce de hábitos alimentares saudáveis na fase pré-escolar, de 2 a 6 anos de idade, irá influenciar o resto da vida da criança, resultando em uma boa qualidade de vida no futuro, diminuindo sua predisposição a doenças oportunistas e proporcionando um bom desenvolvimento biológico. Este trabalho realizou-se com o objetivo de familiarizar as crianças com alimentos saudáveis, incentivar o consumo desses alimentos e enfatizar a sua importância para o adequado desenvolvimento. Foram realizadas atividades como “Teatro de Fantoches” e apresentação do vídeo “Melô das vitaminas da Tia Cecéu”, além de uma dinâmica com a Pirâmide Alimentar, através da qual foram explicadas as porções e a importância do consumo de todos os grupos alimentares. Logo após, as crianças receberam figuras para colorir, com o objetivo de identificarem os alimentos saudáveis. Todas as atividades realizaram-se com o consentimento da coordenadora da escola do CMEI “Terezinha Vasconcellos Salvador”, localizada em Vitória-ES. As atividades foram desenvolvidas com 25 crianças pré-escolares, com idades entre 5 e 6 anos. As dinâmicas foram de grande aceitação pelas crianças e de grande aproveitamento. A dinâmica com a pirâmide alimentar foi de grande importância para avaliação da aprendizagem e do entendimento das explicações dadas. Tivemos grande surpresa com o desempenho das crianças, visto a pouca idade delas. O presente trabalho obteve sucesso na sua execução e aceitação das atividades pelas crianças, tendo participação de 100% das mesmas. O grupo trabalhou o lúdico, com pinturas, teatro e dinâmicas, levando em conta intervenções plausíveis, com vistas a difundir conhecimentos básicos de nutrição para as crianças. Palavras-chave: Educação Nutricional na Fase Pré-Escolar.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

26


4.4 Mousse vegetariano de morango

Alunos: Susanne Tramonte de Sousa; Jacira de Souza Santos; Josiane Lopes Pereira; Levimeire Desireé Thom; Winnie Anne Santos Pires da Cruz Coautora: Cláudia Câmara de Jesus Weindler

Resumo: Visando o crescente número de adeptos do vegetarianismo e por vários estudos mostrarem que dietas vegetarianas oferecem vantagens significativas em relação a dietas onívoras (principalmente devido ao reduzido teor de gorduras saturadas e por apresentarem maior teor de fibras e antioxidantes que ajudam na prevenção de doenças crônicas degenerativas), a formulação de receitas vegetarianas é de grande importância para garantir alternativas a essa população que, por falta de opção, muitas vezes possui uma alimentação um pouco restrita. O objetivo deste trabalho foi elaborar uma sobremesa (Mousse de Morango) para vegetarianos que proporcione um alimento sem adição de ingredientes de origem animal e com boas características organolépticas. Buscou-se, também, efetuar substituições de ingredientes que atendessem às necessidades desse grupo, mantendo as características o mais próximas possível do produto original. Em relação ao preparo da receita, as matérias primas utilizadas são de baixo custo. A única dificuldade encontrada foi encontrar a gelatina de ágar-ágar, mas, ainda assim, o mousse vegetariano de morango é considerado uma preparação com custo relativamente baixo. No geral, é de fácil preparo, isento de produtos de origem animal, tornando-se, assim, um prato desenvolvido especialmente para vegetarianos. Porém, com base na análise sensorial feita em um restaurante vegetariano frequentado também por pessoas não veganas, foi concluído que pessoas não adeptas ao vegetarianismo também apresentaram resposta positiva em relação ao sabor e à aparência do produto. Palavras-chave: Mousse de morango. Vegetarianismo.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

27


4.5 Composição e benefícios do morango Alunos: Karoline da Silva Rodrigues; Flaviane Morini Minzoni; João Victor Montouro Moura; Luciana Torres Lube; Lorrande Banhos Landes Coautora: Paula Regina Lemos de Almeida Campos

Resumo: As frutas desempenham um papel muito importante em nossa alimentação. São fontes naturais de nutrientes, vitaminas e sais minerais, além de fornecerem fibras e outros nutrientes que contribuem para a prevenção de doenças, como, por exemplo, o combate ao câncer de cólon. Recomenda-se a ingestão de 3 a 4 porções de frutas ao dia. Este artigo consiste em uma revisão bibliográfica, em que serão abordados os teores de vitaminas, fibras totais, fibras solúveis e insolúveis e compostos fenólicos presentes no morango, comparando-o a outras frutas. Serão abordados, também, os agentes antinutricionais presentes no morango, como ácido salicílico e ácido oxálico, que merecem destaque especialmente para as pessoas que são alérgicas a estes compostos. O morango apresenta matérias aromáticas que atuam nos nervos do olfato e do gosto, aumentando o apetite. É uma fruta que apresenta tanto benefícios para a saúde como malefícios em alguns casos. Tem efeito estimulante do apetite, facilita a digestão e é excelente alimento para o fígado, pelo seu elevado teor de açúcares naturais. Além de estimular os processos de absorção do organismo infantil, o morango aumenta a resistência às infecções e tem ação anticancerígena. Neste trabalho serão considerados a composição do morango e seus benefícios para a saúde. Palavras-chave: Composição dos alimentos. Morango. Nutrição.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

28


4.6 Composição e benefícios da chia

Alunos: Karoline da Silva Rodrigues; Flaviane Morini Minzoni; João Victor Montouro Moura; Luciana Torres Lube; Lorrane Banhos Landes Coautora: Paula Regina Lemos de Almeida Campos

Resumo: A chia é uma semente originária do México que vem atraindo a atenção de muitas pessoas. Ela contém inúmeros benefícios nutricionais e auxilia na perda de peso, pois causa saciedade, combate a inflamação e desintoxica. Além dos benefícios já mencionados, a chia colabora na redução do colesterol, controla a glicemia, ajuda na formação óssea, previne o envelhecimento precoce e melhora a imunidade do organismo. Com essa apresentação, abordaremos assuntos como a composição da chia, como consumir, a quantidade que se deve consumir e outras orientações. Muitos benefícios são encontrados nessa semente, mas, se for consumida exageradamente, pode causar resultado inverso ao esperado, devido ao seu alto valor calórico. Palavras-chave: Nutrição. Composição dos alimentos. Chia. Saúde.

4.7 Migração de substâncias em alimentos a partir de embalagens

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

29


Alunas: Ana Aparecida Nascimento; Carla Fernanda de Jesus Lima; Jakeline Siqueira Rafask Coautor: Helber Barcellos da Costa

Resumo: A qualidade de um produto alimentício depende de suas características sensoriais, nutricionais e higiênicas, que variam durante a estocagem e a comercialização. O objetivo desta revisão é definir e descrever diferentes tipos e aplicações de embalagens ativas e inteligentes na indústria alimentícia. As embalagens e equipamentos que estejam em contato direto com alimentos devem ser produzidos com boas práticas de fabricação e nas condições normais ou previsíveis de uso. Assim, elas não passarão para o alimento componentes indesejáveis, em quantidades que superem os limites máximos estabelecidos de migração total ou específica, que possam representar um risco para a saúde humana e/ou ocasionar uma modificação inaceitável na composição dos elementos ou nas características sensoriais dos mesmos. Dessa forma, vários são os processos desenvolvidos para manter e conservar de forma adequada os alimentos fabricados. Os materiais e sistemas de embalagem contêm muitas substâncias que podem migrar para o produto durante o processamento, o armazenamento e a preparação culinária. Cada vez mais, essas substâncias estão sujeitas a controle e encontram-se regulamentadas de forma a termos no mercado embalagens e materiais que são seguros para o consumidor. Palavras-chave: Migração de substâncias. Embalagens. Alimentos.

4.8 Avaliação do consumo de produtos diet e light dos clientes de supermercados em bairros de diferentes classes sociais do município de Vitória – ES Alunas: Cleriane Andre; Kelly Ribeiro Amichi XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

30


Coautor: Helber Barcellos da Costa

Resumo: Atualmente, a busca por alimentos saudáveis, inovadores e práticos tem se percebido frequente pelos consumidores. Dentre esses alimentos, cresce mundialmente a tendência dos produtos diet e light, indicados para dietas restritivas em açúcar ou até mesmo para manter hábitos alimentares saudáveis. A divulgação de informações corretas sobre a definição desses produtos é crucial no mercado para que o consumidor possa escolher adequadamente os alimentos. Devido ao exposto, este trabalho objetiva avaliar o conhecimento e o consumo de alimentos diet e light de clientes frequentadores de supermercados das classes A, B, C, D e E. Trata-se de uma pesquisa quanti-qualitativa, de caráter exploratório-descritiva, desenvolvida com 400 clientes de supermercados frequentados pelas distintas classes sociais. Da totalidade, 69,8% consumiam produtos diet ou light, sendo predominante o consumo de alimentos light. Daqueles que consumiam os produtos em questão, 57,3% faziam uso diário, sendo que 30,1% dos consumidores o faziam devido a alguma doença. Dos 400 entrevistados, 60,5% alegaram saber o que é um produto diet, entretanto, desse grupo, apenas 73,1% realmente tinham domínio correto do conceito. Quanto ao produto light, 51,8% dos entrevistados alegaram saber sobre o mesmo, porém, apenas 57,5% desse grupo possuía domínio correto do conceito. O grupo dos pães, biscoitos e barras de cereal apresentou maior consumo (70,2%), seguido dos adoçantes (61,7%). Através dos cruzamentos estatísticos, pode-se afirmar que há uma tendência a não se consumir alimentos diet e light na classe social E. Além de verificar que a classe que mais consome essa categoria de produtos é a classe D (43,7%), sendo o grupo de idosos aquele no qual o consumo é predominante. Palavras-chave: Diet. Light. Alimentação. Classes sociais. DCNT.

4.9 Estudo de caso - Dieta em paciente com hipertensão e obesidade Alunas: Carolina Fagundes da Silva; Luana Nobrega Coautora: Mírian Patrícia Castro Pereira Paixão

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

31


Resumo: A hipertensão arterial (HA) é uma síndrome de origem multifatorial, sendo um dos maiores problemas na área de saúde pública e tem sido reconhecida como grave fator de risco para as doenças cardiovasculares. A HA, atualmente, é definida de acordo com valores pressóricos, cujos níveis iguais ou superiores a 140/90 mmHg, identificados em duas ou mais verificações da pressão arterial, diagnosticam a doença. O tratamento da HA consiste basicamente na terapia medicamentosa e no tratamento não farmacológico, anti-hipertensivo ou mudança no estilo de vida. O excesso de massa corporal é um fator predisponente para a hipertensão, podendo ser responsável por 20% a 30% dos casos de hipertensão arterial. 75% dos homens e 65% das mulheres apresentam hipertensão diretamente atribuível a sobrepeso e obesidade. Sendo assim, os objetivos deste estudo são: avaliar o estado nutricional e o consumo alimentar; intervir nutricionalmente e acompanhar um paciente portador de hipertensão e obesidade na mudança dos hábitos alimentares e estilo de vida; discutir se houve ou não mudanças a partir da prescrição da dieta adequada, da prática de atividade física e da mudança nos hábitos alimentares. Foram realizadas duas consultas, avaliação antropométrica, dietética e bioquímica do paciente. Após o seguimento da dieta, verificou-se a redução das medidas antropométricas, IMC e perda de peso. Portanto, a dieta, junto com a prática de atividade física e orientações nutricionais, exerceram efeito positivo sob o controle das patologias do paciente. Palavras-chave: Dietoterapia. Hipertensão arterial.

Faculdade Católica Salesiana do Espírito Santo – FCSES

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

32


5 RESUMOS - PSICOLOGIA

5.1 Violência na escola ou violência da escola Alunos: Yara Alves Costa Justino; Lorena David Pereira; Juliano Batista da Silva Coautora: Drª Simone Chabudee Pylro XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

33


Resumo: As instituições de ensino têm sido desafiadas por alguns problemas, dentre os quais destacamos a violência no contexto escolar, que pode ser definida como toda e qualquer ação que cause sofrimento físico ou psicológico. Tendo em vista tal situação, esse estudo objetivou analisar a percepção de docentes sobre a temática da violência nas escolas. Para isso, aplicouse um questionário com 8 (oito) questões relativas a possíveis explicações para a violência escolar, junto a 10 (dez) professores de uma instituição de ensino, alocada na cidade de Vitória-ES. Os professores confirmaram a existência de violência na escola. Contudo, na percepção deles, tal violência deve-se a questões relativas ao aluno e a sua família; não havendo, portanto, nenhuma implicação da escola como coprodutora de violência. Além disso, verificou-se que os professores parecem acreditar que agir de forma autoritária e agressiva seja uma postura necessária diante de algumas situações. Tais resultados chamam a atenção e demonstram que esta questão ainda precisa ser mais bem discutida. Tal debate pode ser enriquecido com uma maior aproximação entre a psicologia e o contexto escolar, de modo a contribuir com uma reflexão mais consistente acerca da temática e de possíveis intervenções, como a promoção de discussões conjuntas que levem a mudanças no panorama atual da escola. Palavras-chave: Violência na escola. Discussão. Professores.

5.2 Reflexões sobre os fatores psicossociais que influenciam na trajetória de vida e morte de jovens em contexto violento no município de Serra-ES Aluno: Ramon Rosa Ribeiro Coautor: Dr. Alexandre Cardoso Aranzedo

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

34


Resumo: O envolvimento de jovens em processos de violência e de criminalidade é retratado por diversas produções científicas. Este segmento etário se constitui como uma das maiores vítimas da violência, principalmente nos casos de óbitos por homicídio ocorridos no estado do Espírito Santo. Ao considerar a complexidade dos estudos sobre juventudes e a relevância social e científica deste tema, a presente pesquisa buscou investigar os fatores psicossociais que contribuem para a mortalidade de jovens por causas violentas, na faixa etária de 14 a 24 anos de idade, no município de Serra-ES. O método adotado previu entrevistas individuais norteadas por um roteiro semiestruturado, e também a utilização de dois instrumentos complementares de coleta de dados, que visaram a (re)elaboração das trajetórias de vida e de morte de jovens em contexto violento. A partir do relato dos participantes e a aplicação da teoria das representações sociais, destacaram-se como resultado os principais fatores de riscos: 1) envolvimento com o tráfico e uso de entorpecentes; 2) relacionamento com más influências; 3) família desestruturada; 4) evasão e fracasso escolar; 5) crimes e delitos. E como principais fatores de proteção: 1) continuidade dos estudos; 2) apoio familiar; 3) inserção no mercado de trabalho; 4) apoio de amigos; 5) religião. Espera-se que os resultados obtidos nesta pesquisa possam gerar subsídios para maior compreensão do fenômeno social, bem como para implantação de estratégias e políticas públicas voltadas para a juventude, com vistas à prevenção e ao decréscimo dos índices de violência neste município. Palavras-chave: Juventude. Criminalidade. Violência. Fatores psicossociais.

5.3 Um resgate histórico da adoção sobre um olhar do contexto familiar Aluna: Karla Maria Duarte Castro Coautor: Dr. Alexandre Cardoso Aranzedo

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

35


Resumo: A adoção é um fenômeno que se encontra em evidência, devido à adesão de várias famílias a essa prática. Contudo, ela ainda possui algumas interpretações com base nas crenças e mitos sociais que perpassam o contexto familiar. A família pode ser entendida como um grupo de pessoas vinculado por laços afetivos ou de consanguinidade que desenvolve padrões de interação e afetividade, a partir de um histórico de convivência. As transformações nos valores sociais, nas legislações e conhecimentos científicos, frequentemente promovem variações na organização familiar, nos parâmetros que norteiam os relacionamentos interpessoais e as inserções de novos membros, a partir do processo de adoção. O presente trabalho visou discutir o contexto de transformação histórico-social da família e sua correlação com o processo de adoção, a partir da revisão da literatura sobre o tema. A produção científica nos mostra que, no Brasil, o processo de adoção já foi complexo e burocrático. Ao longo dos últimos anos, a consolidação do Estatuto da Criança e do Adolescente e da Lei de convivência familiar e comunitária permitiu a simplificação, celeridade e maior segurança aos partícipes do processo de adoção. Durante a inserção da criança na nova família, observa-se que o filho adotado consegue desempenhar novos papéis sociais, a partir dos vínculos estabelecidos como os pais adotivos. Ressalta-se a necessidade de realizar pesquisas sobre a adoção, já que conhecer as motivações que levam os pais a realizá-la é aspecto fundamental para compreender a qualidade da interação entre pais e filhos. Palavras-chave: Adoção. Contexto familiar.

5.4 Violência sexual sob o olhar dos adolescentes vitimados Alunas: Priscila Simenc Rocha Lopes; Gabriela Tápias Corteletti; Julliethe Vitorina Freitas Nascimento; Larissa Batista Oliveira; Cecília Barreto Cazaroto Coautor: Dr. Alexandre Cardoso Aranzedo

Resumo: A violência sexual pode ser entendida como toda ação na qual uma pessoa, numa relação de poder, por meio de força física, coerção, sedução ou intimidação psicológica, obriga a outra a praticar ou submeter-se à relação sexual. Pode haver abuso sexual com ou sem XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

36


contato físico, sendo a internet usada atualmente como um facilitador para o tipo de abuso sem contato físico. A fim de identificar resultados sobre o tema, tendo como vítima o adolescente, este trabalho possui o objetivo de analisar, por meio de revisão literária, algumas das vertentes envolvidas nesse processo. A produção científica demonstra que, no Brasil, 165 crianças ou adolescentes sofrem abuso sexual por dia, sendo que na maioria dos casos dessa violência os agressores são os pais/padrastos. Outro aspecto observado é que a violência intrafamiliar acomete principalmente meninas e mulheres adultas. Um dos problemas para a detecção desse tipo de violência é o silêncio das vítimas, que podem manter-se caladas por sofrerem ameaças do agressor ou por medo de denunciá-lo devido, justamente, ao vínculo parental. Tanto a violência sexual, quanto o abuso e suas variações representam violação de direito das crianças/adolescentes. Portanto, considera-se que o mesmo deva ser analisado de forma adequada pelos órgãos cabíveis. Palavras-chave: Violência sexual. Crianças. Adolescentes. Laços parentais.

XI SEPEX / 2013 – Revista Eletrônica

37


Revista XI SEPEX - TEMAS LIVRES