Issuu on Google+

PORTEFÓLIO CÁTIA

CARVALHO


PORTEFÓLIO CÁTIA CARVALHO


CĂ TIA CARVALHO catiacostadecarvalho@gmail.com 31.12.1994, Porto, Portugal + 91 727 93 89

4


CURRÍCULO 2014 FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO

COMPETÊNCIAS

2012 - 2013 Universidade Lusíada do Porto, FAAULP (média final - 12,51 valores)

Domínio dos Software:

2009 - 2012 Escola Artística de Soares dos Reis Design Produto - Especialização de equipamento Formação Contexto de Trabalho - Larus DESIGN (média final - 17 valores) Academia de Música de Vilar do Paraíso Música clássica - 8º grau piano (master class - Prof.Vitali Dotsenko) 2004 - 2009 Colégio Internato dos Carvalhos Academia de Música de Paços de Brandão Música clássica - piano (master class - Prof. Constantin Sandu) Experiência profissional: Colaboradora na empresa Toys ”R” Us (novembro 2013 até o momento atual)

AutoCAD 2D e 3D Adobe Photoshop Adobe InDesign SolidWorks SketchUp

Formações Modulares Certificadas: Técnicas e Estratégias de Marketing ,Galileu Inglês - Marketing de Venda, Estrategor (outubro a novembro de 2013) Legislação Comercial e Administrativa, Sisep (dezembro de 2013) Gestão e Administração de Empresas, Sisep (janeiro de 2014) Aptidões de Organização: Organizada, disciplinada e responsável. Aceitação positiva de desafios. Bom desempenho a nível de métodos de trabalho. Facilidade de cooperação e integração em grupos. Aptidões Artísticas: Domínio sobre o desenho | execução de maquetes | design gráfico | ilustração | 3D renders | desenho técnico | conhecimentos gerais de foto montagem e edição de imagem

5


6


ÍNDICE 008 012 014 018 028 042 044 046

// // // // // // // //

Introdução O desenho à mão livre Diário Gráfico A linguagem dos lugares Estudos a grafite Filosofia da Resistência Para o silêncio do “sono” “Senhor Brencht, Labirinto”

049 050 054 056

// // // //

Design de Equipamento, EASR Design Simbólico Eco Design Banco de Piano

058 062 078 096

// // // //

Arquitetura, FAAULP I Projecto - Cidade II Projecto - Praça III Projecto - Residência

7


Introdução Sine qua non da felicidade do Homem Uma das grandes batalhas que temos a travar nos nossos dias é exatamente a da organização harmónica das dávidas que a natureza nos prodigalizou, batalha essa que constitui um “Sine qua non” da felicidade do Homem, isto é, sem a qual esta não pode ser ou existir e é indispensável ao Homem mas, para isso, há que ultrapassar os limitados conceitos e as preconcebidas ideias que geralmente são o foco do problema. Anima-me a esperança que a reflexão feita ao longo do meu percurso neste portfólio me torne não só a mim, mas também a cada leitor, um pouco mais consciente da influência do design e da importância que uma criação artística ou não com formas harmoniosas pode representar na nossa vida, quer como indivíduo, quer como elemento da sociedade, considerando que harmonia é a palavra que traduz sensibilidade, é um jogo exato de consciência, é a integração hierarquizada e correta de fatores.

8


9


“Uma simples linha pode levar à liberdade e à felicidade.” Joan Miró

10


“Violão do ruído insolente” - aquarela e marcador, A4 Executada para a Unidade curricular de Desenho I, 2012, EASR

11


Desenhos de estudo do corpo humano e movimento, executados para a unidade curricular Introdução ao Desenho. (Prof. Doutor Joaquin Soria)

12


“O DESENHO À MÃO LIVRE” A natureza do ato de desenhar tem sido discutida ao longo de séculos, o que comprova o quão fundamental é o desenho para a evolução do Homem. O desenho oferece, na sua pureza, a atenção que o artista ou o designer necessita e mostra todo o movimento do seu pensamento no momento da criação. Existe assim, uma fusão entre: o olhar, a mão e a mente, fusão essa que resulta no chamado “desenho” e este nasce também da imaginação, o único lugar onde se pode realmente conhecer o estado de espírito e as emoções. O desenho trata-se então de uma ferramenta fundamental para um designer. O ato de desenhar liberta o pensamento e é único! Não existem duas mãos iguais e cada mão que desenha no vasto branco de uma página, tem uma possibilidade infinita de criação. Um dos pontos principais que o desenho nos pode ensinar é o facto de existir uma enorme diferença quando observamos algo apenas com o olhar ou quando observamos algo a desenhar: mesmo as coisas que pensamos conhecer melhor, tornam-se totalmente diferentes aos nossos olhos quando desenhadas. É a desenhar que realmente observamos. Como dizia Degas “O lápis deve ter no desenho a delicadeza que uma mosca tem ao vaguear num painel de vidro”. Nada explica melhor a delicadeza que o ato de desenhar implica. Implica também uma apreensão instintiva do espaço, uma experiência sensorial, ou seja, antes de pensar ou definir, é preciso sentir. O espaço não está fora de nós. Nós é que estamos dentro do espaço e o espaço é um lugar. É necessário assim um enorme senso de “espaço” e uma enorme capacidade de estabelecer uma ligação metafórica entre o que se vê e o que se vive, isto é em resumo, uma ideia de desenho “de mão livre”.

13


DIÁRIO GRÁFICO O pensamento traduz-se no desenho e a emoção também está constantemente implicada neste. Um desenho simples e eficaz pode traduzir todas as nossas perguntas, respostas, sensações, relações físicas e emocionais, aquilo que se descobriu. O desenho não é apenas operativo, é também construtor e formador do ser ou elemento que concebe e que experiencia o mundo através dele.

Escultura

14

torre agbar, jean nouvel,


Fevereiro de 2014, Barcelona

Entrada Parque G端ell, Antoni Gaudi

15


Lagarto em mosaico,Parque G端ell Antoni Gaudi

16


Fevereiro de 2014, Barcelona

corredor exterior,Parque GĂźell Antoni Gaudi

Catedral Sagrada FamĂ­lia Antoni Gaudi

17


18

Catedral de Santa Eulรกlia de Barcelona


A linguagem dos lugares Quando confrontada com o desenho da realidade que observo, exijo que este não seja apenas um acessório do momento mas sim uma compreensão das particularidades e circunstâncias que os meus olhos e a mente absorvem. Exijo que o desenho seja uma fidelidade ao lugar que descreve e não seja apenas uns traços enfatizados coloridos ou não. Sinto-me assim, quase indisposta quando me deparo com obras arquitetónicas ou objetos que foram moldados à forma espacial, pois estes falam ininterruptamente e parecem dizer sempre o mesmo, quando de repente já não sinto curiosidade. O Design deve ajudar o Homem a presenciar-se, em vez de o persuadir. E isto é tão evidente! Mais importante do que as razões conceptuais e teóricas que o design deve ou não conter, é necessário e essencial haver alma em si!

1º esquisso do lagarto em mosaico, Park Guell

19


Antoni Gaudi Catedral da Sagrada FamĂ­lia Nave Central

20


Fevereiro de 2014, Barcelona

Vitrais da Catedral da Sagrada FamĂ­lia Antoni Gaudi

21


“As cores, como recurso, acompanham a mudança das emoções.” Picasso

Lápis de cor, A4 22

Aquarela, A4


Aquarelas, A4

Aquarelas executadas para a unidade curricular Desenho de Observação. (Prof. Doutor Joaquin Soria)

23


Aquarela, A3

Marcador, A4 24

Trabalhos executadas para a unidade curricular Desenho I, 2012, EASR (Prof. Isabel Padr達o)

Pastel seco, A1


Aquarelas, A4

Aquarelas executadas para a unidade curricular Desenho de Observação. (Prof. Doutor Joaquin Soria)

25


Trabalhos executadas para a unidade curricular Desenho I, 2012, EASR (Prof. Isabel Padr達o)

Tinta da china, A2 26


Pintura a 贸leo sobre tela, A1

Aquarela, A4 27


28


ESTUDOS A GRAFITE

Tamanho A3

Trabalho executado para a unidade curricular Desenho I, 2010, EASR (Prof. JosĂŠ Gabriel)

29


Trabalho executado para a unidade curricular Desenho de observação, 2013, FAAULP (Prof. Doutor Joaquin Soria)

30


Trabalho executado para a unidade curricular Desenho I, 2010, EASR (Prof. JosĂŠ Gabriel)

31


32


Exemplos de retratos realizados a grafitte, tamanho A3, com o intuito de melhorar a tĂŠcnica 2012 a 2014

33


34


“A finalidade da arte é, simplesmente, criar um estudo da alma”. Oscar Wilde

35


“O progresso implica simplificar, n Munari, Bruno, Das coisas nascem coisas, Lisboa: Edições 70, 1981. 36


não complicar” 37


“Design não é apenas o que se vê ou o que e se sente. O design é como ele funciona.” Entrevista a Steve Jobs, CEO da Apple, 1995

38


Desenho realizado para a unidade curricular Projeto e Tecnologias, 2010, EASR (Prof. LuĂ­s Manuel dos Reis Zoio)

39


40


Projetar significa para mim compreender e ordenar, mas a grande base para tudo isso, está na emoção e na inspiração. Acredito que quando refletimos sobre design, refletimos apenas sobre uma pequena porção desta grande infinidade que rodeia a realidade que conhecemos. Existe assim, uma forte confrontação com as questões do tempo e do lugar, mas tudo isto traduz o espírito do designer/inventor que tenta recolher nas suas criações corrigir o que incomoda e reinventar o que sente falta.

Desenhos realizados para a unidade curricular Projeto e Tecnologias, 2010, EASR (Prof. Luís Manuel dos Reis Zoio)

41


Filosofia da Resistência Vivemos numa época na qual ainda se celebra o insignificante. O Design pode opor resistência, negar esse desgaste das formas e significados e definir-se pela sua própria língua. Não se trata da necessidade de criar um estilo próprio pois tudo é construído com um certo objetivo, em certas circunstâncias.

Mas agora, em que apostar? Estamos rodeados de criação estagnada, em que a beleza e os seus conceitos são arbitrários. Ainda não sei definir o caminho mas talvez isso também não seja mau de todo, porque nem sempre é bom definir. Estarei assim afinal de contas a definir um caminho de resistência? É bom poder descobrir o sentido das coisas por nós mesmos, como se estas fossem inteiramente novas e autênticas. Mas, com tudo isto, concluo que já não deve ser importante provocar emoções mas mantermo-nos fiéis à natureza das obras a criar e confiar que estas desenvolvem a sua própria força.

42


Desenhos realizados para a unidade curricular Arquitetura I, 2013, FAAULP (Arq. LuĂ­s Santiago) (Prof. Doutor Peixoto Alves)

43


Para o silêncio do “sono” Às vezes penso que o design deveria ter um ponto de arranque tão importante como o da música ou da arte contemporânea. Mas, a realidade é limitadora para a criação da obra. A compreensão da mensagem que a obra transmite apaga a curiosidade desta. Se a composição de uma obra se basear em desarmonia e fragmentação, em ritmos quebrados, o que resta no fim é a questão quanto à utilidade da criação do objeto na vida diária. O design tem uma ligação física e concreta muito especial na nossa vida prática. Tem o seu lugar de existência. Não pretendo ver isto como uma crítica, aviso ou mensagem específica. É uma tentativa para retratar um cenário de vida. Vejo o design como uma espécie de máquina sensível ou até mesmo como uma identidade capaz de ditar o ritmo do nosso olhar, o ritmo dos nossos movimentos, a nossa concentração, o silêncio para o nosso sono. Desenho realizado para a unidade curricular Arquitetura I, 2013, FAAULP (Arq. Luís Santiago) (Prof. Doutor Peixoto Alves)

44


Desenhos realizados para a unidade curricular Projeto e Tecnologias, 2010, EASR (Prof. LuĂ­s Manuel dos Reis Zoio)

45


O trabalho de um designer é muito semelhante ao trabalho de um escritor. Ambos tentam transformar uma coisa que existe ou existiu na cabeça e passá-la para algo em concreto, material. Existe um percurso mental antes de existir qualquer coisa material, numa luta enfatizada entre o essencial e o insignificante. Muitas vezes, há uma confusão entre o essencial e o insignificante, muitas vezes, o insignificante ocupa um lugar excessivo e o essencial um lugar secundário. Como a história “O Labirinto” do Senhor Brencht. De facto, a simplicidade é algo extremamente difícil. O design deve ajudar a selecionar o essencial. O design pode ajudar a aumentar a lucidez das pessoas, projetar uma filosofia, numa arte de fazer pensar.

Desenho realizado para a unidade curricular Arquitetura I, 2013, FAAULP (Arq. Luís Santiago) (Prof. Doutor Peixoto Alves)

46


47


48


projectos de design de equipamento Design de Produto, EASR, 2009/2011

49


DESIGN SIMBÓLICO lâmpada de rua para cidade do Porto

Tomando como área de intervenção, o centro histórico da cidade do Porto, desenvolvi um artefato depois de uma estratégia para o desenvolvimento do design simbólico. O artefato inclui a concepção do espaço público, abordando não só a sua funcionalidade como também os seus valores e significados culturais.

Desenhos realizados para a unidade curricular Projeto e Tecnologias, 2009, EASR (Prof. Luís Manuel dos Reis Zoio)

50


3D Renders (SolidWorks) para a unidade curricular Projeto e Tecnologias, 2009, EASR (Prof. LuĂ­s Manuel dos Reis Zoio)

51


Alรงados, perspetiva e detalhes do candeeiro urbano (SolidWorks).

52


Imagem fotográfica da maquete realizada em ferro e MDP

Voo das gaivotas, inspiração de todo o percurso para a elaboração do candeeiro urbano.

53


ECO DESIGN Este projeto nasce do reaproveitamento de materiais já utilizados, de modo a reaproveitá-los. O principal objetivo foi então desenvolver um produto que contribuísse para a sustentabilidade, através do seu impacto ambiental, a par de requisitos como funcionalidade, qualidade, custo e estética.

Desenhos realizados para a unidade curricular Projeto e Tecnologias, 2009, EASR (Prof. José António Guimarães)

54


Imagem fotogrĂĄfica da maquete do candeeiro realizada a partir do reaproveitamento de uma caixa arquivadora em estado degradado, base de suporte em cartĂŁo reciclado prensado.

55


BANCO DE PIANO

56


Imagens fotogrĂĄficas da maquete realizada em policarbonato e vara de ferro, para a unidade curricular Projeto e Tecnologias, 2010, EASR (Prof. LuĂ­s Manuel dos Reis Zoio)

57


58


projectos de arquitetura Faculdade de Arquitetura e Artes, Universidade LusĂ­ada do porto, 2012/13

59


“O espaço não é o negativo das formas, volumes e ele próprio matéria (...) o espaço que separa - e liga - as formas é também forma (...) como molde que só tem sentido em função de observadores fixos ou em movimento.” TÁVORA, Fernando - Da organização do espaço. Ed.Curso de Arquitectura da E. S. B. A. P., Porto, 1982

60


61


I PROJETO: A CIDADE estrutura urbana e morfologia arquitetónica Professores da unidade curricular: Arq. Luís Santiago Prof. Doutor Peixoto Alves Dezembro de 2012

Esquissos iniciais do projeto “A Cidade” para a unidade curricular Arquitetura I

62


elementos estruturadores: O projeto “A Cidade” é composto por alguns elementos estruturadores que limitam e de alguma forma dão um caráter mais realista e desafiador a esta proposta, que inicialmente aparentou ser demasiado abstrata. Esses elementos estruturadores tratam-se da criação de um conceito padrão traduzido numa malha regular ou irregular que dita a ordem e a orientação da cidade; a praça central; a divisão de zonas privadas e públicas com zonas verdes; o eixo principal e os eixos secundários; a criação de percursos lentos e percursos rápidos, que delimitam os quarteirões, regulando e facilitando assim a circulação, enquanto todos os espaços organizados e ocupados ou não possam ser valorizados.

63


64


“O ato crítico será composto de uma recomposição dos fragmentos, uma vez que são historizados: na sua “remontagem “. Manfredo Tafuri, A esfera e o Labirinto

65


Esquissos do projeto “A Cidade� para a unidade curricular Arquitetura I

66


67


Imagens fotogrรกficas das maquetes realizadas em esferovite.

Maquete de estudo II

68 de estudo I Maquete

Maquete de estudo II Estudos de perspetiva


Maquete de estudo II Estudos de perspetiva

Maquete de estudo II Estudos de perspetiva

Maquete de estudo III

69


70


Vistas e perspetivas do projeto final “A Cidade�

71


72


Vistas e perspetivas do projeto final “A Cidade�

73


EIXO PRINCIPAL

B

A

A

B

UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

EIXO SECUNDÁRIO

LEGENDA: RIO EDIFÍCIOS Z. VERDE

PROJECTO: A CIDADE ESTRUTURA URBANA ESCALA 1:1000 PLANTA DE COBERTURA CÁTIA CARVALHO 1º ANO ARQUITETURA UNIVERSIDADE LUSÍADA PORTO, FAAULP, 2013

CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA A

74

PRAÇA RIO


Planta de cobertura e cortes do projeto final “A Cidade”

A

A

B

B

CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

75


“ A forma arquitetónica é o ponto de contacto entre massa e espaço (...) Formas arquitetónicas, texturas, materiais, modulação da luz e sombra, cor, tudo se combina para injetar uma qualidade ou espírito que articula o espaço. A qualidade da arquitetura será determinada pela habilidade do projetista em utilizar e relacionar esses elementos, tanto nos espaços internos quanto nos espaços externos ao redor dos edifícios.” Edmund Bacon, The Design of the Cities 1974

76


77


II PROJETO: A PRAÇA A ORGANIZAÇÃO, CONSTITUIÇÃO E COMPOSIÇÃO DO ESPAÇO. Professores da unidade curricular: Arq. Luís Santiago Prof. Doutor Peixoto Alves Abril de 2013

78


elementos estruturadores: O projeto “A Praça” engloba em si uma forte procura pela noção da estrutura urbana e da forma como esta funciona, se organiza e se compõe. Procura também um resultado harmonioso na continuidade e descontinuidade dos espaços, nos percursos rápidos e lentos, na altura dos edifícios que pode condicionar a importância da praça ou indicar a presença desta. A praça não se trata de um espaço vazio. É um espaço urbano que propociona a convivência e mesmo sendo subjetivo, é procriador de relações culturais. Para a realização desta proposta serviram como base os seguintes elementos: a condição da existência de um desnível mínimo de 1m; a existência de um elemento arbóreo, de um espelho de água, de um elemento escultórico e de um banco contínuo. Todos estes elementos devem ajudar a definir os percursos, valorizar todas as zonas do espaço e também a forma como este funciona.

Esquissos iniciais do projeto “A Cidade” para a unidade curricular Arquitetura I

79


A LIGAÇÃO DA PRAÇA AO RIO E A CONDIÇÃO DO DESNIVELAMENTO Neste ponto do exercício foi necessário pesquisar e decidir como resolver a condição do desnível. Inicialmente a ideia da rampa ao longo da praça seria o ideal, mas achei mais interessante explorar a ideia de criar uma “história” de paisagens, com perspetivas e níveis de cota diferentes, tornar uns espaços mais públicos e outros mais privados, uns mais expostos ao ruído da cidade, outros mais isolados... Em resumo, procurei criar o benefício que a mudança de níveis de cota poderia dar à qualidade das linhas de visão como também às condições acústicas. Foi desta forma que surgiu a ideia de criar um pátio mais aprofundado, mais resguardado do vento e ruído da massa que o circunda. Criar um pátio externo protegido, onde permanecesse uma fonte de ar, luz e uma rampa de acesso que permitiria uma leitura da praça em níveis diferentes, na qual, ao descer, a visão pudesse ser surpreendida com a borda do rio desvanecido numa escadaria do pátio.

80


81


Estudos de perspetiva para o projeto “A Praça” para a unidade curricular Arquitetura I

82


A mudança natural de nível beneficia tanto as linhas de visão como a qualidade acústica desses espaços. O pátio aprofundado torna-se assim num espaço exterior “protegido”, numa zona reservada do vento e do ruído da massa que o circunda. Permance uma fonte de ar, luz e o contacto desvanecido na escadaria para o rio.

83


ELEMENTO ESCULTÓRICO A introdução da escultura na praça foi crucial para compreender e questionar o papel da dimensão estética na arquitetura. Este passo do exercício, foi uma constante busca para a conciliação da estética plástica com a estética arquitetónica. Era necessário encontrar algo que traduzisse a essência do lugar, o seu “genius loci”. Na grande lista de escultures ideais para este projeto, entre os quais, Tony Smith, Isamu Naguchi, Richard Serra e John McCrackens, a escultura que de facto se aproximou mais da ideia foi “Night” de Tony Smith, uma vez que os valores da escultura se refletiam e fundiam nos edifícios e restantes elementos da praça. Trata-se de uma obra profundamente minimalista e mesmo deixando que esta “domine” o território, provoca um equilíbrio compositivo, que resulta numa enorme enfatização compositiva.

84


“Night”

“We Lost”

“Marriage”

85


86


Imagens fotogrรกficas da maquete realizada em esferovite e cartolina da Praรงa 87


88


Vistas e perspetivas do projeto final “A Praça”

89


Vistas e perspetivas do projeto final “A Praça”

90


91


92


Vistas e perspetivas do projeto final “A Praça”

93


Planta de cobertura e cortes do projeto final “A Praça”

94


B

A' A

95 B' B

A' A B'

B CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

EIXO PRINCIPAL

B' B

CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

A' A

A' A


“O projeto é para o arquiteto o que é a personagem dum romance para o seu autor. Ultrapassa-o constantemente. No entanto, é preciso não o perder de vista, o desenho persegue-o.” Arq. Álvaro Siza Vieira

96


97


III PROJETO: RESIDÊNCIA UNIVERSITÁRIA O HABITAR ESTUDANTIL ENQUANTO FENÓMENO CULTURAL, COMPOSITIVO, ESCALAR, URBANO, ARQUITETÓNICO E ARTÍSTICO. Professores da Unidade Curricular: Arq. Luís Santiago Prof. Doutor Peixoto Alves Junho de 2013

98


elementos estruturadores: O projeto “Residência Universitária” foi de facto um desafio ímpar. Baseado num contexto real e concreto, nasceu a proposta da criação de uma residência destinada para quatro alunos universitários, frequentadores de cursos de Belas Artes e Arquitetura. Neste exercício foi obrigatório a definição e distinção de duas zonas: a pública - destinada a exposições de trabalhos e projetos - e uma zona privada - reservada aos habitantes. O programa foi traçado tendo algumas condições-base para estas duas zonas distintas. A zona privada teria de ter pelo menos: dois quartos com apoio sanitário, sala de trabalho e zonas de circulação. A zona pública: uma ou mais salas de exposição, zonas de estar, zona de serviço, hall, jardim e zonas de circulação. Este projeto tem o intuito de assumir como um espaço habitacional transformado num estúdio flexível e adaptável cuja utilização possa responder ao final do ciclo de vida estudantil e ao início de vida profissional e familiar. Assim, incidirá sobre a investigação, exploração e compreensão dos valores geradores e estruturadores do espaço doméstico na arquitetura privada, proporciona, ainda, a consolidação da experimentação dos temas anteriormente iniciados, relacionados com a composição, a organização e a hierarquização do espaço, através da investigação e manipulação dos diversos usos da arquitetura.

Esquissos iniciais do projeto “Residência Universitária” para a unidade curricular Arquitetura I

99


l

Cruz Rua da

Rua Costa Cabra

Ruela

256 m2

R.

N

O LOCAL O terreno da proposta encontra-se localizado entre a Rua Costa Cabral e Rua da Cruz na Cidade do Porto. Trata-se de um terreno extremamente estreito, com 256 m2, ou seja, uma largura de 22m e um comprimento de 106m. O terreno apresenta também um desnível de cota de 1m. Nesta fase de levantamento do local, foi extremamente importante analisar as condicionantes pré-existentes e compreender o enquadramento territorial multi-dimensional da intervenção.

100


perfil rua de costa cabral

perfil rua da cruz

101


Esquissos iniciais do projeto “Residência Universitária” para a unidade curricular Arquitetura I

102


Esquissos iniciais do projeto “Residência Universitária” para a unidade curricular Arquitetura I

103


Esquissos finais do projeto “Residência Universitária” para a unidade curricular Arquitetura I

104


105


Imagens fotogrรกficas das maquetes realizadas em esferovite, cartรฃo prensado e canelado.

Maquete I

Maquete III 106

Maquete II

Maquete IV


Maquete V

Maquete IV

Maquete V 107


Vistas e perspetivas do projeto final “Residência Universitária”

Vista da Ruela

Vista da Rua Costa Cabral

108

Interior do quarto c/ WC

Interior do atelier


Vista do Pรกtio do piso 0

e kitchenet

Vista da Rua da Cruz

Vista do Pรกtio do piso -1

109


CRIADO CRIADO PORUM UMPRODUTO PRODUTO EDUCACIONAL EDUCACIONAL DA DAAUTODESK AUTODESK CRIADO PORPOR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

110

RUA DA CRUZ

Planta piso 1

N

CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK CRIADO CRIADO POR PORUM UMPRODUTO PRODUTO EDUCACIONAL EDUCACIONAL DA DAAUTODESK AUTODESK

Planta piso 0

N

CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

PRODUCED BY AN AUTODESK EDUCATIONAL PRODUCT

UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK Planta pisoCRIADO -1 POR CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK


Cortes da planta CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

111

CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK


Alçados da Residência Universitária

112


CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

Vista da Rua da Cruz

CRIADO POR UM PRODUTO DA AUTODESK DA AUTODESK CRIADO POREDUCACIONAL UM PRODUTO EDUCACIONAL

Vista da Rua de Costa Cabral

CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

CRIADO POR UM PRODUTO DA AUTODESK DA AUTODESK CRIADO POREDUCACIONAL UM PRODUTO EDUCACIONAL

CRIADO POR UM PRODUTO EDUCACIONAL DA AUTODESK

113


114


Não importa o suor e o tamanho da dedicação que investimos quando os nossos sonhos são grandes, temos sempre algo possível de alcançar com os próprios meios. É necessário vontade, concentração e uma persistência incansável. Penso que estas são as capacidades que nos tornam realmente capazes de fazer qualquer coisa, até o que tomamos por improvável. É desta vontade que reconheço a minha necessidade de me candidatar à ESEIG, não só pelo seu grande mérito, mas também pela minha sede de progressão no meu percurso. Sei que não há realizações ocas, nem vitórias vazias e muitas vezes, há que fechar os olhos ao tempo para conseguir cumprir todos os nossos objetivos, porque o tempo é uma abstração. Depois do meu curto percurso, aprendi que a inspiração só sobrevive com a transpiração, mas isto aproxima-nos dos sonhos. Aprendi a falar pelos esboços e a ser livre nesse aspeto.

115


Cรกtia Costa de Carvalho

OBRIGADA


Eseiig