Issuu on Google+

A SEMANA

na Paróquia Nossa Senhora do Desterro e Santa Catarina de Alexandria

Florianópolis, 09 de outubro a 17 de outubro de 2010 - Ano VII - N° 336

Fone: (48) 3224.3357 - Site: www.catedralflorianopolis.com - Email: semana@catedralflorianopolis.com

Lembrar de agradecer, sempre... Todos conhecemos pessoas “azedas”. Sempre estão de cara amarrada e reclamam de tudo. Não enxergam o lado positivo da vida. São os “desmancha-prazeres”. São mal-agradecidas. Enquanto uns andam se arrastando pela vida de mau humor, outros sabem para que serve a sua vida e não perdem o ânimo. A segunda leitura da missa deste domingo (10 de outubro) nos mostra Paulo na prisão, animando os companheiros livres. Os motivos de tal esperança: confiança no ressuscitado, vencedor até na morte; fé na palavra de Deus; certeza da fidelidade de Deus. O evangelho deste mesmo domingo, conta histórias de cura de leprosos: Eliseu cura o sírio Naamã e Jesus cura dez de uma vez. Naamã fica curado de sua doença, descobre Deus e uma nova forma de viver. Em sua gratidão, quer presentear o profeta. Eliseu não aceita: o mérito é de Deus. Jesus cura dez leprosos e só um lembra de agradecer. Jesus pergunta pelos outros nove. O que está querendo ensinar? Os leprosos eram obrigados a viver afastados do convívio social. Então, curar um leproso era devolver-lhe o direito de conviver. Ao voltar, louvando a Deus e agradecido a Jesus, o ex-leproso demonstra que algo mais lhe aconteceu: restaurou-se sua confiança no bem e a alegria de saber que as pessoas são capazes de se ajudarem. Naamã era sírio. E o doente agradecido era samaritano. Jesus destaca esse fato: o estrangeiro é que volta para agradecer. Deus é Deus de todos, ama até os que não crêem. Pe. Francisco de Assis Wloch Pároco e Reitor da Catedral


Outubro: mês do rosário... sua origem... Terço é uma das três partes do Rosário. Rosário é um ramalhete de rosas. Quando queremos manifestar amor e carinho a alguém, não consideramos que a melhor forma seja oferecendo-lhe flores? Pois bem, Maria, a mãe de Jesus é a flor universal e a ela se oferecem rosas de oração. Cada "Pai Nosso" e cada "Ave Maria" recitados, são rosas oferecidas à divina flor Maria. A prática de rezar repetindo frases é bem antiga. Os budistas possuem esta prática que chamam de "Mantra". Tem a função de esvaziar a mente e ajudar a pessoa a se livrar de preocupações que anuviam a sua mente. O terço teve sua origem no século IX. Surgiu como alternativa à Liturgia das Horas, criada pelos monges irlandeses. Esta Liturgia compreende a recitação dos 150 salmos bíblicos em períodos do dia. Um desses monges sugeriu aos fiéis que substituíssem os salmos, difíceis de ser decorados, por 150 orações do "Pai Nosso". Para contar as orações começaram a usar pedrinhas, depois passaram a usar uma cordinha com cento e cinqüenta nós. Mais tarde enfiaram na cordinha pedacinhos de madeira. Depois dividiram em três, o número dos pedacinhos colocados na cordinha, surgindo então o terço. Posteriormente foram introduzidas, entre os "Pai Nossos", as orações da "Ave Maria". Depois trocaram os "Pai Nossos" pelas "Ave Marias". Em 1365 colocaram um "Pai Nosso" a cada 10 "Ave Marias" e, em 1470, introduziram pensamentos para serem recitados a cada "Ave Maria". Mesmo havendo quem não aprove a oração do terço, uma coisa é certa: esta oração tem muita força, pois certas práticas aparecem e desaparecem e esta forma simples tem permanecido até nossos dias. No mundo somente sobrevive o que é comprovadamente eficaz. A oração do terço tem sido instrumento eficaz para que busca a Deus.

Então, rezemos o terço, sempre!


Pensamentos extraídos da mensagem do Papa Bento XVI para o Dia Mundial das Missões O mês de outubro oferece a todo o Povo de Deus uma ocasião para renovar o compromisso de anunciar o Evangelho, e conferir às atividades pastorais uma ampla conotação missionária. Este evento anual convida-nos a viver com intensidade os caminhos litúrgicos, catequéticos, caritativos e culturais mediante os quais Jesus Cristo nos convoca à Ceia de sua Palavra e da Eucaristia, para saborear o dom de sua presença, formar-nos à sua escola e viver com mais consciência unidos a Ele, Mestre e Senhor. No Mês das Missões, com as inúmeras atividades eclesiais em todo o mundo, a Igreja convida-nos também a aprender de Maria, mediante a oração do Santo Rosário, a contemplar o projeto de amor do Pai pela humanidade, para amá-la como Ele a ama. Caríssimos, neste Dia Mundial das Missões, cujo olhar do coração se expande sobre os imensos espaços da Missão, sentimonos todos protagonistas do compromisso da Igreja de anunciar o Evangelho. O impulso missionário sempre foi sinal de vitalidade para as nossas Igrejas (cf. Redemptoris Missio, 2), e a sua cooperação é testemunho singular de unidade, fraternidade e solidariedade, que torna críveis os anunciadores do Amor que salva! Renovo, portanto, a todos o convite à oração, ao compromisso de ajuda fraterna e concreta em apoio às Igrejas jovens, não obstantes as dificuldades econômicas. Tal gesto de amor e de partilha, que o serviço das Pontifícias Obras Missionárias, às quais agradeço, proverá a distribuir, ajudará na formação dos sacerdotes, seminaristas e catequistas nas mais distantes terras de Missão, e encorajará as jovens Comunidades eclesiais.

DIA MUNDIAL DAS MISSÕES

Coleta Nacional: 23 e 24 de outubro de


2010 Missão e Partilha

Oração Missionária 2010

Ó Deus, Pai de todos os povos, Vós que nos abraçais com a ternura de uma mãe, ouvi o clamor das multidões da Amazônia e do mundo inteiro desejosas de Vos conhecer e Vos amar. Ensinai-nos a Vos servir, na partilha da Fé e dos Bens que Vós mesmos nos destes. Amém.

12 de outubro: dia da criança!

As crianças aprendem o que vivem ... “Se a criança vive com críticas, ela aprende a condenar. Se a criança vive com hostilidade, ela aprende a agredir. Se a criança vive com zombaria, ela aprende a ser tímida. Se a criança vive com humilhação, ela aprende a se sentir culpada. Se a criança vive com tolerância, ela aprende a ser paciente. Se a criança vive com incentivo, ela aprende a ser confiante. Se a criança vive com elogios, ela aprende a apreciar. Se a criança vive com retidão, ela aprende a ser justa. Se a criança vive com segurança, ela aprende a acreditar. Se a criança vive com aprovação, ela aprende a gostar de si mesma. Se a criança é aceita e amada, ela aprende a amar. Se a criança aprende a amar a Deus, ela jamais O esquecerá”. A vocês, crianças, nosso carinho e nossa prece!


Lembretes importantes: Dia 13 de outubro – Quarta-feira - 19h15min: Reunião da Equipe de Liturgia e dos Ministros da Comunhão. Dia 15 de outubro – Sexta-feira – 19h15min: Reunião do CPC (Conselho de Pastoral da Catedral).


Semana na Catedral Ano VII Nº 336