Issuu on Google+

Foto

Litera

tura

10

facebook.com/fotoliteratura

francisco milhorança

edição 1 de dezembro 2016

“a vida me sorri com sua boca banguela e eu imóvel diante dela desisto de tentar decifrá-la me rendo e aceito seu sorriso e tudo o mais que ela oferece

(inclusive um leve mau humor esporádico) a luz macia de uma tarde de primavera que abraça os muros do passado e abre caminho para o futuro inevitável, incerto como uma manhã quente de verão” {Francisco Milhorança


francisco milhoranรงa


“Tudo o que dorme é criança de novo. Talvez porque no sono não se possa fazer mal, e se não se dá conta da vida, o maior criminoso, o mais fechado egoísta, é sagrado, por uma magia natural, enquanto dorme. Entre matar quem dorme e matar uma criança não conheço diferença que se sinta.” {Fernando Pessoa “O trem que chega

É o mesmo trem da partida

A hora do encontro é também despedida A plataforma dessa estação É a vida desse meu lugar”

{Milton Nascimento, in Encontros e Despedidas


paulo rossi

“Faça-me o obséquio de trazer Cloreto de sódio, água e albumina... Ah! Basta isso, porque isto é que origina A lágrima de todos os vencidos!” {Augusto dos Anjos, Lágrima


paulo rossi

“Em que espelho ficou perdida a minha face?" {CecĂ­lia Meireles, in Retrato


Fotoliteratura #10