Issuu on Google+

Dança

Música

Inscrições para o Festival se encerram esta semana

Fábrica Cultural recebe Marcelo Pons no Entardecer

Página 6

Página 7 Moizés Vasconcellos - DP

DIÁRIO POPULAR SEGUNDA-FEIRA, 28 DE MAIO DE 2012

Um mundo lúdico-irônico Fotos Carlos Queiroz - DP

Luísa Roig Martins

Em intercâmbio na UFPel, artista colombiano Ricardo Izquierdo expõe sua compulsão por desenhos na Casa Paralela

Mostra sugere contraponto entre mentira e verdade até 2 de junho

No espaço da Casa Paralela, a distribuição das obras do colombiano Ricardo Muñoz Izquierdo revela um comportamento quase compulsório em relação ao desenho. É um colorido frenético de personagens que fazem referência direta ao mundo dos quadrinhos e dos contos infantis. Mas nem tudo nesse universo é inocência: ironia e uma dose boa de perversão fazem parte da mostra Desenhos, mentiras e outras verdades, aberta à visitação até dia 2 de junho. Izquierdo está há cerca de quatro meses no Brasil, como intercambista na Universidade Federal de Pelotas, sob tutoria da professora Ângela Pohlmann. Foi ele mesmo quem propôs a ideia da mostra à Casa Paralela, que o acolheu. “Achei interessante expor aqui pelo fato de ser um espaço independente de arte”, justifica. O trabalho do jovem artista de 27 anos, natural da cidade colombiana de Pereira, tem tido o desenho como fio condutor desde o início de sua vida artística. “O tema das minhas obras está normalmente relacionado à memória, com o sarcasmo fazendo parte da estética visual”, explica. A infância e os lugares inóspitos da memória são centro dos trabalhos de Izquierdo. “A memória se fusiona com a história”, diz ele, insinuando que a vida de qualquer criança é permeada por personagens do mundo fictício. É um jogo entre realidade e imaginação, aliás, que ele busca despertar no espectador ao recriar esses personagens. Pinóquio, por exemplo, ao invés do nariz, tem seu órgão

genital crescido. “A acidez vem à tona irrompendo a consciência da idade adulta com toda a ambiguidade que a arte pode contemplar.” Como se vê, apesar de abordar a infância, a exposição é restrita ao olhar adulto.

Verdade e mentira Conforme o professor da UFPel Chico Machado, existe uma dimensão política no trabalho de Ricardo. Começando pelo fato de a exposição fazer uma crítica aos signos impostos pelas culturas ditas hegemônicas,

como a norte-americana. “Além disso, seu trabalho parece controverter também a posição do discurso como porta-voz da verdade”, afirma. Explica-se: existe uma ambiguidade que sugere a presença de verdade e mentira em um mesmo fato gráfico. “A arte é uma mentira belamente dita”, cita Ricardo, dando os créditos a Pablo Picasso. Cabe ao espectador desmascarar a verdade presente nos desenhos. “Isolados, são desenhos fortes. Juntos, mais ainda. Há narrativas entre eles”, conta o artista. As dezenas de quadrinhos expostos em molduras dialogam com uma intervenção em desenho feita direto na parede - uma menção clara à “rebeldia inocente” comum às crianças, que desenham para além do papel: nas mesas, nas paredes, nos sofás. Uma projeção em vídeo, mostrando um homem-aranha indignado e decadente, também faz parte do conjunto da mostra. “Um desenho que figura algo reconhecível e que tem referência em coisas do nosso mundo visível nos convence de algo. É uma mentira que aceitamos”, define Machado.

Bolsa colombiana O intercâmbio para a UFPel foi financiado pelo Instituto Colombiano de Crédito Educativo e Estudos Técnicos no Exterior (Icetex). A bolsa de estudos concedida a jovens talentos do ramo das artes, em um valor de 20 milhões de pesos (o equivalente a R$ 225 mil), permite que o artista frequente os ateliês do Centro de Artes, assista às disciplinas (mesmo sem estar matriculado como graduando) e desenvolva pesquisas em sua área de interesse. Ao terminar o período de estudo - no caso de Ricardo, fim de julho - ele deve voltar à Colômbia para oferecer a contrapartida do benefício: apresentações e palestras em instituições, entidades e outras organizações de seu país de origem.

Serviço O quê: exposição Desenhos, mentiras e outras verdades Quando: até 2 de junho; visitação de terça a sábado, das 14h às 18h Onde: Casa Paralela,- rua Uruguai, 1.577 Entrada franca

Jovem ganhou bolsa de estudos do Icetex, órgão educacional colombiano


Um mundo lúdico-irônico