Issuu on Google+

1

CARTA ENVIADA A MINISTRA SRª ROSÁRIO CRACOLANDIA INTRODUÇÃO

Sou Pe. Renato Chiera (70 anos), fundador da “Casa do Menor”, localizada na Baixada e com filiais no Rio de Janeiro, Alagoas, Fortaleza e Pacatuba. Há 34 anos estou no Brasil em contato com os excluídos, e há 26 anos trabalhando na problemática e no acolhimento de crianças e adolescentes em situação de risco social, pessoal e de dependência química. Há 1 ano venho freqüentando a Cracolândia de Manguinhos e Jacarezinho com um grupo de voluntários da Casa do Menor e outras entidades da rede. Depois da expulsão dos dependentes de crack destes locais, visito semanalmente com enfermeiras e cabeleleiros, levando alimentos e vestidos, a nova “cracolândia volante”, que se formou na Avenida BRASIL e na entrada da Ilha do Governador. Conheço e admiro a senhora pela sua sensibilidade, desde o aniversário da chacina da Candelária, onde nos conhecemos. Minhas observações não são contra ninguém; são para defender a vida e a dignidade de qualquer ser humano; é uma pequena contribuição de quem conhece de perto esta realidade e aponta caminhos para dar respostas à esta triste realidade das cracolandias e do crack. Eu sou um apaixonado pela vida e um pouco experto em humanidade, devido á minha formação filosófica e á quase 35 anos de baixada fluminense, ao lado dos mais excluídos.


2

CRACK: O GOVERNO DILMA E GOVERNO DO RIO 1- O problema droga, narcotráfico, violência, favelas, crack não é de hoje no Brasil, mas não se tomou iniciativa nenhuma até agora e se fingiu por muito tempo que não existia. 2 - O governo DILMA colocou esta problemática como prioridade e mostra preocupação para esta tragédia e doença do século. Precisa, porém preparo e profissionalismo. 3 O governo do Rio de repente despertou para este problema. Porque? Mostrar uma cidade maravilhosa e segura para eventos importantíssimos e então limpeza étnica e social para isso?Muitas coisas fazem duvidar disso, mas esperamos que não seja assim e que no Rio possa nascer algo que seja referencia para o Brasil, apavorado e impotente perante e difusão capilar do crack, que atinge cidades e interior, crianças e idosos, pobres e ricos. 4 O governo do Rio está de parabéns em querer encarar esta tragédia e epidemia do século, mas não está minimamente preparadas com estruturas de apoio necessárias, pessoas de verdade envolvidas nesta causa. E não pensou numa retaguarda para encarar este enorme desafio. Não se começa uma ação com esta complexidade e dificuldade ,sem programar antes uma metodologia e os passos a serem dados e as estruturas indispensáveis para sua


3

realização. Não se começa uma guerra (contra o crack) sem os soldados e os equipamentos e retaguarda. Se recolhe só, se pode-se acolher.O resto é superficialidade inadmissível e irresponsabilidade. Precisa um dialogo permanente governo-sociedade interessada. Se quiser só fazer propaganda, MAQUIAR A CIDADE MARAVILHOSA EM VISTA DOS GRANDES EVENTOS, JOGANDO O LIXO ABAIXO DO TAPETE, não alcançara resultados e não apontará soluções.

OCUPAÇÃO DAS FAVELAS (UPPs) e INVASÃO DE CRACOLANDIAS: SOLUÇÕES VERDADEIRAS? 5- Em 2010 o governo do Rio começou a invadir favelas (ou... pacificar as favelas!) e com isso melhorou um pouco o problema da segurança publica ou diminuiu a visibilidade das armas dos traficantes, mas aumentou a visibilidade de armas dos policiais, dando a dura sensação de áreas de guerra. A diminuição da violência durará até quando? O aumento da violência em São Paulo e a violência que volta no Complexo do Alemão deveriam ensinar. A violência não resolve a violência. Diminuiu o trafico ostensivo nas favelas, mas não a organização do trafico que migrou em outros lugares, se espalhando pela baixada e pelo Brasil


4

afora, aumentando assustadoramente a violência. O trafico continua ainda, mas em formas mais disfarçadas, nas mesmas favelas, encobertado agora por parte da policia, ou assumido pelos milicianos, homens de guerra, (e não mais pelos nossos adolescentes, pobres, pés de chinelo), que são piores de que os traficantes, sem raízes nestas favelas. Contam com a cobertura da policia e até do governo, que ainda não invadiu nenhuma favela ocupada pelos milicianos.Moradores destas localidades me confiam:” os milicianos e policiais vem de fora, enquanto os traficantes são cria das favelas”. Sabemos que os milicianos estão impondo uma verdadeira máfia e terror com aparência de uma falsa paz e libertação do trafico,agora controlado por eles. E nas favelas” recém –pacificadas”,se respira sim um outro clima, mas se teme e se fala

de entrega oficial do trafico nas mãos de policiais ou ex-policiais .Só

mudaria o dono? 5 Ultimamente o governo do Rio invadiu as cracolandias de Manguinhos e Jacaré, que há mais de um ano, visitávamos: cemitérios de vivos, que esperam a morte e se juntam para superar a solidão, a rejeição, as perdas, o abandono de todos e se consolam queimando pedras.

BEM VINDOS AO INFERNO ”Bem-vindos ao inferno” está escrito na entrada de uma destas cracolandias. Entramos nestes lugares de morte e de desespero para levar esperança, simplesmente ouvindo e partilhando


5

seus sofrimentos e fazer sentir a estas pessoa excluídas, desprezadas, desesperadas, robôs, escravas desta maldita pedra, que elas são amadas e muito por Alguém e por nós e que tem direito a uma vida de seres humanos e que nós estamos à disposição para ajuda-las a sair deste mundo de morte, se conseguirem ainda sonhar algo de melhor. Sem recolhimento compulsório ou presença maciça de guardas e policiais, um bom numero de homens e mulheres já conseguiram sair deste inferno. Quando perguntava se alguém já tinha entrado lá para encontra-los e simplesmente ouvir o sofrimento que os levaram a entrar nesta vida escrava, a resposta era: “não padre. Aqui só entra a policia para dar tiros na gente. Não se vê medico. nem assistência de qualquer tipo. O governo e muita gente lá fora querem mesmo que morramos. O senhor é o primeiro que nos visita. Ninguém, nem da prefeitura, nem da igreja, nos visita para saber o que nos levou aqui e o que precisamos”. Nunca na minha vida vi realidades tão horrorosas e desumanas,piores dos campos de concentração nazistas que já visitei. O que foi agora feito por estes “cracudos”? Foram simplesmente expulsos com aparato de guerra e obrigados a migrar em outros territórios para limpar a área, assim como outrora confinávamos os leprosos em ilhas malditas para não sermos contagiados por eles. Mas o tiro entrou pela culatra...se expulsaram os usuários da cracolandia de Manguinhos, que estavam em praças horrorosas misturados a porcos e ratos e poças de água e lixo,mas estavam juntos e se sentiam familia na desgraça comum ,e agora os mesmos se acamparam na avenida Brasil, á altura de Parque União e na entrada pelo aeroporto , oferecendo um espetáculo terrificante aos olhos de todos .Não se podia dar mais visibilidade a este espetáculo que não é digno de um país, 6 potencia econômica ,que aspira a entrar nos cenários dos grandes do mundo. Quase todo dia ,com participação de policiais e guardas municipais, grupos de profissionais e membros do judiciário e da defesa de crianças e adolescentes (imaginem os custos disso tudo!) e cobertura da TV, se faz recolhimento compulsório de crianças e adolescentes (coisa aplaudida por alguns e condenada por outros) e também de adultos (outra atitude, praticada e agora momentaneamente suspensa, pois muito duvidosa sobre a legalidade e constitucionalidade da mesma), com a intenção de resgata-los e salvá-los da morte. Em formas mais ou menos violentas e respeitosas de seres humanos, são carregados em ônibus e despejados num abrigo superlotado( 500 pessoas?) perto de PACIENCIA, região oeste da periferia do Rio, verdadeiro deposito humano da Prefeitura, apesar da beleza do local, onde comem ,tomam banho, a maioria foge o dia depois, sem antes ter comprado crack ao lado da casa de acolhida onde a


6

boca de fumo de ANTARES agradece por tantos fregueses . Veja as fotos dos jornais e imagens da TV a este respeito. Visite, senhora ministra, estes” locais de recuperação”, modernos campos de concentração. Os mesmos dependentes se revoltam e fogem, mostrando assim de ter ainda certa dignidade e sanidade mental! A estrada é muito melhor.

AS PESSOAS SE ACOLHEM: É O LIXO QUE SE RECOLHE Respeito todos e acredito nas boas intenções, mas repito: é estranho que um governo que quer resolver problemas tão complexos e difíceis, não preparou nada ou quase nada a não ser o aparato militar para expulsão. Pela nossa longa experiência de acolhimento de criança e adolescentes usuários, precisa espaços para acolhimento e recuperação da identidade e reestruturação da pessoa, infraestruturas sanitárias, centros de desintoxicação, comunidades terapêuticas, pessoas com vocação e preparo profissional, capazes de amar e acolher. As pessoas não se recolhem, se acolhem. “É o lixo que se recolhe”!´É estranho depois que estas ações e decisões não tenham sido vistas e partilhadas com a sociedade e segmentos mais sensíveis, preparados e experientes neste campo. O estado é muito orgulhoso e acha de saber e poder tudo. Agora sei que está tramitando em Brasília um projeto de lei para recolhimento


7

compulsório que terá a aprovação de todos ou quase. Nunca nossos deputados se debruçaram para ajudar a encarar problemática tão difícil e complicada e encontrar soluções verdadeiras e agora todos de acordo para recolhimento de qualquer jeito.Temos medo dos nossos filhos que geramos e os demonizamos para nos sentirmos inocentes.

PENA QUE OS ”CRACUDOS” NÃO SÃO CACHORROS! PERGUNTO: o que aconteceria se o Brasil ou o Rio de janeiro tratasse seus cachorros como fazemos com usuários de crack e os recolhesse com aparato policial, usando, semanas passadas, até choques elétricos e spray de pimenta (vi acontecer isso e também me foi relatado por dependentes de crack).?O mundo inteiro,governos e ONU e ONGs de defesa dos animais se levantaria ,denunciando tamanha barbaridade do Brasil.. Pena que os” cracudos” não são cachorros,apenas seres humanos que entraram nas drogas e crack por falta de presença de alguém que os faça sentir filhos amados e lhes dê visibilidade e cidadania


8

CRACOLANDIAS: ESPELHO INCOMODO DE NOSSAS FAMILIAS E SOCIEDADE DOENTE E DROGADA.

Estamos tão desesperados e sem rumo que expulsamos e expulsamos os filhos do Brasil, espelho e resultado de nossas famílias quebradas e de nossa sociedade doente e drogado. Os expulsamos para não ouvir o grito que nos acusa a todos: criminalizamos pessoas que entraram no crack por desespero e que tem plena consciência que este é o caminho da morte e não unimos as forças para juntos procurar, com humildade, caminhos e respostas não fáceis ás necessidades destes excluídos, vitima de grandes traficantes e delinquentes de colarinho branco, que se enriquecem ás custa destas pessoas desesperadas. “O crack é invenção do diabo. Porque gente, já tão rica, quer mais dinheiro com esta pedra maldita que faz de nós robôs e escravos, despidos de toda dignidade, condenados a roubar e nos prostituir para ter esta pedra? Tomara que nossos filhos não entrem nesta desgraça”. Este o clamor que ouvi e ouço de muitos usuários. . Precisamos parar todos e nos interrogar o que esta acontecendo com o nosso pais tão querido e que expulsa seres humanos que, com sua presença incomoda, nos questionam


9

a todos e temos medo dos filhos que geramos, mas não criamos, não amamos e não educamos. PROBLEMA DO CRACK: PROBLEMA DE POLICIA?

Problema do crack não é só problema de policia... É sim no começo problema de segurança, mas é problema de saúde, problema de políticas publicas que visem as famílias dos mais miseráveis, destruídas, incapazes de dar amor; é problema de perdas de valores na sociedade e nas famílias e nas escolas (“estado” laicista’, não leigo, que quer banir a religião com seus valores); é problema de rejeição e falta de amor, de educação e de escola; é problema, no primeiro momento, de desintoxicação, de tratamento e recuperação em comunidades terapêuticas e depois é problema de escolarização, de profissionalização, e de inserção na sociedade e no mercado de trabalho e é problema de moradia. Precisa nisso tudo de pessoas “vocacionadas”, capazes de escutar , acolher e amar


10

Ministram, todos relatam historias terríveis de abandono, de rejeição, de violência subida, de falta de amor, de falta de alguém que os faça sentir filhos, falta de oportunidades, de escolarização, de profissionalização, de trabalho e de moradia.

NÃO É O CRACK QUE MATA, MAS SIM A FALTA DE AMOR e DE OPORTUNIDADES São historias, todas parecidas; só muda o nome. São gritos por presença e amor.Aqui a raiz de tudo.. Vale para pobres e ricos (agora tem também filhos de ricos no crack.). São ricos de dinheiro, mas carentes de amor de pais, que não tem tempo para os filhos, pois devem fazer mais dinheiro para filhos, sempre mais pobres de amor e de presença. “Menino porque você esta aqui?” Minha mãe me abandonou; meu pai é violento; meu padrasto não gosta de mim; usa-me sexualmente; ninguém me quer”.Confesso que é difícil falar com estes meninos que parecem loucos atrás de pedras. Muito mais fácil a abordagem de jovens e adultos que já tiveram tantas perdas,por causa do crack. E você jovem porque esta aqui neste mundo de morte? “Entrei neste mundo deste pequeno, agora estou sem estudo, sem profissão e trabalho. Minha familia não me quer mais; cansou de mim.”


11

E você senhora que poderia ser a avó de todos? 76 anos. “É ,padre ..tinha muitos filhos ..todos me abandonaram..aqui me refugio para não estar sozinha.Eu agora sei até preparar o crack.” E você vovô? 79 anos. “Eu venho aqui para me consolar. Meus filhos me jogaram fora da casa que eu construí.È duro cria-los e depois ser tratado deste jeito.Não tenho mais onde morar” “Padre, o nosso problema é trabalho”, me dizem pais de família. Perdi o emprego na prefeitura e estou aqui. Tenho 3 filhos; entrei aqui por desespero. Agora sou escravo da pedra.” “Eu tinha uma casinha, construída com tanto amor. Agora a policia nos despejou, pois era terreno invadido. Estou sem rumo, desorientado, sem nada, nem os documentos, pois perdi tudo no despejo. Aonde vou?” “Eu tenho 3 filhos, sem marido e sem emprego. O meu problema é este. Não o crack.Isso veio depois”

CRIMINOSOS OU DOENTES, ROUBADOS DE TUDO? OUVIR PARA SABER COMO AJUDAR. O MUNICIPIO DO RIO iniciou este processo antidroga na pior das formas: expulsando com violência e tirando compulsivamente das ruas os usuários ,que, antes de tudo, não são


12

criminosos, mas doentes, excluídos em mil formas, rejeitados, não amados ,fruto e retrato de uma sociedade que gera, mas não cria, não educa e, sobretudo não ama. Os criminaliza e quer eliminar ou expulsar para calar a boca de quem nos acusa e interpela. Expressam

um

sofrimento do qual não são os culpados ; entram nas drogas e crack para preencher carências ,rejeições , abandonos , perdas e para suportar dores infinitas.São violentos porque não amados: a maior violência é não ser filho amado.São vitimas de acumuladas violências familiares e sócias e nós ,com a desculpa de ajuda-los e tira-los do crack,fazemos mais violência ainda.Ao grito por presença e por amor ,que não queremos escutar,respondemos com violência, desprezo e punição e queremos que eles ainda nos agradeçam , pois os salvamos do crack. São eles que devem nos dizer o que precisam para sair do crack. Sem esta percepção e consciência fundamental, não iremos para canto nenhum e não encontraremos soluções. Falei isso ao secretario de assistência social; mas ele olhou para mim com olhar de quase gozação. Agora os resultados comprovam a verdade daquilo que falei. Os usuários sabem da” furada” que é a droga ou o crack e dizem que é uma química do diabo, que os faz robôs ,comandados pela pedra maldita, que os destrói e os reduz a bichos humanos, os escraviza e não os deixa mais sair desta escravidão que se construíram, da qual gostariam em muitos casos sair, mas precisam da ajuda de pessoas que os acolham com amor e não com recolhimento compulsório violento, desrespeitoso de qualquer direito humano. Amaldiçoam que inventou o crack e se perguntam o que faz o governo para conter este horrível comercio ,que não é controlado por pés de chinelo ,mas por grandes do mundo político ,empresarial ,militar e jurídico.Não estamos vendo tanta mobilização e aparato militar e helicópteros e carros armados para conter a entrada das drogas da Bolívia,Paraguai,Columbia.È um problema que atinge todos os segmentos da sociedade . È um trabalho que deve ser multidisciplinar e em rede entre vários ministérios, mas foi entregue apenas ao ministério da saúde (por quê?), que tem uma filosofia muito discutível. Crack não é somente problema de saúde. Precisa rede entre ministérios e secretarías varias, a nível federal,estadual e municipal. Os projetos do governo no alcançam os miseráveis, como me dizia Patrus Ananias. O governo não sabe trabalhar com os mais excluídos.Para isso não é suficiente o dinheiro,precisa amor e empatia e profissionalismo , mas a serviço do amor.Precisa parcerias.O governo hoje está perdido e aceita até parcerias com comunidades terapêuticas de cunho religioso que convoca ,só porque precisa no momento,não porque compartilha metodologia e filosofia.


13

ALGUMAS QUESTÔES: desrespeito aos direitos humanos. Ministra, os direitos destes usuários não são respeitados no recolhimento violento e compulsório, na falta de qualquer assistência sanitária, no uso de armas não letais, na rejeição, ódio, nojo, desprezo que se mostra contra eles. O mais grave porém é que desde sempre,já

no

nascimento, estes usuários não tiveram respeitados os direitos fundamentais,proclamados pela Constituição-ECA ( comida,familia,escola,profissão,trabalho,saúde).Isso continua depois na vida toda e agora estes direitos lhe são negados até no recolhimento. Vi muita policia e guardas e equipes de profissionais. Nunca vi presença de agentes de saúde, se debruçando com amor sobre as feridas nas pernas,nos braços,as doenças de pele .Somos nós que o fazemos e realizamos também mutirões de corte de cabelos e levamos bebida e comida.Eles não bebem e não comem pois o dia e noite toda buscam a pedra e usam tudo que tem para comprar a maldita. Quando nos chegamos correm ao nosso encontro, nos abraçam e se queixam, se não fomos no dia programado. Quando chegam grupos da prefeitura ,eles fogem e jogam pedras. A nós abraçam e fazem festa.Porque será? Vi uma senhora, mãe de 3 filhos, num colchão ao léu, na chuva, com 45 anos, pele e osso. Não pesava mais de que trinta kilos,com AIDS e dependente de crack,moribunda.Todo dia tem visitas de madrugada e de manha cedo por parte da policia etc.. Mas ninguém se preocupou com esta pobre que eu batizei com copos usados pelos cracudos. Fomos nós que a ajudamos a sair daí e a ser internada.Muitos estão com feridas de balas e com problemas pulmonares graves e com gravidez e até a policia e os guardas estão perdidos. Me diziam baixinho:” Nos mandam aqui a fazer o que? Policia não tem como ajudar ;é problema do governo”.Pobre da policia também.Chamados a resolver tudo,apenas levando um revolver! Recolhimento compulsório. Pratica higienista? A internação compulsória de adultos - bem como a de crianças e adolescentes - em situação de rua em suposto uso de drogas no Rio é um retrocesso em diversos campos. A complexidade do tema tem feito com que vários atores da sociedade civil e do poder público se posicionem contra este tipo de ação - sem, no entanto, obter qualquer acolhimento da administração municipal. Estas operações reeditam uma velha prática higienista: o recolhimento compulsório da população em situação de rua - desta vez vinculada ao grande vilão do momento, o crack.Com a promulgação da Lei 10.216/2001, que estabelece um novo paradigma de cuidado em oposição à


14

lógica manicomial, fica instituído que "a internação, em qualquer de suas modalidades, só será indicada quando os recursos extra-hospitalares se mostrarem insuficientes" (artigo 4º), sendo de responsabilidade do município a implementação de tais serviços.As operações em questão, além de tratarem essa população de forma massificada e violenta, consomem recursos públicos que deveriam ser utilizados para financiar os serviços abertos que promovam a autonomia, a cidadania e a inclusão social ,previstos em lei.Assumir a internação compulsória como política pública é reconhecer que o município não investe em serviços especializados. Como pensar em tratamento se não há uma rede? No Rio, para cada 1,2 milhão de habitantes ,existe apenas um Centro de Atenção Psicossocial para usuários de álcool e outras drogas (CAPSad). Em Recife, essa proporção cai para 250 mil habitantes. Os recursos públicos deveriam ser aplicados na abertura de mais CAPS (AD, infantil e 24 horas) e serviços como urgência, emergência e atenção hospitalar; residências terapêuticas; centros de convivência; equipes da Estratégia de Saúde da Família; consultórios de rua e Núcleo de Apoio à Saúde da Família. É preciso ampliar a rede de serviços da assistência social, como os Creas (Centros de Referência Especializada da Assistência Social) e o Centro POP. Investir em habitação, geração de emprego e renda, esporte e lazer para garantir a prevenção. Não se trata de inventar a roda: existem alternativas concretas para o atendimento humanizado e pautado na garantia de direitos da população. O que ainda falta é a abertura de espaços de interlocução do poder público com os diferentes atores sociais - o que se espera de um estado democrático de direito. Ninguém pode ser preso, se não em flagrante delito. Recolhimento compulsório é ilegal veja artigo 5, LXI da Constituição. Ninguém pode ser preso, se não em flagrante delito ou por ordem escrita e fundamentada de autoridade judiciária competente.

A internação involuntária psiquiátrica tem caráter

excepcional. Somente se justificada no caso em que os recursos extra-hospitalares forem esgotados e ainda assim com respeito aos direitos dos usuários .Cabe á profissionais de saúde ver se corre risco de vida. Redigir protocolo, especificando passo a passo da execução desta ação personalizada. Não fazer recolhimento violento , em massa, com ônibus que lembram ações nazistas de tempos que queremos esquecer. TRATAMENTO NÃO È CASTIGO E PUNIÇÂO. Precisamos desmontar a ideia de que tratamento é um castigo e mostrar que é um direito e uma ajuda... Conquistar com amor quem nunca foi amado... Indo nas cracolandias

somos bem recebidos e encontramos

muitos que pedem ajuda para sair... Faltam estruturas de apoio. Procuramos comunidades terapêuticas religiosas que fazem isso, sem ajuda do governo. Recolher

não resolve .

Precisa reintegrar e responder ás necessidades reais de cada usuário. È um trabalho


15

personalizado. Na escuta deles, os mesmos usuários nos apontam soluções: o governo deveria nos colocar todos num estádio e ai ver com cada um qual o motivo que o levou a usar crack e de que precisaria para sair. Ai procura respostas concretas, recuperar laços com familia, trabalho, casa, centros de recuperação. “Quem não quer nada mesmo, deve ser deixado de fora”. É tarefa complexa e que precisa de todos.

OBRIGAR A SE TRATAR? Isso significa não conhecer o processo de recuperação que deve nascer da vontade da pessoa e não por forças externas. Sem a aceitação do sujeito, não começa nenhum processo de recuperação, pois o mesmo precisa de mudanças interiores profundas. Não se cura, usando uma droga (remédios) em substituição de outra (crack). Precisa preencher o vazio e o buraco do coração. Queremos recolhe-los e obriga-los a se tratarem. Mas aonde? Como? Em novos campos de concentração? Somos ridículos. É um grave erro psicológico abordar dependentes químicos com a força e a policia.Desta forma conseguimos preencher as carências que os levaram ao uso das drogas? Nós usamos outros métodos e conseguimos resultados. A prefeitura do Rio expulsou os usuários da cracolandia de Manguinhos e eles fugiram para baixo dos viadutos da entrada para o Aeroporto do Galeão. E parte se espalharam pelo Rio e pela


16

Baixada fluminense. A prefeitura encheu todos os viadutos para impedir aos mesmos de permanecer e teve a genialidade de colocar pedras pontiagudas,para ninguém poder passar e parar. Uma voluntaria da suíça (psicóloga iunghiana) indignada, me disse que este é o sistema usado na África para se defender dos elefantes. Quando criminalizaremos os grandes que estão por trás

do trafico nacional e internacional?Quando pararemos como sociedade e

governo para ver o que esta acontecendo com o Brasil ,que exporta uma imagem de primeiro mundo e de quase 5 economia mundial e não percebe que o consumismo, o hedonismo, a perda de valores, a desagregação da família, a falta de relações verdadeiras, a cultura da morte e do prazer estão na raiz profunda do fenômeno droga, que não é causa, mas consequência...? Queremos fazer como a avestruz, esconder o rosto para não ver... Até quando ficaremos contentes nos

enganando

e enganando

os

outros, pegando,matando,

prendendo ,

expulsando adolescentes sem chinelos e jovens , sem amor e sem futuro .Uma CPI das drogas traria muitas surpresas no mundo político,militar e jurídico!!!Uma CPI sobre o que o governo usa para o social, para o resgate de vidas e o que investe em estruturas faraônicas para dar diversão e alienar o povo,sería interessante. O Rio investirá R$ 270 bilhões, em obras. Só falta dinheiro para resgatar vidas. Trabalho há 27 anos com milhares de excluídos e nos governos anteriores, mais conservadores,

a casa do menor recebia mais ajuda do que agora, com

governos progressistas. Quer-se apagar o nome MENINOS DE RUA. São caçados para limpar a cidade, mas não temos condições de acolhê-los em nossas instituições, pois não temos recursos e as leis, com a nobre ideia da reinserção familiar, de fato muitas vezes condenam estes adolescentes a voltar as ruas, a entrar no narcotráfico que os adota e dá visibilidade e poder, a quem nunca foi ninguém, nas cracolandias, pois lá encontram familia e apoio, a entrar nas unidades socioeducativas – cadeias, verdadeiras universidades do crime, e a morrer com o estigma de bandidos. Um governo não se mede pelo PIB, mas pela atenção que dá aos seus filhos ,sobretudo ás crianças e adolescentes,e pela qualidade de vida. Porque tanto dinheiro para invadir favela e ocupa-las permanentemente e não atacar a causa profunda e a entrada das drogas ?QUEM GANHA COM ISSO?


17

AS MULHERES SÃO AQUELAS QUE MAIS SOFREM NAS CRACOLANDIAS

Levei duas mulheres grávidas na minha casa para ajuda-las a sair do inferno das drogas e oferecer uma alternativa. Relataram-me horrores sobre aquilo que sofrem as meninas e as mulheres, usadas e abusadas por todos, traficantes, “cracudos”, até policia e fregueses que vem de fora. Francisca, que acabava de ser estuprada por três homens armados, se agarra a mim e me suplica de não abandona-la e de tira-la de lá. Me explica, quando chegou na minha casa, que quase todas as meninas são usadas e se prostituem por causa da maldita droga e aceitam qualquer tipo de violência e humilhação. Relata-me também que quase todas estão grávidas e que o crack destaca a placenta e o bebê sai ainda vivo, chora um pouco e depois morre. É colocado num saco plástico e jogado no mangue. “Todas fazem isso, me diz chorando, não tem como fazer. Não tem maternidade. Não tem ninguém ao nosso lado. Não sentimos dores. Graças a Deus, o crack tem isso de bom”!


18

Explica também que muitos filhos de papai da zona sul usam drogas com eles, pagam crack a todos suplicando de não falar nada. Passam carros luxuosos a noite e levam as meninas mais novas ou recém-chegadas. Nós mulheres não somos ninguém. Somos lixo. E me pergunta por que a trato como ser humano, pois ela nunca foi tratada como gente. Com um belo sorriso me comunica que chamará o filho dela de Renatinho, como gratidão por mim. A milícia ultimamente proibiu aos usuários de crack de ficar num espaço arvorado, na entrada para o aeroporto. Todo mundo acata esta ordem e fica agora nas beiras das estradas, no sol de 45º graus ou na chuva. Os traficantes do Parque União nos proibiram de cortar cabelo em frente às lojas e bares, pois ao nosso redor se reúne muita gente e isso não é bom para eles. Vi pessoas com dentes quebrados e com tiros. Segundo esta mulher, Francisca, existe muita violência no meio deles e muita gente morre. Isso não só pela mão da policia, mas por pessoas ligadas ao tráfico. Sendo que quando chega a policia e os guardas para carrega-los, a fuga é geral: agora estas ações se fazem de madrugada, enquanto dormem.

CONCLUSÃO Tratar o uso de drogas como caso de policia é inútil e desastroso. A política de guerra ás drogas está falida. Décadas de esforços imensos, liderados pelos Estados Unidos, não levaram nem á


19

erradicação da produção nem á redução do consumo. Enquanto houver demanda por narcóticos, haverá ofertas. As medidas punitivas por si só não são capazes de reduzir o consumo. Ao invés de insistir em políticas ineficazes, precisa investir, em prevenção, tratamento e reabilitação. Precisa abrir um debate sobre o impacto desastroso da política repressiva, tanto sobre a saúde das pessoas, quanto a segurança do cidadão E confrontar experiências. Não faz sentido por na prisão pessoas que usam drogas, mas não cometem crimes contra terceiros. Podem causar danos á si mesmo e ás suas famílias, mas fecha-los em cadeias superlotadas não os ajuda a se livrarem da dependência. Dependente de drogas não são criminosos a encarcerar e recolher e sim pacientes a tratar. O poder repressivo do estado e a pressão da sociedade devem se concentrar na luta contra os grandes narcotraficantes sobre tudo os mais violentos e corruptos, e não em perseguir jovens

doentes .Qual a melhor maneira de enfrentar as drogas?

Criminalizando ou tratando os dependentes no sistema de saúde e na regeneração interior, ajudando a superar as causas que os levaram as drogas? Não é suficiente trabalhar as consequências, precisa chegar as causas profundas que levam ás drogas .A internação compulsória é condenada internacionalmente como ineficiente, estigmatizadora e que viola os direitos humanos.É preciso ousadia e criatividade para explorar novas soluções. O Brasil se atrasou neste debate em relação à Colômbia e México. Há que se acertar o passo e rápido, com um debate sério e rigoroso, governo-sociedade, que permita em todos os países encontrar os caminhos adequados.Ainda temos esperança.


Cracolândia: carta a Ministra