__MAIN_TEXT__

Page 1


6 Entrevista Alberto Pessina 12 Mercado 18 Matéria Técnica: Seleção Genética 24 Parceria CRV Lagoa 28 Reprodutores da Casa Branca 30 CABR Mussambe: Campeão Mundial 32 Queen Ayda FWM: Campeã Égua dos EUA 36 Raças: Pista e Avaliação Genética 42 Raças: Eduardo Moreira Caio 48 Raças: Dr. Aloysio Faria

índice

66 Leilão Anual Casa Branca 2017

Editorial 4 Interview Alberto Pessina 10 Brazilian Meat Market 16 Technical Story: Genetic Improvement 22 Partnership with CRV Group 26 Casa Branca Bulls 28 CABR Mussambe: Champion of the World 34 Queen Ayda FWM: US Champion Arabian Mare 35 Breeds: Show and Genetic Avaliation 40 Breeds: Eduardo Moreira Caio 46 Breeds: Dr. Aloysio Faria 60 Casa Branca 2017 Annual Sale 70

72 Agenda: Venda Direta de Outono

Autumn Farm Sale 73

74 Eventos: Exposição de Avaré 2017

2017 Avaré Show 76

78 Eventos: Simpósio UFLA e Intercorte 80 Leilão Brahman Embryo Select 82 Notícias: Nova diretoria da ACBB

2017 UFLA Technical Symposium and Intercorte 80 2018 Brahman Embryo Select Salew 80 New Board of Directors ACBB 82

index

5 Editorial

CASA BRANCA PRESS Ano 13 – Número 19 – Março de 2018 EXPEDIENTE

Diretores: Paulo de Castro Marques Paulo Wickbold Marques Fabiana Marques Borrelli Marketing e Comunicação: Eliane Slucki Jornalista Responsável: Altair Albuquerque (MTb 17.291) Reportagens: Texto Comunicação Corporativa e Rogério Santos (Cavalos) Fotos: Arquivo Casa Branca, Texto, JM Matos, Rogério Santos, Monique Mendes , Fábio Fatori,

Sebastião Victor Antunes, Rubens Ferreira, Naudir Toledo Produção: BReeder Editora Fotos Capa: Banco de imagens da Casa Branca Casa Branca Press é o órgão oficial de comunicação da Casa Branca Agropastoril Correspondência: Rua das Olimpíadas, 242 - 3º andar - Vila Olímpia - São Paulo (SP) - CEP 04551-000 Telefone: (55 11) 3573-6219 e-mail: casabranca@casabrancaagropastoril.com.br

Casa Branca Press

3


is paramount

4

Casa Branca Press

O bom MANEJO

editorial

editorial

Sound MANAGEMENT

é fundamental

Cattle farms face a tireless daily challenge to seek productivity and efficiency. We obviously want and need to produce more

A busca incansável por produtividade e eficiência faz parte do dia dia das fazendas pecuárias. Claro, queremos – e precisamos –

and better, in order to attain higher performance levels, which mean higher profits and more valuable animals (in terms of genetics). An Agroconsult study shows that there are approximately 1.3 million beef cattle farmers in Brazil. About 1 million of them do not use new technologies, so they work with a productivity rate of under 9 arrobas per hectare/year. Around 250,000 farmers sporadically use new technologies and produce up to 18 arrobas/ha/year. Only 50,000 are productivity leaders because they frequently use new technologies available: investing in top genetics and nutritional solutions, complying with all sanitation protocols, implementing professional management, and valuing their staff. The outcome is spectacular results, worthy of the most advanced cattle farms in the world. This survey proves that productivity doesn’t happen by chance. Cattle farmers must be committed to innovation. They also need to make investments. But there’s an essential ingredient to be added if they want to attain high production and reproduction rates on their farms: efficient management. In other words, they won’t reach the desired levels if they aren’t concerned with the basics, no matter how much quality technology is available. Professional technical assistance has never been more important for guiding which paths to follow. Choosing reliable partnerships has never been more relevant. Mating sensitivity has never been more necessary, just as rigorously measuring indicators, closely tracking development, researching, pursuing solutions, exchanging ideas, and assessing the reasons why a neighboring farm gets better results. Livestock is one of the animal production activities most needing to evolve in order to improve productivity. The technologies are available, but you have to pay attention to detail. Always. Otherwise, you run the risk of investing heavily, but failing to obtain expected performance levels. That leads to disappointment and invariably, a search for culprits. But you may actually be the problem, and as project leader you must manage the team and ensure that all of the project’s segments are well managed – and closely monitored. Enjoy your reading!

produzir mais e melhor, para alcançar níveis de desempenho diferenciados e, assim, obter mais lucro e ter animais (no caso de genética) mais valorizados. Estudo da consultoria Agroconsult mostra que há no Brasil cerca de 1,3 milhão de pecuaristas de corte. Destes, cerca de 1 milhão não utilizam tecnologias e, dessa forma, trabalham com menos de 9 arrobas por hectare/ano de produtividade. Cerca de 250 mil produtores utilizam tecnologias, mas não regularmente, e produzem até 18 @/ha/ano. Apenas 50 mil pecuaristas são líderes em produtividade porque usam frequentemente as novas tecnologias disponíveis: investem na melhor genética, nas melhores soluções nutricionais, cumprem todos os protocolos sanitários, têm gestão profissional e valorizam as equipes. Com isso, atingem resultados espetaculares, dignos das mais avançadas pecuárias do mundo. Esse levantamento comprova que a produtividade não ocorre por acaso. Os pecuaristas precisam estar decididos a inovar. É preciso fazer investimentos. Mas também é essencial incluir um ingrediente adicional para chegar a elevados índices produtivos e reprodutivos nas fazendas: o manejo eficiente. Em outras palavras, por mais tecnologia de qualidade que esteja disponível não chegaremos ao nível desejado se não houver preocupação com o básico. Nunca a assistência técnica de profissionais foi mais importante para orientação dos caminhos a seguir. Nunca a escolha de parceiros confiáveis foi mais relevante. Nunca a sensibilidade para acasalar foi tão necessária, assim como medir os indicadores com rigor, acompanhar o desenvolvimento de perto, pesquisar, buscar soluções, trocar ideias, avaliar os motivos de a fazenda do vizinho apresentar resultados interessantes. Entre as atividades de produção animal, a pecuária é uma das que mais precisam evoluir para melhorar a produtividade. As tecnologias estão disponíveis, porém é preciso ter atenção aos detalhes. Sempre. Sem isso, corre-se o risco de investir pesado e não chegar aos níveis de desempenho esperados. Aí virá a desilusão e, invariavelmente, a busca por culpados. Mas o responsável pode ter sido você, que é o líder do projeto e, como tal, precisa gerenciar a equipe e cuidar para que todos os segmentos do negócio estejam bem administrados – e acompanhados de perto. Abraço e boa leitura.

Paulo de Castro Marques

Paulo de Castro Marques

Owner of Casa Branca Agropastoril

Proprietário da Casa Branca Agropastoril

Casa Branca Press

5


ALBERTO PESSINA

entrevista

entrevista

2

017 não deixará muitas saudades para a cadeia da carne bovina. A atividade passou por momentos tensos no ano, devido a fatores econômicos e também a ocorrências fora do universo da produção. A boa

notícia é que o cenário está “menos nebuloso” e há boas perspectivas para 2018, confia Alberto Pessina, Presidente da Associação Nacional de Pecuária Intensiva (Assocon). Para o dirigente, que também é pecuarista e é impactado pelo sobe-e-desce do mercado, mais do que nunca é preciso dispor das modernas tecnologias disponíveis em genética, nutrição, sanidade e gestão para vencer as adversidades. Em entrevista exclusiva para a revista Casa Branca Press, Alberto Pessina fala também de custo de produção, desempenho das exportações (“grata novidade em 2017”) e da recuperação do mercado interno, que pode contribuir para o fortalecimento das bases de preços do boi gordo nos próximos meses.

Aumento da

produtividade é fator-chave para sucesso da cadeia da carne

Insumos estáveis, exportação em alta e recuperação da demanda interna devem contribuir para o bom desempenho da atividade em 2018 6

Casa Branca Press

Casa Branca Press – Que lições 2017 deixa para a cadeia da carne bovina, considerando que houve turbulências normais de mercado mas também ocorrências fora da produção? Alberto Pessina – Sem dúvida, foi um ano complexo. No seu início, o cenário econômico era o que mais preocupava, pois o Brasil vinha de dois anos de desaceleração econômica, com recuo de cerca de 8% do PIB. É uma queda e tanto. Porém, também havia fatores positivos, como a expectativa de boa safra de grãos. Preços baixos para milho e soja soam como música para os pecuaristas que investem em terminação intensiva. De fato, podemos dizer que os insumos se comportaram bem durante o período, não sendo o centro das preocupações dos produtores. Casa Branca Press – E em que fatores estavam a preocupação dos pecuaristas? Alberto Pessina – No imponderável. Além de economia fraca, o que segura a demanda interna, o primeiro semestre de 2017 foi marcado pela operação Carne Fraca (março), polêmica do Funrural (ainda

indefinida) e delações envolvendo o maior frigorífico do país. Para um mercado tão sensível quando o do boi gordo, esse tipo de ocorrência é uma tragédia. E isso se confirmou com queda dos preços no final do 1º semestre. Felizmente, as cotações foram aos poucos se recuperando, porém ainda não nos níveis pré-Carne Fraca. O fato é que como houve redução dos abates – e, portanto, da compra de gado – em algumas regiões, a indústria teve muito mais vantagem na negociação com os produtores. Redução de abates e aumento de oferta é a combinação perfeita para a queda dos preços. Casa Branca Press – Não fosse a estabilidade nos custos de insumos e a situação seria ainda pior? Alberto Pessina – Sem dúvida. Porém, a queda de preços de um lado e o poder de negociação das indústrias de outro levaram a um inesperado e bem-vindo aumento das exportações de carne bovina. A partir de junho, os volumes e receita começaram a subir. Em setembro, por exemplo, o resultado foi 17% superior em toneladas do que no mesmo mês de 2016. O faturamento do ano ficou perto de 10% de alta, o que é uma notícia excelente para toda a cadeia produtiva.

Casa Branca Press

7


entrevista

“...é preciso investir em novas tecnologias para ganhar escala, reduzir o tempo de abate e terminar o gado melhor. A genética, a nutrição, a sanidade e a gestão progrediram e progridem muito. Há muita inovação à disposição dos pecuaristas“.

OXCELL SUPLEMENTO NUTRICIONAL INDICADO PARA CÃES E GATOS QUE SE BENEFICIEM DO APORTE DESSES NUTRIENTES

Casa Branca Press – E quanto ao início de 2018. Qual sua expectativa? Alberto Pessina – Sou mais otimista. Aparentemente não haverá redução significativa de oferta de grãos, especialmente o milho, as exportações devem manter o ritmo de crescimento e há boa expectativa quando à recuperação do mercado interno, processo que ocorre mais lentamente mas é gradativo. O brasileiro é apaixonado por carne bovina, teve de reduzir o consumo momentaneamente, mas voltará a comprar como sempre fez. Casa Branca Press – Isso significa que os preços do boi gordo devem ser mais firmes? Alberto Pessina – Não necessariamente. A combinação de fatores é positiva, mas também temos de analisar que a oferta de gado deve crescer, inclusive motivada pelo maior abate de fêmeas. Na verdade, tudo dependerá da velocidade de recuperação da demanda interna. Se esse processo for mais rápido, os preços do boi devem favorecer mais os pecuaristas. Casa Branca Press – Qual a saída para os pecuaristas se blindarem contra esses altos e baixos da atividade? Alberto Pessina – Em uma palavra, eu diria que o aumento de produtividade é essencial para a sobrevivência dos pecuaristas. Se a fazenda não der lucro, o custo da terra pressiona as despesas totais, o que pode levar ao arrendamento para outras atividades, como grãos, ou até a venda. Os produtores precisam ter isso muito claro. Não dá mais para trabalhar no vermelho. É preciso ter

8

Casa Branca Press

lucro. Para isso, sem dúvida nenhuma é preciso investir em novas tecnologias para ganhar escala, reduzir o tempo de abate e terminar o gado melhor. A genética, a nutrição, a sanidade e a gestão progrediram e progridem muito. Há muita inovação à disposição dos pecuaristas. Veja os programas de melhoramento genético, como o da Casa Branca. Há ganhos de produtividade em todas as safras, com reprodutores melhores, que repassam mais precocidade sexual e de terminação, ganho de peso, funcionalidade. Os Estados Unidos têm metade do rebanho brasileiro e produzem 1/3 a mais do que nós porque têm alta produtividade. Casa Branca Press – O que a Assocon está fazendo para levar essa mensagem da produtividade aos pecuaristas? Alberto Pessina – Estamos trabalhando em várias frentes para proporcionar melhores condições de trabalho não apenas para os pecuaristas, mas também para todos os demais agentes da cadeia da carne bovina. Temos um programa de qualidade de carcaças, participamos de grupos de trabalho com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) para definição da tipificação de carcaças. A própria questão da pesagem do gado nas fazendas para tornar a relação produtor/indústria mais transparente. Temos um projeto de treinamento de mão de obra das propriedades. Também trabalhamos para trazer ao país novas tecnologias em termos de pastagens, saúde, melhoria de desempenho. Todos esses projetos objetivam apoiar a cadeia para aumento da produção por área.

ORIGEM DA MATÉRIA-PRIMA ÓLEO DE PEIXES MARINHOS DE ÁGUAS FRIAS ELEVADA PUREZA E SEGURANÇA

SEM ANTIOXIDANTES

EPA:DHA - 1:5

O! T N

ME

LA

A NÇ

MODO DE USAR OXCELL 500 1 cápsula/8 kg de peso corporal por dia OXCELL 1000 1 cápsula/16 kg de peso corporal por dia

Casa Branca Press

9


inter view

ALBERTO PESSINA

Increasing

PRODUCTIVITY

is a key factor for a successful beef chain Stable inputs, increasing exports and recovering internal demand should contribute to strong performance for the sector in 2018.

T

he beef chain won’t miss 2017. Economic factors and occurrences outside the production realm caused tension for the activity during the year. The good news is that the situation is looking up and prospects are good for 2018, assu-

res Alberto Pessina, president of Assocon (Brazilian Association of Cattle Feeders). According to the head, who is a cattle farmer himself and also impacted by the market’s ups and downs, the use of modern technologies available in genetics, nutrition, health and management is more necessary than ever to overcome adversities. In an exclusive interview with Casa Branca Press magazine, Alberto Pessina also discusses production costs, export performance (“thankful news in 2017”) and domestic market recovery, which can help strengthen the fat cattle price bases in the coming months.

10 Casa Branca Press

Casa Branca Press - And what factors were the cattle farmers concerned about? Alberto Pessina - The imponderable ones. In addition to the weak economy, which secures internal demand, the first half of 2017 was marked by operation Weak Meat (March), the Funrural controversy (still undefined) and accusations involving the country’s largest meat packing company. For a market as sensitive as the fat cattle market, this type of event is tragic. Falling prices at the end of the first half of the year confirmed this fact. Fortunately, prices gradually recovered, but remain below pre-Weak Meat levels. The fact of the matter is that since slaughter numbers fell in some regions – and cattle purchases as a result – the industry held much more leverage when negotiating with producers. Reduced slaughter numbers and increased supply form the perfect combination for a drop in prices. Casa Branca Press - If it weren’t for stable input costs, would the situation be even worse? Alberto Pessina - Without a doubt. However, falling prices on the one hand and the industries’ bargaining power on the other led to an unexpected and welcome increase in beef exports. Volume and revenue began to rise as of June. In September, for example, the result was 17% higher in tons than the same month in 2016. The year’s revenue is close to 10% higher, which is excellent news for the entire productivity chain. Casa Branca Press - And the beginning of 2018. What are your expectations? Alberto Pessina - I’m more optimistic. Apparently, there will not be a significant reduction in the supply of grains, especially corn, exports should maintain their growth rate and there are positive expectations regarding recovery of the domestic market, a process

that occurs more slowly and is gradual. Brazilians love red meat, had to momentarily reduce consumption, but will buy again just like they always did. Casa Branca Press - Does that mean that fat cattle prices should be more firm? Alberto Pessina - Not necessarily. The combination of factors is positive, but we also have to consider that the cattle supply should grow, also motivated by increased female slaughter numbers. Everything will actually depend on the recovery speed of the internal demand. If this process is quicker, cattle prices should favor cattle farmers more. Casa Branca Press - How can cattle farmers protect themselves from this market’s ups and downs? Alberto Pessina - In a word, I’d say that increased productivity is essential for cattle farmers to survive. If the farm isn’t making profits, the cost of land pressures the total expenses, which could lead to leasing for other activities, such as grains, until sale. This needs to be very clear for producers. We can’t work in the red anymore. It has to make a profit. To that end, there is an undoubtable need to invest in new technologies to gain scale, reduce slaughter time and finish better cattle. Genetics, nutrition, health and management progressed and continue to progress significantly. A lot of innovation is available for cattle farmers, such as genetic improvement programs like Casa Branca. There are productivity gains throughout the crops, with better sires, which pass along more sexual precocity and in termination, weight gain, functionality. The United States has half of the Brazilian herd and produce 1/3 more than us due to high productivity. Casa Branca Press - What is Assocon doing to convey this productivity message to the cattle farmers? Alberto Pessina - We are working on several fronts to provide better working conditions not only for cattle farmers, but also for everyone else in the beef chain. We have a carcass quality program and we participate in working groups with the Ministry of Agriculture, Livestock and Food Supply (MAPA) to define carcass typification. The issue itself of weighing cattle on the farms to make the producer/industry relationship more transparent. We have a labor training project for the properties. We also work to bring new technologies to the country in terms of pastures, health, and performance improvement. All of these projects intend to support the chain to increase production by area.

Casa Branca Press 11

inter view

Casa Branca Press - What lessons did 2017 teach the beef chain, considering the normal market turbulence that occurred, as well as the events outside production? Alberto Pessina - It was undoubtedly a complex year. The economic scenario caused the most concern at the beginning of the year, since Brazil’s economy was already on a two-year downward trend, with a drop of approximately 8% in the GDP. That’s a big deal. However, there were also positive factors, such as the prospect of a good grain crop. Low corn and soy prices are music to the cattle farmer’s ears who invests in intensive termination. In fact, we can say that inputs behaved well during the period, and were not the focus of producers’ concerns.


mercado

mercado

Exportações crescem

e desafogam mercado interno

Foto: Arnaldo Alves / ANPr / Fotos Públicas

A

Operação Carne Fraca, deflagrada em março, prejudicou bastante as exportações brasileira de carne bovina no 1º semestre de 2017. Vários mercados reduziram as compras, em que pese o trabalho rápido do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) de esclarecimento aos parceiros comerciais de que a situação era pontual. A estratégia do MAPA começou a dar resultados no final da primeira metade do ano. Com preços mais atrativos, as indústrias brasileiras conseguiram recuperar e até ampliar mercados. Com isso, o desempenho de 2017 apresentou bom crescimento em relação a 2016. Segundo dados da ABIEC, entidade que reúne as indústrias exportadoras, no ano passado o país exportou 1,53 milhão de toneladas, 9% a mais do que no ano anterior (1,35 milhão/t). Em receita, porém, o crescimento atingiu 13%, alcançando US$ 6,2 bilhões: crescimento de US$ 800 milhões em relação a 2016. A julgar pela exportação no início de 2018, o ano promete um consistente crescimento em volume e em receita, estima a ABIEC. Em janeiro, o Brasil embarcou 14% a mais em volume e 22,8% a mais em receita em comparação com igual mês de 2017. As perspectivas são positivas, inclusive porque dois grandes importadores de carne bovina (Malásia e Indonésia) já confirmaram o envio de missões técnicas ao Brasil para auditar plantas para compra da nossa carne.

>>>

12 Casa Branca Press

Casa Branca Press 13


O

aumento das exportações – considerável em volume e em receita – e o recuo da produção de carne bovina no país contribuíram para segurar os preços do boi gordo em vários momentos em 2017. O mesmo pode ser dito em relação ao consumo interno. As consultorias especializadas não chegaram a um acordo sobre o efetivo nível da demanda por habitante no país neste ano. O brasileiro já consumiu 40 kg de carne bovina, quatro anos atrás. Porém, o índice foi caindo e estima-se que atualmente o consumo per capita esteja na faixa dos 37 kg, uma vez que as exportações atingiram 1,53 milhão de toneladas e a produção total ficará na faixa dos 9,5 milhões/t. A boa notícia é que esse movimento de alta do consumo volte a ocorrer em 2018, a partir da recuperação – mesmo que lenta – do emprego e do crescimento econômico de maneira geral. A expectativa otimista é que a economia avance até 3% neste ano e o consumo per capita de carne bovina cresa pelo menos 2 kg/hab/ano.

Exportações de carne bovina em alta

Insumos estáveis favorecem confinamento de bovinos

Recuperação dos preços do boi gordo no ano

aumento de cerca de 50% da safra de milho colhida em 2017 (mais de 106 milhões de toneladas) contribuiu, e muito, para segurar os custos do confinamento. Com isso, os pecuaristas que investem na técnica se motivaram e, confiantes na recuperação dos preços do boi gordo no segundo semestre do ano, voltaram a investir. Segundo dados da Associação Nacional da Pecuária Intensiva (Assocon), em 2016 foram confinados cerca de 3,4 milhões de bovinos. Em 2017, o número voltou a atingir 4 milhões de cabeças. O semi confinamento não está nessa estatística, o que pode elevar a previsão de terminação intensiva para mais de 5 milhões de animais – cerca de 12% do total de animais abatidos no ano. De fato, o milho foi a grande surpresa positiva de 2017 – sob o ponto de vista dos compradores, claro. O grão iniciou o ano cotado a R$ 38,51/sc, de acordo com o indicador BM&F/CEPEA. Em meados de julho, período em que os confinadores estavam definindo a compra de bois magros, o milho estava em R$ 26,77/sc: recuo de 30,5% desde o início do ano. A partir desse momento, a cotação voltou a subir, porém lentamente. Em 28 de dezembro, o grão era cotado a R$ 33,77/sc, ainda 11,5% mais barato do que no mesmo período de 2016. Para esse ano, as expectativas de produção apontam recuo de 5% na safra. Porém, analistas não acreditam que esse ligeiro recuo seja suficiente para pressionar os preços do grão.

s números do indicador BM&F/ CEPEA mostram claramente o sobe-e-desce das cotações do boi gordo em 2017. A arroba começou o ano cotada a R$ 148,93 (base São Paulo). No final de junho, estava em R$ 126,56: queda de 15% desde o início do ano. No final de dezembro, já em movimento altista, atingiu R$ 146,00, que representa 15,3% a mais do que em junho, somente 2% abaixo da cotação na primeira semana de 2017. O cenário se mantém neste início de ano e, a julgar pela expectativa dos especialistas, deve prosseguir sem grandes mudanças. Segundo o CEPEA, o boi gordo fechou fevereiro com a arroba cotada aos mesmos R$ 146,00 de dezembro. Não é a melhor das notícias, mas demonstra firmeza dos preços na primeira parte do ano.

O

O

Evolução dos preços do boi gordo 2016 x 2017 (em R$)

mercado

mercado

Expectativa de ecuperação do consumo interno de carne

Fonte: Indicador BM&F/CEPEA

+ 13%

+ 9%

Fonte: ABIEC 14 Casa Branca Press

Casa Branca Press 15


O

peration Weak Meat began in March and significantly undermined Brazilian beef exports in the first half of the year. Several markets reduced purchases, despite the quick work of the Ministry of Agriculture, Livestock and Food Supply (MAPA) in providing clarification to trade partners that the situation was specific. MAPA’s strategy began to show results at the end of the first half of the year. With more attractive prices, Brazilian industries managed to recover and even expand markets. The result was significant performance growth in 2017, when compared to 2016. According to ABIEC data, the body that brings export industries together, the country exported 1.53 million tons last year, 9% more than the previous year (1.35 million/t). Revenue growth, however, reached 13%, totaling USD 6.2 billion: USD 800 million growth when compared to 2016. Judging by exports at the beginning of 2018, ABIEC estimates consistent growth in volume and revenue for the year. Brazil loaded 14% more volume in January and 22.8% more revenue, compared to the same month in 2017. The prospects are positive, especially because two major beef importers (Malaysia and Indonesia) already confirmed sending technical missions to Brazil to audit plants for purchasing our beef. Beef exports on the rise

and ease the domestic market

Expected recovery of domestic beef consumption

Stable inputs favor confinement

Recovery of fat cattle prices in the year

Increased exports – considerable in volume and in revenue – and the drop in the country’s beef production contributed to securing fat cattle prices several times in 2017. The same can be said for domestic consumption. Consultant specialists haven’t come to an agreement on the effective demand level per habitant in the country this year. Four years ago, Brazilians consumed 40 kg of beef. However, the rate kept falling and current estimates put per capita consumption at around 37 kg, since exports reached 1.53 million tons and total production will be about 9.5 million/t. The good news is that this low consumption trend will begin to rise again in 2018, as of the recovery of the job market – although slow – and economic growth in general. Optimistic expectations place economic growth at 3% this year and per capita beef consumption growth at 2 kg/inhabitant/year.

An increase of approximately 50% of the corn crop harvested in 2017 (more than 106 million tons) significantly contributed to securing confinement costs. As a result, cattle farmers who invest in the technique were inspired and began investing again, confident in the recovery of fat cattle prices in the second half of the year. Approximately 3.4 million cattle were confined in 2016 according to data from the Brazilian Association of Cattle Feeders (Assocon). In 2017, the number reached 4 million heads of cattle. This statistic does not include semi-confinement, which can raise the intensive termination forecast to more than 5 million animals – approximately 12% of the total animals slaughtered in the year. Corn was the major positive surprise in 2017 – from the buyers’ point of view, of course. According to the BM&F/CEPEA indicator, the grain began the year at BRL 38.51/sc. By mid-July, when confiners were defining feeder cattle purchases, corn was BRL 26.77/sc: a 30.5% drop from the beginning of the year. The price began to rise as of that time, but slowly. On December 28, the grain was priced at BRL 33.77/ sc, still 11.5% less expensive than the same period in 2016. Production forecasts for this year indicate a 5% decline in the harvest. However, analysts don’t believe that this slight regression will be sufficient to pressure the grain prices.

The BM&F/CEPEA indicator figures clearly show the price oscillations for fat cattle in 2017. The arroba began the year at BRL 148.93 (São Paulo base). It fell 15% by the end of June to BRL 126.56. Already on the rise again by the end of December, it reached BRL 146.00, which represents 15.3% more than June, only 2% lower than the prices for the first week of 2017. The scenario remains at the beginning of this year and should continue without any significant changes, judging by expert forecasts. According to CEPEA, the arroba price for fat cattle at the end of February was the same BRL 146.00 as December. It’s not the best news, but demonstrates steady prices in the first part of the year.

Evolution of fat cattle 2016 to 2017 (in BRL)

+ 13% + 9%

Source: BM&F/CEPEA Indicator Source: ABIEC

16 Casa Branca Press

Casa Branca Press 17

market

market

Exports grow


Intenso uso de

matéria técnica

matéria técnica

TECNOLOGIA

para seleção genética

Casa Branca não mede esforços para colocar a melhor genética Angus, Brahman e Simental à disposição dos pecuaristas.

A

Profa. Sarah Meirelles (UFLA): coordenadora da Prova de Ganho de Peso de tourinhos da Casa Branca

melhor genética vinda de várias

Esse investimento começa na aquisição de genética. A

Brahman. As provas compreendem uma completa avaliação

As características Frequência Respiratória, Temperatura

partes do mundo, mensuração

Casa Branca busca as melhores linhagens do Angus, Brah-

individual dos touros jovens. Os resultados são utilizados

do Pelame, Temperatura Retal e Comprimento dos Pelos são

exaustiva dos indicadores, dados

man e Simental nos melhores selecionadores do mundo nos

como fonte de informação para a identificação e seleção de

avaliadas para conhecer a adaptabilidade dos animais das

detalhados, comprovação científica

Estados Unidos, Canadá, Estados Unidos, África do Sul,

bovinos para características de desempenho, carcaça, mor-

raças Angus e Simental.

Argentina e, no caso do Angus, sul do Brasil.

fologia e adaptabilidade (esta, somente avaliada nas raças

(genômica), profissionais experientes. E não para por aí. A Casa Branca Agropastoril

Essa excepcional base genética já seria, por si, exemplo

utiliza todas as ferramentas tecnológicas

de alta qualidade. Porém, o objetivo da Casa Branca é ir além.

disponíveis para a melhor e mais rígida

Em sua história, firmou parcerias com criadores líderes para

seleção de reprodutores (machos e fêmeas)

a importação de embriões, nascimento dos animais aqui e

Angus, Brahman e Simental.

sua adaptação às condições tropicais.

Angus e Simental). As provas são compostas por duas fases: Fase inicial de adaptação (56 dias) e Prova propriamente dita (112 dias).

Todo esse conjunto de características é incluído em um Índice Final Casa Branca, no qual os animais são ranqueados e classificados em categorias. Há um ano, a UFLA iniciou a emissão de certificados

A UFLA avalia as características de importância econômi-

para os touros classificados como Elite nas provas. Dessa

ca relacionadas ao desempenho, como ganho de peso diário e

forma, a Prova de Desempenho da Casa Branca torna-se

“Nossos processos são não superficiais.

Para o correto acasalamento e processo de fecundação

peso final. A avaliação de carcaça contempla as características

uma importante ferramenta para avaliar várias característi-

Vamos a fundo, muito fundo, para chegar

in vitro, a Casa Branca montou um moderno laboratório de

de Área de Olho de Lombo, Espessura de Gordura Subcutânea,

cas de importância econômica dos reprodutores, dando aos

nos detalhes que fazem a diferença e são

reprodução, a cargo do dr. Pedro Ribeiro.

Espessura de Gordura na Picanha e Porcentagem de Gordura

compradores a certeza de estarem levando genética de alta

responsáveis pelo melhor desempenho, pela

Paralelamente, a fazenda firmou parceria com a Universi-

Intramuscular. Essas caraterísticas são avaliadas pelo prof.

qualidade para suas fazendas e animais funcionais e prontos

maior funcionalidade. Com isso, temos mais

dade Federal de Lavras (UFLA) para coordenação das Provas

Dr. Jaime Tarouco, da Universidade Federal do Rio Grande

para o trabalho a campo.

confiança para oferecer animais realmente

de Ganho de Peso. Esse trabalho está a cargo da profa. Sarah

do Sul (UFRGS), no final das provas.

melhoradores e indicados para as mais di-

Meirelles e foi iniciado em 2012.

ferentes regiões do país”, explica o criador Paulo de Castro Marques.

18 Casa Branca Press

Fernando Garcia (AgroPartners): responsável pelo programa de Genômica da Casa Branca

Esse trabalho começou com as raças Angus e Simental e, a partir de 2015, envolve também a avaliação de touros

Em 2016, a Casa Branca deu mais um passo importante no

Com a finalidade de avaliar as características morfoló-

seu programa de melhoramento genético, sempre tendo como

gicas, são incluídas nas provas as avaliações visuais para

objetivo intensificar ainda mais a seleção das raças Angus,

Equilíbrio, Raça, Aprumos, Reprodução e Musculosidade.

Brahman e Simental: seu programa próprio de Genômica.

Casa Branca Press 19


matéria técnica

matéria técnica

A ADIÇÃO GÊNICA ESTÁ CHEGANDO. SAIBA COMO FUNCIONA

Dr. Pedro Ribeiro, responsável pelo laboratório de reprodução, e Heitor Pinheiro Machado, gerente de pecuária da Casa Branca Agropastoril. À direita, Eliane Slucki, responsável pelo Marketing da propriedade

A primeira etapa consiste na análise do DNA de

SNP chip, que investiga simultaneamente 150.000 varia-

todos os animais da propriedade. Na raça Brahman,

ções (“Snips”) do genoma de cada animal. Isso permite

o objetivo inicial é trabalhar a velocidade de ganho

aos cientistas associar o tipo de SNP com o fenótipo

de peso. No Angus e no Simental, o desafio está na

(característica) do animal e gerar as marcas para seleção

resistência ao carrapato.

para várias características.

“A genômica permite avançar, e muito, na

Dessa forma, todos os animais produzidos e comer-

seleção para resistência ao carrapato”, explica o

cializados pela Casa Branca passam a ter certificado

prof. José Fernando Garcia, da AgroPartners e

genômico que atesta sua resposta ao desafio tropical, per-

Unesp Araçatuba, coordenador do Programa de

mitindo seu uso com ainda maior segurança em regiões

Genômica da Casa Branca. “E é isso que estamos

do Brasil e do mundo onde esse desafio é mais intenso.

fazendo. Primeiro fazemos a contagem para identi-

Ou seja, o que se vem fazendo por décadas, agora passa

ficar os animais mais ou menos susceptíveis. Com

a ter maior precisão na Casa Branca.

a genômica, é possível associar as combinações na

A Casa Branca avança agora em outra frente no traba-

sequência do DNA dos animais com a manifestação

lho de seleção: taxa de conversão alimentar – algo muito

da resistência ao carrapato, permitindo encontrar

comum na avicultura, por exemplo, entendida como o

‘marcas’ no genoma que podem ser seguidas e

percentual de alimentos necessário para converter em

utilizadas para guiar os acasalamentos e promover

1 kg de carne. Para esse trabalho, a fazenda conta com

o nascimento de maior número de animais reconhe-

a experiência da central de genética CRV Lagoa, que

cidamente resistentes à infestação pelo carrapato”,

avalia o indicador de eficiência alimentar no seu Centro

explica Fernando Garcia.

de Performance, uma das mais relevantes provas de de-

Todos os animais da Casa Branca já tiveram seu DNA purificado e analisado em um teste chamado

20 Casa Branca Press

sempenho da pecuária nacional. Mais informações sobre a parceria estão na página 24.

Fernando Garcia, Tad Sonstegard, Sarah Meirelles e Paulo de Castro Marques

“Adições gênicas são alterações na sequência de bases na molécula de DNA constituinte dos

do trabalho de seleção do criatório de Paulo de Castro Marques.

genes, que, assim, sofrem mudança em sua es-

“É possível avançar muito com a adição

trutura”, dizem os livros de genética. Em outras

gênica. E de forma relativamente rápida”, disse

palavras, a adição gênica é o nome que se dá a

Tad Sonstegard à revista Casa Branca Press. “A

uma mudança feita na estrutura de DNA para

técnica envolve a substituição de determinada

alteração de determinada característica.

sequência no DNA para alterar alguma caracterís-

Sim, isso já está sendo feito. Segundo o geneticista Tad Sonstegard, diretor científico

tica dos animais. Por que não fazer uma alteração que proteja os bos taurus contra o carrapato?”

da Acceligen – Recombinetics, dos Estados

“A visita de Tad à Casa Branca objetivou

Unidos, por essa técnica já é possível ter porcos

avançarmos mais um pouco e conhecer detalhes

castrados geneticamente, porcos resistentes ao

do que tem sido feito de mais moderno em ge-

vírus da febre aftosa e bovinos da raça Holan-

nética no mundo. O Brasil tem uma das maiores

desa sem chifres, entre outras conquistas da

pecuárias do planeta e importância vital para o

ciência.

fornecimento de carne para a população global.

Tad esteve no Brasil com o prof. Fernando

Portanto, é nosso dever estar sintonizados com

Garcia e conheceu de perto o programa de me-

o que está sendo feito nos países mais desen-

lhoramento genético da Casa Branca. No futuro,

volvidos e, porque não, aplicar aqui”, assinala o

a adição gênica representará um novo capítulo

selecionador Paulo de Castro Marques.

Casa Branca Press 21


technical material

TECHNOLOGY for genetic selection

T

Casa Branca goes to great lengths to provide cattle farmers with the best Angus, Brahman and Simmental genetics.

he best genetics from different parts of the world, in-depth indicator measurement, detailed data, scientific proof (genomics), and experienced professionals. That’s not all. Casa Branca Agropastoril uses all available technological tools for the best and strictest selection of Angus, Brahman and Simmental breeders (males and females). “Our processes aren’t superficial. We dig deeper to get to the details that make the difference and are responsible for the best performance and greater functionality. This gives us great confidence in offering animals that are truly improving and indicated for the country’s different regions”, explains breeder Paulo de Castro Marques. This investment began in the genetics search. Casa Branca seeks the best lines of Angus, Brahman and Simmental in the best selectors worldwide in the United States, Canada, South Africa, Argentina and, in the case of Angus, southern Brazil. This exceptional genetic base would already be an example of high quality, in and of itself. However, Casa Branca proposes to go further. Throughout its history, Casa Branca formed partnerships with leading breeders for embryo importation for the animals to be born here and adapt to tropical conditions. For correct mating and in vitro fertilization process, Casa Branca set up a modern reproduction lab under Dr. Pedro Ribeiro. In parallel, the farm entered a partnership with the Federal University of Lavras (UFLA) to coordinate Weight Gain Tests. This work began in 2012 and is carried out by Professor Sarah Meirelles. It began with the Angus and Simmental breeds and included the assessment of Brahman bulls in 2015. The tests comprise a full individual assessment of young

22 Casa Branca Press

bulls. The results are used as data points to identify and select cattle for performance characteristics, carcass, morphology and adaptability (the latter only assessed in Angus and Simmental breeds). The tests consist of two phases: Initial adaptation phase (56 days) and the Test itself (112 days). UFLA assess the economically important characteristics related to performance, such as daily weight gain and final weight. Carcass assessment includes the Ribeye Area, Subcutaneous Fat Thickness, Rump Fat Thickness and Intramuscular Fat Percentage. These characteristics are assessed by Dr. Jaime Tarouco, Professor of the Federal University of Rio Grande do Sul (UFRGS) at the end of the tests. They are included in the visual assessment tests for the purpose of assessing morphological characteristics of Balance, Breed, Posture, Reproduction and Muscularity. The Respiratory Rate, Hair Temperature, Rectal Temperature and Hair Length are assessed to determine adaptability of the Angus and Simmental breed animals. This entire set of characteristics is included in a Final Casa Branca Index, in which the animals are ranked and sorted into categories. UFLA began issuing certificates for bulls classified as Elite in the tests a year ago. As a result, the Casa Branca Performance test became an important tool for assessing economically important characteristics of sires, providing buyers an assurance that they are taking high quality genetics to their farms and functional animals ready to work the field. In 2016, Casa Branca took another important step in its genetic improvement program, with the constant goal of further intensifying the selection of Angus,

Brahman and Simmental breeds: its own Genomics program. The first step consists of a DNA analysis of all the animals on the property. In the Brahman breed, the initial goal is to work weight gain speed. In Angus and Simmental, the challenge lies in tick resistance. “Genomics allows us to significantly move forward in selection for tick resistance”, explains Prof. José Fernando Garcia, of AgroPartners and Unesp Araçatuba, coordinator of the Casa Branca Genomics Program. “And that’s what we’re doing. First, we make a count to identify the more or less susceptible animals. Genomics allows us to associate the animals’ DNA sequence combinations with the manifestation of tick resistance, providing genome ‘markers’ that can be tracked and used to guide mating and promote the birth of a greater number of animals known to be resistant to tick infestation”, explains Fernando Garcia. All Casa Branca animals have already had their DNA purified and analyzed in a test called SNP chip, which simultaneously investigates 150,000 variations (“Snips”) of each animal’s genome. This allows the scientists to associate the type of SNP with the animal’s phenotype (characteristic) and generate the selection markets for various characteristics. This means that all animals produced and sold by Casa Branca have a genomic certificate attesting

technical material

Intense use of

to their response to the tropical challenge, allowing their use with even greater security in regions of Brazil and the world where this challenge is more intense. In other words, what has been going on for years is now more accurate at Casa Branca. Casa Branca is now moving forward on another front in selection work: feed conversion rate – something very common in the poultry industry, understood as the percentage of feed required to convert into 1 kg of meat. The farm relies on the experience of the CRV Lagoa genetics center for this work, which assesses the feed efficiency indicator in its Performance Center, one of the most relevant national livestock performance tests. Further information on this partnership is found on page 26.

GENETIC INSERTION IS COMING. SEE HOW IT WORKS. “Genetic insertions are changes in the base sequence of the genes’ constituting DNA molecule, which then suffers a change to its structure”, according to genetics books. In other words, genetic insertion is the name given to a change made to DNA structure to alter a certain characteristic. Yes, this is already being done. According to geneticist Tad Sonstegard, scientific director of Acceligen – Recombinetics in the United States, this technique already allows for pigs to be genetically castrated, pigs resistant to foot-and-mouth disease, and Holstein cattle without horns, among other scientific achievements. Tad was in Brazil with Prof. Fernando Garcia, who introduced him to Casa Branca’s genetic improvement program. In the future, genetic

insertion will represent a new chapter in Paulo de Castro Marques’ breeding selection work. “Yes, significant advancements can be achieved with genetic insertion. And relatively quickly”, Tad Sonstegard told Casa Branca Press magazine. “The technique involves the replacement of a certain DNA sequence to change the animals’ characteristics. Why not make a change that protects the cattle from the tick?” “The purpose of Tad’s visit to Casa Branca was to move forward a little more and learn the details of the most modern genetic advancements in the world. Brazil has one of the largest cattle industries on the plant and is vitally important in supplying beef to the global population. Therefore, it is our duty to be in tune with what is being done in more developed countries and why not apply it here”, indicates selector Paulo de Castro Marques.

Casa Branca Press 23


com CRV LAGOA objetiva avançar na seleção funcional

parceria

parceria

PARCERIA

central de genética CRV Lagoa. Pelo acordo, a empresa

de importação de embriões dos principais criatórios

passa a ter prioridade na seleção dos tourinhos Angus

americanos, argentinos e sua própria seleção. “Esses

líderes da PGP da Casa Branca, que serão enviados à

animais já passam por um rigoroso teste de fogo des-

CRV Lagoa para coleta de sêmen. Após mais essa ava-

de o nascimento. Com a parceria, aliamos a seleção

A

liação, os animais participarão de testes de progênie

e a genética Casa Branca com o conhecimento e a

e terão sêmen à venda na bateria Angus da central.

tecnologia do Centro de Performance CRV Lagoa. Os

Casa Branca Agropastoril não mede esforços para selecionar os melhores

“Com a parceria da CRV Lagoa vamos incrementar a

principais animais serão selecionados e participarão

touros Angus, Brahman e Simental

prova com teste de eficiência alimentar e demais parâ-

do teste de progênie na produção dos F1”, explica

para colocar à disposição dos cria-

metros que contribuem para a seleção dos touros que

Luis Adriano.

dores de todo o Brasil. Por isso, todos os machos

seguirão para o teste de progênie de acordo com as

A parceria entre as duas empresas disponibilizará

comercializados pela fazenda passam pela Prova de

tendências de mercado. A experiência e a participação

ao mercado nacional uma genética norte-americana,

Ganho de Peso coordenada pela equipe da profa.

da CRV Lagoa no mercado de sêmen aumentarão a

especialmente vinda das parceiras Schaff Angus Valley

Sarah Meirelles, da Universidade Federal de Lavras

confiabilidade e o sucesso desta prova e da genética

(SAV) e Connealy Angus, nascida e adaptada ao clima

(UFLA) e, muito em breve, terão análise genômica, em

que estará disponível aos pecuaristas de todo o país”,

tropical, com avaliação e seleção para carcaça e efi-

trabalho coordenado pelo prof. Fernando Garcia, da

destaca Paulo de Castro Marques, proprietário da Casa

ciência alimentar. “Queremos medir o resultado das

Unesp – Araçatuba e AgroPartners (veja reportagem

Branca Agropastoril.

progênies meio-sangue dos touros da parceira e forne-

sobre o melhoramento genético da Casa Branca na Luis Adriano Teixeira (CRV Lagoa) e Paulo de Castro Marques (Casa Branca) no evento de assinatura do contrato de parceria entre as empresas

24 Casa Branca Press

Para Luis Adriano Teixeira, presidente da CRV Lagoa,

cer ao mercado uma genética provada e comprovada

a parceria cria a possibilidade de atender a todos os

a campo, simplificando a escolha e oferta certificada

Aprimorar cada vez mais e melhor também é o

requisitos da pecuária brasileira de cruzamento, já

de genética Angus nacional, de origem importada,

objetivo da parceria fechada pela Casa Branca com a

que a Casa Branca investe fortemente no projeto

para o que realmente importa”, ressalta o dirigente.

página 18).

Casa Branca Press 25


PARTNERSHIP with CRV LAGOA

partnership

aims to advance functional selection

C

asa Branca Agropastoril goes to great lengths to select and provide the best Angus, Brahman and Simmental bulls to breeders throughout Brazil. That’s why all males sold by the farm are subjected to a Weight Gain Test (PGP) coordinated by Prof. Sarah Meirelles’s team, of the Federal University of Lavras (UFLA), and will soon include genomics analysis in work coordinated by Prof. Fernando Garcia of Unesp – Araçatuba and AgroPartners (see the story on Casa Branca’s genetic improvement on page 22). More extensive and better improvement is also the goal of the partnership made by Casa Branca with the CRV Lagoa genetics center. Under the agreement, the company gains priority in selecting Casa Branca’s PGP-leading young Angus bulls, which will be sent to CRV Lagoa for semen collection. After this additional assessment, the animals will participate in progeny tests and their semen will be up for sale in the center’s Angus battery. “With the CRV Lagoa partnership, we will add the feed efficiency test and other parameters that contribute to the selection of bulls that will continue on to the progeny test according to market trends. The experience and participation of CRV Lagoa in the semen market will increase the reliability and success of this test and of the genetics

26 Casa Branca Press

available to cattle farmers throughout Brazil”, says Paulo de Castro Marques, owner of Casa Branca Agropastoril. For Luis Adriano Teixeira, president of CRV Lagoa, the partnership creates the possibility to meet all Brazilian cattle farming breeding requirements, since Casa Branca heavily invests in the embryo importation project from the main American and Argentine breeders, as well as its own selection. “These animals have already been subjected to rigorous testing since birth. With the partnership, we align Casa Branca’s selection and genetics with the knowledge and technology of the CRV Lagoa Performance Center. The main animals will be selected and will participate in the progeny test in the F1 production”, explains Luis Adriano. The partnership between the two companies will provide the national market with North American genetics, specifically coming from the Schaff Angus Valley (SAV) and Connealy Angus partners, born and adapted to the tropical climate, with assessment and selection for carcass and feed efficiency. “We want to measure the result of the half-blood progenies of the partner’s bulls and provide the market with field-tested and proven genetics, simplifying the choice and certified offer of national Angus genetics, of an imported origin, for what really matters”, emphasizes the director.

Casa Branca Press 27


reprodutor / sire

reprodutor / sire

SAV TEXTBOOK 5115

Mytty In Focus A A R Ten X 7008 S A A A R Lady Kelton 5551

LGPM SALVATTORE Casa Branca / Safron Agropecuária Evan 440L

SAV TEXTBOOK 5115

PWM Oster AS

ANGUS - PO - 24.fev.2015

S

AV Textbook 5115 é um touro de destaque para facilidade de parto. Recomendado para novilhas, ele repassa ótimo crescimento de nascimento ao sobreano, alto valor maternal e potencial de carcaça estelar. Esse touro jovem com um grande futuro atingiu 430 kg aos 205 dias, sendo o primeiro bezerro da matriz Resource. Essa fêmea fantástica, muito jovem, é muita feminina e tem qualidade de úbere impressionante, com o biotipo ideal. Ela é doadora de embriões da 7ª geração da SAV no programa de FIV. Sua avó materna, grande produtora de leite, é filha de Pioneer. O filho, SAV Infusion 4247, teve medição de área de olho de lombo de 49,5 cm aos 365 dias e foi selecionado por Orville Skogen como uma das vendas de destaque do leilão SAV de 2015.

28 Casa Branca Press

SS Prissy P 415

SAV Resource 1441

SAV Madame Pride 3304 SAV Madame Pride 0412

The SAV Textbook 5115 bull stands out for its easy calf delivery. Recommended for heifers, this sire has great year-over-year growth, high maternal value, and stellar carcass potential. As the first calf of the cow Resource, this young bull with a promising future reached 430 kg only 205 days after birth. This amazing female is very young and feminine, featuring impressive udder quality and the perfect biotype. She is a seventh-generation SAV embryo donor under the IVF program. Her maternal grandmother – a major milk producer – is the daughter of Pioneer. Her son, SAV Infusion 4247, reached a loin eye size of 49.5 cm at 365 days and was selected by Orville Skogen as one of the highlights of the SAV 2015 sale.

LGPM SALVATTORE

SIMENTAL - 23.mai.2015

PWM Import AS

LGPM Prada

R

Reprodutor de conformação perfeita, ótima pigmentação e excelente adaptabilidade. Desde muito jovem demonstrou carcaça exuberante e alta precocidade de acabamento e sexual, congelando sêmen aos 14 meses de idade. LGPM SALVATTORE foi o mais jovem Campeão Nacional da Raça Simental da história, sendo também Campeão Júnior Menor e Frigorífico na Exposição Nacional de Simental 2016. Grande Campeão Nacional 2017. LGPM SALVATTORE foi contratado pela CRV Lagoa e é parceria da Casa Branca com a Safron Agropecuária.

Big Cow da Santa Andrea

A sire with perfect conformation, great pigmentation and excellent adaptability. From a very young age, it presented an exuberant carcass with high finishing and sexual precocity, freezing semen at 14 months of age. LGPM SALVATTORE was the youngest National Champion of the Simmental breed in history, and also the Minor Junior and Slaughterhouse Champion at the 2016 Simmental National Show. 2017 Grand National Champion. LGPM SALVATTORE was hired by CRV Lagoa and is partnered with Casa Branca with Safron Agropecuária.

Casa Branca Press 29


reprodutor / sire

capa

CABR Mussambe 2264 o “Melhor Touro Brahman do Mundo” é da Casa Branca!

O

O Brasil tem mais um Campeão Mundial! O touro CABR Mussambe ganhou no dia 16 de janeiro de 2018 o título de “Melhor Touro Brahman do Mundo”, nos Estados Unidos, vencendo um reprodutor norte-americano e um sul-africano. Mussambe nasceu na Casa Branca Agropastoril (Silvianópolis, MG) e pertence à Casa Branca e aos criadores Charles Maia, Wilson Rodrigues e Paulo Scatolin. “Mussambe é o que chamamos de touro completo. Para muitos especialistas, trata-se do melhor macho já produzido pela Casa Branca. Para competir ao título de Melhor Touro Brahman do Mundo, ele foi escolhido, por unanimidade, como o melhor da raça na América do Sul”, informa Paulo de Castro Marques, proprietário da Casa Branca. Mussambe tem todos os atributos desejáveis para um reprodutor moderno. Sua carcaça é impecável, a musculatura é exuberante e os aprumos, perfeitos. Essas características levaram esse jovem reprodutor de menos de quatro anos a ser o Grande Campeão Brahman da Expozebu 2017.

30 Casa Branca Press

JDH WELLINGTON MANSO 864762 527

CABR MUSSAMBE 2264 10.set.2014 Trata-se de uma grande conquista, considerando que as novas regras de participação dos animais em pistas de julgamento, elaboradas pela Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), consideram os números dos sumários como limitantes, prejudicando dessa forma a genética importada que, como é o caso de Mussambe, tem reconhecimento internacional. CABR Mussambe é filho de JDH Wellington, descendente do patriarca Manso, que fez história na raça. Pelo lado materno, Mussambe é filho de Dhifalla, também Grande Campeã da Expozebu, e é neto da matriarca Glória, a mais vitoriosa matriz Brahman da pecuária brasileira. “O trabalho da Casa Branca está voltado para a funcionalidade. Mussambe é um exemplo de sucesso da combinação do melhor Brahman dos EUA com o melhor Brahman do Brasil. E sua extraordinária genética está à disposição dos criadores brasileiros”, destaca Paulo de Castro Marques.

CABR DHIFALLA 899 CABR 899

JDH MR. ECHO MANSO 830355 237 JDH LADY ARIA MANSO 762927 668 MR PILAR POI 75 AAAA 75 IPC 800 GLORIA 154 1219 154

Campeão Mundial em uma Família de Campeões CABR Mussambé 226 é um reprodutor impressionante, muito comprido e profundo e extremamente balanceado e correto em suas linhas e seus aprumos! Em suas duas únicas apresentações na Expozebu foi Campeão Júnior em 2016 e Campeão Sênior e Grande Campeão em 2017. Agora, chegou ao máximo, sendo consagrado por unanimidade o Campeão Brahman da América do Sul e Campeão do Mundo. JDH Wellington Manso 527/1, pai de Mussambé, é um dos mais populares touros do mundo. Ele combina o sangue dos lendários Libert, Madison e Remington. Sua produção é destaque nos 4 continentes.

CABR Dhifalla 899, mãe de Mussambé, é a fêmea mais impressionantes já criada na Casa Branca! Ela foi Grande Campeã Expozebu 2010 e é um fenômeno na reprodução, consagrando-se como Matriz Vitalícia da raça Brahman e Campeã Progênie de Mãe na Expozebu e Expobrahman. Dhifalla produziu cinco touros pais em nosso plantel: CABR Iotin 1769 com Mosley, CABR Jackpot 1870 com Amos, CABR Jalisco 1841 com Wellington, CABR Magic Gunter 2196 com Gunter e, agora, CABR Mussambé 2264, novamente com Wellington. Ela também é mãe de excelentes fêmeas, como CABR Joia Rara 1840, CABR Jacarta 1848 CABR Madona Dhifalla 2198, CABR Maxima Dhifalla 2303 e a Bi Grande Campeã Nacional CABR Mifalla 2263. Todas são doadoras da Casa Branca. Casa Branca Press 31


QUEEN AYDA FWM

capa

é Bi Grande Campeã Égua dos EUA

A

A égua Queen Ayda FWM, do haras Lone Star – Casa Branca Agropastoril, de Paulo de Castro Marques, está fazendo história nos Estados Unidos. Primeiramente, Queen Ayda foi a Grande Campeã Égua da mais importante exposição nacional de cavalos árabes norte-americana, o US National Arabian & Half Arabian Championship Horse Show. A exposição ocorreu em Tulsa, Oklahoma (EUA), no final de outubro de 2017. Agora, em fevereiro de 2018, Queen Ayda foi novamente a Grande Campeã na Scottsdale Arabian Horse Show em Scottsdale, Arizona, uma das três mais importantes dos Estados Unidos! O título norte-americano obtido em Tulsa veio somente um ano depois de Queen Ayda sagrar-se Grande Campeã Égua da 35ª Exposição Nacional do Cavalo Árabe, mais importante competição da raça na América Latina, realizada em Indaiatuba

32 Casa Branca Press

(SP), em novembro de 2016. A fêmea já havia sido a grande campeã na categoria potranca das Exposição Mogiana 2013 e 2014 e Exposição Interestadual 2014. Queen Ayda é filha de Fa El Shawan, consagrado garanhão árabe, e de TN Mariani. Cria do Lone Star – Casa Branca Agropastoril, ela tem apenas seis anos de idade. O proprietário do haras Lone Star, Paulo de Casto Marques, destaca as características da égua: “Queen Ayda FWM foi se aprimorando e se desenvolvendo de maneira muito rápida. Possui leveza, elegância, conformação, além de um tipo-árabe que chama muito a atenção. Termos conquistado o grande campeonato Égua no Brasil e nos Estados Unidos, além da vitória em Scottsdale, comprova a excelência do trabalho de melhoramento genético feito no Brasil”.

Casa Branca Press 33


CABR Mussambe 2264 the “World’s Best Brahman Bull” is from Casa Branca! Brazil has another World Champion! The CABR Mussambe bull won the title of “Best Brahman Bull in the World” on January 16, 2018, in the United States, defeating North American and South African sires. Mussambe was born in Casa Branca Agropastoril (Silvianópolis, MG) and belongs to Casa Branca and to breeders Charles Maia, Wilson Rodrigues and Paulo Scatolin. “Mussambe is what we call a complete bull. For many experts, it is the best male ever bred by Casa Branca. To compete for the title of Best Brahman Bull in the World, it was unanimously chosen as the best breed in South America”, says Paulo de Castro Marques, owner of Casa Branca. Mussambe has all the desirable traits of a modern sire. It has an impeccable carcass, incredible musculature and perfect posture. These characteristics led this young sire less than four years old to be the Brahman Grand Champion at Expozebu 2017. This is a major accomplishment, considering that the new participation rules for animals in judging rings, produced by the Brazilian Zebu Breeders Association (ABCZ), consider the summary numbers as limiting, thereby placing a disadvantage on imported genetics that have international recognition, as is the case of Mussambe. CABR Mussambe is the offspring of JDH Wellington, descendent of patriarch Manso, who made history in the breed. On the mother’s side, Mussambe is the offspring of Dhifalla, also Grand Champion at Expozebu, and grandson of matriarch Glória, the most successful Brahman dam of Brazilian cattle farming. “Casa Branca’s work focuses on functionality. Mussambe is an example of the successful combination of the best Brahman from the United States and the best Brahman from Brazil. Its extraordinary genetics are available for Brazilian breeders”, highlights Paulo de Castro Marques.

34 Casa Branca Press

QUEEN AYDA FWM

is a two-time Grand Champion Mare in the United States

Heitor Lutti Pinheiro Machado (CABR Mussambe: Brahman Champion of the World) and V8 Ranch (Brahman Miss World)

WORLD CHAMPION IN A FAMILY OF CHAMPIONS CABR Mussambé 226 is an impressive sire, long and deep and extremely balanced and correct in his lines and posture! In his only two Expozebu showings, he was Junior Champion in 2016 and Senior and Grand Champion in 2017. He now reached his peak, unanimously voted Brahman Champion of South America and World Champion. JDH Wellington Manso 527/1, Mussambé’s father, is one of the most popular bulls in the world. He combines the blood of legends Libert, Madison and Remington. His production stands out on the 4 continents. CABR Dhifalla 899, Mussambé’s mother, is the most impressive female ever bred at Casa Branca! She was Grand Champion Expozebu 2010 and is a reproduction phenomenon, titled as Lifetime Dam for the Brahman breed and Mother Progeny Champion at Expozebu and Expobrahman. Dhifalla calved five father bulls in our herd: CABR Iotin 1769 with Mosley, CABR Jackpot 1870 with Amos, CABR Jalisco 1841 with Wellington, CABR Magic Gunter 2196 with Gunter and now CABR Mussambé 2264, with Wellington once again. She also calved excellent females, such as CABR Joia Rara 1840, CABR Jacarta 1848, CABR Madona Dhifalla 2198, CABR Maxima Dhifalla 2303 and two-time National Grand Champion CABR Mifalla 2263. All are donors from Casa Branca.

Queen Ayda FWM, a mare from Casa Branca Agropastoril’s Lone Star stud farm, owned by Paulo de Castro Marques, is making history in the United States. First of all, Ayda was the Grand Champion Mare of the most important North American national Arabian horse show, the US National Arabian & Half Arabian Championship Horse Show. The show occurred in Tulsa, Oklahoma (USA) at the end of October 2017. In February 2018, Ayda was the Grand Champion once again in the Scottsdale Arabian Horse Show in Scottsdale, Arizona, one of the three most important shows in the United States! The North American title won in Tulsa came only one year after Queen Ayda claimed Grand Champion Mare in the 35th National Arabian Horse Show, the breed’s most important compe-

tition in Latin America, held in Indaiatuba (SP) in November, 2016. The female was already the grand champion in the filly category at the Mogiana Show in 2013 and 2014 and the Interstate Show in 2014. Queen Ayda is the daughter of FA El Shawan, who won the title of Arabian champion stallion, and of TN Mariani. Bred at Lone Star – Casa Branca Agropastoril, she is only six years old. Lone Star stud farm owner, Paulo de Castro Marques, highlights the mare’s characteristics: “Queen Ayda FWM began improving and developing very quickly. She has lightness, elegance, conformation, in addition to an Arabian type that draws a lot of attention. Winning the title of grand champion mare in Brazil and in the United States, in addition to the Scottsdale victory, proves the excellent work in genetic improvement performed in Brazil”.

Casa Branca Press 35


A COMBINAÇÃO PERFEITA

Julgamentos em exposições e programas de melhoramento contribuem para a busca dos animais desejados pelo mercado.

36 Casa Branca Press

Casa Branca Press 37

raças

raças

PISTA E AVALIAÇÃO,


raças

raças

Marcelo Gaeta

Susana Salvador

Até alguns anos atrás, participar e, mais do que isso, ser campeão em uma exposição que valesse pontos para o ranking nacional era o sonho de praticamente todos os pecuaristas. Afinal, tanto os animais vitoriosos se valorizavam quanto o nome do criatório e o resultado vinha na forma de preços altos de sua genética nos eventos comerciais. Essa realidade mudou. Hoje, os julgamentos de animais chamados elite recebem poucas dezenas de animais – contra centenas no passado – e algumas tradicionais exposições agropecuárias nem julgamentos mais fazem devido à falta de interesse dos criadores em levar sua genética. Numa outra ponta da cadeia da pecuária, quase que simultaneamente começaram a ganhar força os dados zootécnicos como ferramenta de avaliação dos bovinos. Centrais de genética, grupos de criadores e até projetos pecuários independentes passaram a medir os atributos produtivos e reprodutivos dos seus planteis. Esses indicadores viraram sumários e passaram a pesar no momento da escolha dos animais – inclusive nos leilões. Atualmente, essa é a regra mais usual. O fato é que o fortalecimento dos programas de melhoramento genético ocorre no mesmo momento em que os julgamentos de animais nas exposições perdem relevância.

38 Casa Branca Press

Mas um é a causa do enfraquecimento do outro? “Não necessariamente. A pecuária é uma atividade dinâmica. O mercado é dinâmico. Essa transformação resulta de um processo muito maior: a busca incansável pelo aumento da produtividade em detrimento do animal belo, porém com indicadores ruins ou pouco conhecidos”, explica Fabio Miziara, especialista em Brahman e experiente jurado em importantes exposições da raça. Marcelo Gaeta, outro experiente jurado da raça Simental, concorda. Para ele, não há surpresa nessa transformação. “Porém, isso não significa que a pista perdeu importância no processo de seleção. O fato é que o julgamento precisa avaliar a funcionalidade, os atributos produtivos e reprodutivos”, diz Gaeta. Susana Salvador, criadora de Angus e ex-presidente do Conselho Técnico da Associação Brasileira de Angus, vai na mesma linha. “Os julgamentos têm uma importante contribuição a dar à seleção, mas é importante que os animais também tenham a chancela da produção”. Fábio Miziara concorda que os julgamentos contribuem, e muito, para mostrar a evolução do trabalho feito nas fazendas, inclusive em comparação com outros projetos pecuários. “Avaliar as características reprodutivas é essencial, assim como mensurar as características econômicas dos bovinos. O fato é

que a exigência do mercado aponta para uma linha de conduta a ser seguida. Nenhum jurado e nenhum criador valorizam mais os animais com indicadores ruins. Aí está, na verdade, um ponto central na avaliação na pista. É preciso valorizar a conformação, a musculatura, os aprumos, a estrutura corporal, a conformação de carcaça, a longevidade”. Funcionalidade é o conceito que mais atenção merece de Marcelo Gaeta nos julgamentos. “A busca por características econômicas representa a própria razão de ser da pecuária moderna. Afinal, estamos falando em desenvolvimento, em precocidade sexual e de acabamento, em terminação rápida. Não se pode conceber mais criar sem o objetivo de buscar mais produtividade”. Susana Salvador chama a atenção para um ponto perfeitamente integrado a esse novo momento da pecuária. “Não há animal perfeito”, ela diz. “O pecuarista precisa buscar os melhores animais para o seu projeto. E isso depende de uma série de fatores, incluindo os seus objetivos. Um animal pode se ajustar muito bem ao meu projeto e não agregar a outro”. Nesse sentido, um componente que no passado pesou muito, mas hoje precisa ser evitado, é a emoção no momento de definir a escolha de um animal. “Apesar de fazer parte da atividade, pode ser positivo para

Fábio Miziara

um criador ter determinado animal do plantel não premiado. Afinal, ele poderia estar indo em determinada direção, mas o mercado aponta para outra. Com esse alerta, o selecionador pode ‘acordar’ e mudar de rota”, assinala Fabio Miziara. Susana, Gaeta e Miziara concordam que a prova a campo dos animais campeões em pista é desejada. “É sempre muito positivo quando os programas de melhoramento genético classificam bem um touro campeão em exposição. Isso comprova a sintonia desejada entre pista e campo”, destaca Marcelo Gaeta. Susana Salvador recomenda que os jurados deixem claros os seus critérios, desde o início dos julgamentos. E que os sigam até o fim. Ela destaca a importância de avaliar o padrão racial, fazer avaliação visual apurada, considerar as características funcionais e as características produtivas. Para a especialista em Angus, a exposição é a vitrine da raça, mas a confirmação da qualidade produtiva e reprodutiva dos animais deve ser comprovada nos programas de melhoramento genético. “Não há mágica na pecuária. E acredito que nenhum criador invista por diversão ou para perder dinheiro. Esta é uma atividade econômica e tem de ser gerenciada como tal. Nesse sentido, é preciso oferecer o produto desejado pelo mercado”.

Casa Branca Press 39


Judging in shows and improvement programs contributes to the search for animals desired by the market Until a few years ago, participating and, even more than that, becoming champion in a show worth points for the national ranking was practically every cattle farmer’s dream. After all, both the prize animals and their breeder’s name appreciated in value, resulting in higher prices for its genetics at trade events. This reality has changed. Today, judging for animals deemed elite receives a few dozen animals – compared to hundreds in the past – and some traditional cattle farming shows don’t even judge anymore due to lack of breeder interest in showing their products.

40 Casa Branca Press

At another point on the cattle farming chain, zoo technical data almost simultaneously began to gain strength as a cattle assessment tool. Genetic centers, breeding groups and even independent cattle farming projects began to measure productive and reproductive features of their herds. These indicators became summaries and began to weigh in when choosing animals – including sales as well. Currently, this is the most common rule. The fact is that genetic improvement programs are gaining strength at the exact same time that animal judging in shows is becoming less relevant.

quick termination. One cannot breed more without seeking the goal of greater productivity”. Susana Salvador draws attention to a point perfectly integrated with these new cattle farming times. “There’s no such thing as the perfect animal”, she says. “The cattle farmer needs to seek the best animals for his project. And that depends on a series of factors, including his goals. An animal might adjust well to my project and not merge with another”. In this sense, something that weighed heavily in the past, but needs to be avoided today is emotion when choosing an animal. “Despite being part of the activity, it might be positive for a breeder to have a certain animal in the herd that is not prize-winning. He might be headed in a certain direction, but the market points the other way in the long run. With this alert, the selector can ‘awaken’ and change course”, says Fabio Miziara. Susana, Gaeta and Miziara agree that field proof in the ring for champion animals is desired. “It’s always very good when genetic improvement programs classify a champion bull being shown. This proves the alignment between ring and field desired”, stresses Marcelo Gaeta. Susana Salvador recommends that jurors make their criteria clear from the outset of judging. And follow said criteria until the end. She emphasizes the importance of assessing breed standard, making a thorough visual assessment, considering functional characteristics and productive ones as well. For the Angus expert, the ring is the breed’s showroom, but the animals’ productive and reproductive quality must be proven in the genetic improvement programs. “There is no magic in cattle farming. I don’t believe that any breeders invest for the fun of it or to lose money. This is an economic activity and it must be managed as such. In this sense, it is necessary to provide the product that the market desires”.

Casa Branca Press 41

breeds

breeds

RING AND ASSESSMENT the perfect combination

But is one the cause for weakening the other? “Not necessarily. Cattle farming is a dynamic activity. The market is always changing. This transformation results in a much bigger process: the tireless search for increased productivity at the expense of the attractive animal, but with poor or little-known indicators”, explains Fabio Miziara, a Brahman expert and experienced juror for the breed’s important shows. Marcelo Gaeta, another experienced juror for the Simmental breed, agrees. For him, this transformation comes as no surprise. “However, that doesn’t mean the ring is any less important in the selection process. The fact is that judging must assess functionality, productive and reproductive attributes”, says Gaeta. Susana Salvador, Angus breeder and former chairman of the Technical Council for the Brazilian Angus Association, follows the same lines. “Judging lends a significant contribution to selection, but it is important that the animals also have the production seal”. Fábio Miziara agrees that judging notably contributes to showing the evolution of the work done on farms, including comparisons with other cattle farming projects. “Assessing reproductive characteristics is essential, and measuring the cattle’s economic characteristics as well. Market demands indicate a line of conduct to be followed. Neither jurors nor breeders value animals with bad indicators anymore. That is, in fact, a main assessment point in the ring. We must value conformation, musculature, posture, body structure, carcass conformation and longevity”. Functionality is the concept deserving the greater part of Marcelo Gaeta’s attention during judging. “The search for economic characteristics represents the modern cattle farmer’s essential reason for being. After all, we are talking about development, sexual precocity and finishing, in


EDUARDO MOREIRA CAIO, especialista em Árabe

Eduardo Moreira Caio é criador de Cavalo Árabe. Foi Presidente da Associação Brasileira da Raça e juiz internacional do Cavalo Árabe. É considerado no Brasil e exterior como um juiz de grande conhecimento de conformação e do tipo da raça e já atuou nas principais exposições de 4 continentes.

42 Casa Branca Press

Casa Branca Press 43


Como e quando você se envolveu com o Cavalo Árabe? No começo dos anos 80, minha família criava Quarto de Milha (Estância Lago do Sol) e eu me apaixonei pelo hipismo rural no qual os árabes reinavam. Comprei meu primeiro Cavalo Árabe em 1982 para competir em HR. Daí a iniciar uma criação foi muito rápido. Ficamos com as duas raças até o começo da década de 90, quando optamos exclusivamente pelo Árabe. Porque decidiu ser juiz. Como conseguiu essa credencial e há quanto tempo? Pura paixão. Me envolvi desde então com tudo o que diz respeito à raça, além do esporte e da criação. Fui presidente da Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo Árabe (ABCCA) por dois mandatos e me qualifiquei como juiz oficial no primeiro curso, promovido em 1991 pela associação. Quais as exposições mais importantes que julgou e porque elas foram importantes para você? Tive o privilégio de julgar as melhores exposições do mundo, como a World Cup, em Las Vegas, que julguei duas vezes, o Campeonato Europeu de Aachen, na Alemanha, e a Nacional da Austrália. Na América do Sul julguei as Nacionais de todos os países que realizam esses eventos, como Argentina, Chile, Uruguai, Paraguai e Equador. No Brasil, atuei como juiz em seis Nacionais. Como você se sente quando está julgando? Tenho muito prazer em julgar cavalos pela paixão pelos animais e pelos muitos amigos que fiz nesta atividade em todo o mundo. Para você quais as características mais importantes de um Cavalo Árabe que podem promovê-lo ou rebaixá-lo num julgamento? O que diferencia uma raça da outra são aquelas características típicas de cada uma delas. Portanto, o tipo árabe é o quesito mais importante. Tipo racial e conformação: como você vê esses dois quesitos e qual deve ser mais valorizado num julgamento da raça? Como já falei, um árabe tem que parecer um árabe em

44 Casa Branca Press

primeiro lugar, se movimentar como um árabe e a partir daí se evolui para os critérios de conformação, equilíbrio, aprumos etc. No Cavalo Árabe temos dois tipos de julgamentos atualmente: o comparativo e o por notas. Explique cada um deles e qual sua preferência, ou seja: qual você acredita que atinja melhor os objetivos de uma avaliação de animais? O comparativo é aquele no qual os cavalos são comparados entre si nas respectivas categorias de assemelhados, por sexo e idade. O sistema de pontos compara o indivíduo com o padrão da raça e, dessa maneira, atribui notas para cada parte do cavalo: cabeça, pescoço, corpo, aprumos e assim por diante. O ritual de cada tipo de julgamento acaba sendo diferente e acho que a maioria concorda que o julgamento comparativo resulta num espetáculo mais prazeroso para quem está assistindo. Do ponto de vista técnico há méritos em ambos os sistemas e acho que a melhor alternativa é a convivência de ambos em eventos diferentes, como fez a ABCCA aqui no Brasil. Na sua opinião, qual o papel do juiz para uma criação? É um papel de extrema importância na medida em que o resultado de uma exposição passa para a comunidade a mensagem do que é bom e do que é ruim e isso tem impacto enorme no desenvolvimento

de uma raça. Os juízes têm o dever de acompanhar a evolução da raça em todo o mundo para incorporá-la nos seus critérios de julgamento. Em termos de conformação, em todas as raças que acompanho os cavalos que ganham exposições hoje refletem o

objeto de desejo de uma respectiva comunidade, são muito diferentes daqueles que venciam na década de 70, por exemplo. Isso ocorre justamente pelo processo de evolução ao qual me refiro e no qual os juízes têm papel preponderante.

Casa Branca Press 45


EDUARDO MOREIRA CAIO, expert in Arabian Horse Eduardo Moreira Caio is an Arabian horse breeder. He was the President of the Breed’s Brazilian Association and an international Arabian Horse judge. He is considered both in Brazil and abroad as a judge who is highly knowledgeable on conformation and the type of breed, and already worked in the main shows on 4 continents. How and when did you get involved with the Arabian Horse? In the early 1980s, my family raised quarter horses (Lago do Sol Stud) and I fell in love with cross-country riding where Arabian horses reigned. I bought my first Arabian horse in 1982 to compete in HR. From there to breeding happened very fast. We had the two breeds until the early 1990s, when we chose to exclusively breed Arabians. Why did you decide to become a judge? How did you get these credentials and how long ago? Pure passion. I became involved with everything that has to do with the breed, beyond sports and breeding. I was president of the Brazilian Association of Arabian Horse Breeders (ABCCA) for two terms and qualified as an official judge in the first course held by the Association in 1991. What are the most important shows you judged and why were they important to you? I had the privilege of judging the best shows in the world, like the World Cup in Las Vegas, which I judged twice, the European Championships of Aachen in Germany, and The Australian National. I judged the Nationals in South America in all countries that hold these events, such as Argentina, Chile, Uruguay, Paraguay and Ecuador. I acted as a judge in six Nationals in Brazil. How do you feel when you are judging? I thoroughly enjoy judging horses for the passion, for the animals and for the many friends I’ve made in this activity throughout the world. What do you consider to be the most important characteristics of an Arabian horse that can promote or demote it in a showing? What sets one breed apart from another are the typical characteristics of each of them. Therefore, the Arabian type is the most important item. 46 Casa Branca Press

Breed type and conformation: how do you see these two items and which should be more valued when judging a breed? As I said, an Arabian has to look like an Arabian first, move like an Arabian and the criteria of conformation, balance, posture, etc. evolve from there. We currently have two types of Arabian horse judging: comparative and by scores. Explain each of them and which is your preference, that is: which do you believe better meets the goals for assessing animals? The comparative is that in which the horses are compared to each other in the respective categories of similarity, gender and age. The scoring system compares the individual to the breed standard and then attributes a score to each part of the horse: head, neck, body, posture and so on. The ritual of each type of judging ends up being different and the majority agrees that comparative judging results in a more enjoyable event for those who are watching. From a technical point of view, both systems have their merits and I think the best option is the coexistence of both in different events, like the ABCCA does here in Brazil. In your opinion, what is the judge’s role for a breeding? It is an extremely important role in that the result of a show sends the community a message about what is good and what is bad and this has an enormous impact on the breed’s development. Judges have the responsibility to track the breed’s evolution throughout the world to incorporate it into their judging criteria. In terms of conformation, in all breeds accompanying the horses that win shows today, and therefore reflect a respective community’s object of desire, they are very different from those that won in the 1970s, for example. This occurs due to the evolution process I mentioned and in which the judges have an important role. Casa Branca Press 47


gado e cavalos

gado e cavalos

Gado e Cavalos Dr. Aloysio Faria:

Mais de 60 anos criando gado e cavalos

48 Casa Branca Press

Casa Branca Press 49


50 Casa Branca Press

“Todos os dias, duas vezes por dia, eu assino papéis e passo as instruções

banqueiro de sucesso. Recebeu como herança de seu pai o Banco

necessárias para as coisas andarem como eu quero”, diz ele.

Lavoura de Minas Gerais e transformou-o no Banco Real, que vendeu

O segredo da vitalidade desse mineiro de fala calma, pausada mas as-

ao ABN Amro quando era o 4º maior banco do país. Além disso Dr.

sertiva e de uma memória invejável é o de preservar três coisas que lhe dão

Aloysio é um empresário de sucesso. Após a venda do Real criou o Grupo

muito prazer na vida: a leitura, à qual dedica grande parte de seu tempo;

Alfa composto pelo Banco Alfa, pela rede de Hotéis Transamérica, a Rede

o interesse pela medicina, que o faz dar palpites aos amigos, familiares e

de Comunicação Transamérica, o sorvete La Basque, a rede de lojas C&C

a discutir com seus próprios médicos e as suas conceituadas criações de

Casa e Construção e a maior empresa de óleo de palma da América Latina,

gado de leite e cavalos, que mantém desde quando começou a dirigir o

a Agropalma, só para citar as mais conhecidas. No entanto, o maior su-

banco de seu pai. E foi para falar sobre essas coisas que o Dr. Aloysio nos

cesso de Dr. Aloysio talvez seja mesmo a manutenção de seu grande vigor

recebeu, na ampla varanda de sua linda casa de frente à represa na Fazenda

intelectual, capaz de comandar todas as suas empresas do jeito que quer:

Santa Paula, próxima a Jaguariúna (SP).

gado e cavalos

gado e cavalos

A

os 97 anos de idade o médico Dr. Aloysio de Andrade Faria é um

Casa Branca Press 51


CBP - Foi então que o Sr. decidiu criar a Associação dos Criadores do Cavalo Árabe? Dr. Aloysio - Pois é. Passou mais um ano, nasceram mais potrinhos, eu estava entusiasmado, querendo registrar e não podendo, então resolvi fundar a Associação do Cavalo Árabe. Consegui assinaturas que o Ministério de Agricultura exigiu para eu formar a Associação, segui todas as exigências, fizemos uma diretoria, uma sede, fundei a Associação e criamos o Stud Book Brasileiro do Cavalo Árabe. Aí fiquei sabendo por acaso que já tinha um livro de registros de Cavalos Árabes no Rio Grande do Sul. Havia lá um criador que eu nunca tinha ouvido falar e que me apareceu um dia no sítio, Guilherme Echenique Filho. Ele ficou sabendo que eu havia fundado a Associação e veio me visitar. Era uma pessoa muito agradável, muito conhecido na região dele e após um dia de conversas ele aceitou registrar seus animais na Associação, pois o livro que ele registrava era um livro genérico de várias raças de equinos, bovinos, caprinos etc. Esse livro pertencia a uma pessoa que havia conseguido do Ministério da Agricultura a autorização para fazer registros de animais puros em geral e era um registro bem simples. O criador mandava as informações para ele, que registrava e pronto.

Casa Branca Press - Quando despertou no senhor o interesse pelas criações de gado e cavalos? Dr. Aloysio - Eu sempre gostei de fazenda desde minha infância, principalmente por causa da família de minha mãe. Tanto a família da minha mãe como a do meu pai eram de fazendeiros. Acontece que as fazendas de meu avô paterno eram no norte de Minas, muito longe de BH onde eu vivia na época. Já do lado de minha mãe era perto de BH e a gente ia de automóvel. Esse era o meu programa favorito, esperava o ano inteiro para passar as férias, o Natal e Ano Novo na fazenda. E entre tudo que uma fazenda proporciona para garotos o que eu mais gostava era acompanhar a lida do gado de leite e dos cavalos. Lá não existia gado puro, eram mestiços. Agora, cavalos eles criavam Mangalarga, então fui levado para o gado de leite e o Mangalarga Marchador. Só depois de muito tempo que eu vim a descobrir o Cavalo Árabe.

52 Casa Branca Press

Casa Branca Press 53

gado e cavalos

gado e cavalos

CBP - E quando o senhor decidiu ter sua própria criação? Foi herança? Dr. Aloysio - Não, não foi herança. Depois que terminei meus estudos, quando comecei a trabalhar, chegou um determinado momento que eu quis retomar essa vocação familiar e fazer meu gado de leite e criar meus cavalos. Comprei um sítio pequeno, de uns 20 alqueires, perto de BH, que era meia hora de viagem e então passava o fim de semana lá. Comprei touros e vacas holandesas de uns holandeses que criavam aqui no Brasil e também comecei a criar Cavalos Mangalarga Marchador. Comprei do meu tio um garanhão e várias éguas. Muito tempo depois, no início da década de 60, viajando a turismo pela Europa, eu vi numa revista por lá uma fotografia de um Cavalo Árabe e achei muito bonito. De volta para o Brasil eu procurei mas não soube de ninguém que tivesse Cavalos Árabes. No entanto aquela imagem não me saía da cabeça, então resolvi importar éguas e garanhões principalmente da Inglaterra, Estados Unidos e Holanda e iniciei a minha criação. Aí surgiu um problema. O problema de registrar os nascimentos. Não tinha como registrar, não tinha um livro de registros, não existia uma Associação de Criadores no Brasil.


CBP - A fundação da Associação do Cavalo Árabe foi suficiente para a criação crescer e se consolidar como é hoje ? Dr. Aloysio - Não, no início eu tive que trabalhar muito. Levava meus cavalos em todas as exposições de importância de norte a sul do país para divulgar a raça, pois além de mim apenas o Echenique, alguns criadores com poucos animais que haviam comprado dele e o exército, que não dava muito atenção aos animais, criavam Árabes. Mas aí a criação começou a crescer e em pouco tempo aumentou o interesse pela raça e o número de criadores. Foi então que eu decidi sair da presidência e depois deixei também de expor, pois meu maior interesse é selecionar tanto cavalos como gado de leite. Eu quero ver nascer produtos melhores que os pais quando planejo um acasalamento. Eu quero produtos mais bonitos, mais produtivos. Isso me traz grande prazer. Essa foi minha trajetória como presidente de Associação e como expositor. CBP - E o gado de leite como foi a trajetória? Dr. Aloysio - Eu preferi pelo preto e branco em relação ao vermelho, pois tinha um número maior de pessoas que gostavam do preto e branco. Além de comprar fêmeas e touros aqui, também pesquisei e importei dos Estados Unidos o que eu considerei o mais adequado para minha criação. Continuei lendo e pesquisando a respeito e cheguei à conclusão que o gado Holandês produzia grande quantidade de leite mas não de gordura. Nas minhas pesquisas o gado Jersey produzia mais gordura. Então eu me interessei também pela criação de gado Jersey, sem abandonar o Holandês. No Jersey fiz a mesma coisa, importei dos EUA e trouxe para cá o que eu considerei de mais produtivo e tenho criado tanto o Jersey como Holandês. Mas, veja, meu negócio não é a produção de leite. Meu interesse é planejar seleção para obter animais mais produtivos. CBP - E o gado de corte, o senhor também está envolvido com gado de corte? Dr. Aloysio - O gado de corte é o seguinte. Eu tenho

54 Casa Branca Press

fazendas no Paraná numa região de gado de corte. Elas ficam às margens do Rio Paranapanema mas não é no centro da parte agrícola, é do lado mais oeste quase chegando na fronteira com o Paraguai. No início, os preços da carne eram muito baixos, a receita normalmente não cobria as despesas. Minha preocupação era ocupar as terras pois eu não queria que dissessem que minhas terras eram improdutivas. Eu criava todo ciclo, do cruzamento à engorda até irem para o frigorífico. Recentemente, com a melhoria dos preços da carne comecei a estudar mais a fundo o gado de corte. Contratei técnicos, melhorei a infraestrutura das fazendas, melhorei meu rebanho de fêmeas e passei a usar sêmen das centrais. Gosto muito do Angus e Charolês, mas uso sêmen de quase todas as raças. No momento meu interesse é apenas em melhorar a produtividade da fazenda. Também tenho gado de corte aqui na Santa Paula e na Fazenda Fortaleza (Nova Odessa, SP). Só que nessas duas fazendas meu sistema é diferente. Eu compro bezerro para engorda e vendo para o frigorífico. Faço isso porque quero ocupar a terra pois ela é muito mais do que suficiente para os animais que eu seleciono e eu não quero aumentar muito o número de animais crio. Quero ter controle total sobre a seleção.

gado e cavalos

gado e cavalos

Não havia acompanhamento, fiscalização, nada. Era um negócio particular sem nenhuma outra consequência e sem a confiabilidade necessária.

CBP - E o que essas raças que o senhor seleciona significam em sua vida? Dr. Aloysio - Prazer. CBP - Não são negócios? Dr. Aloysio - Nós estamos passando por uma fase muito boa no agronegócio, já foi melhor, mas a fase ainda é boa. Eu tenho outras fazendas no Paraná em região agrícola, mas são fazendas voltadas para a agricultura e nestes últimos anos todas deram um resultado muito bom. Eu aproveitei esse resultado e estou modernizando tudo. Para mim o agropastoril não é meu grande negócio. Se minhas atividades nesse setor estiverem rendendo o suficiente para pagar as despesas eu já me dou por satisfeito. CBP - Criar animais de gêneros diferentes como gado e cavalo é complicado ou um complementa o outro no sentido de seleção genética, manejo e sanidade? Dr. Aloysio - Não, eles não se complementam, cada qual tem suas características e exigências, principalmen-

Casa Branca Press 55


gado e cavalos

gado e cavalos

te mercados diferentes uns dos outros. O mercado da criação de cavalos é muito pequeno. No caso do Árabe o foco principal é a beleza, mas ele também é um excelente cavalo de esportes e compete com as demais raças em qualquer atividade esportiva. São essas características esportivas, essa habilidade atlética que fizeram dele um formador de todas as raças que existem hoje. Eu acho que para ampliar o mercado, os criadores do Cavalo Árabe deveriam acentuar mais essa parte esportiva da raça. No enduro o Cavalo Árabe não tem concorrentes pois sua resistência é insuperável, mas eu sei que é difícil sustentar esses pontos pois não existe nenhuma raça que tenha a beleza do Árabe. Eu pessoalmente dou prioridade à beleza. No gado de leite o mercado é muito maior, mas como já te disse não me interessa produzir leite. É logico que eu produzo, é lógico que eu negocio essa produção mas meu foco é produzir animais com o objetivo de produzir mais leite. Mas, por exemplo, no leite eu não uso minha produção de machos, tanto faz se são bonitos ou feios eu vendo tudo e só fico com as fêmeas. Verifico a produção leiteira das famílias e decido quais quero conservar para dar prosseguimento à minha seleção. Quanto aos touros eu pesquiso nos Estados Unidos e Europa aqueles que acho mais certos para minha seleção e importo sêmen. CBP - Então a beleza pode prejudicar a produção de cavalos de esporte? Dr. Aloysio - Os criadores de Cavalo Árabe em geral não se preocupam com o esporte. Se você pegar uma revista da raça tem duas ou três páginas dedicadas à corrida, enduro e outras modalidades. Tem muitos países, principalmente no Oriente, que têm corridas de Cavalos Árabes regulares, que possuem hipódromos especializados para Cavalo Árabes. Ultimamente, digamos de 20 anos para cá, os Árabes estão entendendo que esse cavalo faz parte da história, da cultura deles. É um dos legados que os povos árabes deixaram para a humanidade. Então eles passaram a investir muito para valorizar todos os aspectos da raça. Mas não acho que a busca da beleza prejudique as habilidades atléticas, pois essas habilidades estão lá na genética do cavalo, coisa de milhares e milhares de anos. 56 Casa Branca Press

Casa Branca Press 57


gado e cavalos

gado e cavalos

CBP - O que de paixão e de racional existe numa criação? Dr. Aloysio - Eu acho isso uma coisa muito pessoal. Se for perguntar para cada um dos criadores cada um vai dar uma resposta diferente. Eu não posso dizer que eu tenho paixão por cavalo ou vaca. Eu tenho interesse e para mim é um hobby e não um negócio. Claro que como empresário eu não gostaria de ter qualquer atividade que me desse prejuízo mas também não estou atrás de lucro. O lucro não é o meu objetivo, seja no gado de leite ou cavalo. CBP - Atualmente o senhor mora aqui na Fazenda Santa Paula? Dr. Aloysio - Não, eu não moro aqui. Teoricamente eu moro em São Paulo onde tenho casa, mas eu já estou meio aposentado, então prefiro ficar junto das coisas que me agradam mais do que das coisas que não me agradam tanto. Eu mudei da Fazenda Fortaleza para cá, porque eu queria uma fazenda maior e essa aqui é o dobro da Fortaleza. Eu fiz uma casa aqui pois havia essa represa que me agrada muito e trouxe meus animais de seleção para cá. CBP - Essa fazenda é quase um retiro para o senhor? Dr. Aloysio - Eu não digo que seja um retiro porque veja o seguinte: todos os dias, duas vezes por dia, às 9 da manhã e 9 da noite, eu recebo aqui uma troca de enfermeiros e eles trazem papeis de São Paulo para eu examinar, aprovar e assinar. Vou para São Paulo no sábado, pois minha mulher esta lá e volto segunda à tarde. Na segunda de manhã eu concentro tudo que eu tenho na semana que depende de mim para resolver. Faz cinco anos que eu mudei para cá e apesar dos problemas físicos que não me permitem andar muito, eu estou bem, muito bem. CBP - E qual sua rotina aqui? Dr. Aloysio - Aqui a minha rotina é verificar as coisas que vêm de São Paulo, passar as instruções necessárias para andarem de acordo como eu quero. De resto é ler, gosto muito de ler. Leitura e estudo

58 Casa Branca Press

para mim são fundamentais. Também vou ver os cavalos e o gado. Hoje em dia não vou tanto quanto gostaria, mas eu ainda faço as resenhas dos animais, escolho os nomes, planejo os acasalamentos. No bovino também estudo as pesquisas e faço as importações de sêmen que julgo necessárias. Eu estou fazendo um pasto aqui do outro lado da represa bem em frente à minha varanda para eu ver daqui de casa minhas éguas e minhas vacas pastando.

CBP - E a medicina? Porque o senhor se afastou dela? Dr. Aloysio - Chegou um momento em que não dava para conciliar as duas coisas ao mesmo tempo. Meu pai faleceu repentinamente e ser médico e cuidar do banco se tornou impossível. Então eu tive que deixar a medicina porque as empresas do meu pai exigiam muito e eu tive a obrigação de tocar.

CBP - Mas, pessoalmente, o senhor preferiria ter seguido a medicina? Dr. Aloysio - Ah, preferiria. Até hoje eu gosto quando entro num hospital, acho gostoso, mesmo que seja para tratar de minha própria saúde. Leio muito a respeito, tento acompanhar as descobertas e os desenvolvimentos de novas técnicas. Também discuto o tempo todo com meus médicos e enfermeiros. Estou sempre dando palpites, eu sou um paciente difícil. Um paciente impaciente.

Casa Branca Press 59


breeding cattle and horses

A

t 97 years of age, Dr. Aloysio de Andrade Faria is a successful banker. He inherited the Banco Lavoura de Minas Gerais from his father and transformed it into Banco Real, which he sold to ABN Amro when it was the 4th largest bank in the country. Dr. Aloysio is also a successful businessman. After selling Banco Real, he created Grupo Alfa comprised of Banco Alfa, the Transamerica Hotel network, Transamerica Communications Network, La Basque ice cream, the C&C-Casa e Construção building store chain and the largest palm oil company in Latin America, Agropalma, to name the best known. Dr. Aloysio’s greatest success, however, may just be the maintenance of his great intellectual energy, capable of commanding all of his companies the way he wants: “Every day, I sign papers twice a day and give the necessary instructions to ensure that things go as I want them to” – he says.

60 Casa Branca Press

The secret of the vitality of this calm-spoken, but assertive man from Minas Gerais with an enviable memory is to preserve three things that give him great pleasure in life: reading, to which he devotes a good part of his time; his interest in medicine, which allows him to give tips to friends, family and discuss his care with his own doctors and his prized dairy cattle and horses that he has maintained since when he began to run his father’s bank. And Dr. Aloysio welcomed us to his beautiful house to talk about just such things on the wide porch facing the dam in the Santa Paula Farm near Jaguariúna-SP. Casa Branca Press: When did you become interested in raising cattle and horses? Dr. Aloysio: I’ve liked the farm since I was a child, especially because of my mother’s family. Both my mother’s and father’s families were farmers. But my paternal grandfather’s farms were in northern Minas Gerais, far from BH where I lived at the time. My mother’s side was close to BH and we went by car. That was my favorite thing to do, and I waited all year long for vacation, Christmas and New Year’s on the farm. And with everything there is for young boys to do on a farm, what I liked most was to

watch the work with dairy cattle and horses. There were no purebred cattle there, they were all crossbred. They raised Mangalarga horses, so I went with the dairy cattle and the Mangalarga Marchador, and only much later did I come to discover the Arabian horse. CBP: And when did you decide to raise your own animals? Was it an inheritance? Dr. Aloysio: No, it wasn’t an inheritance. After I finished my studies and began working, there was a certain time when I wanted to resume this family vocation and raise dairy cattle and breed my horses. I bought a small, 20-acre farm a half an hour outside BH and spent my weekends there. I bought bulls and Holstein cows from some Dutchmen that raised them here in Brazil and also began to raise Mangalarga Marchador horses. I bought a stallion and several mares from my uncle. Much later, in the early 1960s, I was travelling on vacation in Europe and I saw a magazine there with a photo of an Arabian horse and I found it very beautiful. When I came back to Brazil, I looked around, but I didn’t know anybody who had Arabian horses. But that image was stuck in my head, so I decided to import mares and stallions mainly from England, the United States and the Netherlands and began breeding. That’s when a problem arose. The problem was registering births. There was no way to register them, no registry books, no Breeders Association in Brazil. CBP: Was that when you decided to create the Association of Arabian Horse Breeders? Dr. Aloysio: Well. Another year went by and more colts were born, I was excited, wanting to register them

and not able to, so I decided to found the Arabian Horse Association. I got the signatures that the Ministry of Agriculture required to form an Association, complied with all the requirements, we established a board, a headquarters, I founded the Association and we created the Brazilian Stud Book of Arabian Horses. Then I happened to learn that an Arabian Horse registry book already existed in Rio Grande do Sul. There was a breeder there who I’d never even heard of who showed up on the farm one day, Guilherme Echenique Filho. He heard that I’d founded the Association and came to visit me. He was a very pleasant person, well-known in his region and after a day of conversations, he agreed to register his animals in the Association, since the book he used was a generic one with various breeds of horses, cattle, goats, etc. This book belonged to someone who had been granted the authority to register pure animals in general by the Ministry of Agriculture and was a very simple registry. The breeder sent him the information, he recorded it and that was that. There was no tracking, monitoring, nothing. It was a private business without consequence and without the necessary reliability. CBP: Was the founding of the Arabian Horse Association sufficient for the breeding to grow and consolidate to what it is today? Dr. Aloysio: No, I had to work very hard in the beginning. I took my horses to all the important shows throughout the country to promote the breed, since the only ones breeding Arabians besides me were Echenique, some breeders with a few animals that had purchased them from him and the Army, that didn’t pay much attention to the animals. But then breeding

Casa Branca Press 61

cattle and horses

cattle and horses

Dr. Aloysio Faria: Over 60 years


CBP: What is your history with dairy cattle? Dr. Aloysio: I preferred the black and white ones to the red ones, since more people liked the black and white ones. In addition to buying females and bulls here, I also researched and imported from the United States what I considered most appropriate for my herd. I kept reading and researching about it and came to the conclusion that Holstein cattle produced a large quantity of milk, but not fat. My research showed that Jersey cattle produced more fat. That’s when I became interested in raising Jersey cattle as well, without abandoning the Holstein. I did the same thing with the Jersey, importing from the United States and bringing what I considered as most productive and I have both Jersey and Holstein herds. But look, I’m not in the milk-producing business. I’m interested in planned selection to obtain more productive animals. CBP: What about beef cattle, are you involved there as well? Dr. Aloysio: Here’s the thing about beef cattle. I have some farms in Paraná in a beef cattle region. They are on the banks of the Rio Paranapanema, but not in the center of the agricultural part. They’re on the western side almost on the border with Paraguay. In the beginning, meat prices were really low and revenue normally didn’t cover expenses, but my concern was to occupy the land because I didn’t want anyone saying that my land was unproductive. I handled the entire cycle, from mating to fattening and finally to the meat packing plant. I recently began studying beef cattle more with the improving meat prices, hired technicians, improved the farms’ infrastructure, improved my female herd and began using semen from centers. I really like Angus and Charolês, but I use semen from almost all breeds. Right now, I’m only concerned with improving the farm’s productivity. I also have beef 62 Casa Branca Press

cattle here in Santa Paula and in the Fazenda Fortaleza (Nova Odessa-SP), but the system in these two farms is different. I buy calves to fatten and sell them to the meat packing plant. I do this because I want to occupy the land because it is more than sufficient for the animals that I select and I don’t want to increase the number of animals I raise much; I want full control over the selection.

cattle and horses

cattle and horses

began to grow and interest in the breed quickly grew, as well as the number of breeders. That’s when I decided to leave the Presidency and later I also stopped showing, since my main interest is selecting both horses and dairy cattle. I want to see better products born than their parents when I plan a mating. I want more attractive and more productive products; that’s what makes me happy. That was my history as president of the Association and exhibitor.

CBP: And what do these breeds that you select mean in your life? Dr. Aloysio: Pleasure. CBP: They aren’t business? Dr. Aloysio: We are going through a very good agribusiness phase. It’s been better, but it’s still a good phase. I have other farms in Paraná in the agricultural region, but they are farms focused on agriculture and they all had good results in recent years. I took advantage of this result and I’m updating everything. Pastoral agriculture isn’t my big business, and if my activities in this sector are yielding enough to pay the expenses, then I’m satisfied with that. CBP: Is creating animals of different genres like cattle and horses complicated or does one complement the other in terms of genetic selection, handling and health? Dr. Aloysio: No, they don’t complement each other, each has its own characteristics and requirements, mainly the markets are different from each other. The horse breeding market is very small, and in the case of the Arabian, the main focus is on beauty, but it is also an excellent sporting horse and competes with the other breeds in any sporting activity. These sporting characteristics and this athletic ability are what made it a trainer for all the breeds that exist today. I believe that Arabian horse breeders should accentuate this sporting part of the breed more in order to expand the market. The Arabian has no competition in enduro because its resistance is unbeatable, but I know it’s difficult to sustain these points because there is no other breed that has the beauty of the Arabian. Personally, I prioritize beauty. The dairy cattle market is much larger, but as I said before, I’m not interested in producing milk. Of course I produce it and of course I sell this production, but my

focus is on producing animals with the goal of producing more milk. But in milk, for example, I don’t use my male production. It doesn’t matter if they’re pretty or ugly, I sell them all and just keep the females. I check the milk production of the families and decide which ones I want to conserve to continue on with my selection. As for the bulls, I research in the United States and Europe those that I consider more appropriate for my selection and import their semen. CBP: So beauty can impair the production of sports horses? Dr. Aloysio: Arabian horse breeders in general don’t care about sports. If you flip through a magazine on the breed, there are two or three pages dedicated to racing, enduro and other modalities. Many countries, especially in the East, hold regular Arabian horse races and have race tracks specializing in Arabian horses. Recently, I’d say in the last 20 years, Arabs are beginning to understand that this horse is part of their history and culture. It’s one of the legacies that the Arab people left to humanity. So they began to invest heavily to enhance all aspects of the breed. But I don’t think the search for beauty undermines

athletic abilities, since these abilities are already in the horse’s genes, from thousands and thousands of years ago. CBP: What are the passionate and rational aspects of breeding? Dr. Aloysio: I think this is a personal thing. If you were to ask each of the breeders, each one would give you a different answer. I can’t say that I’m passionate about horses or cattle. I have an interest and for me, it’s a hobby and not a business. Of course, as a businessman I wouldn’t like to have any operation that causes losses, but I’m also not after profits. Profits are not my goal, whether for dairy cattle or horses. CBP: Do you currently live here on Fazenda Santa Paula? Dr. Aloysio: No, I don’t live here. Theoretically, I live in SP where I have a house, but I’m sort of retired, so I prefer to be close to the things that please me more than those that I don’t like as much. I moved here from Fazenda Fortaleza because I wanted a bigger farm and this is twice the size of Fortaleza. I built a house here because I really enjoy this dam and I brought my selection animals here. Casa Branca Press 63


cattle and horses

CBP: Is this farm like a retreat for you? Dr. Aloysio: I wouldn’t say that it’s like a retreat because twice a day, every day, at 9 a.m. and 9 p.m., my nurses change shifts and they bring papers from São Paulo for me to examine, approve and sign. I go to São Paulo on Saturday, because my wife is there and I return on Monday afternoon. On Monday morning, I take care of everything that depends on me for the week. I moved here five years ago and despite some physical problems that don’t allow me to walk much, I’m great, really great. CBP: What is your routine here? Dr. Aloysio: My routine here is to check the things that come from São Paulo, give the necessary instructions for everything to run the way I want it to. The rest is reading; I really like to read. Reading and studying are essential for me. I also go out to see the horses and cattle. Nowadays, I don’t get out there as much as I would like to, but I still write reviews on the animals, choose the names and plan mating. For the cattle, I also study the research and import semen I deem necessary. I’m making a pasture here on the other side of the dam, right in front of my porch so that I can see my mares and cattle grazing from here at my house. CBP: And medicine? Why did you stray away from it? Dr. Aloysio: There came a time when I couldn’t balance the two things at the same time. My father suddenly passed away and both being a doctor and taking care of the bank became impossible. So I had to leave medicine because my father’s companies were very demanding and I had an obligation to perform. CBP: Personally, would you have preferred to stay in medicine? Dr. Aloysio: Yes, I would. I like the feeling of walking into a hospital, even if its to take care of my own health. I read a lot about it, try to follow the discoveries and development of new techniques. I also talk about it all the time with my doctors and nurses, I’m always giving tips, and I’m a difficult patient. An impatient patient.

64 Casa Branca Press

Casa Branca Press 65


Mais um leilão de alta qualidade

eventos

eventos

LEILÃO ANUAL CASA BRANCA 2017

Matrizes e touros Angus, Brahman e Simental foram vendidos para 15 estados brasileiros além de Paraguai e Bolívia

>>> 66 Casa Branca Press

Casa Branca Press 67


mos muito a sério a nossa respon-

Os maiores destaques entre as fê-

foram de: R$ 20.675,00 (Angus),

sabilidade de disseminar genética

meas foram PWM Relíquia, campeã

R$ 11.407,00 (Brahman) e R$

de qualidade para criadores de

Angus em Avaré 2017, e sua bezerra

12.518,00 (Simental). Cerca de

todo o Brasil. Por esse motivo, a

de apenas quatro meses: ambas

100 matrizes, novilhas e bezer-

qualidade foi muito elevada e os

tiveram 50% de sua propriedade

ras foram colocadas à venda.

pecuaristas valorizaram o nosso

adquiridos pela Fazenda São Marco,

trabalho”, explica Paulo de Castro

de Itapeva (SP), por R$ 52.800,00

Marques.

cada.

“Essas fêmeas representam o melhor da Casa Branca. Leva-

A

Casa Branca Agropastoril

“A Casa Branca faz sua própria

Ruído TEICB1641 Candelero, de

comercializou 200 machos

prova de avaliação de machos

apenas três anos, teve 50% de sua

e fêmeas Angus, Brahman

desde 2012, sob coordenação da

propriedade arrematados pelo cria-

e Simental no seu leilão anual, em

Universidade Federal de Lavras.

dor Abel Leopoldino, de Água Boa

Silvianópolis (MG), nos dias 08 e 09

Esse é um atestado importante

(MT), por R$ 72 mil, o que projeta o

de setembro de 2017. O faturamento

para os criadores de todo o país que

seu valor para R$ 144 mil. O touro

total foi de R$ 2.154.000,00. As ven-

investem na pecuária. Eles sabem

CABR Mussambe 2264, Campeão

das foram feitas para 82 criadores

que o resultado nas suas fazendas

Mundial de 2017, teve 66% de sua

de 15 diferentes estados, de todas

é garantido, com bezerros mais

propriedade vendidos por R$ 64

as regiões do país, além de Para-

pesados, que crescem mais rápido,

mil para os criadores Charles Maia,

guai e Bolívia, que vieram ao Brasil

têm ótima carcaça e estarão pron-

Paulo Scatolin e W2R. “Esses são

buscar genética Angus, Brahman e

tos para o abate mais cedo. Esse

exemplos que valorizam o nosso

Simental Casa Branca.

aumento da produtividade move a

trabalho. Os compradores dessa

No total, foram vendidos 100 ma-

pecuária brasileira e a Casa Branca

genética diferenciada são pecua-

chos por R$ 1,1 milhão, com média

dá sua contribuição para esse mo-

ristas profissionais, que valorizam

superior a R$ 11 mil – o crescimento

vimento positivo da atividade, até

a qualidade e buscam a produtivi-

da média foi de 5% sobre 2016.

porque mais carne em menos tempo

dade, assim como a Casa Branca”,

Segundo Paulo de Castro Mar-

amplia as possibilidades de oferta

ressalta Paulo Marques.

ques, proprietário da Casa Branca,

de proteína vermelha de qualidade

“Essa confiança dos pecuaristas no

os pecuaristas brasileiros voltam-se

tanto para o mercado interno como

nosso trabalho mostra que a busca

para a aquisição de genética avalia-

para exportação”, destaca Paulo

da produtividade, com confiabilidade

da porque sabem que a resposta nas

Marques.

e indicadores de desempenho, é o

fazendas será positiva em termos

A Casa Branca também fez uma

caminho para a pecuária brasileira

de mais bezerros de qualidade por

oferta especial de reprodutores para

manter a rota de crescimento”, des-

safra.

produção de sêmen. O touro PWM

taca o proprietário da Casa Branca.

68 Casa Branca Press

“Casa Branca tem genética comprovada” O pecuarista Ronaldo Carvalho Silva (RCS Agropecuária), de Três Corações (MG), conheceu o programa de melhoramento genético da Casa Branca há pouco tempo e se encantou com o trabalho coordenado pela equipe do gerente Heitor Pinheiro Machado. “Eles fazem um trabalho fantástico. O atendimento e o pós-venda são incríveis. Isso sem contar a genética, que realmente é de encher os olhos”, disse Ronaldo, durante o Leilão Anual Casa Branca, na Fazenda Santa Ester, em Silvianópolis. Na venda de outono da Casa Branca, em março, Ronaldo levou três fêmeas. No leilão anual, em setembro, arrematou a fêmea Randara, uma campeã Simental. “Estou ajustando o meu projeto. Antes criava gado de corte, depois passei para Nelore PO. O cruzamento industrial é uma dádiva da pecuária brasileira, por isso invisto também em fêmeas Angus e Simental de genética comprovada, como da Casa Branca”, diz Ronaldo, prometendo novas aquisições.

Ele foi apenas fazer uma visita, mas se apaixonou e levou para sua cidade, Ouro Fino, alguns exemplares Angus e Simental no Leilão Anual Casa Branca. “Foi impossível me controlar. A genética do gado do Paulo de Castro Marques é excelente”, disse o deputado estadual e produtor Dalmo Ribeiro da Silva, um velho conhecido do Sul de Minas pelo trabalho realizado na Assembleia Legislativa de Minas Gerais, na qual atualmente é o 2º vice-presidente.

Casa Branca Press 69

eventos

eventos

Entre as fêmeas, as médias


Another high-quality sale

“Certified genetics at Casa Branca”

Ronaldo purchased three females during Casa Branca’s fall sale in March. During the annual sale in September, he acquired the female Randara, a Simmental champion. “I’m shifting my project. I used to raise beef cattle, but then I shifted to Nelore PO. Industrial crossing is a Brazilian cattle farming blessing, which is why I also invest in genetically-certified Angus and Simmental females”, said Ronaldo, who is already planning future acquisitions.

Angus, Brahman and Simmental dams and bulls were sold to 15 Brazilian states, as well as Paraguay and Bolivia Casa Branca Agropastoril sold 200 male and female Angus, Brahman and Simmental breed in its annual sale in Silvianópolis (MG), held September 8-9, 2017. Revenue totaled US$ 700,000. Sales were made to 82 breeders in 15 different states throughout the country, in addition to Paraguay and Bolivia, who came to Brazil in search of Casa Branca Angus, Brahman and Simmental genetics. A total of 100 males were sold for US$ 340,000, with the average sale exceeding US$ 3,400 – this average grew 5% over 2016. According to Paulo de Castro Marques, owner of Casa Branca, Brazilian cattle farmers turn to assessed genetics acquisitions because they know that the response on the farms will be positive in terms of more quality calves per bearing. “Casa Branca has been performing its own male asses-

70 Casa Branca Press

sment test since 2012, coordinated by the Federal University of Lavras. This is an important certification for breeders throughout the country who invest in livestock. They know that results on their farms are guaranteed, with heavier calves that grow faster, have great carcasses and will be ready for slaughter earlier. This increased productivity drives Brazilian cattle farming and Casa Branca does its part in this positive movement for the industry, because more beef in less time expands the supply possibilities for quality red protein both for the domestic market and for exports”, highlights Paulo Marques. Casa Branca also had a special sire offer for semen production. breeder Abel Leopoldino, from Água Boa (MT) acquired 50% ownership of three-year-old bull PWM Ruído TEICB1641 Candelero for

(Angus), US$ 3,600 (Brahman) and US$ 3,900 (Simmental). Approximately 100 dams, heifers and calves were put up for sale. “These females represent the best of Casa Branca. We take our responsibility to disseminate quality genetics to breeders throughout Brazil very seriously. That’s why quality was very high and the cattle farmers value our work”, explains Paulo de Castro Marques. The greatest highlights among females were PWM Relíquia, champion Angus in Avaré 2017, and her four-month-old calf: 50% ownership for both was acquired by Fazenda São Marco, from Itapeva (SP), at US$ 16,300 each.

Cattle farmer Ronaldo Carvalho Silva (RCS Agropecuária), from Três Corações (MG), recently became familiar with Casa Branca’s genetic improvement program and fell in love with the work led by manager Heitor Pinheiro Machado’s staff. “They do an amazing job. Customer service and after-sales are incredible. Not to mention the genetics, which is really eye-catching”, said Ronaldo during the Casa Branca Annual Sale at Fazenda Santa Ester in Silvianópolis.

Illustrious presence He only stopped by to visit, but fell in love and took some Angus and Simmental specimens from the Annual Casa Branca Sale with him back to Ouro Fino. “I couldn’t help myself. The genetics of Paulo de Castro Marques’s cattle is excellent”, said State Representative and breeder Dalmo Ribeiro da Silva, known in southern Minas Gerais for his work in the Minas Gerais Legislative Assembly, where he is currently the second Vice President.

Casa Branca Press 71

events

events

2017 Annual Sale CASA BRANCA

US$ 2,300, which projects its value to US$ 44,500. Breeders Charles Maia, Paulo Scatolin and W2R acquired 66% ownership of the bull CABR Mussambé 2264, champion Brahman breed in Expozebu 2016, for US$ 20,000. “These are examples that add value to our work. The buyers of this differentiated genetics are professional cattle farmers, who value quality and seek productivity, just as Casa Branca does”, says Paulo Marques. “The cattle farmers’ confidence in our work shows that the search for productivity, with reliability and performance indicators, is the path for the Brazilian cattle industry to keep growing”, highlights the owner of Casa Branca. The averages among the females were: US$ 6,400


AUTUMN DIRECT SALE of Angus, Brahman and Simmental Breeds

Iniciando as vendas de reprodutores em 2018, a Casa Branca Agropastoril promoverá, entre 21 a 24 de março, mais uma edição do “Venda Direta de Outono”. O evento acontecerá na Fazenda Santa Ester, em Silvianópolis (MG), e terá a oferta de 50 reprodutores e 60 matrizes das raças Angus, Brahman e Simental Sul-Africano com o padrão de qualidade do programa de melhoramento genético da Casa Branca. “A Venda Direta de Outono marca o início da comercialização da Casa Branca. Os pecuaristas do Sul de Minas e regiões vizinhas têm uma excelente oportunidade para vistoriar os animais, fazer suas escolhas e levar para suas fazendas produtos altamente produtivos, funcionais e prontos para contribuir para o aumento da produtividade nas propriedades”, destaca o criador Paulo de Castro Marques, proprietário da Casa Branca Agropastoril. Na edição do Venda Direta de Outono de 2018, a Casa Branca colocará à venda, também, uma oferta especial de 300 machos ½ Angus x Nelore e ½ Brahman x Nelore. “São exemplares que comprovam a força da seleção Casa Branca para cruzamentos Angus e Brahman com o Nelore. Essas combinações proporcionam animais perfeitamente adaptados e com potencial para produção de carne de ótima qualidade”, explica Heitor Pinheiro Machado, gerente de pecuária da Casa Branca.

Casa Branca Agropastoril will host another edition of the “Autumn Direct Sale” on March 21-24 to kick off its 2018 sire sales. The event will take place at Fazenda Santa Ester in Silvianópolis (MG), featuring 50 sires and 60 dams of the Angus, Brahman and South African Simmental breeds, with the quality seal of Casa Branca’s genetic improvement program. “The Autumn Direct Sale marks the beginning of Casa Branca’s sales season. Cattle farmers from southern Minas Gerais and surrounding regions have an excellent chance to check out the animals, make their choices and take highly-productive and functional products back to their farms, to boost productivity”, said breeder Paulo de Castro Marques, owner of Casa Branca Agropastoril. In the 2018 edition of the Autumn Direct Sale, Casa Branca will also put up for sale a special offer of 300 males ½ Angus x Nelore and ½ Brahman x Nelore. “They are specimens that prove the Casa Branca selection strength for breeding Angus and Brahman with Nelore. These combinations provide perfectly adapted animals with the potential to produce high-quality beef”, explains Heitor Pinheiro Machado, livestock manager at Casa Branca.

72 Casa Branca Press

Casa Branca Press 73

events

eventos

VENDA DIRETA DE OUTONO das raças Angus, Brahman e Simental


eventos

eventos

Grandes Campeões ANGUS e SIMENTAL na Exponel 2017, em Avaré

LEILÕES ANGUS E SIMENTAL: Parte

A Casa Branca conquistou os grandes campeões (macho e fêmea) das raças Angus e Simental na Exponel 2017, mais importante exposição da pecuária paulista, que aconteceu em junho, em Avaré (SP). A criação da Casa Branca comprovou a qualidade de seu processo de seleção e genética diferenciada: “Os campeões expuseram todas as características que a Casa Branca e a pecuária almejam – padrão racial, excelente conformação, acabamento de carcaça, boa movimentação e animais altamente férteis”, analisa o proprietário Paulo de Castro Marques. Um grupo com cerca de 15 criadores colombianos pode presenciar o julgamento da raça Simental e checar de perto a qualidade da genética brasileira. Após o 74 Casa Branca Press

julgamento da raça, a Casa Branca Agropastoril apresentou seu trabalho e foco de seleção das raças Angus, Brahman e Simental aos visitantes estrangeiros.

da programação da exposição em Avaré, o leilão Angus Show comercializou 46 lotes de bezerras, novilhas, vacas e touros à média de R$ 6.855,65 com faturamento total de R$ 315.360,00. O leilão Evolution Simental vendou 16 lotes de novilhas (prenhes e paridas), garrotes e touros à média de R$ 8.160,00 com faturamento total de R$ 130.560,00.

CAMPEÕES – A vaca PWM Relíquia foi a grande campeã fêmea do julgamento Angus e o grande touro campeão foi PWM Ruido: “Os animais apresentados foram de altíssima qualidade. A campeã mostrou feminilidade, delicadeza e relevante habilidade materna”, comentou o jurado Roberto Vilhena. Além de destaque no julgamento da raça Angus, a Casa Branca fez dobradinha de grandes campeões também no Simental. A vaca PWM Parla AS e o reprodutor LGPM Salvattore foram consagrados os grandes campeões da mostra. Casa Branca Press 75


events

Angus and Simmental GRAND CHAMPIONS at 2017 Exponel, in Avaré

Casa Branca won the great champion awards (male and female) for the Angus and Simmental breeds at Exponel 2017, the most important cattle farming show in São Paulo, which was held in Avaré (SP) in June. The Casa Branca creation confirmed the quality of its unique genetic selection process: “The champions showed all the characteristics that Casa Branca and cattle farmers aim for – breed standard, excellent conformation, carcass finishing, good movement and highly fertile animals”, says owner Paulo de Castro Marques. A group of about 15 Colombian breeders watched the judging and took a closer look at the quality of Brazilian genetics. After judging the breed, Casa Branca Agropas-

76 Casa Branca Press

Articulações saudáveis para as aventuras do dia a dia

toril presented its work and focus on selecting Angus, Brahman and Simmental breeds to the visiting foreigners.

Sulfato de Condroitina A Alta concentração por dose

CHAMPIONS PWM Relíquia was the grand champion cow in Angus judging and the grand champion bull was PWM Ruido: “The animals shown were extremely high-quality. The champion displayed was feminine, delicate and had relevant maternal traits”, said juror Roberto Vilhena. After standing out in the Angus breed judging session, Casa Branca also had a double win for grand champions in the Simmental breed. The cow PWM Parla AS and sire LGPM Salvattore were awarded the title of grand champions within the sample.

Colágeno Hidrolisado Alta absorção ANGUS AND SIMMENTAL SALES:

Diversas apresentações Único na forma de sticks

Alta palatabilidade Melhor Custo x Benefício Alta adesão ao tratamento

As part of the show schedule in Avaré, the Angus Show sale sold 46 lots of calves, heifers, cows and bulls for an average of BRL 6,855.65, totaling BRL 315,360.00 in revenue. The Evolution Simmental sale sold 16 lots of heifers (pregnant and that have calved), yearling steers and bulls for an average of BRL 8,160.00, totaling BRL 130,560.00 in revenue. Entre em contato conosco, SOLICITE AMOSTRA e a visita do nosso propagandista através do SAC. Será um prazer atendê-lo(a) e levar mais informações.

S A C S A U D E A N I M A L @ AV E R T. C O M . B R


eventos

tecnologia em nano A inovação dermatológica em Nanotecnologia. Conheça o TAMANHO que fará a diferença no RESULTADO!

X SIMPEC, da UFLA, discutiu avanços da pecuária de corte no Brasil

A Casa Branca apoiou o X SIMPEC (Simpósio Internacional de Pecuária de Corte e V Simpósio Internacional de Pecuária de Corte), iniciativa da Universidade Federal de Lavras (UFLA), realizado de 9 a 11 de novembro de 2017, em Lavras (MG). “Foi um grande evento de integração em pecuária de corte. A Casa Branca valoriza iniciativas educacionais e de transferência de conhecimento, contando, inclusive, com programas de estágio para estudantes da UFLA e outras instituições de ensino de Minas Gerais”, informa o pecuarista Paulo de Castro Marques, proprietário da Casa Branca.

A programação do X SIMPEC foi intensa e dinâmica. No total, foram mais de 35 profissionais na programação principal, entre cientistas, gerentes, pecuaristas, CEOs, pesquisadores, nutricionistas, técnicos de campo e professores. O prof. Mateus Piés Gionbelli, coordenador de pós-graduação em zootecnia na UFA, destaca os temas principais discutidos: Evolução da pecuária de corte, Avanços na nutrição animal, Sucessão familiar, Pecuária de alta eficiência e Futuro da cadeia da produção da carne bovina. Também foi realizada feira de carreiras em bovinocultura de corte.

SIMENTAL na Intercorte, em SP

A Associação Brasileira dos Criadores das Raças Simental e Simbrasil, comandada por Alan Fraga, participou da etapa de São Paulo do Circuito Intercorte, nos dias 15 a 17 de novembro. “A proposta surgiu do Centro Paulista das Raças Simental e Simbrasil. Foi uma excelente oportunidade de mostrar as qualidades do Simental e do Simbrasil para um público exigente, que faz contas e tem foco na produtividade na pecuária”, explica Alan.

O Simental tem apresentado excelentes resultados em cruzamento industrial, com destaque para ganho de peso, precocidade de acabamento e musculosidade. “Indiscutivelmente, a genética Sul Africana, também utilizada pela Casa Branca, possibilita uma ótima terminação. Com isso, temos animais prontos para o abate mais cedo e com muito peso e rendimento de carcaça”, informa o presidente da associação brasileira.

78 Casa Branca Press

Casa Branca Press 79


events

X SIMPEC, of the UFLA, discussed beef cattle farming advances in Brazil Casa Branca supported SIMPEC (X Simpósio de Pecuária de Corte [Symposium of Beef Cattle Production] and V International Symposium of Beef Cattle Production), an initiative of the Federal University of Lavras (UFLA), held November 9-11, 2017 in Lavras (MG). “It was a great beef cattle production integration event. Casa Branca values educational and

knowledge transfer initiatives, also relying on internship programs for students from UFLA and other teaching institutions in Minas Gerais”, says cattle farmer Paulo de Castro Marques, owner of Casa Branca. The X SIMPEC schedule was intense and dynamic. The main schedule included a total of 35 professionals, including scientists, managers, cattle farmers,

CEOs, researchers, nutritionists, field technicians and professors. Prof. Mateus Piés Gionbelli, graduate degree coordinator in animal science at UFA, highlights the main topics discussed: Evolution of beef cattle farming, Advances in animal nutrition, Family succession, High-efficiency cattle farming and the Future of the beef

SIMMENTAL at Intercorte, in SP The Brazilian Association of Simmental Breeders and Simbrasil, led by Alan Fraga, participated in the São Paulo stage of the InterCorte Circuit, held November 15-17. “The proposal came from the São Paulo Simmental Breeds Center and Simbrasil. It was an excellent chance to show the Simmental and Simbrasil qualities

to a demanding target audience, who make calculations and is focused on cattle farming productivity”, explains Alan. Simmental has shown excellent results in industrial crossing, highlighting weight gain, finishing precocity and muscularity. “South African genetics, also used by Casa Branca, unquestiona-

bly allow for great termination. We then have animals ready for slaughter earlier, and with a lot of weight and carcass yield”, said the Association’s president.

AGENDA

04.05.2018, a partir das 20h Leilão Brahman Embryo Select Promoção: Casa Branca, Brahman Canaã e Portobello Local: Kiosk Armazém do Boi Uberaba (durante a Expozebu)

05/04/2018, from 8:00 p.m. Brahman Embryo Select Sale Promotion: Casa Branca, Brahman Canaã and Portobello Location: Kiosk Armazém do Boi Uberaba (during Expozebu)

80 Casa Branca Press

Casa Branca Press 81


raças / breeds

Nova diretoria da ACBB

New ACBB board

O proprietário da Casa Branca, Paulo de Castro Marques, é membro do Conselho Admini strativo da diretoria da Associação dos Criadores de Brahman do Brasil (ACBB), eleita até 2020. O presidente da entidade é o criador Paulo Sergio Scatolin (foto). O Conselho é constituído por Paulo de Castro Marques, Carlos Borges, Edgar Ramos, Wilson Rodrigues e Charles Maia. Os Conselheiros Ex-Presidentes são Adalberto Cardoso e João Leopoldino. O Presidente do Conselho Técnico é Pedro Teixeira. Os Conselheiros Fiscais Efetivos são Sergio Bendilatti, Daniel Dias e Fabio Camargos. Os suplentes: Marcos Henrique Pereira Alves, José das Graças Lamounier e Rogerio Stein.

The owner of Casa Branca, Paulo de Castro Marques, is a member of the Board of Directors for the Brahman Breeders Association of Brazil (ACBB), elected until 2020. The body’s president is its creator, Paulo Sergio Scatolin (photo). The Board is made up of Paulo de Castro Marques, Carlos Borges, Edgar Ramos, Wilson Rodrigues and Charles Maia. The Board Members who are former presidents are Adalberto Cardoso and João Leopoldino. The President of the Technical Council is Pedro Teixeira. The permanent fiscal members are Sergio Bendilatti, Daniel Dias and Fabio Camargos. Alternates: Marcos Henrique Pereira Alves, José das Graças Lamounier and Rogerio Stein.

Nutrientes benéficos para pele e pelagem! Níveis de Níveis degarantia: garantia:

Por kg

Por cápsula

65,7 g

22 mg

Extrato de leveduras (mín.)

300,3 g

100,60 mg

Pantotenato de cálcio (mín.)

197,019 g

66 mg

170 g

56,95 mg

Cistina (mín.)

Tiamina (mín.)

PREPARE-SE! VOCÊ NUNCA CONHECEU NADA IGUAL!

SACSAUDEANIMAL@AVERT.COM.BR UMA EMPRESA BIOLAB

Rua Olimpíadas, 242 - 3º andar - Vila Olímpia - 04551-000 - São Paulo - SP 82 Casa Branca Press


Profile for Casa Branca Agropastoril

Casa Branca PRESS 19  

Março de 2018 / ano 13 - número 19

Casa Branca PRESS 19  

Março de 2018 / ano 13 - número 19

Advertisement