Issuu on Google+

Procedimento nº 1 ­ RETENÇÃO DE CONTRIBUIÇÃO PREVIDENCIÁRIA A Igreja ao efetuar pagamentos por serviços prestados por pessoas físicas (autônomo) ou jurídicas (empresas), deverá reter do prestador de serviço e efetuar o devido recolhimento da Contribuição Previdenciárias. - INSS

Pagamentos às Pessoas Físicas - Retenção de Contribuição Previdenciária - INSS a) Autônomos – De acordo com a  da Lei 10.666/03, as igrejas são obrigadas a reter e arrecadar a  contribuição de 11% do segurado pessoa física que prestar serviços nas Igrejas, descontando a  respectiva remuneração e recolher o valor arrecadado juntamente com a Contribuição  Previdenciárias de 20% a cargo da Igreja, incidindo sobre o valor dos serviços realizados e o  pagamento na rede bancária é até o dia 20 de cada mês seguinte ao da competência, caso o dia  20 não tenha expediente bancário o vencimento será antecipado.

b) Empresa que contrata serviços mediante cessão de mão de obra – Conforme o art. 31 da Lei nº  8.212, determina que a Igreja deverá reter 11% do valor bruto da nota fiscal ou fatura de  prestação de serviços e recolher a importância até o dia 2 do mês subsequente ao da emissão  da respectiva nota fiscal ou fatura em nome da empresa cedente de mão de obra, este valor,  enquadram­se na situação prevista os serviços de limpeza, conservação, zeladoria, vigilância,  segurança, empreitada de mão de obra e contratação de trabalho temporário.

Procedimentos nº 2 – CONTRIBU I N T E INDI V I D UAL E AUTÔNOMOS

Para ter o direito aos benefícios da Previdência Social você deve estar inscrito na Previdência Social e  manter o pagamento em dia e será considerado segurado da Previdência Social. Os contribuintes individuais são as pessoas que prestam serviços às empresas ou exercem atividades  por conta própria, mas não são seus empregados. Se a pessoa já tem: NIT - Número de Identificação do Trabalhador PIS – Programa de Integração Social, neste caso nem precisa se inscrever. Pode utilizar este número para contribuir. Documentos necessários para a Inscrição:


• •

Carteira de Identidade ou Certidão de Nascimento/Casamento CPF

Procedimentos nº 3 – Inscrição como contribuinte do INSS O contribuinte individual pode fazer a inscrição em uma das Unidades da Previdência Social, ou ainda pelo telefone 0800 78 0191 e pela internet. Qualquer pessoa pode inscrever-se, individualmente, como contribuinte do INSS. Os passos que devem ser seguidos são: a) acessar www.previdenciasocial.gov.br b) entrar em “contribuições” (veja lista completa) c) Inscrição d) Formas de contribuição e) Contribuinte individual e facultativo f) Formas de contribuição OBS: Compre na papelaria o carnê de contribuição da Previdência e preencha com as informações recolhidas no site.

Procedimentos nº 3 – Contribuição Previdenciária Os contribuintes individuais contribuem com (vinte por cento) 20% sobre o total dos seus rendimentos, a partir do salário mínimo até o teto do Regime Geral de Previdência Social no valor de R$ 3.218,00. 1. Se presta serviços a empresas, a contribuição é de 11% que serão retidos sobre o total dos seus  rendimentos, descontada  pela empresa, limitada ao teto da Previdência Social. 2.  A empresa deverá, no início do mês, incluir na GFIP o nome do segurado com a identificação  que poderá ser o NIT ou o número do PIS, acrescentar a retenção efetuada ao valor de  contribuição da Igreja que corresponde ao percentual de 20% dos serviços prestados que é  chamada de cota patronal e recolher na rede bancária, no dia 02 de cada mês, os valores dos  trabalhadores autônomos do mês anterior.

Questões:


1. A Igreja contratou a mesma pessoa para serviços de pedreiro e encanador, e foram  emitidos dois recibos, individuais, que não alcançam a retenção de R$ 29,00, contudo,  somando­as, o valor ultrapassa o valor mínimo. Devo reter os 11%? Resposta: Sim, desde que os recibos tenham sido emitidos no mesmo mês e pertençam  realmente ao mesmo prestador de serviços.

2. A Igreja tem que reter IR quando o prestador de serviço for uma Cooperativa? Resposta: quando se paga a uma cooperativa de trabalho, o tomador do serviço é contribuinte  (não é substituto tributário ­ fonte pagadora), logo, não se trata de retenção. A alíquota é de 15%  (quinze por cento) sobre o valor bruto da nota fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviços  emitido pela cooperativa de trabalho, a título de cota previdenciária única.  3. Prestador de serviço autônomo que contribui regularmente:   a )Quando, um pedreiro faz regularmente a sua contribuição para o INSS como autônomo, e  é contratado por uma igreja para realizar um serviço durante 03 meses, ele pode ficar sem   contribuir por esse período tendo em vista que a igreja vai fazer o recolhimento em seu  nome?  b)  Se o pagamento mensal deste pedreiro, em algum mês, for inferior ao valor do salário  mínimo, a igreja tem de complementar a diferença para 01 salário mínimo? Respostas: Quando o autônomo presta serviço à empresa, não é necessário que faça a  contribuição mensal de autônomo. A contribuição, neste caso, é feita pela empresa, mas para que o  trabalhador tenha seus direitos previdenciários, é IMPRESCINDÍVEL que a empresa informe em  GFIP os pagamentos e valor retido a título de contribuição previdenciária para aquele trabalhador  (usar o NIT, PIS ou PASEP). A obrigação da empresa independe do valor ser maior, igual ou menor  ao salário mínimo.  Um ponto importante, caso o trabalhador contribua em valor superior ao que estará sendo retido pela  empresa, deverá este trabalhador, por conta própria, fazer o recolhimento da diferença em GPS. Por  exemplo: se o trabalhador recolhe sobre o salário mínimo e prestou serviço neste valor, com a  retenção e informação em GFIP não há necessidade de o trabalhador fazer o recolhimento adicional.  Porém, se ele recolhe normalmente com base no salário mínimo e prestou serviço de meio SM, deverá  recolher a contribuição previdenciária pela metade em GPS.  4. A Lei do voluntariado instituída pelo presidente Fernando Henrique Cardoso está em  ordem?  Quando usada a referida Lei tem que tributar? Resposta:  É necessário ter o Termo escrito de adesão ao voluntariado, devendo constar o  objeto e as condições do trabalho a ser prestado, que o trabalho não seja remunerado, somente pode 


ter ressarcimento de despesas com alimentação, condução e materiais que utilizar para o serviço  voluntário, a própria Lei do Voluntariado 9608/98 diz do direito do voluntariado quanto ao  ressarcimento das despesas que realizar, e estas despesas que sejam comprovadamente realizadas no  desempenho das atividades voluntárias. Tem modelo do termo de Adesão no site da sede – AIM. 5. Sou aposentado pelo INSS. Não recolho mais o carnê. O que preciso fazer? Resposta: Aposentadoria não isenta recolhimento à Previdência. 6. O RPA gera vínculo empregatício? Resposta: Não. 7. Para a remuneração pastoral deverá ser emitido RPA ou recibo simples? Resposta: Recibo simples. 8. Os cursos realizados pelos Ministérios de Ação Social, como corte de cabelo, reforço  escolar, bordado, pintura) estarão sujeitos ao recolhimento de INSS?

Resposta: É necessário ter o contrato de voluntariado e somente ressarcimento de despesas  com condução e materiais utilizados.


CARTILHA[1]