Page 1

APRESENTAM

PREMIADO TEXTO DE ALDRI ANUNCIAÇÃO

DIREÇÃO LÁZARO RAMOS COM FLÁVIO BAURAQUI E ALDRI ANUNCIAÇÃO


Este espetáculo é dedicado a (madrinha) Nilda Spencer, a Mário Gusmão, e a todos os africanos trazidos ao Brasil


LÁZARO RAMOS DIRETOR

“O PERIGO DA HISTÓRIA ÚNICA” Como foi prazeroso construir Namíbia, não!. Um reencontro com o teatro, a estreia como diretor de espetáculo adulto e, principalmente, um pulo no abismo dessa aventura louca de criar um universo tão próximo e distante - que é o apartamento que confina não só a André e Antônio, mas a todos nós. Com o texto deste espetáculo, Aldri consegue, com simplicidade, falar de um assunto que está nas nossas vidas. Às vezes como pano de fundo, em outras circunstâncias, mais presente e assustador do que um tapa. Embora muitos contem suas versões do mundo, ter como autor o ator, com todas as características de Aldri, nos faz perceber como é importante


a diversidade de depoimentos enquanto valor na construção das histórias da nossa dramaturgia. A escritora nigeriana Chimamanda Adichie nos alerta sobre “O perigo da história única”. Namíbia, não! me encantou ao primeiro olhar e assim me ofereci para dirigir. Hoje só tenho a agradecer a entrega e generosidade de Aldri e Flavinho (dois amigos amados e atores inspiradores), a Ana Paula (peça fundamental em cada ideia , duvida ou certeza) e também a toda a equipe que felizmente é grande o suficiente para que eu não consiga citar todos. Obrigado pela confiança e talento: Jorginho, Pilar, Rodrigo, Filipe, Caio, Socorro, Marta, Laura...vejam a ficha técnica. Encontramos o nosso lugar. O nosso lugar é onde sonhamos estar. Que bom todos nós termos sonhado Namíbia,não! juntos.


Em 2016, o Governo brasileiro decretou uma Medida Provisória obrigando que todos os de ‘melanina acentuada’ sejam capturados e enviados imediatamente à África, provocando, em pleno século XXI, o revés da diáspora vivida pelo povo africano do Brasil escravocrata. A medida é uma ação de reparação social aos danos causados pela União. Mas, para não incorrer no crime de “Invasão a Domicílo”, eles só podem ser capturados na rua. Assim, André e Antônio passam o dia trancados no apartamento, debatendo as questões sociais e econômicas da sociedade, suas vidas pessoais e as consequências de um iminente retorno à África-mãe.


Saudade ou alívio? Namíbia, não! foi escrito em sortidas madrugadas entre outubro de 2008 e janeiro de 2009. Algumas folhas em Copacabana (RJ), outras na casa do Rio Vermelho (Salvador). Em 2010, o texto foi agraciado com os Prêmios de Funarte de Teatro Myriam Muniz e Fapex de Teatro por sua dramaturgia, teve leituras dramáticas no II Ciclo Negro Olhar (RJ) e no FIAC (BA), e foi debatido na 1° Mostra de Teatro Negro (SP). Namíbia, não! faz parte de uma série de reflexões sobre as relações sociais. O confinamento de dois primos em um apartamento é apenas um pretexto criado para realizar uma pequena crônica sobre a vida de jovens de melanina acentuada no Brasil. Uma análise sobre os efeitos das conquistas já obtidas (resultados de questionamento de pensadores e ativistas sociais ao longo da nossa história) e conquistas recentes, que se transformam em proposições através de dispositivos políticos e judiciais, como as Leis Afirmativas, por exemplo. A inesperada e surreal retirada de todos os melaninas acentuadas do Brasil em um tempo futuro, proposto pelo texto, tem como objetivo deslocar o pensamento da plateia (independente da sua predominância étnicofenotípica) e estimular sensações ligadas às questões sociais do nosso país. Desejo que as pessoas não procurem respostas no espetáculo, mas que se integrem à discussão e se divirtam. Para finalizar, quero citar a seguinte máxima: quer saber o quanto amas uma pessoa? Afasta-te dela por um tempo e perceberás o que sentes: se saudade ou alívio. Aldri Anunciação dramaturgo


FLÁVIO BAURAQUI ATOR

Encontrei o teatro aos 15 anos. Me vi e me vejo transformado por ele. Minha mãe, Ana Alice, aos 64 anos, um dia me contou que havia encontrado o teatro. Vi em seu olhar que ali tinha outra mulher! Ao ser convidado para fazer Namíbia, não!, do talentoso Aldri Anunciação, nem imaginava tudo que estou vivendo e vendo ser resgatado. Um sabor muito particular, o de fazer teatro com amigos, onde é possível se jogar sem medo. Agradeço ao meu amigo Lázaro Ramos, a Ana Paula Bouzas, Luis Antônio Pilar e a todos da nossa competente equipe! Dedico esse trabalho a Benjamin de Oliveira.


ALDRI ANUNCIAÇÃO ATOR

“... e foi então que a pele de todos os seres humanos viraram espelhos... espelhos que contornavam cada detalhe dos nossos corpos, como um tecido que nos protegia de nós mesmos.” (fala de Antônio no texto Namíbia, não!) O espelho sempre me impressionou. Não como símbolo de vaidade, mas de semelhança e igualdade. Ele reflete um outro, que não é o mesmo, mas é igual. Namíbia, não! entrou na minha vida como um espelho. Refletiu e atraiu pessoas com interesses artísticos e sociais iguais aos meus. Aspirações de uma tentativa de comunicação direta com os corações e mentes daqueles que estão ao nosso lado. Desvendar e percorrer caminhos que nos ligam aos seres humanos constitui, para mim, a expressão mais genuína de amor e respeito às individualidades. Sou muito grato por ter artistas e técnicos (amigos e familiares) tão sinceros e competentes ao meu lado nesta jornada chamada Namíbia, não!, cujo destino são os corações das pessoas. Divirtam-se! E, assim como os espelhos, reflitam... sobre isto!


ANA PAULA BOUZAS ASSISTENTE DE DIREÇÃO

Namíbia, não! é mais uma prova de que a força de um artista em comungar seus pensamentos e inquietações tem, muitas vezes, uma potência surpreendente e que me emociona de forma especial. Agradeço pelo privilégio de estar num momento precioso como esse, ao lado de seres tão humanos e talentosos! Obrigada Aldri, Lázaro, Flavinho e todos os artistas envolvidos, por me fazerem sentir, como poucas vezes (as melhores!), o sabor da criação entre amigos; vivenciando o luxo de me lançar no risco com afeto, respeito e liberdade. Saborear dúvidas, desvendar e produzir mistérios com amor e humor é poder se embriagar sem freio - como a gente gosta - com a cachaça que é o teatro. Se eu tenho dúvida se seria uma das capturadas para ser deportada à África? Imaginem! Minha melanina é acentuadíssima e o percentual só cresce a cada dia. A todos, com amor: afrouxem os cintos e boa viagem!


O cangaceiro, o homem-bomba, o porquê, o X da questão. Porque a educação. Por que estamos todos olhando pela janela? Porque a televisão. Por que a lei é clara? Por que a união, o Estado, por que província? Na Líbia, no Egito o porquê. Porque Gusmão, porque saiu uma medida provisória. Porque está tudo escuro Por que Namíbia? Não resistir, por quê? Porque o ator é carne entre engrenagens. Porque teatro político é pleonasmo. Porque estamos na terceira margem. Por quê. Sem interrogação. CAIO RODRIGO ASSISTENTE DE DIREÇÃO


NAM

NAM

í BI A

í BI A

NAM

í BI A


LUIZ MARFUZ DIRETOR TEATRAL PROFESSOR DA ESCOLA DE TEATRO DA UFBA MEMBRO DO JÚRI DO PRÊMIO FAPEX DE TEATRO

NAMÍBIA, SIM!

NAM

ÍBIA,

Namíbia,não! é um grito desesperado de gargalhada contra a intolerância. De todo tipo. Desesperado porque trata de algo sério: a discriminação racial em todas as suas formas e disfarces. De gargalhada, porque diz o que tem de ser dito de forma sarcástica, cruel até! Um riso demolidor, de desconcerto. Ao ler o texto – um dos vencedores do Fapex de Teatro 2010 - não sabemos se nosso riso é de deboche ou espanto. Porque fica difícil estar distanciado e apenas rir como se nada tivéssemos a ver com o tema. Não somos nós que estamos, o tempo todo, a disfarçar preconceitos em busca de soluções que escondem uma visão viciada so-

SIM!


NA

MÍ BI

A,

SIM !

bre a convivência social no Brasil? Não estamos, em nome de suposta democracia igualitária, negando direitos a quem direito tem? Aldri trata estes temas de forma envolvente e polêmica. Com uma escrita cuidadosa, dono de carpintaria cênica sedutora, ele já havia demonstrado seu talento como intérprete. Agora, aliando-se a Lázaro Ramos, que assume a direção, Aldri tem a chance de botar a boca no mundo. E vozes como estas se juntam a outras tantas contra a intolerância religiosa, étnica e social. Lázaro já demonstrou que não veio só para cumprir (o que tem feito muito bem!) seu papel de ator no palco. Já seria o bastante. Mas ele vai além: é escritor, diretor, educador, dramaturgo. Enfim, um ator social de peso; assim como esta dupla peso pesado - diretor-autor - e toda a equipe que se formou para fazer Namíbia, não!. E nós aqui esperamos que este brado satírico fique. E por muito tempo. Ao jeito aldriano de escrever, podemos dizer: Namíbia, sim!

N A M Í ,

BI A !

SI M


MO

NJO LO

SERGIO BRITTO ATOR.DIRETOR FEVEREIRO 2011

Aldri Anunciação e Lázaro Ramos me honraram muito pedindo que eu escrevesse o prefácio desta peça. Me escolheram porque sabem da minha admiração pelos ditos melanina acentuada, essa gente que um dia veio da África, escravos comprados para preencher espaços em nossa população. Melanina acentuada, negros, mulatos, minha paixão vem de longe. Tiro de Guerra 7, Vila Izabel. À beira de cumprir suas obrigações com o exército, o Tiro de Guerra 7 ficava quase na esquina da av 28 de Setembro com a rua Pereira Nunes, e foi lá que eu conheci Eduardo de Oliveira, negro, magro e elegante. O Edu foi amizade à primeira vista. Primeiro no Rio, depois em São Paulo. Na capital paulista, ele se meteu a estudar as origens dos de melanina acentuada; e, como em tudo que fazia, isso também se tornou paixão.


Um dia eu perdi o Eduardo de vista. Ele ficou mais em São Paulo. Eu estava mais no Rio. Chego a São Paulo e vou procurá-lo. Bato na porta, toco a campainha, ninguém atende. Até que a vizinha se aproximou: “Seu Sergio, o Eduardo foi encontrado morto”. Ele estava escrevendo seus estudos, de repente lhe tiraram o patrocínio dessa pesquisa. Ele não saiu mais de casa, não comeu, não bebeu. Se trancou dentro do apartamento, e lá morreu de inanição absoluta. É para ele que dedico este prefácio. A história de Eduardo fala melhor que qualquer palavra minha sobre a força, a determinação dos de melaninas acentuadas. Eles são o centro dessa peça saborosa e dramática a um tempo só. Algo que merece ser lido apaixonadamente.


MARTA E LAURA JLM PRODUÇÕES PRODUÇÃO EXECUTIVA

co n

go

Tivemos o prazer de ver nascer o texto Namíbia, não! há dois anos. Já sabíamos que Aldri era um grande ator (além de grande amigo), mas descobrimos também um grande escritor. O texto, além de gostoso e divertido, trata de tema extremamente relevante para a história do Brasil. Temos muito orgulho da nossa trajetória de realizações de espetáculos sobre cultura afro-brasileira, mas nada nos é tão contemporâneo como “Namíbia, não!”. Aldri se revelou ainda um grande produtor, reunindo uma equipe maravilhosa para este projeto: Lázaro, Pilar, Flávio e toda a equipe criativa são artistas de extrema sensibilidade, da qual temos prazer em estar perto. Por fim, agradecemos à Susan, Caio e Socorro, nossos parceiros na produção executiva em Salvador.

an

g ol

a

SUSAN KALIK KALIK PRODUÇÕES ARTÍSTICAS PRODUÇÃO EXECUTIVA

Namíbia... por que não? Aceitei o convite de Aldri para compor esta equipe, e junto com Caio, Socorrinho e o pessoal da JLM, formar uma parceria RioSalvador, lançando rumos na produção de Namíbia, não!.


Infelizmente, não tive oportunidade de ver Lázaro Ramos nos palcos soteropolitanos, pois, quando cheguei à Bahia, ele já tinha ganhado o país. É um prazer tê-lo à frente da direção deste espetáculo. Um artista sensível, dirigindo dois brilhantes atores (Aldri e Flávio), dando forma a um texto envolvente. Muito bom poder fazer parte disso! Obrigada às equipes de direção, produção, artística, técnica e aos meus assistentes Gabriela Rocha, Franciso Xavier e Mariana Passos. SOCORRO DE MARIA PRODUÇÃO EXECUTIVA

Namíbia, não! tem a leveza de Perseu. Quando nós, actantes do universo teatral, falamos em ‘produção’, normalmente, o cenário que se apresenta é de muito trabalho. Não obstante, ao ler o texto Namíbia, não!, este cenário foi se transformando em um grande prazer. Seja pela leveza nas relações de trabalho, seja pela leveza com a qual o tema do racismo no Brasil é tratado por Aldri Anunciação, menino que vi crescer junto com o seu talento e tornar-se um grande dramaturgo. Ressalto que ‘leveza’ não “se confunde com superficialidade”. Ao ilustrar esse conceito, Calvino citou a grande proeza de Perseu que, com suas sandálias aladas, pisando sobre nuvens e vento, foi o único a decapitar a Medusa. É desse modo que Aldri nos faz refletir sobre o lugar e a condição do negro no mundo. Em síntese, Namíbia,não! nos diz que é preciso discutir a liberdade e o engajamento compulsórios; seus conceitos abstratos, binários e maniqueístas.


texto: Aldri Anunciação elenco: Flávio Bauraqui e Aldri Anunciação ator (stand by): Fernando Santana direção geral: Lázaro Ramos assistência de direção: Ana Paula Bouzas e Caio Rodrigo direção musical: Arto Lindsay, Wladimir Pinheiro e Rafael Rocha direção de vídeos : Luis Antônio Pillar e Lázaro Ramos produção musical: Rodrigo Coelho e Rafael Rocha assistente de produção musical: Isabela Meirelles equipe de produção coordenador de produção: Aldri Anunciação produção executiva: Socorro de Maria, Kalik Produções Artísticas (Susan Kalin); Terceira Margem (Caio Rodrigo); JLM Produções Artísticas Ltda (Laura Castro, Marta Nobrega) assistência de produção: JLM Produções Artísticas (Renata Peralva e Nathalia Atayde Henrique) e Kalik Produções Artísticas (Francisco Xavier e Gabriela Rocha) equipe de luz desenho de luz: Jorginho Carvalho assistente de iluminação: Pedro Forjaz e Pedro Dutra responsável técnico e operador de luz: Pedro Dutra equipe de sonorização engenharia: Rocha Studio (Filipe Pires) operador: Roberto Leão


cenografia e figurino cenário: Rodrigo Frota cenotécnicos: Bruno Passos, Barruada, Paulo Maurício, Israel Luz, George Santana e Tárcio Pinheiro contraregras: Tárcio Pinheiro e Leonardo Brito figurino: Diana Moreira assistente de figurino: Mariane Lima modelista: Dora Moreira costureira: Letícia Lourdes preparador de lutas: Felipe Khoury comunicação assessoria: Comunika Press (Aleksandra Pinheiro) fotografias: Sandra Delgado e Filipe Cartaxo projeto gráfico: cartaxo cria (Filipe Cartaxo) visagismo gráfico: John Santana (RJ) e Thiago Gomes (BA) edição de vídeos e câmera: Pacheco assistente de produção de vídeos: Camila Martins vídeos de divulgação: Thiago Gomes personagens dos vídeos Nóia Maria: Luis Miranda Maria Beltrão: Maria Beltrão Capitão Ricardo: Edmilson Barros apresentadora de TV: Cláudia Ventura repórter: Antônio Fragoso vozes dos personagens em OFF socióloga: Ana Paula Bouzas mãe idosa: Léa Garcia Ministro da Devolução: Wagner Moura policial 1: Caio Rodrigo policial 2: Marcelo Flores garota assaltada: Laura Castro moleque: Francisco Pithon dona Araci: Suely Franco seu Machado: Lázaro Ramos


seu Nina (vizinho): Pedro Paulo Rangel advogado: Filipe Pires aeromoça: Evelin Buchegger repórter em Angola: Antônio Fragoso músicas composição “Africa aqui vou eu” - Aldri anunciação e Flavio Bauraqui seleção das músicas: “Se todos fossem iguais a você” ( Tom Jobim), “Jah Jah Revolta” - BaianaSystem( Russo Passapusso) e “Dois animais na selva suja da rua” ( Erasmo Carlos) Lázaro Ramos citações literárias Sobre As Questões das Leis, de Franz Kafka (ensaio) Hamlet, de William Shakespeare (texto teatral) Eu Te Amo, de Arnaldo Jabor (texto teatral) Navio Negreiro, de Castro Alves (poema - trechos traduzido para o alemão por Aldri Anunciação)


AGRADECIMENTOS Angel Palomino, Camila Martins, Doris Rollemberg, Eduardo Pereira, Laura Castro, Kika Freire (por nos ceder a cadelinha), Marta Nobrega, Paulo Reis, Rosa Castro da Nobrega, Tais Araujo, Tânia Rocha, Teatro Municipal Café Pequeno, Uelington e UNIRIO Sleep Well Salvador Hostel, EDUFBA, FAPEX, Centro Técnico do TCA, Alcindo da Anunciação, Albry Alves da Anunciação, Josetildes Sousa Alves, Rodrigo Cohen, Rádio Nova Salvador FM, , Rick Sadoco, Sergio Menezes, Shy, Lucci Ferreira, Nayara Homem, Hugo de Melo Homem, Cláudia Souto, Fábio Vidal, Rosa Castro Nóbrega, Júlia Rabello, Wladimir Pinheiro, Manhã Ortiz, Alícia e Rich, Marcello Sader, Tatiana Tibúrcio ( Ciclo Negro Olhar), Ângelo Flávio, Cobrinha, Fabrício Boliveira, Aduni Benton, Vitória Amaro Anunciação, Albrynho, Caíque Chaves,Yasmin Anunciação, Tia Mariza, Mércia Melo, Marcelo Veras, FIAC, Escola de Teatro da UFBA, A Outra Cia de Teatro, Eumir Barreto, Jane, Elísio Lopes Jr, Chica Carelli, Festival A Cena Tá Preta, Bando de Teatro Olodum, Márcio Meirelles, Daniel Marques, Bira Freitas, Fernanda Júlia, Luis Segio Loureiro, Paul Quirino, Debora Adorno, Fernanda Paquelet, Vladimir Brichta, Jason Potas, Michael Rundorf, Claus Matthes, Aron Stiehl, Bernd Feuchtner, Florestan Hoeck, Mariz Garcêz, Ricardo Simões, Javier Montes, Ana Flávia, Juliano Barros, Rafa e Tolu (Lata Produções), Judite e Hebert, Ana Cartaxo, Fernando Lira Ximenes, Cacilda Póvoas, Luis Felipe Botelho, Tânia Abreu, Vitório Emanuel, Leda Martins, Prof° Henry Throrau, Ana Amélia Magalhães, Adalgisa Leonor, Lucile Modesto, Rigner Modesto, Ramon Modesto, Hugo Santana,Fábio Espírito Santo, Projeto Memória: Carne Viva - Kaonge Conta Zumbi, Josenilda Santana, Consuelo Matos, Joselita Santana, Tatiana de Lima, Joceval Santana, Maria Gal, Ivan Ramos, Joana Dárc, Natalia e Camila, Luana Jorge Maya, Tati Rabello, Leonel Henckes, Selma Santos, Herbet Cunha, Judite Araújo, Nelma Santos, Márcio Vigna, Felipe Botelho e a todos os atores que muito gentilmente emprestaram suas vozes para o espetáculo.


REALIZAÇÃO

TÔ LIGADO PRODUÇÕES LTDA. PRODUÇÃO


APOIO


www.namibianao.com.br

namibia nao  

namibia nao

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you