Page 1

"Você já sabe o final do filme, por que tá assistindo?" "Você sabe que vai morrer um dia, por que tá vivendo?" “Sei que está cedo pra ligar, mas tô te ligando. Ontem te liguei depois das onze da noite, mesmo sabendo que é falta de educação ligar para alguém essa hora da noite. Mas é que eu queria te ouvir. Você não atendeu ontem, e nem agora. Mas eu só queria dizer que te amo. Aprendi com você que não tem hora certa pra dizer te amo, então tô aqui, falando tudo por uma mensagem de voz, mesmo sem ter a certeza de que vai ouvi-la. Então é isso, te amo.”

“Cada relacionamento entre duas pessoas é absolutamente único. Por isso você não pode amar duas pessoas da mesma maneira. Simplesmente não é possível. Você ama cada pessoa de modo diferente por ela ser quem ela é e pela especificidade do que ela recebe de você. E quanto mais vocês se conhecem, mais ricas são as cores desse relacionamento.” — A cabana.

“Gosto dessas amizades que a sinceridade não falta, de que o carinho transborda e a segurança transmite. Gosto de pessoas que só de me olhar, percebe que eu preciso de um abraço pra chorar. De uma palavra de conforto para dormir. Gosto pessoas que conseguem perceber pelo tom de voz e palavras usadas por mim, e percebe que eu preciso de ajuda. De pessoas que são mais que amigos e irmãos, que conseguem fazer parte da gente.” — júlia pestana

“Toda mulher precisa de um melhor amigo. Não um namorado que também é melhor amigo. Toda mulher precisa de um homem na vida, que a vê como irmã. Precisa de uma voz masculina na hora de querer ouvir algo mais grosso e mais dolorido. Precisa de uma imagem de irmão mais velho, quando tudo estiver dando errado. Toda mulher precisa de um melhor amigo pra se apoiar e se espelhar. Pra se sentir segura quando brigar com o amor da sua vida, pra poder chorar quando se sentir abandonada, pra conversar de madrugada, pra contar suas experiências e tirar dúvidas sobre papo de homem. Toda mulher precisa de um idiota, babaca, grosso e mau-educado cara do lado, para quando for largada por quem ama, ele a segurar. Toda mulher precisa de um cara forte, para poder se sentir segura. Toda mulher precisa de um melhor amigo na hora da insanidade, para compartilhar a dor de ser mulher, aprender o que se passa na cabeça dos homens do mundo. Toda mulher precisa de alguém que a veja muito mais que irmã, amiga, namorada. Precisa de um, apenas um alguém que a veja como tudo ao mesmo tempo, sem maldade de deitar em uma cama e dormir abraçados só por sentir


dor. Toda mulher precisa de um melhor amigo quando está carente, quando quer rir, quando quer brincar. Toda mulher precisa de um cara que aceite assistir um filme de mulher, quando o resto não querer. Toda mulher precisa de um melhor amigo, só pra poder acordar e ter a certeza de que mesmo feia, sem maquiagem, com bafo e descabelada, será vista igualmente como se ela estivesse arrumada, cheirosa, maquiada.”

“O cheiro da chuva acalma, declina o peito e aprofunda o teu perfume na minha pele. Cortinas ensolaradas. O acordar das nuvens, tuas mãos pesadas, intocáveis. Me salvo, te salvo meu poeta, recito Camões que grita a dor que desatina sem doer. Debruço em teus versos, aprofundo no cansaço da saudade de te ter, amar e morrer. Vestigo o impossível, dedilho o inquebrável maldito do desejo sem você. Quisera a flor teu espinho, quisera a dor o amor, quisera eu ter você. O mapa mundi impõe a distancia, nossa poesia declara a guerra. Sou parte do inatingível, o andar solitário entre nós, sou pura imaginação. Você é meu alívio, meu precipício, as asas do meu coração invisível.” — Elisa Bartlett para um amor além do impossível. “ Para mim a poesia é um sentimento. Aperte o olhos, relaxe a miopia da vida e veja. Ela paira em todo lugar, no teu colo nas tuas mãos na calma da ilusão na agonia da espera no teu amplo silêncio no teu choro de alegria na agressividade do não na batida forte do coração na liberdade de Kurt Cobain na aceitação da velha solidão na doçura da flor de chocolate na afetividade do velho escrivão na respiração da frase que te toca no apego aos teus livros e canções no deslumbramento aos pés do Cristo na beleza estonteante do garoto punk no civismo melodramático dos sindicatos na demência do assassino na hora do tiro no abalo sísmico da torcida na hora do gol na fuga desesperada daquilo que te acabou na catalepsia da rotina que esmaga e paralisa


no domínio do amante te possuindo feito um cão no dengo do terno e demorado abraço pela manhã na cegueira de nossos governantes pobres de espírito na disputa sã por um amor, uma flor, um amigo, um irmão na consciência que o mundo está ruindo bem a nossa frente no embaraço de uma declaração de amor de olhos brilhantes na fragmentação da vida para no final encontrar o teu começo na discórdia sem nexo do mundo diante da minha sexualidade na dignidade do trabalhador as 4 da manhã na estação central no espanto perante a guerra e a destruição de vidas humanas no horror da miséria exacerbada pela dor e alcoolismo do pai no idealismo estampado na bandeira política do teu partido na histeria completa na chegada dos Beatles ao aeroporto na derrota ao ver uma amigo ir embora pra todo o sempre na espiritualidade de Chico Xavier, Buda e Salvador Dali na descrença de estar vivo depois de se sentir um vazio no dilema entre o desejo e a necessidade do dinheiro na empatia vibrante da resposta que te faz pensar no constrangimento do primeiro olhar apaixonado na genialidade das palavras de Chico Buarque no autismo perante a covardia e inexpressão na carência pelo toque, pelo beijo, pela mão na amargura do abandono e da decepção no brilhantismo de um texto bem escrito na tentação pelo errado e inaceitável nas entrelinhas da prosa detalhada na convicção infame da realidade serial killer de nossos sonhos na lágrima que não escolhe na culpa de não estar lá na tua pele cor de chá na temperatura do ar na saudade d’gente em mim, em você solta e imortal. A poesia vive em cada um de nós. ” — Elisa Bartlett. “Não preciso estar perto pra cuidar, só preciso me certificar de que se cuida por mim. Não preciso te olhar no olho pra saber se me ama, só preciso ouvir palavras doces de vez em quando. Não preciso se quer estar perto, convivendo ou sentindo sua doce pele, só preciso ter certeza de que é o que você mais deseja um dia. Não preciso te abraçar


todas as manhãs até porque me certifico de que o seu abraço é o que mais necessito. Não preciso falar que sinto sua falta porque você sabe que sua falta aqui me faz se sentir sozinho. Não preciso dizer que te amo todos os dias porque eu demonstro que o amor vai além de palavras. Não vou mentir e nem negar que todas as noites eu queria você em vez do travesseiro e nem vou tentar negar outra vez porque até tua respiração parece gritar que precisamos um do outro. Sua voz acalma meu coração e saber que mesmo de longe é como se fossemos apenas um faz eu ter certeza de que o amor é muito mais que ter o desejo de tocar um ao outro. As manhãs se tornam vivas com cada palavra sua lida ao apogeu da noite após ter cochilado no sofá, cada ‘eu te amo’ é necessário, cada ‘eu preciso de você’ é necessário, cada momento com você é necessário e só pra ser mais claro, ter você comigo é necessário.”

“E ela escorreu pelo seu rosto cuidadosamente e com um simples pulsar de coração desabou no chão. Quem dera eu poder examinar um pouco mais o motivo de uma simples lágrima. Emoção talvez? Não, pra ser emoção seria necessário um pouco mais de felicidade. Descuido? Também não, só se alguns ciscos houvessem pousado simultaneamente em sua córnea seria o motivo. Tristeza? Sim, há uma possibilidade de ser. Mas ninguém é capaz de decifrar o que aquela lágrima significa. Dentro de tantas horas naquele vagão de trem olhando pela janela sabe-se lá em que estava pensando. É reparável que não foi proposital, aquela lágrima não deveria ter escorrido, mas escorreu disfarçadamente. Apenas eu a vi pingar ao chão, apenas eu sabia o peso que tinha aquela simples gotícula.” — Palavrisse s

“É incrível, mas amor é isso. Amar é chutar o balde quando nervoso e pedir perdão quando passar. É ficar depressivo e totalmente clichê em dias normais, parecer o cara mais inocente e babaca do mundo acreditando em amores eternos só porque conhece a garota à uns meses e já planeja um futuro todo com ela. Amar é se ferrar em cada fim de relacionamento mas viver na certeza de encontrar alguém melhor, mesmo sabendo que vive em um mundo cercado por gente idiota. Viajar o mundo por quem não viajaria uma única cidade pra te ver. O problema é esse, você faz tudo isso em compensação a outra pessoa nunca faz nada.” — Cuidei .

“Diziam que Alice, vivia procurando o coelho mágico para sumir em uma dimensão imaginária. Dizem, que ela tinha alma de criança, e que desde o momento em que assistiu o filme “Alice no país das maravilhas” havia ficado louca. Estavam todos errados, o que Alice realmente queria, era um escape. Um


escape desse mundo obscuro e ruim que ela vivia, um escape pra sua alma, ela queria apenas respirar um pouco sem se preocupar em contaminar-se com o ar ou não. Ela esperava sim o coelho do filme aparecer, ela esperava sim cair em uma árvore que na verdade fosse um túnel, uma passagem secreta para outro mundo. Mas não por ser louca, e sim por não suportar mais viver entre pessoas que são piores que loucas, são pessoas cegas, que não conseguem ver o abismo em que estão caindo.” — Iane Caroline, Absoleto

“E hoje eu resolvi escrever um pouco sobre ela (bem pouco). Nunca foi uma tarefa fácil olhar no fundo dos olhos dela e dizer tudo o que eu precisava dizer, na verdade, ela nunca foi uma tarefa fácil. Com ela é oito ou oitenta, cinco ou cinquenta. Ela me desequilibra com cada gargalhada, com cada sorriso roubado, com aquele charme de arrumar o cabelo de cinco em cinco minutos. Ela é confusão, sabe, cara. Ela é aquela bagunça que vale realmente à pena organizar mais cem vezes. Perto dela eu me sinto outro homem, eu fico mais completo, meus problemas desaparecem, o tempo passa rápido demais. Eu não me iludo pensando que ela sinta o mesmo por mim, mas, por enquanto, eu ainda não descobri o nome desse sentimento. Dela eu já desvendei tudo o que se pode imaginar. Ela é o tesão em miniatura. Ela é um quebra-cabeça gostoso pra montar!” — Lucas Guerrero (ou uma parte dele) “Eu tinha plena consciência de quão chato era minhas manias. Sabia que você se incomodava quando eu te acordava durante a madrugada para dizer o quanto eu te amo. Sabia que você não gostava quando eu te chamava por apelidos bobos na frente dos amigos. Sabia também que você achava cafona eu abrir a porta do carro para você entrar. Sabia que você não gostava quando eu ia até o seu trabalho com uma rosa na mão para te buscar. De que não gostava que eu esfregasse meu rosto no seu quando minha barba estava em crescimento. Até de que você não gostava que eu dormisse de meias eu sabia. Mesmo sabendo de todos os meus defeitos e manias, eu persistia em continuar fazendo cada um deles para que lá no futuro quando estivermos em nossa casa rodeados pelos nossos netos, nós tivermos o que contar a eles. E quando você contar a eles essas minhas manias e logo em seguida der um sorriso lindo eu completarei a historia com essas palavras. Eu só queria ser amado pela vovó crianças.” — Eu só queria ser amado. Rejeitei.


“A um tempo atrás um certo homem disse “para o homem amor é só ocupação na vida, já para a mulher ele é a própria vida” muitos adotaram essa frase como filosofia de vida, outros simplesmente acharam graça e a ignoraram, mas a verdade é que quando o homem encontra a mulher certa o amor é sim só uma ocupação na vida dele, porem a vida dele passa a ser a mulher amada.” — Zé Henrique J.

“E quem disse que eu não te amo? quem disse que eu não me importo com você? se o dia tem 24 horas e 16 horas dele eu fico pensando em você e as outras 8 horas que é quando eu durmo eu fico sonhando em estar aí com você e poder te abraçar e te encher de beijos! se isso não é amor, sinceramente eu não sei o significado da palavra amor.” — Zé Henrique J. “Ontem chorei. Por tudo que fomos. Por tudo o que não conseguimos ser. Por tudo que se perdeu. Por termos nos perdido. Pelo que queríamos que fosse e não foi. Pela renúncia. Por valores não dados. Por erros cometidos. Acertos não comemorados. Palavras dissipadas.Versos brancos. Chorei pela guerra cotidiana. Pelas tentativas de sobrevivência. Pelos apelos de paz não atendidos. Pelo amor derramado. Pelo amor ofendido e aprisionado. Pelo amor perdido. Pelo respeito empoeirado em cima da estante. Pelo carinho esquecido junto das cartas envelhecidas no guarda- roupa. Pelos sonhos desafinados, estremecidos e adiados. Pela culpa. Toda a culpa. Minha. Sua. Nossa culpa. Por tudo que foi e voou. E não volta mais, pois que hoje é já outro dia. Chorei. Apronto agora os meus pés na estrada. Ponho-me a caminhar sob sol e vento. Vou ali ser feliz e já volto.” — Caio Fernando Abreu.

7 bilhões de sorrisos e você me provou que o único que vale a pena é o seu.

“Saudade é não saber. Não saber o que fazer com os dias que ficaram mais compridos, não saber como encontrar tarefas que lhe cessem o pensamento, não saber como frear as lágrimas diante de uma música, não saber como vencer a dor de um silêncio que nada preenche.”


— Martha Medeiros

MULHER DE 70 ANOS ASSUME QUE JÁ FEZ 69

“Abraço tem que ter pegada, jeito, curva. Aperto suave, que pode virar colo. Alento tenso, que pode virar despedida. Abraço é confissão. Abraço não pode ser rápido senão é empurrão. Requer cruzamento dos braços e uma demora do rosto no linho. Abraço é para atravessar o nosso corpo.” — Fabrício Carpinejar. (via molejos)

“Percebi que esquartejar flores não te traria pra mais perto de mim. Não içarei as minhas velas na direção das tuas profundezas, mas nunca negarei que me afogar em ti me fazia bem. Não amordaçarei os meus gritos consequentes de desapego forçado, mas o silêncio entre nós sempre foi um pesadelo notável. Não negarei as minhas insônias, nem os meus sorrisos inevitáveis ao rever o passado, nem mesmo minhas lágrimas de saudade acumuladas nos olhos que tanto cansavam-se de te ver dormir. Não darei disfarce aos meus pânicos, nem às minhas memórias enterradas que ao invés de morrer, brotaram como flores nas chuvas nostálgicas de outono, rachando os alicerces de minha frieza imperfeita, pondo todo o meu edifício ao chão. Não paginarei mais minhas agridoces recordações, de quando deitava no teu peito e você cantava pra me adormecer tranquilo, de quando sentávamos na escada dos fundos nas tardes de domingo pra esperar o sol se por entre as árvores do quintal, ou de quando as musicas tocavam nossa alma, e se faziam trilhas sonoras de nossas noites de prazer carinhoso com as cortinas sacudindo estrelas nas nossas costas. Não vou negar que faz falta as madrugadas que você me acordava pra ir fechar a janela do quarto por estar com frio, e eu com preguiça de ir, simplesmente te abraçava, pra você pegar no sono outra vez. Faz falta receber broncas por atraso, ou por deixar a comida queimar, ou esquecer de levar toalha pro banho. Faz falta você perto de mim, me acolhendo, me aquecendo, dando refúgio aos meus temores e inseguranças, segurando a minha mão e dizendo que tudo isso vai passar, que tudo vai ficar bem logo. A verdade é que você faz falta na minha vida. Depois que você partiu, ficou um vazio tão grande aqui dentro, uma porta que parece


nunca se fechar quando o vento empurra. Um buraco que não se tampa com areia ou lágrimas de um amor que se foi. Nunca vou omitir ou negar a saudade que você me inspira, mas devo deixar isso pra trás, pra que possa haver continuidade pra minha vida solitária. Sei que talvez nunca encontrarei alguém como você, alguém que tanto me transbordasse alegrias e sorrisos desgovernados, alguém que tanto eu quisesse proteger e manter bem perto de mim. Agora é você de um lado, e eu de outro, chorando calado, sussurrando seu nome em um canto qualquer, amargurando minha sombra no chão de pouca luz, tentando me levantar pra andar. […] Se um dia, meu anjo, pensar que nunca foi amada, lembre de um homem que te amou com todas as capacidades da alma, com todas as forças de um coração remendado, que fez de tudo, do possível ao impossível pra houvesse sorrisos encarreirados enfeitando a sua perfeição. Um homem que nunca hesitou em te fazer mulher. Um homem que deixou sua vida de lado, pra cuidar da tua. Jamais esqueça, seja por qual valeta que a vida te fizer passar, que um dia sobrou amor em alguém imperfeito, que dedicava cada suspiro pra te amar, e te fazer sorrir. Eu só cansei… cansei de me ferir, de me estraçalhar por tudo isso, e não ter retorno. Sua frieza me machuca, e não existe amor platônico que suporte isso pra sempre. Foram bons os momentos que duraram, mas isso não pode continuar dentro de mim. Adeus… me despeço sabendo, que antes de virar as costas, cairá uma lágrima do meu olho, denunciando esse amor dentro de mim, que jamais deixará de queimar por você. Jamais será fogo para outro corpo.” — Annd Yawk

“Somente uma coisa me faria bem agora. Seria adormecer com a cabeça no seu colo, você me dizendo bobagenzinhas gostosas para eu esquecer a ruindade do mundo.” — Clarice Lispector

“No meio das noites de inverno, o frio mastiga-me sobre o vazio da cama sulfúrica. Os lençóis parecem devorar os restos de minha angústia sádica, que se esmigalham da minha pele envergada por arrepios de solidão. O remorso se derrama no travesseiro, fugindo pelos rasgos que as lembranças causaram em meu brio. Ouço o tilintar dos carrilhões do lado de fora do quarto, externo de toda depressão, dos malabares de foices afiadas que caíram sobre minha vaidade agonizada pela saudade. Meu orgulho é dobrável quando o assunto envolve você. Nenhuma guerra é muito quando o enlace do desfecho é você do meu lado, colecionando sorrisos nos meus dias sem amargura. A madrugada treme insana pelas cortinas ventosas, que parecem congelar junto ao meu


coração apodrecido pela ironia de querer morrer de amor, e logo em seguida desejar suicídios pela ausência dele. É só outra mísera noite que se acumula junto às outras no passado abraçado pelo medo de olhar para trás. As horas engatinham ao invés de andar, outrora rastejam-se sem ânimo de seguir adiante. Os ponteiros do relógio desgovernam-se por minha mente cansada, e parecem regredir, voltar o tempo e me assombrar com sofrimentos repetidos. Há dias tenho me apegado ao desapego, pra que as dores da falta não me peguem por ai, distraído, olhando para horizonte ou outro, de estomago borboleteando sonhos e desejos de ter teu calor junto à minha necessidade de quentura. Nas paredes que revestem o meu isolamento pendurei nossas fotografias e boas recordações que nenhum avalanche pode destruir dentro de mim. A verdade que tento negar a mim mesmo, é que minha obsessão pelo teu cheiro, pelo teu jeito, carisma, toque, manias, é absurdamente maior do que a minha força pra lutar contra essa vontade vidrada de correr pelas avenidas à sua procura, apenas pra fitar os teus olhos hipnotizantes que me fraquejam as pernas. Pra desenhar nas nuvens do céu o quão imenso é o que sinto. Ou então de vozear aos quatro ventos que você nasceu pra morrer do meu lado, depois de toda uma vida de felicidades emolduradas nos porta-retratos da minha alma carente de ti. Essa obsessão é gigantesca, avassaladora, mas o meu maior medo é que tudo isso me traga insônias sonhantes de futuros que em seguida se estilhaçam nas profundezas da ilusão, do abandono, da chaga. Outra noite dessas, voltarei a chorar por você, desabafarei arrependimentos ao meu abajur apagado aos prantos, pois quando as luzes se apagam, e você se vai, meu mundo desaparece na escuridão dos abismos que o amor garimpa em meu coração platoniano, que não aprende a de desprender de você. …Vem, de fora, outra noite, outros ventos, nostalgias, lágrimas, lamentos que perseguem-me o riso adoecido. Outro inverno que esvai, que some, sem deixar rastros de você sobre minha cama, lacrimejada com meus granizos.” — Annd Yawk

“Decidi ser uma mulher mais feliz, afinal, quando você é feliz com você mesma, você não põe toda a sua felicidade no outro e tudo fica mais leve.” — Martha Medeiros.

“Não puxo saco de ninguém, detesto que puxem meu saco também. Não faço amizades por conveniência, não sei rir se não estou achando graça. Odeio dois


beijinhos, aperto de mão, tumulto, calor, gente burra e quem não sabe mentir direito.” — Caio Fernando Abreu

“Minha alma tem o peso da luz. Tem o peso da música. Tem o peso da palavra nunca dita, prestes quem sabe a ser dita. Tem o peso de uma lembrança. Tem o peso de uma saudade. Tem o peso de um olhar. Pesa como pesa uma ausência. E a lágrima que não se chorou. Tem o imaterial peso da solidão no meio de outros.” — Clarice Lispector

“Eu disfarço muito e quase ninguém percebe. Tem um monte de gente por aí que acha que me conhece o suficiente. Outros tantos acham que sabem o bastante sobre a minha vida. Entra no meu mundinho quem eu deixo. Acho que a gente não deve escancarar a vida, tem coisa que é só nossa e de mais ninguém. Quanto mais a gente dá liberdade para os outros, mais eles se sentem no direito de se intrometer e meter o bedelho. Não gosto, pois da minha vida cuido eu.” — Clarissa Corrêa.

“O que fazer quando você não é a pessoa que todos queriam? O que fazer quando seus erros sobrepõem as qualidades? O que fazer pra não errar? Ou o que fazer quando você se sente o erro? O que fazer quando você se sente perdido dentro de si mesmo? O que fazer para se encontrar? E o que fazer quando você não sabe mais o que fazer?” — O que fazer? Marcello Henrique.

“Eu me afasto e ela também, mas a gente sempre volta. A gente é igual cachorro quando se perde, sempre dá um jeito de voltar pra casa. E acho que ela é o meu lar e eu sou o lar dela. Ela me chama de baixinho, mas é menor que eu. Ela me chama de neurótico, mas ultrapassa os limites dessa palavra. Ela é toda errada e eu sou o concerto dela. A gente é complicado, mas ainda é dá gente.” — Allax Garcia.


“Viajar. Viajar para Roma, Itália, provar do chocolate suíço, ir às lágrimas com teatros mundo afora, imaginar os Jardins Suspensos da Babilônia. Comer do bom e do melhor, vender uma parte da vida, colocar a bolsa nas costas e sair, comemorar, conhecer novas pessoas, de almas tão desconhecidas. Viver romances em Paris, jogar moedas em poços mesquinhos, comer pizzas caras, desejar que o eterno seja mesmo tempo demais. Beijar na chuva, beijar debaixo d’água, beijar só por beijar, mas beijar só por beijar porque não pensou, pela primeira vez não pensou que se arrependeria depois. E amar. Verdadeiramente, amar e ganhar baldes d’água imaginários na cabeça quando, em público, gritar em silêncio que ama, só por amar. Ama sem dinheiro, sem compromisso, sem foto pra provar. Quem sabe aprender um novo idioma, uma língua morta, ganhar o prêmio Nobel e escrever um livro de memórias. Mas que nessas memórias estejam contidas as coisas que não foram contidas. Comprar um barco, um camelo, pedir desculpas, e pedir desculpas aos filhos, quando estes estiverem cansados e enrugados demais para ouvir você dizer que eles são o maior sonho já realizado. E depois disso tudo, uma biblioteca com seus livros preferidos, conhecimento de toda a obra daquele tal artista que quase ninguém conhece, um cachorro tirado de rua, um abraço num desconhecido, elogios do pessoal do trabalho voluntário. Chorar em público, passar um trote, queimar dinheiro, pular de uma cachoeira, viajar com os amigos, aprender a nadar, virar astronauta, dançar como um louco no meio de uma festa chata, subornar alguém, ser DJ por um dia, entrar em coma alcoólico, tatuar uma idiotice… Fazer besteira. Ou então, mais ainda, fazer besteira em Las Vegas, com o amor da sua vida. Passar 72h acordado, escalar uma montanha, pular de paraquedas, arriscar um bungee jump… Tudo o que for radical, até mesmo uma mudança radical no cabelo, no visual, uma mudança radical de vida. Gritar em praça pública, gritar o mais alto que puder, gritar como se já não escutasse a própria voz há muito tempo. Como se já não aguentasse mais. Xingar o chefe, se demitir, fugir de casa, comprar o chocolate mais caro e mais gostoso, experimentar comidas exóticas, nadar com tubarões. Quem nunca quis nadar com tubarões… Só quem preferiu comprar um pônei. Dormir ao relento e rezar para não morrer. Para não morrer. Rezar para não morrer. E quando chegar o fim do ano, com aquela roupa branca suja de champanhe, dizer com todas as letras que aquele sim, aquele foi o ano mais incrível da sua vida. Riscar a felicidade do caderno de metas. E sorrir, contente, para a lápide quente. Essas coisas que a gente quer, que a gente ama, que a gente sonha, antes de ir para a cama e lembrar que o mundo não acabou, que já passou da meia noite, e que já não aguentamos mais essa sequência de amanhãs. Mas ainda é cedo… E amanhã, amanhã eu juro, eu juro que penso nisso.” — Cinzentos


“Oi amiga, já te contei o novo babado? Você me faz feliz. Estou aqui escrevendo para uma das pessoas mais importantes da minha vida. Acho que você já até enjoou dos meus textos, se duvidar até de mim, mas to nem aí vai ter que ler isso do mesmo jeito nem que seja obrigada. Eai menina, como você está? Você sabe que me faz bem né? Quando estou com você, sorrio quase sempre. Se você me olhar, verá um sorriso estampado aqui nessa minha cara de idiota e é por você, viu? Ai eu te amo. Nós nos entendemos apenas com um olhar, rimos por coisas estranhas, nos batemos, xingamos, quase nos matamos, mas é por amor mesmo, pelo menos eu acho que sim. Na verdade eu te amo mais do que como melhor amiga, eu te amo como uma irmã, uma anjo da guarda talvez? É acho que sim. Você tem tudo pra ser um anjo da guarda. Por isso até duvido da sua existência mesmo, mas quem sabe você não esta aqui só pra me proteger? Por que olha, você faz isso muito bem. Queria me desculpar por não ser aquela amiga ‘’perfeita’’ que todos esperam ter, mas tento fazer o meu melhor quando faço as minhas palhaçadas pra você rir. E acho que faço elas muito bem por que pelas suas risadas devo ser engraçada mesmo heim. Então, existe pessoas que chegam pra marcar a nossa vida e pode ter certeza que você marcou a minha. Apesar das brigas e dos ciúmes eu vou continuar te amando, você pode me chamar de tudo que quiser, mas continuarei te amando, você pode até não me amar mais, mas eu continuarei te amando, porque eu tento ser a sua amiga, eu tento te cuidar e desculpa, mais uma vez, se eu talvez não seja o que você queria. Isso pode ser um pouco clichê, mas você me completa, não saberia como seria a minha vida se você não estivesse nela. Quase ninguém sabe o que se passa aqui dentro de mim, afinal, ninguém se importa. Era o que eu achava, que ninguém se importava comigo. Mas não, você sim se importa. E eu te amo muito. Não me canso de dizer isso e acho bom você não se cansar de ouvir por que vai ter que ficar escutando isso por anos e anos. Obrigada por ter mudado minha vida. Eu estarei aqui para sempre. De sua, Melhor amiga.” — Desafio: “Carta para seu melhor amigo.” Ana.

“A verdade é que você nunca soube, mas cada frase, cada poema, cada texto que eu me propus a escrever até hoje, mesmo que às vezes inconsciente, foi pra você. Mesmo quando eu neguei até machucar minhas cordas vocais, mesmo quando eu não precisei negar, eram todos pra você. E o cômico disso tudo é que você sempre me pedia carinhosamente que te escrevesse alguma coisa. Era engraçado. Às vezes de tão cansado dizia que só uma frase já tava bom. Eu ria alto, porque só eu sabia que tudo o que eu escrevia era pra ti. Porque você sempre esteve, nunca me faltou, e me transbordou como ninguém jamais fez.


Porque tua presença, por mais que às vezes inconstante, me estabilizava como nenhuma outra. Você me causou o caos, mas isso nunca foi um problema, porque eu gosto de uma boa bagunça, e é no meio de uma boa bagunça que eu me acho, e você sempre soube disso. Hoje, estou aqui e não nego: esse texto, mais uma vez, é pra você. Assim como todos que te pedi que lesse e desse sua opinião, assim como todos os que estão perdidos por aí, assim como todas as ideias que tenho na cabeça e não passei para o papel. Esse texto não está sendo escrito por alguém com um sorriso nos lábios, como a alegria de um regresso longo ou como uma viagem em família. Esse texto é partida, é o fim da linha, é a última folha do outono que cai. E minha árvore não irá florir novamente, não para você. Depois de tantos pedidos, assumo: tudo que saiu de mim era teu. A verdade é que tu nunca soube, mas cada frase, cada poema, cada texto que eu me propus a escrever até esse dia, foram escritos para você. Até hoje. Até agora. Até esse último minuto. Porque esse é o último texto, em toda a minha vida, que eu escrevo pra você.” — Casebre.

É nossa amizade mudou mesmo..não ta a mesma coisa faz um bom tempo..eu to tentando sabe eu to tentando fazer aquela afinidade voltar,mas eu não to conseguindo vc se aproximou de tantas pessoas..e hoje nem tem muito tempo pra mim talvez antes eu fosse mais importante so que agora não..agora tudo mudou vc tem muitas e muitas pessoas novas e confesso que eu tbm,mas vc me faz falta..a sua antiga pessoa me faz falta..a nossa antiga amizade me faz falta..nesses meses que ficamos sem se falar confesso q eu me aproximei de tantas pessoas eu queria achar alguem igual a vc,mas não tem não tem outra pessoa igual a vc nao tem outra pessoa q mim irrita,me xinga,me entende e ao mesmo tempo não entende,mas eu tentei eu me afastei de vc ficamos meses sem se falar e nesses meses eu ate tentei te odiar,mas sua amizade pra mim tem uma importancia tão inexplicavel que não importa quanto tempo nos ficamos sem se falar não importa quantas brigas temos..sua amizade é uma parte de mim sem ela não ta completo sem ela fica um vazio em mim…vc disse q eu to diferente ne? Mas eu to com medo sabe..pq se agente brigar de novo como aquela briga eu sei q quem vai se f** mais sou eu..pq aquela briga me faz tanto mal..e sabe com isso eu percebi q eu ja não posso viver mais sem sua amizade..sem vc..eu sou o quebra-cabeças e vc é uma das minhas peçinhas e sem essa peçinha não ta completo sempre vai faltar algo…por isso q eu brigo tanto com essa “peçinha” pq eu tenho um imensooo medo de perde-la então as vezes eu sou muito egoista eu não gosto quando ela fica mais tempo com outras pessoas q comigo e é isso q ela está fazendo ela ta me deixando de lado..ela ta dando mais atenção as outras pessoas..ela te me machucando com isso,mas eu entendo ela pq a nossa amizade mudou nós nos afastamos e agora as preferencias mudaram,agora só tem briga..a compreensão então nem se fala pq tbm não tem mais isso ..mudou tanta coisa…o q me deixa muito mal pq eu não gosto de ver nossa amizade assim..odeio ver vc dando mais atenção e mais preferencia a outras pessoas..odeio ver como nossa amizade está agora..odeio mais ainda não poder fazer nada pra mudar isso…e se tiver como mudar isso..mas a sua amizade é muito importante pra mim..e eu não quero perde-la e me desculpa também por estar estranha com você e se te magoei com isso..eu só quero q nossa amizade volte a ser


como antes..so q agr tem muita muita gente proxima de vc e mudou mt coisa..e eu odeio odeio ver vc mais com eles q cmg eu odeio parar pra pensar q antes era so eu ..agr tem um monte de gente e eu nem sei se sou importante como antes..talvez eles ja devem ser muitos mais..ou melhor concerteza eles devem ser..mas como eu ja disse um monte de vezes sua amizade é muito importante e eu so nao qro perde-la e quanto a mudança da nossa amizade…se vc quizer volta a ser como antes mais se quizer continua assim..so não se afasta mais de mim (mais do q ja ta) é isso bê desculpa as vezes q te magoei,mas não esquece q vc é muito importante pra mim e sem vc num vivo mais viu feia te amo


“Ela é minha alma-gêmea da amizade, nós somos completamente diferentes e iguais ao mesmo tempo. Agimos diferente, pensamos diferentes, amamos iguais. Nós nos completamos de certa forma, ela é a parte certa e sensata, eu sou a parte podre de errada. Antes de conhecer ela, via meninas e meninos falando do quanto amava seus melhores amigos e toda uma frescura que não conseguia entender, apesar de ter amigos eu não os amava completamente, qualquer um deles poderia ir embora e nunca mais da notícias, como muitos fizeram que eu não sofreria, muito pelo contrário até me sentia melhor, mas ela não. Ela veio para me mostrar o que é ser uma irmã mesmo que de pais diferentes, ela me ensinou oque é confiar de verdade, o que é rir por horas de um mesmo assunto, o que é toca o terror mesmo que de 350 km de distância, me ensinou a ser uma pessoa melhor. Se ela estiver triste, eu largo tudo que estiver fazendo para tomar conta dela, mesmo que por telefone ou internet. Nós não somos do tipo que passamos a mão pela cabeça da outra quando fazemos bobagens, não somos do tipo de ficar consolando quando estamos pra baixo. Se ela estiver chorando, eu movo o céus e os mares se preciso para vê-la sorrir. Se ela brigar com alguém, eu a defendo e depois dou uma bronca nela porque não se pode ficar brigando com as pessoas. São 3 anos aturando ela, e que mais anos venham. Que seja ela a organizadora da minha despedida de solteira, a madrinha do meu casamento trilouco numa praia de nudismo, que seja ela não a madrinha dos meus filhos, mas a segunda mãe deles. Porque nós somos assim, nos chingamos, brigamos, ficamos tempos sem se falar, mas sempre voltamos. Porque ela é minha melhor amiga e eu sou a melhor amiga dela [ exclusiva, bjão pro recalke ]. Mesmo que chamamos outras 2 ou 3 de melhores amigas também, ela é a minha irmã de alma.” — Saiu uma merda, mas não esqueça que tudo isso é verdade minizão. De: Reprimirse , Para: Flebiu . Manu Andrada “Eu já fui muito longe por você, e pela nossa amizade, e irei ainda mais se precisar. Irei até a onde for necessário pra poder te proteger e te dar um abraço pra dizer que tudo vai ficar bem. Eu preciso de você, preciso estar com você, porque você me faz bem e eu me sinto no direito de fazer o mesmo por você. Meu dia pode estar péssimo mas eu sempre vou querer ouvir e fazer de tudo para que o seu seja melhor ainda. Lembra quando concordamos que uma ia cuidar da outra sempre, mesmo se tivéssemos brigadas? Então, continue confiando em mim.. eu sempre vou cuidar de você, mesmo se nossos caminhos forem diferentes, mesmo que você me esqueça um dia eu sempre vou ser seu anjo da guarda. Já ouviu aquela tal historia de que as pessoas tem 2 lados? Um sendo bom, outro ruim? Então você tornou a maior parte do meu lado bom, e conseguiu fazer o ruim virar bom. Se não fosse você, eu não sei oq seria de mim, você é simplesmente a melhor pessoa do mundo. Daqui a 24 dias vai fazer 1 ano que eu realizei o meu sonho. E até hoje eu lembro do dia perfeitamente, eu babando na minha blusa, você quebrando a cadeira do mc, o nosso primeiro abraço (de 1 segundo). Lembro perfeitamente de tudo, e tenho que te confessar que aquilo foi o melhor presente que já ganhei na vida, foi tão bom passar cada segundo do seu lado, olhando você sorrir, me certificando que você estava bem e que se alguma coisa acontecesse eu iria poder pelo menos estar lá pra te dar um colo ou sei lá.. Você é importante demais


pra mim. Eu não consigo mais ficar sem sua amizade. Eu não me arrependi do que passei ao seu lado ou por você, e olha que já foi muita coisa. São tantas historias, tantas lembranças, tantas coisas que simplesmente não existe palavras pra conseguir expressar. Hoje quando eu olho pra você a unica coisa que consigo pensar é que não tem ninguém no mundo, ninguém mesmo que vai roubar o teu lugar. Eu te amo demais demais, e vou te amar sempre, pequena” “Plantei aquelas rosas no jardim que um dia seria nosso mundo, me senti absurdamente encantado com as borboletas que foram chegando, beijando as flores e agitando-se em meu estômago. A grama crescia, o afeto floria, o encantamento dobrava e redobrava. E foi ali que te encontrei. Naquele mar de rosas eu te achei. Ah, minha pequena, o sentimento deste velho jardineiro tornava-se cada vez maior e mais sincero pelo fato de te amar. Então, porque não te entregas? Sinta as águas banhando suas folhas, sinta a brisa destacando suas pétalas. Eu te cuido com minha alma repleta de deslumbramento por tua perfeição e pureza. Sim eu sofro tanto por não te ter. E todos os dias ao entardecer… que vontade de levá-la comigo. Sei que não posso tirá-la daqui. Tu és meu sonho mais lindo. Se a arrancasse te envenenaria com a realidade tão fria e miserável. Ahh pequena e doce flor do meu jardim! Queria tanto lhe ter em meu braços ao abrir pela manhã meus olhos tão velhos e cansados. Perdoe-me! Eu te amo tão covardemente! Estou cansado. Não posso mais viver sem ti. E então, ele a arrancou com um gesto firme, aproximou suas pétalas de sua pele, roçando e respirando profundamente. As lágrimas escorriam de ver a morte de tua flor docemente imposta, mortalmente amada. E num jarro na cabeceira de sua cama assistiu a decadência suave e impreterivelmente cruel de seu amor. Ele sabia que morreria junto e numa bela e ensolarada manhã permaneceu ali, olhos fechados ao lado da cabeceira coberta de pétalas secas. Era o fim daquela linda história de amor.” — O jardineiro e a flor, Feeh Santos & Elisa Bartlett. “Depois de tudo que passei, dos sonos perdidos, das lágrimas desperdiçadas, das suas idas e vindas em minha vida, e de ter me tornado uma pessoa fria e calculista, o dia finalmente chegou e você me disse aquelas palavras que eu tanto esperava; “Sinto a sua falta.” Até me bateu um friozinho na barriga e uma felicidade absurda, mas por um momento um filme se passou pela minha cabeça e me recordei de tudo. Foi quando respondi com apenas três palavras; “Eu, não mais.”Ainda não o havia superado, mas dessa vez consegui seguir em frente. E era disso que eu tanto precisava.” — Thiara Macedo (sdpm) “Desisti. E isso é a coisa mais triste que tenho a dizer. A coisa mais triste que já me aconteceu. Eu simplesmente desisti. Não brigo mais com a vida, não quero entender nada. Vou nos lugares, vejo a opinião de todo mundo, coisas que acho deprê, outras que quero somar, mas as deixo lá. Deixo tudo lá. Não mexo em nada. Não quero. Odeio as frases em inglês mas o tempo todo penso “I don’t care”. Me nego a brigar. Pra quê?


Passei uma vida sendo a irritadinha, a que queria tudo do seu jeito. Amor só é amor se for assim. Sotaque tem que ser assim. Comer tem que ser assim. Dirigir, trabalhar, dormir, respirar. E eu seguia brigando. Querendo o mundo do meu jeito. Na minha hora. Querendo consertar a fome do mundo e o restaurante brega. Agora, não quero mais nada. De verdade. Não vejo o que é feio e o que é bonito. Não ligo se a faca tirar uma lasca do meu dedo na hora de cortar a maça. Não ligo pra dor. Pro sangue. Pro desfecho da novela. Se o trânsito parou, não buzino. Se o brinco foi pelo ralo, foda-se. Deixa assim. A vida é assim. Não brigo mais. Não quero arrumar, tentar me vingar, não quero segunda chance, não quero ganhar, não quero vencer, não quero a última palavra, a explicação, a mudança, a luta, o jeito. Eu quero não sentir. Quero ver a vida em volta, sem sentir nada. Quero ter uma emoção paralítica. Só rir de leve e superficialmente. Do que tiver muita graça. E talvez escorrer uma lágrima para o que for insuportável. Nada pessoal. Algo tipo fantoche, alguém que enfie a mão por dentro de mim, vez ou outra, e me cause um movimento qualquer. Quero não sentir mais porra nenhuma. Só não sou uma suicida em potencial porque ser fria me causa alguma curiosidade. O mundo me viu descabelar, agora vai me ver dormir. Eu quis tanto ser feliz. Tanto. Chegava a ser arrogante. Tanta coisa dentro do peito. Tanta vida. Tanta coisa que só afugenta a tudo e a todos. Ninguém dá conta do saco sem fundo de quem devora o mundo e ainda assim não basta. Ninguém dá conta e quer saber? Nem eu. Chega. Não quero mais ser feliz. Nem triste. Nem nada. Eu quis muito mandar na vida. Agora, nem chego a ser mandada por ela. Eu simplesmente me recuso a repassar a história, seja ela qual for, pela milésima vez. Deixa a vida ser como é. Desde que eu continue dormindo. Ser invisível, meu grande pavor, ganhou finalmente uma grande desimportância. Quase um alivio. I don’t care.”

Textos  

Blá blá blá