Page 1

CAROLINA SANTOS

PORTFÓLIO DE ARQUITETURA


FORMAÇÃO Graduação em Arquitetura e Urbanismo // Conclusão em 2013 Universidade Federal do Pará Pós-Graduação lato sensu em Geografia, cidade e arquitetura // Conclusão em 2017 Escola da Ciade

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL Fúrum Landi // 2009 - 2010 Estagiária •Atividades relativas ao Projeto PROINTER Levantamento do prédio a ser adaptado à Pró Reitoria de Relações Internacionis; Desenvolvimento de Estudo Preliminar. •Atividades relativas ao Projeto de Restauro da Casa Rosada Atualização de plantas baixas, cortes, elevações e detalhes arquitetônicos; Levantamento de vãos para o desenvolvimento de plantas baixas, cortes e elevações relativas às esquadrias de ferro; Elaboração de Cronogramas Físico-Financeiros.

HABILIDADES AutoCAD Revit SketchUp+Vray Illustrator Photoshop InDesign

Gabinete da Vice Reitoria da Universidade Federal do Pará // 2011 (de janeiro a novembro) Estagiária •Atividades relativas ao Programa REUNI Desenvolvimento de estudo preliminar. •Atividades relativas ao Projeto Rondon Levantamento do prédio a ser adaptado ao projeto Rondon; Desenvolvimento do Estudo Preliminar. •Atividades Relativas ao Projeto do Laboratório de Análises Clínicas Levantamento do Prédio a ser adaptado ao Laboratório de Análises Clínicas; Desenvolvimento de Estudo Preliminar. Laboratório de Análise e Desenvolvimento do Espaço Construído (LADEC) da Universidade Federal do Pará // 2011 - 2012 Colaboradora Escritório de arquitetura Colibri Arquitetura e Sustentabilidade // 2013-2014 Sócia

IDIOMAS

Desenvolvimento de projetos como autônoma, colaborações em concursos de projeto // 2015 - 2017

Português

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Inglês

Formação em inglês // 2010 Escola de idiomas Yágizi Aluna especial na disciplina Pesquisa em Projeto de Arquitetura // 2017 Universidade de São Paulo

(11) 987176784

carol.santos.arq@gmail.com

Participação no Curso Livre “Cidade é diversidade - O novo DNA do Projeto Urbano na Alemanha” // 2016 Escola da Cidade Selecionada para o Workshop Arquitetura e Técnicas Museográficas ICAMT // 2016 FAAP Participação no Seminário Internacional Modos de Habitar - Arquiteturas Anfíbias // 2017 Escola da Cidade


A POSTURA DO ARQUITETO Complexidade e diversidade caracterizam as demandas sociais contemporâneas sobre a disciplina arquitetônica, de modo que novas atribuições legais tem sido acrescidas à prática do arquiteto. Entende-se, assim, a necessidade do ímpeto projetual arquitetônico abranger uma gama de escalas de atuação. É a partir destas considerações que se construiu este portfólio de projetos arquitetônicos. Projetos de reforma muitas vezes dizem respeito a conquistas, sonhos. Para o Projeto de reforma - Revitalização da fachada e reformulação de layout em residência unifamiliar a cliente desejava que uma suíte fosse acrescentada à residencia e que a fachada fosse reformada; entre as exigências, o novo dormitório deveria ser ventilado e claro, o que foi possível com a ampliação do vão do portão lateral, criação de ampla janela lateral e balancim na parede voltada à fachada. Para esta, foram criadas faixas de revestimento em pedra mineira, contrastando com o tom escuro da pintura; evitou-se perfis metálicos verticais para novo portão uma vez que esta disposição transmite sensação de confinamento. Durante algumas conversas a cliente revelou seu apreço pelo cultivo de plantas e lamentava a redução da área do pátio, onde mantinha um jardim, para o projeto de reforma, questão contornada com a proposição de um jardim vertical. Pág. 4 Em seguida, o Projeto de reforma - Reformulação de layout para escritório, em função das dimensões reduzidas da sala comercial, 4,42x4,13m, priorizou a horizontalidade, evitando-se móveis com grandes dimensões na altura, o que produziria um efeito claustrofóbico. As clientes questionaram sobre a possibilidade de aproveitamento de alguns materiais, como esquadros, que constituiram um painél decorativo e caixas plásticas de carregamento, que funcionaram como base/gavetas da mesa de reuniões. Pág. 8 No Módulo Venzuela: proposta para reqaulificaficação da Avenida Libertador em Caracas, a proposta desenvolvida nas 2 semanas de ateliê no curso de pós graduação em Geografia, Cidade e Arquitetura, da Escola da Cidade, teve como escopo repensar a estrutura viária desta movimentada avenida. A via possui um nível entrincheirado (via expressa e circulação do transporte público) e um nível térreo. A proposta, então, transforma esta infraestrutura de transporte em equipamento urbano, incentivando novas possibilidades de suporte à vida em comum, com um espaço de convivênvia cuja posse seja de todos, em uma cidade com pouco aproveitamento do espaço público. Assim, reorganizaram-se os usos nos níveis existentes e propôs-se a criação de um terceiro nível que surge como um espaço de exaltação de carêcnias em termos programáticos: é 100% peatonal e destinado ao lazer. Além dissso, criaram-se conexões peatonais com estações de metrô próximas a partir do nível entreincheirado e no térreo. Pág. 12 Nossa função como Arquiteto Urbanista é evitar o descontrole da ocupação do território, orientar e potencializar os recursos que o tecido urbano proporciona. Esta é a nossa responsabilidade social para com a cidade, e uma possível resposta aos desafios que o tema Habitação nos coloca. A expressão do conjunto arquitetônico proposto para o Concurso Público Nacional de projeto de arquitetura e complementares: edifício de uso misto em Santa Maria, promovido pela CODHAB, está nos dois volumes que chegam no térreo com uma estrutura e infra estrutura básica para que os programas aconteçam de forma livre, permitindo a imprevisibilidade que a vida pode proporcionar. A praça/anfiteatro desenhada entre os prédios segue a topográfica do terreno e conforma o percurso que interliga os programas do térreo, sendo estes de fácil acesso, mesclados por uma circulação que propõe ambientes de estar, praças abertas e agradáveis espaços sombreados e com sol. O edifício se mantem aberto nas fachadas Leste e Oeste, protegidos da insolação direta e permitindo a ventilação natural; a fachada Sul, voltada para a avenida, possui empena fechada. Pág. 18 O concurso para revitalização de passagens na região do Jardim Ângela, distrito da região sul de São Paulo, objetiva a melhora de qualidade da mobilidade local (micromobilidade de pessoas e bens) e sua integração com o eixo de transporte público da região, recuperando o sentido social e a caminhabilidade das passagens. A abordagem projetual se desenvolve a partir de princípios simples e objetivos, acreditando que além das aprências imediatas já existe uma pujante relação cotidiana de vizinhança nesses locais de passagem, onde a vida urbana se torna complexa em função de problemáticas infraestruturais. Assim, foram propostos módulos multiuso dispostos ao longo dos trechos da passagem escolhida para o projeto, são equipamentos de requalificação do espaço público, mas que também ajudam a resguardar a privacidde ao forçar em alguns momentos o desvio do percurso para o lado oposto das fachadas lindeiras às passagens, como visto nos cortes dos trechos e 2A e 2C. Também foi desenvolvida uma solução para a drenagem pluvial. Pág. 24 A moradia de qualidade não se refere apenas a metros quadrados, diz respeito, isto sim, à dignificação da vida, envolvendo cuidados coma iluminação, ventilação e o respeito ao cidadão qua habita. A busca por soluções inovadoras foi o aspecto que norteou a proposta arquitetônica para a unidade habitacional de um quarto com possiblidade de expansão para mais um quarto, desenvolvida para o Concurso Público Nacional de projeto de arquitetura para habitação de interesse coletivo, também promovido pela CODHAB. O projeto se constitui a partir do sistema Quick House, o qual se baseia na associação entre estrutura e vedação, utilizando módulos metálicos padronizados parafusados uns aos outros, formando painéis rígidos auto-portantes em aço galvanizado. Por se tratar de uma forma produtiva industrializada, o sistema dispensa o uso de cimento e argamassa em sua composição, reduzindo o consumo de energia. O sistema também representa uma solução racional de vedação, onde as instalações elétricas hidráulicas são acomodadas no interior vazado dos painéis, sem que haja rasgos na vedação, obtendo eficácia da obra e reduzindo desperdícios de materiais. O espaço amostral para implantação da unidade habitacional possui 120,78m², onde se tem um recuo frontal de 5,0m, que mais do que uma área de amortecimento entre o ambinte privado e o ambiente público, constituído por uma possível via de acesso às habitações, gera a continuidade e fluidez do espaço. Também há um afastamento de fundo de 1,5m, como forma de imprimir certa privacidade ao dormitório, que na existência de uma via posterior ao lote, não se voltará diretamente a ela. A insistência no princípio da construção da cidade através da inclusão social conduziu, a partir de uma série de ações projetuais que se desdobraram de modo bastante natural, à proposição de um conjunto, um arranjo base, o qual poderia se desdobrar na configuração de uma quadra, apontando para a relevância da presença de atividades sociais entre as habitações que compõem o empreendimento de HIS e a cidade. O conjunto se organiza a partir de 2 subconjuntos de 4 unidades habitacionais geminadas, separados por rua interna com 3m de largura, são vias exclusivas para pedestres; os acessos às unidades superiores na tipologia casa sobreposta se articulam a passarelas elevadas, que juntamente com as ruas internas configuram espaços públicos acessíveis a todos, lugares onde vizinhos podem se socializar e construir uma comunidade. Assim, o princípio de projeto para o espaço comum foi a habitabilidade, o que implica primeiramente em reduzir a presença do automóvel, a partir disso aumentam-se as interações sociais e as sensações de pertencimento ao local. Pág. 28


A água é um tema repleto de dualidades discurivas no tange o aspecto habitacioal. Se por um lado pode representar uma amenidade paisagística recrudescendo os valores de metro quadro, também representa a precarização de um modo vida que se dá sobre palafitas insalubre. Durante o Seminário Internacional modos de habitar - arquiteturas anfíbias: proposta para reurbanização da favela dique Vila Gilda, zona noroeste de Santos, considerada a maior favela sobre palafitas do Brasil com aproximadamente 6 mil família, a questão da moradia abrangeu um delicado viés cultural, onde morar nas proximidades ou habitar as águas tem um valor afetivo, como relatado em pesquisa de campo, apesar da precariedade. Então entedeu-se que a remoção das famílias na área não deveria ser total, ao mesmo tempo que o desbloqueio das margens do Rio dos Bulgres, fonte de sucessivos impactos ambientais causadas por esta ocupação irregular, se fazia necessário. Propuseram-se 19 unidades habitacionais flutuantes às margens do rio, com capcidade para abrigar 864 famílias, assim como buscaram-se outros locais que poderaim funcionar como áreas de provisão habitacional: 1- terreno do Jockey Club, possiblitaria a implantação de 33 torres, sendo 22 destinadas à habitação e as demais para uso comercial, as torres para habitação multifamiliar teriam tipologia laminar dupla, com 12 unidades habitacionais em 4 pavimentos mais o térreo; 2 - unidades do CDHU abandonadas, se revitalizadas haveria a possibilidade de abrigar 500 famílias. Além disso, bacias de drenagem foram criadas para sanar os constantes alagamentos na área. Pág. 34 Uma vez que se tem em vista uma cidade democrática, isto é, o direito à cidade e à moradia adequada, além da possibilidade de manutenção da diversidade do território urbano e a vida da cidade, o Desevolvimento em BIM de Projeto de Urbanização e Habitação de Interesse Social para Comunidade Taboquinha, iniciado ainda na graduação, é um tema de constante interesse e vem sendo aperfeiçoado, de modo que nesta etapa explorou-se as potencialidades da plataforma BIM. O lote para a implantação do projeto situa-se em um bairro que vem passando por grades transformações, outrora considerado periférico, hoje o bairro responde como a nova frente de expansão habitacional da cidade de Belém, onde uma diversificada oferta de comércio e serviço também vem se instalando e suprindo esta nova demanda habitacional. Foram desenvolvidas 3 tipologias de edificações de habitação multifamiliares, com 1, 2 e 3 dormitórios, todas com térreo composto por unidades adaptadas à PCD. Em função das elevadas temperaturas da cidade, foi dada primazia à porosidade do partido arquitetônico, onde a circulação horizontal entre pavimentos acontece de forma aberta, com livre fluxo de ventilação natural; a cobertura se torna acessível, se materializa como um solário, será mais um espaço de convivência a ser qualificado pelos habitantes. No que concerne ao projeto de urbanização, todas as edificações habitacionais são voltadas à nordeste, quadrante de ventilação predominante, com os dormitórios recebendo apenas a insolução no períoda manhã; visando o estímulo e a visibilidade da área comercial criada para o conjunto, esta foi locada próxima à entrada, voltada à Avenida Hélio Gueiros, via de grande circulação de pessoas e veículos; a porção posterior do conunto foi destinada às áreas de lazer como quadra e salão de festas e parque. Nesta experiência de projeto a plataforma BIM foi imprescindível durante a fases de estudo de viabilidade de áreas, onde a partir do estudo de massas foi possível rapidamente estipular a área compatível com a taxa de ocupação estabelecida e atingir o coefieciente de aproveitamento para a zona de projeto, assim como pôde-se obter as proporções das áreas destinadas á circulação e habitação nas edificações, possibilitando rápidas alterações no partido final. Pág. 38 O que se verificou é que cada uma destas experiências projetuais proporcionaram incursões em campos de pesquisa diversos, exigindo inclusive a exploração de novas ferramentas como a plataforma BIM. Destarte, estimularam-se reflexões e discussões que embasaram respostas sensíveis e em consonância com as necessidades humanas de permanência em diferentes escalas do espaço construído.


PROJETO DE REFORMA REVITALIZAÇÃO DA FACHADA E REFORMULAÇÃO DE LAYOUT EM RESIDÊNCIA UNIFAMILIAR BELÉM - 2014


FACHADA EXISTENTE

PROJETO DE REVITALIZAÇÃO

5


EXISTENTE

A

PROJETO DE REFORMA

2 2

B

1

B

3

1 4

0

4 1 2 3 4

2m

PÁTIO/GARAGEM SALA DE ESTAR SUÍTE CHAGÃO

Cobertura em telha Brasilit a ser restruturada em telha plan

A 2m

0

Cobertua existente em telha colonial

Nova calha em concreto Calha em concreto a ser reformada Rufo em concreto

COBERTURA 4,01m

COBERTURA +4,00

FORRO +2,97

FORRO 2,97m

Forro em gesso acartonado

TÉRREO +0,15 N.T.0,00 0

2m

A

TÉRREO 0,15m N.T 0,00m 0

2m

B

6


JARDIM VERTICAL

3

1 2

1 PARAFUSO AUTOATARRAXANTE 2 PARAFUSO SEXTAVADO 3 BUCHA

7


PROJETO DE REFORMA REFORMULAÇÃO DE LAYOUT PARA ESCRITÓRIO

BELÉM - 2014


9


EXISTENTE

0

NOVO LAYOUT

1m

TRANSPARÊNCIA

0

ESTRUTURA APARENTE

1m

HORIZONTALIDADE

10


VALORIZAÇÃO DA HORIZONTALIDADE

11


ATELIÊ DE PROJETO - ESCOLA DA CIDADE COM: ANA LAGO, DANIELA LETELIER, JOAQUIM GAK E SAMUEL GARCIA

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GEOGRAFIA, CIDADE E ARQUITETURA - MÓDULO VENEZUELA : PROPOSTA PARA REQUALIFICAÇÃO DA AVENIDA LIBERTADOR EM CARACAS SÃO PAULO - 2016


+1 0 M

AVENIDA LIBERTADOR - TRECHO DE PROJETO PROPOSTA

13

-1


Staz. Termini - Via dei Castani

Staz. Termini - Via dei Castani

Staz. Termini - Via dei Castani

PROPOSTA DE REORGANIZAÇÃO DO TRÁFEGO: NÍVEL -1

M

M

HABITAÇÃO SOCIAL - PROGRAMA GRAN MISION VIVIENDA ÁREA PEATONAL

M

PONTO DE ÔNIBUS

VIA EXPRESSA - CIRCULAÇÃO EXCLUSIVA DE ÔNIBUS

CONEXÃO PEATONAL COM ESTAÇÕES DE METRÔ

14


PROPOSTA DE REORGANIZAÇÃO DO TRÁFEGO: NÍVEL 0

M

ÁREA PEATONAL / PRAÇA

15

M


PROPOSTA DE REORGANIZAÇÃO DO TRÁFEGO: NÍVEL +1

M

M

ÁREA PEATONAL / PRAÇA / CONEXÕES COM EDIFÍCIOS DO PROGRAMA GRAN MISION VIVNEDA

16


PUBLICITUDE

17


CONCURSO DE PROJETO - CODHAB COM: ANDRÉ FERREIRA E SILVIO NASCIMENTO

CONCURSO PÚBLICO NACIONAL DE PROJETO DE ARQUITETURA E COMPLEMENTARES: EDIFÍCIO DE USO MISTO EM SANTA MARIA SÃO PAULO - 2016


19


CIRCULAÇÃO E ÁREA COMUM

EDIFÍCIO COM UNIDADES HABITACIONAI S DE 2 DORMITÓRIOS - FACHADA OESTE

BLOCO CERÂMICO NÃO ESTRUTURAL CHAPISCADO

VENEZIANA METÁLICA

PINTURA TEXTURIZADA

20


A

A

1 B

B

1

1

B 1

2

1

1

1

3

3

2

2

B

4

2

4 1

1

1

1

A

0

A SUBSOLO 1 GARAGEM

4m

2 CIRCULAÇÃO VERTICAL

0

TÉRREO 1 LOJAS

4m

A

2 BICICLETÁRIO

3 SALA TÉCNICA

4 CIRCULAÇÃO VERTICAL

A

1

2

1 B

2

1

B

3

3 1

B

B

2

1

4

4

2

1 1

2

A

0

21

4m

PAVIMENTO TIPO 1 UNIDADE HABITACIOANAL COM 2 DORMITÓRIOS 2 UNIADE HABITACIONAL COM 3 DORMITÓRIOS 3 CIRCULAÇÃO HORIZONTAL 4 CIRCULAÇÃO VERTICAL

A

0

4m


UNIDADE HABITACIONAL COM 3 DORMITÓRIOS - 68m²

2m 0 UNIDADE HABITACIONAL COM 3 DORMITÓRIOS ADAPTADO À PCD - 68m²

1

UNIDADE HABITACIONAL COM 3 DORMITÓRIOS

0

B

2m

SISTEMA DE VENTILAÇÃO PARA O SUBSOLO

0

2m

22


UNIDADE HABITACIONAL COM 2 DORMITÓRIOS - 58m²

0

UNIDADES HABITACIONAIS COM 3 DORMITÓRIOS - 49 UNIDADES HABITACIONAIS COM 2 DORMITÓRIOS - 35 UNIDADES COMERCIAIS - 11

2m

UNIDADE HABITACIONAL COM 2 DORMITÓRIOS ADAPTADO À PCD - 58m²

VENTILAÇÃO NATURAL 0

2m

A COBERTURA +23,80

7º PAVIMENTO +20,83 6º PAVIMENTO +14,85

5º PAVIMENTO +14,88 4º PAVIMENTO +11,90

3º PAVIMENTO +8,92

2º PAVIMENTO +5,95

1º PAVIMENTO +2,98 TÉRREO 0,00 ENTRADA SUBSOLO -2,25

23

0

SUBSOLO -2,98

2m


CONCURSO DE PROJETO - INSTITUT POUR LA VILLE MOUVEMENT COM: ANDRÉ FERREIRA, DANIEL CALDERON, SILVIO NASCIMENTO E VICTOR MINGHINI

CONCURSO PARA REVITALIZAÇÃO DE PASSAGENS NA REGIÃO DO JARDIM ÂNGELA SÃO PAULO - 2017


S

S

S

5m

S

5m

830

835

TRECHO 2A

46m

ACESSOS 850 4m

S

3m

TRECHO 2B

840

850

845

840

47m

S

18m

15m

5m

4m

TRECHO 2C

19m

845

PASSAGEM MENININHA TRECHO 2D

TRECHOS DA PASSAGEM MENININHA

UBS

S

830

835

3m

FLUXO GERADO PELA UBS

825 820 815

25

CENTRO COMERCIAL

TERMINAL DE ÔNIBUS

FLUXO GERADO PELO CENTRO COMERCIAL

FLUXO GERADO PELO TERMINAL DE ÔNIBUS


TRECHO 2A

TRECHO 2B

TRECHO 2D 0 2m

0 2m

0 2m

TRECHO 2C

0 2m

MÓDULOS EM GRADIL METÁLICO TIPO 1

FIXAÇÃO SUPERIOR DOS MÓDULOS EM GRADIL METÁLICO

TIPO 2

ENCAIXE DA PRATELEIRA NO GRADIL METÁLICO

PRATELEIRA /FLOREIRA COMUNICAÇÃO VISUAL

BAÚ PARA LIVROS FIXAÇÃO INFERIOR DOS MÓDULOS EM GRADIL METÁLICO FIXAÇÃO INFERIOR DO MÓDULO TIPO BANCO

PRATELEIRA

MÓDULOS EM CHAPA DE AÇO TIPO 1 - BANCO

TIPO 2 - LUMINÁRIA

26


SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA PLUVIAL - TRECHO 2B

27


CONCURSO DE PROJETO - CODHAB COM: ANDRÉ FERREIRA, ANA CAROLINA, LUIZA THOMAZ E SILVIO NASCIMENTO

CONCURSO PÚBLICO NACIONAL DE PROJETO DE ARQUITETURA PARA HABITAÇÃO DE INTERESSE COLETIVO SÃO PAULO - 2017


29


UNIDADE HABITACIONAL A BASE 43,70m²

SISTEMA CONSTRUTIVO QUICK HOUSE PILAR DE CHAPA DUPLA FORMADO PELA UNIÃO ENTRE MÓDULOS

1

1

ADAPTAÇÃO PARA PCD 43,70m²

1

2

2

PILAR DE ALTA RESISTÊNCIA FORMADO PELA UNIÃO ENTRE PAINÉIS

2

5 5

1 PERFIL METÁLICO TIPO”U” FIXADO COM REBITE POP 2 MÓDULO BÁSICO EM CHAPA GALVANIZADA DE AÇOTIPO ZAR, FIXADOS UNS AOS OUTROS COM PARAFUSO AUTOBROCANTE 1

4

4

2m

0

VARIAÇÃO 44,70m²

2m

0

A A

ADAPTAÇÃO PARA PCD 44,70m2 1 2

1

2

REVESTIMENTO EXTERNO

REVESTIMENTO INTERNO

5 5

PLACA CIMENTÍCIA PAINÉL QUICK HOUSE LÃ DE VIDRO GESSO ACARTONADO

3 4

A

2

1

2m

0

A

EXPANSÃO PARA 1 DORMITÓRIO 54,05m²

2 1 2 3 4

4

2m

0

1

4

ADAPTAÇÃO PARA PCD 54,05m²

3

2 1 3 5

5 1 2 3 4 5

4

4

QUARTO BANHEIRO QUARTO 2 SALA DE ESTAR/ JANTAR COZINHA/ÁREA DE SERVIÇO 0

2m

A

0

2m

0

2m

30


COBERTURA+INDICAÇÃO DE VENTIALAÇÃO NATURAL

B

1,5

B

,20

13

9,1

5 5,0

ÁREA AMOSTRAL = 120,78m²

A MÓDULO AUTOPORTANTE

0

2m

RUFO METÁLICO CALHA METÁLICA VIGOTA METÁLICA CAIXA D’ÁGUA 1000L VIGOTA METÁLICA

MÓDULO AUTOPORTANTE TERÇA METÁLICA PLACA CIMENTÍCIA PAINÉL QUICK HOUSE GESSO ACARTONADO LÃ DE VIDRO ESQUADRIA 1,20x1,20m MÓDULO EM AÇO GALVANIZADO ESTRUTURA TRELIÇADA ENTRE PISOS

31

0

2m

B


C

0

2m c

c

CONUNTO PROPOSTO: 2 SUBCONJUNTOS DE 4 UNIDADES HABITACIONAIS + RUA INTERNA

0

2m

32


PASSARELA DE ACESSO ÀS UNIDADES SOBREPOSTAS

33


ATELIÊ DE PROJETO - ESCOLA DA CIDADE COM: FERNANDA BÁRBARA, HENRIQUE HORTEGA, MARIANE OLIVO, NOELIA MONTEIRO, PAOLA BARRETO E SILVIO NASCIMENTO

SEMINÁRIO INTERNACIONAL MODOS DE HABITAR - ARQUITETURAS ANFÍBIAS: PROPOSTA DE INTERVENÇÃO NA FAVELA DIQUE VILA GILDA EM SANTOS SÃO PAULO - 2017


REGIÃO NOROESTE, PORÇÃO INSULAR

PORTO DE SANTOS: REPRESENTOU 28,5%, US$ 92, 108 BILHÕES, DO FLUXO DE COMÉRCIO BRASILEIRO EM 2016

FAVELA DIQUE VILA GILDA: POPULAÇÃO ESTIMADA EM 6 MIL FAMÍLIAS

35


PLANO DE AÇÃO

0

500m

PALAFITAS - FAVELA DIQUE VILA GILDA 1 UNIDADES FLUTUANTE

1

2 CONJUNTO JOCKEY CLUB

CRIAÇÃO DE BACIAS DE DRENAGEM

3 REQUALIFICAÇÃO DO CDHU

1 2

3

840 UNIDADES HABITACIONAIS

3720 UNIDADES HABITACIONAIS

500 UNIDADES HABITACIONAIS

2

REMOÇÃO DE PALAFITAS E CRIAÇÃO DE NOVAS ÁREAS DE PROVISÃO HABITACIONAL

36


UNIDADES FLUTUANTES

TÉRREO 0

37

10m

PAVIEMENTO SUPERIOR


PROJETO DE URBANIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO EM BIM DE PROJETO DE URBANIZAÇÃO E HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL PARA COMUNIDADE TABOQUINHA BELÉM/SÃO PAULO - 2011/2017


PROJETO DE URBANIZAÇÃO

TIPOLOGIA 3D - UNIDADE HABITACIONAL COM 3 DORMITÓRIOS 71m² : 6 ANDARES COM 4APARTAMENTOS, MAIS TÉRREO COM 3 APARTAMENTOS ADAPTADOS A PCD. TIPOLOGIA 2D - UNIDADE HABITACIONAL COM 2 DORMITÓRIOS 62m²: 6 ANDARES COM 4 APARTAMENTOS POR ANDAR, MAIS TÉRREO COM 3 APARTAMENTOS ADAPTADOS A PCD. TIPOLOGIA 1D - UNIDADE HABITACIONAL COM 1 DORMITÓRIO 45m²: 3 ANDARES COM 6 APARTAMENTOS POR ANDAR, MAIS TÉRREO COM 3 APARTAMENTOS ADAPTADOS A PCD.

0

39

80m


USOS LAZER

INFRAESTRUTURA VIÁRIA AVENIDA HÉLIO GUEIROS

ÁREA VERDE

VIA LOCAL DE 1ª ORDEM A SER CRIADA

SERVIÇO/COMÉRCIO

VIA LOCAL DE 2ª ORDEM ASER CRIADA

HABITAÇÃO 0

80m

PERMEABILIDADE SÓLIDO VAZIO

0

80m

40


Tipologia 1D

Tipologia 1D Classificação do pavimeto Circulação horizontal Pav. tipo Pav. térreo Circulação vertical Circ. vertical Habitação Pav. tipo Pav. térreo

Número de pavimentos 4 4 4

Projeção horizontal (m²)

Proporção (%)

57 m² 214 m²

15 57

9 m²

2

314 m² 158 m²

85 42

Uso Circulação horizontal Circulação vertical Habitação

Área total (m²) 386 36 1101

Tipologia 2D Classificação do pavimeto Circulação horizontal Pav. tipo Pav. térreo Circulação vertical Circ. vertical Habitação Pav. tipo Pav. térreo

Número de pavimentos 7 7 7

Projeção horizontal (m²)

Proporção (%)

62 m² 128 m²

19 39

12 m²

4

261 m² 196 m²

81 61

Uso Circulação horizontal Circulação vertical Habitação

Área total (m²) 502 82 1761

Tipologia 3D Classificação do pavimeto Circulação horizontal Pav. tipo Pav. térreo Circulação vertical Circ. vertical Habitação Pav. tipo Pav. térreo

41

Número de pavimetos

Projeção horizontal (m²)

Proporção (%)

58 m² 133 m²

16 37

12 m²

3

301 m² 226 m²

84 63

Uso

Área total (m²)

Classificação do pavimeto Circulação horizontal Pav. tipo Pav. térreo Circulação vertical Circ. vertical Habitação Pav. tipo Pav. térreo

Número de pavimentos 4 4 4

Projeção horizontal (m²)

Proporção (%)

57 m² 214 m²

15 57

9 m²

2

314 m² 158 m²

85 42

Uso Circulação horizontal Circulação vertical Habitação

Área total (m²) 386 36 1101

Tipologia 2D Classificação do pavimeto Circulação horizontal Pav. tipo Pav. térreo Circulação vertical Circ. vertical Habitação Pav. tipo Pav. térreo

Projeção horizontal (m²)

Proporção (%)

62 m² 128 m²

19 39

12 m²

4

261 m² 196 m²

81 61

Número de pavimentos 7 7 7

Uso Circulação horizontal Circulação vertical Habitação Tipologia 3D

Classificação do pavimeto Circulação horizontal Pav. tipo Pav. térreo Circulação vertical Circ. vertical Habitação Pav. tipo Pav. térreo

Projeção horizontal (m²)

Proporção (%)

58 m² 133 m²

16 37

12 m²

3

301 m² 226 m²

84 63

Número de pavimetos 7 7 7

Uso Circulação horizontal Circulação vertical Habitação

Área total (m²) 502 82 1761

Área total (m²) 483 84 2031


TIPOLOGIA 1D 1

E

COBERTURA NÍVEL +31.55

2

4

2 B

B

1 C

C

E

0

3

SOLÁRIO 150m² ÁREA TÉCNICA 188m² RESERVATÓRIO 14m² CIRCULAÇÃO VERTICAL 9m²

1

E

COBERTURA NÍVEL +27.50

Inclinação 1%

Inclinação 1%

Inclinação 1%

2

2 4

1 2 3 4

4m

B

B 3 1 C

Desce

C

E

0

4m

3

42


1

E

PAVIMENTO TIPO

8

B

5

4

6

2

9

7 B

8

3

4 1 C

0

01

02

03

04

05

06

07

08

10

11

12

13

14

15

16

17

18 19

2

Sobe

C

4m

E 3

PAVIMENTO TIPO 1 CIRCULAÇÃO HORIZONTAL 56m² 2 CIRCULAÇÃO VERTICAL 9m² 3 SALA DE ESTAR/JANTAR 17 m² 4 COZINHA/ÁREA DE SERVIÇO 9 m² 5 HALL 2 m² 6 BANHEIRO 3m² 7 QUARTO1 12m² 8 SACADA 2m² 9 QUARTO2 11m² 10 BANHEIRO2 5m²

TÉRREO 1 CIRCULAÇÃO HORIZONTAL 209m² 2 CIRCULAÇÃO VERTICAL 9m² 3 SALA DE ESTAR/JANTAR 17 m² 4 COZINHA/ÁREA DE SERVIÇO 9 m² 5 HALL 2 m² 6 BANHEIRO 3m² 7 QUARTO1 12m² 8 QUARTO2 10m² 9 BANHEIRO2 6m²

1

E

TÉRREO

10

9

2

4

7 B

B 5

6

3

4 1 C

4m

01

02

03

04

Sobe

E

0

43

0

3

05

06

07

08

10

11

2

12

13

14

15

16

17

18 19

C

4m


B ESTRTURA DA COBERTURA +31,55

COBERTURA +27,50

3º PAVIMENTO +24,45

2º PAVIMENTO +21,35

1º PAVIMENTO +18,25

TÉRREO +15,1 5

0

N.T. +15,00

4m

E

C ESTRTURA DA COBERTURA +31,55

COBERTURA +27,50

3º PAVIMENTO +24,45

2º PAVIMENTO +21,35

1º PAVIMENTO +18,25

TÉRREO +15,1 5 N.T. +15,00

0

4m

44


TÉRREO CIRCULAÇÃO

45

SOLÁRIO


Portfólio de Arquitetura  

Experiências projetuais em diferentes escalas.

Portfólio de Arquitetura  

Experiências projetuais em diferentes escalas.

Advertisement