Issuu on Google+

GRANDE PORTO SEMINÁRIO // 11 DE MARÇO / ANO II / EDIÇÃO Nº 89 / PREÇO 1,20 / DIRECTOR: ROGÉRIO GOMES // SAÌ À SEXTA // WWW.GRANDEPORTOONLINE.COM

Liga Europa

FCP ganha em Moscovo, Braga faz história // pág. 7

Cuidados continuados

Faltam 500 camas no Grande Porto Faltam 500 camas nos hospitais do Grande Porto. Problema continua por resolver. // pág. 10 e 11

Associação em eleições

Luís Filipe Menezes em entrevista

“Cavaco Silva vai ponderar demissão do governo”.

Sou um adepto da presidencialização do Poder Local, que já é uma realidade. Não vale a pena iludir a questão. As pessoas não votam nos vereadores, votam no presidente da Câmara. Isto iria permitir que os autarcas não fossem escravos dos

partidos e pudessem escolher livremente as suas equipas, mesmo fora do espectro partidário. A Regionalização, que seria a grande mudança em termos de Poder Local, voltou a ser adiada. Numa economia que tem muito pouca massa crítica ao

nível do tecido empresarial intermédio, essas grandes empresas acabam por controlar os grandes negócios do Estado. A nossa democracia é hoje controlada pelo poder das grandes empresas em que o Estado está presente e por meia dúzia de indústrias

de advocacia sediadas em Lisboa e que são os intermediários desses grandes negócios. A nossa democracia é hoje controlada pelo poder do ministério. Pelo menos os mercados económicos não acreditam que seja assim tão possível.// pág. 24 a 26

Partidos à rasca? Movimentos seguem Há uma legitimidade ética. Este Governo foi eleito com um programa e não o está a executar. Está a fazer precisamente o oposto.

Podíamos pensar que o está a fazer porque as circunstâncias se alteraram profundamente, o que em meu entender não é completamente verdade

melhor colocado para levar por diante essas políticas. Essa clarificação pode ser feita a partir da Assembleia da República? A nossa democracia é

hoje controlada pelo poder. Pelo menos os mercados não acreditam que assim seja. Os mercados não acreditam é no Governo. // pág. 15 a 17

Comerciantes de Barcelos em guerra Comerciantes em Barcelos continuam em estado de guerra. Problema continua por resolver. // pág. 4

100 mil pessoas afectadas

Finanças em Rio Tinto podem fechar Promove, dia 17,o Museu de Arte sacra e Arqueologia do rio douro na Cidade do Porto. // pág. 7


18 | Grande Porto, 11 de Março, 2011

Opinião

Crónica

Haja coragem

MÁRIO DORMINSKY

Vereador da Câmara Municipal de Gaia

Convenhamos: a questão de fundo na (não) Regionalização é o desemprego no sector público que a mesma provocaria na capital, afectando toda a área metropolitana de Lisboa. Haverá estudos que o conrmem, mas mesmo sem termos acesso aos mesmos, é fácil perceber que a deslocalização de competências tornaria excessivos milhares de postos de trabalho na administração central. Este é em sentido gurativo o tumor que a operação de regionalizar obrigaria a tratar com pinças muito delicadas. É verdade que nos últimos 20 anos (já o era antes,mas menos acentuado) milhares de quadros deixaram as suas cidades em busca das oportunidades que só Lisboa parecia garantir. Mas se a Regionalização

avançasse era preciso deslocalizar quase outros tantos de Lisboa para os vários pontos do País onde o sector administrativo regional precisasse de vir a empregar gente com qualicações para exercer as tais competências. É certo que em Viana, Bragança, Braga, Évora, Porto, Faro... em todas as restantes regiões e pólos urbanos não falta quem o saiba fazer. Não é a toa que reclamam para si essa administração. Não só por razões logísticas e politicamente sérias (não faz sentido resolver questões locais da Beira Alta no Rossio), mas porque ainda há muita gente que ca nas suas terras também com o sentido de ajudar a evitar a deserticação material e de ideias. Há cidades em Portugal que já têm a sua história, o seu passado de riqueza social em convívio directo com os fantasmas da pobreza e falência que vagueiam por casas, lojas e empresas em ruínas e sem gente a viver ou a trabalhar. Um círculo de decadência que aperta os corações citadinas, vindo das antigas cinturas rurais e industriais que ci cundavam Fafe, Trofa, Santo Tirso, Famalicão, Beja, Évora, Castelo Branco, Montalegre, Tavira, Portimão... Se os centros dessas cidades evoluíram no plano da construção (a urbanidade disfarça-se com prédios novos nos centros e no primeiro círculo

em torno dos mesmos), já a sua riqueza vai-se perdendo com a ruína empresarial e produtiva dos círculos externos à urbe. Aqueles que desde a Revolução Industrial estavam para a organização territorial como os machos que levavam comida aos ninhos no mundo animal. Devagar (ou nem tanto), as cidades médias denham e mais tarde será impossível recuperar.

Médico e escritor

“Os serviços administrativos a essas competências passariam a estar sedeadas na região para onde foram transferidas.” Era crucial que se começasse a passar a mensagem de que os empregos de Lisboa terão que ser repartidos pelo resto do Portugal. Por todas as razões e mais uma: o resto de Portugal tem o direito à sua própria identidade regional sem que, até essa, seja denida e desenhada por três ou quatro gabinetes técnicos contratados por cinco ou seis direcções públicas em função da necessidade de cinco ou seis estudos e pareceres que permitam a seis ou sete ministros travar o direito de cada cidadão.

;

O Regresso ao Futuro

FRANCISCO JAIME QUESADO

Programa Operacional Sociedade do Conhecimento

Quando em 2006 o Presidente da República decidiu lançar a Iniciativa Conselho da Globalização, que reuniu em Portugal alguns dos Líderes de Topo de algumas das principais Multinacionais com Responsáveis Políticos e Empresariais Nacionais, estava lançado o mote. Portugal mostrava ao Mundo Global que tinha uma palavra a dizer no Jogo Competitivo do IDE. Depois de dois anos de interregno, a Iniciativa está de volta.

FRANCISCO JOSÉ ALVES

Numa época de crise complexa, esta Nova Aposta é um sinal de conança na Competitividade Portuguesa e na capacidade muito concreta de se alterar duma vez por todas o Modelo de Desenvolvimento Económico para o futuro. Um verdadeiro regress ao futuro que importa saudar. A Economia Portuguesa está claramente confrontada com um desao de Crescimento. Os números dos últimos vinte anos não poderiam ser mais evidentes. O Investimento Directo Estrangeiro desempenha neste contexto um papel de alavancagem da mudança único. Portugal precisa de forma clara de conseguir entrar com sucesso no roteiro do “IDE de Inovação” associado à captação de Empresas e Centros de I&D identicados com os sectores mais dinâmicos da economia Tecnologias de Informação e Comunicação, Biotecnologia, Automóvel e Aeronática, entre outros. Trata-se duma abordagem distinta, protagonizada por “redes activas” de actuação nos mercados globais .

;

Era novo quando o meu pai me chamou para lhe resolver um problema de comunicação, alguém lhe dizia qualquer coisa em francês e ele, bom entendedor da linguagem da natureza, sabedor da época para semear ervilhas e colher batatas, mas dando-se mal com línguas estrangeiras, chamou-me carolina linda. Resolveu-se o problema cujos detalhes, confesso, não recordo. Anos mais tarde, parte de um grupo de portugueses que, no norte de África, acampou ao lado de espanhóis e italianos, uns e outros conhecedores, apenas, da sua língua mãe. Nós, os portugueses, desconhecíamos oficialmente as duas línguas porém, com umas arranhadelas no castelhano e outras tantas no italiano, tornámo-nos os tradutores daquelagente. Outra coisa, bem diferente, é o servilismo ao inglês. É importante conhecer o inglês para que não seja obstáculo ao bom andamento dos nossos assuntos, mas convém evitar a subserviência ridícula. Foi o que senti quando, há dias, num congresso nacional com a plateia composta por gente portuguesa, a Maria e a Sílvia, portuguesas, perguntavam e respondiam em inglês por se encontrar presente um, isso mesmo, um participante inglês. Só pode ser tique! Eu sei que o inglês nos vai ajudar nas exportações e na armação cientíca, mas pobres são as exportações, pobre é a ciência que só vale pela boa conversa em inglês… E depois, podemos, sempre, fazer a regionalização e exportar do norte para o sul. Que do sul para o norte só me lembro do “allgarve”para importar. Deve ser para entender estas coisas que os miúdos aprendem inglês antes do português.

;

DIRECÇÃO: Manuel Queiroz

Registo Provisório na ERC N.º 12570 Impressão: Unipress Distribuição: Vasp/ Tiragem: 30 000

ADMINISTRAÇÃO: Francisco Rebelo dos Santos, Pedro Costa, Ângela Gil e Rogério Gomes

Propriedade: Sojormedia Norte SA Contribuinte n.º 508 853 540 - Capital Social: 50 mil euros

EDITORES: Isabel Cristina Costa Miguel Ângelo Pinto e Nuno Corvacho

Detentores de mais de 10% do capital: Sojormedia SGPS SA e Rogério Gomes

REDACÇÃO: Aida Sofia Lima, Ana Caridade, João Queiroz, Pedro José Barros, Pedro Sales Dias, Sérgio Pires

Departamento Financeiro: Ângela Gil, Catarina Branquinho, Celeste Pereira, Gabriela Alves e João Machado

Fotografia: António Rilo Secretária: Ana Luísa Barroso

Departamento de Marketing: Patrícia Duarte, Catarina Fonseca e Catarina Silva

Departamento Comercial: Norberto Vieira, Mário Gonçalves, Pedro Almeida e Cátia Matos

Departamento de Recursos Humanos: Nuno Silva e Sónia Vieira

Departamento Gráfico: Pedro Cunha, Tiago Sousa, Joaquim Freitas

Departamento de Sistemas de Informação: Tiago Fidalgo e Hugo Monteiro

Correspondência: Apartado 4130, E. C. Município Porto, 4002-001 Porto

Unidade de Projectos: Lúcia Silva e Joana Baptista | Despósito Legal 298025/09


Grande Porto, 11 de Março, 2011 | 19

Opinião

Editorial

A nova responsabilidade de Cavaco Silva ROGÉRIO GOMES

rogerio.gomes@grandeportoonline

O País entrou em stress. Entre o negro discurso da posse do Presidente da República, os imprevisíveis números da economia nacional e internacional e a manifestação dos “jovens à rasca”, o normalmente pacato cidadão português está sacudido e atordoado sem saber muito bem o que pensar e muito menos o que fazer. Olha para a esquerda e não percebe se o permanente discurso da moralização socialista é elogiável persistê cia ou irrealista teimosia. Vira-se para a direita e não consegue discernir entre a aparente paciência de Passos Coelho e a evidente pressa em mudar o cenário político que vem mais da ala do CDS. O clima que se vive é claramente de pré-crise política e não há analista que não o anuncie. Cavaco Silva, na sua análise da realidade e nos incentivos ao “sobressalto cívico” acabou com

a ilusão de que será possível a este Governo cumprir o seu mandato até nal e terá sido esta consciência que levou os socialistas uns mais do que outros a encetar uma violenta reacção com destino a Belém. Cavaco Silva e José Sócrates deixaram todos os disfarces e começaram uma guerra política que só terminará com a dissolução do Parlamento no momento em que o Presidente da República achar mais conveniente e esta é a novidade da actualidade política: o poder que Cavaco Silva tomou em mão a partir de agora. Bem pode o Chefe de Estado dizer que não tem especial apetência pela “bomba atómica”. A realidade, depois do seu discurso, é que cou com essa responsabilidade. As reacções do espectro partidário representado na Assembleia da República deniram claramente que não haverá consenso parlamentar para uma moção de censura capaz de derrubar o Governo. Essa possibilidade cou connada a uma iniciativa do Palácio de Belém. Estão convocadas para amanhã um conjunto de manifestações dos chamados “jovens à rasca”. Falta de emprego e de oportunidades e também muito ressentimento com as “meninas de editorial”. Cavaco Silva também esteve presente.

N NORTE

LUÍS FILIPE MENEZES O presidente da Câmara de Gaia não se esconde e diz: o Governo perdeu a legitimidade, há que ir a votos. O mais cedo possível.

RENATO SAMPAIO Perante muitos sorrisos amarelos, o presidente do PS/Porto não esteve com meias medidas atacou Cavaco. Marcou uma posição, é certo.

JOÃO MOREIRA É o rosto no Porto na manifestação da geração à rasca. Perante a falta de oportunidades, milhares de jovens ameaçam vir para a rua. Um aviso à classe política.

;

O discurso do Presidente

S SUL

JOSÉ SÓCRATES PEDRO MADEIRA FROUFE

O Primeiro-Ministro ganha lugar cativo neste espaço. Este fim-de-semana vai sentir na rua a contestação. E se não arrepia caminho sai borda fora.

Jurista e docente universitário

Foi realista. Para alguns (Francisco Assis) terá sido mesmo “sectário” e “cruel”. Para outros, também sem tentar ter papas na língua, terá sido uma “declaração de guerra ao Governo” (Ana Cóias).Uma coisa é certa: quem disse o que Cavaco disse, não será, politicamente falando, gago! Mas qual será o signicado daquele discurso? Importa não descontextualizar a tomada de posição de Cavaco, daquilo que foi o seu anterior registo presidencial. Aparentemente, aquele discurso frontal terá sido uma surpresa, em função, precisamente, das posições por si adoptadas antecedentemente. No passado recente, houve, com efeito, uma quase obsessiva defesa da “estabilidade”e

“responsabilidade” políticas que se traduziu, voluntária ou involuntariamente, numa convergência táctica de interesses entre Belém e o Governo. Cavaco Silva acabou por engrossar e até encabeçar o coro daqueles que, acima de tudo, pretendiam a manutenção do Governo, a todo o custo, argumentando com a necessidade de não assustar os mercados internacionais (como se, porventura, estes fossem em cantigas, ou seja, perdessem tempo, nas suas decisões, com as declarações de política interna).

Os famigerados mercados assustar-se-ão sempre e cada vez mais, enquanto os descredibilizados actores políticos portugueses e o nosso (mau) Estado não sofrer um verdadeiro abanão refundador. Por exemplo, como é que se pode dar conança, seja lá a quem for, quando se embandeira em arco porque a despesa corrente primária do Estado caiu. Durante o mês de Fevereiro, cerca de 3,9%, escondendo-se, simultaneamente, o facto de que tal queda deveria ter sido de 6,52%, para

que estivéssemos em linha com os objectivos orçamentais?! Cavaco assume, agora, aquilo que, cada vez mais, parece ser um segredo de Polichinelo: Portugal, infelizmente, terá mesmo que recorrer à ajuda externa (FMI incluído, ou não). Já não estamos numa situação que permita questionarmonos sobre se o “copo está meio cheio, ou meio vazio”. A dúvida sobre o estado do “nosso copo” resume-se a saber se ele está totalmente vazio e escaqueirado ou apenas vazio!

;


24 | GrandePorto, Porto,1111de deMarço, Março,2011 2011 4 | Grande

Entrevista LUÍS FILIPE MENEZES

Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia


Grande Porto, 11 de Março, 2011 | 25

Entrevista

“Só Cavaco Silva tem poder para refrescar a democracia.” Luís Menezes defende a convocação de eleições antecipadas o mais cedo possível. Mas para o ex-líder do PSD e presidente da Câmara Municipal de Gaia é nas mãos do Presidente da República que está a solução. No Parlamento, acredita, dificilmente este Governo cairá. MIGUEL ÂNGELO PINTO miguel.pinto@grandeportoonline.com

Avançar para um regime presidencialista? Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos tamanhos e cortes dos tipos, e sem qualquer consideração por estéticas previamentedefinidas. As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas. Mas essas mudanças no regime não devem começar pela base? Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. A Regionalização, que seria a grande mudança em termos de Poder Local,voltou a ser adiada. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos tamanhos e cortes dos tipos. A única forma possível de refrescar a democracia, como defende, é pelo voto. E ninguém parece ter grande vontade de dar o primeiro passo para precipitar eleições antecipadas. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos tamanhos e cortes dos tipos, e sem qualquer consideração por estéticas previamentedefinidas. As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado Pelo menos os mercados não acreditam que assim seja. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout. ção lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem

compostos num layoutção lógica e visual entre as letras, as A clarificação pelo voto é urgente? Deve ir-se para eleições o mais rapidamente possível? As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos tamanhos e cortes dos tipos, e sem qualquer consideração por estéticas previamentedefinidas. As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas.

Não basta mudar rostos. As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas. O PSD, enquanto maior partido da oposição, não está a dar a mão vezes de mais ao Governo? Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos tamanhos e cortes dos tipos, e sem qualquer consideração por estéticas previamentedefinidas. As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas. Então este Governo dificilmente cairá no Parlamento, é isso? Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos tamanhos e cortes dos tipos, e sem qualquer consideração por estéticas previamentedefinidas. As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada. O Presidente da República deve então reflectir sobre a actual situação e convocar eleições o mais cedo possível? Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos tamanhos e cortes dos tipos, e sem qualquer consideração por estéticas previamentedefinidas. As áreas livres (não compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos tamanhos e cortes dos tipos, e sem qualquer consideração por estéticas previamentedefinidas. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas.

O PSD avançou com um projecto de revisão constitucional, onde havia algumas questões fracturantes e que, mais cedo ou mais tarde, terão que ser discutidas. Só que parece que deixou cair esse projecto. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos tamanhos e cortes dos tipos, e sem qualquer consideração por estéticas previamentedefinidas. As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Acha que as propostas do PSD colhem junto do eleitorado? Podem ser discutidas durante uma campanha eleitoral, onde se busca o voto? As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Mas as pessoas estão cansadas da política e dos políticos. E o risco de a mensagem não se perceber e de ser apenas ruído é real. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar. Não corremos o risco de a actual situação poder potenciarfenómenos perigosos? Veja o caso da França, onde a filha de Le Pen aparece à frente das sondagens. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Pois, mas a Europa vive momentos de grande indefinição que podem ser aproveitados As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas. Com a Regionalização adiada, o Governo quer avançar com a reorganização do território. Acha que o conseguirá fazer numa lógica vertical, impondo uma reforma de cima para baixo? As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Mas algo tem que ser feito, até para racionalizar o pouco dinheiro que vai havendo. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos tamanhos e cortes dos tipos. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada


26 | Grande Porto, 11 de Março, 2011

Entrevista // continuação da pág. anterior

Avançar para um regime presidencialista? Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos tamanhos e cortes dos tipos, e sem qualquer consideração por estéticas previamentedefinidas. As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas. Mas essas mudanças no regime não devem começar pela base? Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. A Regionalização, que seria a grande mudança em termos de Poder Local,voltou a ser adiada. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos tamanhos e cortes dos tipos. A única forma possível de refrescar a democracia, como defende, é pelo voto. E ninguém parece ter grande vontade de dar o primeiro passo para precipitar eleições antecipadas. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos tamanhos e cortes dos tipos, e sem qualquer consideração por estéticas previamentedefinidas. As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado

“Alguém terá que voltar a ganhar a confiança dos portugueses.” “Pior do que não ir a votos é o imoblismo, o deixar andar, o não querer ouvir, o não participar.” O Presidente da República deve então reflectir sobre a actual situação e convocar eleições o mais cedo possível? Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos tamanhos e cortes dos tipos, e sem qualquer consideração por estéticas previamentedefinidas. As áreas livres (não compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos tamanhos e cortes dos tipos, e sem qualquer consideração por estéticas previamentedefinidas.

Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação. lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas.

Com a Regionalização adiada, o Governo quer avançar com a reorganização do território. Acha que o conseguirá fazer numa lógica vertical, impondo uma reforma de cima para baixo? As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas

O PSD avançou com um projecto de revisão constitucional, onde havia algumas questões fracturantes e que, mais cedo ou mais tarde, terão que ser discutidas. Só que parece que deixou cair esse projecto. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar-se se através do uso bem diferenciado dos tamanhos e cortes dos tipos, e sem qualquer consideração por estéticas previamentedefinidas. As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Acha que as propostas do PSD colhem junto do eleitorado? Podem ser discutidas durante uma campanha eleitoral, onde se busca o voto? As áreas livres (não impressas) do papel são elementos de comunicação de importância igual à das partes impressas. Um desenho elementar tipográfico consiste na criação da relação lógica e visual entre as letras, as palavras e o texto a serem compostos num layout, com a relação determinada pelas características específicas de cada trabalho. Mas as pessoas estão cansadas da política e dos políticos. E o risco de a mensagem não se perceber e de ser apenas ruído é real. Com o fim de incrementar a incisão e o carácter sensacionalista da neue typographie, podem utilizar.


28 | Grande Porto, 11 de Março, 2011

Desporto

OPINIÃO JUAN FIGUEROA

DIRECTOR PORTO CANAL

Estamos felizes pelo facto de uma instituição com o prestígio do FC Porto olhar para nós e decidir fazer uma parceria.

PAULO MORAIS COMENTADOR PORTO CANAL

São duas instituições prestigiadas do Norte que lutam contra a sanguessuga que existe na capital. Trata-se de uma associação positiva e vantajosa para ambos.

SOUZA-CARDOSO COMENTADOR PORTO CANAL

É uma ligação inteligente de um clube que olhou para um grande instrumento de comunicação que se consegue impor contra tudo que seria racional a nível empresarial.

FCP ergue casa em Rio Tinto com ajuda do Benfica A 135ª casa do FCP em Rio Tinto e Pinto da Costa é convidado de honra. SÉRGIO PIRES sergio.pires@grandeportoonline.com

Pinto da Costa inaugura este sábado a 135.ª casa do FC Porto em Rio Tinto, a primeira a abrir as portas em Gondomar, concelho historicamente azul e branco, e muito provavelmente a única entre as que o clube tem espalhadas pelo mundo que foi construída com a preciosa ajuda de adeptos… do Benfica. É verdade, a recuperação deste antigo armazém transformado em bastião portista gondomarense deve-se também à carolice - sim, carolice, leu bem - e à boa vontade

de alguns simpatizantes do rival de Lisboa. É que apesar de à entrada se avisar que é reservado o direito de admissão a sócios, José Carlos Rocha, o presidente da casa, garante que as portas estão abertas a todos, sem excepção, mesmo simpatizantes de outros clubes. “Até temos benquistas que são sócios desta casa, porque aqui toda a gente é bemvinda logo que vier por bem e souber respeitar o lugar onde está”, explica. Apesar de ser oficialmente inaugurada amanhã, a casa portista de Rio Tinto nasceu há quase dois nos, em Agosto de 2009. Rapidamente se juntaram os 30 sócios exigidos pelo

regulamento do FC Porto para a abertura de uma delegação, aos quais se juntaram mais 90 ainda antes de a casa abrir. Há quem diga que chega demasiado tarde a uma cidade que mantém fortes ligações históricas com o concelho do Porto e onde vivem milhares de adeptos portistas, mas José Carlos encontra uma explicação lógica: “A casa só surge agora, porque havia muita gente que defendia que não era necessária pelo facto de o Dragão estar aqui ao lado. Mas quem não pode ir ao estádio tem sempre aqui um espaço para estar à vontade a ver o futebol juntamente com outros portistas e a Silvia”.

Até domingo passado, estavam 200 sócios inscritos, um número que subiu em fecha a partir do momento em que foi anunciada a sua inauguração com a presença do presidente dos dragões. “O que nós precisávamos era disto, que a nossa ‘Peres’ viesse cá, trazer credibilidade, dar projecção e desfazer as dúvidas que por aí andavam sobre a legalidade da nossa casa”, sublinha. Rapidamente se juntaram os 30 sócios exigidos pelo regulamento do Futebol Clube do Porto para a abertura de uma delegação, aos quais se juntaram mais 90 pessoas ainda antes de a casa abrir.

;

APOSTA NO DESPORTO Uma casa azul e branca não vive só dos dias em que o FC Porto joga. Em Rio Tinto, já há uma secção de pesca matraquilhos federada. Estão a ser muito bem preparadas uma equipa de futsal para as crianças dos 8 aos 12 anos e uma de futebol de 11 que a partir da próxima época vai competir na Liga Popular de Gondomar.

AMEAÇA DE BOMBA Existe há dois anos, mas tem algumas histórias caricatas para contar. Durante o FC PortoBenfica, o jogo dos 5-0, a polícia entrou pela casa adentro, depois de ter recebido uma ameaça de bomba, e mandou evacuar o espaço. “Foi um aparato policial enorme, entraram com os cães e verificaram que não havia bomba nenhuma”. Existe há dois anos para contar.


Grande Porto, 11 de Março, 2011 | 29

Desporto

Dragões com nova voz no panorama televisivo. Acordo entre Porto Canal e FC Porto representa nova etapa na estratégia de comunicação portista.

P SÉRGIO PIRES sergio.pires@grandeportoonline.com

Pinto da Costa inaugura este sábado a 135.ª casa do FC Porto em Rio Tinto, a primeira a abrir as portas em Gondomar, concelho historicamente azul e branco, e muito provavelmente a única entre as que o clube tem espalhadas pelo mundo que foi construída com a preciosa ajuda de Pinto da Costa inaugura este sábado a 135.ª casa do FC Porto em Rio Tinto, a primeira a abrir as portas em Gondomar, concelho historicamente azul e branco,

quase dois nos, em Agosto de 2009. Rapidamente se juntaram os 30 sócios exigidos pelo regulamento do FC Porto para a abertura de uma delegação, aos quais se juntaram mais 90 ainda antes de a casa abrir. Há quem diga que chega demasiado tarde a uma cidade que mantém fortes ligações históricas com o concelho do Porto e onde vivem milhares de adeptos portistas, mas José Carlos encontra uma explicação lógica: “A casa só surge agora, porque havia muita gente que defendia que não era necessária pelo facto de o Dragão estar aqui ao lado. Mas quem não pode ir ao estádio tem sempre aqui um espaço para estar à vontade a ver o futebol juntamente com outros portistas”. “O que nós precisávamos era disto, que o nosso ‘Papa’ viesse cá, trazer credibilidade, dar projecção e desfazer as dúvidas que por aí andavam sobre a legalidade da nossa casa”, sublinha. ainda prevista a recepção de Pinto da Costa e dos órgãos sociais da nova delegação portista no salão nobre da junta de freguesia de Rio Tinto. Um ano era dar uma alegria grande aos nossos rivais”. tantos

quanto isso, apenas “alguns benquistas frustrados”.Rapidamente se juntaram os 30 sócios exigidos pelo regulamento do FC Porto para a abertura de uma delegação, aos quais se juntaram grande aos nossos rivais”. Não são assim tantos quanto isso, apenas “alguns benquistas frustrados”. Para a abertura de uma delegação, aos quais se juntaram mais 90 ainda antes de a casa abrir. Há quem diga que chega demasiado tarde a uma cidade que mantém fortes ligações históricas com o concelho do Porto e onde vivem milhares de adeptos portistas, mas José Carlos encontra uma explicação lógica: “A casa só surge agora, porque havia muita gente que defendia que não era necessária pelo facto de o Dragão estar aqui ao lado. Mas quem não pode ir ao estádio tem sempre aqui um espaço para estar à vontade a ver o futebol juntamente com outros portistas”. No programa da inauguração, está ainda prevista a recepção de Maria Silva e dos orgões da nova delegação portista no salão nobre da junta de freguesia de Rio Tinto.

;

Aposta na divulgação da marca Descentralizar os serviços e difundir ainda mais a marca do clube por vários pontos do País e pelas delegações portistas faz parte do projecto que o FC Porto tem levado a cabo e que tem quatro anos de gestação. “O princípio é o de estreitar ainda mais as relações entre a casa-mãe e as delegações do clube. Vamos conar a algumas delegações, de Norte a Sul, todos os serviços que neste momento só podem ser adquiridos nas instalações do FC Porto, no Estádio do Dragão”, explicou ao GP no ano passado Alípio Jorge, o presidente do Conselho de Filiais e Delegações dos portistas. O objectivo passará por aproveitar o património valioso das casas do FC Porto e reforçar a relação umbilical com o clube, criando valências que permitam a admissão de novos associados, venda de bilhetes para os jogos e de artigos do clube, bem como a aquisição de serviços, como seguros (através da Porto Seguro). Nesse sentido, uma dezena de delegações em Portugal serão escolhidas sob um critério que

FC Porto e Braga vencem na UEFA O FC Porto deu ontem o seu contributo ao vencer em Moscovo SÉRGIO PIRES sergio.pires@grandeportoonline.com

Nem o frio, nem a neve, nem o piso articial do Estádio Luzhniki param o FC Porto europeu de André VillasBoas. Ontem, os dragões venceram em Moscovo, por 1-0, o CSKA, resultado feito por um excelente golo de Guarín, e deram um passo decisivo rumo aos quartos-de-nal da Liga Europa. Falta ainda disputar a segunda mão no Dragão, na próxima quintafeira, mas um golo fora de casa é meio caminho andado para a passagem de mais uma etapa rumo a Dublin, onde se disputará a nal da competição que os dragões já venceram em 2002/03 (então com a designação de Taça UEFA). Desta vez, a vitória portista tem outra vantagem que não a mera causa própria: O triunfo benecia o ranking

dos clubes portugueses na Europa e afasta um pouco mais o rival russo (que também tem um trio de equipas ainda em competição na Liga Europa) da sexta posição. Caso Portugal consiga manter o lugar no ranking europeu até ao nal da temporada, e para isso basta que as equipas lusas façam melhor gura que as equipas russas e ucranianas, o campeonato nacional poderá voltar a contar com dois representantes com entrada directa na Liga dos Campeões (mais um que pode aceder através de uma préeliminatória). O FC Porto deu ontem o seu contributo ao vencer em Moscovo e cimentou um pouco mais a sua posição de favorito à conquista da Liga Europa. está em competição é o Sporting de Braga venceu em casa o Liverpool, por 1-0, golo de Alan, de grande penalidade.

;

ATLETAS

Obikwelu e Naide Gomes conquistam medalhas para Portugal O velocista Francis Obikwelu, sagrou-se campeão da europa de pista coberta, nos 60 metros, numa competição que decorreu no passado fim-de-semana em Paris, onde INFRA-ESTRUTURAS

C.M. de Matosinhos inaugurou sintético no Complexo da Bataria A autarquia de Matosinhos investiu 600 mil euros na instalação de um piso sintético no Complexo Desportivo da Bataria, em Leça da Palmeira, que foi inaugurado no passado sábado. O novo piso, já certificado pela FIFA com a categoria de duas estrelas, permite um uso diário intensivo até nove horas e tem as medidas regulamentares para a prática de jogos ESTATUTOS FPF

FIFA ameaça excluir Porto e Braga Os clubes portugueses estão em risco de ficarem de fora das competições europeias caso os estatutos da Federação Portuguesa de Futebol não sejam adaptados ao novo regime jurídico na reunião de 19 de Março. O secretário geral da FIFA, Jerôme Valcke, assinou uma carta enviada na passada semana à FPF num ultimato às associações de Porto e Braga, que bloqueiam a aprovação dos estatutos. HÓQUEI EM PATINS

FCPorto supera Benfica e garante a liderança O FC P passa a liderar o campeonato de hóquei e deu um passo importante para a revalidação do título, o 10º consecutivo ao vencer no passado sábado o Benfica por 7-5, o resultado que já havia conseguido na Luz). Os portistas lideram agora o campeonato com 55 pontos.


42 | Grande Porto, 11 de Março, 2011

Cultura

E

EXPOSIÇÕES ACAIA Até dia 15 é possível visitar-se, no Clube Literário do Porto, a exposição “Acaia”. A mostra reúne trabalhos de desenho da autoria de Maria José Baltazar. Segundo Mário Pessegueiro, arquitecto, os desenhos de Maria José Baltazar “conduzem-nos ao nosso imaginário psicadélico”. Clube Literário do Porto •Até dia 15

CERÂMICA HOJE Cecília de Sousa, João Carqueijeiro, Heitor Figueiredo, Sofia Beça e Virgínia Fróis assinam os trabalhos da exposição “Cerâmica Hoje: 5 autores portugueses”, patente no Museu Municipal Amadeo de Souza Cardoso. Museu Municipal Amadeo de Souza Cardoso, Amarante • Até dia 20

CARICATURA DE ABEL SALAZAR A Casa-Museu Abel Salazar está a apresentar, na Póvoa de Varzim, a exposição “Caricaturas de Abel Salazar”. A mostra pode ser visitada até ao próximo dia 27. Museu Municipal da Póvoa de Varzim

ESCULTURA EM FERRO O Museu do Ferro e da Região de Torre de Moncorvo acolhe, até dia 31, a exposição “Escultura em Ferro”, de Plácido Souto. A mostra é composta por um conjunto de 18 peças de arte. Museu do Ferro e da Região de Torre de Moncorvo • Até dia 31

WELCOME TO YOURSELF Os últimos trabalhos da artista eslovaca Jana Farmanova compõem a exposição “Welcome to yourself”, que está patente na Kibikgallery. Rua da Restauração, Porto • Até dia 20

PARTE DE MIM Monumentos, paisagens e a figura humana são os temas das obras de carácter realista e surrealista que compõem a exposição de pintura “Parte de Mim”, assinada por Ricardina Silva. Porto de Turismo de Arcos de Valdevez Seg. a sáb., 09h00 às 12h30 e 14h00 às 17h30

OS SANTOS DO NOSSO TEMPO Virgínia Borges é a autora dos trabalhos que compõem a exposição de artesanato em fimo “Os Santos do Nosso Tempo”. Parque Central da Maia Seg. a sex., 09h00 às 19h00 • Até dia 27

PELAS PAUTAS DA MEMÓRIA Mozart, Bach e Liszt são alguns dos compositores retratados em “Pelas pautas da memória”, que António Carmo tem patente na Casa- Museu Teixeira Lopes. Casa-Museu Teixeira Lopes, Gaia • Até dia 31

HORA DO CONTO Na Biblioteca da Maia, as horas das tardes são horas do conto. Aos sábados, os jovens são convidados a fazer a leitura de “Tobias Lolness - A Vida em Suspenso”, de Thimothée de Fombelle de tobias. Biblioteca Doutor José Vieira de Carvalho Entrada livre

PELAS PAUTAS DA MEMÓRIA Mozart, Bach e Liszt são alguns dos compositores retratadas em “Pelas pautas da memória”, que António Carmo tem patente na Casa Museu Teixeira Lopes. Casa Museu Teixeira Lopes, Gaia • Até dia 31 MOMENTOS DA CASA DAS ARTES A Casa das Artes está a assinalar o seu 10º aniversário com a exposição “Momentos da Casa das Artes- 10 anos”. A década é recordada em fotos de António Freitas. Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

C

CRIANÇAS MONTANHISMO E TIRO COM ARCO Em Mirandela, os mais jovens são convidados a passar um dia repleto actividades desportivas. Associação Mirandelense de Artes orientais Amanhã, 10h00 | Informações 967072183

PENAFIEL À LUPA A biblioteca de Penafiel promove o ateliê “ o Concelho de Penafiel visto à lupa”. Através de jogos lúdicos e pedagógicos. Biblioteca Municipal de Penafiel Ter., e Qui., 14h30 | Informações 255712738

O VÍCIO DO CONTO Na vício das letras, este sábado é “Vício do Conto”. Haverá como habitualmente duas histórias para ouvir e trabalhar. Vício das letras, Santa Maria da Feira Sábado às 10h00

POESIA PARA BEBÉS S. João da Madeira acolhe a sessão de poesia para bebés “A Ver o Mar”, que vai demonstrar que a poesia é também feita de sonoridades. Paços da Cultura de S. João da Madeira Sexta - feira, 11h00

A MENINA DO MAR O Museu Santa Maria de lamas propõe a exploração da obra a “A Menina do Mar”, de Sophia de Mello Breyner. Inclui teatrinho de sombras e oficina de expressão plástica. Museu Santa Maria de Lamas, Santa Maria da Feira 10h00 e 14h00 (+ 4 anos) • Até dia 31 Informações: 916647685 - 2€

O MISTÉRIO DA VISITA “O Mistério da Visita” está de regresso ao Porto. Junta marionetas e animação numa viagem pelo teatro. Teatro do Campo Alegre, Porto | Amanhã e domingo, 16h00 (+de 5 anos) | Dia 14, 10h30 e 15h00 (+ 5 anos)

SÁBADO COM HISTÓRIA A Biblioteca de Vila Real, recebe nova sessão de “Sábado com História”. Amanhã, pais e filhos são convidados a participar neste ateliê. Biblioteca Municipal Dr. Júlio Teixeira, Vila Real | Amanhã, 16h00 (até 10 anos)

GEOMETRIA DAS PALAVRAS Em “Geometria das Palavras”, que Serralves promove domingo, abordam-se as técnicas de registo gráfico e a documentação científica de plantas desde a aguarela à grafite. Serralves, porto | Domingo 10h00 Entrada livre

MÚSICA EM AVEIRO A orquestra do conservatótio de Música de Aveiro de Calouste Gulbenkian realiza o concerto Promenade de domingo do Teatro Aveirense. Oportunidade para quem procura música erodita. Coliseu do Porto Domingo, 11h30 (famílias) Amanhã, 16h00

MÚSICA NO PORTO Já no Porto, o Concerto Promenade está a cargo da orquestra Sinfónica da ESMAE e vai levar ao Coliseu “Sheherazade”, uma suíte sinfónica do compositor Nikolai Rimsky Korsakov. Coliseu do Porto Domingo, 11h30 (famílias) Amanhã, 16h00 TEATRO DE SOMBRAS A Biblioteca Pública do Porto convida a ouvir uma história no escuro. O fantocheiro enche-se de luz e dezenas de sombras surgem à medida que a história é contada... Biblioteca Pública Municipal do Porto Informações: 253423910

SANTINHOS DE PAU CARUNCHOSO… Facilitar a compreensão dos factores de degradação do património móvel, em madeira, é o propósito de “Santinhos de Pau Carunchoso…” Museu D. Diogo de Sousa, Braga, Amanhã, 14h30 (+ 8 anos) | Informações: 253273706

PELAS PAUTAS DA MEMÓRIA Mozart, Bach e Liszt são alguns dos compositores retratados em “Pelas pautas da memória”, que António Carmo tem patente na Casa- Museu Teixeira Lopes. Casa-Museu Teixeira Lopes, Gaia Entrada Livre

O NABO GIGANTE A Livraria 100.ª Página convida a assistir à animação da história “O Nabo Gigante”, de Alexis Tolstoi e Niamh Sharkey. A sessão, dedicada às famílias, está a cargo da Associação TIN. BRA (Teatro Infantil de Braga). Livraria 100.ª Página, Braga | Amanhã, 17h00 (famílias) | Informações: 253267647

HISTÓRIAS DO TIO ALBERTO No teatro de fantoches “Histórias do Tio Alberto”, os participantes vão conhecer o historiador vimaranense que deu o nome ao museu. De seguida, percorrem o museu. Museu Alberto Sampaio,Guimarães Dia 13, 15h30 (5-12 anos) Informações: 253423910 - 2€-3€

INSPECTORES DA BICHARADA “Inspectores da Bicharada” são uma história efabulada que relata um dia na escola, em que os alunos não vão aprender aritmética e gramática porque algo se passou… Teatro Ribeiro Conceição, Lamego Dia 17, 10h00

O SENHOR DO SEU NARIZ O Pé de Vento tem em cena “O Senhor do seu Nariz”. Fala de um rapaz com um nariz do tamanho de um chouriço… Teatro da Vilarinha, Porto | Sáb. 16h00 e 21h30 | Dom. 16h00


Grande Porto, 11 de Março, 2011 | 43

Cultura

T

TEMPO LIVRE FESTA DO SÁVEL E DA LAMPREIA Está aí a 20ª edição da Festa do Sável e da Lampreia de Gondomar. Até dia 20, o sável e a lampreia são rainhas nos 25 restaurantes aderentes. Entre hoje e domingo, decorre o 7º Fim-de-semana Gastronómico, no Multiusos de Gondomar. Vários espaços, Gondomar | Até dia 20 www.cm-gondomar.pt

HERMAN JOSÉ É com o espectáculo “O Homem dos Sete Instrumentos”, de e com Herman José, que arranca, amanhã, em Estarreja, mais uma edição do Só(R)Rir - Festival de Humor. O evento vai levar àquele espaço, entre outros, Ana Bola e Maria Rueff. Cine Teatro de Estarreja Amanha às 22h00

FINS DE SEMANA GASTRONÓMICOS Amanha e Domingo vão estar em destaque os pratos de barcelos, Trofa e Penafiel à mesa de restaurantes destas cidades. Dia 12 e 13, Barcelos, Trofa e Penafiel

VISITA À IGREJA DE SÃO LOURENÇO O Espaço Vivacidade (Rua Alves Redol, 364) promove, dia 17, uma visita à Igreja de São Lourenço, no Museu de Arte sacra e Arqueologia do Seminário Maior do Porto. As inscrições estão abertas. Na Vício das Letras, este sábado é dia de “Vício do Conto”. Haverá, como habitualmente, duas histórias para ouvir e trabalhar. Espaço Vivacidade, Porto | Dia 17, 15h00 Inscrições: 220937093

O DOCUMENTO DO MÊS A Casa do Infante recebe nova sessão do ciclo “O Documento do Mês”. Casa do Infante, Porto | Dia 17, 15h30 Informações: 222060423

XVI EXPOSIÇÃO DE CAMÉLIAS A Biblioteca Almeida Garrett, no Porto, acolhe, amanhã e domingo, a XVI Exposição de Camélias do Porto. Para além da exposição, o evento inclui visitas guiadas e workshops. Biblioteca Almeida Garret, Porto Entrada livre

CONCURSO DE COMPOSIÇÃO... A Câmara Municipal da Póvoa de Varzim continua a receber as obras candidatas aos prémios Música Orquestral e Música de Câmara, no âmbito do 6º Concurso Internacional de Composição da Póvoa de Varzim (CICPV). Póvoa de Varzim • Até dia 21

REGIONALIZAÇÃO No âmbito do ciclo de conferências “Diálogos com a ciência”, a reitoria da U.P. recebe um debate ao tema da regionalização. Praça Gomes Teixeira, Porto, dia 17

CONCURSO DE TROMPETE A Escola de Música da Póvoa de Varzim tem abertas as inscrições para a 2ª edição do Concurso de Trompete. Os interessados podem inscreverse até ao dia 28. Escola de Música da Póvoa de Varzim

VISITAS GUIADAS À CMP A Câmara do Porto tem abertas as inscrições para as visitas guiadas ao edifício dos paços do concelho que promove ao longo do ano. As visitas decorrem nos dois primeiros domingo do mês. Paços do Concelho, Porto, 10h00 Inscrições: 222097135

CORRIDA DIA DO PAI NO PORTO A Câmara Municipal do Porto promove, domingo, a Corrida Dia do Pai. Parque da Cidade, Porto | Domingo, 10h30

MERCADO PORTO BELO O Mercado Porto Belo vem à Praça Carlos Alberto. Por ali, podem ser comprados, durante a tarde de amanhã, discos, roupa vintage, antiguidades, livros e revistas. Praça Carlos Alberto, Porto Amanhã, 15h00 | Entrada Livre

O

OUTRO CINEMA FAST FORWARD O Theatro Circo acolhe, amanhã, o Fast Forward Portugal – Film Festival. É um festival de curtasmetragens organizado pela Velha-a-Branca em que os concorrentes são convidados a realizar um filme em menos de 24 horas. A curta-metragem em formato digital deverá ter até três minutos e respeitar o tema entregue no início do Festival. Partindo do tema, cabe às equipas escrever, filmar e editar o trabalho final. A exibição dos filmes das várias equipas e a escolha dos vencedores será feita nessa mesma noite. Theatro Circo, Braga | Amanhã 22h00 - 2€

CURTAS HC PORTO 7 Prossegue, no Hard Club, o Curtas HC Porto 7. A próxima sessão decorre domingo e é dedicada ao humor. Inclui a exibição de 6 curtas do Brasil, Espanha Escócia e Colômbia. Hard Club, Porto | Domingo, 22h00 - 3€

GUIDANCE Continua, no CCVF, em Guimarães, o GUIdance - Festival Internacional de Dança Contemporânea. Esta noite, sobe ao palco “Mapacorpo”, espectáculo em que Amélia Bentes cruza dança com desenho digital, em tempo real, e música ao vivo. Amanhã, é apresentado “Rosas Danst Rosas”, de Maria Silva De Saigmeister, pela companhia Rosas e considerado um clássico da dança contemporânea. Dia 16, Teresa Prima apresenta “entre todas as coisas”, segundo objecto coreográfico criado no âmbito do Projecto B. Em estreia nacional que regressa ao palco do CCVF dia 17, pelas 11h00. No dia 17, mas à noite, o GUIdance continua com a apresentação de um espectáculo duplo: “Electra” e “A Sagração da Primavera”, ambos de Olga Roriz. Centro Cultural Vila Flor, Guimarães Hoje, 22h00 - 7,5€ a 10€ | Amanhã, 22h00 | 10€-12,5€ | Dia 16, 22h00 - 5€ | Dia 17

O IMATERIAL Prossegue, em Serralves, o ciclo de conferências “O Imaterial: os novos paradigmas da contemporaneidade”. “As indústrias culturais e criativas portuguesas” são o tema da sessão de dia 17. Com Augusto Mateus e Alberto de Castro. Serralves, Porto | Dia 17, 21h30 - 2,5€ a 5€

SOBREVIVENTES TROPICAIS O Sea Life, no Porto, está a convidar grandes e pequenos a ver os últimos sobreviventes das florestas tropicais. Caimões, geckos, piranhas e dragões chineses são alguns dos animais que podem ser observados. Sea Life, Porto | www.sealifeeurope.com Informações 967072183

SEMANA ABERTA DA ESMAE A ESMAE continua a abrir as portas à cidade e ao público em geral com a Semana Aberta. Uma mostra de trabalhos de música, de vídeo, de fotografia e de teatro. Teatro Helena Sá e Costa, Porto • Até domingo

COMO SE FAZ DESIGN? Profissionais e curiosos da área do design são o público-alvo do workshop “Como se faz design?”, que o Palácio das Artes/ Fábrica de Talentos acolhe. Palácio das Artes/ Fábrica de Talentos, Porto

DA UTOPIA AO PROJECTO POLÍTICO Ernesto Castro Leal, professor da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, é o orador da conferência “República, Município e Federação. Itinerários da Utopia ao Projecto Político”. Clube Literário do Porto | Amanhã, 16h30

9ª MOSTRA DA UP Está aí mais uma Mostra de Ciência, Ensino e Inovação da Universidade do Porto. Nesta 9ª edição, a Mostra UP vai dar a conhecer a sua oferta formativa. Inclui demonstrações da Ciência e Tecnologia produzidas na UP. Pavilhão Rosa Mota, Porto | Dias 17 e 18

SHORTCUTZPORT “Uma revolução urbana de ideias” é o que pretende ser o “Shortcutzporto”, uma mostra de curtasmetragens. Em cada sessão são exibidas três curtas, uma convidada e duas em competição. Hard Club, Porto | Dia 16, 22h00

PEEPING TOM No âmbito do ciclo “Cinema é Obsessão!”, a Casa das Artes de Famalicão recebe a exibição do filme “Peeping Tom”, de Michael Powell. Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão

RECORDAR ERIC ROHMER O Theatro Circo continua a recordar e a homenagear Eric Rohmer. Dia 14, com o filme “O Amor às Três da Tarde”. Dia 15, com o filme “4 Aventuras de Reinette e Mirabelle”. Theatro Circo, Braga | Dias 14 e 15, 21h30 | Entrada livre

HORA DO CONTO Na Biblioteca da Maia, as horas das tardes são horas do conto. Os jovens são convidados a fazer a leitura de Thimothée de Fombelle. Biblioteca Doutor José Vieira de Carvalho


12 | Grande Porto, 11 de Março, 2011

Norte Global HOJE Céu nublado / O sol vai espreitar durante o dia de hoje, mas a chuva vai comandar o fim-de-semana, com uma ligeira queda das temperaturas máximas.

40º

35º

30º

25º

Última Página

SEX | 11

SÁB | 12

DOM | 13

SEG | 14

MÍN | 12º MÁX | 20º

MÍN | 15º MÁX | 24º

MÍN | 12º MÁX | 18º

MÍN | 15º MÁX | 28º

20º

15º

10º

-5º

P

MANUEL QUEIRÓZ

manuel.queiroz@grandeportoonline.com

As crónicas do exílio

PERFIL

Inês Faro Trindade

Nasceu em 1979, na freguesia de Cedofeita no Porto. Conclui o Secundário na Secundária Garcia de Orta, e ruma a Londres, onde tira Bioquímica Médica na Royal Holloway, da Universidade de Londres. Em Oxford, tirou Biologia Celular, antes de partir para África do Sul e a Cidade do Cabo, onde fez um pós-doutoramento em investigação biomédica.

Uma cientista na cidade onde a História aconteceu Inês Faro Trindade é investigadora no “The Biovac Institute”, na Cidade do Cabo, na África do Sul, onde vive há seis anos. JOÃO QUEIROZ joao.queiroz@grandeportoonline.com

Há 523 anos, Bartolomeu Dias dobrava o Cabo das Tormentas que o rei D. João II, o Príncipe Perfeito, preferiu chamar da Boa Esperança. Um dos lugares onde a História aconteceu, que Inês só conhecia pelos livros e que é hoje o lugar onde vive e nunca pensou viver. São as partidas que o destino nos prega. Inês Trindade, 32 anos, estudava em Londres, onde se formou em Bioquímica Médica , quando conheceu Wiesner, sul-africano que é hoje seu marido. Casaram no Porto e foram viver para a Cidade do Cabo, a segunda maior da África do Sul. Uma “cidade fantástica, onde convivem imensas culturas, com uma paisagem natural paradisíaca” e um clima a condizer” com a Beatriz.

“O fim-de-semana é quase como estar de férias. Há sempre inúmeros sítios giros para passear, coisas para fazer. Ao contrário de Portugal, onde facilmente se consegue estar numa cidade grande, aqui pode-se muito facilmente viajar.

“Apesar de vivermos num país livre e democrático, há ainda uma segregação inerente aos sítios onde as pessoas vivem (...)” É só montanhas, animais, silvias e estrelas, as marias...” Estamos no paraíso e num dos dez destinos turísticos mais procurados de todo o mundo. E por isso, conta Inês, é uma cidade bem mais europeia do que as outras da África do Sul, muito

cosmopolita, mas cara, a mais cara do país. “Nos hotéis e restaurantes paga-se o mesmo que se pagaria numa qualquer cidade europeia, sendo uma cidade que tem um custo de vida elevado, mas que vale muito a pena”. Como qualquer paraíso, a Cidade do Cabo tem também o seu lado mais negro, sobretudo num país onde se mantêm resquícios do terrível apartheid, mas com os quais nunca Inês teve que lidar desde que lá vive. “Nunca tive problemas desse género, mas a verdade é que a maior parte dos meus amigos são brancos ou mestiços. Apesar de vivermos num país livre e democrático, há ainda uma segregação inerente aos sítios onde as pessoas vivem, com quem convivem...” Num país com uma das mais altas taxas de criminalidade do mundo, Inês vive provavelmente na cidade mais segura. O que não signi ca que não haja crimes, com contornos

que em Portugal ninguém imagina que possam existir. É normal, por exemplo, estar parado no trânsito e vir alguém partir o vidro do carro para roubar a carteira. “Isso passa fundamentalmente por uma adaptação mental, Aqui todas as casa têm alarme, o que não é comum em Portugal. Aqui não é comum é uma casa não ter alarme”, explica. É o lado negro da África do Sul que o campeonato do Mundial do ano passado conseguiu, de certa forma, esconder, mas que também ajudou o mundo a olhar com outros olhos um país que logo associamos a crime e violência.“Inês trabalha no departamento de investigação do “The Biovac Institute”, que se encontra a desenvolver projectos de vacinas pediátricas.“Na África do Sul. as vacinas são importadas da Europa e são bastante caras e dos objectivos”.

;

Há para aí umas manifestações marcadas para este m-de-semana de uma tal geração à rasca. São os jovens, que têm trabalho precário, salários baixos e não têm perspectivas de ganhar muito. Tenho sempre simpatia pelos que passam mal, pelos que têm diculdades e pelos que não têm sorte na vida. Neste caso, porém, essa é a situação de praticamente todos os portugueses. Não são só os jovens que têm trabalhos precários, nem são só os jovens que ganham mal, nem são só os jovens que enfrentam uma velhice sem terem pensões. O País, os políticos, os gestores, os banqueiros cometeram, com certeza, muitos erros ao longo destes anos. Mas fomos nós que os elegemos, ou fomos nós também que comprámos as acções das empresas ou dos bancos que os fizemos lá chegar. Eu tenho sempre dificuldade em culpar a sociedade dos meus males ou dos males dos outros. Há, claro, numa certa perspectiva, mas que é pouco prática. O nosso destino, em boa parte, está nas nossas mãos e nisso os portugueses sempre deram nota de saber. Quando fizeram as descobertas, quando emigraram, quando acolheram imigrantes que vinham à procura de melhores condições de vida. Houve muitos erros de muita gente e muitos deles devem ser punidos. Mas no essencial, repito, o nosso destino é construído por nós. Pelas nossas decisões, pelo nosso empenho, pelos nossos erros, pelo grau de diculdades que estamos dispostos a suportar. Os meus avós viveram duas guerras, os meus pais viveram uma, muitos dos meus amigos viveram a guerra colonial. Não julguem que foi mais fácil. Não julguem que foi mais doce. Admito, sim, uma coisa: a maior parte dos jovens de hoje não estava preparada para viver com grandes diculdades. Se calhar, para muitos deles esta realidade vai obrigá-los a crescerem e a serem melhores. Culpar o mundo é sempre o mais fácil e não responsabiliza ninguém. Pedir para demitir toda a classe política é o mesmo que não pedir nada.

;


Grande Porto