Page 1

o i

d

ú l e r

P Ed

o içã

3

o An

I

em v o

bro

-

0

1 20

N ia n â i Go

Rock in Rio Saiba tudo o que vai rolar no maior festival música do mundo

Curta Mais Passarinhos do cerrado Entrevista com a Banda Deadly curse


Editorial

Q

uem vive em Goiânia sabe que a cidade conta com vários estilos musicais, contudo o mais explorado pela midia em geral é o sertanejo, por isso a revista PRELÚDIO nasce com a intenção de mostra que a cidade tem muito mais a ofercer do que o sertanejo, e para suprir esse mercado pouco explorado, PRELÚDIO já na sua primeira edição vem com uma entevista da banda que vem se destacando no cenário goiano Deadly curse, além de muitas outra informaçoes sobre o que acontece no mundo da musíca.

Expediente Projeto gráfico e repórter /Amanda Almeida Repórter / Samantha fukuyoshi Capa,repórter / Umaita pires Repórter /Bárbara jobim Repórter /luiza lopes


Súmario

4

Agenda

6

Curta Mais

7

Mundo da música

8 10

Saibas o que acontece de melhor em Goiânia

Passarinhos do cerrado, o grupo traz uma proposta musical baseada no estudo da cultura popular brasileira Saiba como a música pode ser importante no processo de ensino - aprendizagem

Entrevista Deadly curse fala sobre o lançamento de seu segundo Cd e sobre o cenário Heavy Metal em Goías

Cenário independente Savage scar conta quais barreiras que as novas bandas enfrentam

11

Eu fui....

12

Rock in rio

Fui comferir o show do Dj Nº 1 do mundo,David Guetta em Goiânia

Saiba o que vai rolar no maior festival de música do mundo


Agenda Mugo Johnny Suxxx and the Fucking Boys Rapsódia

04/12 -The Police vs Queen (Bolshoi Pub) 11/12 -Festival Black Fiction (Club Fiction) 04/12/10 - O Requiem 2ª Edição (Clube Social Feminino)

11/12 - Pré Natal Metal (DCE PUC GO) 18/12 - Show na Estação Cerrado Moto Rock 18/12 - Natal Rock (Rua do Lazer, Centro)

FESTIVAL PLUGADO ! NO TABERNA DO OGRO... SABADOS e DOMINGOS a tarde durante o mês de DEZEMBRO


Curta mais

Passarinhos do Cerrado

A

história do grupo começa efetivamente em 2006, quando seis jovens músicos goianos se uniram com a proposta de fazer um estudo da cultura popular brasileira através da música, usando como referencial as manifestações nordestinas e do centro-oeste do Brasil. Entre as influências do grupo estão ritmos como cirandas, cantigas de roda, baião, maracatu, capoeira, coco e embolada. O Grupo se manifesta por meio de poesias, melodias e arranjos que narram elementos da cultura goiana. Durante a apresentação, os integrantes se propõem a mostrar ao público as tradições culturais de cada região do país, aproximando essas culturas. Os Passarinhos do Cerrado são liderados por Rodrigo Kaverna, que além de vocalista, é também compositor e toca bombo, bombinho, zabumba e pandeiro. As vozes femininas ficam por conta de Bruna Junqueira, Mariana Nascimento, Nádia Junqueira e da Contra-Mestra Iúna. Além de cantar, as mulheres do Grupo se revesam entre instrumentos como pandeiro, bombo, mineiro, triângulo e matraca. O percussionista Cleber Reizinho completa o Grupo tocando cuíca, pandeiro e atabaque. Eles realizam dois formatos de espetáculo: o show de palco e a performance acústica com coreografias no

6

qual o público é convidado a interagir com a apresentação. Projetos Por meio da Lei de Incentivo à Cultura, da Secretaria de Cultura de Goiânia, o grupo começou a desenvolver o espetáculo A peleja da menina que caiu em conversa de passarinho. A peça é apresentada em escolas da Rede Municipal de Ensino e compreende a educação e a cultura como elementos indissociáveis e de grande relevância para a formação de indivíduos críticos e autônomos, que tenham conhecimento sobre as raízes da cultura goiana. No show Coco de Goiás, o Passarinhos do Cerrado apresenta 17 músicas autorais, uma canção de domínio público e uma sequência de cirandas, que encerra a apresentação. No início, os integrantes descem do palco e dançam com a plateia, ensinando passos de coco para que as pessoas criem intimidade com o ritmo. As canções narram elementos da cultura goiana, como a catira, folia, festado do divino, tradição dos doces caseiros e farinha de mandioca; descrevem o cenário da Cidade de Goiás, homenageiam a poetisa Cora Coralina, celebram a beleza do Cerrado e denunciam sua devastação. Fonte :Sem reais


Entre para o mundo da música

Importância da música no processo de ensino-aprendizagem

A

música é reconhecida por muitos pesquisadores como uma espécie de modalidade que desenvolve a mente humana, promove o equilíbrio, proporcionando um estado agradável de bem-estar, facilitando a concentração e o desenvolvimento do raciocínio, em especial em questões reflexivas voltadas para o pensamento filosófico. Segundo estudos realizados por pesquisadores alemães, pessoas que analisam tons musicais apresentam área do cérebro 25% maior em comparação aos indivíduos que não desenvolvem trabalho com música, bem como aos que estudaram as notas musicais e as divisões rítmicas, obtiveram notas 100% maiores que os demais colegas em relação a um determinado conteúdo de matemática. Com base em pesquisas, as crianças que desenvolvem um trabalho com a música apresentam melhor desempenho na escola e na vida como

um todo e geralmente apresentam notas mais elevadas quanto à aptidão escolar. A valorização do contato da criança com a música já era existente há tempos, Platão dizia que “a música é um instrumento educacional mais potente do que qualquer outro”. Hoje é perfeitamente compreensível essa visão apresentada por Platão, visto que a música treina o cérebro para formas relevantes de raciocínio. Eis então uma reflexão para pais e principalmente educadores, buscando inserir a música no seu planejamento, bem como criar estratégias voltadas para essa área, incentivando a criança a estudar música, seja através do canto ou da prática com um instrumento musical, isso desde a educação infantil. Por Elen Campos Caiado Graduada em Fonoaudiologia e Pedagogia Equipe Brasil Escola

7


Entrevista

Formada em 2005 na capital de Goiás, Goiânia. Com o intuito de tocar um Thrash Metal bem agressivo e técnico, a banda foi evoluindo, e com o passar do tempo, acabou se direcionando para o que hoje é rotulado como “Death Metal Melódico”.

S

audações, pessoal! Considerando que vocês estejam no início de sua carreira, que tal começarmos com um breve histórico do Deadly Curse? Thiago: A Deadly Curse iniciou suas atividades em julho de 2005, com o Kellerman Paulo, Igmar Junior e André de Paiva. A proposta inicial era fazer um som com base nas principais bandas de Thrash Metal como Sodom, Metallica, Korzus, Sepultura, Kreator, Destruction, Testament, etc. O intuito inicial era resgatar o Thrash oitentista, mas o repertório de “Renegade” mostra o Deadly Curse também explorando outras áreas do Heavy Metal. Foi uma decisão consciente essa atual convergência de estilos? Como foi o processo de composição? Artur: Em minha opinião, não foi um processo exatamente consciente. As mudanças de formação e o próprio amadurecimento da banda resultaram em uma inevitável alteração no estilo e na estrutura das músicas. Quando você escuta a nossa primeira demo, vê a diferença na hora. É um som muito mais direto, cru, bem na linha das bandas de Thrash oitentista mesmo. Gravamos em 2006, apesar do lançamento em 2008. De lá pra cá muita coisa mudou. Para o “Renegade” já tínhamos uma formação fixa e bem entrosada, e já possuíamos também alguma experiência com gravação. Dessa forma, cada um dos integrantes teve a possibilidade de evidenciar suas influências e seu estilo de tocar.

8

Afinal, atualmente, quais são os nomes que mais os influenciaram? Confesso que fiquei admirado com a forma como vocês trabalharam seus arranjos, tudo está muito maduro e contemporâneo... Artur: Kellerman e eu somos os principais compositores da banda. Mas o interessante dessa formação é justamente as várias influências que cada um possui, e isso contribui para que a Deadly Curse se torne uma banda bem diversificada. É bem complicado falar sobre influências quando se tem um grupo heterogêneo como o nosso. Particularmente, me interessei em tocar escutando bandas de Heavy/Power Metal. Mas hoje escuto de tudo um pouco. Ultimamente tenho ouvido bastante bandas como Quo Vadis, All Shall Perish, Behemoth, Lamb of God, Gojira e por aí vai Seu debut veio embalado em uma espécie de revista. Qual a idéia por trás deste formato não convencional? O público também está tendo acesso a esse material, ou o mesmo é voltado somente para divulgação? Thiago: Bom, quando pensamos em lançar o debut olhamos pelo lado que ficaria mais em conta para a banda, pois já tínhamos gastado muita grana com a gravação, e fazer uma prensagem estava fora do nosso orçamento. Então tive a idéia desse formato, pensei que com ele a divulgação seria bem mais fácil, ampla e teríamos chance de conseguir algum patrocínio, selo ou gravadora, visando prin-


O nome do álbum nasceu de uma crítica que recebemos, quando disseram que nosso som era ‘renegado’.

cipalmente a busca de shows. Nele buscamos colocar nasceu de uma crítica que recebemos, quando distodas as informações que achamos essenciais, desde seram que tocávamos bem, mas que nosso som era biografia, fotos, letras das músicas e algumas coisas a ‘renegado’ dentro de alguns círculos. Então tivemos a mais. Esse tipo de informação não é comum no forma- idéia de apresentar ao público a música dos renegados. to convencional. Felizmente conComo está a agenda de shows seguimos um selo e patrocínios. do Deadly Curse? Vocês têm Fizemos o lançamento deste maencontrado organizadores terial em setembro e ele está em sérios com quem trabalhar? circulação só por aqui mesmo, em Thiago: No momento estamos Goiânia. E agora estamos utilizancom shows agendados só aqui do ele somente para divulgação mesmo em Goiânia, os nossos como uma prévia do CD oficial. planos são de uma possível tour Poderiam dar mais detalhes no 2° semestre. Vamos analisar acerca desta nova edição ofitudo com muita calma, como cial de “Renegade”, além somos uma banda nova e aidos planos para o futuro? nda desconhecida sabemos que Thiago: Estamos trabalhando não será muito fácil. Por isso para lançar o álbum de forma ofiestamos contando com o apoio 2º Cd da banda “Renegade” cial ainda no primeiro semestre do fundamental da nossa assessoano, pelo selo Two Beers On Not ria Metal Media, na pessoa da Beers. Na nova edição estarão disponíveis mais duas Débora Brandão, para nos guiar nesse grande passo. músicas. Uma inédita e um cover de uma banda goiana Ok, pessoal,agradecemos pela entrevista dede Heavy Metal da década de 90. Estamos cogitando a sejando boa sorte ao Deadly Curse. O espapossibilidade de disponibilizar também uma faixa mul- ço está aberto para as considerações finais! timídia com o primeiro vídeo clipe da banda, que de- Artur e Thiago: Gostaríamos de agradecer, primeivemos começar a produzir em abril. Estamos planejan- ramente, o espaço concedido para a divulgação do também uma possível passagem por alguns estados do nosso trabalho. Agradecemos também a todos no segundo semestre. Estamos bem ansiosos, pois ai- os que vão aos shows, conhecem e reconhecem o nda não tivemos o prazer de sair de Goiás com a banda. nosso trabalho. Aos amigos da banda, que nos dePercebe-se que o público amante do Thrash Metal oi- ram muita força ao longo da nossa trajetória e que tentista não aceita muito bem o Metalcore, que, curiosa- nos apoiaram. Sem eles não teríamos metade do mente, é fruto direto do próprio Thrash. Considerando que temos hoje. Aguardem as novidades e o lanque seu debut possui muitas características do Metalcore, çamento oficial do nosso CD. Ele estará matador como esse pessoal mais radical vem reagindo às canções? Artur: É impossível agradar a todos, e não é essa a Entevista retirado do Whiplash nossa intenção. Tocamos a música que nós gostamos, Fotos Hugo oliveira sem amarras e rótulos. Inclusive o nome do álbum


Cenário Independente

Q

uem pensa que Goiânia é uma cidade totalmente sertaneja, está enganado. Cada dia que passa surgem mais jovens interessados em produzir rock no Estado. Uma dessas novas bandas é o Savage Scar formada por Fernando Ribeiro nos vocais (20 anos), Eduardo P.A na guitarra.(20 anos), Rafhael Vieira no baixo(21 anos) e Tiago Lima na bateria (23 anos).

A proposta do grupo é um som ao estilo death metal, uma ramificação do denominado heavy metal (rock pesado), com vocal rouco, bateria em ritmo de metralhadora, guitarra bem distorcida e baixo acelerado. As músicas geralmente falam de guerra, ditadura, conflitos. O estilo death metal é originário dos anos 80 e surgiu simultaneamente em vários cantos do planeta como Estados Unidos, Brasil e Suécia, além de tratar temas como morte e violência, também traz uma reflexão também sobre a fragilidade humana. Death metal é dividido em oito subgêneros: Blackened, Brutal, melódico, progressivo, técnico, Death/ Doom, Deathgrind, Deathcore. O que varia de um para o outro é o ritmo da bateria, a inclusão ou não de violão, o solo de guitarra e as misturas musicais. Os meninos montaram a banda em meados de

10

Abril de 2009, dizem achar dificuldade para participar dos eventos na capital, “é sempre a panelinha que toca nos eventos, quem vai querer ver uma banda desconhecida?”, questiona o guitarrista da banda, Eduardo P. A.Ele diz que já correu atrás de produtoras para tentar emplacar a banda, mas não obteve muito sucesso. “A única vez que nos convidaram para tocar em algo que poderia ser uma janela para os eventos independentes, foi em um evento que ocorreu no interior do Estado”. Entretanto, ele afirma que não deu para comparecer, pois tinha outros compromissos no dia. Em relação à referência musical, o guitarrista afirma “nos espelhamos na música instrumental de Jhon Petrucci e Paul Gilbert”,Segundo os integrantes, o nome foi escolhido pela sonoridade, bem como a preferência do grupo em ter as suas letras em inglês.Entre o repertório da banda existem quatro músicas autorais são elas: Dead INC, D.I.M, warring, aphocalipt e Immolation.Os garotos também fazem cover de bandas como Metálica, Black Sabbath e Obituary . Samantha Fukuyoshi


Eu fui ...

Show do DJ David Guetta

F

á de carteirinha de musica eletrônica ,não pude perde o show do top Dj David gueta aqui em Goiânia,o show prometia uma mega estrutura, o que não deixou de acontecer, contudo esperava mais de um show que tem como estrela princiapal David guetta que sinônimo de “balada hiper” no mundo todo. Para minha supresa quando cheguei no show nem parecia que estava na festa de David Guetta e sim na “matinê do tio guetta”, pois devido o show ter começado muito cedo para os padrões de festa daqui da cidade, 15hs,lotou de adoleçente.Entretanto não deixou a desejar. Eu que estive lá “na matinê do tio Guetta” balancei muito as minhãs mãos pra alto e bati palminha.O local estava super cheio a certa altura pensei que a estrutura não ia aguentar tanta gente ,e falando em estrutura, apesar de contar com um palco perfeito, som e iluminação, além de um ótimo atendimento de bar, com bebidas geladas e sem fila, equipe de atendimento médico, policiamento,o local deixou a desejar na climatização o show foi num desse dias de “casamento de viúva” pois fazia chuva e sol e o ambiente lá dentro muito calor, a ponto de algumas pessoas passarem mal,nesse ponto tenho ate que elogiar o guetta por que se para nõs que estamos acostumados com o calor estava insurpotavel,para

ele devia estar pior contudo continuou a tocar em ritmo frenetico . David, que no começo só tocaria apenas por 45 minutos, e que ao chegar, já surpreendeu a todos com sua simpatia e permaneceu no palco, por duas horas e meia com suas músicas de altíssima qualidade não deixando ninguém ficar parado. Eu que já fui a muitas festas eletronicas fiquei impressionada com a participçao do público em boa parte das musicas, Sucessos como The world is mine, Sexy bitch e I gotta feeling também foram cantados em coro sob uma chuva modesta de papel prateado. Parceiro de estrelas Com duas décadas de profissão, o DJ francês começou a dividir espaço com grandes, como Tiësto e Armin Vun Buuren, em 2002, quando emplacou o sucesso Love don’t let me go. Daí para se juntar a Madonna — com quem trabalhou na faixa Revolver, do álbum Celebration —, Chris Willis, Akon e Black Eyed Peas, foi um pulo. A turnê que promove seu quatro disco, One love, já passou por São Paulo, Rio de Janeiro, Balneário Camburiú (SC), Belo Horizonte e Goiânia. Amanda carolina

11


Por um Mundo Melhor

H

á exatos 25 anos, o empresário carioca Roberto Medina idealiza e produz o festival Rock in Rio, um dos maiores festivais de música do mundo. O evento foi criado num período importante para a história do Brasil, em plena transição da ditadura para a democracia. O Rock in Rio chamou o Brasil para comemorar e gritar pela liberdade conquistada. De 1985 à 2010 foram nove edições realizadas. Três no Brasil (1985, 1991 e 2001), quatro em Portugal (2004, 2006, 2008 e 2010) e duas na Espanha (2008 e 2010). Nesses 25 anos o festival reuniu mais de 5 milhões de pessoas, além de ter sido transmitido para mais de 1 bilhão de telespectadores em 80 países. O Rock in Rio é um festival que se preocupa não apenas com a qualidade das atrações, mas também com questões sociais, visando uma atuação sustentável e socialmente responsável, por um mundo melhor, como diz o slogan do evento. Em 2011 o festival voltará para o Rio de Janeiro, local de origem do evento. 3 atrações internacionais confirmaram presença, as bandas norte americanas Metallica e Red Hot Chili Peppers e a britânica Snow Patrol. Mais de 62 mil ingressos já

foram vendidos, à cerca de 300 dias antes do festival. Serão 6 dias de música, do dia 23 de setembro à 2 de outubro. Datas O novo festival de rock acontecerá dia 23 de setembro de 2011 a partir das 15h, na Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. O grande terreno que abrigará a Cidade do Rock também dará lugar a um espaço de lazer para os atletas nas Olimpíadas de 2016. Tudo indica que a cada dois anos seja realizada uma nova edição do evento no local organizado. Música do tema Gravado por um grupo de artistas brasileiros. Dentre eles Sandra de Sá, Ed Motta, Tony Garrido, Dinho Ouro Preto, Roberto Frejat, entre outros. Marcelo D2 chegou a fazer um rap no meio da canção. Ingressos O Rock in Rio Card custará R$ 95 (meia) e R$ 190 (inteira) e só poderá ser adquirido exclusivamente no site oficial do festival. Cada pessoa poderá comprar no máximo quatro ingressos.

Bárbara jobim

12

Prelúdio  

revista de música

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you