Issuu on Google+

Trabalho realizado por: Carolina AraĂşjo nÂş5 Na disciplina de ICCR Prof: Daniel Pimenta e Isabel Silva 2011/2012


Relatório Da Visita De Estudo Ao Visionarium

Índice Introdução..................................................................................................................... 3 Um Mundo Codificado .................................................................................................. 4 o

Códigos e Cifras................................................................................................. 4

o

Códigos de barras .............................................................................................. 4

o

Código Binário ....................................................................................................... 5

o

Código de Estrada ................................................................................................. 5

o

Código gestual ....................................................................................................... 5

o

Criptografia ............................................................................................................ 6

o

Cifra de César ....................................................................................................... 6

o

Bastão de Licurgo .................................................................................................. 7

o

Cifra de Vigenère ................................................................................................... 7

Telegrafo ...................................................................................................................... 8 o

Inventor .............................................................................................................. 8

o

Como funciona ................................................................................................... 8

o

Código Morse ........................................................................................................ 9

o

Conclusão............................................................................................................ 10

Bibliografia .................................................................................................................. 11

Carolina Araújo

2


Relatório Da Visita De Estudo Ao Visionarium

Introdução Com este trabalho pretendo falar sobre a visita de estudo realizada ao Visionarium na sexta-feira, dia 11 de Novembro. Também vou falar de alguns assuntos abordados lá.

Carolina Araújo

3


Relatório Da Visita De Estudo Ao Visionarium

Um Mundo Codificado o Códigos e Cifras Códigos e cifras sempre fizeram parte de nosso dia a dia. Atualmente, em tempos digitais, é quase impossível termos informações desprotegidas. É então que aparece a criptografia, responsável por estudar as maneiras usadas para codificar e descodificar uma mensagem enviada. O que a maioria das pessoas não sabe, entretanto, é que muitos desses códigos e processos de codificação eram inspirados em similares mais antigos. Isso não significa que os atuais criptógrafos se valem apenas de códigos antigos, mas podemos ver com clareza que mesmo os logaritmos mais modernos têm um antepassado que gerou sua atual forma complexa.

E este é o propósito do livro Códigos & Cifras: Da Antiguidade à Era Moderna. Mais do que ser uma obra introdutória ao mundo digital e falar sobre a história dos códigos e cifras e suas várias aplicações durante os séculos, vamos rever os processos e os eventos que os geraram, estudar as biografias dos codificadores mais famosos de todos os tempos e analisar as cifras.

o Códigos de barras Os códigos de barras são representações gráficas de um determinado valor ou uma sequência de dados informáticos. Os códigos de barras dividem-se em dois grupos: o Os códigos de barras numéricos o Os códigos de barras alfanuméricos

Carolina Araújo

4


Relatório Da Visita De Estudo Ao Visionarium

o Código Binário Sistema binário ou de base 2 é um sistema de numeração posicional em que todas as quantidades se representam com base em dois números o zero e um (0 e 1). Os computadores digitais trabalham internamente com dois níveis de tensão, pelo que o seu sistema de numeração natural é o sistema binário. Com efeito, num sistema simples como este é possível simplificar o cálculo, com o auxílio da lógica booleana. Em computação, chama-se um dígito binário (0 ou 1) de bit. Um agrupamento de 8 bits corresponde a um byte. Um agrupamento de 4 bits, ainda, é chamado de nibble.

o Código de Estrada O código de estrada é a componente legal que esclarece as regras de circulação de todo o tipo de veículos nas estradas, e a sua relação com a população.Na maioria dos países, é estipulada como obrigatoriedade a inspeção automóvel que consiste na verificação dos requisitos mínimos de segurança ou ambientais do veículo, como a emissão de gases nocivos. Consoante o país e a legislação em vigor, a inspeção poderá ser periódica, ou apenas perante a transferência de título de propriedade. No caso da inspeção periódica, os intervalos mais comuns são de ano a ano, ou de dois em dois anos.

o Código gestual Língua Gestual Portuguesa (LGP) é a língua gestual através da qual grande parte da comunidade surda, em Portugal, comunica entre si. É processada através de gestos, como o nome indica e a sua captação é visual.Numa época, em Portugal, em que nada, ou quase nada se sabia acerca da comunicação entre os surdos, no Instituto Jacob Rodrigues Pereira , as crianças surdas, nos seus tempos livres, comunicavam entre si numa língua só delas, que as protegia dos ouvintes que as rodeavam falavam com as mãos, falavam a Língua Gestual Portuguesa.

Carolina Araújo

5


Relatório Da Visita De Estudo Ao Visionarium

o Criptografia

Criptografia (Do Grego kryptós, "escondido", e gráphein, "escrever") é geralmente entendida como sendo o estudo dos princípios e das técnicas pelas quais a informação pode ser transformada da sua forma original para outra ilegível, a menos que seja conhecida uma "chave secreta", o que a torna difícil de ser lida por alguém não autorizado. Assim sendo, só o receptor da mensagem pode ler a informação com facilidade.

o Cifra de César A Cifra de César, também conhecida como cifra de troca, código de César ou troca de César, é uma das mais simples e conhecidas técnicas de criptografia. É um tipo de cifra de substituição na qual cada letra do texto é substituída por outra, que se apresenta no alfabeto abaixo dela um número fixo de vezes. Por exemplo, com uma troca de três posições, A seria substituído por D, B se tornaria E, e assim por diante. O nome do método é em homenagem a Júlio César, que o usou para se comunicar com os seus generais.

Carolina Araújo

6


Relatório Da Visita De Estudo Ao Visionarium

o Bastão de Licurgo Uma forma de transposição utiliza o primeiro dispositivo de criptografia militar conhecido, o scytale espartano, que remonta ao séc. V a.C. O scytale consiste num bastão no qual é enrolada uma tira de couro ou pergaminho, como mostrado na figura acima. O remetente escreve a mensagem ao longo do bastão e depois desenrola a tira, a qual então se converteu numa sequência de letras sem sentido. O mensageiro usa a tira como cinto, com as letras voltadas para dentro. O destinatário, ao receber o "cinto", enrola-o no seu bastão, cujo diâmetro é igual ao do bastão do remetente. Desta forma, pode ler a mensagem.

o Cifra de Vigenère É um método de criptografia que usa uma série de diferentes cifras de César baseadas em letras de uma senha. Trata-se de uma versão simplificada de uma mais geral cifra de substituição polialfabética, inventada por Leone Battista Alberti cerca de 1465. Esta cifra é muito conhecida porque é fácil de perceber e de pôr em prática, parecendo, a quem tem pouca prática, que é inquebrável. Consequentemente, muitos programadores implementaram esquemas de criptografia nas suas aplicações que são no essencial cifras de Vigenère, e que são facilmente quebradas por qualquer criptanalista.

Carolina Araújo

7


Relatório Da Visita De Estudo Ao Visionarium

Telegrafo o Inventor A telegrafia foi inventada por Samuel Finley Breese Morse, nascido em 27 de abril de 1791, em Charlestown, Massachusetts, Estados Unidos.

o Como funciona A telegrafia foi muito utilizada pelas corporações militares. A partir da Segunda Guerra Mundial passou a ser usada em paralelo com outras modalidades de transmissão como o SSB Single Side Band, atualmente utiliza-se o rádio pacote para comunicações criptografadas mas o código morse ainda continua sendo usado em NDB que são uma espécie de rádio-farol utilizado na navegação aérea e marítima. Também alguns satélites utilizam o código morse para seu sinal de identificação e localização por telemetria.

como é constituído?

Carolina Araújo

8


Relatório Da Visita De Estudo Ao Visionarium

o Código Morse Pontuação através de um sinal codificado enviado intermitentemente. Foi desenvolvido por Samuel Morse em 1835, criador do telégrafo elétrico (importante meio de comunicação a distância), dispositivo que utiliza correntes elétricas para controlar eletroímans que funcionam para emissão ou recepção de sinais. Uma mensagem codificada em Morse pode ser transmitida de várias maneiras em pulsos (ou tons) curtos e longos: Pulsos eléctricos transmitidos em um cabo; Ondas mecânicas (perturbações sonoras); Sinais visuais (luzes acendendo e apagando); ondas eletromagnéticas (sinais de rádio);

Carolina Araújo

9


RelatĂłrio Da Visita De Estudo Ao Visionarium

o ConclusĂŁo Gostei muito de fazer este trabalho pois recordei de algumas coisas que falaram na visita de estudo ao visionarium e adquiri mais conhecimentos deste assunto.

Carolina AraĂşjo

10


Relat贸rio Da Visita De Estudo Ao Visionarium

Bibliografia [http://pt.wikipedia.org/wiki/Criptografia] http://pt.wikipedia.org/wiki/C%C3%B3digo_morse

Carolina Ara煤jo

11


Relatorio do Visionarium