Page 1

PROCESSOS ADMINISTRATIVOS

Nome RA Carmem Selma Pereira Ara煤jo 6574302125 Fernando Figueiredo Rocha 7704622780 M么nica Mioti da Silva 6057479901 Renata Matias de Oliveira Silva 7158422138 Tainara Gabriele Fernandes 1299172360


2014

ATPS elaborada para fins de Avaliação parcial do Modulo Processos Administrativos do curso Ciências Contábeis, da Anhanguera Educacional, sobre orientação do Profª presencial Helio Pedro de Jesus, Profª à distância Maria Renata M. G. Dalpiaz.


2014 SUMÁRIO

Introdução....................................................................................................4 ......................................................................................................................5 ......................................................................................................................5 ......................................................................................................................6 ......................................................................................................................8 ......................................................................................................................10 ......................................................................................................................11 ......................................................................................................................12 ......................................................................................................................14 ......................................................................................................................16 ......................................................................................................................24 ......................................................................................................................25 Considerações Finais....................................................................................27 Bibliografia..................................................................................................28


INTRODUÇÃO O desenvolver dessa Atividade Prática Supervisionada de Processos Administrativos tem como objetivo de buscar conceitos sobre planejamento e trazer conhecimento sobre os tipos de planos que existem no meio empresarial: o tático, operacional e estratégico. E pôr em prática um projeto de extensão universitária, o qual será utilizado a criação de Plano Estratégico para realizar um projeto na comunidade que a faculdade está inserida. Nesse relatório abordaremos também os processos administrativos (organizar, coordenar e controlar). Facilitando o entendimento do trabalho, também vamos retratar comparações realizadas com grandes autores: Roberto Shinyashiki e Paulo Barreto dos Santos e associar direção e controle como funções do administrador.


1 CONCEITOS

O conceito de planejamento tem diversos significados e prioridades de acordo com cada autor. Na definição de Lacombe e Heilborn (2003, p. 49): [...] planejar envolve coletar informações e diagnosticar a situação; estabelecer objetivos e metas; formular políticas e procedimentos para orientar as decisões; elaborar e implantar planos, programas e projetos para alcançar as metas e montar seus cronogramas para acompanhar a execução. Manter o diagnóstico atualizado.

Ainda, “Planejamento é um processo administrativo que visa determinar a direção a ser seguida para alcançar um resultado desejado.” (LACOMBE, 2003) Ou seja, para os autores citados a cima, Heilbom e Lacombe, planejamento significa moldar um plano com objetivo de otimizar o alcance para a prática de um projeto. O planejamento é uma importante tarefa administrativa e de gestão, esta embasada pela preparação antecipada para execução de um objetivo. O planejamento é indispensável para as tomadas de decisões. Outra definição apresentada para planejamento é: O planejamento surge como a primeira função administrativa, processo contínuo e ágil que serve como base para as demais ações da empresa, ações intencionais, integradas, coordenadas e orientadas para tornar realidade um objetivo futuro, de forma que podemos antecipar as decisões a serem tomadas (EDUARDO, 2014).

Dessa forma, o planejamento nos ajuda a tomar decisões acertadas quanto ao horizonte da empresa, é inegável que as empresas que prosperam e conseguem se perpetuar no mercado atualmente possuem algo mais do que uma boa sorte. O que determina grande parte do seu sucesso é a capacidade de se adaptar às mudanças de seu ambiente, antecipando-se aos seus concorrentes. Com o estudo proposto por L. Bertalanffy sobre sistemas, conseguiu-se revolucionar a tecnologia do planejamento, melhorando a educação e também a organização militar, além de melhorar o tratamento quanto aos problemas ecológicos. Os autores Roberto Shinyashiki e Paulo Barreto dos Santos definem visão e planejamento criteriosamente, segundo o primeiro a visão é tida como uma forma de ver momentos onde a maioria só veria problemas, a visão modifica, em uma pessoa especial conhecedora de como conseguir chegar ao sucesso através dela, pois como foi dito existe uma minoria limitada que tem esse “dom”: de conseguir enxergar além do horizonte e criar


competências necessárias para avançar nesses momentos em meio as ameaças, conseguindo enxergar um futuro adiante, já que o futuro é consequência do agora e sendo um vitorioso não acomodando-se com a conquista de hoje. Ele sabe que na garupa do sucesso sempre vem o fracasso. E, se não se dedicar, estará correndo o risco de no futuro amargar derrotas. Segundo o autor Paulo Barreto dos Santos, planejar é formado pela união de intenções suficientes e necessárias para se alcançar o objetivo definido. Podemos chamar de Planejamento Estratégico, a medida que essa ação busca resultados em longo prazo buscando programar estratégias e desejar a superioridade das empresas concorrentes e expandindo seu poder perante as concorrentes. O mesmo alega que com esse planejamento permite a previsão antecipada das ações iniciadas durante um processo, aplicando-se de todas as formas possíveis para alcançar os objetivos as metas que se almeja: Eficiência – Como as coisas são feitas: De que maneira são executadas; Quais os passos para executá-las; Eficácia – Para que as coisas são feitas: Quais resultados elas trazem; Quais objetivos alcançam. Na elaboração de um projeto deve- se levar em conta: Viabilidade Econômica (ao que se refere as receitas e custos envolvidas no empreendimento, as possibilidades de financiamento, etc). Viabilidade Técnica (o projeto tem de ser feito com base na disponibilidade de equipamentos, pessoal especializado, matéria-prima e etc.) Viabilidade Institucional e Política (analisar a aceitação do projeto pelos responsáveis por sua realização e pelo publico alvo que serão atingidos pelo método e sua situação legal). O autor acabou expondo a seguinte conclusão: o planejar não é uma ação onde se deseja acertar tudo e sempre, e sim, diminuir prejuízos e decepções buscando maior eficácia e eficiência nos processos e projetos decorrentes, definindo como, por quem, o que, onde e quando ações devem acontecer. Os autores Roberto Shinyashiki e Paulo Barreto acabam tendo a opinião semelhante, pois ambos definem planejamento e visão como um grande método para o futuro e a arma certa para quem quer ser um grande empreendedor.

1.1 PLANEJAMENTO


Após os conceitos estudados, o grupo chegou a uma definição, o planejamento é um plano que rege os caminhos e passos que a organização precisa realizar para atingir os objetivos por ela traçada. Essas metas são importantes para o futuro da empresa, podendo ter planos de curto e longo prazo. Além de permitir que a empresa siga o que foi determinado, sem pular etapas, conseguindo assim minimizar os impactos desse plano. Mas isso não quer dizer que não pode mudar o rumo do planejamento, não é algo fixo e sim flexível. Por exemplo, a empresa fictícia X cria um planejamento para desenvolver um acessório para carro, o plano estabelece as etapas e as metas que se quer atingir, se durante o percorrer do caminho a empresa perceber que o acessório não vai gerar lucro ou precisa melhorar o produto para atingir o público alvo, o planejamento pode ser ajustado ou simplesmente suspender o projeto. Não foi porque a empresa X realizou um planejamento que ela vai acertar em todas as escolhas, mas foi por causa do planejamento que percebeu que o produto não ia atingir o público com aquelas especificações, ou que produto ia gerar prejuízos a empresa antes de ser concretizado o projeto. O planejamento permitiu “prever” o resultado, minimizando os impactos para a empresa.

1.1.1

Planejamento Estratégico

O nível estratégico é um grupo de ferramentas que, por si só, são insuficientes. Quando é seguido de planejamentos táticos e operacionais, consiste em robusta ferramenta para implementar o pensamento estratégico da organização. É discutido e formulado nos níveis hierárquicos mais elevados da organização, é o planejamento que envolve prazos maiores, é mais discutido e amplo. É um método na tomada de decisão estratégica contínuo e não mais fazendo e refazendo a cada ano que passo esse plano. Abarcando os seus recursos, no sentindo de alcançar a eficiência sinergética em todos níveis, competências, capacidades, e potencialidade de organização, envolvendo sempre um comportamento global e sistemático a resposta estratégica da organização. Maximiano (2010) define planejamento estratégico como um plano que abrange toda a empresa, estabelecendo a missão, os serviços e produtos a serem oferecidos, os mercados e clientes a serem atendidos e outros propósitos.


1.1.2

Planejamento Tático

Nível tático é elaborado em cada departamento, ou seja, ao nível dos departamentos ou unidades de negocio da organização. Ele é elaborado pelos gerentes ou executivos no tocante ao programa de atividades de seu órgão, é elaborado em cada departamento, abrangendo seus recursos específicos em prol do de alcançar seus objetivos departamentais da empresa e sua finalidade de contribuir para que este tenha sucesso. Ele relaciona-se aos objetivos de mais curto prazo e com estratégias e ações que, afetam somente parte da organização. Podendo ser visto como um sistema: iniciando com as metas determinadas pelo o nível Tático, desenvolvem propostas de trabalhos e processos detalhados e fornece dados de retroação no sentindo de proporcionar meios e condições para aperfeiçoar e aumentar os resultados, sendo formado com uma infinidade de níveis operacionais nas diversas áreas e funções da empresa: operações, finanças, produção, recursos humanos, entre outras. Maximiano (2010) define planejamento Tático, como planos funcionais, que traduzem em ações especializadas as propostas estratégicas, como: recursos humanos, operações marketing, finanças.

1.1.3

Planejamento Operacional

O nível Operacional podemos considerar como sendo parte homogênea do planejamento tático, sendo a forma, basicamente por meio das metodologias de aperfeiçoamento e implantação, documentos escritos estabelecidos, seu foco é nas atividades do dia a dia. Estes projetos são bem mais detalhados e objetivos, debatendo cada ação do setor em separado em uma etapa, os administradores visualizam e determinam ações futuras dentro do nível operacional que melhor conduzam ao alcance dos objetivos da empresa. O nível operacional foca o desenvolvimento e a potencialização dos resultados, ao passo que no nível tático esta voltado para resultados satisfatórios, Simplesmente estes planos


querem assegurar que todos realizem suas obrigações e trabalhos em conformidade com os métodos determinados pela empresa, para que esta possa alcançar seus objetivos. Maximiano (2010) define planejamento Operacional como atividades e recursos que proporcionam a prática de metas funcionais ou estratégicas, tal como o caso dos cronogramas e orçamentos.

1.1.4

Análise Dos Níveis De Planejamento

Após as análises feitas pelo grupo concluímos de forma clara os três tipos de planejamento: •

O planejamento estratégico é um importante para o planejamento empresarial.

Pensar e fazer planos são essenciais para o empreendedorismo já que facilita a determinação de objetivos e estratégias para alcançá-los. Orientações a longo prazo. •

O planejamento tático é aquele é o meio termo dos outros dois tipos, eles se

apropriam da estratégia para desdobrá-las em ações concretas. Orientações a médio prazo. •

Planejamento operacional

procedimentos e o que espera de cada grupo.

tem foco em tarefas rotineiras, definem


CONSIDERAÇÕES FINAIS

A partir do desafio proposto na ATPS- Atividade Prática Supervisionada e do que foi exposto acima sobre planejamento, conseguimos identificar as diferenças relacionadas em cada níveis de planejamento, sabendo diferenciá-los e onde aplicá-los. Este estudo nos ajudou a sanar todas as possíveis dúvidas sobre a praticidade e a importância do planejamento como ferramenta de gestão, de organização, de controle, como um método para fazer o negócio dar certo. Assim, partindo do que foi exposto pelos autores e de nossa vivência pessoal podemos afirmar que o planejamento é um grande trunfo para quem quer ser um grande empreendedor e quer obter vantagem competitiva e sucesso no mundo dos negócios.

Etapa 2 Projeto de Extensão Universitária Inclusão Digital Nome do projeto: ACESSA ANHANGUERA.COM


Desenvolvemos um Projeto de Extensão Universitária, cuja finalidade é oferecer a população menos privilegiada, acesso a informação e conhecimento de informática, através de cursos gratuitos. Para tanto, entenderemos alguns conceitos: Extensão universitária: “Extensão Universitária consiste em uma ação entre a Universidade e a Comunidade, disponibilizando ao público externo o conhecimento, ou seja, é uma forma de interação entre a população e a universidade.” Inclusão Digital: “É a democratização do acesso às tecnologias da Informação, de modo a permitir a inserção de todos na sociedade, simplificando sua rotina diária, maximizando o tempo e as suas potencialidades, a fim de melhorar as condições de vida dos que a usufrui, ou seja, a tentativa de garantir a todas as pessoas o acesso às tecnologias de informação e comunicação.” O projeto desenvolvido pelo grupo, trata-se da Inclusão Digital na sociedade, envolvendo principalmente alunos da 5º a 8º séries do Ensino Fundamental e Médio das escolas da Rede Pública do Município de Sumaré/SP, onde está localizada a Faculdade Anhanguera do polo de Sumaré.

Objetivos: O objetivo do programa é incentivar a inclusão digital e oferecer à população acesso gratuito à internet e cursos. Com a finalidade de contribuir para o desenvolvimento social, cultural, intelectual e econômico além de oferecer conhecimentos e oportunidades com a alfabetização e inclusão digital ligadas à responsabilidade social. Promovendo melhorias na qualidade de vida dessas pessoas, contribuindo para elevação da autoestima, autoconfiança, encorajando-os a atuarem na sociedade em que vivem.


A fim de oferecer capacitação ao utilizar os recursos básicos de informática em atividades escolares e domésticas. Utilizar os aplicativos de informática em atividades profissionais e/ou em busca de oportunidade do primeiro emprego; Permitir que o corpo docente e discente dos Cursos de Ciências Contábeis estabeleçam um relacionamento com a comunidade. Contribuindo para as políticas de inclusão social. Como universitários entendemos que é necessário ampliar o conhecimento das pessoas sobre o mundo, de uma maneira individualizada. E este projeto oferece oportunidade a quem não tem condições financeiras.

Descrição: O Projeto é destinado a estudantes da 5º a 8º série do Ensino Fundamental e Ensino Médio das Escolas Públicas do Município de Sumaré, e para os Professores da Rede Pública. Os cursos oferecidos são: conhecimentos básicos de informática (Conceitos básicos do computador e da Informática e o uso dos programas Windows – Sistema Operacional, Word Editor de Textos, Excel - Planilha Eletrônica e Internet), além de participar de diversas atividades como, por exemplo, elaboração de currículo, oficinas de digitação; internet nível I; montagem e manutenção de computadores; informática nível I; introdução ao Linux; lógica de programação e libras nível I.

A Faculdade Anhanguera de Sumaré será responsável por:  Estrutura Física, disponibilizando seu laboratório de informática;  Divulgação do projeto;  Confecção e entrega de Certificados ao final do curso;  Treinamento dos alunos, disponibilizando instrutor/professor do curso de Pedagogia e monitores que serão alunos bolsistas do curso de Sistemas de Informação;  Divulgação em seu site.


As aulas serão realizadas aos sábados de manhã e cada aluno utilizará o computador por pelo menos duas horas. A participação de alunos graduados é necessária, em troca dos serviços voluntários, serão consideradas as horas de atividades complementares. Os integrantes do grupo serão responsáveis pela divulgação do projeto através de panfletagem em seus locais de trabalho, entre os vizinhos e amigos. E busca de parceiros dispostos a colaborar com doações de equipamentos, material didático e até camisetas para uniformes. Além de outras funções: Mônica e Carmem: controlarão as frequências dos alunos, o desempenho de cada um, farão um trabalho através do diálogo e avaliação do curso. Fernando, Renata e Tainara: auxiliarão os estudantes nas aulas, ajudando no que for preciso, a fim de sanar suas dúvidas e aprendizado. Para os alunos mais dedicados e disciplinados, serão oferecidas bolsas de estudos na própria universidade. Visando assim, garantir a conduta ética e comportamental de cada aluno. Para isso haverá algumas regras como: manter o silêncio durante as aulas, coibir moderadamente o uso de aparelhos celulares, além de proibir o consumo de alimentos e orientações para que zelem a estrutura física da faculdade num todo. Inicialmente serão abertas 80 vagas, distribuídas em 2 turmas, as aulas terão duração de 2 horas, com horário: 8h00 às 10:00 (primeira turma) e das 10h30 às 12h30 (segunda turma) os cursos terão duração de 6 meses, realizados todos os sábados.

Importância do Projeto: Uma pesquisa realizada pela PNAD (Pesquisa Nacional por amostra de Domicílios) e divulgada pela Folha de São Paulo em Maio de 2013, apontou que 53% da população brasileira ainda não tem acesso à internet. As informações foram baseadas nos dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografias e Estatística), e diz que o acesso a internet cresceu em 143,8% entre a população com 10 anos ou mais de 2005 para 2011.


A pesquisa também mostrou que os jovens são os que mais acessam a internet, a faixa etária: de 15 a 17 anos, 74,1% e de 18 a 19 anos, 71,8%. A Região Sudeste foi a que apresentou o maior percentual de internautas, cerca de 54%. Portanto, este projeto é de extrema importância, pois com os avanços tecnológicos de hoje em dia, é quase impossível uma pessoa não saber lidar com as atualizações, visto que o mercado de trabalho e a sociedade em si está cada dia mais exigente. Custo x Benefícios: Analisando o custo x benefícios, há de concordar que o benefício é muito maior que o custo, pois será utilizado o laboratório da faculdade e o curso será ministrado pelos próprios alunos bolsistas ou interessados em colaborar, onde constará no currículo como atividades complementares. Levando em consideração o trabalho realizado com a comunidade, o retorno para a faculdade é muito bom, pois haverá a divulgação e o incentivo para estes alunos a futuramente ingressarem em uma universidade. Ao longo do curso os monitores aprendem requisitos profissionais como: oratória, liderança, lidar com adversidades, tomar decisões, pesquisa e preparação de matéria. Estes participam também de uma experiência que contribui para uma transformação humana, e se sentem satisfeitos em participar desse processo de transformação na vida de cada aluno.

Conclusão: O projeto Acessa Anhanguera.com é uma importante ferramenta de inclusão digital, e construção, também, do indivíduo na sociedade, de forma a oferecer a possibilidade de interagir democraticamente através da educação inclusiva, que se apresenta como peça fundamental para as políticas de inclusão social. Porém, todo este trabalho, é parte do processo e devemos cumprir nosso papel como multiplicadores do saber, buscando dentro do ambiente sócio-econômico-digital-cultural,


otimizar as interações em nosso meio e por consequência, agregar conhecimento aos indivíduos em sua interação com o meio digital, através da Internet, sendo ela um agente disseminador da informação.

ETAPA 3 1 Direção é acionar e saber da um rumo a empresa, fazer as coisas acontecerem. A Direção faz parte de uma função administrativa, que é para orientar as pessoas, os seus funcionários, passar as normas critérios, e saber a tomar as decisões correta. É a atribuição gerencial ligada ao exercício da liderança, exercendo influência sobre os funcionários. Quem está na Direção tem que influenciar que poder ser realizado de várias formas – persuadindo, recompensando, punindo ou coagindo-, mas é de precedência melhor o uso da persuasão e do convencimento, e o uso da autoridade como último recurso. Determinado o planejamento e estabelecido a organização, resta fazer as coisas andarem e ocorrerem. Este é o papel da Direção: acionar e dinamizar a empresa. A Direção é a função administrativa que se refere ao relacionamento de todos os gestores nos níveis da organização e seus subordinados. As pessoas precisam se comunicar em seus cargos e funções, treinadas, capacitadas, guiadas e motivadas para que possam atingir os resultados que delas se esperam. A direção é o papel da parte administrativa que se refere ás relações interpessoal dos gestores em todos os níveis da organização e seus respectivos subordinados. Para isso os gestores precisam, se comunicar, liderar e motivar. 2.0 Decidimo-nos os níveis de direção atrás de eleição, no grupo que dividimos as principais funções, que será, controlar as frequências dos alunos, o desempenho de cada um, farão um trabalho através do diálogo e avaliação do curso; e também no auxílio aos estudantes nas aulas, ajudando no que for preciso, a fim de sanar suas dúvidas e aprendizado Seu objetivo é motivar e incentivar as pessoas por meio das tarefas, e com isso, aumentar sua produtividade

ou pelo menos

mantê-la em níveis elevados, ter

responsabilidades, coordenar.

1. O planejamento surge como a primeira função administrativa, processo contínuo e ágil que serve como base para as demais ações da empresa, ações intencionais, integradas,


coordenadas e orientadas para tornar realidade um objetivo futuro, de forma que podemos antecipar as decisões a serem tomadas (EDUARDO, Márcio autor do Artigo O que é Planejamento? Disponível em: http://www.administradores.com.br/artigos/negocios/o-que-eplanejamento/39381/, acesso em 10 de maio de 2014, as 9:00h). Dessa forma, o planejamento nos ajuda a tomar decisões acertadas quanto ao horizonte da empresa, é inegável que as empresas que prosperam e conseguem se perpetuar no mercado atualmente possuem algo mais do que uma boa sorte. O que determina grande parte do seu sucesso é a capacidade de se adaptar às mudanças de seu ambiente, antecipando-se aos seus concorrentes. Nesse relatório abordaremos o processo administrativo (planejar, organizar, coordenar e controlar), apresentando. Facilitando o entendimento do trabalho, também vamos retratar comparações realizadas com grandes autores, cito: Roberto Shinyashiki e Paulo Barreto dos Santos e associar direção e controle como funções do administrador. Para obter sucesso tem que ter as principais características da estratégia empresarial; a estratégia é um comportamento global e sistêmico a empresa; representa o comportamento de um empresa diante de seu ambiente externo; está focada no futuro. Principais características da estratégia empresarial, é discutida, formulada definida e decidida no nível institucional da empresa; sua execução requer esforço conjunto de todos os níveis; significa sempre um movimento de mudança; deve ser definida em um planejamento. Conceitos fundamentais. Os primeiros conceitos e técnicas e técnicas que foram desenvolvidas pelo acadêmico e consultor russo Igor Ansoff, recentemente falecido, considerado um dos grandes pensador de Estratégia e uma das figuras=chaves na formulação de um conceito claro de gestão estratégica. O propósito da Organização A base estratégica de uma organização, aqui chamado de propósito, é constituído por sua visão, missão, valores, abrangência, princípios e opção estratégica. A finalidade portanto de uma estrutura resistente desenvolvida por esses elementos conceituais. Toda organização tem um propósito que pode ser definido como um conjunto de elementos básicos que definem o que a organização estimaria ser no futuro, o querer e o desejo de ser e de exercer. Enfim, o propósito reduz seu desejo próprio, sua auto-imagem planejada para o futuro e suas certezas, transcendendo as circunstância, não se delimitando pelo ambiente externo, e sua qualificação e capacitação atual.


Visão e missão são duas definições fundamentais sem semelhanças, mas se complementam e fixam entre si, como duas faces de uma mesma moeda: o primeiro procura relatar o que a organização almeja no futuro, e o segundo é o resultado de uma consideração sobre a razão da sua existência, como mostraremos a seguir. A palavra visão tem sido aplicada em diversas épocas das histórias, culturas e contexto, com significados muito diferentes. O mesmo para os fins didáticos, metodológicos, onde a visão é um conceito operacional muito precioso que procura relatar a autoimagem da organização: como ela se vê, e como gostaria de se ver no futuro. Visão não apenas sonhar, ou um mito, uma ilusão ou teoria. Para uso pratico na nossa metodologia, adotaremos a seguinte definição: A visão de ser definida de forma simples, objetiva, abrangente, mas compreensível para todos, de uma forma aproveitável e prática para os envolvidos com a organização. O administrador tem como a função de fazer a criação de um planejamento, analisa, definir as obrigações, supervisiona, ou seja controla e direciona seus subordinados para que haja uma harmonia de interesses entre organização e trabalhadores. 1.2 Planejamento é uma palavra que significa o ato ou efeito de planejar, criar um plano para otimizar a alcance de um determinado objetivo. O planejamento consiste em uma importante tarefa de gestão e administração, que está relacionada com a preparação, organização e estruturação de um determinado objetivo. É essencial para tomar as decisões e execução dessas mesmas tarefas. Existem três níveis de planejamento: estratégico, tático e operacional. O estudo dos sistemas, proposto por L. Bertalanffy, originou grandes avanços na área tecnológica do planejamento, revolucionando a educação, a organização militar e a forma como são tratados os problemas ecológicos. Porque se não tem um planejamento Estratégico, correto; a medida que essa ação busca resultados em longo prazo buscando programar estratégias e desejar a superioridade das empresas concorrentes e expandindo seu poder perante as concorrentes. O mesmo alega que com esse planejamento permite a previsão antecipada das ações iniciadas durante um processo, aplicando-se de todas as formas possíveis para alcançar os objetivos as metas que se almeja: Eficiência – Como as coisas são feitas: De que maneira são executadas; Quais os passos para executá-las; Eficácia – Para que as coisas são feitas: Quais resultados elas trazem; Quais objetivos alcançam.


Na elaboração de um projeto deve- se levar em conta: Viabilidade Econômica (ao que se refere as receitas e custos envolvidas no empreendimento, as possibilidades de financiamento, etc). Viabilidade Técnica (o projeto tem de ser feito com base na disponibilidade de equipamentos, pessoal especializado, matéria-prima e etc.) Viabilidade Institucional e Política (analisar a aceitação do projeto pelos responsáveis por sua realização e pelo público alvo que serão atingidos pelo método e sua situação legal). O autor acabou expondo a seguinte conclusão: o planejar não é uma ação onde se deseja acertar tudo e sempre, e sim, diminuir prejuízos e decepções buscando maior eficácia e eficiência nos processos e projetos decorrentes, definindo como, por quem, o que, onde e quando ações devem acontecer. Os autores Roberto Shinyashiki e Paulo Barreto acabam tendo a opinião semelhante, pois ambos definem planejamento e visão como um grande método para o futuro e a arma certa para quem quer ser um grande empreendedor. •

O nível estratégico é um grupo de ferramentas que, por si só, são insuficientes.

Quando é seguido de planejamentos táticos e operacionais, consiste em robusta ferramenta para implementar o pensamento estratégico da organização. É o planejamento que envolve prazos mais longos de tempo, é mais abrangente e é discutido e formulado nos níveis hierárquicos mais elevados da empresa, isto é, no nível institucional. É um processo contínuo de tomada de decisão estratégica e não mais um plano feito e refeito a cada ano que passa. Abarcando os seus recursos, no sentindo de obter efeito sinergético em todos níveis, capacidades, competências e potencialidade de empresa, a resposta estratégica da empresa deve envolver sempre um comportamento global e sistemático. 1. Os deveres do controle está relacionada com os outros exercícios do processo administrativo: planejamento, organização e direção repercutem na atividades de controle da ação empresarial. Muitas vezes torna-se necessário modificar o planejamento, a organização ou a direção para que os sistemas de controle possam ser mais eficazes. O segredo está no conjunto, ou seja no processo administrativo como uma totalidade. Embora as demais funções administrativas, evolve mais, o controle simboliza uma contraparte de todas elas. O controle proporciona a mensuração e a avaliação dos resultados da ação empresarial obtida a partir do planejamento, da organização e da direção. Nenhum plano está completo e acabado até que se tenham elaborado os meios para avaliar seus resultados e consequências. Um plano sem domínio é o mesmo que dirigir um carro sem


freios. Enquanto o carro tem uma velocidade razoável tudo vai bem, mas quando é necessário reduzi-la por alguma razão o controle não funciona. O administrador eficaz precisa juntar o controle ao planejamento, organização e direção da ação empresarial para adequar a totalidade do processo administrativo aos resultados que se pretende alcançar. Controle tem vários sentidos e seu significado depende da função ou área em que é aplicada. A palavra controle pode ser entendida como: Função administrativa: é o processo administrativo, como o planejamento, organização e direção. Um sistema automático de regulação: serve para manter automaticamente um grau constante de fluxo ou de funcionamento de um sistema. Ou pode acontecer no processo de controle automático em refinarias de petróleo, indústrias químicas ou petroquímicas que se baseiam no processamento continuo e automático da produção. O mecanismo de controle mantém a qualidade do processamento com a ação e a correção de possíveis desvios ou irregularidades para proporcionar automaticamente a afinação necessária para voltar a normalidade. Quando algo está sob controle, significa que está dentro da normalidade. Função restritiva e coercitiva: Há uma imagem popular de que a palavra controle é associada a algum aspecto negativo. Nas organizações e nas sociedade, a palavra é interpretada como restrição, coerção delimitação, direção, reforço, manipulação e inibição.

Etapa 4 Analise e Relatório dos artigos: “O trabalho do gerente executivo: Uma visão geral e crítica” e “Aplicação de ferramentas na gestão de processo das organizações que aprendem”

Ao analisar os artigos: “O trabalho do gerente executivo: Uma visão geral e crítica” e “Aplicação de ferramentas na gestão de processo das organizações que aprendem” notamos que ambos possuem a mesma ideia e se completam. O primeiro artigo enfatiza a importância do administrador dentro de uma organização e é um artigo muito prático porque não fala muito em teorias e com isto facilita a compreensão do leitor.


Neste artigo vimos que existem algumas decisão indispensáveis no trabalho de um bom administrador que é planejamento, decisão, ação: Planejamento: é preciso que a empresa tenha visão futura e veja como estará seu mercado daqui um tempo, quais serão os avanços que surgiram e o que será necessário fazer para estar sempre atualizado. Decisão: após planejar é necessário tomar as decisões cabíveis às mudanças que terão de feitas com o passar dos anos. Ação: é o momento de executar as mudanças dentro da organização colocando em pratica tudo aquilo que foi planejado. O segundo artigo fala sobre as competências e valores da organização e ressalta que se as decisões que forem tomadas da maneira correta levam o sucesso da organização. Neste artigo vemos também que é extremamente importante trabalhar as pessoas dentro da organização para que saibam trabalhar em grupo, cuidem da empresa como se fossem donos, empreendam e etc.; pois um profissional motivado trará bons resultados para organização. Os artigos são bem simples e transmite ao leitor a importância de um bom planejamento dentro da organização, pois um bom administrador deve acompanhar o avanço de todas as coisas e ser empreendedor para melhorar aquilo que já tem, e não pode se esquecer de que são as pessoas que fazem as coisas acontecerem então é muito importante trabalhar também uma forma de deixa-las sempre motivada a executarem suas tarefas. Analise do artigo do Chiavenato e da figura: Comparando os artigos com a proposta de Chiavenato nota-se que são bem coerentes, pois ambos abordam o desenvolvimento do processo administrativo de forma bem atualizada, porém a obra de Chiavenato e bem mais abrangente, pois estuda os conceitos mais afundo. Um bom administrador utiliza sua competência para que a empresa esteja sempre evoluindo e alcançando seus objetivos. Uma empresa não é composta apenas por maquinas, prédios e equipamentos, é fundamental ter pessoas trabalhando nela para que as coisas funcionem um depende do outro. A empresa precisa ter uma estratégia eficiente de eficaz e para que isto aconteça é preciso que ela funcione como um corpo obtendo sincronia, para melhor funcionamento. Existem alguns níveis empresariais, sendo eles: •

- Nível Institucional: Funciona em um sistema aberto.

- Nível Intermediário: Gerencial e medidor


- Nível Operacional: Funciona em um sistema fechado.

Cada um destes níveis possuem um papel diferente planejamento, organização, direção e controle que são ações fundamentais dentro de uma empresa.

Considerações finais Neste trabalho falamos muito sobre estratégia e planejamento e aprendemos o quanto é importante ter uma visão futura sobre seu negócio, pois com isso podemos prever futuros problemas e acompanhar o avanço das coisas. Vimos também como é importante enxergar oportunidade, onde muito veem problemas. Administrar tem seus pontos chaves sendo eles: Criar, agir, empreender, decidir e antecipar e essas ações dependem das pessoas que estão na organização, elas precisam trabalhar com o mesmo objetivo e empenho independente se é o diretor ou colaborador de cargo mais baixo dentro da hierarquia da empresa. É fundamental que a empresa honre seu valor, deixando eles sempre em seus planos e com isto se torna um diferencial sobre seus concorrentes. Implicações Éticas A questão da ética no processo administrativo é quando as decisões do administrador tem algum impacto sobre o indivíduo, à sociedade e o ambiente na qual está inserido. Para uma empresa ser considerada ética ela deve honrar seus compromissos, ter postura ética e adota-la como estratégia de negócio com os envolvidos, sendo eles os sócios, funcionários, cliente, governo, fornecedores e etc. Os funcionários de uma empresa ética trabalham em um nível avançado, pois reconhece o valor da empresa e tratam seus clientes como merecedores de tal produto ou serviço. Conclusão Com base nos estudos e pesquisas, conclui-se que para uma empresa ou pessoa alcançar seus objetivos é fundamental um bom planejamento e este planejamento deve ser bem elaborado para que os riscos de erro sejam menores e deve ser acompanhado atentamente, pois se houver um imprevisto possa ser reformulado.


BIBLIOGRAFIA

CHIAVENATO, Idalberto. Administração. Rio de janeiro. Elsevier Editora LTDA, 2010. EDUARDO, Márcio. O que é Planejamento? Disponível em: www.administradores.com.br/artigos/negocios/o-que-e-planejamento/39381,acesso em 10 de maio de 2014. SANTOS, Paulo Barreto dos. O desafio do administrador no futuro. Disponível em: http://www.artigos.com/artigos/sociais/administracao/planejamento-e-controle751/artigo/#.U3SvwIFdVA0, Acesso em 11 de maio de 2014. SHINYASHIKI, ROBERTO. Veja o futuro antes dos outros. Disponível em: http://www.planestrategico.com.br/planejamento-estrategico/shinyashiki2.html,Acesso em 11 de maio de 2014 CHIAVENATO, Idalberto. Administração: teoria, processo e prática. 4. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006, v. 1; SHINYASHIKI, Roberto. Veja o futuro antes dos outros. Planejamento Estratégico aplicado a micro e pequenas empresas. Disponível em:


<http://www.planestrategico.com.br/index.php?lingua=1&pagina=shinyashiki2>. Acesso em: 06 out. 2012; SANTOS: Paulo Barreto dos. O desafio do administrador do futuro. Site Artigos.com. Disponível em: <http://www.artigos.com/artigos/sociais/administracao/planejamento-e-controle-751/artigo/>. Acesso em: 25 set. 2012; •

IBGE (Instituto Brasileiro de Geografias e Estatísticas);

Folha de São Paulo, publicação Maio/2013;

Pesquise internet: Seminário de Extensão Universitária; Puc Minas Gerais;

Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix – Belo Horizonte

Atps processos administrativos  
Advertisement