Page 1

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL ACADÊMICOS: CARLOS ROBERTO MENDES DIAS CLOTILDE MARIA DE JESUS EDENIR PIRES DEJANE FERREIRA DA ROCHA ANDRADE EURIDES MARIA FERREIRA SILVA JANETE DE OLIVEIRA CLARO PLÁCIDA GIMENES SILLES ROSELI DA SILVA SOARES PERAL

CAMPO GRANDE – MS 2009


Título: Trabalho de Pesquisa apresentado para fins de avaliação, na disciplina “Fundamentos Metodológicos de Estudos Sociais”,

do curso Normal Superior (Curso de

Formação de Professores), sob a orientação do Prof.MsC. Paulo Edyr de Camargo.

INTRODUÇÃO Segundo o historiador DORATIOTO (2002,07), a Guerra do Paraguai aconteceu entre os anos 1864-1870, durante o século XIX. No dia 11 de novembro de 1864, Francisco Solano López ordenou que fosse apreendido o navio brasileiro Marquês de Olinda. No dia seguinte, sua ordem foi executada e o navio a vapor paraguaio Tacuari apresou o navio brasileiro, foram aprisionados o coronel Frederico Carneiro de Campos – nomeado presidente da província de Mato Grosso e o médico Antônio da Luz, entre outros tripulantes. Todos os prisioneiros, sem exceção, sucumbiram à fome e os maus tratos, por parte de seus algozes. Após tal acontecimento, as relações entre Brasil e Paraguai foram rompidas e no mês seguinte, dezembro, o sul de Mato Grosso foi invadido, sem qualquer declaração formal de guerra ao nosso País, que só aconteceu no dia 13 de dezembro. Passados três meses, López declarou guerra à Argentina porque a mesma não permitiu que os exércitos paraguaios atravessassem seu território para combater no Uruguai e invadir o sul do Brasil. Quando as notícias dos acontecimentos chegaram ao conhecimento de D.Pedro II, no Rio de Janeiro,


capital do Império, em março de 1865, as tropas de Solano López penetravam em Corrientes (Argentina), visando o Rio Grande do Sul e o Uruguai, esperava contar com o apóio do blancos. O Uruguai, governado por Venâncio Flores, solidarizou-se com o Brasil e a Argentina. No dia 01/050/1865, Brasil, Argentina e Uruguai assinaram, em Buenos Aires, o Tratado da Tríplice Aliança, unindo-se para combater o Paraguai, conclui DORATIOTO. Este Trabalho de Pesquisa visa destacar as parcerias entre Brasil, Argentina e Uruguai em defesa da soberania brasileira, ameaçada pelas forças paraguaias, que não mediam esforços para apossar-se de nossas riquezas. Nesta Pesquisa, serão elencadas as causas e efeitos desta guerra sangrenta, com sustentação teórica dos estudiosos da temática em pauta.

A GUERRA DO PARAGUAI (1864-1870) Segundo ALVES (2003, p.60), o governo guarani impedia o livre comércio em seu território, o bloqueio paraguaio impedia o livre acesso à região brasileira de Mato Grosso. Em contrapartida, questões fronteiriças agitavam as relações entre o Paraguai e seus dois potentes vizinhos: Brasil e Argentina. O governo paraguaio apoiava os movimentos nacionalistas – ao partido blanco, no Uruguai, e às montaneiras, na Argentina, embora fora do poder, tinham expressividade nesse país. A relevância do Paraguai no Prata poderia resultar, no futuro, a garantia de um mercado para seus produtos, por conta da elevação de sua produção e consequentemente da interrupção nas relações econômicas. O governo guarani submeteu ao seu arbítrio todo o fluxo de entrada de mercadorias em seu país. Todas essas causas contribuíram para que ocorresse a guerra, conforme relata ALVES.

A ofensiva paraguaia Durante a primeira fase da guerra (1864-1865), foram os paraguaios que iniciaram os ataques. Os exércitos de López definiram três frentes de batalha iniciais invadindo Mato Grosso, em dezembro de 1864, e, em 1865, o Rio Grande do Sul e a província argentina de Corrientes. A invasão de Mato Grosso ocorreu no tempo por dois corpos de tropas paraguaias. Nossa província achava-se desguarnecida militarmente, e a superioridade numérica dos invasores permitiu-lhes realizar uma campanha rápida e bem sucedida. Nesse primeiro momento, as tropas paraguaias contavam com cerca de cinco mil homens, transportados em dez navios e comandados pelo coronel Vicente Barros, subiu o rio


Paraguai e atacou o Forte Nova Coimbra. Nossa guarnição de 155 homens resistiu por três dias, comandados pelo tenente-coronel Hermenegildo de Albuquerque Porto Carrero, depois barão de Forte Coimbra. Quando se esgotaram as munições, os defensores brasileiros abandonaram a fortaleza e se retiraram rio acima, em direção a Corumbá. Os paraguaios ocuparam o Forte abandonado, festejando a primeira vitória; avançaram rumo ao norte, tomando em janeiro de 1865 as cidades de Albuquerque e de Corumbá. A outra frente do exército paraguaio, que era comandada pelo coronel Francisco Isidoro Resquin, era integrada por quatro mil homens, invadiram, por terra, uma região ao sul de Mato Grosso, enviando um destacamento para atacar a colônia militar fronteiriça de Dourados. O cerco encontrou brava resistência dos comandados do tenente brasileiro Antônio João Ribeiro e de seus 16 companheiros, que morreram bravamente sem se render, no dia 26 de dezembro de 1864. Os invasores continuaram a empreitada sangrenta invadindo Nioaque e Miranda, derrotando as tropas do coronel José Dias da Silva. Em seguida, enviaram um destacamento até Coxim, que foi tomada em abril de 1865.

A primeira reação brasileira Para competir com os invasores paraguaios, o imperador D.Pedro II enviou uma expedição para combater os invasores em Mato Grosso. Foi enviado 2.780 homens comandados pelo coronel Manuel Pedro Drago, que saiu de Uberaba, em Minas Gerais, em abril de 1865, só chegando em Coxim em dezembro do mesmo ano, após um difícil marcha de mais de dois mil quilômetros através de quatro províncias do Império. Encontrou Coxim já abandonada pelo inimigo. O mesmo ocorreu em Miranda onde chegou em setembro de 1867, o coronel Carlos de Morais Camisão assumiu o comando da coluna, reduzida a 1.680 homens, decidiu invadir o território paraguaio, penetrando até Laguna. A cavalaria inimiga seguiu seus comandados, obrigando-os a recuar – tal ação ficou conhecida como “a retirada da Laguna”.

O Tratado da Tríplice Aliança No dia 01/05/1865, Brasil, Argentina e Uruguai assinaram em Buenos Aires, a aliança contra o Paraguai. No início, as forças militares da Tríplice Aliança eram francamente inferiores às do rival, que contavam com mais de 60 mil homens e uma esquadra de 23 vapores e cinco navios apropriados à navegação fluvial. A artilharia era composta de 400 canhões.


Em contrapartida, as tropas reunidas da Tríplice Aliança, não chegavam a 1/3 das paraguaias. A vantagem dos brasileiros estava em sua Marinha de Guerra: 42 navios com 239 bocas de fogo e cerca de quatro mil homens bem treinados na tripulação. O marquês de Tamandaré era um expoente da Marinha brasileira. Apesar de levar vantagem no mar, o Brasil achava-se despreparado para enfrentar em condições de igualdade seu inimigo. Apesar da imensidão territorial e densidade populacional, nosso país tinha um exército despreparado e diminuto. Tal situação era reflexo da organização escravista da sociedade, que, marginalizando a população livre não proprietária, não se preocupava com a formação de um exército com senso de responsabilidade, disciplina e patriotismo. O serviço militar era visto como um castigo, e seu recrutamento eram arbitrários e violentos – como conseqüência, era evitado pelos jovens brasileiros. As tropas eram constituídas basicamente pelos contingentes armados de chefes políticos gaúchos e por alguns efetivos da Guarda Nacional. A infantaria brasileira que lutou na Guerra do Paraguai não era formada por soldados profissionais, mas pelos denominados Voluntários da Pátria, cidadãos comuns que se apresentavam para lutar. A maioria deles eram escravos, fazendeiros e negros alforriados. A cavalaria era formada pela Guarda Nacional do Rio Grande do Sul.

A invasão do Paraguai Fortalecidos com um efetivo de cinqüenta mil homens, os aliados invadiram o Paraguai, a partir do Passo da Pátria. Comandados pelo General Manuel Luís Osório, com o auxílio da esquadra imperial, transpôs o rio Paraná, onde em 16/04/1866 e conquistaram posição em território inimigo, em Passo da Pátria, uma semana depois. De abril de 1866 a julho de 1868, as operações militares concentraram-se na confluência dos rios Paraguai e Paraná, onde estavam os principais pontos fortificados dos paraguaios. Por dois anos o avanço dos invasores foi bloqueado naquela região, apesar das primeiras vitórias da Tríplice Aliança. A maior batalha campal foi a de Tuiuti, em 20 de maio de 1866 e uma das mais sangrentas do conflito, que foi vencida pelos aliados em 24 de maio do mesmo ano e deixou um saldo de 10.000 mortos. Por motivos de saúde, em julho de 1866 Osório passou o comando do 1º Corpo do Exército brasileiro ao general Polidorio da Fonseca Quintanilha Jordão . O barão de Porto Alegre designou 10.000 homens para atacar as baterias do Forte de Curuzú e do Forte de Curupaiti, que guarneciam a direita da posição de Humaitá, às margens


do rio Paraguai, O fator surpresa, os aliados venceram a bateria de Curuzú, em 03 de setembro pelo barão. Porém, não se obteve êxito em Curupaiti, que resistiu ao ataque de 20 mil argentinos e brasileiros, guiados por Mitre, presidente da Argentina, e por Porto Alegre – apoiados pela esquadra do almirante Tamandaré. O mesmo aconteceu em 22 de setembro, quando os aliados foram dizimados pelo inimigo: cinco mil homens morreram em poucas horas. Tal fracasso gerou uma crise de comando e deteve o avanço dos aliados.

Duque de Caxias assume o comando No segundo período da guerra (1866-1868), por conta dos desentendimentos entre Osório, comandante das forças brasileiras, e Mitre, presidente da Argentina, que se opôs às perseguições aos paraguaios, levou o Imperador do Brasil a substituí-lo. Em 10 de outubro de 1866, foi designado para comandar as forças brasileiras o marechal Luís Alves de Lima e Silva, marquês e, posteriormente Duque de Caxias, que quando chegou ao Paraguai encontrou o exército paralisado. Por causa de epidemias, os contingentes argentinos e uruguaios vinham sendo retirados aos poucos do exército dos aliados. Caxias assumiu o comando geral e providenciou a reestruturação de nosso exército. Entre novembro del1866 e julho de 1867, Caxias organizou um corpo de saúde – para assistir aos inúmeros feridos, e combater a epidemia de cólera-morbo, também organizou um sistema de abastecimento das tropas. Nesse período, as operações militares limitaram-se a escaramuças com os paraguaios e a bombardeios da esquadra contra Curupaiti. López aproveitava a desorganização do inimigo para reforçar suas fortificações em Humaitá. Apesar dos esforços de Caxias, os aliados só reiniciaram a ofensiva em 22 de julho de 1868. A marcha de flanco pela ala esquerda das fortificações paraguaias constituía a base tática de Caxias: ultrapassar o reduto fortificado paraguaio; cortar as ligações entre Assunção e Humaitá e submeter esta última a um cerco. BARBOSA (1985), relata que em 01/03/1870, as tropas do general José Antônio Corrêa da Câmara, liderada pelo Cond’Eu, que era genro de D, Pedro II, surpreendeu o último acampamento paraguaio em Cerro Corá e López foi abatido pelo exército brasileiro. Segundo o autor, suas últimas palavras foram: “Morro com a minha pátria!”. E assim terminou a guerra sangrenta.


Conseqüência: mortalidade PÓMER (1985) salienta que o Paraguai sofreu grande redução populacional por conta da Guerra da Bacia da Prata. O autor destaca que 90% da população paraguaia pereceram ao final dos conflitos, pela fome, doenças e óbitos. Do lado brasileiro, dos cerca de 160 mil homens que combateram na guerra, 50 mil morreram e outros mil ficaram inválidos. O exército uruguaio contava com cerca de 5.600 homens, dos quais pouco mais de 3.100 morreram devido às batalhas ou por doenças. A Argentina perdeu cerca de 18 mil combatentes dentre os quase 30 mil envolvidos. Outros 12 mil civis morreram em decorrência de doenças. Apesar de a guerra ter terminado em março de 1870, os acordos de paz não foram concluídos de imediato. As negociações foram recusadas pela Argentina por não reconhecer a independência do Paraguai. Enfim, a guerra do Paraguai aconteceu durante o século XIX e não foi marcada somente por encontros armados, mas sim, por doenças ocorridas por má alimentação e péssimas condições de higiene. Em dezembro de 1975, os presidentes Ernesto Geisel e Alfredo Stroessner assinaram, em Assunção, um Tratado de Amizade e Cooperação.

Período Pós-Guerra De acordo com BARBOSA (1985), após a guerra, a principal consequência foi a internacionalização das águas paraguaias até o Porto de Coimbra, que se elevou em importante entreposto comercial de Mato Grosso. Por intermédio deste porto, nossa região ganhou expressividade com outras nações. Também houve o surgimento de uma classe capitalista, onde os países estrangeiros participavam das transformações econômicas de Mato Grosso. ALVES (2003, p.61) enfatiza que com o término da guerra do Paraguai, Mato Grosso se desenvolveu. Os rios da Bacia da Prata ficaram movimentados, em consequência disso, o tempo de viagem entre Cuiabá e o Rio de Janeiro, foi reduzido para trinta dias – nesse ínterim, os navios navegavam com o limite de carregamento. Os ingleses enviavam mercadorias que eram vendidos a preços módicos. Mato Grosso foi contemplado com usinas de açúcar, à beira dos rios navegáveis, nas regiões de Santo Antônio de Leverger e de Cáceres. Houve também, o desenvolvimento da indústria extrativista – a borracha e a erva-mate eram exploradas. O


autor destaca que após o confronto platino, surgiram diversas atividades econômicas, com sustentação da Casa Comercial, tendo em vista a instauração da navegação comercial e a desobstrução das vias da Bacia da Prata. ALVES salienta que o comerciante dos portos foi um homem cosmopolita, que expressava, na política, e imaginava o homem e o mundo como sendo universal. O autor em pauta enfatiza que Corumbá, antes da guerra do Paraguai, reunia somente “quatro ranchos de palha”, e que a navegação comercial superava inclusive Cuiabá – capital da Província, que comandava nosso Estado, em fins do século XVIII. Destaca também, Porto Murtinho, Miranda , Aquidauana e Cáceres, não se alavancaram como Corumbá – que por meio de suas influências, colocou até Cuiabá em sua órbita econômica. Conforme as fontes que pesquisamos, Corumbá cresceu vertiginosamente graças ao Comerciante dos Portos, que exerciam domínio pleno. Com isso, Ela foi construída com monumentais edifícios, destacando o Casario do Porto, as ruas e avenidas eram amplas, muitos depósitos e armazéns, pequenas empresas. O lazer e a cultura faziam parte da cidade alta. ALVES (2003,72) destaca que “(...) em 1916, foi implantada a primeira agência matogrossense do Banco do Brasil na cidade de Corumbá”. Salienta também, que só foi consolidada no início da década de vinte, e previsão de criação de outras unidades em Campo Grande e Três Lagoas. Nessa mesma década surgiu a Noroeste do Brasil (NOB) a Porto Esperança, e Corumbá era o entreposto comercial de nosso Estado, lá chegavam diversos navios procedentes de Buenos Aires, Montevidéu e Assunção. Corumbá funcionava como importante intercâmbio comercial com Assunção, Buenos Aires, Montevidéu, Rio de Janeiro, e inclusive os principais centros comerciais da Europa. O abandono do Casario do Porto Segundo ALVES (2003,77-9), com o advento da ferrovia (NOB) e a rede rodoviária integrando nosso Estado ao eixo São Paulo-Santos, Campo Grande se integrou economicamente com as cidades em destaque, golpeando o poderio comercial do grande Comerciante dos Portos, subtraindo sua função de entreposto comercial do Estado de Mato Grosso. O autor salienta que restou ao comerciante dos portos três alternativas: mobilizar seus capitais para produções que sejam mais promissoras, abandonando nosso Estado; transferir seus capitais para outra atividade econômica, como por exemplo, a pecuária ou, não abandonar o seu comércio, sujeitando-se à condição de simples comerciante, sempre


dependendo dos grupos econômicos paulistas, encarregados pelo abastecimento de nossa região. A conseqüência dessa decadência material aconteceu com o Casario do Porto, que foi abandonado progressivamente. Inicialmente, as casas comerciais foram fechadas, e, posteriormente, o prédio foi abandonado. O comércio de Corumbá acontecia em pequena escala, na parte alta da cidade, em especial nas ruas Frei Mariano e Delamare. A década de setenta foi marcada por grandes inundações que deixou ribeirinhos sem casas, alguns prédios do Casario do Porto se transformou em cortiços, abrigando numerosas famílias, conclui o renomado autor. Em alusão à decadência do Casario do Porto, ALVES transcreveu um poema do poeta Manuel de Barros: “Lugar em que há decadência//Em que as casas começam a morrer e são habitadas por morcegos//Em que os capins lhe entram, aos homens casas portas a dentro//Em que os capins lhe subam pernas acima, seres a dentro//Luares encontrarão só pedras, mendigos, cachorros//Terrenos sitiados pelo abandono, apropriados à indigência//Onde os homens terão força da indigência.


Conclusão DORATIOTO (2002,65), enfatiza que a guerra do Paraguai foi em conseqüência das contradições platinas, que se cristalizaram em torno da guerra civil uruguaia, que foi iniciada com o apoio do governo argentino; o Brasil interveio e o Paraguai também. Ele acrescenta que em tal confronto não existia “bandidos” ou “mocinhos”, porém, interesses econômicos. A guerra era vista por diferentes formas: de um lado, Francisco Solano López tinha em mente colocar seu País como potência regional e acessar o mar por Montevidéu; de outro, os blancos, o apoio militar paraguaio contra argentinos e brasileiros para inviabilizar aos dois vizinhos a intervirem no Uruguai. Para o império brasileiro, a guerra contra o Paraguai não era esperada, nem desejada, os imperialistas achavam que nossa vitória seria rápida e poria fim à questão fronteiriça, à livre navegação e à depor Solano López. A pior conseqüência foi a de López, que viu seu país ser arrasado materialmente no final do conflito. POMER (1985,56) destaca que Guido, soldado guarani combatente com as armas que teve acesso e, compôs a seguinte poesia: “Chora, chora Urataú//Nos ramos do Jataí//Já não existe o Paraguai//Onde nasci com tu.”, aludindo à derrota e destruição de seu País, pela guerra sangrenta ocorrida. A guerra sangrenta foi financiada pela Inglaterra porque tinha interesse em manter todos os países latino-americanos como simples fornecedores de matérias-primas, mantendo-os também como consumidores de seus produtos industrializados, salienta POMER. Segundo o autor, foram emprestados 2.664.561,95 libras esterlinas; onde o Brasil emprestou 941.049,20 libras esterlinas. Ele também salienta, que tais empréstimos foram oriundos da Casa Baring Brothers e do Banco Rotschild, Instituições financeiras inglesas.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, Gilberto Luis. Mato Grosso do Sul: o universal e o singular. Campo Grande-MS, Editora Uniderp, 2003. BARBOSA, J. Rodrigues. História do Estado de Mato Grosso do Sul. São Paulo: Editora do Escritor, 1985. DORATIOTA, Francisco. O conflito com o Paraguai: a grande guerra do Brasil. São Paulo: Editora Ática, 2002, 112 p. POMER, Leon. Paraguai: nossa guerra contra esse soldado. São Paulo: Editora Global, 1985, 66p. SALLES, Ricardo. Guerra do Paraguai: memórias e imagens. Editora Miguel de Cervantes, 2003. http//pt.wikipedia.org/guerra-do-paraguai. Acesso em 04/04/2009.

Guerra do paraguai corrigido ii  

Trabalho do 4º ano "B" da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul - UEMS - BRASIL

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you