Page 1

CONTEÚDO DESENVOLVIDO POR

FASCÍCULO

1 DE 8

Guia Enem 2007

NESTA EDIÇÃO

As cinco competências exigidas PÁG. 3

As três características da prova PÁGS. 4 E 5

O teste da interpretação PÁGS. 6 E 7

Planeje já seus estudos PÁG. 8

Começou a contagem regressiva Você tem dois meses para se preparar para a prova que pode facilitar o acesso a quase 1.000 faculdades

E

studantes que concluíram ou estão concluindo o ensino médio têm um grande desafio à frente. Em 26 de agosto será realizado o Exame Nacional do Ensino Médio, o Enem, neste ano em sua nona edição. A prova, que avalia competências e habilidades fundamentais ao exercício da cidadania, é aplicada em caráter voluntário, mas o bom desempenho pode ajudar com pontos extras no processo de seleção de quase 1.000 faculdades em todo o Brasil. O Enem também é um dos pré-requisitos para o aluno que cursou o ensino médio em escola pública se candidatar às vagas do ProUni, o programa de bolsas de estudo do governo federal em faculdades particulares. Esta série de oito fascículos vai ajudá-lo a chegar lá. 1 | R E V ISTA É PO C A | FA S CÍC U L O I

476ESPenemcapa.indd 1

26/6/2007 18:34:47


Guia ÉPOCA Enem 2007 como estudar | habilidades e competências | características | exames | orientação



No caso dos quadrinhos, enumere as falas. identifique-as relacionando-as com as personagens. É sempre bom conhecer o perfil das personagens. Por exemplo, o gato Garfield, mundialmente conhecido, é preguiçoso, adora lasanha e é muito irônico. isso já é suficiente para elaborar várias respostas. No caso de gráficos, estabeleça como se desenvolvem as curvas. Marque o início e o fim do período analisado. estabeleça relações de proporcionalidade: diretamente proporcionais (aumentam ou diminuem concomitantemente) ou inversamente proporcionais (enquanto uma aumenta, a outra diminui). No caso de diagramas, em forma de pizza, por exemplo, compare os “pedaços”. estabeleça visualmente os mais significativos, isto é, os maiores. Geralmente são divididos em porcentuais. Não esqueça de que a soma deve sempre ser 100%. No caso de tabelas, observe as nomenclaturas que encabeçam as colunas e as que sinalizam as linhas. Faça um exercício visual: cruze os dados. compare-os. estabeleça relações de aumento ou redução dos valores apresentados. Não se preocupe com cálculos impossíveis. No enem, as contas são sempre simples. Podem e devem ser realizadas de cabeça.



Foto: Cedoc



cOMO estUDar

O que é preciso para ter sucesso no exame Dez passos para um bom desempenho no Enem

A

leitura diária é fundamental. Leia de tudo: jornais, revistas, livros, sites. escolha mídias ou periódicos sérios e comprometidos com conteúdos atualizados. as ilustrações também devem merecer sua atenção. Não despreze os quadrinhos e as charges. Qualquer formato de reflexão pode ser assunto do enem. também merecem destaque os gráficos, as tabelas, os diagramas. Não esqueça de que em geral metade da prova é constituída de perguntas baseadas nessas ilustrações. Para obter sucesso na prova siga estes dez passos: Leia com atenção o enunciado pelo menos duas vezes. a primeira leitura sempre é superficial. Numa segunda, as entrelinhas se manifestam.

1 2 I

r e v i s ta é p o c a

476ESPenemmiolo.indd 2-3

I

2 3

Localize a palavra-chave, grifando-a. ela é o foco da resposta. atente para as afirmações e para as perguntas. as afirmações são o ponto de partida. O enem é generoso nesse aspecto. Boa parte do enunciado traz elementos que serão utilizados na resposta. Quanto às perguntas, foque exatamente o que se questiona. No caso de poemas, uma terceira leitura se faz necessária. É importante perceber quando ocorrem figuras de linguagem. Os aspectos formais também podem trazer elementos para a interpretação. No caso das charges, sempre contextualize. elas são densas e requerem conhecimento do mundo. estar atualizado é fundamental.

 5

9

10

CONHEÇA ALGUNS SITES ÚTEIS http://www.inep.gov.br Aqui você vai encontrar tudo sobre o Enem. Há provas anteriores com os respectivos gabaritos, além de estatísticas, novidades e informações gerais sobre o exame. http://www.prouni-inscricao. mec.gov.br/prouni No site do proUni, você pode fazer a inscrição on-line, pesquisar faculdades que aderiram ao programa, aferir os requisitos mínimos para participar e conferir os prazos de inscrição. http://portal.mec.gov.br/ No portal do MEC, há informações sobre educação em todos os níveis. Você pode se informar sobre crédito educativo e checar calendários sobre outros programas.

2 d e j u l h o d e 2 020 7| r e V i s t a É P O c a | F a s c í c U L O i

HaBiLiDaDes e cOMPetÊNcias

Ética e crítica também contam ponto A prova valoriza o conhecimento que contribui para a construção de comunidades mais humanas e para a preservação do planeta

A

o estabelecer 63 questões, a prova do enem buscou atender às demandas exemplificadas pelas 21 habilidades, três questões para cada habilidade com níveis diferentes de exigência (fácil, média e difícil). Na prática, porém, as provas em muitos casos apenas tangenciaram essa proposta. ao longo das oito edições do enem, ficou claro que muitas questões ou fi zeram referência a mais de uma habilidade, ou passaram longe delas. além disso, muitas das habilidades propostas na matriz do enem ora fazem referências ao mesmo procedimento lógico, ora apresentam idéias que se repetem. embora se possa fazer algum tipo de crítica à formulação de algumas questões e às posturas metodológicas na formatação da matriz de competências e habilidades, é inegável o avanço que o enem representa nas formas de avaliação da educação em nível médio. É importante dar prioridade à leitura, à contextualização, à complementaridade e à integração entre os vários ramos do saber. a avaliação valoriza a formação de pessoas mais éticas, justas e críticas. a sociedade quer comunidades mais humanas e o planeta preservado em sua biodiversidade. O enem, com sua matriz de competências e habilidades, parece enveredar nessa direção.

Objetivos da prova O exame do enem tem quatro finalidades básicas. são elas:

1

Oferecer uma abrangente referência para que cada aluno-cidadão possa proceder a sua auto-avaliação, facilitando assim suas escolhas profissionais ou acadêmicas futuras; apresentar uma avaliação da aprendizagem ao final do ensino médio que poderia servir como modalidade

2

que complementasse os processos de seleção nos diferentes setores do mercado de trabalho (muitas empresas já se utilizam dessa estratégia); Oferecer às mais diversas instituições uma aferição ao final do ensino médio que sirva como modalidade alternativa ou complementar aos exames de acesso aos cursos profissionalizantes

3

pós-médios e à educação superior (muitas universidades municipais, estaduais, federais e particulares utilizam a nota do enem como parte da nota ou integralmente no processo de avaliação); Promover a participação e criar condições de acesso a programas governamentais, como o ProUni (Programa Universidade para todos).

4

NÍVEIS Há questões fáceis, médias e difíceis para cada habilidade

Foto: FOlHA DE SÃO pAUlO

ANTENA É preciso que o aluno invista tanto na formação como na informação

As cinco competências exigidas Segundo o Documento básico 2000, que se encontra disponível no site do Inep (http://www.inep.gov.br/enem) 1 Dominar a norma culta da língua portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica; 2 Construir e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, processos histórico-geográficos, produção tecnológica e

manifestações artísticas; 3 Selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de diferentes formas, para tomar decisões e enfrentar situações-problema;  relacionar informações, representadas em diferentes formas, e conhecimentos disponíveis em

situações concretas, para construir argumentação consistente; 5 recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaboração de propostas de intervenção solidária na realidade, respeitando os valores humanos e considerando a diversidade sociocultural.

3 | r e V ista É PO c a | Fa scíc U L O i

26/6/2007 18:33:54


Guia ÉPOCA Enem 2007 como estudar | habilidades e competências | características | exames | orientação



No caso dos quadrinhos, enumere as falas. identifique-as relacionando-as com as personagens. É sempre bom conhecer o perfil das personagens. Por exemplo, o gato Garfield, mundialmente conhecido, é preguiçoso, adora lasanha e é muito irônico. isso já é suficiente para elaborar várias respostas. No caso de gráficos, estabeleça como se desenvolvem as curvas. Marque o início e o fim do período analisado. estabeleça relações de proporcionalidade: diretamente proporcionais (aumentam ou diminuem concomitantemente) ou inversamente proporcionais (enquanto uma aumenta, a outra diminui). No caso de diagramas, em forma de pizza, por exemplo, compare os “pedaços”. estabeleça visualmente os mais significativos, isto é, os maiores. Geralmente são divididos em porcentuais. Não esqueça de que a soma deve sempre ser 100%. No caso de tabelas, observe as nomenclaturas que encabeçam as colunas e as que sinalizam as linhas. Faça um exercício visual: cruze os dados. compare-os. estabeleça relações de aumento ou redução dos valores apresentados. Não se preocupe com cálculos impossíveis. No enem, as contas são sempre simples. Podem e devem ser realizadas de cabeça.



Foto: Cedoc



cOMO estUDar

O que é preciso para ter sucesso no exame Dez passos para um bom desempenho no Enem

A

leitura diária é fundamental. Leia de tudo: jornais, revistas, livros, sites. escolha mídias ou periódicos sérios e comprometidos com conteúdos atualizados. as ilustrações também devem merecer sua atenção. Não despreze os quadrinhos e as charges. Qualquer formato de reflexão pode ser assunto do enem. também merecem destaque os gráficos, as tabelas, os diagramas. Não esqueça de que em geral metade da prova é constituída de perguntas baseadas nessas ilustrações. Para obter sucesso na prova siga estes dez passos: Leia com atenção o enunciado pelo menos duas vezes. a primeira leitura sempre é superficial. Numa segunda, as entrelinhas se manifestam.

1 2 I

r e v i s ta é p o c a

476ESPenemmiolo.indd 2-3

I

2 3

Localize a palavra-chave, grifando-a. ela é o foco da resposta. atente para as afirmações e para as perguntas. as afirmações são o ponto de partida. O enem é generoso nesse aspecto. Boa parte do enunciado traz elementos que serão utilizados na resposta. Quanto às perguntas, foque exatamente o que se questiona. No caso de poemas, uma terceira leitura se faz necessária. É importante perceber quando ocorrem figuras de linguagem. Os aspectos formais também podem trazer elementos para a interpretação. No caso das charges, sempre contextualize. elas são densas e requerem conhecimento do mundo. estar atualizado é fundamental.

 5

9

10

CONHEÇA ALGUNS SITES ÚTEIS http://www.inep.gov.br Aqui você vai encontrar tudo sobre o Enem. Há provas anteriores com os respectivos gabaritos, além de estatísticas, novidades e informações gerais sobre o exame. http://www.prouni-inscricao. mec.gov.br/prouni No site do proUni, você pode fazer a inscrição on-line, pesquisar faculdades que aderiram ao programa, aferir os requisitos mínimos para participar e conferir os prazos de inscrição. http://portal.mec.gov.br/ No portal do MEC, há informações sobre educação em todos os níveis. Você pode se informar sobre crédito educativo e checar calendários sobre outros programas.

2 d e j u l h o d e 2 020 7| r e V i s t a É P O c a | F a s c í c U L O i

HaBiLiDaDes e cOMPetÊNcias

Ética e crítica também contam ponto A prova valoriza o conhecimento que contribui para a construção de comunidades mais humanas e para a preservação do planeta

A

o estabelecer 63 questões, a prova do enem buscou atender às demandas exemplificadas pelas 21 habilidades, três questões para cada habilidade com níveis diferentes de exigência (fácil, média e difícil). Na prática, porém, as provas em muitos casos apenas tangenciaram essa proposta. ao longo das oito edições do enem, ficou claro que muitas questões ou fi zeram referência a mais de uma habilidade, ou passaram longe delas. além disso, muitas das habilidades propostas na matriz do enem ora fazem referências ao mesmo procedimento lógico, ora apresentam idéias que se repetem. embora se possa fazer algum tipo de crítica à formulação de algumas questões e às posturas metodológicas na formatação da matriz de competências e habilidades, é inegável o avanço que o enem representa nas formas de avaliação da educação em nível médio. É importante dar prioridade à leitura, à contextualização, à complementaridade e à integração entre os vários ramos do saber. a avaliação valoriza a formação de pessoas mais éticas, justas e críticas. a sociedade quer comunidades mais humanas e o planeta preservado em sua biodiversidade. O enem, com sua matriz de competências e habilidades, parece enveredar nessa direção.

Objetivos da prova O exame do enem tem quatro finalidades básicas. são elas:

1

Oferecer uma abrangente referência para que cada aluno-cidadão possa proceder a sua auto-avaliação, facilitando assim suas escolhas profissionais ou acadêmicas futuras; apresentar uma avaliação da aprendizagem ao final do ensino médio que poderia servir como modalidade

2

que complementasse os processos de seleção nos diferentes setores do mercado de trabalho (muitas empresas já se utilizam dessa estratégia); Oferecer às mais diversas instituições uma aferição ao final do ensino médio que sirva como modalidade alternativa ou complementar aos exames de acesso aos cursos profissionalizantes

3

pós-médios e à educação superior (muitas universidades municipais, estaduais, federais e particulares utilizam a nota do enem como parte da nota ou integralmente no processo de avaliação); Promover a participação e criar condições de acesso a programas governamentais, como o ProUni (Programa Universidade para todos).

4

NÍVEIS Há questões fáceis, médias e difíceis para cada habilidade

Foto: FOlHA DE SÃO pAUlO

ANTENA É preciso que o aluno invista tanto na formação como na informação

As cinco competências exigidas Segundo o Documento básico 2000, que se encontra disponível no site do Inep (http://www.inep.gov.br/enem) 1 Dominar a norma culta da língua portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica; 2 Construir e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, processos histórico-geográficos, produção tecnológica e

manifestações artísticas; 3 Selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de diferentes formas, para tomar decisões e enfrentar situações-problema;  relacionar informações, representadas em diferentes formas, e conhecimentos disponíveis em

situações concretas, para construir argumentação consistente; 5 recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaboração de propostas de intervenção solidária na realidade, respeitando os valores humanos e considerando a diversidade sociocultural.

3 | r e V ista É PO c a | Fa scíc U L O i

26/6/2007 18:33:54


Guia ÉPOCA Enem 2007 como estudar | habilidades e competências | características | exames |

características

Além do conhecimento

ETIMOLOGIA Texto vem do latim textum, tecido. Tecer idéias é estabelecer relações entre as partes

Saber as matérias não basta. O Enem exige dos alunos a percepção de que as disciplinas estão relacionadas entre si e com a realidade extracurricular

O

1

Interdisciplinaridade

A interdisciplinaridade é uma articulação de diversos campos de conhecimento. As disciplinas “dialogam” a fim de fomentar a capacidade de perceber as múltiplas implicações possíveis, quando se analisam acontecimentos naturais ou sociais. As questões propostas são elaboradas a partir de um fenômeno geralmente extraído do cotidiano, de dimensão socioeconômica, política, ecológica, filosófica ou cultural, levando-se em conta sua rede complexa de relações. Uma face importante do trabalho didático que envolve as questões propostas é a que se dá por meio de conceitos como tempo, espaço, dinâmica das transformações sociais, a consciência da complexidade humana e da ética nas relações sociais, a importância da preservação do ambiente, o conhecimento básico das condições necessárias para o pleno exercício da cidadania. As disciplinas acadêmicas são subprodutos de recortes e pré-seleções arbitrários, histórica e ideologicamente construídos. Representam as mais diversas modalidades de interesses e relações de poder que ressaltam, ocultam ou negam outras formas de conhecimento. A partir de conceitos-chave, estimula-se que a cobrança se dê de uma outra  I

r e v i s ta é p o c a

476ESPenemmiolo.indd 4-5

I

maneira. A compreensão de um fenômeno matemático ou de um problema de logística, a descrição de um processo físico ou de uma reação química e as diferentes formas de sensibilização por meio de leituras propostas pela literatura estão interagindo continuamente. Como a consciência da realidade se constrói num processo de interpenetração dos diferentes campos do saber, a interdisciplinaridade é a resposta mais adequada ao modelo anterior. O desenvolvimento das pesquisas científicas e os avanços da tecnologia mostraram que o sujeito pesquisador interfere no objeto pesquisado e que não há neutralidade no conhecimento. A interdisciplinaridade pressupõe colaboração, complementaridade e integração entre os conteúdos das diversas áreas do conhecimento presentes nas propostas curriculares. Trata-se de prática interpretativa que visa a construir significados. O que se busca é a percepção de que todos os fenômenos estão inter-relacionados. Não se aceita mais que se jogue no chão uma bituca de cigarro sem que alguém se responsabilize pelas conseqüências dessa atitude. Enchentes e doenças ligadas às chuvas excessivas combinadas com urina de rato matam pessoas. O efeito estufa se deve provavelmente também a atividades humanas que poderiam ser controladas ou

Foto: globopress

domínio das disciplinas é fundamental para o estudante, mas não é suficiente. É preciso que ele as relacione e perceba que os saberes, embora específicos, não pertencem a compartimentos estanques. A característica principal da prova do Enem talvez seja a relação entre três aspectos fundamentais do conhecimento: a interdisciplinaridade, a intertextualidade e a interpretação, não apenas de textos, mas também de tabelas, gráficos e diagramas. Veja a seguir o que significa cada um desses conceitos.

evitadas. Essas inferências exigem de nós colaboração, complementaridade e integração entre os conteúdos das diversas áreas do conhecimento presentes nas propostas curriculares. .

2

Intertextualidade

Intertextualidade significa relação entre textos. O texto é um todo significativo. A palavra texto vem do latim textum, tecido. Por isso se fala em indústria têxtil. Na significação original está presente a idéia de entrelaçamento de linhas, cordas ou cordões, formando redes ou tramas: o tecido. Há um curioso jogo de palavras, nunca arbitrário, formado por rede (e o que é elaborar enredos?), tramas (construir sobrepondo e entrelaçando idéias) e linhas (metonímia para o sintagma através do qual as idéias se encadeiam). Tecer idéias, construir textos, nada mais é que estabelecer relações entre as partes que compõem esse todo. O Enem exige que se saiba relacionar textos que estabeleçam certo diálogo entre si. Geralmente são confrontados textos que tratam de assuntos correla-

2 d e j u l h o d e 2 04 0 7| r e v i s t a épo c a | f a s c í c ulo I

tos. Às vezes, são as formas de abordagens ou as estruturas morfossintáticas que apresentam correspondências. Referências, alusões, epígrafes, paráfrases, paródias ou pastiches são algumas das formas de intertextualidade (em seu diálogo com a tradição artística), utilizadas como proposta de fundo para outros questionamentos. Escritores consagrados tiveram suas obras reviradas, parodiadas, parafraseadas. Camões retomou diversas cantigas medievais em seus versos redondilhos e soube recuperar idéias e temas de Platão e Petrarca. Gregório de Matos fez uma releitura dos espanhóis Luis de Góngora e Francisco de Quevedo. Oswald de Andrade parodiou Gonçalves Dias, que também foi parodiado por Murilo Mendes e José Paulo Paes. Carlos Drummond recicla Tomás Antônio Gonzaga. Adélia Prado, por sua vez, recupera Drummond. Machado de Assis traduz Edgar Allan Poe e o recupera em

sua borboleta de Memórias Póstumas. O famoso “No Meio do Caminho”, de Drummond, ecoa a obra de Olavo Bilac, “Nel Mezzo del Camin”, que por sua vez é uma retomada de Dante Alighieri. O mesmo se dá com as recriações em relação ao cinema, ao teatro, à música, à escultura, enfim, à arte de modo geral. De uma perspectiva mais ousada, podemos dizer que os próprios gráficos, os diagramas, as tabelas, os quadrinhos, as charges, as ilustrações de modo geral são textos não-verbais que dialogam com outros textos, com os enunciados e até com as próprias alternativas.

É comum encontrar no exame textos de diferentes autores que tratam de assuntos correlatos

3

Interpretação

Interpretar (inter = entre + pretor = preço) é determinar o significado preciso, entender, avaliar. Interpretação vem do latim interpretationis. Palavra que, no final da Idade Média, já tinha

o significado de “explicação, tradução, compreensão”, mas também “avaliação ou decisão”. Era o “entrepreço” praticado nos entrepostos medievais, cujos mercadores de diferentes burgos buscavam padronizar na vaga tentativa de traduzir as diversificadas falas ou dialetos, indicando valores, equivalências. Era papel então do intérprete traduzir ou decidir o valor, o preço da mercadoria em questão. Atualmente interpretar é ainda um pouco disso tudo. É “ajuizar certo sentido”, é “verter ou traduzir o significado de um termo de uma língua estrangeira”, é “determinar um valor equivalente”. Quando deparamos com um texto cujos sentidos latentes precisam ser alcançados, ajuizados ou vertidos, estamos fazendo um exercício de interpretação. Ocorre nesse momento a necessidade de se conhecerem as entrelinhas, os meandros, os pressupostos, as figuras de linguagem e suas correspondências semânticas, enfim, as idéias subjacentes. A interpretação é uma competência relacionada a conhecimento subjacente. Quando transportamos essas definições para o campo dos gráficos, tabelas e diagramas, percebemos a mesma necessidade, ainda que de um modo mais “algébrico” ou “lógico”, menos sujeito a ambigüidades. Em planos cartesianos, nas quantidades especificadas nas tabelas ou nas áreas relativas dos diagramas, o que prevalece é a relação ou proporção matemática, na forma de vetores ou de curvas. Continuamos coletando os sentidos latentes que precisam ser alcançados, ajuizados ou vertidos. Estamos fazendo aí também um exercício de interpretação. Roberto Dalefi

5 | r e v i s t a épo c a | f a s c í c ulo I

26/6/2007 18:34:05


Guia ÉPOCA Enem 2007 como estudar | habilidades e competências | características | exames |

características

Além do conhecimento

ETIMOLOGIA Texto vem do latim textum, tecido. Tecer idéias é estabelecer relações entre as partes

Saber as matérias não basta. O Enem exige dos alunos a percepção de que as disciplinas estão relacionadas entre si e com a realidade extracurricular

O

1

Interdisciplinaridade

A interdisciplinaridade é uma articulação de diversos campos de conhecimento. As disciplinas “dialogam” a fim de fomentar a capacidade de perceber as múltiplas implicações possíveis, quando se analisam acontecimentos naturais ou sociais. As questões propostas são elaboradas a partir de um fenômeno geralmente extraído do cotidiano, de dimensão socioeconômica, política, ecológica, filosófica ou cultural, levando-se em conta sua rede complexa de relações. Uma face importante do trabalho didático que envolve as questões propostas é a que se dá por meio de conceitos como tempo, espaço, dinâmica das transformações sociais, a consciência da complexidade humana e da ética nas relações sociais, a importância da preservação do ambiente, o conhecimento básico das condições necessárias para o pleno exercício da cidadania. As disciplinas acadêmicas são subprodutos de recortes e pré-seleções arbitrários, histórica e ideologicamente construídos. Representam as mais diversas modalidades de interesses e relações de poder que ressaltam, ocultam ou negam outras formas de conhecimento. A partir de conceitos-chave, estimula-se que a cobrança se dê de uma outra  I

r e v i s ta é p o c a

476ESPenemmiolo.indd 4-5

I

maneira. A compreensão de um fenômeno matemático ou de um problema de logística, a descrição de um processo físico ou de uma reação química e as diferentes formas de sensibilização por meio de leituras propostas pela literatura estão interagindo continuamente. Como a consciência da realidade se constrói num processo de interpenetração dos diferentes campos do saber, a interdisciplinaridade é a resposta mais adequada ao modelo anterior. O desenvolvimento das pesquisas científicas e os avanços da tecnologia mostraram que o sujeito pesquisador interfere no objeto pesquisado e que não há neutralidade no conhecimento. A interdisciplinaridade pressupõe colaboração, complementaridade e integração entre os conteúdos das diversas áreas do conhecimento presentes nas propostas curriculares. Trata-se de prática interpretativa que visa a construir significados. O que se busca é a percepção de que todos os fenômenos estão inter-relacionados. Não se aceita mais que se jogue no chão uma bituca de cigarro sem que alguém se responsabilize pelas conseqüências dessa atitude. Enchentes e doenças ligadas às chuvas excessivas combinadas com urina de rato matam pessoas. O efeito estufa se deve provavelmente também a atividades humanas que poderiam ser controladas ou

Foto: globopress

domínio das disciplinas é fundamental para o estudante, mas não é suficiente. É preciso que ele as relacione e perceba que os saberes, embora específicos, não pertencem a compartimentos estanques. A característica principal da prova do Enem talvez seja a relação entre três aspectos fundamentais do conhecimento: a interdisciplinaridade, a intertextualidade e a interpretação, não apenas de textos, mas também de tabelas, gráficos e diagramas. Veja a seguir o que significa cada um desses conceitos.

evitadas. Essas inferências exigem de nós colaboração, complementaridade e integração entre os conteúdos das diversas áreas do conhecimento presentes nas propostas curriculares. .

2

Intertextualidade

Intertextualidade significa relação entre textos. O texto é um todo significativo. A palavra texto vem do latim textum, tecido. Por isso se fala em indústria têxtil. Na significação original está presente a idéia de entrelaçamento de linhas, cordas ou cordões, formando redes ou tramas: o tecido. Há um curioso jogo de palavras, nunca arbitrário, formado por rede (e o que é elaborar enredos?), tramas (construir sobrepondo e entrelaçando idéias) e linhas (metonímia para o sintagma através do qual as idéias se encadeiam). Tecer idéias, construir textos, nada mais é que estabelecer relações entre as partes que compõem esse todo. O Enem exige que se saiba relacionar textos que estabeleçam certo diálogo entre si. Geralmente são confrontados textos que tratam de assuntos correla-

2 d e j u l h o d e 2 04 0 7| r e v i s t a épo c a | f a s c í c ulo I

tos. Às vezes, são as formas de abordagens ou as estruturas morfossintáticas que apresentam correspondências. Referências, alusões, epígrafes, paráfrases, paródias ou pastiches são algumas das formas de intertextualidade (em seu diálogo com a tradição artística), utilizadas como proposta de fundo para outros questionamentos. Escritores consagrados tiveram suas obras reviradas, parodiadas, parafraseadas. Camões retomou diversas cantigas medievais em seus versos redondilhos e soube recuperar idéias e temas de Platão e Petrarca. Gregório de Matos fez uma releitura dos espanhóis Luis de Góngora e Francisco de Quevedo. Oswald de Andrade parodiou Gonçalves Dias, que também foi parodiado por Murilo Mendes e José Paulo Paes. Carlos Drummond recicla Tomás Antônio Gonzaga. Adélia Prado, por sua vez, recupera Drummond. Machado de Assis traduz Edgar Allan Poe e o recupera em

sua borboleta de Memórias Póstumas. O famoso “No Meio do Caminho”, de Drummond, ecoa a obra de Olavo Bilac, “Nel Mezzo del Camin”, que por sua vez é uma retomada de Dante Alighieri. O mesmo se dá com as recriações em relação ao cinema, ao teatro, à música, à escultura, enfim, à arte de modo geral. De uma perspectiva mais ousada, podemos dizer que os próprios gráficos, os diagramas, as tabelas, os quadrinhos, as charges, as ilustrações de modo geral são textos não-verbais que dialogam com outros textos, com os enunciados e até com as próprias alternativas.

É comum encontrar no exame textos de diferentes autores que tratam de assuntos correlatos

3

Interpretação

Interpretar (inter = entre + pretor = preço) é determinar o significado preciso, entender, avaliar. Interpretação vem do latim interpretationis. Palavra que, no final da Idade Média, já tinha

o significado de “explicação, tradução, compreensão”, mas também “avaliação ou decisão”. Era o “entrepreço” praticado nos entrepostos medievais, cujos mercadores de diferentes burgos buscavam padronizar na vaga tentativa de traduzir as diversificadas falas ou dialetos, indicando valores, equivalências. Era papel então do intérprete traduzir ou decidir o valor, o preço da mercadoria em questão. Atualmente interpretar é ainda um pouco disso tudo. É “ajuizar certo sentido”, é “verter ou traduzir o significado de um termo de uma língua estrangeira”, é “determinar um valor equivalente”. Quando deparamos com um texto cujos sentidos latentes precisam ser alcançados, ajuizados ou vertidos, estamos fazendo um exercício de interpretação. Ocorre nesse momento a necessidade de se conhecerem as entrelinhas, os meandros, os pressupostos, as figuras de linguagem e suas correspondências semânticas, enfim, as idéias subjacentes. A interpretação é uma competência relacionada a conhecimento subjacente. Quando transportamos essas definições para o campo dos gráficos, tabelas e diagramas, percebemos a mesma necessidade, ainda que de um modo mais “algébrico” ou “lógico”, menos sujeito a ambigüidades. Em planos cartesianos, nas quantidades especificadas nas tabelas ou nas áreas relativas dos diagramas, o que prevalece é a relação ou proporção matemática, na forma de vetores ou de curvas. Continuamos coletando os sentidos latentes que precisam ser alcançados, ajuizados ou vertidos. Estamos fazendo aí também um exercício de interpretação. Roberto Dalefi

5 | r e v i s t a épo c a | f a s c í c ulo I

26/6/2007 18:34:05


Guia ÉPOCA Enem 2007 como estudar | habilidades e competências | características | exames | orientação

exames

Habilidade 1: Dada a descrição de um experimento de natureza científica, tecnológica ou social, identificar variáveis relevantes e selecionar os instrumentos necessários para a realização ou interpretação do mesmo

1Nooprimeiro exemplo dia do inverno no Hemisfério Sul, uma atividade de observação de sombras é realizada por alunos de Macapá, Porto Alegre e Recife. Para isso, utiliza-se uma vareta de 30 centímetros fincada no chão na posição vertical. Para marcar o tamanho e a posição da sombra, o chão é forrado com uma folha de cartolina, como mostra a figura abaixo.

Nas figuras abaixo, estão representadas as sombras projetadas pelas varetas nas três cidades, no mesmo instante, ao meio-dia. A linha pontilhada indica a direção Norte–Sul.

(A) litoral. (B) Equador. (C) nível do mar. (D) Trópico de Capricórnio. (E) Meridiano de Greenwich. Resposta comentada: A questão traz um texto sobre atividade realizada por alunos de Macapá, Porto Alegre e Recife sobre observação de sombras no inverno a partir de um experimento com varetas. Temos também uma ilustração do experimento. Propõe-se identificar variáveis relevantes e selecionar os instrumentos necessários para sua realização ou interpretação. A resposta adequada exigiu do participante a capacidade de estabelecer as relações entre o comprimento da projeção de sombras em diferentes localidades do Brasil e seu distanciamento em relação a um ponto de referência, a partir dos dados apresentados: direção Norte–Sul, distanciamento em relação ao Equador, projeção de sombras e posição do Sol. Como se pode observar nas figuras, o comprimento das sombras é menor quanto mais ao norte do Brasil a cidade está (nesse caso, Macapá). Dessa forma, será maior quanto mais ao sul estiver (nesse caso, Porto Alegre), portanto mais longe do Equador.

Ilustrações: Paulo Zilberman

2o exemplo Pelos resultados da experiência, num mesmo instante, no Recife a sombra se projeta à direita e nas outras duas cidades à esquerda da linha pontilhada na cartolina. É razoável, então, afirmar que existe  I

r e v i s ta é p o c a

476ESPenemmiolo.indd 6-7

I

2 d e j u l h o d e 2 06 0 7| r e v i s t a épo c a | f a s c í c ulo I

uma localidade em que a sombra deverá estar bem mais próxima da linha pontilhada, em vias de passar de um lado para o outro. Em que localidade, entre as listadas abaixo, seria mais provável que isso ocorresse? (A) Natal. (B) Manaus. (C) Cuiabá. (D) Brasília. (E) Boa Vista. Resposta comentada: A mesma habilidade é cobrada. Propõe-se uma variante de texto sobre o mesmo assunto, a mesma ilustração. O participante, na resolução dessa questão, deveria mostrar a capacidade de deduzir, a partir do texto e das ilustrações, em qual das cidades (no caso, a resposta deveria ser Brasília, pois está mais ao centro em relação às duas outras cidades citadas) apontadas nas alternativas a sombra estaria mais próxima da linha de referência Norte–Sul. O que se cobra é a posição mais próxima da linha pontilhada, que é a longitude intermediária entre Recife (sombra a leste) e Porto Alegre e Macapá (sombras a oeste), portanto, a localidade é Brasília.

3o exemplo A gasolina é vendida por litro, mas, em sua utilização como combustível, a massa é o que importa. Um aumento da temperatura do ambiente leva a um aumento no volume da gasolina. Para diminuir os efeitos práticos dessa variação, os tanques dos postos de gasolina são subterrâneos. Se os tanques não fossem subterrâneos:

I

Você levaria vantagem ao abastecer o carro na hora mais quente do dia, pois estaria comprando mais massa por litro de combustível.

II

Abastecendo com a temperatura mais baixa, você estaria comprando mais massa de combustível para cada litro. Se a gasolina fosse vendida por quilo em vez de por litro, o problema comercial decorrente da dilatação da gasolina estaria resolvido.

III

Dessas considerações, somente (A) I é correta. (B) II é correta. (C) III é correta. (D) I e II são corretas. (E) II e III são corretas. Resposta comentada: A única afirmação incorreta (I) aponta uma vantagem ao abastecer o carro “na hora mais quente do dia”, pois se “estaria comprando mais massa por litro de combustível”. Ledo engano. Temos uma descrição discursiva sobre um fenômeno físico. O participante deveria identificar as variáveis relevantes: o conhecimento dos conceitos e das relações entre peso, massa e volume, em diferentes temperaturas. Deveria ser capaz de estabelecer corretamente essas relações em uma situação concreta, evitando uma associação direta, em que o aumento de volume levaria ao aumento de massa. Nos postos, o aumento de temperatura levaria a um aumento de volume, mas não da massa.

R E S P O S TA S 1a Habilidade: 1o (B) 2o (D) 3o (E)

Avalie sua interpretação

Levando-se em conta a localização dessas três cidades no mapa, podemos afirmar que os comprimentos das sombras serão tanto maiores quanto maior for o afastamento da cidade em relação ao

@

Faça nosso simulado on-line

Responda às 63 questões no site e conheça sua pontuação e o gabarito no final. Em 18 de julho, publicaremos o ranking entre os participantes.

Comece a treinar já em www.epoca.com.br

7 | r e v i s t a épo c a | f a s c í c ulo2 Id e j u l h o d e 2 0 0 7 I r e v i s ta é p o c a I 

26/6/2007 18:34:06


Guia ÉPOCA Enem 2007 como estudar | habilidades e competências | características | exames | orientação

exames

Habilidade 1: Dada a descrição de um experimento de natureza científica, tecnológica ou social, identificar variáveis relevantes e selecionar os instrumentos necessários para a realização ou interpretação do mesmo

1Nooprimeiro exemplo dia do inverno no Hemisfério Sul, uma atividade de observação de sombras é realizada por alunos de Macapá, Porto Alegre e Recife. Para isso, utiliza-se uma vareta de 30 centímetros fincada no chão na posição vertical. Para marcar o tamanho e a posição da sombra, o chão é forrado com uma folha de cartolina, como mostra a figura abaixo.

Nas figuras abaixo, estão representadas as sombras projetadas pelas varetas nas três cidades, no mesmo instante, ao meio-dia. A linha pontilhada indica a direção Norte–Sul.

(A) litoral. (B) Equador. (C) nível do mar. (D) Trópico de Capricórnio. (E) Meridiano de Greenwich. Resposta comentada: A questão traz um texto sobre atividade realizada por alunos de Macapá, Porto Alegre e Recife sobre observação de sombras no inverno a partir de um experimento com varetas. Temos também uma ilustração do experimento. Propõe-se identificar variáveis relevantes e selecionar os instrumentos necessários para sua realização ou interpretação. A resposta adequada exigiu do participante a capacidade de estabelecer as relações entre o comprimento da projeção de sombras em diferentes localidades do Brasil e seu distanciamento em relação a um ponto de referência, a partir dos dados apresentados: direção Norte–Sul, distanciamento em relação ao Equador, projeção de sombras e posição do Sol. Como se pode observar nas figuras, o comprimento das sombras é menor quanto mais ao norte do Brasil a cidade está (nesse caso, Macapá). Dessa forma, será maior quanto mais ao sul estiver (nesse caso, Porto Alegre), portanto mais longe do Equador.

Ilustrações: Paulo Zilberman

2o exemplo Pelos resultados da experiência, num mesmo instante, no Recife a sombra se projeta à direita e nas outras duas cidades à esquerda da linha pontilhada na cartolina. É razoável, então, afirmar que existe  I

r e v i s ta é p o c a

476ESPenemmiolo.indd 6-7

I

2 d e j u l h o d e 2 06 0 7| r e v i s t a épo c a | f a s c í c ulo I

uma localidade em que a sombra deverá estar bem mais próxima da linha pontilhada, em vias de passar de um lado para o outro. Em que localidade, entre as listadas abaixo, seria mais provável que isso ocorresse? (A) Natal. (B) Manaus. (C) Cuiabá. (D) Brasília. (E) Boa Vista. Resposta comentada: A mesma habilidade é cobrada. Propõe-se uma variante de texto sobre o mesmo assunto, a mesma ilustração. O participante, na resolução dessa questão, deveria mostrar a capacidade de deduzir, a partir do texto e das ilustrações, em qual das cidades (no caso, a resposta deveria ser Brasília, pois está mais ao centro em relação às duas outras cidades citadas) apontadas nas alternativas a sombra estaria mais próxima da linha de referência Norte–Sul. O que se cobra é a posição mais próxima da linha pontilhada, que é a longitude intermediária entre Recife (sombra a leste) e Porto Alegre e Macapá (sombras a oeste), portanto, a localidade é Brasília.

3o exemplo A gasolina é vendida por litro, mas, em sua utilização como combustível, a massa é o que importa. Um aumento da temperatura do ambiente leva a um aumento no volume da gasolina. Para diminuir os efeitos práticos dessa variação, os tanques dos postos de gasolina são subterrâneos. Se os tanques não fossem subterrâneos:

I

Você levaria vantagem ao abastecer o carro na hora mais quente do dia, pois estaria comprando mais massa por litro de combustível.

II

Abastecendo com a temperatura mais baixa, você estaria comprando mais massa de combustível para cada litro. Se a gasolina fosse vendida por quilo em vez de por litro, o problema comercial decorrente da dilatação da gasolina estaria resolvido.

III

Dessas considerações, somente (A) I é correta. (B) II é correta. (C) III é correta. (D) I e II são corretas. (E) II e III são corretas. Resposta comentada: A única afirmação incorreta (I) aponta uma vantagem ao abastecer o carro “na hora mais quente do dia”, pois se “estaria comprando mais massa por litro de combustível”. Ledo engano. Temos uma descrição discursiva sobre um fenômeno físico. O participante deveria identificar as variáveis relevantes: o conhecimento dos conceitos e das relações entre peso, massa e volume, em diferentes temperaturas. Deveria ser capaz de estabelecer corretamente essas relações em uma situação concreta, evitando uma associação direta, em que o aumento de volume levaria ao aumento de massa. Nos postos, o aumento de temperatura levaria a um aumento de volume, mas não da massa.

R E S P O S TA S 1a Habilidade: 1o (B) 2o (D) 3o (E)

Avalie sua interpretação

Levando-se em conta a localização dessas três cidades no mapa, podemos afirmar que os comprimentos das sombras serão tanto maiores quanto maior for o afastamento da cidade em relação ao

@

Faça nosso simulado on-line

Responda às 63 questões no site e conheça sua pontuação e o gabarito no final. Em 18 de julho, publicaremos o ranking entre os participantes.

Comece a treinar já em www.epoca.com.br

7 | r e v i s t a épo c a | f a s c í c ulo2 Id e j u l h o d e 2 0 0 7 I r e v i s ta é p o c a I 

26/6/2007 18:34:06


Guia ÉPOCA Enem 2007 como estudar | habilidades e competências | características | exames | orientação

orientação

Como usar esta coleção Em cada fascículo, quatro habilidades; a série fecha com redação e simulado

A

s cinco competências avaliadas pelo Enem (veja o texto à pág. 3) são expressas por meio de 21 habilidades. A primeira delas é objeto dos três testes das páginas 6 e 7 deste fascículo. Até o fim da série serão resolvidas e comentadas questões referentes às outras habilidades, de acordo com o calendário abaixo. Os testes foram retirados do exame de 1999. No fascículo da próxima semana, serão apresentadas questões referentes a outras quatro habilidades. São elas:

Habilidade 2 Em um gráfico cartesiano de variável socieconômica ou técnico-científica, identificar e analisar valores das va-

riáveis, intervalos de crescimento ou decréscimo e taxas de variação.

Habilidade 3 Dada uma distribuição estatística de variável social, econômica, física, química ou biológica, traduzir e interpretar as informações disponíveis, ou reorganizá-las, objetivando interpolações ou extrapolações.

Habilidade 4 Dada uma situação-problema, apresentada em uma linguagem de determinada área de conhecimento, relacioná-la com sua formulação em outras linguagens ou vice-versa.

Habilidade 5 A partir da leitura de textos literários consagrados e de informações sobre concepções artísticas, estabelecer relações entre eles e seu contexto histórico, social, político ou cultural, inferindo as escolhas dos temas, gêneros discursivos e recursos expressivos dos autores. Conhecer essas habilidades é fundamental para a realização da prova, que terá 63 questões de múltipla escolha (três para cada habilidade) e uma proposta de redação de natureza dissertativo-argumentativa. A redação será tratada no fascículo 7. O último, que circula uma semana antes do Enem, será dedicado a um simulado.

O exame será realizado em 26 de agosto, um domingo, a partir das 13 horas (horário de Brasília) e com duração de cinco horas. Os portões de acesso aos locais de prova serão abertos às 12 horas e fechados às 13 horas impreterivelmente. A aplicação das provas é descentralizada. Os exames em geral são feitos nas próprias escolas onde estudam os alunos da 3a série.

Calendário Fascículo

Diretor Executivo Juan Ocerin Diretor Editorial Paulo Nogueira Diretor de Mercado Anunciante Gilberto Corazza Diretor de Finanças Frederic Zoghaib Kachar Diretor de Assinaturas Stavros Frangoulidis Neto

Habilidade

1

1

2

2 a 5 – Próxima semana

3

6a9

4

10 a 13

Sede Administrativa – São Paulo - Av. Jaguaré, 1485, Jaguaré, CEP 05346-902, São Paulo, SP - Fone (11) 3767-7000

5

14 a 17

6

18 a 21

O guia Época ENEM 2007 é um projeto editorial de 8 fascículos desenvolvido pelo UNO Sistema de Ensino da Editora Moderna para a Editora Globo. © 2007 Editora Moderna e Editora Globo. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta coleção pode ser reproduzida sem autorização prévia da Editora Moderna e da Editora Globo.

7

Redação

8

Simulado

DIRETOR DE REDAÇÃO Helio Gurovitz epocadir@edglobo.com.br REDATOR-CHEFE David Cohen DIRETOR DE CRIAÇÃO Saulo Ribas EDITORES-EXECUTIVOS André Fontenelle, David Friedlander DIRETOR DE ARTE Marcos Marques

Coordenação geral do projeto Ana Luisa Astiz Coordenação pedagógica Carlos Piatto (UNO) Comentários e respostas Superium Vestibulares, sob supervisão do prof. Roberto Dalefi Edição de texto Oscar Pilagallo Edição de arte Leonardo Nery Protti Ilustrações Paulo Zilberman Revisão Bel Ribeiro Supervisora de internet Adriana Isidi

Obs.: veja a descrição das habilidades no site do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep): http://www.inep.gov.br/enem

 I

r e v i s ta é p o c a

476ESPenemmiolo.indd 8

I

2 d e j u l h o d e 2 080 7| r e v i s t a épo c a | f a s c í c ulo I

26/6/2007 18:34:07

Fascículo 1  

fascículo 1