Page 77

11. EVITANDO SILABADAS: SAIBA QUAL A SÍLABA TÔNICA

Parece exagero dizer da sílaba tônica que é a alma da palavra. Mas se observarmos a evolução de uma palavra do latim falado para o português, a verificação se impõe: por maiores que sejam as alterações fonéticas sofridas, mantém-se a sílaba tônica. Veja alguns exemplos: O tratamento medieval latino vostra mercede (pronunciado como se fosse uma só palavra, vostramercede) sofreu na boca do povo, através dos tempos, uma série de transformações: vossa mercê, vossemecê, vosmecê até reduzir-se a você (e mesmo a cê, na fala apressada e vulgar, em frases como “— Cê sabia?”, “— Cê é bobo!”). Com todas essas modificações, persistiu a sílaba tônica ce! Incredulu perdeu o d e o l, porém manteve a sílaba tônica na resultante incréu, hoje menos usada que a forma culta incrédulo. Córrego reduz-se, na fala popular, a corgo, tal como música a musga e cócega a cosca (donde cosquinha), sempre mantendo a mesma sílaba forte. Já em palavras entradas em português por via escrita (V. o capítulo “Nossa herança latina”), como em latim não se usavam os nossos acentos, por vezes houve deslocamento da tônica. Alguns exemplos: limite, proparoxítono em latim (sílaba tônica li), tornou-se paroxítono: limite. (O mesmo latim limite, por via normal, falada, produziu linde, com o mesmo sentido de “limite”, como você poderá ver num dicionário etimológico, conservando, neste caso, a sílaba tônica.); oceanu, também proparoxítona em latim, deu-nos oceano, por via escrita culta, com mudança da sílaba tônica; pântano teve deslocada a sílaba tônica, pois no latim medieval era vocábulo

Profile for Carlos Duarte

Adriano da Gama Kury - Para falar e escrever melhor o português  

oi.

Adriano da Gama Kury - Para falar e escrever melhor o português  

oi.

Advertisement