Page 1

1

_______________________________________________________________________Por Carlos Coléct

Três elementos que evidenciam o

Governo de D’us( hwhy


2 Três elementos que evidenciam o Governo de D’us _____________________________________________________________________________________ Tenho nesses dias prestado atenção e meditado sobre o que havia dentro da Arca do Testemunho.Creio que isso pode ter muito relevância para as nossas vidas. Mas antes de dar ínicio especificamente neste tema, e na figura da arca, eu quero aqui fazer uma breve introdução, e um resumo das figuras que haviam no Tabernáculo de Moisés, e creio que nos revela um caminho antes de se chegar naquilo que a arca representa. Então, temos no tabernáculo: o pátio, o santuário e o santo dos santos. 1. No pátio havia o altar de sacrifícios e a pia. 2. No santuário tínhamos o candelabro,a mesa dos pães, altar de incenso e o Véu. 3. E por fim, temos o Santo dos santos, que havia ali a Arca da Aliança. Portanto, para que o sacerdote chegasse na Arca se fazia necessário passar antes pelo PATIO e pelo SANTUÁRIO. Todo o Tabernáculo traz a pessoa do Messias Yeshua, e nesta revelação que foi trazida ao Povo de Israel, está contida o nosso modo de caminhar em Yeshua.Desde a porta até o santíssimo lugar, fala-nos dos níveis de nossa vida no Messias. Então, temos : O pátio - Porta, a qual é Yeshua(não entrarei em detalhes), mas em Jo 10.9, nos declara que Ele é a porta e quem estrar por Ele será salvo. - O altar de sacrifício: onde nos fazemos participantes do sacrifício de Yeshua, morrendo com Ele para alcançar a sua ressurreição. Matamos o nosso Eu, o velho homem, a natureza caída, os nossos valores errados e distorcidos, e derramamos o nosso sangue, e sangue fala de vida, então, derramamos nossa vida perante Ele.E assim nos arrependemos. - A pía de bronze: aqui nos lavamos. O sacerdote lavava seus pés e mãos. E assim é o próximo passo que damos, ou seja, lavamos as nossas mãos, o que simboliza tudo aquilo que fazemos, e também purificamos os nossos pés, isto é, o caminho por onde andamos.E é interessante que a água nas escrituras representam a Palavra do Eterno, a qual nos santifica e nos purifica de acordo com Jo 17.17. E outra coisa interessante é que a pía de bronze era espelhada, ao se lavar, o sacerdote via a sua imagem refletida na pía.Então, sendo assim, purificamos nossas obras(mãos) e o nosso caminho( pés) na Palavra do Eterno(escrituras), e a medida que fazemos isto, nós vamos descobrindo a nossa imagem e quem somos. Aqui, subimos de nível(se assim posso dizer), entramos no santuário: - Menorá(candelabro 7 pontas): a Menorá fala de óleo, que simboliza unção, consagração, o que consequentemente traz a figura do Espírito(ruach), pois quando há uma consagração há o soprar do Espírito. O Candelabro também fala de Luz, iluminar. Desta forma, entramos em um nível de consagração, de separação, onde recebemos o Espírito para um propósito especifico ,e com também com o objetivo de guardarmos seus mandamentos e assim adquirimos a revelação e luz do Senhor(Luz esta que é Yeshua- a luz do Mundo), e passamos a ser guiados pelo Espírito do Eterno. - Mesa dos pães: Entendo que tipifica o Corpo do Messias. Pão fala do Corpo de Cristo que foi partido. Então, creio que aqui, o momento é de se ter a revelação do que significa este Corpo e assim ter comunhão com ele(corpo). É um tempo de participar de uma comunhão junto com outros que estão neste mesmo caminho.


3 - Altar de incenso: Chegamos ao ponto antes de atravessarmos o véu para o santíssimo lugar.E este lugar nos fala de louvor, oração e perfume. Adentramos em uma vida mais profunda de louvor, de oração, e em uma vida que exala o bom perfume de Cristo, e isto também fala de um modo de vida coerente com os princípios do Pai. E é interessante que o incenso não poderia ser inalado pelo sacerdote, ou seja, aquilo que fazemos não é para deleite próprio, é para Ele, somente para Ele. - Véu: o véu era feito de linho fino, de tecido azul, púrpura, carmesim. E estes elementos nos trazem a idéia de uma realiza. Ao meu ver como a porta de entrado do Trono do Rei. Portando, agora desfrutamos de um nível mais profunto no relacionamento com o Eterno, com o Rei, com o Pai, com o Senhor. Passamos a viver uma maior realidade do Seu Reino por meio de Yeshua, no Santo dos Santos. Bom, então já vimos um caminho para se chegar a Arca da Aliança, e este caminho todos os que se achegam a Yeshua devem passar, e isto não é de um dia para o outro, mas sim um caminho percorrido dia após dia. Desta forma, daremos continuidade a este assunto mais especificamente nesta figura da Arca, a qual esta no santíssimo lugar, e só aqueles que já chegaram neste local é que desfrutaram do que esta arca pode nos representar. Segundo Hebreus 9.4 é relatado que dentro da Arca havia três elementos: o Maná, as Tabuas da Lei (tora) e a vara de Arão. Veremos que estes três podem ter alguns significados quanto ao Governo de D’us. Primeiramente vejamos a Arca como um símbolo do Governo de D’us,pois sengundo Ex 25.22, o Senhor vinha sobre a arca por cima dos querubins estabelecer o Senhorio decretando o seu Governo sobre a nação de Israel.Outra coisa que percebo é que o que havia em seu interior tem muito a ver com o que as Escrituras falam sobre Yeshua. 1)Maná – Pão vivo que desceu do Céu ( Jo 6.51)/ 2)Torah – Verbo(palavra) Viva (Jo 1.14)/ 3)Vara de Arão –Sacerdote ( Hb 9.11)

Visto que Yeshua tem o governo sobre os seus ombros, de acordo com Isaías 9.6 e representa o Reino do Pai.Compreendo que onde há o Governo de D’us há estes três elementos, pois aonde a Arca estava , o que havia em seu interior também estava e era isto que evidenciava o Governo do Senhor sobre os Filhos de Israel, assim como o andar de Yeshua na terra como sendo o Pão Vivo, o Verbo Vivo e Sacerdote demonstrava, tornava evidente o Reino do Pai por onde passava. Agora, um outro entendimento que podemos ter quanto a isto, é sondarmos as nossa vidas para que assim possamos ver se há ou não o governo de D’us em nossa maneira de viver a partir da presença ou não desses elementos.Falo tanto de uma forma pessoal quanto comunitária, porém veremos também que toda essa questão do conteúdo da Arca , fala muito a respeito da nossa vida integral, ou seja, corpo, alma e espírito. Mas então, o que estas três representações podem significar para nós? Para responder esta questão faremos algumas citações das escrituras.A princípio parece ser meio confuso, mas faça uma correlação com os textos e ficará mais claro. 1.Maná – é o Pão, cuja a Palavra faz várias analogias como sendo uma figura simbolizando o Corpo de Cristo, isto é , a sua própria carne.E justamente no primeiro texto a seguir, Jesus faz uma comparação com o Maná do deserto e Ele próprio.Já no segundo verso que se segue, Paulo usa o pão como um sinônimo de corpo. “Eu sou o pão vivo que desceu do céu; se alguém dele comer, viverá eternamente; e o pão que eu darei pela vida do mundo é a minha carne.”Jo 6.51 “Porque nós, embora muitos, somos unicamente um pão, um só corpo; porque todos participamos do único pão “( 1 Co 10.17) 2.Torah - A Tora é literalmente “instrução”, são os cinco primeiros livros chamados de pentateuco, contem as leis, e instruções que tornam o Povo de Israel separado dos demais povos, é a Palavra do


4 Eterno.Os Dez mandamentos que conhecemos e que foram entalhados na Tábuas de Pedra, as quais representam uma parte da Torá, é conhecida entre a comunidade judaica como decálogo, as dez palavras. João faz menção de Yeshua no primeiro capítulo de seu livro como sendo o Verbo Vivo que habitou entre nós, ou seja, a Palavra do Eterno que tabernaculou dentro de nós.Desta forma entendo que a Torá e o Verbo Vivo, expressam a vontade de D’us quanto ao viver do homem na Terra. Está ligada a alma do ser humano e por isso um viver dentro dessas instruções restaura a alma como assim diz o salmista. “A lei do SENHOR é perfeita e restaura a alma;”( Sl 19.7) 3.Vara de Arão – Fala de um sacerdócio, pois esta vara é o que representou a escolha do sacerdote que iria ministrar perante o Povo.e Este homem então oferecia sacrifícios em favor de si mesmo e do povo, assim servindo ao Senhor.Segundo Pedro devemos oferecer sacrificios espirituais agradáveis ao Senhor como sacerdotes.são sacrifícios de ordem espiritual, portanto creio na relação com o espirito. Vemos concernente ao espirito, que o salmista também nos fala de sacrificios agradáveis a D’us e um desses sacrifícios é o espirito quebrantado. “também vós mesmos, como pedras que vivem, sois edificados casa espiritual para serdes sacerdócio santo, a fim de oferecerdes sacrifícios espirituais agradáveis a Elohim por intermédio de Yeshua Cristo “ ( 1 Pe 2.5 ) “Sacrifícios agradáveis a Elohim são o espírito quebrantado; coração compungido e contrito, não o desprezarás, ó Elohim.”(Sl 51.17) Sendo assim, se o Governo do Senhor está em mim, ou eu estou sob este governo, é preciso evidenciar este Reino do Senhor participando do Pão, ou seja , ser participante do Corpo do Senhor e assim ter vida no corpo; viver as instruções da Torá, conforme o andar de Yeshua e ter a alma restaurada; e oferecer sacrifícios espirituais adquirindo assim um aperfeiçoamento no espírito. Quero aqui fazer uma observação com relação ao que Pedro nos descreve em 1 Pe 2.5 . Primeiro no verso 5 ele fala sobre sacrifícios espirituais agradáveis a D’us por intermédio de Jesus, depois ele segue o texto e no verso 9 ele parece fazer uma substituição colocando agora os “sacrifícios espirituais” como uma “proclamação das virtudes daquele nos chamou das trevas para a sua maravilhosa Luz”. Essa palavra “virtude” a qual Pedro usa, é no original “ arete”, cujo significado é “ uma conduta virtuosa de pensamento, sentimento e ação”. O que faz muito sentido, pois dessa forma, o que eu ofereço está relacionado em proclamar, sendo testemunha, isto é, vivendo uma conduta de vida virtuosa conforme Yeshua, o qual me chamou. Preciso viver e proclamar a conduta que Cristo tinha aqui nesta terra, isto é sacrifício espiritual agradável, eu sendo a oferta ao Senhor por meio das ações, palavras, e assim por diante. Mas uma coisa precisamos compreender, que para vivermos essas evidências do Governo de D’us, necessitamos da intervenção Divina.Pois de uma forma milagrosa, isto é, pelas mãos de D’us, é que o Maná desceu do céu, os mandamentos foram escritos nas Tábuas (Tora) e da mesma forma foi a vara de Arão que pela ação divina, floresceu. Creio que vale aqui a citação de dois outros textos que entendo estarem também relacionados a este governo e Reino representado na Arca do Concerto.O primeiro é relatado por Paulo aos Romanos.E o segundo por Lucas no livro de Atos. “Porque o reino de D-us não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo “ ( Rm 14.17) Repare que neste versículo o Reino de D’us é colocado como três aspectos: justiça , paz e alegria no Espírito .


5 E este outro verso seguinte, como já mencionado, é escrito por Lucas e faz referência as ações da Igreja do 1° Sec , a sua perseverança em quatro pilares que mostravam um governo do Senhor sobre crentes em Yeshua daquele século . E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações (At 2.42) Ao meu ver, o que Paulo e Lucas citam ,faz muito sentido com os elementos da Arca que evidenciam o Governo do Pai, os quais vimos anteriormente, vejamos: 1)Participar do pão, do Corpo – Esta participação do Corpo, sendo humilde, tendo misericórdia, amando, sendo longânimo, perdoando uns aos outros, segundo Paulo aos Colossenses gera a paz e isto está extremamente ligado a perseverança da Igreja no partir do Pão e na comunhão no Primeiro século. Em um outro versículo interessante que está citado a baixo, Paulo relaciona o partir do pão com a comunhão com o corpo de Cristo e o cálice com a comunhão com o sangue, no meu entendimento com os sofrimentos de Cristo.Isto é o sentido da ceia. “Seja a paz de Cristo o árbitro em vosso coração, à qual, também, fostes chamados em um só corpo; e sede agradecidos “ (cl 3.15) “Porventura, o cálice da bênção que abençoamos não é a comunhão do sangue de Cristo? O pão que partimos não é a comunhão do corpo de Cristo” ( 1 co 10.16)

2) Viver as instruções da Torah - Ao cumprirmos os mandamentos e instruções do Senhor, sentimos satisfação e alegria, assim como depois de se alimentar.Como já vimos, a nossa alma passa a voltar ao estado original e isso traz alegria . Então, de acordo com Lucas a Igreja perseverava na doutrina dos apóstolos.Esta palavra doutrina é “didake” , cujo significado é “instrução” e no hebraico é a “torá”.Portando os crentes no Senhor perseveravam na Torá dos apóstolos, a qual era a Torá do Eterno. Seguem-se algumas citações do salmista e de Salomão relacionando a Lei (Tora) com o prazer e alegria. “Suspiro, SENHOR, por tua salvação; a tua lei é todo o meu prazer(alegria).”( Sl 19.174) “Grande paz(plenitude) têm os que amam a tua lei;para eles não há tropeço.( Sl 119.165) “Não havendo profecia, o povo se corrompe;mas o que guarda a lei, esse é feliz.” (Pv 29.18)

3)Oferecer sacrifícios espirituais – Como já vimos acima, o oferecer sacrifícios espirituais está intimamente ligado à uma conduta de vida virtuosa e sendo assim esta maneira de vida diz respeito a uma vida justa, isto é , em justiça, de acordo com a verdade, em linha reta. Um outro ponto aqui , é que a oração também faz parte de um oficio sacerdotal. O sacerdote orava e intercedia pelo povo.Observamos então que este serviço também é citado por Lucas em Atos 2.42.


6 Não podemos esquecer que um completa o outro e todos estão interligados. Para concluir creio que então precisamos evidenciar o governo do Senhor em nossas vidas tendo em nosso interior o Maná, a Torá e o bordão de Arão e praticar o que esses elementos representam .Creio que não é uma coincidência essa correlações de textos.Entendo que estão falando de uma mesma coisa, ou seja, de manifestações do Governo do Eterno.

Shalom Carlos Coléct – www.centroteshuva.blogspot.com

TRÊS ELEMENTOS QUE EVIDENCIAM O GOVERDO DO ETERNO