Page 1

_______________________________________________________________________Por Carlos Coléct

Síntese histórica :

A influência grega no “Cristianismo Universal” .


2 1. Influência grega _____________________________________________________________________________________ Buscaremos aqui trazer uma síntese histórica da influência grega no “cristianismo “chamado Universal, ou seja, aquele nascido em Roma, dentro do Império, e nestes dias, alguns têm entendido essa influência do pensamento grego nas interpretações das Escrituras, mas muitos ainda desconhecem este contexto grego e por isso ainda estão inseridos nele. A própria cultura ocidental tem por base a cultural grega, e isto é facilmente percebido em algumas palavras como : Música, Eco, erótico , pornografia, grafia, gráfico, Sofia, Era, idiota, lógico, idolatria, heresia, igreja, apóstolo, bispo, presbítero,Europa , crise , metrópoles , Psicologia, psique , teologia, didático , filosofia, e muitas outras.Estas palavras tem sua origem no grego, e algumas provém da mitologia grega. E juntamente com as palavras também percorrem os seus pensamentos e ideologias, pois sabe-se que as palavras são signos e símbolos, os quais carregam em si um contexto social - ideológico - histórico . Por exemplo, a palavra "Música" vem do grego "musiké téchne", “a arte das musas”.Na Grécia haviam nove entidades mitológicas chamadas de musas que eram consideradas “deusas inspiradoras da música” . Na mitologia grega a "musica" também era usada pelas sereias, no sentido de encanto e sedução para com os navegantes. Portanto, este conceito mitológico pode estar inserido no contexto musical, e como podemos perceber esta influência atualmente? Nos meios religiosos se percebe facilmente este tipo de pensamento mitológico musical, pois na maioria das vezes se deseja uma "musica" que inspire, que envolva, encante e seduza, para então se poder “adorar ao Senhor” ou então para incorporar um espírito ou esvaziar a mente .Até mesmo aqueles que ministram em congregações "cristãs" , as vezes são levados por este desejo de seduzir e manipular o público afim de levar à um emocionalismo, e isso para parecer que o momento é mais espiritual e mais aceitável pelo "senhor" que se louva. De forma geral na sociedade atual ,a "música", tem por intenção conduzir os ouvintes a um estado de cativeiro e embriaguês dos sentidos, afim de induzir o indivíduo à uma ação manipulada. Mas o Eterno de Israel não usa de sedução, pois esta forma de ação está relacionada ao engano.E tudo aquilo que procura tirar a consciência do homem não provém do Eterno, ou seja, se alguma "música" busca tirar a consciência por meio de um transe, ou que tem por objetivo tirar a liberdade de se pensar, esta "música" não provém do Eterno, mas de uma mentalidade grega da utilização da "música". E da mesma forma, esta influência grega chegou até o "cristianismo" e consequentemente foi adquirida uma visão grega de personagens com o título "deus" e "Jesus" , e assim também, interpretou-se as Escrituras de acordo com esse pensamento grego.


3 2. Revendo a influência na história_ Comunidade dentro do contexto hebraico _____________________________________________________________________________________ VAMOS PASSEAR UM POUCO PELA HISTÓRIA, para compreendermos mais sobre essa influência grega na interpretação das Escrituras e o afastamento da base hebraica. Bom, antes de tudo, precisamos compreender que a Comunidade dos discípulos de Yeshua do 1º séc, não era considerada afastada do contexto hebraico e parte de uma religião chamada “cristianismo” Os Nazarenos, como assim também eram chamados os discípulos de Yeshua no I séc, foram descritos por alguns escritores dos primeiros séculos depois de Yeshua como sendo judeus, mas diferentes dos judeus tradicionais sem Yeshua e diferentes dos cristãos . Vejamos o que o Padre Epifânio (Sec IV) declara sobre os Nazarenos na obra Panarion: “Mas estes sectários... não se chamavam de cristãos – mas de ‘nazarenos’... contudo, são simplesmente judeus completos... Eles não possuem diferentes idéias, mas confessam tudo exatamente como a Torá descreve e na forma judaica – exceto, porém, por sua crença na Messias.Pois eles reconhecem tanto a ressurreição dos mortos quanto a criação divina de todas as coisas, e declaram que Elohim é Um, e que o Seu Filho é Yahushua o Messias.Eles são bem treinados no hebraico .Pois dentre eles a Torá inteira, os Neviim(profetas) e... os Ketuvim(Escritos)... são lidos em hebraico... Eles são diferentes dos judeus, e diferentes dos cristãos, apenas no seguinte: Eles discordam dos judeus porque chegaram à fé no Messias; mas eles ainda estão na Tora´... cricuncisão, o Shabat, e o restante... eles não estão de acordo com os cristãos...eles não são nada mais do que judeus...Eles possuem as Boas Novas de acordo com Matitiyahu completamente em hebraico...Tal qual foram escritas originalmente.” (Epifânio;Panarion.29) O historiador Justo L. Gonzales diz em seu livro História do Cristianismo dos primeiros crentes “ ...Não pensem que eles pertenceram a uma nova religião . Eles eram judeus, e a única diferença que os separavam do restante, é que eles acreditavam que o Messias havia chegado, enquanto os demais judeus ainda aguardavam a vinda do Messias”. E de acordo com Jerônimo os netsarim(nazarenos) eram aqueles que aceitam o Messias de uma forma que não deixam de observar a “velha Lei” A respeito da Seita dos Nazarenos, creio ser interessante comentarmos algo sobre a palavra “seita”, e isto vai nos indicar ainda mais a posição da Comunidade do 1º século dentro do judaísmo da época.Bem, “seita” no sentido original "heiresis" no grego é uma divisão, uma ramificação, donde vem a palavra " herege", ou seja, alguém que faz parte de uma seita.Bom, seria como no judaísmo na época de Yeshua por exemplo, o judaísmo tinha a seita dos saduceus, dos fariseus, dos essênios, dos zelotes, e os discípulos de Yeshua no 1º séc eram considerados a como a SEITA DOS NAZERENOS , e isto simplesmente porque eram considerados uma ramificação do judaísmo, eles eram uma divisão do judaísmo, ou seja, não estavam totalmente associados ao conceito do judaísmo , mas também não estavam totalmente afastados, o que ligava ao judaísmo era a Lei e os Profetas, e não os costumes e tradições.Mas hoje em dia "seita" tem um sentido mais pejorativo e ruim, mas é simplesmente uma ramificação ou uma divisão, e isto pode ser tanto para o bem quanto para o mal.Então pode haver uma seita boa quanto má, pois seita só caracteriza uma divisão ou ramificação de um grupo maior.


4 At 5.17 - Levantando-se, porém, o sumo sacerdote e todos os que estavam com ele, isto é, a SEITA DOS SADUCEUS, tomaram-se de inveja At 15.5 - Insurgiram-se, entretanto, alguns da SEITA DOS FARISEUS que haviam crido, dizendo: É necessário circuncidá-los e determinar-lhes que observem a lei de Moisés. At 24.5 - Porque, tendo nós verificado que este homem é uma peste e promove sedições entre os judeus esparsos por todo o mundo, sendo também o principal agitador da SEITA DOS NAZARENOS (discípulos de Yeshua ), At 24.14- Porém confesso-te que, segundo o CAMINHO, a que chamam SEITA, assim eu sirvo ao Elohim de nossos pais, acreditando em todas as coisas que estejam de acordo COM A LEI E NOS ESCRITOS DOS PROFETAS E isto nos mostra que os discípulos de Yeshua e a comunidade do 1º séc eram considerados parte do judaísmo , porém sendo uma ramificação e não algo isolado ou afastado do conceito do judaísmo.Não eram considerados Cristianismo, mas permaneciam na Lei e nos Profetas. Através desses relatos podemos observar que haviam os nazarenos que seguiam Yeshua, viviam a Torah, mas não estavam ligados ao cristianismo.Eles são tidos como pessoas que estão fora do cristianismo e são comparados a judeus. Jerônimo e o Padre Epifânio, os quais estão no contexto do cristianismo, consideram estes nazarenos como sectários. Portanto, a Igreja desde a sua origem em Jacó e após Yeshua , possui sua base hebraica, e é formada por aqueles que estão dentro do contexto hebraico de Yeshua, da Torah, Israel e Jerusalém. 3. Afastamento do contexto hebraico e introdução do contexto grego _____________________________________________________________________________________ E com o passar dos anos houveram alguns acontecimentos que acabaram por ofuscar a base hebraica da Comunidade dos discípulos do 1º séc.Contudo, precisamos entender que a Igreja(qahal) Verdadeira do Eterno sempre teve remanescentes fiéis , que não se corromperam com o contexto gregoromano, e não deixaram suas raízes hebraicas. Mas veremos a seguir alguns fatos que fizeram com que se criasse uma imagem falsa da Igreja do Eterno, ou seja, uma igreja sem o elemento hebraico começa a entrar em cena paralelamente a verdadeira . - Ano 70 d.C – Destruição de Jerusalém Creio que o primeiro passo para o afastamento da Igreja de suas raízes ocorreu no ano 70 d.C ,quando os crentes em Yeshua fugiram de Jerusalém por causa da destruição causada por Tito, acontecendo assim a diáspora(dispersão dos judeus pelo mundo). Os judeus interpretaram este fato ocorrido como sendo o cumprimento de Mt 24.15. - Ano 100 morre o ultimo dos apóstolos(emissários), a saber João. Devido a morte de João(Yohanan) começam a surgir mais “pais” gregos da Igreja.Homens e mulheres que começam a seguir Yeshua, porém carregam consigo muitos dos costumes pagãos ainda, e seguem a Yeshua com um pensamento grego ou romano. - Revolta dos Judeus – Bar-kochba ( 132-135d.C):


5 Neste período o imperador de Roma Adriano se mostra apararente favorável aos judeus, dando liberdade para que fosse reconstruído o Templo em Jerusalém, porém a intenção de Adriano era paganizar Jerusalém construindo um templo a Jupter .Os judeus descobriram o intento do imperador, e após uma viagem dele ,resolveram se revoltar contra Roma.O resultado foi a morte e a prisão de muitos judeus.Vários foram levados cativos como escravos para outras nações. Os judeus foram proibidos de entrarem em Jerusalém , exceto no dia da derrota para chorarem os mortos.Jerusalém se tornou Aelia Captolina, e a Judéia , Síria Palestina.Adriano continuou a perseguir os judeus, proibindo os serviços da Torah no Shabat, a circuncisão, e tudo o que se referia ao elemento judaico. E no meio desta perseguição surge com mais evidência os “cristianismo” como religião afastada do elemento hebraico, da Lei e dos Profetas.Levantam-se os defensores do “cristianismo”, que passaram a dizer que o cristianismo não tinha ligação com os judeus, mas era universal(católico). - Inacio (98 - d.C Antioquia) : Cria o termo “cristianismo” e é o primeiro a usar o termo Igreja Catolica, reconhecia a superioridade de Roma. Opunha-se aos judeus. E esta defesa ao “cristianismo” nos mostra que os discípulos de Yeshua viviam como judeus.Por que? Porque viviam a mesma Torah.Qual Lei diz para não se comer porco ou guardar o Shabat? A Torah.Logo, os romanos olhavam para aqueles que assim faziam, mesmo não sendo judeus naturais, e automaticamente os consideravam como judeus naturais.Então por isso, para fugir da perseguição, os defensores do cristianismo acabaram se afastando do contexto hebraico, e declarando que nada tinham a ver com os judeus. E a história continua com o surgimento de mais “pais” gregos “cristãos” , e assim disseminando a cultura grega , o anti-semitismo e se afastando da cultura hebraica.Vejamos alguns: - Justino Mátir(grego 100-170 d.C) : Apologista,Filósofo e cristão, escreveu duas obras “Apologias” - contra os pagãos - e “um Diálogo com o judeu Trifão” - contra os hebreus.Escreveu Em um diálogo com Trifon , um judeu, Justino diz “ a Biblia não é mais vossa, mas nossa” . Ele também era convencido de que a filosofia grega tende para Cristo. - Marcião de Sinope( 110 – 160 d.C) : Cria o termo Velho testamento e Novo Testamento, porque dizia que o deus do velho era ruim e criador das leis judaicas e o do novo era bom e misericordioso, então ele cria essa dicotomia.Dizia que o cristianismo veio para substituir o judaísmo e que o D’us dos judeus era imperfeito.Diz-se que Marcião considerou o ato de gerar um ato de grande indecência de D’us, pois se referia a localização da vagina.Afirma ele: “nascemos entre as fezes e a urina” Na metade do Segundo Século, Márcion eliminou de suas cópias do Evangelho segundo Lucas todas as referências feitas a formação judaica de Jesus(Yeshua).”(Metzger, The Text, Pag 201) - Cipriano de Catargo (200-258 d.C) : Em 250, escreveu:” o diabo é o pai dos judeus”


6 - Agostinho* de Hipona (354 – 430 d.C) : Em 415, ele escreve que os judeus carregam eternamente a culpa pela morte de Jesus, o qual pensam ser o mesmo Yeshua.Ele também cria a chamada teologia da substituição, a qual descreve a substituição da nação Israel pela Igreja e que antes do advento de Cristo, quem representava Deus era Israel , mas após a sua vinda é a Igreja (com a exclusão dos judeus) que tem essa função sendo o “Israel espiritual” ou o “novo Israel”.Por isso era necessária a conversão dos judeus ao catolicismo.Essa teologia tornou-se popular em seu livro “ A cidade de Deus”. As escrituras nada falam sobre isso, pelo contrário, as nações(gentes) no Messias são enxertadas em Israel e desfrutam das mesmas promessas.(Rm 11)

- João Crisostomos ( 344d.C) Pregava contra os judeus, em um de seus sermões ele diz o seguinte: «Não vos deixem surpreender por eu ter chamado os Judeus de desastrosos. Porque eles são mesmo desastrosos e miseráveis. Aqueles que rejeitaram tão ferverosamente e recusaram as muitas boas coisas que o céu lhes colocou nas mãos. Eles conheceram os profetas desde a infância e crucificaram aquele que tinham profetizado. Aqueles que foram chamados a ser filhos desceram à raça de cães.» «Animais sem entendimento, quando gozam de manjares que enchem e engordam, tornam-se mais difíceis e incontroláveis e não tolerarão uma canga ou rédeas, ou a mão do condutor. E o mesmo com a nação dos Judeus: porque eles se voltaram para o mal extremo, tornaram-se irrequietos e não aceitaram o jugo de Cristo nem serem colhidos pela ceifa dos seus ensinamentos.» «Tais animais que não pensam são próprios para o abate, porque eles não são próprios para trabalhar. Os Judeus não têm experiência nisso: porque se mostraram inúteis para o trabalho, eles tornaram-se apropriados para serem mortos. Eu sei que muitas pessoas respeitam os Judeus e vêem a sua vida como honorável. Eu exortovos por isso a colher esse preconceito depravado pelas raízes. Já disse que a sinagoga não é melhor do que um teatro. Na verdade, a sinagoga não é apenas um bordel e um teatro, mas também um antro de ladrões e abrigo para selvagens. E não apenas para selvagens mas mesmo para selvagens impuros.» - Concílio de Nicéia (325 d.C) : E assim, chegamos ao famoso Concílio de Nicéia.Neste episódio, Constantino está em uma disputa pela unificação de Roma, pois Roma estava dividida em quatro impérios, e na última batalha Constantino disse ter tido uma visão de um sinal nos céus, o qual entendeu ser símbolo do “cristianismo”, e então se ganhasse a batalha ele prometeu tornar o “cristianismo” a religião oficial de Roma.Pois já que o propósito era unificar o Império, então se precisaria também de uma única religião. Constantino ganha a batalha e oficializa o cristianismo como religião oficial de Roma.Ocorre o sincretismo religioso, união entre o paganismo, judaísmo e cristianismo. Uma fusão entre o Estado e a Igreja.E também percebemos o Anti-semitismo na nova religião, pois foram queimados os livros judaicos e mudou-se a Páscoa para o domingo, para que não fosse realizada no mesmo dia que a Pessach (pascoa ) judaica, com a justificativa : "Seria o cúmulo da falta de reverência seguirmos as tradições dos judeus nesta maior de todas as festas. Não devemos ter nada em comum com esse povo abominável". *

Segundo historiadores, Agostinho e Tomás de Aquino foram os responsáveis pelo resgate cristão da filosofia de Platão e Aristóteles.


7

Pois bem, no auge de Roma, após o Concílio de Nicéia(325 a.C), o bispo Jerônimo conclui a tradução da Septuaginta** para o latim.

Havia neste tempo muitos esforços para que houvesse uma religião unificada , gerando assim um controle sobre o povo, pois quem controla o povo, tem poder sobre o império.E esta versão feita por Jerônimo segundo relatos de estudiosos e até no livro” Jerônimo , o tradutor da Bíblia”, houve muitas adulterações , mantendo de uma certa forma o politeísmo romano e grego, para que os pagãos pudessem adentrar e serem atraídos na nova religião e não haver tantos problemas. Vemos este tipo de sincretismo no Brasil colonial também, onde ocorreram muitos sincretismos, por exemplo, Maria do catolicismo se tornou Iemanjá do candomblé. Há uma citação de Metzger afirmando que : “ Irineu, Clemente de Alexandria, Tertuliano, Eusébio, e muitos outros Pais da Igreja acusaram os hereges de terem adulterado as Escrituras com a finalidade de prover apoio para seus pontos de vista particulares.Na metade do Segundo Século, Márcion eliminou de suas cópias do Evangelho segundo Lucas todas as referências feitas a formação judaica de Jesus.A Harmonia do Evangelhos de Taciano contem várias alterações textuais que deram apoio ao ponto de vista ascético ou da seita incratita.”(Metzger, The Text, Pag 201) E de acordo com Gilberto Pickering no livro “Qual o texto original do Novo Testamento”, Gaio, um pai ortodoxo que escreveu entre 175 e 200 d.C , cita Asclepíades, Teódoto, Hermófilo, e Apollonides como hereges que prepararam cópias das Escrituras e que tinham discípulos que multiplicaram cópias dessas fabricações. A septuaginta, como vimos, é versão grega dos livros do chamado Velho Testamento, foram escritos por judeus que estavam no período Helênico (Séc IV – I a.C), considerado por alguns como a primeira globalização, onde havia a mesma moeda, a mesma língua, valores. E este período era dominado pelo império macedônio, por Alexandre Magno.E após a sua morte, o reino foi dividido, e Tolomeu reinou sobre o Egito, e este libertou os judeus e pediu ao Sacerdote Eleazar para que fosse traduzido para o grego as leis judaicas para que fizessem parte de sua biblioteca(Flavio Josefo.História dos Hebreus.pp 511). Há relatos que a parte da tradução mais fiel seja a Torá ou o Pentateuco (5 primeiros livros), e talvez assim foi devido ao grande zelo de Israel para com a Torá e o mandamento de não se acrescentar e nem tirar nada destes livros.Então neste período Helênico, onde prevalecia a cultura grega, pode ter ocorrido algumas influências gregas nas traduções dos demais livros e escritos fora do Pentateuco. Algo interessante , é que este desejo que moveu o surgimento de uma religião unificada no auge de Roma, pode ser visto em alguns reflexos no grego do chamado NT. Onde por exemplo, temos nomes de deuses gregos como: - Chronos – ídolo grego pai de Zeus que engoliu seus filhos e estes filhos ficaram vivos em seu ventre. Zeus, porém conseguiu escapar de ser engolido por seu pai. Só quero fazer uma observação, “Chronos” se refere ao “tempo humano”, daí temos a palavra “cronológico”. Pois bem, se pensarmos assim, o tempo engole seus filhos. Este é um pensamento grego que remonta em nossos dias, ou seja, as pessoas são engolidas pelo tempo, presas no ativismo, totalmente contrária ao pensamento hebraico, onde o tempo é para servir o homem e não o homem ao tempo. **

Versão grega do "Antigo testamento - TANACH " , traduzida por 70 sábios judeus no 3º séc a.C, no período helênico.


8

1Ped 1:20 conhecido, com efeito, antes da fundação do mundo, porém manifestado no fim dos tempos(chronos), por amor de vós - Hades – ídolo grego que dominava sobre o lugar também chamado “ hades” relacionado a vida após a morte. Um lugar subterrâneo, onde se tinha o paraíso para as pessoas mais gloriosas e que honravam os deuses, e também tinha o “tártaro”, o nível mais baixo do mundo inferior, e os que eram ruins e desonravam os deuses eram condenados a este lugar por toda a eternidade. Essas duas palavras são usadas no grego do Novo Testamento, tanto Hades, quanto Tártaro . 2Ped 2:4 Ora, se D-us não poupou anjos quando pecaram, antes, precipitando-os no inferno(Tartaro), os entregou a abismos de trevas, reservando-os para juízo; Apoc 1:18 e aquele que vive; estive morto, mas eis que estou vivo pelos séculos dos séculos e tenho as chaves da morte e do inferno (Hades). No sentido bíblico hebraico não há um local para quando morremos. Sheol ,a palavra hebraica para a qual se traduz inferno em nossas bíblias, significa “sepultura”. - Ouranos – ídolo grego relacionado ao céu. Apoc 20:9 Marcharam, então, pela superfície da terra e sitiaram o acampamento dos santos e a cidade querida; desceu, porém, fogo do céu(ouranos) e os consumiu. O ponto que quero trazer aqui é o fato de que estes nomes provavelmente não seriam escritos pelos emissários(apóstolos) hebreus. E se levarmos a nossa mente para o contexto em que essa religião em Roma estava sendo articulada, ou seja, em prol de agregar mais adeptos para que o Império fosse fortalecido, então, fica fácil entendermos que os gregos da época se sentiam muito confortáveis ao lerem escritos sagrados em que continham nomes de ídolos que eles conheciam muito bem, era mais fácil a familiarização com o “cristianismo”( a nova religião), pois personagens de sua mitologia estavam presentes, e com isso não precisavam mudar os conceitos e pensamentos que eles já tinham estabelecidos a cerca do “céu –ouranos”, do “tempo –chronos”, do “inferno – hades”, de “deus –zeus”, e assim por diante, isto é, o conceito e a mentalidade permaneciam os mesmos.E sendo assim, esses pensamentos gregos continuam percorrendo pela história até hoje . E a Renacença no séc XV d.C no período de transição entre a Idade Média e a Moderna contribuiu para isto .Houve um renascimento , uma volta as referências da antiguidade clássica: Gregas e romanas.Entendo que este renascimento se estende até os dias de hoje. E após o período da Renascença, temos a Reforma Protestante, temos Martinho Lutero como o mais famoso reformador. - Martinho Lutero( alemanha 1483- 1546 d.C.) :

Ele colocou as suas 95 teses contra algumas ações de Roma na porta da Igreja Católica, mas também influenciou um pensamento anti-semita escrevendo um tratado , o qual também pode ter servido de base ao nazismo ( pois o texto foi citado pelos nazistas durante o Julgamento de Nuremberg para justificar a Solução Final).


9 Vejamos alguns trechos de seu tratado “os judeus e suas mentiras” “(…) Finalmente, no meu tempo, foram expulsos de Ratisbona, Magdeburgo e de muitos outros lugares… Um judeu, um coração judaico, são tão duros como a madeira, a pedra, o ferro, como o próprio diabo. Em suma, são filhos do demônio, condenados às chamas do Inferno. Os judeus são pequenos demônios destinados ao inferno.” “Queime suas sinagogas. Negue a eles o que disse anteriormente. Force-os a trabalhar e trate-os com toda sorte de severidade … são inúteis, devemos tratá-los como cachorros loucos, para não sermos parceiros em suas blasfêmias e vícios, e para que não recebamos a ira de Deus sobre nós. Eu estou fazendo a minha parte.” “Resumindo, caros príncipes e nobres que têm judeus em seus domínios, se este meu conselho não vos serve, encontrai solução melhor, para que vós e nós possamos nos ver livres dessa insuportável carga infernal – os judeus.” Portanto, o “cristianismo protestante”, continua com o mesmo pensamento grego e romano.Houve apenas algumas reforma, mas não um retorno a originalidade. E algo interessante que podemos perceber é que desde o 1º séc , a pessoa de Yeshua era estranha para a filosofia grega, assim como vemos no episódio em que Paulo(Shaul) fala com os filósofos gregos, e estes acham a mensagem de Yeshua, uma mensagem estranha aos seus ouvidos, e eles consideram Yeshua um ídolo estranho. At 17:18-21 E alguns dos filósofos epicureus e estóicos contendiam com ele, havendo quem perguntasse: Que quer dizer esse tagarela? E outros: Parece pregador de estranhos deuses; pois pregava a Yeshua e a ressurreição Então, tomando-o consigo, o levaram ao Areópago, dizendo: Poderemos saber que nova doutrina é essa que ensinas? 20 Posto que nos trazes aos ouvidos coisas estranhas, queremos saber o que vem a ser isso. 21 Pois todos os de Atenas e os estrangeiros residentes de outra coisa não cuidavam senão dizer ou ouvir as últimas novidades. Isto nos mostra que o "Jesus" que hoje se conhece, não é o mesmo referido por Paulo(Shaul), pois esse "Jesus" foi associado na filosofia grega por meios dos "Pais gregos" da igreja cristã, e assim introduzido por eles ao pensamento"cristão".E desta forma, o Jesus que se vê está com caracteristicas gregas, e assim, o Yeshua no seu contexto hebraico original se torna muitas vezes estranho ao “cristianismo” atual, pois está com uma mentalidade grega, e acontece o que aconteceu com Paulo(Shaul) ao falar de Yeshua para os gregos, ou seja, eles dizem : “Parece pregador de estranhos ídolos” Portanto, a Comunidade dos discípulos de Yeshua está fora deste contexto grego “cristão”.

Shalom Carlos Coléct www,centroteshuva.blogspot.com

SINTESE HISTÓRIA - A INFLUÊNCIA GREGA NO CRISTIANISMO UNIVERSAL  

www.centroteshuva.blogspot.com

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you