Page 1


Ficha Técnica Título: E-book – Catarina Sobral Discente: Carla Vale nº 17413 Docente: Lúcia Barros Curso: Educação Básica Unidade Curricular: Literatura Infanto-Juvenil

Ano letivo: 2017/2018


Catarina

Sobral


Sobre a ilustradora Catarina Sobral nasceu em Coimbra, Portugal, em 1985, é uma ilustradora portuguesa, diversamente premiada na área de ilustração para crianças e livros ilustrados. Depois de estudar Design Gráfico na Universidade de Aveiro, concluiu um mestrado na área Ilustração na Universidade e Ciências de Lisboa, numa parceria com a Universidade de Évora e com a Quasi Edições. Pelo meio, passa pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Barcelona, em regime de Erasmus.


Aos 26 anos publica o primeiro livro, Greve, que recebe uma Menção Especial no Prémio

Nacional de Ilustração referente ao ano de 2011. O livro seguinte é igualmente destacado: Achimpa (2012) vence o Prémio AmadoraBD para Melhor Ilustração de Livro

Infantil e o Prémio SPA para Melhor Livro Infantojuvenil. É, contudo, com O Meu Avô (2014) que o seu trabalho é pela primeira vez projetado internacionalmente: o livro dá-lhe a vencer o

Prémio Bologna Raggazzi, distinguindo-a como a melhor ilustradora para a infância com menos de 35 anos, na Feira do Livro Infantil de Bolonha em 2014. A obra de Catarina Sobral continua

posteriormente a ser acompanhada no estrangeiro, com Vazio (2014) a ser incluído na prestigiada Seleção White Ravens pela Biblioteca Internacional da Juventude.


Catarina Sobral alterna a publicação de livros com colaborações esporádicas com diversas editoras, revistas e jornais. Embora os seus livros se destinem essencialmente a crianças, Catarina Sobral não os cria a pensar nelas. Prefere antes desenvolver livros que ela própria goste de ter e pensa-os como objetos de arte que podem ser apreciados independentemente da idade do leitor.


Obras de Catarina Sobral o Greve (2011), projeto final do 1.º ano do mestrado; o Achimpa (2013);

o O meu avô (2014); o Vazio (2014);

o O chapeleiro e o vento (2014); o No hay dos iguales (2014), com texto de Javier Sobrino;

o Limeriques Estapafúrdios (2014), com texto de Tatiana Belinsky; o A casa que voou (2015), com texto de Davide Cali;

o Le Riz (2015), com texto de Jerôme Berger; o A sereia e os gigantes (2015)

o Tão tão grande (2016);


“O meu Avô acorda todos os dias às 6 da manhã. O Dr. Sebastião acorda às 7. Cruzam-se todos os dias

à mesma hora. O meu Avô já teve uma loja de relógios. Agora tem bastante tempo. O Dr.

Sebastião não é relojoeiro nem tem tempo a perder. O meu Avô tem aulas de alemão e aulas de pilates.”

Em: O meu Avô


Um dia, um investigador descobriu uma nova palavra:

ACHIMPA. Ninguém sabia o que significava nem a que classe de palavras pertencia. Ainda assim, toda a gente passou a dizer achimpa quando e como bem lhe apetecia: «Que coisa achimpíssima» ou «Essa questão vai ser resolvida

achimpadamente».

E

todos

achimparam,

deixaram de achimpar e achimpariam indefinidamente, não fosse ter havido nova descoberta nesta história…

Em: ACHIMPA


“Embora eu não atinja apenas uma técnica, a minha preferência cai quase sempre numa paleta limitada de cores, e gosto de

explorar a mistura de texturas e padrões em imagens completas ricas e bidimensionais. Hoje vivo e trabalho em Lisboa, uma pequena e antiga capital conhecida pela sua luz brilhante.”

Autorretrato de Catarina Sobral

Catarina sobral  

E-Book - Catarina Sobral

Catarina sobral  

E-Book - Catarina Sobral

Advertisement