Page 1

ANO 5 . Número 59 . Junho de 2010

fotos Evandro Fiuza

Pronunciamentos

Assembleia reuniu 150 presidentes de Sindicatos

CONSELHO DE REPRESENTANTES

Mobilização para as eleições

A FAEMG tem promovido reuniões para alertar os produtores rurais para a importância das eleições este ano. Se a classe se unir e eleger representantes confiáveis, não só poderá resolver problemas que se arrastam há muito tempo, como o endividamento, mas também terá influência no encaminhamento de questões de interesse do campo. Na última Assembleia do Conselho de Representantes, a maior parte do tempo foi dedicada à mobilização política. O presidente da FAEMG, Roberto Simões, ressaltando a importância das eleições diante da mobilização de outros setores da sociedade, alertou que “as soluções virão dos parlamentos”. Daí que quem tiver melhor representatividade obterá mais vantagens ou,

no mínimo, evitará que lhe causem prejuízos. Vários presidentes de Sindicatos manifestaram-se a favor da escolha de candidatos que se comprometam com a causa rural, para evitar decepções. O tema também foi debatido em Montes Claros (matéria à página 4). Outro assunto da Assembleia foi a comemoração do Dia do Produtor Rural Mineiro, com a entrega da Medalha do Mérito Rural, que este ano, excepcionalmente, passará do dia 7 para 8 de julho. O presidente Roberto Simões pediu aos Sindicatos que promovam em seus municípios a comemoração da data. O Conselho aprovou também o Relatório de Atividades e a Prestação de Contas da FAEMG de 2009.

“Acompanho a agropecuária há 50 anos. Por isso, contrariando meus médicos e familiares, estou aqui para reafirmar a importância da FAEMG para os produtores rurais.” João Vicente Diniz - Conselho Fiscal da FAEMG

“Precisamos nos empenhar mais para eleger políticos favoráveis ao setor. Vamos formar associações de sindicatos regionais, em um raio de 150 km, para reunir, conversar e trocar ideias, visando escolher os melhores candidatos.” Afonso Luiz Bretas - Governador Valadares

“As orientações da FAEMG em defesa dos conflitos agrários têm sido de grande importância. Em nossa região, denúncias geraram vistorias desagradáveis aos produtores rurais, que buscam agora soluções através da justiça.” Antônio Jerfeson Soares Gonçalves Jacinto

“A FAEMG apoia incondicionalmente todas as áreas da agropecuária. Atualmente, a cafeicultura tem destaque pela atuação de Breno Mesquita (presidente das Comissões de Café da FAEMG e da CNA), defendendo propostas para o setor.” Arnaldo Bottrel Reis - Varginha

“A atual legislação ambiental prejudica demais a produção agrícola. Temos que fazer forte movimento de apoio aos deputados que estão cuidando das alterações do Código Florestal.” Domingos Inácio Salgado - Cássia


v eDITORIAL Leite: todo cuidado é pouco Cautela. Esta é a palavra de ordem para o produtor de leite. Pelo terceiro ano consecutivo, o preço está em queda na entrada da entressafra, mas agora a situação é um pouco pior, já que o recuo começou mais cedo – em abril. Vários fatores pressionam o mercado interno, a começar pela queda dos preços do longa vida. As indústrias, que vinham retendo a oferta, num claro processo especulativo, não tiveram sucesso em sua manobra: sob pressão do varejo, que não aceitou as sucessivas altas do produto, os laticínios começaram a desovar seus estoques, estimados, no início de maio, em 100 milhões de litros. Ao mesmo tempo, a redução dos custos de produção do leite, em função da queda dos preços dos principais componentes da ração animal – milho e soja – abre a possibilida-

de de incremento da atividade, o que teria como resultado mais imediato o aumento da produção, com a conseqüente desestabilização do mercado. Como se tudo isso não bastasse, o produtor brasileiro se vê sob a ameaça da invasão de lácteos uruguaios, resultado de um acordo comercial muito mais vantajoso ao país vizinho. Enquanto o presidente José Mujica limitou em 120 toneladas mensais as importações de frango do Brasil, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deixou o mercado brasileiro aberto aos lácteos do Uruguai. CNA e FAEMG já estão em plena negociação com o governo para evitar que este acordo gere problemas maiores para o setor produtivo nacional. Diante deste cenário, o produtor tem pela frente a tarefa nada fácil de ajustar a produção à demanda.

d Entrevista

x frases

ANIEL ÉLER DUTRA

Presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Tarumirim

Campo e cidade

2

I

Além da defesa dos interesses dos produtores rurais, o Sindicato de Tarumirim investe em iniciativas para aproximar campo e cidade, entre elas ações ambientais educativas.

escolas da cidade. Fazemos palestras nas escolas e levamos os estudantes ao Sindicato para conhecerem o Sistema Sindical Rural e a ligação entre alimento e produtor rural.

Como o Sindicato tem se aproximado da sociedade? Com o objetivo de conscientizar a população sobre a importância da atividade rural e da preservação da natureza, lançamos a campanha Ajude a natureza a se alimentar e a alimentar você. Plante árvore frutífera às margens de ribeirinhas e nascentes. Distribuímos panfletos com orientações e 400 mudas de árvores frutíferas. Ao receber a muda, a pessoa assina documento de compromisso de plantio e conservação e dá outra muda em troca, para diversificar a vegetação do município. Também apoiamos o Programa Semeando, do SENAR MINAS, e incluímos todas as

Como está a parceria com o SENAR? O Sindicato conta hoje com duas mobilizadoras que trabalham junto ao SENAR com a promoção de vários cursos, entre eles Ordenhadeira Mecânica, Roçadora, Inseminação Artificial de Bovinos, Saúde Reprodutiva, Avicultura Básica e Culinária. Construímos uma cozinha completa para a realização dos cursos de Culinária.

Junho de 2010

I

Há outras iniciativas em curso? Nossa finalidade é levar o produtor para dentro do Sindicato e buscar meios para melhorar sua renda. Realizamos reuniões periódicas com os produtores para tratar dos problemas do setor.

INFORMATIVO FAEMG/SENAR

“Reforma agrária não é postulado ideológico, é imperativo do desenvolvimento sustentado. Por isso a CNA a apoia. Por isso o MST e a esquerda fundamentalista não a querem.” SENADORA KÁTIA ABREU Presidente da CNA, em artigo publicado no jornal O Estado de São Paulo

“O Código Florestal precisa deixar o agricultor em paz.” DEPUTADO FEDERAL ALDO REBELO, em entrevista ao jornal Valor Econômico

“O vírus da aftosa não usa passaporte para atravessar fronteiras. Precisamos, portanto, erradicar esse mal em todo o continente.” JOSÉ OLAVO BORGES MENDES Presidente da ABCZ (Associação Brasileira dos Criadores de Zebu), durante o Fonesa (Fórum Nacional dos Executores de Sanidade Agropecuária), realizado em Uberaba

“Os preços do leite e dos derivados são muito sensíveis, por isso o aumento das importações pode interromper um momento bom para o produtor local.” RODRIGO SANT’ANNA ALVIM Presidente das Comissões de Leite da CNA e da FAEMG, em entrevista ao jornal Diário do Comércio


CAFEICULTURA

Proposta da CNA e FAEMG para salvar o setor

CNA e FAEMG aguardam a aprovação, pelo Ministério da Agricultura, de sua proposta para a safra de café 2010. Validada por todas as representações do setor e aceita pelo Comitê Diretor de Planejamento Estratégico do Conselho Deliberativo da Política do Café, a medida tem foco na Política de Financiamento, Política de Renda e no

Equacionamento do Endividamento. A estratégia visa o ordenamento da safra ao longo de 18 meses, dando condições ao produtor de vender seu café por preços melhores. Em reunião com o ministro Wagner Rossi, o presidente das Comissões de Café da CNA e FAEMG, Breno Mesquita, disse que “o importante é assegurar

ao produtor uma remuneração acima dos custos de produção. Se a colheita for ordenada e os financiamentos para estocagem de café forem fartos, a cafeicultura viverá nova realidade”. O diretor-tesoureiro da FAEMG, João Roberto Puliti, elogiou o interesse do ministro em reunir o setor para buscar soluções para o setor cafeeiro. Carlos Silva – ACS/MAPA

Lideranças reuniram-se com o ministro da Agricultura, Wagner Rossi

Diagnóstico da atividade Os resultados da fase final do Projeto de Caracterização da Cafeicultura Mineira de Montanha, do INAES (Instituto Antonio Ernesto de Salvo), foram apresentados em reunião na FAEMG. A pesquisa tem como objetivos diagnosticar as potencialida-

Apresentação em BH

des e a vulnerabilidade da atividade na região e criar um conjunto de in-

formações que será base para o desenvolvimento sustentável.

Mais qualidade

Dentro de nove meses, começa a vigorar no Brasil o regulamento de qualidade para o café torrado em grão e torrado e moído. Esta é a primeira legislação publicada no país com esta finalidade e é também inédita no mundo. A norma prevê critérios rigorosos para garantir a pureza da segunda bebida mais consumida no Brasil, atrás apenas da água. Uma das regras é o percentual máximo de impureza no produto: o café produzido no Brasil ou o importado só poderá ter, no máximo, 1% de impureza. A presença de umidade no grão torrado ou moído também não poderá ultrapassar 5%. Serão observados, ainda, o estado de conservação do produto, aparência, odor e informações de rotulagem. A norma determina, também, critérios para características sensoriais do café: aroma, sabor, fragrância e sabor residual. Para o diretor-tesoureiro da FAEMG, João Roberto Puliti, a medida é acertada: “Sempre defendi que o consumidor brasileiro deve ter à sua disposição cafés de alta qualidade, como o produto que exportamos.”

INFORMATIVO FAEMG/SENAR

I

Junho de 2010

I 3


SINDICATOS

Norte de Minas discute política

Dirigentes de 14 Sindicatos dos Produtores Rurais do Norte do estado estiveram reunidos em Montes Claros com diretores e assessores da FAEMG. Neste terceiro Encontro de Presidentes de Sindicatos de 2010, o presidente da Federação, Roberto Simões, conclamou as lideranças da região a acompanharem com atenção o processo eleitoral, buscando candidatos efetivamente comprometidos com o campo.

Segundo Roberto Simões, a união da classe em torno do Sistema Sindical Rural é fundamental para a eleição de candidatos que defendam os interesses do produtor, que enfrenta problemas como escassez de crédito, endividamento, falta de infraestrutura e abusos nas áreas ambiental e agrária. Para o presidente do Sindicato de Montes Claros, Ricardo Laughton, as discussões promovidas pela FAEMG são de extrePablo Catarino

O presidente do Sindicato de Varginha, Arnaldo Bottrel, cumprimenta o presidente da Câmara Municipal, Leonardo Ciacci

Diretoria

Roberto Simões no encontro em Montes Claros

ma importância para congregar o setor.

COLABOROU CECÍLIA OLIVEIRA, DE MONTES CLAROS

Galeria de ex-presidentes

O Sindicato dos Produtores Rurais de Varginha inaugurou a Galeria de Ex-Presidentes. Segundo o presidente do Sindicato, Arnaldo Bottrel Reis, a galeria é um marco na história da entidade. Presente à solenidade de inauguração do espaço, o diretor-tesoureiro da FAEMG, João Roberto Puliti, destacou a importância da união da classe para a solução dos problemas do setor, como o endividamento da cafeicultura.

Nova Ponte

Tomou posse a nova diretoria do Sindicato dos Produtores Rurais de Nova Ponte. Eleita para o mandato 2010/2013, a diretoria tem como presidente o vereador, comerciante e produtor rural Weber Bernardes de Andrade, o Ebinho. O vice-presidente é José Pedro Pimenta; o secretário, Cláudio César Pereira; e o tesoureiro, Ésio Carneiro de Melo.

Curvelo

Nova diretoria do Sindicato dos Produtores Rural de Curvelo, presidida por Ângelo Augusto de Souza: Abner Humberto Lopes e Antônio Eustáquio Alves de Souza (conselheiros fiscais), Afrânio Gonçalves Soares (diretor-secretário), Luiz Carlos Carvalho Resende (diretor-tesou4

I

Junho de 2010

I

INFORMATIVO FAEMG/SENAR

reiro), Adauto Alves Ribas e Dalton Filho (diretores), Dalton Gonçalves e Guilherme Matos Diniz (suplentes), Biagio Annuzzo (2° vice-presidente), Ernani Jacques Durães (1° vice-presidente), Viriato Mascarenhas Gonzaga III (conselheiro fiscal) e Dalmir Dumont Magalhães (suplente).


Rivaldo Machado (de pé) no evento em Carneirinho

Superintendente da FAEMG é agraciado

O superintendente técnico da FAEMG, Affonso Damasio, foi agraciado com a Comenda Antônio Secundino de São José, durante a 52ª Festa Nacional do Milho, em Patos de Minas. A comenda foi entregue pelo governador Antônio Augusto Anasta-

sia, também homenageado, e pela prefeita de Patos de Minas, Maria Beatriz Savassi. O diretor tesoureiro, João Roberto Puliti, e o superintendente administrativo da FAEMG, Silas Canedo, estiveram presentes. MARIÂNGELA NOGUEIRA, DE PATOS DE MINAS Eduardo Santoro (Patos Notícias)

arquivo sindicato

COMENDA

Semana do Agronegócio O vice-presidente da FAEMG, Rivaldo Machado Borges Júnior, representou a entidade na abertura da 4a Semana do Agronegócio, em Carneirinho. Ele destacou a importância da

Federação na defesa dos interesses da classe rural e a parceria com o SISTEMA CNA SENAR no fortalecimento do setor, com a participação efetiva do presidente Roberto Simões.

Insegurança no campo O diretor secretário da FAEMG, Marcos de Abreu e Silva, sugeriu incluir o tema Insegurança no Campo na pauta do Fórum Técnico de Segurança Pública e teve a proposta aceita durante reunião preparatória, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais. “Os produtores rurais se sentem abandonados e inseguros no campo. A questão requer atenção e não pode ficar fora do debate.” O evento será de 11 a 13 de agosto, em Belo Horizonte.

Palestra em Prata Arquivo Sindicato

O governador Antônio Anastasia, a prefeita Maria Beatriz Savassi e Affonso Damasio

Novo técnico Rodrigo França Padovani é o mais novo analista de agronegócios da Assessoria Técnica da FAEMG. Natural de Sete Lagoas, é graduado em Engenharia Agronômica pela Ufla (Universidade Federal de Lavras) e já trabalhou como mobilizador do SENAR e técnico do Programa Balde Cheio. O novo funcionário será responsável pelo acompanhamento da pecuária e por programas do setor.

Em palestra no Sindicato dos Produtores Rurais de Prata, o diretor da FAEMG, Marcos de Abreu e Silva, orientou aos produtores sobre os cuidados necessários, nos aspectos jurídicos e administrativos, para se defender de invasões de terras. Sobre Previdência Social, esclareceu “que todo o interessado na aposentadoria deve recolher sua contribuição através de carnê específico, pois a taxa descontada na venda de sua produção não garante o benefício pessoal”. INFORMATIVO FAEMG/SENAR

I

Junho de 2010

I 5


MEIO AMBIENTE

FAEMG ITINERANTE

O governo federal suspendeu a ampliação e transformação da Área de Proteção Ambiental Serra da Mantiqueira em Parque Nacional. A decisão foi tomada após Audiência Pública, com a participação da FAEMG, em que os participantes foram unânimes contra a implantação. A medida criaria problemas sociais e afetaria o desenvolvimento da região. A audiência foi promovida pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais e pelo Sindicato dos Produtores Rurais de Passa Quatro. A advogada Ennia Gue-

Quase cem pessoas participaram do FAEMG Itinerante no município de Campanha. Profissionais das Assessorias Jurídica, Técnica e Sindical e do SAC (Sistema de Arrecadação e Cadastro) atenderam os produtores rurais, junto com funcionários do IMA (Instituto Mineiro de Agropecuária) e do Sebrae. Houve palestras sobre os seguintes temas: Greening, Associativismo e Empreendedorismo, ITR/CCIR/ADA, Contribuição Sindical Rural, Programa Café + Forte e Aposentadoria do Produtor Rural. “No evento, a FAEMG ouve diretamente o produtor rural, resolve pendências e estreita o contato”, assinala o coordenador da Assessoria Jurídica da Federação, Francisco Simões.

Suspensa ampliação de área de proteção na Mantiqueira

Participaram da audiência cerca de 500 pessoas, entre prefeitos, deputados estaduais, empresários, produtores rurais e a população

des, da Assessoria Jurídica, que representou a FAEMG, disse que “a proposta viola a ordem social, econômica e jurídica pela falta de

Balde Cheio

LEITE

Lideranças marcaram presença

Encontro em Muriaé

O presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Muriaé, Manoel de Carvalho Filho, disse que a Zona da Mata tem uma forte crítica ao mercado de importação, que inibi a produção de leite da região, que representa 15% do total do estado, e à legislação ambiental vigente, que dificulta o desenvolvimento da atividade rural 6

I

Junho de 2010

previsão orçamentária, de estudo sobre os impactos à produção e de plano de transferência e indenização dos produtores rurais”.

I

em 60%. “Defendemos uma medida regional, que respeite as particularidades de cada região”, afirmou, no 7° Encontro de Produtores de Leite da Zona da Mata Mineira. O evento contou com a presença de aproximadamente 700 pessoas, entre elas dirigentes da FAEMG e o secretário-executivo do SENAR, Daniel Carrara.

INFORMATIVO FAEMG/SENAR

Com o intuito de reorganizar a base de dados do Balde Cheio, o SISTEMA FAEMG SENAR fará o recadastramento das entidades parceiras, técnicos e produtores participantes do programa. O início do recadastramento será em junho, após o treinamento semestral de todos os técnicos envolvidos. A renovação dos termos de compromisso com as entidades parceiras nos municípios já deverá observar as novas regras determinadas pela diretoria do SISTEMA FAEMG SENAR, que incluem, por exemplo, a anuência dos Sindicatos de Produtores Rurais nas cidades onde o programa é conduzido por outras entidades.

CAMPO FUTURO A CNA promoveu, em Minas Gerais, uma rodada de painéis com o objetivo de levantar informações sobre custos de produção de leite, dentro do Projeto Campo Futuro. O trabalho de apuração de dados foi feito em Bom Despacho, Leopoldina, Santa Rita do Sapucaí e Teófilo Otoni. Os painéis foram feitos em parceria com o Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada).

FRUTICULTURA A Comissão Nacional de Fruticultura da CNA começou a discutir a criação de uma campanha de incentivo ao consumo de frutas e hortaliças. A iniciativa visa tirar do Brasil o rótulo de país com um dos mais baixos percentuais de consumo no mundo.


4 SINDICATO RURAL DE LEOPOLDINA Treinamentos orientam sobre práticas ambientais

Evandro Fiuza

MOTOSSERRA

Comenda Carlos Lu brilho às comemo aniversário da

O treinamento de Ope- corte das árvores. ração e Manutenção de MoO instrutor Ascânio Matosserra do SENAR MINAS ria de Oliveira disse que Técnicas corretas aumentam vida útil do equipamento vai além das orientações no treinamento são transde manejo dos equipa- mitidas orientações sobre Ederaldo Souza Pinhei- Belchior Alves de Melo, oumentos. O curso é um dos o uso correto de equipaComenda foie,criada 1988 para se Frandestacaram e que voluntária; ro, da Fazendaque São maisAdemandados só em emmentos de homenagear proteção indi-as personalidades tro participante, ressaltouEvandro G fizeram jus pelos3.235 serviçosvidual, prestados à classe no município, país. (representado p participou no de estado treina- e no 2009, foram treinadas além de toda aruralista par- cisco, que, quando Globo se adota as Este ano realizado a sétima edição“Enfatizamos da Comendaa Carlos Luzem e as seguintes personalidades produtor rural; Janete mento Patos de Minas pessoas. Os foi participantes te técnica. técnicas corretas, conseescolhidas pelo Sindicatosegurança, Rural depois Leopoldina a Comeda: Dr. de Andrei Felipe pecuarista; e observou que, apesar também recebem informao acidentereceberam gue-se ter maior durabili-José Alve Castro – Presidente OAB; Antônio do Carmo dade Neves Oliveira Montenári – com motosserra çõesMonteiro sobre asdeexigências de trabalho da queSubseção envolve a da trabalhar dos–equipamentos. agrônomo; Soares – Instituto Hermes Major Cláudio Nazário da Silva Pedro Augusto Junqu há muitos anos, pôde aperambientais que Carlos devem Olney ser motosserra pode ser fatal”, Pardini; MARIÂNGELA NOGUEIRA, Machado da 6ª Companhia de Polícia Militar de Leopoldina; Dr. Clóvis DE PATOS Delegado Regional de feiçoar os conhecimentos. seguidas antes –deComandante se fazer o explicou. DE MINAS

Cavalcanti Piragibe Magalhães – Juiz de Direito; Eunice de Souza – Assistência social

Contas de Minas Ger

cooperados

Santana de Pirapama busca cursos do SENAR

O Sindicato Rural de Santa- voltados para a bovinocultura de na de Pirapama está retomando leite, principalmente de insemiconvênio com o SENAR MINAS, nação artificial. Outra demanda visando à realização de cursos de levantada foi a capacitação para capacitação junto aos seus asso- a aplicação de agrotóxicos, uma ciados. Para acertar detalhes dos vez que o tomate é uma cultura treinamentos, o gerente do Escri- largamente explorada na região. tório de Sete Lagoas, Robinson MARCELO GUIMARÃES, Jorge Paulitsch, Dr. Andrei Felipevisitou MonteiroodeSindiCastro – Presidente da SubseçãoDE daSETE OABLAGOAS e advogado do SindicatodaRural cato. O vice-presidente enti-de Leopoldina Antônio do Carmo Neves – agrônomo e Superintendente Sena dade, Gilberto Câmara, disse que a reaproximação com o SENAR é O superintendente do SENAR MINAS, muito importante para a região. Antônio do Carmo Neves, foi um dos hoO Sindicato de Pirapama funmenageados com a Comenda Carlos Luz. ciona em espaço cedido pela A Comenda foi criada em 1988 para hoCooperativa Agropecuária de menagear as personalidades que se desSantana de Pirapama (Coasp). A tacaram nos serviços prestados à classe maioria dos produtores de leite rural em Leopoldina. Os agraciados, escooperados também é associada colhidos pelo Sindicato Rural do municíao Sindicato. O gerente da Coasp, pio, receberam a homenagem durante as Paulo Pereira dos Santos, disse comemorações do aniversário da cidade, que os associados estão reivinRobinson Paulitsch, Gilberto que completou 156 anos. Câmara e Paulo Pereira dicando a realização de cursos

Homenagem

Major Claudio Nazário, PMMG

INFORMATIVO FAEMG/SENAR I Junho de 2010 I 7 Clovis Cavalcante Piragibe Magalhães, Juiz de Direito


GOIABADA

Produtora aprimora técnica de fabricação

A produtora rural Irene Lamounier de Camargos já colhe os frutos com a fabricação de goiabada cascão e em pasta, após treinamento de Produção de Conservas Vegetais, Compotas, Frutos Cristalizados e Desidratados. O treinamento foi realizado pelo Sindicato dos Produtores Rurais de Luz, em parceria com o SENAR MINAS e ministrado pela instrutora Maria Mirtes Pereira Magalhães. “No curso, aprendi as técnicas corretas, gerando maior economia na produção”, ressaltou. Entusiasmada, ela pretende investir na construção de uma cozinha industrial. Ela conta que plantou

Embalagem e novos rótulos ajudam a alavancar as vendas

250 goiabeiras em 2007, com intuito de fornecer a fruta para uma indústria de doces. Com o tempo, a indústria fechou e, para não perder a produção, ela chegou a vender as goiabas para terceiros. “Minha produção era grande para

o mercado de Luz e pequena para comercializar para outros centros”, comenta. Com isso, ela resolveu produzir a goiabada. Por não conhecer as técnicas corretas, Irene usava medidas inadequadas, elevando o custo de produção. “A instrutora

nos repassou as orientações sobre as medidas certas e o doce ficou com uma consistência melhor”, diz. Irene conta também que aprendeu ainda a fazer a embalagem, o que fez com que o doce ficasse com uma apresentação melhor. Adotou também um rótulo mais colorido. “Pretendo investir na construção de uma cozinha industrial e aliar a minha produção à da minha irmã, que possui 500 goiabeiras”, enfatiza. A mobilizadora do Sindicato dos Produtores Rurais de Luz, Lourdes Míriam Araújo Raposo, observa que a diferença da fabricação antes e após o treinamento é visível. “A perspectiva de melhoria de renda da família de Irene é grande pela motivação dela com esta nova fase da atividade”. MARIÂNGELA NOGUEIRA, DE PATOS DE MINAS

reaproveitamento

Matéria-prima do Cerrado vira peças artesanais

O curso de Artesanato de Sementes, Cascas, Folhas e Flores movimentou a vida de mulheres rurais da Comunidade Agrovila, no Norte de Minas. Itamiris Soares de Aquino vislumbrou um novo mercado com a confecção de peças feitas com matéria-prima do Cerrado. “Temos tudo aqui, pronto para ser usado. Além disso, o artesanato 8

I

Junho de 2010

I

feito com sementes e folhas secas tem ótima aceitação no mercado”. Conforme a instrutora Márcia da Consolação Fonseca Veloso, além das mulheres aprenderem a produzir peças artesanais de decoração e utilitárias, também recebem informações sobre educação ambiental, prevenção de acidentes, cidadania, as-

INFORMATIVO FAEMG/SENAR

sociativismo e noções de compra e venda. “Elas não sabiam que sementes de tamarindo, por exemplo, que antes jogavam fora, poderiam ser usadas na confecção da mandala. Desconheciam também o fato de que a palha de milho poderia virar boneca. Quando terminam uma peça ficam maravilhadas. Ver este resultado me en-

tusiasma, é muito gratificante ver meu trabalho dando resultados positivos”, disse a instrutora. A aluna Vanda Lúcia da Silva também se surpreendeu com as possibilidades criativas com o material que antes era descartado. “Estamos cheias de planos, queremos trabalhar em conjunto e fazer artesanato com fins comerciais”. O curso foi realizado pelo Sindicato dos Produtores Rurais de Montes Claros, em parceria com o SENAR MINAS. CECÍLIA OLIVEIRA, DE MONTES CLAROS


AVICULTURA

SENAR ajuda produtores a recuperarem negócio Dois avicultores de Bom Despacho conseguiram recuperar a criação de aves caipiras depois de participarem do curso de Avicultura do SENAR MINAS no ano passado. Os sócios Eustáquio José da Silva e Breno Campos Rodrigues, das Fazendas

Picão e Piteiras, reorganizaram a infraestrutura dos galinheiros para garantir maior produção até o final de 2010, tendo como metas 300 pintinhos/mês e 96 ovos/dia. Em maio de 2009, os sócios investiram na criação de duas mil aves,

mas sem informações sobre o negócio. O resultado foi um prejuízo de 70% sobre o valor investido, devido à falta de infraestrutura e morte dos animais por doenças oportunistas. Foi aí que eles recorreram ao SENAR. “Come-

çamos muito desorganizados, sem nenhuma orientação e tivemos grande prejuízo. Resolvemos procurar ajuda e tivemos boa indicação dos cursos do SENAR. Se não fosse o SENAR, com certeza já tínhamos parado”, contaram.

Crescimento a vista

Eustáquio José da Silva mostra a produção de ovos

Mudanças pós-curso

Dentre as medidas implantadas pós-curso estão: seleção de matrizes, mudanças na infraestrutura dos galinheiros, instalação de granjas com piquetes, higienização do ambiente, aplicação de vacinas, escolha da alimentação e manutenção do negócio. “O curso ajudou em tudo porque é abrangente e oferece uma visão melhor

para implantar corretamente e manter a criação de aves. Antes, não tínhamos esta noção, por isso tivemos prejuízo”, avaliou Eustáquio. “Seguimos todas as recomendações e o curso fez grande diferença”, completou Breno. Foram cerca de cinco meses para reorganizar toda a criação, com separação de 120 matrizes que

também são produtoras de ovos. “Antes, também não tínhamos produção de ovos e comprávamos de outros criadores, mas a perda era grande no transporte. Agora, já fizemos a primeira granjinha e tiramos 80% da produção. De 300 pintinhos, tivemos perda somente de 1%”, contabilizou Eustáquio.

As perspectivas de crescimento não param por aí. A meta é dobrar a produção até 2011, ampliar as instalações e montar uma horta dentro da propriedade para alimentar os frangos, que atualmente são vendidos no município. Em breve, eles querem chegar ao mercado de Belo Horizonte. Para Breno, o conhecimento do instrutor Carlos Raposo fez toda diferença para o aprendizado. “O SENAR virou referência”, completou Eustáquio. O presidente do Sindicato dos Produtores Rurais de Bom Despacho, Paulino Gontijo Queiroz Cançado, disse que a história dos dois avicultores é um exemplo de como o SENAR atende o município. “Estamos satisfeitos com o trabalho do SENAR na cidade”, reforçou.

INFORMATIVO FAEMG/SENAR

KEULY VIANNEY, DE PASSOS

I

Junho de 2010

I 9


MEL

Capacitação aumenta produção no Norte de Minas

Desde 2005, o Norte de Minas vem trabalhando na melhoria da produção de mel. O SENAR MINAS realizou na região, de 2005 até agora, 121 cursos de Apicultura com a capacitação de 1.450 agricultores e trabalhadores. Com a profissionalização e o emprego de novas tecnologias, a produção de mel cresceu 60%, segundo dados da Codevasf (Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba). A média de produção gira em torno de 400 toneladas por ano. A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) adquire 50% do mel produzido na região, dentro do Programa Fome Zero, para uso na merenda escolar, o que deu mais impulso à produção. O mel do Norte de Minas vem conquistado também o mercado internacional pela boa qualidade. A associação de Apicultores de Bocaiúva está vendendo quase 50% da produção para uma empresa exportadora de São Paulo que distribui o produto na Europa.

Técnicas adequadas garantem qualidade

Opção de renda para pequeno produtor A apicultura é considerada uma das opções para o pequeno agricultor gerar emprego e aumentar a renda, aproveitando a potencialidade natural

A média de produção anual gira em torno de

400 ton.

10

I

Junho de 2010

I

INFORMATIVO FAEMG/SENAR

do meio ambiente e sua capacidade produtiva. Nos municípios de Monte Azul, Januária, Bocaiúva, Buritizeiro, Mirabela e Porteirinha, agricultores têm investido na produção de mel, que vem dando lucro e melhorando a qualidade de vida das famílias e a economia das cidades. Vários municípios foram contemplados com a instalação de unidades

de produção e beneficiamento, batizadas de “Casa do Mel”, atendendo a centenas de produtores. Dentro deste novo panorama, Sindicatos de Produtores e Associações Rurais vêm realizando, em parceria com o SENAR MINAS, a capacitação e profissionalização dos apicultores, a fim de produzir mel de qualidade. CECÍLIA OLIVEIRA, DE MONTES CLAROS


empreendimento

Curso do SENAR viabiliza produção comercial de iogurte

No primeiro semestre de 2009, a dona de casa Diva Maria Lodi Chagas, de Monte Santo de Minas, participou do curso de Derivados do Leite, realizado pelo Sindicato dos Produtores Rurais de Monte Santo de Minas, em parceria com o SENAR MINAS. Ela só não sabia que começaria, a partir dali, a produzir iogurte

caseiro para comercializar no município e também em outras cidades, como Ribeirão Preto (SP). Aos 65 anos, ela tornou-se uma microempresária com produção do iogurte Vó Diva. Logo após o curso, ela começou a fabricar iogurte para os amigos e conhecidos. No início, produzia 15 litros por semana. Hoje, já

são de 80 a 100 litros semanais de sete tipos de iogurtes com polpa natural de frutas, como morango, abacaxi, pêssego, ameixa, coco, salada de frutas, além da combinação mamão e laranja. Também são produzidos iogurtes diets. O iogurte Vó Diva é vendido em garrafas de um litro e de 200 ml. Por en-

quanto, tudo é produzido por ela mesma na fazenda. “Fiz o curso para diversificar os produtos para consumo próprio, como queijos e doces, mas comecei a produzir o iogurte e vender para os amigos. Eles gostaram e pediram mais. Foi a divulgação boca-a-boca que ajudou e resolvi começar a produzir em escala maior”, contou.

Diva comemora a produção de 100 litros semanais de sete sabores

Expectativa é de crescimento Quando decidiu fabricar o iogurte, Diva Chagas abriu a microempresa e montou uma cozinha na fazenda obedecendo às exigências da Vigilância Sanitária. A produção cresceu com a venda para consumidores de Monte Santo de Minas e Ribeirão Preto. A expectativa é aumentar o fornecimento para Ribeirão Preto e estender

o negócio para São José do Rio Preto, onde a filha mora. Com as boas perspectivas do negócio, Diva já pensa em gerar empregos em Monte Santo e passar a fabricar outros produtos derivados do leite, como doce de leite e queijo frescal – técnicas também aprendidas no curso do SENAR. “O curso é adorável, pois dá noções básicas para a

produção dos derivados do leite. Eu nem sabia fazer iogurte. O instrutor é excelente e o aprendizado fácil. Além disso, há seriedade no trabalho, porque orienta os alunos sobre limpeza do ambiente e higiene pessoal”, afirmou. Outro aprendizado que Diva está colocando em prática é o armazenamento dos produtos e rotulagem.

No momento, ela se diz muito feliz com todas as conquistas obtidas. “O SENAR me reviveu e voltei à vida ativamente. Estou numa idade em que deveria estar pensando em aposentadoria, mas estou elétrica e visualizo um futuro trabalhando. Estou muito feliz”, festejou.

INFORMATIVO FAEMG/SENAR

KEULY VIANNEY, DE PASSOS

I

Junho de 2010

I 11


superagro

A força do agronegócio

A Superagro Minas 2010, realizada no Complexo Expominas/Parque da Gameleira, em Belo Horizonte, de 26 de maio a 6 de junho, foi um sucesso. Os 12 leilões realizados durante a 50ª Exposição Estadual Agropecuária superaram em 40% os índices de 2009, gerando negócios da ordem

de R$ 6,1 milhões. O público também cresceu, saltando de 64 mil para 75 mil nessa sexta edição do evento. A Superagro é uma realização do governo estadual, por meio da Secretaria de Agricultura e IMA, da FAEMG e do Sebrae-MG. Mais informações, acesse: www.superagronet.com. Fotos Evandro Fiuza

Consolidação - Na abertura, o presidente da Faemg, Roberto Simões, comemorou o sucesso do evento: “a cada ano a Superagro cresce e se consolida, tornando-se importante fomentadora de negócios”.

Serviço - A FAEMG recebeu produtores e lideranças rurais e políticas no estande, apresentando os trabalhos e serviços que disponibiliza aos agropecuaristas.

Vitrine - No estande interno foram comercializados produtos confeccionados por instrutores e ex-alunos do SENAR MINAS, tais como artesanato de cerâmica, fibras e sementes, vestuário e produtos alimentícios.

Integração - Mais de 5 mil alunos visitaram a minifazenda e tiveram contato direto com os animais. Puderam ver também como são produzidos alguns derivados do leite e, no Dedo de Prosa, conversaram com o Torrãozinho, mascote do Semeando.

Carla Medeiros, Lucila Alves Guimarães e Silvana Matos

12

I

Junho de 2010

I

INFORMATIVO FAEMG/SENAR

FAEMG SENAR 59  

Informativo Junho 2010

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you