Page 1


Disponibilizado: Lizzie Vox Tradução: Andreia S., Paula, Bruna, Regina G, Monica A, Raquel, Adriana Revisão Inicial: Barbara, Ladi Araújo, Ana Catarina Revisão Final: Andréa S. Leitura Final: Andréa S. e Lizzie


Regra nº 1: sem gente gostosa. Pode parecer ridículo. Entendo. É meio isso, mas a faculdade deve ser meu santuário. É meu lugar para começar de novo. Os rumores, os sussurros e os ciúmes que aguentei no ensino médio desapareceriam. Ninguém me conhece na faculdade. Regra nº 2: sem drama. Eu me matriculei em Direito. Faria alguns amigos leais. Tudo seria fácil como brisa. Ninguém iria me usar ou me machucar. Não deixaria. Regra nº 3: Ano novo. Novo lugar. Novo eu. Certo? Errado. E tudo por causa de Shay Coleman. Capitão de futebol e quarterback, ele é o grande cara no campus. O sujeito convencido na minha aula de ciências políticas com um sorriso. Eu odeio vê lo. . . . . . e ele está prestes a quebrar todas as minhas regras.


A todos que me ajudaram a fazer esse livro juntos! Pelo meu tempo na faculdade, por aqueles que estão na faculdade agora, e por aqueles que amam uma viagem pelas memórias. A faculdade foram alguns dos anos mais dramáticos da minha vida, mas também com algumas das melhores aventuras e é um lugar onde espero que você faça alguns dos seus amigos ao longo da vida.


CAPÍTULO UM

Shay Coleman arruinou meu sonho de fazer Direito. Ok, na verdade não. Isso é um exagero, mas é meu sonho ser advogada. Entrei em um julgamento simulado. Fui uma testemunha no primeiro ano. A advogada de defesa principal no meu segundo ano. Conheço minha merda. Conheço as lacunas. Conheço todos os movimentos, o que posso contestar, o que não posso, e o que ainda quero que o júri imaginário ouça. Eu sou o pacote completo. Ia me tornar uma advogada. Até que entro na minha primeira aula de ciências políticas e tudo vai ladeira abaixo. Aprendi quatro coisas imediatamente durante as primeiras semanas:

1. Memorizar as leis é entediante. Não, sério. É realmente chato. Muito chato para mim. Sei que tenho que cortar minhas perdas aqui. 2. Embora não precisasse estudar no ensino médio, com certeza como o inferno faço na faculdade. 3. Preciso aprender como estudar. 4. Idiotas arrogantes também podem ser idiotas reais na faculdade.

Shay Coleman me ensinou esse último.


“Dividam-se em grupos de quatro ou cinco.” O professor levanta a planilha no ar. “Revisem estas perguntas de discussão, e uma pessoa irá compartilhar com a classe. Vão.” Olho em volta da penúltima para a última fila. É aí que me amaldiçoo por não obrigar Kristina a seguir o curso comigo. Sou uma caloura e essa classe é na maioria de alunos mais velhos. Agarrando meu assento, estou pronta para transformar isso de uma forma ou de outra, mas não. A loira à minha direita está em um grupo. Suas costas estão de frente para mim. O mesmo em frente. Sei quem está sentado à minha esquerda e não quero olhar para lá. Eles sentaram lá no primeiro dia de aula. Estava na penúltima fila naquele dia e os assisti, um a um, enquanto eles seguiam. Eles são grandes. Eles são musculosos. Eles são lindos. Todos os seis. Um é alto com ombros largos, cabelos louros escuros, olhos azuis cheios de gelo, e o tipo bochechas que as garotas derretiam em seus assentos e suspiravam. Ele é um material modelo, e é assim clichê, mas é claro que é o quarterback da escola. Shay Fodido Coleman. Os outros são iniciantes, um jogador defensivo, um receptor, um jogador ofensivo e o mais magro é o chutador da equipe. Sei disso porque meu irmão, Gage, me fez ir a não a um, não a dois, não cinco, mas a sete dos jogos do ano passado, quando ele era calouro. Então, como se isso não


bastasse, ele me interrogava sobre suas estatísticas quando voltamos para o dormitório. Era a melhor parte das minhas visitas. Observe o sarcasmo. Mas de volta a esse primeiro dia de aula - seus cinco amigos haviam tomado toda a última fila, e a única cadeira deixada livre é a que está atrás de mim. Shay faz uma pausa, ocupando a última posição. Ele olha para a cadeira e depois para mim. Aqui está a coisa. Eu sou jovem, mas sei que tenho a aparência de Nina Dobrev. Corpo fino, cabelo castanho longo e pernas longas. Sou um par de centímetros mais alta do que as garotas normais, assim não entendo o apelo, mas eles gostam de como pareço, ou fazem até descobrir que Gage e Blake Clarke são meus irmãos. As opiniões mudam depois disso, porém espero que isso mude na faculdade. Dulane é grande. É uma universidade privada, mas ainda é grande o suficiente para poder ir quatro anos e nunca ver meu irmão no campus. Mais de quatorze mil alunos participam de Dulane. Eu raramente fui cantada no ensino médio, mas as pessoas me usavam para chegar aos meus irmãos, Gage e Blake. Meninas me amavam, os caras ou me respeitavam ou me odiavam. Dependia de como eles viam meus irmãos, mas realmente só havia uma dessas duas reações. Os caras principalmente me mostravam respeito. Isso durou até Gage se


formar. Blake é anos mais velhos, então ele estava fora de casa há muito tempo, mas Gage é o obstinado. Quando ele foi para Dulane no ano passado, tudo mudou. Os garotos da minha série lembraram-se de como eu parecia, e o respeito saiu pela janela. Fui cantada o suficiente para que as meninas começassem a me odiar. Adicione há esse ano um evento que aconteceu quando eu era uma caloura... Bem, vamos dizer que tudo se juntou e me fazia odiar imediatamente o cara que estava atrás de mim. Seu lábio superior se curva como se estivesse segurando uma risada. Seus olhos estão zombando de mim. Seguro os dentes. Estou sentada bem na frente dele. Ele está olhando meu pescoço. Pode ter avançado e fingir que há algo no meu cabelo para poder me tocar. Ele pode verificar minha bunda o tempo todo, já que nossos encostos de costas apenas cobrem a metade superior de nossas costas. Shay Coleman não é apenas o grande cara no campus. Ele é um grande negócio. Ele é adorado além de ser amado. Ouvi o suficiente sobre ele de Gage, dos amigos de Gage, mesmo dos rumores no meu dormitório enquanto caminhava pelo corredor, não preciso conhecê-lo pessoalmente para saber o quanto ele é adorado. É uma realidade estranha, mas é o que é. Há pessoas que o observam abertamente, e há outros que são mais discretos, mas ainda estão olhando. O que acontece aqui pode colocar as fábricas de fofocas girando.


Sei que isso é uma desvantagem, e ele pode dar o tom para todo o ano. Se o assédio escolar começar aqui, pode vir dele. Flashbacks do ano passado inundam minha mente, e não consigo entender. Sentindo um arrepio na minha espinha, agarro minha bolsa e jogo no assento vazio na fila na minha frente. Suas sobrancelhas se erguem. Então todo mundo que o estava observando está me observando. Um silêncio repentino vem sobre as pessoas mais próximas de nós. Pego meus livros e telefone e então fico de pé. Movi-me bem na frente dele, e ele fica ali, segurando seus próprios livros na sua frente. Deixando a mala no chão, coloco o saco para baixo. Então sento e olho direto para frente. Ele não se move. Sei que ele está olhando para mim. Meus olhos piscam para a direita e vejo confusão escrita por todo o rosto de uma menina. Ela morde o lábio, seus olhos deslizando de mim para Shay até senti-lo passar por mim. Meus ombros caem e relaxo até ouvi-lo dizer: “Linde, troca de assento comigo.” Fecho os olhos. O atacante ofensivo não discute. Ele agarra suas coisas e se move, sentando atrás de onde estou. Shay Coleman senta-se atrás de mim, e respiro. Esse cara não deveria me incomodar, tento dizer a mim mesmo. Eu o conheço, mas atualmente não o conheço. Nunca falei com ele. Ele nunca


me paquerou ou me chamou de puta depois que o recusei. Ele não me convidou e depois dormiu com uma das minhas melhores amigas nas minhas costas. Não há nenhuma razão para esta repugnância instantânea, mas está lá. Tento forçar uma respiração calmante. Talvez não exista nenhum motivo para que os meus alarmes fossem ativados. Talvez ninguém notou? Eles simplesmente acham que sou estranha, o que sou, mas talvez não fosse tão perceptível quanto pensava - não. Ele se inclina para frente e sussurra sua respiração provocando meu pescoço, “Checkmate.” Ouço seu suave e baixo riso. Eu me sentarei na frente da próxima vez. Tenho a minha opinião. Ele ficará na parte de trás com seus amigos. Posso me mudar. Não será um grande problema. Nosso professor anuncia: “Espero que você goste de onde se sentou hoje, porque estes são seus arranjos permanentes de assentos.” Expulso um gemido repentino e não tão silencioso. Isso é uma piada ruim. Assim como este maldito projeto de grupo agora. O único lugar em que posso virar é onde ele está. Tenho uma esperança irracional de que ele puxou para o grupo à minha direita. Isso teria sentido, mas não. Quando permaneço lá, a única que não está em um grupo e ainda está sentada na cadeira, eu o ouço dizer, “Você pode se juntar a nós, Clarke.”


Clarke. Ele disse meu sobrenome como se fossemos amigos. Mas sou a amiga perdedora daquela sala de aula. Resignada, agarro a borda da minha cadeira e começo a movê-la. Os outros quatro caras estão em um grupo separado. Shay também foi puxado, junto com Linde, uma garota que está sentada na minha frente, e outra garota também. Ambas as meninas começam a mencionar meu nome e sinto sua curiosidade imediatamente. Uma está vestida com um casaco bege e calças jeans justas. Seu cabelo está em um emaranhado bagunçado, e se ela me disser que ela é de uma irmandade, não ficaria surpresa. Estou estereotipando, e me sinto mal por isso, mas juro que ela tem a aparência. A outra menina é menos chamativa, mas vestia semelhante à primeira garota. Calças jeans justas e um suéter branco em vez de bege. Seu cabelo escuro está solto. Ambas usam maquiagem natural, batom rosa claro e sombra no olho. A primeira é bonita, mas os olhos da segunda menina estão um pouco abertos demais no rosto dela para colocá-la na mesma categoria. Olho para Linde. Ele tem um rosto redondo com linhas de sorriso dobradas pela boca e pelos olhos. Eu o ouvi rir o suficiente nas últimas duas semanas para saber que elas estão lá por algum motivo. Ele é grande, construído como um touro, e sempre que olho para ele, sou atingida com o desejo de abraçá-lo como um ursinho de pelúcia.


“Como você sabe meu sobrenome?” Eu me recuso a olhar para Shay Coleman. Ele sabe meu primeiro nome também? “Gage me disse para cuidar de sua irmãzinha, Kennedy Clarke.” Olho e tento não sentir o soco no meu peito. Deus. Ele é lindo. Aqueles olhos estão focados em mim. Eles não estão olhando para longe. Toda a sua concentração está lá. Minha boca está seca. “Você é amigo do meu irmão?” Quando isso aconteceu? Eu duvido que isso seja verdade. Gage estaria envaidecido como um pavão sobre isso. Aqueles olhos ainda estão rindo de mim. Ele levanta os lábios com um leve sorriso, um sorriso leve. “Ele estava em uma festa. Nós tivemos que falar sobre as aulas. Disse-me para cuidar de você.” Aqueles lábios levantam o resto do caminho em um sorriso cheio. “Ele disse que sua irmã teria um chip em seu ombro. Sei agora de quem ele estava falando.” O ar escapa de mim. Gage é uma merda. Eu luto por manter uma máscara no meu rosto. “Isso é hilário.” O brilho nos olhos de Shay me diz o que ele pensa, e entendo. Eu faço. Caí como uma cadela, mas confio em mim. Havia um motivo. Aprendi que é melhor começar a balançar primeiro do que ser atingida por outra pessoa, metaforicamente falando. Linde levanta a planilha. “Nós devemos falar sobre o aborto.” Ele aponta para as outras duas meninas. “Adivinho que vocês duas garotas são pró-aborto?”


A mais bonita rola os olhos. “Cala a boca, Ray. Só porque temos vaginas não significa estamos com o abortos.” “Sim, mas você não quer ter o direito de escolher?” Shay move o assento mais perto deles, o que o aproximou mais de mim. Os joelhos grandes escovando contra o meu, então eles se movem quando ele se inclina para frente e apoia os braços em sua mesa. A mais bonita não diz nada. Seus lábios se pressionam, e seus olhos se deslocam para a amiga. “Uh.” A amiga tosse e empurra para frente em seu assento. Seus cotovelos descansam em sua mesa. “O que a planilha nos pede para discutir? Nossas opiniões individuais?” O dedo de Linde bate em sua folha. “Número um.” Ele inclina a cabeça para ler disso. “Discutir a lei do aborto.” “Isso não significa que tenhamos que falar sobre nossas opiniões pessoais,” a mais bonita arranca a folha de suas mãos. Ela inclina-se sobre ela, o dedo movendo-se enquanto lê mais a questão. “Para continuar desenvolva sua própria posição sobre o aborto, reveja os seguintes pontos levantados por uma visão a favor da vida e uma visão a favor da escolha. Seu grupo deve apresentar sua discussão para a sala.” Ela bufa e empurra a planilha de volta para Linde. “Foda-se isso. Não estou apresentando nada.” Linde olha cautelosamente para o papel. “Eu vou apresentar isso para nós.” Shay inclina-se para frente, seu joelho descansando contra o meu novamente enquanto ele alcança a folha de cálculo. “E você, Clarke? Qual a sua opinião sobre o aborto?”


Dou de ombros. Não tenho opinião. Por que o joelho dele me tocou? “Vamos.” A menina mais bonita ergue as sobrancelhas em encorajamento. “Você tem que ter uma opinião.” “Qual é a sua?” Um riso baixo vem de Shay, e os olhos da menina se aproximam dele. Ele ignora o olhar, pegando uma caneta para escrever o que ela dizia. Sua perna pode ter se mudado da minha novamente, mas não. Ele manteve lá, pressionando diretamente contra mim. Ele ergue as sobrancelhas também. “Hmmm, Becs? Estou pronto para escrever.” “Foda-se, Coleman.” Ela cora. O pescoço dela fica vermelho, mas seus olhos se mantem firmes sobre ela, e um pequeno sorriso aparece em seu rosto. “Eu não sei. O que você quer que eu diga?” “Diga o que você pensa e por que,” Shay diz. Aquele sorriso ainda está lá, juntamente com outro brilho no olho dele. Suas bochechas estão cor-de-rosa enquanto olha para a mesa, encolhendo os ombros esbeltos. Ela junta as mãos, apoiando os braços sobre a mesa, de modo que elas caem como se estivesse alcançando em direção a ele. “Eu não sei. Quero dizer, a religião da minha família.” “Você é a favor da vida, então?” Linde pergunta. “Sim. E você?” Mas ela não está perguntando a ele. Seus olhos estão em Shay. É óbvio a quem sua pergunta foi dirigida. Ele ergue a caneta e sorri. “Eu sou apenas o repórter do grupo. Vocês me dizem o que escrever.”


Linde xinga, sorrindo e balançando a cabeça. “Vamos lá.” O sorriso de Becs se espalha. “Você tem que nos contar.” Ele grunhe. “E você, Amy?” A amiga mais simples tosse. “É Aby, e eu não sei.” As duas garotas compartilham um olhar. “Eu acho que sinto o mesmo. Meu pai é um pastor. Eu tenho que ser a favor da vida, sabe?” Os olhos de Linde se arregalam. “Seu pai é um pastor?” Becs ri, gesticulando as mãos em um movimento descendente. “Estabeleça-se. Ela tem namorado.” Linde franze o cenho para ela. “Não é assim. Só estou surpreso... Aby entra, “Ele não fica aqui.” A cabeça de Becs volta para sua amiga. “Por que você disse isso?” Aby encolhe os ombros novamente, enfiando um pouco de cabelo atrás da orelha. “O que? Quero dizer, ele não vem. Ele vai para Methal. São quatro horas de distância.” “Methal não é uma faculdade cristã?” Olho de lado para Shay. Ele está com um olhar sério no rosto, mas não nos olhos dele. É o mesmo olhar que me deu no primeiro dia de aula. Ele estava rindo de mim então, e ele está rindo dessas pessoas agora. “Sim.” Ambas as meninas se viram para ele. Aby puxa uma de suas mangas, alisando-a. “Eu tenho certeza que ele é a favor da vida também.” Isso está rangendo nos meus nervos. Devo ter feito barulho, porque todos os olhos se voltam para mim.


Eu posso sentir o sorriso de Shay crescendo quando ele pergunta: “Sim? Você tem uma opinião diferente?” Eu me endireito no meu assento, encolhendo os ombros. “Eu não tenho opinião, mas não é por causa de quem é meu pai ou se meu namorado vai para uma faculdade cristã. Não tenho opinião, porque ainda não aconteceu comigo. Quando isso acontecer, se assim for, entendo isso. No entanto, será minha opinião. Não será porque alguém perto de mim, me diz como pensar.” Os lábios de Linde juntam-se e ele recosta-se. Eu penso ter ouvido um ‘Boa, maldição’ dele. Becs inclina a cabeça em minha direção. “Você está dizendo que eu não tenho uma opinião real?” “Não estou dizendo que é mal, mas é o que você disse. E essa é a minha opinião sobre o que você disse.” “Com licença?” Seus lábios se diluem. “Você é a favor da vida por causa da religião de sua família.” Eu mostro minhas mãos para ela. “Você mesmo disse isso.” Olho para Aby, mas ela já sabe o que estava por vir. Ela começa a se voltar para o banco. “Você disse o mesmo. Seu pai é pastor, e você não consegue pensar de maneira diferente. Não tenho certeza sobre a coisa toda de namorado, mas você ainda usou seu pai como seu ponto de referência.” Eu me inclino para trás no meu assento. Vejo que ainda tenho algumas faíscas da advogada em mim. Não é suficiente para continuar com essas aulas, mas isso está lá. Linde começa a rir.


Eu me viro para ele. “E quanto a você? Qual é a sua opinião desde que o Sr. Repórter está invocando a quinta?” “Uh.” Seu riso seca, e seus olhos se deslocam entre todos nós. “Eu acho,” ele puxa a gola da sua camisa, “Eu sou a favor da escolha.” Sua cabeça mergulha apenas ligeiramente para a direita, como se dissesse: “Aí, eu digo.” Então ele se volta para as outras garotas. “Minha irmã foi estuprada. Ela não queria ter seu filho quando tinha quatorze anos. Então, sim” - seus olhos viram para o meu novamente – “Eu sou a favor da escolha, porque não há como estar indo contra minha pequena irmã e a culpa e o tormento que ela sente todos os dias porque um pau decidiu forçar seu interior.” Não perdi um olhar para Becs ou Aby. Eu sinto um raio de remorso por forçar o assunto, mas o professor chamou. Tivemos que ir ao redor e apresentar nossa discussão. Quando chegou a nós, Shay fica de pé. “Nós viemos para um impasse.” O professor cruza os braços sobre o estômago. “Você tem cinco membros. Como pode haver um impasse?” Shay olha para mim antes de dizer: “Dois para a vida. Dois para escolha. E uma pessoa que não possui uma opinião ainda.” Sinto a surpresa das duas garotas, mas por algum motivo, não fiquei surpresa por ele ter sido a favor da escolha. Eu olho para Linde. Nunca imaginaria qual era a sua opinião ao olhar para ele. Como se estivesse sentindo minha atenção, ele olha por cima e mergulhou a cabeça em um aceno de cabeça. Lá está.


Eu consigo o que muitos caras desejavam de um jogador de futebol iniciante na Universidade de Dulane. Um aceno de respeito. Sorrio de volta, e ele concorda. Meu queixo levanta uma polegada mais alto. Acabo de fazer meu primeiro amigo em Ciências políticas, mas meu prazer é de curta duração. O professor anuncia: “Ok. Boa discussão. Agora troquem números e informações com seus membros do grupo. Este é o grupo que você vai fazer sua apresentação final no final do semestre. É um terço da sua nota.” Gemi e deixo minha cabeça cair na minha mesa. A risada de Shay cai sobre mim. Ele se inclina para o meu ouvido, sussurrando: “Olhe para isso. Sem nada para frente.” Ele acaricia minhas costas. “Obrigado, Clarke. Eu sabia que essa classe não seria chata.” De repente, tenho um mau gosto na minha boca.


CAPÍTULO DOIS

Minhas reservas vão até o dia em que conheço minha colega de quarto. De novo más lembranças do ensino médio, mas a reunião inicial foi bem. O nome dela é Missy. Ela tem um rosto redondo cheio de espinhas com uma testa larga. Quase grosseira, os cabelos pretos pendem por seus ombros. Ela é dois centímetros mais baixa do que eu e calma. Agradável, ela fica quieta, mas riu quando descobriu que nunca tinha visto Titanic. Ela pode citar tudo. E surpresa, sua caixa de filmes é de filmes de garotas. Nós olhamos para a minha: toda ação-aventura. Ela vira o nariz para Gladiador. Mesmo? As semelhanças terminam aí - o fato de que nós duas gostamos de alguns (eu estou sendo generosa com essa palavra) filmes. Sua melhor amiga e a prima da melhor amiga também moram em nosso dormitório. Fui uma vez a uma sorveteria com elas e vi a pena em seus olhos quando Missy retransmitiu a falta de Titanic em minha vida. Fui colocada na categoria de ajuda. O que significa que elas acham que preciso de ajuda e não estou mais no grupo porque é óbvio que sou estranha.


Dirty Dancing, A Walk to Remember, Hope Floats e tantos outros filmes foram o repertório de sua conversa. Não fui permitida entrar. Havia piadas internas, dentro das citações, até mesmo um estranho tipo de risada. A única amiga que tenho é Kristina. Ela é um presente de cima, embora viva dois andares abaixo, e sempre pulo seu convite da sua noite de cinema. Às vezes, sou tentada a perguntar até onde, mas me abstenho. Ela não entenderia a piada. Viu, posso ter minhas próprias piadas internas. Toma essa, companheira de quarto arrogante e duas amigas. Insira golpe de caratê aqui. Kristina tem um rosto em forma de coração e cabelos curtos e castanhos. Ela é legal, real e verdadeiramente agradável, e ela é linda. Um pequeno queixo sob lábios suntuosos e olhos castanhos, misturado com uma risada infecciosa, e se ela não tivesse vindo para a faculdade com um namorado, ela ficaria “entusiasmada” muito rápida. Mesmo agora, depois de deixar a aula de Ciências políticas e vê-la em pé antes da praça de alimentação, há um punhado de caras lhe dando um olhar duplo. Eles olham se viram e tem que olhar para trás. Um casal estreita os olhos, vêm o anel no dedo e voltam para os amigos. Balanço a cabeça quando chego perto. “Esse anel de compromisso que Abram lhe deu foi um golpe de gênio.” Ela levanta a cabeça do livro e franze a testa. “O que?”


Chegando à minha mochila para minha identificação, gesticulo para seu dedo. “Você seria paquerada se não fosse ele.” “Oh.” Ela revira os olhos antes de abaixar a cabeça. “Tenho certeza que não. E não é um anel de compromisso. É só...” Seu dedo no anel. “Eu não sei. É um presente de ‘eu te amo’.” Concordo. “E isso funciona. Todo mundo sabe que alguém te ama.” Tusso. “Isto é, você é comprometida.” Ela ri. “Pare Kennedy.” Então seus olhos olham atrás de mim e arredondam. Ela respira fundo. Parece que sei. Os cabelos na parte de trás do meu pescoço estão de pé, embora não de medo. De uma emoção diferente, e ignoro isto. Ignoro o delicioso arrepio que derruba na minha espinha porque isso não faz sentido, mas sei quem vem atrás de mim. Eu o sinto, e por isso, estou no limite imediatamente. “Clarke.” Maldito seja ele. Um riso baixo e suave. Aquela voz é uma carícia em si só. Eu tenho certeza de que algumas calças estão derretendo em nossa proximidade. Giro ao redor. Em vez do sorriso que assumi que estaria puxado em seus lábios, ele usa uma expressão séria. Isso torna seus olhos ainda mais ardentes, se for possível. Ele estende a mão.


Eu olho para ele, vejo que está vazia e volto os olhos para os dele. “Sim?” “Me dê seu telefone.” Sua mão não se move. “Você não trocou números com ninguém.” Volto um passo. “Por quê?” “Eu vivo fora do campus. Você não vai me procurar no diretório da escola.” Ele tem um ponto. “Vou procurar você no Facebook ou Snapchat.” “Não, você não vai. Me passa seu telefone.” Sinto que está sendo puxado para fora do meu bolso, e estou muito atrasada. Kristina está sorrindo quando rapidamente codifica minha senha e depois entrega. “Aqui. Está tudo pronto para você.” “Ei!” Tento agarrá-lo, mas Shay se muda, bloqueando-me com as costas. Acabo pressionada contra ele e murmuro um rosnado. É como se ele fosse um atleta ou algo pela velocidade que ele se mudou. Minhas mãos descansam contra suas costas, e sinto seus músculos tensos lá, deslocando-se debaixo da camisa. Ele digita sua informação, mas faz uma pausa para sorrir por cima do ombro. “Sinta-se livre para explorar mais. Não vou desistir rapidamente de apalpar.” Puxo minhas mãos para trás como se estivesse queimando. Mudo para a direita, mas ele se muda comigo. Continua a me bloquear quando termina e depois entrega o telefone de volta a Kristina. “Obrigado pela ajuda.” “Você é bem-vindo.” Ela estende a mão. “Kristina Collins.”


Ele sacode, começando, “Shay Co-” “-Coleman.” Ela ri. “Confie em mim. Minha colega de quarto e amigas estão plenamente conscientes de quem você é.” Ela olha para mim. “Eu não sabia que você era amigo de Kennedy.” Ela fez parecer que estou segurando os ingressos para o Super Bowl. “Oh.” Shay vira, voltando-me novamente e joga o braço em volta do meu ombro. Uma garota ofega a poucos metros de distância. Ele me puxa contra o seu lado. “Somos bons amigos. Você vai me ver mais. Confie em mim.” Ele me libera, mas não antes que sua mão estivesse descendo em minhas costas e descanse na minha bunda. Ele me acaricia, inclinando-se e sussurrando: “Um apalpão por um apalpão, certo?” Ele me esmaga e sai, rindo em voz baixa. Ignoro a atenção que tínhamos conquistado. Kristina bate no meu ombro. “Kennedy! Você conhece Shay Coleman?” Faço uma careta, virando-me para a praça de alimentação. “Não. Eu tecnicamente não.” “Isso não parece para mim que você é estranha. Ele tocou sua bunda.” Reprimo um estremecimento. “Não me lembre.” Uma fila se forma para a cafeteria, e nós ficamos no fim. “E eu quero dizer isso. Hoje é o primeiro dia que falei com ele. Nós estamos em um grupo para discussão.” “Por que ele lhe deu seu número?”


“Porque temos que fazer uma apresentação final do semestre.” Vejo a emoção se formando. “Todo o grupo, não apenas nós dois.” “Mas ainda.” Ela pega meu braço. “Sarah, Laura e Casey ficarão loucas por isso. Casey, especialmente. Ela está adulando ele desde o primeiro jogo de futebol.” Eu também não preciso me lembrar disso. Casey é a colega de quarto de Kristina, e as outras duas são amigas da escola de Kristina. Onde Kristina é mais reservada, não bebia (tanto) e tinha um namorado constante - as outras não são. Casey é outra “rapariga.” E ela está solteira. Após o primeiro dia de orientação, ela tinha gente chamando todas as horas do dia. Ela, Laura e Sarah dividem seu tempo entre seu próprio dormitório e o dos ‘rapazes'. Nós tínhamos uma política de não dormir nos nossos dormitórios, mas Sarah e Laura já quebraram quatro vezes que eu sabia. Casey ficou com elas aquelas noites. E só sei dessas quatro vezes porque estava assistindo um filme com Kristina quando Casey entrou para reforço de bebidas alcoólicas. Ela sempre sorri e oferece um convite para festejar com elas, mas também sou uma covarde para arriscar ser pega. Ainda não chegamos a voltar a casa. As quatro formavam um grupinho, e enquanto não estou realmente no grupo, ocasionalmente saio com elas. Sou amiga da Kristina, mas sou do tipo que é amigável com todos. Se isso fosse o ensino médio, eu teria desistido porque Kristina teria trinta outros amigos. Tive sorte. Eu a encontrei na primeira semana da faculdade quando ela ainda não tinha


muitos amigos. Além das outras três, sei que Kristina me considerava uma das suas melhores amigas na faculdade. Preciso disso. Preciso dela. Minha outra opção é minha companheira de quarto aborrecida e suas amigas. Faço uma careta. Talvez eu seja o problema? Nah. Balanço a cabeça e avanço com a fila. Esse não pode ser o caso. Eu escorro calor. Atraio pessoas para mim como seiva para os ursos. Venham me comer, animais. Meus lábios se contraem. Mesmo minhas próprias piadas são patéticas. “Espere um minuto.” Kristina está me observando. Seus olhos se estreitam. “Você não vai dizer a elas, vai?” Eu olho de volta, o mesmo olhar incrédulo no meu rosto que ela me deu quando Shay caminhou pela primeira vez. “Está brincando né? Não tenho como não lhes contar.” Elas vão querer o seu número. Elas vão querer que eu o chame. Elas vão querer que eu fale com ele. Elas vão querer me usar. Isto não será o ensino médio novamente. Tenho regras: nenhum garoto quente e nenhum drama. Este é um ano novo, uma nova escola e um novo eu. Vou estudar meu traseiro fora e não me envolver em nada extracurricular. Balanço minha cabeça de lado a lado. “Eu não estou usando seu número, e ele está certo. Não estou respondendo se ele chamar.” Isso me


faz parecer uma pirralha, mas tenho alarmes saindo. Alarmes grandes, enormes e vermelhos e, por favor, não gostei instantaneamente de Shay. Estou ouvindo esses alarmes. A última vez que não fiz, bem, não foi bonito. Foi um desastre. “Como você vai entrar em contato sobre a reunião para o seu projeto?” “Linde.” Eu já havia formado meu plano quando estava saindo da sala de aula. “Quem é Linde?” “Raymond Linde. Ele é um atacante ofensivo.” Obrigado ao meu irmão por esse fato aleatório. “E ele também está no grupo. Nós somos amigos.” Ele acenou com a cabeça para mim. Mesma coisa. “Vou treinar Shay para que, se ele quiser conversar comigo, ele terá que passar por Linde para fazer isso.” Seus olhos se estreitam, e ela pisa atrás de mim quando entramos na cafeteria. “Shay Coleman não me parece como o tipo a ser treinado. Ele é o tipo que faz o treinamento.” Entrego meu cartão para o funcionário, e quando ele sai disparado, digo a Kristina, “Bem” - Pego meu cartão de volta - “ele nunca me conheceu antes.” Então dou um passo à frente. Meu estômago grunhe no primeiro cheiro daquela barra de sorvete, e vou direto para isso. Minhas prioridades estão no lugar.


CAPÍTULO TRÊS

Eu tive que ver Shay duas vezes mais durante a semana desde que nossas aulas caíram em um cronograma segunda-feira-quarta-feira-sextafeira, mas nós dois escapamos vivos. Não fomos forçados a discussões em grupo, e a única vez que nós tivemos que emparelhar com alguém, Linde sinalizou para mim imediatamente. Veja, nós somos amigos. É cerca de três horas naquela tarde de sexta-feira, quando volto para o meu dormitório. Estou passando atrás do prédio de arte, descendo a calçada que se vira para a direita e passa por um monte de árvores e depois no meu dormitório. O campus inteiro está configurado assim. Havia árvores em toda parte. Elas escondem a maioria dos prédios, então parece como se estivesse constantemente andando em uma floresta até sua calçada mergulhar em qualquer edifício que seja sua parada. Estou a seis metros da minha clareira quando ouço meu nome ser chamado. Fico tensa, mas não. Não é Shay. Essa não é a voz dele, e uma carranca instantânea se forma porque reconheço essa voz. Meu irmão está parado atrás de algumas árvores, acenando para mim. Apresso meu ritmo. “Cage. O que você está fazendo aqui?” Eu o empurro mais fundo nas árvores e olho sobre meu ombro. A calçada está limpa. Meus ombros caem em alívio. Eu dou ao seu peito um bom golpe. “Primeira regra do Clarke Club. Nós não nos conhecemos.”


Ele revira os olhos, passando a mão pelo cabelo castanho escuro, que é a igual ao meu. Nós também tínhamos os mesmos olhos escuros. Ele é um ano mais velho, mas as pessoas pensam que somos irmãos gêmeos. Gage gosta da brincadeira, ele é o esperto, e eu a idiota que se reteve um ano. Bato nas costas e na cabeça dele sempre que ele diz isso, e estou pensando em fazer o mesmo aqui. Ele sabe que não deve vir para o meu dormitório. Fui inflexível sobre isso. Ser usada no ensino médio estava fora do meu controle. Perguntei a minha mãe quando estava na oitava série se poderia mudar minha escola secundária, mas a única a uma distância para dirigir era privada, no que tive um grande, firme, não. Seus lábios cresceram dizendo essa palavra. Nós não tínhamos o dinheiro para um semestre, muito menos os uniformes e todas as outras despesas que viriam com isso. Mas tenho controle agora, e a primeira regra para Gage e Kennedy Clarke: fingir que não conhecíamos um ao outro. É um subconjunto da segunda regra: sem drama. Clarke não é um nome comum? O que? Eu não faço ideia. É uma grande coincidência. Esse é o meu argumento planejado se alguém tentasse pressionar o assunto. “Ow.” Ele esfrega o peito, me dando um olhar de cachorrinho dolorido. “Por que você sempre tem que me bater? Ao contrário do que as garotas pensam os caras não apreciam isso. Nossos instintos devem voltar, e sempre temos que conter esses instintos primitivos.” Ele dobrou quando disse primitivo.


Reviro os olhos. “Faça rápido.” Alguém está prestes a descer à calçada. “O que você quer?” Sua mão cai. Ele é todo o negócio agora. “Eu vou para uma festa de fraternidade esta noite.” “OK?” “Eu ouvi que algumas garotas de seu dormitório também estão indo.” Estreito meus olhos. Dois outros subgrupos da segunda regra são que ele não podia admitir me conhecer, muito menos relacionar-se a mim, e ele não podia dormir com nenhuma das minhas amigas. Isso era estranho na escola, e ainda é estranho na faculdade. “Ok?” Pergunto novamente. “Elas são as garotas com quem você está saindo. Você sabe” - ele puxa sua manga de camisa - “as bruxas.” “Oh!” Laura, Casey e Sarah. “Sim. Você não pode dormir com elas.” “Vamos lá.” Seu tom torna-se suplicante. “Essa menina Casey é quente.” Ele geme a última palavra. “Sério quente. E se ela me paquerar? Hã? Eu magoaria seus sentimentos. Ela pode se virar e se tornar uma cola? Você

sabe

tipo

aquelas

que

são

rejeitadas,

elas

se

tornam

instantaneamente atormentadas.” Ele balança a cabeça, assobiando em condolência. “Você não gostaria disso, gostaria?” “Casey pode ter qualquer cara que ela quiser. Eu arriscaria as chances de você se apaixonar por ela.”


Ele franze a testa. “Do que você está falando? As chances são altas. Se você não percebeu, somos de boa aparência. Nós dois.” Gemi. “Pare de falar.” “Eu sou um bom partido. Não faço que as meninas façam a caminhada da vergonha. Eu lhes dou um passeio pela casa.” Levanto uma sobrancelha. Ele acrescenta, olhando para longe, “Ou chamo um carro para elas.” Seus olhos brilham para mim. “Veja. Pense. Esse sou eu.” Suas mãos formam punhos e seus polegares apontam para si mesmo. Ele pisca para mim. “E eu seria realmente atencioso com Casey. Posso ir por cima, fazê-la pensar que estou apaixonado por ela. Isso a enviará correndo. Meninas quentes assim não gostam de garotos presos. Eu faria isso por você.” “Você faria isso por você.” Minha mão descansa no meu quadril. “E, ainda não. Fique longe dessas garotas.” “Está bem, está bem. Que tal aquela garota Kristina?” Ele assobia. “Ela também está fora. Eu não sei por que ela esconde aquelas tetas. Muita gente já a conhece como Garota peituda.” Eu o empurro de volta. “Ela tem um namorado, e ela é minha única amiga. Você fecha essa merda muito rápida, você me escuta? Realmente fodido e rápido.” “Tudo bem, tudo bem.” Seus olhos ficam sóbrios e seu sorriso finalmente cai. “Mas os caras vão querer saber por que estou defendendo essa garota. Seria mais fácil se soubessem que é porque ela é amiga da minha irmã. E falando de você, não quero que você se conecte com nenhum dos meus amigos.”


“Não vai ser um problema.” Nenhum cara quente - regra número um. “Ei.” Eu me lembro do osso que eu preciso falar com ele. “Você disse a Shay Coleman que eu sou sua irmã.” Seus olhos se iluminam. “Sim eu fiz. Esse cara é incrível.” “Porque você fez isso?” Ele resmunga, balançando os pés e colocando as mãos nos bolsos. “Você está brincando comigo? Você foi meu bilhete de ouro para me apresentar a ele. Eu ouvi que ele e um monte de outros jogadores pegaram Ciência políticas neste semestre. Perguntei se uma garota que parecia ser minha gêmea estava em sua classe.” Ele sorri. “Ele sabia imediatamente quem você era.” “Você disse que eu tinha um chip no meu ombro.” “Você tem.” “Você não precisa dizer às pessoas isso.” Sua boca se curva em um sorriso perverso. “Você está brincando? Essa é a maneira mais rápida de explicar quem você é para caras. Meninas não entendem, mas caras sim. “ Peguei-o no ombro. Ele fazia parte da razão pela qual o chip estava lá. “Não fale mais sobre mim.” “Por quê? Se qualquer coisa acontecer, estou fazendo um favor a você. Coleman parecia interessado em quem você é.” Reprimo outro arrepio, mas esse é de desgosto. “Você não está me fazendo favores. Eu não quero conhecer Shay Coleman assim.”


“Eu disse que estava te fazendo um favor?” Seu sorriso surge. “Eu quis dizer que estou me fazendo um favor. Você odeia pessoas assim.” Sim. Eu faço. Balanço minha cabeça. Shay Coleman é outro Parker Stanson, meu ex. Esse pensamento irritado persegue outro fodido Parker e foda-se Shay Coleman. “O que quer que seja.” Eu empurro Gage de volta, gentilmente desta vez, e forço uma leveza na minha voz. “Vá para sua festa de fraternidade e fique longe das minhas amigas.” Ele ia discutir. Eu vi as palavras se formando e reviro a cabeça novamente. “Quero dizer isso. E pare de falar sobre mim para os jogadores de futebol. Entendeu?” Ele olha para mim por um segundo, com a cabeça inclinada para o lado pensando. “Você está bem?” Ouço a bondade e a garganta incha um pouco. “Eu estou bem.” Estaria. Estudando. Esse é o meu objetivo agora. Indivíduos como Parker não podiam mais me machucar. Eu não os deixaria. “Agora vá. Antes alguém veja você.” Ele ri, e alguns segundos depois, quando coloco minhas emoções sob controle, olho para trás e o encontro indo embora. Nenhum irmão em qualquer lugar. Estou passando pela recepção quando a menina olha para cima. “Kennedy Clarke?” “Sim?”


Ela é de uma classe superior e é atendente da recepção desde a primeira semana de aulas e espero que ela diga porque que me chamou. “Shay disse para dizer oi para você.” Eu gemi de imediato. Claro, Shay conhecia essa garota. Ela é muito bonita para ser ignorada. Eu meio que brinco, “Deixe-me adivinhar. Você é sua namorada?” Ela ri, soando realmente legal. “Nós somos amigos. Ele disse para dizer oi para você, que você é muito legal.” Eu olho ao redor. Havia algumas garotas no lobby, então fico mais perto da mesa. “Podemos manter isso em segredo?” “O quê?” Outra risada genuína. Estava quase me fazendo como ela, tipo isso. Ela acrescenta: “Que você é legal?” “Que eu conheço Shay, e só o conheço da classe. Nós não somos amigos ou nada.” Eu tenho que dar ênfase à última parte. “E se você tiver que namorar com ele, minhas condolências.” “Shay não é tão ruim para um cara, mas sim, ficarei quieta.” Ela franze o cenho enquanto seguro minha mão em uma onda de despedida, indo para a escada e em direção a meu quarto. Ter um atendente da recepção que é legal com você? Isso é ouro. Pode haver tempos bêbados à frente, e você nunca sabe quando precisa de alguém para olhar para o outro lado. Dou um salto extra no meu passo, quando me deixo entrar no quarto, mas paro. Missy está em sua mesa, usando uma grande carranca.


“O que há de novo?” Fecho a porta e jogo minha mochila na minha cama atrás dela. “Holly quer ir à biblioteca esta noite.” Ela estava esfaqueando seu teclado. Holly é sua melhor amiga do colégio, a menina que vivia um andar acima de nós com sua prima. “O que há de errado com a biblioteca?” Minha mesa está do outro lado da sala e me sento na minha cadeira antes de girar, então estou de frente para ela. “Nada, se fosse domingo ou qualquer outro dia da semana. Mas é sexta-feira. Ela tem uma paixão por um dos trabalhadores lá.” Holly desenvolvia uma nova paixão duas vezes por semana. “Muitas pessoas não estarão lá. Faz sentido ela gostar de ir esta noite. Horário nobre para flertar.” “Eu não quero ir para a biblioteca estúpida.” “O que mais você vai fazer?” Onde Holly e sua prima vão, Missy vai, e vice-versa. As três não se afastam do lado umas das outras. Ela encolhe os ombros, olhando para a nossa televisão. “Nós poderíamos assistir filmes aqui?” Eu quase recuo. Sou amiga de cinema com Kristina, não Missy, não a colega de quarto que riu de mim porque não gosto dos mesmos filmes de garotas que ela. Além disso, sei que ela fala sobre mim. Entrei uma vez, quando Holly e a prima estavam lá. A sala ficou completamente silenciosa. Eu não tenho ideia do que elas poderiam estar falando sobre mim, mas não tenho dúvidas de que estava acontecendo.


“Estava planejando ir também à biblioteca esta noite.” “Você estava?” Sua descrença é quase complementar. Ela pensa que tenho uma vida. Dou de ombros, viro e ligo meu computador. “Por que não? Eu preciso estudar. E além disso, a biblioteca fecha cedo, não é?” “Assim?” “Talvez a paixão de Holly tenha uma festa para convidá-las. Os melhores planos são geralmente não ter algum plano.” “Sim?” Alguém bate na porta quando estou puxando meu e-mail. Fico de pé e aceno com a cabeça para ela. “Sim. Eu iria com o plano de tentar encontrar alguma ação depois. Ninguém vai a uma festa antes das dez de qualquer maneira.” Abro a porta quando termino essa frase. Casey Winchem está ali, a mesmo Casey que Gage estava me implorando para deixá-lo dormir com ela e a mesma Casey que me intimida porque sou tão confiante. “Ei.” Pisco um par de vezes. Estava em termos amigáveis com Casey, Laura e Sarah, mas nenhuma delas se referiu a mim como “Hey, você.” “Ei.” “O que há de novo?” Abro a porta mais larga. Ela passa por mim e acena. “Oi.”


Missy não agita de volta. Eu acho que ela está em estado de choque, eu conhecia outra pessoa. Casey franzi a testa um pouco, mas depois volta para mim. “Uh, vamos a uma festa de fraternidade esta noite. Você quer vir conosco?” “Uh...” “Você tem um carro, não é? Sarah e Kristina tem que ir para casa no fim de semana. É só Laura e eu.” Agora faz sentido. Sarah tem o único carro que elas usam. Ninguém mais trouxe um, já que o estacionamento é um desafio ao redor dos dormitórios. Eu tenho um carro. Todos na minha família tem um. É o único grande presente que nossa mãe nos dá quando formamos. Nós não somos ricos, então é o último grande presente que terei até me casar. Quando estiver com meus trinta. Se alguma vez. Balanço minha cabeça. Voltando para a conversa. “Você precisa de uma carona para a festa?” “Bem.” Ela morde o lábio. “Mais ou menos. Quero dizer, podemos ter uma carona com Adams ou Kreigerson.” Nomes que não conheço. “É a parte em que estamos preocupadas. Os rapazes ficarão bêbados e descerão se você sabe o que quero dizer. Se Laura ou eu acabarmos conversando com alguém, isso é outra coisa, mas sim. Gostaria de ter um plano de backup se alguma coisa acontecer.” Backup. Essa sou eu.


Eu sou o plano B. E também não sou um obstáculo. “Não, obrigado. Vejo você mais tarde. Divirta-se esta noite.” Fecho a porta. Sei que estou saindo como uma puta, mas ignoro a boca ainda aberta da minha companheira de quarto. Ela não entende. Ninguém mais me usaria. Não vou deixar isso acontecer, não novamente. E com isso em mente, olho para o meu computador. Eu realmente preciso aprender a estudar. Este fim de semana acabei de ser colocada no jogo.


CAPÍTULO QUATRO

Serei uma psicóloga. . . talvez? Eu tenho reduzido. Adoeço ao ver sangue, e ser uma advogada está fora, de modo que realmente só sobra ser uma psicóloga. Não psiquiatra novamente, adoeço com a vista do sangue. Tenho que suportar isso antes de ver as pessoas no asilo de maluquinhos. A outra opção é o meu MBA, mas isso significa aulas de negócios, muitas delas. Não tenho certeza. Gage está indo para negócio, e ele reclama sobre suas aulas. Não com frequência, mas o suficiente para deixar um mau gosto na minha boca. Ainda assim, tenho que manter minhas opções abertas. Dependendo das experiências do meu trabalho, terei uma ideia melhor para escolher. Isso significa ter um trabalho em um hospital psiquiátrico ou me tornar assistente de pesquisa para uma aluna de Ph.D. Eu posso fazer isso durante o ano letivo, e quando for para casa no verão, descobrirei algo mais. Em suma, estou contente quando a noite de domingo chega. Estou de volta ao meu curso na faculdade. Sem drama, e estudo, estudo, estudo. Meus estudos acabam. Todos os capítulos foram lidos e destacados. Fui a uma milha extra e criei um segundo conjunto de notas. Estou começando essa coisa de estudo, e tenho certeza quando os primeiros exames rolarem ao redor conseguirei A em todos.


Meu plano de quatro anos também está feito. Criei uma extensa programação de aulas durante o fim de semana que se espalha pelo resto dos meus anos de faculdade. Se tudo acontecer em conformidade, posso receber uma graduação em qualquer um dos dois graus com uma matéria secundária que não escolhi. A psicologia como principal combinada com uma matéria de negócios, ou vice-versa, é igual a estar preparada para a vida. Nunca dói estar muito preparado. Não existe tal coisa. Eu tenho tudo planejado. Tipo-A, essa é a minha nova personalidade. Estou dominando isso. Estou no meu dormitório, imprimindo meu planejamento semanal para os próximos cinco dias, quando Kristina bate na porta. Ela enfia a cabeça. “Hey-a.” Eu aceno para ela. “Missy está no quarto de Holly.” Ela fecha a porta e cai na cadeira da mesa de Missy. “Ela já saiu?” “Ela estava aqui na tarde de sexta-feira.” E novamente naquela noite. A festa aconteceu, mas não para ela ou a prima de Holly. Holly recebeu um convite do funcionário da recepção da biblioteca e abandonou ambas. Estive esperando que elas se dirigissem ao quarto de Holly para assistir filmes, mas não a encontrei. Elas decidiram ficar, e Missy desfrutou contando a história de como eu disse a Casey para “se lixar.” Essas são as palavras de Missy, não minhas. “E falando em sexta-feira. . . “Kristina abraça a parte de trás da cadeira de escrivaninha de Missy, deixando um de seus braços solto. “Você se livrou de Casey e Laura?”


Faço uma careta. “É isso que ela está dizendo?” “Ela está dizendo que pediu que você saísse, e você fechou a porta em seu rosto.” “Isso é meio verdade, meio exagerado.” A boca de Kristina fica aberta. “Você fechou a porta no rosto de Casey? Eu pensei que ela estava brincando.” “Ela queria que eu fosse seu backup no caso delas precisarem de uma carona.” Eu bufo, tirando as páginas da minha impressora. “Eu posso me manter, e talvez seja focada em meus estudos, mas não sou uma perdedora. E eu não sou a opção B de ninguém para a noite. Disse que não, obrigada, desejei uma boa noite e disse-lhe que a veria mais tarde. Então fechei a porta.” Paro um segundo. “Talvez não tenha dito tudo isso nessa ordem, mas sim, ela estava ainda tecnicamente parada quando fechei a porta.” “Ela está chateada.” Não me importo, mas mantenho aquele petisco para mim. Não pensei que isso tornaria a situação melhor. Não, isso não é verdade. Eu me importo, mas então penso em como a noite teria sido. Eu as levaria lá. Elas provavelmente me abandonariam. Então, seria esperado que estivesse por perto caso elas precisassem de uma carona para casa. Se tivesse que sair como uma puta, então seja assim. É melhor do que caminhar por toda parte. Ninguém está lá para você quando isso acontece. “Você terminou todos os seus estudos neste fim de semana?”


“Não. Nós vamos para a biblioteca. Eu ia perguntar se você queria vir.” Não digo nada, esperando que ela explique quem mais está indo. Ela ri, balançando a cabeça. “Casey vai estar lá, e ela provavelmente vai ter algumas palavras para dizer a você.” Eu ia recusar, mas então ouço alguém chegar à porta. Tanto Kristina quanto eu viramos, esperando que a porta se abra. Nada. Em vez disso, a voz abafada da minha colega diz a outra pessoa: “Eu não sei. Acho que ela está no laboratório de computação lá embaixo.” Ela ri quando a maçaneta começa a torcer. “Isto não é como se ela tivesse uma vida.” Ela abre a porta e dá um passo para dentro. Seus olhos vão para Kristina primeiro, e então sua cabeça gira como um robô para mim. Eu estreito meus olhos. Não é como se não tivesse ouvido isso antes. Holly dá um passo atrás de Missy, e o rosto da minha companheira de quarto ficou cheio de cor. “Uh...” Fico de pé e falo com raiva: “Eu vou para a biblioteca.” Ela parece respirar. O ar está tenso e estranho. Kristina se move em volta delas como se estivesse na ponta dos pés por cima de um rato, que assustou a porcaria dela. As mãos de Holly descansam nos ombros da minha companheira de quarto, e posso sentir que ambas compartilham um olhar enquanto encho minha mochila com meu laptop e livros. “Um.” Holly tosse uma risada desconfortável presa em sua garganta. “Kenz, ei-”


Puxo o zíper da mochila mais do que preciso, cortando. Deslizando no meu ombro, viro de volta e estreito meus olhos. Ignoro Holly, só tendo palavras para minha colega de quarto. “Eu não tenho que me explicar com você ou por que estou sozinha às vezes, mas se você acha que pode rir de mim, você está delirando. Diga-me uma coisa. Como você seria se não viesse a mesma faculdade das suas melhores amigas e sua prima? Acho que você correria de volta para casa ou acharia alguém para se encaixar. Agora, me desculpe. Tenho que ir à biblioteca porque não tenho vida.” Passo atrás, deliberadamente batendo no ombro de Holly com a minha bolsa. Missy é muito baixa. Kristina está esperando no corredor e começamos a descer as escadas traseiras, que são a saída mais próxima. Eu posso sentir o peso da atmosfera que nos rodeia, a simpatia empilhando-se sobre ela. Depois de passar a porta da frente, ela me dá um daqueles olhares piedosos. “Eu sinto muito-” Balanço minha cabeça. “Ela apenas provou o que meu interior tem dito o tempo todo.” Dou-lhe um sorriso cansado. “Ela é uma cadela fraca.” Ela ri, abrindo a porta. Casey, Laura e Sarah estavam dentro, e elas param de rir enquanto caminhamos. “Eu tenho um osso para...” Eu também a corto. Estou em um rolo. “Você me pediria para ir com você se Sarah estivesse aqui?”


Ela para, e seu rosto se torce. A resposta é seu silêncio. “É por isso que não vou com você.” Deixo minha mala no chão e caio no limite da cama de Kristina. “Não sou um backup.” Sua boca fecha com um som de clique audível, e ela balança a cabeça. “Eu vejo.” Ela engoli em seco, olhando para suas amigas, nenhuma das quais parece saber o que dizer. Assim como no andar de baixo é igual a caminhar com Kristina, o ar está pesado. Muito pesado. Eu pego minha mala e fico parada. “Talvez apenas veja vocês aí?” Mas não é realmente uma pergunta como antes com a Kristina. “Esp...” Ela começa a me seguir pelo corredor e me viro. Seguro minha mão para cima. “Estou cansada, e posso dizer algo que não quero me arrepender mais tarde. É melhor se eu for agora. Confie em mim. Estarei no segundo andar se quiser vir me encontrar. Se não” - Levanto meus ombros – “tudo bem também.” A atendente da recepção, a amiga de Shay, está lá, mas não sinto vontade de falar. Felizmente, três garotas estão falando com ela, então ela está ocupada, e passo por elas. A biblioteca está ocupada. Isso é normal para uma noite de domingo. Sexta e sábado são para diversão. O domingo é pelo último minuto estudando. Depois de atravessar a porta principal, passo por outro pequeno corredor que abriga um pequeno carrinho de café, e depois através de outro conjunto de


portas. Quatro detectores estão configurados para que todos caminhem por ali. A grande recepção está imediatamente à minha esquerda. Havia um grande laboratório de informática em todo o lado com portas de vidro que o separaram do resto da biblioteca. As pessoas podem falar mais alto lá, e aqui é onde muitas pessoas se encontram para trabalhar em projetos de grupo. O resto da biblioteca é uma confusão de computadores, cantos de estudo individuais e caminhos de trabalho, e prateleiras de livros em todos os lugares. Havia um monte de mesas instaladas nos pisos principais, e cada andar ocupa salas de estudo alinhadas contra as paredes com portas de vidro similar que as separam do resto da biblioteca. Quando Casey, Laura e Sarah vem para a biblioteca, elas escolhem uma mesa no grande laboratório de informática ou uma mesa no meio do piso principal. Ainda é a regra ser silenciosa, mas havia margem de manobra para essas mesas, e é por isso que elas simplesmente ficam lá. Elas vem à biblioteca para estudar um pouco, mas principalmente para socializar ou ver se podem ter respostas de qualquer um dos amigos da festa. Kristina está propensa a procurar um lugar calmo para estudar, então trinta minutos depois, quando ela me encontra em minha própria mesa no segundo andar, não estou muito surpresa. “Deixe-me adivinhar.” Falo, sorrindo com uma caneta entre meus dentes. Descarrego. “Elas estão falando mais do que estudando?” Ela suspira, deslizando em um assento na minha frente. “Elas ainda estão no dormitório.” “O que?”


Ela revira os olhos. Casey sentiu-se mal. “Elas iam parar e pegar comida para você como uma oferta de paz, mas alguns rapazes apareceram, e elas desceram as escadas para estudar.” Meu sorriso está de volta. “E elas não se calaram, então você decidiu vir sem elas?” “Eu estava vindo de qualquer maneira. Não é sua culpa, Casey ser insensível, e ela se sentir mal.” Ela se inclina mais perto. “Eu sei que minhas amigas se desviam de certa maneira, mas elas podem ser muito alegres às vezes. Isso não significa ser malvada.” Ela espera uma batida. “A maior parte do tempo.” Rio, sendo silenciada por alguém que não conseguimos ver e aperto minha boca. “Obrigada por ter vindo,” sussurro antes de pegar minha caneta de volta e retornar às minhas anotações. Kristina e eu caímos em uma rotina fácil. Fico ocupada para a semana, mas isso não significa que não consigo avançar, e ciência política é uma classe que realmente preciso da ajuda. O aborrecimento não é exagerado. Até mesmo minhas órbitas dos olhos querem ser arrancadas se tiver que passar por mais leis. Estudamos por uma hora antes de Kristina se levantar para uma pausa no banheiro e tomar café. Quando ela volta, vou para uma caminhada. Isso é o que chamo quando preciso levantar e esticar minhas pernas. Estou fazendo minha caminhada após a entrada da frente, considerando se queria ter um pouco de refrigerante ou apenas seguir direto para o carrinho do café. É por volta das nove da noite, mas tenho a sensação de ficar acordada até tarde. Minha mente está em paz, atravesso


os detectores quando percebo que alguém está parado no exterior das portas. Há uma garota lá, lendo um livro. Não, espere. Ela está fingindo ler um livro. Os olhos dela estão em outra pessoa perto dela, mas quando vê que eu a percebi, sua cabeça baixa de volta ao livro. Olho para quem ela está olhando. Eles estão do outro lado das portas da biblioteca, suas costas para mim falando com outra pessoa. Merda. Desvio meus olhos instantaneamente. Sei quem é a garota e começo contar os segundos enquanto tenho que esperar meu café. Quero ter isso, pagar por isso, e sumir antes que Shay passe por mim. Havia outros estudantes atrás de mim na fila, então, se alguma coisa, espero me misturar com a multidão, e caminhar logo. Ele ainda está falando lá fora quando meu café é entregue a mim. Eu pego, já tendo pago, e estou prestes a voltar para a biblioteca quando uma mão agarra meu pulso livre. “Ei!” Shay me ignora, arrastando-me para fora em um ritmo cortado. “O que você está fazendo?” Pergunto uma vez que estamos lá fora e olhamos em volta para quem ele estava conversando. Fico surpresa por não ver ninguém. “Com quem você estava falando?” Ele ignora essa questão e aponta para a biblioteca. “Você tem seus livros e suas coisas perto?” “Não. Por quê?” “Nós temos um teste hoje.”


Ele não está brincando. Seu rosto está mortalmente sério, e aquele efeito ardente está de volta ao lugar. Eu ignoro a torção do meu íntimo. “Como você sabe?” “Porque a garota que eu estava falando falou do teste. Ela estava no escritório do Professor Muller agora.” “Mas isso não significa que é amanhã.” Ele estende as mãos. “Quem é que se importa? Vamos estudar, apenas no caso.” “Vamos? Como assim, você e eu? Uh-uh. De jeito nenhum.” Eu me viro para voltar para dentro. “Sim. Você e eu.” Ele me agarra e me puxa de volta. “E Linde e alguns dos outros caras. Todos estão fazendo uma roda intercalada de estudo na casa.” “Que casa?” Meu interior cai aos meus pés. Ele não pode estar falar sobre a casa do futebol americano, não onde ele e alguns dos jogadores vivem. Onde sei que Casey quer festejar porque quer seduzir Shay. O que sei é que ela vai morrer de ciúmes se descobrir que fui lá para estudar, porque isso é um tempo de estudo. Não é um momento de bebidas. Isso não é festa e tempo menos significativo. Engulo.Oh senhor. Eu normalmente não fico nervosa em estar com gente, e estou nervosa agora. “Estou aqui com uma amiga.” “Aquela garota da praça de alimentação?”


Concordo. “Peça a ela que venha.” Meu pescoço está tão rígido. Por que estou fazendo isso? Mas em pernas de madeira, volto para dentro. Ignoro os olhares curiosos daqueles que ainda esperam no carrinho do café e faço a caminhada até a nossa mesa. Kristina olha para cima, vê meu estado quase de pânico e pergunta: “O que há de errado?” Começo a arrumar minhas coisas. “Um.” O computador tem que ser desligado primeiro. “Eu encontrei Shay.” “O que?” Estou enfiando na bolsa. Meus livros são os seguintes. Alcanço meu último caderno. “Sim. Ele disse que nós teremos um teste surpresa, amanhã.” “Surpresa?” “Eu acho.” Ela inclina a cabeça para o lado. “Por que você está suando?” “Shay quer que eu vá a sua casa e estude com ele e com os caras.” Minha garganta também está seca. “Você viria comigo?” Seus olhos arredondados ficam ovais, e ela ri para si mesma quando começa a arrumar suas próprias coisas. “Você está me convidando para um lugar que minha companheira de quarto está quase perseguindo porque quer ser convidada para uma de suas festas, e você está agindo como se eu estivesse fazendo um favor a você?” “Você não pode dizer a ela que você foi.”


Ela termina e fica de pé, puxando sua mochila. “Se eu fizer, ela ficaria na minha bunda perguntando como consegui um convite. Eu nem sei se ela acreditaria em mim.” Eu lhe dou um sorriso grato. “Obrigada.” Ela balança a cabeça, rindo ironicamente. “Você realmente não precisa me agradecer. Sério.” Shay está descansando contra um poste de bloqueio de bicicleta quando saímos. A menina que o estava observando também sai. Suas pernas estão esticadas e suas mãos nos bolsos. Ele se endireita e dá a Kristina um aceno de cabeça. “Obrigado por ter vindo.” Ele me faz um gesto com sua cabeça. “Eu não acho que ela teria vindo, de outra forma.” A mesma risada escapa dela, mais suave. “Vocês dois estão me agradecendo. Isso é clássico, apenas... Clássico.” Seus olhos me encontram, cada vez mais cautelosos. “Meu carro está estacionado na esquina do estacionamento da biblioteca. Você confia em mim o suficiente para dar uma carona? Ou você vai me seguir para a casa?” Olho para Kristina, mas ela balança a cabeça. É minha a decisão do que fazer. Se levássemos meu carro, eu teria que voltar para meu dormitório. Kristina iria comigo. Nós poderíamos colidir com Casey ou as outras, e elas gostariam de saber para onde íamos. Sem mencionar que teria que ver a minha colega de quarto se ela estivesse no quarto. Pela primeira vez, Shay é a escolha mais fácil. Eu faço um gesto à frente. “Lidere o caminho.”


Shay dirige um Jeep Wrangler preto. Eu não sei o que esperava que ele dirigisse, mas paro quando destranca as portas e as luzes piscam. É um de dois lugares, então Kristina consegue escalar no banco de trás. Eu tenho um impulso irracional de puxá-la para trás e escorregar para lá. Não quero ir à casa de Shay, mas ele disse que Linde estará lá. E é uma ideia inteligente estudar com outros. Preciso de toda a ajuda que puder ter. Não é um grande caso alguém adquirir alguma ajuda. Shay abre a porta, mas quando não me movi para seguir a Kristina para dentro, vejo irritação brilhando por um breve segundo em seus olhos ardentes. “Qual é o veredicto, Clarke? Tendo pensamentos secundários? Pensando talvez que isso seja uma artimanha para matar você?” Eu engulo. “Eu não tinha até agora.” Minha mente corre com esse pensamento. Gemo, derrubando minha cabeça e passando por ele até a porta do passageiro. “Se você tentar me matar, vou fugir e rasgar suas bolas fora, Coleman.” Seu riso baixo e suave me segue enquanto passo por ele, e juro que isso entra em mim. Posso sentir isso sob minha pele. Escalo para dentro, friccionando meus dentes e fecho a porta com um pouco mais de força do que é necessário. Ele entra e me observa pelo canto do olho quando liga o motor. Quando ele sai do estacionamento, olho pela janela, mas apenas um pensamento continua correndo minha mente. Por que sinto tanto esse cara dentro de mim?


CAPÍTULO CINCO

Não sei o que esperar da casa de futebol americano. É uma casa mais antiga, três andares, e Shay estaciona na frente. Nós caminhamos para trás, e entramos pela porta dos fundos, Linde levanta um braço. Um enorme grito enche a sala. “Clarke está na casa!” Ele se aproxima, curva-se e me eleva por cima do ombro. “Agora podemos realmente estudar!” Levanto a cabeça e vejo Kristina. Ela tem uma expressão aturdida em seu rosto. Shay se move ao nosso redor, revirando os olhos antes de bater na minha bunda. “OK. Coloque-a para baixo. Nós sabemos que você é um perdedor e pronto para memorizar. Não queremos assustar as meninas.” “Oh.” Linde está respirando pesadamente quando me coloca de volta. Seus olhos estão vidrados enquanto ele sorri para mim. “Me desculpe por isso. Apenas ansioso por ter minha amiga aqui.” Ele pisca algumas vezes, e então percebe que não sou a única menina presente. Ele estende a mão. “Eu sou Raymond Linde. Quem é você?” “Uh.” Kristina foi mais lenta para apertar a mão, mas ela fez. “Kristina Collins.” Ele se vira para olhar para mim e depois volta para ela. “Você é amiga da Clarke aqui?” Ela assenti, com uma risada nervosa escorregando dela. Eu zombo indo ao final da mesa onde havia cadeiras livres. “Por que você parece surpreso?”


Shay bufa, passando por mim até a cozinha. “Uh.” Linde pega seus livros e se junta a nós no final. Ele se afunda na minha frente, puxando a cadeira vazia e dá um tapinha na cadeira para Kristina. Ela se senta, movendo-se lentamente, enquanto ele me diz, “Você não é a mais amigável, Clarke.” Eu não podia... Não, não, eu posso. Dou de ombros, dizendo a ele. “Sim, me disseram.” Linde acrescenta: “Deveríamos saber. Podemos dizer que você é uma garota descontraída, mas outros idiotas não vêm toda a sua charada.” Ele balança a mão no ar, fazendo um gesto para mim. “Eles vão realmente pensar que você é uma cadela, mas nós sabemos mais. Você é toda macia dentro, não é? Você esguicha em cima dos filhotes e assa cookies para seus amigos, não é?” Eu apenas olho para ele um momento, assustada por um minuto. Então, sorrio. “Linde, olhe para você. Você está se projetando em mim? Diga-me a verdade. Você estava cozinhando cookies para mim hoje, não estava?” Eu digo isso como uma mãe orgulhosa, e o restante da mesa engasga com o riso. Um deles bate nas costas de Linde. “OK. Vejo agora o que você estava dizendo.” Ele concorda com a cabeça em aprovação para mim. “Ela é descontraída. Vocês estavam certos.” As bebidas foram dispensadas, então Shay pega o outro assento ao meu lado. Deslizo em cima do resto da mesa.


É uma mesa longa, o suficiente para acomodar dezesseis pessoas ou mais. A maioria são jogadores de futebol, mas tem alguns outros que não reconheço. Linde acena uma mão, respondendo minhas provocações: “Essa é a pessoa que sou. Fodendo com meus inimigos. Eles ficam confusos. Acham que sou tão bom e depois bam!” Ele bate um punho na mesa. “Isso é quando eu ‘os removo’.” Um dos dois se inclina para frente. “E por inimigos, ele está falando sobre as outras equipes no campo de futebol.” Kristina concorda com a cabeça, sua cabeça balança. “Totalmente.” Ela tem uma expressão com olhos arregalados ou com olhos estrelados no rosto. Surpreende-me. Estava nervosa quando Shay puxoume de lado e me convidou - melhor, exigiu – que eu viesse estudar em sua casa, mas achei que era porque isso é desconhecido para mim. E por causa dele. Ele é apenas muito. Sua presença está me sobrecarregando. Ele pode estar a poucos metros de mim, e sinto como se ele estivesse em mim. Mas quando Kristina dá um olhar para ele, sei que não sou só eu. É ele. Ele tem esse efeito em todos. Começo a relaxar um pouco. Linde é exagerado. Os garotos são assim, especialmente se eles estão ocupados em algo, e falando, olho para o seu próprio copo na sua frente. Gotas de suor alinham a testa, e uma veia está saindo de seu pescoço. Notando sua camiseta sem alça e quão forte está contra seus músculos abaulados - parecem ser maiores do que notei na classe - olho por cima do meu ombro para a cozinha.


Um grande recipiente de plástico branco foi empurrado para o canto, um copo medidor ao lado dele com uma camada de pó no interior dela. Shake de proteína, ou algo mais grave. Shay limpa a garganta, puxando meu olhar para o dele. Eu vejo a censura neles, e ele balança a cabeça silenciosamente. Ele não quer que eu enfie o nariz onde não pertencia. Eu recebo sua mensagem e me estabeleço no meu livro de texto de ciência política. Aparentemente, a geopolítica precisa ser meu negócio, não no que Linde está. Ainda. Meus olhos voltam para ele, e então Shay chuta minha cadeira. Minha cabeça volta para ele, que alarga os olhos novamente. Um segundo aviso. Franzi a testa, arranhei o nariz e voltei para o meu livro. Tanto faz. Bem. Geopolítica, minha bunda, entretanto. “Ok.” Linde acena uma folha que nos foi dada no início da semana. “Clarke, conte-me semelhanças e diferenças entre instituições políticas e comportamentos de estado para o estado.” Minha boca cai aberta, mas ele levanta a mão e continua: “E entre as comunidades. Vá.” Ele se recosta, cruzando os braços em seu peito. Um gargarejo suave ondula da minha garganta. “Você fala sério?” “Você é Senhora Planejada, Aperfeiçoada e Preparada. Você deve ser capaz de sacudir isso sem nenhum problema em absoluto.”


Abro a boca novamente, voltando para algumas anotações que escrevi mais cedo hoje, mas outro jogador de futebol fala: “Esta é a merda que você está aprendendo nessa classe? Droga. Estou feliz por ter mantido minha aula de ginástica.” Alguns outros riem, juntando seus próprios comentários, e logo nós quatro no final da mesa não somos mais o centro das atenções. Tenho o pressentimento de que isso foi antes de aparecermos. Linde aponta para mim. “Estou esperando. Vá.” E faço exatamente o que ele me desafia a fazer. As respostas saem da minha língua e, uma vez que acabo suas sobrancelhas estão arqueadas em sua testa. Ele concorda, lentamente e assobia. “Estrondo. Você acertou em cheio. Você recebe um A, tanto quanto eu estou preocupado.” Agarrando o copo, ele empurra a cadeira e rodeia a mesa para a cozinha. Quero olhar. Luto com isso. Tento. Falho. Olho por cima do meu ombro. Minha cadeira tem outro chute rápido. Shay inclina-se para frente e sibila em voz baixa: “Pare.” Kristina, que está lendo seu livro, faz uma pausa. Seus olhos olham para cima para nos assistir. Eu a ignoro, inclinando-me para trás e sussurrando, “Meu irmão mais velho teve um problema. Me processe por me preocupar.” Ela se inclina para frente. “O que vocês estão falando?”


“Nada.” Ele fala com ela, mas seus olhos nunca deixam os meus. Ele acrescenta: “Quero dizer. Pare. Você o conhece por quatro minutos. Você não tem nada a dizer sobre isso.” “Então, por que você me trouxe aqui, esperava que eu fosse inconsciente dessa merda?” Assobio de volta. “Porque Linde pediu.” Seus olhos escurecem de raiva. “Não eu. OK?” Bem. Porra. Agora estou ainda mais preocupado. Checo. Linde ainda está misturando a bebida. Baixo minha cabeça ainda mais perto de Shay. “Azar do caralho. Você abriu a porta. Não espere que eu não passe por isso.” Seus olhos se estreitam. “O que diabos isso significa mesmo?” Eu me sento de volta, e deixando minha voz voltar ao seu nível normal, digo: “Se você quisesse uma garota burra para estudar com você, fez merda. Becs e Aby não têm problema em dizer o que pensam. Lembra?” Linde está voltando, mas para atrás de nós. “O que está acontecendo?” O resto da mesa também se acalma. Todos os olhos estão em nós. Sinto o calor de sua atenção e me levanto. “Estou sentindo a necessidade de um pouco de ar fresco.” O caminho está bloqueado do meu lado, então ando por Linde, atrás de Shay, Kristina e do lado da mesa. “Eu já volto.”


Quero deixar a porta bater atrás de mim, mas pego e fecho com um clique suave, em vez disso. Uma mesa de piquenique está em seu pátio traseiro, e caio no outro lado, trazendo meus cotovelos à mesa, e enterro minha cabeça em meus braços. Por que estou reagindo tanto? Mesmo para mim, isso é mais do que o normal.

A porta de tela se abre e fecha, mas não antes que Shay puxe a porta interna fechada também. Ele rodeia a mesa para o lado oposto onde eu estou, mas em vez de sentar-se, ele recosta-se contra o poste. Usando suas mãos para o equilíbrio, ele se levanta e senta-se em minha direção, com as pernas longas penduradas. Ele puxa um pé ao redor da mesa de piquenique, empurra e descansa os pés ali. Isso o fez ainda mais opositor à minha mente, e enquanto ele cruza os braços sobre o peito, evito seus olhos. Por que ele me incomoda tanto? Eu não falo Ele não fala. Um minuto passou antes que ele murmurar. “Você está falando sério?” Ele deixa seus braços caírem de volta ao colo. “Você é teimosa com todos?” “Você é?” Eu recordo, não escondendo minha própria raiva. “Você saiu aqui para se desculpar. Qual manual diz que tenho que começar essa conversa?” Ele bufa. “Quem disse que vim me desculpar?”


Fecho minha boca. Idiota. Ele ri calmamente. “Relaxe. Eu saí para me desculpar, mas não realmente ao mesmo tempo. Você não é burra. É por isso que Linde acha que você é legal. Você não é como outras garotas.” Eu faço sinal para ele continuar. “Eu sei que a antecipação de me dizer para cuidar do meu negócio está apenas queimando dentro de você. Deixe sair. Vamos continuar com isso.” Outra metade de riso, meio sortudo e meio divertido. Ele agarra a parte de trás do pescoço. “Porra, você é briguenta.” “Dois irmãos. Um realmente fez uma bagunça com esse material, ou coisas como o que Linde está tomando.” “Não são esteroides.” Ele fica sombrio, cruzando os braços novamente. “É para ajudá-lo a aumentar. Muitos dos garotos tomam isso, e é legal que eles façam isso.” “É legal porque alguma empresa paga algum lobista para convencer uma pessoa do Congresso para permitir isso. É por isso que é legal, mas não deve ser. Pode realmente mexer com o corpo. Ele terá muitos problemas depois que sua carreira de futebol estiver terminada.” Seus olhos se dirigem para a casa atrás de mim, e ele então segura sua mão. “Relaxa, por favor. Realmente não é um problema para ele. Alguns caras, sim. Não Linde. Ele vai parar de levar isso depois do futebol. Eu vou fazer isso, e, além disso, ele ficará chateado se souber que é por isso que você está aqui fora.” Eu faço uma careta. “Por que ele acha que estou aqui fora?”


Ele encolhe os ombros, o lábio levantando em um sorriso torto. “Que eu posso ter tocado sua perna em um lugar que você não estava querendo. Sua amiga sabe que estou mentindo, mas os caras não. Eles pensam que eu saí para pegar em você novamente.” Me pegando. Eu zombo, mas meu corpo aquece ao mesmo tempo, o que me irrita ainda mais. Este cara tem um poder sobre mim que não gosto, o poder sobre mim que nenhum outro homem antes teve. É porque ele é o Sr. Superstar nesta faculdade. Isso é tudo. Ele afeta as outras meninas do mesmo jeito. Não sou só eu. “O que você está pensando?” Ele está me observando, com cautela novamente. Eu balanço a cabeça, fechando esses pensamentos. “Nada.” “Você não tem nada a dizer sobre os caras pensando que estou paquerando você?” “Não.” Ele assobia em voz baixa. “Achei que você teria algum tipo de reação.” “Não.” Minha garganta queima. Solto uma respiração e puxo a gola da minha camisa antes de suavizar casualmente as minhas mangas. “Nós viemos estudar, certo? Talvez devêssemos fazer isso.” Fico de pé. Minhas pernas parecem como se estivessem cheias de chumbo. Seus olhos se estreitam, e ele inclina a cabeça para o lado. “Você está mentindo para mim agora mesmo.” Meus olhos vão para os dele.


Ele acena com a cabeça para si mesmo, o olhar ardente se derretendo em uma expressão de presunção, mas não fez nada para diminuir o impacto que está tendo em mim. Se alguma coisa aconteceu, aumentou. Realmente estou começando a odiar esse cara. Franzo o cenho. “Tanto faz. Vamos. Temos esse teste.” Passo por ele, entrando, mas minha mente está correndo. Eu realmente tenho que estar lá? Já estudei durante a semana. Posso sair. No entanto, quando olho para Kristina e percebo que ela parece estar curtindo, não posso. Eu sei que ela está começando a estudar e sair com esses caras. Olho para Linde e vejo sua testa enrugada enquanto tenta memorizar algo no livro didático. Ele ainda tem gotas de suor em suas têmporas e definitivamente parece tenso, então fico com a boca fechada. Shay senta no seu antigo assento e seus olhos encontram os meus. Ele me disse que Linde pediu que eu estivesse lá. Linde é meu amigo. Sinto um puxão no meu peito - Linde é de quem eu gosto. Pego minha caneta de volta e começo a sublinhar. Linde é por quem eu ficarei.


CAPÍTULO SEIS

Kristina está toda risonha na viagem para casa. Depois de estudar durante duas horas, a maioria dos rapazes foi para a cama ou para onde quer que morasse. Somente nós quatro e outro jogador de futebol da classe ficaram. Shay e esse rapaz se mudaram para longe mais na mesa e estão se interrogando. Mudo, então estou no meio da mesa, e Linde e Kristina estão no final onde originalmente estávamos sentados. Então, Linde declara que precisava de uma bebida. Eu declino. O mesmo, Shay e o outro cara, mas Kristina é persuadida a ter uma com ele. É forte. Muito forte. “Uma bebida.” Ela se dissolve com uma risada mais suave, segurando as mãos sobre a boca. “Uma bebida e eu estou assim.” Quando vamos para o Jeep de Shay, vou atrás. Estou cansada, e não quero sentir o estresse de sentar ao lado dele. Kristina se torce, pressionando o nariz na parte de trás do assento. Ela olha para mim, os olhos arregalados. “O que vou dizer aos outros? Para Casey? Ela vai saber.” Olho para o relógio no painel. É mais de três da manhã. Uma colega de quarto normal estaria dormindo agora, mas esta é Casey. Dou de ombros. “Se elas não acabaram festejando esta noite,” porque você nunca sabe, “você pode dormir no meu quarto.” “Missy não vai se importar?”


“Missy começa a roncar as dez em ponto todos os domingos até a noite de quinta-feira. Você vai ficar bem.” Nós temos um colchão que pode ser puxado para uma terceira cama para a sala. Alguma coisa pela manhã, Missy será surpreendida. Após seu comentário esta tarde, acho que ela me evitará pelo menos uma semana. Além disso, para ela, Kristina é uma daquelas meninas populares que devem ser tratadas como um unicórnio - místico bonito e apenas encontrado em contos de fadas. “Ok.” Ela soluça, vira-se e cai no assento. Olho para o espelho retrovisor, vejo Shay me observando e sinto outro raio de energia no meu peito. É assim que é. Eu tenho que me acostumar com isso. Ele apenas me afeta. Ele realmente não faz nada para causar isso, mas está lá. Não vai embora. Não há julgamento, simpatia ou diversão naqueles olhos azuis enquanto ele me observa. Ele está literalmente apenas olhando para mim, e solta um suspiro. Este semestre pode ser os quatro meses mais longos da minha vida. Quando ele puxa para o estacionamento do nosso dormitório, inclino-me para frente. “Você pode levar para a porta de trás lá.” Kristina está balançando em pé quando saímos. Estou rastejando na parte de trás, quando ele pergunta calmamente: “Você precisa de ajuda com ela?” Olho para ele. “Estou certa que estamos bem.” “Sabrina está na recepção. Deixe-a saber, se você precisa de ajuda.” Sabrina.


Eu faço uma pausa, meus dedos afundando no assento. Claro, ela teria um nome igualmente belo. Abaixo a cabeça, murmurando: “Obrigada. E obrigada pela carona.” Eu não digo nada sobre Linde, porque ele está certo. Se Linde se tornar um amigo suficientemente próximo, onde eu possa dizer minha opinião, e se ele perguntar, eu direi isso então. Seria um julgamento dele, caso contrário. Sou bastante espinhosa com as pessoas me julgando. Olá, o pote encontra a chaleira. Escalo o resto do caminho, fecho a porta e seguro uma mão em uma onda de despedida quando ele roda o Jeep com habilidade e se afasta. Segurando minha identificação no scanner da porta traseira, abro para nós, e faço Kristina aguardar na escada então posso sondar a situação do seu quarto. As luzes baixas do corredor estão ligadas. A luz brilha debaixo de algumas portas, mas está quieto. Chego a Kristina e uso a chave que ela me deu para abrir a porta um centímetro. Nenhuma luz dentro, e espero não ouço nada. Sem respiração profunda. Sem ressonar leve. Abro a porta mais, então entro e espero novamente. Nenhuma reação. Ninguém se mexe na cama. Eu bato o interruptor, e a sala inunda de luz. A cama de Casey está vazia. Isso responde ao dilema de Kristina, e eu transmito a informação. Ela cai contra a parede, a mão no peito. “Obrigada Deus.” Seu sorriso está um pouco bagunçado, e suas pupilas se dilataram. “Obrigada. Foi uma noite divertida. Esses caras são bons.”


Eu aceno com a cabeça e dou outro boa noite. Momentos depois, estou na cama, e os roncos de Missy sacudem o pôster. Estou acostumada com o barulho e a vibração e fecho os olhos. O som quase me deixa dormir agora. Os alarmes começam muito cedo, muito cedo demais. Missy começa as seis e para a cada dez minutos até sete horas, que é quando ela finalmente desliga a maldita coisa. A cama estremece de novo quando ela sai do alto do beliche e volto a dormir. Ela me acorda novamente trinta minutos depois, quando volta do chuveiro. Eu ouço sem abrir meus olhos enquanto ela se move se preparando para o dia e resmungo quando meu próprio alarme me desperta às oito. Parece que um elefante está sentado em meus ombros quando me levanto, mas tenho que me apressar. O banheiro leva cinco minutos. Escovar os dentes são dois. O rosto limpo. Outro minuto. Vestir. Escovar os cabelos. Não. Isso parece ruim. O cabelo é puxado para um rabo de cavalo. Eu me encolho. Horrível. O cabelo termina em um bolo bagunçado. Aceno de aprovação. A bolsa já estava embalada na noite anterior - e depois de um leve brilho nos lábio e lápis de Eyeliner, estou fora da porta.


Assim como todos os outros. Eu fico atrás de um grupo de cinco meninas saindo do dormitório. Não há tempo para o café da manhã, mas viro para a biblioteca. Todos pegam seu café no café do campus ou poucos na praça de alimentação. Todos se esquecem da biblioteca, porque quem estaria realmente lá tão cedo na manhã? O café pedido é pago, depois pego, e estou de volta. Todas as calçadas estão cheias agora. São nove e quinze quando vejo meu prédio de ciências políticas. Pego o identificador da porta, abro e sou pega por uma mão acima da minha. Eu olho - não deveria ter. Shay Coleman sorri para mim, seu corpo perto o suficiente para sentir uma onda de calor. Ele curva os lábios, feliz por ter me pego de guarda baixa. “Bom dia.” Eu grunhi e estou plenamente consciente de que ele está logo atrás de mim na classe nos dois andares de nossa escada. Uma fila de alunos para no topo, esperando para entrar na sala. Espero no final, precisando cobrir os dois últimos passos. Shay está logo atrás de mim. Seu braço está no corrimão enquanto move o pé como meu passo. Ele está inclinado sobre mim. A tensão me enche. Eu posso inclinar minha cabeça para trás contra seu peito. Ele não se afastaria. Não acho que ele se movesse, e considerando isso alguma tensão desaparece, mas o efeito que ele tem sobre mim ainda está lá. Eu mordo


meu lábio. Não consigo me afastar dele. O grupo de alunos avança. Mais um passo. Um único. Eu subo. Então, Shay. Ele retoma a mesma posição. Sua respiração cobre a parte de trás do meu pescoço e quase gemi. Quase. Seguro isso. Teste surpresa. Essas palavras surgem em minha mente. Preciso lembrar o que estamos fazendo, onde nós estamos indo. O último passo é autorizado, e depois passamos pela porta. Shay anda atrás de mim, o braço dele levanta e descansa no meu ombro. Eu posso sentir a atenção de Becs e Aby, assim como tantas outras meninas na sala. Se eu encolher os ombros ele cai fora, isso produziria mais atenção. Todos nós sabemos o quanto amo a atenção. A risada suave de Shay mexe na minha orelha. Nós nos mudamos para o corredor do meio até chegarmos à minha mesa. Seu braço cai, ele se senta no banco e, como um ser, nós dois sentamos ao mesmo tempo. A parte de trás do meu pescoço fica quente. Algo é jogado em mim. Eu viro e Linde fala “WTF1?” Shay ri novamente - tão seguro de si mesmo, tão arrogante, tão convencido. Linde levanta as mãos, ainda aguardando minha resposta. O que posso dizer? 1

Que merda é essa?


Eu rolo meus ombros antes de voltar atrás. O professor chega, e é como Shay falou. “Fechem seus livros. Limpem suas mesas. Retirem suas canetas. Teste surpresa, todos.”

“Garota.” Essa é a saudação de Linde para mim uma vez que a aula acaba. Shay levanta-se e sai, sem olhar para trás. Becs, Aby, e outras duas amigas pegam o ritmo. Não tenho ideia se elas estão indo atrás dele ou simplesmente animadas para sair da aula. Eu sei o que Linde estava perguntando com aquela palavra. “Pareceria como se tivesse causando uma cena se eu pressionasse seu braço fora.” “O que está acontecendo com você e Shay?” Ele espera na minha frente enquanto pego minha bolsa. Nós andamos juntos fora da sala de aula e do prédio. “Ele está brincando com você?” “Ele faz isso com as meninas?” Ele abre a porta, segurando-a para mim, e olho para sua resposta. Ele deixa a porta ir caindo na fila novamente ao meu lado. “Eu nunca vi isso, mas isso é estranho. Você quer que eu diga algo a ele?” Dizer algo? Depois que Shay me disse para não empurrar meu nariz nos negócios de Linde, e Linde está oferecendo para puxá-lo neste


negócio. Irônico. Minha boca seca. Se o fizer, Shay pode falar sobre minhas preocupações. Linde pode ficar chateado comigo. Balanço minha cabeça. “Não. Isso resolverá. Tenho certeza.” Alguns rapazes chamam o nome de Linde quando nos aproximamos da praça de alimentação. Ele aponta um punho em direção a eles, então rompe comigo. Ele começa a andar para trás. “Eu direi algo se você quiser.” Eu apenas dou um sorriso a ele. Eu não quero isso. Linde é meu segundo amigo aqui. “Se eu quiser, digo a palavra.” Ele estende o braço para mim, um sorriso arrogante no rosto. “Palavra. Apenas diga isso.” “Dizer que palavra?” Kristina pergunta por trás de mim. Eu me viro, observando seu tipo através de uma pilha de correio enquanto ela olha entre Linde e eu. “Nada.” Eu fixo nela com um sorriso. Shay foi embora. Não quero vê-lo por mais quarenta e oito horas. As coisas já estão parecendo melhor. “Como você está se sentindo?” Ela geme. “Envergonhada. Eu nunca bebo. Agora você sabe o porquê.” Nós rimos, seguindo a fila para a cafeteria. Pego uma salada e água primeiro. Linde não fez nada apenas derramou bebidas na noite passada. Ele pediu uma pizza, então hoje é saudável para mim. Hoje é minha luta contra o recomeço. Não para pizza, sim para folhas verdes.


Meu estômago está franzindo o cenho sozinho quando me sento. Kristina ainda está na fila. Ela está agarrando uma tigela de sopa. Então vejo sua colega de quarto e outras duas amigas também. Elas estão vindo em direção à mesa com bolsas na mão. Casey joga a mala na mesa na minha frente. “Ei, Kennedy.” Pego meu copo de água, segurando-o nos meus lábios. “Então, você conhece meu nome.” Seu sorriso falha. Laura e Sarah deixam suas malas em seus assentos e se viram para a comida, mas Casey faz uma pausa. “Você achou que eu realmente não sabia?” “Havia suspeita.” Kristina volta, contornando Casey e pousando a bandeja. “Onde você ficou ontem à noite? Eu não vi você nesta manhã antes da aula.” “Eu...” Ela arranha atrás de sua orelha. “Eu fiquei no quarto de Laura e Sarah.” “Não, você não fez.” Kristina rodeia a mesa para sentar ao meu lado. “Eu bati na porta delas. Eles não responderam também.” “Por que...” Seus olhos se lançam como se estivesse paralisando antes dela continuar, “porque todas nós dormimos. Nós estávamos todas atrasadas para as nossas aulas hoje.” Sua mão aponta para trás dela. “Eu vou pegar alguma Comida. Estou faminta.” “Isso é estranho.” Kristina a observa ir. Eu esfaqueio minha salada. “O que é estranho?” Sarah foi a primeira a voltar, apenas uma laranja e uma garrafa de água nas mãos.


“Você chegou tarde para a aula hoje?” A testa enruga e as sobrancelhas apertam. “Não, nós não estávamos. Nós não fomos. Foi quando nós finalmente levantamos.” Casey mentiu. Kristina olha para mim, mas pergunta a Sarah: “O que vocês acabaram fazendo na noite passada?” “Estudamos no andar de baixo com Kreigerson e Boots até perguntarem se queríamos ir para uma festa. Nós todas dormimos em sua casa.” Eu ainda não sei quem são essas pessoas. “Casey me disse que ficou no seu quarto e vocês estavam atrasadas para a aula esta manhã.” Sarah ri, acabando de descascar a laranja. “Eu não sei por que ela fez isso, mas nós não ficamos. Nós finalmente conseguimos nossas bundas há uma hora e precisamos pedir a Kreigerson que nos desse uma carona para o dormitório. Eu já perdi uma aula, de nenhuma maneira estou faltando no resto delas hoje.” Casey e Laura voltam, mas Kristina não menciona nada. Falam sobre aulas. E mais conversa de Kreigerson, entre os nomes de outros caras. Observo como os ombros de Kristina caem cada vez mais no almoço. As mentiras de Casey estão machucando. Eu seguro minha língua. Como a proteína de Linde, ou o que quer que seja a vibração não é minha, nem sou isso. E com essa decisão final, afasto da minha mente. Nós terminamos o almoço, e vou com as outras três verificar nossas caixas de correio. Depois disso, nos separamos.


Verifico o meu telefone. Tenho tempo suficiente para procurar empregos de psicologia local que podem estar abertos. Arrasei no teste surpresa de hoje, e estou de volta ao meu esquema habitual de ser solitรกria.


CAPÍTULO SETE

Missy está estudando no quarto de Holly. Não é surpreendente. Eu estou no meu, ocupada procurando um emprego. É o início da minha pesquisa. Tenho que restringir tudo antes de chegar até a parte em que começo a preencher as aplicações. Estou passando por mais uma busca na Internet quando meu telefone toca. Eu pego. “Olá?” “Você não responde seu celular? Nunca?” É meu irmão. Eu faço uma careta. “Ninguém me chama. Por que eu deveria?” Ele geme pela frustração. “Eu fiz. O dia todo.” É quinta-feira. O resto da segunda até quarta-feira foi sem intercorrências,

o

que

é

glorioso

em

minha

mente.

Estou

propositadamente evitando sair do meu quarto esta noite porque a noite de quinta-feira também é o início do fim de semana para os festeiros. Eu ainda tenho duas aulas amanhã. Não é o começo do meu final de semana. Respondo: “Você precisa de algo?” “Você sabe o que aconteceu com a sua amiga?” “Cristina?” “Não, a rainha da sacanagem.” “Hã?” “A garota, que perguntei se eu poderia dormir.”


Uma lâmpada acende. “Casey?” “Sim. Você sabe o que aconteceu com ela? Ou qual é o rumor?” Gage sempre ria e brincava. É sua personalidade. Seu humor agora está em falta, o que me faz apertar o telefone mais apertado na minha orelha. Sinto um nó formando na minha garganta, bem na base. “O que você está falando?” Mas ela mentiu para Kristina. Eu não sei o que aconteceu depois disso. Eu não a vi e nem sai com elas. Não é uma coisa cotidiana para mim. “A última vez que as vi foi no almoço na segunda-feira. Por quê?” “Ela foi estuprada.” Eu não tinha ouvido isso direito. “Não. De jeito nenhum.” Ele solta uma respiração profunda. “Sim. Sim com certeza. Ouça.” Sua voz parece mais perto do telefone. “Ela tem que denunciá-lo. Você tem que falar com ela sobre isso.” Isso não é- eu estou fugindo. Estou suando, minhas axilas sentem isso. Isso não é algo que faço. “Como você sabe disso? Você tem certeza? A maioria dos rumores não é verdade. Nós dois sabemos disso.” “Ouça.” Deus, ele está tão sério. Está me deixando mal. O gelo se instala no fundo do meu estômago. “Eu estou lhe dizendo que ela foi estuprada. Ouvi o suficiente para acreditar. Você tem que falar com ela.” Esta não é minha especialidade. Ficar sozinha. Não ser incluída, não se envolver é minha especialidade. Sair com caras e não flertar ou namorar


também. Mas isso - eu olho para baixo. Minha camisa está encharcada sob os dois braços. “Eu vou falar com Kristina.” “Quem é essa?” “Minha amiga! A não-vadia.” E foda. Devemos parar de nos referir a elas dessa maneira. Eu emendo, “isso significa que ela não sai tanto.” “Eu sei o que você quer dizer.” “Sim.” Ele fica em silêncio por um momento, então me dá um baixo, “Sim.” Eu me afasto e puxo meus pés para descansar na minha mesa. Minhas pernas pressionadas contra meu peito e descanso minha cabeça contra elas, o telefone ainda na minha orelha. “Ela foi estuprada. Você tem certeza? Quem foi?” Uma lágrima solitária desliza pela minha bochecha. Não sabia que estava lá até que ela faz sua caminhada para baixo. “Foi ela, e não sei com certeza. Eu ouvi o suficiente para saber que é um jogador de futebol, mas só isso. Fique segura, tudo bem? Se você sair com elas, fale-me ou conte a alguém. Apenas esteja segura.” “Eu vou.” Eu não digo como não saio com elas, ou como elas não sairam depois disso, porque a verdade é que elas vão. Se Casey foi estuprada, e eu só mantenho o 'se' lá porque ela não disse as palavras e está agindo como se não tivesse sido. “Me ligue se precisar de alguma coisa.”


Meus dedos ficam entorpecidos. Meus lábios também. “Eu vou.” As palavras saem de mim. Eu me sinto afastada do meu corpo enquanto desligo. Não sei o que fazer ou qual o melhor plano de ação. Casey não é minha amiga, não de verdade. Pego o telefone e depois coloco para baixo. Devo contar a Kristina? Ela deve lidar com isso? Essa é uma opção de fácil exclusão. É mais certo ela lidar com isso, mas Gage me ligou. Ele me disse. Merda. Eu não quero ser a única a dizer alguma coisa. Quem o faria? Casey pode me odiar. Ela pode gritar comigo, ou lançar coisas em mim. Não sei o que ela faria. É como dizer a uma amiga que seu namorado a engana, mas cem vezes pior. Ou talvez não. Talvez ela se dissolva em lágrimas, feliz que outra pessoa saiba e que a outra pessoa entende. Eu puxo um fôlego irregular. Não planejei isso, mas vejo enquanto alcanço meu celular. Meu dedo busca o número de Shay e pressiona o botão de chamada. Fico tão feliz que Missy não está no quarto. Essa é uma reflexão tardia quando ouço tocar. Um segundo depois, ele responde: “Sim?” Não respondo. Minha garganta não está funcionando. “Clarke?” Ele fala no telefone. Ainda não digo nada, mas resmungo. Outra lágrima desliza livremente, e a afasto. “Kennedy?” Ele suaviza seu tom.


Por que eu o chamei? Eu o odeio. Então pergunto, fazendo uma careta, minha voz soando tão crua, “Você é pelo direito de escolhas.” “Huh?” Há uma música alta no fundo, e ele acrescenta: “Espera.” Um momento depois, a música desliga. Sua voz está mais alta. “Você está perguntando sobre as questões do aborto? Precisamos saber sobre isso para amanhã?” “Linde disse que sua irmã foi estuprada. Estava pensando por que você é a favor.” Ele fica em silêncio. Então, “você está grávida?” Minha garganta doí tanto. Meus dedos se curvam no meu jeans. “Por que você foi a favor? Você pode me dizer? Por favor.” Outra rodada onde ele não responde. Sua voz diminui. “Porque as perguntas? Kennedy, você está...” Oh meu Deus. Ele vai me perguntar. “Não! Apenas me diga por que você foi a favor.” “Olhe.” Ele limpa a garganta, soando tão doce, tão atencioso. Tão gentil. “Por que você está me perguntando essas coisas? Kennedy, alguém te machucou?” “Eu só quero saber.” “Eu não vou te dizer até que você me diga.” Ele é tão teimoso. Eu gemo, pressionando meus joelhos no meu peito. “Por que você tem que ser tão difícil?”


Ele ri calmamente. “Uh, estamos em uma espécie de jogo aí.” Ele responde: “Diga-me por que, Kennedy. Alguém te machucou?” “Não.” Levo a cabeça para trás. Minha voz ficando rouca. “Mas uma amiga minha pode ter sido. Meu irmão ligou e me disse que ouviu que alguém que conheço foi estuprada. E não tenho idéia do que fazer.” “Ah.” Aguardo, respiro. Meu coração até fez uma pausa. Nada. Eu resmungo: “Você vai dizer alguma coisa?” “Eu não sei o que dizer. Estava preocupado com você. Você não está machucada? Você tem certeza?” “Sim, não estou ferida. Por que você foi a favor?” Ele amaldiçoa em voz baixa. “Você está empurrando isso para mim agora? Foda A. Ok, eu não compartilhei porque não queria que você me olhasse como você olhou para aquelas garotas. Eu sou a favor por causa de Linde, porque ele é meu amigo e vou apoiá-lo. É por isso.” “De verdade?” Eu não sei se estou aliviada ou ainda mais frustrada. “Estava esperando que você pudesse me dizer o que fazer. Não tenho nenhuma falsa pista.” Mordo o interior da minha bochecha. “O que você faria?” “Fale com a garota.” “Eu não sou realmente uma amiga dela.” “Você é amiga de alguém que é amiga dela?” “Sim, mas se fosse eu, não gostaria que ninguém soubesse. Não até que eu escolhesse contar a elas.”


Ele fica quieto por mais um momento. Então, tão malditamente suave que a bondade que ouço dele desaloja mais lágrimas, ele diz: “Então você tem que ir até ela. Eu acho que ela não disse nada.” “Sim.” “Eu sinto muito.” “Sim.” Eu tenho que ir. Eu não quero. Meus dedos formam um nó na minha calça. Eles não querem me deixar ir. “Olha, você quer falar com Linde sobre isso?” Eu devo, mas me ouço dizendo: “Não.” Linde é fácil. Ele é um amigo superficial. As coisas são boas com ele. As coisas não são com Shay, mas ele é alguém com quem já me aprofundei. Isso faz sentido. Por isso, liguei para ele e não para Linde. Tenho que ir. “Eu vou falar com ela.” “Você quer que eu vá, apenas estar lá para você?” Falo petulantemente com uma risada tranquila. “Isso seria estranho.” “Eu sei, mas parece como se pudesse usar algum suporte.” Posso deixar ele ir. Posso contar a Kristina. Posso colocar isso em qualquer um dos ombros, mas isso não é a coisa certa a fazer. Sua presença colocaria todo o dormitório em agitação. Se ele visitar alguma garota lá, todos saberiam. Se eu disser a Kristina, estarei quebrando a confiança de Casey, embora ela não tenha escolhido dar a mim. Ambos são cabeça oca, e eu também não posso favorecer. “Eu vou desligar e ir falar com ela.”


“OK. Vou ficar com meu telefone a noite toda. Ligue se precisar de alguma coisa.” Isso foi legal, mas faço uma careta. “Eu ainda te odeio.” Ele ri. “Eu sei. Eu também te odeio.” Nos odiamos novamente. Tudo está certo novamente.

Kristina está em seu quarto, mas Casey não. Sua porta está aberta, mas eu ainda bati, tocando minha mão contra a madeira. “Ei, uh, onde está sua colega de quarto?” Ela está sentada em uma posição similar em que eu estava a pouco e pisando os pés no chão, ela faz um gesto para que eu entre. “Você pode fechar a porta. Eu acho que elas estão cozinhando no andar de baixo.” Ela ri baixinho. “Sarah quer enviar cookies para algum cara...” Cookies novamente! “...e elas decidiram que é a melhor ideia do mundo. O último plano que ouvi é que elas vão fazer um monte de biscoitos, colocá-los em pratos e entregá-los como presentes.” Eu brinco: “Linde pode gostar de ser seu amigo.” Deus. Pior momento. Sou horrível com essas coisas. Paro na entrada. Não entro, e não fecho a porta. Seu leve sorriso diminui. “Não a vi toda a semana.”


“Sim.” Levanto um ombro, segurando-o porque é a coisa mais estranha para fazer, certo? Tenho que lembrar de deixar isso cair. “Apenas estou ocupada com algumas coisas.” Uma menina vem pela porta dos fundos e eu posso ouvir risos vindo de lá. Olho, pensando que pode ser Casey. “Você está bem?” “Sim.” Minha atenção volta para Kristina, mas ela voltou ao livro. Seu marcador está no ar. “Alguma coisa aconteceu com vocês, essa semana? Você está bem? Casey...” Eu olho de volta da porta para a escada. “Sim. Por quê?” Ela corre o marcador amarelo neon sobre algumas palavras. “Sem motivo.” Eu corto para trás. Recebi minha resposta. “Eu-uhvou conversar com você mais tarde?” “Claro.” Ouço sua resposta, mas estou indo para a porta. “Espera. O que...” Isso vem quando abro a porta. Caminhando nos últimos conjuntos de escadas para a cozinha no porão, eu posso ouvi-las rir lá em baixo. Sarah está dizendo algo. Laura grita. Espero, mas nada de Casey. Abro a porta e viro a esquina. Aroma de biscoitos cozidos enchem minhas narinas. Eu posso identificar o cheiro de chocolate imediatamente. Casey está sentada no balcão, mexendo com um garfo.


Laura está misturando a massa. Sarah está rolando a massa em uma colher grande e colocando na panela. As duas estão falando uma com a outra, mas não com Casey. Ela parece isolada. “Ei!” Laura me nota. Ela segura um misturador diferente coberto de massa. “Quer um pouco? Vá pegar sua própria colher.” Sarah também fala, mas não Casey. Ela continua olhando para baixo, ainda segurando aquele garfo. Eu gesticulo para ela. “Na verdade, Casey.” Ela olha. “Posso falar com você por um segundo?” “Eu?” Mesmo Sarah e Laura ficam surpresas, compartilhando um olhar. Eu concordo, sentindo meu pescoço e as pernas ainda cheias de chumbo. “Sim.” Caramba, não quero fazer isso. Meu interior está gritando para me virar, mas há algo no meio do meu peito não me deixando. Se fizer, eu me arrependerei. Eu não sei o porquê, ou quando, mas sei que sim. Alarmes e instintos. Este é o ano em que estou me ouvindo. Gesticulo para o corredor. “Talvez na capela ou algo assim?” Isso estaria vazio, com certeza. Todas as três trocaram olhares, mas Casey encolhe os ombros e salta do balcão. “Claro.” Ela me segue para dentro. Paro, surpresa por quão pitoresco e aconchegante é. Há um tapete vermelho, um altar pequeno, duas cadeiras colocadas e um banco de madeira com uma Bíblia no topo. Também é assustador. Sento numa das


cadeiras, dobrando meu joelhos contra meu peito e envolvendo meus braços ao redor deles. Casey franze a testa, sentada no andar de baixo do altar. Ela coloca as mãos juntas, deixando-as cair no colo. Suas pernas esticadas diante dela. “Você está bem?” Um. Eu ouvi que você foi estuprada. Você foi? É um começo decente para essa conversa? Não. Isso não parece certo. “Uh...” Kristina está fazendo trabalho social. Ela é agradável e sensível. Eu deveria ter descartado isso em seu colo para lidar. Também é tarde para isso. “OK. Isso é ... estranho para mim, mas eu tenho um irmão que estuda aqui. Não sei se você sabe sobre ele.” Suas sobrancelhas alisam-se, arqueando ligeiramente. “Não. Eu não sabia disso. Espere.” Elas puxam juntas. “Gage Clarke não?” Porra. Ela conhece meu sobrenome. Eu concordo. “Sim. Gage.” “Nós festejamos com ele na noite de domingo. Não fazia ideia de que ele é seu irmão, mas...” seus olhos se estreitam e ela assenti com a cabeça para si mesma “...sim, posso ver isso agora. Vocês se parecem um com o outro.” E falando de domingo... Eu tossi. Muita saliva está na minha garganta. “Hum, tudo bem.” Coloco minhas pernas para baixo, esfregando minhas palmas sobre elas. De repente, estão suadas. “O que você lembra daquela noite?” Espere. Será que nem ela sabia? Eu seria a única a contar a ela? Talvez não deva fazer isso então. Se for esse o caso, talvez deva dar uma desculpa patética e falar mais com Gage, ter mais fatos antes de dizer


alguma coisa. Sim. Isso parece mais certo. Estou mais confortável com isso. Então ela murmura, seus olhos inundando de lágrimas, “Você sabe, não sabe.” Minha garganta para de funcionar. Isso não foi uma pergunta. Sua cabeça pende, e suas mãos alcançam o fundo de sua camisa. Ela fecha seus punhos. “Eu não posso acreditar que você sabe.” Minha voz é tão suave quanto a dela. “Então, é verdade.” Sua cabeça levanta, apenas um pouco. “Sim.” Ela foi estuprada. Gage me disse, mas uma parte de mim esperava que não fosse verdade. Não tenho idéia do que fazer agora. Saio da cadeira. Eu não quero atacá-la, mas me aproximar, um pouco mais perto dela, sinto como a coisa certa a fazer. Balanço minhas mãos juntas, puxando meus pés com minhas pernas achatadas contra o tapete. “Uh... O que aconteceu?” “Você não sabe?” Ela olha para cima, limpando uma lágrima. Balanço minha cabeça. “Disseram que havia um rumor.” “Há um rumor?” Um soluço a deixa, uma pequena nota de histeria misturando-se com isso. Ela começa a se balançar indo e voltando. “Não posso acreditar que isso esteja acontecendo.” “Ei!” Laura bate abruptamente na porta. “Posso entrar? O que está acontecendo?” Pânico aparece no rosto de Casey. “Não. Elas não podem entrar. Elas não sabem.”


Eu me levanto e tranco a porta com rapidez. “Hum, apenas nos dê um segundo. Nós... uh...” Eu olho de volta para Casey. Ela está me observando com olhos suplicantes. Meu coração quebra. Se fosse eu, minha determinação se endurece. “Eu estou, eu estou pensando em perder minha virgindade.” Eu me afasto da porta. “É extremamente privado e pessoal e embaraçoso, e realmente gostaria de ter a maior privacidade possível. Obrigada.” Isso funcionaria? Eu adiciono, mordendo meu lábio inferior, “E não conte a ninguém sobre isso. Ah, e Casey pode ter que falar comigo sobre isso às vezes. Só assim para saber. Vou fazer isso, então, sim...” Levanto um dedo para a porta, tentando parecer convincente. “Não tente me fazer mudar de idéia.” “Um. OK. Estamos indo para cima. Casey, você pode me ouvir?” Casey limpa a garganta também. “Sim. Eu irei depois.” Uma vez que Laura sai, Casey resmunga com uma risada tranquila. Ela balança a cabeça, limpando algumas de suas lágrimas. “Você é a pior mentirosa do mundo.” Ela fica surpresa. Eu encolho os ombros, me sentando de novo, mas uma polegada mais perto. “Elas vão te incomodar mais tarde. Você pode dizer-lhes qualquer coisa que você quiser. Tenho certeza de que elas compram.” “Obrigado.”


Meu olhar se encontra com o dela. Eu me encontro assentindo de novo. “Sim.” Meu coração mergulha mais uma vez. De volta ao tópico real. “Sinto muito pelo que aconteceu com você.” Ela pega na sua bunda. “Sim. Bem. O que você pode fazer sobre isso?” Tudo. Essa palavra fica na minha garganta. Eu vou para frente e toco sua mão, impedindo-a de puxar um fio inteiro de suas calças. Ela não olha para cima. “Você pode dizer algo.” Ela não se move. Lambo meus lábios. Eles estão tão secos que quase doem. “Eu não conheço os detalhes. Não sei o que aconteceu ou quem é, mas meu irmão me ligou e disse que ouviu um boato de que você foi estuprada.” Eu paro. Meu coração está batendo tão forte. “O boato não dizia que um cara dormiu com você. Não estão dizendo que você é uma prostituta, uma vagabunda ou fácil. Ele não disse que alguém marcou com você. O que quer que ele ouviu dizer foi o suficiente para me ligar, porque estava preocupado que também acontecesse comigo.” Ela afasta a mão, mas não muito longe. “Eu conversei com alguém sobre alguém que sei que foi estuprada, mas não disse que foi você.” Sua cabeça levanta, e seus olhos estão cheios de alarme. Eu repito, “Eu não disse que é você. E essa pessoa não sabe que somos amigas. Ele não vai falar por aí.” “Ele?”


“Não foi meu irmão.” “Oh.” Ela volta a cutucar seu jeans. Ela está tão silenciosa. É assim que é suposto ser? Eu devo fazer outra coisa? Há uma porra de cartão de sugestão para isso? “Eu não disse a mais ninguém.” Ela volta seu olhar novamente. “Estou aqui. Se você quiser falar, seja o que for. Abraçar. Chorar. Gritar. Eu roubaria uma loja de sorvete com você se você precisar.” Ela começa a rir. “Não mesmo. Eu vou. Isso tem seu próprio quadrado na pirâmide alimentar, tanto quanto estou preocupada. Eles enfiam um monte de leite dentro, mas devia ser sozinho. É a melhor invenção alimentar de todos os tempos.” Sua risada se levanta, e ela solta um par de lágrimas. “Obrigada por isso.” “Pelo quê?” Um terceiro ataque de riso. Faço uma careta. Ela pensa que estou brincando. Isto é um problema. “Obrigada.” Ela avança. Sua mão cobre a minha. “Quero dizer. Obrigada.” “Ok.” Eu ainda estou com o cenho franzido. “Não estou brincando com o sorvete. Eu realmente não estou.” “Eu sei.” A gargalhada diminui, mas alguns risos escapam. “E isso significa muito - que você quebraria algum lugar para mim.”


“Roubar. Quebrar é apenas isso, quebrar. Roubo é entrar com a intenção de roubar, e minha intenção seria roubar sorvete. Pelo galão, se eu puder.” Foda-se. “Você quer fazer isso agora? Posso descobrir uma maneira de entrar na cafeteria. Isso não seria roubo porque já temos direito a esse sorvete. Nós apenas estaríamos entrando.” “Não.” Ela balança a cabeça. “Mas obrigado. Isso significa muito.” “Ok.” Espero que ela saiba. “Você... Você está bem?” Eu sou uma idiota. “Não. Essa questão está errada. Não sou boa com essas coisas.” “Não. Você está realmente sendo fantástica.” Sua cabeça baixa novamente. “OK.” Kristina saberia o que dizer se estivesse aqui. Ou Shay. Linde, com certeza. O que Gage diria? Ele saberia. Ele é alguém que poderia fazer. Eu atravesso todas as piadas que ele poderia dizer, mas ele não faria. Ele seria legal. Ele seria gentil. Ele diria o que era perfeito. Eu deveria ter deixado ele vir. “Eu não sei o que dizer. Desculpe-me por isso, mas estou aqui.” Solto outra respiração profunda e fico sentada lá. O que mais eu posso fazer? Então, depois de alguns minutos de silêncio, ela estende a mão. Ela não olha para mim. Ela não se levanta e sai. Ela fica sentada lá e chora e segura minha mão. Eu me sentaria para sempre se quisesse.


CAPÍTULO OITO

“Clarke.” Estou caminhando para a aula na manhã seguinte, quando Shay acelera seu ritmo para recuperar o atraso. Ele gesticula para uma calçada vazia ao redor do prédio, e vou com ele. Nos caminhamos mais para um abandonado conjunto de escadas que levam ao lado esquerdo do edifício. Raramente é usado porque não há nada que leve a isso, apenas um pedaço de grama e árvores ao redor. Eu tinha um palpite sobre o que Shay irá falar, e por isso, é perfeito. Ele se debruça contra um dos dois pilares pela escada. “A sua amiga está bem depois da noite passada?” Concordo com a cabeça, sentada em um dos degraus. Pego minha bolsa no meu colo, abraçando-me. “Sim. Ela sabe que estou lá para ela. Isso é tudo o que posso fazer.” “Ela disse quem a estuprou?” Balanço minha cabeça. “Eu não perguntei. Se ela quisesse me dizer, eu acho que ela faria.” “Foi estuprada numa festa?” Eu olho para cima. Havia uma razão pela qual ele estava perguntando. “Você ouviu?” “Foi na festa de domingo à noite?” Ele sabia. “Você ouviu.” Sua mandíbula aperta. “Sim. Eu ouvi. Essa merda me irrita.”


“A mim, também.” “Olhe.” Ele se senta ao meu lado, virando a cabeça no meu caminho. “Ouvi o rumor. Eu acho que sei quem fez isso. Sei para quem foi feito. Eu só preciso saber se a menina da festa de domingo é sua amiga ou não.” Faço uma careta. “O que você ouviu?” Ele para um segundo, como se estivesse decidindo se deve me dizer ou não. Seu maxilar aperta mais uma vez. “Você ouviu que era um jogador de futebol?” Eu concordo. Meu estômago torce em um nó. Ele diz: “Conheço o cara. Casey Winchem. Essa é a sua amiga, não é?” Ele conhece o cara. Claro, ele o conhece. Ele está no seu time. Eu digo fracamente: “Sim. Ela é minha amiga.” Ele resmunga, afastando-se. “Ele tem um tipo. Pernas longas. Cabelo castanho. Olhos escuros. Ele gosta de caras bonitas.” Ele olha para trás, os olhos apertados. “Você se encaixa nesse tipo.” O qu... “Você esta falando ...” Não. O que ele está dizendo? “Se você tivesse ido a essa festa, poderia ter sido você.” O telefonema de Gage faz muito mais sentido. Ele está preocupado comigo. Minha amiga. Tipo semelhante. Poderia ter sido eu. As palavras de Shay ecoam na minha cabeça. Eu sinto a primeira fatia de medo. Nunca tive medo legítimo de homens antes. Havia outros sentimentos sobre caras. Como os odiar às vezes, como eles são irritantes,


como eles querem me ferrar, ou me usar... Mas nunca tive medo disso. Isso é... Quero enterrar minha cabeça no meu colo. Isso é novo. Isso é estranho. Isso não é o que eu quero sentir. “Oh.” Ele franze a testa para mim. “Oh?” Engulo um nó. Poderia ter sido eu. “Eu nunca pensei nisso. Ela me pediu para ir a uma festa sexta-feira a noite.” Poderia ter ido. Se eu tivesse, talvez tivesse me divertido. Talvez teria ido pela segunda vez. Talvez teria ido em vez de ir a sua casa e estudar. “Nós estávamos em sua casa naquela noite.” “Eu sei.” Ele amaldiçoa novamente antes de ficar de pé. Ele puxa o telefone para verificar o horário. “Nós temos que ir. Olha, isso pode ser um problema para a equipe. Ela vai denunciá-lo?” “Por quê?” Ele queria que ela não fizesse? Ele queria que eu encorajasse ela a ficar em silêncio? Estou ficando chateada apenas de pensar nisso. É uma violação de seu corpo, e ele sugeria“Ela deve. Este idiota fez isso com outras garotas. Ele precisa ser trancado.” Oh. Todo o argumento foi esvaziado. “Você quer que ela relate isso?” “Foda-se sim.” Ele estreita os olhos. “Espere. Você pensou que eu não gostaria que isso acontecesse?” Uso suas palavras. “Este pode ser um problema para a equipe.”


Ele revira os olhos, agarrando-me ao mesmo tempo. “Má escolha de palavras. Sim, eu quero que ela relate isso. Esta escola lida com assaltos sexuais de uma boa maneira. Eles levam a sério e a menina não é culpada. Eles têm políticas sobre isso. De vez em quando, ouvimos falar de uma violação e a equipe recebe uma palestra inteira, no caso de um dos indivíduos decidir fazer algo estúpido. É toda uma estratégia preventiva, ou foi o que o treinador disse uma vez. Pelo que ouvi, ele a drogou, levou para o quarto e a estuprou. Ela tentou fugir, mas o filho da puta a tinha tão dopada que mal conseguia levantar os braços. Suas amigas pensaram que ela se conectou com alguém e ficaram também.” Olho para o cimento. Não pedi a Casey detalhes porque uma parte de mim não queria saber. Eu desejava não saber. Ela não conseguiu lutar contra isso. Ela não conseguiu levantar os braços. Ele amaldiçoa. “Pensei que você soubesse.” Eu balanço minha cabeça. “Eu só sabia que isso aconteceu, não os detalhes.” Ele levanta a mão e segura no ar. Ele não sabia o que fazer com isso. Finalmente dá um tapinha no meu joelho. “Desculpe, Clarke.” Meu sobrenome parece certo. Isso coloca espaço entre nós novamente. Posso reunir minha compostura novamente. Concordo com a cabeça algumas vezes, limpando a palma da mão sobre os meus olhos. “Estou bem.” A aula provavelmente está começando. “Vá para a aula.”


Ele não sai. Ele fica. “Você está vindo?” Balanço minha cabeça. “Não.” Meu coração doe demais. “Eu vou tomar notas para você. Vou parar em seu dormitório mais tarde.” Eu queria rir. As garotas no meu corredor jogariam as suas calças, mas não faço. Ele toca meu ombro mais uma vez antes de passar por mim e entrar no prédio. Fico agradecida por esta entrada nunca ser usada. Emoções que não entendo e não quero me seguram sentada naquele degrau muito tempo depois que Shay se foi. Fico e imagino não poder levantar meus braços.


CAPÍTULO NOVE

Eu estou no meu quarto naquela noite, quando Shay me liga. Agradecendo pela ausência de Missy, como sempre, atendo e recosto na minha cadeira. “O que há, Coleman?” Ele faz uma pausa antes de rir em voz baixa. “Coleman. OK. Entendi. Nós somos como frios companheiros? É isso?” Há uma descrição melhor para nós? Dou de ombros. “Nós meio que nos odiamos, mas ainda buscamos um ao outro. Eu pensei que é hora de mudar de chamar você de ‘Aquele cara que eu odeio’ na minha cabeça para um nome. Os nomes parecem adequados. Você pode continuar me chamando de Clarke.” “Eu nunca sei o que vou conseguir com você.” Estou deliberadamente mantendo isso leve. Não estou pronta para mergulhar nas águas profundas que estivemos quando o vi esta manhã. Leve e supérfluo. É o que quero naquele momento. “Adivinha, esse é o meu encanto. Eu não sou como todas aquelas outras garotas cuja calcinha ficam em chamas quando você entra em uma sala.” Eu vejo um e-mail de uma corrente de Gage, e respondo instantaneamente. “Pare de me enviar essas coisas estúpidas.” “O que?”


Shay está zombando de mim. Posso literalmente ouvir o sorriso em sua voz. Eu respiro um pouco mais fácil, grata dele estar seguindo minha liderança. Ele diz: “Você quer dizer que o aroma ardente que sinto não é seu? E sou convencido quando se trata de você.” “Primeiro, ew.” Aroma ardente? “Isso é nojento. Se tanto, seria eu ter que fumar um cigarro antes de te ver. Não sei se você está ciente disso, mas você é um pouco estressante para lidar.” Ele fala petulantemente rindo. “Isso é chamado de carisma e sensualidade animal primordial. Isso exala, e você é afetada. Você está tão confusa que nem sabe o que é. Seu corpo está estressado de lutar para que você não fique comigo. Eu sei o que é bom, Clarke.” Ele diminuiu o tom. “E definitivamente sou eu.” Insiro um rolar dos olhos. “E dois,” continuo como se ele não tivesse falado, “nós nos odiamos. Lembra? Vamos cortar a perseguição de por que você ligou assim nós podemos retomar o voto de silêncio que levamos ao redor um do outro.” “Puta merda, mulher. Voto de silêncio? O que você é, uma freira?” “Por que você ligou?” Estou começando a não gostar desta chamada. Não há nenhum ponto. Esse cara não é engraçado. Ele não é sexy - suas palavras, não minhas - e não está derretendo minha parede de ódio para ele. Não. Sem derretimento. Meu corpo está aquecido porque tenho um suéter e, nesse tempo, é realmente necessário? Acho que não.


“Tenho aquelas notas para você.” Tudo fica em alerta. Eu me afasto. Aparecem alarmes vermelhos nos meus tímpanos. “OK.” “Estou aqui embaixo.” “O quê?” Uma miríade de maldições vomita de mim antes de eu perceber que estou xingando. Empurro a cadeira de volta para ficar de pé. “Por quê você está aqui? Eu tenho uma regra!” “Uma regra?” Foda, foda, maldita foda! O suéter também está de repente apertando. Sinto que estou sendo sufocada até a morte. Também perto do meu pescoço. Bato o botão do alto-falante, jogo meu telefone na cama e puxo meu suéter. “Sim. Caras que conheço não vêm aqui. Nunca.” “Qualquer cara? Você está falando sério?” Tirar o suéter não ajudou. Eu ainda sinto como se não posso respirar. Olhando ao redor, agarro um top. É transparente. Eu quase o rasguei quando puxei. “Sim. Qualquer cara. Especialmente caras como você.” “Eu?” Sua confusão é clara. “O que há de errado com caras como eu? Porque nos odiamos?” Reviro minha gaveta e agarro um top preto. É de manga curta, mas sim. Eu arranco isso estourando minha cabeça para fora. “Caras gostosos. Pessoas que fazem as meninas babarem. Pessoas que merecem atenção e ciúmes. E desde que estamos no assunto, se você me ver em público, fale como se não me conhece.”


“Você é uma maluca.” “Apenas acaba tomando o meu lugar.” Eu escovo minhas mãos uma contra a outra, indo na direção oposta. “Como dois passageiros de ônibus na noite.” “A frase é dois navios que passam na noite, e não. Eu não sou um idiota completo. Se eu ver você em público, reservo o meu direito de ir e te irritar. Estou começando a tirar proveito disto diariamente.” “Não.” Eu quase engasgo. “Diariamente?” “Diariamente,” ele diz. “Agora, tras essa bunda bonita aqui para que eu possa lhe dar essas notas.” Eu gemo, mas desconectei a ligação, pegando a chave do meu quarto e me dirigindo para baixo. Estou bem deixando a porta bater atrás de mim. Isso corresponde ao meu humor, e foda-se aquelas duas vizinhas que sibilam em qualquer coisa que se mova no corredor. Nós somos pessoas. As pessoas tem que se mover para existir. Sua porta se abre e uma delas aparece, seu rosto já está irritado. Eu dou-lhe o dedo do meio, deslizando logo depois. “Salve isso. Estou com pressa.” Ela bufa, mas recua de volta para seu quarto. Sua porta se fecha com um simples clique. Eu reviro os olhos, correndo pela escada. Balançando a última porta que separa a área de dormir e o lobby, paro confusa. Não havia nenhum Shay. Esperava que ele estivesse apoiado na mesa, quatro ou cinco garotas penduradas em cada palavra, mas nada.


Apenas duas meninas falando no lobby e Sabrina, que ri quando me vê e aponta a porta. “Ele está na porta dos fundos.” “Oh.” Ilumino. Isso é muito melhor. “Obrigada.” Eu volto para dentro e desço para o primeiro andar. Este é o caminho mais rápido para a porta. Estou quase sorrindo de deleite enquanto empurro a porta dos fundos. Se eu bater nele, hey, tudo é justo na guerra que estamos brigando de quem pode mijar melhor. Não bate. Ele está encostado na parede, a parte de trás da cabeça apoiada no tijolo, e olha sorrindo para mim. “Eu quero ver o seu quarto.” Empurro minha mão. “Vim pegar essas anotações.” Aquele sorriso amplia. Ele acaricia sua bolsa e se afasta da parede. “Elas estão no meu e-mail. Eu preciso entrar em um computador.” Ele acaricia meu braço e passa por mim, indo para dentro. “Eu posso usar o seu.” “Ei!” Eu o sigo. Ele está olhando as escadas. “Sabrina disse que você está no quarto andar. Você conhece meu lugar. Eu quero ver o seu. É justo.” Ele não aguarda meu ato de avançar. Ele já está no segundo andar indo ao terceiro. Ele estará em meu andar antes que eu possa chegar lá. “Pare! Não estou bem com isso.” Ele está na porta do terceiro andar. Ele olha para baixo com o mesmo maldito sorriso. “É melhor me dizer em que quarto ou vou sair batendo no corredor.”


“Por que você sempre está sorrindo? Está permanentemente ligado ao seu rosto?” “Em que quarto, Clarke?” Ele está no meu corredor. Maldito inferno. Eu seguro os dentes. “Espere. Apenas espere. Minha porta se bloqueia automaticamente.” Ele abre a porta, mas deixa ela fechar. Esperando enquanto cubro o último conjunto de escadas, recuso-me a deixá-lo me ver ofegante. Fico de pé, deliberadamente segurando a respiração até que ele estreita os olhos e inclina a cabeça para o lado. “Respire, Clarke. Você vai desmaiar.” Eu quase arroto as pequenas bolsas de ar que estou segurando. “Eu te odeio tanto.” “Sim, sim.” Ele acena. “Nos entendemos. A condenação eterna no inferno, todo o pacote. Tanto faz.” Ele acena com a cabeça para a porta. “Pare de enrolar. Quero ver seu quarto.” Estou imaginando forquilha e fogo. Talvez esse fosse o cheiro ardente que ele mencionou. É o inferno e todo o fogo lá. Puxo a porta, encarando enquanto faço. “Esta ideia foi de Sabrina?” “Não. Toda minha.” Ele está logo atrás de mim. Posso sentir sua respiração. “Ela se recusou a me contar qual o número do seu quarto, disse que eu tinha que ligar.” Meus olhos se arregalam ao pensar nele subindo sozinho, andando pelo corredor e depois batendo na minha porta. Meu amável Deus. Muitas pessoas o veriam na minha porta. Eu seria a conversa do dormitório. Estremeço, desbloqueando e entrando no meu quarto. Eu gesticulo ao redor. “Aqui está. Não é uma casa de três andares com Deus sabe


quantos outros jogadores morando lá, mas é minha pequena casa na faculdade.” Ele entra e fecha a porta atrás dele. Está balançando a cabeça, olhando tudo. “Eu gosto disso. É aconchegante.” Ele aponta para a mesa de Missy. “Sua?” “Eu não vou ficar insultada por isso.” Sua mesa está coberta de bichos de pelúcia, fotos emolduradas e doces. Aceno com a cabeça para a minha. “Muito mais limpa, e posso dizer, de muito mais bom gosto também.” Não há fotos, nada de nada, e a única coisa digerível é o meu café. Minhas prateleiras são cobertas com os meus livros didáticos, blocos de anotações e qualquer material de escritório que possa precisar como uma calculadora e grampeador. Tenho uma placa sinalizadora desligada com a minha agenda e uma lista de toda a lição de casa que preciso fazer para as próximas semanas. Ele senta e olha para o quadro. “Você planejou todas as semanas?” “Você não? Isso chama-se usar um programa.” “É claro que meu programa não parece assim.” Ele está certo. Fui três semanas à frente. Eu mantenho isso para mim mesma. “Desculpe-me.” Eu me inclino perto dele, ignorando a proximidade de nossos corpos e como meu quadril o tocaria se deslocasse dois centimetros para a minha esquerda. Digito minha senha para que ele possa acessar seu e-mail. A sala está aquecendo novamente. Talvez meu termostato esteja quebrado? Termino e recuo. “Aí. Puxe as notas, Coleman.”


Ele ri entre dentes. “Coleman.” Seus dedos são rápidos enquanto ele escreve. “Seu email?” Dou a ele, e é encaminhado no próximo segundo. Aperto meus lábios juntos. “Você poderia ter feito isso em qualquer lugar.” “Eu sei.” Ele volta a sentar na cadeira e olha ao redor da sala novamente. “Mas, como disse, estava na área e queria ver onde você morava.” Ele vai até a televisão e começa a olhar através dos filmes. “Você tem muitos filmes de mulherzinha.” Ele tira um dos meus, um que não é um filme de mulherzinha. “Esse é um bom.” “É da minha colega de quarto.” Cruzo meus braços sobre meu peito. “Eu só vejo filmes melosos.” “Eu duvido disso, por algum motivo.” Ele pega outro meu. “Devemos assistir isso.” “Gladiador?” “Sim.” Ele pegar e aperta o botão de abrir no leitor de DVD. “O que? Agora?” O pânico está aumentando de novo. Tinha decidido, pensando que ele iria tão rápido quanto chegou. Não. Estava saindo agulhas vermelhas enquanto se sentava no sofá de dois lugares. “Sim. Por que não?” Ele olha para o meu relógio na mesa de cabeceira. “Eu tenho algumas horas para matar. Se chegar em casa, os caras vão querer ir ao bar ou algo assim.” “Você não tem um jogo amanhã?” Não deveria estar treinamento agora? Ou treino de calorias? Ou... o que os jogadores de futebol fazem antes de um grande dia de jogo? Olho sombriamente para a tela. O filme


está começando. Nós assistindo Gladiador? Isso é parte de sua rotina? “Você pode pegar isso emprestado se quiser. Você pode levar para sua casa e ver lá.” Ele dá um tapinha no assento ao lado dele. “Vamos, Clarke. Não vou tentar seduzir você. Nós não gostamos um ao outro, lembra?” Minha carranca está de volta ao lugar. “Você está se divertindo comigo.” “Porque você é tão fácil de irritar. A sério. Venha e sente-se.” Ele dá mais uma vez um tapinha no assento. “Se eu colocar o braço ao seu redor, é porque eu tenho que esticar. Não posso ficar com cãimbras. Eu sou o quarterback.” Ele pisca. “Pare de foder comigo.” Missy pode entrar. Geralmente faz pelo menos uma ou duas vezes. Elas foram comer, mas ela sempre vem deixar suas coisas. Holly e a prima andam com ela porque não podem caminhar um corredor inteiro sozinha. Então ela voltaria ao quarto delas antes de voltar novamente para se trocar se elas decidissem sair para uma festa ou outro lugar. Ele não pode estar no meu quarto durante esse horário nobre. Ele estreita os olhos. “Você está chateada, de verdade?” “Sim. Você não sabe como é.” Elas o veriam. Elas olhariam para mim de forma diferente. Elas gostariam de me usar ou ficariam com raiva porque ele estava saindo comigo e não com elas. Missy pensa que sou menos que ela. Assim como as outras.


Ele amaldiçoa, se dirigindo para a frente e descansando os cotovelos nos joelhos. “Você quer que eu vá embora?” Sim! Eu devo dizer essa palavra, mas não faço. Minha boca não se move. Por que não se move? Mordo meu lábio, e o que sabia que aconteceria, acontece. Ouço a voz de Missy no corredor. Novo pânico que nunca senti antes fica preso na garganta. “Entre no armário. Agora!” “O qu-” Ele fica de pé, e o empurro. “Você está falando sério?” Um cabide cutuca sua bochecha. Ele bate afastando, franzindo o cenho para mim agora. “Você é insana.” “Desculpa.” Elas estão na porta. Ela usa a chave para desbloqueá-la. Fecho a minha porta do armário e fico em frente a ela, me sentindo como uma idiota. Meu sorriso falso ganharia o prêmio máximo de todos os tempos. Até junto meus polegares. Missy entra, me vê e para. Suas sobrancelhas juntam. “Você parece estranha.” Paro de mexer os polegares. “Não, eu não sou.” Holly está logo atrás dela. “O que você está fazendo?” “Parada.” “Nós podemos ver isso.”


Levanto um dos meus pés atrás de mim. “Quero dizer, estou praticando o meu equilíbrio. Vocês também deveriam.” Missy bufa, indo até a mesa. Ela joga suas chaves e verifica seu email. “Seu equilíbrio?” Holly ergue a perna esquerda para cima. “Uma maneira estranha de passar o tempo, mas sim. Posso ver o recurso. Você faz yoga, Kennedy?” Quero amaldiçoar elas. Quero me enfurecer. Quero que elas vão embora. Apenas sorrio. “Talvez devesse tentar.” “Sim.” Seus olhos se iluminam. “Vamos começar a fazer meditação. Missy, devemos começar amanhã.” Ela olha para trás. “Nós poderíamos nos encontrar em nosso quarto, e se tivermos muitas pessoas, podemos usar a capela no andar de baixo. É um bom quarto semelhante ao Zen, tem essa sensação pacífica.” Aquele quarto é assustador, e sempre me faz lembrar de Casey. “Certo. Pode apostar.” “Feito.” Missy fecha o computador e pega uma camisa diferente. Ela pega seu telefone, mas suas mãos pairam sobre suas chaves. “Você vai estar aqui hoje à noite?” Holly olha para ela, e sei o que está pensando. Não é como se ela tivesse uma vida. As palavras das minhas colegas de quarto pendem no ar novamente, enchendo o ar com tensão. Não vou mais fazer ioga.


Concordo. “Eu acho que sim.” Aponto para suas chaves. “Você pode deixá-las. Se eu for em algum lugar, levo para o quarto de Holly ou as deixo com a conselheira.” “Ela está de plantão esta noite?” “Sim. Toda a noite.” Isso significa que ela estaria em seu quarto o tempo todo. “Ok.” Ela ergue a boca com um sorriso, embora não chegue aos seus olhos. “Até logo.” Ela se move depois de Holly quando elas saem. Holly olha para mim um momento, como se quisesse dizer algo, mas não faz. Assim que a porta se fecha, Shay estende a mão. Começo a me afastar, mas sua mão enrola no meu braço e ele me puxa para dentro com ele. “Ei. O que você-” Minhas palavras são engolidas por sua boca.


CAPÍTULO DEZ

Shay Coleman está me beijando. Esse pensamento mal se registra antes que meu sangue se aqueça, um formigamento atravessa por mim, passando todo o caminho dos meus dedos das mãos e dos pés. Puta Merda. Não consigo pensar, e seus lábios se movem sobre os meus. Eles estão pedindo algo, e respondo. Não sei o que estou fazendo, mas minha boca se abre e sua língua desliza para dentro. Ele está me beijando com uma aspereza extra do que sentia com caras antes, mas estou derretendo. Levanto as mãos no seu peito. O que estamos fazendo? Eu odeio Coleman. Com a lembrança, começo a me afastar. Ele geme, aumentando seu aperto em meus braços. “Não, não.” “Mas o qu...” “Pare. Ok?” Ele puxa para trás, apenas um pouco. Posso sentir ele todo. Sua mão cai na minha cintura, rodeia meu quadril, e me puxa para perto. Estou alinhada contra ele, e posso sentir mais do que apenas seus jeans. “Nós nos odiamos. Bom. Mas não agora.” Seus lábios mordem os meus. Sinto ele sorrir enquanto murmura: “Eu não odeio você agora mesmo.” Mas ele vai. Eu vou.


Ainda estou segurando atrás. O que estou fazendo? Sério? “Sha...” “Clarke, pare.” Ele abaixa o corpo e a outra mão toca meu outro lado do quadril. Ele me ergue e se move entre minhas pernas. Estamos no meu armário. Ele está me segurando contra a parede, e está parado ali. Estou meio que o montando. Seus lábios raspam os meus, suavemente dessa vez. É isso. É tudo o que preciso. Minha última resistência desaparece, e fecho meus braços ao redor de seu pescoço, moldando meu corpo contra ele. “Tudo bem.” Pressiono meus lábios contra os dele. “Mas isso tem novas regras. Sessões de amasso: primeira regra, não falamos.” “Sim.” Ele rosna, seus lábios cobrindo os meus novamente, tirando um gemido de mim. “Você está certa. Nós não conversamos.” Então ele volta a me beijar, e estou bem com ele.

Gladiador roda enquanto curtimos na minha cama. Tranquei a porta. Nunca estive tão feliz que Missy deixou suas chaves. Ela estava trancada, e então o filme aumenta o volume, o suficiente para afugentar qualquer voz que possa escorregar, e ia desligar a luz, mas Shay me agarra. Ele me levanta e quase me joga na cama, vindo comigo, seus lábios encontram os meus mais uma vez. Ele afunda em


cima de mim, seu corpo descansando entre minhas pernas, e assim que nós passamos a sexta à noite. Suas mãos deslizam e tocam sob minha camisa, cobrindo meus seios. Afasto a sua mão, mas com um sorriso perverso, ele se abaixa para começar a beijar minha barriga. Uau. Estou uma bagunça, ofegante e sentindo uma sensação de inundação por toda parte. Seus lábios estão se movendo sobre minha pele, levantando uma tempestade de prazer, e coloco as mãos em seus ombros. Ele se levanta para encontrar minha boca, e sou a única a colocar sua mão em meu peito. Ele não tira meu sutiã, mas desliza por baixo dele, me segurando completamente e seu polegar esfrega meu mamilo. Amaldiçoo gemendo, apertando minhas pernas ao redor de suas costas diretamente sobre sua cintura. Ele é o único a quebrar e gemer desta vez. Posso senti-lo, descansando tão perto da minha entrada, mas não estamos. Se essas sessões continuarem, talvez. Caso contrário, tudo bem com isso. E isso é um grande se. Eu não gosto desse cara. Lembra? Paro, afastando meus lábios e franzindo a testa para mim mesma. Estou tentando lembrar a mim ou a ele? Minha cabeça está cheia desses sentimentos escuros e tormentosos. Querer. Desejo. Luxúria. Não falo a ele sobre isso. Ele dirá que é por causa de sua sensualidade animal primitiva, mas gemo, sua boca capturando a minha novamente. Tenho que admitir que algo disso


deveria acontecer. Está me infectando, fazendo-me agir temerosa, como uma menina. “Pare de pensar.” Ele se levanta para poder sussurrar as palavras no meu ouvido, e derreto mais uma vez. Isso é uma carícia, lembrando-me de todas as outras vezes que ele falou, que só eu podia ouvir. Maldito seja. Isso é íntimo. Então suas mãos descansam no zíper do meu jeans e eu acordo. Ele estava prestes a ir a um outro nível de intimidade. “Não.” Pego sua mão. “Eu não estou pronta.” “Ok.” Sua mão desliza de volta debaixo da minha camisa. Pensei que ele voltaria para o meu peito, o que é um pensamento agradável. Estou perdendo isso, mas ele não. Ele levanta minha camisa e o ajudo a puxá-la na minha cabeça. Não preciso dessa camisa de mangas curtas. Que boa ideia. Isso é muito melhor, mas não. Ele tem que se juntar a mim. Levanto sua camisa e ele ajuda pegando o tecido e jogando no chão. Registro seu sorriso perverso, seus olhos aquecidos, e então ele está em mim mais uma vez. Pele com pele. Peito nu com peito nu, com exceção do meu sutiã. Ele toca o fecho atrás de mim e perguntou: “Sim?” Faço uma pausa. Devo? Isso é demais, muito rápido? Ele espera e passa o polegar sobre o meu mamilo como fez antes, e o amaldiçoo. “Isso não está sendo justo.” Seu sorriso alarga. Seus lábios se encontram com os meus, e ele sussurra contra eles: “Eu não jogo justo. Nunca. Você deveria saber disso sobre mim.” Sua outra mão começa a desfazer meu fecho, mas está indo devagar, esperando minha aprovação, então concordo com a cabeça. O


sutiã parece como uma restrição. Não é natural. Estou toda sobre ser natural naquele momento, e então ele está fora e as tiras escorregam de meus braços, e os passo em torno de seu pescoço mais uma vez. Foi embora, e nós realmente estamos peito com peito, então. Nós estamos exatamente como deveríamos estar, e assim, com a minha calça jeans posta, e a protuberância dele, nós curtimos até muito depois que o Gladiador e os créditos terminarem. Todo o caminho até a maçaneta da porta chacoalhar. “PORRA!” Fui eu, mas Shay quase levita fora de mim. Ele recua até estar sentado no final da cama. “Kennedy?” Missy está batendo na porta. “Me deixa entrar!” “Hum...” Meu cabelo está uma bagunça. Meus seios parecem como se estivessem hidratado e estão incrivelmente suaves, e só consigo dar uma olhada em Shay. Seu cabelo está uma bagunça como o meu, mas eu baixo pelo seu peito. Ele é tão gostoso. Mordo meu lábio, e ele inclina a cabeça para trás, um suave gemido vindo dele. Ele se inclina sobre mim, sussurrando: “Isso não é justo.” “Sim,” sussurro de volta, caindo na cama. “Eu também não jogo justo.” “Sim?” Ele está sorrindo, ainda falando calmamente. “Sim.” Puxo ele para baixo. Estou perdendo a cabeça. Nós estamos em uma cama, e ele não tem uma camisa, e eu só quero senti-lo contra mim, mas... vou fazer algo?


“Kennedy!” Missy bate mais forte na porta. “Deixe-me entrar. Preciso pegar minhas chaves.” “Por quê?” Estico minhas costas, e Shay está em cima de mim. Ele se encaixa entre minhas pernas e seus lábios caem no meu ombro. Ele murmura: “Livre-se dela. Eu não estou me escondendo nesse maldito armário novamente.” Então seus lábios começam a me beijar ali. Ele está fazendo aquelas coisas em espiral com sua língua, e estou lutando para lembrar de quem é o dormitório em que estou. Missy bate na porta mais uma vez. Ela ergue a voz. “Vamos. Nós estamos indo para uma festa.” Eu faço uma careta. Eles tinham uma festa de amigos? “Preciso das minhas chaves.” Ela acrescenta, pontuando sua impaciência com outro toque na maçaneta da porta. Gemo. “Posso dar-lhe as suas chaves? Você não precisa entrar?” “Por quê?” Sua voz fica mais tranquila, como se tivesse dado um passo para trás. “Porque estou malhando, nua.” Shay começa a rir, enterrando a cabeça no meu ombro e no pescoço. “Nua?” Ela parece desgostosa. “Você está se masturbando?” Seus ombros começam a tremer. Eu ia levar uma pelo time.


Levanto a minha voz. “Sim. Isso é uma coisa natural a fazer. Estou assumindo o controle do meu corpo, e isso significa masturbação. É saudável.” “Isso é nojento.” Ela suspira. “Sim, apenas me dê as chaves. Posso ter uma blusa diferente da Holly e usar sua maquiagem. Você me deve uma, Kennedy.” Ela não é a única que deve a alguém nesta situação. Eu reviro os olhos e me arrasto de debaixo de Shay. Puxo uma camisa. Não sei qual delas. Apenas agarrei uma. Sinto-me estranha caminhando meio nua na sala, embora saiba que ele vai puxá-la assim que eu voltar para ele. Agarrando as chaves, acomodo os pés descalços e abro a porta. “Você é tão nojenta.” Empurro as chaves pela porta grunhindo. “Assim como você.” Ia fechar a porta com força, mas faço uma pausa. “Obrigada.” Fecho e tranco mais uma vez. Posso ouvi-la ir embora enquanto descanso minhas costas contra a porta. Faço um inventário. Estou vestindo sua camisa. Sem sutiã. Sem meias. Sem sapatos. Meus jeans estão desabotoados, mas o zíper ainda está fechado. E eu ainda tenho a minha roupa interior. Shay senta-se, seus olhos escurecendo. “Você fica bem assim.” Levanto uma mão para o meu cabelo. Ainda uma bagunça. E meus lábios estão inchados e latejando. Também toco neles.


“Sim.” Ele também, mas seguro isso. Fico lá, um pensamento discreto e claro voltando, e as perguntas começando a se formar. O que estamos fazendo? O que estou fazendo? Com ele? Eu o odeio... certo? Não? Ele levanta lentamente e começa a atravessar a sala. “Não comece a pensar. Não. Somente...” Ainda estou contra a porta, mas me endireito ao máximo e olho para ele. Posso sentir o calor do seu corpo. Seu peito está bem na minha frente. A um palmo de distância. Ele deixa cair a cabeça, seus olhos lânguidos, e posso sentir sua respiração como um sussurro suave na minha pele. Seu dedo rastreia meu lábio quando acrescenta: “Nós não falamos sobre isso, lembra-se?” Sua mão desliza pelo meu braço, caindo na minha mão. “Sem falar.” Adiciono outra regra, “Sem pensar, tampouco.” “Sim.” Ele concorda com aprovação. “Isso é melhor ainda. Sem pensar. Somente...” Ele se abaixa, seus lábios sobre os meus. “Sinta isso.” Ele os pressiona contra os meus, eu gemo e me agarro em seus ombros enquanto ele me leva em seus braços. Minhas pernas rodeiam sua cintura, mas em vez da cama, ele apenas me segura e me pressiona na porta. Seus lábios estão nos meus. A sua mão está no meu quadril, e a outra agarra o lado do meu rosto. Ele se afasta, apenas uma fração e diz: “Isso está bem para você?” Concordo. Deus, sim. “Sem falar. Sem pensar.” “Apenas sentir.” “Inferno, sim.” Arrasto sua boca para a minha. Não precisa ficar tão longe.


CAPÍTULO ONZE

É mais de meia-noite quando finalmente o expulso. Mantivemos nossas regras. Nós não conversamos. Quando o afastei, ele apenas concordou com a cabeça, me beijou, puxou a camisa e me beijou de novo. Puxou suas meias e sapatos, outro beijo. Então pegou seu telefone e suas próprias chaves. Mais dois beijos, quando começou a caminhar para a porta. Não é o que faço com meus namorados. Os poucos que tive fui toda negócio. Uma apalpada. Um casto beijo de adeus, e então eles saíam pela porta. Isso é leve e divertido e sexy e esqueci o quanto odiava o cara. Eu me afasto da porta e balanço minha cabeça. “Não mais.” Quebro a regra de sem falar. Seu meio sorriso me lembra, mas ele passa uma mão pelos cabelos, olha para o corredor e desaparece. A porta se fecha com um duro estrondo, e volto para dentro para que as idiotas não saibam que sou eu. Ouço sua porta aberta, e a menina que xinguei antes resmunga: “Quem é?” Ela volta para o quarto. Sua voz fica abafada quando a porta se fecha. Vou até a janela a tempo de ver uma sombra se arremessar da escada e sair para o estacionamento. É então que tudo me atinge. Eu dei uns amasso em Shay Coleman. Shay Fodido Coleman. Ele quer me foder.


Sento na cadeira da mesa de Missy, pois está mais perto da janela. Empurrando uma mão pelo meu cabelo, fico estupefata. Ainda tinha me contorcido naquela cama, sentindo suas mãos em todos os lugares, seus beijos, sentindo ele em mim. Gemendo, enterro minha cabeça nas minhas mãos. O que diabos acabei de fazer? Não. Eu não posso ir lá e me encher de vergonha. Tanto faz. Eu me sento de volta. E daí? Então, porra, o quê? Dei uns amasso em um cara? Quem se importa se não posso suportá-lo fora da cama? Nós não estamos em um relacionamento. Não vou namorar com o cara. De jeito nenhum. Isso é físico. E se isso acontecer de novo... bem, eu também não pensarei nisso. Fico de pé e na verdade encolho os ombros. Não ficarei cheia de remorso, e não vou me sentir barata e suja. Nos beijamos. É saudável, assim como disse a Missy. Isso também é saudável. Trinta minutos depois, estou vestida para dormir e me sinto um pouco melhor. Meus dentes estão escovados. O rosto lavado. Pensei em um banho, mas decidi esperar até a manhã. Eu posso senti-lo ainda em mim durante a noite, e daí que é Shay. Não curtia com um cara faz um tempo. Na verdade, me sinto bem que me esqueci de quem é. Estou no meu computador quando uma chave encaixa no bloqueio. A porta se abre. Minha colega de quarto entra.


Não olho para cima. Ela pode fazer seus comentários depreciativos. Eu não me importo. Gage me enviou um segundo e-mail, perguntando se irei para o jogo de futebol com ele. Por que ele apenas não mandou mensagem, não faço ideia, então o cheiro de bebida me fez cócegas no nariz. Olho para cima. Ela está no seu armário, balançando para frente e para trás, e tira a camisa. Ela está sozinha. A porta ainda está aberta, então fecho e estou voltando para minha mesa quando travo. Há uma mochila descansando do outro lado da minha cadeira da mesa. Não é minha. Não é de Missy. Estou bastante certa de que não é da Holly ou sua prima. “Merda,” murmuro em voz baixa. “Hum?” Ela ladra, sua cabeça girando para mim. Um rápido olhar confirma o que já sei. Ela está bêbada. “Nada.” Ela tira uma das suas camisas, mas não seu top de pijama normal. Está realmente bêbada. Pego a mochila de Shay e verifico o conteúdo para ter certeza de que é dele. É. Eu vejo sua agenda com o nome dele rabiscado no topo, então fecho a mochila e coloco na parte de trás do meu armário. Ninguém precisa saber disso. Não penso que Missy faria, mas nunca se sabe. Deixando-me cair na minha cadeira, pego meu telefone para enviar um texto para Shay enquanto Missy cai no chão. Olho para cima para assistir. Não posso deixar de ver isso. Estou tentada a fazer um vídeo, mas estou sendo legal. Por uma vez.


Enquanto Missy luta com seus jeans e os levanta sobre sua cabeça para jogar em seu armário, envio um texto para Shay. Eu: Você deixou sua mochila aqui. Missy solta um gemido meio grunhido e um grito de frustração ao mesmo tempo. Ela não se levanta, em vez disso rasteja para o armário. Pega outra calça. Também não são pijamas. Quando ela a puxa, ou tenta, pois seus pés continuam evitando a perna da calça, meu telefone apita. Coleman: Posso pegar de manhã? Devolvo o texto. Eu: Quando? Missy coloca uma perna. Sucesso. Quero empurrar meu punho no ar para ela. Meu telefone toca novamente. Coleman: Cedo. Meu manual está lá. Gemi. Eu: Quando é cedo? Estou na faculdade, Coleman. Dormir é obrigatório. Coleman: Nove é muito cedo para você? Eu posso voltar pegar agora. As nove é possível. Eu: Vamos fazer uma troca. Você me traz café e vou encontrá-lo na calçada do estacionamento com sua mochila. Coleman: Feito. Descafeinado, certo?


Olho para o meu telefone. Eu: Voltei a odiar você. Coleman: Nunca pare com isso. O equilíbrio do mundo será fodido. Eu tenho que saber o que é certo e errado. Não enrosque com minha bússola moral, Bunda-Bonita. Ah não! De jeito nenhum. Eu: Terceira regra do que não falar. Nenhum apelido, a menos que eles reconfirmem a nossa aversão mútua um para o outro. Sem BundaBonita. Sua resposta é imediata. Coleman: Bunda Apertada? Um segundo grito meu. Eu: NÃO! Quase posso ouvi-lo rindo. Coleman: Relaxe. Já sei. Clarke Bundona. É assim que você está no meu telefone. A tensão deixa meus ombros. Eu: Vejo você pela manhã às 9h em ponto. Coleman: Noite. Coloco o meu telefone para baixo, mas então ele começa a zumbir novamente. Coleman: Bundona. Estou lutando para limpar esse estúpido sorriso do meu rosto. Tudo está certo novamente. Ligo meu telefone no carregador, puxo o laptop


para mim e envio uma resposta ao e-mail de Gage. Eu vou sentar com você, mas só se estivermos na seção da equipe adversária. Ele ficará chateado, mas essa é a única maneira. Desligo o computador, e então Missy sobe a escada com uma camisa brilhante de seda rosa. Os botões abotoados, e a calça do pijama de veludo caqui. Estou bastante segura de que ela não escovou os dentes, mas antes que minha cabeça atinja o travesseiro, ela está roncando.

Meu alarme dispara às oito e meia. Dormi, mas os sonhos foram cheios de beijos, respirações pesadas, toques em lugares por todo o corpo e um sentimento geral de ser estimulada. A noite toda. Estou exausta, mas me afasto da cama. Ao verificar meu telefone, sei que Shay chegará a tempo, então pego meu ritmo. Vestir, lavar, todo o começo parece gastar mais tempo do que o normal por algum motivo. Visto jeans, sandálias e uma camisa comprida. Não preciso anunciar qualquer nível de sensualidade aqui. Não estou tentando ser atraente para Shay Coleman. Ainda. Faço uma pausa depois de pegar minhas chaves, telefone e sua mochila. Coloco um pouco de brilho labial porque meus lábios parecem rachados. Parecem. Não sinto isso, mas nunca custa ser proativa.


Estou na calçada, sua mochila ao meu lado e aguardo cinco minutos antes do seu Jeep Wrangler negro estacionar. Ele estaciona em um espaço atrás de mim. Pego sua mochila e atravesso a calçada e a área de grama. Ele desliga o motor, mas não se move para sair. Caminho para o seu lado e levanto sua mochila. Ele puxa a mochila pela janela aberta, mas acena para o lado do passageiro. “Quer entrar por um segundo? Eu peguei seu café.” Surpresa, dou de ombros e dou a volta. Ninguém veria. Se estivessem andando para casa, estariam de ressaca. Ninguém vai prestar atenção a um Jeep Wrangler no estacionamento. Abro a porta e subo. Shay pega meu café, o dele em sua mão. “Aqui,” ele murmura, sua voz sonolenta. Fecho a porta. “Não dormiu?” Sua cabeça está descansando contra seu assento, mas ele abre um olho e não parece muito feliz. “Tive uma grande ereção a noite toda. A filha da puta não ia embora, mesmo depois de eu cuidar dos negócios. Obrigado por isso.” “Ai!” Bato em seu braço. “Não fale sobre isso. Essa é a primeira regra.” Ele resmunga, mas diz: “Você é todo tipo de perturbada. Você sabe disso, certo?” Dou de ombros. Não é um insulto se for verdade. “Eu tenho uma razão. Isso torna minha vida mais fácil.”


Ele balança a cabeça, tomando um pouco de seu café. “Você está indo para o meu jogo hoje?” Aquele sorrisinho voltou, uma camada extra de presunção aumentada. “Eu sou o quarterback estrela, você sabe.” Futebol. Boa. Relaxo. Podemos falar sobre isso. “Eu odeio futebol.” “Oh, meu... você está falando sério?” Ele explode. “O que? Eu faço.” Seus olhos se estreitam. “Você não respondeu.” Ele continua a olhar para mim, longa e duramente, então seus lábios levantam novamente. “Isso significa que você está indo, não é?” Nenhuma resposta minha. Ele ri, voltando a tomar seu café. “Estou começando a poder lê-la.” Enrugo o nariz. “Isso não é bom.” “Com quem você vai?” “Aquele cara com que estive a noite passada.” “Estarei jogando.” “Quem disse que é você?” Não posso me ajudar. “Você esteve com alguém antes de mim na noite passada?” Ele fingi franzir o cenho, mas seu lábio se contrai em um meio sorriso. “E você quebrou a regra novamente.” Não falar sobre isso. Porra. Cedo dizendo: “Eu vou com meu irmão.” “Sim?” O interesse desperta em seu olhar. “O que aconteceu com a sua regra sobre ser vista em público com um cara? Ou ele não conta porque ele é seu irmão?”


Resmungo. “De jeito nenhum. Ele está incluído nisso. Ele é a principal razão pela qual tenho a regra. Você sabe como as meninas ficam quando descobrem que sou relacionada com Blake ou Gage Clarke?” Um arrepio passa na minha coluna vertebral. “Elas são muito boas ou não são agradáveis. Todas as garotas que Gage dorme e descarta? Adivinha com quem elas são umas vadias?” Paro com um segundo arrepio. “Eu vou, mas estamos sentando na arquibancada da outra equipe.” Ele suspira. “Eu nem vou perguntar se você está falando sério. Eu sei que você está.” “Completamente.” Vejo sua perplexidade, que está misturada com um pouco de frustração, e só abalo minha cabeça. “As meninas podem ser malvadas. Você não tem ideia.” “Sim.” Ele levanta o café. “Talvez eu não tenha. Os garotos não são tão ruins. Havia bullying no ensino médio, mas isso realmente não acontece na faculdade.” Ele emenda, mergulhando a cabeça baixa, “A menos que estejam bêbados e sejam apenas idiotas. Então, pode ser um nível assustador completamente diferente.” Ele olha para mim por cima do seu café. “Algo me diz que você os reduziria a covardes irritantes.” Eu sorrio. Isso me faz sentir melhor. Vendo uma garota que conheço de uma das minhas outras classes, alcanço a porta. “Obrigada pelo café.” Ele não diz nada, apenas me olha. É quando ele deveria me agradecer por ter trazido a mochila, mas ele não faz. Saio e olho para vê-lo olhando-me atentamente. “Bem.” Eu me sinto estranha por algum motivo. “Boa sorte hoje.”


Eu me afasto. O café está bom. Ele colocou um pouco de creme e açúcar.


CAPÍTULO DOZE

Estou mijando nas minhas calças. Realmente, mijando como a bexiga vazando completamente e toda a sensação de calor que você sente no início, seguida de constrangimento com vergonha, e então está apenas molhado, pegajoso e mal cheiroso. Ok, isso pode ser um exagero. Checo. Minhas calças estão bem, então não aconteceu nada de mijo real, mas não ficaria surpresa se saísse algum. Estou de fora dos estandes. Gage está me fazendo esperar enquanto ele entra no banheiro, e não só minha colega de quarto e sua gangue de duas outras estão a mais de um metro de distância, mas também Becs e Aby da aula de Ciências Políticas estão a poucos metros de distância delas. Estou amontoada atrás de um poste e tenho uma enorme balde de pipoca e um grande copo de refrigerante apertados no meu peito. Tento elevá-los, então se alguém se aproximar, posso proteger meu rosto. “Clarke?” Pulo. O ar inunda com pipoca, e não tenho que imaginar a sensação de fazer xixi em minhas calças. Estou experimentando agora, com refrigerante. Meu rosto e minha camisa estão encharcados, e não há calor. Há frio. Cerro os dentes. Muito frio. Casey está franzindo o cenho para mim. Ela está usando um folgado capuz da Universidade de Dulane e jeans apertados, e seu cabelo castanho-avermelhado puxado em duas tranças francesas. Ela está


puxando uma, sua cabeça inclinada para o lado enquanto continua me avaliando. Ela aponta. “Você derramou.” Vejo alguns guardanapos em sua mão e agarro, usando-os para esfregar em mim mesma. “Não, merda, Sherlock.” Ela apenas ri. “O que você está fazendo aqui? Você parece uma psicopata assustadora.” Eu quase sorrio. “Essa é a questão. Quero que as pessoas se sintam estranhas e desviem o olhar.” “Você é a única pessoa que conheço que quer parecer uma psicopata assustadora.” Sua mão cai de sua trança para o quadril. Ela olha ao redor. “De verdade, o que você está fazendo aqui?” Seus olhos pousam no banheiro dos homens. O das mulheres está do outro lado dos estandes. “Ah... Deixe-me adivinhar. Você está esperando. . .” Ela me encara novamente, mastigando o interior do lábio. “Não. Você não é o tipo de esperar por um garoto quente secreto. Você está esperando o seu irmão, certo?” “Ding, ding, ding. Temos um vencedor, Vanna.” “Ha!” Mas ela está rindo até a cor desaparecer de seu rosto, junto com o sorriso dela. “Espera. Seu irmão sabe sobre mim, não é?” Eu aceno com a cabeça, dizendo suavemente: “Ele é o único que me chamou sobre isso.” Eu me livro do resto do refrigerante e faço um malabarismo com o que resta da pipoca ao lado. Toco seu braço, mas quando ela puxa, me retiro. “Desculpa. Não pensei.” “Não.” O sorriso dela é instável. “Está bem. Eu...”


Ela corta quando Gage de repente aparece. Ele rodeia o posto, com uma careta irritada no rosto. “Onde está a pipo...” Ele vê Casey, e as palavras param. “Oh.” Uma transformação vem sobre ele. O Gage irritado desaparece e, em vez disso, o Gage suave - aquele que soprava em meus cortes para que a pomada antibacteriana não arde aparece. Tecnicamente, meus ferimentos não eram culpa dele, mas não importava. Meu grande irmão cuidou de mim. Esse é o cara de pé na nossa frente. Ele passa a mão pelos cabelos, dizendo a Casey: “Eu não vi você aí.” Ele olha para mim, uma pergunta não dita sobre o que ele deve fazer. Casey estende a mão, um olhar determinado em seu rosto. “É um prazer conhecê-lo, de forma oficial.” Seus olhos se dirigem para mim e voltam. “Não tinha ideia de que Kennedy tinha um irmão ou que você é seu irmão.” “Sim.” Ele coloca a mão na dela, tratando-a como se fosse de vidro. “Essa é minha irmã, orgulhosa de ser relacionada comigo.” Atiro um olhar a ele. Ele me ignora. Sua boca firma, e ela empurra a mão com um forte movimento. “É errado. Nós festejamos juntas, e eu não conheço o verdadeiro você.” Ela está forçando um tom alegre na voz dela. “Sim.” Ele limpa a garganta. Gage pode soar desconfortável, mas ele não está. Seus olhos se suavizam, uma ternura vaza de sua voz e, se ele pudesse flutuar em frente


a um tapete mágico e levá-la nos braços, ele já estava cantando “Um mundo ideal.” Casey coloca alguns fios invisíveis de seus cabelos atrás de sua orelha. Eles não estão soltos. Suas duas tranças estão apertadas, mas ela ainda está se certificando de que estão agradáveis e seguras. Suas bochechas estão florescendo com uma linda e suave tonalidade de rosa, e estou prestes a vomitar. É amor por trás do posto de futebol, não amor à primeira vista. “Vocês dois estão obviamente interessados um pelo outro.” Gage me lança um olhar, sibilando, “Kenz!” Casey ri, olhando para o chão por um segundo. “Está bem.” Outro sorriso travesso puxa seus lábios. “Quero dizer, você sabe. Obviamente. Duh. É por isso mesmo que estou falando com Kennedy.” “Obrigada.” Ela toca minha mão, como se quisesse dizer que lamenta, mas seus olhares estão todos para Gage. Estou começando a perceber que é assim que a maioria das meninas olha para o meu irmão. Gage está estufando o peito, como se fosse um maldito cavaleiro com uma armadura brilhante. Levanto o recipiente de pipoca meio vazio. “Uau. Olhe para isso.” Minhas habilidades de atuação sugam, mas estou empenhada. “Não tenho ideia de como isso aconteceu. Eu vou encher isso. E, um...” “OK. Sim. “Gage toca meu braço e me cutuca para fora do caminho. Ele se aproximou de Casey, e eles vão embora depois disso.


Eu poderia ter dado saltos nua e conseguir ser presa, e penso que eles não notariam. Volto para os estandes, mas pergunto a um cara se ele quer o resto da minha pipoca. Seus olhos se iluminam, e é uma outra interpretação do amor à primeira vista, com ele e a pipoca. “Inferno sim.” Ele agarra antes que posso mudar de ideia, e eu só compro um novo refrigerante. Estou retornando com ele, mas não há nenhum sinal de Gage ou Casey. Eu os vejo sentados em uma esquina na seção da nossa equipe. Kristina, Sarah e Laura estão na fila na frente deles. Eu fui rejeitada. Pelo meu próprio irmão. “Fracassada.” O qu... De jeito nenhum. Eu me viro, meu pescoço rígido quando Becs e Aby se aproximam. Elas estão vestidas de forma semelhante a Casey, inteiramente com roupa da Dulane University. A única diferença é que, em vez de moletom de capuz, elas estão vestindo apertadas camisas de mangas compridas, seus cabelos altos em rabos de cavalo em vez de tranças, e ambas têm um monte de gliter em seus rostos. Pergunto: “Você realmente me chamou assim?” Param e compartilham um olhar confuso. “O quê?” Becs pergunta. “Shay nos disse para cumprimentá-la assim. Nós pensamos que era uma piada interna.” “Shay disse?”


Ela concorda. Aby, também. Becs franzi a testa. “Não é o tipo de coisa que deveríamos chamá-la e você saberia imediatamente que era de Shay, então se dissolveria em gargalhadas? Não é esse tipo de coisa?” “Não.” Mas maldição. É uma boa brincadeira. “O que você quer?” Becs diz: “Você cresceu mais dentes desde a discussão sobre aborto.” “Não.” Balanço minha cabeça. “Eu tinha dentes, então.” Aponto para a minha boca, descobrindo-os. “Veja. Navalha afiada. Dei uma mordida em ambas, se bem me lembro.” Becs diz: “Uh. Não.” “Bem.” Aby levanta a mão antes de deixá-la cair tão rápido. “Um pouco. Sim.” “Seja como for.” Becs revira os olhos. “Você não estava na aula na sexta-feira. Shay disse que contaria a você, mas desde que você está aqui e tenho certeza de que Shay tinha coisas mais importantes para lidar com isso, pensei em mencionar.” “O que?” “Nós recebemos nossa apresentação na sexta-feira. Temos que fazer um artigo inteiro e depois apresentá-lo, mas vi Linde ontem à noite, e ele mencionou de talvez comece a pesquisa amanhã.” “Qual é o nosso tópico?” “As mídias sociais e como isso afeta a política.” “Oh.” Fico surpreso. “Isso realmente parece divertido.” Ela me dá uma olhada geral. “Sim. Diversão. Certo.”


“Estamos começando amanhã?” Ela concorda. “Os caras disseram que têm suas informações de contato, mas sim. Nos encontraremos na biblioteca no horário da tarde ou à noite. Eu também tenho muitos outros deveres de casa.” “Ok.” Meu domingo já está planejado. Domingo de diversão. Alguém grita o nome de Becca, e ela acena para eles. Ela me diz, apontando por cima do ombro, “Meus amigos estão chamando. Vejo você amanhã.” Aby acena, e fico com outra descoberta. Eu meio que sussurro para mim mesma: “Seu nome não é realmente Becs?” Isso faz muito mais sentido. Começo a ir para a lado da equipe adversária, mas percebo que não estou mais com Gage. Posso me sentar no lado da minha própria equipe, e com isso, giro rapidamente, mas paro novamente. Espere. Eu vim por causa de Gage. Não tenho que assistir a nada, mas o intervalo terminou, e as equipes voltam de seus vestiários. Eles correm por mim, e vejo Shay no meio do grupo. Sua cabeça está dobrada para frente, ouvindo um dos treinadores que está correndo ao lado dele. Estou em conflito. Posso odiar sua personalidade, mas não posso negar o quão bom ele parece em seu uniforme de futebol. As ombreiras. As calças brancas e apertadas que terminam depois de seus joelhos. E como está escuro e


suado o cabelo dele. Ele fica preso em todos os pontos certos. As manchas negras sob seus olhos estão borradas, mas de maneira quente, e eu vacilo. Então, Linde percorre o caminho, e, me vendo, sorri com um sorriso cegante. “É melhor você torcer por mim, Kennedy Clarke. Você me escuta? Quero ouvi-la gritar.” Todos começam a bater palmas quando passam, e, sentindo o sorriso, deslizo o refrigerante para o lado. Começo a bater palmas e, quando o último da equipe está no campo, estou gritando e torcendo com os melhores deles. Eu fico, mas apenas para Linde. E talvez a parte traseira de Shay.


CAPÍTULO TREZE

Ganhamos de dezessete a dez. A equipe adversária conseguiu um lançamento de campo, daí os últimos três pontos, e quando isso aconteceu, nosso lado agiu como se tivéssemos sido agredidos nas bolas. Até as garotas estremeceram. Claro, a ofensiva da outra equipe estava finalmente pegando, conseguindo algum impulso em suas corridas, mas era o fim do jogo. O tempo acabou, e não importava. Uma alegria surgiu depois disso, e um grupo de caras sentados perto de mim proclamou “TEMOS QUE FICAR BÊBADOS AGORA!” Isso justificava o seu próprio conjunto de saudações. Estou caminhando em caminho em direção ao estacionamento. Muitos outros, como pais e crianças pequenas, estão saindo ao mesmo tempo. Alguns outros alunos, mais silenciosos, mais reservados e mais sãos, estão misturados também. Vejo Kristina perto do grupo de Casey, Laura, Sarah e agora do meu irmão. Eles formam um círculo, e alguns dos outros caras estão se juntando a eles. Há uma tonelada inteira de estudantes ficando em volta, sem dúvida, fazendo planos para beber depois do jogo. Isso é o que Gage costuma fazer. Aby e Becs (agora Becca) estão de pé com sua própria panelinha, também, e alguns caras. “Clarke,” Um braço suado e pesado cai ao redor dos meus ombros. Fico tensa, mas é Linde. “Parabéns pela grande vitória.” Eu golpeio seu ombro de forma masculina e machista.


Ele ri e seu braço cai para seu lado. Olho em volta. Estamos recebendo alguns olhares, mas é Linde. Estou bem em ser conhecida como sua amiga. Pergunto: “Nós estamos indo a biblioteca amanhã?” “É o que eu ia te dizer. Shay deveria mencionar isso, mas ele disse que esqueceu.” Ele continua andando ao meu lado, seu capacete balançando ao lado dele. “Eu tenho outro favor para pedir a você.” “Certo. O que é?” “Shay disse que você pode conhecer a garota que foi estuprada.” Ele olha por cima do ombro, de volta ao campo de futebol. Eu não tinha pensado nisso, mas isso me atinge. “Esse cara é um jogador de futebol.” Casey está aqui e conversando com meu irmão e parecendo tão normal como sempre. Bem, na verdade não. Ela está usando um moletom largo. Esse não é o guarda-roupa normal de Casey. Um top curto e apertado é, mas todo o resto é normal para ela. “Ele foi suspenso. Eles nem sequer deixaram ele se adaptar.” “Mesmo?” “Um grande número de nós fomos e contamos ao Treinador. Eles não brincam, especialmente se houver um caso judicial ou mídia. Ouça, o favor que quero lhe pedir.” Ele para. As pessoas começam a circular ao nosso redor. “Você conhece a menina?” Eu concordo. “Sim.” Ele move o capacete para a outra mão, depois volta. “Hum. Você ouviu na aula naquele dia, sobre minha irmã.” “Eu lembro.”


“As meninas sabem sobre sua amiga? Quero dizer, os caras sabem, mas eles não dizem essas coisas às meninas...” “Oh.” Ele está perguntando sobre rumores? “Você está perguntando se foi espalhado, porque se estiver, está perguntando a pessoa errada. Eu falo com você, mais alguns outros, e é isso. Sou a mais distante de ser ‘a que sabe’.” “Ela não disse nada?” “Eu disse algo a ela, apenas para que soubesse que estou lá se quiser, mas foi isso. Eu não a empurrei para fazer nada.” Começo a coçar o topo do meu braço, meio cobrindo meu corpo. “Ela está aqui. Parece normal, mas não conheço o processo para essas coisas.” “Ela não está.” “O que?” Essa palavra sai cortada e quase dura. Ele suaviza desta vez. “Ela não está bem. Minha irmã fez o mesmo.” “Sim?” “Ela não queria aceitar o que aconteceu com ela, então fingia que não aconteceu. Mas isso aconteceu, e isso a coroe por dentro. Sua amiga, quer ela diga algo ou não, não pode mentir para si mesma. Se ela está aqui e está agindo de forma natural, ela não está.” “O que eu posso fazer? Além de estar lá para ela, quero dizer. Não posso fazê-la dizer nada.” “Eu sei, mas apenas esteja lá para ela. Frequentemente. Mantenha um olhar atento. Você sabe o que quero dizer?”


Penso que sim. Olho por cima do ombro para onde seu grupo está começando a se aventurar no nosso caminho. Gage não está mais com elas, e faço uma careta. Olho o resto da multidão, mas não consigo vê-lo. “Isso é estranho.” “O que é estranho?” “Nada.” Balanço minha cabeça. “O que?” “Oh. Apenas.” Eu aceno. Realmente não é um grande problema. “Não é nada. Meu irmão estava comigo hoje, e ele foi e sentou-se com ela. Ele sabe. Foi ele quem me contou.” “Por que ele faria isso? Por que ele se sentaria com ela?” “O quê?” Ainda estou procurando por Gage, mas a acidez de Linde me pega desprevenida. Concentro-me nele novamente, totalmente. “Meu irmão só quer ajudar. Ele estava preocupado de eu estar com ela, de que eu também poderia ter sido um alvo.” “Algumas garotas não lidam com isso da maneira certa. Algumas garotas se apegam ao simpático rapaz que se aproxima, e acham que isso vai acabar com a merda que sentem por dentro. Nunca funciona. Diga-lhe para afastar-se dela. Ela precisa de boas amigas, é isso. Família, também, se eles são bons com ela.” Eu não tinha pensado nisso, mas faz sentido. “OK. Vou falar com ele.” Casey nos vê falando, e uma pequena carranca puxa seus lábios. Seus olhos se nublam, e ela diminui o ritmo ao de um caracol. Kristina e os


outros percebem e começam a olhar para ela, também com testas franzidas. O olhar de Casey vai para Linde e depois volta para mim. Uma pergunta formada lá. “Vá,” eu digo suavemente e estendo a mão para Linde. Eu o empurro, o menor dos toques. “Ela saberá que estamos falando sobre ela.” O time de futebol desapareceu completamente. Linde é o último, e está ganhando mais atenção. Eu não me preocupo comigo desta vez, estou preocupada com o quanto Casey vai levar isso. Ela sabe que meu irmão sabia, e ela sabe que alguém sabia, mas está começando a parecer que o rumor circula entre os caras. Eu não conheço o protocolo – se os indivíduos compartilham livremente quando um de seus próprios ataca alguém ou se é assim mesmo. Mas sei que não é normal que os homens se apresentem contra um deles, especialmente um jogador de futebol. Isso é bom. Se eu conhecesse alguma coisa, eu saberia disso. Se Casey contar, vão acreditar nela. Ou espero que ela conte. Kristina e as outras estão quase perto, e quando elas começam a mostrar sinais de desaceleração da conversar, Casey fala: “Vocês podem nos dar um minuto?” Kristina franzi a testa, todos fazem, mas continuam em frente. Ela espera até que estejam longe o suficiente para não escutar. “É esse o cara?” Meus olhos se arregalam. “O que?” “Você disse que um homem sabia, não seu irmão, mas alguém.”


“Oh.” Minha mente está correndo. Qual é o jogo certo aqui? “Não, ele não é esse cara.” “Oh.” A ar a deixa, e seus ombros relaxam. “Mas ele sabe.” Aqueles ombros apertam-se. “O quê?” Ela visivelmente engole. Eu vejo sua garganta em movimento. “Meu irmão sabia. Ele me ligou. Eu liguei para outro amigo– outra pessoa.” “Ele tinha ouvido?” Os olhos dela estão tão largos, tão assustados. Ela parece encolher diante de mim, parecendo uma garotinha assustada. OK. Tenho que ir com total honestidade. Era o que eu gostaria. Honesta, mas amável. “Ele não tinha quando falei com ele.” Ela fecha os olhos, apoiando-se. “Mas ele sabia quando o vi antes da aula na manhã de sexta-feira.” “Qual aula?” “Minha aula de Ciências Políticas.” Seus olhos se abrem, e ela está balançando a cabeça, levando a informação. “E aquele cara de agora, ele sabe?” Respondi-lhe novamente: “Ele e alguns outros da equipe foram ao treinador. O cara que... fez isso com você não foi permitido jogar hoje.” “Eu sei.” Sua voz é tão silenciosa. “Eu estava tão preocupada. Não queria vê-lo, mas se eu não viesse ao jogo, os outros saberiam que algo estava errado. Eu tive que vir.” “Eu não sei quem é o cara. Ele saiu no campo? Ele estava à margem?”


Ela balança a cabeça. “Não. Graças a Deus por isso, certo?” Uma lágrima se forma em seus olhos. Ela enxuga os cantos deles com o dorso de suas mãos. “Foi muito simpático eles fazerem isso. Isso não é normal, não é?” “Se tivesse que adivinhar, não.” “Seu irmão foi muito legal.” Eu faço uma careta. Ela explica ainda mais: “Ele me disse que está lá para mim, também. Ou você. Ele disse que você é toda espinhosa do lado de fora, mas isso é para evitar que os outros machuquem seu interior suave. Você é toda latido, mas não morde.” “Negativo. Há mordida. Muita mordida. Eu sou um cão raivoso, na verdade.” Ela ri, enxugando os olhos novamente. “Ele disse que você diria isso, mas que eu não deveria acreditar em você. Você pode grunhir com ele, mas não comigo, não, se eu estiver machucada.” Chuto no chão. Por que sinto vontade de chorar? “Hum.” Ela começa, mas para. “Eu tenho que saber. Quero dizer, muitas pessoas estão me dando olhares estranhos, mas tem alguns.” Seus olhos se dirigem para um grupo de caras que estão atrás de nós. Eles são ruidosos, desagradáveis e bêbados. Ela se aproxima, abaixando a cabeça. “É principalmente dos caras. Acabei de receber olhares normais de vadia das garotas.” Eu odeio ser estraga prazer. Sou horrível nessas coisas. “Os caras sabem, mas parece que as meninas não.”


Ela não fala, não por um momento. Seus olhos permanecem fechados, e ela respira fundo enquanto o grupo de homens se separa, andando por aí. Eu vejo alguns olhares para nós, seus olhos rumando para Casey de cima para baixo. Estreito meus olhos em um, e ele para. Ele abre os braços. “O quê?” Ele tem cerca de 1,77, não muito mais alto do que eu, mas musculoso de forma atlética. Ele é o tipo que dá a palavra “arrogante” um nome ruim. Casey olha, mas parece murchar na minha frente. Eu não. Levanto meu queixo. Esse cara tentaria me intimidar? Começo com ele, sabendo que meus olhos estão frios. “Você vai se colocar contra mim? Contra uma menina?” Seus amigos param. Alguns começam a voltar. Um diz: “Venha, cara.” Outro pula ao lado dele, como se ele fosse ajudá-lo. Ah não. Eu lidei com essa merda no ensino médio. Isso não aconteceria com Casey. Ou eu. Aquele lado do cão raivoso está prestes a sair e logo. Malditamente em breve. Eu giro meu olhar gelado para ele, meu lábio superior levanta com um sussurro. “Meu, meu. Que homem você é. Porque, claramente, seu amigo precisa de ajuda com as palavras.” Sorrio, mas não coincidi com o que estou sentindo. Estou chateada. Estou ficando vermelha, e naquele momento, vejo um alvo no idiota que machuca outra garota. Não.


Eu vejo dois alvos agora. “Seu amigo deve ser realmente burro.” Eu balanço meu olhar para o Imbecil Um. “Você é burro? Seu amigo pensa que você é.” Ambos arrepia, inchando seus peitos antes de compartilhar um olhar confuso. “Viu.” Aponto entre eles. “Olhe para isso. Vocês nem sabem o que aconteceu aqui. Uma garota vai na sua direção, mas só deve ser usada ou para dar em cima, certo?” Eles compartilham outro olhar, pequenos sorrisos começando em seus rostos. “Porque essa deve ser a única razão pela qual uma menina vai até você. Não é como se elas os achem repugnantes ou repreensíveis ou um pequeno covarde e então tem bolas para contar a vocês.” Sussurrando, inclino-me para frente, “As garotas que você conhece não lhe dizem a verdade? Elas têm medo de você?” Eu levanto minha voz para os níveis normais de novo. “Você pode me dizer. Elas só falam se você é ‘bom’?” Pisco para o Imbecil Um. “Ou talvez vocês sejam usados pelas meninas apenas se estiverem em duas categorias. Se elas estiverem rasgando suas roupas para você, implorando por isso.” Olho para frente de seu jeans, faço uma careta, e então olho de volta. “Ou elas estão chateadas porque, bem, vocês não devem satisfazê-las. Certo? É uma dessas duas? Mas não. Espere. É culpa da menina. Certo? Nunca é culpa sua. Não é como se você nunca ‘não desempenhasse.’ Certo?” Imbecil Dois sacode a cabeça, afastando as mãos. “Que diabos você está falando?”


“Exatamente.” O ácido escorre da minha voz. Eu bato minhas mãos juntas, segurando-as na minha frente. “Aqui está. Estou te insultando. Estou sendo sarcástica, e estou zombando de vocês em seus rostos e vocês nem sabem disso. E como estou fazendo isso, você não faz ideia de como lidar comigo porque estou sorrindo e falando como se fosse assar para você. A verdade é que, se alguma vez eu fizer isso, colocarei veneno de rato neles.” Termino, mas com um sorriso brilhante e animado, e então espero. Não aguardo muito. Imbecil Um me ataca. Casey grita. Há outros gritos à minha volta. Eu não presto atenção ao Imbecil Dois. Ele não parece ter as bolas abusivas, mas Imbecil Um tem, e eu as agarro. Literalmente. Ele corre para mim, e pego seu pau na minha mão. Ele para, um estrangulado murmúrio vindo dele, e então aperto. “AH!” Ele começa a gritar, tentando desalojar minha mão. “Caramba,” alguém diz atrás de nós. O tempo de diversão terminou. Já não é legal. Não estou sendo sarcástica por mais tempo. Aperto novamente, e todo o seu corpo estremece sob meu controle. Corto fora: “Você vai me socar, merda? Você vai me bater? Você vai me empurrar para o chão? O que você fará? Huh?” Minha voz aumenta até eu gritar. Ele não pode falar. Seu rosto está ficando azul.


“Olhe para isso.” Aponto o rosto com a mão livre. “Cara azul, em vez de bolas azuis. Mas imbecis como vocês nem conseguem ver o quão engraçado isso é porque uma garota também dá bolas azuis. E aqui estou eu, indo acima e além. Provavelmente sou a melhor que você teve, certo? Eu te dei cara azul. É uma coisa nova. Ninguém experimentou isso antes.” Ok. O sarcasmo está de volta, mas definitivamente ainda estou pingando de raiva. “Ei.” Eu não sei quem disse isso, e não me importo. Fico concentrada neste imbecil enquanto minha voz é um sussurro sibilante, que apenas ele podia ouvir. “Você deve estar se perguntando que tipo de garota perturbada tem seu pau na mão? Eu devo estar louca, certo?” Foda-se. Talvez eu esteja. “Você sabe o que me deixa louca? O fato de você ter ouvido o que aconteceu com a minha amiga, mas em vez de ver que ela poderia ter sido sua irmã, sua namorada, até sua mãe, você passa por ela e olha como se ela fosse uma prostituta.” Meus dedos afundam cada vez mais ao redor dele, e estou gostando de seus gritos curvados. “Ela não é uma prostituta. Ela é uma vítima, e você a vitimou pela segunda vez. Então, como é que se sente? Porque eu te peguei você contra sua vontade. Você está gostando?” Os seus gritos me respondem. Eu ainda não estou pronta. “E quer saber qual é a parte mais divertida de tudo isso? Tenho uma defesa. Você. Correu. Para. Mim. Primeiro. Você veio a mim como se fosse me bater, uma garota, alguém que você nunca pode chamar de prostituta. Você não está tão feliz que você correu para mim? Não é?”


Mordo a última parte, e quero realmente rasgar seu pau. Se eu pudesse e se não fosse à prisão por isso, seria minha maior prioridade do dia. Rasgar fora o pau de um imbecil covarde. Eu adoraria poder riscar isso da minha lista. Negócio feito. Mas não posso, porque tenho que ser uma pessoa melhor do que ele, embora não consigo pensar por que naquele momento. Ainda estou espremendo. Não tenho certeza se posso deixar ir, até um braço enrolar em minha cintura e ser levada para longe. “Ei!” grito. A pessoa me ignora, deixando-me de pé. Começo a avançar, mas as mãos presas nos meus braços seguram de volta em seu aperto inquebrável. Imbecil Um cai de joelhos, geme, e sua testa descansa no chão. Seus amigos não se movem. Eles parecem chocados com tudo o que acabou de acontecer. Mesmo o Imbecil Dois não foi para o lado do amigo. Suas mãos estão em forma de concha sobre seu lixo, e ele se encolhe, olhando para mim como se eu fosse para ele depois. Merda. Talvez deveria. Começo a avançar, mas a pessoa me puxa de volta. Ele está me segurando no peito como cimento e olho para cima. Meu protesto morre na minha garganta. Shay nem está olhando para mim. Ele está olhando Imbecil Um, que ainda está se debruçando no chão chorando. Ele parece um animal selvagem mortalmente ferido. Bom.


“Deixe-me ir,” digo calmamente, e seus olhos se dirigem para os meus. Estou de volta ao controle. Deixo ele ver isso. Ele faz, e caminho para frente. Eu passo por Casey, que está congelada no lugar. Passo pelo Imbecil Um no chão. Passo pelos amigos do imbecil. Passo por uma garota loira que me observa com olhos de coruja. Eles não estão piscando. Passo por todos os outros que pararam para nos assistir. Não paro de andar até chegar ao meu dormitório, e até lá, passo em frente de Missy sento na minha mesa. E olho para frente, ainda enxergando somente vermelho.


CAPÍTULO QUATORZE

Meu telefone começa a tocar. Ignoro isso. Não me mexo, sem olhar para nada. O telefone da sala começa a tocar em seguida, e Missy responde. Sua saudação é abafada, uma onda de sangue em meus ouvidos está ensurdecedora, mas então ela bate no meu ombro. Ela se afasta quando olho para ela, apontando para o telefone. “Você tem um telefonema. Algum cara.” Pode ser o Gage. Eu deveria descobrir para onde ele foi. Aceno com a cabeça, perguntando: “Posso ter alguma privacidade?” “Certo. Sim.” Ela agarra sua caneca de café, a que nunca costuma usar para o café. “Eu só estou agarrando isso de qualquer maneira. Nós estamos festejando no quarto de Holly e podemos ir a algumas festas esta noite, se você quiser vir?” “Você vai desaparecer a noite toda?” Eu quero estar sozinha. Muitas pessoas na minha vida, está se tornando uma bagunça. Só quebrei minhas duas primeiras regras nas últimas vinte e quatro horas. Preciso voltar para o quão preparada e organizada estava no meu isolamento. “Eu posso estar.” “Eu só preciso de algumas horas.” “OK. Entendi. Um, eu te ligo do quarto de Holly se eu descer.”


“Obrigada.” Cruzo a mesa e me sento na cadeira. O telefone fixo está lá e porque todos usam telefones celulares, o colégio começou a retornar aos telefones fixos. Não é um telefone sem fio. Assim que Missy dá uma aceno estranha, deslizando da quarto, levanto o receptor para a minha orelha. “Olá?” “Você está bem?” Shay, não Gage. “Sim. Por que não estaria?” Não é ele. Por uma vez, sei que os verdadeiros culpados são Idiota Um, o cara que estuprou Casey, e todos os outros idiotas que acham que podem tratar mulheres assim. Eu sei que a minha raiva subiu ao nível de DEFCON2, mas minha voz está gelada, e sou uma concha de uma pessoa. A raiva está guardada dentro. Meu exterior parece completamente calmo. Até mesmo consigo arrepios em mim. “Qual é, Clarke.” “Olhe.” Ok. Relaxo um pouco. Alguma emoção se infiltra na minha voz, estou ficando normal novamente. Não é culpa dele que a emoção seja frustração. “Estou bem. Obrigado por me retirar antes que eu fizesse qualquer dano permanente e a doninha poderia ter me processado.” “É assim que você vai jogar? Você foi uma psicopata com esse cara. Não estou dizendo que ele não merecia isso, mas sua reação foi...” Eu rio. Parece aborrecido até aos meus ouvidos. “Você está escolhendo suas palavras agora? Esta é uma nova parte de nosso ódio 2

Condição de prontidão da defesa


maldito um para o outro? Você nunca se segurou antes,” mordo. “Porque agora?” “Porque não quero que você rasgue meu pau na próxima vez.” “Não!” Aperto os olhos, segurando o telefone tão forte contra a minha orelha. “Primeira regra é que não falamos sobre isso.” “Eu liguei porque há um vídeo do que você fez. Ele foi enviado em um email para um grupo de caras, e Linde mostrou para mim. Ele disse que estava falando com você alguns minutos antes, e você estava bem, mas quando cheguei lá, você estava desequilibrada.” Ele suaviza seu tom. “Olha, entendo.” Não. Ele não entende. Ele é um cara. Ele não conseguiria. Ele continua. “Estou ligando para ter certeza de que você está bem, ok? Estou tentando ser um ser humano decente agora.” Ele torna muito fácil. Um sorriso amargo se forma e olho para o meu reflexo. Missy mantem um espelho para ela no computador, e vejo por que ele está preocupado. Ainda estava parecendo como uma garota robô furiosa, mas essa garota agora mesmo não quer bondade. Digo: “Não. Nós não somos amigos. Não há nenhuma razão para você precisar me ligar. Somos colegas de classe. Estamos trabalhando em um projeto juntos, e nós ficamos uma vez. Não vai acontecer novamente. Não confunda alguns gemidos pesados por um novo gosto por você. Eu odiei você no primeiro dia da aula, e confie em mim, isso nunca descongelou.” Desligo e solto um suspiro esfarrapado. Ele está sendo um ser humano decente? Foda-se. Não preciso da bondade ou da preocupação


dele. Eu não preciso de momentos em que ele aparece para se meter comigo ou me trazer café e me pedir para sentar-me no seu Jeep com ele. Esses momentos podem mexer com a cabeça de outra garota, mas não comigo. Ele é outro Parker. Eu simplesmente esqueci por um breve segundo. Não farei novamente.


CAPÍTULO QUINZE

Gage deveria ter chamado agora, mas não estou com vontade de me sentar e mexer meus polegares. Não querendo levantar e pegar meu celular, disco seu número do telefone fixo. Ele responde e não seguro. “Você me abandonou no jogo de futebol, então sentou-se com minha amigas, e para onde você desapareceu depois? Se você é tudo sobre Casey, você percebeu os olhares que ela está recebendo? É como Idiotas Abundantes, Venham a bordo.” Minha voz sobe. Estou perto da histeria aqui. “E se você quer saber o que aconteceu, há um vídeo sobre isso.” “Acabei de ver.” Ele não parece se importar. Eu falo rindo petulante. “Certo. Entendo que você pode não se importe com o que eu fiz, mas pensei que você se importaria com o que Casey passou.” “Poupe-me a palestra.” “Sim. OK. Considere-se poupado.” Começo a desligar, mas ele fala novamente, me parando. “Eu estou de pé ao lado do dormitório, me perguntando se devo ter a chance de sua ira por vir e verificar você, ou simplesmente deixo você em paz. Eu nunca tenho a menor idéia de qual caminho seguir com você, e entendo. Você teve uma mão ruim, mais do que alguns por causa de Blake e eu, mas foda-se, Kenz. Você parecia doida nesse vídeo.”


A segunda pessoa a dizer isso dentro de alguns minutos. Eu seguro minha língua. Ele tem alguns pontos válidos. “Outros não vão ver sua raiva, mas eu vi. Eu ...” Ele suspira no telefone, “Isso me levou de volta. OK? Não percebi o quanto Parker a ferrou.” “Não era sobre Parker.” “Sim, era. E é sobre toda a merda que você teve que lidar com o ensino médio. Entendo. Eu entendo porque você não quer que as pessoas saibam sobre Blake ou eu, ou que você é amiga de Raymond Linde ou mesmo que você conhece Shay Coleman. É uma resposta lógica. É o que digo a mim mesmo. Pensando racionalmente, mas não foi até aquele vídeo que entendi. Foi um soco no meu lixo.” Estremeço. “Você tem que usar essa metáfora?” Ele ri. “Sim. Bem. Ela se encaixa. Olha, estou fora do seu dormitório. Gostaria de entrar e sair com minha irmã, mas é sua escolha. Atualmente estou me escondendo nas árvores, parecendo um verme, mas vou fazer o que você quiser.” “E quanto a Casey?” “Eu fui ao banheiro. Queria sair com elas, mas encontrei alguns tipos que conhecia e queria descobri os planos para esta noite. Os estandes estavam vazios quando terminei de falar, e simplesmente assumi que todos saíram. Eu sai através de um caminho diferente porque estava mais perto da minha caminhonete.” “Eu quero dizer, você não está preocupado com Casey?”


“Estou mais preocupado com minha irmã. Você é minha primeira prioridade sobre uma garota que mal conheço.” O primeiro descongelamento começa. “Obrigada.” Foi bom ouvir isso. “Desculpe, eu fui uma puta agora.” “Sim. Sim. Eu não ligo. Sua brincadeira é útil. Isso faz de você uma lutadora e você lutou por mim antes. Mas posso entrar? Qual é o veredicto aqui?” “Uh.” A sala de repente parece muito pequena. “Eu vou sair. Nós podemos ter comida ou algo assim.” “Parece bom.” Nós fazemos planos para eu me encontrar em sua caminhonete, e olho para o telefone depois que desligo. Devo a Shay uma desculpa. Deveria chamá-lo, dizer-lhe que estou arrependida. Não faço. Sento-me lá, e não posso me fazer chegar e pegar esse telefone novamente. Sento lá por dez minutos, tentando até perceber que não aconteceria. Essa é uma pedra que não consigo voltar, mas o verei amanhã. Serei legal então. Gostaria de tentar, mas, na verdade, pedir desculpas e dizer as palavras, não sei porque não se forma para mim. Estou descendo as escadas pela porta dos fundos quando Casey entra do segundo andar. Estou a alguns passos de distância e pauso. Minha mão no corrimão, mas coloco no bolso da minha camisa. “Oi.” Ela pisca algumas vezes. Ela está desfazendo uma de suas tranças, mas suas mãos caem. Ela olha para baixo. “Sinto muito.” “Huh?” Ela olha para trás.


“Eu fui psicopata com aquele cara, e não é tudo sobre você.” Olho para os lados. “A maioria não é sobre você.” Não. Ainda está errado. “É claro que nada disso foi sobre você.” Ela bufa, sorrindo. “Bem, tanto faz. Foi ótimo.” As palavras de Linde sobre meu irmão ficam comigo. Eu não sei o que vou fazer - se estou indo dizer algo a Gage ou Casey, mas ela está aqui. Isso está prestes a ficar estranho muito rápido. Ela pergunta: “Você está saindo?” “Sim. Sobre isso...” “Desculpa. Eu simplesmente ... você viu quem tirou você daquele cara?” Sua ânsia surge. “Shay Coleman. Shay Coleman, Kennedy!” Ela agarra minhas mangas, puxa minhas mãos para fora dos meus bolsos e as sacode para cima e para baixo. “Eu não posso acreditar que Shay Fodido Coleman veio em meu socorro. Estou morrendo. Morrendo!” Ela solta e fingi se animar. Certo. Seu resgate. “É bom ver que algo da velha Casey ainda está aí.” “Para Shay Coleman?” Sua cabeça volta para trás. “Inferno sim,” ela geme antes de olhar para trás. “Ok, não realmente. Eu não estou pronta para qualquer cara. A idéia me faz querer enrolar em uma bola e vomitar, mas é Shay Coleman. Até uma freira teria desmaiado por ele hoje. E ele disse a aqueles caras para se perder quando você saiu.” Ela volta a se abanar. “Eles não disseram nada nem discutiram com ele. Eles não fizeram nada. Eles pegaram seu amigo e o levaram para o estacionamento,


e então ele me acompanhou. AH! Essa é a melhor parte. Ele foi todo gentil e cavalheiresco. Desmaiando aqui. Apenas desmaiando.” Eu consigo isso. Talvez o Gage possa esperar. “Isso é bom de ouvir.” Olho para a saída da porta. “Você está saindo? Estava chegando para te pegar. Estamos indo ao Dulane Café para ter comida. Você quer vir?” Há vinte e quatro horas, eu seria a única a desmaiar. Casey Winchem está chegando à minha porta? Batendo? Convidando-me a comer com ela e as meninas? E não porque sou a opção de backup para um passeio? Eu sentiria que fui aceita no grupo, mas isso teria acontecido há vinte e quatro horas. Antes que meu irmão me abandonasse, antes de me sentar ao lado de minhas amigas, e antes de eu ter um ataque com os idiotas-em-mãos no momento. Por causa de tudo isso, balanço minha cabeça. “Não. Eu devo ir. Vou comer com o meu irmão.” Seus olhos se iluminam. “Convide-o. As meninas sabem que ele é seu irmão. Eu disse a elas quando ele estava sentado com a gente no jogo de futebol. Laura pensou que eu estava pegando o seu cara. Ela viu vocês e pensou que eu estava violando o código. Tive que dizer a ela. Espero que esteja tudo bem?” O quuuueee? Meu sorriso fica preso nas minhas faces. “Certo. Sem problemas.” Foooooooda. Meu telefone começa a zumbir. Eu só preciso de um palpite para descobrir quem é. Sem dúvida, Gage está impaciente. “Eu devo ir.”


“Sim. Ok.” Ela se afasta para eu poder passar por ela. “Conversa esta noite? Talvez faça algo depois? Laura e Sarah vão beber, mas estou pensando em filmes?” Deixe-me desmaiar. Ela está me convidando para uma noite de cinema. “Sim. Vou parar lá quando terminar.” Essa é uma noite que posso deixar para trás.


CAPÍTULO DEZESSEIS

Gage pediu para eu ir ao café do campus, mas bufa quando descarto essa ideia. Ao invés disso, me leva para um pequeno pub a um bloco de sua casa. Perguntei uma vez que saímos: “Você tem certeza de que vou entrar?” Ele acabou de fazer vinte e um anos, mas eu ainda não. “Com certeza.” Joga o braço em volta de mim, dando aquele sorriso torto para o qual tantas garotas caem. “Vou apenas dizer-lhes que você é minha garota.” Afasto seu braço. “Isso é nojento.” “Isso impedirá que os caras toquem em você.” “E quando você acabar dormindo com alguém que conheceu aqui, e ela descobrir que sou sua irmã?” Dou uma olhada. “Ela vai pensar que somos estranhos.” Ele ri, as mãos deslizando nos bolsos. “É verdade, mas esteja preparada. Tenho amigos aqui. Não é como o colegial. Eles vão sair do seu caminho para mexer com você.” Renuncio a isso. Aqui é um momento de pau-na-mão. Posso lidar com eles. Estava errada. Estava tão errada. Gage apenas balança a cabeça e ri. Ele me avisou e estava certo. Seus amigos vieram. Alguns foram para Dulane; outros não. Eram mais velhos e poucas garotas tinham minha idade. Estava perto o suficiente da hora do jantar, então eram permitidas porque o pub servia comida. Uma garota


explicou que é como elas conseguem driblar o limite de idade. Elas simplesmente ficam, até mesmo se escondendo no banheiro, se necessário. Não entendi o protocolo da regra, mas segui a liderança de Gage. Se ele dissesse que precisávamos ir, era o que faríamos. Nós conseguimos uma mesa no canto de trás para que ele pudesse beber cerveja, jogar bilhar, dardos e ainda lanchar nossa comida quando chegou. Joguei uma partida contra ele, e foi quando os caras realmente começaram a aparecer. Eles não estão dando em cima de mim, na verdade, mas não estava preparada para a curiosidade aberta sobre quem eu sou, por que Gage não me trouxe antes, e quantos anos tinha. A idade é a primeira pergunta da maioria e a segunda - por que fiquei escondida por tanto tempo. Gage apenas ri da minha expressão. Sou forçada a explicar que bani Gage da minha vida, o que me faz parecer uma pessoa louca. Algumas garotas entendem. A maioria dos caras não se importa. Um cara pergunta: “E se te ver no campus? Posso dizer oi?” “Se eu estiver sozinha.” Ele começa a rir como se pensasse que estou brincando, mas então percebe que não estou. “Oh. Você está falano sério.” Pensei se fui longe demais, mas seja o que for. Gage é uma coisa. Shay, também, mas sou amiga de Linde. Não havia nada lá onde as pessoas podiam me usar para chegar até ele. A mesma coisa com esses caras. E as meninas que chegaram até agora, já estão de boa com Gage. A maioria é amigável quando me conhecem como a irmã, expressam como isso faz sentido por causa de todo o aspecto gêmeo, e é isso. Ninguém demora para se tornar meu amigo.


Estou começando a me perguntar se devo repensar toda a filosofia sobre Gage. Shay, foda-se não. Pessoas ficariam loucas se soubessem que eu o conheço, mesmo o fato dele ter me chamado algumas vezes faria minhas amigas desmaiar. Não, mas com Gage, talvez. Observo depois de comermos enquanto conversa com um grupo de garotas. Isso me atinge. Elas não precisam me usar para chegar até ele. Ele está aberto, muito aberto a todas as meninas. Eu não conheço seu status como um homem. Sei que tem namoradas. Falou comigo sobre elas, mas não as garotas de uma noite. Sei muito sobre essa parte da vida dele na escola porque não conseguia fugir das meninas. Eles estavam nas mesmas aulas, mas a faculdade é diferente. Ele pode pegar uma nova garota em casa todas as noites, e as chances de não as conhecer são boas. Muito boas. Excessivamente boas. E estou ficando mais feliz enquanto a noite passa. Perdi a noção do tempo, e perdi o controle de Gage. Alguns de seus amigos se sentam comigo e os jarros começam a chegar depois disso. Não sou uma grande bebedora, nunca fui, mas naquela noite me tornei uma. Talvez fosse o momento do pau na mão, ou uma vez que o vídeo começou a circular, os amigos de Gage me reconheceram e começaram a me proteger quando as pessoas vinham para falar sobre o vídeo. No meio da minha terceira cerveja, fui apelidada de Pau Triturador. Isso teria me levado a sair pela porta se estivesse sóbria. Fiquei e ri, e pensei Pau Triturador é hilário. Estou bêbada.


Não estou prestando atenção à minha bexiga até ela exigir a libertação. Estou no lugar mais distante da mesa, então toco na garota ao meu lado. Ela e o cara na borda correm. O tempo é essencial. Corro para o banheiro mais próximo, rezando por uma cabine vazia. A menor está, e corro para ela. Estou lavando minhas mãos, tentando suavizar meu cabelo quando duas garotas entraram no banheiro gritando. Maldição. Meu cabelo está uma bagunça. “Kennedy Clarke?” Conheço essa voz. Falei com ela hoje cedo. Olho no espelho. Sim, Becs (agora Becca) e outra garota entram. Ao contrário de mim, que estou vestida para um jogo de futebol desde que não me troquei, elas não estão. Mais maquiagem, uma nova camada de brilho em seus rostos e seios, e ambas usam vestidos escandalosos. Seu vestido é curto nas pernas, estão maquiada e usam um colar que mergulha em seu decote. Seu cabelo longo está brilhante e livremente solto. O vestido de sua amiga é dourado e sem mangas. Esqueço meu aborrecimento por um segundo. Abaixando as mãos, me viro. “Uau. Você está bonita.” Ela está segurando uma cerveja, mas olha para baixo. “Obrigada.” Acho que ela esqueceu a aversão mútua também. “Quem é essa?” A amiga quer saber. E nós duas nos lembramos. Rosno.


Ela enruga o nariz. “Esta é a garota da minha classe ciências políticas que estava te falando.” “Ela?” O desdém é ensinado. Sua amiga tinha isso dominado. “Onde está Aby?” Pergunto. Becca faz um gesto atrás dela com a cerveja. “Lá em algum lugar.” Começou a rir. “Deveríamos começar a pesquisar esta noite. Toda a gangue está aqui.” Fico quieta. “O que?” “Sim.” Becca se afasta quando sua amiga entra na cabine vazia. “Linde está no bar, e Shay apenas entrou.” Ela bufa, movendo-se para a pia ao meu lado e mexendo para suavizar alguns dos seus próprios cabelos. Um fio imaginário talvez não esteja no lugar. A perfeição seria prejudicada. Espere. Moveu um único fio, e ufa. Senti o alívio inundar-me. Perfeito, mais uma vez. Isso foi por pouco. “Ouvi que você é uma celebridade.” “Hã?” “O vídeo.” Dá um gole em sua bebida, esperando que sua amiga saia. A outra cabine está ocupada. A pessoa estava lá quando entrei e ainda está. “Que você segura o pau de um cara e não da maneira porno.” “Oh sim. Pau Triturador.” “O que?” “Nada.” Franzo a testa. “Linde e Shay estão aqui?”


Ela concorda, olhando-me de cima a baixo enquanto toma outro gole. “Falando sobre o resto dos veteranos, o que você está fazendo aqui? Como você entrou?” Incriminar meu irmão ou não? Estou me sentindo leve e embriagada. Incriminar. “Meu irmão me trouxe aqui para comer.” Encolho os ombros. “Nós ficamos.” Os olhos dela se afiam. “Seu irmão?” “Gage.” Não vou explicar. A menina tem que pensar um pouco. Se descobrir, oh, bem. Se não, parabéns para mim. Não consigo lembrar se lavei as mãos. É melhor lavar novamente. Becca fica quieta. Posso sentir que me observa, mas sua amiga abre a cabine do banheiro. Ela sai, balançando enquanto fecha as calças. “Seu irmão é Gage Clarke?” “Ew, Lia. Puxe a descarga.” “Oh.” Ela faz e volta. A mesma excitação não diminui. Seus olhos estão brilhantes e seu rosto corado. “Gage Clarke. Certo?” Becca não entra na cabine. Fico de pé junto com a amiga, enquanto ambos me encaram. Dou de ombros. “Você não vai lavar as mãos?” “Gage Clarke é seu irmão?” Não me mexo. Respondo a Becca: “Acabei de lhe dizer isso.” “Por que você não disse antes?” “Por que deveria?” Sua boca se abre e pendura ali.


Sua amiga traduz: “Porque Gage Clarke é quente!” “Oh.” Reviro os olhos, desejando ter trazido minha própria bebida. “Veja. Isto. Você. Você é o motivo pelo qual não digo qualquer coisa, porque agora vai ser toda legal comigo, e sei que é falso.” “É falso?” “Você está sendo falsa. Meu irmão vai dormir com você ou não vai.” Bato no meu peito e caio para trás na pia. “Não tenho influência nisso. No todo.” Quase caí do outro lado, mas me seguro. Aponto para a cerveja de Becca. “Você vai beber isso? Você babou dentro? “O que?” A amiga agarra e entrega. “Meu nome é Lia. Quando você falar com ele, diga quão boa eu sou.” Ela aponta para Becca. “Ela é uma puta, mas eu não. Sou legal. Diga à ele.” “Não vou lembrar seu nome.” Já esqueci. “Lia.” “O que?” “LIA!” “Não vou lembrar.” Afasto da pia para olhar para Becca, mesmo que possa vê-la de onde está de pé. “Sua amiga tem uma coisa por meu irmão?” Ela bufa, entrando na cabine. Finalmente. “A metade do campus tem uma coisa por seu irmão.” Ela agarra ao redor da porta da cabine no topo e fecha com um clique firme e decisivo. A amiga se inclina, radiante para mim. “Lia. Meu nome é Lia.”


Não me importa. Tomarei o título da cadela. Cadela e Pau Triturador. Devo fazer camisetas. Viro para sair. A amiga diz algo para mim novamente, e Becca grita algo, mas não estou ouvindo. Levanto uma mão sobre o meu ombro, descartando as duas e saio. Dou alguns passos, mas sinto quase imediatamente. O ar no bar mudou. As pessoas estão mais interessadas. Faço uma careta. Não posso definir. Talvez seja mais... havia um ansiedade misturada com uma ligeira borda de histeria ao mesmo tempo. Estou intoxicada. Se pudesse sentir isso quando explodi, deve ter sido realmente ruim. Chego a mesa. Os amigos de Gage ainda estão lá, e um novo cara ocupa onde eu estava sentada. “Ei!” Uma alegria levanta deles. “É Pau Triturador.” Balanço em meus pés, segurando a mesa. “O que está acontecendo?” Dois começam a ficar de pé, dizendo: “Você pode tomar meu lugar.” “Não, não.” Aceno para trás. Preciso ficar sóbria. Isso significa não sentar e beber mais. “Estou bem. Fiquem confortáveis. Quis dizer em torno do bar.” Gesticulo ao redor. “Posso sentir que algo está estranho.” “Oh.” Uma garota entende. “Shay Coleman entrou.” Isso é certo. Tudo faz sentido agora. Balanço a cabeça. “Onde ele está?”


É um bom momento para me desculpar. Poderia fazer isso no bar, e escapar. Será uma desculpa de passagem. Ele nunca saberá o que o atingiu, e amanhã, posso voltar a ser normal. Não teria que ser legal. “O que?” “Coleman. Onde ele está?” Estou apertando os olhos para ver o resto do bar. Não posso. Nosso canto é escondido, e há uma outra seção à porta. Sei que essa área está apenas a um pé. Isto pode ser mais trabalhoso do que percebi. “Você conhece Coleman?” “Ela não conhece Coleman.” Não sei quem está falando, então pergunto novamente: “Onde?” “Ele provavelmente está onde os garotos do futebol sempre se sentam.” Olho para o cara que disse isso. “Nunca estive aqui na minha vida. Não tenho ideia de onde é isso.” Uma garota fica de pé e pega minha mão. “Vou te mostrar.” “Espere.” O cara nos faz uma careta. Ele se inclina para frente, gritando para que pudéssemos ouvi-lo melhor. “O que você está fazendo? Você vai falar com ele ou algo assim?” A menina começa a rir. “Ela não conhece Coleman. Provavelmente quer encontrá-lo ou alguma coisa.” Concordo. Suas palavras não estão realmente clicando comigo. Digo: “Preciso me desculpar com ele. Fui uma puta antes.”


Tenho um pensamento fugaz de que apenas violava algo. Espera. Minhas regras. Por que tenho essas regras? Estou esquecendo tudo. Acrescento: “E tenho que dizer a ele que Lael disse olá.” “Você conhece Shay Coleman?” Pergunta o cara, parecendo em dúvida. A menina ainda está rindo. Ela não tem idéia do que está acontecendo. “Estou em uma aula com ele. Isto está bem. Não sou como uma perseguidora ou qualquer coisa.” Estremeço com esse pensamento, e como a menina me puxa para a frente e entra em uma grande multidão no bar, não posso deixar de pensar sobre o controle de um assediador. Eles escolhem quando dizer alguma coisa. Escolhem quando se aproximar, quando olhar, quando se retirar. Eles tem todo o controle. Isso é assustador. Nunca quis ser uma perseguidora. Por que estou pensando nisso? A menina ainda está liderando o caminho. Nós nos mudamos para a área que literalmente fica apenas ao lado e tenho que esperar para que as pessoas se mudem antes de podermos ir mais adiante. Chegamos a meio caminho antes dela falar sobre o ombro, “Você quer ver o seu irmão?” Ela acena para a direita. “Ele está no canto com algumas pessoas.” Balanço a cabeça. Estou bêbada. Há uma grande chance dele estar bêbado. Inclino mais perto e grito: “Ele provavelmente esqueceu que estou aqui. Estou bem. Em frente à estrela do futebol.” Ela ri antes de avançar. Então vejo algo e viro para onde meu irmão está.


Pego sua mão. “Não. Não quero ver meu irmão.” Muito tarde. Ela quase empurra alguns caras, e voilà, as ondas se separam para mim. Ou, algumas pessoas afastam-se e percebo uma mesa no canto. Gage e um de seus outros amigos estão lá conversando com Shay. Reconheço um outro cara da nossa aula de ciências políticas, procuro por Linde. Não consigo encontrá-lo. Becs disse que ele estava lá. Queria conversar com ele também. Mas não aguento mais. O tempo de desculpas tinha que acontecer. A menina que me levou começou a apontar, mas balanço a cabeça. Fico à frente dela. “O qu...” Ela tenta me agarrar, me puxar de volta. Eu a evadi, avançando até estar na mesa. Gage levanta o dedo. Sua boca está aberta. Ele está em meio de um discurso, e reconheço todos os sinais de uma grande história. Ele congela, me vendo, e sua boca cai mais algumas polegadas. Ele xinga, virando-se para mim completamente. “Esqueci que você está aqui.” Bufando agarro o dedo que ele tem no ar. Tento torcê-lo, mas ele puxa para longe. “Isso foi insensível.” Afundo-me entre ele e Shay. Há algum espaço lá. Gage está de pé ao lado da mesa, e Shay está encostado na parede. Alguém mais poderia estar de pé entre eles, mas o espaço está vazio. É como uma área protegida, considerando como todos os outros estavam esmagados. Este espaço é especial, privado. É o espaço de Shay. Ninguém o invade. Exceto eu. Não tenho nenhum problema em fazer isso.


Fico naquele lugar e bato no ombro do meu irmão. “Você ganha o melhor prêmio de irmão de todos os tempos.” Rio. “Só brincando. Blake teria sua bunda se estivesse aqui.” Gage fica sem palavras. Viro para Shay, que também parece sem palavras. Seus olhos estão largos e colados em mim. Movo para a frente, pressionando minhas mãos contra o seu peito e sorrio para ele. “E você. Tenho que pedir desculpas. Fui uma puta, e me desculpe. Sempre sou uma puta com você, e não sei por quê. Você é legal comigo, ou...” aperto meus lábios, pensando nisso. “Às vezes você é legal comigo. Você pode ser um idiota as vezes.” Ele sai de seu feitiço. Olha ao redor do bar, enrola um braço em volta da minha cintura e me puxa perto. Se inclina para sussurrar-gritar na minha orelha, “Você está bêbada?” Concordo. “Tenho certeza.” Seus lábios não se movem da minha orelha. “Seu irmão trouxe você aqui?” “Ele certamente fez.” “Com quem você esteve bebendo, porra?” Ele se recosta, seus olhos perfurando o meu. Aperta o queixo. “Seu irmão está falando comigo. Onde você estava?” Minha cabeça está pesada, mas faço uma careta e viro para poder vêlo melhor. Ele parece chateado. Parece mais que chateado. Uma veia surge no pescoço dele.


Balanço minha cabeça para o meu irmão. “Por que ele está bravo? Apenas me desculpei.” A boca de Gage ainda está aberta. Alguma suspeita filtra-se em seu olhar enquanto seus olhos pulam de mim para Shay e de volta. Ele balança sua cabeça. “Não sei, Kenz.” Deslizando um olhar ao redor da mesa, ele fica mais perto e quase nos protege. Shay está encostado na parede, a mesa à direita. Eu estou de frente para ele, a mesa a minha esquerda e meu irmão vem para nos cobrar. Ele abaixa a cabeça. Shay o interroga. “Onde estava sua irmã enquanto você estava aqui? Com quem ela estava bebendo?” Sua mão aperta meu quadril. Um zumbido enche minha cabeça, levantando-se sobre o ruído em meus ouvidos. Algo está fora. Algo não está certo. Não estou me lembrando de fazer alguma coisa. De repente, fico cansada e minhas pálpebras começam a cair. Balanço minha cabeça para limpar isso. Não quero dormir, ainda não. “Kenz.” Gage chega mais perto. Olho ao redor. Há um pequeno casulo, mas isso diminuiu. As pessoas estão mais perto. Há olhares famintos nos rostos das pessoas. Alguns parecem chocados. Alguns parecem chateados. Vejo Linde. Ele está se movendo em nossa direção, sua boca pressionada em uma linha firme. A garota que me trouxe parece enraizada em seu lugar, sua boca ligeiramente aberta. Isso é o que está errado. Esse sentimento vibrante se intensifica. Sou eu. Violei algo, mas não consigo lembrar o que é.


“Kenz.” Gage está falando novamente, tentando chamar minha atenção. “O que?” “Com quem você estava agora?” “Seus amigos, na mesa onde comemos.” Ele amaldiçoa, pendurando a cabeça por um momento. Shay pergunta, sua mandíbula ainda apertada, “Quem eram seus amigos?” Gage balança a cabeça. “Nem me lembro. Ela precisa ir para casa.” “Não merda.” Shay estreita seus olhos para ele. “Você está bêbado também.” Não tenho certeza do que está acontecendo. “Não. Não quero ir para casa.” Estou me divertindo, finalmente. Shay vira aqueles olhos aquecidos para mim. “Você é menor de idade e está bêbada. Você não vai ficar.” Começo a me inclinar para trás, mas sua mão aperta. Quem ele pensa que é? Vira a cabeça de lado a lado. “Não. Não estou discutindo com você. Isso não está em discussão. Você está indo para casa.” Ele pega um movimento ao nosso lado e levanta a cabeça. “Vou levá-la para casa.” Linde entra, alcançando-me. “Clarke?” Ele apenas toca meu braço. Não entendo porque todos estão tão bravos. Olho entre todos eles. “Estou bem. Estou me divertindo. Não entendo o problema.” Gage geme. “Fodi tudo.” Shay o ignora, dizendo a Linde: “Você está sóbrio?”


Linde sacode a cabeça, sua mão caindo de volta para o lado dele. “Não. Você?” “bebi demais. Isso vai me bater.” Ele me puxa para mais perto, recostando-se na minha orelha. “Vou ligar para um táxi. Irei com você para o seu dormitório.” Viro a cabeça, então meus lábios estão a poucos centímetros dos dele. Ele se afasta um pouco para poder me ver, mas isso significa que nossos lábios ainda estão próximos. Há uma pequena quantidade de espaço entre nossos corpos. Não estou totalmente inclinada a ele, mas estou começando a me perguntar por que não. Estamos tão perto e estou aquecida. Estou esquecendo o que ia dizer. “Você não me quer aqui?” Seus olhos escurecem. “Não é isso.” Sua mão levanta ao lado do meu rosto, mas ele amaldiçoa e a deixa cair novamente. Ele se endireita, afasta-se e ergue a voz. “Se você for pega aqui, você estará em uma tonelada de problema. Todos nós, uma vez que sabemos que você está aqui. Você tem que ir.” Sinto uma dor no meu peito. Isso faz sentido. Viro para Gage e Linde. “Não quero que vocês entrem em problema por mim. Sinto muito.” Linde concorda, mas Gage vira-se para Shay. “Você fica. Ela é minha irmã. Vou levá-la para casa.” Shay o ignora, perguntando a Linde: “Você pode chamar um táxi?” Linde assenti, puxando o telefone. Ele aponta para a porta lateral onde ficamos. “Talvez demore um pouco. A noite está agitada. Vou com voces lá fora. Vocês podem simplesmente escapar.”


Shay assenti. Seu braço cai de minha cintura, mas ele mantem uma mão no meu quadril. Coloca no lugar, e sua mão flexiona, apertando um pouco mais. Apenas me puxa para ele de novo. Aquela mesma sensação de zumbido está crescendo em mim, assumindo o controle. Balanço a cabeça, tentando limpar o nevoeiro que está se formando em torno de Shay. Não posso cair nele e puxar seus lábios para os meus. Há um motivo, mas esqueço isto rapidamente. Estou em um bar. Há pessoas ao nosso redor, e ele está tão quente. Ele é tão protetor. Ele é perigoso. Sinto um pouco de consciência. Este é o cara que comandou seu time de futebol contra os oponentes. Comandou o show, e não me deixa ver esse lado dele, mas não está preocupado. Esse perigo não está dirigido a mim. Está saindo, por minha causa, porque quer cuidar de mim. Começo a latejar, querendo-o, quase precisando dele. Mas não. Meu irmão está aqui. As pessoas estão lá. Seguro de volta, e olho para cima e me sinto imediatamente capturada. A mesma fome, e quase gemi, minha língua pulando para lamber meus lábios. Seus olhos pegam o movimento, e juro que ouço um gemido de resposta dele. Sua mão assume um controle diferente. Ele está me contendo e segurando. Estamos de pé, esperando, tentando não pular um no outro. Aparentemente, o pub ainda está servindo comida porque uma pizza chega à mesa. Não vou comer qualquer coisa, mas os olhos de Shay viram para mim. “Você precisa comer. Você precisa ficar sóbria.” Bem, quando você diz isso. E minha boca está babando novamente. Por que tudo parece melhor depois das bebidas alcoólicas?


Termino minha segunda fatia quando sinto um toque suave no meu braço. Gage me mostra um sorriso triste. Ele se inclina perto. “Não sabia que isso estava acontecendo.” Olho para Shay. Ele vira a cabeça. Não tenho certeza se ouviu ou não. A música está abafando tudo, mas ele está perto. Pode ter ouvido. De qualquer maneira, ele está agindo como se não. Ele está dando ao meu irmão e a mim alguma privacidade. Digo de volta para Gage, “Não há nada acontecendo.” Gage inclina a cabeça para o lado, seus lábios formando uma carranca. “Você está falando sério?” Estou começando a lembrar o problema. Expus a mim mesma. As pessoas agora sabem quem eu conheço. A realização me inunda, juntamente com um crescente pânico, mas não posso deter isso. Já estou pronta. Estou em um círculo muito pequeno e protegido desses caras que não quero que as pessoas saibam que estão na minha vida. Mesmo sabendo os problemas que isso pode causar, não tenho vontade de me afastar da mão de Shay. Aquele toque, uma espera, é tentador para mim. Começo a ter sede de mais, e olho para o rosto dele, em seus lábios. Eles são perfeitos, especialmente quando estão em mim. Percebendo minha atenção, o lábio de Shay se contrai em um sorriso malicioso. A fome, o desejo e uma necessidade primária me dominam. Começo a balançar em direção a ele, mas sua mão flexiona novamente. Ele me segura de volta, e não me deixa ir mais longe.


Linde inclina-se para o meu irmão, diz algo, e então mostra o telefone para Shay. Gage vira para mim. “Seu táxi está aqui. Vou falar com você amanhã.” Já sei que não quero isso, embora concorde. Shay me vira, afastandose da parede. Suas mãos encontram os dois lados da minha cintura, e ele começa a me impulsionar para a frente e em volta da mesa. Nós passamos pela multidão. Não há muita pessoas entre nós e a porta, mas o suficiente que ainda demora alguns minutos. Aceno para Linde por cima do meu ombro, e ele mergulha a cabeça em outro desses acenos. Ele vira, sua mão em volta da cintura da menina que me levou à mesa deles. Ela está falando algo para ele e sua cabeça inclinada para melhor ouvi-la. Gage acena, também, mas seus olhos estão tristes. Suspiro. Shay alcança a minha volta e abre a porta. Saio, suas mãos ainda estão em mim e me asseguro de que a porta se feche atrás de nós. Ele me conduz atrás de uma caminhonete, dando uma volta para que estivéssemos escondidos. Assim que fazemos, a porta se abre de novo. Vejo um guarda de segurança olhar para fora. Ele procura em ambos os lados da calçada, franzi a testa e recua de volta para dentro. Shay está tão perto de mim que posso sentir o calor do corpo dele. “Ninguém deve usar essa porta. Isto é para emergências. Eles acham que alguém tentou se esquivar.”


Isso faz sentido. Estou tentando dizer isso a ele, mas minha garganta parou de funcionar. Tudo parou de trabalhar, mesmo meu cérebro. Viro, minhas costas contra a caminhonete, e olho para Shay. Seus olhos estão quase pretos, e sei que ele está sentindo a mesma necessidade que eu. Posso sentir isso no meu quadril. Abaixo e escovo a protuberância no seu jeans. Ele expulsa uma respiração esfarrapada, fechando os olhos. “Você está bêbada.” Minha mão curva-se ao redor dele, aplicando pressão. Murmuro, minha voz rouca: “Não estou tão bêbada.” Estou me sentindo sóbria muito rápido, e encosto nele, juntando nossos corpos. Olho para cima, meu polegar esfregando sobre ele através do jeans. “Vamos para a sua casa.” Ele geme, seus olhos encobertos e pesados enquanto me observa, mas então há um flash de luzes e um carro puxa pela porta lateral de onde acabamos de sair. Ele amaldiçoa, pegando minha mão. “É o táxi. Vamos.”


CAPÍTULO DEZESSETE

Chegamos ao táxi, e Shay dá seu endereço. Ele afunda ao meu lado, nossas mãos entrelaçadas, e não sei o que estou fazendo. Meu coração está disparado. Meu corpo inteiro está inflamado. Nossos quadris estão tocando, e ele se vira, então parece que está olhando pela minha porta, mas não está. Seus lábios estão na minha testa, e nossas mãos se movem no meu colo. Elas pressionam minha perna. A parte de trás de sua mão está tocando ligeiramente onde estou latejando mais. Queria me mover, puxar a mão mais, mas não me atrevo. Estou corajosa essa noite, mas não tão ousada. Ainda não, de qualquer forma. Sorrindo um pouco, olho para cima. Seus olhos estão lá, como se estivesse me esperando, e assim que percebe isso, seus lábios estão nos meus. Ou talvez os meus estão nos dele. De qualquer maneira, é exatamente o que eu preciso. Ele me pega, levantando-me para montá-lo e ficamos assim por todo o caminho para casa. Shay não me toca em qualquer lugar impróprio. Nenhuma roupa deixa nossos corpos, embora minhas mãos subam debaixo da sua camisa, fazendo-o estremecer. Interrompo o beijo para recuperar o fôlego, mas querido Deus, seu peito é incrível. Então ele me puxa de volta, e nós estamos nos beijando novamente. Percebi ele pausando algumas vezes. Não tenho certeza por que, até que em um ponto olho e vejo que está olhando o motorista. Volta a me


beijar um segundo depois até chegarmos à frente de sua casa.Ele paga o táxi, pegando minha mão e me puxando para a parte de trás da casa. “Alguns dos caras não saíram.” Aponta para as janelas da sala onde posso ver uma tela de televisão iluminada. O resto da casa parece calmo e escuro. Atravessamos o pátio traseiro, mas em vez de nos dirigirmos para a porta que usamos na última vez que estive aqui, Shay foi até a porta da esquerda. Ele usa sua chave para destrancá-la, e fico surpresa ao ver outra escada. É separada do resto da casa como se fosse uma casa independente. Uma porta fica a nossa direita, uma que assumo que nos levaria a cozinha e a casa principal. Shay liga algumas luzes para poder ver e depois recua para me deixar ir primeiro. Tira os sapatos na porta, tranca e depois suas mãos voltam para meus quadris. No nosso caminho, subimos as escadas, paro, apenas uma vez, e me encosto contra ele. Seus lábios vem até meu pescoço, demorando no meu queixo antes de virar minha cabeça no meio do caminho para ele e nossos lábios se unem novamente. Gemo suavemente. Posso ficar assim. Na verdade, me viro para ele. Sinto ele sorrindo contra meus lábios. “O que você está fazendo?” Coloco meus braços ao redor dele e me levanto, engatando minhas pernas atrás de suas costas. “Não faço ideia.” Então estou beijando-o novamente, e é verdade. Realmente acredito. Minha mente não gosta de Shay, mas meu corpo gosta, e agora estou apenas ouvindo meu


corpo. Estou fazendo o que ele quer, se é segurar, arrastar, beijar, passar minhas mãos pelo seu cabelo, é o que vou fazer. “Foda-se,” se mexe e me puxa mais para ele, suas mãos apertando debaixo da minha bunda. Ele me leva o resto do caminho, entrando em um quarto e depois caindo sobre uma cama. Ele se afasta uma vez para fechar a porta e trancá-la. Então está de volta, e deito na cama, olhando para ele. O luar ilumina seu rosto, e engulo. Ele é a coisa mais magistral que já vi. “Venha aqui,” digo, minha voz rouca de novo. “Você tem certeza?” Concordo. Estou tão além de ter certeza. Ele cai na cama, segurando-se para que esteja suspenso acima de mim em suas mãos. Passam-se longos minutos enquanto toma seu tempo me olhando de cima a baixo. Isso só me deixa mais quente. Começo a me contorcer, apenas querendo-o, precisando que ele acabe com essa palpitação entre minhas pernas. Faz uma pausa, seus olhos encontram os meus, e se move em seu peso, então está descansando do seu lado. Ele se apoia, sua mão rastejando no meu rosto com ternura. Seu polegar descansa em meus lábios,

e

pergunta

tão

suavemente. “Você

tem

certeza

sobre

isso? Mesmo?” “Sim.” Viro minha cabeça para que esteja de frente para ele diretamente. Nossos lábios estão a poucos centímetros de distância. “Por quê?”


“Você me odeia.” Balanço minha cabeça. “Não te odeio agora.” “Você vai amanhã.” Toco o lado de seu rosto e balanço minha cabeça. “Posso te odiar se você não me tocar.” Ele geme, seus olhos ardendo. “Então, Deus nos ajude.” E seus lábios voltam para os meus, onde estava doendo desde que eles se foram. Ele está exigindo. Está comandando. Está consumindo. Respondo a cada chamada dele. Estou ofegante quando sua mão desce pela minha frente, alisa minha barriga e empurra-se debaixo da minha camisa. Estou respirando pesado quando ele levanta, e arrasto os braços em volta do seu pescoço, sentindo que recuou lentamente até seu peso estar em cima de mim. Maldito seja. Isso é certo, tão certo. Nós nos beijamos, nossos lábios se juntam e sua língua se move para dentro. Respondo com a minha, e uma batalha inteira se segue lá enquanto ele abre meu sutiã e então pega um seio na mão. Ele o cerca, o polegar esfregando meu mamilo, fazendo-me tremer. Passo uma mão por suas costas, por seu lado, e fico encantada quando ele treme sob meu toque. Devolvendo o favor, tiro sua camisa, forçando-o a quebrar o beijo o suficiente para liberá-lo do tecido. Então ele está de volta para mim, pele com pele, lábios nos lábios, e eu posso ficar assim por horas. Nós fizemos na outra noite, mas dessa vez é uma sensação diferente. Há mais. Preciso de mais. Ele quer mais. Nós estamos dando mais.


“Maldito inferno,” ele geme se afastando, mas só para começar a beijar minha garganta, meu peito, então encontra um dos meus mamilos. Engasgo, agarrando-o como se ele fosse minha âncora. Ele ri, sua respiração como uma carícia sensual, e sua língua passa por meu mamilo. Então se muda para o outro, e recomeça. Ele o prova. Passa a língua sobre ele, e gosta de como fico ofegante em cada volta, cada lambida, cada mordida, e cada vez que ele me toca. Ele está adorando meu corpo, se abaixando até minha barriga, continua lá enquanto suas mãos param sobre meu jeans. Encontra o botão, e olha para cima. Estou esperando. Mordendo o lábio, aceno com a cabeça e os dedos dele abrem o botão antes de deslizar lentamente o zíper. Sua mão desliza dentro de minha calcinha, encontrando meu centro, e então ele desliza um dedo. Arqueio as costas, querendo que ele vá mais fundo. Não estou brincando. Grito, “mova esse dedo, ou vou ficar louca.” Ele ri, mergulhando a cabeça para baixo para pressionar um beijo na minha barriga, e então ele começa a entrar e sair. Sua mão continua. Começo a me mover com ele, apenas respondendo o que quer que sua mão queira de mim, e um pouco depois ele desliza um segundo dedo e depois um terceiro. Ele continua indo mais profundo com cada impulso até jurar que podia senti-lo no meu ventre. Ele os retira e começa de novo. O prazer é quase cegante. Fico ofegante e me movo com ele, mas ele não acelera. Vai em seu ritmo, contente de me ver louca. Em um ponto, ele olha para cima, uma


ternura em seus olhos que nunca tinha visto antes, e ele sorri. O sorriso é lento, e isso me quebra. Vou ao longo da borda, e estou ofegante quando meu clímax me golpeia. Não entendi aquele olhar. É algo profundo, e isso move algo em mim, algo que nunca senti antes. Não estou falando sobre meu corpo ou carícias físicas. Não entendo, mas quando ele puxa a mão para fora e se move mais para o meu corpo, eu o alcanço e guio seus lábios para os meus. Esse beijo é diferente. É lento. É terno. É especial. Isso faz com que meus dedos do pé contraíam, e parece como a coisa mais natural do mundo ele buscar um preservativo. Ele pega um e depois me ajuda a tirar o resto das minhas roupas. As suas encontram o chão ao lado das minhas, e Shay levanta-se acima de mim. Olha na minha buceta. Tinha acabado de ter seus dedos. Estou mais do que pronta para o resto dele, e com outro beijo, ele mergulha a boca no meu ombro e penetra. Isso parece certo. Ele estica o meu interior e espera que eu me adapte antes de começar a empurrar. Dentro e fora. Está se movendo em mim, e estou me movendo com ele. É o que estava desejando, e parece tão certo. Seguro seus ombros, minhas unhas se cravando em sua pele, e enquanto empurra dentro de mim, raspo as unhas sobre ele.


Sinto os gritos se construírem, e os abafo na minha garganta, mas quero gritar. Minha boca está aberta enquanto ele se move, para dentro e para fora, mais e mais profundo. O ritmo é constante, as ondas estão andando sobre mim e ele começa a ir mais rápido. “Shay,” choramingo, precisando de algo que não consigo articular. Seus lábios encontram com os meus, e ele fez uma pausa, esmagando-me. Bom Deus, isso é bom. Ele se levanta, puxando para fora, apenas para deslizar novamente. Vai tão profundo como foi com os dedos, e posso senti-lo chegar perto. Meu corpo está começando a se contrair. A pressão está aumentando, mas ele sai e me vira. Ele se curva sobre minhas costas, deslizando de volta para dentro e movo minha cabeça. Nossos lábios pegam e seguram. Ele começa a bater em mim. Suspiro, arqueando meu peito. Shay inclina-se, suas mãos encontrando meus quadris, e ele vai cada vez mais forte. Sou arremessada sobre o clímax, caindo na cama. Eu me recupero, enquanto sua mão acaricia minhas costas. Ele me beija com ternura, e então termina. Ficamos no lugar. Estou dobrada. Ele está segurando-se na posição vertical, sua mão descansando na minha bunda, e então se curva sobre mim. Seus lábios roçam meu ombro, e se afasta, caindo na cama ao meu lado. Eu estou ofegante.


Ele também está, e enrola um braço em volta da minha cintura, me derrubando de costas. Ele se encaixa ao meu lado, moldando seu corpo ao meu enquanto seus braços se envolvem fortemente em volta de mim. Deito lá, superando os tremores do meu clímax enquanto ele salpica meu ombro nu com beijos lentos e preguiçosos. Depois de um momento, uma vez que nossa respiração volta ao normal, desliza a perna entre as minhas e enterra a cabeça no meu ombro. “Então.” Beija meu pescoço suavemente. “Nós fizemos isso.” Rio, acariciando sua mão dobrada debaixo do meu peito. “Foi isso que fizemos?” Ele ri de mim e fecho os olhos, curtindo a sensação dele. “Algo assim.” Ele descansa em suas costas, soltando-me, e me viro, então estou deitada de lado, de frente para ele. Coloco uma mão em seu peito, e seus olhos me observam até que sua mão encontra a minha. Murmuro: “Não me arrependo disso.” Ele engancha os dedos nos meus. “Mesmo?” Concordo. Eu não posso, não mais. Não depois do que fizemos no meu armário, depois na minha cama, e depois de praticamente suplicar no bar. Murmuro, “Toquei sua protuberância.” Ele começa a rir, curvando-se mais em mim. “Você fez.” “Foi a parte mais importante e memorável da noite.” Estou sorrindo. Ele ergue a cabeça. “Mesmo?” Ele não está.


Concordo. “Com certeza. Tornei-me a definição de uma puta indecente.” Ele começa a rir novamente. Continuo, “Posso imaginar todas as histórias surgindo, ‘no dia em que ela tocou minha protuberância’, ou ‘O dia em que toquei sua protuberância’. ‘No momento em que minha mão sentiu a cueca e o pênis inchou por baixo dela’ ou mesmo ‘estou rindo agora, coloquei minhas mãos sobre ele, bem sobre o jeans e ele se levantou. Ele responde à minha chamada. Grito, venha, pênis duro, e responda ao sinal de milady. Meus quadris chamam seu toque. Você deve prestar atenção e dar abundante prazer.'“ Ele continua rindo, envolvendo seus braços em volta de mim, e de alguma forma ele enrola todo seu corpo ao redor do meu novamente. Eu estou deitada de costas uma vez mais, ele para, levantando a cabeça do meu pescoço. Olha para mim, movendo-se para se levantar no cotovelo. Pega algumas mechas de cabelos e coloca atrás da minha orelha, deixando sua mão se manter ali, segurando-me gentilmente. Ele fica sério. “Quero continuar fazendo isso.” Descanso minha mão sobre a dele no meu rosto. “Fodendo-me por trás?” Ele sorri e depois fica sério. “Não. Isso, seja lá o que for. Não precisamos dar um nome a isso, se você não quiser.” Gemi. “Por favor, não. Tendo a ficar malvada quando as palavras são aplicadas a situações.” Fico um pouco séria, deixando a brincadeira de lado. “Não vou sair com você.”


Seus olhos se afiam. Acrescento: “Mas estou bem com isso.” Ótimo, meu corpo já está se retraindo. Uma

necessidade

renovada

está

aumentando,

mas

a

afasto. “Talvez possamos falar sobre isso, já que estamos fazendo planos para fazer mais, mas não falamos de verdade.” Ele balança a cabeça, sorrindo. “Você é como o sonho molhado de um cara. Você percebe isso?” Sorrio, encolhendo os ombros. “Gosto de pensar que sou o meu próprio sonho molhado.” Ele geme, seus lábios encontrando os meus novamente. Ele se afasta um momento depois. “Você tem certeza disso?” Momento da verdade? Digo: “Não.” Seus olhos sustentam os meus, e esclareço: “Mas não me importo agora.” Pego sua cabeça, encontro seus lábios com os meus e não demora antes de ambos gemermos novamente.


CAPÍTULO DEZOITO

As escadas rangem sob meu peso, e paro pela trigésima vez naquela manhã. “O que você está fazendo?” Respiro fundo e olho para cima. Shay está no topo da escada, sem camisa, e suas boxers descansam deliciosamente em seus quadris. Consigo dar um sorriso. “Experimentando um novo termo chamado ‘escada da vergonha’.” Resmungo com um sorriso. “Vou chamar um táxi para evitar isso.” Ele geme, coçando o peito de forma ociosa. “Traga sua linda bunda aqui. Vou me vestir. Vamos tomar café da manhã. Vou te dar uma carona para casa.” “Você tem seu Jeep aqui?” Concorda, bocejando. “Fui de carona ao bar na noite passada.” Ele faz um sinal para que eu o siga. “Vamos. Também pode tomar um banho.” Eu o sigo e, de alguma forma, encontro-me no chuveiro com ele, agarrando-me ao chuveiro enquanto Shay está empurrando dentro de mim dez minutos depois. Engasgo, e ele ajusta as mãos, segurando-me na posição vertical enquanto aperto minhas pernas ao redor da sua cintura. Depois que nós dois gozamos, o que é outro momento inteiro de santa-foda-merda-mãe-de-deus, minhas pernas estão definitivamente


mais fracas, caio na cama e enrolo nas minhas costas. “Seu pau está fora de mim, e juro que estou sentindo contrações.” Ele dá uma risada, alcançando seu armário. Puxa outra boxer e duas camisas. Ele joga uma camisa ao meu lado, junto com uma calça preta menor. Pergunto: “O que é isso?” “Estou levando você para o café da manhã. Imagino que você não gostaria de usar a mesma roupa de ontem.” Ele tem um ponto. A minha tem cheiros que não quero identificar. Empurro meus cotovelos para que possa vê-lo enquanto ele começa a vestir sua boxer e sua camisa. Gemo, caindo de volta. “Você vai me arruinar. Só sei disso.” Ele ri, jogando meu sutiã e minha calcinha para mim. “Você quer esses?” Agarro-os e enrugo o nariz. Eles estão cheirando fumaça do bar, mas teriam

que

servir. Não

estou

disposta

a

ser

completamente

malvada. Sentada, começo a me vestir. Meu corpo inteiro está saciado. Não me sinto assim desde um treino muito duro, e estou falando no meu último ano. Estou sentindo os mesmos efeitos, mesmo alguns dos mesmos pontos doloridos, mas esses tinham valido a pena. Poucos minutos depois, estamos descendo as escadas enquanto Shay explica que alguns outros jogadores de futebol moravam no mesmo andar com ele. A casa está dividida para que cada andar fosse como seu próprio apartamento,

mas

a

cozinha

e

sala

de

estar

estão

no

piso


principal. Enquanto alguns podem usar o segundo andar ou o terceiro ou o piso da sala, o piso térreo é o centro principal da casa. Pergunto, quando descemos as escadas: “Em que andar você está?” Sua mão toca minha cintura. “Estamos no terceiro. A menor quantidade de quartos e a maior privacidade.” Estamos perto da porta que anexava a escada ao piso principal e à cozinha. Posso ouvir vozes, homens e mulheres, juntamente com pratos e cadeiras raspando o chão. Alguém está vindo em nossa direção, e quando chegamos ao fim, Shay inclina-se ao meu redor e aperta a fechadura na porta. O botão gira e ouvimos: “Quem trancou essa porta?” Shay me insta para fora, e nos apressamos. Uma vez que chegamos a entrada e caminhamos até a rua, explica: “Não quero lidar com as provocações esta manhã.” Dou de ombros. Estou bem com isso. Ele pega minha mão e me leva o resto do caminho para o Jeep Wrangler. Quinze minutos depois, estamos entrando em um pequeno restaurante. Sei que devíamos ter uma conversa real, mas não quero. Sei quem é esse cara. Ele é como uma celebridade na nossa escola, e está dormindo comigo. Não é normal que um cara gostasse de estar com uma garota como eu, mas está acontecendo. Talvez o odiasse no começo porque sabia que era aí onde estávamos indo, ou talvez porque podia sentir que ele me afetaria. Ou talvez tenha sido porque ele me lembra de Parker. Inclino a cabeça, considerando-o.... Shay olha para cima de seu menu. “O que está errado?”


“Nada.”

E

essa

é

a

resposta

para

a

minha

pergunta

interna. Nada. Não consigo encontrar nada nele que fosse como Parker, exceto que ele é o último cara que tive entre minhas pernas. Talvez isso conte? Talvez esse tenha sido o motivo da minha aversão? Como se estivesse sentindo meus pensamentos, Shay pede nosso café e se recosta depois que a garçonete saiu. Seu rosto fica cauteloso. “O que está acontecendo com você? Já está lembrando que me odeia?” Balanço a cabeça, admitindo a verdade. “Não odeio você.” Talvez nunca tenha odiado... bem, não fui tão longe. Há uma aversão genuína. Não posso tirar isso da minha bunda. Ele não responde, e nós nos encaramos até o café chegar. Gemi, alcançando um copo uma vez que a menina partiu. “Meu corpo enlouquecido te ama.” Ele revira os olhos, esfregando uma mão sobre o rosto. “Estamos fazendo isso de novo? Pensei que nós havíamos estabelecido nossas regras.” Nós fizemos sexo. Nada mais. Coloco a caneca de volta à mesa. “Você não pode dormir com mais ninguém.” “O que?” Ele está zombando de mim e brincando ao mesmo tempo, e pega o café. Acrescenta: “Não posso colocar meu pau em outra pessoa? Isso é bárbaro.”


Estou procurando pelo creme, mas faço uma pausa. “Você está brincando? É melhor estar.” “Claro que estou brincando.” Meus ombros relaxam e acabo de colocar creme e açúcar no meu café. Gage gosta da mesma maneira. Gosta de brincar que ele gosta de preto, e tenho que colocar as coisas “frutadas.” É como ele chama o creme e o açúcar, mas foda-se ele. Se ambos tivéssemos que suportar um mês de café preto, apenas um de nós sobreviveria. Eu. Porque beberia a merda. Ele desistiria e imploraria por seu creme e açúcar. “Do que você está rindo?” Olho para cima. Estou sorrindo, e desfaço o sorriso. “Pensando em algo estúpido sobre o meu irmão.” “Falando do seu irmão.” Shay inclina-se para frente, baixando a voz. “Ele e todos os outros que estavam no bar ontem à noite vão falar sobre nós. Certo?” Fodi a noite passada. Grande momento. Quebrei todas as minhas regras, e tinha sido meu lance. Não de Shay. Não do meu irmão. Ninguém mais. Gemi, batendo minha testa contra a mesa gentilmente. “Estou tão ferrada.” “Não, você não está.” “Não estou?” Como ele pode dizer isso? “Todos viram.” “Algumas pessoas viram. Essas pessoas vão dizer alguma coisa, mas se você quiser se empenhar nisso para que ninguém saiba, é possível.” “Como?” Balanço minha cabeça. “Você não pode me provocar assim, não se não for verdade.”


“É verdade. Olhe.” Ele se inclina para frente. “Nós fazemos as nossas próprias coisas. Sem tocar. Sem olhares secretos. Nós não falamos sobre isso. Isso vai ser esquecido em algumas semanas, se é isso que você quer.” Concordo. Claro que sim. “Não é sobre você ou eu. É minha colega de quarto. São minhas amigas. São garotas que ficam chateadas porque você gosta de mim e não delas.” “Entendi.” Ele franzi a testa. “Mais ou menos. Na verdade, não, mas o que você quiser.” Seguro meu dedo. “E não há cordas, mas se você começar a dormir com outra pessoa, você me diz. Eu preferiria que você esperasse até terminarmos antes de mergulhar seu pau em outro lugar.” Estou procurando por mais café, mas suas mãos se acomodam na mesa por um segundo. Ele me observa e pergunto: “O quê?” “Você é tão grosseira às vezes.” Eu sou. “Digo como vejo isso.” Ele balança a cabeça, piscando algumas vezes. “Não sei se isso é refrescante ou desconcertante.” A comida vem, e procuro um dos meus pedaços de torrada. “Você me conta na próxima vez que se inclinar sobre minha bunda. Estou pensando, então você me achará refrescante.” Ele geme, deixando cair a faca e o garfo que ele pega. “Maldito inferno, Clarke.” Clarke. Sorrio. Sobrenomes novamente. Já estou me sentindo mais confortável. Envaidecida, aceno meu brinde no ar. “Você ficará


feliz. Apenas pense em quão ciumenta ficarei quando Becs estiver exibindo seu decote para você mais tarde hoje. Aposto que você não teve isso de outras garotas com quem costumava dormir.” Balança a cabeça novamente. “Você é um pouco doida.” Encolho os ombros, dando uma grande mordida na minha torrada. Só estou sendo eu.


CAPÍTULO DEZENOVE

Não tenho certeza da minha tática para os dormitórios. Shay me deixou, e decido que o melhor curso de ação não é um curso. Me escondo. Ou, para ser mais precisa, evito. Todos. São onze da manhã, quando entro no meu dormitório. Missy foi embora, mas agora sou uma Pau Trituradora. Tenho dúvidas de que posso sentar, ficar confortável e esperar que ela não saiba sobre meu novo apelido. Me afasto. Para ser mais exata, tomo banho, me troco, pego todos os livros didáticos que posso pensar para estudar, embalo meu laptop e me dirijo para a biblioteca. Minha única parada é o carrinho do café, e fico no terceiro andar, na sala de estudo mais distante no canto, o dia todo. Ou estava, até que Shay envia mensagens de texto e recebo um monte de e-mails de todos em nosso grupo de ciência política. Eles estão se reunindo no grande laboratório de informática às seis daquela noite. Tenho uma hora para me recompor e me preparar. Uma vez que vou até lá, todos os olhos estão em mim. O vídeo do esmagamento do pau e talvez os rumores sobre Shay e eu já tenham se espalhado, não importa. Apenas estar na mesma mesa que Shay espalharia rumores. Uma hora. Faço o que todos os estudantes universitários normais fazem, vou e como sorvete (juntamente com outras substâncias, mas o sorvete é a principal prioridade) e me encho com cafeína. Compro duas bebidas


energéticas da loja, e no caso de não querer tomar as bebidas energéticas, pego outro café grande. Estou carregada e preparada. Não tenho certeza para que, mas estou pronta. Posso ser uma maldita mensageira do dia do juízo final. Propositadamente vou ao laboratório de informática tarde. Becca e Aby são divas. Elas também chegam atrasadas, e estou certa. Estou atrasada de propósito, e elas estão apenas colocando suas coisas quando empurro as portas de vidro. Shay está sentado de costas para mim. Linde está ao lado dele. Isso será adorável. Aby e Becca tomam os dois assentos dos caras. Os dois únicos assentos vazios estão ao lado de Becca ou ao lado de Shay. Fale sobre atear gasolina ao fogo. Nem sou forçada a escolher. Sento-me com Becca. Shay olha para mim, o humor apagando-se daqueles olhos lindos, e ele levanta dois dedos com a saudação mais preguiçosa que vi há muito tempo. Linde estreita os olhos, olhando entre nós dois, mas apenas assenti. “Tudo bem? Você chegou bem em casa na noite passada?” Os olhos dele voltam para Shay. Desabotoo minha bolsa e despejo meu livro de texto de ciência política na mesa na minha frente. “Tudo bem. Agradável e descansada, e nenhuma ressaca hoje.” Becca geme, tirando os livros da sua mochila. “Você não é a pessoa mais animada aqui?” Ela revira os olhos. “Este dia pode ficar pior?” Ela empurra a cadeira para trás e a solta com um golpe.


Aby se inclina. “Seu ex ligou ontem à noite. Eles se encontraram, e ele deu uma volta com ela esta manhã.” Linde começa a rir. Aby sacode a cabeça para ele. “Você não riria se você tivesse que passar o dia com ela. Meu conselho? Coloque-a na frente de um computador e diga-lhe o que pesquisar. Mantenha-a longe de nós, ou ela vai tirar sangue.” “Você está brincando?” Ela diz a Linde, “Não. Você verá por si mesmo em uma hora.” E em uma hora, nós fizemos. Ela murmura. Ela se queixa. Ela reclama. Ela murmura novamente. Está alternando, delírio, uma sessão completa de respiração sobre alguém de quem não tenho nenhuma pista, e ela começa a voltar para a parte de putaria da noite. “Ok.” Shay pega uma das planilhas e bate na frente dela. “Pesquise toda essa merda.” Ele aponta para o computador vazio mais distante. “Mas ali.” “Você está apenas tentando se livrar de mim.” Seus lábios franzem. Os olhos de Aby se arregalam, mas ela não diz nada. Ela desliza uma polegada no assento, levantando seu livro para que ele cobrisse completamente seu rosto. “Sim,” Shay corta. “Será que vai dar certo?” Ela rosna. É suave, mas é um rosnado real. Ela pega o papel. “Sim, mas só porque você está pedindo.” Ela suaviza seu tom. Um sorriso doce e adorável é a cereja no topo. “Porque você é tão lindo, Shay.”


Ela sai para o computador, e me viro. “Oh, olhe para isso.” Seus quadris tinham um balanço extra. “Mesmo seu traseiro parece uma puta.” Ela para, girando rapidamente para me olhar. Olho para trás. “Vou deixar você saber se o seu ex ligar de novo.” Ela respira fundo, mas vai ao computador. Quando me sento de novo, todos estão me observando. “O que?” Aby diz: “Isso foi malvado, mesmo para você.” Dou de ombros, ignorando Linde e Shay e folheando uma nova página do meu livro. “Por que as pessoas assumem que não tenho espinha dorsal ou que sou legal? Sério. As pessoas precisam parar de me subestimar. É irritante quando o meu lado normal e real, humano.” “Uh.” Aby franze a testa. “Não acho que assumimos isso. Nada disso.” Um grupo de livros pousa sobre a mesa na minha frente com um baque. Salto, xingando e depois Gage cai no banco. Ele tem sua bolsa na frente dele, e acena com a cabeça para todos na mesa. “E aí!” Ele para em Aby, apontando o telefone para ela. “Nós dormimos juntos algum dia?” Espero um não. Ouço “Segundo ano, segundo semestre. Meu namorado e eu estávamos dando um tempo.” Ele bate os dedos em triunfo. “Ah-ha! Sabia disso.” Ele bate no lado de sua cabeça. “Esqueço rostos o tempo todo, mas não o seu e especialmente não mais.” Ele a verifica, deslizando seus olhos. Observo: “Eles estão juntos novamente.”


“Ah.” Ele acena com a cabeça para Linde e para Shay, seus olhos estreitando ligeiramente em Shay antes de se concentrar em mim. Ele apoia os cotovelos na mesa, cutucando meu braço com o dele. “Oi Mana. Acho que posso conversar com você agora que foi popular na noite passada. Como está o seu dia? O que está rolando?” Aby murmura em voz baixa, “Sendo uma puta.” Gage encolhe os ombros. “Ela faz isso.” Ele se inclina e diminui a voz, sussurrando para que todos ainda possam ouvir: “Você não respondeu meus textos ou me ligou de volta. Você está com raiva de mim?” “Pelo que?” Ele se endireita, sua voz voltando ao normal. “Pela noite passada? Esqueci que você estava no bar.” Ele olha para Shay. “Certo?” Quando ninguém responde imediatamente, o semblante de Gage se aprofunda. “Ou estava realmente muito bêbado na noite passada? Posso jurar que jantei com você.” Linde começa a rir. Shay está sorrindo. Gage pega a dica, seus olhos arregalam. “Aconteceu então? Não estou perdendo a cabeça?” Aby entra: “Essa é muito fofa para perder. Não a vi, mas ouvi que ela estava lá.” Não posso me conter. Olho para ela. “O cérebro do meu irmão é muito fofo para perder? Você já viu um cérebro na vida real? Ou mesmo uma foto? Essa é a sua linha de ação? Você tem um namorado.”


“Cara.” Ela afasta o assento um centímetro. “Talvez a vibração da cadela tenha ficado aqui.” Ela me lança um olhar significativo. Reviro os olhos. Tenho vontade de vomitar, mas engulo. Tudo. Não sei por que estou irritada com Aby ou mesmo com Becca. Não são minhas pessoas favoritas no mundo, mas não são minhas inimigas. “Ah não. Isso é totalmente Kennedy. Não a deixe irritada, porque você verá um outro nível. “ Aby bufa. “Acho que todos nós sabemos. Matt Carruthers descobriu isso para nós.” Pergunto: “Quem é Matt Carruthers?” “O cara cujo pau você esmagou,” Gage me diz. “Entendi.” Imbecil um é Matt Carruthers na vida real. Espero nunca ter que lidar com ele novamente. “Posso ser presa por isso?” “Você sabe o quê?” Shay sorri para mim, uma nitidez em seus olhos. “Você pode olhar isso em seu livro de textos.” Ele aponta para o meu livro. Há um tom extra em sua voz, e faço uma careta suficiente para descobrir que ele está me dizendo para calar a boca. Concordo. O vídeo abriria uma conversa inteira que provavelmente quero evitar. Como por que estou tão louca, o que fiz depois e, eventualmente, volto para o bar e o que aconteceu depois do bar. Fico feliz em calar a boca. Mas primeiro, pego o braço de Gage e o puxo comigo. Eu saio do laboratório, passando por uma garota loira de pé na entrada, passando a recepcionista, através dos detectores de metal, mesmo depois do carrinho


do café até nós estarmos fora. É o melhor lugar para ter privacidade. Há algumas pessoas lá, então continuo andando até chegar a uma alcova privada de árvores. “O que você está fazendo aqui?” “Tenho ligado para você o dia todo. Você não verifica seu telefone?” “Você ligou para o meu celular ou o telefone do meu quarto?” Pergunto enquanto tiro meu celular do meu bolso. Ligo a tela e vejo algumas chamadas perdidas, juntamente com algumas mensagens de texto. “Ambos.” Aceno meu telefone no ar antes de colocá-lo de volta no meu bolso. “Não verifiquei isso hoje.” Um texto de Shay ilumina a tela, então não preciso ver o resto. “Me desculpe por te deixar preocupado.” “Não estava preocupado com você chegar em casa na noite passada. Estava preocupado que estivesse brava com você mesma hoje e,” baixando a voz, “não posso deixar de estar preocupado com o que você está fazendo com Shay Coleman.” Estreito meus olhos. “Nada está acontecendo com Shay.” “Certo.” Ele não acredita em mim. “Se houver, não serei estúpida sobre isso.” Ele me estuda antes de assentir. “Acho que é tudo o que posso esperar como um grande irmão. Você não está com raiva de mim por esquecer de você ontem à noite?” “Não estou brava com você por ontem à noite.”


Ele solta uma respiração profunda que está segurando. “Bom.” Sua mão acaricia seu peito. “Estava preocupado sobre isso. Até fui ao seu dormitório.” “Espera. O que?” “Seu dormitório.” “Não estive lá o dia todo.” “Sim, eu sei.” Ele levanta as mãos. “Não se preocupe. Segui suas regras. Fui ver Casey, tecnicamente, e ela foi conversar com sua colega de quarto. A sua colega de quarto não tinha uma pista.” Ele viu Casey. Ele provavelmente viu Kristina e as outras. Minha única aparência de normalidade é minha colega de quarto agora. Estou fodida. Gemi. “Você não pode ir ao meu dormitório.” “Casey e suas amigas já sabem. Ela disse que não disse nada a sua colega de quarto. Não importa. Todos sabiam. Não me preocupo com minha colega de quarto. Bem, fazia, mas no grande esquema das coisas, ela é uma formiga. “Gage,” gemo. “Você está fazendo as coisas tão difíceis para mim.” Isso não é totalmente verdade. Eu também estou fazendo muito. “Eu?” Ele aponta para a biblioteca. “E você e o que quer que você tenha feito com o quarterback da equipe de futebol da universidade? Você quer ser discreta? Não durma com um cara assim. Menos, Kenz. Não atire para o nível superior, porque Shay Coleman é o nível superior. Ele é o nível inteiro no topo da merda.”


“Eu sei,” começo. Ele continua. Grito para calá-lo, “Eu sei!” Ele para. “OK? Eu sei. E não é como se isso fosse planejado. Nós apenas, ele apenas... eu apenas...” Não. Não. Não vou explicar como acabei na cama de Shay ontem à noite. Aperto minhas mãos na minha testa. Uma dor de cabeça está se formando, e começo a esfregar lá, esperando suavizar. Não está funcionando. Sei que não vai funcionar. Desisto. Gage está olhando para o chão. Ele enfia as mãos nos bolsos. “Você nunca disse que não esteve em sua cama. Você teria dito isso instantaneamente se não fosse verdade.” Ele deixa sua sentença cair, e não posso contestar. Ele está certo. Eu teria. Não me defendi, mas ainda tenho o espírito de luta em mim. “Ninguém sabe.” “Você tem certeza?” Meus olhos vão para os dele. “O que você quer dizer?” “Sabe o que você está fazendo? Com ele. Sei o que Parker fez com você, e não vou...” “Shay não é Parker. Ele é a coisa mais distante de Parker.” Espero. Minha voz interior, que tem no fundo da minha mente, salta, isso não é verdade. Eu a desligo. Parker era popular. Parker era carismático, e ele tinha toda a escola comendo na sua mão. Parker era lindo, mas era isso. As semelhanças terminavam aí.


Parker não é Shay. Shay não é Parker. Balanço minha cabeça. O que estou pensando? Rio. “Estou bem. Não é emocional. É apenas físico. Quer dizer, temos regras.” “Não preciso ouvi-las. Sério. Por favor. Não.” “Entendi.” “Sinto muito sobre a noite passada. Me senti horrível, e então vi o quão furioso Coleman estava, o que me fez sentir ainda pior. Olha, não quero me envolver com o que tem acontecido com você, mas ele se preocupa. Vi isso na noite passada. Linde se preocupa também. Tudo o que você tem acontecendo, esses dois caras são bons amigos agora.” Agora. Sei

por

que

meu

irmão

disse

isso,

por

que

amizades

acabam. Amizades desaparecem. Amizades batem e queimam algumas vezes. Concordo. “Eu sei.” E uma vez que ele mencionou Linde, começo, “Hey. Hum. Tenho que falar com você sobre Casey.” Ele começa a voltar, mas me enfrenta novamente. “Certo. O que?” Não tenho outra maneira de dizer isto, então, “Não saia com ela.” “O quê?” Ri desta vez, um engate nervoso lá dentro. “Do que você está falando?” “A irmã de Linde foi estuprada.” “O que isso tem a ver com Casey e eu?” Dou-lhe um olhar. “Vamos.” Não esperava que ele reconhecesse o que sabia que está acontecendo. A forma como sua voz soa confirma isso para mim. “Linde disse que depois que sua irmã foi estuprada, ela usou


outro cara para tentar apagar o que o estuprador fez com ela. Pensou que podia, não sei, substituir o que estava sentindo por dentro.” Gage fica tão imóvel. Ele pergunta tão baixinho, “Será que isso funcionou?” Balanço minha cabeça. Outra

confirmação. Meu

irmão

está

envolvido. Ele

tem

sentimentos. Murmuro, “Não. Ela o afastou. Gage, você...” Ele sai através da abertura das árvores e volta para a biblioteca. Sigo a um ritmo mais lento, mas ele está arrumando suas coisas quando chego lá. Shay e Linde estão assistindo. Aby se foi. Estou atrás do meu assento. “Gage, eu...” “Pare.” Ele está falando sério. “Acho que é realmente estúpido o que está fazendo, então não me diga o que devo fazer.” “Não é a mesma coisa.” Não vou olhar para Shay. Gage faz. Seus olhos olham para ele antes de encontrar os meus novamente. “Não é? Um cara te destruiu...” Não termina a frase. Deixa a insinuação demorar, e coro. Gage fecha sua bolsa e sai. Porra. Afundo na minha cadeira. Linde pigarreia. “Nós sabemos do que se tratava?” Balanço minha cabeça. “Não.” Não olho para ele. Ainda não olhei para Shay, e quando Aby e Becca voltam para a mesa, não olho para


elas. Volto para a velha Kennedy, a Ăşnica que mantem silĂŞncio, mantem sob o radar, e anseia pela santidade de seu isolamento.


CAPÍTULO VINTE

“Clarke!” Tinha acabado de sair da biblioteca. Nós pesquisamos por mais algumas horas, mas estou cansada e a dor de cabeça nunca mais saiu. Ela só ficou pior, e Shay está vindo atrás de mim agora. Chama novamente, “Kennedy!” Paro e me viro. Minha bolsa cai do meu ombro, prendendo no meu cotovelo com uma pancada antes que pudesse cair no chão. “Estou cansada, Shay. Só quero voltar para o meu dormitório.” Ele diminui o ritmo, deslizando as mãos nos bolsos enquanto se aproxima. “Você ficou quieta após o seu irmão sair.” “Você não tem que fazer isso.” Não quero isso. “Nós não estamos namorando.” Seus olhos se estreitam, e inclina a cabeça para o lado. “Isso é chamado de decência humana. Já fazia coisas como esta quando não estávamos dormindo juntos, lembra?” “Veja.” Aponto para o meu rosto. “Essa idiota aqui está sendo malintencionada para a pessoa errada.” Esfrego a mão pelo meu rosto. “Tive um fim de semana agitado. Esta solitária está salivando com a ideia de ir para seu quarto sozinha pelo resto da noite.” “Ok, mas ainda quero ver você. Se não tivesse vindo, Linde teria.” “Ah.” Gosto de Linde. Somos amigos, mas posso ser honesta de uma maneira diferente com Shay. Agora estou aliviada que foi ele.


“Obrigada. Novamente.” Aceno e começo a descer a calçada. Dou um par de passos antes que chame meu nome de novo em voz baixa. “Se você não conseguir dormir, me ligue. Posso buscá-la.” Olho para ele. Por um momento, apenas um momento, considero isso. Voltar à sua casa, dormir em sua cama, em seus braços, soa como uma reclusão abrigada longe de tudo que a minha colega de quarto me diria sobre o vídeo, com Casey e minha preocupação com ela ou como ela vai machucar meu irmão, e até mesmo a solidão que vem junto com ser uma solitária. Shay é quente. Shay é bom, e nesse momento, enquanto olho para ele, esqueço por que o odiei no começo. Mas isso traria outros problemas. Talvez não imediatamente, mas eventualmente. Merda ruim sempre vem junto. Uma pessoa não consegue se esconder disso, e balanço a cabeça. “Vou ser a caloura responsável.” “Meu telefone estará ligado. Estou apenas dizendo.” “OK.” Ele levanta a mão antes de voltar para a biblioteca. Ando o resto do caminho sozinha. Missy está saindo da sala em shorts e chinelos. Ela tem um saco de Twizzlers e fichas na mão, seu cobertor jogado sobre seu braço. “Hey.” Para no corredor, estalando um Twizzler em sua boca. Fala em torno dele, “Onde você dormiu na noite passada? Não ouvi você entrar.” “Cheguei tarde e saí cedo.” Indico minha mochila. “Dia longo na biblioteca.”


“Oh.” Suas sobrancelhas se juntam. Ela aponta para o corredor com seu Twizzler. “Estamos assistindo a filmes na sala de Holly se você quiser vir. Será que foi ao jogo de ontem?” Ela não viu o vídeo das bolas amassadas? “Uh.” Coço atrás da minha orelha. “Sim. Estava lá.” “Isso é estranho. Eu não a vi.” “Eu fui.” “Oh.” Ela dá outra mordida. “Venha assistir a um filme com a gente. Estamos todos trazendo lanches.” “Não tenho nenhum.” “Peça uma pizza. Você será o hit da sala.” Sorri. Comi apenas uma vez hoje, e foi depois das dez. Meu estômago ronca para me lembrar. Talvez uma pizza fosse uma boa ideia, mas balanço a cabeça. “Meio que só quero me enrolar e assistir a um filme no nosso quarto esta noite.” “Ok.” Ela acena com um novo Twizzler. “Te vejo mais tarde. Não tenho a minha aula da manhã, então vou ficar até mais tarde.” Solto uma oração de agradecimento sob a minha respiração enquanto me dirijo para o quarto, e ela segue o caminho oposto. Não só posso relaxar, mas também serei capaz de dormir e não ser acordada de seis a sete, todo o caminho até que quisesse finalmente me arrastar para fora da cama. Verifico meu e-mail, digito algumas notas que ficaram do nosso projeto de pesquisa, e peço uma pizza.


Coloco um filme, pego uma manta macia, e a pizza chega. É toda minha. Melhor. Noite. Sempre. Estou dormindo quando Missy entra, balançando a cama de beliche enquanto sobe para o seu colchão. Ela está roncando cinco minutos depois. Ronca através do meu alarme e quando fico pronta para a aula. Estou um pouco mais atrasada do que o normal porque fui lenta para não a acordar, mas não vou pular o meu café. Preciso de meu café, por isso faço um rápido desvio através da biblioteca primeiro. Quando chego ao prédio da minha sala de aula, ignoro a porta principal que todos usam e desço a calçada em que Shay e eu tínhamos falado sobre Casey na sextafeira. Fui capaz de estar dentro do prédio, subindo as escadas chego ao corredor

norte. Não

uma

fila

subindo

as

escadas. Entro,

e

imediatamente aplausos emergem da sala. “É a Pau Trituradora!” Um cara que não conheço grita para a multidão. Ele acena com as mãos em um movimento obsceno. “Todos saúdem a PT.” Algumas meninas riem. Alguns caras o ecoam, fazendo os mesmos movimentos, e reviro os olhos. A fileira de traz ainda está vazia, e sigo para lá. Procuro abrigo com os amigos. Foda-se minhas regras. Tenho a sensação de que preciso do apoio, e me sento no banco da extrema direita. Ele é o único em que os caras não sentam.


O cara que puxou os aplausos senta-se e vira. “Conheço Carruthers. Como é a sensação de segurar seu pau? Será que ele ficou um pouco ligado? Você pode ser honesta. Isso é apenas entre você e eu.” Mais risadinhas soam. Um cara começa a adicionar a ele, mas Shay entra na sala com Linde e o resto de seus amigos os seguindo. Shay diz: “Somente você ficaria duro com esse vídeo.” Espeta o cara com um olhar, andando pelo corredor. Deixa cair a mochila do ombro, pegando-a antes de bater no chão. “Diga a verdade, James. Você fez a sua namorada pegar suas bolas assim? Você gosta de um pouco de perversão?” Ele fica no corredor e espera. O cara volta a se sentar. “Estava apenas brincando, Coleman.” “Sim, você estava.” Shay balança a cabeça, caindo no assento ao meu lado. Linde não perde uma batida. Senta na terceira cadeira, no mesmo corredor. Os outros quatro rapazes fizeram uma pausa, mas se movem para os outros bancos. Shay pergunta baixinho: “Você está bem?” A garota que normalmente se senta ao meu lado olha por cima do ombro para nós. Seus olhos deslizam de Shay para mim, em seguida, novamente antes de se virar para frente. Balanço a cabeça, sentindo minha nuca aquecer. Linde se inclina para frente para me ver. “Diga a palavra, Clarke. Esse garoto, James gosta de malhar com a gente na parte da


tarde. Posso ter alguns caras o encontrando e lhe dando algum tempo desconfortável sob os pesos, se quiser.” Pisca. “Basta dizer a palavra.” “Obrigada, Linde.” Digo antes de girar para Shay, “Estou bem. Vou ficar bem.” Shay balança a cabeça, recostando-se em sua cadeira e puxando o seu notebook. “Tenho certeza que fez um favor a ele. Se te provocasse o suficiente, estaria na cama de um hospital do lado direito de Carruthers.” Linde bufa. “Você não teve um problema com ele ou seus amigos, não é?” “Não.” Ainda não tinha pensado nisso. Além de Parker, ninguém mexeu comigo na escola secundária, não assim. A menina idiota aconteceu, mas isso não é o mesmo. Os caras descobriam quem Blake e Gage eram e recuavam. Geralmente. Nunca entrei em uma briga como a de sábado. Isso é novo para mim. “Eles têm o perfil para fazer isso?” Linde não diz nada. Simplesmente senta-se na cadeira, como se estivesse se esgueirando para longe. Shay balança a cabeça. “Tenho certeza que você vai ficar bem. Não me importaria com isso.” Parece que ele vai dizer outra coisa, mas o professor entra, e passamos a próxima hora aprendendo sobre a dinâmica política no Reino Unido. Uma vez que somos dispensados, Shay pergunta: “Você já fez a leitura para quarta-feira?”


Assinto. “Estou presa até a próxima semana, mas não estou realmente com a corda no pescoço. Tudo o que ele disse hoje é material novo. Devo ler o livro novamente.” “Você quer fazer isso juntos?” Linde e os outros jogadores de futebol já tinham saído. Algumas meninas ficaram para trás, esgueirando olhares para nós. Ou não. Elas estão observando Shay. Ele está de pé no corredor, e eu ainda não passei da mesa onde Linde sentou. Alguns dos outros alunos permanecem, principalmente para conversar com o professor, mas pego alguns outros olhares curiosos em nossa direção. Baixo a voz. “Como na biblioteca com o nosso grupo?” Ele nem sabe que as meninas estão lá. “Como no meu quarto ou na sala de estar, se você estiver desconfortável.” Seus olhos escurecem quando seguram os meus. Ele não está falando apenas de estudar, embora tenha certeza de que nós também faríamos isso. “Eu...” Foda-se. Estou declinando, mas não quero. Quero passar mais tempo com ele, ou talvez seja toda essa coisa escondida. Havia

me

escondido

antes,

mas

de

uma

maneira

diferente. Escondi quem eu conheço, e isso parecia que está saindo mais e mais. Mas esse sentimento para esconder está lá novamente, e ir à casa de Shay é o lugar perfeito. Sinto a vibração no meu peito.


Não posso mentir para mim mesma. Há outras razões pelas quais quero ir para a sua casa, mas estudar e esconder estão no topo dessa lista. Concordo. “Sim. Estou disposta a isso.” Seus lábios se levantam em um meio sorriso. “Você tem algumas aulas ainda, não é?” “Uma. Saio às duas e meia nas segundas, quartas, e sextas-feiras.” “Você quer uma carona?” “Uh...” Considero isso. “Devo dirigir meu próprio carro. Você sabe, uma vez que não estamos...” “Nós somos colegas, Clarke.” Ele abre caminho pelo corredor e sai pela porta. Contorna completamente as meninas. “Você está sempre trazendo a coisa do namoro. Talvez você seja a única que quer estar namorando.” Ele começa a descer as escadas. Estou seguindo atrás dele, e não respondo. É muito difícil. As pessoas estão indo na direção oposta para as suas aulas, e outras ainda descem atrás de nós a partir dos andares de cima. Quando empurro as portas, é como abrir uma barragem e os alunos derramam livres. Olho por cima do ombro e vejo Kristina saindo. “Hey.” Paro para acenar. Ela olha para cima, um sorriso se espalhando por seu rosto. Está franzindo a testa com sua agenda, mas a guarda enquanto se aproxima. Os olhos dela em Shay. “Nós nos encontramos de novo.” “Kristina.”


Ela assenti com a cabeça. “E todo mundo sabe quem você é.” Ela me pergunta: “Onde você esteve todo o fim de semana? Meu Deus. Você perdeu uma tonelada de coisas.” “Do que você está falando?” Achei que ela já teria visto o vídeo pauna-mão. Ela arregala os olhos dramaticamente. “Laura, Sarah e Casey tiveram uma briga enorme ontem à noite. Pesada. Preciso compartilhar os detalhes.” Shay começa a se afastar. Seus olhos encontram os meus. “Essa é a minha deixa. Te vejo mais tarde.” Ele estende a mão em direção a Kristina. “Foi bom vê-la novamente.” “Você também.” Kristina suspira quando ele saiu. “Sei que tenho um namorado, mas porra, menina. Ele é maravilhoso. Não posso acreditar que você ainda está se segurando para contar às meninas sobre ele.” Gemo. “Você está brincando comigo? Elas sabem sobre Gage. Já estou comendo estresse com essa situação. Cheguei em casa da biblioteca e pedi uma pizza na noite passada.” “Você comeu tudo?” “Meu estômago me fez parar após três fatias. Não me julgue. Estava com fome.” “Nenhum julgamento aqui. E por falar em nenhum julgamento,” bate no meu braço, “você não me contou sobre o seu vídeo neste fim de semana. Acho que foi viral ontem.”


Kristina agarra a porta que dá para a praça de alimentação, e vou em frente. “Estava esperando que você não tivesse visto isso.” “Você está brincando comigo? Casey estava lá. Ela teve ingressos na primeira fila.” Sim. Casey. Ela problema. Limpo

a

tinha

se

garganta

tornado quando

um

tipo

entramos

na

diferente fila

para

de o

refeitório. “Você disse que as meninas entraram em uma briga na noite passada? Elas vão comer com a gente?” Ela resmunga, tirando sua identificação. “Duvido. Casey saiu. Não tenho nenhuma ideia de para onde ela foi, e Laura e Sarah estiveram no edifício dos caras durante todo o dia. Eu as vi no banheiro do dormitório esta manhã, mas Sarah disse que precisavam de um dia espiritual.” A quantidade de stress que deixa meu corpo é cômica. Inclino minha cabeça para trás. “Graças a Deus.” Ela entrega o cartão para passar na máquina. O meu é o próximo, e nossa conversa é interrompida. É hora de comer, o que para mim significa sorvete primeiro. Se as outras meninas não vão comer com a gente, pego uma mesa no canto mais distante. Kristina me segue. Ela foi pelo caminho saudável hoje com uma salada, uma laranja, e uma caixa de leite. Olho para o meu. Tive pizza na noite passada. Minha bandeja consiste de sorvete, um pedaço de bolo, duas tiras de frango, e uma pequena tigela de iogurte. Digo: “Você não aguenta sua Agenda Freshman Fifteen até o fim. Não posso comer isso para você.”


Ela pega o leite e aponta para mim. “Você está indo muito bem, Senhorita tenho as pernas mais longas, mas que age como se fossem curtas e grossas. Kennedy, você pode comer assim e ainda ser linda de morrer. Eu não.” Aponto para seu par de peitos. “Você tem suas próprias bênçãos. Não se diminua.” Sem mencionar que ela é linda. “Sim. Esses.” Ela olha para baixo. “Se alguém lhe disser que seios grandes são um caminho a percorrer, é um idiota. Quero fazer uma redução.” “Mesmo?” “Casey acha que sou louca, mas ela não entende. Ela é pequena e compacta. Os caras adoram seu corpo.” Faço uma careta. “Se você não tivesse um namorado sério, você iria descobrir quantos caras amam o seu corpo. Confie em mim.” Uma vez que ela traz a palavra C peço,’ ‘Conte-me sobre a briga.’” “A briga.” Ela solta uma lufada de ar e então começa. Casey fica um pouco mais distante a cada dia. Sarah e Laura não estão felizes com isso toda a semana. Kristina não tem certeza de como começou, mas Casey disse algo. Laura e Sarah não gostaram. Elas disseram algo de volta. Foi a vez de Casey. Então delas. Elas estavam indo e voltando, e enquanto Kristina estava enrolada em seu sofá com seu livro de trabalho social no colo, uma luta inteira se seguiu. Laura e Sarah queriam saber o que estava acontecendo com Casey. Ela se recusou a dizer.


Isso as enfureceu ainda mais. Era hora de dobrar as apostas, então elas blefaram. Ela tinha que dizer a elas ou não iriam beber juntas no Rugger (outro lugar que não conheço). Casey ficou tão brava que saiu do quarto, mas voltou, pegou sua mochila, bolsa, e seu telefone. E dessa vez ela saiu de verdade. Kristina não teve notícias dela durante toda a noite, com exceção de um texto para deixá-la saber que Casey ia dormir em outro lugar, e foi isso. Laura e Sarah foram para seu quarto, e Kristina apenas as viu no banheiro. Ela está dizendo: “Quero dizer, posso meio que ver o ponto de Laura e Sarah. Casey está diferente. Não se cuida mais, e tem estado malhumorada. Ela é ela mesma, às vezes, mas outras vezes, é como se colocasse uma parede. Você notou alguma coisa?” Uma tira de frango fica presa na minha garganta. Engulo, estremecendo com a dor. “O que?” “Você tem saído com ela mais recentemente. Você notou alguma coisa?” “Ela usou um moletom no jogo de futebol. Isso não é normal.” “Sim. Veja. Coisas assim. Elas simplesmente não se somam. É quase como se ela estivesse se tornando uma nova pessoa.” Ela termina seu leite e espeta uma alface com o garfo. “Posso falar com você sobre algo mais?” Seu tom é sério. Os cabelos na parte de trás do meu pescoço se levantam pensando que a briga era o tema preocupante. Estava errada. “Certo. O que é isso?” Shay...


Onde dormi na noite passada... Como estava “desligada” recentemente... Essas três coisas e tantas outras passam pela minha cabeça, mas ela diz: “Acho que Casey gosta do seu irmão.” Outra comporta de alívio. Aceno minha mão no ar. “Eu sei.” Sua boca se abre ligeiramente. “Você sabe?” “Uh.” Pego a última tira de frango, mas começo a puxar pequenos pedaços em vez de comê-la. “Gage me perguntou sobre Casey um tempo atrás. Não estou realmente surpresa.” “Você não está brincando?” “Não. Por quê?” Suas sobrancelhas mergulham juntas. “Não posso dizer. Às vezes você é sarcástica. Mas, sério? Você sabia?” “Imaginei. Eu o vi sentado com vocês no jogo.” “Foi por isso que você não veio?” Kristina é minha primeira amiga em Dulane, mas ela não conhece minhas regras. Concordo. “Me perguntei por que você não se sentou com a gente. Quero dizer, nós vimos você no jogo, mas fiquei meio doente. Pensei que você não gostasse mais de nós.” Meus olhos vão para os dela, e a segunda tira de frango cai de minhas mãos. “Você está falando sério?” “Sim.” Ela apunhala mais alface. “Quero dizer, você nos evita às vezes. Sei que você fica confortável sozinha, mas não sei. Às vezes me


pergunto, sabe? Tipo, nós fizemos alguma coisa, ou você está chateada com a gente, ou algo parecido.” Seu olhar se desvia. Ela pensa que é a razão pela qual fico longe. Pensa que é a única que não é boa o suficiente. Eu sou uma idiota. Balanço a cabeça e estendo a mão para apertar a dela. “Tenho problemas de confiança, e os deixo ter muito poder sobre mim. Sinto muito. Você nunca fez nada. É o contrário. Não me sinto bem o suficiente para ser sua amiga.” Um brilho de lágrimas descansa na parte inferior de suas pálpebras. “Não. Não, nunca. Por que você sequer pensou isso?” Dou de ombros, puxando minha mão para trás e colocando-a no meu colo. “Meio que algumas meninas realmente mal-intencionadas e mentirosas me fizeram pensar isso no meu último ano do ensino médio.” “Elas ficaram com inveja.” Essas palavras saem tão fortes. Ela está tão certa disso. Minha esperança aumenta, apenas um pouco, mas a seguro. Talvez. Talvez não. Aquelas meninas realmente me odiavam. Tive um tempo difícil acreditando que era tudo por causa de ciúme. Ela

está

esperando

que

responda,

e

dou-lhe

um

sorriso

indiferente. “Talvez.” Minha garganta está inchada. Mudança de assunto, por favor. “Vamos falar sobre como podemos juntar Sarah, Laura, e Casey para compensar.” Isso é o que fazemos para o resto do nosso almoço, mas quando saímos e vou para a minha segunda aula, sinto um peso nos meus


ombros. Ele se estabeleceu ali uma vez que ela começou a falar sobre Casey, e isso só se intensificou quando percebemos que nós duas pensávamos que não éramos boas o suficiente uma para a outra. Pensei que passaria uma vez que a conversa mudou, mas isso não aconteceu. Ficou mais leve, mas ainda está lá. Ou talvez seja Carruthers, porque à medida que saímos da cafeteria, um bando de caras começa a cantar, “Pau Triturador.” Alguns estudantes ficam confusos, mas outros começam a rir. Vejo algumas expressões aquecidas e sinto uma experiência semelhante com a de James na aula. Ando um pouco mais rápido. Se ouvir comentários como esse, terei que me envolver, e de repente estou tão cansada. Não quero lutar constantemente a cada dia, a cada hora, mas o vídeo me fez um alvo. Entro no prédio da minha segunda aula, e mais caras estão saindo. Eles viram, me reconhecendo. “Hey!” um grita para mim. Virando através de um grupo de corredores curtos, faço diferentes voltas até que os despisto. O que quer que eles tenham a dizer, não serão congratulações. Posso sentir isso. Uma vez que tenho certeza de que eles saíram, paro em torno de um canto e deixo escapar um suspiro. Agarro minha bolsa no meu peito. Isso vai ser mais difícil do que pensava. Tenho dez minutos até a minha próxima aula. Gosto de chegar cedo e passar por cima das notas do dia. A desculpa de Sarah e Laura de um dia espiritual começa a soar como uma boa ideia.


Eu ainda estou pesando na ideia. Pular a aula ou não? Lutar contra outros idiotas na minha classe, se eles estiverem lá ou... sinto o meu telefone no meu bolso. Posso ir direto para Shay agora. Mesmo que ele não esteja lá, provavelmente deixaria me esconder em seu quarto. Resmungo. Costumava odiar o cara, e de alguma forma ele se torna meu refúgio. Não. Dou um passo atrás para o corredor. Não importa onde eu vá, ou quanto tempo me esconda, eles estarão lá. Terei que lidar com eles em algum ponto. Vou para a aula.


CAPÍTULO VINTE E UM

Shay me encontra na porta dos fundos. Mando uma mensagem para ele quando estou subindo a calçada, e acabei de pisar no pátio quando a porta se abre. Ele fica ali, vestindo a mesma calça de moletom que pendura pecaminosamente baixa nos quadris. Ele usa uma camisa, impedindo a visão do que sei que está lá, e passo a mão pelo cabelo. Ele me dá um sorriso torto. “Você já jantou?” Move-se para trás, e entro. Estamos perto, e ele roça em mim, me contornando para fechar a porta. Começo a balançar a cabeça, mas quando ele me toca, outras sensações já estão substituindo o aperto no meu interior. Essa segunda aula

foi

boa,

mas

havia

dois

idiotas

com

comentários

inteligentes. Respondi, mas não os tinha calado. Só empurrei outro ataque verbal que provavelmente viria na quarta-feira. E porque sei que Shay é capaz de notar que algo está errado, fiquei no meu quarto um par de horas antes de vir. Ele tinha treino de qualquer maneira. “Kennedy?” “O

quê?”

Ele

me

perguntou

alguma

coisa.

O

que

foi? “Oh! Hum. Não.” Sua mão toca meu quadril, e quase fecho os olhos. Bem ali, naquele pequeno toque ele me dá um pouco de força extra. Quando isso aconteceu? Desde quando preciso dele fora do quarto, também? É um


pensamento inquietante, e o descarto como faço quando as coisas são demais. “Posso te fazer alguma coisa na cozinha.” Ele está me estudando enquanto faz a sugestão, e vendo o pequeno pânico que sinto ao pensar em ver seus companheiros de quarto, ver Linde, ele acrescenta: “Ou podemos pedir.” Isso seria melhor. Relaxo, e então ele dá uma última sugestão. “Ou podemos estudar um tempo e sair para comer algo como um intervalo de estudo.” Bato no seu peito, apreciando seus músculos firmes lá. “Isso soa como vencedor.” “O último?” Concordo. A proximidade, a mão na minha cintura, como ele está olhando para mim, a minha capacidade de respirar está sofrendo. Meu dedo ainda está tocando seu peito, e achato a palma da minha mão lá. Uma risada suave vem dele, refletindo contra a minha mão. “Ou podemos fazer outra coisa antes de estudar?” Uma risada curta fica presa na minha garganta. Nós dois sabíamos que isso ia acontecer. É parte da razão para eu vir. Só não achei que seria a primeira coisa que aconteceria, embora faça sentido. Tirar isso do caminho para que pudéssemos limpar nossas cabeças e ser produtivos depois. Nenhum de nós desperdiça palavras. Shay pega minha mão, abre o caminho para o seu quarto, e uma vez que a porta está fechada, estamos um no outro. Ele me puxa contra ele, sua boca na minha, e ficamos assim, nos beijando. Lentamente, ele arrasta


os lábios de mim, mas me pressiona contra a porta. Ele levanta a cabeça. “Nós não vamos estudar muito.” “Sim, nós vamos.” Passo meus braços em volta do seu pescoço e o puxo de volta para baixo. “Mas não agora.” “Vamos tirar isso do caminho.” Ele morde meus lábios com os seus. Balanço a cabeça e suspiro. “Você leu minha mente.” Ele geme, abrindo a boca ainda mais sobre a minha. Sua língua varrendo, me explorando, e não há mais palavras. Seguro em torno de seu pescoço e começo a me erguer. Ele se curva, me pega sob minhas pernas, e me levanta o resto do caminho. Me segura, suspensa no ar, e me pressiona contra a porta. Continuamos a nos beijar. Acho que nunca me cansarei de seus beijos. Seus lábios. A boca dele. Como ele usa a língua. Derreto ainda mais, e ele me desloca mais perto contra ele, dando um passo para trás da porta. Sua mão esquerda deixa minha perna por um segundo. O som de um bloqueio mal se registra na parte de trás da minha cabeça, e então nós estamos em sua cama. Minha camisa sai primeiro. Sua camisa é a próxima. Meu sutiã. Desabotoo sua calça. Minha. Então, sua mão se move entre as minhas pernas, e ele empurra um dedo dentro. Paro de beijar, só um momento, e arqueio as costas. Inclino o pescoço para ele, e ele geme, sua boca caindo e me provando.


Um segundo dedo vem. Ele faz uma pausa. Um segundo, então ele começa a se mover para dentro e para fora. Ele está construindo um ritmo. Só posso segurar quando ele ataca meu pescoço com a boca, então meu seio, meu outro seio. Move-se todo o caminho até meu estômago, ainda trabalhando seus dedos, e eu o estou montando. Está apertando, a cabeça jogada para trás em sua cama, e estou tentando não gritar. Ele baixa os lábios, descansando exatamente sobre onde seus dedos estão empurrando. “Kennedy.” Um aceno suave. Olho para baixo, vejo o sorriso perverso, e arregalo os olhos. Então, ele tira os dedos e me beija. Sua língua desliza para dentro, e todo o meu corpo se aperta sobre as sensações. Deus. Sua língua está entrando e saindo. Ele está me circulando, deslizando de volta, e continua. Meus pulmões estão sendo apertados. Quero estender a mão, agarrar a cabeça, e me mover contra ele. A necessidade é tão poderosa, agarro punhados de seu cobertor. Me agarro, forçosamente me segurando. “Shay.” Estou ofegante. A pressão está sendo construída. Estou me aproximando do clímax, e não sei se posso lidar com isso. Ele está me lançando sobre ele antes que eu esteja pronta. Ele não vai abrandar. Sua língua continua trabalhando, e então começa a esfregar a minha protuberância, e é isso. É como se meu corpo caísse sobre a borda, e os tremores assumem, forçando meu corpo.


Shay levanta a cabeça, mas seus dedos voltam para mim. Eles estão lentos e suaves. Ele está ajudando a aliviar a agitação, e me abaixo, agarro seu pulso, mas não o impeço. Nossos olhos presos um no outro, os nossos rostos estão tão perto. Nunca tive um cara fazendo isso para mim, e isso me faz sentir como se estivesse despida e nua para ele. Nunca me senti nua com ele, mesmo quando minhas roupas estão fora, mas me sinto assim agora. Suas sobrancelhas juntam brevemente. “Você está bem?” Meu ar ainda está preso na minha garganta, então concordo. “Sim.” Engulo. “Nunca tive alguém fazendo isso antes.” A ternura o invadi novamente, e seu sorriso suaviza. “Não?” Seus dedos deslizam para fora de mim, e um brilho quente se espalha sobre o meu corpo. Ele escorre pela minha espinha, através de cada braço e perna, até mesmo os dedos dos pés. Está formigando, como se uma experiência fora-do-corpo simplesmente aconteceu. Rio com esse pensamento. Fale sobre um levantador de ego. “Do que você está rindo?” Ele se estende de volta em cima de mim, olhando para baixo. “Nada.” Enquadro ambos os lados de seu rosto. “Pronto para estudar?” Ele solta uma gargalhada. “Dê-me um segundo, então vou voltar e fazer tudo de novo.” Levanta-se da cama, e rola. Sua bunda, estou quase babando. É tão firme, mas sua parte da frente também é uma obra-prima. Ele volta para a cama, um preservativo na mão, e depois e se deita em cima de mim mais


uma vez. Descansa entre as minhas pernas, sua boca e a minha se encontrando no beijo mais doce que já tive, e não demora muito antes de ansiar por ele dentro de mim. Desta vez, quando ele entra, sua boca permaneceu na minha, e é lento, é suave, e é demorado. Shay leva o seu tempo, adorando meu corpo tudo de novo, até que explodo em torno dele. Então ele começa a empurrar cada vez mais duro. Acelera o ritmo, e acabo com minhas pernas em volta de sua cintura enquanto está batendo em mim por seu próprio gozo. Passo os dedos pelo seu cabelo enquanto ele se move para descansar de lado. Movo-me com ele, deslizando minha perna entre as dele, e puxo seu rosto de volta para o meu. Um último beijo. Ele é suave, como tantas outras coisas com ele hoje. É exatamente o que eu precisava. Ele se afasta, então me belisca mais uma vez. “O que foi isso?” “A coisa toda?” Ele descansa a cabeça na cama, olhando para mim. “O beijo.” Ele toca meus lábios por um momento antes deixar seus dedos caírem sobre minha barriga. “Foi legal.” “A coisa toda foi boa.” “Sim. Foi.” Se fossemos namorado e namorada, gostaria de dizer-lhe meus sentimentos do dia. Falaria sobre os idiotas na praça de alimentação, os idiotas de quem corri, os dois na minha classe que vão continuar a ser um problema. Diria a ele como o mundo pareceu tão pesado hoje, até que vim aqui e ele me beijou tão docemente e me tocou tão suavemente, como se soubesse que era exatamente o que eu precisava para empurrar o peso


para longe. Mas não faço, porque não somos. Isso é apenas sexo, mas uma amizade real está começando a brotar também. Não posso mentir sobre isso para mim mesma por mais tempo, e olho para ele. Pego a mão no meu estômago e entrelaço nossos dedos juntos. Ele levanta a cabeça, como se estivesse esperando que eu diga alguma coisa. Não posso. Não posso compartilhar isso. Ficaria muito exposta, muito vulnerável. Aperto sua mão uma última vez, em seguida, rolo para me sentar no lado da cama. Pego minhas roupas. “Nós provavelmente deveríamos estudar.” Ele se senta atrás de mim. Pensei que ele passaria por mim e começaria a se vestir. Ele não faz. Desliza atrás de mim, com as pernas vindo ao meu redor, e se envolve sobre mim. Puxa-me de volta até que estou descansando contra seu peito, e apoia o queixo no meu ombro. “O que está errado?” Fico tensa, mas lanço a ele um sorriso. “Nada.” Mantive o meu tom leve, embora saiba que ele sabe que estou mentindo. “Nós realmente devemos nos vestir, ou não vamos conseguir estudar esta noite.” “Kennedy...” Me afasto dele, fico de pé, com minhas roupas na mão. “Se importa se eu tomar um banho rápido?” Não espero. Corro e fecho a porta, estou sob a água como se minha vida dependesse disso. Faço então uma pausa. O que está acontecendo comigo? Lidei com idiotas antes. Por que eles ainda estão comigo? Ainda sob a minha pele? E por que estou correndo de Shay? Não estaria dormindo com ele se achasse que queria me


machucar. Não tinha necessidade de manter as coisas distantes, mas... não. Só preciso de um momento. A parede está baixa. Isso é o que é. Estou sentindo tudo. Não estou protegida. Uma palavra errada, um olhar errado, e ele tem o poder de me machucar. Estou completamente vulnerável. Demoro no chuveiro, tomando o meu tempo para me limpar e secar antes de voltar para o quarto. A parede está de volta e no lugar. Me sinto no controle novamente. Shay está em sua mesa, vestindo aquele moletom e camisa que usava quando abriu a porta do andar de baixo. Ele abaixa a caneta. “Melhor?” Balanço a cabeça, sentindo minha garganta apertar. “Muito.” Ele não está pedindo detalhes, mas sei que tinha sido afetada. Só não sei por que. Sento na cama e agarro minha mochila. Ele balança a cabeça, voltando para seu livro. Eu abro minha bolsa. “Não é você.” Ele olhou de volta. “O que é?” “Eu...” Olhei para minha mochila, embora não estivesse vendo. “Eu, hum, realmente não sei, mas não é você.” “Se você quiser falar sobre isso, vou ouvir.” Olho de volta para ele, vejo a falta de julgamento, a falta de expectativa, a falta de impaciência. Ele está lá para mim se eu precisar dele, e é isso. É o resumo do que cada amizade deve ser. Sem exigências. Sem pressão. Bem ali.


A mochila cai das minhas mãos, e me levanto, indo até ele. Ele move a cadeira para trás, e levanto minha perna, descendo em seu colo, ficando em cima dele. Talvez isso fosse aventurar muito longe para o território dos sentimentos, e ser mais do que amigos com benefícios, mas não me importa naquele momento. As mãos de Shay vão para as minhas pernas, e mergulho para encontrar seus lábios com os meus. Suspiro neles. Sentamos assim, beijando, ele me segurando, eu necessitando apenas desse toque dele até muito tempo depois, quando ele me leva de volta para a cama. Em seguida, ele está dentro de mim, mas uma parte de mim poderia ter passado a noite inteira assim, apenas o beijando.


CAPÍTULO VINTE E DOIS

Algumas horas mais tarde e meu estômago está rosnando. Estou estirada na cama, completamente vestida. Shay está em sua mesa novamente, e nós não falamos na última hora. É maravilhoso. É um daqueles silêncios onde nada precisa ser falado, exatamente como estar em casa. Ele olha para cima agora. “Quer sair para comer alguma coisa?” Verifico meu telefone. É por volta das dez. “O que está aberto a esta hora da noite?” Ele nomeia um restaurante local que fica aberto vinte e quatro horas, e por isso, é um ponto de encontro popular entre os estudantes. Rolo para o meu lado para que possa vê-lo melhor. “Você tem certeza que quer ir para lá?” Ele fecha seu computador. “Nós somos colegas, e temos um projeto em conjunto. Não há nada de errado com isso.” Dou de ombros. Tinha me escondido o suficiente para o dia. É hora de enfrentar o mundo, mesmo que seja uma lanchonete local. Giro meus pés e me sento. “OK. Vamos fazer isso.” Nós não demoramos muito. Calço meus sapatos e guardo as minhas coisas na minha bolsa, então espero enquanto ele vai ao banheiro. Ele coloca seu material na sua mochila, pegando as chaves na saída. Vou na frente, com sua mão na parte inferior das minhas costas, até que chegamos ao topo das escadas. Seu andar estava relativamente calmo, era outro


momento, também, mas podia ouvir vozes masculinas na cozinha no piso principal. “O que está errado?” “Será que eles sabem sobre mim?” Não sei se seu telefone está desligado, mas ninguém nos incomodou durante toda a noite. Acho difícil acreditar que Shay pode ficar um par de horas sem alguém enviar um email, ligar ou bater na sua porta. “Eles sabiam que tinha uma garota lá em cima, mas não que é você. Linde ficaria confuso.” É com isso que estou preocupada. Shay estuda o meu rosto. “Você ainda não quer que ele saiba?” “Eu-” Hesito, mordendo meu lábio. “Estou preocupada que ele vá olhar para mim de forma diferente.” “É o que eu esperaria que ele fizesse.” “O que você quer dizer?” Ele se move em torno de mim. “Vamos. Vamos continuar essa conversa no meu jipe.” Então, nós continuamos. Desço as escadas na ponta dos pés atrás de Shay. Quando ele percebe, começa a rir. “Eles não vão abrir a porta. Eles estão respeitando a minha privacidade. Eles são assim bons amigos.” Ainda permaneço em silêncio, à espera no último degrau com o coração na garganta, e uma mão em suas costas enquanto ele calça os sapatos. Quando ele termina, pega minha mão novamente, e abri caminho para fora, até a entrada de automóveis, e para o seu Jeep. Eu estacionei


atrás dele, mas mesmo enquanto pensava sobre apenas dirigir atrás dele, ele diz: “Nem pense nisso. Entre no veículo, Clarke.” Ouvir meu sobrenome desenrola o último dos nós no meu estômago. Por alguma razão, relaxo, e continuo assim no caminho para o jantar. Nós não retomamos a conversa até chegarmos a uma cabine nos fundos e fazer nossos pedidos. Uma vez que a garçonete sai, nossa água e café já preenchidos, pergunto: “O que você quer dizer sobre Linde olhando para mim de forma diferente?” Shay inclina a cabeça para ver atrás de mim antes de se concentrar em mim novamente. “Não vi ninguém que conheço na outra cabine.” Eu também não. “Shay.” Ele se curva para frente, pegando seu café. “Linde gosta de você. Estou dormindo com você. Sim, me chame de egoísta, mas não ficaria bem com ele olhando para você de forma diferente.” Sento lá. Atordoada. Ele percebe o meu olhar. “Você não sabia?” Eu balanço minha cabeça. “Você tem certeza?” “Sim.” Não havia dúvida em seu rosto. “Não acho que ele seja louco por você, mas sim. Ele está interessado.” “Pensei que éramos amigos.” “E ele pensou que desde que você não o odiava, que tinha tesão por ele.” Balança a cabeça, tomando seu café novamente. “Você pode querer lidar com isso antes que fique estranho.” “Vocês são bons amigos.”


“Olha.” Sua caneca volta para a mesa, e ele se inclina. “Não fui furtivo, se é isso que você está pensando. Ele não reivindicou você, e a merda que aconteceu entre nós estava acontecendo muito antes de perceber que ele estava interessado em você.” Arregalo meus olhos. “Não disse que você fez isso. Sem nenhum julgamento aqui.” Ele franzi a testa. “Talvez eu sinta alguma culpa, mas não deveria.” Sua mandíbula aperta, e seus olhos ficam encobertos. “Se você acabar indo a um encontro com ele, você e eu já não estaremos fazendo o que estamos fazendo. Não vou dormir com uma garota que meu amigo está namorando.” Sento lá e só posso piscar algumas vezes. Essas palavras vieram tão rápido e havia uma mordida nelas. Ele está com ciúmes. Certo? Faço uma careta. “Você está chateado comigo porque seu amigo está interessado em mim? Não vou namorar Linde. Não tinha ideia de como ele se sentia, até que você me disse. Pensei que ele era meu amigo, só um amigo.” “Mas agora que você sabe, isso muda seus sentimentos?” “Por ele?” “Sim.” Ele revira os olhos. “De quem mais você acha que estou falando?” Mas isso seria ridículo. Há uma regra. Nós não falamos sobre nós, embora isso é tudo o que estamos fazendo desde que chegamos para o jantar. Ou,

bem,

meio

que

estamos. Estamos,

mas

não. Estamos


definitivamente evitando falar sobre um aspecto de nós, o material emocional. Porque não há nada aí, tenho que me lembrar. Sexo e agora amizade. É isso. E ele é meu colega de classe. “Clarke.” “O que? Não. Não, não quero um encontro com Linde. Não iria querer namorá-lo, mesmo que você e eu não estivéssemos fazendo o que estamos fazendo.” “Bom.” E isso é tudo o que pode dizer, porque a garçonete retorna para pegar nosso pedido. Não olhei para o menu ainda. Shay diz: “Já sei o que quero.” A menina parece irritada. Ela tem uma expressão vidrada em seus olhos, e começa a bater em seu bloco de pedidos. Digo a Shay, “você pede, e eu vou olhar.” Ele toma seu tempo, parando para mim, e uma vez que ele termina, só pedi um muffin e algumas frutas. “Só isso?” Pergunta quando a garçonete sai. “Eu comi porcarias na última noite e na hora do almoço.” “Você quer continuar falando sobre Linde?” “Não.” Aceno minhas mãos entre nós. “Chega de falar de Linde. Não quero sair com ele. Não vou namorar com ele, e nunca houve qualquer intenção de sair com ele.” “Enquanto nós estamos sendo claros.” Seu sorriso está de volta no lugar, e maldição, uma parte de mim resolve apenas vê-lo. A amizade


esquecida neste momento. Rio baixinho, puxando meu laptop para fora da minha bolsa. “O que?” Olho para cima. “O que?” “Você riu de alguma coisa.” “Não é nada. Você tem esse sorriso que você dá quando está sendo arrogante. Você sabe que está sendo meio que um idiota, mas acha que é tão irresistível.” Suas sobrancelhas se erguem. “Isso é o que meu sorriso diz para você?” “Não? Você não pensa isso quando você está sorrindo?” “Não.” Ele balança a cabeça. “Só estou geralmente rindo de alguma coisa estúpida na minha cabeça. Nem sequer sei o que estou sorrindo metade do tempo.” “Bem.” Tenho que rir disso. “Seja o que você pense, funciona.” Estou começando a ter uma fraqueza quando se trata de seus sorrisos. Aponto

para

seu

livro. “Nosso

estudo

foi

drasticamente

cortado. Precisamos fazer mais disso, menos disso.” Aponto entre os dois de nós. “O que é isso?” Ele repete o mesmo movimento. “O que estamos fazendo?” “Nós estamos flertando.” Dou um olhar a ele. “Você sabe disso tão bem quanto eu, e isso só vai acabar com a gente não estudando e voltando para o seu quarto.”


Seus olhos aquecem. “Isso seria tão ruim?” “Sim. Se a minha nota média for afetada por isso que fazemos, nós vamos congelar o peru até minhas notas voltarem a subir.” Ele estala em atenção. O sorriso cai. As brincadeiras e flertes terminam, e ele tossi. “Operadores históricos e vigilância, hein? Vamos falar sobre isso.” Isso é mais parecido com ele.

***

Nós comemos nossa comida e estudamos por mais duas horas. É por volta da meia-noite quando saímos. Uma vez que estacionamos na rua em frente à sua casa, ele olha. “O que você quis dizer antes?” “O que?” “Você disse que não queria que Linde olhasse para você de forma diferente. Nós conversamos sobre o que eu quis dizer, mas não você. O que você quis dizer com isso?” “Oh.” Mexi no meu lugar, puxando a minha camisa e alisando-a. “É estúpido.” “O que é?” As luzes estão acesas em sua casa, e algumas pessoas estão saindo pela porta da frente. Penso que os reconheci, mas não tenho certeza. “É.... eu não sei como explicar vergonha de puta para um cara.”


Sua boca se eleva em um meio sorriso. “Você não acha que um cara sabe o que é isso?” “Você?” “Os caras são tão atentos e inteligentes quanto meninas. Existem alguns caras estúpidos, mas há garotas estúpidas, também. A mesma coisa com ser inteligente. Alguns de nós existem. Sim, sei o que é vergonha de puta. Você acha que isso é o que ele acharia de você?” “Acho que ele vai olhar para mim como se eu fosse uma prostituta. Nós estamos tendo sexo e não estamos namorando. Um monte de gente me chamaria de prostituta, mas te chamariam de pegador.” É por isso que a coisa de Pau Triturador pesa sobre mim tão fortemente, porque esses caras não estão com raiva do Carruthers. Eles estão com raiva de mim. Não tenho o direito de responder para ele, para defender uma amiga, ou me defender quando ele veio para mim. Ele pode fazer essas coisas, mas eu não. Essa é a cultura que eu vivo. Seguro essas palavras e apenas digo calmamente: “As regras são diferentes para as meninas.” “Você não é uma prostituta, e você não é uma puta, e sei que Linde não pensa em você desse jeito.” “Você ficaria surpreso com quem iria pensar em mim dessa forma. Você não sabe no que as pessoas realmente acreditam, no fundo, até que você faça algo que você não “deveria” fazer porque ‘não é seu direito.' Como ser estuprada, garotas não devem dizer não, certo?” Ele prende a respiração, os olhos duros nos meus. “Você realmente acha isso?”


“Não, mas sei que alguns pensam dessa forma. Todos aqueles idiotas que vieram para mim hoje. Carruthers, os caras da praça de alimentação, os caras de quem fugi antes da minha segunda aula, eles não disseram nada sobre como Carruthers fisicamente me atacou. Eles ficaram loucos porque eu o humilhei.” Ele fica em silêncio por um momento. Falei demais. Já estou lamentando, e então ouço dele: “De que caras você fugiu?” Os cabelos na minha nuca se arrepiam. O lado perigoso de Shay está olhando para mim. Ele está furioso, mas está se contendo. Mal. Sinto o perigo sob a superfície. Um calafrio desce pela minha espinha. Minha boca está seca. “Apenas alguns idiotas. Me livrei deles.” “E que caras na praça de alimentação? Você teve problemas em sua segunda aula?” “Shay...” Começo, mas paro. O que posso dizer? “O que você vai fazer? Caçá-los e vencê-los? Você percebe com quantos caras teria que fazer isso? Você seria expulso da equipe. Para cada um que você batesse mais dois surgiriam. É interminável. Você não pode bater em todos.” Ele amaldiçoa, sua mandíbula apertando quando se recosta no banco e passa a mão sobre o rosto. “Não quero eles brincando com você.” “Sim mas...” “Não com você.” Fico em silêncio, sentada com ele por um minuto. “É sempre diferente quando é alguém que você conhece.”


Ele franzi a testa, dizendo tão suavemente que quase não ouvi, “Sim.”


CAPÍTULO VINTE E TRÊS

Estou saindo pela porta dos fundos no meu corredor quando a porta do meu quarto se abre. Missy está ali. Ela me vê e morde o lábio. Está segurando seu telefone no peito. Faço uma careta. “O que é isso?” Shay me convidou para dormir novamente, mas pensei que seria melhor ir para casa. Eu posso ir até lá. Nós dois sabemos o que faríamos, e posso passar a noite. Uma parte de mim quer. É a parte que gosta de estar em torno de Shay, a parte que gosta do seu toque, mas há outra parte de mim que não quer voltar para meu dormitório. Eu não sei por que isso, e ignorei isso essa noite. Além disso, as coisas apenas começaram com Shay e eu. Passar a noite é demais, muito rápido. Seria muito difícil ignorar a amizade, e surgir algo mais se fizer isso. Mas agora, vendo as linhas tensas em torno da boca de Missy e as bolsas sob seus olhos, eu desejo ter ficado. Estaria enrolada na cama, sem sentir meu interior cair no chão. “Eu tenho ligado para você. Você não verifica seu telefone?” Merda. Meu telefone estava tocando uma e outra vez toda a noite, mas achando que eram apenas alertas para minhas mídias sociais, eu desliguei. “Estou aqui agora. O que é isso?” “Suas amigas do segundo andar, uma delas está no hospital.” “O quê?” “Você deve chamar Kristina.”


O pânico gelado corre por minhas veias enquanto cavo na minha bolsa, virando e caminhando ao mesmo tempo. Estou olhando para o chão quando a linha conecta ao telefone da Kristina. Começa a tocar, e atravesso a porta pousando no chão. Estou correndo para o quarto delas. Se elas não estiverem aqui, talvez tenha uma nota na placa da porta, ou talvez alguém mais saiba. Um segundo toque. Estou à sua porta, procurando. Não consigo encontrar nada além dos rabiscos normais dos amigos de Casey. O telefone toca uma terceira vez. Uma porta se abre mais adiante no corredor, e Sarah aparece. Seus olhos arregalados se enchem de lágrimas, e ela funga, pressionando um Kleenex em seu nariz avermelhado. “É Casey.” “O

que

aconteceu?”

Pergunto

quando

Kristina

respondeu:

“Kennedy?” “Kristina!” Exclamo. Meu coração está bombeando tão rápido. “O que está acontecendo? Algo aconteceu com Casey?” Ela fica quieta. “Ela bebeu demais. Eles tiveram que esvaziar seu estômago. Sarah se aproxima de mim e pergunta em voz baixa: “O que ela está dizendo?” Faço uma careta. Ela não sabe, mas pergunto a Kristina: “Ela está bem?” “Sim, mas ela quer que você venha aqui. Ela disse que vai fazer uma declaração e você sabe o que é.” O estupro.


Todo meu interior se abre. Tudo cai. Eu só posso dizer: “Ok.” Kristina parece tensa. “Eu não sei o que está acontecendo, mas você pode chegar aqui o mais rápido possível?” “Claro.” Estou voltando para a porta de trás novamente. “Ei.” Sarah corre atrás de mim, sua mão esticada. Ela está mordendo o interior de sua bochecha. “Ela está bem? Podemos ir?” “Uh.” Mudo as perguntas, e a resposta de Kristina é tão moderada. “Casey não quer vê-las. Isso é tudo o que ela vai dizer.” “Isso é ridículo.” “Eu sei, mas essa é sua vontade.” “OK. Estou saindo agora mesmo. Estarei aí em alguns minutos. Diga-me o número do hospital e do quarto.” Desligo, e Sarah se aproxima ainda mais. As duas mãos estão pressionadas contra o peito, segurando-se naquele frágil Kleenex. Ela está esperando. Eu odeio isso. “Ela não quer vê-la, mas ela não disse nada sobre ficar no lobby do hospital.” “Você está dizendo para ir?” “Você decide.” Volto para o meu carro. Os textos surgem um momento depois, e sei qual e onde é o hospital. Demora dez minutos com quase nenhum trânsito, e não tenho que me perder nem dirigir a procura do estacionamento. Gage chegou a este mesmo hospital e sala de emergência há um ano com uma perna quebrada, então estou familiarizada com o lugar.


Entro, esvazio meus bolsos para o guarda de segurança e faço o mesmo para a enfermeira que ocupa a última entrada da sala de emergência. Kristina está fora do quarto de Casey, seus braços se abraçando e a cabeça dobrada. Meu coração dói quando a vejo assim. Casey a está preocupando. Ela não sabe o porquê, mas ela ficará mais doente assim que descobrir o motivo. “Ei.” A cabeça de Kristina aparece, e ela abre os braços. Eu vou direto para eles. Passo uma mão pelo braço dela. “Como você está?” Ela balança a cabeça, recuando. “Confusa. Preocupada. E uma tonelada de outras emoções.” Aceno com a cabeça para a porta. “Ela está acordada?” “Sim.” Ela se vira. “Ela estava em uma festa. Laura e Sarah não reconheceram os nomes dos rapazes que jogaram isso. Acho que foi onde ela ficou ontem à noite.” “Eu pensei que ela estava no meu irmão.” “Eu também, mas acho que não.” Kristina parece tão dilacerada, e tomo uma decisão. Pego sua mão. “Venha comigo.” “O quê? Não. Casey não me quer lá. Ela disse apenas você.” “Confie em mim. OK?” Com olhos largos e temerosos, ela faz, e eu guio o caminho para dentro. Casey me vê primeiro, e posso ver a exaustão sobre ela. Ela parece dobrar na cama, e está tão pálida que quase se mistura com os lençóis


brancos. Nunca vi alguém tão doente. Seus lábios estão rachados e manchados com uma substância de carvão preto, e seu cabelo está emaranhado em nós. Então ela vê Kristina, e vai para trás. “Não,” ela começa a dizer. “Ouça-me.” Meu interior está tenso e torcendo em nós de pretzel, mas minha voz está calma. Eu sei que meu rosto também parece. Estou canalizando uma deusa do Zen e trago Kristina mais fundo na sala. “Casey, não posso fingir ter entendido o que está passando, mas posso tentar imaginar o que gostaria em sua situação. Gostaria que as pessoas mais próximas estivessem perto de mim. Gostaria de ganhar força com eles. É sua mão que gostaria de segurar, eu entendo. Mesmo. Sei o que aconteceu, mas não estou no seu círculo íntimo. Nós compartilhamos refeições, alguns filmes, mas só isso. Eu não sou sua colega de quarto, sua melhor amiga ou mesmo sua mãe. Você tem que dizer a elas.” Ela começa a chorar enquanto falo, e quando termino, lágrimas gordas descem livremente em seu rosto. Ela não está tentando detê-las. Quando fala, é a pequena garota de seis anos dentro dela. “Vai ser real se elas souberem.” “Eu sei.” Cubro a mão dela com a minha. “Eu sei, mas é real de qualquer maneira. É hora de informá-los.” “Você ainda pode ficar? Pedi à enfermeira que ligue para a polícia.” “Claro.” Ela concorda, soluçando antes de agarrar a mão de Kristina. Sento no canto, mas já não é meu lugar. Estou lá para dar apoio. Estou lá para dar a Kristina as respostas que sei, mas ela é a pessoa mais


próxima de Casey. É hora de me substituir, e ela faz. Casey cruza os braços, e pouco tempo depois ela chama Laura e Sarah. Eu saio da sala quando elas entram. Fico fora da sala, esperando um pouco. Kristina sai alguns minutos depois, me abraça e me agradece, mas não precisa. Não fiz muito. É a minha sugestão final de que posso sair, e enquanto caminhava de volta ao corredor, duas policiais estão indo na direção oposta. Paro uma vez para vê-las bater na porta de Casey, e ouço dizer: “Miss Winchem?” Bom. Concordo comigo com a cabeça. Ela parece bem. Parece legal, paciente. Ela não vai entrar naquele quarto e tratar Casey como se fosse uma piada ou pediu por isso. Não ouço essa condescendência. Depois de sair do hospital, não dirijo para o dormitório. Se Missy souber disso, ela terá dúvidas, e quando lhe der uma vaga ideia, tem ainda a aparência. É sempre a aparência. Dirijo para o Shay e, depois de mandar um texto, ando por sua entrada, passando por todos os veículos de seus companheiros de quarto e piso no pátio. Espero por dentro da porta dos fundos e, um minuto depois, ele abre por dentro. Sinto-me bem com ele, sentindo sua mão nas minhas costas e sentindo seus braços ao meu redor. Sei que algo está acontecendo. Estou sentindo alguma coisa. Ele senti algo. E talvez eu deva me importar, mas não naquela noite.


Naquela noite, dormir em seus braรงos, pareceu como a coisa mais certa do mundo.


CAPÍTULO VINTE E QUATRO

Shay está se movendo pela sala. Ainda está escuro, e sinto o frio da manhã no quarto. Posso ouvir o sussurro de suas roupas enquanto ele se aproxima da cama, e pergunto em torno de um bocejo: “Você se levanta tão cedo?” Ele ri suavemente e depois liga uma lâmpada. “Sim. Desculpe.” Ele está vestido com roupas esportivas Dulane - uma jaqueta leve Dulane e moletons leves de Dulane. “Alguns de nós corre de manhã.” Ele parece condensadamente bom, mas gemo. “Você não é humano. Vocês têm aulas o dia todo, depois pratica, e nós não dormimos muito ontem à noite.” Sua boca se curva. Gesticulo para ele, mesmo meu braço e a mão parecem cansados demais para estarem acordados. “Agora você está indo correr?” “Se eu não for, os caras vão querer saber o que está acontecendo.” Ele senta na cama ao meu lado, sua mão esfregando minhas costas. “Como você está? Você não falou ontem à noite.” Balanço minha cabeça. Aqueles pensamentos eram sérios e uma conversa séria. Também é cedo demais para isso. “Eu vou te contar mais tarde.” “Mas você está bem?”


Eu concordo. “Sim, estou.” Gemo de novo. “Minha companheira de quarto provavelmente está enlouquecendo. Acho que ela estava me ligando na noite passada e não respondi.” “Sobre o que?” Acordo com isso, outro bocejo. “Isso é para mais tarde também.” Uma batida suave soa em sua porta. Sua mão corre pelas minhas costas. “OK. Volto em uma hora.” “Você corre por uma hora inteira?” Eu me aconchego, puxando os cobertores apertados em torno de mim. “Você é insano. Estou dormindo com um homem louco.” Ele ri. Um olhar passa em seus olhos, mas desaparece em um instante e ele para, atravessando a sala. Ele pega o telefone e abre a porta. Ouço um suave e abafado, “Estou pronto.” Então a outra pessoa pergunta: “Eu não tinha certeza se você estava vindo. Achei que você ignoraria...” Sua voz se apaga. Fico tensa, reconhecendo a voz de Linde. Shay apenas ri. “Não. Estou pronto para ir.” “Eu tenho certeza que você está.” Luto contra os meus olhos, segurando minha respiração, mas Shay manteve-se como uma barreira. Linde não pode me ver, não enquanto Shay está na entrada. Um segundo depois, ele sai e fecha a porta. Eu escuto, mas mal consigo ouvi-los descer as escadas e sair. Pego meu telefone, procurando mensagens antes de voltar a dormir. Excluindo todos os textos de Missy perguntando onde estou, demoro sobre a que foi enviada depois que eu já tinha ido para o hospital.


Missy: Não tenho certeza do que está acontecendo, mas estou aqui se você precisar de mim. Isso foi legal da parte dela. Envio uma resposta, sabendo que ela não liga o telefone até sair para as aulas matutinas. Eu: Eu estou bem. Dormi com um amigo. Volto mais tarde. Tenha um bom dia. Não espero uma resposta, e rolo, jogando meu telefone no chão. Um segundo depois recebo uma surpresa. Missy: Bom. Acordada a noite toda. Estava preocupada. Se você estiver bem, então vou voltar para a cama. Eu me encolho, murmurando para mim mesmo, “E o prêmio para a companheira de quarto mais insensível vai para... “Eu: Desculpe. Pensei que iria dormir, mas estou bem. Desculpe de novo.” Missy: Não há problema. Boa noite, bom dia! Eu sorrio, abaixo meu telefone de volta ao chão e me enrolo. Estou dormindo em segundos. Um estrondo me acorda pela segunda vez, e avalio o meu redor. Shay ainda está desaparecido. A porta do banheiro está aberta então ele não está lá. Procuro por suas roupas de corrida, mas não as vejo caídas em uma pilha. Pego meu telefone, dormi uma hora. Provavelmente ainda estão fora, mas ouvindo um segundo golpe, percebo que é da cozinha. Os caras estão de pé. Isso significa que provavelmente não estou mais dormindo, então, com muito esforço, cedo pela manhã, levanto, uso o banheiro, me visto e pego minhas coisas. Estou descendo pelas escadas quando um rugido de


riso vem da cozinha. Aperto, ficando contra a parede por um segundo, mas ninguém abre a porta. Deslizo para fora, me sentindo como uma criminosa. Estou no meu carro quando ouço uma batida leve de pés. Olho, o grupo de caras está voltando para a casa, mas dois interrompem e vêm em minha direção. Shay está na frente, e Linde está ligeiramente ao lado e atrás dele ao mesmo tempo. Ambos diminuem quando chegam ao meu carro. Shay para a alguns metros de mim, mas Linde parece quase estranho. Seus olhos estão mais abertos do que o normal, e uma sombra se forma neles segundos antes de seus lábios se pressionarem juntos. Shay está olhando entre nós dois, apenas esperando. “Então.” Linde apoia uma mão no topo do porta-malas do meu carro. O suor brilha em seu rosto, rolando para encharcar suas roupas e seus sapatos no cimento. Seus fones de ouvido estão pendurados ao redor de seu pescoço, as cordas levavam ao bolso da camisa. “Isso está acontecendo.” Shay está suando, também, mas sem fones de ouvido. Ele se endireita, ambas as mãos em seus bolsos. Seus ombros estão ligeiramente encurvados. Ele não diz nada. Eu tento por um sorriso. “Uh, sim. Nós não estamos namorando ou nada.” Deixo a vergonha entrar, e compartilho um olhar com Shay. Ele balança a cabeça, o mínimo de contrações, e sei que está me dizendo para não me preocupar com isso. Linde foi um dos meus primeiros amigos. Eu vou.


Linde ergue o olhar entre nós devagar. “Vocês estão apenas fodendo? É isso?” Shay abre a boca, mas então Linde levanta as mãos. “Veja. Não é da minha conta. No entanto, se este palhaço a machucar, me avise. Eu vou foder um pouco com ele na prática um dia. Talvez o aperte demais, então ele tem que perder um jogo.” Shay resmunga, embora está sorrindo. Linde está escondendo um sorriso, mas parece forçado. Aquela sombra ainda demora em seus olhos. Ele ergue a mão em um adeus, voltando para a calçada e em direção à casa onde os outros foram. Shay espera até que ele se aproxima da entrada antes de apontar para o meu carro. “Decolando?” Olho ao redor. Além de nós, toda a rua está vazia. As casas são tipo charutos. Gramados brilhantes, verdes e cuidados. Nenhuma das varandas tinha pintura desvanecida ou paredes lascadas. Os telhados são até brilhantes, como se tivessem acabado de ser construídos. Flores brilhantes em vasos nas paisagens, e há um cheiro de orvalho fresco no ar. Eu murmuro: “Posso ver por que você corre essa hora. É pacífico.” “É um bom começo para o dia. O treinador depende de nós fazermos este condicionamento extra. Nós fazemos treinos e examinamos peças para práticas. E levantamos pesos. Levantamos muito peso.” Ele fica parado, suor escurecendo a frente de sua camisa, brilhando em sua testa, e passa uma mão pelos cabelos, sacudindo o excesso de suor. Com as maçãs do rosto altas, lábios perfeitos e beijáveis e seus olhos azuis,


lembro-me de quem está diante de mim. Shay Coleman, do nível superior da Universidade de Dulane. Ele é o topo, como Gage o descreveu. E estou dormindo com ele. Eu rio para mim mesmo. “Acho que eu odeio você desde o primeiro dia porque você é tão presunçoso.” “Ok. Nós estamos indo aí.” Ele assenti, suspirando. “Eu sou presunçoso?” “Você sabe que você é.” “Eu pensei que você era engraçada.” Seu lábio se contrai. “E arrogante.” “Sim. Esse meu sorriso. Eu posso sorrir mais, se quiser. Você deve sentir falta dele.” Eu o explodi, meu sorriso se aprofundando, mas não queria dizer isso. Eu me inclino contra meu carro, e Shay chega, a mão descansando no meu ombro. Ele está meio inclinado sobre mim, meio me observando com a cabeça inclinada para trás, como se não estivesse certo do que está a caminho. “Eu estou tentando dizer que se pensasse que estaria aqui quando você entrou pela primeira vez na classe, teria me mantido um burro.” “Nem em sua bunda. Eu gosto da sua bunda. É deliciosa.” Ignoro seu flerte. “Estou apenas sendo introspectiva. Comecei a faculdade com o plano de fazer amizade com uma, talvez duas pessoas, e estudar. Iria a lugares. Não haveria meninos, nem fofocas, nem baladas. Eu não iria me envolver em nenhum drama e avançando algumas semanas, estou dormindo com o quarterback estrela, sou amiga de um


iniciante ofensivo, e vim na noite passada porque deixei o hospital onde um garota que eu pensava que tinha tudo, decidiu denunciar seu estupro.” O sorriso alegre desaparece, e seus olhos ficam sérios. Sinto que as piadas acabaram, como a luz do sol afugentando a escuridão. Lento, gradual, mas inevitável. Solto um profundo suspiro. “Estou falando de Casey e Matt Carruthers, e me escondi ontem. Não posso mais me esconder.” Sua mão se aproxima do meu ombro. Seu polegar começa a esfregar lá, de um lado para o outro, em um movimento reconfortante. “Você mencionou os caras antes. Eu ainda quero saber quem são.” “Eu sei que você quer.” Ele espera que eu continue. Quando não faço, ele diz: “Você não deveria lidar com eles sozinha.” “Você pensa isso, certo?” Tento sorrir, mas não estou sentindo isso. Aquele peso volta, e não está mais em meus ombros. Está pressionando no meu peito. “Casey relatou a violação. Esse é um grande passo.” “Você tem alguma experiência com isso?” “O quê?” Ele levanta um ombro, sua cabeça balançando em direção a ele. “Você sabe, ser atacada. Sexualmente.” Esperava que ele começasse a puxar seu colar ou mexer em seus pés, mas ele não faz. Ele faz a pergunta, e espera, aguardando por mim para dar-lhe a resposta.


Um pequeno fio de orgulho floresce no meu peito, afastando um pouco dessa pressão. “Não sexualmente, mas as meninas não eram legais no meu último ano de ensino médio. Elas vinham para mim duro e brutal. Eu não sei se você sabe disso, mas eu meio que tenho problemas com confiança e emoções.” “Não.” Ele fingi estar surpreso, com a boca aberta. “Mesmo? Eu nunca adivinharia.” Rio e bato nele novamente, mas desta vez, ele pega minha mão e segura contra seu peito, me puxando mais perto até seu lado tocar o meu. Por um segundo, ele olha nos meus olhos, e então diz suavemente: “Eu entendo os problemas de confiança, mas gosto de você, apesar deles. Talvez eu goste de você por causa deles.” Minha respiração fica presa na minha garganta. Inclino minha cabeça para trás e ele encosta, seus lábios estão a um fio de cabelo de distância. Eu murmuro: “Você gosta de mim? Gosta, tipo gostar, de mim?” Aquele sorriso aparece novamente, quase me provocando. Digo, “Você deve prestar atenção, Coleman. Eu acho que você pode estar se movendo muito rápido.” Os extremos de sua boca baixam, e ele recua um passo. “O que?” “Quero dizer, se estamos tendo essa conversa sobre sentimentos. Isso é tudo o que estou dizendo. Faz quatro dias.” “Eu disse que gosto de você, não que estou apaixonado por você.” Ele se afasta ainda mais para trás, apertando a mandíbula. “Foda-se, Clarke. Eu te fodi as últimas duas noites e estive duro por toda aquela


primeira noite. Você acha que faria tudo isso por uma garota que não gosto? Como, não gostar, nem nada. Eu concordo totalmente. Esta não é uma conversa de “namoro,” como você continua jogando essa palavra.” A raiva aperta suas feições, apertando seus lábios e puxando as sobrancelhas juntas. “Você pode querer considerar que este pensamento é sobre você e quem quer namorar, não eu. Talvez eu seja um cara normal, não o tipo para sexo?” Sou apanhada por isso. O ar deixa meus pulmões, e não tenho nada para disparar de volta. Não no início, então, uma torrente inteira borbulha. Eu me mantenho longe do meu carro. “Você está brincando comigo?” “Não, mas também não vou levar essa besteira. Você não pode falar comigo, Clarke. Eu gosto de você, mesmo você sendo malditamente briguenta, a única que me faz rir porque é tão óbvio que tem problemas de confiança, aquela que deve ter sido esmagada por um idiota tão forte que esconde o quão bela é de todos, mesmo de si mesma. Eu não sei quem é esse cara, ou o que ele fez com você, mas não sou esse cara. Posso ser um idiota às vezes. Admito isso, mas não sou o cara de quem você precisa fugir. É normal dizer que eu gosto de você. Isso é uma coisa normal a fazer.” Minha mente está atrapalhada. Não tenho ideia do que está para cima ou para baixo. “Do que você está falando?” “Nada.” Ele levanta as mãos, se rende e recua. “Eu não estou dizendo nada. Não estamos namorando. Acho que nem somos amigos,


mas oi, se você quer foder com força, você quer ver estrelas, acho que sou o cara para isso.” Ele balança a cabeça se vira e sai. Dirijo de volta à escola, mas não é até que estaciono e estou caminhando até o meu dormitório, que percebo que nem me lembro da viagem. E estou fisicamente aqui, mas nada mais deixou a rua de Shay. Eu ainda estou pensando no que diabos aconteceu.


CAPÍTULO VINTE E CINCO

Quando vou para a minha primeira aula, depois a minha próxima, depois o almoço, e finalmente a última antes de ir para casa, um estranho déjà vu me atinge. Tudo voltou ao normal. Nenhum rapaz gritou para mim. É como se o vídeo da Pau Trituradora não tivesse acontecido. Missy voltou a ser a pessoa condescendente, mas passivamente amigável. Holly e a prima pararam depois que as três foram jantar juntas. Não tive telefonemas. Nenhum. Gage se escondeu ou enviou meus amigos para me encontrar ou me ligar. Até Sabrina, a linda amiga de Shay, está ocupada estudando na mesa. Ela não olha para dizer oi. Sem Linde. Sem Shay. Sem reuniões de grupos de ciências políticas. A única diferença é que também não há Kristina, e isso significa sem Casey, Laura ou Sarah. Entendo essa parte. Elas tiveram uma noite agitada. Se estiverem por perto, não tenho dúvidas de que estão dormindo. As ressacas emocionais são uma coisa, e depois que Missy e sua equipe partem, estou sozinha. Tipo realmente sozinha, sozinha como pré-Shay. Parece glorioso. Bem, talvez não. Não me sinto bem sobre Shay, mas vou vê-lo em um dia. Poderíamos resolver o que aconteceu na rua dele. Até então, estudo o conteúdo do meu coração. Pesquiso no computador do meu


dormitório e até consigo passear. Roubei alguns dos papéis de impressão do computador, enfiando-os na frente da minha camisa. A minha inaptidão interna está a caminho da força total. É como se estive em torno de pessoas “legais” demais para o meu sistema. Estou me rebelando. Precisava de uma saída, e me entreguei. Todos os marcadores coloridos saíram. Não apenas as cores primárias, todas elas. Uso rosa para um livro didático e adiciono o roxo no próximo. Todo o cuidado é lançado ao vento. São apenas oito, mas vou à biblioteca. Eu realmente deixo minha loucura sair. Uma bebida energética. Café do carrinho. Meus próprios Twizzlers desta vez. Mesmo um saco de doces de chocolate. Estou louca com a cafeína e o açúcar, e então encontro uma sala de estudo vazia no topo e no canto mais isolado da biblioteca. Fico até a meia-noite. São alguns dos melhores estudos que tive. Sempre. Alucinante. Deixei-me levar e renovo os meios termos que surgem. Estou quase babando quando volto para o dormitório. Estou em elevado nível nerd, não pensando em Shay e toda a confusão na minha vida. O dia fez sentido. Tudo está de volta à ordem. Estou estudando e preparada. Saio da biblioteca e desvio uma calçada que corta para o meu dormitório. Eu não sabia que eles estavam escondidos no mesmo conjunto de árvores onde Gage e eu conversamos sobre Casey. Ou que, ao passar por eles, procuraram ter certeza de que ninguém mais estivesse por perto. É


segunda-feira à noite, e é quando a biblioteca fecha. Todos ficam até por volta das dez, então mais alguns ficaram até onze e meia. Somente o mais determinado ou o mais desesperado permanece até o horário de fechamento real, e sou um desses. Estou determinada. Eles também. Eles vieram atrás de mim. Duas sombras caem sobre a minha. As sombras são lançadas à minha frente, já que a luz maior é da biblioteca atrás de nós. Olho para baixo, meio segundo, e os vejo. Os cabelos na parte de trás do meu pescoço estão de pé. Outra metade de um segundo. Algo longo e grosso cai de uma das mãos do cara. Outra metade de um segundo. É um bastão. Outra metade de um segundo. O medo se acumula no meu interior e eles estão levantando o bastão. Outra metade de um segundo. Eles vão me atacar. Eu me viro, um grito arrancando das minhas profundezas e o bastão me acerta no rosto. Para o grito, paralisa dentro de mim, e depois mais meio segundo. Estou caindo. Olho, meu rosto queimando, e vejo o fundo de seus sapatos antes de tudo ficar preto. Três segundos. Isso foi tudo que demorou.


**** O cheiro me acorda. É ruim e metálico, mas os sons são próximos. Como a sirene de uma ambulância. Está dando voltas e voltas, e é tão alto. Está ficando mais alto. Quero cobrir meus ouvidos. Isso machuca. Quero que a ambulância passe por mim, mas nunca faz. Ela continua chegando. Continua ficando cada vez mais alta, gritando incessantemente e depois ouço as vozes. Um homem e uma mulher. Sinto dois dedos pressionando meu pulso. Isso também doe. Eu quero dizer-lhes para parar, mas não posso. Quero acordar e me mexer, mas não posso fazer nada. Estou presa. “BP é ...” Mais sons e alarmes soam. Eu não posso ouvir o que a mulher está dizendo. O cara pergunta: “Pulso?” Ela diz algo novamente. Posso abrir meus olhos. Olho para cima - o teto é branco. Tremo. Não, estou em um veículo, e isso me abala. Não consigo me mexer. Meu pescoço parece como se estivesse em chamas, e estou presa. Meus braços, mãos, pernas. Estou amarrada a uma cama, uma maca. Estou em uma ambulância. “Senhorita.” A mulher se inclina sobre mim. “Senhorita, nós chamamos sua família. Seu irmão vai nos encontrar no hospital.” Mas... Tento falar. Minha boca não pode se mover. O que está acontecendo?


Então minhas pálpebras estão caindo novamente, muito pesadas, e adormeço me perguntando uma coisa: por que estou indo ao hospital? **** Um sinal sonoro baixo e constante me desperta primeiro. A dor realmente me acorda em seguida. Abro os olhos e é um teto diferente. Este é nu. Há plissados em prata. Sigo um e vejo algumas cortinas penduradas em cima das hastes. Desta vez, posso abrir minha boca. Posso virar minha cabeça. Não estou mais amarrada, e olho para cima, meu corpo inteiro gritando para não me mover. Faço de qualquer jeito. Gage senta-se na cadeira ao meu lado, com a cabeça apoiada na mão. Seu peito levanta e uma respiração profunda sai. Não digo nada, não no início. Minha boca doe, mas Gage não parece bem. Ele está pálido, há manchas roxas sob os olhos dele e rugas tensas em torno de sua boca. Essas apareciam sempre que ele está sob estresse. “Você está acordada?” Olho para o outro lado. Lentamente. Deus, doe. Uma enfermeira se aproxima da cama, uma prancheta na mão, sussurrando: “Tem muita atividade por aqui por causa de você.” Olho de novo para ver se Gage acordou, mas ele não tinha. A enfermeira toca dentro de meu pulso, observando seu relógio. Pergunto, minha voz tão rouca: “Estou no hospital?” Ela concorda, contando a respiração, “Dez.... nove... oito ...” Uma vez que ela termina, escreve um número na prancheta. “Sim. Sabe o que aconteceu?”


Há dor. Névoa. Uma imagem de uma silhueta, então algo grande. Eu gemo enquanto tento me lembrar. “Não.” “Você está com dor?” Eu concordo. “Sim.” Outro gemido de mim. Ela pega um IV e aperta alguns botões em uma pequena caixa pendurada nele. “Sua morfina deve estar baixa. Eu comecei outra dose.” Ela pega um medidor de pressão preto. “Preciso medir sua pressão sanguínea. Você está bem com isso?” Levanto meu braço tanto quanto posso, e ela o aplica. Pressiona um botão acima de mim, e o manguito aperta até sentir como se me cortasse todo o braço. Ela murmura, observando os números, “O que você lembra?” Digo a ela quando uma máquina toca, e esses números também são anotados. Ela olha para mim um momento. Estou esperando que ela preencha as lacunas, para me explicar tudo, mas não faz. “E- Ei!” Gage acorda, levantando-se na posição vertical. Sua mão me alcança, e ele se levanta do assento. “Você está bem?” Ele procura meu rosto. “Sim.” “Os seus sinais vitais são todos normais.” A enfermeira deu-nos um sorriso alegre. “Eu vou deixar o médico saber que você está acordada. Ele vai querer falar com você.” “Você está com dor?” Gage pergunta quando a porta fecha atrás dela.


“Ela começou a morfina ou algo assim.” Faço uma careta. A dor de cabeça ainda estava lá, e não posso esperar para que ela vá embora. “Gage, o que aconteceu?” “O que você lembra?” Eu digo a ele o mesmo, e, como a enfermeira, há um momento de silêncio. “O quê?” A silhueta, a coisa negra perto dela. Por que está piscando na minha memória? “Gage. Conte-me. Por favor.” O medo começa a florescer sob minhas costelas, espalhando por toda parte. Ele apenas olha para mim antes de apertar os olhos. Solta o ar e os ombros caem drasticamente. Ele concorda. “Ok.” Sua mão vem para a cama atrás de mim, e seus dedos se enrolaram em torno disso. “Você foi atacada...” Enquanto ele fala, a silhueta se torna uma. “... Matt Carruthers e outro cara esperaram que você saísse da biblioteca...” estava escuro. Depois da meia-noite. Não havia mais ninguém. “... O outro cara bateu com um bastão.” O bastão balança, e me afundo na cama como se me atingisse novamente. Eu posso sentir isso “... então Carruthers chutou você...” Na cara. Eu olho para cima, e um pé está levantado. Não consigo me mexer. Estou revivendo a coisa toda. Uma gotícula pousa na minha mão, e olho para baixo. Estou chorando. Eu não faço ideia.


Gage faz uma pausa, mas descarto: “Diga-me o resto.” “Não há muito depois disso.” “O que?” Ele levanta um ombro. “Uma dos bibliotecárias estava saindo e viu tudo. Ela gritou e ligou para o 911 imediatamente. Eles fugiram, mas as câmeras do campus os pegaram. Sabiam que foram eles. Falei com o agente de segurança, mas, como Dulane não tem sua própria polícia do campus, a polícia da cidade vai acusá-los. O detetive parou aqui esta manhã. Ele disse que provavelmente tem provas suficientes para que você não tivesse que testemunhar, além de todo o vídeo de antes mostrar claramente Carruthers avançando em você primeiro. Foi autodefesa, embora o policial tenha dito que você foi um pouco longe com isso.” Um meio sorriso quebra a máscara de cansaço. Ele passa a mão pelo rosto. “Merda, Kenz. Eu estava tão preocupado com você. Todos estamos.” Sento lá. A coisa toda é inacreditável, mas lembro-me disso. O medo ainda está lá, e espero. Não tenho ninguém para ter medo. A raiva virá, mas depois de mais um minuto de espera, faço uma careta. Não está lá. É apenas medo. “Kenz?” Gage está me observando. Ele inclina a cabeça para o lado, seus dedos se desenrolam do trilho para que possa chegar em minha direção. “O que está acontecendo aí?” Balanço minha cabeça. Um nó está na minha garganta. Não quero ter medo.


Não quero ser nada. Empurro isso. Talvez seja a morfina. Talvez seja eu, mas não sinto. Estou entorpecida e sorrio para o meu irmão. “Estou bem.” “Você está mentindo.” Nós ouvimos vozes perto da porta, e Gage olha para ela. Ele se inclina para a frente novamente, deixando a voz diminuir. “Nós podemos conversar sobre isso mais tarde, mas você tem que falar sobre isso. OK? Você precisa. Você não pode manter as coisas engarrafadas aí dentro.” A porta se abre e um médico entra atrás da enfermeira. Sou cutucada, pressionada e interrogada nos próximos trinta minutos. Eles me disseram que sofri uma concussão, e metade do meu rosto parece uma cebola vermelha gigante. Além disso, o médico disse que tive sorte de que a bibliotecária estivesse lá. Sinto um arrepio. Antes de partir, depois de verificar outra série de sinais vitais, o médico diz que posso ir para casa pela manhã. Ele pergunta a Gage: “Você vai preenchê-la com tudo o que aconteceu desde o ataque?” “Ainda não cheguei a isso. Eu vou.” Ele acena com a cabeça, dizendo-me: “Voltarei de manhã para outro conjunto de checagem, então vou te ver mais uma vez antes que você possa ir para casa. Foi bom ter te conhecido. Tenho que dizer que tem sido uma honra e uma aventura ao mesmo tempo.” A enfermeira ri suavemente, seguindo-o. Pergunto a Gage: “O que foi isso?”


Ele suspira. “Shay.”


CAPÍTULO VINTE E SEIS

Shay. Seu nome é um eco em mim, ressoando como uma bola arrebentada. “O que tem ele?” O peito de Gage levanta e segura, antes de baixar de novo. Ele se senta mais reto, as mãos no colo e começa. “OK. Aqui vai. Você não sabe disso, mas se você sair deste quarto, há dois policiais à porta.” “O que?” “Carruthers e o outro cara estão no hospital. Aqueles policiais estão lá para sua segurança, já que Carruthers já tentou atacá-la uma vez. Eles acham que ele pode retaliar novamente, mas não vejo isso acontecer.” “Eu os acertei ou algo assim? Eles estão aqui como pacientes?” “Não.” Uma risada rápida escorrega. “Eles estão aqui porque Shay bateu a merda fora deles.” A bola cai. “O que?” “A bibliotecária disse a alguém na administração sobre você, e eles chamaram sua colega de quarto. A sua companheira de quarto é uma idiota. Ela contou ao RA do seu andar que você tinha uma amiga, Kristina. Ela sabia sobre mim, então, ao mesmo tempo que estava me chamando, também ligou para a mãe.” “Mãe.” Eu gemi. Isso fica interessante.


“Eu não estava pensando claramente em tudo. Mamãe estava em uma linha, ficando louca. Podia ouvir Blake no fundo gritando.” Gemi de novo. “Eu tenho que dar isso a sua amiga. Estava calma. Quero dizer, eu podia ouvir quão assustada ela estava, mas ela estava calma ao mesmo tempo. Desliguei com ela e falei com a mãe.” “Como Shay descobriu?” Ele ergue o dedo, sua garganta se movendo para cima e para baixo em um movimento de deglutição. “É por isso que estou explicando que não estava pensando claramente. Exclamei que precisava ligar e deixar Shay saber. Depois disso, só posso assumir que o telefonema para ele não foi bom. A próxima coisa que sei, é que estava estacionando fora do hospital. Mamãe e Blake estavam a caminho, e Casey ligou.” Casey? Gage continua: “A história se espalhou rapidamente, e isso aconteceu antes que os policiais pudessem chegar ao apartamento de Carruther...” Ele me deixa dizer o resto. “Shay fez.” “Exatamente.” Concorda. “Ele bateu a merda fora dele, e ainda estava lá, batendo quando os policiais chegaram. Todos foram presos e os trouxeram aqui para serem verificados. Shay derrubou o amigo de Carruther no apartamento, e o cara acordou aqui. Ele disse algo inteligente para Shay, e eles não tinham policiais suficientes na sala. Shay passou por eles mais uma vez. Ele não fez contato, mas tentou. Quase fez. Uma enfermeira ergueu-se no caminho e o deteve. Ele teria que acertá-la


se quisesse bater neles, e antes que pudesse contorná-la, os policiais então estavam com ele. Foram todos separados depois disso e algemados as suas camas.” “Não!” Minha mente está correndo. Eles poderiam denunciar Shay. Eles poderiam fazer pior do que isso. Ele poderia ir para a prisão. “Há conversa que eles vão descartar o ataque de Shay se descartar o primeiro ataque de Carruthers em você, quando ele se lançou em você depois do jogo de futebol.” “Realmente?” Funciona assim? “Eles tem jargão legal. Falei com um advogado, mas Shay é um grande negócio. Os treinadores de futebol se envolveram. Não ficaria surpreso se o diretor da faculdade também fizer. Carruthers concordou. Ele só vai ser denunciado do ataque fora da biblioteca se Shay puder sair.” “Ele aceitou

isso?”

Não

estou pensando em Shay

sendo

exterminador em mim. Processaria isso mais tarde. Gage nega com a cabeça, encolhendo os ombros. “Meu palpite é que lançaram uma grande intimidação para ele fazer isso. Eu também não entendo, mas Shay não vai ser denunciado.” “Isso é inacreditável.” “Sim, mas isso significa que Shay está banido do hospital. Ele não pode vê-la até você sair.” Shay fez tudo isso por mim. Eu não posso - ainda não consigo processar tudo. Um pensamento diferente vem para mim. “Onde está todo mundo? Mamãe, Blake, Kristina?”


“Seu feliz grupo de amigas esteve aqui o dia todo, mas voltaram para o dormitório. O mesmo para mamãe e Blake. Estavam aqui durante o dia. Dirigiram o dia e a noite para chegarem aqui, mas foram a um hotel para dormir um pouco. É o meu turno. Já fui as aulas hoje, e queria ouvir o que está sendo dito no campus sobre tudo.” Uma sensação diferente de medo desliza ao meu redor. Ainda não queria ouvir isso, ainda não. “Que dia é hoje?” “Manhã de quarta-feira.” Ele liga a televisão e vejo a hora. Duas da manhã. Fui atacada segunda-feira após a meia-noite, cedo na terça-feira. Perdi um dia inteiro. Tudo o que aconteceu durante um período de vinte e quatro horas. Vou desmaiar de novo. Gage suaviza a voz. “Está por todo o campus que Shay foi atrás de Carruthers. Os rumores estão desenfreados, e isso é os que as pessoas me contaram. Não consigo imaginar o que as pessoas estão dizendo que não ouvi.” “Meu Deus.” Eu posso. Meu último ano na escola secundária brilha diante dos meus olhos, mas Shay me defendeu. Isso é....sinto as paredes se fecharem. O quarto encolhe de tamanho. O que está acontecendo? O oxigênio também foi cortado? Não há nenhuma saída. “Kenz.” Gage levanta, inclinando-se sobre mim. Seus olhos se enchem de preocupação. “Ei. O que está acontecendo?”


Não posso falar. Por que eu não poderia... A sala está girando agora. Ouço vozes abafadas. Então tudo fica preto novamente. **** Eu desmaiei. No grande esquema das coisas, é embaraçoso, mas vou sobreviver. Minha mãe entra quando chega no meu quarto mais tarde naquela tarde. Seus braços abertos e um agasalho cobrindo suas costas e braços. Ela me puxa para um abraço, me balançando gentilmente. “Oh, querida,” sussurra, passando a mão pelo meu cabelo como se eu fosse um animal de estimação. “Você me assustou tanto. Não sabia o que aconteceu. Não sabia se você estava viva, se foi só você, se Gage foi atacado também. A mente da mãe desinformada não é um bom lugar.” Ela se afasta, mordendo seu lábio inferior enquanto continua a arrumar meu cabelo. “Você é tão bonita para mim quanto você era no dia em que nasceu. Toda pimentão mofado por dentro.” “Mãe!” Meu rosto parecia um pimentão mofado? Uma risada baixa soa atrás dela, e então meu irmão mais velho entra ao seu lado. Ele parece normal, uma polegada mais alto do que Gage e eu. Sua cabeça ainda está raspada, e parecia estar com um pouco mais de peso. Mas a parte normal é sua roupa. Está vestido com uma camisa e um jeans, e tem um copo de isopor na mão. Posso sentir o cheiro do café, e minha boca está salivando instantaneamente. “Isso é o que eu acho que é?”


Ele ri, colocando na mesa ao meu lado. “Eu não tenho certeza se você pode beber ainda. Penso que preciso verificar com a enfermeira primeiro.” Ele se muda para me abraçar, e parece bom estar em seus braços. Gage é meu irmão no sentido real da palavra. Nós brigamos, lutamos, gritamos um com o outro, mas também somos amigos. Blake tem quatro anos a mais do que eu, e ele é meu amigo desde que o pai morreu de câncer quando era pequeno. Ele tem a pele escura, cabelos escuros e olhos escuros, como Gage e eu, mas tem um rosto um pouco mais redondo. Ele também tem o corpo maior. Mais musculoso, um pouco rude, e um pouco mais áspero ao redor das bordas, Blake tem um temperamento para combinar. Ele é exatamente o que eu preciso. Ele me segura um segundo mais que o necessário, e derramo uma lágrima. “Oi. Vocês dirigiram até aqui?” Seus olhos estão tão tristes. Ele tira alguns dos meus cabelos da minha testa. “Você conhece a mãe. Ela odeia voar. Emergência familiar.” Faz uma careta, seus olhos se esticando ao lado do meu rosto. “Eu ouvi que seu garoto deu um soco naqueles idiotas.” Meu garoto. “Oh.” Abaixo minha cabeça, sentindo minhas mãos ficarem suaves. “Sim. Foi o que também ouvi.” Ele recua e me concentro em nossa mãe novamente. O xale ainda está lá, metade cobrindo um par de calças azuis e tamancos revestidos de peles. Seu cabelo escuro está puxado para cima em um coque alto, e ela


ainda tem um par de óculos pendurados em uma corda de contas em torno de seu pescoço. Batom vermelho, sombra amarela, e uma quantidade extra de blush se espalha nas bochechas. “O que você está fazendo? Você não é uma enfermeira.” Aponto para suas roupas. “Eu sei.” Ela olha para baixo, tão satisfeita com ela mesma. “Não é fabuloso? Eu me vesti assim por dois motivos.” Ela migra mais perto, pegando minha mão e incluindo Blake na conversa. Ele se aproxima de onde Gage tinha dormido, mas se levanta, então está sentado no peitoril da janela, com os pés apoiados na cadeira de Gage. Ele balança sua cabeça. “Não fale comigo. Você parece louca. Não quero ser incluída nisso.” Ela pisca pra mim. “É uma tendência de moda. Ninguém pensou nisso antes. Eu trouxe tudo por isso estou preparada. Estou misturando. Estou vestida à parte. Vou cuidar de você, então, que roupa melhor para usar do que alguém que faz isso como profissão? Isso não é fabuloso? E estou confortável. As enfermeiras são tão confortáveis. É como trabalhar no seu pijama. Estou meio que com ciúme. Talvez deva ser uma enfermeira?” Blake tira o telefone, mas acena com uma mão para mim. “Diga a ela o outro motivo. A verdadeira razão pela qual você está vestida assim.” “Oh.” Sua mão puxa em seu peito. “Sim. Se eu precisar esgueirar-me em qualquer lugar, tenho uma chance melhor de aparecer. Você sabe? Eles têm todos os tipos de salas estranhas nos hospitais. Você nunca sabe onde você pode ter que ir e onde você não deveria estar.”


Concordo com Blake. “Você é uma lunática.” Ela ri, balançando a mão no ar. “Meus filhos são tão engraçados.” Ela se vira enquanto fala, e uma enfermeira entra na sala. Ela para, franzindo o cenho para a nossa mãe antes de balançar a cabeça e se aproximar da cama. Explica o que eu já sei - estou sendo dispensada. O médico passou mais cedo, e recebi uma nota de saúde. Eu não devo dirigir durante as próximas duas semanas, e tenho que “pegar leve” pelo mesmo período de tempo, porque é o tempo para a concussão ir embora. Até então, pensamentos nebulosos, fala arrastada, sensação de náuseas, tonturas, perda de equilíbrio e uma lista completa de outros critérios são esperados. Eu não devo ficar alarmada se não puder mais fazer matemática simples. Isso vai embora, mas tenho que ter cuidado, então não forçar minha cabeça. Isso acontece, aparentemente. Quando saio, Blake está fora com uma cadeira de rodas, e não tenho ideia do que a minha mãe está fazendo. Ela está falando com todos enquanto entramos pelo corredor, agindo como se estivéssemos em um desfile. Eu não ficaria surpresa se ela estivesse fazendo uma onda com o cotovelo e o pulso, para eles. Ela está rindo, dizendo a todos o quão abençoados somos, quão assustada ela ficou como mãe, e tenho o suficiente disso quando chegamos à porta da frente. Eu devia permanecer na cadeira de rodas até o carro, mas não consigo lidar com isso. Irritação e tensão geral (embora não sei por quê) parecem como duas pedras no meu interior. Isso não vai embora, não


importa o que penso de mim mesma. Tenho uma receita para analgésicos, mas desejava ter aumentado a dose de morfina, apenas para ir até o carro. “A minivan, hein?” Observo quando Blake me leva para a porta lateral. Ainda podemos ouvir a minha mãe conversando com alguém atrás de nós. “Sim, não o carro. Ela não tinha certeza de quanto tempo ficaríamos, então ela insistiu. Ela trouxe metade da casa conosco. Mais espaço com esse.” Ele abre a porta e segura minha mão enquanto estou de pé e entro. Minhas pernas estão um pouco instáveis, mas nada importante. O nervosismo está saindo, nada mais. Fui atacada mas não estou pensando nisso. Não estou pensando em Shay, Missy ou Kristina, ou o que todos estão dizendo no campus. E também não estou mentindo para mim. “Como você está? Mesmo?” Blake faz uma pausa na porta, aguardando minha resposta. “OK! Parece incrível. Eu administro isso. É tudo sobre Instagram, ou espera. Você tem um Snipchat?” Nós dois olhamos para trás. Minha mãe queria dizer isso. Ela trabalha como gerente de hotel, mas seu passatempo e paixão da vida é ser atriz. Até agora, ela só teve papéis protagonistas em nossas peças da comunidade local, mas é dedicada. Todos nós vimos sua dor, mas se a nossa mãe acabasse na tela em algum lugar, eu não ficaria surpresa.


Ela está jogando a “mãe legal” neste momento. Ou tenta. Eu aceno com a cabeça para Blake. “Apenas cansada, é tudo.” Ele concorda com a cabeça, embora não pareça convencido e feche a porta. Mamãe empurra-se na porta do passageiro, virando para mim e Blake fica atrás do volante. “Nós temos um quarto de hotel. Gage lhe disse isso? Ele tem aquele apartamento, mas tem colegas de quarto, e você tem aquele dormitório. Blake não pode ficar lá horas demais, certo? Eu conversei com sua colega de quarto. Ela explicou tudo.” Ela respira fundo. “Então querida, onde você gostaria de ir?” Há um lugar, mas ao invés disso, digo, “Seu hotel está bem.” “Esplêndido!” Ela sorri para mim.


CAPÍTULO VINTE E SETE

Tive o suficiente. São cinco horas no hotel. Blake partiu para a academia do hotel, e pego meu telefone e me esgueiro para o corredor. Ligo para Gage, toca uma vez e ele atende: “Mamãe está me deixando louca.” Ele ri, e posso ouvir as pessoas ao fundo. Ele diz: “Ela só quer ter certeza de que você está bem, mas não seja demasiada arrogante. Ela só faz coisas estranhas. Você sabe disso.” “Ela está agindo como se fosse uma verdadeira enfermeira. Chamou a recepção e perguntou se eles tinham um suporte intravenoso. Quando negaram, pediu qualquer coisa que fosse alto, reto e fino. Disse ao cara do serviço de quarto que precisaria de algo para o soro de morfina. Não tenho uma gota de morfina. Tenho pílulas, e ela contou todas elas e as colocou em um dispensador que está dividido nos dias da semana. Eu juro, Gage, se ela me pedir mais uma vez para sentar para que possa praticar suas habilidades manuais para aferição de pressão arterial, vou jogar nela, cara.” Ele sufoca uma pequena risada. “Você sabe como ela é. Está assustada e preocupada. Seu ataque foi traumático para todos nós. Pensei por um segundo que você tinha ido embora. Tenho certeza de que a mãe também fez isso. Inferno, sei que ela fez. Estava gritando quando me ligou.” Ouço ela me chamar dentro do hotel e olho para trás. Suspiro.


Não estou chateada com ela. Não estou chateada com ninguém. Há duas verdades tocando em mim, e só quero reconhecer uma. Eu quero ver Shay. E puxando minha calça de menina grande, pergunto: “Você já conversou com Shay hoje?” “Sim.” Quase podia ouvi-lo sorrindo pelo telefone. “Estava pensando quanto tempo levaria para você perguntar.” Praguejo. Ele ri. “Ele disse que não pode perder o treino de futebol, mas perguntou se pode te ver esta noite.” Gemo no telefone. “Mamãe vai ficar tão embaraçada.” “Ela já está. Ela adulou ele todo. Ele ainda estava no hospital quando ela e Blake chegaram. Ela ficou perdida por ele, tocando-o, abraçando-o, chorando. Se pudesse namorar com ele, acho que iria. Ela não se importaria se você já estava ou não.” “Você não está ajudando.” “Não estou tentando, mas sim, ele perguntou. Eu disse que você está na proteção de testemunhas, ou seja, nossa mãe.” Sorrio. O rótulo tem algum mérito. “Você ficaria chateado se eu fugir para vê-lo?” “Não, mas mamãe ficaria.” “Mesmo?” “Bem.” Ele pensa sobre isso. “Talvez não, mas ficaria com ciúmes, e te perguntaria todos os detalhes que não quero ouvir como seu irmão.”


Eu me encolho, imaginando-a perguntando se ele “bateu” ou “fez um amor calmo e doce.” A náusea está voltando. “Vamos contar a ela depois que eu partir.” Ele fala petulantemente com uma risada. “OK. Direi que você está no jogo.” “Não quero que ele venha aqui.” “Você quer ir à sua casa?” “Sim.” Estou sem fôlego só de pensar nisso. “Vou te dar uma carona. Depois do que fez com Carruthers e aquele outro idiota, ele é um cara forte. Ele se importa com você, genuinamente.” Isso causa um nó na garganta, inchando novamente. Pisco algumas lágrimas. “Obrigado, Gage.” “Não me agradeça. Você percebe o quão popular estou na escola nos últimos dois dias? As pessoas estão me usando para chegar até você. Estou me sentindo como uma maldita celebridade.” Seu tom sóbrio. “Te amo, Kenz. Há um grupo aqui que faz. Todos nós vamos cuidar de você.” Aquele nódulo incha até que não posso falar. Engasgo, “Obrigado.” Então desligo porque não dá para conter as lágrimas. Elas parecem livres e ainda estou no corredor quando minha mãe abre a porta. Ela dá uma olhada em mim, vê as lágrimas e abre os braços. “Oh, querida.” Ela não está fingindo ser uma atriz. Isto não é um show. Ouço o amor e caminho ali. Talvez tenha precisado do abraço de Blake antes, mas desta vez, preciso da minha mãe


CAPÍTULO VINTE E OITO

Estou de volta no corredor, abraçando-me e ouvindo minha mãe e Gage falando. “Eu não entendo por que ele não pode vir aqui,” ela diz. Porque quero privacidade. Porque quero estar em algum lugar que posso pensar. A porta está uma polegada aberta, mas todas as palavras ditas são como um golpe no meu peito. Quando paramos para sair, mamãe começa com as perguntas. Para onde estamos indo? Por quanto tempo iria ficar fora? Ia ver um rapaz? E é a terceira vez que ela pergunta a última pergunta. E de novo, “eu simplesmente não entendo. Nós não moramos aqui, então essa é sua casa longe de casa. Uma filha não precisa de sua mãe?” “Mãe, ela só vai por algumas horas. Ela voltará esta noite. Eu vou buscá-la.” “Mas...” A porta range. Blake está lá de pé, encostado no batente da porta. Ele apoia a cabeça contra o painel, usando um dedo para abrir um pouco mais a porta. Ele me acolhe, um só olhar, e me dá um de seus sorrisos piedosos. Então se vira e diz: “Nada vai acontecer com ela, mãe. Ela estará segura. Gage conhece esse cara e já sabemos que ele foi atrás de seus dois atacantes.” Balanço, ouvindo as duas últimas palavras. Mas ele está certo. Fui atacada. Sou eu. Sou a garota que foi atacada.


Vítima. Essa palavra chega como um golpe em mim. Eu me tornei uma vítima. “Mas...” “Mãe.” Blake desencosta do batente da porta, atravessando a sala. “Ela ficará bem lá.” “Aquela é uma casa inteira de meninos. Certo? E ele está no time de futebol. Deve haver outros jogadores lá. E se eles não são desse tipo? E nós realmente não o conhecemos. Ele atacou os dois meninos. E se ele também é violento?” “Ele não é,” Gage diz, frustrado. “Eu teria feito exatamente a mesma coisa se soubesse quem eles eram no início. Eu simplesmente não teria me afastado como ele fez.” “Viu. Aí. Ele escapou com isso. Poderia fugir com outras coisas, com....” Tive o suficiente. Empurro a porta o restante do caminho e me levanto, ainda me abraçando. “Eu estou viva. Estou segura. Nada vai acontecer comigo lá. Volto dentro de algumas horas.” Seu rosto está molhado de lágrimas, e ela está se abraçando. Aquele condenado afegão3 está sobre ela novamente, e ela funga, usando a ponta para limpar o rosto. É por isso que ela usa. Não é para mantê-la aquecida. Não é para decoração. É pelas lágrimas. Solto um suspiro. “Vou ficar bem, mãe. Eu prometo.”

3

Manta de lã tecida


Blake está à sua esquerda. Gage na sua direita. Ambos os filhos estendem a mão, confortando-a. Ela consegui um sorriso e balança a cabeça com um aceno embaraçoso. “OK. Só estou sendo mãe, você sabe. Eu me preocupo.” “Eu sei.” Movimento para um abraço, e uma vez que ela me deixa ir, Gage e eu quase corremos para a porta. Ele se move em volta de mim, segurando a porta para as escadas abertas para mim. “Ela pode mudar de ideia.” “Você não precisa me dizer.” Passo por ele, não dando uma pausa enquanto desço as escadas. Mais tarde, nós estamos lá fora e na caminhonete de Gage. Ele ri enquanto sai do estacionamento. “Não posso acreditar que estou te levando para ver Shay Coleman.” “Não suponho ser insultada com o que você disse?” “Não! Não.” Ele levanta um ombro. “Você tem que concordar comigo, no entanto. Shay Coleman? Homem. Quando percebi que algo estava acontecendo entre vocês dois no bar, quase caguei nas minhas calças. Falei com ele sobre você naquela festa, mas nunca suspeitei que ele estivesse interessado em você. Ele agiu como se você fosse uma pequena irmã irritante.” “Pare. Não quero ouvir isso.” “Ele estava fingindo. Estou tentando dizer que ele é legal. Ele é um cara legal.” “Eu sei.” Faço uma careta. Ele está sendo estranho. Essa conversa é estranha. “Você está tentando dizer algo sem dizer isso?”


“Não. Eu...” Ele revira os olhos. “Estou impressionado, eu acho.” Seu lábio levanta novamente. “Você meio que tem um tipo. Você namora caras mais velhos. Você namora.” Parker era um ano mais novo do que Blake, então ele era três anos mais velho do que eu. Coro. “Não vamos falar sobre ele. Por favor.” Lembrando minha última conversa com Shay, digo: “E não estou tecnicamente namorando Shay.” Não penso. “O que?” “Nunca foi oficial entre nós.” Ele bufa. “É oficial agora. Nenhum cara bateria a merda em outro cara e tentaria novamente mesmo quando os policiais estão na sala por uma garota qualquer. Ele se importa, Kenz.” Aquele nódulo está de volta, mas está preso no topo da garganta. “Sou eu, Gage. Eu não quero que ninguém saiba.” Posso senti-lo olhando para mim, mas continuo olhando para frente. Lágrimas borram minha visão, então olho para o meu colo. “Ele me disse que gostava de mim na última vez que o vi, e falei que ele estava se movendo muito rápido.” “Você está falando sério?” “Eu fui até ele depois que Casey relatou seu estupro. Não pensei. Pareceu-me certo ir lá. Fiquei com medo depois.” Ele recua na rua do Shay. “Você pode querer parar de enganar você.” “Sim.”


Ele estaciona na entrada e pego meu celular. Mal usei isso uma vez que voltei. Quando chequei mais cedo naquele dia, o correio de voz estava cheio. Mais de cem mensagens de texto. Tornou-se muito esmagador. Todos queriam saber o que aconteceu. Havia tantas pessoas que me desejavam melhoras. Havia alguns que diziam o contrário. Eu vi o primeiro e entreguei o telefone para o Gage. Não havia nada lá com que eu me envergonhasse, e ele passou pelas mensagens, uma a uma. Aquelas que me desejavam mal foram entregues aos policiais. As que me desejavam melhoras receberam uma mensagem de Gage em meu nome, e um obrigado educado e geral. Uma vez que pensaram que Gage estava em poder do meu telefone, aqueles textos pararam de chegar. Devem ter percebido que eles não poderiam entrar em contato assim. Ainda assim, certifico-me de enviar alguns textos pessoais para Missy e Kristina. Elas queriam ter certeza de que estou bem. Estou, ou vou ficar melhor. Pergunto a Kristina sobre Casey, que responde que está melhorando. Linde mandou uma mensagem, também, e agradeço a ele também. Mas a pessoa cujos textos li repetidas vezes, ainda não tinha respondido as de Shay. Não sei por que não consigo responder. Eu as li novamente, desde o primeiro que ele me enviou naquela noite. 12:38 am Coleman: Ouvi algo. Me liga! 12:48 am


Coleman: De verdade. Estou ouvindo mais, e estou ficando louco. Se não for verdade, preciso saber ou vou fazer alguma coisa. 2:48 am Coleman: Gage disse que você está no hospital. Eu também. Eu me perdi, mas faria isso de novo. Me liga quando você puder. 4:18 am Coleman: Fiz algo de novo. Estou pensando em você. 4:38 am Coleman: Eu tentei vê-la, mas fui expulso do hospital. Não posso entrar. Sua mãe é interessante. Eu gosto dos seus irmãos. Bons homens. 9:15 am Coleman: Acabei de sair de uma reunião com os treinadores e alguns detetives. Advogados, também. Não vou ser cobrado, graças a Deus, certo? Bem. Você está recebendo uma pilha de mensagens minhas. Gage disse que você não pode fazer chamadas ou enviar mensagens. Ligue quando puder, se quiser. 11:17 pm Coleman: Eu estraguei seu disfarce. A notícia está fora. Você ficará chateada, mas nem me importo. Disse as pessoas que você é minha namorada. Isso acabou com a maior parte dos rumores, mas pensei que deveria enviar um texto e deixar você saber. Tenho certeza de que seus irmãos já te disseram. Assim. Sim. Fique furiosa e me ligue, se você quiser. Levarei os gritos. Vou gostar, mesmo. 4:23 pm


Coleman: Gage ligou. Eu disse a ele, mas mensagens para você de novo. Sim. Você pode vir me ver a qualquer hora, qualquer dia, a qualquer minuto. Estou aqui. Ou vou até você.

Um pouco menos de 48 horas depois, mando um SMS pela primeira vez. Eu: Estamos aqui fora. Sua resposta é imediata. Coleman: Estou aqui. Olho para cima. Ele está olhando para mim da entrada. Uma onda repentina de nervoso sobe dentro de mim. Evitei olhar no espelho até agora, mas precisava ver o dano. Respirando profundamente, abaixo a viseira. Minha mãe não estava brincando sobre o pó. Todo o lado direito do meu rosto está inchado como um Monet de contusões de preto, azul, verde e amarelo. Tenho um lábio inchado. Estou uma bagunça. Não há outra maneira de dizer isso, e vou ver Shay assim? “Estou horrível.” “O que?” “Nada.” Pego o casaco com capuz na parte traseira de seu carro e puxo. Óculos de sol estão em seu painel, e também os pego. “Ei!” Saio, puxo o capuz para cima e sobre o rosto e coloco os óculos. “Vou te chamar mais tarde para me pegar?” “Isso, ou ele pode te deixar.”


“Entendi.” Inclino-me para a frente, minhas mãos nos bolsos do moletom e não olho para Shay enquanto passo por ele. Ele se vira para seguir. “Olá?” “Podemos fazer isso lá em cima?” Estava alcançando a porta, e abri enquanto Shay está atrás de mim. Nós não somos os únicos na passagem. Linde está na escada, deixando o piso principal. Ele está puxando a porta para fechar atrás dele e automaticamente emitiu um, “Oh, desculpe-me...” A palavra morre na sua garganta quando olha de mim, para Shay, depois para trás, e seus olhos se estreitam, continuando comigo. Um suave, “Clarke?” vem dele. Ele tinha uma tigela de aveia em suas mãos, e quase caiu. Ele aperta rapidamente a garganta, limpa a garganta e caminha até as escadas. A porta fecha com um clique atrás dele. Ele olha de mim para Shay novamente. “Uh...” Ele pisca algumas vezes antes de tossir de novo. “EU... desculpa. Estou perdido. É você, Clarke, certo? “Sim.” Minha garganta pesada. O som rouco que sai não me incomodou até aquele momento. Eu me encolho. “Não podemos, uh, fazer isso aqui?” Linde se afasta e subo as escadas rapidamente. Deslizando pelo corredor, ambos estão me seguindo, mas não quero fazer isso com Linde. Não está certo. Quero conversar com Shay e depois reagrupar. Eu me sentiria mais centrada se isso fosse feito e primeiramente estivesse fora do caminho.


Parando no quarto de Shay, digo por cima do meu ombro: “Posso falar com Shay primeiro? Eu... podemos fazer isso outro dia, Linde? Sinto muito. Eu... somente...” “Não. Não.” Ele vai a uma porta diferente. “Conversa. É bom vê-la de pé e andando.” Ele sorri, tocando o lado de sua cabeça. “A mente faz truques estranhos em uma pessoa. Você nunca sabe.” Ele me indica com a tigela. “É muito bom vê-la. Sinto sua falta na aula.” Estava alcançando a maçaneta da porta, mas paro com essas palavras. Olho para trás. “Obrigada...” Ele já está em seu quarto. Fui uma puta aqui? Isso é errado? Estou enraizada no lugar, mas Shay me move e abre a porta. Ele passa uma mão pelo meu lado, curva em volta da minha cintura, e descansa sobre as minhas costas. Por um segundo, um segundo, não me movo. Ele abre a porta, mas nenhum de nós se move. Sentindo seu calor, sua força, fecho os olhos e descanso no seu peito. Ele permanece assim e, depois de outro segundo, sinto ele descansar a cabeça contra a minha, mas com um pequeno toque. Não. Esses são seus lábios. Ele deposita um beijo suave e sinto as lágrimas caindo, entro. Não nos movemos para longe. Shay fecha a porta e eu viro. Ele nem se move, acabo de me pressionar contra ele, e seus braços envolvem em volta de mim. O meu capuz ainda estava no lugar. Óculos de sol do Gage. Ele me segura e mergulha. Passa a mão em meu braço e abaixa a cabeça para descansar o queixo no meu ombro bom. Ele beija a minha bochecha antes de encostar


sua própria bochecha ao lado dela. Ele solta uma respiração profunda, e é como se estivesse respirando por nós dois. Tanta tensão, ansiedade e medo me deixam. Havia muito mais ainda lá dentro, mas o meu peito está consideravelmente mais leve. Vou para trás depois de mais alguns minutos e murmuro com voz rouca, “Obrigada.” Sua mão vem aos óculos. Ele começa a tocá-los. “Posso?” Não! O medo cai em mim, mas me obrigo a assentir. Então espero. Meu coração contra meu peito. Ele os retira. Não há nenhuma mudança nos olhos dele. Ele os pega, dobra, e coloca em sua cômoda. Lentamente, tão agonizantemente devagar, ele levanta a mão e empurra suavemente o capuz para trás da minha cabeça. Quando me sinto completamente nua, ele me olha. Não posso olhar, não no início. Concentro-me no peito, mas quando ele não faz um movimento, ou um som, olho para cima. Tanto calor está lá que os meus pulmões esvaziam por um momento. Ele murmura: “Você ainda é tão bonita como você era no primeiro dia da aula.” Oh Deus. Outra lágrima se forma e escorrega da minha pálpebra. “Você está mentindo.” “Eu não estou.” Ele estende a mão, outro toque macio, e levanta os polegares para limpar as lágrimas dos meus olhos. Limpando-os, ele pega


uma mecha do meu cabelo e enfia atrás da minha orelha. Sua mão demora lá, e ele olha para os hematomas. Engasgo. “Talvez eu não devesse ter vindo.” Faço um movimento em direção à porta, mas sua mão toca meu pulso, gentil, mas ainda firme. “Não.” Ele pisa na frente, bloqueando completamente a porta. “Eu acabei de receber você.” Essas palavras - eu rio, balançando a cabeça. “Adulador.” “Ou verdadeiro.” Vou para a cama, mas não me sento. Abraçando-me, volto, levanto uma mão para que posse morder minha unha. Minha mãe estaria gritando, mas não me importo. Minha ansiedade está de volta e fora dos gráficos. É, mas não é. Esta é uma forma diferente de ansiedade. Não é o tipo em que sinto as paredes se fechando em mim. Este é o tipo em que estou preocupada com o cara que costumava rir comigo, puxa por mim até que tenho uma reação, ou me faz ofegar na cama, não gostaria de fazer mais nada disso. Isso é esse tipo de ansiedade. Talvez as lágrimas surjam. Elas nunca mais pararam, ou talvez porque estou roendo minha unha, mas o que quer que ele viu, ele se aproxima. Toma o bom lado do meu rosto e suspira. “Tudo ficará bem.” “Você não sabe disso.” “Carruthers nunca mais te machucará.” Não é sobre Carruthers. Não é sobre o amigo dele. “Casey foi estuprada. Fui atacada. Haverá outras.” A agonia brilha em seus olhos. “Não para você. Eu não vou deixar.”


“Você não pode saber.” “Eu faço. Desta vez, eu faço.” Ele levanta a cabeça em um desafio. “Ninguém vai machucá-la novamente.” Sussurro, minha voz agitada, “quero acreditar em você.” Ele sussurra de volta, aproximando-se até nos tocarmos. Sua outra mão está no meu pescoço, e estou literalmente na palma das suas mãos. Ele está olhando para baixo. Estou olhando para cima, e ele diz novamente: “Você pode.” Toca seus lábios no meu, um suave sussurro de um toque, e eu acredito.


CAPÍTULO VINTE E NOVE

Telefono para minha mãe dizendo que ficarei com Shay. Ela tenta me fazer mudar de ideia, mas tudo o que quero fazer é deitar na cama com Shay naquela noite, então faço. Nós seguramos as mãos. Estou em seus braços, e ele esfrega minhas costas enquanto lhe conto tudo. O dia parecia estranho. Fiquei confusa depois que o deixei, mas gostei de ser ninguém de novo. A biblioteca. Como abracei meu nerd interno. Depois a calçada. As duas sombras. O bastão. Quando fui atingida. A ambulância. Acordando no quarto do hospital. A equipe médica, e como eles foram bons. Quão louca minha mãe está. Quão ótimos meus irmãos foram e como gosto de ter Blake aqui. A preocupação da minha mãe antes de ir para sua casa. Quando termino, ele continua acariciando minhas costas. “Mas, como você está?”


Balanço minha cabeça. “Não posso responder a isso.” Levanto minha cabeça para olhar para ele. Não quero mentir, então não faço. “Estou quebrada agora.” Seus olhos se nublam, e ele balança a cabeça. Estão cheios de emoção feroz, mas tudo sobre ele é gentil. Assim como as suas palavras. “Você não está. É como uma lesão esportiva. Você pode ir para o banco, ou pode descansar, ir para a reabilitação e fazer tudo o que estiver ao seu alcance para se curar.” “Ser atacada não é como uma lesão esportiva.” Ele se move para se sentar, mas me puxa de volta contra seu peito. Passa uma mão pelo meu cabelo, circulando em volta do meu braço levantando para repetir. “Talvez como câncer. Você não pode negar isso. Você lida com isso, e se receber o tratamento certo, talvez vá sair inteiro. Eu acredito nisso, Kennedy.” Ele para sua mão e me segura. Sinto sua cabeça descansando contra a minha e acalmo, “eu tenho,” sai dele. Nós nos beijamos algumas vezes naquela noite, nada pesado. Mas ele me segura, e é o que preciso. Na manhã seguinte, fico no quarto até que Blake possa me apanhar já que Gage tem aulas. Mas Shay disse que todos sabem que estou lá, e o lance é que sou sua namorada. Desço com ele depois que volta de sua corrida matinal e tomamos café da manhã antes de nos prepararmos para as aulas. Os caras são respeitosos. Alguns olham para o meu rosto, mas ninguém age como se me ver a mesa seja estranho.


Shay está de um lado, e Linde está do outro. Ele pediu um abraço, e murmurei antes que ele se afastasse. “Obrigado por ser um bom amigo.” Ele está limpando seus olhos e se desculpa depois. Volta depois de alguns minutos, seu sorriso reforçado e, quando os rapazes partem para o campus, Shay me leva para o hotel. Ele vira sentado no banco, o motor em marcha lenta. “Você quer que eu vá com você?” Rio. “Você está de brincadeira? Minha mãe não vai deixar você sair.” “Posso parar hoje à noite.” “Ou, você pode me pegar e repetimos a noite.” A menos que ele tenha planos? A menos que ele não quisesse? A menos que... minha mente não para. “Se você quiser, quero dizer.” “Claro que quero.” Suas sobrancelhas se curvam antes de suavizar. Aqueles olhos azuis são questionadores, mas genuíno. A preocupação descansa no fundo, alinhando-a com uma sombra de escuridão. “Está tudo bem com você? Quero dizer, você é a única que era inflexível que não namoramos.” Sua boca ergue-se em meio sorriso, mas vejo o quão sério aqueles olhos estão. Ele não está brincando. “Eu disse isso para que não me machucasse.” “Você está dizendo isso agora?” Tento sorrir. “Agora estou além da mágoa. Um pouco de mágoa em cima disso não é nada.” Falho. Seus olhos escurecem, e ele se inclina sobre o assento para mim. Seus lábios estão nos meus antes dele amaldiçoar e puxar de volta. “Isso doeu?”


Balanço minha cabeça. “Somente quando você parou. Eles bateram na minha cabeça, não na minha vagina.” Ele faz uma careta, coçando atrás da orelha. “Eu não quero te machucar.” “Eu sei, mas só queria lembrá-lo.” Aponto para o meu rosto. “Eles machucaram isso.” Minha mão vai entre minhas pernas. “Isso não. Eles não machucaram isso. Eles não tocaram isso.” Seus olhos escurecem novamente, raiva queimando. Ele rosna: “Se eles tivessem, provavelmente eu estaria na prisão.” Pego sua mão, enganchando o dedo dele e deixando descansar no console entre nós. “Eu fiquei mal com este ataque, mas não quero que eles tirem todas as coisas normais da minha vida. Sei que não podemos, ainda não, mas quero fazer sexo com você. Quero me sentir novamente como uma garota normal, como a,” hesito “garota normal com o namorado.” Uma parte daquela raiva desaparece, e ele sorri. “Estava pensando se você iria trazer isso.” “Sim.” Quero voltar a roer minha unha. “Você quer ser? Ou quer que eu conte a todos que não estamos namorando?” Solto uma risada. “Como isso me faz parecer?” “Foda-se como você parece. Foda-se todos os outros. O que você quer?” Ele acena para mim com o queixo. “Se você não percebeu, estou dentro. Bati em dois caras por você. Acho que diz o suficiente. Estou inteiro, Kenz.”


Meu coração incha. É a primeira vez que ele usa meu apelido. Estou piscando mais lágrimas enquanto estou sorrindo amplamente. “Eu também estou dentro.” “Graças a Deus,” diz em voz baixa, inclinando-se para outro beijo. Ele ainda é gentil. Poderia ficar lá para sempre, mas o porteiro começa a andar de um lado para o outro. Eu o vejo uma vez do canto do olho e puxo para trás. “Você tem aula.” “Eu sei.” “Mais tarde esta noite?” “Mais tarde esta noite,” concorda. Isso se torna por um tempo a rotina. Passo os dias com minha família e as noites com Shay. Depois de uma semana, Blake volta para casa. Ele não pode ficar mais tempo fora do trabalho, mas minha mãe fica. O hotel fica muito caro, então ela se muda para um quarto sobressalente que Gage e seus colegas de quarto criaram para ela. Dois dos indivíduos concordam em compartilhar um quarto, e ela fica entusiasmada. Gage oferece para que um dos caras fique com ele. Eles moram em um apartamento de quatro quartos, mas os dois que compartilhavam disseram que fazia sentido. Um tinha aulas noturnas, e o outro tinha aulas de dia, juntamente com trabalho. É como se eles ainda tivessem seu próprio quarto, e minha mãe não oficialmente adotou Gage e seus três companheiros de quarto. Foram duas semanas antes de encontrar Kristina para o café.


Missy arrumou algumas das minhas coisas e ajuda minha mãe a agarrar qualquer coisa que eu precise. Ela está sendo doce e útil. Assim como todos. Casey. Laura. Sarah. Todos. Quanto à faculdade, a administração disse que posso demorar. Estou vendo uma conselheira, e ela diz o mesmo, mas não quero fazer isso. Chegamos a um acordo. Eu continuo com meus estudos, mas fora do campus. Os professores tem alguém gravando seus cursos, e esses foram colocados online para mim. É um projeto já em andamento. Eles aceleraram seu calendário para mim. Fui para o campus uma vez, mas foi em um dos edifícios mais altos da administração, então muitos não me viram e fui colocada em um pequeno escritório onde fiz todos os meus exames. Consegui fazer meus trabalhos em casa, enviando-os por e-mail. A única coisa em que não posso participar são as apresentações de grupo, mas ainda participei. Enviei o trabalho que os grupos precisavam para as outras aulas. Não tive que fazer uma apresentação na minha terceira classe, e participei plenamente de ciência política. Aby e Becca vieram para a casa de Shay e Linde, e eu estava lá para esse segmento, mas não estava quando eles ficaram na frente da classe. Todos concordaram que não devo ser penalizada por isso, mas ainda ajudei com tudo mais. Aby e Becca não foram maliciosas quando as vi investigando. As contusões haviam desaparecido há muito tempo, e estou de volta ao meu antigo eu físico. O que está diferente é o meu relacionamento com Shay. Está fora ao ar livre, e quando não fazemos uma exibição pública de


carinho, há a massagem aleatória no traseiro ou a mão boba, ou como simplesmente gosto de ficar perto dele e me inclinar para o seu lado. Esqueci como isso é notável até que duas meninas olham abertamente. Depois me tornei mais consciente, mas também não fiquei na mira. Ambas ficaram caladas e cada uma me deu um abraço na última vez que nosso grupo se encontrou. Minha mãe, Gage, Kristina e as outras garotas ajudaram a arrumar todas as minhas coisas. Estou indo para um novo quarto com Kristina e Casey. Expliquei ao comitê que me sentiria mais segura com elas. Minha colega de quarto mal fica no seu quarto, exceto quando dorme, e estou mais perto de Kristina e Casey de qualquer forma. Depois das finais, sai com Casey, Laura e Sarah para jantar. Kristina também vai, mas ela está alguns minutos atrasada. Tudo está quase normal. Quase. Aproveito para ouvir as fofocas e sobrenomes de pessoas que não conheço. Mas a conversa muda. A sensação cresce mais sombria. Não sei o porquê até Casey dizer: “Eu choraria.” Ela estala os dedos. “Num piscar de olhos, ou se alguém quer ver algo que não fiz. Nunca sei o que vai desencadear, mas sim, é apenas o fluxo. É irritante.” Ela olha para mim. Nós duas fomos derrubadas. Nós duas estamos de pé. Ou eu ainda estou tentando.


Esconder está me segurando, e sei disso. Um olhar compartilhado passa entre nós. Eu sei que Casey sabe disso, também. Tenho que sair das sombras, mas meu primeiro semestre acabou, exceto por mais um evento. O último jogo de futebol de Shay. Ele disse que não se importa se não for, mas agora sou sua namorada. Tenho que ir. Não há motivo para não ir, e sim, ele é um júnior. Ele tem mais um ano para jogar e irei a todos os jogos, mas sei que esse é importante. É o último deles. Eles não ganharam o suficiente para continuar nos nacionais, então é o último ganhando ou não. Eu quero ir. Estou aterrorizada, mas quero ir. “Você tem certeza disso?” Casey pergunta, de pé na minha frente naquele dia. Estou em um moletom Dulane, e quero puxar aquele capuz para cima. Quero me esconder novamente. Não faço isso, mas concordo com a cabeça. “Tenho certeza.” “As pessoas vão olhar.” Kristina está de pé atrás dela. Não há nada para encarar. Não há cicatrizes. Não há mais lábio inchado. Sem contusões. Meu cabelo está bom, mesmo. Pareço melhor do que antes, se quero me gabar. Minha pele tem um brilho nela. Perdi alguns quilos, e comecei a trabalhar com Shay. Eu não vou as corridas, mas eles improvisaram uma academia no porão. Junto-me a Linde e Shay quando levantam pesos. Estou um pouco mais tonificada. Comento, “Deixe-os olhar.” Sarah acrescenta: “Eles vão falar.” “Pode vir.” Levanto meu queixo.


Laura diz: “A metade vai sentir pena de você, e a outra metade a odiará.” Aperto meus lábios juntos. “Foda-se os invejosos.” Cada uma delas tenta reter seus sorrisos. Todas falham. Kristina avança, separando um dos meus cachos dos outros. Uma vez que ela vê o que quer, ela recua. Acena com as mãos no ar. “Perfeito.” Estou fazendo isso. Tenho que fazer isso. Estou pronta para ir.


CAPÍTULO TRINTA

Estou voltando para a cena original do crime. Não é o crime real, mas o que deu início a tudo. Uma grande multidão de pessoas está se movendo em direção as arquibancadas conosco. Casey e eu compartilhamos um olhar enquanto caminhamos até onde aconteceu o evento da Pau Trituradora. Ela se inclina, mostrando um leve vestígio de um sorriso. “Você foi muito feroz naquele dia.” “O filho da puta teve que vir para mim por trás na próxima vez. Imagine se ele não tivesse? Esqueça a Pau Trituradora. Isto poderia ser um evento de rasgar-fora-o pau.” Ela sufoca sua risada na manga. Kristina olha para trás. “O que vocês estão falando?” “Eu vou te contar mais tarde,” Casey diz. Sarah e Laura estão mais adiante, tecendo através da multidão e nos conduzindo. Chegamos as arquibancadas, e então acontece. Um pequeno silêncio se instala nos assentos mais próximos de nós. Eu não olho, mas sinto Kristina e Casey fechando as fileiras ao meu redor. Concentro-me no campo. A equipe já está lá, aquecendo, e enquanto olho, Shay cai para trás em um amontoado. O braço dele volta, a bola de futebol na mão e ele joga. É um arco perfeito, subindo todo o caminho até a zona final. Uma segunda bola é lançada para ele, e ele repete. Eu me concentro nele.


Uma das meninas pega minha mão na dela, e me levam pelo resto das arquibancadas. Enquanto vamos, mais e mais conversas param até que todos começam a notar. Eles olham para ver o que tem a atenção de todos, e os sussurros aumentam em volume. Ouço uma garota perguntar: “Quem é essa?” A amiga dela sibila, “namorada de Shay Coleman” “OH! Pau Trituradora? “ “Shhhh!” Um terceiro amigo as cala. Casey começa a rir. Ela aperta minha mão. “Você deve abraçar o nome. Um cara começou a vender camisetas.” “Eu devo pegar uma parte.” “Ei! Aqui em cima.” Sarah e Laura desceram por um corredor. Nós fomos longe demais. Casey diz quando voltamos, “elas estão ansiosas para as festas de hoje.” Estava a meio caminho delas desde que já estão no meio quando a primeira pessoa fica de pé. Ela me diz, estendendo a mão, “Sinto muito o que aconteceu com você.” Eu me balanço, reagindo à mão dela. Não estava esperando e pulo para trás. Então suas palavras filtram, e sinto um outro soco, mas um bom. Este é emotivo, e fico muito mexida. Ela vê, e um brilho de lágrimas se forma em seus olhos. Ela enxuga. “Minha filha foi estuprada quando tinha quatorze anos. Você não foi estuprada, mas você foi atacada. O que aconteceu com você não deveria ter acontecido. Eu só quero dizer que sinto muito, que entendo.”


Casey ofega silenciosamente. O rumor sobre o ataque foi silenciado, tanto quanto sei. Os caras que sabiam não espalharam por aí. Sua mão se curva na minha novamente. Aperto de volta, acenando com a cabeça para a mulher. “Obrigada por isso.” Vou para essas arquibancadas com a cabeça virada e os olhos apenas em Shay. Quando não estou olhando para ele, minha cabeça está baixa. E agora, estou olhando para essa mulher. Não sei o que esperava, mas não é isso. Casey e Kristina estão esfregando os olhos quando chegamos à fileira onde Laura e Sarah estão sentadas. Dois caras estão no final, e há um espaço vazio entre eles. Será um ajuste apertado para três de nós, mas os dois homens ficam de pé. Eles entram no corredor. “Você pode ter nossos assentos.” “Não, isso está ok...” Kristina começa a dizer. O cara a corta, suavemente, mas com firmeza: “Não. Eu era um dos caras furiosos pelo que você fez com Carruthers.” Fico tensa, encontrando seu olhar. Só vejo remorso. “Dar o meu assento para que você possa se sentar confortavelmente é um pequeno preço a pagar, acredite em mim.” Ele baixa a cabeça com um aceno de cabeça. “Desculpe o que aconteceu com você.” Os olhos de Casey estão largos, combinando com a tempestade dentro de mim. Não esperava nada disso. “Obrigada.”


Ele e seu amigo se movem mais adiante nas arquibancadas, e nos sentamos. É apenas uma pequena área onde estamos, mas vejo alguns outros enxugando seus olhos. Eles estavam assistindo a mulher e então os dois caras. Os anunciantes começam a falar logo depois. Os torcedores correm e começam a torcer, e lentamente, uma a uma, as pessoas começam a olhar para longe. Não me mexo. Não falo. Sento como uma estátua até que a normalidade volta ao nosso redor, e estou apenas sendo outra aluna novamente. Solto a respiração, parece que estava segurando para sempre. “Uh, Kennedy.” Casey puxa sua mão. Estava apertando duro, pressionado em cima da minha perna. “Oh!” Eu a solto. “Desculpe.” Não tinha percebido. Sua mão está completamente branca. Ela ri, esfregando-se para que o sangue volte a fluir novamente. “Confie em mim, eu compreendo.” Olho ao redor, mergulhando minha cabeça baixa como antes. “Isso foi simpático da parte deles.” “Você poderia imaginar qualquer outra recepção com Shay Coleman como seu namorado? Quero dizer, isso ajuda.” “Eu sei.” “Ei Gage.” Ela fica de pé e acena para ele. Ele está descendo o corredor da frente, dois recipientes de pipoca na mão e lanches saindo de seus bolsos. Seus companheiros de quarto seguem atrás, um deles segurando dois refrigerantes. Há um espaço atrás


de nós, e os quatro entram. Gage está bem atrás de mim, e se inclina para baixo. “Como vai?” Oh sim. Evito a pergunta. Aponto para sua pipoca. “Isso é para mim?” “O que? Não! Tenha a sua.” Casey vira, também, os olhos arregalados, os lábios franzidos em um beicinho. Ela está lhe dando um olhar de cachorrinho, e ele geme, jogando a cabeça para trás. “Vocês duas são um saco. Aqui.” Ele nos dá o menor recipiente de pipoca. Então chega até seu colega de quarto. “Nós temos que compartilhar. As garotas socaram-me com culpa.” Seu companheiro de quarto ri, entregando um dos refrigerantes. “Isso está bem para mim. Me dê uns doces.” Gage rosna novamente, mas joga um dos sacos. Depois que ele se acomoda, seu refrigerante em uma mão e sua pipoca ao lado dele, inclina mais uma vez. “De verdade, como você está?” Aceno para ele. “Eu não quero falar sobre isso.” Casey faz. “Uma mulher foi muito legal e dois caras nos deram seus assentos. Foi uma boa recepção.” “Legal.” Ele me olha. “Você está bem, porém?” Concordo. Um grande nó formou-se quando chegamos ao jogo, e alguns se afrouxaram pelo tempo que nos sentamos, mas estou sentindo emoções que não entendo. Não quero me debruçar sobre elas. Eu só quero assistir ao jogo. Uma vez que começa, ninguém me chama a atenção.


Torna-se tudo sobre Shay e a equipe. Ele faz três touchdowns, executando um quarto, e Linde ajuda a esmagar seu caminho para este último. Minha voz está rouca no momento em que o jogo termina, e um sentimento agridoce varre a multidão. Alguns estão bêbados e torcendo como loucos, enquanto outros estão batendo palmas com uma expressão sombria sobre suas características. Eles estão na final de equipes. Eles estavam acabados. O último jogo deles foi completo. Não havia uma grande sensação de festa na atmosfera, mas sei que haverá muita festa acontecendo esta noite. Gage pergunta: “O que você e Shay vão fazer esta noite?” Balanço minha cabeça. “Não falamos sobre isso.” “Mamãe foi para casa esta manhã.” “Sim.” “Ela pegou a van. Achei que poderíamos levar seu carro ou meu carro de volta amanhã.” Começamos a seguir Casey. Kristina está atrás de mim, e Sarah e Laura já estão falando com outras pessoas. Duvido que elas voltem para o dormitório das meninas conosco, optando ir direto para uma festa em vez disso. Eu digo ao meu irmão: “Talvez amanhã também devêssemos sair para o café da manhã. Um último suspiro antes de ir para casa para descansar.” Casey olha de volta para mim. “Você conseguiu terminar todos os seus exames finais?” “Sim. Peguei um pouco em uma apresentação, mas não foi muito.”


“Você está se sentindo bem? Estando em torno de todos?” A verdade é que há um gotejamento frio de suor que cai nas minhas costas, mas é isso. Gage está caminhando atrás de mim, Casey e Kristina de cada lado, e sei que tudo é proposital. Eles estão me protegendo. Eles vieram por trás antes. Alguém pode escapar. Eu não os vi chegar, mas posso avançar e ao mesmo tempo ainda respirar nesta formação. Olho para trás, meus olhos se encontram com os do meu irmão. Um olhar conhecido passa entre nós, e respondo a Kristina: “Estou melhor do que eu esperava.” Ele abaixa o queixo para mim. Levanto um “obrigada” para ele. “Kennedy?” Todos nós paramos. Congelo, mas sinto alívio me inundar quando é apenas Missy. Holly e a prima com ela, junto com outra garota. “Ei!” Missy usa um sorriso caloroso quando vem em nossa direção. “Eu não sabia que você viria para o jogo.” Minhas coisas já estão embaladas na minivan. Elas seriam trazidos de volta em um mês, quando eu mudasse para um quarto triplo com Casey e Kristina. A mudança de quarto foi aprovada, mas pensei que ela tinha saído na semana passada. “Você também. Eu pensei que você tinha ido para casa ontem.” “Oh.” Ela balança a cabeça, gesticulando para Holly. “Estamos adiando o fim de semana, voltando domingo.” Ela vê Gage e faz uma pausa, franzindo a testa. As sobrancelhas apertadas juntas. “Você é....”


“Oh!” Meu segredo ainda permaneceu um segredo. “Esse é meu irmão.” Holly observa, com os olhos arregalados, “Você é Gage Clarke.” Gage concorda com a cabeça, o braço passando em meus ombros. “Eu sou. Eu sou famoso. Eu sou o irmão de Kennedy.” “Você está na minha aula de estatísticas.” Gage concorda com a cabeça como se ele já soubesse disso. Eu sei que não. Ele diz: “Espero que você tenha feito melhor do que eu. O Sr. Trellyps não é um fã meu.” “Sim...” Por isso que mantive isso em segredo todo o semestre, ou tentei. Aquele olhar de choque, admiração e outra coisa mais escura no olhar de Holly. Missy diz: “Seu irmão é Gage Clarke, e estou me chutando agora por não colocar os dois juntos.” As bochechas de Holly enrubescem e ela olha para longe. Missy acrescenta: “E você está namorando Shay Coleman.” Ela balança a cabeça, seus olhos se estreitando em mim. “Você é como uma estranha. Pensei que te conhecia.” Kristina se aproxima de mim, mas Casey fala. “Já pensou que talvez ela fizesse isso por um motivo?” Ela gesticula para Holly. “Ambas as suas reações provam por que ela não falou. Você já está olhando diferente para ela. Quando parei lá uma vez, tive a impressão distinta de que você não podia acreditar que ela era minha amiga. Imagine como você estaria quando percebesse que Shay Coleman estava no seu quarto.”


O armário! Esqueci, e começo a rir. Quando elas olham para mim, aceno uma mão na minha frente. “Nada. Desculpa. Uh, sim. Sou discreta por uma boa razão.” Missy volta para Casey: “Você obviamente sabia. É por isso que você é amiga dela?” Um olhar de morte vem sobre o rosto de Casey. “Eu me tornei amiga dela quando ela me apoiou com meu estupro.” A cabeça de Holly retorna. O rosto de Missy perde a cor. “O-o-h. Eu sinto muito. Eu não sabia.” “Exatamente.” Casey vira as costas para elas, suas narinas queimando. Sinto uma pontada de simpatia, aceno com a cabeça para Missy, indicando que devemos caminhar para o lado para falar. Ela hesita, mas no final, vem comigo. Sinto os outros assistindo, mas, de certa forma, não é o seu negócio. Ela enfia as mãos no casaco, chutando uma pedra no chão. “É isso mesmo, hein?” “Eu não quero que você pense que mantive as coisas de você de propósito. Nunca foi pessoal.” Seu pé faz uma pausa, mas ela não olha. “Você foi atacada, e não se aproximou de mim.” Ela ergue a cabeça, seu lábio inferior tremendo. “Como isso não é pessoal?” “Você me tratou como se estivesse abaixo de você.” “Quando?”


“Na aparência. Nas coisas que você dizia. Ficou surpresa que eu tinha uma amiga quando Kristina chegou ao quarto, e caiu quando Casey fez. Você não pode me dizer que teria me olhado de forma diferente se Gage chegasse tocando na porta, ou se você soubesse sobre a única vez que Shay estava no quarto.” Ela fica quieta. “Ele realmente estava no nosso quarto?” “Nosso armário. Eu o fiz se esconder, mas ele recusou na segunda vez que você veio ao quarto.” Ela inclina a cabeça para o lado, a testa enrugada e depois entendendo enquanto seus olhos se arredondam. “Aquela noite que pensei que você estava se masturbando? Fiquei tão preocupada com você.” “Sim.” Tinha uma coceira atrás da minha orelha. Ela expulsa um suspiro, voltando-se para seus pés. Seus ombros relaxados. “Você sabe o que foi quando ouvi sobre seu ataque? Então ouvi o que Shay Coleman fez por causa de você? E que você estava namorando? Quase caí no chão. Pensei que fosse uma mentira, mas a garota da recepção disse que não era.” “Sabrina.” Eu concordo. “Ela conhece Shay. Ela sabia que nos conhecíamos.” “Eu simplesmente não entendo por que você não me disse.” Balanço minha cabeça. “Tenho minhas razões.” Missy tira alguns dos cabelos pretos grossos para trás, ajustando o capuz do casaco. Tenho que pensar sobre como eu reagiria se descobrisse que conhecia outro jogador de futebol ou talvez o outro capitão da equipe.


Não reagiria. Não, isso não é verdade. Sentiria um pouco de alívio porque se o visse no quarto, poderia dizer olá ou poderíamos conversar livremente sobre as coisas. Eu não teria me sentido doente. Então, novamente, só estou vendo do meu ponto de vista. Tento imaginar do dela. Ela conhece a prima de Holly e Holly. Holly conhece gente. Ela é a única no grupo que tem um namorado diferente a cada semana. Não consigo lembrar de ouvir Missy falar sobre caras ou qualquer outra pessoa. Sempre Holly ou a prima. Essas são as duas únicas pessoas com quem a vi. Sempre. Ela olha para mim. Eu me sinto obrigada a pedir desculpas, mas não faço. Fui machucada por ela no início, e não fiquei quieta para machucá-la pessoalmente. “Oh, ei.” Ela puxa o cordão do casaco. “Uma garota parou no quarto e perguntou sobre você.” “O que? Quem?” Ela balança a cabeça. “Eu nunca vi na minha vida. Eu não sei. Ela não deixou um nome ou número, ou nada. Só pensei que deveria contar.” Uma garota? Alguém que ela também não conhecia. Talvez fosse Aby ou Becca me procurando antes delas me encontrarem na casa de Shay? Talvez. “Como ela se parece?” Outro encolher de ombros de Missy. “Cabelo loiro. É isso que eu lembro.”


Becca tem cabelo loiro. Então fico distraída quando Missy pergunta: “Eu suponho que você vai fazer algumas festas nesta noite?” Dou de ombros. “Eu não falei sobre isso.” Eu vejo a Sarah e a Laura. Elas estão saindo em um grupo diferente de pessoas. “Elas vão, mas não sei o que estamos fazendo.” “Você e Shay...” “Sim...” Também paro. Isso está ficando estranho. Limpo minha garganta. “Obrigada por ser agradável com a minha mãe e ajudar com minhas coisas.” Um sorriso racha seu exterior rígido. “Sua mãe é engraçada. Ela se vestia como estudante universitária quando veio buscar suas coisas. Acho que ela perdeu algumas décadas. Ela tinha um Guardião de Caçadores com ela.” Eu gemi. “É claro que sim.” Não sei mais o que dizer depois disso. Missy não deve ter porque ambas ficamos em silêncio. Ela volta a chutar a pedra. “Acho que vou te ver no próximo semestre?” Eu concordo. “Parece que sim.” “Vejo você então.” Ela ergue a mão em uma pequena aceno, voltando para o grupo e sinto como um capítulo que se fecha. Kristina se aproxima, descansa um braço em volta dos meus ombros e suspira. “Como foi?” “Eu estava errada em não contar a ela sobre Gage e Shay?”


“Ninguém jamais deve fazer você se sentir culpada por não se abrir sobre você. Você vai querer se abrir para as certas.” Isso é verdade. “Obrigada. Eu precisava ouvir isso.” “Venha.” Ela dá um tapinha no meu braço. “Seu homem provavelmente está aguardando agora.” Eu me aproximo dela. Gostei de ouvir essas palavras. Meu homem.


CAPÍTULO TRINTA E UM

Shay estaciona na rua à frente da sua casa. Toda luz no piso principal está ligada, bem como as luzes no porão, um pouco mais no segundo andar e uma no terceiro andar. Shay grunhe. “Eu acredito que estamos tendo uma festa.” Ele olha para mim. “O que você quer fazer?” “O que você quer dizer?” “Nós podemos ir para outro lugar.” Faço uma careta. Kristina e Casey perguntaram sobre nossos planos hoje à noite, mas não sabia o que iriamos fazer. Sei agora. Me aproximando, entrelaço nossos dedos juntos, descansando as mãos sobre sua perna. “Eu acho que devemos ligar para Kristina e Casey, e todos devemos ir à festa.” Surpresa flutua sobre seu rosto. “Tem certeza disso? Podemos simplesmente sair do quarto, se quiser?” Balanço minha cabeça. “De jeito nenhum. Você foi o melhor jogador. Essa festa é para você. Eu não serei a namorada que te afasta.” “Você está certa?” Ele está sorrindo. “Sim. Estarei com minha amigas e porque você está sorrindo?” “Nada.” Ele se inclina, seus lábios achando os meus por um rápido segundo. “É bom ouvir você dizer, minha namorada.”


Sei o que ele quer dizer, e sinto que estou brilhando enquanto entramos na casa. Estamos de mãos dadas, mas, em vez de atravessar a porta dos fundos, levo Shay até a frente. É o momento dele. Depois desse primeiro passo, sei que está certo. O lugar está cheio de pessoas. Seus companheiros de equipe, meninas e outros amigos, todos aclamam por Shay. Ele é agarrado pelos caras, sendo literalmente afastado. Ele pisca um sorriso apologético no meu caminho, mas aceno. Estou puxando meu telefone quando Linde aparece do meu lado. Ele me entrega um copo. “Aqui.” “O que é isso?” Mas pego, cheirando. O álcool é forte o suficiente para matar uma mosca nas proximidades. “Puta que pariu, Linde. Isso é forte.” Ele ri. “Última festa antes de todos nós nos dirigirmos para casa amanhã. Achei o inferno, certo?” Ele coloca o braço em volta dos meus ombros, acenando com a cabeça para onde Shay foi pego. Um grupo forma no bar, e ele está sendo desafiado em um concurso de tiro de bebida. “Pensando que vai ser uma manhã agitada para vocês dois amanhã.” “Aqui.” Não estou ouvindo. Dou-lhe o copo de volta. “Preciso enviar um texto a minhas amigas.” Trinta minutos depois, Kristina e Casey entram. Os olhos delas estão enormes. A música ficou mais alta, e tenho que gritar na orelha de Kristina. “Obrigada por ter vindo!” Aceno com a cabeça para Casey. Ela está olhando pela sala. As bordas de sua boca ficam brancas. Pergunto a Kristina: “Isso vai ficar bem para ela?”


Kristina coloca a boca perto da minha orelha. “Nós conversamos sobre isso antes de chegar, mas está bem. Ela não vai beber, e ficará com você ou comigo o tempo todo, mas ela confia nesses caras. Aquele idiota não estava festejando com outros jogadores de futebol quando aconteceu. Ele estava em uma fraternidade.” “Ok.” Eu alcanço para tocar Casey no braço. Ela se aproxima, inclinando-se para a frente para me ouvir melhor. Pergunto de qualquer jeito: “Você está bem, estando aqui?” Ela assenti, me dando dois polegares para cima. Grita de volta: “Não vou beber, e vou embora se me sentir desconfortável.” “Eu também!” Kristina junta-se, então ouvimos um grito nas proximidades e alguém se lança entre nós. Dois braços magros nos envolvem, seguidos por outro par de braços igualmente magros. Sarah e Laura saltam para cima e para baixo, ambas radiantes e parecendo coradas. “Vocês estão aqui! Nós não tínhamos certeza. Estamos festejando juntas.” Elas estão tão excitadas, mas o olhar compartilhado entre Kristina e Casey me diz que não estão. Elas são prudentes e cautelosas. “Sim.” Casey solta seus braços. “Deve ser divertido.” “Tiros, tiros, tiros!” Laura começa a aplaudir, vira e olha ao redor. Então, “Kreigerson! Venha para cá. Olhe quem está aqui!” Ela curva o cotovelo através de Casey. Um homem se aventura, segurando uma bebida em cada mão. Seu cabelo escuro é liso, e ele tem um rosto de bebê, com bochechas redondas, lisa e olhos escuros para combinar com seus cabelos. Ele é bem parecido e


vejo a arrogância à espreita. Ele também sabe disso. “Ei! Winchem! Tem sido um longo tempo.” Ele entrega uma das bebidas. “Foda sim.” Ela balança a cabeça. “Não, obrigada.” “Ah. Vamos.” “Não. Mesmo. Não, obrigada.” Sarah está mais perto de mim, e tinha deixado de pular. A coloração corada desaparecendo, e ela não estava mais sorrindo. Ela se inclina para mim. “Foi na festa dele onde aconteceu.” Ela balança a cabeça. “O que Laura está pensando?” Mas ela não espera pela minha resposta. Entra e toma a bebida que ele está oferecendo a Casey. Situando-se firmemente entre os dois, ela o segura pelo rosto. “Você está brincando comigo? Você sabe o que aconteceu com ela, e foi uma bebida que você deu a ela.” “Ei...” Seu sorriso persuasivo cai, e ele recua de volta à sua altura máxima. “Se você está dizendo que eu a droguei...” “Não, mas ele lhe deu o copo e você deu a ela. Poderia ter sido Laura ou eu. Poderia ter sido qualquer garota e você está dando a ela outra bebida?” “Eu disse...” ele começa a lutar de volta. Ela joga o líquido em seu rosto. “HEY!,” Ele rugi, tirando o álcool dos olhos. “Que porra, Sarah?” Ela cruza os braços sobre o peito e abaixa o queixo no lugar. Ela não está se movendo. “Saia daqui, Kreigerson. Já terminamos de festejar com você.”


“Eu...” Sua mão está no ar. Eu não sabia o que ia fazer, mas estava lá. Estava escuro. Noite. A biblioteca fechou. Eu estava naquela calçada. “Ei!” Uma nova voz entra, e há um movimento. Sou agarrada e puxada para longe, mas não sei o que está acontecendo. Estou na calçada novamente. Essas duas sombras se aproximavam de mim, cada vez maior. Eles estão levantando o bastão. Grito e tento cobrir meu rosto. “Ei, ei, ei.” Sou pega e segura contra um peito. Estou congelada, o ataque iminente está chegando, mas reconheço Shay no fundo da minha mente. Estou segura. Não estou só. Estou em seus braços. Não, eu sou atingida. Estou caindo no chão, e estou tremendo. “Tudo bem, Kenz. Está tudo bem.” Minha cabeça está sendo embalada contra um tórax, um forte peito que conheço intimamente. Olho para cima e vejo os olhos amorosos de Shay. O flashback sai, mas estou drenada. Respiro um pouco e aperto minha cabeça contra ele novamente. “Estou de volta.” “Você está segura. Eu estou aqui.” Ele se retorce e grita: “Tire-o fora daqui! AGORA!” “Ei cara. Eu não sabia...” Um grunhido o corta e reconheço a voz de Linde. “Você sabe agora, e é hora de você sair.”


“Não.” Olho para cima, mas Shay está me segurando contra a parede. Suas costas estão me protegendo, blindando e tento sair de seus braços. “Não.” Ele os aperta. “O que você está fazendo?” Me abaixo de seu aperto. “Estou bem.” Ando adiante. Linde e outro homem tem os braços de Kreigerson torcidos atrás dele. Eles estão começando a andar quando me apresso. “Não.” Linde olha para trás, suas sobrancelhas se juntam. “O que você está fazendo, Clar...” Enrolo meu punho e balanço. Não é esse idiota insensível que estou atacando. É Carruthers. É o outro cara. É o estuprador de Casey. São todos os idiotas que acham que podem atacar uma garota e fugir com isso, mas isso é realmente sobre mim. Meu punho o atinge no rosto, e a dor explodi em mim. Não pensei que poderia sorrir mais largo. “O que diabos?” Sua cabeça empurra para o lado e então ele olha para mim. Digo a ele: “Você ajudou a machucá-la.” Casey está ali mesmo, e seus olhos se enchem de lágrimas. Ela junta as mãos e olha para o chão. “Você ajudou a me machucar.” “O que? Não, eu não fiz. Eu nem mesmo...”


“Se você machuca uma e não se altera com isso, você magoará outra.” Eu flexiono minha mão. Não estou fazendo sentido, mas não me importo. Ele entenderá quando tiver uma filha um dia. Viro minhas costas para ele, dando a Linde um aceno para expulsá-lo. Então a dor começa. Eu gemo, “bolsa de gelo, por favor. Ou morfina. Seja o que for mais rápido.” Shay já tem uma bolsa de gelo na mão. “Aqui. Vamos lá para cima.” Coloco o gelo nos meus dedos enquanto olho por cima do meu ombro. Kristina, Casey e as outras meninas todas tem olhares atordoados em seus rostos. Digo: “Voltarei daqui a pouco.” “Sim.” Kristina pisca algumas vezes. “Não tenha pressa.” Passamos pela cozinha, atravessamos a porta e subimos as escadas até o quarto de Shay. É meio meu agora. Tenho uma bela pilha de roupas no canto e agarro uma das minhas camisetas para envolver a bolsa de gelo. Afundo em sua cama e caio de costas, gemendo suavemente. “Por que eu fiz isso?” Shay vai até o armário e tira a camisa. Minha boca enche d’água com a vista. Ele é lindo e meus olhos caem até o V. Ele retira as calças. E de repente, não sinto mais dor na minha mão. Ele cruza para sentar ao meu lado, a cama mergulhando sob seu peso. Levanta a bolsa de gelo para inspecionar minha mão e faz uma careta. “Quão ruim dói?”


“Cada vez menos.” Fico focada em seus lábios, lambendo o meu. Ele olha para cima e ri suavemente. “Oh sim?” “Sim.” Ele suaviza um pouco da minha testa e fecho os olhos, saboreando o pequeno toque. Estendo a mão, deslizando meus dedos pelos seus. “Você sabe, você teve um excelente jogo hoje.” “Você é a única com a mão ferida.” “Que foi minha escolha. Sabia que gostei quando o atingi.” Um pensamento diferente vem para mim. “Você acha que posso ter problemas com isso?” “Duvido que alguém confirme seu lado.” Seu olhar cai em meus lábios e fica. Ele murmura roucamente: “Ele pode tentar trazer um caso contra uma menina que foi atacada recentemente no campus, especialmente com sua participação no estupro de sua amiga.” Isso me tranquiliza. Sorrio. “Oh sim. Esqueci disso.” Ele fica de pé, entrando no banheiro. Ouço remexer nos armários e ele volta. Ele me entrega uma pílula antes de pegar uma garrafa de água da mesa. Abre, entregando-me isso também. “Isso é um analgésico. Você deve tomá-lo agora ou sua mão vai matá-la mais tarde.” Engulo e depois entrego a garrafa, que ele colocou na cômoda para mim. Em vez de voltar a se juntar a mim na cama, ele fica de pé e olha para mim. A fome tem força total nos olhos dele. Crescendo mais


enquanto olha para mim. Sinto uma dor de resposta formando entre minhas pernas. Mordendo o lábio, digo: “Parece que temos uma situação aqui.” “Sim?” “Sim.” Sua cabeça inclina para o lado, observando-me, e aquela fome está emanando positivamente dele, mas ele não se move para mim. Ele fica lá, cruzando os braços sobre o peito. Solto um pequeno gemido. Bom Deus, ele parece bem. Sinto que devo salientar, “você tem uma festa inteira acontecendo lá em baixo, e eles estão aqui principalmente por você.” “Mas?” “Mas estamos aqui e estou começando a não querer voltar para a festa.” Ele se aproxima. “Como está a sua mão?” “Melhorando.” Inclino minha cabeça para trás, olhando para ele enquanto se aproxima de mim. Eu quase gemi. “Ficando cada vez melhor.” Sua mão toca a cama ao meu lado, um sorriso subindo em seus olhos. “Sim?” Começo a repetir o que disse anteriormente, mas sua mão desliza debaixo da minha perna e paro com um suspiro. O sentimento envia tremores através de mim, explodindo nas minhas entranhas, e mordo meu lábio, gemendo. Seus dedos apertam e a outra mão desliza debaixo de


mim. Ele me move mais para cima na cama, seguindo para trás e ajoelhando sobre mim. Solto um suave suspiro. A fome lambe o meu interior, abrindo a chama que pula para ele. Passando uma mão para baixo no seu peito, meus dedos sentem e se demoram em cada mergulho entre os músculos. Ele realmente é tão lindo. Não é que esqueci. É que ele fica melhor olhando para mim todos os dias. É surpreendente alguns dias, e quando outros reagem a ele, lembro que não sou só eu. Mas ele é meu, e começo a sorrir, pensando em como isso aconteceu. “O que você está rindo?” Seus lábios estão quase no meu. Passo uma mão ao redor do seu pescoço, caindo no travesseiro e puxando-o comigo. Seu corpo vem abaixo, descansando em mim, e seus lábios se movem para o meu ombro. Ele pousa um beijo lá, sua mão deslizando debaixo da minha camisa e empurrando-a enquanto ele procura meu seio. Eu quase gemo novamente quando ele pega um deles, afastando o sutiã do seu caminho, e seu polegar começa a esfregar meu mamilo. “Estou rindo do quanto te odiei no início.” Ele se senta, sua boca movendo-se sobre meu ombro até meu pescoço. Arrasta beijinhos até minha garganta. Passo meus dedos pelo cabelo dele, meio segurando-o lá e meio querendo levá-lo até meus lábios.


Espero, minha respiração se tornando cada vez mais rasas e superficiais. “Eu nem sei por que eu te odiava.” Ele para, levantando a cabeça. Estava tão perto, um sopro de distância, e quero tocar meus lábios nos dele, assim tão mal que chega a ser quase uma dor física. Ainda não faço. Eu ainda seguro. “Eu acho que você me odiou porquê...” Ele para, e meus olhos quase pulam fora. Pego os lados do rosto nas minhas mãos. “Você não pode parar por aí. Conclua o que você quer dizer.” Ele balança a cabeça, levantando-se novamente, então está quase deitado sobre mim. “Não é nada.” Ele curva-se e seus lábios pegam os meus. Oh-hmmm! “Não. Eu quero saber.” Ele não responde, apenas abrindo a boca e seus beijos ficam mais exigentes. Sua língua desliza para dentro, e quando ele começa a assumir o controle, quase não percebo que ele puxa minha camisa até que para. Eu me mexo de volta para que ele possa puxar o resto fora do caminho e sobre minha cabeça, então ele está de volta. Seus lábios se fundindo com os meus, e ele trabalha no meu sutiã. Diminuiu a velocidade, deixando as alças do sutiã escorregar pelos meus braços agindo como uma carícia. Funciona.


As sensações seguem atrás deles até que joga no chão, também. Sua boca se move dos meus lábios - lambendo, degustando, beliscando minha garganta e entre meus seios até que ele pega um deles na boca. Um gemido profundo sai de mim. Estou segurando cada toque e gosto dele. Sua língua gira em torno do meu mamilo. Quase perco, querendo agarrar seu cabelo novamente. “Hmmm, não.” Ele sente meus pensamentos e pega minhas mãos. Fixa pela minha cabeça, beijando e esbanjando no meu peito. “Você não pode me distrair.” Rio, o som fraco até meus ouvidos. “Você está me matando.” “Porra, não o suficiente.” Um rosnado baixo emitido a partir dele, e sinto seus dentes rasparem meu mamilo. Minhas costas sobem, arqueando e pressionando contra ele. Ele ri, mas volta para baixo comigo, quando repouso novamente na cama. “Shay.” Meio que grunhi. Começo a me mover contra ele, trancando minhas pernas em volta da sua cintura. Nós dois tínhamos nosso jeans, mas estou pensando o porquê. Moí contra ele, tentando evocar uma resposta que nos colocaria a ambos fora da nossa miséria. Ele ri, sua respiração cobrindo meu peito. “Você pode continuar, Princesa. Ainda vou adorar você.” Princesa. Gemo. Não sou de apelidos fofos, mas aquele funcionou, e minha dor acaba de assumir um outro nível.


Estou cada vez mais desesperada. Posso sentir isso. Ele está duro e pressionando contra mim. Abaixar o jeans, afastar a cueca boxer, puxar minhas calças jeans e roupas íntimas, e posso levá-lo a afundar em mim. Está a caminho, pressionando exatamente onde o queria, mas é como se ele não estivesse ciente de suas próprias necessidades. Ele se muda para o meu outro peito, pegando-o em sua boca, sua língua e dentes me assaltam de novo. “Shay.” Gemo, arqueando meu pescoço. Um gemido me deixa. Um grito gutural está construindo na minha garganta. Sinto isso vindo. Está vindo livre, e todos lá embaixo saberiam o que estamos fazendo. “Shay!” Ele ri, finalmente soltando minha mão quando seus dedos acariciam meu estômago. Tremo, logo abaixo da palma da sua mão, e ele se move, tão agonizantemente lento, deslizando um dedo debaixo do meu jeans. Então o outro. Um terceiro dedo. Ele os moveu para frente e para trás, fazendo círculos. É uma tortura, pura e simples. “Se você não fizer algo com esses dedos, eu vou...” Estou ofegante, erguendo minha cabeça para olhar para ele nos olhos. Ele está sorrindo. É tão arrogante, mas também vejo uma loucura lá dentro. Está nas bordas externas, como se estivesse segurando isso de volta. Não aguento mais isso. A necessidade de tocá-lo de volta está crescendo em mim, ameaçando superar qualquer controle que ainda pudesse ter. Deslizo minhas mãos, empurrando-as contra ele.


Nós rolamos, e estou por cima desta vez. Inclino, observando seu rosto perfeitas. Minhas pernas estão apertadas contra as dele, mas afundo mais para baixo, sentindo-o erguendo-se em mim. Ele quer estar dentro de mim como eu também quero, e meus dedos vão para o seu jeans. Toco o botão e o zíper. Seus olhos azuis estão quase negros enquanto ele me observa. “Você vai jogar comigo agora?” “Talvez.” Mordo o meu lábio para manter o meu próprio sorriso arrogante. Entendi. Eu faço. O controle, o poder... são viciantes. Posso montá-lo como quero. Posso jogar com ele como eu quero. Posso exigir minha própria tortura, e começo a desfazer seus jeans alcançando dentro dele. Minha mão enrola ao seu redor, e aperto um pouco mais forte, o suficiente para dar-lhe um leve aperto de retorno, então, lentamente, começo a mover-me para cima e para baixo. Suas narinas se abrem. Ele solta um suspiro. É o controle novamente. Ele estava perdendo o dele enquanto ganho o meu. “Maldito inferno, Kenned...” Mergulho, meus lábios pegando o dele em um beijo. Esse beijo é diferente. Ele se abre embaixo de mim, mas está tomando conta do beijo. Outro gemido me deixa e não consigo me afastar dele. Enquanto continuo movendo minha mão sobre ele, fico lenta, seu beijo fica mais áspero. Paro, mergulho meu polegar sobre sua ponta, e ele me pega sob os braços. Um grunhido selvagem surge dele, levantando-me no ar. Ele me vira, caindo, e não para.


Meu jeans é arrancado. É atirado, e ele está em mim. Tenho um segundo de aviso, e ele está lá. Suspiro com força, mas tremo. Estou tremendo. Preciso de mais. Ele não espera que eu me acostume com ele. Começa a empurrar. Ele é duro, profundo e áspero, e estou tremendo em seus braços. Eu me agarro a ele. Nossas bocas nunca se separam, nem uma vez, enquanto respiramos um para o outro. Raspo minhas unhas ao seu lado enquanto ele continua mergulhando dentro de mim. De novo, e de novo. Ele não diminui a velocidade. Estico, meus quadris trabalhando tão duro quanto os dele, e ele pega meu peito em uma de suas mãos. Usa a outra como uma âncora no meu quadril, e seus dedos afundam sobre minha pele, começa a acelerar seu ritmo. Deus. Ele está me fodendo. Arrancando a boca de mim, em vez disso, ele pega meu peito, sugando. Está curvado, ainda mergulhando dentro e fora de mim. Ofego por ar, meu peito e os pulmões subindo enquanto ele está batendo em mim. Então puxa para fora, e começa a me excitar. Não. Sento e empurro. É minha vez. Ele cai de costas, e estou sobre ele. “Espere.” Suas mãos flexionam os quadris. Ele me pega, segurandome no lugar. Acena com a cabeça para a mesa de cabeceira. “Preservativo.”


Gemo de frustração, mas chego, meu corpo descansando sobre ele enquanto pego um da gaveta. Ele belisca meu ombro e passa a mão pelo meu lado, segurando minha bunda e depois se movendo para empurrar para dentro da minha buceta. Eu assobio, o ar me deixando com força, e olho para ele uma vez. “Não é justo.” Ele está sorrindo perversamente. “Não me importo.” Um segundo dedo entra em mim, empurrando para dentro e para fora. Estou lutando para me concentrar nas sensações. Ele não estava esperando que eu afunde sobre ele. Ele está intoxicando-me, exigindo uma libertação, mas seguro. Estou mordendo tão forte o meu lábio, tentando segurar isso de volta, porque caramba, quero que ele exploda comigo. “Shay.” Estou ficando cega de prazer, mas enquanto seus dedos ainda estão mergulhando em mim, eu me abaixo e o agarro novamente. Ele para, um gemido de resposta vindo dele, e aproveito. Rasgo o invólucro, enrolo o preservativo sobre ele, então me levanto, mexo sobre ele, puxo seus dedos para fora e estou sobre ele. Afundo e nós dois paramos por um segundo, apenas um segundo. Ele agarra minha cintura, e coloco uma mão em seu peito. Começo a mover meus quadris. Eu o montando desta vez. Vou lenta no início, acelerando gradualmente meu ritmo. Ele se senta para poder pegar meu mamilo enquanto me inclino para trás. Passa um braço pelas minhas costas, segurando-me reta, enquanto estou indo


movimentando sobre ele. Nós gozamos juntos. Ele pega minha cintura, entrando em mim com uma força implacável antes de não aguentar mais. Sinto seu gozo, seu corpo inteiro se convulsionando. Seus dedos vão para o meu clitóris, e explodo no primeiro toque. Meu corpo está tremendo. Ele me segura gentilmente em seus braços enquanto nós dois esperamos os tremores. “Amor,” ele sussurra, me beijando e depois meu ombro. Ele me levanta, afastando-se. “Que...” Ele me vira de costas e depois desliza de volta. Minhas pernas o rodeiam novamente e ele grunhi: “Eu queria que você gozasse primeiro.” Ele enfia a cabeça no pescoço e ombros até explodir novamente. Ele começou a gozar antes, mas se deteve. Ele segurou como fiz para ele antes. Ele fica em cima de mim, ambos suados, e passa uma mão pelo meu corpo nu. “Santa bunda.” Ele aperta um beijo na garganta antes de empurrar para encontrar minha boca com a dele. “Eu nunca vou me acostumar com isso. Nunca.” Tremo, sentindo todo o caminho através do meu corpo, e concordo. Cada vez que estamos juntos, cada orgasmo alucinante, me empurra para o meu vício. O pensamento me aterrorizava.


CAPÍTULO TRINTA E DOIS

Ele está enrolado em volta de mim, sua respiração profunda na parte de trás do meu pescoço. Podemos ouvir a música e os sons das pessoas no andar de baixo. Elas estão caminhando. As portas abrindo e fechando. Há vozes afastadas, depois mais vozes internas. As portas do carro estão fechando. Mais pessoas chegam. Outras estão saindo. É livre para todos. E não quero me mover nem um pouco. Shay e eu estamos em uma bolha protetora. Ele desligou as luzes, deixando o abajur para iluminar o quarto com um brilho suave. Tive problemas para dormir algumas noites após o ataque, então ele comprou para ajudar a me acalmar de noite. Ficamos amontoados debaixo dos cobertores, sua mão cada vez mais perto do meu peito. Estou esperando quando ele começa a brincar com isso, mas uma luz nova brilha do chão. Ouço acompanhando o zumbido e gemo. “É seu ou meu?” “Meu.” Reconheço as cores da tela que está iluminando o teto. Vermelho e verde. “É o Gage.” Sinto os lábios de Shay escovar minhas costas. “Trinta dólares que ele está lá embaixo.” “Não. Não estou apostando com você. “Passo na beira da cama e tiro meu telefone do chão. Estou esticada em um ângulo, então meus quadris


não se afastam dele, apenas o resto de mim, e sinto suas mãos caindo de meu peito para meus quadris. Ele os segura e enquanto insiro meu código e leio as mensagens de texto do meu irmão, Shay começa a moer atrás de mim. Olho por cima do meu ombro. “Você está de brincadeira? Novamente?” Ele encolhe os ombros, aquele sorriso perverso aparece. Ele empurra contra a minha bunda e se inclina para pegar meu braço. “Por que não? Sou um garoto jovem, Clarke. Achei que você sabia disso agora.” Ele roça em mim mais algumas vezes, e sinto aquela dor começar de novo. Balanço a cabeça e volto para o meu telefone. Gage: Casey mandou um texto. Disse que estava na sua festa, mas você não está aqui. Desça aqui. Eu não estou indo até aí. Mostro a Shay o telefone, rolando nas minhas costas, e ele se move sobre mim mais uma vez. Pega o telefone, me pegando distraída, e enquanto lê, está na minha entrada. Ele responde algo antes de desligá-lo e jogar o telefone de volta ao chão. “O que você disse?” Ele está duro novamente, e passo uma mão pelo seu peito quando pega outro preservativo. Coloca, beijando meu estômago enquanto murmura: “Nós estaremos em uma hora.” Ele volta a se alinhar e, olhando para o meus olhos, desliza de volta para dentro.


Gemo, fechando os olhos. Minhas mãos caem sobre as dele, e nossos dedos atam enquanto ele começa a rolar seus quadris para mim. Não é como última vez. Foi quente e áspero antes. Esta vez está fácil, como se sexo fosse algo que podemos fazer qualquer dia que queremos e sempre que quisermos, e hoje é apenas um daqueles dias. Não um hábito, mas uma atividade que podemos desfrutar porque nenhum de nós está indo a lugar algum. Nos tornamos esse casal, e provo o mesmo medo que tive antes. Talvez seja como isso é para mim, enquanto assisto sobre os olhos enrolados, enquanto ele está entrando e saindo de mim. Isso me dá uma emoção negra. Este é o meu homem, e ele está se curvando sob meu toque. É meu para tomar, e sei que ele sente o mesmo por mim. Uma onda de poder me corta. É emocionante. Todas aquelas meninas do andar de baixo, ou a maioria delas, trocariam de lugar comigo. Ele é meu. Esse é meu lugar na cama. Inferno, metade da minha cama agora. Ele olha, com os olhos escuros e com fome. “Você está comigo?” Ele fala em voz áspera. Concordo. Estou me movendo com ele, mas sento novamente, e ele reajusta. Minhas pernas passam por cima dele e o estou montando, meus peitos raspando contra seu peito. Ele estende a mão, pega um, a outra se flexiona no meu quadril, e seus lábios estão nos meus novamente. Nós montamos um ao outro até que nós dois gozamos juntos.


“Foda,” grunhi na minha orelha, segurando-me apertada para ele. Dá um beijo no meu ombro nu, então, levanta, ainda me segurando. Eu grito, mas ele me leva para o banheiro e entra no chuveiro depois de esperar a água aquecer. Uma vez que ambos estamos molhados, ele me deixa deslizar por ele, então estou de pé, mas nós ainda estamos pressionados um contra o outro. Limpamos o outro, nossas mãos deslizando sobre o corpo do outro e mais beijos roubados. Ele se inclina sobre mim, me protegendo completamente do spray de chuveiro por um momento, e seus olhos encontram o meu. “Eu vou me acostumar com isso?” Ele está se perguntando, seus olhos vagando por mim, e não espera por uma resposta. Pega meus lábios nos dele novamente antes de se afastar. Ele me dá um meio sorriso. “Se continuar tocando em você, nunca desceremos.” Termino de enxaguar, esquivando-me e saindo do chuveiro. Pego uma toalha e entrego a ele quando está logo atrás de mim. Digo: “Eles vão saber o que fizemos aqui.” Ele passa a toalha por seus cabelos algumas vezes antes de fazer isso e joga ao redor de mim. Ele segura suas mãos e me guia para dentro, seus lábios acham os meus novamente antes de dizer: “Bom. Porque se eles não sabiam, agora você é minha.” Essas palavras ficam comigo. Devo estar brilhando. Estou sentindo isso. Não há uma parte do meu corpo que Shay não adorou. Estou saciada. Quando nos dirigimos, vou atrás dele. Gosto de deixar ele abrir o caminho para a festa. Mantenho minha mão dobrada na parte traseira de seu jeans até abrir sua porta.


A música, de repente, está mais alta. As pessoas estão em todos os lugares, aconchegadas em todos os cantos da sala, a maioria segurando suas bebidas na mão. Dois caras deixam outro jogador quando Shay entra na sala, e ele é arrancado de mim. Olha para trás para se certificar de que estou bem, quando um homem joga o braço em torno de seus ombros. Aceno com a cabeça, fugindo de outro cara enquanto ele está decidido indo em direção ao lado de Shay. Dou um passo atrás, e ele passa bem na minha frente. Dou a Shay um sorriso reconfortante, tentando avisá-lo, estou bem, então atravesso a casa em busca de minhas amigas. Elas estão de pé no canto da cozinha. Um jogo de cartas está sendo jogado na mesa da cozinha e elas parecem estar assistindo. Gage tem o braço enrolado em torno de Casey. Ele está sussurrando algo na orelha dela, fazendo-a rir. Kristina está assistindo ao lado deles e ouvindo Sarah. Olho ao redor por Laura, mas não encontro. Ela está na cozinha, o braço de um garoto em volta dela, fazendo ela rir também. Começo por eles, mas sinto que alguém toca meu braço. Missy está lá, e as outras três meninas atrás dela. Elas estão olhando ao redor com os olhos arregalados. “Ei.” Franzo um pouco a testa, me aproximando, então Missy pode me ouvir. “O que você está fazendo aqui?” Ela cora. “Espero que esteja bem, por estar aqui. Nós ouvimos sobre a festa e dissemos aos caras na frente que conhecíamos você.” Olho para ela. Sobre o que ela está falando? “Caras na frente?”


Ela aponta pelo ombro dela. “Sim. Há caras na frente. Eles não estão deixando todos entrar. Você não viu o pátio da frente? “ Balanço minha cabeça. “Está cheio de pessoas esperando para entrar.” “Você está falando sério?” Ela assenti. Holly aproxima-se para se juntar à conversa. Ela meio grita, meiofala sobre a música, “Nós podemos estar aqui?” “Sim. Sim! “Aceno a mão para entrar, mesmo que já estejam na casa. Inclino para mais perto de Missy e digo para ela, enfiando alguns dos meus cabelos molhados atrás do meu ouvido: “Não é realmente minha festa. Eu não sabia que estava acontecendo até chegarmos aqui.” O sorriso de Missy é forçado, mas algumas dessas linhas desaparecem. Seu sorriso torna-se mais fácil e ela agarra meu braço, gritando no meu ouvido: “Eu sei que é provavelmente a cerveja que tive, mas queria te dizer isso. Eu vou sentir sua falta no próximo semestre. Fiquei feliz que você foi minha colega de quarto, mesmo que por um semestre.” Concordo com a cabeça, dando um sorriso. Eu não quero começar a divulgar meus segredos com ela porque está um pouco embriagada, e tenho que mudar. Não importa como as coisas parecem, a verdade é que Missy me trata como se fosse menor que ela desde o início. Somando pequenos comentários, e uma parte de mim se pergunta se ela realmente se importa ou se isso é por causa de quem eu namoro.


Fico tentada a perguntar, apenas para ver sua reação, mas alguém coloca uma mão no meu ombro, dizendo: “Desculpe-me.” Os olhos de Missy e Holly crescem de tamanho. É Linde. Ele não está olhando para nós, mas tentando passar por nós na cozinha. Pego seu braço e ele franzi a testa, levantando a cabeça para ver quem o atingiu. O reconhecimento inunda seu rosto quando ele me vê. “Oh!” Ele envolve um braço em volta de mim. “É Clarke.” Ele balança a cabeça para Missy e franzi um pouco a testa. Gesticulo para ela. “Esta era a minha colega de quarto no último semestre.” Seu braço também vem ao redor do ombro dela, segurando seu copo, de modo que não derrame. Ele ri. “Você vai gostar de ter um quarto sozinha.” “Ei.” Belisco seu peito. Ele me dá um sorriso, seus olhos cintilando. Ele está um pouco sumido, mas não tanto. “Você sabe o que quero dizer. Você dormiu aqui todas as noites durante o último mês e meio. Ele está certo. Abaixo minha cabeça, sentindo um pouco de calor vindo às minhas bochechas. Os olhos de Missy ainda estão largos, como se ela não pudesse acreditar em quem está falando com ela. Seu olhar se mantem indo do rosto de Linde até sua mão no ombro e de volta para mim, depois, nele e repetindo o ciclo.


Holly se endireita, levanta o queixo e chega para fechar o nosso círculo. Ela quer fazer parte da conversa. Linde faz um gesto para ela com o copo. “Quem é Você?” “Sou amiga de Clarke.” Ele franzi a testa para mim e explico: “Ela é a melhor amiga do ensino médio dela.” Aceno com a cabeça para Missy antes de apontar para a prima e sua amiga. Ambas ainda estão nos arredores da nossa pequena bolha. “Este é seu grupo.” Linde inclina a cabeça para trás, saindo uma risada abundante. Ele levanta o braço de Missy e balança a cabeça para cima e para baixo. “Entendi. Minha garota tem alguns ganchos nela.” “Sua garota?” “Você sabe o que quero dizer.” Ele dá de ombros, ainda sorrindo. “Minha amiga, mas a garota de Shay.” Ele se inclina mais perto de mim, de pé, para que suas costas esteja em direção aos outros. “Cuidado com quantos ganchos se afundam em você, ok? Nunca é bom para ser enganada.” Ele me dizendo? Ele é a realeza do futebol. Balanço a cabeça, de pé na minha ponta dos pés enquanto ele abaixa a cabeça para mim. “Aprendi no ensino médio.” Ele concorda, mais solene, e segura o punho para mim. Encontro o dele com o meu, e ele acena com a cabeça para a cozinha. “Vou recarregar minha bebida e sair para pendurar com seu garoto.” Nota minhas mãos vazias.


“Você quer uma bebida?” Aponta para os outros. “Bebidas? Alguém?” Missy olha para mim, questionando. Aceno com a cabeça para ela. “Sim. Você precisa de ajuda para transportar?” Ele sorri para mim. “Você está de brincadeira? É como se você não me conhecesse.” Ele começa a sair, acenando para as meninas quando faz. Missy se aproxima, apontando para ele. Respondo antes que ela possa dizer algo: “Ele está trazendo bebidas.” “Esse é Raymond Linde.” Holly toma seu lugar. Sua prima toma seu lugar. A quarta amiga ainda está ao lado. “Não posso acreditar que Raymond Linde está pegando uma bebida para mim agora.” Essa é minha sugestão para escapar. Começo a me afastar delas. “Eu vejo alguém com quem tenho que falar. Vejo vocês mais tarde.” Todas concordam com a cabeça, até a quarta menina acena para mim. Eu me sinto mal por ela. Pelo que vi até agora, ela está no fundo de sua hierarquia. Quanto a mim, estou indo em direção a minha. Kristina está dobrando em gargalhadas. Sarah está rindo. Casey está balançando a cabeça para algo que Gage disse, e ele está rindo com Kristina. Seu braço ainda está em volta de Casey, mas ele está meioinclinado em torno dela para falar com Kristina.


“Clarke.” Olho para cima, vendo um dos colegas de quarto de Gage levantando sua cerveja em uma saudação. Aceno com a cabeça de volta, fechando a distância. Tenho que me mover pela mesa da cozinha para vir atrás de meu irmão. Kristina me viu primeiro, apontando com determinação. Casey e Gage olham, e então sou varrida com um grande abraço do meu irmão. Ele me levanta de meus pés. “Minha pequena irmã!” Ele me coloca de volta e fingi me repreender, “Tomou tempo suficiente.” Aponto de onde apenas vim. “Minha velha colega de quarto me deteve.” Linde está de volta com as bebidas, e grito para ele. Ele está do outro lado da mesa, mas me vê. “Ei!” “Estou aqui. Elas ainda estão por aí.” Ele acena com a cabeça e bate no ombro de um cara que está sentado na mesa. Entrega a ele um copo e aponta para mim. O cara disse algo a alguém na mesa e a bebida passa por cima. Pego agradecendo ao cara, e levantando como um brinde para Linde. “Obrigada!” Ele acena com a cabeça, atravessando a multidão e de volta a Missy e as meninas. Bebo um gole, observando. Ele entrega as bebidas para elas, diz mais algumas palavras, depois se vira para mim e aponta para o corredor traseiro. Fala, “Fora.” Aceno com a cabeça, dando-lhe um sinal de polegar para cima. “Nós deveríamos sair?” Gage também está assistindo. Dou de ombros. “Shay está lá fora.”


“Bem, vamos.” Guio o caminho. Algumas pessoas me dizem oi. Vejo Becca e Aby de ciências políticas em um canto, ambos parecendo estar vestidas como se devessem estar em uma boate. Elas se viram, mas me afasto de um grupo de gente para me esconder de sua visão. Isso me atingi, é o que estou adiando desde o início. Becca e Aby foram boas para mim, assim como minha colega de quarto e suas amigas estão fazendo agora. Kristina sempre foi, o mesmo para Casey. Mesmo Sarah é a mesma coisa. Ela raramente falava comigo antes do ataque e agora está assim. Não a aborreço. Ela não está sendo falsa. Aprecio isso. Uma vez que saímos, pergunto a Kristina: “Quem é o cara com quem Laura está falando?” Sarah ouve, respondendo com um resmungo, “Um cara que conheceu no último fim de semana. Ele é um idiota para todos.” Ela balança a cabeça, seguindo Casey e Gage, que assumiram a liderança. Shay, Linde e um monte de outros estão sentados no lado oposto do pátio em torno de uma mesa de piquenique. Eles parecem apenas falando. Kristina sacode a cabeça para mim. “Houve uma briga. Casey e Sarah acham que ele é uma má notícia, mas Laura não está ouvindo. Eu não tenho uma boa sensação sobre isso.” Gage joga a mão na mesa. “Ei! O que acontece?” Linde fala petulantemente rindo. “É o irmão de Clarke.” Gage levanta, revirando os olhos. “Boa, Linde.”


Linde ri, batendo na mesa. Ele parece menos sóbrio do que quando o vi um minuto antes. “Senta, irmão da Clarke, que é o incrível e melhor cara contra quem joga dardos.” Ele levanta a bebida, apontando para um cara diferente na mesa. “Você quer um novo cara de dardos? Este é o cara. Clarke deu uma surra em toda a casa na outra noite. O cara olha para avaliar meu irmão e estende a mão para que Gage aperte. “Cameron...” Gage sacode a mão do sujeito, sentando ao mesmo tempo ao lado de Linde. “Eu sei. Cameron Brewski. Você é o quarterback do time que pisamos hoje.” “Ei.” Um aviso baixo. Gage ri. “Estou apenas brincando. Não tive nada a ver com aquele espancamento.” Toda a mesa começa a rir. Cameron tem que aceitar. Ele apenas balança a cabeça, apontando o dedo para o meu irmão. “Gage Clarke. Você gosta de jogar dardos?” Os dois começam a falar. Casey senta ao lado do meu irmão. Sarah ao lado dela, e Kristina começa a sentar-se por último. O cara do lado Cameron a detém, segurando a mão sobre a mesa. “Não, não, não. Vocês garotas tem que se sentar aqui com a gente.” Kristina olha para mim, levantando as sobrancelhas com a questão. Sarah ergue a mão. “Estou te economizando o tempo. Ela tem um namorado sério.”


Ele ri, soando sincero. “Somente intenções de cavalheiros aqui. Prometo.” Ele abaixa a voz uma oitava, me indicando: “E você?” Um silêncio cai sobre a mesa. As sobrancelhas de Cameron se juntam quando ele olha ao redor. Sinto Shay me observando. Eu o sinto desde que pus os pés fora, e olho para cima, vendo seu olhar velado em mim. Gesticulo para ele. “Tenho um assento ...” Shay termina para mim, “Ela é comprometida.” Cruzo até ele, que recua para mim. Sua mão chega no meu quadril, e ele ajuda a me guiar. Está caminhando sobre o banco, vira para o resto da mesa e estou na frente dele. Recosto contra o peito. “Bem. Então.” Cameron fica quieto, seu olhar pensativo. “Ouvi rumores, mas não sabia que era confirmado.” Bebo minha bebida enquanto os braços de Shay me cercam, caindo no meu colo. Ele fala por trás da minha orelha, “Eu não sei o que você está fumando. Eu sei que Sabrina lhe falou sobre nós.” O amigo de Cameron não responde, seus olhos caindo sobre mim. Fico desconfortável, sem saber por quê. Shay está tenso, e então Linde diz algo e o olhar de Cameron é tirado de nós. Parece um peso levantando, e posso respirar mais fácil. Olho de volta para Shay sobre meu ombro, certificando-me de que ninguém mais poder me ouvir quando pergunto: “Por que aquele sujeito me dá arrepio?”


Ele balança a cabeça, curvando-se e colocando os lábios na minha orelha. “Eu vou explicar mais tarde.” Nós ficamos lá toda a noite, rindo e bebendo com amigos. Todos começam a sair por volta das cinco da manhã, e nós dois desmoronamos na cama. Naquela hora, o sujeito foi empurrado na minha mente, que quase não registra nada que Shay está dizendo. Eu só quero sua boca e seu corpo. E desistindo de tentar me contar o que seja, Shay me beija de volta e se move comigo na cama. Ninguém e nada mais importa. Estou exatamente onde quero estar.


CAPÍTULO TRINTA E TRÊS

A pausa de férias é agonizantemente lenta e muito rápida ao mesmo tempo. Gage dirigi meu carro no dia seguinte para casa e partimos depois de um café da manhã tardio com Kristina, Casey, Sarah, Shay e Linde. Pergunto onde Laura está, mas Sarah apenas aperta os lábios e cai em uma cadeira do outro lado de Casey. Kristina estremece. “Isso é um assunto dolorido agora.” Nunca descobri o que aconteceu, mas recebi uma bronca sobre Cameron Brewski. Foi mencionado na noite anterior que ele é o quarterback da equipe adversária, e aprendi que ele também é o rival de Shay por muito tempo. Eles foram para o mesmo colégio, foram para faculdades diferentes e namoraram a mesma garota. “Mesma menina?” Linde adiciona aquela última parte, observando Shay com um brilho provocador em seus olhos. Shay xinga em voz baixa. “Você é um idiota.” Linde ri. “Não tenho problema em derramar os feijões.” “Estou ciente.” Shay revira os olhos, batendo os dedos sobre a mesa antes de tomar uma decisão. Vira-se para mim. “Sabrina.” “Hã?” “Sabrina?” Casey franzi a testa. “Aquela menina da recepção?” Shay me diz: “Eu namorei com ela.”


“O quê?” Minha boca cai. Também perguntei a ela especificamente. “Ela disse que você era um amigo. Só isso. Por que é a primeira vez que estou ouvindo que você namorou?” Seu sorriso se transforma em um sorriso malicioso. “Porque geralmente não conversamos quando estamos sozinhos.” “Ah!” Gage deixa cair a torrada em seu prato. Fica parado, joga as mãos no ar e apoia longe da mesa. “Eu não quero ouvir sobre a vida sexual da minha irmã.” Pega o pedaço de pão novamente e faz um gesto para uma mesa diferente. “Conheço algumas dessas pessoas e vou terminar meu café da manhã. “ Shay passa a mão pelo cabelo antes de deixá-la cair para agarrar a parte de trás da minha cadeira. “Eu pensei que disse isso a você.” “Você não disse merda nenhuma para mim.” E pensando nisso, ele raramente faz. Ele conhece minhas coisas: meus problemas, meu trauma, minha família, minhas amigas. Começo a franzir o cenho. O que sei sobre ele? Além do óbvio, que é muito bom na cama e – sinto bolhas no meu estômago – há um monte de muito bom que sei sobre ele. O ar superior diminui, voltando a um sorriso. “Para ser sincero, não há muito a dizer. Eu a namorei no último ano por alguns meses. Nós terminamos e ela voltou à escola este ano namorando Brewski.” Linde ri. “Eu amo que seu sobrenome é Brewski. Sinto que estou pedindo uma cerveja toda vez que ouço isto.” Ignoro nosso amigo. “Se não era nada, você poderia ter mencionado isso.”


“Como você, eu sou privado. Você não andou proclamando nossa relação. Eu costumo fazer o mesmo sobre as meninas que namoro, até as meninas que costumava namorar. Não há nada aí, na verdade. Somos apenas amigos e quase nunca falamos.” “Então, por que você não me falou?” Ele pega meu café, levantando-o para tomar um gole. Diz, antes: “Porque não há nada a dizer. E nós tínhamos nosso próprio drama para lidar. Sabrina foi e não é um fator para nós.” “Você está quebrando o coração de Brewski, e você sabe disso.” Shay amaldiçoa, lançando um olhar na direção de Linde. “Você não está ajudando.” “Todo homem sabe que, eventualmente, há uma ex na conversa. Você conta sobre a ex, especialmente para a garota que você namora poder saber.” Linde aponta para mim. “Ela contou sobre o dela.” Seguro os dentes. O sorriso de Shay torna-se triunfante. “Na verdade, ela realmente não contou.” Ele está me observando, dizendo a ele: “Ela apenas mencionou ele.” Gage escolhe essa hora para voltar, sentando-se. “O que perdi?” Casey diz: “O ex da sua irmã.” “Maldito inferno.” Gage empurra a cadeira novamente. Ele pega todo o seu prato desta vez. “Apenas me deixe saber quando é hora de ir para casa.” Ele volta e pega o copo de café com ele. Essa conversa é uma das razões pelas quais o feriado quebra para sempre.


Shay não diz muito sobre o assunto, e toda vez que conversamos no telefone, ele evadiu a conversa como um todo. Estou completamente frustrada. Quero gritar e fazer uma birra, mas não posso porque nós estamos falando por um telefone, não consigo vê-lo nos olhos (não realmente embora estivéssemos no FaceTiming) e não posso empurrá-lo e trabalhar com alguma magia, então ele tem que me dizer. Nós estamos tendo uma dessas conversas novamente e estou no meu quarto, deitada na minha cama. Ele paira acima de mim, mas na tela do meu telefone. Pergunto: “Por que você não fala sobre Sabrina? Você disse que ela não importa, mas você está agindo como se ela importasse.” Ou sim. . . Sua expressão sorridente desaparece. “Não é ela, eu não quero falar sobre isso. Não tenho sentimentos por Sabrina, honestamente. É dele que eu não gosto de falar. “Como você terminou?” “Eu e Cameron?” “Shay.” Um baixo aviso meu. Ele solta um longo suspiro e se rende. “Sabrina e eu terminamos por minha causa, não dela. Eu não queria dizer qualquer coisa porque não quero que você pense o mesmo.” Um nó forma no meu interior. Não tinha um desses faz um tempo. Quase senti falta deles. Franzindo meu cenho. “O que aconteceu?” “Outra menina me beijou uma noite em uma festa, e esse tipo de coisa se transformou em uma história inteira onde a trai.”


“Você é um traidor?” É pior do que eu pensava. “Não! Não. Essa é a coisa. Eu não sou. Uma menina me beijou. Não a beijei de volta, mas o rumor espalhou para Sabrina antes que eu pudesse dar-lhe um aviso, e bem, não sei. Talvez eu a tenha deixado pensar o pior de mim.” Faço uma careta. “Por quê?” “Porque eu estava sobre o relacionamento.” Ele se arruma de lado, e posso dizer que está deitado em sua cama. Ele acrescenta: “Eu não a enganei. Eu não quero que você pense que sou um traidor, mas não empurrei a menina tão rápido quanto eu deveria.” Ele ergue a voz. “Mas não a beijei de volta. Isso é importante aqui.” Fico quieta. Nós nos reunimos em segredo. Fui a única que não quis ir mais longe oficialmente até meu ataque. Tudo mudou então, mas agora, uma tempestade está recolhendo dentro de mim, girando por aí. Eu não considerei o pensamento de que ele pode perder o interesse em mim. Ele pode ficar cansado de mim, como ele ficou com ela. Engoli, sentindo que o nó se movia para minha garganta. “Ei, ei.” Ele se inclina mais perto, sua voz abaixando para um murmúrio calmante. “Isso era eu e ela. Não é você e eu. Sabrina é bonita por dentro e por fora, mas ela não é compatível comigo. Nós não nos ajustamos. Isso é tudo. Mesmo ela lhe falará o mesmo. Eu acho que nós dois usamos o boato para salvar as aparências.” “Então, ela ainda tem sentimentos por você?”


Ela foi legal comigo, e se eu a ver no campus no próximo semestre? Será desajeitado. Não será? “Não. Ela está apaixonada por Cameron. Ela me disse antes, e eles estão aqui, mesmo. Eles estão na cidade. Cruzei com eles na mercearia. Ela disse que está encontrando seus pais e passando as férias aqui. Isso diz alguma coisa. Eles estão sérios, não como ela e eu éramos. Nunca mais estive com ela. Nunca fui sério sobre qualquer garota antes. Antes de você...” Estou me agarrando em cada uma de suas palavras. Ele para e bruscamente rolo fora da cama cama. “Oomph!” “O que aconteceu?” Posso ouvi-lo do meu telefone, que está no chão ao meu lado. “Kenz?” Eu me sento, passo uma mão pelo meu cabelo e pego o telefone. Minha porta abre, e Gage aparece dentro. “Você está bem?” Eu me torço. “Estou bem. Apenas cai da cama.” Eu mostro o meu telefone. “Falando com Shay.” Shay grita: “Ei, Gage.” Gage acena, franzindo o cenho. “Eu não quero saber por que falar com o seu namorado faz você cair da cama. E aí cara. Vejo você em alguns dias.” “Você também.” Gage sai, fechando a porta atrás dele, mas posso ouvir minha mãe perguntando se estou bem. Olho de volta para Shay, desejando novamente que vivêssemos três horas de distância um do outro e não três estados. “Minha mãe está perguntando a Gage se estou bem. Ela não vai


acreditar nele, e....” seus passos estão no corredor; estou narrando “...ela vai abrir essa porta para ter certeza de que estou bem em três, dois ...” Os passos param, e ela abre minha porta. “Querida?” “Estou falando com Shay.” “Oh!” Um sorriso se espalha pelo seu rosto. Ela está usando um vestido azul e branco. Um avental de babados sobre o vestido, e seu cabelo puxado em um nó francês. A única coisa que falta em sua roupa é um aspirador e um espanador. “Oi, Shay. Como você está?” “Estou bem, Sra. Clarke.” Ela me diz: “Os cookies estão prontos para serem enrolados. Você prometeu.” Suspiro. Eu tinha prometido. Eu sou uma idiota. “Sim. OK. Estarei lá dentro de alguns minutos.” Ela levanta a mão e balança os dedos. “Falo com você mais tarde, Shay. Foi tão agradável ver você de novo.” Ela sai, e Shay tem um olhar perplexo em seu rosto. “O que sua mãe está vestindo?” Estremeço. “Ela está convencida de que nossa sociedade está voltando aos anos 50, então ela está praticando. Ela está vestida como uma velha dona de casa. Eu prometi ajudá-la a fazer biscoitos.” Eu amaldiçoo em voz alta, levantando. “Podemos remarcar essa mudança para alguns dias antes? Posso vê-lo em dois dias em vez de quatro?”


Ele não pode responder. Eu só posso vê-lo balançando a cabeça e seus ombros trêmulos. Quando ele olha de volta, ouço seu riso. “Desculpe.” Ele tenta se acalmar. Não pode. Um novo lote de risos é derramado. “Minha mãe é uma advogada com aspirações políticas. Vai ser interessante quando se encontrarem.” A mãe dele . . . Deixo essas palavras mergulhar dentro. Ele está falando sobre um encontro com eles. É um bom sinal, muito bom sinal. Tento acalmar minha felicidade irracional rindo com ele. “Sim, bem, você não mora com ela. Ela era uma mãe de futebol na semana passada, quando teve que levar os filhos do nosso vizinho para o jogo de futebol. Todos estavam muito confusos, especialmente o árbitro. Ela foi até ele no segundo jogo.” Ele ainda está rindo. “Ok.” Passa uma mão sobre o rosto, tentando parar. “Oh cara. OK. Vou falar com você mais tarde. Eu a.... A tela fica preta. Não. Não posso. O que sei? Eu amo? Poderei continuar? Eu a..... Quebro minha cabeça pensando em outras palavras “a.” Não, não. Eu não posso ir onde meu coração já está. O 'a' é diminutivo para 'olhar'. Ele está ansioso para me ver em quatro dias, ou está ansioso para falar mais tarde? Deixo meu telefone na minha mesa de cabeceira e vou até a porta. Chego até a alcançar a maçaneta da porta, antes de voltar e mergulhar sobre a cama. Pegou o telefone e escrevo o texto. Eu: Você está ansioso? Foi isso o que você disse?


É a mais longa espera. Quero que o meu telefone volte para trás. Não volta. Rolo para as minhas costas, deixando o meu telefone descansar no meu peito. Mande mensagem de volta. Mande mensagem de volta. Então faz, zumbindo perto dos seios que estão sentindo falta dele. Coleman: Estou ansioso para foder seu cérebro. ;) Gemo, jogo o telefone de volta na cabeceira e murmuro em voz baixa, “Provocador.” Mas ainda tenho um sorriso ridículo no meu rosto quando vou à cozinha. É apropriado que minha mãe coloque “Hound Dog” de Elvis em segundo plano.


CAPÍTULO TRINTA E QUATRO

Kristina e Casey tiveram que trocar de quarto desde que eu estava me mudando. Isso significa ter que esperar e mover tudo uma vez que o quarto triplo estivesse aberto. Minhas coisas foram levadas para casa, mas não tinha muito para trazer de volta. Não trouxe nenhum mobiliário em primeiro lugar. O sofá namoradeira é de Missy e tudo mais. Ofereci uma televisão e micro-ondas, mas ela disse que suas coisas já estavam embaladas. Ela não queria descompactar, então usamos suas coisas todo o semestre. Este novo semestre é diferente. Estou de volta ao campus, e nós chegamos um dia antes para entrar no quarto. Shay apareceu, juntamente com metade do time de futebol. Gage e seus companheiros de quarto estavam lá, também, e o movimento demorou uma hora. Foi isto. Algumas outras meninas voltaram para o campus cedo, suas bocas estão meio abertas quando os caras passam. Nosso novo quarto é no final de um corredor, então estamos perto de uma entrada e saída, e no primeiro andar. É uma dupla vitória para mim. Eu posso escapar pela janela se eu realmente precisar. Então, a conselheira do andar apareceu, uma prancheta na mão e uma carranca gravada permanentemente em seu rosto. Ou ela está tentando franzir o cenho. Shay se apresenta, e a equipe segui o exemplo. Ela está tateando por palavras ao final e apenas nos entrega uma folha das


regras, dizendo: “Leia isso. Siga a carta. Sou rigorosa.” Ela olha de volta para Shay, cora e sai do quarto. A parte de trás do seu pescoço está vermelha. Linde ri, batendo em Shay no ombro. “Ainda tem essa magia.” Shay grunhi. “Deveria. Mais um ano de glória no futebol e todos somos adultos.” Gage estremece, passando por ele com seus companheiros de quarto no reboque. “Cara. Você não diga isso. Todos nós não precisamos estar deprimido.” “Isso é certo.” Um de seus companheiros de quarto bate nos ombros. “Nós temos essa noite para ser o epítome de imaturidade ainda. Onde é a festa?” Gage para antes de desaparecer no corredor. Ele aponta para mim. “Você está bem?” Eu concordo. Estou guardando minhas roupas. É a única coisa que trouxe que tem que ser guardada. Isso não é completamente verdade. Nós estamos usando o sofá de Casey e Kristina, seu micro-ondas, mas antes elas tinham uma pequena televisão. Eu insisti em trazer a minha, que já está instalada. Uma vez que Gage partiu com seus companheiros de quarto, a equipe começou a cair fora. Shay chega. “Posso ajudar a afastar isso.” Ele ergue um sutiã, um brilho em seus olhos enquanto mexe na gaveta. Ele toca apenas os sutiãs, roupas íntimas e camisas sexy. Ele me deu algumas delas como um


presente de natal. Uma vez que minhas roupas estão guardadas, as únicas coisas que restam são meus livros. Eles foram deixados em uma pilha na minha mesa, mas Shay tem outras coisas em sua mente. Ele envolve seus braços em volta de mim por trás. “Podemos fazer uma pausa?” Eu me inclino para trás, olhando para ele. Sinto um sorriso correspondente vindo ao meu rosto. Nós dois sabemos o que ele quer fazer com o seu intervalo. “É a minha primeira noite com minhas colegas de quarto.” “Estamos indo para o Shay,” Casey diz, entrando na sala principal vindo do quarto que é anexo. Nosso dormitório consiste em dois quartos. Um com alguns armários, todas as mesas e a sala-de-estar. O segundo quarto tem o resto dos armários e as camas. Casey e Kristina estavam ajudando os caras a colocar as camas juntas. Eu não tenho certeza de qual é a minha, mas na verdade não importa. Dormiria onde quer que fosse. Pergunto, “Shay?” A mão de Shay se move para a minha cintura, mas ele ainda está pressionado contra mim. “Sim.” Ela pega um de seus livros e coloca na prateleira acima de sua mesa. “Eles estão tendo pessoas procurando cerveja e pizza. Ele não lhe disse?” Ela acena para o namorado atrás de mim. “Não.” Shay fala petulantemente rindo, seus dedos flexionados contra minha pele. “Nem mesmo sabia, mas os caras talvez falaram sobre isso e


talvez não estivesse ouvindo.” Ele beija meu pescoço e murmura no meu ouvido, “podemos sair mais cedo.” Suprimo um desses arrepios viciantes. “Vocês estão indo lá em breve?” Kristina ainda está no quarto, mas Casey acena para mim. “Vamos. Faça um doce, doce amor para o seu homem. Tenho um carro aqui em breve, então vamos acabar em uma hora ou duas.” Shay não perde tempo. Ele pega minha mão e abre o caminho. Algumas meninas estão entrando pela porta dos fundos, e uma ofega ao ver Shay. Seus olhos se arregalam e sua mão salta para cobrir a boca. Duas de suas amigas param, e alguém pergunta quando passamos e saímos: “Quem é esse?” “Esse é Sha...” A porta se fecha atrás de nós. Shay olha para mim, mas apenas balanço minha cabeça. Ele está sorrindo. Não preciso deixar sua cabeça crescer mais do que está. “Continue andando, Durão.” Ele dá uma risada e me aperta. Nós vamos para sua casa, mas Linde e um grupo de pessoas que não conheço estão no pátio. Todos eles querem dizer olá para Shay. Ele contorna a mesa, cumprimentando todos com um ritual de punhos, dizendo olá para os outros, e abraçando algumas meninas. As meninas iniciam o abraço, não Shay, mas sei que ele não pode rejeitar. Entendo. Isso é parte de sua vida. Ele já era popular quando o conheci.


Nada mudou ao longo do ano, exceto nós. Ele ainda é o grande homem no campus, e não é porque ele joga seu peso ao redor. Ele simplesmente é. E momentos como este, onde tenho certeza de que ele não conhece essas pessoas, ele nunca as deixou saber. Elas o conhecem, então ele retorna a saudação, e quando pega minha mão e diz adeus, vejo o resíduo que ele deixa. É um bom tipo de resíduo, onde eles se sentem quentes e importante, como se eles importassem. Aquele é Shay sendo ele mesmo, educado e atencioso. Tenho outro momento venha-para-Jesus. Shay não é nada como pensei pela primeira vez. Ele é quase o oposto. “O quê?” Ele pergunta, franzindo o cenho enquanto abre a porta do quarto. “Nada.” “Não.” Ele coloca as chaves na sua cômoda e fica ali enquanto sento na beirada da cama. Ele começa a pegar sua camisa para retirá-la, mas faz uma pausa. Ele me dá um olhar pensativo, levantando a cabeça para o lado e estreitando os olhos. “O que é isso? Você definitivamente pensou em algo.” Ele tira a camisa, desaparece no armário e pega uma nova. Ele a puxa, suas mãos na calça. Ele faz uma pausa, olha para baixo, como se esqueceu o que está fazendo e encolhe os ombros. Ele as deixa, atravessando para puxar a cadeira da mesa e senta, bem na minha frente. Pegando minhas mãos entre as suas, ele se inclina. Seus cotovelos


descansam nos joelhos e suas pernas descansam na minha parte da cama, me atrapalhando. “Diga-me o que há de novo.” Assisto enquanto ele brinca com uma das minhas mãos, traçando-a com os dedos. “Estava realmente errada sobre você no começo.” Encolho os ombros. “Isso é tudo.” “Errada?” Ele ergue a cabeça. “Você sabe, realmente nunca conversamos sobre o início quando você me odiava.” Minha garganta para de funcionar. “Você quer que eu diga por que eu odeio você?” Ele concorda solenemente. “Por que não?” Minha garganta está cheia por algum motivo. Tusso, limpando e começo de novo. “Eu acho que assumi que você era como meu ex.” “O cara Parker?” Passo meus dedos pelo cabelo. Ele abaixa a cabeça, mostrando um pequeno sorriso libertino e sinto meu estômago agitar. Suspiro. “Ele parecia com você.” “Ele parecia?” Shay faz uma careta, continuando a traçar os dedos sobre minhas palmas. “Ele

não

é

tão

bonito

quanto

você.

Você

o

espancou

abundantemente nessa área.” Ele para de traçar minha palma e segura minhas mãos entre as dele. “Graças a Deus por isso, hein?” Olho nossas mãos, minha mente em memórias. “Ele é arrogante, mas não percebi. Não no início.”


Ele me convidou para um café. Pensei quão madura ele deve pensar que sou. Mas não. Ele sabia exatamente o efeito de seu encanto. Uma mera calouro convocada por um sénior. Eu desmaiei. “Nós fomos em algumas encontros antes que algo acontecesse. Eu pensei que talvez ele estivesse com medo de fazer um movimento, já que a maioria dos caras tinha. Você sabe, por causa de Gage.” Só posso mexer minha cabeça. “Isso era tão longe da verdade. Ele estava aguardando seu tempo. Ele queria que eu estivesse completamente apaixonada por ele.” Uma risada amarga escorrega. “Eu descobri mais tarde que ele tinha um cronograma. Ele queria ter certeza de que eu estava sob o polegar quando chegasse o Natal. Blake estava estava trabalhando. Ele então estava voltando, e queria encontrar meu novo namorado. Parker me disse para manter isso como uma surpresa. Ele achava que Blake sairia chutando, então eu nunca disse seu nome. Também fui vaga nos detalhes. Blake só sabia que havia um cara.” “Ele não perguntou de Gage?” “Gage não sabia o quanto Blake odiava Parker. Blake manteve tudo em segredo. Nós não sabíamos o que aconteceu até mais tarde.” Então, eu disse a ele. Parker era um ano mais novo do que Blake, mas ainda era o líder da equipe de debate, Yearbook Jr. Editor, e depois mais tarde Editor Sênior em todos os tipos de eventos acadêmicos. Era o capitão da equipe de natação e do time de meninos do tênis. Blake era o oposto.


Ele se destacou em festas, futebol, wrestling e beisebol. Ambos eram populares, mas Blake corria com amigos que não lutavam com palavras. Eles lutavam com suas mãos, e uma noite em uma festa, os dois foram nisto. Não importava que Parker fosse mais jovem. Blake o humilhou. Parker foi despojado de suas roupas. Os caras estavam rindo dele. Houve um incidente sobre correr por um campo onde o perseguiram como se fosse um cervo. Não estou certa, e ouvi o suficiente para me horrorizar. A polícia acusou meu irmão, e ele ficou um ano em liberdade condicional. Ele nunca foi para a faculdade, em vez disso ele ficou em casa e conseguiu um emprego com uma empresa de construção local. “Você não sabia que era Parker?” Balanço minha cabeça. “Eu sabia sobre o incidente, mas nunca soube que era Parker. Talvez tenha ouvido, mas era quatro anos mais nova do que Blake. Eu só conhecia seus amigos. Eu não conhecia mais ninguém em sua série. Só sabia que tinha sido um cara.” “Sinto muito.” Shay aperta minhas mãos, deixando um beijo suave nelas. Aprecio esse pequeno carinho antes de continuar. “Foi como uma bomba quando Blake chegou em casa. Parker veio para um jantar, uma espécie de “conhecer a coisa dos pais,” mas foi Blake que ele encontrou. Minha mãe também o conhecia pela primeira vez.” Gritos. Os pratos foram destruídos.


Minha mãe gritou de surpresa, e isso interrompeu Blake de lançar uma cadeira na parede. Ele abaixou e apontou para a porta. “Saia! AGORA!” “Parker saiu aquela noite. Eu também.” Encontro os olhos de Shay, vejo a simpatia lá e sei que não merecia isto. “Eu escolhi um lado naquela noite. Eu escolhi Parker.” “Kenz,” Shay murmura, esfregando minha mão entre as dele. “Você não pode se culpar. Você era criança. Ele estava jogando com você.” “Eu perdi o jogo. Ele dormiu com minha melhor amiga um mês depois. Fiquei sabendo deles. Ele a tinha debruçada na cama e eles se encontraram para o resto do ano.” Eu podia vê-los caminhando pelos corredores, segurando as mãos. “Eles riam de mim, quase toda vez que me viam no resto do ano.” “Que babaca.” Ainda doe. Sinto isso no meu lado. “Sim.” “Ei.” Sua voz fica rouca. Ele inclina minha cabeça para encontrar seus olhos. “Nada de certo acontecerá para ele. Você sabe disso, certo? Se ele fez essa merda no colégio, ele vai fazer pior agora. Ele continuará até que algo ruim lhe aconteça. Pessoas assim ficam fodidas no final. Eles sempre fazem.” Não. Nem sempre, mas me sinto um pouco melhor. “Obrigado por isso.” “Pelo quê?” Dou de ombros. “Por fazer o arrependimento desaparecer.” “Isso?” Ele acena, parado. “Isso não foi nada.” Eu me inclino para trás.


Ele começa a rastejar para a cama. Vou mais para trás, abrindo espaço para ele, e depois de viajar até a cabeceira da cama, ele faz uma pausa. Ele apoia suas pernas sobre mim, mas não se senta. Ele está meio ajoelhado sobre mim, dobrando para que estivéssemos olhando um para o outro nos olhos. Ele baixa a voz, quase para um sussurro. “Nós não somos realmente um tipo de casal sério. Quero dizer, podemos ser.” Nós compartilhamos um olhar, ambos pensando no meu ataque. Ele continua: “Mas você sabe o que quero dizer. Você me faz rir desde o início.” Ele pega o lado do meu rosto, o polegar escovando minha bochecha, persistindo pelos meus lábios. “Quanto mais briguenta você é, mais eu fico fascinado. Quero pressionar seus botões. Quero ver a vida inundar seus olhos, fazer o seu rosto caloroso. Quero ver o brilho voltar. Isso é como tomar o controle. Isso transforma você. Gosto de você estar no piloto automático até eu dizer algo ou te irritar. Pode ser apenas um olhar, ou inferno, se eu colocar meu pé na parte de trás da cadeira.” Endureço. “Eu odeio isso.” “Viu.” Ele ri, seus malditos olhos perto de me derreter. “Um interruptor vira agora. Você está aqui. Você está bem. Você está normal, e então você fica brava, e é como se você brilhasse. Você acende a sala.” Ele descansa na cama ao meu lado, pegando e me virando, então estou meio deitada sobre ele. Ele escova alguns fios do meu cabelo, e inclino minha cabeça para vê-lo melhor. Pergunto: “Eu sou como uma luz de néon?”


“Exatamente.” “Você está brincando comigo? Esse é o seu discurso romântico?” “Palavra romântica? Nós temos que fazer discursos agora neste relacionamento?” Ele se senta, pega minha cintura, e me levanta para empurrar nele. Olho para ele, descansando as mãos no seu estômago. Ele se recosta, dobrando as mãos atrás de sua cabeça. Parece que ele é um rei e não se importa com o mundo naquele momento. “Talvez devêssemos.” Levanto meu queixo em desafio. “Talvez você tenha que me contar cinco coisas boas sobre mim cada di... “ “Sexy. Quente.” Ele está listando com os dedos. “Engraçada. Inteligente. Corajosa.” Seu sorriso fica presunçoso. “Sua vez.” Começo a rir, finalizando, “...a e vou fazer o mesmo por você.” Ele volta a sentar, me surpreendendo, mas apenas passa as mãos pelos meus braços até a cintura. Elas deslizam sob minha camisa, e ele inclina a cabeça para me olhar nos olhos. Nossos lábios estão a poucos centímetros de distância. “Você deveria me cumprimentar, Clarke.” “Ha-ha.” Mas é um jogo. “Bem. Você é sexy e quente.” “Pense em novas palavras. Não copie o meu.” Eu mudo sem perder uma batida. “Bonito e delicioso, lindo” “Muito melhor.” Seu sorriso cresce. Meu corpo se acende quando sua mão começa a explorar, indo mais longe nas minhas costas. Adiciono, engatinhando com uma nota, “Você é esperto. Tipo. Você me apoia.”


“Você sabe o que mais eu sou bom?” “O quê?” Sua mão circunda minhas costelas e desliza debaixo do meu sutiã antes de segurar meu seio. Tenho uma boa ideia do que ele vai dizer, mas espero. Adoro a espera. Ele murmura com voz rouca: “Sou malditamente bom na cama.” Seus lábios cobrem o meu, e o passado foge da minha mente. Tudo foge, roupas incluídas.


CAPÍTULO TRINTA E CINCO

Estou no banheiro do meu novo dormitório, me preparando para a cama. É tarde naquela noite, cerca de duas da manhã, então é tecnicamente no dia seguinte. Kristina e Casey vieram e assistiram filmes na sala de estar com Linde e o mesmo grupo de amigos. Shay e eu nos juntamos depois de outra hora passada na cama, e a noite inteira foi divertida. Cerveja. Pizza. Filmes. E gargalhadas, muita risada. Amigos de Linde quem seja, eram bons. Algumas garotas me deram um olhar sombrio quando Shay me puxou para o seu lado, mas alguns de seus outros companheiros de quarto se juntaram a nós e as meninas foram distraídas em algum momento. Shay nos levou de volta. Casey deixou seu carro lá desde que ela e Kristina tiveram algumas cervejas demais. Elas estão no quarto agora, rindo de algo no computador, mas estou realmente cansada. Agarro meu roupão de banho e estou terminando quando uma menina entra. Ela para algumas pias da minha. Dei o sorriso de Olá quando ela entrou pela primeira vez, mas não falei. Sinto sua atenção depois de alguns segundos. Ela continua olhando, até acabar de lavar as mãos. Então, fica ali parada. O rosto dela está virado em minha direção, com as mãos apoiadas na pia. “Você está namorando Shay Coleman.” Ela acrescenta: “Você é sua namorada. Você é quem foi atacada no semestre passado.”


Não estava esperando isso, mas um sentimento de que a conheço enraíza em mim. Talvez? Não havia nada que se destacasse nela. Ela é delgada, cabelo que passa por seus ombros e olhos castanhos. Seus olhos estão um pouco longe demais e seu nariz parece um pouco grande demais para seu rosto. Tem lábios finos. Tento me lembrar. . . “Já nos encontramos antes?” “Não.” Oh. “Ok.” Engulo por um nódulo. “Qual o seu nome?” “Qual o seu?” Ela não para uma batida. Volta com essa pergunta, e não pisca. Está me olhando como se estivéssemos falando sobre o clima, mas não se importa se um tornado estiver vindo para nós ou não. Algo muda no meu interior, um instinto. Abaixo isso. Não preciso fazer inimigos na minha primeira noite neste dormitório. “Acho que você sabe meu nome.” Ela estreita os olhos por uma fração de segundo antes de estar sorrindo. “Você está certa. Eu sei. Você é a irmã de Gage Clarke também.” As pessoas estão falando sobre mim desde o meu ataque. Sabem que estou com Shay, e conhecer pessoas inclui quem é meu irmão nas fofocas. Eu não devo ficar surpresa, mas essa menina veio em mim de uma maneira diferente.


Ela é presunçosa em saber quem sou, enquanto não a conheço. Isso não está certo para mim. “Bem, você não é a abelha ocupada, sabendo tudo sobre mim.” Viro para encará-la diretamente, embora não dê um passo em sua direção. Estou contente com o pequeno espaço que há entre nós, e a porta está atrás mim. Eu abro e uso para bater na cabeça se alguma coisa acontecer. “O que você disse?” “Você me ouviu.” Cruzo meus braços sobre meu peito, ainda segurando minha escova de dentes. “Eu posso descobrir quem você é, se é isso que você está pensando. Tudo o que tenho a fazer é pedir a conselheira pra saber sobre quem veio um dia antes, como nós. Algo me diz que ela sabe exatamente com quem estou falando.” Mas eu a conheço. Não consigo sacudir esse sentimento. Simplesmente não sabia de onde. Há mais, também. Um sentimento no meu interior, como se estivesse lembrando de outra coisa. Não consigo lembrar de onde a conheço. Seus lábios se curvam, quebrando a estranha expressão facial de pedra para sorrir. “Eu sou Phoebe Brewski. A irmã de Cameron. Conheço Shay do ensino médio.” Outro soco lateral. OK. Eu não a conheço. Eu me lembraria desse petisco. “Não é o que estava esperando que você dissesse. “ Ela ri. “Não estou aqui para começar uma briga. Estou apenas deixando você saber que te conheço no caso de você alguma vez querer falar. Estou a poucas portas de você e suas companheiras de quarto.”


“Você conhece minha colegas de quarto?” “Eu as ouvi. Vocês foram barulhentas esta noite.” Eu me encolho. “Nós acordamos você.” Noto sua calça e camisa de pijama, e como ela não está carregando um roupão de banheiro, porque ela já estava na cama. “Me desculpe por isso.” Ela balança a cabeça. “Está bem. Eu diria para você dizer a Shay oi por mim, mas isso não seria inútil. Ele nunca soube quem eu era na escola.” “Uh.” Faço uma careta. “Tenho certeza que ele fez. Eu digo a ele.” Ela fica ali por mais um segundo e depois entra abruptamente em uma das cabines do banheiro. Vou para fora e estou caminhando de volta para o quarto quando ouço a descarga e abertura da porta da cabine novamente. Posso ouvir o barulho, mas estou indo ao meu quarto quando ouço a porta do banheiro se abrir. Casey tem Kristina em uma chave de braço, ambas corados e suando. Elas param, olham para mim e não. Não estou indo lá. Passo logo atrás, coloco meu roupão, pego meu telefone e me arrasto debaixo das cobertas. Elas retomam sua luta, então coloco dois tampões de ouvido e mando texto para Shay. Eu: Eu estou dormindo em sua casa amanhã à noite. Coleman: Ok. Indo dormir agora? Eu: Sim. Coleman: Quer fazer um pouco de sexo? Sorrio.


Eu: Não. Ele vai me acordar. Coleman: Você tem certeza? Posso tirar fotos. Eu: Não me envie um p... Antes que eu possa terminar meu texto, meu telefone zumbi e uma foto de um pau está ali mesmo. Termino meu texto, ...au. Isso é seu? Posso imaginá-lo sorrindo. Coleman: Você acha que eu tenho um arquivo de outras fotos de pau para enviar para pedir uma chance de uma? Eu: Sim. Coleman: Você me conhece tão bem, mas o que você acha? O meu é melhor, certo? Sorrio para mim mesmo, sentindo a leve tensão de encontrar a menina desaparecer. De repente, a luta livre e os sons não são tão altos, e minha cama está ficando confortável. Eu me aconchego, colocando o cobertor sobre meu queixo. Eu: Você sabe que é. Coleman: Ainda não quer fazer um sexo sujo? Rio sem graça. Eu: Toque você mesmo. Coleman: Você primeiro. Eu: Eu já estou. Coleman: Você está? Foto? Faço uma careta. Eu: Nojento. Não. Coleman: Ok. Eu tenho uma boa memória. Estou lembrando agora.


Eu: Ainda está se tocando? Coleman: Desejando que fosse você. Gemo, e meus dedos se abaixam no meu estômago. Eu: Você está realmente se tocando? Coleman: Você não está? Não posso acreditar que estou fazendo isso, mas empurro dois dedos para dentro de mim, entre minhas dobras e abaixo no meu lábio. Eu: Agora estou. Coleman: Foda. Alargo os olhos. Isso é tudo o que ele vai dizer? Eu: É isso? Sério? Coleman: Estou dirigindo para buscá-la agora. Vista-se. Eu pulo, jogando de volta as cobertas. Espumando um pouco de gel antibacteriano, eu me apresso para algum moletom e pego uma camiseta. Meias e tênis são as próximas, e então entro na sala da frente. Kristina e Casey estão no sofá, um saco de batatas entre elas e Fifties Shades of Gray na tela da televisão. “Deixe-me adivinhar.” Casey aponta para mim, uma batata na mão. “Temas atraentes com o seu homem?” Os olhos de Kristina estão vidrados. Ela não diz nada, apenas pega um punhado de batatas fritas e enfia na boca. “Tudo bem? Estarei aqui amanhã à noite por causa das aulas no dia seguinte, mas ainda temos um dia de folga.”


Casey acena, estalando a batata em sua boca. “Você se diverte e nos conta tudo mais tarde. Vivemos vivamente através de você.” “Fale por você mesmo.” Kristina pega outro punhado de batatas fritas. “Eu tenho um homem.” Casey suspira. “Vocês duas têm homens. Eu te odeio.” Cada uma acena quando saio. Indo para a porta dos fundos, ligo para Shay de onde estou, mas não demora até os faróis avançarem sobre o prédio. Seu Jeep entra no nosso estacionamento e se vira para que a porta do passageiro esteja de frente para mim. Digo quando entro, “Ei.” “Ei.” Ele me pega, seus olhos escurecem de fome. Não tenho um comentário inteligente para fazer. Estou sentindo a mesma fome que ele, mas alcanço meu cinto de segurança e olho para cima. Tudo congela por um segundo. Engasgo, vendo Phoebe em sua janela. Ela usa a mesma expressão branca e quase morta, e está olhando de novo para mim. Não há nenhuma razão para preocupar. É tarde da noite. Ela está acordada. Tem sentido dela estar curiosa sobre os faróis de um carro à noite, mas é como ela estivesse de pé na janela. Como se estivesse esperando. Como se soubesse que ia me assistir. Isso envia um arrepio pela coluna vertebral. Shay está se afastando do meio-fio e olha por cima. “O que foi?”


Falo sobre Phoebe, mas ele apenas franzi a testa. “Cameron tem uma irmã? Eu não tinha ideia. Como ela é?” “Ela é....estranha.” Ele encolhe os ombros. “Você quer que eu diga alguma coisa a Cameron sobre ela?” “Não. Nem sei realmente por que disse algo agora.” Eu ainda me sinto perturbado, por isso, mas eu não sei se devo me sentir desse jeito? Ele acena com a cabeça, e quando chegamos a sua casa, e em seu quarto, ele volta aquele sorriso perverso. “Agora. Sobre aquele sexo pelo texto que estávamos fazendo...”


CAPÍTULO TRINTA E SEIS

Shay me acorda na manhã seguinte com beijos em volta minhas costas nuas. Está apoiado em mim, e olho, minha cabeça enterrada no travesseiro. “Dia.” Ele sorri, deixando cair um último beijo na parte de trás do meu ombro. “Dia.” Pula sobre mim em um movimento suave e fluido, pousando silenciosamente no chão, onde não faz uma pausa quando se abaixa e pega meu telefone. Atira para pousar na cama de onde ele simplesmente saiu. “Suas amigas continuam ligando para você. O toque me despertou.” “Minhas amigas?” Rolo para agarrá-lo, puxando seu lençol para cobrir meus seios. Como ele sabia? Mas ele está certo. Ele entra no banheiro com sua glória nua, e eu abro o primeiro texto de Kristina quando ouço o chuveiro ligar. Kristina: Ei, garota! Volte aqui. C, S, L e eu vamos ao restaurante do campus para comer. Sua presença é necessária! Outro texto uma hora depois. Kristina: Ok. Estamos indo seriamente. Se vista. Eu vou colocar a Casey em você. Ela está prestes a começar a ligar. Casey: Jantar de companheiras de quarto. Agora! Onde está você? Cinco minutos depois disso. Casey: Ok. Correção. S e L estão chegando, mas todas nós seremos companheiras de quarto um dia. Tenha seu lindo traseiro aqui agora!


Então as chamadas telefônicas começaram. Tinha uma a cada cinco minutos. Meu telefone começa a tocar, e aceito a ligação, não precisando ver quem é primeiro. “Dia, Casey.” “AH! Você está acordada? Vocês pararam de fazer sexo?” Rio, rolando para o meu lado, de costas para o banheiro. O chuveiro parou, e não preciso me distrair mais do que já estou. Coloco o telefone perto da minha orelha. “Ha-ha. Acabamos de acordar.” “Às onze da manhã.” “E nós não dormimos...” Shay diz, voltando para o quarto, “Ela realmente precisa saber disso?” Viro “...mais tarde do que quando eu saí.” “Hm-mm.” Um grunhido conhecido vem dela. “OK. Ouça, nós íamos encontrar as garotas agora, mas aguardamos mais trinta minutos. Você pode chegar até aqui? Queremos que você venha hoje. É toda uma tradição que começamos no último semestre, e você é parte disso agora.” O calor se espalha sobre mim e sento, encontrando o olhar de Shay. “Sim. Daqui a pouco. Tem roupas aqui. Posso trocar e ir encontrar o pessoal.” Shay franzi a testa, abaixando a cabeça para puxar uma camisa. Ele já pegou algum jeans, mas não o fechou. “OK. Nós estamos indo, então!” Desligo e digo, puxando meus joelhos contra meu peito, “Elas estão fazendo um café, mas acho que é uma coisa de almoço.”


Ele agarra suas meias e sapatos e se senta ao meu lado. “Nesse caso, é melhor deixar o quarto enquanto você está no chuveiro. Eu não confio em mim mesmo.” Ele se inclina, me beijando e suspiro. Caio nele e ele rosna, me pegando para sentar em seu colo. Passo meus braços ao redor de seu pescoço, ainda o beijando, e não demora muito para que ele comece a puxar o lençol para longe de mim. “Não, não.” Fico de pé, pegando o lençol comigo. “Você tira isso, e não iremos ter muito tempo depois e devo estar lá.” Corro ao redor, sorrindo por cima do meu ombro. “Não entre no banheiro.” Ele ri, passando a mão pelo cabelo molhado. “Cristo. Eu acho que estou viciado em você.” Ele pega seu próprio telefone e gesticula para a porta, pegando suas chaves e carteira também. “Eu vou estar lá embaixo.” Depois de um banho rápido, decido deixar meu cabelo secar ao ar e puxo em uma trança mais tarde. Pego roupas limpas de uma gaveta que estava usando, visto e estou descendo. Encontro Shay sentado no pátio traseiro. Ele está falando com mais pessoas que não reconheço, e todos dizem adeus quando partimos. Tínhamos cinco minutos para chegar lá. Pergunto, depois de estarmos em seu Jeep dando ré, “Quem são essas pessoas?” “Um de nossos colegas de quarto vai para uma outra faculdade na cidade. Aqueles eram alguns de seus amigos.” “Eu pensei que eram só jogadores de futebol na casa?” “Não.” Ele balança a cabeça. “A maioria de nós é jogador de futebol, mas temos dois que não são. Um é o primo do Linde. Ele é o cara que vai


para outra faculdade. Aqueles são seus amigos, mas nós conseguimos outro cara que conheço do ensino médio. É por isso que Cameron estava na casa naquela noite. Ele é bom amigo desse cara. Ele ficou para sair com ele.” Cameron. Que estava namorando a linda Sabrina. A sua irmã está no meu andar. Estou ouvindo agora sobre o amigo do ensino médio que ele e Shay compartilharam? Nada disso está parecendo bom para mim. Não sei por quê. Quero dizer, Shay e eu não temos muitas conversas sérias, como ele disse antes, mas uma garota talvez deva saber algumas coisas sobre o cara com quem está dormindo. Certo? Então, novamente, começamos a namorar em circunstâncias atenuantes. Porra. Começamos a dormir juntos em circunstâncias atenuantes. Praticamente vivi com ele por um mês e meio antes das férias. Algumas dessas conversas deveriam surgir então. Talvez? Mas não. Fui atacada. Estava lidando com toda essa situação. As conversas normais que um cara e uma menina que começam a namorar não aconteceram. É como se estivéssemos jogando catchup. Parece estranho ser a única a fazer as perguntas. Não quero ser a namorada que parece que está irritada ou pedindo informações. Tudo isso me dá uma erupção cutânea.


Preciso pensar em outra coisa. “Tenho uma consulta no psicólogo no final da semana.” Boa, Clarke. Eu me encolho. É com isso que vou? Meu psicólogo? “Sim? Você quer uma carona até lá?” Balanço minha cabeça. “Você tem aulas, eu acho. Posso dirigir.” “Você não o está vendo no campus?” Outra agitação da minha cabeça. “Gosto mais da do hospital, então vou voltar para ela.” “Isso é bom.” Ele olha para mim, puxando agora para o campus. “Que continua com as sessões. Sei que esse foi um critério para a escola no último semestre, mas você está mantendo isso.” “Sim. Bem.” Tenho que falar com alguém sobre isso. Nunca funciona na minha conversa diária normal, com razão. Não gosto de falar sobre isso. “Bem?” Ele pega outra direita, indo do estacionamento pelo restaurante do campus. “O que?” “Você disse ‘bem’. O que você quer dizer com isso?” “Oh.” Ele para na frente do restaurante, e pego a maçaneta da porta. “Ei.” Ele suaviza o tom. “Olhe para mim.” Faço, segurando a maçaneta da porta tão forte que meus dedos puxam. “Sim?” Não quero olhar para os olhos dele. Não quero ver a bondade, a simpatia, a preocupação, todas aquelas emoções e qualidades que me apaixonaram tão rápido quanto estou, apesar de ter lutado contra isso.


Mas olho e fico viciada, como toda vez que ele sorri para mim, estica uma mão sobre meu rosto, enfia um pouco de cabelo atrás da minha orelha ou me beija daquele jeito tão gentil que ele às vezes faz. Isso faz meu coração acelerar, e estou sentindo as repercussões de novo. Fodido A. Estou apaixonada. “Você está bem?” Não consigo responder. Minha garganta fica momentaneamente paralisada. “Kennedy?” Ele chega, escovando a parte de trás de seus dedos sobre minha bochecha. Sinto uma lágrima se formando e limpo minha garganta. Consigo um sorriso. “Estou bem. Somente... Eu não falo sobre o ataque. Isso ainda me afeta.” Ele franzi a testa, sua mão caindo. “Já reparei. Devo perguntar sobre isso? Eu realmente não sei meu papel em relação a essa área. Devo deixar você falar quando quiser? Merda. Talvez eu nem deva te perguntar agora.” Ele parece tão rasgado, e tenho pena dele. Pego sua mão, apertando. “Você está indo bem. Não gosto de pensar sobre isso, honestamente, mas sei que tenho que fazer isso, e quando precisar conversar, eu vou.” Ele concorda. “OK. Bem, estou aqui. Você sabe disso, certo?” Ele gesticula entre nós, meio sorrindo. “Quero dizer, o sexo é fantástico, mas também estou aqui para as coisas sérias.”


Correspondo a seu sorriso. “Você sempre sabe as coisas certas a dizer.” O meio sorriso dele se transforma em um completo, e ele se inclina. Sussurrando, seus lábios se encontram com os meus quando vou no meio do caminho, “Você sabe disso. É por isso que você está namorando comigo, porque eu digo as coisas certas.” Dou uma risada, abrindo a porta e saindo. “Certo. Totalmente PC, também.” “Você é bem direta.” Ele pisca. Rio uma vez mais, dando-lhe um pequeno aceno. “Eu falo com você mais tarde.” “Divirta-se com suas amigas. Me ligue se quiser me ver esta noite. Caso contrário, vou ligar mais tarde.” Aceno com a cabeça e então entro enquanto ele se afasta. Há pessoas fora do restaurante que reconheceram Shay e seu Jeep, mas ignoro os olhares enquanto me observam entrar. Tenho a sensação de que será assim durante o resto do tempo que o namorar. O restaurante não está muito lotado quando entro. A maioria dos alunos apenas está chegando naquele dia. É perto do meio-dia, e não tenho dúvidas de que o lugar estará lotado à noite. Todos gostam de encontrar seus amigos. Kristina e Casey acenam de uma cabine traseira. Sarah e Laura estão lá, e se viram para me dar um sorriso acolhedor. Casey tira o telefone quando chego à mesa. “Você está apenas dois minutos atrasada. Merda, mulher. Tinha certeza de que você e aquele


homem

quente

tentariam

uma

rapidinha.”

Ela

assobia.

“Estou

impressionada.” “Ha-ha.” Aceno com olá para todos, caindo no assento ao lado de Sarah e em frente a Kristina. Uma grande pizza está na mesa e todos tem uma ou duas fatias nos pratos. Pergunto, observando que a pizza não parece tocada, “Essa é a segunda pizza que você pediu?” Kristina concorda. “Nós estamos com fome.” Casey grunhiu. “Nós estamos de ressaca. Pizza cura essa merda.” Sarah e Laura riem, agarrando suas fatias para mordiscar. “Você se divertiu noite passada?” Casey engasga em sua fatia. “Você vai ter que ser mais específica. Nossa garota vive uma vida bastante ativa.” As bochechas de Kristina ficam rosadas, mas ela revira os olhos. “Na noite passada, filmes na casa de Shay. Você se divertiu?” “Eu me diverti. E você?” Ela concorda. “Linde é muito divertido. Ele é um bom cara.” Casey pergunta: “Ele está solteiro?” Faço uma careta. “Por quê? Você está interessada?” Casey levanta um ombro. “Talvez.” Faço uma careta novamente. “E o meu irmão?” “Você quer os detalhes sobre a vida amorosa do seu irmão?” Sarah riu quando me pergunta. Não entendo, mas vejo o olhar nos olhos de Casey. Estou pensando que vou descobrir mais do que quero.


Casey se inclina para frente, apoiando os cotovelos na mesa. “Eu tenho uma coisa pelo seu irmão. Não penso que ele tem uma por mim. Não falo com ele há muito tempo.” “Sério?” Estou surpresa. Pedi a Gage que ficasse fora, mas ele não fez, e então parei de me preocupar. Estou pensando sobre o feriado passado. “Não lembro dele falar sobre outras garotas quando estávamos em casa. Normalmente, ele menciona uma ou duas. É por isso que você perguntou sobre Linde?” Não espero sua resposta. Deixo minha voz baixa. “Ele é um grande cara.” “Eu sei.” Sua cabeça baixa. “É por isso que estou perguntando.” Não sei o que dizer, e também não vejo garçonetes ao redor do lugar. Observando algumas pessoas indo às suas mesas com bandejas de comida, pergunto: “Preciso subir e pedir?” Kristina não responde. Ela começou a escapar nesse instante. “Eu vou com você.” Uma vez que estamos fora do alcance, ela pergunta: “Você está bem? É estranha toda a coisa Casey / Gage / Linde?” Há uma fila no balcão para pedir, e nós ficamos no final. “Eu simplesmente não quero que ninguém se machuque.” “Eu acho que ela não quer se machucar. Ela está um pouco sensível depois... você sabe.” A violação. Meu ataque. Os efeitos secundários nunca acabam, estou percebendo. “Sim. Entendo.”


Avançamos com a fila. Nós estamos a três pessoas de distância, e começo a pegar as bandejas para descobrir o que quero pedir. “Você e Shay estão indo bem?” Lembro-me do momento há poucos minutos no Jeep, onde não quis falar sobre meu ataque, mas deveria, e que estava me apaixonando por ele. Minha garganta queima novamente. Posso me relacionar como Casey não querendo me machucar. “Nós nos divertimos juntos.” “Apenas diversão?” Eu concordo. “Diversão. Sexo. Conversa. A coisa toda. Ele foi realmente ótimo depois do meu ataque no último semestre.” Posso sentir que ela está olhando para mim. Uma pessoa se afasta. Porra. Preciso encontrar algo para comer. “O que está acontecendo aqui? Estou perdendo alguma coisa.” Digo: “Estou pensando no que quero comer. Vocês pediram pizza. Eu também poderia comer isso, talvez?” “O que está acontecendo com você?” A última pessoa se afasta. É minha vez. O cara tem uma folha de papel pronta para o meu pedido. Merda, merda, merda. Estou sob a arma. “Apenas um refrigerante.” Ele escreve isso e aperta no caixa. “Tem certeza disso? Nada mais?” Meus pensamentos estão mexidos, então digo a primeira coisa que leio no cardápio, “Mozzarella sticks.” “Ok.” Ele me dá o total e entrego meu dinheiro. Depois que me dá o copo vazio para encher, eu me movimento para ficar parada perto da


janela e aguardo eles chamarem meu pedido. Tinha esquecido que é assim que o restaurante funciona, mas Kristina espera comigo. Sugiro: “Você pode voltar. Você não precisa esperar comigo.” Ela bufa. “Certo, e deixar você sair do gancho? Eu acho que não.” Ela me cutuca com seu ombro. “Fale comigo. O que está acontecendo?” “Nada.” Essa é a verdade. Mais ou menos. Então eu exclamei, “Eu o amo.” “Você ama Shay?” “Não.” Atiro um olhar. “Eu amo Linde. Temos uma paixão selvagem e proibida um pelo outro. Claro que é Shay. Ele é o cara com quem estou namorando.” “Eu sei.” Levanta as mãos. “Você segura seus cartões perto de seu peito. Eu só queria ter certeza.” Eu me sinto como uma idiota imediatamente. “Sinto muito. Eumerda! Estou... Não sei. Acabo de perceber isso, mas devia ter sabido há muito tempo.” É por isso que o odiava. É por isso que fui inflexível em não fazer amizade com ele, por não estar em um grupo de estudo com ele, por não olhar para ele, falar com ele, qualquer coisa. Porque sabia, no fundo, que iria me apaixonar por ele. Sinto um nó se formando na garganta novamente. Esse sentimento de ódio está de volta, mas é diferente. Tenho um lado inteiro torcido porque sou eu, odiando amá-lo. Estou tão fodida Eles chamam meus steaks de mozzarella. Cegamente os levo de volta à mesa.


As garotas ficam felizes, descendo sobre eles até que apenas um foi deixado para mim. Kristina não disse mais nada, sentindo a tempestade acontecendo dentro de mim, mas sinto que ela me observa durante toda a refeição. Deixo o último steak de mussarela. Não comi qualquer pizza. Até o meu refrigerante está intacto. Deixo todo o assunto quando nós saímos. As garotas queriam verificar o seu correio, e marcho atrás delas, perdida em meus próprios pensamentos. Casey as persuadiu para que fossem ao nosso quarto conosco depois e nós estamos chegando no nosso corredor quando Sabrina aparece. A muito linda funcionária da recepção do nosso antigo dormitório e a muito linda ex-namorada de Shay, está vindo em nossa direção. Não. Não há nenhuma maneira de me machucar. Não há nenhuma maneira de Shay de repente perceber que cometeu um erro comigo e lembrar-se em vez disso que talvez deva estar com ela? Não há como acontecer...


CAPÍTULO TRINTA E SETE

“Ei, pessoal.” Ela dá um sorriso amigável e acena. Deus. Ela é ainda mais bonita do que lembrava. Por que Shay tinha que namorar criaturas tão bonitas? E gentil. Posso dizer. Ela sempre foi tão legal antes, e está aí novamente. Ela é muito melhor do que eu. Sou impetuosa, má, briguenta, e posso ser grosseira às vezes. Também tenho boas qualidades, mas elas não estão na superfície como as dela. De repente, sinto-me muito pequena ao lado dela. Forço um sorriso. O resto diz um olá fácil, indo para o quarto, mas estou enraizada no lugar. Esta menina já esteve com Shay. Não deveria me incomodar, mas incomoda. Ela nota que não estou indo embora. Uma careta suave se forma. “Você está bem?” “Você o ama?” Seus olhos se arregalam uma fração de polegada. “Oh.” Ela pisca algumas vezes. “Você sabe, hein?” Concordo, meu pescoço parece feito de madeira. “Sim.” Ela limpa a garganta. “Podemos conversar em uma das salas de espera? Vai ser mais privado.” “Claro.” Minhas pernas parecem feitas de madeira também, enquanto sigo atrás dela. Todo o efeito tortuoso no meu interior está em força total como esteroides. Não sei por que estou tão assustada. Shay


disse que deixou o relacionamento acabar, então, qual é o meu problema aqui? Por que estou insegura em torno dela? “Aqui.” Encontra uma sala de estar privada e senta em uma poltrona de aspecto arcaico. É cor de rosa empoeirada, algo que você encontra em uma casa da era vitoriana. Cruza as mãos no colo, as costas tão retas e os ombros para trás. Parece tão natural e apropriada, combinando com a cadeira. “Então.” Alisa a parte de baixo de sua camisa, espalhando-a sobre suas pernas. “Você sabe sobre Shay e eu?” “Eu também conheci seu namorado.” “Ele mencionou isso, disse que você e Shay parecem felizes juntos.” Engole em seco, sua garganta magra se movendo com o movimento. Ela não gostou de ouvir isso. Posso dizer. É o que estou preocupada. Não é Shay. Isso é ela. “Você ainda tem sentimentos por ele.” Ela respira fundo, mas seus olhos dizem tudo. “Sim,” murmuro. “Isso é o que eu pensava.” “Não importa. Ele não me ama.” “Ele também não me ama.” Suas sobrancelhas apertam, e ela fala suavemente: “Mas vocês estão juntos?” Dou de ombros. Eu já rasguei meu coração antes. Não coloco minha mão no fogo por ninguém. “Ele se importa.” “Cameron me disse que vocês dois se encaixam. Essas foram suas palavras.”


Por que me incomoda que ainda o ame? Não deveria. Ela é a exnamorada. Eles não vão voltar. Minha insegurança é infundada. “Vocês não se encaixam?” Sabrina está me observando, confusa. “Nós fazemos. Ironicamente.” “Por que ironicamente? Isso é bom, certo?” Ela não disse muito, mas tenho que perguntar. “Ele quebrou você?” “Oh.” O entendimento surge, e ela olha para o colo. Seu lábio inferior treme ligeiramente. “Ele, uhm... não completamente, mas sim. Ele meio que fez.” Lembro-me de sua história de por que eles terminaram. “Porque ele te traiu?” Ela ri, uma pontada tão triste nisso. “Não, porque ele me deixou pensar que ele fez.” Meus olhos arregalam. “Você sabia a verdade?” Ela concorda. “Sim. Conhecia a outra garota. Ela me contou o que realmente aconteceu, que ela o beijou, e ele não a afastou imediatamente. Ela me encontrou mais tarde e me disse a verdade. Ele esperou um segundo antes de afastar-se dela. Ela o perseguiu depois disso, e foi aí que ele realmente a impediu. Ela sabia o que as pessoas estavam dizendo e queria que eu soubesse a verdade. Eu a respeito por me contar e se desculpar, mas ele me deixou pensar que foi uma traição. Sabia que terminaria antes mesmo de trazer isso, só porque ele não se importava. Nunca me falou sobre a garota. Deixou que eu descobrisse sozinha e ainda não disse nada. Tive que abordá-lo. Tive que perguntar a ele sobre isso.”


Olha para baixo. Suas mãos estão agarrando-se tão fortemente. “Apenas disse que ficaria bem se eu não quisesse estar mais no relacionamento.” Não houve luta no seu fim. “Ele apenas... não havia nada lá. Não tinha o coração para admitir a verdade. Eu o amava, mas ele gostava da minha companhia. Isso era o nosso relacionamento.” Ela limpa uma lágrima. “Nós poderíamos ter durado mais tempo. Não acho que ele teria terminado comigo, mas isso não era justo para mim.” Ela o amava enquanto ele gostava de sua presença. Não consigo superar essas palavras. Elas estão repetindo na minha mente. Merda. É assim que ele e eu somos? Eu o amo. Acho que o amei desde o início, desde o primeiro dia que entrei naquela classe. Alcanço e aperto suas mãos com as minhas. “Sinto muito.” Ela ri novamente, resmungando e aperta minhas mãos de volta. “Pelo que? Shay se preocupa com você.” Concordo. Ele se preocupa. “E estou com Cameron agora. Eu o amo. Realmente.” Ela não amava. Eu também posso ver isso em seus olhos. Ela o ama porque ele se importa com ela, mas não é o verdadeiro tipo de amor angustiante, do tipo que sinto por Shay. Meu peito está tão apertado. Tenho que mudar o tópico, ou aliviar isso de alguma forma. Estou começando a não poder respirar. “Conheci a irmã de Cameron ontem à noite.”


“Sim.” Ela sorri, respirando fundo. “É por isso que estou aqui. Estou visitando ela um pouco. Cameron vai à faculdade a uma hora de distância, então ele vem de vez em quando, mas nem sempre vê sua irmãzinha. Os dois devem se conectar mais. É sempre estranho com eles. Não entendo.” Um olhar distante vem sobre ela antes que seus olhos se foquem em mim novamente. “Estou triste de ouvir que você mudou de dormitório. Gosto dos nossos olá aleatórios.” Faço uma careta. “Desculpe, não parar e falar mais.” “Oh.” Ela acena antes de voltar a alisar a barra de sua camisa. “Eu sei como é. Geralmente está estudando.” “Você me protegeu com Shay uma vez.” “Sim.” Toca meu joelho, um toque suave e reconfortante. “Posso ver que você está preocupada com alguma coisa, mas você não precisa estar. Seu relacionamento com Shay não é o que tive com ele. Já sei disso. Se eu fosse atacada, Shay teria me confortado. É isso aí. Ele estaria lá para eu chorar no ombro dele, e teria sido o namorado e apoiador, e todos teriam pensado o quão perfeito ele estava sendo. Mas não teria feito o que fez por você. Ele realmente se preocupa com você.” Ela disse que se importa. Mesmo ela não pode dizer que ele me ama. Forço um sorriso, sentindo uma sensação de ardor no meu peito. “Você está certa. Eu realmente me importo com ele, também.” “Viu.” Seu sorriso cresce. “Eu posso estar vendo você um pouco mais aqui do que no outro dormitório. Venho muito para ver Phoebe.” Ela fica de pé, e nós fazemos o caminho de volta para a entrada principal. Seu


passo está um pouco mais leve, e ela fala um pouco mais livremente. “Agora, se ela quer me ver é uma história diferente. Acho que está sozinha. Não quero que se sinta assim. Às vezes, ela me deixa ficar. Às vezes, não.” Acena, dizendo que me vê mais tarde. Estou enraizada no lugar. Novamente. Ela é uma boa pessoa. É bonita por dentro e por fora, e isso me atinge. Se Shay não amou alguém como ela, que chance eu tenho?


CAPÍTULO TRINTA E OITO

“O que está acontecendo com você?” Shay me pergunta mais tarde naquela noite. Estamos estudando em seu quarto. Ele está em sua mesa enquanto estou esticada na cama. Nós dois estamos vestidos com roupas confortáveis. Ele tem uma camisa e calças de moletom, mas estou de top e short. Estavam escondidos debaixo de um grande suéter que pendia em mim como um vestido. Depois de falar com Sabrina, tento sacudir minhas inseguranças. Shay não é Parker. Não vou me tornar Sabrina. Certo? Continuo tentando me tranquilizar, mas é inútil. Por algum motivo talvez o fato de ter admitido para mim mesma que estou me apaixonando por ele - minha sensação irracional de desgraça pende sobre mim como uma nuvem de tempestade. Não consigo sacodir isso, e vejo o olhar intrigado no rosto deslumbrante de Shay, penso, foda-se. Eu me sento, cruzando minhas pernas uma sobre a outra. Encaro ele diretamente da cama. “Você vai me machucar?” Seus olhos se arregalam. Está segurando uma caneta na mão, mas cai no chão. “O que? De onde veio isso?” “Você me ouviu.” Estou assistindo. Estou esperando.


Mas nenhuma reação vem, além de seu choque. Não vejo nenhum pingo de culpa em seus olhos, e instantaneamente me sinto estúpida. Preciso lidar com meus problemas. “Nada.” Deito de volta para a cama com um suspiro, deixando meu livro de texto cair do lado. “Estou sendo criança.” “Uau. O que está acontecendo?” Ouço o barulho da mesa. Shay aparece de pé sobre mim, franzindo a testa. Cruza os braços sobre o peito e tento não admirar como isso define seu já espetacular peito, ombros e músculos do braço. Falho. Estou bastante certa de que pareço babar um pouco, mas limpo e me afasto, então estou sentada de costas contra a parede de frente para ele. Ele se senta ao meu lado, com a mão na minha perna. Olho para as minhas mãos, dobradas no meu colo. “Meus sentimentos são mais fortes do que quero que sejam. Na última vez que isso aconteceu, Parker me esmagou como um maldito trator.” Olho para cima. “Você vai me esmagar?” “Não.” Ele sacode a cabeça de um lado para o outro, suas sobrancelhas vincando juntas. “Você realmente acha isso? Não mostrei o suficiente o quanto me importo?” Minha boca fica seca. Ele tinha. Mas... Dou-lhe um pequeno sorriso. “Você pode talvez anotar isso? Gosto de cartões lembretes?” “Cartões lembretes?”


Concordo. “Posso puxá-los quando começar a ficar com medo de nós.” “Você quer que eu professe meus sentimentos por você em cartões lembretes?” “Faz todo o sentido para mim.” Não pisco um cílio. Isso é tudo o que ele faz, passando uma mão sobre seu rosto. “Eu nunca devo me surpreender com nada que venha de você.” Concordo. Isso parece completamente razoável. Mas ainda estou esperando, e ele também vê isso. Ele fica de pé, voltando para a mesa. “OK. Bem. Cartões lembretes do amor de Shay chegando agora mesmo.” Pega uma caneta e um bloco de cartas em branco que ele está usando para estudar. “Estúpido, pensei que estaria usando isso para me interrogar esta noite. Não. São a nova forma de reafirmação emocional.” Fecho os olhos, meio sorrindo, mas meio tremendo por dentro. Tanto faz. Sou louca desde o início. Não é como se estivesse começando um novo protocolo para nosso relacionamento. Ele desfruta bastante do sexo. Estou bancando que isso o manteria ao redor se seus sentimentos reais começassem a desaparecer. “Cartão lembrete um,” Shay começa. Posso sentir seu olhar, e olho novamente, encontrando-o. Eu me sinto zonza. Há uma fúria nele, uma emoção ardente que não tenho certeza se estou vendo corretamente. Engulo. Ele não quebra o contato


visual quando começa, “Espontânea.” Ele rabiscou a palavra e depois vira as costas. “Ela tem vontade de fazer sexo quase sempre e em qualquer lugar.” Olha para trás. As pontas das minhas orelhas começam a queimar. Ele continua: “Também está pronta para qualquer aventura. Antônimos: aborrecida ou emburrada.” Tosse e depois ouço puxar um segundo cartão lembrete. “Engraçada.” Ele vira. “Ela pode me fazer rir apenas por ser ela mesma. Ela se senta e acho que é fofo e engraçado. Respira, e me acalmo ou começo a rir. Fica chateada com alguma coisa, e estou caminhando ao redor com um pau duro.” Não penso nesse “engraçada” como uma descrição, mas mordo o lábio. Quero ouvir mais, e não quero ao mesmo tempo. “Inteligente.” Vira o cartão. “Ela é uma caloura, e se manteve sozinha com alunos de uma classe superior em uma aula que sei que acha que é chata como o inferno. Pode me desafiar a pensar além de mim ou meus amigos. Vendo como ela age, eu quero ser um homem melhor.” Toda a minha orelha está quente. Está descendo até minhas bochechas e mais adiante. “Doce.” Ele vira. “Ela tinha uma colega de quarto que a tratava como uma merda às vezes, mas é tão doce, Kennedy nunca quis magoar seus sentimentos. Poderia ter humilhado sua colega de quarto e nunca fez. Não queria que ninguém soubesse sobre o nosso relacionamento no início, o que me leva...” Ele tira um novo cartão. “Amedrontada. Está com medo de ser ferida por mim, que é o oposto de aborrecido, o que pensa estou agora.”


Olho para cima, minhas mãos firmemente cruzadas. Engulo um nó. Ele nem está escrevendo. Está olhando para mim, inabalável e sem vacilar, “O fato de que você está preocupada que vou te machucar é a razão pela qual nunca vou. Isso não me faz querer correr para as colinas ou pular esta chance de deixar você. Porque posso. Eu sou um cara. Os caras sabem como ferrar com a mente e as inseguranças de uma garota, mas não faço isso. Não com você.” Ele afasta os cartões e fica de pé. Diz, sua voz estranhamente macia, “Quando vejo que está doendo, eu quero cura-la. Quando vejo você duvidar de si mesma, quero dar-lhe as melhores palavras da história. Quando você chora, quero fazer você sorrir. Quando você ri, quero fazer você rir mais. Quando você geme em meus braços, quero fazer você se dissolver em uma poça. Quando você está insegura sobre o que sinto por você, quero substituir isso por uma proclamação que eu te amo tanto que nunca quero que você nos questione de novo.” Está de pé logo acima da cama, olhando para mim, e só posso olhar para ele. Um momento passa. Um segundo. Silêncio completo. E um soluço estrangulado me deixa. Estou segurando meu suéter para me impedir de pular ou fugir. Engasgo, “Você me ama?” “Completamente.” “EU...”


“Você me ama?” “Eu...” PUTA. MERDA. MERDA. MERDA! Meu interior está gritando. Só consigo, “O quê?” Aparece um vislumbre de um sorriso, mas depois é apagado. Ele olha para mim, duro. “Não sou o bom cara que diz isso e não quer uma resposta. Não sou esse cara. Sou egoísta com você. Quero saber. Aqui e agora. Você me ama também?” Minha garganta para de funcionar, mas aceno. Estou chorando quando isso aconteceu? “Sim, sim.” Continuo levantando a cabeça. “Sim. Eu amo você.” “Sim?” A dureza sai de seus olhos e vejo vulnerabilidade lá. Ele não tinha certeza. Seu alívio é tão claro, e isso me humilha. Pensei ser a única que não tinha certeza. Eu me sento de joelhos, meu suéter de grandes dimensões cai nas minhas pernas. “Eu amo você.” Nos movemos imediatamente. Vou até ele, e ele me pega, sua mão encostando na parte de trás da minha cabeça como se fosse o único lugar que deve estar.


Nossos lábios se encontram, e ele sussurra: “Eu amo você,” antes de me levantar no ar e me virar para sentar na cama. Estou empurrando-o, meus dedos no seu cabelo e não quero me mover. Foda-se minhas inseguranças. Esta noite será repetida na minha mente para sempre. Não pensei que duvidaria dele de novo. Nunca. Ele me mostrou uma e outra vez naquela noite, o quanto ele me ama.


CAPÍTULO TRINTA E NOVE

Shay me deixa na porta da frente em vez da dos fundos. É tarde, por volta das três da manhã, mas não quero dormir na sua casa pela segunda noite seguida depois de me mudar com minhas novas companheiras de quarto. E desde que a última vez que saí da porta dos fundos me machuquei, penso que talvez sair pela frente será melhor. Estava errada. As luzes estão baixas quando atravesso a rua da frente. Apenas uma lâmpada na recepção, e a garota está dormindo, a cabeça coberta pelos braços sobre um livro de texto. Os roncos estão quietos enquanto passo e abro a porta do nosso corredor. Como na última vez que sai, o corredor está escuro. Há uma mínima luz em alguns lugares no corredor iluminando o tapete. Preparei-me para a cama ainda no Shay, então só tinha que entrar no meu dormitório e deslizar na cama. Não dei alguns passos antes de ouvir na escuridão: “Ele não sabe de mim, sabe?” Meu coração pula no meu peito, medo fechando minha garganta. Paro, e então uma sombra se separa do chão. Phoebe sai de onde ela está sentada e dá alguns passos em minha direção. Sua mão na parede como se estivesse um pouco instável. Seus olhos estão estreitados, e sua cabeça inclinada para o lado, fazendo-me pensar que está reflexão. Não vejo nenhuma maldade em seu rosto, mas


um arrepio levanta os cabelos na parte de trás do meu pescoço de qualquer maneira. Engulo, dando um passo instintivo para trás antes de me parar. “Você não precisa ter medo de mim.” Um grunhido me deixa antes de eu pegá-lo. “Não é o melhor comentário para começar.” Ela olha para mim, quase calma, mas não posso parar a intranquilidade crescendo no meu interior. Ela ri, metade de seu rosto se iluminando em um sorriso. “Isso é verdade. Não pensei nisso.” Ela coça sua orelha. “Quis dizer o que disse, no entanto. Você não precisa ter medo de mim.” Uma risada ligeiramente desequilibrada escapa. “Um segundo comentário que você não deveria ter que dizer.” O olhar dela fica nublado, a testa enrugada. “Não consigo sacudir esse sentimento.” Os cabelos no meu pescoço estão completamente arrepiados. Aquela sensação que já a conheço volta, e estou torcendo dentro de mim. Como eu a conheço? “Ela ainda se importa com ele.” Ela franzi a testa. Aquele olhar morto em seus olhos me encontra novamente. Não consigo parar. Dou um outro passo para trás. “Phoebe.” Minha voz começa a tremer. Paro, esperando até saber que minha voz estará firme. “Não estou tentando ser grosseira aqui, mas você está começando a me assustar.” Falsifique o medo. Agite. Faça com


que ela se sinta insegura. Em vez de ficar na defesa, continue a ofender. Poder afastá-la, o suficiente onde posso chegar ao meu quarto. “Entendo.” Não. Fracasso total. Ela parece completamente normal, como se eu tivesse casualmente desejado a ela uma boa noite. Sério, como a conheço? Eu sei que conheço. Não consigo evitar. Preciso de um plano B. Meu interior está me dizendo para estar preparada. Ao contrário da última vez que não recebi aviso, ela estava tomando seu precioso tempo. Tem um monte de advertências aqui. Alcanço dentro do meu bolso onde meu telefone está e sinto as teclas até bater no 9-1-1. Se desligar, não sei se eles vem, mas quero ligar para Shay. Ele está na discagem rápida como número dois. Posso fazer isto. Termino a chamada e sinto o ambiente, batendo no botão direito até sentir o meu telefone zumbindo do toque. Faço uma nota mental, agradecendo a mim mesma que silenciei meu telefone antes de entrar no quarto. Não queria acordar Kristina e Casey. “Ouvi sobre você no último semestre. Todas as meninas estão falando sobre você. Shay é como uma celebridade aqui.” Ela ergue um ombro, segurando-o contra a bochecha por um momento. “Eu nunca disse a ninguém que o conhecia. Quero dizer, meio que sim. Meio que não. Na verdade não fui à escola onde Cameron e Shay estudaram. Os meus pais me educaram. Dizem que sou diferente. Especial. Descobriram meus hábitos estranhos, e me tornei uma coisa diferente. Assustadora. Ouvi


uma das namoradas de Cameron dizendo isso sobre mim. Não sei por que ela se importaria. Quero dizer, não é como se meu irmão se importasse comigo ou com qualquer coisa. Sabrina é a única que faz. Ela às vezes me visita.” Tusso. “Ela me disse isso.” Ela acena, deixando o ombro cair de novo, e ergue os braços para abraçar-se firmemente. Os olhos dela não seguem os meus. Talvez eu não precisasse me preocupar? Talvez eu tenha exagerado? Começo a me perguntar, e então Phoebe continua falando. “Você vê, eu normalmente não me importaria. Não me importo com muitas pessoas, mas gosto de Sabrina. Ela é a cola que faz com que Cameron ainda me agrade às vezes.” Sua cabeça volta para mim. Inspiro profundamente, assustada com o aspecto de seu olhar. É tão claro, como se soubesse exatamente o que está dizendo, o que está fazendo. Ela pergunta: “Seu irmão a ama. Posso dizer pelas coisas que ouvi. Isso é bom. Você nunca teve que se sentir como um fardo para sua família. Eu sim. É assim que Cameron olha para mim. Eu e Shay. Cameron costumava ter tanto ciúme de Shay. Ele gostava dele, mas o odiava também.” Uma risada suave escapa dela. Isso envia outra onda de calafrios na minha coluna vertebral. “Sentia essa camaradagem com Shay. Ele era tudo no que meu irmão pensava. Ele tinha que conseguir as garotas que Shay conseguia. Tinha que quebrar os recordes feitos por Shay. Tinha que ter melhores


notas do que Shay. Todas essas coisas.” Sua cabeça baixa. Ela ainda está abraçando-se firmemente. “Isso tornou tudo confuso na minha cabeça. As coisas constantemente dão voltas. Você para de notar o que está rolando, onde está o chão. Você apenas se concentra no que está a sua frente.” Ela faz uma pausa, perdida em pensamentos. Ando para trás, pressionando contra a porta fechada. Poderia correr por aqui se tivesse que fazê-lo. Correr por ela. “Vim aqui por causa de Shay. Queria ficar de olho nele para Cameron. Se ele estivesse bem, queria que meu irmão soubesse. Ele poderia quebrar o recorde de Shay em sua faculdade. Esse é o plano. Shay não me conhece, mas eu o conheço. Eu o conheço melhor do que ninguém.” Seus olhos me encontram de novo. Eu me sinto doente. “Eu conheço você, não?” Ela ignora minha pergunta. “Provavelmente eu a conheço melhor do que você mesmo.” Minha boca está seca. Tento falar, mas nada sai. Então, um sussurro, “Você é uma caloura?” “Estudante de segundo ano. Estou aqui porque não consegui um quarto no dormitório regular. Ninguém quer dividir quarto comigo. A garota que me designaram recusou, então me colocaram de volta aqui. A RA sabe sobre mim, sobre minhas circunstâncias especiais.” Suas circunstâncias especiais? Que é uma psicopata?


Tento novamente, minha voz um pouco mais alta agora, “Quais circunstâncias?” “Que eu sou louca.” Ela diz isso como se fizesse todo o sentido e sou uma idiota por não reconhecer. Meus olhos disparam contra os dela. “O que?” Ela rola os dela. “Estou com raiva dele porque só permitiu que meu irmão fosse o número dois toda a vida dele. Cameron merece ser o número um. Então, Sabrina entrou na foto. Shay namorou com ela, e não me importei. Ela não conhecia meu irmão. Tinha chance um dia.” Seus olhos se estreitam. Seu rosto se inclina para o lado novamente, ainda me observando com uma determinação desconcertante. “Era o fim das aulas, e implorei aos meus pais para que Cameron me pegasse. Ele fez, e Sabrina estava lá. Vivemos no mesmo dormitório no ano passado. Ela estava saindo enquanto ele estava entrando, e ele deu um segundo olhar. Acho que se apaixonou naquele dia por ela.” Seu olhar escurece, e seu lábio superior se enrola. “Eu sei que é meu trabalho cuidar deles, e estavam indo bem... até que ela se encontrou com você.” Sua cabeça baixa, mas ela não desvia o olhar de mim. “Ela quer outra chance com Shay, e enquanto você estiver aqui, enquanto ela continuar encontrando com você, sei que ela não pode se ajudar. Você a lembra do que ela não teve com ele, e ela está ansiosa por uma segunda chance.” Ela rosna. Isso me atinge. A biblioteca. Meus olhos saltam. “Você estava lá, na biblioteca.”


Ela se afasta, seus olhos se estreitando. “Sim!” Então vira. “Você estava de pé junto às portas olhando Shay. Eu vi você, e você me viu, e então você começou a ler como se não o estivesse observando.” Não me importei ou percebi. Estava evitando Shay. Foi há muito tempo, mas Shay me encontrou. Ele passou por ela como se não estivesse lá e me arrastou para estudar para um questionário. Não a procurei novamente. Não - havia mais. Começo a me lembrar - o jogo de futebol. Ela também estava lá. “Você estava lá. O momento da Pau Trituradora.” As palavras de Missy vem para mim. “Algumas garotas pararam no quarto e perguntaram sobre você.” “Foi você. Você foi ao meu antigo dormitório, perguntando sobre mim.” Phoebe faz uma pausa, inclinando a cabeça. Seus olhos estão planos. Um arrepio passa na minha coluna vertebral. “Você pode não entender, mas você estar aqui é um problema. Você vai trazê-lo novamente para sua vida, e ela vai acabar deixando meu irmão. Então, meu relacionamento com ele acabará também. Ele vai parar de me ver. Não posso deixar isso acontecer.” Vejo as duas sombras de novo. Estavam atrás de mim antes. Estão na minha frente desta vez. Estão chegando, vindo, ficando cada vez maior. Não posso desviar a atenção dela. Apenas olho brevemente.


Ela se transformou naquelas duas sombras. E então, ouvir suas últimas palavras, foi como ver o bastão aparecer pela primeira vez novamente. Ela diz: “Estava quebrando minha cabeça sobre como lidar com você, e então lembrei que você foi atacada.” Começa a avançar. Ela diz: “Eu preciso terminar o que eles começaram. É por isso que você foi trazida aqui.” Ela avança para mim –


CAPÍTULO QUARENTA

Não. Sei no fundo da minha mente, o que ela vai fazer, mas desligo por um minuto. Isso atrasa. Ela está vindo para mim. Não importa. Uma calma estranha vem sobre mim. Este é o meu momento de refazer. Estou tendo uma segunda chance. Não seria uma vítima desta vez. Ela está me dando essa oportunidade. Não se esgueirou atrás de mim. Está vindo para mim da frente. Posso lutar desta vez. Lutarei de volta. Sinto crescendo em mim a necessidade de fazer isso. “Ei!” Paro. O tempo volta a realidade. Essa é a voz de Casey. Phoebe também para, virando-se. Ambas minhas companheiras de quarto estão correndo em nossa direção. Estão de pijama. Kristina pegou uma túnica, mas se abriu, voando atrás dela como uma capa. Casey tem uma carranca permanente no rosto. Ela aponta para nós. “O que está acontecendo? Essa é minha colega de quarto.”


Phoebe é um cervo nos faróis. Está bem na minha frente, um olhar estranho no seu rosto e enfurecido entre nós. Tudo isso é surreal. Kristina está bem ao lado de Casey, nosso telefone do quarto na mão. Está segurando em minha direção. “Shay ligou. Disse que algo estava errado.” Phoebe foi apanhada. Estou na única porta aberta. A outra está trancada, e minhas colegas de quarto a encurralam. Sua única saída é através de nós, ou se o dormitório atrás dela se abrir. Eu duvido que ela possa rastejar pela janela e fugir. Digo: “Apenas desista.” Gotas de suor se formam em sua testa. Ela olha entre minhas colegas de quarto e eu. Então, uma a uma, as portas ao longo do corredor começam a abrir até a RA sair e as luzes serem ligadas. Nosso pequeno trio de quatro que se formou agora dobrou. A consultora residente vê Phoebe, então, eu e para em seu caminho. Ela solta um suspiro. “Oh, menino.” Casey vira para ela. “Oh menino? O que isso significa?” Ela ignora Casey, olhando para mim. “O que aconteceu?” “Chame a segurança. Ela me ameaçou. Ela é uma psicopata por causa de Shay.” “Eu?” Posso ouvir do telefone na mão de Kristina.


Ela o entrega. “Ele está no telefone. Disse que seu telefone desligou, e quando não conseguia entrar em contato com você, nos ligou. Chamamos os policiais.” “Sim.” Casey confirma. “Eles estão vindo.” “Não.” Dois policiais uniformizados abrem a porta atrás de mim com um guarda de segurança ao lado delas. “Estamos aqui,” fala um dos policiais, passando pelo grupo. Seus olhos caem em mim e então Phoebe. “Recebemos uma ligação 9-1-1 que desligou. Foi rastreada aqui. Aproveitei para coordenar com a segurança do campus no dormitório até...,” ele acena com a cabeça para Casey “sua chamada. Obrigada, senhora.” “Senhora.” Ela luta contra o sorriso. “Ele me chamou de senhora. Não sei se isso é insultante ou lisonjeiro.” “Kennedy!” Shay lati no telefone, e pego, dizendo: “Os policiais estão aqui.” “Bom, mas por quê?” O primeiro oficial tira o bloco de notas. “Alguém precisa começar a falar.” A conselheira residente passa uma mão por seus cabelos. “Uh...” Seus olhos encontram os meus novamente. “Vá com Kennedy.” Casey vira a mão novamente, o celular ainda está conectado. “Nós saímos para o corredor, e juro por Deus, vimos está cadela” - aponta para Phoebe - “começando a perseguir nossa colega de quarto.” “Isso é verdade?”


O policial está esperando, e aceno, ouvindo a voz de Shay pelo telefone. “Sim. Não sei o que faria, mas ia fazer alguma coisa.” “Isso é verdade?” A mesma pergunta, dirigida a Phoebe. Ela apenas engole em seco, fecha a boca e ergue o queixo. “Você não está falando?” O segundo policial avança, levando-a pelo braço. Ela pergunta a RA: “Você conhece essas duas garotas?” “Eu conheço Phoebe, mas não tão bem Kennedy. Ela e suas companheiras de quarto se mudaram neste semestre.” “Ela é a namorada de Shay Coleman.” Ambos os policiais e o guarda olham para uma das meninas que falou. Ela está com um manto como Kristina, mas o dela está amarrado na cintura. “E Phoebe é obcecada por Shay Coleman.” A conselheira residente estremece. Kristina e Casey ficam boquiabertas com Phoebe antes de voltarem os olhos para mim. “Isso é verdade?” Concordo. “Pelo que ela estava dizendo, sim.” “Eu não sou obcecada por Shay.” “Não. Ela é obcecada com o irmão, que é obcecado por Shay.” “Quem?” Meu coração salta ao mesmo tempo que eu faço. Shay aparece atrás do policial, do outro lado da porta aberta, o telefone na mão e Linde seguindo logo atrás. Shay me encontra. “Você está bem?” Começo a assentir, mas me lanço em seus braços.


Assim que acerto seu forte peito e seus braços cruzam ao meu redor, posso respirar mais facilmente. Phoebe pode não ser igual ao meu primeiro ataque, mas não importa. É a segunda vez que quase aconteceu, quando o primeiro realmente me colocou no hospital. Estava mais chocada até Shay estar lá. Em seu abrigo, o medo começa a cair sobre mim. Estou tremendo, e ele me aproxima, inclinando a cabeça para baixo ao lado da minha. Ele sussurra para que ninguém ouvisse, “Você está bem.” Ele passa a mão pelo meu cabelo e vira. “Você é Shay Coleman? O cara do futebol?” Os policiais compartilham um olhar. O segurança concorda, engolindo a respiração. “Sim. Esse é Shay Coleman.” Os policiais se voltam para o guarda, compartilham um breve olhar e voltam para Shay. “Sim.” Shay concorda. Eles olham para Linde, perguntando: “E você é?” “Esse é Raymond Linde. Ele também é o lineman ofensivo para a nossa equipe.” As chaves do guarda de segurança tremem quando faz um gesto para Linde. Ele parecia autoritário, limpando a garganta. “Nós nunca costumamos ter problemas com esses dois.” “Uh, sim. Ele é meu colega de quarto.” Shay franzi a testa para o guarda antes de me perguntar: “O que exatamente aconteceu?”


“Vamos levar ambas as meninas para a estação e fazer algumas perguntas, mas parece que nada aconteceu.” “Desta vez.” Ambos se acalmam, olhando para Shay. Ele repete, sua mandíbula apertando enquanto passa por Phoebe, “Minha namorada foi atacada antes. Ela não saiu bem da cena na última vez.” O primeiro policial aponta para Phoebe. “Por causa dela?” “Não.” Limpo minha garganta, apertando minhas mãos trêmulas na minha camisa. “Por causa de dois caras.” “Eles são obcecados por seu namorado também?” Balanço minha cabeça. Os policiais acham isso engraçado. Posso ouvir a diversão em um e ver o riso no outro antes de tossir, encobrindo. Mas isso não é divertido. Está longe de ser engraçado. Olho para Phoebe. “Vou conseguir uma ordem de restrição.” Seus olhos se estreitam, mas ela olha de volta para o chão. A conselheira residente está bem ao lado dela e diz ao segundo policial: “Eu irei com vocês. Posso responder algumas das suas perguntas sobre Phoebe.” O humor foge quando ambos parecem avaliar a RA pela segunda vez, olhando-a de cima a baixo. É como se eles percebessem que algo estava acontecendo. O primeiro acena com cabeça, alcançando seu rádio. “Parece bom.” Ele pressiona o botão, falando rapidamente sobre isso. Ele olha para nós. “Você quer uma carona no carro do esquadrão ou vai seguir atrás de nós?”


Nos movemos como um. Volto para Shay, ao mesmo tempo que avança, me dobrando atrás dele. “Nós vamos te encontrar lá.” “Eu vou com vocês.” Os ombros de Casey estão recuados e colocados em uma linha determinada. Kristina está ao lado dela, e Casey vira a cabeça para a direita. “Ela também. Nós somos companheiras de quarto de Kennedy.” “Parece bom para mim.” O primeiro policial lidera o caminho. “Vejo vocês todos na delegacia.” O segundo policial segui atrás, segurando o braço de Phoebe com a nossa conselheira residente atrás deles. “Eles estão prendendo aquela garota?” Casey bufa. “Deviam.” “Venha.” Shay acena com a cabeça para Linde, me guiando com a mão atrás das costas. “Eu vou deixar você...” “Ele pode vir conosco.” Casey fala novamente, e Linde vira para avaliá-la. Ela olha para ele. “Se você quiser.” Ele estreita os olhos e depois acena lentamente. “OK. Eu irei com eles.” Kristina dá um passo à frente, inclinando-se para mim. “Você está bem?” Ela realmente quer saber, e é o suficiente. As lágrimas explodem. Shay me puxa de volta para seus braços. “Vamos. Eu tenho você.”


CAPÍTULO QUARENTA E UM

Eu tenho você. Eu me agarro a essas palavras e a mão de Shay pelo resto da manhã. Depois de contar toda a história ao policial, fomos levados para uma sala. Um detetive veio fazer algumas perguntas para encerrar tudo. Foi então que descobrimos que eles estavam cientes de Phoebe. Phoebe perseguiu duas meninas e um rapaz na escola. Todos ligados a seu irmão, então um protocolo foi posto em prática quando ela foi aceita na Universidade de Dulane. Deveria ser verificada duas vezes por dia, uma vez pela RA e uma vez por outro membro da equipe. Se notassem alguma mudança no comportamento, deveriam notificar seus pais. Phoebe estava bem, mas eles não sabiam sobre sua conexão com Shay Coleman. Quanto mais ouço, mais meu interior aperta. Só consigo sacudir minha cabeça no final. “Eu não entendo como ela pode ir para a escola e viver do outro lado do corredor. Quero dizer, parece que ela é perigosa.” “Ela pode ser se não estiver com os medicamentos corretos.” O detetive traz a conselheira para a nossa sala e ela está respondendo nossas perguntas. Está escolhendo suas palavras com cuidado. “Ela nunca machucou as outras vítimas, e faz alguns anos desde o último incidente. Eu real e verdadeiramente não tinha ideia de sua conexão com Shay.” Ela


olha para ele. “Sinto muito. Se soubesse, nunca teria deixado Kennedy se mudar para o nosso andar. Você tem que acreditar em mim. Eu me sinto horrível de que algo pudesse ter acontecido.” Ela olha para mim, linhas de preocupação formando em torno de sua boca e bolsas sob seus olhos. “Apenas mude para a casa. Por enquanto, de qualquer maneira.” Compartilho um olhar com ela, mas isso não será um problema. “Sinto muito, Kennedy.” Minha RA estende uma mão em minha direção, colocando-a na mesa. Ignoro isso. “Ela vai ficar lá? Ou vai ser expulsa?” “Uh...” Ela olhou para Shay antes de limpar a garganta e puxar a mão para o colo. “Ela será removida do campus. Seus pais já estão a caminho. Será suspensa por pelo menos um semestre.” “Um semestre?” Eu terei que vê-la novamente? “Não posso falar pelo que a administração fará, mas...” Shay acrescenta: “Seus pais são ricos.” Um lampejo de raiva surge em mim. Aprendi a bloquear fechando fora todas as minhas emoções. “O que você quer dizer?” Olho para ele e para a RA. “Eles vão lutar contra isso?” Ela concorda, com desculpas nos olhos. “Meu palpite é que vão. Fizeram esforços extraordinários para que ela frequente a faculdade como estudante normal. Duvido que parem, mesmo com esse incidente.” “E se pudermos provar que ela veio aqui sob falsos pretextos?” Ela e o detetive ambos franzem a testa para ele. O detetive inclina-se para a frente. “Do que você está falando?”


Ele ergue o celular. Não é o que ele estava segurando em sua mão antes. “Kennedy me ligou, e a ligação entrava e saia, mas gravei. Ouvi isso. Ela admitiu que veio a este colégio sob a pretensão de me observar.” “Como você ligou para o outro telefone?” “O telefone do meu colega de quarto. Mantive este.” Olha para mim. “Não havia como deixá-la sozinha, mesmo nessa linha.” O detetive pega o telefone. “Isso é útil. Vamos levar isso, então?” Ele concorda. Ela ainda diz: “Essa gravação, desde que diga o que você diz, será útil. Veremos quanto peso podemos colocar na universidade para expulsá-la.” Ela fica parada, e é uma mensagem não dita para o resto de nós. Nós seguimos atrás dela em direção ao lobby. Casey, Kristina e Linde estão a espera. Eles não estão sozinhos. Sabrina também estava lá, pálida e abatida. Ela se levanta e começa a andar para mim. “Oh, meu Deus, Kennedy...” Eu me afasto dela. “Cai fora.” Suas mãos tinham levantado para um abraço, mas ela para. Seu corpo balança do movimento brusco, e assisto, esperando. A culpa enche seus olhos, escurecendo-os antes que suas mãos se cruzem na frente dela. “Kennedy.” Sua voz é tão suave. “Eu não sabia.” “Merda nenhuma.” Ela tinha que saber. “Você deveria ter me avisado.” Balanço minha cabeça, sentindo... Eu nem sei mais. Desliguei


tudo, mas ainda está lá. Ainda pressionando no meu peito, meu interior, folheando tudo e lembrando-me de muitas memórias piores. “Eu pensei que você era tão legal, Sabrina. Eu me senti mal por você, e pensei...” Eu paro, sentindo as lágrimas na garganta. Empurro para dentro. “Pensei que se Shay não te amou, então, o que eu tinha com ele?” “Kennedy.” É apenas meu nome, mas ainda ouço o pedido dela. Balanço a cabeça novamente, afastando-me mais dela. “Não importa o que você diga, você no fundo sabia. Você podia não saber a extensão da sua loucura, mas sabia que ela era perigosa.” “Eu não...” “Você sabia no seu íntimo.” Quando digo essas palavras, vejo a verdade. Ela sabia, e está admitindo isso para si mesma. Não me importa se é a primeira vez ou a última vez. Ela sabia, e ficou ao meu lado e deixou que isso acontecesse. Tanto quanto eu estava na causa, isso é de algumas maneiras pior. “Talvez.” “Você sabia.” Deixo meu desprezo cair nessas duas palavras antes de sair. Neste ponto, não me importa quem caminha atrás de mim. Estou farta de ser atacada. Estou farta de ter medo. Estou farta de ser um alvo. Shay segui atrás, chamando meu nome. Eu o ignoro, caminhando para o Jeep em um passo rápido. Espero, minha mão na maçaneta, e ele faz uma pausa atrás de mim. Fica ali, me


observando, mas continuo olhando para a frente. Vejo seu olhar pela janela. Depois de um segundo, ele vai para seu lado e destranca as portas. Abro a minha, mas olho para trás. Kristina, Casey e Linde também estão saindo da delegacia. “Você está bem?” Kristina pergunta. Não estou. “Vou ficar bem.” Forço um sorriso. Kristina estreita os olhos. “Tem certeza?” Casey bufa. “Bem, foda-se isso. Eu não estou bem. Podemos ficar todos em casa?” Linde sorri. “Isso aí. Nós não vamos expulsar duas filhotes, especialmente quentes como as senhoras.” Kristina sorri seu agradecimento, mas aproxima-se de mim. Casey vira para lhe dar uma treta, e os dois logo se comprometem com qualquer coisa que estão fazendo. Flertar. Disputar. Não sei. Não sei, e não me importa naquele momento. “Você tem certeza de que está tudo bem?” Kristina não é uma pessoa que é enganada com facilidade, dou um sorriso falso. “Vou ficar bem. Só preciso sair um pouco. Isso é tudo.” “Ok.” Ela acena com os ombros para Shay. Seu sorriso desaparece um pouco antes de dar um passo atrás. Shay grita: “Linde, você está bem?” “Sim!” Um colega de quarto olha para o outro, saudando. “Vejo vocês em alguns minutos.” Seu olhar cai em mim, e a superfície de brincadeira desaparece um pouco. Ele fica sério e acena. Sei o que ele está


dizendo. Ele ficou em segundo plano, mas se importa. Mesmo com Casey. Ela pode estar flertando com Linde no momento, mas veio me proteger. Ela esteve no meu lugar. “Pronta?” Entro, fecho a porta e recosto. Um enorme suspiro de ar me deixa, e junto com isso, minha última aparência controlada.


CAPÍTULO QUARENTA E DOIS

“Ei.” A mão de Shay desce nas minhas costas. Ele quis dizer isso de forma reconfortante, mas eu o nocauteio. Acenti. “Você não sabia? Você não tinha idéia?” Não posso acreditar nisso. Ela estava lá por ele. Ela veio por ele. Ela estava olhando para ele! “Como você pode ter uma perseguidora e não ter ideia? Ela está aqui há um ano e meio.” Então, novamente, uma risada amarga me deixa. Há tanto sobre Shay que não sei. “Eu não tinha ideia.” “Sim,” mordo. “Isso é aparente. Nenhuma pista. Você tem todos esses amigos e não tinha ideia. Isso...” Faço um gesto entre nós “...está acontecendo por um semestre completo, e ainda não sinto que conheço você. Você me conhece. Você sabe que fui atacada. Você conhece meus irmãos. Você sabe que minha mãe é estranha. Você conhece minhas amigas. Você sabe quase tudo o que há para saber sobre mim, mas não tenho ideia sobre você!” “Você conhece meus amigos,” começa. Balanço minha cabeça. “Eu não. Na verdade, não. Não tinha ideia de Cameron. Ele me assustou quando o conheci, e o conheci em sua varanda!


Você não está entendendo como estragado tudo isso isto é? Eu não conheço você. Você disse que sua mãe é advogada. Você mora em uma casa com outros jogadores de futebol. Sei que você é amigo de Linde. Você está dormindo comigo. Isso é tudo que sei! E surpresa, você tem uma assediadora que não tinha ideia por um ano e meio inteiro de merda. Ainda estou quebrando a cabeça. Como isso é possivel?” Sua boca cai. A dor volta em seu rosto. “Eu sou um cara. As meninas gostam de mim. Caras querem ser meus amigos. Eu... Eu não sei. Não tenho nenhum grande esqueleto no meu armário, se é isso que você pensa.” “Você nunca fala sobre você mesmo. Por que isso?” “Eu...” Está balançando a cabeça, perplexo. “Eu simplesmente não penso nisso. Estou focado em você quando estamos juntos. Temos muito sexo, muito. Isso chama minha atenção.” “Não.” Balanço minha cabeça. “Não.” O segundo é mais silencioso. Um poço está começando no meu peito, e está ficando cada vez maior. “Isso não é justo. Você não pode dizer isso. Nós fazemos sexo, mas há noites em que você me abraça. Você sabe tudo sobre mim.” “Mas eu?” Respiro. “O que você quer dizer?” “Não estou pedindo que seja um pau, mas realmente conheço você? Nós fomos para trás com tudo isso. Você não gostava de mim, então, de repente, estamos curtindo, e isso foi muito rápido para o sexo. Nunca paramos para olhar para trás. Você está mesmo vivendo comigo. Quero


dizer, não somos normais. O conjunto de conhecer um ao outro, nós pulamos essa parte.” “Você sabe sobre mim. Falei sobre mim.” Estou me lembrando de ver estranhos em sua casa. Cameron. Descobri sobre Sabrina. A última peça - Phoebe. “Eu me sinto cega, e estou tentando recuperar o atraso. Esses obstáculos estão chegando em mim, e não consigo vê-los até que já esteja nocauteada por eles. Isso é namorar com você.” Ele respira agora. “Isso não é justo. Esse é um golpe baixo.” É isso? Sim talvez. “Sinto muito.” Estou sofrendo. Também quero machucá-lo. “Não posso namorar com você e não conhecê-lo.” Sua cabeça volta para mim. “O que você está dizendo?” “Eu...” Não tenho idéia, apenas isso... “Tenho que saber quem você é.” “Eu sou Shay Coleman. Estou pensando em ir para a faculdade de direito, mas estou no segundo semestre do meu primeiro ano, e ainda não tenho certeza. Estou levando todos esses cursos diferentes tentando descobrir o que quero fazer.” “Ok.” Ele está indo por aí. Bem. Esqueça a perseguidora secreta. Perguntas de primeiro encontro - posso fazer isso. “O que o seu pai faz?” “Um advogado como minha mãe. Eles se divorciaram no meu primeiro ano do ensino médio.” Ele não me deixa perguntar outra. Continua, “Minha mãe tem um novo marido. Tenho duas irmãs, que estão ambas estão no ensino médio. São chatinhas, mas eu as amo de qualquer maneira. Tenho um irmãozinho que mora com meu pai. Fiquei com minha mãe. Nathan foi com meu pai, e ele odeia ser chamado por qualquer


apelido. Você deve chamá-lo de Nathan ou ele não vai falar com você. Está na oitava série. Eles moram em Nova Orleans, então não consigo ver ele ou meu pai com frequência. Meu pai é recém-casado. Eles se casaram no verão passado, e só a vi uma vez, mas parece ser uma boa mulher. Meu padrasto é um parceiro onde minha mãe trabalha. Não tenho ideia do que a minha madrasta faz, e devia, mas não me importo. Meu irmãozinho joga futebol. Minhas duas irmãs são líderes de torcida e tenho certeza de que estão em uma equipe de dança. Não vou para casa muitas vezes porque todos os fins de semana são uma festa de brilho e brilho. Minhas irmãs estão sempre com seus amigos.” Ele para, ainda me encarando. Um brilho duro se forma em seus olhos. “Algo mais?” “Qualquer julgamento, tribulação ou trauma?” Suas narinas se abrem. “Isso é uma piada?” Não. Sim. Baixo a cabeça. “Não sei.” Dou de ombros. “Talvez?” “Eu tive a minha namorada grávida quando éramos calouros. Foi durante o tempo do divórcio de meus pais, e ela fez um aborto. Ela me contou depois.” Senti essa afirmação como um soco. Eu só posso olhar para ele. “Shay...” “Tenho certeza que uma das minhas irmãs tem um distúrbio alimentar. Disse a minha mãe, mas ela não quer lidar com isso, ou não tem idéia de como fazer, então ela ignora. Acho que meu irmãozinho é gay e estou preocupado com ele. Se ele é, não contou a ninguém e quero apoiálo e protegê-lo quando e se ele sair. Algo mais?”


Ele teria uma criança... Ele não sabia disso... Pergunto, me sentindo tão pequena agora: “Você descobriu que estava grávida após o aborto?” “Sim,” ele corta. Sua mandíbula aperta. “Nunca disse a ninguém, então você é a primeira.” O que eu fiz? Ele está machucado. “Desculpe,” digo. Ele desvia o olhar, endireita no assento. Um momento passa. Um segundo. Silêncio total. Então ele bate no volante. “Merda!” Sua cabeça cai, e olho para cima. Seus olhos estão fechados. Outro momento depois, sua voz é tão suave: “Eu nunca falei sobre isso.” Ele olha para cima, seus olhos em agonia. “Não é para mantê-la fora. Eu não falo sobre isso com ninguém. Meu amigo mais próximo é Linde, ou era Linde. É você agora. Não estou realmente perto das pessoas. Não é que mantenha segredos propositadamente. Eu, apenas, não falo. Para ninguém.” Ele é amado por muitos. Ele é procurado por tantas pessoas. Ele não confia em ninguém. Ele está sozinho. Estendo a mão e pego a mão dele. “Sinto muito.” Ele aperta. “Você já disse isso.” “Quero dizer isso. Estou sendo uma cadela. Estou sofrendo, e...” Ele balança sua cabeça. “Você está certa. Preciso conversar, e não faço. Nunca fiz. Essa namorada, quando me contou sobre o aborto, me


quebrou. Então meus pais se divorciaram e começaram a construir suas novas famílias. Eu não quero ser todo ‘ai coitadinho de mim, sinto muito por mim’. Nunca fui assim. Sempre tive amigos. Namorei, mas ninguém entrou.” Seu olhar cai em meus lábios, depois de volta aos meus olhos. “Até você. Você entrou. E ainda não sei como aconteceu, mas você está dentro, e pensei que estava morrendo quando ouvi que você estava com problemas esta noite. Eu não podia dirigir rápido o suficiente. Eu queria ferir quem estava machucando você, e então vi que era Phoebe e ainda não tenho idéia de quem ela é.” “A irmã de Cameron.” Ele ri. “Eu sei.” Ele começa a brincar com a mão. “Eu escutei muito e, para ser sincero, nem sei muito de Cameron. Sei que ele não é um bom cara. Eu sempre fui cauteloso em torno dele, mas nunca o questionei. Apenas tive esses instintos, e os segui. Agora, ouvindo sobre sua irmã, como eles a impediram por causa de seus problemas me faz pensar como diabos eu não conhecia. Mas realmente não era nada.” Ele balança a cabeça novamente, soando pasmo. “Cameron nunca atuou como se tivesse ciúmes de mim. Eu sabia que competiamos por coisas, mas não tinha idéia de que isso o incomodava. Ele nunca me mostrou. Nunca agiu como se não gostasse de mim. Nunca agiu com ciúmes, ou o que quer que seja. Não havia indicação. No entanto, agora que estou pensando nisso, ele namorou muitas das minhas namoradas.” Começo a rir. “Como eu posso não ter prestado atenção?” Porque ele não se importava.


Porque tinha o suficiente em casa. Porque sua atenção estava direcionada para outro lugar. Porque... ele está apenas sendo ele mesmo. “Muitas pessoas te amam.” De maneiras não boas, as vezes. Deve ter sido o mesmo no ensino médio. “Entendo. Mais ou menos.” Ele concorda, franzindo a testa. “Sim. Apenas estou sendo eu mesmo, mas não deixo que nenhuma das atenções me alcance. Não posso. Se fizer isso, vou me perder. Isso faz sentido?” Isso faz todo o sentido. “Você pode me deixar entrar.” “Você está dentro. Você está tão longe que não sei o que faria se eu perder você.” “Então estou dentro, e você também está.” O canto de sua boca começa a levantar, e balanço a cabeça. “Não deixe isso sujo. Estamos tendo um momento sério aqui.” “Certo.” O canto da sua boca é achatado novamente, e seus olhos ficam sombrios. “Eu quis dizer o que disse na noite passada.” Seus olhos mantem o meu cativo. Tudo em mim está cativo no momento. “Eu te amo, Kennedy.” Toda a dor é varrida. “Eu também te amo, Shay.”


CAPÍTULO QUARENTA E TRÊS

Os profissionais vieram na semana seguinte para remover as coisas de Phoebe de seu quarto. Sarah veio e sentou-se no corredor com Casey. Elas decidiram assistir os profissionais levando tudo, e de alguma forma se transformou em um jogo de bebidas. A RA disse a Kristina que Phoebe nunca voltará para seu quarto. Ela foi levada para um hotel com seus pais, então os profissionais tem que literalmente empacotar tudo. Demora quatro horas, mas metade desse tempo passaram no corredor e flertando com Sarah. Casey é um pouco mais reservada, mas não sei o que está acontecendo com ela e com Linde. Eu sei que as coisas fracassaram entre ela e Gage. Ele está fora sendo um mulherengo novamente. Perguntei-lhe uma vez o que aconteceu e ele disse que não estava preparado para um relacionamento sério. Casey merece um cara que está de quatro por ela, e ele não pode dar isso a ela. Estou torcendo por ela e Linde. Estou tentando estudar, mas ouvindo outra risada, decido admitir a derrota. Minha nova aula de sociologia não seria entendida naquele dia. Fecho meu livro e olho por cima do meu ombro. A mesa de Kristina está atrás de mim, de frente para a parede. “Estou desistindo.” Já está perto das oito da noite. Ela suspira, afastando-se do computador. “Eu também.”


“Oh!” Casey grita do corredor. “Outra caixa. Beba.” Kristina gesticula em direção à porta aberta. “Elas já estão bêbadas lá fora.” É óbvio. Sarah está enrolando suas palavras pela última hora. “Estou surpresa com a RA não ter dito nada.” Kristina revira os olhos. “Ela não vai. Ela se sente tão mal por Phoebe e digo que acho que uma de nós pode ter uma orgia no corredor e ela olharia para o outro lado.” “É verdade.” Estremeço quando me lembro das vezes em que ela tentou se desculpar no banheiro, quando saía do banheiro, quando passava por seu quarto para ir ao banheiro. Começei a subir as escadas e usar o banheiro do segundo andar. Eu não prestei atenção ao nome dela quando nos mudamos, e me recuso a aprender agora. Estou fora de despeito. Ela só será a RA para mim. Kristina sabe, mas Kristina é a única pessoa que a deixa falar sempre que se aproxima de nós. Eu sempre me afasto, mas Casey vai no ataque. A RA não percebeu quem estava na cabine ao lado dela um dia e pediu algum papel higiênico. Ela conseguiu, mas não depois que Casey se lançou em uma palestra sobre irmandade e ética moral, e como ela sugou isso. Ouvi uma das garotas gravar, e Casey fez a RA ficar lá por trinta minutos antes de finalmente dar papel higiênico de alguém que se apaixonara por ela. Entro no banheiro em um ponto, ouço Casey e saio. A coisa toda está cheia comigo ainda.


O plano era ficar com Shay para o resto do semestre, mas quando ouvi que Phoebe foi com certeza, eu quis tentar continuar a viver habitualmente no dormitório. Se eu passar muito tempo com ele, penso que vou perder algumas dessas memórias de vida normais na faculdade. Além disso, Kristina e Casey mudaram o dormitório todo para mim. Elas deixaram as outras duas amigas. Sinto como se lhes devesse. De repente, um monte de assobios e aplausos soam. Casey grita: “Todo mundo limpa o caminho. Os deuses do futebol desceram sobre nós!” “Sim!” Sarah repete. “En the werr hodt do!” “E eles também são gostosos?” Casey traduz. “Menina, você já teve o suficiente.” “Nããão.” Kristina e eu olhamos para a porta. Sarah cai, a cabeça e os ombros à mostra. Ela ergue o braço ligeiramente sobre sua cabeça, segurando sua bebida longe de alguém. “Venha.” Casey geme, e ela também aparece. Ela fica de pé, curvando-se para pegar a garrafa de Sarah. “Você está bebada, ou alguém vai falar com a conselheira do dormitório. Nós certamente teremos multa. Amy terá que fazer algo, então.” Amy. Esse é o nome da RA. Faço uma careta. Casey nota meu olhar, inclina a cabeça para o lado. Então ela coloca. “Oh. Desculpa.”


“Traidora.” Mas não quis dizer isso. Falo para ela com um pequeno sorriso para ter certeza. “Ainda estou chamando de RA na minha cabeça.” Gesticulo para o corredor. “Quem está aí?” “Não para você, princesa. São os dois caras que estão namorando as gêmeas no final.” Outro encolher. Shay me ligou essa noite de sua casa na frente dos outros. Ele não percebe isso até que todos começem a zombar e gritar, o que parece bastante como a comoção no nosso dormitório agora. Casey acrescenta: “Os profissionais estão saindo. Eles conseguiram tudo, mas, se não o fizeram, esperamos espetá-lo antes que a RA deva bloqueá-lo.” Casey balança as sobrancelhas. “Se pudermos ter uma chave extra, isso significa um quarto extra para nós. Estudando, ou” ela deixa cair o tom “outras coisas, se você sabe o que quero dizer.” Não quero saber o que quer dizer. Kristina deve ter pensado o mesmo porque pergunta: “Alguém com fome? Nós não jantamos ainda.” Casey levanta a garrafa de água que não está cheia. “Sim. Nós fomos direto para beber.” Sarah está se desviando. Ela tenta se levantar, mas caiu de volta para o chão, então ela se arrasta para a sala. Chegando logo após nós, seus olhos estão vidrados, e não acho que ela se lembre de que estamos lá. Ela foi direto ao sofá, ergueu-se e abraçou um dos travesseiros ao peito. Ela está roncando em dois segundos.


Casey arrota, batendo no peito. “Desculpa. Isso foi nojento.” Ela vacila na entrada, olhando para trás. Podemos ouvir vozes ainda lá, caras e meninas, mas não quero olhar. Kristina me pergunta: “Você já conversou com Shay hoje?” Balanço minha cabeça. Dormi aqui na noite anterior e depois tive aulas durante todo o dia. Sei que ele também, mas estou esperando um telefonema ou uma visita surpresa a qualquer momento. Casey olha de volta. “Vamos lá. Os caras estão sempre preparados para grelhar.” Kristina acrescenta: “E beber.” As duas compartilham um sorriso porque é verdade. Como não estão jogando ou treinando, a casa se tornou um festival de bebidas alcoólicas. É mais comum caminhar pelo lugar e ver os rapazes bebendo do que encontrá-los. Isso não significava que eles fiquem bêbados. Eles construíram uma tolerância, mas sei que pelo menos alguns vão ficar com um bom zumbido até o final da noite. Desde o fiasco Phoebe, que foi no último fim de semana, eu só estive na casa de Shay e ouvi alguém embriagado duas vezes. Ok, então talvez fosse mais. Ainda não fico tão nervosa. Eles são caras decentes. Poderia ser mais difícil nas bordas se Shay e Linde não estivessem lá, mas não penso que algo aconteça comigo ou com minhas amigas. “Ligue para ele, Kenz.” Casey acena com a cabeça para mim. “Prefiro passar a noite com os caras do que aqui com algumas garotas.” E, como se estivesse em sintonia, duas de nossas vizinhas aparecem na entrada.


Casey ainda está de pé para que não pudessem tocar na porta, mas estão rindo. Suas bochechas vermelhas me dizem que haviam participado do jogo de beber. Ambas tem canecas de café na mão. “O que vocês estão fazendo esta noite?” Pergunto. Acho que o nome dela é Melissa. Mais uma vez, Kristina sabe. Sua amiga enfia um pouco de seu cabelo atrás de suas orelhas. “Nós estamos pensando em pedir uma pizza, talvez assistir no The Last Kingdom. Uhtred é muito gostoso.” Os olhos de Casey ficam grandes. Ela era ligada na série da Netflix, e ficou louca sobre o Dane nos últimos três dias. “Oh, meu Deus!” Os olhos de repente ficam menores, e seus ombros caem um pouco. “Nós não podemos. Vamos a casa do futebol esta noite.” “Bem.” Kristina segura sua mão para fora. “Não. Nós não sabemos. Ainda não nos convocamos.” Todas as quatro olham para mim. Pego meu telefone. “E essa é minha sugestão.” Mando um texto para Shay, e quando ele não responde de imediato, mando uma mensagem para Linde, também. Linde: Os caras estão sempre preparados para cozinhar e beber. Precisa de um passeio? Eu: Você pode dirigir? Linde: Eu posso agora. Posso não ser capaz em uma hora. Eu não tenho aulas pela manhã. Ainda não recebi uma resposta de Shay, então escrevo outro texto.


Eu: Shay está aí? Você sabe onde ele está? Linde: Eu penso que na biblioteca? Faço uma careta. Eu: A biblioteca? Linde: Ele disse que ia lá, então para o seu dormitório. Achei que vocês tinham planos. Não que eu saiba, mas só envio de volta. Eu: Podemos dirigir. Vamos pegar o carro de Casey. Se ela dormir aí, vai querer levá-lo de volta pela manhã. Linde: Beleza. Vou deixar os rapazes saberem. Teremos churrasco quando chegar aqui. Em vez de enviar outro texto para Shay, ligo para ele, mas sua mensagem de voz vem imediatamente. “Qual é o plano, Stan?” Casey está encostada na entrada, mantendose na posição vertical. Pensando bem, pergunto a Kristina: “Eu disse a Linde que você dirigiria o carro de Casey. Devo mandar um texto de volta para vir e pegar vocês?” A testa de Kristina enruga quando as sobrancelhas apertam. “Você não está indo?” “Você acha que pode dirigir?” Passo por cima da pergunta. Ela mastiga o lábio. Estou perguntando se ela gostaria de beber enquanto estiver lá. Sei que Casey sempre quer que seu carro esteja disponível, mas às vezes é um aborrecimento se elas bebem lá e ainda vão querer dormir em suas próprias camas. Se elas não conseguirem encontrar


alguém sóbrio para dirigir, pegariam um Uber, e Casey teria que fazer outro passeio de volta para pegar seu carro. Está tudo nas mãos de Kristina, porque Casey talvez pareça normal, mas não está. Ela tem um nível de tolerância melhor do que Sarah, mas ainda está zumbido, onde o pensamento racional não é um dado. Kristina suspira. “Entre todos nós e você, sempre podemos recuperar o carro na manhã se deixarmos lá.” O que significa que Kristina não quer dormir lá. Casey nunca se importa. Ela está enrolando na cama da Linde na última semana. Eu assenti. “Esse é o plano, então.” “Você não vem conosco?” Balanço minha cabeça. “Linde disse que Shay está na biblioteca, então vou lá. Ver se ele está lá.” “Você quer que a gente vá com você? Nós podemos simplesmente passar pela biblioteca. Se ele não estiver lá, vem com a gente para a casa.” Casey está balançando a cabeça. Ela continua, sem parar. “Se você não parar, você vai ficar enjoada.” Ela para, rindo. “Eu me sinto um pouco tonta. Você está certa.” Pergunto a Kristina: “Você consegue lidar com ela?” Ela olha para Casey um momento antes de se voltar para Sarah, que ainda está roncando. Ela olha para as outras duas meninas a seguir. “O que vocês vão fazer?” Seus olhos ficam grandes e Melissa limpa a garganta. “Um. Quero dizer... podemos ir com ou...” Seus olhos me irritam, e suas bochechas


ficam um pouco mais rosadas. Entendo. Eu faço. A Casa do Futebol é famosa não só por quem mora lá, mas também por suas festas. Dou de ombros. “Eu duvido que eles se importem.” Ambas as meninas são minhas vizinhas. Não é uma má ideia conhecer elas, o que é algo que tenho que manter. A mão de Kristina passa por meu braço, como se ela entendesse minha hesitação. Ela me dá um tapinha de conforto e diz às meninas: “Se vocês estão prontas para ir assim, vamos embora em dez minutos.” As garotas partem. Elas não precisam ser avisadas duas vezes. “Dez minutos?” Casey levanta um pouco de seu cabelo para que possa examiná-lo. “Eu preciso de mais do que dez minutos para me recompor.” “Você agora tem nove minutos.” “Merda.” Casey sai da sala, pegando seu kit de maquiagem e chuveiro correndo ao banheiro. “Você tem certeza de que está tudo bem?” Já faz quase uma semana desde que Phoebe tentou me atacar. Quase uma semana onde tive que me forçar a ficar no meu próprio dormitório, porque não quero que outra pessoa tire isso de mim. Balanço minha cabeça com firmeza. “Estou bem.” “Estou aqui se você precisar conversar. Você sabe disso, certo?” Meu sorriso é genuíno. “Eu sei. Obrigada.” Kristina e Casey se tornaram duas das minhas melhores amigas aqui. Nunca teria imaginado isso no primeiro dia da faculdade. Fico agradecida.


Casey volta alguns minutos depois, sem fôlego e com pressa. Ela está voando ao redor da sala se preparando, e é quinze minutos mais tarde, quando as outras duas meninas voltam. “Ok.” Casey aparece no quarto, o peito arfando. Ela abre os braços e faz um círculo. “Como estou?” Calça justa, um top decotado e uma bolsa pequena de lantejoula pendia do braço. Seu cabelo parece impecável, mas isso é típico de Casey. Kristina e eu compartilhamos um olhar. “Cara.” Balanço minha cabeça. “Você tem certeza de que quer sair assim? Quero dizer, Linde gosta de cabelo bagunçado nas costas?” “O quê?” Seus olhos se arregalam, e sua mão apertou a parte de trás de seus cabelos. “Não, não, não...” Seus olhos se estreitam para mim, então em Kristina que está tentando não rir, e ela deixa cair a mão. “Suas filhas da puta! Você não pode mexer comigo assim.” Ela vem para mim e bate no meu braço. Recuo, rindo. “Você faz isso tão fácil. Você sempre parece incrível.” Uma das outras garotas concorda com a cabeça. “Você pode usar um terno do Papai Noel e tornar isso sexy.” “Viu.” Empurro um polegar para a garota. “Você não tem nada para se preocupar, e se você está se vestindo para o Linde, ele não se importa com essas coisas.” “Eu sei.” Ela abaixa a cabeça, ajustando sua bolsa. “Este ano tem sido difícil. Você sabe. Seu irmão me rejeitou, e Linde parece legal, mas você nunca sabe.” Faço uma careta. “Meu irmão é uma merda.”


Os roncos de Sarah aumentam para um novo volume. Kristina me diz: “Devemos deixá-la?” “Não. Espere um pouco.” Casey entra em movimento. Ela pega toalhas, colocando uma sob a cabeça de Sarah e outra pendendo do sofá para o chão. Ela posiciona Sarah, então ela está de lado, sua boca pendurada e puxada para a borda. Uma lixeira colocada debaixo dela com uma nova bolsa fresca dentro. Um copo de água colocado a poucos centímetros de distância da lixeira. Dois analgésicos estão próximo. Uma nota é deixada sob o telefone de Sarah, dizendo-lhe onde estamos e uma lista de números para ligar se ela precisar de alguma coisa. Pensei que estivéssemos prontas para ir, mas Casey levanta um dedo. “Mais um minuto.” Ela vai para o corredor e volta em alguns minutos. “Ok.” Ela pega suas chaves e telefone. Sua bolsa ainda está pendurada em seu ombro. “Estou pronta para ir.” “Você tem certeza?” Kristina pergunta, mas as outras duas meninas já estão no corredor. Pego minha mochila e um laço de cabelo para puxar meu cabelo para cima. “Sim.” Casey apoia, dizendo: “A RA verificará Sarah. Ela sabe que ela está aqui. Sarah está doente.” Casey pisca para nós. Kristina fecha a porta e depois olha para mim. “Você tem certeza que não quer uma carona para a biblioteca?”


Estou considerando isso. “Não. Não é longe. Além disso, se Shay estiver caminhando aqui, vou encontrar ele então.” “OK. Ligue se precisar de alguma coisa.” Kristina acena, assim como Casey. As outras duas também fazem, mas elas tem um salto extra para o seu passo. Sei que elas estão mais ansiosas para ir para a Casa do Futebol. Elas saem pela porta dos fundos e me dirijo na direção oposta.


CAPÍTULO QUARENTA E QUATRO

Há algo sobre andar sozinha à noite. Os dormitórios do campus estão iluminados, e há gente passando nas entradas. Quando saí do meu dormitório e passei uns poucos pelo caminho em direção à biblioteca, ouço a risada, a conversa deles e sinto o quanto eles parecem pacíficos. Às vezes prega uma peça na mente. Quando você pensa que está a salvo, quando pensa que pode caminhar entre edifícios durante a noite, e pensa que está sozinho. Há uma beleza ao seu redor quando uma pessoa faz isso, mas pode ser quebrada a qualquer momento. A bolha que costumava ter onde achei que estava segura, onde nunca pensei que poderia ser atacada - isso já desapareceu. Sei que havia maldade nas pessoas. Vim para a faculdade assumindo o pior. Quero alguns amigos leais. Essa foi a regra e meu objetivo. A outra regra não é um drama. A terceira é um novo eu. Estou tão presa e determinada a cumprir tudo isso. Este ano destruiu todas as regras. Shay as quebrou, e apenas pensar nisso traz um sorriso melancólico para

meus

lábios.

Qualquer

um

que

estiver

me

provavelmente pensa que estou bêbada, mas não é isso. Toda a merda que aconteceu comigo, eu saí mais forte.

observando


Pensava que era forte no começo, mas não era. Não era nada comparado com o que sinto agora. Fui quase atacada pela segunda vez, e em um lugar que era considerado perto da minha casa. Meu dormitório deveria ser a casa. Aconteceu no corredor fora dele, mas estou segura. Não foi a primeira vez de Phoebe e eles não me deram nenhum aviso. Dois caras tiveram que atacar pelas costas. Ela veio para mim da frente. Ela me avisou. Ela me contou por que iria me machucar. Tremo, perguntando-me qual seria seu objetivo final. Mas não importa, porque não aconteceu. Ela está ausente. Farei todo o possível para mantê-la afastada, também. Mas não a deixarei levar minha alegria de ser estudante universitária. Morarei no meu dormitório. Dormirei na minha cama. Estarei com meu namorado, e não olhando constantemente por cima do meu ombro. Ando neste maldito campus e meu medo não me governará. Não ditará o que quero fazer, e se quero caminhar até a biblioteca às oito e meia da noite, maldição. Corto o prédio do tribunal e onde estão as caixas de correios. Estou saindo, com a biblioteca sendo o próximo edifício, quando ouço os dois sinais sonoros, significando que alguém está apenas trancando seu carro. Há um estacionamento escondido na esquina entre os dois prédios. Ele está lá para os trabalhadores, e alguns estudantes tem permissões especiais para estacionar também. Principalmente estudantes fora do


campus que querem o estacionamento mais próximo para a biblioteca. Sei que Shay tem uma permissão lá, e já estou virando a cabeça para ver se o Jeep está lá. É quando o vejo, e um pingo de pânico me sacode. Paro no meu caminho, minha pequena conversa e os benefícios a curto prazo que eu sentia enrubescidos. Eles caem aos meus pés. Posso quase imaginá-los lá, e posso expulsá-los porque é assim que sinto. Meus joelhos estão trancados. É Cameron. Ele está caminhando em minha direção, com a cabeça baixa. Seus ombros largos abaixados, mas estão tensos. Ele tem uma camisa com botões, as extremidades saindo das calças cáqui. Seu cabelo está despenteado, como se ele tivesse vindo de um longo dia no escritório ou um evento. Não consigo me mexer. Alguém está gritando para me mover no fundo da minha mente, mas não é suficientemente alto para que meu corpo agisse. O medo está de volta. Está acumulando no fundo do meu íntimo. Sou uma participante que deseja ver este acidente de trem acontecer. Estou mesmo me observando, e em câmera lenta, sua cabeça surge. Há bolsas debaixo dos olhos dele. Ele segura as chaves em suas mãos e as joga com a mão distraidamente no ar antes de pegá-las novamente. Seus olhos estão olhando para a frente. Eles não estão concentrados em ninguém ou qualquer coisa, mas então ele me pega no canto do olho. Faz uma pausa, abranda, e vira a cabeça.


Seus olhos trancam os meus, e vejo suas emoções jogarem como se estivessem na tela. Surpresa. Confusão. Então raiva. A última queima em seu olhar, e ele hesita. Estamos a sete metros de distância. Se eu estivesse escondida na entrada da porta, ele passaria por mim. Esse confronto poderia ser evitado, mas ainda não consigo fazer nada. Tento falar comigo. Minha garganta não está funcionando. Ele me encara, com a mandíbula apertada. Seus olhos se estreitam. Assisto enquanto seus ombros se endireitam e voltam para trás. Ele parece pronto para lutar comigo. Mas ainda não fala por um segundo. Acabei de atravessar três edifícios que tinham pessoas na frente deles, saindo na noite, mas estou no coração do campus e não há ninguém. Meio espero uma erva para rodar entre nós. “Sério?” Ele rosna, enfiando as mãos nos bolsos cáqui. Seus ombros baixam uma fração. “Você vai ficar parada como uma muda?” Coro. Por qualquer motivo, isso funciona. De repente posso falar de novo. “Você não precisa insultar o mudo.”


Ele bufa. Mais da luta o deixa, mas a raiva ainda está lá. Sinto isso debaixo da superfície, sem ferver. Meu interior ainda está em nós, esperando que isso fosse desencadeado. “Eu não sei o que isso significa.” Seus olhos se movem de lado para trás. “Qual é o seu problema?” Ele me olha mais perto, seguindo e voltando. “O que? Você está assustada comigo?” Ok, Kennedy. Começo a me dar uma outra conversa. Esta seria a vitória. Eu preciso disso. Ele não vai te derrubar. Ele não é sua irmã. Ele não é Carruthers ou seu amigo sem pau. Ele não é os idiotas que perseguiram você, ou te irritaram na sala de aula. Ele não está aqui para assustá-la, prejudicá-la, para quebrá-la. Porque. Você. Não. Vai. Deixar. Você consegue isso, Kennedy? Você entende? Estou apertando as mãos em triunfo. Estou me animando. Estou fazendo todos os tipos de gritos dentro da minha própria cabeça. Porque a verdade é que estou com muito medo de dizer mais alguma coisa. Ele inclina a cabeça para o lado. “O que você tem? Você teve mais luta na última vez que eu vi você.” Uma risada escapa de mim. “Sério?” Rio novamente. “Tinha mais luta pela última vez que você me viu?” Ele não responde, e seus ombros caem outra polegada para baixo.


Dou um passo em direção a ele. Sinto como se estivesse caminhando através de cimento molhado, mas movimento para frente. “Você quer saber o que aconteceu comigo? Seu filho da puta.” Um canto de sua boca vira. “Você não precisa me insultar.” “Você me chamou de muda.” “Isso não é um insulto se é verdade.” Por favor, por favor. Ele é um idiota. Minhas narinas aumentam. “Você não jogou como um termo de carinho. Você não deve nem pensar nessa frase. Não deve ser parte do seu vocabulário, porque a verdade é que você não tem ideia do que é ser alguém que não pode ouvir, que não pode falar, que não pode andar, quem não pode fazer as coisas mais simples que você considera como adquiridas.” Respiro de alívio. Posso falar novamente. A luta que ele quer, está chegando. Sinto isso provocando, me alimentando. Levanto minha cabeça mais alto. “Você está tão chateado. Posso ver, e você quer saber o que aconteceu comigo? Sua irmã aconteceu. Idiotas como Carruthers aconteceram comigo. Idiotas que gostam de seus amigos que pensam que podem me envolver, empurrar para baixo porque ousei defender-me de um deles. Meninas como minha companheira de quarto que acha que ela é melhor do que eu, porque ela se sente forte com sua posse e pensa que pode me derrubar porque sou solitária. Você é a última pessoa que estou vendo agora, e você é o último que vou deixar me machucar.”


Certo. Empurro meu punho - e quase me atingi. Movi por mais de uma polegada e subi mais alto. Engasgo meu peito. Zombei dele. Como foi isso, palhaço? Hã? Ele apenas levanta uma sobrancelha. “Você bebeu agora?” Ele está impassível, e sinto uma agulha sendo levada ao balão da minha conversa. Meu peito cai de volta, então estou normal. Reviro os olhos. “O que você está fazendo aqui? Este não é o seu campus.” Ele tira as chaves e as pendurou no ar. “As coisas da minha irmã foram movidas para fora hoje. Tive que devolver suas chaves. Nós estamos saindo da cidade amanhã.” Oh. Eu me sinto como uma idiota. “Pensei que você estava aqui para me machucar.” Suas sobrancelhas levantam-se novamente. Vejo a surpresa lá. “De jeito nenhum. Eu não quero nada com você ou com Shay novamente. Terminei com todos em Dulane.” “O que você quer dizer? E a Sabrina?” Ele olha por um momento. “Ela terminou comigo. Aparentemente, ela estava comigo por razões erradas.” Ele revira os olhos novamente e sibila, “ainda está apaixonada por Coleman, então, cuidado, Clarke. Ela pode estar atrás de seu homem.”


Isso rola minhas costas. Nem mesmo bateu, e jogo de volta, “Claro que ela não quer se associar à sua irmã obcecada?” Seus olhos se formam em fendas. Ele ainda cresce. “Observe, Clarke. Esse é o meu sangue sobre o qual você está falando.” “Quem está obcecada com você. Quem está obcecada com meu namorado. Quem estava começando a ficar obcecada comigo. Seu sangue está bagunçado.” “Sim, bem.” A mão com as chaves volta em seu bolso cáqui e a outro esfregou a parte de trás do pescoço. “Toda família é fodida de alguma maneira. Nós conseguimos o nosso, e apesar do que você pensa, Phoebe está apenas doente. Isso é tudo. Ela não é a pessoa ruim.” “Realmente?” Meu tom está seco. “Então, quem é?” “Ninguém. Não há bandidos. Todo mundo está mal. Todo mundo está bem. Todo mundo muda e toda a situação pode ser lançada amanhã. Sabrina me deixou porque você colocou culpa nela. Eu poderia estar chateado com você e culpá-la, mas eu não estou.” De novo, “Sério?” “Sim.” Pela primeira vez, a dor brilha em seus olhos. “Quero dizer, a raiva em mim quer e talvez uma parte de mim faça, mas não devo. Você não fez Sabrina me derrubar. Ela fez isso sozinha. Ela fez isso porque não quis fazer parte da coisa toda com minha irmã e eu. E para o registro, eu não odeio seu namorado.” “Então o que é?” Nenhum de nós percebe, mas Shay está lá. Ele vinha da biblioteca e parou no final da calçada, onde se encontrou com Cameron que estava


parado. Todos nós três em diferentes seções do pavimento, mas todos se encontrando em um ponto. Todos nós permanecemos no nosso lugar, formando um triângulo. “Oh.” Cameron parece visivelmente abalado. Ele recua, seus ombros caem enquanto passa ambas as mãos pelos cabelos. “Coleman. Eu não vi você aí.” Shay está frio. Seu rosto impassível, mas seus olhos se dirigem para os meus brevemente. Ele está furioso. Vejo isso lá, muito mais controlado e empurrado a raiva que Cameron deixou esfriar à sua superfície. Sinto uma onda de violência no ar, como se a qualquer momento, Shay estivesse pronto para ir. Sinto que esses nós começam a apertar novamente, mas não é medo para mim desta vez. Se Shay fosse fazer qualquer coisa, eu também iria. Não o deixaria machucar. Shay dá um passo, sua cabeça em desafio. “Qual é o maldito negócio, então, Cameron? Gostaria muito de saber, porque a sua irmã saiu do campo esquerdo. Eu nem sabia que deveria estar olhando para uma perseguidora, e muito menos preocupado que tentasse vencer a minha namorada.” Havia o quarterback que liderava seu time no campo, o motivo pelo qual ele é o “grande cara” no campus. Shay está sozinho, mas se toda a equipe estivesse atrás dele, estariam prontos para fazer o que ele ordenasse. Ele não precisava deles, no entanto.


Ele parece pronto para destruir Cameron sozinho e que iria prosperar nisso. Este é o Shay que bateu a merda de Carruthers e seu amigo e depois os atacou pela segunda vez em plena visão de um policial. Cameron parece sentir isso também, e levanta as mãos. “Não estou aqui para fazer mal. Devo deixar as chaves da minha irmã e depois ir para casa. Não tenho planos de voltar aqui. Confie em mim.” Ele pausa um segundo antes de se virar para mim. “Viu. Eu entendi que minha irmã queria machucá-lo. Fiz. Honestamente. E uma parte de mim odeia isso. Eu não gosto de saber que ela ficou psicopata, mas você tem que entender não há bandidos aqui. Minha irmã está doente, e meus pais são os maus na situação. Eles não estão dando a ela a ajuda de que ela precisa. Eles só querem empurrá-la e continuar em todas as suas estúpidas viagens. “E eu também sou o cara mau, porque se eles não lidam com ela, então eu deveria. E não fiz. Porque sou egoísta, e sou um idiota, e sim, uma parte de mim só queria ter uma namorada normal na faculdade e ter um bom tempo antes de crescer. Então, sou o cara ruim nesta situação. Ela é o cara ruim em sua situação, e você nunca soube.” Ele gesticula para mim. “Você pode ser o cara ruim na situação de outra pessoa, e você pode nem saber disso. Como disse antes, somos todos maus, e todos estamos bem, e todos somos humanos, mas se você está parada pensando que vou ser o vilão e vou atacar você ou algo assim, não vai acontecer. Agora, estou machucado porque a garota que esperava ser minha esposa um dia me abandonou. E tenho vergonha porque tenho que deixar as chaves da minha irmã, e nem sei onde é o dormitório. Nunca estive em seu quarto.


Em um ano e meio, não tive tempo. Eu vim muito aqui. Um dos meus melhores amigos vive com Shay. Minha namorada visitava minha irmã, mas nem me lembro da última vez que realmente visitei Phoebe. Talvez ela me encontrasse num fast food para o café da manhã antes de eu sair para voltar para minha faculdade.” Ele respira fundo, deixando sair. Sua cabeça baixa. “Eu vi você agora, e estava tão chateado com você porque queria te culpar por isso tudo. E então vi o medo que você estava, e você não tem idéia da vergonha e da raiva que me arruinou por dentro porque sei que fiz minha irmã sentir o mesmo nível de medo que você acabou de ter. Mas não era medo, estava ferida. Eu a machuquei, e minha presença machucou você agora.” Ele para, sua garganta subindo e baixando rapidamente. Seu peito levanta, depois faz uma pausa, e se acomoda novamente. “E espero que me desculpe por isso.” Ele olha para Shay. “E me desculpe por ter ciúmes de você no ensino médio. Você era o menino dourado e não parecia se importar. Tudo acontecia tão naturalmente para você. Eu odiava você às vezes. Eu queria ser seu melhor amigo às vezes. E te respeitei às vezes. E agora estou com vergonha de estar ao seu redor por causa das minhas merdas.” Shay olha para mim. Sei o que aconteceu com ele no ensino médio. A imagem do menino dourado não é uma que ele use de propósito. Ele simplesmente não deixa as pessoas conhecerem o outro lado dele. Ele tossi. A ameaça de violência já não está no ar.


“Olhe.” Cameron não parece capaz de olhá-lo nos olhos, então Shay se vira para mim. Ele fala com Cameron, porém: “Sinto muito por saber sobre Sabrina.” Cameron levanta a cabeça sobre isso. Shay olha para ele. “Eu sei o quanto você a ama. Eu só posso imaginar a dor que sentiria se eu perdesse Kennedy.” Sinto uma vibração no meu peito. Shay limpa a garganta novamente. “E espero que sua irmã receba a ajuda que ela precisa.” Cameron desvia o olhar e seus olhos se fecham. Ele mantem ainda um momento antes de limpar a mão sobre o rosto e tossir algumas vezes. “Sim, cara.” Ele pisca algumas vezes e estende a mão. Shay sacode, e Cameron concorda com a cabeça. “Isso significa muito.” Ele recua, olhando para mim. “Realmente sinto muito o que minha irmã fez.” Sinto suas desculpas e aceno com a cabeça, meu peito ficando um pouco mais leve. Estendo a mão. “Posso pegar as chaves para você. Vou dar a Amy.” O lábio de Shay se altera em seu nome e reviro os olhos. Se Cameron conseguisse um passe, eu posso começar a usar o nome real da RA. Pequenos passos, certo? Cameron abaixa a cabeça uma última vez e segura sua mão em uma onda. Depois que ele se foi, eu só posso olhar para Shay.


“Por que me sinto de repente exausta e como se tivesse derrubado trinta libras ao mesmo tempo?” Os olhos dele suavizam quando vem em minha direção. Ele abri os braços e me mudo para eles, minha cabeça indo para seu peito. Ele pega a parte de trás dela e me segura, murmurando com meu ouvido: “Porque a vida pode ser fodidamente cansativa, e acho que vamos ficar bem agora.” Passo meus braços ao redor dele e o seguro de volta. Espero assim. Acabamos indo a sua casa, e depois saimos com os nossos amigos, e depois vamos ao seu quarto, começo a sentir a mesma coisa. Seguro seus braços e fecho meus olhos quando sua mão alisa minhas costas. Ele murmurou: “O que aconteceu com você dormindo em seu dormitório todas as noites esta semana?” Rio, levantando a cabeça. “Talvez do domingo até as noites de quinta-feira?” “É quinta-feira por mais uma hora.” “Talvez eu comece com isso no domingo.” Eu me levanto, encontrando seus lábios com os meus. “Obrigada.” Ele recua, franzindo a testa um pouco. Sua mão desliza pelo meu braço. “Por quê?” Por me amar. Não digo isso. Em vez disso, “Por ser o cara por quem precisava me apaixonar.” Já passamos no inferno, e não importa o que mais venha em nós, podemos lidar com qualquer coisa. A emoção bruta move seus olhos, e ele está me deixando ver dentro.


Eu o amo ainda mais por isso. Eu o beijo novamente, e como ele disse, sei que tudo ficarรก bem. E ficarรก.

FIM

Hate to love you scb  
Hate to love you scb  
Advertisement