Page 1

Intervenção na área central de Ribeirão Preto

Midiateca e Arquitetura

Carina F. de Souza | 2017

1


a ca te io bl bi u de em ig or a a

ec

at di mi

os t s po o os t n po r a t c e Con entender porque de se fazer n

2


adequação dos espaços antigos a novos usos

à o d cia

so s a tá s e co i r ó st i h ro t n e o c n a e b d ur o t o i e e cl nc ú o n c O do m e orig O novo e o ant igo dev em inte g

rar-se

necessária a intervenção

3


MIDIATECA E ARQUITETURA

Intervenção na área central de Ribeirão Preto

Relatório Técnico de Desenvolvimento do Trabalho Final de Graduação apresentado ao Centro Universitário Estácio de Ribeirão Preto como parte dos requisitos para obtenção do grau de Bacharel em Arquitetura e Urbanismo. Orientador: Dr. César Muniz

RIBEIRÃO PRETO 2017 4


AGRADECIMENTOS Ao meu pai Sávio e Minha mãe sueli e minha irmã Camila por todo apoio e dedicação, não só nesta fase, mas em toda minha vida, meu eterno agradecimento. Dedico este trabalho a vocês. Obrigada por tudo que fazem a cada dia por mim, por todo carinho e compreensão que recebo. Também agradeço aos meus familiares por sempre torcerecem por mim e acompanhar minha caminhada. Obrigada Lola e Alice e por serem as melhores companhias, por todas as noites e dias que estiveram comigo. Ao meu namorado Renato que sempre esteve ao meu lado e me deu muita força para seguir. Obrigada por tanta compreensão, amor e paciência. A todos os professores que foram muito importantes nesses últimos cinco anos, agradeço por todo conhecimento que recebi que me fizeram chegar até aqui. Vocês sempre farão parte das minhas melhores lemranças. Aos amigos da faculdade, muito obrigada por todos os momentos únicos, por apoiarmos uns aos outros nesta etapa de nossas vidas, pelas risadas e conversas. Por fim, agradeço de todo coração ao meu querido orientador César Muniz, que foi um dos maiores incetivadores neste útimo ano. Você fez a diferença nesse trabalho. Obrigada pelas palavras, pelas dicas e por todo o conhecimento transmitido. Sempre terei muita admiração e gratidão pelo pessoa e profissional incrível que você é.

5


1

INTRODUÇÃO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9 1.1

Contexto da investigação.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

1.2

Objetivos gerais.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

1.3

Objetivos específicos.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

1.4

Justificativa.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

1.5

Procedimentos metodológicos gerais.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18

1.6 O problema do projeto.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 1.4 Procedimentos metodológicos.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20

2

QUADRO TEÓRICO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .21 2.1. Intervenção em centros urbanos.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 2..2 Biblioteca e Midiateca.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24 2.3Conservação e Restauro.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .28 2..4 A Relação entre o novo e o antigo.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 2..5Ribeirão Preto e o Patrimônio histórico.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 2.16 Biblioteca Altino Arantes.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38

3

LEVANTAMENTOS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .54

3.1 Área de intervenção e entorno

6

55


4

REFÊNCIAS PROJETUAIS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68 4.1

PRAÇAS DAS ARTES – Brasil Arquitetura + Marcos Cartum.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 69

4.2 Midiateca François Villon.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78 4.3 Projeto ampliação Sesc Ribeirão Preto.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84

5

PROPOSTA PROJETUAL. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .88 5.1 Localização.. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89 5.2 Partido Arquitetonico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92 5.3 Desenvolvimento do projeto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94

6

CONCLUSÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138

7

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .140

7


8


INTRODUÇÃO

9


1.1 Contexto da investigação Ribeiro Preto é uma cidade de grande influência na região, tornando-se um pólo atrativo de pesquisas, saúde, negócios e educação. O crescimento acelerado do setor de educação na cidade ocorreu entre 2007 e 2011, superando as metas municipais e índices nacionais (INEP, 2008-2015). A partir de 2011, verifica-se uma queda gerando necessidade de investimento nesse setor. As bibliotecas são fundamentais. Dão apoio ao setor educacional. Por um lado, são presentes e ativas em 79% dos municípios brasileiros (FVG, 2009) e, por outro, vêm sofrendo com abandono nos últimos anos. A média de frequência no Brasil de 1,9 vezes por semana, isso ocorre devido à concorrência com outras fontes de pesquisa como a internet, além da falta de manutenção nos espaços, que tornaram-se pouco atrativos.

A média de leitura no país é de 1,3 livros por ano, que é baixo quando comparado à países como Estados Unidos com média de 11 livros e a França com 7 livros por ano (Instituto pro Livro, 2015). Nesse sentido, esse trabalho abordará o universo relacionado a bibliotecas, relacionado com as melhorias nas estruturas físicas e implantação de tecnologias aliadas para o funcionamento das bibliotecas. A proposta leva em conta o contexto de Ribeirão preto (Figura 1) uma cidade que possui um importante centro histórico ( Figura 2), que não tem recebido atenção necessária, com diminuição de investimentos, que provocam uma degradação da área central, além do descaso com o patrimônio histórico, no caso de Ribeirão. O projeto será localizado em uma área do centro ( Figura 3) onde

Figura 1 esq.-Mapa de Ribeirão Preto. (Google Earth)

10


concentra grande valor histórico e patrimonial, próxima ao quarteirão paulista que abrange o Teatro Pedro II,

o prédio do antigo Palace Hotel e o Edifício Meira Junior, onde funciona o “ Pinguim” (Figura 4), também em frente à Praça XV de Novembro, referência histórica e geográfica na cidade. Será conciliado com a Biblioteca Altino Arantes localizada em um antigo casarão, agregando mais valor ao patrimônio histórico e a área central.

Figura 2 - Centro Ribeirão Preto (Google Earth)

Figura 3 - Centro histórico e área de intervenção

11


A cidade possui estabelecimentos de ensino de diversos tipos, atraindo uma grande quantidade de alunos, principalmente para cursos pré-vestibular e universidades. Há uma diversidade de bibliotecas na cidade, sendo algumas pertencentes ao município e outras localizadas dentro de universidades, as principais são: Biblioteca Altino Arantes, Biblioteca Central-USP, Biblioteca Padre Euclides, Biblioteca professor Nicolau Dinamasco Spinelli, Biblioteca Josefina Lacerda e Biblioteca municipal Leopoldo Lima. Sendo todos espaços comuns, com disposição de livros para ler no local ou empréstimo. Com a presença de inúmeros estudantes na cidade, o uso de bibliotecas é de grande importância, mas há necessidade de um local que possa atender as necessidades desses estudantes e proporcionar uma melhoria dos estudos. Há falta de espaços que vão além da sala de aula e proporcionem um espaço agradável. Esse tema será trabalhado nesse projeto no sentido de proporcionar melhorias na vida estudantil e qualificar a área central e o casarão que abriga a Biblioteca Altino Arantes. O centro histórico de Ribeirão Preto é uma parte im-

Figura 5 - Palacete Camilo de Matos Fonte: Google imagens

12

portante da cidade, que acabou sofrendo ações do tempo e do crescimento acelerado das cidades, com surgimento de subcentros que passam a concorrer com as áreas centrais. Houve um deslocamento de pessoas e negócios para outras áreas, além do descuido com algumas edificações antigas que compõe a área, como por exemplo o Palacete Jorge Lobato e o Palacete Camilo de Matos. Esse processo, comum em centros urbanos de muitas cidades, acelera a deteriorização e degradação dos centros, como descreve o livro Intervenções em Centros Urbanos – Heliana Comim Vargas/Ana Luisa Howard de Castilho. É fato que o crescimento da cidade é importante, assim como a formação de subcentros, no entanto é fundamental a redução do crescimento do êxodo de negócios das áreas centrais, para o equilíbrio da distribuição dos serviços por toda cidade e seu bom funcionamento, criando soluções atrativas para o retorno de investimentos, promovendo o resgate das áreas centrais que vem se desgastando.

Figura 6- Palacete Jorge Lobato Fonte:Google imagens


“Intervir em centros urbanos pressupõe avaliar sua herança histórica e patrimonial, seu caráter funcional e sua posição relativa na estrutura urbana, principalmente entender porque de se fazer necessária a intervenção” (Vargas, 2006). Promover ações que resgatem as funções do centro e criar atrativos que devolvam os investimentos à área central, são medidas importantes de renovação, conciliando com a questão da preservação histórica. A proposta trabalha questões de intervenção em centros urbanos e edificações de valor histórico, e parte do princípio que a melhor maneira de intervir é preservar, promovendo a conciliação entre o novo e o antigo. Novos projetos arquitetônicos em conjunto com edificações antigas requerem atenção e respeito na preservação do passado, com conciliação das características contemporâneas e necessidades do cotidiano. Ao elaborar um projeto novo, é de extrema importância, que o antigo não perca seu valor e identidade. Além disso, o projeto novo aumenta a ca-

pacidade de usos do local, qualificando a área e atraindo mais pessoas, devolvendo ao centro urbano funções que receberam investimentos insuficientes com o surgimentos dos subcentros. “Será procurada a solução capaz de conciliar dois pontos de vista opostos” (Trecho da Carta de Atenas). A biblioteca Altino Arantes (Figura 7) foi construída em 1932, leva esse nome pelo parentesco do deputado Altino Arantes com os antigos donos Coronel Quito Junqueira e Sinhá Junqueira. Foi transformado em biblioteca em 1955 e em 1983 foi comprado pela prefeitura, após ocorreu seu tombamento. É um projeto de Ramos de Azevedo e apresenta características da arquitetura neocolonial.

Figura 7 - Biblioteca Altino Arante (Autor)

13


Biblioteca Altino Arantes, assim como as demais bibliotecas da cidade, preservam o uso e estruturas tradicionais de bibliotecas antigas, que acabam sendo limitadas. Um dos grandes problemas enfrentados pelos frequentadores, são os horários de funcionamento. No Brasil, 99% das bibliotecas funcionam de segunda a sexta, como também ocorre na Biblioteca Altino Arantes, aberta das 9:00 às 18:00 horas. Apenas12% abre aos sábados e 1% aos domingos (FGV,2009). Além disso, nas bibliotecas brasileiras apenas 12% oferecem atividades de extensão, também há pouca utilização de meios tecnológicos e de recursos para deficientes auditivos e visuais. No Brasil e região sudeste apenas 9% das bibliotecas oferecem recursos para deficientes visuais e 6% para outras deficiências (FGV, 2009). Assim há necessidade de implantar recursos que modernizem as bibliotecas. Ribeirão Preto que é um polo de ensino superior tem em suas bibliotecas um conteúdo geral, não atendendo as necessidades específicas das diferentes áreas de ensino que são fortes na cidade, como por exemplo medicina, área de humanidades e ciências sociais. Assim é interessante acrescentar conteúdo específico para a biblioteca, contribuindo e fortalecendo a cidade como um polo educacional.

14


Nas últimas décadas, levando em consideração a modernização das bibliotecas, veem se utilizando conceito de midiateca, termo de origem francesa que começou a ser aplicado em meados dos anos 70, usado para indicar o novo tipo de biblioteca pública contemporânea. Midiateca é uma associação de biblioteca, tecnologia e informatização. Abriga muito além de acervos de livros, disponibilizando diferentes meios de acessos à informação associados a tecnologia. As Midiatecas oferecem serviços de extensão, uso de com-

MIDIATECA

putadores para outros fins, acesso à internet e espaços de lazer. Trata-se de um lugar que o uso vai além das pesquisas escolares, transforma-se em um espaço de convivência e lazer também. No entanto, biblioteca e midiateca estão interligadas, sendo que uma não anula a outra “a biblioteca deu origem a midiateca, à medida que aquela foi incorporando e adaptando novos espaços para entrada de computadores [...] como terminais para consulta de informações” (Cairo, 2007). Dessa maneira, esse trabalho conciliará áreas diferentes da arquitetura e urbanismo, desenvolvendo um projeto de uma midiateca anexa à biblioteca Altino Arantes em Ribeirão Preto, além da revitalização do prédio antigo. Também será proposto a conexão com alguns equipamentos culturais da área, ressaltando a importância de intervenções em centros urbanos, preservação do patrimônio histórico e a relação entre o novo e o antigo.

15


1.2 Objetivos gerais O projeto a ser desenvolvido possui como principal objetivo a integração entre o antigo e o novo na arquitetura. Para isso será utilizado como objeto de estudo a Biblioteca Altino Arantes e uma proposta de intervenção e revitalização no patrimônio histórico. Também será proposto uma nova edificação anexa que amplie as funções da Biblioteca, utilizando o conceito de midiateca. Trata-se de um equipamento que utilizará múltiplas funções, sendo não apenas um espaço de pesquisas, como também de interação, convivência e lazer. Além disso, o novo projeto será inclusivo, oferecendo recursos a pessoas com deficiências, o que torna o espaço igualitário e acessível a todos. Também será incluído um conteúdo específico, que sirva de apoio as unidades de ensino superior, contrapondo as bibliotecas existentes da cidade que possuem apenas um conteúdo geral.

1.3 Objetivos específicos O presente trabalho pretende propor uma intervenção na área central de Ribeirão Preto com criação de uma Midiateca e intervenção na Biblioteca Altino Arantes. O novo equipamento conterá um programa que concilia com as edificações de importante influência presentes na área como o teatro Pedro II, O centro cultural Palace, O Marp e o Sesc, pretendendo criar assim um corredor cultural. O terreno de intervenção será aberto, com espaços públicos com livre acesso. Trata-se de um espaço que relacionará cultura, lazer e entretenimento. A ligação entre o novo projeto e os equipamentos existentes acontece por meio de passarelas, que não serão somente usadas para passagem mas também como espaço de estar. A intenção da proposta é trazer novos atrativos para a área central, além de atrair públicos diversificados e devolver os investimentos, promovendo a regeneração dessa parte da cidade. 16


1.4 Justificativa

Ribeirão Preto tornou-se uma cidade de referência no setor educacional, especialmente em universidades, que contam com as bibliotecas da cidade como fonte de pesquisa e são complementares às instituições de ensino. No entanto, as bibliotecas continuam usando o modelo tradicional, sem muitos recursos tecnológicos e com poucos ofertas atrativas. Diante disso, o projeto a ser trabalhado utilizará como objeto de estudo a Biblioteca Altino Arantes que é um importante representante do patrimônio histórico da cidade e um anexo a ser construído. O projeto é importante pela instalação de um equipamento público que proporcionará intervenção na área central, valorizando e criando atrativos que devolvam os investimentos para o centro, também proporciona a revitalização do patrimônio histórico (Biblioteca Altino Arantes), permitindo a continuação de seu uso, além de criar um equipamento na escala da cidade que amplie as funções de biblioteca, aliado a meios de tecnologia e função de lazer.

17


1.5 Procedimentos metodológicos gerais

Para o desenvolvimento do projeto experimental, é necessário juntar subsídios suficientes para a elaboração da proposta, com isso serão realizadas pesquisas teóricas, com analise de temas abordados na proposta, pesquisa documental, a fim de arrecadar recursos que possibilitem o estudo do objeto e pesquisa empírica, com levantamento de campo. Além disso foi estabelecido as etapas de desenvolvimento do trabalho e um cronograma que organize as fases de pesquisas e elaboração da proposta.

18


1.6 O problema do projeto

Os desafios de elaborar uma proposta para área central são diversos. É uma área que sofreu um êxodo de algumas atividades econômicas diminuindo seu potencial de competitividade, recebendo menos investimentos e entrando em estado de degradação. É uma área rica em patrimônio histórico, muitos sem manutenção como acontece com a Biblioteca Altino Arantes, outros em total abandono como o palacete Camillo de Matos. Essa falta de atenção e cuidado e abandono de algumas edificações que foram ocupadas por desabrigados, geram uma visibilidade ruim para o centro. Propor um equipamento novo, que traga melhorias para a área é uma tentativa de resgatar a qualidade e imagem da área central. O projeto novo não poderia ignorar a proximidade da área de intervenção com as edificações históricas próximas, criando um vínculo com esses equipamentos culturais. Além disso, o projeto lida com o desafio de preservar e revitalizar o patrimônio. Tudo isso em um lugar sem muito espaço e investimentos.

19


1.7 Procedimentos metodológicos Pesquisa teórica O embasamento teórico foi elaborado a partir de temas relacionados com a proposta. Para isso analisou-se as temáticas relacionadas a intervenções em centro urbanos, o processo de abandono das áreas centrais, assim como suas causas e efeitos, analisou-se também alguns projetos de intervenção em centros urbanos. Patrimônio histórico e intervenções em edifícios de interesse histórico também foi um dos temas da pesquisa teórica. O estudo dos temas sobre bibliotecas públicas e midiatecas, suas diferenças e semelhanças, conteúdo e programas gerais, foram importantes para o desenvolvimento das premissas de projeto e definição do equipamento a ser proposto. Também foi analisado nas pesquisas bibliográficas a relação entre o antigo e novo na Arquitetura, os desafios de projetar próximo ao preexistente, assim como os melhores caminhos para obter um resultante equilibrado e respeitoso. Em resumo, para elaboração do projeto foram analisados em pesquisas bibliográficas os seguintes temas: • Intervenções em centro urbanos • Intervenções em patrimônios históricos • Bibliotecas públicas • Midiatecas • Patrimônio Histórico • Relação entre o antigo e o novo na Arquitetura

20

Pesquisa documental Nesta fase de pesquisa foi visitado o Arquivo Público de Ribeirão Preto em busca de documentos, fotos, desenhos técnicos como plantas, cortes e fachadas, além de outras fontes que auxiliam no desenvolvimento do projeto. Também foi coletado informações em pesquisas já realizadas sobre a Biblioteca Altino Arantes. Foi elaborado mapas da área de intervenção, para o estudo da área central e análise das possibilidades de partidos projetuais. Além disso, realizou-se leituras projetuais que conversem com o tema estudado. Para a escolha do projetos de leitura, será relevante características comuns a proposta deste trabalho, como o programa, bibliotecas e projetos que abordem a temática da relação da arquitetura antiga com a arquitetura nova.

Pesquisa de campo Para estudo da área a ser trabalhada, localizada no centro de Ribeirão Preto, realizou-se visitas ao local para realização de levantamentos morfológicos, fotografias, desenhos em geral. Além disso, foi feito levantamento de campo na Biblioteca Altino Arantes e na vizinhança, em busca de coletar informações, fotografias, análise e estudo das edificações e entorno.


2 QUADRO TEÓRICO

21


2.1 Intervenção em Centros Urbanos

22


A preocupação com o desamparo dos centros históricos, surgiu na Europa e América do Norte desde a década e 1950 e no Brasil por volta de 1980, em um momento que notava-se uma falta de atenção com essas áreas, decorrente do crescimento acelerado das cidades e surgimento de subcentros. Essas novas áreas geraram atrativos e migração de atividades, que anteriormente se concentravam em áreas centrais, tornando-se concorrentes, resultando em uma diminuição dos fluxos no centro. Esse processo, causou degradação de áreas centrais. O resgate se torna importante, pois o centro é referência simbólica das cidades, é parte fundamental da história e exerce função importante na estrutura urbana (Vargas, 2006). “O conceito de centro histórico está associado à origem do núcleo urbano, consequentemente, à valorização do passado” (Carrion, 1998, citado por Vargas 2006). No entanto, apesar de assegurar a integridade dos lugares e edificações que constituem a história, deve-se valorizar a conexão entre a importância da preservação de elementos do passado, como edificações e monumentos de diferentes épocas, que representem diferentes classes e momentos vividos (Marcuse,1998 citado por Vargas,2006), com inserção de novos elementos que agreguem valor ao conjunto.

A intervenção pode ocorrer de diversas maneiras, seja para recuperação da área, reparação de danos ou recuperação de padrões estéticos. Intervir na área central, significa promover a reutilização de edificações, valorizar o patrimônio construído e implantar ações em busca da atração de investimentos, moradores e usuários. (Vargas, 2006) Trata-se de entender o centro como uma peça conectora às demais áreas, sendo viável a concentração de diferentes atividades, como cultura, lazer, negócios e comércio, na tentativa de atrair público diversificado e manter seu eixo em funcionamento. São considerados degradadas e deteriorados, áreas que perderam suas funções, sofreram danos em estruturas físicas, possuíram diminuição de investimentos econômicos, além do empobrecimento e marginalização de grupos sociais. Nessa situação, atividades menos rentáveis ou ilegais proliferam, atraindo assim pouca visibilidade para a área. Com isso, torna-se mais compreensível que os investimentos públicos se destinem a áreas com atividades mais lucrativas, e consequentemente, que arrecadem mais impostos, deixando as áreas desamparadas em segundo plano (Vargas, 2006).

23


2.2 Midiateca e Biblioteca

24


O Brasil ainda possui em sua maioria, bibliotecas que seguem uma configuração ultrapassada. Esse padrão de biblioteca tem o livro como ferramenta central, não havendo conteúdos diversificados. As bibliotecas são fundamentais para subsidiar estudos e pesquisas. Entretanto, esse modelo tradicional não cria atrativos que aumentem o número de usuários, sendo que 88% das pessoas praticam leitura em casa e 19% em bibliotecas, sendo desse total 8% em bibliotecas públicas (Instituto pro Livro, 2015). Com o processo de informatização, as bibliotecas se viram obrigadas a incorporar meios de informação tecnológicos em seus acervos. Neste sentido surge a terminologia Midiateca, que vem para denominar as bibliotecas contemporâneas. O termo midiateca surgiu na França por volta da década de 70/80, quando o conteúdo audiovisual passou a ter tanta importância quanto o conteúdo impresso (Marinho, 2013) e passou a ser utilizado também nos Estados Unidos e Portugal. A midiateca tem a mesma função da

biblioteca, mas insere novos suportes informacionais e conteúdos diversificados em seus acervos, além de funcionar não somente como um espaço de estudos, mas também de lazer e interação. As midiatecas surgiram para diversificar a oferta e ampliar a frequências de usuários. Não mudou apenas o nome, mudou também o serviço (Marinho, 2013), sendo que nas bibliotecas tradicionais a maior parte do público é composta de pesquisadores e estudantes (Instituto pro Livro, 2015). Devido à falta de atrativos para outros públicos, a midiateca pode reverter esse quadro inserindo novas tecnologias, recursos que atendam a públicos diversificados, assim como portadores de deficiências, conteúdos diversos, horários flexíveis e espaços de lazer. Essa nova configuração, não vem para excluir a biblioteca, sendo uma complementar a outra, é uma tentativa de inserir maior informatização e mostrar que a leitura não está apenas no livro impresso. A Midiateca utiliza além do texto, a fala, a música, desenhos, fotos, cinema, vídeos e outros elementos com base eletrônica. (Nesterov. Citado por Marinho,2013)

Figura 10- Biblioteca Parque Nacional de Manguinhos, Rio de Janeiro (Archdaily)

25


Figura 11 - Biblioteca de São paulo .Fonte: Google Imagens

No Brasil, segundo o Instituto Pró Livro, dentre os frequentadores de bibliotecas 88% leem em papel, 3% em meios digitais e 9% em ambos. A pequena porcentagem de utilização das mídias digitais ocorre pela ausência delas nas bibliotecas. Quando ocorrem, não são bem apresentadas ao público. O termo midiateca é pouco usado no Brasil. Há apenas duas bibliotecas, que seguem a estrutura de uma midiateca: a Biblioteca Parque de Manguinhos (Figura 9) e a Biblioteca de São Paulo (Figura 10). Em comparação, as bibliotecas tradicionais são vistas como local de pesquisa acadêmica. Segundo sua etimologia, a palavra biblioteca significa caixa de textos, dando ênfase aos livros, enquanto que a midiateca torna-se mais que um espaço de estudo, oferecendo diversos suportes de tecnologia (Tabela 1) (Marinho, 2013). “A

intenção é demonstrar que “outras mídias não são concorrentes, são auxiliares a leitura” (Marinho, 2013)

Figura 12 - Biblioteca de São paulo.Fonte: Google Imagens

Figura 13 - Biblioteca de São paulo.Fonte: Google Imagens 26


De acordo com quadro abaixo, é possível identificas as diferenças entre biblioteca e midiateca:

Tabela 1 - Quadro comparativo entre Biblioteca e Midiateca (Marinho, 2013)

Dessa modo, é importante ressaltar a necessidade de incentivos e busca de atrativos às bibliotecas brasileiras, assim como a inserção das multimídias.

“Hoje a biblioteca não deve ser relacionada a um lugar de “recolha”, depósito de livros e sim um local que disponibiliza todas as formas possíveis de informação.” (Marinho, 2013). 27


2.3 Conservação e Restauro

28


A preservação do patrimônio arquitetônico e cultural, tem sua importância não somente na conservação de sua edificação, mas na história contida, da identidade que permanece, da atuação que exerce sobre a sociedade e principalmente por fazer parte do coletivo, permitindo que não seja excluído pelo mercado imobiliário. “O testemunho do passado documentado pelo patrimônio arquitetônico constitui um ambiente essencial para o equilíbrio e o desenvolvimento cultural do homem... Constitui um capital espiritual, cultural, econômico e social de valor insubstituível” (Princípios da Carta Europeia do Patrimônio Arquitetônico – 1975, citado por Braga, 2003). No início do século XVIII houve uma crescente preocupação com o patrimônio artístico e cultural, e, razão das descobertas e estudos acerca da arquitetura clássica, além dos princípios do Iluminismo que influenciavam o momento. “Em Roma, no século XIX iniciará a reavaliação dos monumentos arquitetônicos sob novos conceitos de anastilose1 e de reintegração2, que ajudaram a cessar o período das espoliações”. (Braga, 2003) Com relação as práticas de restauro e conservação houve correntes que defendiam processos diferentes. Entre elas estão Viollet Le Duc, que valorizava a reconstituição de obras com base em estudos e idealizações de como ela já havia sido, reproduzindo as partes faltantes como cópias. Por outro lado, John Ruskin, defendia a valorização das ruinas, onde a conservação deve ocorrer sem alteração do preexistente, sem mascarar a obra. Por fim, Camilo Boito, defendendo o restauro moderno, ampara a ideia que em uma intervenção de restauro, deve-se evidenciar o que foi alterado, havendo distinção entre o antigo e o novo, tanto nas alterações, como na materialidade. (Carlucci, 2014)

29


No Brasil “a criação do SPHAN em 1936 (então Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) marca início de um período de ações de preservação do nosso Patrimônio, que até este momento não contava com legislação adequada, nem com equipe técnica competente”. (Braga, 2003) . Posteriormente, foi denominado como Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN). Outros órgãos também foram criados, assim como encontros em defesa da conservação do patrimônio brasileiro. As primeiras intervenções ocorreram aos setores que exigiam urgência, como alguns monumentos em estado de abandono, e alguns tombamentos (Braga, 2003). Atualmente, quando se fala em intervenções em edifí-

áreas, que viabilizam intervenções na edificação e a real necessidade delas. A intervenção deve ser clara, diferenciando do preexistente. Quando se fala em anexos, eles não devem ofuscar ou gerarem superioridade ao que já existe. “Integrar-se com o antigo não significa reproduzir as representações presentes no antigo, mas estabelecer uma relação harmônica em ritmo, proporção e forma com a estrutura preexistente”. (Braga, 2003) É fundamental entender a relação que as edificações históricas exercem com a cidade, que deve ser vista com um olhar preservacionista, pois as edificações antigas estão rodeadas pelas contemporâneas, evidenciando a convivência do passado com o presente. (Braga, 2003). Nesse sentido, é essencial o cuidado e preservação com

cios patrimoniais, são utilizados técnicas de Restauração, que consiste em recompor a imagem do que já existiu. E as técnicas de Conservação, que propõe intervenção na matéria, para garantir a integridade estrutural ou estética. (Braga, 2003) O processo de intervenção em uma edificação histórica enfrenta alguns desafios como a “adequação dos espaços antigos a novos usos, pela necessidade de atualização ou, muitas vezes, de introdução de novas instalações prediais que garantam a segurança e a possibilidade de um uso atual, até a definição de materiais e técnicas atuais adequadas e compatíveis aos presentes no edifício” (Braga, 2003, pag. 9). Além disso, há uma questão importante da preservação da autenticidade e da memória nas intervenções em patrimônios culturais. Em um processo de intervenção ou restauro há um debate sobre o que deve ser mantido e preservado, envolvendo vários estudos, com profissionais de diferentes

preexistente, que integra o cenário urbano, oferecendo potencial de conciliação da edificação histórica com espaços públicos. “Quando se atua em preservação do patrimônio arquitetônico atua-se na esfera da dualidade entre o antigo e o novo, entre criar (inventar) e preservar (manter/conservar)” (Braga, 2003, página 15). As intervenções devem permitir que ocorra atividades cotidianas, respeitando as limitações existentes no bem de valor histórico. O Brasil encontra-se em uma situação, em que muitos edifícios de interesse histórico, estão em completo estado de abandono, sendo invadidos por moradores de rua ou sendo vítimas de vandalismo. Outras se encontram em uso, mas sem os devidos reparos necessários para manutenção da vida útil de suas construções.

30


2.4 A relação do novo com o antig

31


Intervir sobre o patrimônio é um desafio, tanto quanto

patrimônio objetiva dar novos usos e prezar a memória da

se intervém diretamente na edificação histórica, para regularizações, amparo na estrutura, reutilizações, assim como quando se projeta o novo conciliado ao patrimônio. Nesse caso estão conectados as práticas de restauro e conservação e projeto arquitetônico. O cenário da arquitetura contemporânea representa a tentativa de resgate do patrimônio histórico, muitas vezes sendo necessárias intervenções e criações de anexos para adequar o edifício às necessidade atuais. “Ações como valorizar o patrimônio, garantir a transmissão do bem cultural para o futuro e dar uma destinação útil ao monumento entram em conflito com o ambiente cultural e a própria projetação do novo.” (Nahas, 2015 ) Ao iniciar um projeto que envolve questões da memória e contemporaneidade, é necessária uma análise a partir das premissas de projeto para entender o que será demolido e o que preservar. O ato de intervenção em um

edificação. A escolha da intervenção deve ser feita com cuidado, para que não se perca sua identidade e apague seu conteúdo histórico. “Se de um lado a “preservação” tem como objetivo garantir a integridade de algo, por outro, a “mudança” é pelo movimento do tempo em alterar e modificar algo. Da mesma forma, a “permanência” como constância e continuidade de algo no arco temporal implica no surgimento do “novo”, da novidade, da “inovação” ( Nahas, 2015, páginas 84 e 85). Ao elaborar um projeto que relacione o antigo e o novo, é fundamental que o novo não subtraia o valor do preexistente, eles devem se conectar, possuindo elementos de ligação sempre esclarecendo o que foi preservado e o que é o complemento.

32


2.5 Ribeirão Preto e o Patrimônio históri

33


Figura 13 - Teatro Carlos Gomes .Fonte: Google

Imagens

Figura 14- Palacete Inecchi(demolido) e ao lado antiga Recreativa (atual sede do Marp)

Ribeirão Preto também possui um centro histórico de grande importância, com seu ápice no período de apogeu da produção cafeeira, proporcionada a vinda de fazendeiros e muitos imigrantes, além da Estação Companhia Mogiana de Estrada de Ferro, que resultaram no desenvolvimento da cidade. O café impulsionou uma fase de progresso econômico para a cidade, com construções de palacetes, hotéis, teatros ocupados pela nobreza. Com a crise de 1929, o café entrou em declínio, dando espaço a outras culturas e atividades comerciais. Essa queda transformou a vida da alta sociedade refletindo sobre o espaço urbano e suas edificações ao longo do tempo. (Filho, 2013) Com isso, muitos casarões foram demolidos, dando lugar a edifícios, ou áreas comerciais em busca do crescimento da cidade. Como exemplo pode ser citado o Teatro Carlos Gomes, projeto de Ramos de Azevedo (Figura 12), o Palacete Innecchi (Figura13) e a Estação Ferroviária (Figura 15).

No mapa, é possível observar a localização de edificações importantes da cidade que não existem mais

Figura 15 - Prédio do antigo Hospital de Isolamento ou Lazareto (Google imagens )

Figura 16 - Antiga estação ferroviária Fonte: Google Imagens

.

34


Figura 17- Edificações patrimoniais de Ribeirão preto ( Site Folha de São Paulo)

1

Teatro Carlos Gomes. Atual praça Carlos Gomes, em frente a praça XV de Novembro.

2

Antigo Palacete Paschoal Inecchi demolido.

3

Antiga estação ferroviária. Quadra da Avenida Jerônimo Gonçalves com as ruas Santos Dumont, Auguto Severo e Martinico Prado

4

5

Primeiro Mercadão Municpal na avenida Gerônimo Golçalves.

Hospital de isolamento no bairro Ipiranga

35


Apesar de grandes mudanças na paisagem urbana de Ribeirão Preto, ainda existem vários representantes da história da cidade, muitos concentrados na áreas centrais e áreas próximas, como o Palacete Jorge Lobato (4), o Palacete Camilo de Matos (5), o Teatro Pedro II, o antigo Palacete Meira Junior e antigo Palace Hotel (1), a Biblioteca Altino Arantes (2), citados no item 1.1. Além desses, o edifício Diederichsen, a Catedral, a Prefeitura, o Studio Kaiser, a Cervejaria Antarctica e o Mercadão Municipal e o palacete Albino de Camargo Netto.

1 Quarteirão Paulista 2 Biblioteca Altino Arantes 3 Edificio Diederischen 4 Palacete Jorge Lobato 5 Palacete Camilo de Matos 6 Palacete Albino Camargo Netto 7 Prefeitura Municipal 8 Catedral 9 Estúdio Kaiser 10 Antiga Cervejaria Antarctica 11 Mercado Municipal

36


37


2.6 Bilioteca Altino Arantes

38


Pesquisa Histórica e principais características A Biblioteca Altino Arantes (Figura 18) era residência do casal Quito Junqueira e Sinhá Junqueira. Eram primos, e sua família era tradicional, fazendo parte da história de ribeirão preto. Foi construída por volta de 1912 e leva o nome do deputado Altino Arantes pelo grau de parentesco e por sua popularidade da época. O casal, além da importância econômica, exercia diversas atividades assistenciais. Em 1955 o casarão foi transformado em biblioteca com intuito de facilitar o acesso a leituras as pessoas carentes. Atualmente é mantida pela fundação Sinhá Junqueira, instituição particular que permite o casarão como um espaço público e acessível. Conta com acervo de aproximadamente 40.000 exemplares, também possui 2.000 mil títulos em braile. Tem uma frequência diária de 180 leitores, que vão em busca dos exemplares contidos no casarão e também na utilização do espaço da biblioteca para outras leituras e pesquisas. (Documentação da Biblioteca). Possui grande importância por fazer parte da história da cidade, sendo considerado uma edificação de patrimônio histórico e cultural. “A casa construída durante a alta do café, por Ramos de Azevedo, mantem o máximo possível de detalhes da época, inclusive os moveis do tempo em que Dona Sinhá residia nela com seu marido” (Arquivo Histórico de Ribeirão Preto) O público alvo da biblioteca são alunos de 1º e 2º grau, alunos em fase de vestibulares e pessoas que leem por prazer (Documentação da Biblioteca). Demonstrando, que apesar de abranger um público grande, ainda não atende as necessidade de outros setores da educação, como alunos de universidades, que necessitam de um conteúdo mais específico.

Figura 18, 19, 20 - Biblioteca Altino Arantes (Autor)

39


40


41


Configuração original do casarão

3

2

1

1

Hall entrada

2

Escritório

3

jardim de Inverno

4

Sala de Jantar

5

Armazenamento

6 9 4

8 7 5

6

Croqui da planta pavimento térreo do casarão que abriga a Biblioteca Altino Arantes

42

Cozinha

7

Sala de funcionários

8

Dormitório

9

Sala


1

Quarto casal

2

Quarto de vestir

3

Banho

4

Dormit처rio

5

Banho

6

Dorit처rio

7

Dormit처rio

8

4

2

3

1

8

7 6

5

Croqui da planta pavimento superior do casar찾o que abriga a Biblioteca Altino Arantes

43


Desenhos Técnicos e Configuração atual

Figura 22- Jardim (Autor)

Figura 21-Casa do caseiro (Autor)

Figura 23-Biblioteca (Autor)

Implantação

Rua Duque de Caxias

Praça XV de Novembro

Figura 24 e 25-Biblioteca (Autor)

0

44

1

5

10m


Livros

Livros Livros Livros

Recepção

Livros

Sala diretor

Área convívio

Livros

Escritório histórico / eventos

Hall

0

1

2

Livros

W.C. Sala leitura

Sala leitura

Hall

Sala leitura

Livros

5m

0

Pavimento Térreo

1

2

5m

Pavimento Superior

0

1

2

5m

Fachada Frontal

0

1

2

5m

Fachada Latreal 45


Configuração atual

6 Figura 26 -Escritório Biblioteca (Autor)

5

7

4

3

8

9

2

1

0

1

2

5m

Pavimento Térreo

Figura 27 - Sala com livros (Autor)

1

Escritório histórico / eventos

2

Hall

3

Recepção

4

Livros

5

Livros

6

Livros/ Cozinha funcionários

7

Livros

8

Sala diretor

9

Área convívio

Figura 28 - Recepção (Autor)

46


Figura 29 - Sala biblioteca (Autor)

Os antigos cômodos do casarão deram lugar ao programa da biblioteca, sem alterações fisícas na edificação. Há presença de mobiliários originais da familias e alguns doados, porém, da mesma época. No pavimento térreo onde era o antigo escritório, preservou-se a disposição do ambiento e mobiliário, sendo usado para eventos , como noite de autógrafos. Ao entrar pode-se chegar ao balcão de informções e acesso aos livros. Também há sala do responsável, de acesso restrito á funcionários, e a sala principal mobiliários preservados é local de convívio pelos usuários da biblioteca.

47


Configuração atual

5

6 7

Figura30 - Pavimento superior (Autor)

4

3

8

9

2

1

0

1

2

5m

Pavimento Superior

Figura31 - Sala leitura Pavimento superior (Autor)

1

Livros

2

sala de leitura

3

Livros

4

Livros

5

Livros

6

Banho

7

Sala de leitura

8

Sala leitura

9

Hall

O pavimento superior que abrigava os quartos casarão, deu lugar a salas de livros especiais, comos os autografados e os livros escritos em braile. Também possui salas de leitura e estudo. 48

Figura 32 - Sala leitura Pavimento superior (Autor)


Usos

Livros

Livros

Sala diretor

Livros Livros

Recepção

Livros

Área convívio

Livros

Escritório histórico / eventos

Hall

0

1

2

Livros

Acesso restrito

Sala leitura

Sala leitura

Hall

Sala leitura

Livros

5m

Pavimento Térreo

Acesso público

W.C.

0

1

2

5m

Pavimento Superior

As áreas de acesso público possuim livre circulação, neessitando passar pelo balcão de recepção apenas para registro de locações de livros. A área restrita do térreo não é aberta a público, pois trata-se da sala do diretor da biblioteca e a sala histórica utilizada semente em eventos. No pavimentos superior, as salas restritas possuem livros que não podem ser locados, apenas uso no local, livros em braile e livros raros, sendo necessário acompanhamento de funcionário para ter acesso. O jardim na parte externa também é limitado, podendo ser visitado apenas para estudo e pesquisas, com autorização dos funcionários. 49


Acessos e circulação

Livros

Livros

Sala diretor

Livros Livros

Recepção

Área convívio

0

1

2

Sala leitura

Livros

Escritório histórico / eventos

Hall

W.C.

Livros

Livros

Sala leitura

Hall

Sala leitura

Livros

5m

Pavimento Térreo

0

1

2

Acesso principal interior Circulação interna Acesso pavimento superior Acesso restrito a funcionários Circulação jardim Acesso externo a biblioteca

Rua Duque de Caxias

Praça XV de Novembro

50

5m

Pavimento Superior

0

1

5

10m


Aberturas

Figura 32 - vitrais (Autor)

Figura 33- janela (Autor)

0

Figura 33 - vitrais (Autor)

1

2

5m

Figura 34 janela (Autor)

0

51


Figura 35 - Portas da biblioteca (Autor) Figura 36 janela nova (Autor)

Figura 37 janela recepção (Autor)

0

52

0

1

2

5m

1

2

5m


Figura 38 - janela térreo (Autor)

Figura 39 - Porta entrada principal (Autor)

O casarão manteu-se fiel a sua configuaração original. tendo apenas algumas intervenções ao longo dos anos. Parte do piso foi trocado, além de quatro vitrôs que foram substituidos. A biblioteca atualmente se encontra com falta de manutenção. Há janelas com portas quebradas, piso desdastado e a parte mais crítica é na antiga casa do caseiro, ao fundo, com grande parte da cobertura e lajes desabando.

53


3 LEVANTAMENTOS

54


3.1 Área de intervenção e entorno

55


RibeirĂŁo Preto

Centro

56


O projeto foi proposto na área central de ribeirão preto, para isso realizou-se levantamentos morfológicos na vizança da área de implantação.Os levantamentos realizados na vizinhança ajudaram na concepção e desenvolvimento projetual. Analisando suas potencialidades e fragilidades e possibilidades de intervenções a partir dos dado observados.

57


Uso do solo A região analisada referente à vizinhança da Biblioteca Altino Arantes e da área de intervenção representa um uso variado do solo, com predominância do comércio próximo à praça XV de novembro, sendo as quadras da porção superior do mapa (sentido Avenida Francisco Junqueira) usos variados entre residencial, comercial e prestação de serviço em predominância. A análise dos usos permite enxergar a presença de equipamentos culturais, no entanto a predominância do comércio popular na baixada central refletiu na frequência de usos e comportamento de usuários, com fluxo maior de pessoas em horários comerciais ou em momentos de atividades culturais, e um esvaziamento nas demais horas. O centro acabou perdendo seu atrativo de contemplação e lazer. Essa análise permite enfatizar a importância da criação do novo equipamento urbano que proporcione um ambiente com uso diversificado, promovendo um resgate e retorno dos fluxos. Também observou-se a grande quantidade de vazios, ocupados em sua maioria por estacionamentos particulares e as possibilidades de usos para o projeto e a criação do eixo cultural.

58

Comercial Pretação de serviços Institucional Cultura e lazer Vazios / estacionamentos Residencial


Ocupação do solo

O centro possui áreas mais adensadas com edificações muito próximas e com poucos recuos, havendo distanciamentos maiores em lotes residenciais. A grande quantidade de estacionamentos presentes na área formam grandes vazios em muitas quadras, como é possível observar no mapa acima. A leitura do levantamento de ocupação do solo permitiu identificar os vazios da área de projeto e as possibilidades de criar um eixo cultural. A área final de intervenção também foi estabelecida após a análise do mapa. 59


Edificações históricas, equipamentos culturais e estacionamentos

6 4

5

8 7

1 2 3

9

O mapa acima analisa a presença de edificações de interesse histórico da área, entre eles o Edifício Diedericshen (Figura 28), o palacete Meira Junior (Pinguim) (Figura 29), o Teatro Pedro II (Figura 30), o Palace, A biblioteca Altino Arantes (Figura 32), o Marp (Figura 33), o palacete Camillo de matos (Figura 6) e o palacete (em ruinas) (Figura 34), sendo os dois últimos sem uso. Além disso também observa-se o Sesc e a proximidade da área de intervenção. 60

Edificações históricos 4 B. Altino Arantes Praças Estacionamentos

1

5 Palacete Camilo de Mattos

6 Palacete Albino Camargo Sesc Netto Centro Cultural Palace 7 Marp

2 teatro Pedro II Palacete Meira junior 3 (Pinguim)

9 Prefeitura 9

Ediício Diederischen


Figura 40 - Teatro Pedro II

Figura 42- EdifĂ­cio Diedericshen

Figura 44 - Biblioteca Altino arantes

Figura 41 - Centro cultutal Palace

Figura 43 - Pinguim

Figura 45 - Palacete Albino Camargo 61


Figura 46 - Marp

Figura 47 - prefeitura Minucipal

62

Figura 48 - Sesc


Linhas e ponto de ônibus na vizinhança

Linhas de ônibus (ver Pontos de ônibus

Delimitação área da intervenção e eixo cultural A área de intervenção foi escolhida pela proximidade com a Biblioteca Altino Arantes, com e possibilidade de desapropriações de imóveis e estacionamentos particulares. Além disso, a localização permitiu a criação de um eixo cultural com os equipamentos próximos. A intervenção passa a ocupar uma parte relevante da área central, intervindo pontualmente no centro, de acordo com os temas debatidos em 2.1.1. Desapropriações Praças Estacionamentos Palace Teatro pedro II B. Altino Arantes Marp Sesc Calçadão Equipamentos do eixo cultural Calçadão 63


Gabarito área central

DESAPROPRIAÇÕES

Área de intervenção

B. Altino Arantes

CENTRO CULTURAL PALACE

TEATRO PEDRO II

PRAÇA XV DE NOVEMBRO

64


MARP

Figura 49 - Vista รกrea central. Fonte: google

65


Sintese levamentos รกrea e entorno

66


Cultura e lazer Vazios / estacionamentos

Comercial Pretação de serviços Institucional P 607 Jardim Eugenio Lopes P 670 Jardim Jamil Cury Q 507 - Planalto Verde R 380 - Geraldo de Carvalho S 408 - José Sampaio S 508 - Jd. Procópio S 580 - Jd. Alexandre Balbo T 688 - Expresso Amália

Residencial Q 7 Noturno Oeste R 108 - Jd. Pres. Dutra T 8 - Noturno Noroeste R 308 Marincek

T 780 - Pq. dos Pinus T 708 - Jd. Heitor Rigon T 680 - Jd. Orestes Lopes T 608 - Jd. Amália T 788 - Expresso Rigon

R 208 - Vila Albertina

Pontos de ônibus

Praças

Teatro pedro II B. Altino Arantes

Estacionamentos

Marp

Equipamentos do eixo cultural

Palace

Sesc

Calçadão

Desapropriações

Calçadão

Edificações históricos Praças Estacionamentos Sesc

Teatro pedro II Palace B. Altino Arantes Marp Sesc Desapropriações Edificações vizinhança

67


4 REFERÊNCIAS PROJETUAIS

68


4.1 PRAÇAS DAS ARTES – Brasil Arquitetura + Marcos Cartum

69


Praça das Artes – Introdução ao projeto

Ficha técnica Arquitetos: Brasil Arquitetura Localização: Av. São João, 281 Centro São Paulo - SP, Brasil Autores: Francisco Fanucci e Marcelo Ferraz + Luciana Dornellas Área: 28500.0 m2 Ano do projeto: 2012 Tipologia : Centro Cultural Materialidade: Concreto , vidro

Figura 50 - Praça das Artes (Archdaily)

O projeto da Praça das artes, foi adotado numa proposta de requalificação da área central, relaciona a qualidade da intervenção em áreas degradas, a importância de projetos de revitalização e dos espaços públicos. É um projeto feito não para se destacar dentre os outros, mas sim para requalificar o entorno e fazer parte do conjunto. Trata-se de criar um novo projeto que converse com preexiste e com as necessidades do espaço e pessoas, considerando a história e identidade local, assim como as demandas necessárias a um espaço público. É um projeto que concilia um programa relacionado as artes da música e corpo, com espaço público de convivência.

70

A edificação do Antigo Conservatório Dramático Musical de São Paulo, que se localizado na mesma quadra, se encontrava em estado de abandono, o projeto da praça das artes, restaurou o antigo casarão, incorporando-o ao projeto para atuar vinculado a outras instalações para o funcionamento das Escolas e dos Corpos Artísticos do Teatro Municipal. É notável como o projeto é moldado pelo terreno, misturando-se com a paisagem urbana, em área de grande potencial, que antes se encontrava com pouca atenção e investimentos. É composto por cheios e vazios, conciliando o abrigo de atividades dentro das edificações e espaços públicos de usos variados pelos vazios formados. Figura 51 - Sala no interior do projeto (Archdaily)


Praça das Artes - Localização/Relação com o entorno

O projeto está inserido em uma área importante de São Paulo, em seu entorno estão localizados edifícios que fazem parte da história da cidade como o Esplanada, assinado pelo arquiteto polonês Lucjan korngold, o viaduto Santa Efigênia, o edifício Martinelli, primeiro arranha-céu de São Paulo. Trata-se de um miolo de quadra no centro da cidade. A localidade foi justamente o partido inicial do projeto, sendo um equipamento urbano que promovesse a integração e requalificação da área. Esse pensamento de

integração refletiu na solução projetual dos espaços abertos como praças e térreos livres, para fazer a costura urbana necessária na quadra. A praça das artes foi inserida na quadra 27 que contem edificações históricas e tombadas e se encontrava sem investimentos e atenção. Dessa maneira, o projeto criou um diálogo com a cidade, sendo tanto um equipamento cultural como uma intervenção urbanística.

Figura 52 - Vista área São paulo

7

6

5 3

Praça das Artes

41 2

1

8

Figura 53 - Equipamentos entorno

1 Vale do Anhangabaú 2 Praça Ramos de Azevedo 3 Teatro Municipal 5 Antigo Cine Marrocos 6 Cine

4 CBI Esplanada

7 Viaduto Santa Efigênia 8 Edíficio Martinelli

71


Praça das Artes - Conceito do projeto

Materialidade de concreto, requer pouca manutenção e garante identidade do projeto

Volumes variado, cheios e vazios

Aberturas permitem conexão de lados diferentes na quadra, além da formação de espaços públicos

Térreo livre

Figura 54- Croqui Brasil arquitetura

Fachada do antigo Cine Cairo preservada

Praça das Artes

Térreo livre formando praças

Fachada do antigo Cine Cairo preservada

Casarão antigo conservatório de música – restauro e integração com o preexistente

O projeto foi pensado para ser um apoio ao Teatro Municipal com salas de ensino de música e dança, auditórios, e instalações para abrigar profissionais. O quarteirão escolhido é onde está o casarão do Conservatório de Música de São Paulo, que possibilitaria um projeto de restauro. Para a elaboração do projeto houve desapropriações para tornar mais interessante e atender a necessidade do programa e conceitos. A principal ideia é do térreo livre, como se formasse uma praça e contribuisse com cenário urbano da cidade, como um espaço de uso público. A leveza das aberturas, foram contrastadas com dureza do concreto, que garante a identidade própria da edificação. Figura 55 - Croqui Brasil Arquitetura

72


Praça das artes - Programa O projeto da praça das artes objetiva, fazer a integração de espaços subutilizados. Foi pensado mais do a edificação, está relacionado com intenção de requalificar a área central e ganhar mais investimentos para o para a área, além de promover um aumento dos fluxos. O projeto ocupa grande parte da quadra, possuindo fachadas em três lados diferentes. Oferece apoio técnico ao Teatro Municipal, também possui escolas, restaurantes, setor administrativos e as praças abertas que proporcionam usos diversificados, assim como o lazer.

Figura 53 - Interior casarão após restauro

Figura 56- Volumetria (Archdaily)

1.1.1

Figura 57- Fachada Cine Cairo

Figura 58 - Acessos ao projeto (Google imagens )

O projeto foi desenvolvido após um primeiro plano de desapropriações, alguns edifícios preveem soluções que visam à absorção futura do espaço contíguo. A Praça das Artes tem sua importância pelo reconhecimento da existência de uma necessidade real da cidade, o projeto captou a necessidade da área, da criação de um equipamento público que agisse como regenerador do espaço e fosse de fato funcional.

1.Edifício Corpos Artísticos: Salas de ensaio da orquestra sinfônica municipal, orquestra experimental de repertório, ópera, coral lírico, coral paulistano e balé da cidade 2.Praça a ser construída na nova fase 3. Edifício anexo / administrativo: Possui um hall de acesso e circulação, elevadores e escadas, sanitários e áreas de apoio 4. Centro de documentação: Acervo técnico e de partituras de todo o conjunto. 5. Edifício Conservatório: Foi restaurado, contem salas de exposição e sala de concertos 6. Edifício das escolas: Escola de musica e dança, área administrativas e restaurante 7. Edifício Auditório/Discoteca(a ser construído na nova fase): Ampliação da escola de música e dança, discoteca Oneyda Alvarenga

73


Desapropriações

1 Prédio 4 andares

1 Sobrado 01

1 Cine Cairo

1 Livraria católica

1 Edifício dos comerciantes 1 Conservatório 1 Sobrado 03

1 Cine saci

1 Sobrado 02

Figura 59 – Térreo (Google imagens )

Praça das Artes - Intervenção no Casarão sical de São Paulo, localiza-se em uma região importante e era um marco histórico e arquitetônico e abriga uma rara sala de recitais. O novo projeto propunha a restauração desse edifício, assim como a requalificação da área que se encontrava degrada. O intervenção no casarão foi cuidadosa para que conservasse os elementos originais, para isso foi restaurado colunas e vigas metálicas e instalado ar-condicionado, luminotécnica e acústica de acordo com a Carta de Veneza. Na Sala de Concertos foi restaurada e recuperada em seus elementos originais, sendo acrescentado novas soluções termo acústicas. Assim, após o restauro o casarão inseriu o novo programa, sendo o térreo como Museu do Teatro Municipal , destinado para exposições temporárias e eventos. No pavimento superior funcionaria a sala de concertos. Por fim, um antigo anexo do fundos construído em uma intervenção que ocorreu em 1980, foi demolido sendo construído uma nova torre de circulação vertical com acesso aos componentes do projeto.

Figura 60- Fachada principal (Archdaily)

O projeto das Praça das artes foi inserido em uma quadra com importantes edificações. Como solução projetual , foi preservado a identidade local e do preexistente. Sendo assim, foi incorporado a fachada do antigo Cine Cairo no projeto e o antigo casarão do Conservatório Dramático e Musical de São Paulo. Neste caso, houve um processo de restauro e adequação no casarão para incorporá-lo ao programa da Praça das Artes. Por ser proposto em área de valor histórico e patrimonial, o projeto teve que se adequar às restrições do Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo, o Conpresp, e do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico, o Condephat, tanto para a primeira aprovação da restauração e o retrofit do Conservatório Musical, tombado nas duas instâncias (municipal e estadual), ea aprovação de todo o complexo. A edificação do Antigo Conservatório Dramático Mu-

74


Figura 61 - Fachada casarão antes e depois da intervenção . fonte: google

Figura 62 - Antes e depois casarão fonte: google

Figura 63 - Interior casarão depois da intervenção fonte: google

75


Figura66 - Acesso térreo e estacionamento

Figura 64 - Acesso térreo

Praça das Artes - Acessos / Circulação

Figura 65 - Planta térreo ( Brasil Arquitetura) A maneira como o projeto foi desenhado, permite uma integração por toda a quadra, com acesso ao térreo por três ruas, a Avenida são João, em frente ao vale do Anhangabaú, a rua Formosa e rua Conselheiro Cispiriano. No primeiro andar, ao centro da intervenção, tem um núcleo que serve como sala geral que distribui os alunos, músicos e dançarinos pelos edifícios. Além de elevadores e escadas

Figura 77 - Térreo livre fonte: google

76


Praça das Artes - Aberturas Pela utilização do concreto e forma maciça das edificações, justifica-se o uso de vidro nas fachadas. A intenção é reduzir o isolamento das atividades, que ocorrem dentro dos blocos. O concreto divide espaço nas superfícies com vidros fixos adesivados em caixilhos especiais, que completam a dura operação de fazer um silencioso edifício dentro da vibrante rotina do Centro. As aberturas, que de acordo com Francisco Fanucci foram feitas em um ritmo aleatório para quebrar a crueza do concreto, lembram uma enorme partitura a céu aberto, como se o prédio pudesse ser tocado por passantes munidos de instrumentos musicais.

As aberturas da fachada permite a observação da cidade através do interior. Assim como quem está fora pode ver alguns detalhes das atividades do interior

As janelas possuem formatos variados, formando uma composição única

Figura 69- Edifício administrativo Figura 70 - Janelas com vistas para a cidade

Figura 68 - Aberturas na fachada

Figura 71 – Recepção

Praça das Artes - Conclusão O projeto da Praça das Artes, do Brasil Arquitetura, em São Paulo, apresentou aspectos influenciadores ao tema apresentado no TFG. A análise do projeto, contribui para elaboração de diretrizes projetuais que auxiliará na elaboração do projeto. A localização do projeto possui a mesma intenção de regeneração da área central de São Paulo. Também foi estudado a forma como a edificação se distribui pela quadra, seus diferentes acessos e possibilidades de uso. Um dos principais conceitos do projeto é a elaboração de equipamento público, que conciliasse as edificações com espaços abertos, como se fossem praças. Além disso, outro fator importante, é a conciliação com o preexistente, através do restauro no antigo edifício do Conservatório de Música de São Paulo, a preservação da fachada do antigo Cine Cairo, também é revelado a preocupação do projeto com o en-

torno e importantes edificações que compõe a área, sendo inspiradores para este trabalho. Os usos diferentes que ocorrem no projeto mostram as possibilidades de conciliar atividades diferenciadas em um único projeto. A Praça das Artes mostra a importância de um equipamento urbano de qualidade em uma área degradada, agindo como qualificadora. As solução projetuais adotadas como as aberturas, também são influenciadoras, assim como as estruturas usadas que mostram como o projeto se estruturou levando em conta as edificações existentes na quadra. A materialidade usada também chama atenção, por conversar com o entorno e manter sua identidade, sem diminuir a importância dos edifícios vizinhos.

77


4.2 MIDIATECA FRANÇOIS VILLON

78


Midiateca François Villon - Introdução ao projeto

O projeto em Bourg la Reine, na França, utiliza o conceito de midiateca que é considerado como a biblioteca contemporânea, utilizado a leitura conciliada com a informatização e novos usos. Trata-se de um equipamento público que pode ser utilizado às práticas de leituras, estudos e como área de lazer. Possui espaços abertos e contemporâneos, além da integração entre o externo e interno.

Figura 72 - Fachada midiateca (Archdaily)

Figura 73 - Mapa França fonte: google

Figura 74 - Mapa de Bourg - la - Reine fonte: google

Boulevard Carnot Ficha técnica Arquiteto: Pascal Guédo Localização :Bourg-la-Reine, França Área: 2000m² Ano do projeto: 2014 Tipologia:Biblioteca/Midiateca Materialidade: fachadas revestidas por pedras e vidro

MIDIATECA

Avenie du General

Rue Bouvier

Avenue Galois 79


Implantação A midiateca está localizada na área central da cidade francesa, distribui seu desenho em formato irregular formando pontas, o perímetro do lote foi ocupado por áreas abertas, que também compõe espaços de leitura e lazer no projeto. A calçada em frente é mais larga e conduz a entrada da midiateca, além disso possui também possui mobiliários. Os grande recuos deixados, formam áreas que contribuem para a integração entre cheios e vazios, dessa maneira a construção não ofusca as edificações vizinhas e diminui o a densamentos da quadra.

Figura 75- Pátio interno (Archdaily)

Figura 76 - Fachada Midiateca

Figura 78 - Acesso principal, mobiliários O passeio em frente à Midiateca são também usados como área de convivência, como uma extensão da edificação. O recuo da entrada, pretende torná-lo atrativo, sendo “convidativo” a quem passa na rua. 80


Midiateca François Villon - Circulação e acessos O projeto possui salas individuais e restritas onde a circulação não é livre, mas a maioria é composto por um salão aberto, sem fechamentos que permite circulação livre, assim como diferentes possibilidades de usos, seguindo o conceito de midiateca. A circulação vertical é feita através de escadas e rampas.

Figura 79 - Acesso principal Acesso externo Acesso principal Circulação vertical - rampas Circulação vertical - escadas Planta térreo

Circulação horizontal interna Circulação vertical - escadas Acesso pátio

igura 80 - Interior da midiateca e rampas de cesso (Archdaily). Fig. 71 escada

Planta pavimento superior

81


Midiateca François Villon - Usos / Programa

Figura 72 - Planta térreo midiateca (Archdaily) O projeto da midiateca divide os pavimentos por idade dos usuários, sendo o pavimento térreo destinado aos jovens e adolescentes e o pavimento superior aos adultos.

Figura82 - Área externa (Archdaily)

Figura 81 - Escadas como mobiliários (Archdaily)

O pavimento térreo é possui algumas salas restritas para estudos em grupo ou individuais, mas a maior parte é um salão amplo composto por mobiliários diferentes permitindo usos diversos de leitura, estudos e área de convivência. Além disso, o térreo possui um pátio aberto. O espaço externo também é usado como local de leitura, lazer e convívio. Foi construído em torno de uma árvore centenária, que foi preservada. As fachadas voltadas para essa área possuem vidros que agem integrando o interno com o externo.

Figura 84 - Planta Pav. Superior

Figura 83 Mobiliários diversificados (Archdaily)

Área verde

82

Sala sem fechamentos Salas restritas, em grupo e individuais Sanitários

O pavimento superior segue o mesmo conceito do térreo com poucas salas restritas e um salão extenso, composto por mobiliários como mesas, poltronas, pufes, estantes.


Midiateca François Villon – Mobiliário e Materialidade O conceito da midiateca pretende modernizar as soluções projetuais das bibliotecas, isso reflete não só nos usos, como nos mobiliários e materialidades. Na midiateca foi usado mobiliários diversos, sendo mesas e cadeiras, bancos, pufes, estantes, tapetes, além disso partes do projeto também acabam sendo utilizados como parte do mobiliário, como ocorre em degraus que do térreo. Isso mostra a flexibilidade de usos nesses espaços, que tornaram-se mais atrativos e aconchegantes aos usuários de bibliotecas.

A escolha da materialidade também foi estratégica, sendo utilizada pedras de quartzo cinza dando o aspecto de uma edificação monolítica, que não ofusca as edificações vizinhas. Os vidros inseridos dão leveza ao projeto, e proporcionam a integração do interior com o exterior. Mais uma vez, a tentativa de gerar espaços interessantes e restringir a monotonia de salas fechadas de estudos e leituras usadas em bibliotecas antigas.

Figura 88 - Materialidade fachada / escadas como mobiliários (Google imagens ) Materialidade confere um aspecto monolítico ao projeto

A transparência gera integração entre os espaços

Os degraus se integram como parte do mobiliário

Figura 89 - Interior midiateca e mobiliários (Archdaily)

Diversidade de usos em um mesmo espaço

São utilizados mobílias coloridas, contrastando a cor única do edifício

83


4.3 PROJETO AMPLIAÇÃO DO SESC RIBEIRÃO PRETO

84


Projeto SESC - Introdução

O projeto do novo Sesc foi elaborado pensando nas ampliações de atividades que ocorreram ao longo do tempo, havendo uma reprogramação do complexo. O edifício atual foi projetado em 1966, projeto do arquiteto Oswaldo Corrêa Gonçalves e tratava- se de um complexo cultural e esportivo. O novo projeto foi incorporado ao projeto antigo, que foi preservado, assim como áreas de piscinas.

Ribeirão Preto

Figura 90 - Fachada Sesc Atual fonte: google Sesc atual

Localização SESC

Quadrilátero central

Figura 91 - Projeto Novo Sesc (Vitruvius)

Projeto do novo Sesc Autores: SIAA Arquitetura + Helena Ayoub Arquitetos Associados 85


Projeto SESC - Conceito

O projeto teve como conceito a preocupação com a preexistência, os acessos e a reprogramação do conjunto. Trata-se de um projeto que contrata a horizontalidade do antigo com a verticalidade do novo.

Conceito: vertical e compacto

Figura 92 - Implantação projeto novo (Vitruvius) Conceito: horizontal e linear O projeto tem um formato de cubo e combina espaços cheios e vazios Criou-se uma área de lazer sobre o edifício preservado Figura 93 - Volumetria (Vitruvius) Os pavimentos possuem pé direito diferentes, formando cheios vazios

Figura 83 – Corte (Vitruvius) 86


Projeto SESC - Programa

O projeto teve como conceito a preocupação com a preexistência, os acessos e a reprogramação do conjunto. Trata-se de um projeto que contrata a horizontalidade do antigo com a verticalidade do novo.

Edifício novo Programa: Atividades esportivas Convivência Restaurante Auditório

Edifício novo Edifício novo Edifício existente Acesso principal Acesso funcionários

Edifício novo de apoio Programa: Administração e operações

Edifício existente Programa: Acesso Biblioteca Exposições Odontologia Sala atividades

Figura 94 e 95 87


5 Desenvolvimento do projeto

88


5.1 Localização

89


Área de intervenção Limite área de projeto Sentido ruas Ponto de ônibus

N 90


Rua Visconde do Rio Branco

Rua Mariana Junqueira

Rua Tibiriçá

Rua Alvares Cabral RuaDuque de Caxias

Área intervenção Biblioteca Altino Arantes

91


5.2 Partido ArquitetĂ´nico

92


A proposta da Midiateca em ribaeirão preto tem como um dos principais pontos de partido a elaboração de um elemento conector de pessoas equipamentos e cidade. Seuponto nasce da aproximação do antigo com novo. Para isso utilizou-se do partido de quadra aberta , livre circulação no equipamento, elementos de ligação como passarela e rampas. Além de caminhos que fazem a conexão entre a Biblioetca Altino Arantes e a Midiateca . Quanto as intenções plásticas, o projeto é constituido por cheios e vazios , volumes independentes, onde ocorre o programa , cobertos por lajes planas. A integração entre o externo e o interno também é um dos partidos do proejto, ocorrendo através de materiais transparentes, gerando visibilidade ao usuário do entorno e vegetação que compôe o projeto.

93


5.3 Desenvolvimento do projeto

94


A proposta para o projeto relaciona os temas abordados no quadro de referências. Trata-se de uma proposta com objetivos de gerar uma intervenção na área central de Ribeirão Preto, agindo como regeneradora da área, em busca de novos investimentos e aumento dos fluxos de usuários, de acordo com 2.1.1. Também fará parte de eixo cultural, interagindo com o Teatro Pedro II, o Centro cultural Palace, O Marp, o Sesc e a Biblioteca Altino Arantes, que também receberá uma intervenção e mudança de programa. O projeto será uma Midiateca que abrigará conteúdo diversificado, relacionando a área da leitura com informatização, área de convívio e lazer, conforme as referências em 3.2. Além de agir como extensão ao programa dos equipamentos citados. É um equipamento multifuncional, integrador e restaurador.

Sesc

Marp

B. Altino Arantes Edificações desapropriadas Estacionamentos desapropriados Área de intervenção

Palace

Teatro pedro II

Praça XV de Novembro

95


O projeto será localizado em duas quadras da área central entre as ruas Duque de Caxias, Tibiriçá, Alvares Cabral, Visconde do Rio Branco e Mariana Junqueira. Para a utilização dos terrenos foram desapropriados estacionamentos, comércio e estabelecimentos de prestação de serviço.

a queir

Jun riana

a

Rua M

Ru

Estacionamento Bar Estacionamento

96

içá

Estacionamento

r ibi aT

Centro espírita

ral Cab

Estacionamento

res Alva

Auto escola

Biblioteca Altino Arantes

Rua

Edificação mista

s

axia

Rua

Duq

eC ue d


97


Topografia

Rua Mariana Junqueira

Rua Duque de caxias Rua Alvares Cabral Rua Duque de caxias

Rua Mariana Junqueira

98


Estudo preliminar da volumetria A partir da leitura dos levantamentos da área, do embasamento teórico e das referências projetuais, foram elaboradas possíveil volumetria para compor o partido estético-formal do projeto a ser desenvolvido.

O modelo é composto por planos e volumes retangulares que se sobrepõem, serão conectados por rampas e escadas que garantirão o acesso a todos. Os planos tem função de cobertura e formam terraços. Também são conectados por passarelas com as outras áreas.

99


O cenário comportamental / programa de atividades A midiateca será um espaço multifuncional, abrigando bibliotecas diversas, salas de estudo, de computadores, sala de documentos e administração. Também possuirá estacionamentos, concedidos aos donos dos que foram desapropriados. Além disso, possuirá um espaço que vai receber o conteúdo do Arquivo Público de Ribeirão Preto, que passará a funcionar dentro da Midiateca. O equipamento público será conciliado com espaços abertos, com áreas públicas de convivência e lazer. Também será feita a conexão com a biblioteca Altino Arantes, que terá seu uso modificado, sendo utilizada como área para exposições.

4

1 2

100

3

3

3

5


PAVIMENTO

1

Nível -1

Lanchonete/ recepção/administraçã o/sanitários

Térreo

Recepção central Sanitários Acervo 1 e 2 Sala de estudo 1 Sala de estudo 2 Biblioteca infantil Sala de aula Área convívio Arquivo publico

Pavimento Superior 1

Acervo 3 Sala de aula Salão mídias Arquivo publico

2

3

4

5

PROGRAMA

Pavimento Superior 1 (+1) Biblioteca Altino Arantes

Auditório

Salas estudo Salas exposição eventos

101


Inserção do projeto na área de estudo MIDIATECA DE RIBEIRÃO PRETO DESAPROPRIAÇÕES

CENTRO CULTURAL PALACE

TEATRO PEDRO II

PRAÇA XV DE NOVEMBRO 102


MARP

103


104


Implantação

105


106


107


108


Implantação

- Escala 1:500


Nível -1

109


110


111


112


113


B

3.59

Edificação existente

Edificação existente

Edificação existente

Edificação existente

Edificação existente

Edificação existente

4.12

2.08

3.38

14.00

3.38

Lanchonete

3.98

1.60 1.60 2.45

3.67

Sanitários

5.40

6.78

2.55 2.01

4.24

2.77

Administração

2.93

6.30

23.76

3.58 1.20

3.53

3.88

5.51

3.38

A

A

Recepção

Rua Mariana Junqueira

B

Planta Nível -1 - ESCALA 1:175

Autor: Carina Fernanda de Souza

Orientador: César Muniz

Banca final

Centro Universitário Estácio

Nível -1

2


114


Térreo

115


116


117


118


119


120


121


EDIFICAÇÃO EXISTENTE

EDIFICAÇÃO EXISTENTE EDIFICAÇÃO EXISTENTE

Sanitários

4.75 1.72

1.70 2.70

4.75

EDIFICAÇÃO EXISTENTE

0.90

Sanitários

9.66

4.36

Sala estudo

Acima

16.38

19.84

Abaixo 2.21

7.42

9.75

Sala estudos

9.71

Conteúdo geral

7.40

Sala de aula/ apresesentações

Informações

Conteúdo Geral

Acima

Biblioteca infantil

19.35

1.30 6.16

2.80

10.90

Rua Alvares cabral

Rua Mariana Junqueira

Edificação Existente

Acima

Arquivo Público de Ribeirão Preto

Edificação Existente

Edificação Existente

Exposições

Edificação Existente Exposições Exposições

Sala diretor e documentação

0.15

Área convívio Informações

0.15

ESCALA 1:500

Autor: Carina Fernanda de Souza

Orientador: César Muniz

Sala histórica/ exposições

Acima

Sala histórica/ Eventos

Rua Duque de Caxias

Banca final

Centro Universitário Estácio

Térreo

3


122


Nível superior

123


124


125


126


4.72

14.00

Hall / eventos

Sanitários

Abaixo

Auditório

Sanitários

11.50

13.58

12.50 13.31

12.55 Acervo geral

11.55

Abaixo

6.16

10.95 Conteúdo audiovisual

11.50

9.71

11.55

29.00

Abaixo 9.66

Rua Mariana Junqueira

Área de pesquisa

Abaixo

11.50

9.95

11.55

6.90

Acervo arquivo

14.85

Sala Apoio Sanitário Sala estudos

Abaixo

Sala exposições

Acervo da biblioteca

Planta Nível 1 - Escala 1:250

Sala estudos

Acervo da biblioteca

Rua Duque de Caxias

ESCALA 1:500

Autor: Carina Fernanda de Souza

Orientador: César Muniz

Banca final

Centro Universitário Estácio

Nível Superior 1

4


127


128


129


Cortes e fachadas

130


Fachada rua Mariana Junqueira - Escala 1:225

Fachada rua Alvares Cabral - Escala 1:200

Fachada rua Tibiriçá - Escala 1:500

Fachada Arquivo - Escala 1:500

Fachada


131


e geral

0

6 Elevador com caixa de vidro

Cobertura Bilioteca Grelha de concreto com treliças e telha sanduíche metálica

Pilares de concreto pintado em preto

20.00

Escala 1:125

Grelha de concreto com treliças e telha sanduíche metálica

Pav. superior biblioteca portas e paineis de vidro com caixilho metálico

16.00 Térreo arquivo 8.50

Terreo projeto 7.40 Nível -1

Cortes

3.48

Centro Universitário Estácio

Corte AA - ESCALA 1:250

0.33

3.76

4.10

Grelha de concreto com treliças e telha sanduíche metálica

0.90

Grelha de concreto com treliças e telha sanduíche metálica

Nível 1.5 12.50 Nível 1

7.67

Terreo projeto

3.50

7.40

Banca final

4.77

11.50

Nível -1

Espelho d'água

Espelho d'água

Autor: Carina Fernanda de Souza

Corte BB - ESCALA 1:100

Orientador: César Muniz

3.48


132


133


134


135


Projeto de Sinalização

O acesso e locomoção fácil foram resolvidos com sistma de sinalização por cores. Há Informativos esplhados pelo projeto e recepção com cores indicando o programa e nível situado. Cada bloco possui faixas com suas respectivas cores junto ao forro do lado externo, facilitando a visualização e o deslocamento dos usuários.

136


Nível superior

Nível superior e térreo

Nível superior auditório

137


6 CONCLUSÃO

138


O bloco do auditório acontece 1 metro acima do pavimento superior e possui um grande terraço

O arquivo público de Ribeirão Preto foi inserido complementando o projeto, abriga os conteúdo existente além de possuir áreas para estudo e pesquisas.

Para ter passagem conectando ao Sesc, criou-se um pavimento inferior com nível da rua Visconde do Rio Branco. Possui áreas de lazer, recepção , lanchonete e setor administrativo

Para a cobertura foi adotado um sistema de uma malha de concreto, estrturadas com treliças metálicas e cobertas por telhas sanduíche metálica.

Os passeios servem como conector do espaço além de área de convivência

O pavimento térreo acontece no nível Mariana Junqueira. Forma uma passarela que permite ampla visão da área. É distribuído por ele os conteúdo gerais , biblioteca infantil, salas de aula, conteúdo audio visual e áreas de convívio

O projeto foi ocorre em níveis diferentes e conectando quadras distindas. Para isso foi pensado soluções arquiteônicas compatíveis com o entorno, agregando valor ao projeto da Midiateca. Os caminhos que formam pequenas praças funcionam como elemento conector e atrativo, as passarelas e rampas facilitam o acesso e unem os blocos. A midiateca com todo seu programa , a vegetação e as áreas de convívio entre os pavimentos dão ao projeto uma caracterítica de um equipamento multifuncional, atendendo a todos os tipos de usuários. Sua composição permite a valorização do entorno com presença de diversas edificação históricas que podem ser obervadas pelos terraços.

AUDITÓRIO

Todos os blocos são diferenciados externamente por faixas de sinalizações de cores diversas.

TERRAÇO

A Biblioteca Altino arantes foi preservada em sua composição estética, tendo alterações em seu programa. Foi mantido livros raros e de conteúdo significativo para o casarão. Os outros ambientes se dividem em salas de exposição, eventos e salas de estudo. A ligação com a midiateca é feita por uma passagem com a demolição de uma pequena parte do muro de divisa com o projeto.

CAMINHOS


139


Cobertura : planos de concreto, treliças metálicas e telha sanduíche metálica.

Passarelas conectoras

Terraço arquivo publico

Pavimento superio (+1) : Auditório

Pavimento superior: Arquivo público de ribeirão preto

Terraço nivel superior Pavimento Superior: conteúdo geral, midias, salas de aula e áreas de convívio.

Pavimento térreo: Arquivo de ribeirão preto

Pavimento térreo: conteúdo geral, informática. midias, passarelas, recepção, biblioteca infantil Níveis acessados por rampas, escadas e elevadores

Nível -1: Informações, lanchonete, administração

Térreo arquivo publico

Informações nível -1

Térreo

Passarela nível superior


7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

140


Archdaily. Arquivo Histórico de Ribeirão Preto. Braga, Marcia. 2003. Conservação e restauro. Arquitetura Brasileira . s.l. : Editora Universidade Estácio de Sá, 2003. Carlucci, Marcelo. 2014. Aula Técnicas retrospectivas. 2014. Filho, Venceslau Borlina. 2013. Folha de São Paulo . Uol. [Online] 19 de Junho de 2013. http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/ribeiraopreto/2013/06/ 1296095-conheca-a-ribeirao-preto-que-nao-existe-mais.shtml. Gonzalez, Jaime Alberto Fonseca. 2010. O novo e o velho: a experiência do escritório Brasil Arquitetura nos programas de intervenção em edifícios e sítios históricos. redalyc.org. 2010. Google Earth. Google imagens . Instituto pro Livro. 2015. Retratos da Leitura no Brasil - 4ª Edição. Pro Livro. Org. [Online] 2015. http://prolivro.org.br/home/images/2016/Pesquisa_Retratos_da_ Leitura_no_Brasil_-_2015.pdf. Marinho, Raimunda Ramos /Pereira, Lilia de Jesus Silva / Pereira, Liliane de Jesus Silva. 2013. Midiateca: uma nova terminologia ou um conceito ampliado de biblioteca? Florianópolis : s.n., 2013. Nahas, Patricia Vicecoti. 2015 . Antigo e Novo na intervenções de caráter monumental. Revista CPC. n.20, p.78–111 , 2015 . Projetos, Fundação Getúlio Vargas. FVG. 2009. Censo Nacional das Bibliotecas Publicas Municipais. Forumleitura.org. [Online] 2009. http://forumleitura.org.br/ wp-content/uploads/2014/04/Censo-bibliotecas-publicas-brasil.pdf. Vargas, Heliana Comim/ Castilho, Ana Luisa Howard de. 2006. Intervenções em centros urbanos: objetivos, estratégias e resultados. Barueri : Manole, 2006. Vitruvius. [Online] http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/13.150/4769.

141


142


desam

Ab

paro d

iblio

teca

deu

orig

em

am

os cen

tros his

tóricos

s o t os

p

idiat

o ot s

eca

on p r

a t c ne

co

sos

vos u o n a s o ig aços ant

sp e s o d o dequaçã

a

outras

mídias

não sã

o conc

orrente

s, são

auxiliar

es a le

itura

143

Profile for Carina Souza

Midiateca e arquitetura carina souza  

Projeto de intervenção na área central de Ribeirão Preto com a elaboração de uma Midiateca associada a Biblioteca Altino Arantes.

Midiateca e arquitetura carina souza  

Projeto de intervenção na área central de Ribeirão Preto com a elaboração de uma Midiateca associada a Biblioteca Altino Arantes.

Advertisement