Page 1

RECURSOS DIDÁTICOS E MULTIMÉDIA Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning]

2012


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

ÍNDICE I. Introdução ______________________________________________________________________________________ 5 II. Recursos Didáticos _______________________________________________________________________________ 6 II.1. Preparação Dos Recursos Didáticos ________________________________________________________________ 7 II.2. Utilização Dos Recursos Didáticos _________________________________________________________________ 7 III. Seleção Dos Recursos Didáticos ____________________________________________________________________ 8 IV. Classificação Dos Recursos Didáticos ________________________________________________________________ 9 V. Recursos Visuais ________________________________________________________________________________ 10 V.1. Recursos Visuais Não Projetáveis _________________________________________________________________ 10 V.1.1. O Quadro Branco ____________________________________________________________________________ 12 V.1.2. O Flipchart _________________________________________________________________________________ 12 V.2. Recursos Visuais Projetáveis _____________________________________________________________________ 13 V.2.1. O Episcópio _________________________________________________________________________________ 13 V.2.2. O Projetor De Slides __________________________________________________________________________ 14 V.2.3. O Retroprojetor _____________________________________________________________________________ 15 V.2.3.1 O Acetato _________________________________________________________________________________ 16 V.2.3.2. Ecrãs ____________________________________________________________________________________ 19 VI. Recursos auditivos______________________________________________________________________________ 20 VII. Recursos Audiovisuais __________________________________________________________________________ 21 VII.1. O Diaporama ________________________________________________________________________________ 21 VII.2. O Filme _____________________________________________________________________________________ 22 VII.3. A Televisão E O Vídeo _________________________________________________________________________ 23 VII.4. A Câmara De Vídeo ___________________________________________________________________________ 25 VII.5. Os Multimédia _______________________________________________________________________________ 25 VII.5.1. Slides E Acetatos Em PowerPoint ______________________________________________________________ 28 VII.5.2. Inserir Objetos _____________________________________________________________________________ 30 VII.5.3. Formatação De Figuras Automáticas E De Caixas De Texto __________________________________________ 32 VII.5.4. Estrutura __________________________________________________________________________________ 32 VII.5.5. Apresentação E Efeitos De Animação ___________________________________________________________ 33 VIII. Síntese Conclusiva _____________________________________________________________________________ 34 IX. Bibliografia ____________________________________________________________________________________ 35

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

2 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

COMPETÊNCIAS A ADQUIRIR Pretende-se que cada formando, após este módulo esteja apto a: 

Selecionar, conceber e adequar os meios pedagógico-didáticos, em suporte multimédia, em função da estratégia pedagógica adotada;

Conceber, adequar e utilizar apresentações multimédia;

Compreender a dinâmica e importância do PowerPoint como modelo de apresentação;

Criar apresentações em PowerPoint tendo em conta as respetivas regras de elaboração.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

3 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

CONTEÚDOS

Sessão 2

Sessão 1

Sub-módulo 6.1.Exploração de Recursos Didáticos o

Funções dos recursos didáticos

o

Tipos de recursos didáticos: convencionais, audiovisuais e multimédia

o

Critérios de seleção dos recursos didáticos em função das características dos destinatários, objetivos de aprendizagem, conteúdos programáticos e forma de organização da formação (presencial/a distância)

o

Regras de elaboração de documentos projetáveis

Sessão 1

Principais softwares de apresentação multimédia

o

O PowerPoint como ferramenta base para a criação de apresentações

o

Comandos e funcionalidades do PowerPoint

o

A interatividade da ferramenta PowerPoint

o

Manipulação de apresentações em PowerPoint

o

Criação de apresentações em PowerPoint

o

Regras de elaboração de outras apresentações multimédia

o

Tratamento de ficheiros a integrar na apresentação

Sessão 3

o

Sessão 2

Sub-módulo 6.2.Construção de Apresentações Multimédia

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

4 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

I. INTRODUÇÃO Neste módulo serão apresentados os recursos mais comuns e que muitas vezes são mal explorados em Formação, bem como as principais regras de utilização, e exploração pedagógicas a eles associadas. É também feita uma leve referência a alguma tecnologia de ponta, menos usual (daí a sua referência superficial). Finalmente, avança-se com algumas instruções para criar diapositivos (slides/acetatos) em PowerPoint. Contudo, este não é um curso de informática por isso a abordagem que se faz do PowerPoint é sucinta e requer conhecimentos gerais de informática.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

5 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

II. RECURSOS DIDÁTICOS Entende-se por recurso didático todo ou equipamento e material que auxilia e facilita o processo de aprendizagem. Outro termo também corrente na Formação Profissional é o auxiliar/suporte pedagógico. Alguns autores utilizam a designação de meios audiovisuais. Contudo, esta terminologia pode induzir em erro, uma vez que tomada à letra abrange apenas as formas de comunicação ou transmissão de informação que façam apelo ao sentido da audição e da visão ou a ambos, excluindo todos em que intervêm outros sentidos. Qualquer recurso utilizado na formação deve ter como características, o ser: 

Adequado;

Manejável;

Simples;

Atrativo;

Preciso;

Necessário

A RETER

Vantagens dos recursos didáticos 

Suscitam maior interesse e atenção

Objetivam o conteúdo das palavras

Facilitam

Limites dos recursos didáticos

Reduzem o papel do formador

ideias/discussão

Podem dificultar o diálogo

Facilitam a retenção na memória

Podem despersonalizar a mensagem

Ajudam

Não deixam espaço à imaginação

a

a

compreensão

concretizar

e

e

a

a

troca

consolidar

de

os

conhecimentos 

Diminuem o tempo de formação

Superam limitações físicas ou de segurança.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

6 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

II.1. PREPARAÇÃO DOS RECURSOS DIDÁTICOS Na preparação e desenvolvimento dos recursos/auxiliares didáticos deve assegurar-se à partida que correspondem aos objetivos que foram definidos para a sessão. Para além disso, deve assegurar-se que: - Ajudem os formandos a aprender; - Ajudem a explicação do formador; - Sejam adequados e estejam relacionados com a sessão; - Constituam um complemento e não uma substituição do papel do formador.

II.2. UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS DIDÁTICOS Na utilização é essencial uma familiarização prévia com o equipamento ou o material. É aconselhável uma experimentação dos recursos antes da sua utilização. Recorrer a diversos recursos (ex.: quadro, acetatos, filmes, etc.) pode ser uma estratégia para manter o interesse dos formandos mas a sua utilização deve ser num momento oportuno, com moderação e acessível a todos. A posição do formador deve ser face ao grupo sem se esconder atrás dos equipamentos.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

7 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

III. SELEÇÃO DOS RECURSOS DIDÁTICOS Apesar das vantagens reconhecidas dos auxiliares pedagógicos, o seu uso deve obedecer a uma escolha criteriosa. Assistiu-se, há alguns anos a esta parte, a uma postura de “moda” de alguns formadores, que tornaram as suas Sessões de Formação, em autênticas “feiras de audiovisuais”. Para cada situação certos meios são mais apropriados que outros, mas é preciso ter presente que não há «eleitos» e que não existem recursos didáticos universais. Estudos realizados para saber a percentagem de informação retida no processo de aprendizagem sugerem que retemos aproximadamente:

A RETER

10% do que lemos; 20% do que ouvimos; 30% do que vemos; 50% do que vemos e ouvimos simultaneamente; 80% do que dizemos; 90% do que dizemos enquanto fazemos algo em que refletimos e participamos.

Por isso na seleção dos recursos devem ser analisados e ponderados fatores como: 

Os objetivos da Formação;

Os destinatários;

O conteúdo;

As condicionantes materiais;

As condicionantes de espaço;

O tempo disponível e o horário da sessão;

A relação custo-benefício.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

8 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

IV. CLASSIFICAÇÃO DOS RECURSOS DIDÁTICOS Os recursos didáticos têm a grande virtude de apelarem aos vários sentidos. Este facto rentabiliza a capacidade dos formandos e facilita a sua aprendizagem. Verificada a importância dos sentidos no processo de aprendizagem, será esse o critério selecionado para classificar os diversos recursos didáticos ao dispor da formação (fig. 1). Figura 1 – Classificação dos recursos segundo os sentidos

Sentidos

Gustativos

Visuais

Tácteis

Auditivos

Audiovisuais

Não projetáveis Projetáveis Projectabgfveveisprojec taveisprojectavis Documentos Quadros Episcópio gráficos Modelos e maquetas

E

Recursos Graficos Do meio Ambiente

Rádio

Diaporama Filme Gira-discos

Projetos de diapositivos

Retroprojetor

Olfactivos

Gravador

TV/Vídeo Câmara de Vídeo

Leitor de CD Multimédia

Os recursos gustativos estão relacionados, por ex., com o controlo de qualidade na indústria alimentar; os tácteis têm um bom exemplo na aprendizagem da escrita de “Braille” e os olfactivos1, na Industria Química e de Perfumes, devido à impossibilidade de descrever por palavras ou esquemas um odor. Os recursos visuais, auditivos e audiovisuais devido à sua complexidade serão tratados com maior desenvolvimento neste módulo.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

9 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

V. RECURSOS VISUAIS Os recursos visuais dividem-se em não projetáveis (de observação direta, sem recurso a aparelhos óticos ou eletrónicos) e projetáveis (projeção da imagem num ecrã).

V.1. RECURSOS VISUAIS NÃO PROJETÁVEIS Esta categoria engloba um extenso conjunto de recursos, sendo os mais importantes: - Quadros – constituem-se como um dos auxiliares mais usados pelo Formador. - Documentos gráficos – como organogramas, diagramas, esquemas, gráficos, fotografias, desenhos, cartazes, livros, manuais, fotocópias, etc. Completam de forma simples e prática a informação apresentada; apelam a técnicas variadas como a letragem, a utilização da cor, o desenho, o recorte, a colagem e a fotografia, têm a vantagem de implicarem um baixo custo, serem de fácil: adaptação aos conteúdos, transporte, utilização e preparação. - Modelos e Maquetas – porque em formação a melhor situação é mostrar o objeto real, mas sempre que o tamanho é muito grande (ex., avião) ou muito pequeno (ex., célula), o objetivo é muito complexo (ex., motor de explosão) ou perigoso (ex., armas), as maquetas e os modelos (com indicação da escala para não induzir em erro) são o recurso ideal. Recursos do meio ambiente – como museus, bibliotecas, empresas, instalações fabris, feiras, exposições, a própria natureza ou outros recursos que permitam ligar as aprendizagens às realidades concretas. Deste vasto conjunto o mais usual em formação são os Quadros. Existem diferentes tipos de quadros: 

Quadro preto (ardósia);

Quadro verde (sintético);

Quadro branco ou cerâmico;

Quadro de papel, quadro de Conferência ou Flipchart;

Quadro magnético;

Quadro de afixação (cortiça);

Os mais presentes são o quadro branco/magnético e o quadro de papel, também designado por flipchart. No quadro branco normalmente regista-se a informação geral e no quadro de papel a informação-síntese.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

10 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

Apesar da sua extrema simplicidade, existe um conjunto de regras de utilização do quadro que, a não serem seguidas pelo Formador, podem pôr em risco a própria eficácia da formação. O objetivo final do Formador, na utilização do Quadro, deve ser sempre a de fazer uma apresentação limpa, organizada e agradável. Por isso torna-se necessário, em primeiro lugar, proceder a um planeamento que deve ser em função do assunto a tratar. Isto é, existem temas que por si só, podem dispensar a utilização de outros auxiliares pedagógicos e existem outros, onde se torna necessário a associação a outro meio audiovisual (por exemplo o Retroprojetor). Aspetos a considerar nesta fase, serão nomeadamente: 

Que tipo de mensagem a inscrever: desenhos, gráficos, frases?

Durabilidade da mensagem?

Utilizar durante toda a sessão, ou apenas uma parte?

Quantidade de participação dos Formandos (aspetos que condiciona o espaço de ocupação do quadro e que é difícil de prever).

Ao escrever no quadro o Formador deve ter em atenção que alguns fatores influenciam a atenção e o nível de aprendizagem dos formandos. São eles: 

O tamanho da letra que deve ser de forma, a que seja legível pelo participante mais distante e igual em cada linha;

O estilo de letra que deve ser simples, sem grandes “floreados”;

O tipo de letra. As frases não devem ser escritas em maiúsculas, porque o tamanho idêntico de todas as letras prejudica a legibilidade, situação que não acontece com as minúsculas;

A espessura deve ser proporcional à altura dos caracteres;

Dispor a informação em linhas horizontais e regulares;

O espaçamento de letras e palavras;

Repetir oralmente o que escreve, de modo a tornar mais fácil a compreensão e fixação dos conceitos, por parte dos formandos;

Utilizar diferentes cores, como fator facilitador da atenção e aprendizagem. A utilização de diferentes cores, permite ao Formador dar uma maior ênfase a determinados temas, criar relações entre ideias, enfim tornar mais rica e agradável a sua apresentação;

Não estar de costas para o grupo, mas ligeiramente de lado, para que o contacto visual com os formandos se possa manter e para que seja mais fácil a projeção da sua voz;

Não “escrevinhar” ao redor do quadro, frases ou palavras que pela sua importância não devem ficar “escondidas” entre outras mensagens;

Apagar o quadro, a menos que se necessite voltar a abordar o assunto.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

11 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

Como é evidente, esta situação não se aplica ao Quadro de Papel. No entanto, e com as devidas adaptações, diremos que é aconselhável mudar de folha, sempre que o tema ou assunto a abordar seja diferente do anterior.

V.1.1. O QUADRO BRANCO No quadro branco deve escrever-se com marcadores não permanentes. Se por lapso se utilizarem marcadores permanentes (para quadro de papel) deve-se utilizar um pano branco limpo ou um algodão embebido em álcool e limpar em movimentos não circulares. Nunca embeber o apagador em álcool pois o efeito é ainda pior. Para além da escrita direta o quadro branco tem ainda como funções: 

Servir de quadro magnético;

Servir de ecrã de projeção, tendo cuidado com eixo de projeção (encadeamento);

Permitir o completamente de grelhas, legendas ou esquemas projetadas.

VANTAGENS

DESVANTAGENS

Baixo custo de aquisição

Posição tendencial do utilizador (de costas)

Facilidade de utilização

Legibilidade limitada com traço fino

Utilização de cores

Canetas específicas

Elevada durabilidade

Informação não reutilizável (apagando a informação, esta

Polivalência: escrita, ecrã, quadro magnético;

desaparece). Contudo, através de um processo eletrónico

Versatilidade

podem reproduzir-se cópias em papel da informação escrita no quadro.

V.1.2. O FLIPCHART Montado num cavalete magnético que pode ser regulado em altura e inclinação, a parte superior do quadro tem uma barra de suporte e fixação do conjunto de folhas. A principal função é o registo da informação síntese, para que a qualquer momento se possam relembrar as ideias chave. Pode ter ainda como funções:  Servir de ecrã de projeção;  Servir de quadro magnético, recorrendo a fita-cola.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

12 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

VANTAGENS

DESVANTAGENS

 Fácil utilização

 Área de escrita muito limitada

 Baixo custo de aquisição

 Carácter permanente de informação (o que

 Preparação prévia (a informação pode já estar

implica que qualquer emendar provoque

pronta ou com um rascunho a lápis)

rasuras)

 Conservação e utilização posterior  Utilização de cores  Diversos materiais de escrita (lápis de cera, lápis de cor, carvão)  Posição do utilizador (de lado)

V.2. RECURSOS VISUAIS PROJETÁVEIS V.2.1. O EPISCÓPIO O episcópio destina-se à projeção de documentos opacos, tais como: fotografias, páginas, de livros, revistas ou jornais, desenhos e até pequenos objetos. O documento a projetar é colocado no porta-documentos sendo comprimido contra uma placa de vidro e iluminado por uma lâmpada e projeta para um ecrã. A imagem é reproduzida nas suas cores originais. Contudo este tipo de material entrou em desuso há vários anos, seja por razões quem se prendem com a sua dimensão e peso, seja pela fraca qualidade da imagem projetada, devido à pouca luminosidade. VANTAGENS

DESVANTAGENS

Facilidade de utilização

Dimensões e peso

Variedade de documentos

Dano dos documentos devido a lâmpadas de elevada

Os documentos não precisam de preparação prévia

potência

ou de ser transformado (seja em acetato ou em slide)

Obscurecimento da sala

Reprodução direta de elementos

Inacessibilidade do documento durante a projeção

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

13 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

V.2.2. O PROJETOR DE SLIDES O Projetor de Slides (ou de Diapositivos) é um equipamento de projeção fixa, que permite a transmissão de uma imagem (Slide ou Diapositivo) ampliada para um ecrã, permitindo também a sua focagem. O Slide ou diapositivo é uma imagem transparente em filme, normalmente colorida, montada num caixilho de plástico para facilitar a projeção e que está sujeito a numerosos danos de utilização. Os mais comuns são: as impressões digitais, os riscos, a degradação progressiva da imagem resultante do calor da projeção e o efeito das poeiras. O cuidado na utilização deste recurso prende-se com o correto posicionamento dos slides (fig. 2): 1º Orientar o slide de forma a o ver/ler corretamente;

Figura 2 – Orientação e posicionamento de um slide para projeção

2º Rodar o caixilho 180 graus (de “pernas para o ar”) 3º Colocar o slide no carregador, nessa posição. Seguidamente o Formador deverá estruturar e definir a sequência de slides a apresentar, assegurando-se da existência de uma linha de raciocínio coerente e progressiva, relativamente aos conteúdos selecionados. No início da apresentação não esquecer a explicação dos objetivos aos formados, bem como a indicação dos principais aspetos a serem abordados. Durante a exposição há que ter em conta que o ritmo de apresentação deve atender aos diferentes ritmos de aprendizagem dos formandos. Para estimular a atenção dos formandos podem colocar-se-lhes questões ou solicitar comentários relativamente aos vários slides que forem sendo apresentados.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

14 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

VANTAGENS

DESVANTAGENS

Qualidade de imagem

Elevado custo de aquisição

Facilidade de transporte

Obscurecimento da sala

Robustez e fiabilidade

Impossibilidade de intervenção direta

Redução do tempo de apresentação, ao tornar

Impossibilidade de animação

mais fácil a apreensão dos conceitos através do

Dificuldade de utilização combinada com outros

encadeamento de imagens e da seleção dos

meios

conteúdos mais importantes

Preparação prévia

Compatibilidade no formato de slides

Posição do aparelho afastado do formador

Baixo custo de realização

Facilidade de utilização

- Controlo remoto - Focagem - Avanço/retrocesso

V.2.3. O RETROPROJETOR O retroprojetor é um aparelho que permite a projeção a curta distância, de documentos transparentes, produzindo uma grande imagem. O seu uso em ações de Formação tornou-se bastante popular, sendo hoje em dia um dos equipamentos base presentes numa sala de formação. Atualmente podem encontrar-se retroprojetores portáteis, extremamente leves e compactos que se transportam numa pasta de reduzidas dimensões

Os procedimentos para garantir um visionamento em boas condições técnicas são os seguintes: 

Ligar a ficha de alimentação elétrica à tomada;

Colocar o acetato no porta documentos;

Acionar o interruptor de funcionamento, o que fará acender a lâmpada. Caso isso não aconteça é possível que a mesma esteja fundida. Deve então substitui-la por uma nova sem tocar diretamente na mesma (utilizar um lenço, pano), abrindo o retroprojetor. Tenha cuidado para que o vidro do porta documentos não se descole e parta por acidente. Também pode ser o fusível fundido, bastando um pouco de papel de prata para manter o

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

15 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

contacto, enquanto utiliza o retroprojetor na sessão, ou ser uma avaria que só os serviços técnicos podem resolver; 

Regular o tamanho e a posição da imagem, aproximando ou afastando o retroprojetor do ecrã de projeção, elevando ou baixando o espelho orientável;

Focar a imagem rodando o manípulo de focagem (geralmente próximo do espelho).

Cuidados a ter: 

Não deixar o aparelho ligado em permanência;

Não ligar com o espelho fechado ou sem documentos no porta documentos, pois pode danificar a lente;

Não desligar da corrente antes da ventoinha/turbina de arrefecimento parar. VANTAGENS

DESVANTAGENS

 Baixo custo

 Ruído durante o funcionamento

 Utilização de cores

 Exige preparação prévia

 Economia de tempo (escrita prévia à sessão)  Durabilidade do documento  Reutilização dos documentos  Mobilidade/animação pela utilização de acrílico  Posição do utilizador frontal para o grupo  Escrita direta  Revelação progressiva da informação  Utilização combinada com outros meios, ex.: quadro branco  Não há obscurecimento da sala  Larga implementação

V.2.3.1 O ACETATO Os suportes de informação destinados à projeção são conhecidos, na linguagem corrente, como acetatos ou transparências. A construção de um acetato pode seguir 2 vias: - PRODUÇÃO DIRECTA, isto é, elaborado manualmente pelo Formador, com canetas apropriadas ou outros materiais.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

16 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

- PRODUÇÃO INDIRECTA, isto é, por obtenção através da Fotocopiadora ou da Impressora a partir do computador. - PRODUÇÃO MISTA, (envolvendo ambas as produções anteriores) Existem acetatos específicos para serem utilizados em fotocopiadoras (lisos) e em impressoras (rugosos se forem para impressoras a jacto de tinta ou lisos para impressoras a laser). A não utilização de Acetatos adequados à produção indireta, põe em risco a operacionalidade dos equipamentos, ou produz resultados desastrosos (a não aderência da tinta, nas impressoras). É fundamental que o acetato contenha um conjunto de características: legibilidade, clareza e simplicidade. Para que isto aconteça, o formador deverá realizar sempre um trabalho de planeamento, no qual serão ponderados os seguintes aspetos: 1. Que assuntos vou abordar? 2. Que desenhos, que ilustrações ou outros materiais vou utilizar? 3. Que tipos de letras e cores vou selecionar? 4. Que sequência vou dar aos Acetatos que criei? Regras de elaboração de um acetato: 

Um Título

Um assunto por acetato

São de eliminar por completo acetatos que contenham demasiada informação e demasiado texto

Três ideias chave no máximo

Se o conteúdo for muito complexo é preferível dividi-lo por vários acetatos

Na vertical: 14 linhas por acetato com 7 palavras por linha, no máximo

Na horizontal: 10 linhas por acetato com 9 palavras por linha, no máximo

Uso de quatro cores, no máximo

Letras legíveis

Palavras sempre completas

Conforme as cores, assim se terão efeitos de: SUAVIDADE e HARMONIA, quando se utilizam cores análogas, isto é, as que têm em comum uma cor base, variando a sua proporção. Exemplo: - amarelo, laranja, verde.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

17 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

EFEITOS DE CONTRASTE e de CHAMADA DE ATENÇÃO quando se utilizam cores complementares – cores opostas. Exemplo: - laranja, azul. EFEITOS DE SUAVIDADE e MONOTONIA, quando se utiliza uma variação de intensidade de uma mesma cor. Exemplo: vermelho, vermelho escuro, etc. Apesar do retroprojetor ser um auxiliar pedagógico simples e de fácil manuseamento, existem muitos formadores que mantêm um “relacionamento” difícil com este equipamento. Vamos aqui falar de alguns princípios que visam facilitar esse “relacionamento”. 1º O formador deve estar sempre numa posição frontal em relação ao grupo, de modo a não perder o contacto visual com os formandos. 2º O retroprojetor deve estar à direita do formador. 3º Embora o formador deva evitar a leitura exaustiva do acetato (deve ter em memória as diversas mensagens), se tiver mesmo assim que o ler, não deve fazer nunca no ecrã, mas sim diretamente no acetato, por exemplo, apontando o documento. 4º O formador deve evitar qualquer tipo de movimento na frente ou atrás da luz de projeção, já que com isso criaria sombras no ecrã. 5º Quando o tema a expor tiver vários pontos-chave, o formador não deve apresentar o acetato na sua totalidade. Para isso pode utilizar uma “máscara”, que permite ir projetando, progressivamente, os vários temas do acetato. À medida que cada tema for sendo apresentado, vão sendo “descobertos” os temas seguintes. 6º O retroprojetor só deve ser ligado após ter sido colocado na superfície de projeção o acetato a apresentar. 7º Seja imaginativo, sirva-se de desenhos, esquemas, caricaturas, etc. 8º Evite a luz branca, desligue o retroprojetor e só depois retire e mude a transparência 9º Se usar algo para apontar, pouse-o quando já não precisar dele. Antes do início de cada sessão e de acordo com o Plano de Sessão, o formador deverá ordenar os acetatos seguindo a sequência prevista para a sua apresentação. Os acetatos devem ser utilizados apenas se servirem para apoiar, ilustrar e sistematizar pedagogicamente os temas expostos. O uso excessivo de acetatos constitui um erro do ponto de vista pedagógico. O acetato não se pode substituir ao formador: ele é apenas um auxiliar para a sua exposição. E é por essa

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

18 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

razão que o formador ao apresentar um acetato não se deve limitar à sua leitura. Deve sim apoiar-se nos tópicos nele emitidos para apresentar de uma forma mais desenvolvida cada um dos conceitos. Finalmente, o uso abusivo do retroprojetor pode dar a entender que: 

O formador não domina claramente o assunto

O formador não possui um fio condutor e coerente do raciocínio

O formador usa o acetato como “muleta” e contribui para que haja uma desmotivação generalizada do grupo, por saturação de imagens.

V.2.3.2. ECRÃS Os recursos visuais projetáveis necessitam de ecrãs também chamadas telas de projeção que podem ser opacos ou translúcidos. Nos opacos a imagem projetada no aparelho é refletida na sua superfície (ecrãs mais utilizados na formação). Nos translúcidos a imagem não é refletida mas transmitida através do próprio ecrã (chamada retro projeção – Projeção por trás). Relativamente à posição do ecrã na sala de formação devem ter-se presentes as seguintes regras: 

O ângulo entre o eixo de projeção e o ecrã deverá ser de aproximadamente, 90º para evitar distorções geométricas na imagem.

O eixo de projeção da imagem deve coincidir com o centro do ecrã.

O retroprojetor e o ecrã não constituem as “peças” mais importantes da sala de formação, devendo por isso ocupar um lugar discreto na sala, de modo a permitir uma fácil movimentação quer do formador quer do grupo.

Igualmente, aquando da sua instalação na sala, deverá assegurar-se de que todos os elementos do grupo ficarão em posição de observar a imagem no ecrã, sem obstáculos e sem esforços.

A superfície do ecrã deve estar sempre bem esticada.

No fim da projeção deve enrolar-se o ecrã a fim de proteger a superfície de danos e sujidade.

Quanto à distância, o formador deverá ter presente o seguinte princípio: 

Quanto maior for a distância entre o aparelho e o ecrã, maior a imagem projetada;

Adquire-se assim maior visibilidade embora se possa perder a nitidez da imagem. Se for o caso – a perda de nitidez – poder-se-á sempre proceder à focagem das imagens através do manípulo localizado no braço do retroprojetor.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

19 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

VI. RECURSOS AUDITIVOS Os recursos auditivos englobam todos os meios que utilizam unicamente o som como veículo para transmissão da informação. Há milhares de anos que o homem transmite os seus conhecimentos através de um meio sonoro – a voz humana. Para além disso, os recursos auditivos apresentam a vantagem de estar muito vulgarizados, visto uma grande percentagem da população possuir rádio, gravador de cassetes e sistemas de alta-fidelidade. Em formação, contudo, com a exceção da voz, estes recursos estão normalmente associados à imagem, como no diaporama, no filme e no vídeo. Os documentos auditivos utilizáveis como recursos didáticos vão desde a música, entrevistas, discursos de figuras públicas, «livros falados», até às gravações resultantes de situações formação (ex., role-play). Os vários documentos auditivos podem ser trabalhados pelos seguintes meios: 

Rádio;

Gira-discos;

Gravador;

Leitor de CD.

O gravador pode revelar-se de excelente utilidade em situações de formação na área do atendimento telefónico ou de aprendizagem de línguas estrangeiras. Com efeito a gravação das vozes dos formandos e a sua posterior audição, permite uma análise crítica – individual ou coletiva – a diversos níveis, nomeadamente, dicção, entoação, correção de palavras. Também o leitor de CD apresenta grandes vantagens como: a qualidade do registo sonoro, o acesso instantâneo às faixas, facilidade e comodidade de operação devido à sua pequena dimensão, durabilidade, possibilidade de fazer cópias sem perda de qualidade e compatibilidade informática.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

20 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

VII. RECURSOS AUDIOVISUAIS Os recursos audiovisuais, tal como o nome indica, são aqueles que associam a imagem (animada ou não) ao som. Os principais recursos audiovisuais são: 

O Diaporama;

O Filme;

A Televisão/Vídeo;

Os Multimédia

Na utilização dos diaporamas, filmes e vídeos deve haver: - Uma seleção criteriosa do suporte; - Um visionamento prévio, para se familiarizar com o assunto e assegurar que os comentários a fazer se aplicam à imagem; - Uma apresentação aos formandos do suporte, explicando-lhes o que vão ver; - Depois do visionamento, início do debate (discussão), identificando os pontos principais, devendo o formador começar por colocar as questões que preparou anteriormente.

VII.1. O DIAPORAMA Um Diaporama consiste na projeção ordenada de imagens fixas – slides – sincronizada com uma banda sonora gravada em fita magnética. O diaporama é vulgarmente designado por slideshow, sendo constituída de uma série de imagens fixas e textos escritos, acompanhados de elementos sonoros em sincronia. Ao contrário de que acontece com a sequência de slides organizada pelo formador, e que em qualquer momento pode ser alterada, no diaporama, não é possível modificar essa ordem que foi previamente estabelecida. Apesar do seu relativo desuso, este recurso audiovisual não deixa de possuir qualidades importantes que não devem ser esquecidas:

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

21 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

VANTAGENS 

DESVANTAGENS

Qualidade da imagem e do som, o que é difícil de

Obscurecimento da sala

superar com os outros recursos audiovisuais

Exige conhecimentos específicos

Liberdade narrativa, contrário do cinema e da

Exige preparação prévia

televisão/vídeo que têm linguagens próprias mais

Custo elevado do equipamento

definidas

Imagem fixa

Estrutura que exige maior atenção, obrigando os

Análise parcelar

formandos a uma atitude menos passiva que o filme ou o vídeo 

Reutilização dos documentos

VII.2. O FILME Desde a sua invenção, no final do século passado, o cinema foi reconhecido como um valioso recurso pedagógico, especialmente

se

apresenta

uma

estrutura

didática:

exposição, discussão e resolução de um problema, seguidas de uma recapitulação ou resumo. A sua importância na formação foi decrescendo com o progressivo desenvolvimento e utilização do vídeo. Atualmente, o seu uso em formação no suporte original (película cinematográfica) está praticamente abandonado. VANTAGENS

DESVANTAGENS

Qualidade da imagem e do som

Obscurecimento da sala

Reprodução do movimento

Elevado custo de produção

Durabilidade, quando corretamente acondicionados

Exige conhecimentos específicos

podem durar dezenas de anos

Exige preparação prévia

Reparação fácil do suporte, por colagem

Custo elevado do equipamento

• Não permite/atualizações de conteúdo

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

22 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

VII.3. A TELEVISÃO E O VÍDEO

+ A utilização da televisão e do vídeo em ações de formação, tem-se tornado de há uns anos a esta parte prática bastante frequente, seja através da apresentação de videogramas, seja através do visionamento de situações de aprendizagem, como por exemplo nas autoscopias, estudos de caso e visionamento de “roles-play”. Na verdade este recurso audiovisual permite não só uma exploração pedagógica dos conteúdos dos videogramas (através nomeadamente das funções “Pausa” e “Slow Motion”), como também permite a reprodução instantânea do trabalho previamente realizado (Por exemplo em situações de filmagens). No entanto a utilização deste tipo de equipamento requer alguns conhecimentos técnicos por parte do Formador, tal como a sua exploração, obedece a regras pedagógicas específicas. Ao nível dos cuidados técnicos a ter antes do início de cada sessão, destaca-se: 

Verificação do funcionamento do equipamento;

Sintonização da Televisão no canal de vídeo;

Controlo da distância entre a televisão e os formandos;

Controlo do volume de som;

Cuidar para não haver reflexos de luz ou outras interferências no ecrã do aparelho.

Quanto à exploração pedagógica de um videograma de formação deverão ser tidos em conta os seguintes fatores: (a) a sua Duração Habitualmente o tempo médio de duração de um videograma oscila entre 15 e 30 minutos. Nos casos de videograma de maior duração é aconselhável a divisão da sua apresentação em “partes” de conteúdo independente, de forma a permitir-se uma integração e assimilação progressiva dos conhecimentos, por parte dos formandos. Ao optar-se por essa segmentação, torna possível ao Formador promover exercícios ou reflexões sobre os conteúdos abordados, e eventualmente propor a revisão de algumas das imagens mais importantes do videograma.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

23 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

Em videograma de curta duração, torna-se aconselhável o visionamento por inteiro, aparecendo o momento da reflexão e realização de exercícios apenas o seu final. Nestes casos é também possível ao formador explorar pedagogicamente o videograma através do seu novo visionamento, procurando então chamar a atenção (por exemplo através da função “Pausa”), para os aspetos mais importantes do seu conteúdo. (b) o seu Conteúdo/Estrutura; O conteúdo de um videograma pode diferenciar-se, para além do tema específico que versa, pela forma de abordagem que o mesmo promove. Assim um videograma pode ser estruturado segundo uma forma predominantemente reflexiva, isto é, colocando ao longo do filme questões diversas, questões essas que podem, por exemplo, ser aproveitadas pelo Formador para fazer paragens e para propor um debate ou uma reflexão aos formandos. Se por outro lado a estrutura do videograma for predominantemente descritiva e sequencial em termos de apresentação de conceitos, torna-se difícil a sua separação em diferentes módulos, devendo então optar-se pelo seu visionamento integral. (c) o seu Enquadramento/Função na ação. Ao elaborar o seu plano de sessão o formador vai prever a utilização dos diferentes meios audiovisuais e outros instrumentos pedagógicos que lhe permitam atingir os objetivos que previamente definiu. A par dessa escolha, o Formador deve ponderar igualmente os momentos apropriados à intervenção desses mesmos meios. Assim, a apresentação de um videograma pode ser feita no início, decurso ou fim da sessão. MOMENTO • INÍCIO da sessão

OBJECTIVO Terá como objetivo principal a sensibilização dos formandos para o tema a tratar Já a sua utilização no decurso da ação, poderá servir para outros objetivos, nomeadamente:

• DECURSO da Sessão

De apresentação dos principais conceitos;

Suporte de análise de casos, tendo em vista a discussão e reflexão dos formandos.

Se se pretender sintetizar e apresentar as conclusões • FIM da sessão

relativas aos temas e conceitos abordados, a apresentação de videograma, deverá surgir no final da ação.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

24 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

VII.4. A CÂMARA DE VÍDEO A utilização da Câmara de vídeo em sessão de formação, surge nomeadamente associada à filmagem de situações de role-playing e/ou autoscopia. Durante a filmagem o formador deve:  Procurara fixar as expressões e gestos dos formandos, que pela sua correção ou incorreção possam ser aproveitadas pedagogicamente, na altura do seu visionamento; 

Evitar qualquer fonte de encadeamento (nunca se deve posicionar em frente a uma fonte de luz, mas procurar um ângulo de 30º a 45º graus);

Colocar-se num espaço que tenha boa visibilidade e que ao mesmo tempo não interfira na visibilidade do grupo de formandos;

Recorrer sempre que possível a um tripé, para fixar a câmara (melhora a qualidade das filmagens e alivia o esforço do formador).

Manter uma presença discreta para que a utilização deste equipamento não seja alvo de atenção/preocupação excessiva.

As vantagens deste recurso audiovisual são já reconhecidas a nível global, sobretudo ao nível de ações de formação na área Comportamental, nomeadamente, Autoscopias, Psicologia de Vendas, Liderança, Atendimento ao Público, Técnicas de Negociação, etc.

VII.5. OS MULTIMÉDIA

O recurso multimédia, hoje em dia, é indispensável para um trabalho rápido, atual e de qualidade. Apresentam vantagens para a formação que conjugam muitos recursos, tais como: a motivação que geram, a flexibilidade e o respeito pelo ritmo individual de aprendizagem. São ao mesmo tempo fonte e meio para uma ampla criatividade e inovação.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

25 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

Ao nível dos materiais existem: 

CD-ROM (compact diskread only memory)- com grande capacidade arquivo de informação visual e auditiva;

CD-ROM XA (CD ROM extended arquitecture) – com grande capacidade de arquivo de som, texto, imagens, gráficos e sua apresentação em simultâneo;

CD-I (CD interactive) – sistema multimédia interativo com áudio digital, imagens e gráficos animados;

DV-I (digital vídeo interactive) – tecnologia multimédia com extraordinária capacidade de arquivo de informação;

SATÉLITE – a telecomunicação por satélite abrange vastas áreas e tem grandes possibilidades de exploração na formação.

Ao nível dos equipamentos existem: 

Computador

Datashow

Projetor De Vídeo

Vídeo Interativo

Videotexto Interativo

Simulação

Redes De Informática

O computador constitui uma poderosa tecnologia que permite fazer visuais a cores com a grande facilidade através da utilização de programas de gráficos e com uma impressora a cores. Com este equipamento poderá criar e manipular imagens no ecrã e produzir um visual de grande qualidade profissional: panfletos, fotografias, apresentações ou slides (diapositivos). Na utilização do computador em formação deve: 

Planear a aplicação do computador em conformidade com os objetivos da sessão;

Assegurar-se da compatibilidade dos vários equipamentos (computador, impressora, etc.);

Familiarizar-se com o equipamento (se não for o seu) antes da apresentação em sala;

Simular no local antes da chegada dos formandos;

Colocar o equipamento de forma a não criar barreiras aos participantes e garantir a visão em toda a sala de formação;

Manter um design simples e elegante;

Ter sempre um plano B para o caso de avarias ou vírus: fazer cópias de segurança dos trabalhos e levar outro suporte com a mesma informação.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

26 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

VANTAGENS

DESVANTAGENS

 Excelente qualidade de imagem e do som

 Custo elevado do equipamento

 Produção rápida e relativamente fácil

 Dificuldades de transporte e montagem

 Novas capacidades de animação, simulação,

 Exige conhecimentos específicos

efeitos de cor e transformação de folhas de

 Exige preparação prévia

cálculo e números em gráficos.

 Vulnerabilidade a avarias e a vírus

 Produção de visuais mais interessantes.

Na sua aplicação mais avançada, o computador pode transformar-se numa ferramenta de animação e simulação, produzindo cor, efeitos especiais, como por exemplo, a simulação de voo de uma avião 747 num exercício de aprendizagem em computador. Para apresentações animadas e dinâmicas existem projetores computadores (para venda ou aluguer) que projetam o conteúdo do monitor do computador para um ecrã, permitindo numa visão ampliada (ex., data show e projetor de vídeo). Em caso de utilização de colunas ter cuidados em regular o volume do som no início das apresentações. O DATASHOW permite a saída de dados de um computador. Assim, com este aparelho ligado ao seu computador poderá exibir a informação presente no monitor desse computador, projetando-a num ecrã de projeção (ou mesmo na parede), recorrendo, como é óbvio, ao retroprojetor. Quando o formador pretender exemplificar o funcionamento de determinado programa (por exemplo o Photoshop) ou quando pretende mostrar uma apresentação de PowerPoint, este é sem dúvida um aparelho indispensável. Para o correto funcionamento do Datashow será necessário: 

Certificar-se de que está ligado antes de ligar o retroprojetor;

Ligar o Datashow;

Verificar o seu funcionamento e posicionamento sobre o retroprojetor para que os seus botões de comando fiquem acessíveis (existem modelos com um telecomando o que facilita a atenção e o contacto visual formador/formandos);

Posicionar o datashow sobre o retroprojetor centralmente na sala e o computador com o rato lateralmente assegurando um acesso fácil;

Colocar-se lateralmente em relação ao datashow (tal como no caso do retroprojetor) e “ler” diretamente do painel de projeção do datashow;

Usá-lo por períodos de tempo não muito longos, pois apesar de ser um recurso muito apelativo pode conduzir a uma excessiva passividade dos formandos;

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

27 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

O PROJECTOR DE VÍDEO permite a projeção direta do computador ou do vídeo gravador para uma ecrã de projeção, sem necessitar do retroprojetor ou da televisão, respetivamente. Para a sua correta utilização será necessário: 

Fazer as ligações necessárias entre o projetor de vídeo e o computador e/ou o vídeo gravador;

Controlar o botão de Stand by (consumo mínimo) e de permuta da ligação com o PC e o vídeo;

Posicionar o projetor de vídeo centralmente na sala e o computador com o rato ou o vídeo gravador lateralmente assegurando um acesso fácil;

Colocar-se junto do monitor do PC para efetuar a “leitura” da informação, mas sem perder ou diminuir muito o contacto visual com os formandos;

Usá-los por períodos de tempo não muito longos, pois apesar de ser um recurso muito apelativo pode conduzir a uma excessiva passividade dos formandos.

VÍDEO INTERACTIVO – apresenta exemplos e demonstrações, motivando através do som e das imagens; VIDEOTEXTO INTERACTIVO – forma eficaz e económica de difundir a (in)formação, através de terminais que utilizam o telefone; SIMULAÇÃO – proporcionar a aprendizagem em segurança e é menos onerosa do que certas tarefas complexas; REDES DE INFORMÁTICA – proporcionar a difusão de material pedagógico concebido centralmente através dos vários terminais dos formandos.

VII.5.1. SLIDES E ACETATOS EM POWERPOINT De forma a introduzir uma aplicação multimédia tão útil em formação (PowerPoint), serão explorados alguns procedimentos, que no entanto, não dispensam um curso de informática na área. Para a criação de apresentações dinâmicas e apelativas existem 1

diversos softwares, de que são exemplo o muito conhecido PowerPoint, o Prezi (ver 2

apresentação “Resumo M6. Recursos Didáticos e Multimédia”) e o Issuu (que foi utilizado para a publicação deste manual). Para iniciar PowerPoint, carregue no botão iniciar e aponte para Programas e faça clique em Microsoft PowerPoint (fig. 3) 1 2

www.prezi.com www.issuu.com

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

28 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

Figura 3 – Iniciar o PowerPoint Surge-lhe, então a apresentação em branco (fig. 4):

Figura 4 – Apresentação em branco

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

29 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

Pode alterar o esquema de apresentação clicando em “Esquema” (fig. 5).

Figura 5 – Caixa de diálogo de esquemas Automáticos

VII.5.2. INSERIR OBJETOS Por exemplo, escolhendo a opção “Título e Objeto”, pode inserir tabelas, gráficos, gráficos smartart, imagens, clips multimédia e clipart (fig. 6).

Figura 6 – Esquema do dispositivo “Título e Objeto”

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

30 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

Basta clicar em uma das opções de objeto a inserir que automaticamente abre uma caixa que permite a inserção do objeto (fig. 7).

Figura 7 – Exemplo inserção gráficos Outra alternativa para a inserção de objetos no PowerPoint é clicar no menu “Inserir”, na barra de ferramentas (fig. 8), onde pode escolher entre os seguintes objetos a inserir: 

Tabela

Cabeçalho e rodapé

Imagem

Wordart

Clipart

Data e hora

Álbum de fotografias

Número de dispositivo

Formas

Objeto

Smartart

Filme

Gráfico

Som

Caixa de texto

Figura 8 – Inserir objetos no PowerPoint

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

31 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

VII.5.3. FORMATAÇÃO DE FIGURAS AUTOMÁTICAS E DE CAIXAS DE TEXTO Para formatar as linhas e o fundo de figuras ou caixas de texto, seleciona-se primeiro o que se quer formatar no diapositivo acede-se ao menu Formatar (fig. 9).

Figura 9 – Ferramentas menu “Formatar”

VII.5.4. ESTRUTURA O PowerPoint permite ainda escolher a estrutura dos diapositivos, utilizando temas predefinidos ou personalizando com cores ou imagens (fig. 10).

Figura 10 – Estrutura de diapositivos

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

32 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

VII.5.5. APRESENTAÇÃO E EFEITOS DE ANIMAÇÃO O PowerPoint permite visualizar diapositivo a diapositivo, como se fosse um projetor de slides. Para além disso, também se podem atribuir efeitos especiais ao texto, aos objetos, contidos no corpo dos diapositivos da apresentação. Por exemplo, pode surgir um gráfico ao som de aplausos. Para definir os efeitos especiais selecione no diapositivo a figura automática, o objeto ou texto que pretende animar, aceda ao menu Animações, no qual pode escolher a animação para a transição de diapositivos ou apenas para um objeto específico - animação personalizada (fig.11).

Figura 11 - Animações No menu “Animações” pode escolher a animação pretendida e ainda conjugar com um som. Para além disso, tem ainda outras animações como: temporização, velocidade de transição e modo para avançar dipositivos (fig. 12).

Figura 12 – Animação personalizada

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

33 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

VIII. SÍNTESE CONCLUSIVA Os recursos didáticos constituem um importante auxiliar pedagógico para o Formador. A sua utilização em ações de Formação concorre para uma aprendizagem mais facilitadora, organizada e sistematizada por parte dos formandos, ganhando-se assim, no seu todo, uma maior eficácia na Formação. Como formador deve estar ciente da importância de uma abordagem profissional no planeamento, preparação e utilização dos recursos para melhorar as suas sessões. Isso passa essencialmente pelo conhecimento das vantagens e desvantagens dos vários auxiliares pedagógicos e pela capacidade de fazer deles um uso inteligente e imaginativo. Os recursos didáticos devem surgir naturalmente como um dos auxiliares que terá à sua disposição para o desenvolvimento da sessão de formação, mas no sentido restrito de “auxiliar” e não “muleta” ou “tábua de salvação”. Com isto quer dizer-se que os recursos didáticos servem para ajudar o formador e não para substituir a sua figura ou a falta/qualidade de conteúdo, através de um ofuscamento/deslumbramento dos formandos. Finalmente, tenha em conta que, como em tudo na vida, deve utilizar os recursos didáticos com moderação para evitar efeitos negativos.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

34 de 35


Formação Pedagógica Inicial de Formadores [blearning] XZ Consultores, SA

IX. BIBLIOGRAFIA

 Andreson, J.B. (1989). Falar para grupos. Mem Martins: Edições CETOP.  Lebel, P. “Audio-Visual et Pedagogie – films, diapositive et magnetoscope”. Enterprise – Moderne D’edition.  Machado, A.R. “Guia Prático para o uso do retroprojector”. Colecção Aprender – I.E.F.P..  Miranda, A. (1998) Guia Prático Microsoft PowerPoint 97. Linda-a-Velha; Abril/Controljornal Editora  Parra, N. & Parra, I.C. “Técnicas Audiovisuais de Educação”. Biblioteca Pioneira de Ciências Sociais.  Pereira, A.J. “O Retroprojector e a produção de transparências”. Colecção Formar Pedagogicamente, I.E.F.P..  Ribeiro, C.P.; Dias J.P. & Relvas, L. “Os meios Audiovisuais na Formação”. Colecção Aprender - I.E.F.P..  Sousa, M.J. (1998). Domine a 110% PowerPoint 97. Lisboa: FCA – Editora de Informática.

M6.Recursos Didáticos e Multimédia |

35 de 35

Manual M6  

Manual M6: Recursos Didáticos e Multimédia

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you