Page 1

BANDIDO A CAÇA DE POLICIAIS EM SÃO PAULO Policiais novamente e curiosamente voltam a ser vítimas de crimes Cidadãos, policiais e famílias inteiras estão reféns do medo que se espalha em São Paulo. As barbáries cometidas por bandidos estão amparadas por um código penal arcaico que favorece a criminalidade. Embora barbáries também sejam cometidas por alguns policiais, nos últimos dias o crescente número de policiais assassinado na grande SP tem causado uma sensação de medo, inclusive dentre os membros das corporações. Se os policiais estão sendo vítimas e desde há muito estão reféns do medo, quiçá a massa popular que foi desarmada pelo governo, sobre a ilusão de que assim diminuiria a criminalidade. O que não ocorreu. Em 2012 foram registrados 76 policiais mortos em SP e 83 na cidade do RJ. A maior parte das ações foram executadas por bandidos em represálias as ações da polícia. E novamente o Estado só apresenta discursos. Enquanto que cidadãos comuns e policiais vem sendo alvo e ficando também reféns do medo e lançados a própria sorte. Na verdade, a julgar pelos fatos cotidianos, quem mais mata neste país é o próprio estado, através de seus governantes. O estado faz todo tipo de vítimas, desde o seu próprio braço forte até que os paga (povo). Dizer que tal situação está nas margens do controle estatal ou até mesmo da própria Segurança Pública, é uma falácia, no intuito de enganar, como sempre, a população ordeira e comprometida com o trabalho. 2012 foi um período sangrento para a sociedade paulista e carioca. 2013 e 2014 foram e estão sendo novamente reprise de guerras ``silenciosa´´, onde o mais calado é o estado, entre bandidos normais e policiais. Na imagem o colega grita desesperado por socorro, enquanto seu colega agoniza no chão, após ser alvejado. As imagens são fortes e de fato chocam, assim como, quaisquer imagens de violência praticada a pessoa humana choca, sejam cidadãos comuns ou não. A radiografia de como anda a segurança no país, não é a que está na boca dos políticos em frente à imprensa, nas tribunas de seus plenários nem de seus indicados aos cargos de confiança espalhados pelo país. Mas sim, a que as poucas imagens aqui denunciam. Uma verdadeira cena de guerra urbana, um descontrole na segurança pública, que põe até seus agentes em xeque, e os levam, por conveniência ou não, a tentar enganar a sociedade de que tudo está dentro, de supostas previsões e que, são casos isolados (discursos mais comuns). Corpos de policiais militares estirados agonizando pelas ruas e até mesmo dentro de viaturas; corpos de policiais civis pendurados, depois de serem barbaramente torturados. São cenas estarrecedoras que os governos ignoram e não estão dando as devidas importâncias. Onde está o controle!? Onde é caso isolado tantos assassinatos de agentes da segurança pública!? Se os agentes, que nos vendem a imagem de estarem preparados estão sendo rechaçados pela violência, quem


dirá os civis comuns. Civis cidadãos comuns que, acima de tudo lhe és mais cobrados os deveres, do que lhes são retribuídos os direitos. Os apelos, os brados surgem de todo canto, mas, não conseguem chegar onde deveria, ou, a quem deveria está com os ouvidos atentos para captá-los. Nas cadeiras de rodas, ex-policiais que tiveram suas vidas e rotinas modificadas de forma drástica, nas atribuições de suas funções. Em pé, policiais e familiares, expõem a bandeira da nação e do estado de São Paulo, com cruzes representando luto em homenagem as vidas que se foram ceifadas, prestando serviço para o mesmo estado que outrora dá de ombros. Governos que estão numa zona de conforto por não serem responsabilizados pela falta de responsabilidade, pelo notório descaso e desleixo coma o público e coisas públicas. Assim seguem intocáveis. Militares sendo perseguidos, caçados e executados até mesmo em suas bases de operação. Um claro recado de afronta as forças estatais, a justiça e os governos. O abuso e demonstração de uma suposta força que está aliada a uma série de fatores sociais, políticos e econômicos. Situação que aponta a conivência do sistema, e até mesmo, de envolvimentos de alguns agentes no mundo do crime, de diversos segmentos. Dentre os mais comuns, o de corrupção. Além, de grupos milicianos que dominam algumas regiões de favelas, comportamento este, que acaba pondo em risco as vidas dos demais policiais do bem e que, não fazem outra coisa senão, honrarem suas fardas e de fato, zelarem pelo bem estar da sociedade. Infelizmente, os maus, que se envolvem no mundo do crime não têm a real dimensão das conseqüências de tal ato, pois, comprometem a vida de seus colegas, se é que podem ser considerados colegas, senão bandidos de farda. Em represálias, bandidos que estão coagidos pelos milicianos, acabam por vingar, atacando outros, que muita das vezes morrem sem saber porque. E no enterro, a família, recebe uma bandeira e um monta de pêsames, dizendo que morreu no exercício da função. Em tese, o óbvio. Posteriormente família desse policial assassinado, torna-se órfão inclusive do estado. E novamente ressuscita o velho questionamento: ``Alguém ouviu qualquer manifestação da inútil organização dos direitos humanos em favor dos policiais assassinados!??´´. Essa é uma das questões que há tempos não se cala, há tempos não se tem uma resposta à altura. Os trabalhos das comissões de direitos humanos são fundamentais, principalmente com aqueles que não tem condições e nem tem o Estado a seu favor. Mas, peca-se por não haver manifestação imparcial e em prol de todos que são vítimas. Assim, não resta outra situação senão, de um lado a tristeza e do outro a desolação de quem está praticamente entregue a própria sorte, assim como os demais cidadãos civis comuns.


Tudo isso aconteceu, acontecendo e vai continuar acontecendo. E os políticos continuarão discutindo suas alianças políticas, mas, isso vai acontecer até a Nação em peso, explodir em revolta, explodir num brado e ato de BASTA!

Para eles (políticos e nomeados), o Primeiro Comando da Capital (PCC) não existe. Discurso sempre voltado a enganar a população. O claro e explícito cinismo político, enquanto assassinatos continuam ocorrendo. Assim como muitos outros ocorreram, deixando marcas profundas e manchas de sangue irreparáveis.

Estas 75 mortes citadas ocorreram em anos anteriores.

A matança de policiais também se deu no Rio Grande do Norte – RN.

Perdemos as palavras para classificar tamanho descaso com vidas humanas. De uma lado são policiais sendo assassinados e do outro policiais assassinado, supostamente, a mando de governos... Como entender esse mundo, essa Nação, que se tornou uma Torre de Babel, onde, ninguém mais fala a mesma língua, senão a do desespero, medo e terror!?


Mortos por Policiais...

Agora, as imagens resumiram por si só milhares de palavras que poderiam ser ditas. Precisamos de policiais vivos, em especial os honestos. Que os comandos possam estar de olhos bem abertos e vigilantes quanto aos seus homens, para que não permita que os desregrados permaneçam na corporação e venham continuar colocando em risco, a vida dos demais... ÍSSO QUE TODA SOCIEDADE DE BEM QUER, É ISSO QUE OS BONS HOMENS E MULHERES, MEMBROS DAS CORPORAÇÕES ANSEIAM... SÓ FALTA OS GOVERNOS DESPERTAREM, ANTES QUE SEJAM VENHAM SER DESPERTADOS DA PIOR MANEIRA POSSÍVEIS, UMA VEZ QUE, PELAS VIAS DIPLOMÁTICAS E DE FATOS, NÃO ESTÁ SENDO POSSÍVEL.

Por: Winston Sales

Policiais caçados e assassinados por organizações criminosas...  

Centenas de policiais, Militares e Civis de diversos estados do país foram assassinados, enquanto os governos se preocupam com suas alianças...